Você está na página 1de 44

Particularidades sobre o

tônus muscular – hiper e hipotonia


Prof. Anelise Simon
Fisioterapia Neurológica
Tônus muscular

• É o estado de relativa tensão em que se encontra


permanentemente um músculo normal em repouso.

• Clinicamente é a resistência encontrada quando uma


articulação em um paciente em estado de relaxamento é
movida passivamente.

• É a resistência de um músculo ao alongamento passivo ou


estiramento.
• A resistência se deve a fatores como a inércia física, rigidez
mecânico-elástica intrínseca do músculo e dos tecidos
conjuntivos e a contração muscular reflexa (reflexo tônico
de estiramento).

• Raramente um músculo trabalha isoladamente: é


fundamental considerar a interferência de todos os tecidos
moles quando se avalia o tônus muscular.
• O tônus desaparece quando o músculo está privado de
sua inervação.

• Mesmo quando o músculo está em repouso, certa


quantidade de tensão frequentemente permanece.

• Esse grau residual de contração do músculo esquelético


 tônus muscular.
Placa motora/Junção mioneural
Fisiologia do tônus

• Uma vez que as fibras musculares esqueléticas não se


contraem sem que um potencial de ação as estimule -
exceto em certas condições patológicas - acredita-se que o
tônus da musculatura esquelética resulte, inteiramente,
de impulsos nervosos provenientes da medula espinhal.

• Esses, por sua vez, são controlados em parte por


estímulos transmitidos a partir do encéfalo para os
neurônios motores anteriores e, em parte, por impulsos
que se originam nos fusos musculares localizados no
interior do próprio músculo.
Receptores sensoriais musculares
• Fuso Muscular

• Órgão Tendinoso
de Golgi (OTG)
• Os fusos musculares são
receptores sensoriais que existem
praticamente em todos os Fuso muscular
músculos esqueléticos para
detectar o grau de contração
muscular.

• Transmitem impulsos de maneira


quase contínua à medula
espinhal onde excitam os
neurônios motores anteriores,
que por sua vez, fornecem
estímulos nervosos necessários
para manter o tônus muscular
(reduzindo-o a um nível tão baixo
que o músculo se torna quase
completamente flácido).
O músculo encontra-se
preparado para responder a
um estímulo pelas suas
propriedades físicas:
Tônus
muscular: * contratilidade –
capacidade de encurtar-se
quando recebe um estímulo;
Equilíbrio entre o * irritabilidade – capacidade
hipertônus (espasticidade) de responder um estímulo
e o hipotônus (flacidez). elétrico;
*elasticidade – capacidade
de retornar a seu comprimento
de repouso;
*extensibilidade –
capacidade de alongar-se além
do seu comprimento de
repouso.
Tônus X Força muscular

• A força muscular é a capacidade de o músculo resistir a


uma carga, superando, sustentando ou cedendo à carga
imposta.

• Tônus e força muscular não têm uma


relação direta.
Músculo tenso, apesar de
sua aparência estar no
máximo de sua capacidade
contrátil, não quer dizer que
ele tem força suficiente
para resistir uma carga
mínima (gravidade).

Ou seja

Um músculo tenso
nem sempre é
sinônimo de força.
Hipertonia elástica

• Espasticidade  pode ser definida como a resistência


dependente da velocidade, ao estiramento passivo de um
músculo, com reflexos tendíneos exagerados.

• A espasticidade é reconhecida clinicamente por:

1) Padrão característico de comprometimento de certos


grupos musculares;
2) Maior responsividade dos músculos ao estiramento;
3) Reflexos tendíneos muito aumentados

• Lesão do Neurônio Motor Superior


• Afeta predominantemente os músculos antigravitários,
ou seja, os músculos flexores dos membros superiores e
os extensores dos membros inferiores.
• Os membros superiores tendem a assumir postura
flexionada e em pronação, enquanto os membros
inferiores em geral ficam extensão e adução.

• Postura comum: hemicorpo comprometido por AVE.


• Só usamos o termo de hipertonia ou espasmo para
aumento de tônus que são de origem patológica:
▫ Exemplos: Paralisia Cerebral, AVE, Tumor, etc.).

• O aumento do tônus muscular de origem não patológica


é gerado por tensão excessiva na região: esse músculo
está hiperativado, podendo gerar fadiga, dor, alteração
da resposta sensório motora, devido ao desequilíbrio
muscular causado.
• A alteração de tônus pode gerar deformidades: as
articulações ficam rígidas devido à falta de
movimentação.

• Quando o tônus está alterado para mais, a força gerada


para manter o padrão de movimento é muito alta.
Espasticidade

• https://www.youtube.com/watch?v=yWvNnQ09k6U
Sinal de canivete

• a resistência aumenta com a rapidez no inicio e logo diminui


Intervenções:

•v
Hipertonia plástica
• Rigidez  é reconhecida clinicamente como uma maior
resistência a movimentos passivos mais lentos.

• Está presente nos grupos muscular extensores e flexores.

• É caracterizada por resistência ao movimento passivo


envolvendo músculos agonistas e antagonistas.

• Independe da velocidade do movimento passivo.

https://www.youtube.com/watch?v=idB7PpxHhh4
Sinal de cano de chumbo ou
de roda denteada

• Ao flexionar ou estender um membro, o que reflete o fato de a


resistência ser sentida ao longo de todo o trajeto do movimento ou
uma resistência que cede aos poucos e aos trancos, recordando os
movimentos de uma engrenagem dentada.
Rigidez de
Decorticação e Descerebração

https://www.youtube.com/watch?v=gnifEzlJrTQ
Hipotonia
• Hipotonia por lesão no SNC: propriedades
viscoelásticas articulares e de tec.moles inalteradas

• Hipotonia por lesão no SNP: desgaste muscular que


provoca a redução da rigidez passiva da articulação

• Lesão do Neurônio Motor Superior: afeta células


do corno anterior da medula espinhal ou dos nervos
periféricos, produz tônus reduzido ou ausente com
sintomas associados de paralisia, fasciculações
musculares e fibrilações.
• Quando percebemos uma pessoa com alteração postural,
ombros protusos, abdômen abandonado:
▫ é um padrão de hipoativação muscular, onde também
encontramos um tônus diminuído, porém num grau mais leve
de um paciente neurológico.

• Dessa forma, as alterações de tônus interferem diretamente


na força muscular.

*Tanto a hipotonia quanto a hipertonia causam um déficit de


força muscular.
Distúrbios do movimento –
hiper ou hipocinéticos
Prof. Anelise Simon
Fisioterapia Neurológica
• Os transtornos de movimento são classificados como os
caracterizados por:

Redução ou lentidão de movimentos intencionais:


hipocinesia

ou

Movimentos intencionais excessivos, ou movimentos


involuntários anormais:
hipercinesia

• Embora os distúrbios que envolvem o cerebelo


prejudiquem a marcha e os movimentos, eles são
classificados separadamente  Distúrbios cerebelares.
Hipocinesia

• A maioria das doenças com hipocinesia são


parkinsonianas, caracterizadas por movimentos lentos e
reduzidos, rigidez muscular, tremor em repouso e
instabilidade postural ( Doença de Parkinson).

https://www.youtube.com/watch?v=TB6sbV4Jdno
Hipercinesia
• Subclassificados como rítmicos ou não rítmicos.

• Distúrbios rítmicos:
▫ tremores
• Distúrbios não rítmicos: movimentos lentos ou
mantidos (p. ex., atetose), mantidos (p. ex., distonias) ou
rápidos.
• Os distúrbios rápidos caracterizam-se como:
▫ suprimíveis (p. ex., tiques);
▫ não suprimíveis (p. ex., hemibalismo, coreia,
mioclonia).
Doença de Parkinson
Síndrome de Tourette

Doença de Huntington.
Discinesias

• Distúrbios do movimento por modificação súbita do


tônus;

• Levam a movimentação involuntária global ou local;

• Incluem: mioclônus, coreia, balismo, distonia, tiques e


tremor.
Tipos de discinesias:

Tremor
• Basicamente 2 categorias de tremores: o normal
(fisiológico) e o anormal (patológico).

• Fisiológico: Não é habitualmente percebido, podendo, ser


exacerbado por certas condições: medo e ansiedade,
distúrbios metabólicos (hipertireoidismo , hipoglicemia),
exercícios físicos, retirada de álcool e uso de certas drogas
(lítio, prednisona).

• Patológico: é bem mais lento. Atinge certos grupos como


partes distais dos membros, cabeça, língua, mento, corda
vocal e, raramente, o tronco.
• Tremor de repouso  é aquele que ocorre quando o
segmento corporal está relaxado ou fora da ação da gravidade
e que desaparece com ato motor voluntário. Costuma ser
encontrado na doença de Parkinson (que é a causa principal),
no parkinsonismo .
• Mais observado em uma ou ambas as mãos, clássico tremor
em “contar dinheiro” ou em “enrolar fumo”.

https://www.youtube.com/watch?v=OgTASfjKq0w
• Tremor essencial severo  habitualmente o tremor
parkinsoniano é de repouso e o tremor essencial é de ação
(postural). No entanto, o tremor parkinsoniano pode ser
também postural e o tremor essencial, de repouso. O tremor
essencial severo, condição na qual o movimento anormal exibe-
se com acentuado aumento na sua amplitude.

https://www.youtube.com/watch?v=8Q3z2Zrqit4

• Tremor de ação  é aquele que ocorre quando há contração


voluntária dos músculos, podendo ser subdividido em:
postural, cinético, de posição e de ação específica e, ainda,
isométrico

https://www.youtube.com/watch?v=cOGsTFBa4ZE
Distonias Tipos de discinesias:
https://www.youtube.com/watch?v=_DmvDGXjkak

• Contração muscular anormal e sustentada dos músculos


agonistas e antagonistas, com velocidade variável,
ocasionando torção, movimentos repetitivos ou posturas
anormais do segmento comprometido.

• O movimento distônico de velocidade lenta pode se


apresentar sob a forma de espasmos repetitivos quase
clônicos, porém sem manifestações durante o sono.
https://www.youtube.com/watch?v=BImMlbx0H3I
Tipos de discinesias:

Mioclônus
• Breves contrações espasmódicas do tipo choque em um
membro ou parte do corpo

• São mais aparentes na face e extremidades distais,


embora mioclonias maciças bilaterais incluindo
musculatura proximal dos membros também possam
ocorrer

https://www.youtube.com/watch?v=JrcLbSuKo7U
https://www.youtube.com/watch?v=AHUZEkM9Tvc
Tipos de discinesias:

Coreia https://www.youtube.com/watch?v=Vyp5VJECgaY

• A coreia é constituída de movimentos involuntários arrítmicos,


rápidos, abruptos, não repetitivos no tempo, de caráter simples
ou elaborado e com distribuição variável, preferentemente distal.

• A gravidade de sua manifestação pode variar desde agitação, com


surtos de exacerbação dos gestos e expressões a movimentos das
mãos, marcha instável que se assemelha a uma dança, podendo
evoluir para um fluxo contínuo de movimentos violentos e
incapacitantes

• A vocalização e os sons respiratórios são outras manifestações


características

• A coreia pode ser generalizada ou estar limitada a um dimidio


corporal, sendo então chamada de hemicoreia
Balismo Tipos de discinesias:

https://www.youtube.com/watch?v=ERnvNaqBp00

• Hemibalismo ou balismo (quando bilateral) é um distúrbio


neuromotor raro caracterizado por movimentos involuntários
abruptos e possivelmente violentos e envolve mais a musculatura
proximal do que distal (especialmente MMSS).

• O aspecto que mais chama atenção é a grande amplitude e a


agressividade do movimento. O paciente pode ser acordado
repentinamente por causa dos movimentos violentos e incessantes
de arremesso que atingem um braço, uma perna ou um dimídio.

• Pode haver envolvimento da face do mesmo lado e da língua. Os


movimentos persistem no sono leve e desaparecem no sono
profundo.
Tipos de discinesias:

Atetose https://www.youtube.com/watch?v=Ax_TYvI62xc

• Ou doença de Hammond, se aplica a duas situações: ou para


descrever movimentos involuntários, lentos, serpiginosos e
contínuos que afetam principalmente a extremidade distal
dos membros, ou para consignar um tipo de PC.

• Os movimentos lembram uma “coreia lenta” e eventualmente


podem envolver a musculatura axial (pescoço, face e língua).

• O movimento atetoide está associado à contração sustentada,


produzindo uma postura anormal = atetose-distônica; o
movimento atetoide mais rápido = coreoatetose.
Coreia x Mioclônus
• Movimentos coreicos, quando rápidos, podem assemelhar-se a
mioclonias.

Coreia x Distonia
• Movimentos coreicos, quando lentos, podem lembrar
movimentos distônicos

Coreia x Atetose
• Frequentemente, a coreia e a atetose manifestam-se
simultaneamente e se torna impossível distinguir os dois
movimentos, sendo então conhecida como coreoatetose