Você está na página 1de 32

II Simpósio de Qualidade Assistencial e Segurança do

Paciente HC/UFTM

Medicamentos Potencialmente
Perigosos: o que precisamos
saber a respeito?

Farmacêuticas:
Suely da Silva
Caroline Santos Capitelli Fuzaro
Introdução
• Medicamentos “agente da cura/potencial dano”
- palavra fármaco phármakon
“Aquilo que poderia trazer tanto o bem quanto o mal, manter a vida ou causar a morte”
Weatherall, 1990

- 1937 elixir sulfanilamida morte de mais de 100


crianças nos EUA
- 1938 Food and Drug Administration (FDA)
- 1961 focomegalia induzida por talidomida
Medicamento:
“Riscos e
Mercadoria de qualidade e segurança absoluta
prejuízos”
“Pílula
milagrosa”  Componentes essenciais da assistência
 Reações adversas, erros e eventos-sentinelas
Número elevado Aumento na possibilidade de
dano associado a medicação

• “Acidentes com medicamentos” ou “Evento adverso a medicamento”


- incidentes, problemas, insucessos
- previsíveis ou não
- produzidos ou não por erro Kawano et al., 2006

- consequência ou não de imperícia, imprudência ou negligência


“Qualquer efeito inesperado ou indesejável que ocorra com um paciente que tenha
recebido um produto farmacêutico e que não necessariamente tenha relação causal
estabelecida com este tratamento” (OMS)

• Divide-se:
1. Reações Adversas a medicamento
2. Erros de Medicação
“Qualquer efeito prejudicial ou indesejado que se manifeste após a administração do
“Qualquer evento evitável que, de fato ou potencialmente, conduz ao uso inadequado de
medicamento, em doses normalmente utilizadas no homem para profilaxia, diagnóstico
medicamento”
ou tratamento de uma enfermidade”(National Coordination Council for Medication Erro Reporting and Prevention,
(OMS, 1998)
1972)
 Trabalhos eventos adversos (EA) comuns/elevado
• Estudos Internacionais:
- Nos EUA: cada paciente internado está sujeito a 1 erro de medicação
por dia; (Aspden et al., National Academies Press, 2007)

- Erros devido a medicamentos 7391 mortes anuais em hospitais.


- Proporção de EA evitável: 36,9% Canadá e 53,2% Portugal
• Brasil: (Kohn LT et al., Washington (DC): National Academy Press; 2000)

- Não se conhece a magnitude real do problema de erros de medicação


- Proporção de EA evitável: 66,7% (Rev Assoc Med Bras . 2013;59(5):421–428)

- Entre 2006-2011: NOTIVISA (Total 118.103 37.696 medicamentos)


- 705 MPP prescritos e dispensados erros em 632 (89.6%)
(Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 22(4):671-678, out-dez 2013) (CLINICS 2011;66(10):1691-1697)

 Medicamentos margem terapêutica segura


risco inerente de induzir lesão ao paciente
Medicamentos Potencialmente Perigosos (MPP) ou
Medicamentos de Alta Vigilância (MAV)
Não sejam os mais rotineiro
Severidade alta lesões permanentes ou fatais
Rev Saúde Pública 2009;43(3):490-8
Medicamentos Potencialmente Perigosos (MPP)
• Possuem risco aumentado de provocar danos significativos aos
pacientes em decorrência de falha no processo de utilização.
ISSN: 2317-2312; volume 2 | número 1; janeiro 2013
• Lista MPP (www.ispm-brasil.org/faq/medicamentospotencialmenteperigosos.php)

• Manual Farmacoterapêutico - 1ª edição 2016


Medicamentos Potencialmente Perigosos (MPP)
MPP:
- Identificação;
- Classificação de risco de
teratogenicidade;
- Risco de queda;
- Risco de flebite;
- Dose usual;
- Dose máxima e
- Antídoto.

PACLITAXEL D
MIDAZOLAM
ONCOLÓGICO. Indicado D para terapia de primeira linha em combinação com um composto de
ANSIOLÍTICO
platina para BENZODIAZEPÍNICO.
o tratamento do carcinoma Sedação no pré-operatório;
avançado sedação
de ovário. Terapia de antes
segundado diagnóstico
linha para oou
tratamento do
procedimento carcinoma avançado
radiográfico; indução dadeanestesia;
ovário. Tratamento
manutenção adjuvante do câncer de mama gânglio
da anestesia.
positivo,
Dose administrado
Usual: Adultos (VO)em sequência
- 7,5-15mg, a uma
VO,terapia padrão
1 x/dia. combinada.
Pediatria Tratamento
> 6 meses (Dormirede primeira
solução linha
oral) -
após recidiva da doença dentro de 6 meses de terapia adjuvante. A terapia anterior deve incluir uma
0,25mg-0,5mg/kg, VO. Pré-anestésico: Adultos - 0,005 a 0,2mg/kg, IM. Crianças (6 meses a 5 anos)
antraciclina, a menos que clinicamente contra-indicada. Terapia de segunda linha após falha da
- Dose inicial: 0,05
quimioterapia a 0,1mg/kg,
combinada IM. 0,1
para doença a 0,2mg/kg,
metastática. EV. Indução
A terapia Anestésica
anterior deve - Adultos
incluir uma - 50 a
antraciclina,
350mcg/kg,
a menos que EV.clinicamente contraindicada. Tratamento de primeira linha em combinação com um
Dose Máxima:
composto de Adultos e Pediatria
platina ou como agente- 20mg/dia VO.oPediatria
único para entre
tratamento 6 meses
do câncer deenão
5 anos (injetável):
pequenas 4mg
células
do pulmão
Antídoto: em pacientes que não são candidatos à cirurgia e/ou radioterapia com potencial de cura.
Flumazenil.
Tratamento de segunda linha no sarcoma de Kaposi relacionado à AIDS.
• ISMP (Institute for Safe Medication Practices)

Insulina
Opióides e narcóticos
Cloreto (fosfato) de potássio concentrado injetável
Anticoagulantes injetáveis
Cloreto de sódio (acima 0,9%)

• Protocolo de Segurança na Prescrição, Uso e Administração de


medicamentos (Ministério da Saúde e ANVISA/Parceria com FIOCRUZ e FHEMIG)
Profissionais de saúde conhecimento dos riscos
ações para minimizar a ocorrência de erros
(ISSN: 2317-2312; volume 4 | número 3; Setembro 2015)

Orientar o desenvolvimento de estratégias para redução dos erros!


Estratégias implantadas visando a segurança do
paciente quanto a medicamentos

1. Prescrição Eletrônica
• Vantagens:
- Evitar erros por ilegibilidade, abreviaturas, nomes
comerciais e outros.
- Maior rastreabilidade.
- Agilidade na liberação da prescrição.
- Redução de erros.
- Histórico do estoque.

2. Implantação de barreiras na dispensação de medicamentos


2.1. Triagem das prescrições
2.2. Double-Check (manual e automática)
1.Assinatura do
responsável
pela triagem

2.Visto do 3.Responsável
responsável pela checagem
pela Manual
montagem
4. Dispensação
eletrônica
Estratégias Implantadas visando a segurança do
paciente quanto a medicamentos

2.3. Sistema de Distribuição individualizada: Farmácia


fornece medicamentos segundo prescrição médica,
individualizados e identificados para cada paciente para 24
horas 5.Responsável pela
montagem das tiras

Foto: Arquivo SFA-HC/UFTM filial EBSERH


6.Responsável
pela Indicador de
conferência Conferência
das tiras Quase Erro
Indicador de Quase Erro de Dispensação

Índice de quase erro de dispensação


4,00
3,65
3,50
3,00
2,75
2,50 2,53

2,00 2,10
1,71 1,68 1,60 1,65
1,50
1,22 1,17
1,00 1,04

0,50
0,00
0.3%

Tipo de erro mais frequente nos


meses investigados
85
1- Falta de medicamento na tira
2- Medicamento excedendo na tira
3- Medicamento colocado no horário errado
4- Tira sem identificação ou identificação insuficiente
40 39
5- Tira colocada no posto errado ou não-localizado
6- Medicamento na concentração errada
7- Faltando horário na tira 18 4 1 1 2 1
8- Medicamento não prescrito
1 2 3 4 5 6 7 8 9
9- Medicamento com inadequação física
Estratégias Implantadas visando a segurança
do paciente quanto a medicamentos

2.4. Identificação diferencial para MPP


# Injetáveis e Comprimidos
# Medicamentos Quimioterápicos e outros de armazenamento específico
Estratégias Implantadas visando a segurança
do paciente quanto a medicamentos
2.5. Emprego de rotulagem específica
- Etiquetas de alertas ressalvam informações essenciais
- Dupla-checagem
Estratégias Implantadas visando a segurança
do paciente quanto a medicamentos

2.6. Medicamentos LASA (Look Alike Sound Alike)


- Evitar erros decorrentes da semelhança de nomes (grafia e
som)
- Estudos são escassos dados ISMP: 15% das notificações

Aciclovir x GANciclovir DOBUTAmina x DOPAmina


2.7. Barreiras na Central de Manipulação de Quimioterapia
• Dupla checagem
• Conferência dos medicamentos e SPGV
• Controle de qualidade das preparações prontas
• Formulários próprios
• Dupla checagem na dispensação
Porque a implantação da dupla-checagem é tão
importante?

Implantação de dupla-checagem prévia a medicação de narcótico – 2013 (100%)


2014-2015 o número de erros de medicação envolvendo medicamentos
narcóticos (6.95% versus 0.99%, P=0.0000)

Implantação de dupla-checagem prévia a administração


Prevenção de erro
Cuidados de Enfermagem na
Administração de Medicamentos classificados como
ALTA VIGILÂNCIA/POTENCIALMENTE PERIGOSOS

PROIBIDO o preparo de medicamentos de


diferentes clientes ao mesmo tempo pelo
mesmo profissional e/ou preparo simultâneo
de medicamentos de diferentes horários.
Cuidados de Enfermagem na
Administração de Medicamentos classificados como
ALTA VIGILÂNCIA/POTENCIALMENTE PERIGOSOS

 As embalagens coloridas somente deverão


ser removidas no momento do preparo do
medicamento.

 Os medicamentos de alta farmacovigilância


que não forem administrados por motivos
justificáveis deverão ser devolvidos à
farmácia no final de cada plantão.

 PROIBIDO estocagem no posto e junto as


sobras de outros medicamentos.
Cuidados de Enfermagem na
Administração de Medicamentos classificados como
ALTA VIGILÂNCIA/POTENCIALMENTE PERIGOSOS
Deverão ser administrados após a

DUPLA CHECAGEM
Enfermeiro
Farmacêutico
Médico
Técnico ou auxiliar de
enfermagem

A conferência dos dados do cliente e do medicamento


por dois profissionais, de modo independente e
simultâneo
Cuidados de Enfermagem na
Administração de Medicamentos classificados como
ALTA VIGILÂNCIA/POTENCIALMENTE PERIGOSOS
Dados a serem duplamente checados

DADOS DO CLIENTE DADOS DO MEDICAMENTO


• Nome • Dispositivo:
• Nome completo  cateter gástrico
• Dose  cateter enteral
• Número do registro geral  cateter vesical
(RG) • Horário  cateter intravascular central
 cateter periférico
• Diluente  outros
• Data de nascimento
• Vazão • Método de infusão do medicamento
• Número do leito
 bomba de infusão
 Pulseira de identificação • Volume  equipo de micro ou macrogotas
 bomba de seringa
 Placa de identificação a beira leito • Via  seringa
 Apresentação verbal do
cliente/acompanhante (quando possível)
Cuidados de Enfermagem na
Administração de Medicamentos classificados como
ALTA VIGILÂNCIA/POTENCIALMENTE PERIGOSOS

Após administrado o
medicamento, proceder
com a checagem da
medicação na prescrição
médica e a anotação de
enfermagem
Cuidados de Enfermagem na
Administração de Medicamentos classificados como
ALTA VIGILÂNCIA/POTENCIALMENTE PERIGOSOS

Exemplo da anotação de enfermagem

12:00h. Administrado amiodarona 300mg/3mL (EV), em


bolus, em veia do dorso da mão (D), conforme
prescrição médica. Dupla checagem com a técnica de
enfermagem Lúcia Ribeiro. Observado melhora clínica
da arritimia. Sem intercorrências............(Maria de
Oliveira. Téc. Enf. Coren 157482. Carimbar!)
*Utilizar siglas padronizadas
Cuidados de Enfermagem na
Administração de Medicamentos classificados como
ALTA VIGILÂNCIA/POTENCIALMENTE PERIGOSOS

Exemplo da checagem da administração do medicamento

Profissional responsável pela administração do medicamento:

Vistar/Checar ( ) o horário do medicamento e


registrar o seu primeiro nome, de forma legível
Cuidados de Enfermagem na
Administração de Medicamentos classificados como
ALTA VIGILÂNCIA/POTENCIALMENTE PERIGOSOS

Exemplo da checagem da administração do medicamento

Profissional que participou na dupla checagem:


 No verso da prescrição médica, registrar o nome,
item e horário do medicamento checado, fazer um
visto sobre o horário e relatar o primeiro nome do
profissional, de forma legível

Amiodarona – item8
Obrigada!!
“O sucesso nasce do querer, da determinação e persistência em se chegar a um
objetivo. Mesmo não atingindo o alvo, quem busca e vence obstáculos, no mínimo
fará coisas admiráveis.”
José de Alencar

farmacia@hc.uftm.edu.br