Você está na página 1de 7

1.Em uma cidade com 100.000 hab, sendo 20.

000 crianças, 400 crianças com m


enos de 1 ano foram internadas em um hospital devido à infecção respiratória.
Ocorreram 100 mortes. Qual é o coeficiente de letalidade por doença respiratória
em criança com menos de 1 ano nesta cidade?

a) 10% c) 12,5% e)30%


b) 25% d)5%

2.Que fator, dentre os propostos abaixo, aumenta a prevalência de qualquer doença?

a) Diminuição da incidência d) Redução da expectativa de vida dos pacientes


b) Diminuição da letalidade e) Emigração dos doentes
c) Aumento do sucesso terapêutico

3.Sobre a tendência da mortalidade infantil no Brasil, podemos afirmar, exceto:

a) A mortalidade infantil está em declínio há algumas décadas


b) As taxas são maiores na população rural
c) A maioria dos óbitos acontece por afecções do período perinatal e por malformações
congênitas
d) A maioria dos óbitos do período neonatal acontece no componente neonatal tardio
e) No período pós-neonatal as doenças infecciosas e parasitárias são as principais causas
de óbitos

4.Qual a principal medida que deve ser proposta para diminuir a mortalidade da
população adulta jovem brasileira?

a) Vacinação em massa
b) Prevenção das mortes violentas e por acidentes
c) Melhora das condições sanitárias
d) Elevação da renda per capita da população
e) Prevenção da AIDS

5.Marque a alternativa incorreta em relação à razão de mortalidade:

a) Mede a porcentagem de mortes em pessoas com 50 anos o u mais em relação ao total


de óbitos
b) No Brasil esse índice é considerado razoável
c) A média considerada alta é entre 75 e 100% dos óbitos ocorrendo na faixa etária
acima dos 50 anos
d) É também conhecida como índice Swaroop-Uemura
e) Não pode ser usada para comparar a mortalidade em regiões diferentes

6.Sobre a curva de Nelson Moraes, assinale a correta:

a) Para a construção da curva utilizamos os grupos etários: < 1 ano, 1 a 4 anos, 5 a 19


anos, 20 a 49 anos e > 50 anos

b) A curva tipo 3 indica nível de saúde regular e tem forma de jota invertido
c) A curva tipo 2 indica nível de saúde baixo e tem forma de U
d) A curva tipo 4 indica nível de saúde elevado, aonde os óbitos predominam entre 20 e
49 anos
e) Para calcular a curva utilizamos no numerador os grupos etários: < 1 ano, 1 a 4
anos, 5 a 19 anos, 20 a 49 anos e > 50 anos. E no denominador, o número total de
habitantes no mesmo período e local

7.Os dados abaixo referem-se ao município de Três Rios no ano de 2000:

- Nascidos vivos: 1933 - Total de óbitos por neoplasia: 51


- Total de óbitos do município: 639 - Total de óbitos em crianças de 7 a 27 dias: 2
- População: 66711
As três fórmulas abaixo são usadas para calcular, respectivamente, os seguintes
indicadores de morbidade:
I – (51 / 639) x 1000 =
II – (51 / 66711) x 1000 =
III – (2 / 1933) x 1000 =
a) I – Coeficiente de mortalidade por neoplasia; II – Índice de mortalidade proporcional
por neoplasia; III – Coeficiente de
mortalidade infantil
b) I – Índice de mortalidade proporcional por neoplasia; II – Coeficiente de mortalidade
por neoplasia; III – Coeficiente de
mortalidade neonatal tardia
c) I – Índice de mortalidade proporcional por neoplasia; II – Coeficiente de mortalidade
por neoplasia; III – Coeficiente de
mortalidade neonatal precoce
d) I – Coeficiente de mortalidade por neoplasia; II – Índice de mortalidade proporcional
por neoplasia; III – Coeficiente de
mortalidade neonatal
e) I – Coeficiente de mortalidade por neoplasia; II – Coeficiente de prevalência
de neoplasia; III – Coeficiente de
mortalidade infantil

8. Na cidade X, no ano de 2003, a população era de 400.000 hab. Nasceram vivas


naquele ano, 13.000 crianças e mo rreram
um total de 12.000 hab, sendo que destes, 120 foram por causas externas. Qual
foi a tax a de mo rtalidade por causas
externas?

a) 100 por 10.000 hab c) 100 por 10.000 óbitos e) Não há resposta
b) 3 por 10.000 hab d) 3 por 10.000 óbitos

9.A mortalidade específica por câncer de próstata é calculada pela seguinte fórmula:

a) N° de óbitos totais por câncer de próstata / população total?


b) N° de óbitos totais por câncer de próstata / óbitos totais
c) N° de óbitos totais por câncer de próstata / óbitos de homens
d) N° de óbitos totais por câncer de próstata / população de homens
e) N° de óbitos totais por câncer de próstata / população de homens > 50 anos
10.Qual dos seguintes procedimentos não faz parte daqueles necessários para a
determinação da incidência atual de uma doença?

a) Revisão atualizada dos casos notificados


b) Identificação da experiencia passada da população exposta ao risco
c) Busca de casos suspeitos não notificados
d) Consolidação de todas as informações disponíveis a respeito de casos novos

11.O principal objetivo da investigação de epidemias é:

a) Identificar todas as pessoas infectadas


b) Avaliar a eficácia de medidas de controle
c) Determinar a eficácia de vacinas
d) Identificar formas de prevenir ou interromper a transmissão do agente

12.Entende-se por comportamento endêmico de uma doença:

a) Quando sua ocorrência está claramente em excesso ao normal esperado


b) Quando ocorre em grande número de países simultaneamente
c) Quando apresenta uma variação sazonal bem definida
d) Quando apresenta um padrão que se repete em dois ou mais continentes
e) Quando sua ocorrência apresenta-se na comunidade de forma regular

13.O SINAN é o sistema de informação utilizado pelo MS no armazenamento e


processamento de dados referentes às
doenças de notificação compulsória. O que significa essa sigla?
a) Sistema nacional de agravos de notificação
b) Sistema nacional de agravos notificados
c) Sistema da nacionalização de agravos notificados
e) Sistema de informação nacional de agravos de notificação

14.’’A contínua e sistemática coleta, análise e interpretação de dados essenciais de


saúde para planejar, implementar e avaliar práticas de saúde pública, intimamente
integrada com a periodicidade de disseminação destes dados para os que
necessitam conhece-los’’.

a) Vigilância Sanitária c) Ações Integradas de Saúde e) Sistema Integrado de


Informações de Saúde
b) Vigilância Epidemiológica d) Ações Básicas de Saúde

15.’’Índice que mede o número de casos novos de uma doença, episódios ou eventos na
população dentro de um período definido de tempo’’.

a) Surto c) Incidência e) Mortalidade


b) Letalidade d) Prevalência

16.Assinale a alternativa incorreta:


a) Doença emergente é uma doença transmissível cuja incidência em humanos vem
aumentando nos últimos 25 anos do
século XX ou que ameaça aumentar em um futuro próximo
b) Incidência e prevalência são medidas de morbidade, porém diferem em que a
prevalência mede os casos no vos que se
apresentam em um período determinado de tempo e a incidência mede o número de
pessoas que estão doentes em um
momento específico
c) Epidemia é a elevação brusca, temporária e significativamente acima do
esperado para uma incidência de uma
determinada doença
d) Endemia é a presença constante de uma doença ou agente infeccioso dentro
de uma área geográfica ou grupo
populacional determinados; refere-se também à prevalência esperada de uma
determinada doença dentro dessa área ou
grupo
e) Surto é um aumento incomum do número de casos, dois ou mais casos
relacionados epidemiologicamente, de
surgimento súbito e disseminação localizada e em um espaço específico

17. Sobre a notificação da dengue:

a) Não se trata de uma doença de notificação compulsória


b) Os casos suspeitos não necessitam ser notificados
c) Apenas os casos confirmados laboratorialmente devem ser notificados
d) A notificação deve ser realizada somente em casos de dengue hemorrágica
e) Todo caso suspeito e/ou confirmado de dengue deve ser notificado

18.A equipe de enfermagem tem papel fundamental no trabalho da Vigilância


Epidemiológica que é o conjunto de ações que proporciona o conhecimento, a
detecção ou prevenção de qualquer m udança, nos fatores determinantes e
condicionantes de saúde individual e co letiva, com a finalidade de recomendar e
adotar as medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos. Assinale a
alternativa correta sobre a Vigilância Epidemiológica:

a) Imposição de medidas de controle apropriadas d) Co leta de dados


b) Análise dos dados para arquivamento e) Arquivamento das informações
pertinentes
c) Crítica sobre a eficácia das ações adotadas

19.São indicadores mais usados para avaliar o nível de saúde:

a) Mortalidade geral, mortalidade infantil, mortalidade materna e por doenças crônicas


b) Mortalidade neonatal, mortalidade infantil, mortalidade materna e por doenças
transmissíveis
c) Mortalidade geral, mortalidade infantil, mortalidade materna e por doenças
transmissíveis
d) Mortalidade neonatal, mortalidade infantil, mortalidade materna e por doenças
crônicas

20.Referente a mortalidade materna, é incorreto afirmar:


a) A mortalidade materna é bom indicador para avaliar as condições de saúde de uma
população. A partir de análises das
condições em que e como morrem as mulheres, pode-se avaliar o grau de
desenvolvimento de uma determinada
sociedade. Razões de mo rtalidade materna (RMM) elevadas são indicativas de
precár ias condições socioeconômicas,
baixo grau de informação e escolaridade, dinâmicas familiares em que a violência está
presente, e, sobretudo, dificuldades
de acesso a serviços de saúde de boa qualidade.
b) Estudo realizado pela OMS estimou que, em 1990 aproximadamente 585.000
mulheres em todo m undo morreram
vitimas de complicações ligadas ao ciclo gravídico-puerperal. Apenas 5% delas viviam
em países desenvolvidos.
c)Nas capitais brasileiras, para 2001, a RMM corrigida foi 74,5 óbitos maternos
por 100 mil na scidos vivos. As principais
causas da mortalidade materna são a hipertensão arterial, hemorragias, infecção
puerperal e aborto, todas evitáveis
d) No Brasil, a RMM de 1980 a 1986 apresentou uma tendência de queda,
provavelmente relacionada a expansão da rede
pública de saúde e ao aumento da cobertura das ações obstétricas e de planejamento
familiar. De 1987 a 1996 manteve-
se estável.
e) Em 2006 houve a inclusão na DO de uma variante que permite identificar as
mulheres grávidas por ocasião ao óbito e
até um ano pós o parto (morte materna tardia). Nesse período, o MS investiu na
implantação de CEMM.

21. Em um hospital, o enfermeiro ao analisar a o corrência de novos acidentes de


trabalho em um ano, está considerando uma medida epidemiológica de:
a) Prevalência c) Razão e) Padronização
b) Incidência d) Risco

22. O registro, numa coletividade ou região, de casos de uma mesma doença em


número que ultrapassa a incidência normal esperada denomina-se:
a) Endemia c) Epidemia e) Febre
b) Surto epidêmico d) Pandemia

23. A ocorrência habitual de uma doença ou presença permanente de um agente


infecioso em determinada área geográfica denomina-se:
a) Epidemia b) Surto c) Endemia d) Infestação e) Pandemia

24. O n° de casos existentes de uma doença em relação à população exposta a um


determinado risco indica o coeficiente de:
a) Letalidade c) Prevalência e) Morbidade
b) Incidência d) Endemia

25. Em se tratando do indicador de morbidade, que se refere ao comportamento das


doenças em uma po pulação exposta ao adoecimento, define-se surto como o
aumento repentino do número de casos de determinada doença dentro de
determinado limite territorial. No Brasil, um único caso de poliomielite seria surto.
( ) Certo ( ) Errado
26. A letalidade é um indicador que permite conhecer a gravidade de uma doença,
considerando-se seu maior ou menor poder para causar a morte, mas não permite avaliar
a eficácia de estratégias e terapias a serem implementadas.
( ) Certo ( ) Errado

27. Para que se possa avaliar o significado dos indicadores e compará-los frente a
populações sem que haja distorção das informações, estes devem ser calculados por
meio de taxas, índices e coeficientes, expressos em porcentagem.
( ) Certo ( ) Errado

28. Analise as preposições:


I – Surto é uma variação atípica da distribuição temporal da doença. Caracteriza
-se por casos relacionados entre si em uma área geográfica delimitada.
II – Todo indicador de saúde sempre será relacionado à noção de tempo e espaço.
III – A epidemiologia, por meio do estudo dos determinantes de saúde e da frequência e
distribuição das doenças, procura
fornecer subsídios para o planejamento e as ações em saúde no que se refere a atenção
primária.
IV – A transição epidemiológica não está relacionada à transição demográfica.
Está correto o que se afirma em:
a) I, II b) II, III c) III d) IV e) I, III, IV

DISCURSIVAS
29.Quais são os indicadores de saúde representados pelas fórmulas:
a) N° de óbitos em < 7 dias / nascidos vivos?
R:
b) N° de nascidos mortos / nascidos vivos + nascidos mortos
R:
c) N° de filhos nascidos vivos / população feminina
R:
d) N° de pessoas de 65 anos e mais de idade / população < 15 anos
R:

30.Em 01/01/2006 existiam 1800 casos de tuberculose em tratamento, em um município


X. Foram notificados 300 casos
novos, e 450 pacientes obtiveram alta por cura. Todos o s pacientes foram
tratados durante 6 meses. A po pulação
residente estimada para 2006 era cerca de 960.000 hab.
a)Calcule a prevalência de tuberculose no início e final de 2006, e a taxa de incidência.

b) Como você explicaria a alteração observada na prevalência da tuberculose no início e


final de 2006?

31. ‘’Cólera: Zaire com 58 mil casos (4181 óbitos), Brasil com 50 mil casos (544
óbitos).
a)Podemos afirmar que a taxa de incidência de cólera no Zaire foi maior do que no
Brasil?
b)O que expressa este indicador?

c)Em qual dos dois países citados a gravidade foi maior? Justifique.

32.Que efeito a incorporação de um novo tratamento que evita a morte, porém não leva
à cura, produz sobre a incidência e a prevalência de uma doença? Justifique.