Você está na página 1de 3

UNIDADE I – QUESTÕES PREJUDICIAIS:

1. Conceito (incidentes processuais).

2. Questões Prejudiciais vs. Processos Incidentes.

3. As Questões Prejudiciais:

3. 1. Considerações iniciais (preliminares ≠ prejudiciais):

A) Preliminares (aspecto processual – incompetência, ausência de condição


da ação etc.);

B) Prejudiciais:

B.1) homogêneas;
B.2) heterogêneas (absolutas ou obrigatórias; facultativas ou relativas).

3.2. Questões prejudiciais homogêneas:

- Decididas pelo juízo criminal (1ª instância ou não). Ex.: exceção da verdade;
análise da existência de crime anterior na receptação.

3.3. Questões prejudiciais heterogêneas:

- Decididas, a princípio, pelo juízo extra-penal. Ex.: discussão sobre o direito


autoral em crimes contra a propriedade imaterial; dever de alimentos em crime
de abandono material; a bigamia quando se discute a validade jurídica do
matrimônio anterior1.

- Podem ser invocadas em Inquérito Policial?

1
Por que se fala em questão “prejudicada” e questão “prejudicial”?
a) Questões prejudiciais heterogêneas absolutas ou obrigatórias (art.
92, CPP):

- Suspensão do processo criminal em caso de controvérsia séria e fundada


sobre o estado civil das pessoas.

- Quem promoverá a ação no cível? (art. 92, parágrafo único, CPP: MP –


ação penal pública; QUERELANTE – ação penal privada; RÉU – em
qualquer tipo de ação).

- Qual o prazo para a suspensão?

- Enquanto o processo penal está suspenso, como fica o curso do prazo


prescricional da infração? Vide art. 116, I, CPB.

Art. 92. Se a decisão sobre a existência da infração depender da


solução de controvérsia, que o juiz repute séria e fundada, sobre
o estado civil das pessoas, o curso da ação penal ficará suspenso
até que no juízo cível seja a controvérsia dirimida por sentença
passada em julgado, sem prejuízo, entretanto, da inquirição das
testemunhas e de outras provas de natureza urgente.

Parágrafo único. Se for o crime de ação pública, o Ministério


Público, quando necessário, promoverá a ação civil ou
prosseguirá na que tiver sido iniciada, com a citação dos
interessados.

b) Questões prejudiciais heterogêneas facultativas ou relativas (art. 93,


CPP):

- Suspensão do processo criminal quando já em curso ação cível que não


diga respeito ao estado civil das pessoas.

- Qual o prazo de suspensão? Há possibilidade de prorrogação? Poderá o


juízo criminal decidir a questão prejudicial? (art. 93, § 1º, CPP).

- Enquanto o processo penal está suspenso, como fica o curso do prazo


prescricional da infração? Vide art. 116, I, CPB.
- Questão interessante: decisões conflitantes (qual a solução?)

Art. 93. Se o reconhecimento da existência da infração penal


depender de decisão sobre questão diversa da prevista no artigo
anterior, da competência do juízo cível, e se neste houver sido
proposta ação para resolvê-la, o juiz criminal poderá, desde que
essa questão seja de difícil solução e não verse sobre direito cuja
prova a lei civil limite, suspender o curso do processo, após a
inquirição das testemunhas e realização das outras provas de
natureza urgente.

§ 1o O juiz marcará o prazo da suspensão, que poderá ser


razoavelmente prorrogado, se a demora não for imputável à
parte. Expirado o prazo, sem que o juiz cível tenha proferido
decisão, o juiz criminal fará prosseguir o processo, retomando
sua competência para resolver, de fato e de direito, toda a
matéria da acusação ou da defesa.

§ 2o Do despacho que denegar a suspensão não caberá recurso.

§ 3o Suspenso o processo, e tratando-se de crime de ação


pública, incumbirá ao Ministério Público intervir imediatamente
na causa cível, para o fim de promover-lhe o rápido andamento.

3.4. Ponto Muito Importante:

- Qual o recurso cabível contra a decisão que suspende o processo


criminal pela questão prejudicial?

- Qual o recurso cabível contra a decisão que denega a suspensão do


processo criminal em questão prejudicial? (ATENÇÃO!)