Você está na página 1de 5

1 ANO FILOSOFIA RESUMOS

1º BIMESTRE

RESUMO DE AULAS DO 1º ANO ENSINO MÉDIO -1º


BIMESTRE

1. Porque estudar Filosofia?

1.1 O que é Filosofia?


Filosofia: é uma reflexão crítica a respeito do conhecimento e da ação, a partir da análise dos pressupostos do
pensar e do agir.
Reflexão crítica: pensar com critérios, analisar seu processo de pensar e de agir no mundo.

1.2 Para que serve o estudo da Filosofia?


Filosofia: é uma reflexão crítica (instrumento de trabalho) que visa auxiliar o adolescente (conhecimento e ação)
no processo de formação da formação da cidadania (objetivo)

Filosofia
• Reflexão crítica (instrumento)
• Cidadania (objetivo final)

1.3 Etimologia da palavra Filosofia


Etimologia: e o estudo relacionado a origem da palavra, onde ela surgiu.
A Filosofia (philosophia) é uma palavra de origem grega que significa: amigo da sabedoria.
philo= vem da palavra “philia” = amigo, amante, amor fraterno.
sophia= sabedoria.

1.4 Filósofos: Sócrates, Platão e Aristóteles

Sócrates (469 – 399 a.C.)


• Nasceu e morreu em Atenas.
• O ponto fundamental de sua filosofia é o autoconhecimento “conhece – te a ti mesmo”.
• Sua Filosofia se desenvolveu através do diálogo crítico dividido em duas etapas: Ironia e Maiêutica
Ironia: Sócrates formula perguntas para seu interlocutor, fingindo ser totalmente ignorante, enfatizando a
sabedoria da outra pessoa, inserindo muitas perguntas ingênuas para envolver o seu oponente em contradições
sem solução.
Maiêutica: é o parto das idéias, Sócrates faz as pessoas tirarem de dentro da sua alma a sabedoria que estava
dentro de si.
• Foi condenado a morte bebendo cicuta sob a acusação de corromper a juventude e por não crer nos deuses da
cidade.

Platão (427 – 347 a.C)


• Nasceu e morreu em Atenas
• Pertencia a uma família de aristocratas que faziam parte do processo político de Atenas.
• Conheceu Sócrates na juventude e se tornou seu discípulo, sua intenção era aprender Filosofia para utilizar na
carreira política, mas depois da condenação de Sócrates a morte pela democracia ateniense acaba ficando
desiludido com a política de Atenas.
• Teoria das Ideias: procura explicar como se desenvolve o processo do conhecimento no homem. Ele divide a
realidade me dois pólos um chamando de mundo sensível (nosso mundo real) que é somente de aparência por isso
o conhecimento neste mundo só temos opinião, observamos unicamente as imagens das idéias verdadeiras; outro
pólo e o mundo das idéias, ou seja, o mundo verdadeiro real onde existem as ideias que são a realidade definitiva
e a Ideia do Bem e a mais alta na hierarquia neste mundo pensado por Platão. Segundo o filósofo grego o mundo
sensível é de aparência, pois ele foi plasmado por um deus artífice chamado Demiurgo que contemplou a
realidade verdadeira (Mundo da Ideias) e criou a mundo sensível.

Aristóteles (384 – 322 a.C)


• Nasceu em Estagira (Macedônia)
• Aos 18 anos conheceu Platão e se tornou seu discípulo ao ingressar na academia platônica em Atenas.
• No ano de 335 a.C. fundou sua escola o Liceu em Atenas; como Aristóteles era estrangeiro ele não poderia
utilizar qualquer estabelecimento para sua escola. Ele dava as aulas caminhando por isso seus alunos eram
chamados de peripatéticos “aqueles que caminham”.
• Foi professor de Alexandre o Grande.

SER: era concebido através dos conceitos de Ato e Potência


• Ato: manifestação atual do Ser
• Potência: capacidade de vir a ser

2. Introdução ao empirismo e ao criticismo


Empirismo: corrente filosófica que defende a aquisição do conhecimento através dos sentidos (experiência
sensorial), temos como representante John Locke

Criticismo: doutrina Kantiana que estuda as condições de validade e os limites do uso que podemos fazer de nossa
razão.

2.1 John Locke (1632 – 1704)


• Filósofo inglês
• Afirmava que as ideias são formadas através da experiência dos sentidos.

Ensaio acerca do entendimento humano (1690)


Para John Locke a mente é um papel branco sem qualquer ideia, por isso ele questiona de onde apreendemos as
matérias da razão e do conhecimento, chega a conclusão que o conhecimento nasce da experiência.

Experiência: possibilita o conhecimento e fazemos experiência dos objetos sensíveis externos e também das
operações internas da mente.

2.2 Immanuel Kant (1724 – 1804)


• Filósofo alemão
• Criou o criticismo para investigar as possibilidades do conhecimento (julgar e estabelecer os limites da razão)

Crítica da Razão Pura (1781, 1787 2ªed.)


Neste livro Kant afirma na distinção entre o conhecimento puro e o empírico que o conhecimento nasce da
experiência, mas ele se questiona se existe um conhecimento independente da experiência.
Kant chega a conclusão de que existe duas formas de conhecimento:

A. Conhecimento a posteriori: é fundado e posterior a experiência.


B. Conhecimento a priori: é independente, anterior e distinto da experiência

RESUMO DE AULAS DO 1º ANO ENSINO MÉDIO - 2º


BIMESTRE

1. Períodos da História da Filosofia

1.1 O que é a História da Filosofia?


História da filosofia: Introduz a Filosofia na história compreendendo a tradição, tendo objetivos e problemas
próprios inserido em épocas e lugares.

1.2 Períodos da História da Filosofia

a) Filosofia Antiga: divide – se em quatro períodos (Pré – socrático, Socrático, Sistemático, Helenístico).
Sua principal característica no início se volta para a cosmologia, depois com Sócrates, Platão e Aristóteles a
investigação filosófica gira em torno das questões éticas e antropológicas, e no seu final se da na relação inicial
entre o cristianismo e a Filosofia.

b) Filosofia Medieval: a característica fundamental é a discussão entre a fé e a razão, ou seja, separar o que
pertence a Deus e o que pertence aos homens.

c) Filosofia Moderna: preocupa – se com o homem racional e livre, as mudanças políticas e a confiança na ciência
empírica.
A Igreja Católica começa a perder a hegemonia que perdurou por toda a idade média.

d) Filosofia Contemporânea: Inspira – se na Revolução Francesa e na Revolução Industrial e no processo de


desumanização do homem.

2. Introdução à Filosofia da Ciência

2.1. Dedução e Indução

A dedução é uma inferência em que se parte do universal para o particular. Ela é uma atividade lógica – racional
(pensamento) e é somente ela que valida o conhecimento científico. A maior parte das pessoas partem do senso
comum pensam que a ciência é validada pela experiência, mas é um engano terrível porque a ela é validada
somente pela razão (dedução).
Por indução entende-se um método de pensamento em que se parte do particular para o universal. A indução está
ligada a experiência (observação), a partir dela cria-se uma lei.

Observe os blocos de informações (A, A1, A2) e (B)

Bloco A
(1 Premissa) Todo cão tem asas e voa.
(2 Premissa) Rex é um cão.
(Conclusão) Logo, Rex tem asas e voa.

Bloco A1
(1 Premissa) Todo A é B.
(2 Premissa) Todo C é A.
(Conclusão) Logo, todo C é B

Bloco A2
(1 Premissa) Todo HOMEM (A) é MORTAL (B).
(2 Premissa) SÓCRATES (C) é HOMEM (A).
(Conclusão) Logo, SÓCRATES (C) é MORTAL (B).

Os blocos (A, A1 e A2) acima são um exemplos clássicos de deduções válidas, o que valida estas inferências é a
estrutura em que se parte de uma ideia universal (todo) para uma ideia particular (Rex, que é um cão particular)
aplica - se este mesmo racíocinio dedutivo aos outros exemplos A1 1 A2.

Bloco B
(1 Premissa) Alguns cães são raivosos.
(2 Premissa) Rex é um cão.
(Conclusão) Logo, todos os cães são raivosos.

O bloco B é uma indução em que os argumentos são incompletos, pois utilizam duas afirmações (premissas)
particulares e tenta-se chegar a uma conclusão generalizada.

2.2. David Hume e conceito não crítico da ciência quando se usa a indução

O filósofo escocês David Hume nasceu em Edimburgo em 1711 e morreu no ano de 1776 na mesma cidade.
Segundo o escocês as Ideias nascem da experiência e a mente se constitui de percepções que se dividem em:
impressões que são as percepções mais vivas (experiência) como ouvir, ver, tocar... e as ideias que são
recordações percepções mais fracas (lembrar do gosto do chocolate, lembrar da dor que sentiu ao quebrar a
perna).
Para Hume o problema maior da indução é formular teorias a partir de experiências (observação) ao se repetir as
mesmas condições tenta-se prever um acontecimento.

2.2.1. A ciência versus a indução

A ciência é uma atividade racional (dedutiva, lógica), enquanto a indução parte exclusivamente da experiência,
esta pode até parecer racional, mas não ela está envolvida com os sentidos.
Ex: Não é por que eu vejo o sol nascer todos os dias, ele terá que nascer amanhã. A natureza não se submete as
experiências ou a razão humana.

2.2.2. Os problemas da indução.

 A observação como fonte objetiva (será que vemos, sentimos, ouvimos da mesma maneira?).
 A relação entre teoria e experiência.

2.3. O falsificacionismo

Karl Popper(1902 – 1994) é um dos filósofos defensor desta teoria, atribuindo que o valor do conhecimento
científico não vem da experiência, mas na possibilidade da teoria ser falseada (contrariada).
Para os falsificasionistas a teoria precede a experiência, por isso toda explicação é hipotética, mas é a melhor que
temos para explicar tal fenômeno. Também segundo os filósofos que seguem esta corrente filosófica da ciência, a
teoria deve ser falseada muitas vezes; quanto mais uma teoria pode ser falseada, melhor será. Ao ser contrariada
(falseada) a teoria pode ser melhorada ou jogada fora.

2.3.1. Os critérios para uma boa teoria segundo o falsificacionismo

Para os falsificacionistas existem três critério que tornam uma teoria muito boa.
 A teoria tem que ser clara e precisa; quanto mais específica melhor.
 Deve permitir a falsificabilidade; quanto mais melhor.
 Deve ser ousada, para permitir o progresso científico e um aprofundamento da realidade.
As teorias que não podem ser falseadas não são boas teorias, pois não contribuem em nada no processo científico.
Por exemplo: o quadrado tem quatro lados iguais (esta teoria nada acrescenta de novo a ciência), seu eu
contrariar dizendo que o quadrado não tem quatro lados iguais, não estaríamos falando de um quadrado, é
impossível imaginar tal absurdo.

2.4. O progresso da ciência


Para os falsificacionistas a ciência progride pela tentativa de superar a teoria. Mas para o físico americano Thomas
Kuhn a ciência é uma atividade racional e humana, por isto é perpassada pelos problemas relativos à dimensão
humana.

2.4.1. Pensar a ciência com base a racionalidade e os problemas humanos

Segundo Kuhn a ciência pode ser refletida seguindo uma linha que mostra o processo do desenvolvimento
científico: (1) pré – ciência, (2) ciência normal, (3) crise, (4) revolução científica e (5) nova ciência normal.
Para Thomas Kuhn o conceito principal é o de paradigma que é o modelo de ciência normal. Os cientistas
orientam suas pesquisas nestes modelos para preservar a verdade científica e tudo o que não se encaixa neste
paradigma é considerado anomalia.

Bibliografia: Caderno do Professor: Filosofia, Ensino Médio – 1ª Série, Volume 1. Secretaria da Educação;
coordenação geral, Maria Inês Fini; equipe, Adilton Luis Martins, Luiza Christov, Paulo Micelli, Renê José Trentin
Silveira, - São Paulo; SEE, 2009.
Caderno do Professor: Filosofia, Ensino Médio – 1ª Série, Volume 2. Secretaria da Educação; coordenação geral,
Maria Inês Fini; equipe, Adilton Luis Martins, Luiza Christov, Paulo Micelli, Renê José Trentin Silveira, - São Paulo;
SEE, 2009.