Você está na página 1de 3

Introdução (letra preta Biologia e Geologia, letra lilás Biologia)

A disciplina de Biologia e Geologia insere-se na componente de formação científica dos cursos


profissionais e destina-se a proporcionar aprendizagens científicas de base que correspondam,
simultaneamente, às exigências de uma formação de nível secundário e de uma qualificação profissional
de nível 3.

A disciplina de Biologia insere-se na componente de formação científica dos cursos profissionais e


destina-se a proporcionar aprendizagens científicas de base que correspondam, simultaneamente, às
exigências de uma formação de nível secundário e de uma qualificação profissional de nível 3.

• A compreensão de conceitos, leis, teorias e modelos que permitam construir uma visão global da
Biologia e da Geologia como ciências, bem como uma formação científica básica para a integração no
mundo do trabalho e/ou desenvolvimento de estudos posteriores.

• A compreensão de conceitos, leis, teorias e modelos que permitam uma visão global da Biologia como
ciência, bem como uma formação científica básica para a integração no mundo do trabalho e/ou
desenvolvimento de estudos posteriores.

• A aplicação de conceitos, leis, teorias e modelos a situações reais e quotidianas, adoptando estratégias
de resolução de problemas.

A aplicação de conceitos, leis, teorias e modelos a situações reais e quotidianas, adoptando estratégias
de resolução de problemas.

• A análise crítica de hipóteses, teorias ou argumentos contraditórios que permitam desenvolver o


pensamento crítico e ajuizar sobre as implicações do desenvolvimento da Biologia e da Geologia.

A análise critica de hipóteses, teorias ou argumentos contraditórios que permitam desenvolver o


pensamento crítico e ajuizar sobre as implicações do desenvolvimento da Biologia.

• O desenvolvimento de qualidades próprias do trabalho científico, tais como o rigor, a ordem e a


estruturação, a capacidade crítica e autocrítica, a busca de informação, a contrastação de resultados e
a abertura a novas ideias.

O desenvolvimento de qualidades próprias do trabalho científico, tais como o rigor, a ordem e a


estruturação, a capacidade crítica e autocrítica, a busca de informação, a contrastação de resultados e
a abertura a novas ideias.

• A integração de aspectos sociais e tecnológicos inerentes ao desenvolvimento da Biologia e da


Geologia, reconhecendo a sua importância para o ser humano, a sociedade e a exploração sustentada
dos recursos naturais.

A integração das dimensões social e tecnológica no desenvolvimento da Biologia, reconhecendo a


importância das mesmas para o Ser Humano, a Sociedade e a Biosfera.

• A utilização autónoma de processos de pesquisa documental.


• A utilização com autonomia de processos de pesquisa documental, bibliográfica e experimental.

A identificação e compreensão das relações e funções desenvolvidas por diferentes grupos de seres
vivos como mecanismos de adaptação ao meio e evolução, insistindo na relação entre estrutura e função
a todos os níveis biológicos.

BioGeo

Como competências de natureza conceptual consideram-se aquelas que visam o conhecimento de


factos, hipóteses, princípios, teorias, bem como terminologia ou convenções científicas; inclui-se,
também, a compreensão de conceitos, na medida em que estes se relacionam entre si e apenas desse
modo permitem interpretar e explicar informação em formatos diversos.

As competências de natureza procedimental estão relacionadas com a própria natureza do trabalho


científico. Assim, são exemplos a observação e descrição de fenómenos, a obtenção e interpretação de
dados, o conhecimento de técnicas de trabalho, a manipulação de dispositivos, bem como as
competências que permitem a planificação, execução e avaliação de desenhos investigativos simples.
Nesta perspectiva, o desenvolvimento de competências procedimentais inclui aspectos de natureza
cognitiva e manipulativa.

Como competências de natureza atitudinal consideram-se as que visam o desenvolvimento de atitudes,


face aos conhecimentos, aos trabalhos científicos (rigor, curiosidade, objectividade, perseverança,...) e
às implicações que daí decorrem para a forma como perspectivam a sua própria vida e a dos outros. Em
causa estão a identificação e diferenciação de condutas e suas implicações, a capacidade de formular
juízos de valor, ou mesmo a assunção de posturas guiadas por convicções fundamentadas.

Biologia

• Como competências de natureza conceptual consideram-se aquelas que visam o conhecimento de


factos, hipóteses, princípios, teorias, bem como terminologia ou convenções científicas; inclui-se,
também, a compreensão de conceitos, na medida em que estes se relacionam entre si e apenas desse
modo permitem interpretar e explicar situações ou informação em formatos diversos.

• As competências de natureza procedimental estão relacionadas com a própria natureza do trabalho


científico. Assim, são exemplos a observação e descrição de fenómenos, a obtenção e interpretação de
dados, o conhecimento de técnicas de trabalho, a manipulação de dispositivos, bem como as
competências que permitem a planificação, execução e avaliação de desenhos investigativos simples.
Nesta perspectiva, o desenvolvimento de competências procedimentais incluiu aspectos de natureza
cognitiva e manipulativa.

• Como competências de natureza atitudinal consideram-se as que visam o desenvolvimento de atitudes


nos alunos, face aos conhecimentos, aos trabalhos científicos (rigor, curiosidade, objectividade,
perseverança,...) e às implicações que daí decorrem para a forma como perspectivam a sua própria vida
e a dos outros. Em causa estão a identificação e diferenciação de condutas e suas implicações, a
capacidade de formular juízos de valor, ou mesmo a assunção de posturas guiadas por convicções
fundamentadas.

Você também pode gostar