Você está na página 1de 23

92

Marcelo Jung

ISSN 0104-0073
eISSN 2447-7443
Licenciado sob uma Licença Creative Commons
Atribuição – Não Comercial – Sem Derivações 4.0 internacional

A EXPRESSÃO “EM CRISTO” E A UNIDADE DA IGREJA


NA CARTA AOS EFÉSIOS

Marcelo Jung1

RESUMO

Neste artigo, é ensaiada uma aproximação ao tema da unidade da igreja por meio
da análise da expressão em Cristo (ἐν Χριστῷ) (e expressões similares e paralelas)
na Carta aos Efésios. Observa-se que a expressão em Cristo é usada em Efésios
tanto para descrever a pessoa e a obra de Cristo, como para descrever o âmbito
criado por ele em sua obra salvífica, a igreja. Portanto, é o elo entre a Cristologia
e a Eclesiologia. O autor observa a ocorrência da expressão em Cristo e analisa as
ideias que são construídas a partir e em torno dessa expressão. Busca estabelecer
relações desse conteúdo com o tema da unidade da igreja, chegando à conclusão de
que a unidade da igreja, em Cristo, é uma unidade mística, universal e igualitária,
cósmica, gratuita e inclusiva/exclusiva.
Palavras-chave: unidade da igreja; expressão em Cristo; cristologia;
eclesiologia.

1 Marcelo Jung é graduado em teologia pelo Centro de Ensino Teológico (CETEOL, hoje:
Faculdade Luterana de Teologia – FLT). É Pastor da Igreja Evangélica de Confissão
Luterana no Brasil – IECLB em São Bento do Sul/SC.

Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
93
A Expressão “Em Cristo” e a Unidade da Igreja na Carta aos Efésios

ABSTRACT

This article is an essay about an approximation to the theme of the Church


Unity through the analysis of the expression in Christ (ἐν Χριστῷ) (and similar
and parallel expressions) in the Letter to the Ephesians. It´s observed that the
expression in Christ is used in Ephesians to describe the person and the work of
Christ, and also to describe the sphere created by him in his salvific work, the
Church. Therefore, it´s a link between the Christology and the Eclesiology. The
author observes the occurrence of the expression in Christ and analyses the ideas
that are constructed from and around the same and search to establish relations
of this content with the theme of the Church Unity. Arriving at the conclusion that
the Church Unity, in Christ, is a mystical, universal and equalitarian, cosmic, free
and inclusive/exclusive unity.
Keywords: Church Unity; Expression in Christ; Christology; Ecclesiology.

Unidade da igreja. Esse tem sido um dos grandes temas da


reflexão teológica de nosso tempo. Tempo em que, por um lado,
em nome da fidelidade a Cristo, vemos grandes esforços para a
conscientização ecumênica e belas iniciativas para uma vivência
mais fraterna e tolerante entre as denominações cristãs; vemos uma
busca comprometida pela unidade da igreja de Jesus Cristo. E tempo
em que, por outro lado, em nome da mesma fidelidade a Cristo, há
um sem número de divisões e separações no seio da igreja de Jesus
Cristo. E por essas razões, a reflexão sobre o tema da unidade da igreja
não é apenas um dos grandes temas da teologia contemporânea, mas
é uma reflexão que se faz necessária e urgente.
Neste artigo, ensaiaremos uma aproximação ao tema da
unidade da igreja e o faremos por meio da análise da expressão em
Cristo (ἐν Χριστῷ) e expressões similares. Expressão que, no nosso
entender, na Carta aos Efésios, vem a ser um elo de ligação entre
a Cristologia e a Eclesiologia, pois é usada tanto para descrever

Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
94
Marcelo Jung

a pessoa e a obra de Cristo, como para descrever o âmbito criado


por ele em sua obra salvífica, a igreja. Nosso objetivo é observar
a ocorrência da expressão em Cristo e analisar as ideias que são
construídas a partir e em torno dela e, assim, buscar e estabelecer
relações deste conteúdo com o tema da unidade da igreja.
Nossa principal fonte de pesquisa será o texto grego da
Carta aos Efésios. Para tal, faremos uso do texto da 27ª edição do
Novum Testamentum Greace de Nestle-Aland.2 As introduções
e comentários a Carta, mesmo que importantes e necessárias, nos
servirão de suporte como fonte secundária.

I. EM CRISTO – A UNIDADE DA IGREJA

Para a análise da expressão em Cristo e sua relação com


a unidade da igreja, partimos de um pressuposto: Cristologia e
Eclesiologia são os temas principais e centrais da Carta aos Efésios.
E, além disso, e o que é mais importante para a nossa pesquisa,
são temas muito próximos, ou seja, são desenvolvidos de forma
entrelaçada, em que um lança luz sobre o outro e vice-versa. Isso
fica evidente na maneira como muitos pesquisadores formulam a
descrição do tema central da Carta. Citaremos três:
Fabris, após reconhecer que “é muito difícil determinar o
objetivo e os centros de interesse que estão na origem de um escrito
tão genérico e abstrato”,3 afirma:

2 Eberhard NESTLE & Kurt ALAND. Novum Testamentum Greace. 27 ed.


Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft 2001.
3 FABRIS, Rinaldo. As cartas de Paulo. Vol. 3. São Paulo: Edições Loyola 1992,
p. 140.
Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
95
A Expressão “Em Cristo” e a Unidade da Igreja na Carta aos Efésios

“A primeira preocupação é com a unidade e a paz, fundadas na


ação gratuita de Deus, que se revelou na morte de Jesus na cruz, ‘no seu
sangue’, e se realiza agora na igreja, seu corpo, que é o povo único e
universal de Deus. Só podemos conjeturar a respeito do que estaria por
trás deste desenvolvimento eclesiológico e cristológico... Os dois polos
em torno dos quais se desenvolvem a reflexão e a exortação de Efésios
são: Jesus, o Cristo, e a igreja. A reflexão cristológica desenvolve-se em
função da nova consciência de igreja”.4

Stott, usando a expressão “nova sociedade” e “nova


humanidade” para se referir à igreja, afirma:

“O ponto central da carta é o que Deus fez por meio da obra


histórica de Jesus Cristo, e continua fazendo através do seu Espírito hoje, a
fim de edificar a sua nova sociedade no meio da velha. ... nós que estamos
‘em Cristo’, organicamente unidos com ele pela fé, compartilhamos
pessoalmente destes grandes eventos ... mediante Cristo e em Cristo,
somos nada mais nada menos do que uma nova sociedade de Deus, a
nova humanidade...”.5

E. Hendriksen, apresentando mais explicitamente a


cristologia e a eclesiologia entrelaçadas na expressão em Cristo,
e uma proximidade muito grande entre a expressão em Cristo e a
unidade da igreja, afirma:

4 “Se, na realidade, a preocupação de Paulo em Colossenses é


5 ‘Cristo, o preeminente, único e inteiramente eficaz Salvador’, então em
Efésios ele está discutindo o seu corolário, a saber, ‘A unidade de todos
6 os crentes em Cristo’. Em lugar do ‘Todos os crentes’, podemos colocar

Id., ibid., p. 140-141.


STOTT, John R. W. A mensagem de Efésios. A nova sociedade de Deus. São
Paulo: ABU Editora 1986, p. 9.
Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
96
Marcelo Jung

‘A igreja gloriosa’”. As ideias de ‘unidade’ e ‘em Cristo’ podem ter seu


lugar adaptado no esboço”.6 (Tradução própria).
Com a cautela de Roloff, entendemos que a eclesiologia
não é o fundamento da cristologia, ao contrário, a cristologia é o
fundamento a eclesiologia, pois “a igreja não é uma entidade
preexistente, equivalente a Cristo, tampouco é idêntica a Cristo ...
é o resultado e o âmbito de sua atuação presente no Espírito”.7 No
entanto, com devidas reservas, pela proximidade, interatividade e
dependência dos temas entre si, podemos dizer aquilo que é afirmado
a respeito da cristologia e que se pode afirmar também a respeito
da eclesiologia e, evidentemente, a respeito do tema da unidade da
igreja. O elo ou o ponto de contato entre os dois temas é a expressão
em Cristo, pois, refere-se tanto à pessoa e obra de Cristo como
também ao âmbito criado por sua pessoa e obra: a igreja.8
Procurando não confundir e misturar cristologia e a
eclesiologia, nosso caminho de investigação do tema da unidade da
igreja será este: a expressão em Cristo. Buscaremos pelo significado
que essa expressão tem na Carta aos Efésios, e como essa cristologia
constrói o significado da unidade da igreja.

1. A expressão em Cristo em Efésios

“Si em realidade la preocupación de Pablo em Colossenses es ‘Cristo, el


preeminente, único y enteramente eficaz Salvador’, entoces em Efesios está
discutiendo su corolario, a saber, ‘La unidade de todos los creyentes em Cristo’.
Em lugar de ‘Todos los creyentes’ podemos colocar ‘La iglesia gloriosa’.
Las ideas de ‘unidad’ e ‘em Cristo’ pueden tener su lugar adecuado em el
bosquejo”. HENDRIKSEN, Guilhermo. Comentario del Nuevo Testamento.
Exposición de Efesios. Michigan: Grand Rapids 1984, p. 67.
7 ROLOFF, Jürgen. A igreja no Novo Testamento. São Leopoldo: Sinodal; CEBI
2005, p. 264.
8 Jürgen ROLOFF, op. cit., p. 264.
Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
97
A Expressão “Em Cristo” e a Unidade da Igreja na Carta aos Efésios

Na leitura da Carta aos Efésios, não passa despercebida a


numerosa ocorrência da expressão em Cristo (ἐν Χριστῷ; ἐν τῷ
Χριστῷ) e expressões similares, as quais são: em Cristo Jesus (ἐν
Χριστῷ Ἰησοῦ), nele (ἐν αὐτῷ), no amado (ἐν τῷ ἠγαπημένῳ), no
qual (Ἐν ᾧ), no Senhor (ἐν κυρίῳ), em Jesus (ἐν τῷ Ἰησοῦ), no
sangue de Cristo (ἐν τῷ αἵματι τοῦ Χριστοῦ), na sua carne (ἐν τῇ
σαρκὶ αὐτοῦ). São 38 ocorrências ao todo.
Dessas 38 ocorrências, 29 estão nos capítulos 1 a 3 (14 no
capítulo 1, 11 no capítulo 2 e 4 no capítulo 3) e 9 nos capítulos 4
a 6 (5 no capítulo 4, 1 no capítulo 5 e 3 no capítulo 6). Estatística
essa que se torna significativa quando observamos que a Carta
aos Efésios é classicamente dividida, quanto ao seu conteúdo, em
duas partes bem definidas: os capítulos 1 a 3 tratam do conteúdo
expositivo doutrinário e os capítulos 4 a 6 tratam do conteúdo
exortativo prático.9 A maior concentração da expressão em Cristo
e similares está na parte expositiva doutrinária, que além de ser
menos extensa,10 serve como fundamento para o conteúdo da parte
9
exortativa prática, ou seja, as exortações de 4 a 6 são apresentadas
como consequência ou desdobramento prático da doutrina exposta

Quanto a essa divisão, confira: CONZELMANN, Hans; FRIEDRICH, Gerhard.


Epístolas de la Cautividad. Texto y comentario. Madrid: Ediciones Fax 1972,
p. 15; R. FABRIS, p. 132-134; FOULKES, Francis. Efésios. Introdução e
comentário. São Paulo: Vida Nova e Mundo Cristão, (sem data), p. 13-14;
10 MONTEIRO, Marcos. Efésios. Curitiba & Belo Horizonte: Encontrão Editora
e Missão Editora 1994, p. 16; BORTOLINI, José. Como ler a carta aos Efésios.
O universo inteiro reunido em Cristo. São Paulo: Paulus 2001, p. 16; SCHLIER,
11 Henrich. La carta a los Efésios. Salamanca: Ediciones Sigueme 1991, p. 19-21;
Guillermo HENDRIKSEN, op. cit., p. 67-72; CULLMANN, Oscar. A formação
do Novo Testamento. 10 ed. São Leopoldo: Sinodal 2007, p. 58.
A parte expositiva doutrinária – capítulos 1 a 3 – é formada por 66 versículos,
enquanto que a parte exortativa prática – capítulo 4 a 6 – é formada por 86
versículos.
Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
98
Marcelo Jung

em 1 a 3.11 Ou, ainda em outras palavras, a maior concentração da


expressão em Cristo está na parte que trata do conteúdo cognitivo da
fé; daquilo que forma o fundamento e o centro da fé e, portanto, da
prática da fé; daquilo em que se deve crer e a partir do que se deve
viver.
E a estatística torna-se mais significativa ainda quando
observamos que dentro da parte expositiva doutrinária o maior
número de ocorrências da expressão em Cristo e similares se dá no
capítulo 1 (são 14 ocorrências nos 23 versículos do capítulo 1 contra
15 ocorrências nos 43 versículos dos capítulos 2 e 3) e, junto com
Bortolini, consideramos o trecho 1.3-14, no qual há 12 ocorrências
da expressão e similares, “a grande síntese de toda a obra. Em outras
palavras, ... um portal que já traz, em miniatura, todos os grandes
temas a serem desenvolvidos ao longo do texto”.12
Essas observações apontam para o fato de que a expressão
em Cristo está relacionada com todos os temas desenvolvidos na
Carta aos Efésios. A ocorrência da expressão em Cristo, e muito mais
a argumentação em torno dela (o que veremos adiante), comprova
o que afirmamos acima: a Cristologia é o grande eixo temático
a partir do qual todos os outros temas são desenvolvidos e estão
relacionados.

2. A expressão em Cristo: o que ela expressa?

STOTT, 1986, p. 9; FOULKES, (sem data), p. 14; MONTEIRO, 1994, p.15-


16. SCHLIER, 1991, p. 20, TENNEY, Merrill C. O Novo Testamento: sua
origem e análise. 3 ed. São Paulo: Vida Nova 1995, p. 334; LOHSE, Eduard.
Introdução ao Novo Testamento. 4 ed. São Leopoldo: Sinodal 1985, p. 93-
94; SCHELKLE, Karl Hermann. Teologia do Novo Testamento: Sua história
literária e Teológica. São Paulo: Edições Loyola 1977, p. 179.
12 José BORTOLINI, op. cit., p. 21.

Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
99
A Expressão “Em Cristo” e a Unidade da Igreja na Carta aos Efésios

Como vimos, na Carta aos Efésios, a expressão em Cristo


é uma expressão, num sentido quantitativo, abrangente, pois está
relacionada a todos os temas que são desenvolvidos na Carta. O
mesmo ocorre no seu sentido qualitativo. Seu significado geral
é abrangente. Com a expressão em Cristo, o autor descreve, nada
mais nada menos, do que uma nova existência em que o divino e o
humano, os céus e a terra são reconciliados numa nova realidade:
a igreja.13 Em Cristo há uma nova situação de vida e é criada uma
nova identidade, o que forma uma nova humanidade com novos
relacionamentos. Em Cristo há uma nova compreensão da própria
existência, a qual abre os horizontes para aquém e para além da
existência histórica temporal. Em Cristo está todo o plano salvífico
de Deus para com a humanidade, no qual é expresso todo o amor e a
graça de Deus (temas que serão desenvolvidos abaixo).
Essa existência é, ao mesmo tempo, inclusiva e exclusiva.
Inclusiva pelo fato de que a inserção nela depende apenas de Cristo.
Ou seja, qualquer pessoa de qualquer etnia, cultura, sociedade... pode
tomar parte nessa existência (assunto que será desenvolvido mais
adiante). E exclusiva porque o meio de inserção nessa existência é a
fé na graça de Deus manifestada em Cristo. Quem tem essa fé está
inserido em Cristo, quem não tem essa fé não está inserido.
Isso fica evidente em Efésios 2.1-10, onde o autor argumenta
com a lógica de opostos. Estar sem Cristo (expressão usada em 2.12
[χωρὶς Χριστοῦ]) significa estar morto em delitos e pecados, andar
segundo o curso deste mundo, do Diabo14 e da carne, e ser filho
da desobediência e da ira (2.1-3). E estar em Cristo significa ser

13 Jürgen ROLOFF, op. cit., p. 264.


14 Não recebe esse nome no capítulo 2 [e sim: príncipe da potestade do ar (2.2)],
mas no capítulo 6.11-12.
Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
100
Marcelo Jung

ressuscitado pela graça de Deus para andar segundo as boas obras


preparadas por Deus desde antemão (2.4-10). A mudança, que é a
inserção na nova existência em Cristo, se dá no confiar-se às forças
salvíficas, recebendo pela fé a graça de Deus (2.8).
Essa lógica de oposição entre antiga existência sem Cristo
e nova existência em Cristo, que reforça a ideia da exclusividade,
reaparece nas oposições em 4.17-24: velho ser humano (τὸν παλαιὸν
ἄνθρωπον)(22) e novo ser humano (τὸν καινὸν ἄνθρωπον)(24); em
5.3-14: trevas e luz (ἦτε γάρ ποτε σκότος, νῦν δὲ φῶς ἐν κυρίῳ)
(8); e em 5.15-21: néscios e sábios (Βλέπετε οὖν ἀκριβῶς πῶς
περιπατεῖτε, μὴ ὡς ἄσοφοι ἀλλ̓ ὡς σοφοί)(15). Essa característica
da Cristologia é também uma característica da unidade da igreja.
A unidade da igreja traz consigo, simultaneamente, a inclusão e a
exclusão. Em Cristo há unidade e igualdade e, ao mesmo tempo,
separação e distinção. Sendo que o próprio fato de ser/estar em Cristo
é algo que se recebe pela fé, o meio pelo qual se define unidade e
separação e igualdade e distinção, do mesmo modo, é a fé na graça
de Deus.
Quem tem essa fé está completa e totalmente unido a Cristo
como “a raiz dentro da terra, o ramo ligado à videira (Jo 15.1), o
peixe no mar e o pássaro no ar”;15 vive numa unidade vital e pessoal
com Cristo e em unidade vital e pessoal com as demais pessoas que
também estão em Cristo.16 E quem não tem essa fé não está unido a
Cristo nem às demais pessoas que estão em Cristo.
3. Em Cristo: expressão de unidade ao expressar identidade
Essa nova existência em Cristo é também expressa na Carta
como
15 identidade daqueles que creem. Na pesquisa neotestamentária
16
17
Francis FOULKES, op. cit., p. 38.
John STOTT, op. cit., p. 7.
Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
101
A Expressão “Em Cristo” e a Unidade da Igreja na Carta aos Efésios

há grande incerteza e avolumada discussão em torno do autor e dos


destinatários da Carta aos Efésios. Não há certeza de quem foi o
autor, se foi, de fato, o apóstolo Paulo, se foi um “secretário” para
quem o apóstolo ditou a carta ou se foi um de seus discípulos num
período posterior à morte do apóstolo.17 Não há certeza de quem
eram os destinatários, se eram os cristãos que viviam em Éfeso, ou
em Laodiceia, ou em comunidades espalhadas na Ásia Menor, os
quais receberam esse escrito como uma espécie de carta circular.18
No entanto, já na saudação (1.1-2) há uma certeza: a identidade
dos cristãos, eles são/estão em Cristo. Os destinatários da Carta são
identificados como santos e fiéis em Cristo Jesus que estão em Éfeso
(τοῖς ἁγίοις τοῖς οὖσιν [ἐν Ἐφέσῳ] καὶ πιστοῖς ἐν Χριστῷ Ἰησοῦ).19
Essa certeza ressurge no corpo da Carta quando o autor se refere à
sua própria identidade: ele é o prisioneiro no Senhor (ὁ δέσμιος ἐν
κυρίῳ) (4.1).
A Carta aos Efésios não nos diz quem é seu autor e quem são
os seus destinatários, apenas que o autor se inclui na comunidade de
Israel e os destinatários são descritos como gentios (cap. 2). Também
não nos dá muitas informações sobre que tipo e que qualidade de
relações havia entre eles, apenas que o autor ouviu falar da fé e

Quanto à discussão sobre o autor, confira: MARTIN, Ralph. “Efésios”. In:


Comentário Bíblico Broadmann. Rio de Janeiro: Junta de Educação Religiosa
e Publicações da Convenção Batista Brasileira 1988, p.157-161.
18 Quanto à discussão sobre os destinatários confira: Francis FOULKES, op. cit.,
p.16-19.
19 Esta identificação se torna mais significativa quando se leva em conta que nos
manuscritos mais antigos a localização em Éfeso não aparece. Não há uma
explicação que ajude a compreender por que a localização ocorre nos demais
manuscritos, mas é decisivo para considerá-la uma inserção posterior o fato
de não constar no texto original (indicado pelo *) dos unciais Sinaítico (*) e
Vaticano (B*) e constar no texto de segunda leitura (ou corretor indicado por
2
) dos mesmos unciais (2 e B2). Cf. aparato crítico de NESTLE-ALAND, op.
cit., p. 503.
Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
102
Marcelo Jung

do amor dos destinatários, pelo que dá graças e os menciona em


suas orações (1.15ss; 3.14ss) e que o autor preocupa-se em que
os destinatários vivam em coerência com a fé em Cristo, o que se
expressa nas orientações dos capítulos 4 a 6. Entretanto, o que Carta
nos diz e deixa bem claro é que ambos, autor e destinatários são/
estão em Cristo Jesus (ἐν Χριστῷ Ἰησοῦ).
A Carta não apenas descreve autor e destinatários como
pessoas que recebem suas identidades em Cristo, mas também
argumenta sobre a qualidade dessa identidade. Ela não é apresentada
como um acréscimo ou anexo a uma antiga identidade. Em Cristo
surge uma identidade totalmente nova.
Essa novidade de identidade é evidente na argumentação
em 2.11-22. Nesse trecho, características de identidade e unidade
de judeus e gentios são descritas em termos de “antes e depois”:
sem Cristo e em Cristo (χωρὶς Χριστοῦ [2.12] e νυνὶ δὲ ἐν Χριστῷ
Ἰησοῦ[2.13]).
Antes, sem Cristo, havia a distinção “vós” (ὑμᾶς) e “nós”
(ἡμεῖς) (2.1-3). Na argumentação do autor, “vós” se refere aos
gentios e “nós” à comunidade de Israel. O único elemento de unidade
mencionado entre ambos é que por natureza, eram filhos da ira (2.3)
por causa de seus delitos e pecados (2.1,5).
Antes, sem Cristo, os gentios, em sua identidade, eram
incircuncisos na carne (2.11), estavam longe (2.13), separados de
Israel e estranhos às alianças da promessa, sem esperança e sem
Deus no mundo (2.12). E a comunidade de Israel (2.12), em sua
identidade, é descrita textualmente apenas como circuncisos na
carne (2.11). Por dedução, diante da descrição dos gentios, ainda se
pode descrevê-la como ligada às alianças da promessa e, por isso,
com esperança e com Deus no mundo.

Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
103
A Expressão “Em Cristo” e a Unidade da Igreja na Carta aos Efésios

Depois, ou agora, em Cristo Jesus, os gentios foram


aproximados (2.13), receberam paz (2.14,17) e acesso ao Pai
(2.19); já não são mais estrangeiros e peregrinos (2.19), pois foram
reconciliados (2.16) e tornados concidadãos com os judeus (2.19).
Receberam uma nova identidade.
No entanto, essa nova identidade dos gentios não é que
se tornaram judeus. Não há nenhuma referência que indique a
inclusão dos gentios na comunidade de Israel. E, do mesmo modo,
os judeus, tendo essa proximidade, reconciliação e concidadania
com os gentios, também não se tornaram gentios. Deus, de ambos,
gentios e judeus, fez um só (2.14), que nem mais são gentios nem
mais são judeus, mas uma nova humanidade (καινὸν ἄνθρωπον)
(2.15), reconciliada em um só corpo com Deus (2.16), pois foi
derrubada a parede de separação que era a inimizade (2.14) e a
lei dos mandamentos em forma de ordenanças (2.15). Ambos, em
Cristo, são uma nova humanidade reunida como concidadãos dos
santos – e aqui é importante observar que não são concidadãos com
os judeus ou com os gentios –, na família de Deus (2.19), ao qual
têm acesso chamando-o, em um espírito, de Pai (2.18).
Essa identidade em Cristo não é um acréscimo a uma antiga
identidade, mas uma nova identidade que surge de uma nova situação.
Não há mais aquela distinção entre “vós” e “nós”. Surge um novo
“nós” que inclui gentios e judeus, mas no qual ninguém é judeu-
cristão ou pagão-cristão. Há uma terceira identidade que forma uma
nova sociedade ou nova humanidade. Gentios e judeus são “uma
20
nova criação escatológica”20 que é criada em Cristo: a igreja.21
21

ROLOFF, 2005, p. 272.


ROLOFF, 2005, p. 273; COMBLIN, José. Paulo, apóstolo de Jesus Cristo.
Petrópolis: Vozes 1993, p. 179. Em seu comentário, Comblin havia denominado
22 essa nova identidade de “novo Israel que está separado do antigo e reivindica
Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
104
Marcelo Jung

Nessa nova identidade, o tema da unidade fundamentada


na Cristologia é evidente. “Cristo é o começo de uma nova
humanidade”.22 Nele, pessoas separadas por costumes culturais
e tradições religiosas inconciliáveis são “re-criadas” numa nova
humanidade e são um só corpo (2.14-16). Ou como afirma Stott, “a
nova sociedade de Deus, a nova humanidade que ele está criando e
que inclui judeus e gentios em pé de igualdade”.23
Essa nova identidade em Cristo, que forma uma nova
humanidade em Cristo, não depende de raiz étnica, de costumes
culturais e de tradições religiosas comuns, nem de proximidade ou
conhecimento pessoal entre os que são/estão em Cristo. Depende
apenas do ser/estar em Cristo. Quem é/está em Cristo recebe nova
identidade e faz parte de uma nova sociedade/humanidade.
Pela relação estreita entre nova identidade e unidade
podemos considerar que a unidade da igreja também depende única
e exclusivamente de Cristo. Não há qualquer elemento que possa
impedir a unidade daqueles que têm sua identidade em Cristo. A não
ser a oposição humana que rejeita a graça de Deus e assim, rejeita
ser/estar em Cristo e, por consequência, a unidade da igreja.24

4. Em Cristo: expressão de unidade ao expressar a compreensão


da existência cristã

A nova existência em Cristo, que confere nova identidade e


forma uma nova sociedade/humanidade, também confere uma nova

toda a herança do Antigo Testamento” (COMBLIN, José. Epístolas aos Efésios.


Petrópolis: Vozes 1987, p. 47).
Karl Hermann SCHLELKE, op. cit., p. 179.
23 John STOTT, op. cit., p. 9.
24 Jürgen ROLOFF, op. cit., p. 274.

Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
105
A Expressão “Em Cristo” e a Unidade da Igreja na Carta aos Efésios

compreensão da existência em termos de passado, presente e futuro.


Os versículos 3-14 do capítulo 1 abrem a Carta com um
extraordinário período de louvor a Deus por suas muitas bênçãos
com as quais tem abençoado aqueles que são/estão em Cristo. Trata-
se de uma sentença complexa e densa de significado, na qual cada
frase vai se encadeando na anterior, de modo que a argumentação é
desenvolvida como que em “um só fôlego”.25
Pela sua complexidade, há entre os comentaristas muitas
propostas de como o trecho se encontra estruturado.26 Uma dessas
propostas é a de uma estrutura de ordem cronológica formada por
passado, presente e futuro das bênçãos de Deus em favor da igreja.
Não apenas pela estrutura, mas também pela argumentação, vemos
nesse trecho a compreensão do autor quanto à origem, o caminho e a
meta da existência cristã.27 Origem, caminho e meta que acontecem

25 Trata-se de uma sentença que causa impacto. Stott arrola as muitas imagens
com as quais os comentaristas procuram transmitir o impacto deste trecho:
“Entramos nesta epístola por um portal magnífico”, escreve Findlay. “É uma
corrente de ouro” com muitos aros, ou “um caleidoscópio de luzes ofuscantes e
cores mutáveis”. Willian Hendriksen assemelha-a a “um cavalo de corrida com
grande fôlego... correndo com toda a velocidade”. Mais romântico é o símile
musical de John Mackay: “Esta adoração rapsódica é comparável à abertura de
uma ópera, que contém as sucessivas melodias que se seguirão”. E Armitage
Robinson sugere que é “ como o voo preliminar de uma águia, subindo e girando
em largos círculos, como se, por um momento, estivesse incerta sobre qual a
direção escolher, pela sua liberdade ilimitada. (John STOTT, op. cit., p. 13).
26 Para exemplificar, em Stott encontramos as propostas de estrutura trinitária
e cronológica (John STOTT, op. cit., p.13-16); em Hendriksen a trinitária
(Guillermo HENDRICSEN, op. cit., p. 77); em Bortolini a de seis bênçãos
(José BORTOLINI, op. cit., p. 22-23), o que Fabris chama de seis momentos
do desenvolvimento do processo salvífico (Rinaldo FABRIS, op. cit., p. 149); e
em Schlier a trinitária que se desenvolve para cristológica (Heinrich SCHLIER,
op. cit., p. 50-51).
27 Essa tríade é usada por Monteiro em seu comentário dos versículos 5-6 sobre a
predestinação em Cristo (Marcos MONTEIRO, op. cit., p.22). Aqui ampliamos
para o trecho 3-14.
Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
106
Marcelo Jung

em Cristo.
Em Cristo, encontra-se a origem da existência cristã.
Origem que remonta não a um passado distante, mas a um passado
muito mais remoto: antes da fundação do mundo (πρὸ καταβολῆς
κόσμου) (1.4). Já na eternidade, antes do tempo e do espaço, autor e
destinatários da Carta foram, em Cristo, escolhidos (ἐξελέξατο ἡμᾶς
ἐν αὐτῷ) para serem santos e irrepreensíveis e predestinados para
serem filhos de Deus (προορίσας ἡμᾶς εἰς υἱοθεσίαν διὰ Ἰησοῦ
Χριστοῦ εἰς αὐτόν) (1.4-5).
Em Cristo, encontra-se o caminho da existência cristã. É
em Cristo que, no presente, autor e destinatários são adotados por
Deus (conforme a sua predestinação) e abençoados com bênçãos
espirituais (ὁ εὐλογήσας ἡμᾶς ἐν πάσῃ εὐλογίᾳ πνευματικῇ ἐν
τοῖς ἐπουρανίοις ἐν Χριστῷ) (1.3), as quais são a redenção no seu
sangue e a remissão dos pecados (Ἐν ᾧ ἔχομεν τὴν ἀπολύτρωσιν
διὰ τοῦ αἵματος αὐτοῦ, τὴν ἄφεσιν τῶν παραπτωμάτων) (1.7), o
derramamento de sabedoria e compreensão (ἧς ἐπερίσσευσεν εἰς
ἡμᾶς, ἐν πάσῃ σοφίᾳ καὶ φρονήσει) (1.8) e a revelação do mistério
da vontade de Deus (γνωρίσας ἡμῖν τὸ μυστήριον τοῦ θελήματος
αὐτοῦ)28 (1.9). Em Cristo, ouvem a palavra da verdade, o evangelho
da salvação (Ἐν ᾧ καὶ ὑμεῖς ἀκούσαντες τὸν λόγον τῆς ἀληθείας,
τὸ εὐαγγέλιον τῆς σωτηρίας ὑμῶν) e são selados com o Espírito
Santo da promessa (ἐν ᾧ καὶ πιστεύσαντες ἐσφραγίσθητε τῷ
πνεύματι τῆς ἐπαγγελίας τῷ ἁγίῳ) (1.13).
E em Cristo está a meta da existência cristã. No futuro, na
plenitude dos tempos (εἰς οἰκονομίαν τοῦ πληρώματος τῶν καιρῶν),
ou seja, novamente na eternidade, em Cristo, autor, destinatários e
todas as coisas serão reunidos, unificados (ἀνακεφαλαιώσασθαι τὰ

28 Essa frase começa no v.7: Ἐν ᾧ

Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
107
A Expressão “Em Cristo” e a Unidade da Igreja na Carta aos Efésios

πάντα ἐν τῷ Χριστῷ, τὰ ἐπὶ τοῖς οὐρανοῖς καὶ τὰ ἐπὶ τῆς γῆς


ἐν αὐτῷ) (1.10) e resgatados (εἰς ἀπολύτρωσιν τῆς περιποιήσεως)
(1.14).
O passado, o presente e o futuro são acontecimentos descritos
como acontecimentos em Cristo. Do início ao fim, de eternidade a
eternidade,29 da origem à meta,30 a existência cristã é uma existência
em Cristo e, portanto, uma existência de unidade com Cristo e com
os demais cristãos. Por acontecer em Cristo, ninguém foi escolhido e
predestinado sozinho, ninguém é abençoado e selado com o Espírito
Santo sozinho, e ninguém será resgatado e unificado sozinho. Todos
os cristãos (ou toda a igreja), de igual modo, estavam, estão e estarão
em Cristo. Na compreensão do autor, não houve tempo e nem haverá
em que os que são/estão em Cristo estavam e estarão separados.
Todos têm a mesma origem na eleição, andam no mesmo caminho
como filhos de Deus e rumam para a mesma meta. A unidade da
igreja é descrita como algo planejado na eternidade, executado no
tempo presente e ruma para sua consumação no futuro.

5. Em Cristo: expressão de unidade ao expressar a graça de


Deus

E ainda outra característica que acompanha a expressão em


Cristo, e a unidade da igreja, é a expressão da Graça de Deus.
Das 29 ocorrências da expressão em Cristo e similares nos
capítulos 1-3, que é a parte expositiva doutrinária, apenas cinco
vezes o sujeito da ação não é o próprio Deus, mas os cristãos. Em
1.12-13, os cristãos esperam em Cristo (προηλπικότας), nele, ouvem

29 José BORTOLINI, op. cit., p. 25.


30 Hans CONZELMANN & Gerhard FRIEDRICH, op. cit., p. 24.
Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
108
Marcelo Jung

a palavra da verdade, o evangelho da salvação (ἀκούσαντες) e,


nele, creram (πιστεύσαντες); em 1.15 e 3.12, os cristãos manifestam
fé no Senhor Jesus (πίστιν ἐν τῷ κυρίῳ Ἰησοῦ; τῆς πίστεως αὐτοῦ).
Há que se observar que nessas cinco ocorrências ligadas às ações
dos cristãos está presente a ideia de recebimento e de participação
concedida pela gratuidade. Esperar, ouvir e crer é resposta à iniciativa
de Deus em Cristo.
E das nove ocorrências da expressão em Cristo nos capítulos
4-6, que é a parte exortativa prática da carta, três são usadas para
evocar autoridade do apóstolo (Παρακαλῶ [...] ἐν κυρίῳ; λέγω καὶ
μαρτύρομαι ἐν κυρίῳ)(4.1,17) e de Tíquico, seu enviado (Τύχικος
ὁ ἀγαπητὸς ἀδελφὸς καὶ πιστὸς διάκονος ἐν κυρίῳ)(6.21); cinco
estão ligadas à ideia do recebimento gratuito expressa em: ouvir e ser
instruídos (εἴ γε αὐτὸν ἠκούσατε καὶ ἐν αὐτῷ ἐδιδάχθητε) (4.21),
perdoar como foi perdoado (χαριζόμενοι ἑαυτοῖς, καθὼς καὶ ὁ θεὸς
ἐν Χριστῷ ἐχαρίσατο ὑμῖν](4.32), ser luz [νῦν δὲ φῶς ἐν κυρίῳ)
(5.8), ser fortalecido (ἐνδυναμοῦσθε ἐν κυρίῳ καὶ ἐν τῷ κράτει τῆς
ἰσχύος αὐτοῦ)(6.10); e uma ligada à ação de obediência dos filhos
cristãos aos seus pais (Τὰ τέκνα, ὑπακούετε τοῖς γονεῦσιν ὑμῶν
[ἐν κυρίῳ])(6.1), o que também está no contexto do recebimento
gratuito do mandamento divino ligado à promessa (6.2-3).
Assim, todas as vezes em que é usada a expressão em Cristo,
ligada a ela estão expressões variadas da ação graciosa de Deus
em favor da humanidade. Tudo aquilo que Deus fez, faz e fará em
favor da humanidade – o que já foi mencionado acima: eleição,
predestinação, adoção, remissão dos pecados, revelação do mistério,
edificação... –, Deus fez, faz e o fará em Cristo. “Deus Pai é a fonte
ou origem de toda bênção (... e) a esfera dentro da qual a bênção

31

Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
109
A Expressão “Em Cristo” e a Unidade da Igreja na Carta aos Efésios

divina é outorgada e recebida é o Senhor Jesus Cristo”.31


Em Cristo está a unidade da igreja. Unidade que é fruto
exclusivo da Graça de Deus manifestada em Cristo. Seu fundamento
está no acontecimento salvífico em Cristo e não na resposta humana
a este acontecimento32. Por isso, não é obra humana, mas é obra de
Deus que não pode ser conquistada, apenas recebida – o que acontece
pela fé (2.8). O ser humano é alvo da Graça de Deus que traz consigo
a unidade da igreja. Quem, pela fé, recebe a graça, recebe a unidade
com Cristo e com os demais cristãos. Quem, pela fé, vive da graça
vive em unidade.

6. Características da unidade da igreja a partir da expressão em


Cristo

Iniciamos nossa pesquisa com a afirmação de que a


expressão em Cristo, por ser o elo que, na Carta aos Efésios, liga a
Cristologia com a Eclesiologia, nos revela, por suas características,
as características da unidade da igreja. Colocamos também duas
perguntas norteadoras: que significado tem a expressão em Cristo na
Carta aos Efésios? E como essa Cristologia constrói o significado da
unidade da igreja?
Respondendo à primeira pergunta, podemos afirmar que a
expressão em Cristo na Carta aos Efésios é uma grandeza equivalente à
nova criação feita por Deus por meio de Jesus Cristo. Com a expressão
em Cristo é descrito todo o acontecimento salvífico e também o novo
âmbito que esse acontecimento inaugura na história da humanidade.
Em Cristo passa a existir uma nova situação e quem é/está em Cristo,

John STOTT, op. cit., p. 14.


32 Jürgen ROLOFF, op. cit., p. 274.
Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
110
Marcelo Jung

pela fé, é inserido nessa uma nova situação. Em Cristo passa a existir
uma nova identidade que forma uma nova sociedade/humanidade e
que é/está em Cristo é re-criado com uma nova identidade e passa a
fazer parte dessa nova sociedade/humanidade. Em Cristo é revelada
uma nova compreensão da existência, e quem é/está em Cristo
passa a compreender a si mesmo numa nova perspectiva de origem,
caminho e meta. Em Cristo, tudo isso acontece como manifestação
da graça amorosa de Deus. Tudo é feito, dado e recebido em Cristo.
E quem é/está em Cristo deixa-se envolver por essa graça.
A expressão em Cristo refere-se a uma grandeza abrangente
de muita força, pois toda a graça de Deus e toda a existência cristã
estão inseridas nela. Além do mais, a esperança cristã é de que, na
plenitude dos tempos, todo o universo venha a ser inserido nela (1.9-
10).
E respondendo à segunda pergunta, reunimos aqui as
características que identificamos na expressão em Cristo ao longo da
pesquisa e que podem ser consideradas características da unidade da
igreja.
Em primeiro lugar é uma unidade mística, pois está fundada
e fundamentada somente na pessoa e obra salvífica de Cristo. Apesar
do conceito igreja (ἐκκλησίᾳ) receber grande ênfase na Carta,33 a
unidade não está fundada e fundamentada nela, enquanto instituição,
nem controlada por seus instrumentos institucionais. A unidade
depende única e exclusivamente de Cristo. Em Cristo expressa
unidade mística com Cristo e, ao mesmo tempo, unidade mística
com os demais que, pela fé, são/estão em Cristo.

33 “O termo Igreja ... indica o corpo (Ef 1.22,23; 4.4,16; 5.23,30), o edifício (2.19-
22), e a esposa (5.25-27,32) de Cristo; a totalidade dos salvos por meio do
sangue de Cristo, sejam judeus ou gentios, tem por meio dela acesso em um
Espírito ao Pai (2.13,18).” Guillermo HENDRIKSEN, 1984, p.67.
Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
111
A Expressão “Em Cristo” e a Unidade da Igreja na Carta aos Efésios

O que nos leva um passo mais adiante. Além de mística, essa


unidade é universal e igualitária. Como depende de Cristo somente,
não existe barreira que possa fazer frente a essa unidade, de modo
que ela se estende sobre todas as pessoas do mundo todo que são/
estão em Cristo e aniquila as separações étnicas, culturais, sociais,
confessionais, de gênero, etc. Todos que são/estão em Cristo recebem
uma nova identidade em Cristo e formam uma nova sociedade e nova
humanidade em Cristo, na qual todos estão em pé de igualdade, pois
estão inseridos numa nova existência e unidos apenas por causa de
Cristo.
Além de mística, universal e igualitária, a unidade construída
a partir da expressão em Cristo é uma unidade cósmica, pois é
descrita como unidade que vai além do tempo, adentra a eternidade, e
abarcará todo o espaço, o mundo inteiro. Foi planejada na eternidade
antes da fundação do mundo, revelada e concedida na história da
humanidade e ruma para sua consumação, novamente na eternidade,
que será a unificação do mundo inteiro. Quem é/está em Cristo está
inserido, unido aos demais que são/estão em Cristo numa existência
de proporções cósmicas.
Indo um passo mais adiante, além de mística, universal,
igualitária e cósmica, essa unidade também é gratuita. Volta-se aqui
mais uma vez para a dependência total de Cristo para a unidade,
mas agora no sentido de que tudo o que era necessário fazer para a
unidade da igreja foi realizado em Cristo e concedido gratuitamente
sem necessidade de acréscimo de esforços e ações humanas.
E dando o último passo, além de mística, universal e
igualitária, cósmica e gratuita, essa unidade é inclusiva/exclusiva.
Por mais paradoxal que seja, essa característica coloca um limite que
impede que a unidade da igreja, que é universal e cósmica, seja uma

Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
112
Marcelo Jung

grandeza comparável a um buraco negro que atrai e absorve toda a


realidade. Toda e qualquer pessoa pode ser incluída nessa unidade
sem qualquer restrição, mas ao mesmo tempo só é incluída a pessoa
que, pela fé, recebe a graça de Deus e passa a ser/estar uma pessoa
em Cristo.
Reunindo essas características, a expressão em Cristo, na
Carta aos Efésios, revela a unidade da igreja como uma grandeza
mística, universal e igualitária, cósmica, gratuita e inclusiva/
exclusiva. Uma grandeza menor que a estatura de Cristo, mas que
caminha nessa direção pela preservação e vivência dessa unidade em
Cristo (Ef 4.3,15-16).
Chegamos ao final desta etapa de pesquisa do tema da unidade da
igreja na Carta aos Efésios e, ao final desta monografia, com duas
convicções.
A primeira é que o conceito que é construído a partir e em
torno da expressão em Cristo, na Carta aos Efésios, não é apenas um
elo entre Cristologia e Eclesiologia, mas o elo central e principal
entre os temas da Cristologia e da Eclesiologia. Pela expressão em
Cristo, não apenas é descrita a pessoa e a obra de Cristo e o âmbito
criado pela sua obra salvífica, que é a igreja, mas é descrito o tipo, a
qualidade e a abrangência da relação que se estabelece, por iniciativa
de Deus, entre Cristo e a sua igreja.
E a segunda é que a expressão em Cristo é central para a
compreensão da unidade da igreja. É por ela que se descreve a
unidade dos cristãos com Cristo e a unidade dos cristãos entre si. Na
Carta aos Efésios, em Cristo a unidade da igreja é descrita em termos
de pessoa, tempo, espaço, finalidade e condição. Em outras palavras,
em Cristo é descrito quem está unido, quando, com que abrangência
geográfica, para quê e de quem depende essa unidade.

Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
113
A Expressão “Em Cristo” e a Unidade da Igreja na Carta aos Efésios

Essas duas convicções podem ser traduzidas pela afirmação


de que na expressão em Cristo, em Efésios, encontramos um sólido
fundamento e um forte e decisivo critério para a unidade da igreja.
E chegamos ao final desta monografia também com uma
questão em aberto: nossa abordagem ao tema da unidade da igreja por
meio da expressão em Cristo nos deu uma compreensão conceitual da
unidade da igreja. Resta analisar os desdobramentos éticos e práticos
que essa compreensão conceitual exige. A própria Carta propõe esse
desdobramento. No entanto, é um desdobramento que respondia às
questões e problemas específicos do contexto histórico da Carta.
Urge, em tempos de esforços ecumênicos e esforços separatistas,
ouvir às perguntas de nosso contexto histórico e formular novas
respostas.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

- BORTOLINI, José. Como ler a carta aos Efésios. O universo inteiro reunido em
Cristo. São Paulo: Paulus 2001;
- COMBLIN, José. Epístolas aos Efésios. Petrópolis: Vozes 1987;
- COMBLIN, José. Paulo, apóstolo de Jesus Cristo. Petrópolis: Vozes 1993;
- CONZELMANN, Hans; FRIEDRICH, Gerhard. Epístolas de la cautividad.
Texto y comentario. Madrid: Ediciones Fax 1972;
- CULLMANN, Oscar. A formação do Novo Testamento. 10 ed. São Leopoldo:
Sinodal 2007;
- FABRIS, Rinaldo. As Cartas de Paulo (III). São Paulo: Edições Loyola 1992;
- FOULKES, Francis. Efésios: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova e
Mundo Cristão s.d. (original em inglês de 1963);
- HENDRIKSEN, Guillermo. Comentario del Nuevo Testamento. Efesios.
Michigan: Grand Rapids 1984;
- LOHSE, Eduard. Introdução ao Novo Testamento. 4 ed. São Leopoldo: Sinodal
1985;
- MARTIN, Ralph P. “Efésios”. In: Comentário bíblico Broadman. Vol. 11. 2 ed.
Rio de Janeiro: JUERP 1988;
- MONTEIRO, Marcos A. L. Efésios. Curitiba e Belo Horizonte: Encontrão
Editora e Missão Editora 1994;
- Eberhard NESTLE & Kurt ALAND. Novum Testamentum Greace. 27 ed.
Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft Stuttgart 2001;
- ROLOFF, Jürgen. A igreja no novo testamento. São Leopoldo: Sinodal; Centro

Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113
114
Marcelo Jung

de Estudos Bíblicos 2005;


- SCHELKLE, Karl Hermann. Teologia do Novo Testamento. Sua história literária
e teológica. São Paulo: Edições Loyola 1977;
- SCHLIER, Heinrich. La carta a los Efesios. Salamanca: Ediciones Sigueme
1991;
- SCHMOLLER, Alfred. Handkonkordanz zum griechischen Neuen Testament. 13
ed. Stuttgart: Württembergische Bibelanstalt Stuttgart 1963;
- STOTT, John R. W. A mensagem de Efésios. A nova sociedade de Deus. São
Paulo: ABU, 1986;
- TENNEY, Merrill C. O Novo Testamento: sua origem e análise. 3 ed. São Paulo:
Vida Nova 1995.

Vox Scripturae – Revista Teológica Brasileira – São Bento do Sul/SC – vol. XIX – n. 2 – nov. 2011 – p. 92-113