Você está na página 1de 92

ANUÁRIO BRASILEIRO DE

AVIAÇÃO CIVIL
2018
3º ANUÁRIO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO CIVIL
EXPEDIENTE
3RD BRAZILIAN YEARBOOK OF CIVIL AVIATION
COORDENAÇÃO GERAL
GENERAL COORDINATION
Jessica Santos

COORDENAÇÃO TÉCNICA
TECHNICAL COORDINATION UMA PUBLICAÇÃO
Victor Santos
INSTITUTO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO
CONTEÚDO A PUBLICATION
CONTENT
Victor Santos
BRAZILIAN INSTITUTE OF AVIATION
Rodrigo Rocha

PROJETO GRÁFICO
GRAPHIC DESIGN
Thais Lindo

COMERCIAL REALIZAÇÃO
COMMERCIAL
Erick Tamasiro ACCOMPLISHMENT

TRADUÇÃO
TRANSLATION
Richard Pedicini
Yeb Inteligência de Mercado

ELABORAÇÃO
ELABORATION INSTITUTO
Yeb Inteligência de Mercado BRASILEIRO DE
IMPRESSÃO AVIAÇÃO
PRINT
Vox Gráfica +55 (19) 4104.2194
iba@institutoaviacao.org
www.institutoaviacao.org

Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.


All rights reserved. Reproduction permited if source is cited.
2 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

VOOS EXCLUSIVOS PARA


VIAGENS INESQUECÍVEIS

Gulfstream G550
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
3

DESFRUTE DE UMA EXPERIÊNCIA ÚNICA A BORDO DO NOVO


ÍCONE DA AVIAÇÃO EXECUTIVA.
A Icon Aviation conta com a maior e mais nova frota de aeronaves
da América Latina, além de profissionais qualificados prontos para
proporcionar uma experiência segura e confortável.

Fretamento;
Gerenciamento;
CONHEÇA
Hangaragem;
NOSSOS
Atendimento aeroportuário;
SERVIÇOS:
Venda, aquisição e
compartilhamento de aeronaves.

Juntos voaremos mais alto.


RESERVAS:
+ 55 11 5070-6005 • +55 11 98484-0055 Siga no Instagram:
fretamento@iconaviation.com.br @iconaviation www.iconaviation.com.br
4 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

ÍNDICE
INDEX

06 PALAVRA DO PRESIDENTE
A WORD FROM THE PRESIDENT

08
PALAVRA DA SECRETÁRIA EXECUTIVA
A WORD FROM THE EXECUTIVE SECRETARY

10
SUMÁRIO EXECUTIVO
EXECUTIVE SUMMARY

12
O INSTITUTO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO
BRAZILIAN INSTITUTE OF AVIATION

13
1. A AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA
THE BRAZILIAN CIVIL AVIATION

25
2. A FROTA BRASILEIRA DE AVIAÇÃO CIVIL
BRAZILIAN CIVIL AVIATION FLEET

57
3. AS OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL NO BRASIL
CIVIL AVIATION OPERATIONS IN BRAZIL

79
ANEXOS
APPENDIX
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
5

TM
SISTEMA DE COMUNICAÇÃO VIA SATÉLITE ASPIRE 200
HONEYWELL e SYNERJET
Uma revolução na conectividade aérea que permite voar conectado como se estivesse em solo. conectam você com o
O Sistema de Comunicação em voo Aspire 200 da Honeywell oferece cobertura de mundo.
conectividade a bordo confiável e consistente, para atender as diversas necessidades dos
passageiros de aviação executiva. Este sistema opera na rede de satélite Inmarsat I-4, que
possui cobertura global, o que o torna ideal para pequenas, médias e grandes aeronaves que
voam ao redor do mundo.
Este sistema é desenvolvido com interface comum proporcionando opções flexíveis de
instalação e fácil atualização. O sistema Aspire 200 é comercializado em dois pacotes distintos:
11 3797-5108 | WWW.SYNERJET.COM
Aspire 200 IG e Aspire 200 HG. Cada pacote fornece um canal de serviço SwiftBroadBand
permitindo simultaneamente telefonemas na cabine, acesso à Internet, VPN e mensagens.
Distributor Premium of
Além disso, a família de aviônicos da Honeywell, disponível para diversos modelos de aviões e
helicópteros, oferece uma linha completa de produtos de navegação, GPS, comunicação e
identificação que fornecem aos pilotos as informações e a precisão de que necessitam.
6 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

PALAVRA DO PRESIDENTE
WORD FROM THE PRESIDENT

FRANCISCO LYRA
Presidente
President

Bem-vindo, estimado leitor do 3o Anuário Brasileiro A Aviação Geral conectou, em 2017, um total de 2.429
de Aviação Civil. Na atribuição de Presidente do Instituto aeródromos brasileiros, alcançando 1.225 municípios.
Brasileiro de Aviação, tenho o privilégio de - antecipadamente
- agradecer sua leitura crítica e eventuais contribuições que São números impressionantes, considerando a crise
possa nos enviar. econômica e política que se abateu sobre nosso país.

Quando tomei conhecimento dos primeiros resultados Significa que os empreendedores, homens de negócios
apontados neste Anuário, a primeira palavra que veio em e tomadores de decisão compreenderam suas obrigações e
minha mente foi “RESILIÊNCIA”. sacrifícios de continuar contribuindo para o futuro do país.

A resiliência da Aviação Civil Brasileira é extraordinária. A aviação tem o importantíssimo papel de ser uma
Entendendo resiliência pela capacidade de ser flexível ao verdadeira “Máquina do Tempo”. Nos permite deslocamentos
enfrentar adversidade. E retornar ao estado original. A rápidos através deste país continental. Imensas distâncias
imagem mental é a do bambuzal que, mesmo durante o mais são cobertas em poucas horas. Ademais, nossas regiões
severo furacão, se verga para não quebrar. metropolitanas estão a milhares de quilômetros dos grandes
centros financeiros mundiais. Assim a Aviação cumpre o
Os dados reforçam esta tese da resiliência: Mesmo papel de nos permitir gerenciar o tempo da forma mais eficaz,
quando o PIB brasileiro sofreu um revés em 2016 de -3.5% segura e confortável.
e um modesto crescimento de 1% em 2017, setores inteiros
foram devastados, nossa Aviação Civil manteve-se firme, Imagine, caro leitor, redes de varejo de âmbito nacional,
apesar do sofrimento evidente. sejam de comércio, de serviços ou financeiras, sem a
capilaridade da aviação para sua gestão. Segundo estudo
Alguns indicadores extraídos deste Anuário para embasar recém-publicado na edição de Julho-2018 pela prestigiada
meu raciocínio: revista de Harvard Business Review (“How CEOs Manage Time”)
que conclue que CEOs apontam como seu maior desafio a
Frota Aviação Civil 2016 2017 % falta de tempo. Segundo os pesquisadores, CEOs trabalham
Comercial 686 681 ↓ 1% cerca de 9,7 horas por dia útil, encaram adicionais 3,9h em
Experimental 5.867 5.936 ↑ 1% 79% dos finais de semana e ficam fora dos escritórios 53% do
Geral 15.342 15.361 ↑ 0,1% tempo. Ainda assim, sentem-se angustiados por necessitar
Total 21.895 21.978 ↑ 0,4% mais tempo para completar suas tarefas, apesar das 62,5
horas semanais. Durante a crise econômica, esse imperioso
Em relação ao ano de 2016, houve um aumento de 1,1%
desafio se mostra ainda mais relevante. Voar não é luxo,
no volume total de operações, mesmo com uma redução de
mordomia ou supérfluo. É imprescindível.
2% nos números da aviação comercial.

Operações 2016 2017 % Talvez isso explique o motivo de que a Aviação Brasileira
Comercial 1.794.327 1.751.055 ↓ 2% tenha tido um enfrentamento da recessão com números
Geral 513.798 582.735 ↑ 13% ainda assim positivos.
Total 2.308.125 2.333.790 ↑ 1,1%

O propósito deste Anuário é nos permitir, com a análise


A Aviação Comercial conectou 126 municípios brasileiros de dados extraídos de fontes oficiais, uma reflexão sobre a
e 73 países em 2017.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
7

necessidade de ampliar a cobertura aérea brasileira, através Boa leitura e não hesite em contribuir com suas críticas,
de um sistema capilarizado que contemple as necessidades sugestões e propostas de melhorias. Nosso objetivo é
de mobilidade num país continental. Que motive os agentes produzir, a cada ano, um Anuário mais abrangente e completo.
públicos, mídia e sociedade civil a reconhecer os desafios e
promover políticas públicas para viabilizar a inclusão social e Obrigado,
expansão da fronteira do desenvolvimento. Se cumprirmos
este papel, nosso propósito estará assegurado.
Cmte. Francisco Lyra
Presidente do IBA Instituto Brasileiro de Aviação.

Welcome, valued reader of the 3rd Brazilian Yearbook of Civil It means that entrepreneurs, businessmen, and decision makers
Aviation. As President of the Brazilian Institute of Aviation, I have the understood their obligations and sacrifices to continue contributing to
privilege of thanking you – in advance – for your critical readership, and the country's future.
eventual contributions which you may choose to send us.
Aviation has the all-important role of being a genuine "Time
When I learned of the initial results set out in this Yearbook, the first Machine". It allows us quick travel about this continental country. Vast
word that came to my mind was “resilience”. distances are covered in a few hours. In addition, our metropolitan
regions are thousands of kilometers from the world's great financial
Brazil Civil Aviation's resilience is extraordinary. By resilience I centers. Thus, Aviation fulfills the role of allowing us to manage time in
mean the capacity to be flexible and face adversity. It's returning to the the most efficient, safe and comfortable way.
previous condition. It's the bamboo which, even during the most severe
storm, bends to avoid being broken. Imagine, dear reader, national retail networks, whether commercial,
service or financial, without the aviation's ability to carry their
The data supports this thesis of resilience. Even when Brazil's GDP management wherever they do business. A recent study in the July, 2018
suffered a reversal in 2016, shrinking 3.5%, and a modest increase of only Harvard Business Review ("How CEOs Manage Time") concludes that
1% in 2017, and whole sectors of the economy were devastated, our Civil CEOs indicate that their biggest challenge is the lack of time. According
Aviation held on, despite the obvious suffering. to the researchers, CEOs work about 9.7 hours per working day, face an
additional 3.9 hours on 79% of weekends and stay out of the office 53% of
Some leading indicators picked from the Yearbook to support my
the time. Still, they feel the stress of needing more time to complete their
reasoning:
tasks, despite working 62.5 hours a week. During the economic crisis, this
imperative challenge was shown to be even more relevant. Flying is not a
Civil Aviation Fleet 2016 2017 %
luxury, a perk, or superfluous. It is essential.
Commercial 686 681 ↓ 1%
Experimental 5,867 5,936 ↑ 1%
General 15,342 15,361 ↑ 0.1% Perhaps this explains the reason why Brazilian Aviation has faced
Total 21,895 21,978 ↑ 0.4% down the recession with numbers that were still positive.

Compared to 2016, there was a 1.1% increase in the total volume of The purpose of this Yearbook is to allow us, through the analysis of
operations, despite a 2% drop in commercial aviation numbers: data extracted from official sources, to reflect on the need to expand
Brazilian air coverage through a system that reaches everywhere,
Operations 2016 2017 % meeting a continental country's mobility needs. It is to motivate public
Commercial 1,794,327 1,751,055 ↓ 2% agents, media and civil society to recognize the challenges and promote
General 513,798 582,735 ↑ 13% public policies to enable social inclusion and to push the frontier of
Total 2,308,125 2,333,790 ↑ 1.1%
progress to the country's borders, and to everywhere within them. If we
fulfill this role, our purpose will be achieved.
Commercial aviation connected 126 Brazilian municipalities and 73
Good reading and do not hesitate to contribute your criticisms,
countries in 2017.
suggestions and proposals for improvements. Our goal is to produce,
General Aviation in 2017 connected a total of 2,429 Brazilian each year, a more comprehensive and complete Yearbook.
aerodromes, reaching 1,225 municipalities.
Thank you,
These are impressive numbers, given the economic and political Captain Francisco Lyra
crises that have shaken our country. President of IBA - Brazilian Institute of Aviation.
8 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

PALAVRA DA SECRETÁRIA EXECUTIVA


WORD FROM THE EXECUTIVE SECRETARY

JESSICA SANTOS
Secretária Executiva
Executive Secretary

A criação do Instituto Brasileiro de Aviação em 2016 foi operação, aeronave, origens/destinos e ao final é feita uma
uma iniciativa que abriu portas para a construção de um análise dos 5 principais aeroportos brasileiros.
trabalho independente de disponibilização perene de dados
e informações de Aviação Civil a todos os participantes do Esperamos que essa estruturação das informações
segmento. Nossa entidade se propõe a prover conhecimento venha a contribuir para empresas e governo na tomada de
e subsídios que estimulem debates, parcerias e políticas decisão e no planejamento de políticas públicas para o setor,
públicas em prol de toda a cadeia envolvida, de forma consolidando esse Anuário como uma ferramenta de trabalho
a perpetuar ao longo dos anos uma contribuição para o para os decisores e influenciadores da Aviação Civil brasileira.
desenvolvimento e fortalecimento da cadeia de Aviação Civil.

Por fim, para desenvolvimento dessa publicação


Como uma importante parte dentro desse compromisso são necessários equipe e parceiros que acreditem na
do IBA, é com muita satisfação que lançamos o nosso capacidade que o conhecimento possui para contribuir com
3º Anuário Brasileiro de Aviação Civil. A cada ano, temos o crescimento da Aviação Civil, dessa maneira gostaria de
observado um aumento do interesse nos dados estatístico agradecer aos nossos patrocinadores, que ao logo desses
do segmento e com isso a publicação vem sendo aprimorada anos tem viabilizado a disponibilização desse conteúdo para
através de contribuições e sugestões. Para essa edição, foram a sociedade; às lideranças e equipes da ANAC e do CGNA
realizadas diversas melhorias no conteúdo, destacando-se a que prontamente tem nos ajudado com os dados; e à equipe
disponibilização de dados mais atualizados com inclusão de da Yeb Inteligência de Mercado que bravamente cuidou
informações referentes ao ano de 2018. da pesquisa, análise e elaboração do conteúdo e design da
publicação.
O conteúdo da publicação está organizado em 3 capítulos,
o primeiro aborda os 6 Fatores Chaves para a Aviação Civil:
indústria; infraestrutura; combustíveis; operadores; recursos
humanos; e serviços de suporte à aviação. Já no segundo
Desejamos a todos uma excelente leitura.
capítulo é feita uma análise detalhada sobre a Frota Brasileira
de Aviação Civil por regiões e seus estados e por tipo de
E ficamos à disposição para dúvidas e sugestões através
aeronave. No terceiro capítulo, são analisadas as operações
do e-mail js@institutoaviacao.org
de Aviação Civil no Brasil com detalhamento por tipo de
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
9

The creation of the Brazilian Institute of Aviation in 2016 was a door We hope that this information structure can contribute to a better
opener initiative to the development of an independent work of a lasting companies and government decision-making and planning of public
Civil Aviation data and information provision to all participants in the policies toward the sector, consolidating this Yearbook as a working tool
sector. Our entity attempts to provide knowledge and assistance that to the Brazilian Civil Aviation decision makers and influencers.
stimulate debate, partnerships and public policies on behalf of the entire
chain involved, to perpetuate a contribution to the development and Finally, to the development of this Yearbook, partners and teams that
strengthening of the Civil Aviation chain throughout the years. believe in the capacity that knowledge has to contribute to the growth
of Civil Aviation are needed, therefore, I would like to thank our sponsors,
As an important part of IBA’s commitment, it is with great satisfaction which have set up this content provision to society over the years; ANAC
that we launch our 3rd Brazilian Yearbook of Civil Aviation. We have and CGNA’s leaderships and teams that have readily supported us with
observed an increasing interest in statistical data of the segment every data; and the Yeb Market Intelligence team that bravely handled the
year and thus this publication has been improved with contributions content research, analysis and elaboration and the publication design.
and suggestions. This year, several content improvements were made,
highlighting the provision of the most up-to-date data, with information
related to the year of 2018.
We wish you all an excellent reading.
The publication’s content is arranged in three chapters, the first one
And we are at your disposal for any doubt and suggestion through
discusses the six Key Factors of Civil Aviation: industry; infrastructure;
the e-mail address: js@institutoaviacao.org
fuels; operators; human resources; and aviation support services. In
the second, a detailed analysis of Brazil’s Civil Aviation Fleet is made
by region and its states, and by type of aircraft. In the third chapter,
the Brazilian Civil Aviation operations are carefully analyzed by type of
operation, aircraft, origin and destination and, at the end, the five busiest
Brazilian airports.
10 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

S
112 companies certified for
manufacturing aeronautical
products in Brazil

3,854 aerodromes 507 certified aeronautical 21,978 civil aviation


112 empresas recognized by ANAC maintenance bases aircraft in 2017
certificadas para
fabricação de
21.978
Produtos 3.854 aeródromos 507 bases de aeronaves de
Aeronáuticos no RECONHECIDOS pela manutenção AVIAÇÃO CIVIL
BRASIL ANAC aeronáutica certificadas em 2017

2 Fabricantes / 570 INSTALAÇÕES 6,7 milhões de 68% da frota


Montadoras de de controle do espaço m³ de COMBUSTÍVEL em situação
aeronaves aéreo AERONÁUTICO normal de voo
23 Fornecedores de vendidos em 2017
Peças, acessórios, 570 airspace control facilities 6.7 million m³ of aeronautical 68% of the fleet are
conjuntos e fuel sold in 2017 regularized

subconjuntos para
aeronaves.
2 aircraft manufacturers /
assemblers;
23 suppliers of parts,
accessories, assemblies and
subassemblies for aircraft.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
11

SUMÁRIO EXECUTIVO
1.75 million commercial aviation
operations and 582 thousand general
aviation operations in 2017
Growth of 0.1% of the general The Central West region presented an
aviation fleet in 2017 increase of 1% in the fleet in 2017
1,75 milhão de
OPERAÇÕES da AVIAÇÃO
Crescimento de 0,1% O Centro-Oeste apresentou COMERCIAL e 582 mil
da frota de AVIAÇÃO um aumento líquido da frota operações de AVIAÇÃO
GERAL em 2017 de 1% em 2017 GERAL em 2017

10.100 aeronaves de Os estados de Goiás e 126 MUNICÍPIOS conectados


Serviço Aéreo Privado na Mato Grosso apresentaram pela Aviação Comercial e
juntos um aumento de 52
AVIAÇÃO GERAL em 2017
aeronaves na frota em 2017 1.225 municípios
conectados pela AVIAÇÃO
10,100 aircraft for private air service The states of Goiás and Mato Grosso GERAL no BRASIL
in general aviation in 2017 together showed an increase of 52
aircraft in the fleet in 2017 126 cities linked by Commercial Aviation
and 1,225 cities linked by General Aviation
in Brazil
12 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

O INSTITUTO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO


BRAZILIAN INSTITUTE OF AVIATION

O Instituto Brasileiro de Aviação (IBA) é uma organização The Brazilian Institute of Aviation (IBA) is a non-profi t organization
sem fins lucrativos criada em 2016 com o intuito de colaborar created in 2016 to aid the development of the Aviation and Aerospace
no desenvolvimento das cadeias de Aviação e Aeroespacial supply chains in Brazil, in order to contribute toward better social decision-
making and to provide for the sustainable and technological development
do Brasil, de forma a contribuir com a sociedade na tomada
of the entire sector through the generation of employment, income and
de melhores decisões e proporcionar o desenvolvimento
investments.
tecnológico e sustentável de todo o setor através da geração
de emprego, renda e investimentos.

OBJETIVOS DO INSTITUTO
THE INSTITUTE’S OBJECTIVES

INFORMAÇÃO INOVAÇÃO
Identificar, produzir, gerenciar e disseminar Promover o engajamento na produção e difusão de
informações sobre o setor de aviação e aeroespacial. conhecimentos para melhoria e desenvolvimento de
tecnologias, processos e produtos.
INFORMATION
Identify, produce, manage and spread information about the INNOVATION
aviation and aerospace sectors. Promote engagement in the production and diffusion of
knowledge for the improvement and development of
technologies, processes and products.
COMUNICAÇÃO
Desenvolver e operar mecanismos, processos e
instrumentos virtuais e físicos de comunicação para POLÍTICA PÚBLICA
divulgação de conhecimento.
Estimular a participação de lideranças da sociedade
civil na defesa da aprovação e implantação de políticas
COMMUNICATION
públicas que contribuam para o desenvolvimento dos
Create and operate mechanisms, processes and virtual and
setores da Aviação e Aeroespacial no Brasil.
physical instruments of communication to spread knowledge.

PUBLIC POLICY
Encourage the participation of civil society leaders to defend
EVENTO the approval and implementation of public policies contributing
Realizar diálogos, debates e encontros com to the development of the Brazilian Aviation and Aerospace
empresas, universidades e instituições sectors.
governamentais.

EVENTS DIÁLOGO
Undertake dialogues, debates and encounters with Criar espaços de diálogo e negociação de
companies, universities and government institutions. compromissos entre lideranças empresariais, políticas
e da sociedade civil.

METODOLOGIA DIALOGUE
Desenvolver e disseminar metodologias e Create spaces for dialogue and negotiation of commitments
ferramentas que auxiliem as instituições a among leaders of the business, political and civil society
materializar os conceitos e práticas do mercado. communities.

METHODOLOGY
Develop and spread methodologies and tools which help PARCERIA
institutions to materialize market concepts and practices. Promover intercâmbio entre empresas e
organizações não governamentais, poderes públicos
e agências multilaterais, facilitando a convergência
de iniciativas locais, nacionais e internacionais.
ORIENTAÇÃO
Promover ações voltadas à capacitação de PARTNERSHIP
profissionais do setor e orientar instituições no
Promote exchanges between businesses and
planejamento e aprimoramento de suas práticas.
non-governmental organizations, public authorities and
multilateral agencies, facilitating the convergence of local,
ORIENTATION
national and international initiatives.
Promote actions aimed at training sector professionals and
guiding institutions in the planning and improvement of their
practices.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
13

CAPÍTULO I
CHAPTER I

A AVIAÇÃO CIVIL
BRASILEIRA
THE BRAZILIAN CIVIL AVIATION
14 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

A AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA


THE BRAZILIAN CIVIL AVIATION

FATORES CHAVE PARA A AVIAÇÃO CIVIL NO BRASIL


KEY FACTORS OF BRAZILIAN CIVIL AVIATION

INDÚSTRIA OPERADORES
INDUSTRY OPERATORS

INFRAESTRUTURA RECURSOS HUMANOS


INFRASTRUCTURE HUMAN RESOURCES

SERVIÇOS DE SUPORTE
COMBUSTÍVEIS À AVIAÇÃO
FUELS AVIATION SUPPORT SERVICES

INDÚSTRIA
INDUSTRY

É possível classificar a indústria mundial em três grandes Uma característica marcante do setor, em sua vertente de
blocos de fabricantes. O primeiro é formado pelas grandes aplicação civil, é a elevada vida útil dos produtos, que pode
integradoras de aeronaves, incluindo Boeing, Airbus, atingir de 25 a 40 anos, dependendo do tipo de aeronave.
Bombardier e Embraer, entre outras menores, e pelas Tamanha vida útil enseja cuidados continuados, que
empresas fornecedoras de turbinas. As barreiras à entrada movimentam o segmento denominado “maintenance, repair
de novas empresas são significativas, principalmente devido and overhaul” (MRO), ou manutenção, reparo e revisões
aos elevados custos e à capacitação tecnológica relacionados gerais.
ao desenvolvimento de produtos e ao suporte pós-venda, o
que leva à existência de um pequeno número de empresas O terceiro grupo é constituído por fornecedores de
nesse segmento. Embora sejam fabricados em volumes subsistemas das aeronaves. Para esse bloco, o grau de
relativamente baixos, a complexidade dos produtos é concentração das firmas também é alto, restando poucos
considerada elevada. Um Boeing 747 tem aproximadamente grandes fornecedores para cada subsistema, seja de
6 milhões de peças individuais e a fiação utilizada em jatos estruturas aeronáuticas (Latécoère, da França; e Kawasaki, do
comerciais modernos se estende frequentemente por mais Japão), carenagem de turbinas (Safran, da França; e GKN, do
de 100 quilômetros. Reino Unido), controles de vôo e aviônicos (Honeywell, UTC
e Rockwell Collins, dos Estados Unidos; Thales, da França; e
No caso das turbinas, há três grandes fabricantes: a Smiths Group, do Reino Unido), trens de pouso (Safran, da
General Electric e a Pratt & Whitney, dos Estados Unidos; França; UTC, dos Estados Unidos; e Liebherr, da Alemanha),
a Rolls Royce, do Reino Unido, que interagem através de rodas e freios (UTC e Honeywell, dos Estados Unidos; e Dunlop
alianças e joint-ventures – envolvendo inclusive outras Aviation, do Reino Unido), interiores de aeronaves (Rockwell
empresas, fornecedoras de subconjuntos (partes, peças e Collins e C&D, dos Estados Unidos; AIM e Britax, do Reino
componentes com elevada complexidade tecnológica) – para Unido; e Zodiac, da França) e sistemas de entretenimento para
o desenvolvimento e a produção de turbinas específicas. passageiros (Rockwell Collins, dos Estados Unidos; Sextant,
da França; e Sony e Matsushita, do Japão).
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
15

Finalmente, pode-se destacar um último bloco, usinadas e componentes em geral, além de prestarem
constituído por grande número de firmas espalhadas pelo serviços de manutenção, reparo e retificação de aeronaves e
mundo que, embora com menor volume de capitalização, seus subsistemas.
fornecem materiais semi-acabados, peças fundidas e

The world aviation industry can be divided into three large blocks The third group consists of suppliers of aircraft subsystems.
of manufacturers. The first is made up of major aircraft integrators, For this block, firms are also highly concentrated, leaving only a few
including Boeing, Airbus, Bombardier and Embraer, among other large suppliers for each subsystem, whether aeronautical structures
smaller ones, and also including the turbine suppliers. The barriers to (Latécoère in France and Kawasaki in Japan), turbine fairings (Safran in
entry of new companies are significant, mainly due to the high costs France and GKN in the UK), flight controls and avionics (Honeywell, UTC
and technological qualification related to product development and and Rockwell Collins, United States; Thales, France; and Smiths Group,
after-sales support, which leads to the existence of a small number of United Kingdom), landing gear (Safran, France; UTC, United States; and
companies in this segment. Although manufactured in relatively low Liebherr, Germany), wheels and brakes (UTC and Honeywell, United
volume, the complexity of the products is considered to be high. A States; and Dunlop Aviation, United Kingdom), aircraft interiors (Rockwell
Boeing 747 has approximately six million individual parts and modern Collins and C&D, United States; AIM and Britax, United Kingdom; and
commercial jets can contain more than sixty miles of wiring. Zodiac of France) and passenger entertainment systems (Rockwell
Collins, United States; Sextant, France; Sony and Matsushita, Japan).
In the case of turbines, there are three major manufacturers:
General Electric and Pratt & Whitney, from the United States; and the Finally, one can highlight a last block, made up of a large number of
UK's Rolls Royce, which interact through alliances and joint ventures firms scattered around the world that, although smaller, provide semi-
– including other companies, suppliers of sub-assemblies (parts and finished materials, cast and machined parts and components in general,
components with high technological complexity) – for the development as well as providing maintenance, repair and rectification services for
and production of specific turbines. aircraft and their subsystems.

A remarkable feature of the sector, in its civil application aspect, is


the products' long service life, which can reach 25 to 40 years, depending
on the type of aircraft. Such long life means continuous upkeep, which
powers the segment called "maintenance, repair and overhaul" (MRO).

INDÚSTRIA NO BRASIL
BRAZILIAN INDUSTRY

Atualmente a ANAC, em sua Superintendência de produtos aprovados que operam no país através de Diretrizes
Aeronavegabilidade, é o órgão no Brasil encarregado de Aeronavegabilidade.
da certificação do projeto e da fabricação de produtos
aeronáuticos civis. Ao fim de cada processo são emitidas Certificação Aeronáutica é o reconhecimento por parte do
aprovações, na forma de certificados e atestados, tais como: governo de que o projeto de um produto aeronáutico cumpre
com os requisitos de aeronavegabilidade adotados pelo país,
• Certificado de Tipo (CT) e respectiva Folha de e é considerado seguro para o voo.
Especificação:
• Aviões (EA); Produto aeronáutico significa uma aeronave, um motor
• Balões (EB); ou uma hélice, assim como componentes e partes dos
• Hélices (EH); mesmos. Inclui ainda qualquer instrumento, mecanismo,
• Helicópteros (ER); peça, aparelho, pertence, acessório e equipamento de
• Motores (EM); comunicação, desde que sejam usados ou que se pretenda
• Planadores e Motoplanadores (EP); usar na operação e no controle de uma aeronave em voo e
• Certificado de Homologação Suplementar de Tipo que sejam instalados ou fixados à aeronave. Inclui, finalmente,
(CHST) materiais e processos usados na fabricação de todos os itens
• Certificado de Aeronavegabilidade para Exportação acima.
(CAE)
• Atestado de Produto Aeronáutico Aprovado (APAA)
Foram levantadas 112* empresas certificadas para
fabricanção de produtos aeronáuticos no Brasil (ANEXO 1).
Também é da responsabilidade da Superintendência
de Aeronavegabilidade a elaboração de ações corretivas de

*Não considerado fabricantes de aeronaves experimentais e leves


esportivas
16 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

Currently, ANAC, in its Superintendency of Airworthness, is the body prepare corrective actions for approved products that operate in the
in Brazil in charge of the certification of the design and manufacture of country through Airworthiness Guidelines.
civil aeronautical products. At the end of each certification procedure,
approvals are issued, in the form of certificates and affirmations, such as: Aeronautical Certification is governmental recognition that
the design of an aeronautical product complies with the country's
• Type Certificate (TC) and respective Data Sheet (TCDS): airworthiness requirements, and is considered safe for flight.
• Airplanes (EA);
• Balloons (EB); Aeronautical product means an aircraft, an engine or a
• Propellers (EH); propeller, as well as their components and parts. It also includes any
• Helicopters (ER); instrument, mechanism, part, apparatus, appurtenance, accessory
• Engines (EM); and communication equipment, provided they are used or intended to
• Gliders and Ultralights (EP); be used in the operation and control of an aircraft in flight and which
• Supplemental Type Certificate (STC) are installed or affixed to the aircraft. Finally, it includes materials and
• Export Certificate of Airworthiness (ECA) processes used in manufacturing any of the above.
• Approved Aeronautical Product Certificate (APAA)
There were found 112* companies certified to manufacture
It is also the responsibility of the Airworthiness Superintendency to aeronautical products.

Quando uma pessoa ou empresa produz um produto Order" (TSO) e 1 oraganização brasileira com fabricação de
aeronáutico segundo uma “Ordem Técnica Padrão” (Technical produtos com marcação TSO (ANEXO 2).
Standard Order – TSO), com definição de padrões mínimos
a serem obedecidos, estes deverão ser submetidos à ANAC Também divulgado pela ANAC, existem, até então, 129
para aprovação. Segundo a agência, existem 90 organizações fabricantes de aeronaves com algum modelo certificado no
estrangeiras fabricantes de produtos "Technical Standard Brasil (ANEXO 3).

When a person or company produces an aeronautical product Brazilian organization manufacturing TSO marked products (APPENDIX
according to a "Technical Standard Order" (TSO), with minimum 2).
standards to be obeyed, these must be submitted to ANAC for
approval. According to the agency, there are 90 foreign organizations Also according to ANAC, 129 aircraft manufacturers have some
manufacturing "Technical Standard Order" (TSO) products and one model certified in Brazil (APPENDIX 3).

INFRAESTRUTURA
INFRASTRUCTURE
Atendendo todo o setor aéreo, a infraestrutura abrange aeródromos, helipontos, locais de abastecimento, torres de controle
de tráfego aéreo, hangares e etc.
Serving the entire aviation industry, the infrastructure covers aerodromes, helipads, FBOs (Fixed Base Operators), fueling sites, air traffic control
towers, hangars, etc.

AERÓDROMOS
AERODROMES

Hoje são 591 aeródromos públicos e 3.263


aeródromos particulares reconhecidos pela ANAC, 14%
Sudeste
sendo este dividido entre aeródromos, helipontos e helidecks. 29% Southeast

A região sudeste concentra 29% dos aeródromos públicos, Nordeste


15% Northeast
sendo que Minas Gerais e São Paulo contam, juntas, com cerca
Sul
de 26% dos aeródromos públicos do país. South

Currently there are 591 public aerodromes and 3,263 private Norte
aerodromes recognized by ANAC, including aerodromes, helipads and 19% North
23%
Centro-Oeste
helidecks. The Southeast region included 29% of the public aerodromes,
Central-west
with the states of Minas Gerais and São Paulo together accounting for 26%
Gráfico: Distribuição geográfica dos aeródromos públicos.
of the country's public aerodromes.
Chart: Geographic distribution of public aerodromes.

*Not considered manufacturers of experimental and light sporting aircraft.


INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
17

6% Sudeste Do total de aeródromos particulares, 35% são referentes


Southeast
a helipontos e 5%, helidecks. A região Centro-Oeste concentra
18% Nordeste
Northeast
cerca de 46% dos aeródromos privados do país, em especial
46% Sul Mato Grosso, com 399 aeródromos.
South
Of the total number of private aerodromes, 35% are helipads and 5%,
Norte helidecks. The Central-West region has about 46% of the country's private
18% North
aerodromes, especially Mato Grosso, with 399 aerodromes.
Centro-Oeste
12% Central-west

Gráfico: Distribuição geográfica dos aeródromos privados.


Chart: Geographic distribution of private aerodromes.

4% 2%
Sudeste
Southeast
Por outro lado, a região Sudeste concentra 69% dos
10% Nordeste
helipontos privados do país, em especial São Paulo e Rio de Northeast
Janeiro, que juntos concentram 61% dos helipontos. Sul
15% South
On the other hand, the Southeast region concentrates 69% of the
country's private helipads, especially in São Paulo and Rio de Janeiro, states Norte
North
in which 61% of helipads are located. 69%
Centro-Oeste
Central-west

Gráfico: Distribuição geográfica dos helipontos privados.


Chart: Geographic distribution of private helipads.

CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO


AIR SPACE CONTROL

O Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) Para garantir a segurança e a viabilidade das atividades,
dispõe de uma estrutura física robusta, com instalações em o Espaço Aéreo brasileiro é dividio em em cinco regiões
mais de uma centena de municípios de todas as 27 unidades de informação de voo, a saber: FIR Amazônica, Atlântico
federativas brasileiras. Além do órgão e suas 13 organizações (isto é, o espaço aéreo sobre o oceano), Brasília, Curitiba e
subordinadas: 5 centros de controle de área, 42 controles Recife, delimitados com base em análises da demanda de
de aproximação, 59 torres de controle de aeródromo, 79 tráfego aéreo atual e futura, da topografia e da infra-estrutra
destacamentos de controle do espaço aéreo, 90 estações disponíveis.
de telecomunicações aeronáuticas, 75 Estações Prestadoras
de Serviços de Telecomunicações e de Tráfego Aéreo, 170
radares, 50 Sistemas de Pouso por Instrumentos, dentre
outros auxílios à navegação aérea.

The Department of Airspace Control (DECEA) has a robust physical To ensure safe and sustainable activities, the Brazilian Airspace is
structure with installations in more than a hundred municipalities in divided in five Flight Information Region, namely: FIR Amazônica, Atlântico
all 26 states and in Brasilia. Besides the body and its 13 subordinate (that is to say, the airspace over the ocean), Brasília, Curitiba and Recife,
organizations, it includes: 5 area control centers, 42 approach controls, limited according to analysis of current and future demand of air traffic,
59 aerodrome control towers, 79 air space control detachments, 90 topography ans available infrastructure.
aeronautical telecommunication stations, 75 Telecommunication and
Air Traffic Service Stations, 170 radars, 50 Instrument Landing Systems,
among other aids to air navigation.
18 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

BOA VISTA

MACAPA

SANTARÉM
MANAUS
BELÉM SÃO LUIS

TERESINA FORTALEZA
NATAL
MARABÁ

RECIFE

MACEIÓ

PORTO VELHO ARACAJU


RIO BRANCO
PALMAS

SALVADOR

CUIABÁ

ILHÉUS

BRASÍLIA

PORTO SEGURO
ANÁPOLIS

CONTROLE DE APROXIMAÇÃO
CORUMBÁ
APPROACH CONTROL TOTAL CAMPO GRANDE VITÓRIA
UBERABA
BELO HORIZONTE

ACADEMIA
RADAR 24 MACAÉ
ALDEIA
P. PRUDENTE RIO DE JANEIRO
BAURU GUARATINGUETÁ
CONVENCIONAL SÃO PAULO
18
FOZ DO IGUAÇU LONDRINA CURITIBA

NAVEGANTES

FLORIANÓPOLIS
SANTA MARIA PORTO ALEGRE

Imagem: Distribuição dos Controles de Aproximação no Brasil. (Fonte: DECEA*)


Image: Approach Control distribution in Brazil. (Source: DECEA*)

*Disponível em <https://www.decea.gov.br/blog/>
* Available in <https://www.decea.gov.br/blog/>
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
19

COMBUSTÍVEIS
FUELS
Os combustíveis para aviação podem ser de dois tipos: aviação distribuídos em 239 pontos de revenda de gasolina
gasolina de aviação, também conhecida por GAV, utilizado de aviação e 257 pontos de revenda de querosene de
predominantemente em aviões de pequeno porte, que aviação, sendo a região sudeste a principal concentradora de
possuem motores com ignição por centelha, e o querosene revendedores: 26% dos revendedores de gasolina de aviação
de aviação, também conhecido pela sigla QAV, utilizado em e 31% dos de querosene de aviação estão situados na região.
aviões e helicópteros dotados de motores à turbina, como
jato-puro, turboélices ou turbo-fans. Em 2017 a venda interna de querosene de aviação seguiu
o ritmo de queda que vem desde 2015. Foram vendidos 6,7
O país conta com 18 refinarias, das quais nove produzem milhões de metros cúbicos de QAV, representando uma
QAV e apenas uma produz GAV. Além disso, há 38 agentes redução de ↓1% em relação ao ano anterior. Assim como
autorizados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural a venda de gasolina de aviação no país, que reduziu ↓10%
e Biocombustíveis (ANP) ao exercício da atividade de (51 mil metros cúbicos). A região sudeste concentra 70% das
importação de QAV. Em 2017 o país apresentou melhora vendas internas de QAV, principalmente devido a São Paulo e
no déficit externo de QAV com relação ao ano anterior, Rio de Janeiro, que juntas representam 59% das vendas. São
importando cerca de 576 mil metros cúbicos do combustível Paulo também lidera as vendas internas de GAV, com cerca de
em 2017, 55% a menos que em 2016. 9,3 mil metros cúbicos vendidos, seguido do Rio Grande do
Sul, com 5,5 mil metros cúbicos vendidos.
A estrutura atual de abastecimento conta com sete
distribuidores de combustíveis que atuam no setor
aeronáutico, além de 274 revendedores de combustíveis de

Aviation fuels can be of two types: aviation gasoline, also known as resale points, with the Southeast region having the greatest number of
GAV, used predominantly in small airplanes, which have spark ignition dealers: 26% of aviation gasoline dealers and 31% of jet fuel dealers are
engines, and jet fuel, also known by the acronym Jet A, used in airplanes located in the region.
and helicopters equipped with turbine engines, such as pure jet,
turboprops or turbo-fans. Domestic sales of jet fuel in 2017 continued the decline in place since
2015. Sales of Jet A were 6.7 million cubic meters, a reduction of ↓1% from
Brazil has 18 refineries, of which nine produce Jet A and only one the previous year. Similarly, the sale of gasoline aviation in the country
produces GAV. In addition, there are 38 Jet A import agentes authorized declined ↓10% (51,000 cubic meters). The Southeast region accounts for
by the National Agency of Petroleum, Natural Gas and Biofuels (ANP). 70% of domestic Jet A sales, mainly due to São Paulo and Rio de Janeiro,
The country has improved the Jet A foreign trade deficit between 2016 which together represent 59% of sales. São Paulo also leads domestic
and 2017, accounting for about 576,000 cubic meters of fuel in 2017, 55% sales of GAV, with about 9,300 cubic meters sold, followed by Rio Grande
less than the prior year. do Sul, with 5,500 cubic meters sold.

The current fueling infraestructure has seven fuel distributors that


serve the aeronautical sector, and as well there are 274 aviation fuel
dealers distributed in 239 aviation gasoline resale points and 257 jet fuel

QUEROSENE DE AVIAÇÃO (MILHARES DE M³) QUEROSENE DE AVIAÇÃO


JET FUEL
JET FUEL (THOUSANDS OF M³)
2%
2010 6.250
Sudeste
5% Southeast
2011 6.955 9%
Nordeste
2012 7.292 Northeast
14% Sul
2013 7.225 South
Norte
2014 7.470
70% North

2015 7.355 Centro-Oeste


Central-west
2016 6.765
Gráfico: Distribuição geográfica das vendas internas de QAV em 2017.
2017 6.694 Chart: Geographic distribution of domestic Jet A sales in 2017.

Gráfico: Evolução das vendas internas de QAV (em milhares de m³).


Chart: Changes in domestic sales of Jet A (in thousands of m³)
20 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

GASOLINA DE AVIAÇÃO (MILHARES DE M³) GASOLINA DE AVIAÇÃO


AVIATION GASOLINE
AVIATION GASOLINE (THOUSANDS OF M³)

7% Sudeste
2010 Southeast
70
17% 30% Nordeste
2011 70 Northeast
Sul
2012 76 South
Norte
2013 77
23% North

2014 76 23% Centro-Oeste


Central-west
2015 64

2016 57 Gráfico: Distribuição geográfica das vendas internas de GAV em 2017.


Chart: Geographic distribution of domestic AVgas sales in 2017.
2017 51

Gráfico: Evolução das vendas internas de GAV (em milhares de m³).


Chart: Change in domestic Avgas sales in 2017 (in thousands of m³).

OPERADORES
OPERATORS
Considera-se operador ou explorador de aeronave: Atualmente estão certificadas na ANAC 12 empresas de
linha aérea regular nacionais, 58 empresas de linha aérea
I - A pessoa jurídica que tem a concessão dos serviços
de transporte público regular ou autorização para regular internacionais, 120 empresas de táxi-aéreo e 334
serviços de transporte público não regular, de serviços empresas de serviços aéreos especializados que envolvem:
especializados ou de táxi-aéreo; aerolevantamento, aerofotografia, aeropublicidade,
aeroreportagem, demonstrações aéreas, combate a incêncio,
II - O proprietário da aeronave ou quem a use aeroinspeção e aerocinematografia. Além disso, existem
diretamente ou através de seus prepostos, quando se
9.746 pessoas físicas ou jurídicas também autorizadas a
tratar de serviços aéreos privados;
operar aeronaves no Brasil.
III - O fretador que reservou a condução técnica da
aeronave, a direção e a autoridade sobre a tripulação;

IV - O arrendatário que adquiriu a condução técnica da


aeronave e a autoridade sobre a tripulação.

The aircraft operator or user is considered to be: IV - The lessee who acquired technical operation of the aircraft, and
authority over the crew.
I - A corporation which has an airline concession or has authorization
for non-scheduled public transportation, for specialized services or for Currently, twelve domestic airlines enjoy ANAC certification, as
air taxi operations; well as 58 international airlines, 120 air taxi firms and 334 firms that
supply specialized aerial services which involve: aerial surveying, aerial
II - The owner of an aircraft or the person who uses it directly or photography, aerial publicity, aerial reporting, air shows, fire-fighting,
through his designated agents, in the case of private air services; aerial inspection and aerial filming.

III - The lessor who retains technical operation of the aircraft, In addition, there are 9,746 individuals or legal entities also
management and authority over the crew; authorized to operates in Brazil.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
21

RECURSOS HUMANOS
HUMAN RESOURCES
Em 2016, foi levantado junto ao Ministério do Trabalho estavam registrados no setor de transporte aéreo. A profissão
e Emprego (MTE) os empregos gerados na Aviação Civil com maior número de empregos gerados foi a de Operador
de acordo com a Classificação Nacional de Atividades de Atendimento Aerovirário, atividade ligada aos serviços de
Econômicas (CNAE) e a Classificação Brasileira de Ocupações check-in, embarque e desembarque de passageiros, serviço
(CBO) ligadas com o setor. Nesse ano, 144.881 profissionais de atendimento especial, setor de bagagens e etc.
In 2016, the number of jobs created in Civil Aviation was raised 2016 survey, the Airport Customer Service Agent, a professional who
in the Ministry of Labour and Employment (MTE) according to the works in airports performing check-in services and backup operations,
National Classification of Economic Activities (CNAE) and the Brazilian handles boarding and disembarkation among other activities, was the
Classification of Occupations (CBO) related to the sector. In that year, main occupation contracted in the sector.
144,881 professionals were registered in the air transport sector. In the

Operador de atendimento aeroviário


Air transportation service operator 8%
Carregador (aeronaves)
Loader (aircraft) 8%
Comissário de voo
Flight Attendant 8%
Mecânico de manutenção de aeronaves, em geral
Aircraft maintenance mechanic , in general 7%
Piloto de aeronaves
Aircraft Pilot 6%
Auxiliar de escritório
Office clerk 5%
Agente de proteção de aviação civil
Civil aviation protection agent 4%
Assistente administrativo
Administrative Assistant 2%
Engenheiro aeronáutico
Aeronautical engineer 2%
Técnico mecânico (aeronaves)
Mechanical technician (aircraft) 2%
Agente de proteção de aeroporto
Airport Security Agent 2%
Administrador
Administrator 2%
Supervisor administrativo
Administrative supervisor 2%
Gerente da administração de aeroportos
Airport administration manager 1%
Controlador de tráfego aéreo
Air traffic controller 1%
Outros
Others 991 OCUPAÇÕES / OCCUPATIONS 40%
Gráfico: Principais tipos de ocupações (CBO) do transporte aéreo.
Chart: Principal types of air transport occupation, by CBO classification.

Atualmente no Brasil, a Agência Nacional de Aviação Civil Currently in Brazil, National Civil Aviation Agency - ANAC is responsible
- ANAC é responsável pela regulamentação da formação e for regulating the training and for issuing licenses of some of the civil
emissão de licenças de alguns desses profissionais da aviação aviation professionals:

civil:

PILOTO
PILOTS 2%
Piloto Privado - Helicóptero
O Brasil conta, em 2017, com 48.021 licenças para pilotos em 7%
Helicopter Private Pilot
Piloto Comercial - Avião
atividade, sendo 54% dessas licenças não possuem autorização 9% Airplane Commercial Pilot
para exercer a atividade como profissão. Piloto de Linha Aérea - Avião
10% 44% Airplane Airline Pilot
Brazil had 48,021 active pilots' licenses in 2017. 54% of these licenses
Piloto Privado - Avião
do not have authorization to exert the activity as profession. Private Pilot
Piloto de Linha Aérea - Helicóptero
Helicopter Airline Pilot
28% Piloto Comercial - Helicóptero
Helicopter Commercial Pilot

Gráfico: Licenças em atividade de pilotos de aeronaves.


Chart: Active aircraft pilots' licenses.
22 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

COMISSÁRIOS DE VOO MECÂNICO DE MANUTENÇÃO


FLIGHT ATTENDANTS FLIGHT MECHANIC

Da mesma forma, há 9.820 licenças de comissários em Em 2017, 8.325 profissionais possuem licença para atuar
atividade no país em 2017, sendo 66% licenças femininas. como mecânico de manutenção aeronáutica, 8% a mais que o
número de licenças em atividade em 2015.
The country had 9,820 active flight attendant licenses in 2017, with 66%
of the holders being women. In 2017, 8,325 professionals were licensed as maintenance mechanics,
8% more than the number of active licenses in 2015.

SERVIÇOS DE SUPORTE À AVIAÇÃO


AVIATION SUPPORT SERVICES
A partir da aquisição de uma aeronave por um usuário ou operador, surgem necessidades de serviços específicos para esse
setor. Em destaque:

Services specific to the sector are needed once an aircraft is acquired by a user or operator. Notably:

MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO
MAINTENANCE AND INSPECTION
Para atuar no país, uma empresa de manutenção instrumentos mecânicos, elétricos, eletrônicos e
necessita de um Certificado de Organização de Manutenção giroscópios;
(COM) emitido pela Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC,
• RÁDIO: serviços relacionados a parte de comunicação,
com base na última versão disponível do RBAC 145.
navegação e radar;

Os Certificados de Organização de Manutenção (COM) • MOTOR: serviços realizados de acordo com o tipo e
emitidos para empresas de manutenção se baseiam em potência;
categorias que estabelecem os requisitos necessários • SERVIÇO ESPECIALIZADO: serviços específicos de
para realização de reparos, manutenção, modificação e execução de manutenção.
certificações em aeronaves de asa fixa e de rotativa. Os tipos
de serviço são dividos segundo as categorias a seguir. As categorias de certificação são, então, subdivididas por
classes, que especificam a atividade certificada para cada
empresa. Há, além das categorias de serviço, as categorias
• CÉLULA: serviços realizados nas células de aeronaves
de certificação internacional, que autorizam a prestação de
de acordo com sua estrutura (mista ou metálica) e peso
serviços em aeronaves com marcas brasileiras.
máximo de decolagem da aeronave;

• HÉLICE: serviços realizados em rotores e hélices Há no Brasil 507 bases de manutenção com Certificado
(madeira, metal ou compostas e demais materiais); de Organização de Manutenção (COM) válido, além de 156
• ACESSÓRIO: serviços relacionados aos acessórios bases certificadas localizadas no exterior. Uma Empresa de
mecânicos, elétricos e eletrônicos; Manutenção pode ter mais de uma base de manutenção, além
disso, mais de uma categoria e/ou classe pode ser garantida
• INSTRUMENTO: serviços relacionados aos em uma mesma base de manutenção.

To operate in the country, a maintenance firm needs a Maintenance electronic accessories;


Organization Certificate (COM) issued by the National Civil Aviation • Instrument: services related to mechanical, electric and
Agency – ANAC, based on the most recent available version of RBAC 145. electronic instruments, and gyroscopes;
• Radio: services related to communications, navegation, and
radar;
Maintenance Organization Certificates (COM) issued to maintenance
• Motor: services performed in accordance with type and power;
companies are based on categories, which establish minimum
• Specialized Service: specific maintenance services.
requirements needed to perform repairs, maintenance, modification
and certification of fixed-wing and rotary-wing aircraft. The types of The certification categories are, then, subdivided by classes, which
service are divided according to the following categories. specify which activities are certified for each company. There are,
besides the service categories, international certification categories,
• Structures: services performed on aircraft hull structures
which authorize performing service on aircraft with Brazilian registry.
according to their composition (composite or metallic) and the
maximum takeoff weight of the aircraft; In Brazil there are 507 maintenance bases with a valid COM, as well
• Propeller: services performed on rotors and propellers (wood, as 156 maintenance bases located abroad. One Maintenance Company
metal or composite, and other materials); may have more than one maintenance base, besides that, more than one
• Accessories: services related to mechanical, electric and class or category can be certified in the same base.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
23

Bases de Manutenção
Categoria (Classe) Descrição
Certificadas
Category (Class) Description
Certified Maintenance Bases

Acessório 1 Acessórios mecânicos.


455
Accessory 1 Mechanical Accessories
Acessório 2 Acessórios elétricos.
146
Accessory 2 Electrical Accessories
Acessório 3 Acessórios eletrônicos.
90
Accessory 3 Electronic Accessories

Organizações de manutenção que possuem aprovações/certificações estrangeiras obtidas


de acordo com as prerrogativas de acordos internacionais firmados Pelo Brasil.
Acordo Internacional OM
8
International MRO Agreement
Maintenance organizations which have foreign approvals/certificates obtained according to international
treaties or agreements to which Brazil is signatory.

Certificado emitido pela ANAC convalidando o certificado de empresas canadenses


emitido pelo TCCA, para fins de execução de manutenção pelas empresas canadenses em
CAEM aeronaves de marcas brasileiras.
37

Certificates issued by ANAC validating certificates issued to Canadian companies by TCAA, to allow Canadian
companies to perform maintenance on aircraft manufactured by Brazilian companies.
Aeronaves fabricadas com material composto, com peso máximo de decolagem
aprovado até 12500 lbf (5670 kgf) no caso de aviões ou 6018 lbf (2730 kgf) no caso de
Célula 1 helicópteros.
152
Hull 1
Aircraft manufactured of composite material, with maximum takeoff weight of up to 12500 lbf (5760 kgf) in
the case of airplanes or 6018 lbf (2370kgf) for helicopters
Aeronaves fabricadas com material composto, com peso máximo de decolagem
aprovado acima de 12500 lbf (5670 kgf) no caso de aviões ou 6018 lbf (2730 kgf) no caso
Célula 2 de helicópteros.
53
Hull 2
Aircraft manufactured of composite material, with maximum takeoff weight of up to 12500 lbf (5760 kgf) in
the case of airplanes or 6018 lbf (2370kgf) for helicopters.

Aeronaves fabricadas em estrutura metálica, com peso máximo de decolagem aprovado


até 12500 lbf (5670 kgf) no caso de aviões ou 6018 lbf (2730 kgf) no caso de helicópteros.
Célula 3
463
Hull 3
Aircraft manufactured of composite material, with maximum takeoff weight of up to 12500 lbf (5760 kgf) in
the case of airplanes or 6018 lbf (2370kgf) for helicopters.

Aeronaves fabricadas em estrutura metálica, com peso máximo de decolagem aprovado


acima de 12500 lbf (5670 kgf) no caso de aviões ou 6018 lbf (2730 kgf) no caso de
Célula 4 helicópteros.
420
Hull 4
Aircraft manufactured of composite material, with maximum takeoff weight of up to 12500 lbf (5760 kgf) in
the case of airplanes or 6018 lbf (2370kgf) for helicopters.
Hélice 1 Hélices de madeira, metal ou material composto, de passo fixo ou ajustável no solo.
34
Propeller 1 Propellers of wood, metal or composite material, fixed velocity or velocity adjustable on the ground.
Hélice 2 Outras hélices.
77
Propeller 2 Other propellers.
Instrumento 1 Instrumentos mecânicos.
150
Instrument 1 Mechanical Instruments.
Instrumento 2 Instrumentos elétricos.
58
Instrument 2 Electrical Instruments.
Instrumento 3 Instrumentos giroscópios.
58
Instrument 3 Gyroscopic Instruments.
Instrumento 4 Instrumentos eletrônicos.
58
Instrument 4 Electronic Instruments.
Motor 1 Motores convencionais com até 400 hp (298 kW).
180
Motor 1 Conventional Motors up to 400 Hp (298 kW).
Motor 2 Motores convencionais com mais de 400 hp (298 kW).
9
Motor 2 Conventional Motors above 400 Hp (298 kW).
Motor 3 Motores a turbina.
434
Motor 3 Turbine motors.
Rádio 1 Equipamentos de comunicação.
159
Radio 1 Communication Equipment.
Rádio 2 Equipamentos de navegação.
51
Radio 2 Navigation Equipment.
Rádio 3 Equipamentos de radar.
43
Radio 3 Radar Equipment.
Serv. Esp. Atividades específicas de execução de manutenção.
385
Serv. Esp. Specific maintenance activities.

Tabela: Número de COM por Categoria e Classe.


Table: Number of Maintenance Certificates by Category and Class.
24 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

ATIVIDADES AUXILIARES DE TRANSPORTE AÉREO


GROUND HANDLING SERVICES

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) estabelece de abastecimento de combustíveis e lubrificantes,


a natureza do serviço prestado e, então, a modalidade do catering aéreo, despacho operacional de voo, transporte
serviço. Dessa forma, as atividades auxiliares de transporte de superfície, limpeza, movimentação de carga, entre
aéreo no Brasil são definidas da seguinte forma: outros;

• SERVIÇOS DE NATUREZA OPERACIONAL: relacionados • SERVIÇOS DE NATUREZA COMERCIAL: relacionado à


principalmente às atividades que ocorrem entre o pouso facilitação da relação entre aeronautas, passageiros e
e a próxima decolagem, com destaque para atividades remetentes de cargas.
National Civil Aviation Agency (ANAC) determines what kind of and lubricants, catering, flight operational dispatch, cleaning, and cargo
service is being supplied, and then the form of the service. In this way, movement, among others;
ground handling services in Brazil are defined as follows:
• Commercial Services: related to easing the relationships between
• Operational Services: services that mainly relate to activities that aeronauts, passengers and cargo shippers.
take place between landing and the next takeoff, emphasizing fueling

SEGURO GERENCIAMENTO DE AERONAVES


INSURANCE AIRCRAFT MANAGEMENT

No setor aéreo, dois tipos de produto de seguros são O gerenciamento de aeronaves consiste em terceirizar, por
oferecidos pelas corretoras de seguro: parte dos proprietários de aeronaves, quaisquer atividades de
gestão da aeronave, garantindo a disponibilidade de voo da
• CASCO (HULL, EM INGLÊS): garante a indenização por mesma.
danos materiais, causados à aeronave e as depesas com
Socorro e Salvamento; O gerenciamento de aeronaves inclui serviços de
acompanhamento da documentação da aeronaves,
• RESPONSABILIDADES DO EXPLORADOR OU
gerenciamento de boletins de serviços, diretrizes de
TRANSPORTADOR AÉREO – R.E.T.A.: seguro obrigatório
aeronavegabilidade, itens com vencimento periódico,
no Brasil, que garante os danos pessoais e/ou materiais
acompanhamento de revisões, hangarem, entre outros
de passageiros, tripulantes, terceiros no solo e a outras
serviços.
aeronaves.
Aircraft management consists of outsourcing by the owners of an
In the aviation sector, two kinds of insurance polices are offered by
aircraft's management activities, guaranteeing its flight availability.
insurance underwriters:

Aircraft management includes tracking aircraft documentation,


• Hull: guarantees indemnification for material damage suffered by the
managing service bulletins, airworthiness guidelines, periodic expiration
aircraft and for Search and Rescue expenses;
items, tracking revisions, hangaring, and other services.

• Air Operator or Transporter Liability – R.E.T.A.: is required insurance


in Brazil, which covers personal and material damages to passengers, crew,
third persons on the ground, and to other aircraft.

CONSULTORIA
CONSULTING

Os serviços de consultoria consistem em atividades de


acessoria e suporte em atividades de certificação e homologação
aeronáutica, projetos de infraestrutura aeronáutica, aquisição
de aeronaves e componentes, representação da empresa junto
a Órgãos Públicos, entre outros.

Consulting services consist of intelligence activities supporting


aeronautical certification and approval activities, aeronautical
infrastructure projects, aircraft and component acquisition, representation
of the company before government agencies, among others.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
25

CAPÍTULO II
CHAPTER II

A FROTA
BRASILEIRA DE
AVIAÇÃO CIVIL

THE BRAZILIAN CIVIL AVIATION FLEET


26 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

A frota aérea brasileira civil é o conjunto de aeronaves com de propriedade particular, serviços aéreos especializados,
fins não militares, ou seja, uso comercial ou privado. É possível aeronaves de instrução, dentre outros. Por fim, a aviação
categorizá-la em três classificações: aviação comercial, experimental compreende aeronaves com fins experimentais
aviação geral e aviação experimental. A aviação comercial e desportivas como planador, ultraleve, girocóptero, balão e
engloba todo serviço de passageiro e carga seja ele regular helicóptero ultraleve.
(linhas aéreas) ou não regular. A aviação geral inclui aviões

The Brazilian civil aviation fleet consists of aircraft used for non- small aircraft, specialized air services (such as aerial photography),
military purposes, that is, for commercial or private use. It’s possible and instructional aircraft, among others. Finally, experimental aviation
to group them into three classes: comercial air transport, general includes aircraft for experimental or recreational use such as gliders,
aviation, and experimental aviation. Commercial air transport includes ultra-lights, gyrocopters, balloons and ultralight helicopters.
all kinds of passenger and freight service, whether scheduled (airlines)
or unscheduled (charter). General aviation includes privately-owned

EVOLUÇÃO DA FROTA
CHANGES IN THE FLEET
Até maio de 2018, foram registradas 22.022 aeronaves 2014, com uma redução de ↓1% em comparação com a frota
civis, sendo 15.406 categorizadas como geral, 5.941 de 2017. Enquanto que a aviação experimental continua a
experimental e 675 comercial. A aviação comercial mantém crescer no país, alcançando um crescimento de ↑25% em
até os cinco primeiros meses de 2018 o ritmo de redução no relação à frota de 2011.
número de aeronaves na frota em que se encontra desde

The Brazilian civil aircrafts in May 2018, were registered 22,022 in the fleet when compared to commercial aviation fleet in 2017. While
aircraft, of which 15,406 were categorized as general aviation, 5,941 experimental aviation fleet continues to grow, with a ↑25% growth when
experimental aviation and 675 commercial aviation. Commercial aviation compared to 2011's fleet.
keeps up the reduction pace that it is in since 2014, with a ↓1% drop

15.120 15.326 15.342 15.361 15.406


14.648
13.965
13.094

5.558 5.814 5.867 5.936 5.941


5.100 5.310
4.755

689 710 715 724 727 686 681 675

2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 mai/18

Aviação Comercial Aviação Experimental Aviação Geral


Commercial Aviation Experimental Aviation General Aviation

Gráfico: Crescimento da frota de aviação civil de 2011 a maio de 2018.


Chart: Growth of the civil aviation fleet from 2011 to may 2018.

ANÁLISE DO CRESCIMENTO LÍQUIDO DA FROTA 2016-2017


ANALYSIS OF THE FLEET'S NET GROWTH (2016-2017)

A frota brasileira de aeronaves civis cresceu em 2017 ↑0,4%, com queda de aeronaves comerciais, ↓1%, e aumento de ↑1%
em aviação experimental e ↑0,1% em aviação geral.
The Brazilian civil aviation fleet grew in 2017 by ↑0.4% , with commercial aircraft declining by ↓1% , while experimental aviation increased ↑1% and
general aviation increased ↑0.1%.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
27

AVIAÇÃO COMERCIAL
COMMERCIAL AVIATION

10 13 13 3
- 44
686 681

Frota 2016 Aeronaves Novas Aeronaves Usadas Mudança de Aeronaves Aeronaves Frota 2017
Classificação Reformadas e Reclassificadas e
Reintegradas Canceladas
Fleet 2016 New Aircraft Used Aircraft Classification change Aircraft Retired and Reintegrated Reclassified and canceled aircraft Fleet 2017

Gráfico: Análise do crescimento líquido da frota de aviação comercial.


Chart: Analysis of the net growth of the commercial aviation fleet.

AVIAÇÃO EXPERIMENTAL
EXPERIMENTAL AVIATION

31 52 3
-17
5.867 5.936

Frota 2016 Aeronaves Novas Aeronaves Usadas Mudança de Classificação Aeronaves Frota 2017
Reclassificadas
e Canceladas
Fleet 2016 New Aircraft Used Aircraft Classification change Reclassified and canceled aircraft Fleet 2017

Gráfico: Análise do crescimento líquido da frota de aviação experimental.


Chart: Analysis of the net growth of the experimental aviation fleet.

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION

62 118 5 4
-170

15.342 15.361

Frota 2016 Aeronaves Novas Aeronaves Usadas Mudança de Classificação Aeronaves Reformadas Aeronaves Frota 2017
e Reintegradas Reclassificadas
e Canceladas
Fleet 2016 New Aircraft Used Aircraft Classification change Aircraft Retired Fleet 2017
and Reintegrated Reclassified and canceled aircraft

Gráfico: Análise do crescimento líquido da frota de aviação geral.


Chart: Analysis of the net growth of the general aviation fleet.

ANÁLISE DO CRESCIMENTO LÍQUIDO DA FROTA 2017 – MAI/2018


ANALYSIS OF THE FLEET'S NET GROWTH (2017 - MAY 2018)

A frota brasileira de aeronaves civis cresceu, até maio de 2018, ↑0,2%, com queda de aeronaves comerciais, ↓1%, e aumento
de ↑0,1% em aviação experimental e ↑0,3% em aviação geral.
The Brazilian civil aviation fleet grew in 2018 by ↑0.2% , with commercial aircraft declining by ↓1% , while experimental aviation increased ↑0.1% and
general aviation increased ↑0.3%.
28 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

AVIAÇÃO COMERCIAL
COMMERCIAL AVIATION

10 1 -17
681 675

Frota 2017 Aeronaves Novas Aeronaves Reformadas Aeronaves Reclassificadas Frota Maio 2018
e Reintegradas e Canceladas

Fleet 2017 New Aircraft Aircraft Retired Reclassified and Fleet May 2018
and Reintegrated canceled aircraft

Gráfico: Análise do crescimento líquido da frota de aviação comercial.


Chart: Analysis of the net growth of the commercial aviation fleet.

AVIAÇÃO EXPERIMENTAL
EXPERIMENTAL AVIATION

25 1

5.936 - 21
5.941

Frota 2017 Aeronaves Novas Aeronaves Reformadas e Aeronaves Reclassificadas e Frota Maio 2018
Reintegradas Canceladas
Fleet 2017 New Aircraft Aircraft Retired Reclassified and Fleet May 2018
and Reintegrated canceled aircraft

Gráfico: Análise do crescimento líquido da frota de aviação experimental.


Chart: Analysis of the net growth of the experimental aviation fleet.

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION

91 1 7 12
- 66

15.361 15.406

Frota 2017 Aeronaves Novas Mudança de Classificação Aeronaves Usadas Aeronaves Reformadas Aeronaves Frota Maio 2018
e Reintegradas Reclassificadas
e Canceladas
Fleet 2017 New Aircraft Classification Change Used Aircraft Aircraft Retired Fleet May 2018
Reclassified and
and Reintegrated
canceled aircraft

Gráfico: Análise do crescimento líquido da frota de aviação geral.


Chart: Analysis of the net growth of the general aviation fleet.

ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE AERONAVEGABILIDADE DA FROTA


ANALYSIS OF THE FLEET'S AIRWORTHINESS
Das 21.978 aeronaves de aviação civil em 2017, 68% estão validade estipulada no próprio CA e em conformidade com
em situação normal, principalmente de aviação experimental. a data constante no Sistema Integrado de Informações da
Aviação Civil - SIAC, de acordo com os critérios estabelecidos
Certificado de aeronavegabilidade (CA) Vencido – A na subseção 5.2 da IS 21.181-001. Uma vez expirada a data
validade do CA das aeronaves civis brasileiras é regulamentada de validade, o CA é automaticamente suspenso pelo sistema
pelo RBAC 21, seção 21.181. Todos os certificados têm a SIAC.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
29

Certificado de aeronavegabilidade (CA) Suspenso ou (CA) • Aeronave com pendências judiciais;


Cancelado – conforme o detalhamento do campo "Motivo", • Situação irregular no RAB.
abaixo:
As aeronaves civis brasileiras podem ter seus Certificados
• Situação Técnica irregular; de Aeronavegabilidade cancelados em caso de constatação
• Não cumprimento de Notificação de Condição Irregular da falta de manutenção, conforme o artigo 70, parágrafo 3º do
de Aeronavegabilidade – NCIA; CBAer. O CA de uma aeronave é automaticamente cancelado,
• Inspeção Anual de Manutenção – IAM vencida; quando os prazos limites, registrados no SACI, vencerem e o
• Relatório de Condição de Aeronavegabilidade – RCA operador não tiver comprovado a regularização da situação
vencido; da aeronave.
• Aeronave avariada por acidente ou incidente;

Of the 21,978 civil aviation aircraft, 68% are regularized, with aircraft • Failure to comply with an Irregular Airworthiness Condition
classed as experimental having a higher proportion regularized. Notification - NCIA;
• Annual Maintenance Inspection - IAM expired;
Certificate of Airworthiness (CA) Expired - The validity of the CA • Airworthiness Status Report - RCA expired;
of Brazilian civil aircraft is regulated by RBAC 21, section 21.181. All • Aircraft damaged by accident or incident;
certificates have the validity stipulated in the CA itself and in accordance • Aircraft with pending lawsuits;
with the date in the Integrated Civil Aviation Information System - SIAC, • Irregular situation in the Brazilian Aeronautical Registry - RAB.
in accordance with the criteria established in subsection 5.2 of IS 21.181-
001. Once the expiry date has expired, the CA is automatically suspended Brazilian civil aircraft may have their Airworthiness Certificates
by the SIAC system. canceled in case of lack of maintenance, according to article 70,
paragraph 3 of the CBAer. The CA of an aircraft is automatically canceled
Certificate of Airworthiness (CA) Suspended or (CA) Canceled - as when the deadlines recorded in SACI expire and the operator has not
detailed in the "Reason" field below: verified the regularization of the situation of the aircraft.
• Irregular technical situation;

AVIAÇÃO COMERCIAL
COMMERCIAL AVIATION

727
686 681 675
7 Certificado de Aeronavegabilidade vencido
Expired Airworthiness Certificate
10 4 5 4
15 15 17 Certificado de Aeronavegabilidade suspenso
162 Suspended Airworthiness Certificate
164 168 169 Certificado de Aeronavegabilidade cancelado
Canceled Airworthiness Certificate

Situação normal
Normal Situation
548
503 493 485
Total da Frota
Total Fleet

2015 dez/16 dez/17 mai/18

Gráfico: Situação de aeronavegabilidade da frota de aviação comercial.


Chart: Airworthiness of the commercial aviation fleet.

AVIAÇÃO EXPERIMENTAL
EXPERIMENTAL AVIATION
5.936 5.941
5.867
5.814

3 9 10
3
192 173 Certificado de Aeronavegabilidade vencido
194 Expired Airworthiness Certificate
292 320
301 310
Certificado de Aeronavegabilidade suspenso
195 Suspended Airworthiness Certificate

Certificado de Aeronavegabilidade cancelado


Canceled Airworthiness Certificate

Situação normal
5.324 5.369 5.425 5.438 Normal Situation

Total da Frota
Total Fleet

2015 dez/16 dez/17 mai/18

Gráfico: Situação de aeronavegabilidade da frota de aviação experimental.


Chart: Airworthiness of the experimental aviation fleet.
30 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION

15.326 15.342 15.361 15.406

294 379 336 343 Certificado de Aeronavegabilidade vencido


Expired Airworthiness Certificate
1.095 1.022 956 978
Certificado de Aeronavegabilidade suspenso
Suspended Airworthiness Certificate
4.814 4.945 5.095 5.123
Certificado de Aeronavegabilidade cancelado
Canceled Airworthiness Certificate

Situação normal
Normal Situation
9.123 8.996 8.974 8.962
Total da Frota
Total Fleet

2015 dez/16 dez/17 mai/18

Gráfico: Situação de aeronavegabilidade da frota de aviação geral


Chart: Airworthiness of the general aviation fleet.

DISTRIBUIÇÃO DA FROTA POR ESTADO


DISTRIBUTION OF THE FLEET BY STATE
O estado de São Paulo concentra, até maio de 2018, 61% da The state of São Paulo concentrates 61% of the commercial aviation
frota de aviação comercial, 31% de aviação experimental e 26% fleet, 31% of experimental aviation and 26% of general aviation. In 2017, 9
de aviação geral. Em 2017, 9 estados registraram crescimento states registered growth in the number of aircraft, in special Minas Gerais,
with 38 more aircrafts.
no número de aeronaves, com destaque para Minas Gerais,
com 38 aeronaves a mais.

2016 2017
Estado Comercial* Experimental* Geral* Comercial* Experimental* Geral*
State Commercial* Experimental* General* Commercial* Experimental* General* Total 2016 Total 2017 %

SP 414 1.850 3.986 414 1.866 3.968 6.250 6.248 -0,03%


MG 5 545 1.301 5 565 1.319 1.851 1.889 2,05%
PR 26 535 1.087 30 530 1.096 1.648 1.656 0,49%
MT 2 155 1.339 2 164 1.354 1.496 1.520 1,60%
RS 1 434 1.002 1 455 999 1.437 1.455 0%
GO 2 241 1.166 - 247 1.190 1.409 1.437 1,99%
RJ 172 369 824 164 360 774 1.365 1.298 -4,91%
PA 23 78 857 23 82 884 958 989 3,24%
MS - 95 722 - 98 720 817 818 0,12%
SC - 345 371 - 352 377 716 729 0%
DF 4 282 337 4 275 331 623 610 -2,09%
BA 5 178 395 5 182 396 578 583 0,87%
CE 6 110 208 6 116 203 324 325 0,31%
AM 18 51 244 18 51 237 313 306 -2,24%
MA - 78 229 - 75 228 307 303 -1,30%
RO - 78 177 - 77 184 255 261 0%
ES - 87 149 - 84 147 236 231 0%
TO - 52 164 1 50 165 216 216 0%
RR 2 28 175 2 33 175 205 210 2,44%
PE 2 72 133 2 70 128 207 200 0%
PI - 48 126 - 49 133 174 182 0%
RN - 72 42 - 73 41 114 114 0%
PB - 34 64 - 33 68 98 101 0%
AL - 19 81 - 18 79 100 97 -3%
AC 3 6 70 3 6 71 79 80 0%
AP - 12 62 - 12 59 74 71 0%
SE - 12 21 - 12 22 33 34 0%
Total 685 5866 15332 680 5.935 15.348 21.883 21.963 0,37%

Tabela: Número de aeronaves da aviação geral registradas por estado.


Table: Number of general aviation aircrafts registered by state.

*1 aeronave de aviação comercial sem indicação de estado em 2017 e 1 em 2016; 1 *There was no state information for 1 commercial aircraft in 2017 and 1 in 2016; there
aeronaves de aviação experimental sem indicação de estado em 2017 e 1 em 2016; 13 was no state information for 1 experimental aircraft in 2017 and 1 in 2016; there was no
aeronaves de aviação geral sem indicação de estado em 2018 e 10 em 2016. state information for 13 general aircraft in 2017 and 10 in 2016.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
31

FROTA POR CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO


FLEET BY USAGE CATEGORY

Todas as aeronaves devem ser registradas em uma Já para a aviação experimental e geral, os propósitos de uso
categoria que se baseia na utilização pretendida pelo operador podem ser de serviços aéreos especializados (cinematografia,
ou por limitações da própria aeronave. No caso da aviação combate a incêndios, aeroinspeção, aeroreportagem, etc.),
comercial, os registros são separados em público regular e instrução, táxi-aéreo, dentre outros.
público não regular, sendo 94% deles na primeira categoria.
All aircraft should be registered in a category based on the the aircraft in the first category. For experimental and general aviation,
operator’s intended use or on the aircraft’s own limitations. In the case the intended uses include specialized air services (cinematography,
of commercial aviation, registration is categorized as scheduled public firefighting, aerial inspection, aerial reporting, etc.), instruction and air
transportation or as non-scheduled public transportation, with 94% of taxi, among others.

AVIAÇÃO COMERCIAL
COMMERCIAL AVIATION

650 643 637 dez/16


dez/17
mai/18

36 38 38

Público regular Público não regular


Scheduled public Unscheduled public

Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves da frota de aviação comercial.


Chart: Usage category of aircraft in the commercial aviation fleet.

AVIAÇÃO EXPERIMENTAL
EXPERIMENTAL AVIATION

5.551 5.624 5.650


dez/16*
dez/17
mai/18

263 261 229 49 49 59 3 2 3

Experimental Pública ou Privada Instrução Serviço Aéreo Privado Outros


Public or Private Experimental Instruction Private Air Service Others

Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves da frota de aviação experimental.


Chart: Usage category of aircraft in the experimental aviation fleet.

*1 aeronave de aviação experimental sem indicação de categoria em 2016.


*There was no usage category for 1 experimental aviation aircraft in 2016.
32 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION

9.965 10.100 10.190


dez/16*
dez/17*
mai/18*

1.699 1.665 1.618 1.478 1.393 1.360 1.357 1.359 1.375


842 842 861

Serviço Aéreo Privado Instrução Táxi-aéreo Agrícola Outros


Instruction Air taxi Agricultural Others
Private Air Service

Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves da frota de aviação geral.


Chart: Usage category of aircraft in the general aviation fleet.

FROTA POR TIPO DE AERONAVE


FLEET BY AIRCRAFT TYPE

A frota de aviação civil é basicamente classificada por comercial e a classe de aeronaves convencionais a pistão
seu motor (jato, turboélice, pistão ou sem motor). No caso predomina na aviação geral. Em termos percentuais, nos
de pistão e turboélice, as aeronaves podem ser aviões ou cinco primeiros meses de 2018 os Balões registraram o maior
helicópteros. A classe de jatos é bastante comum na aviação crescimento, ↑5%, e os planadores a maior queda (↓6%).

The civil aviation fleet is basically classified by engine type (jet, general aviation. In percentage terms, in the first five months of 2018
turboprop, piston or unpowered). In the case of piston and turboprop, Balloons recorded the highest growth, (↑5%), and Gliders the largest
aircraft may be fixed-wing aircraft or helicopters. Jets are quite common decrease (↓6%).
in commercial aviation while fixed-wing piston aircraft predominate in

AVIAÇÃO COMERCIAL
COMMERCIAL AVIATION

dez/16
dez/17
521 506 504 mai/18

135 145 141


20 20 20 10 10 10

Jato Turboélice Aeronave Convencional Helicóptero


Jet Turboprop Conventional Aircraft Helicopter

Gráfico: Tipos de aeronaves da frota de aviação comercial.


Chart: The commercial aviation fleet, by type.

*1 aeronave de aviação geral sem indicação de categoria em 2016; 2 aeronaves de aviação geral sem indicação de
categoria em 2017; 2 aeronaves de aviação geral sem indicação de categoria em maio de 2018.
*There was no usage category for 1 general aviation aircraft in 2016, 2 general aviation aircrafts in 2017 and 2
general aviation aircrafts in may 2018.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
33

AVIAÇÃO EXPERIMENTAL
EXPERIMENTAL AVIATION

dez/16
dez/17
3.983 3.978
3.975 mai/18
1.266
1.195 1.251 383 191
373 361 182 182 44 50 50 26 29 30 22 23 23 22 22 22 20 21 20

Ultraleve Aeronave Planador Balão Girocóptero Anfíbio Turboélice Helicóptero Jato


Ultralight Convencional Glider Balloon Gyrocopter Amphibious Turboprop Helicopter Jet
Conventional Aircraft

Gráfico: Tipos de aeronaves da frota de aviação experimental.


Chart: The experimental aviation fleet, by type.

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION

dez/16
11.156 11.204 11.201
dez/17
mai/18

2.122 2.083 2.084


1.260 1.278 1.312 762 769
756
42 40 40

Aeronave Convencional Helicóptero Turboélice Jato Anfíbio


Conventional Aircraft Helicopter Turboprop Jet Amphibious

Gráfico: Tipos de aeronaves da frota de aviação geral.


Chart: The general aviation fleet, by type.

FABRICANTES
MANUFACTURERS

Em 2017, as cinco empresas que mais possuem aeronaves na frota de Aviação Civil são: Cessna, Neiva, Piper, Embraer e Beech
Aircraft. Juntas elas representam cerca de 50% do mercado total, 20% do mercado de aviação comercial, 1% do mercado de aviação
experimental e 70% do mercado de aviação geral.

In 2017, the five companies with the most aircraft in the Brazilian Civil Aviation fleet are: Cessna, Neiva, Piper, Embraer and Beech Aircraft. Together
they represent about 50% of the total market, 20% of the commercial aviation market, 1% of the experimental aviation market and 70% of the general
aviation market.
34 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

2016 2017
Fabricante Comercial Experimental* Geral Comercial Experimental* Geral
Total 2016 Total 2017 % %
Manufacturer Commercial Experimental General Commercial Experimental General
CESSNA AIRCRAFT 2 - 3.840 15 - 3.846 3.842 3.861 0,4% 0,5%
NEIVA - 27 2.523 - 25 2.509 2.550 2.534 0,2% -0,6%
PIPER AIRCRAFT - 6 1.579 - 6 1.596 1.585 1.602 0,8% 1,1%
EMBRAER 123 29 1.314 117 29 1.332 1.466 1.478 -0,9% 0,8%
BEECH AIRCRAFT 2 - 1.496 2 1 1.493 1.498 1.496 0,2% -0,1%
ROBINSON HELICOPTER - - 760 - - 760 760 760 0,3% 0,0%
CIRRUS DESIGN - - 361 - - 364 361 364 0,8% 0,8%
FLYER INDUSTRIA AERONAUTICA - 679 - - 703 - 679 703 0,0% 3,5%
BELL HELICOPTER - 1 318 - 1 313 319 314 -2,4% -1,6%
AERO BOERO - - 321 - - 304 321 304 0,0% -5,3%
HELIBRAS - - 315 - - 314 315 314 -0,9% -0,3%
MICROLEVE - 333 - - 324 - 333 324 8,5% -2,7%
EUROCOPTER FRANCE - - 295 - - 231 295 231 -2,6% -21,7%
AIR TRACTOR - - 290 - - 302 290 302 4,7% 4,1%
RAYTHEON AIRCRAFT - - 252 - - 246 252 246 -1,2% -2,4%
BOEING COMPANY 223 4 12 216 6 12 239 234 -2,8% -2,1%
VECTOR - 244 - - 245 - 244 245 -0,8% 0,4%
AIRBUS INDUSTRIE 207 - - 203 - - 207 203 2,0% -1,9%
AGUSTA - - 180 - - 173 180 173 -3,2% -3,9%
IPE - 184 - - 181 - 184 181 0,5% -1,6%
TRIKE - 338 - - 339 - 338 339 0,6% 0,3%
SIKORSKY AIRCRAFT 3 - 143 3 - 131 146 134 -3,9% -8,2%
LEARJET - - 119 - - 121 119 121 -1,7% 1,7%
CIA AERONAUTICA PAULISTA - 1 115 - 2 114 116 116 -0,9% 0,0%
AEROMOT - 1 88 - 2 87 89 89 1,1% 0,0%
AEROSPATIALE AND ALENIA 72 - 2 71 - 1 74 72 -14,9% -2,7%
TWIN COMMANDER - - 63 - - 63 63 63 -3,1% 0,0%
AEROBRAVO - 134 - - 114 - 134 114 -0,7% -14,9%
AMERICAN CHAMPION - 1 64 - 1 64 65 65 1,6% 0,0%
TECNAM - 69 - - 74 - 69 74 0,0% 7,2%
ULTRALEGER - 58 - - 58 - 58 58 -1,7% 0,0%
UNIVAIR AIRCRAFT 1 - 49 1 - 49 50 50 0,0% 0,0%
MCDONNELL DOUGLAS 22 - 27 22 - 27 49 49 0,0% 0,0%
DASSAULT AVIATION - - 42 - - 42 42 42 0,0% 0,0%
PZL-BIELSKO - 51 - - 44 - 51 44 0,0% -13,7%
RUBIC BALOES - 74 - - 77 - 74 77 27,6% 4,1%
SOCATA - - 37 - - 36 37 36 -2,6% -2,7%
SCHWEIZER - - 36 - - 36 36 36 0,0% 0,0%
MAULE AIRCRAFT - 1 35 - 1 35 36 36 2,9% 0,0%
MITSUBISHI - - 34 - - 34 34 34 0,0% 0,0%
MOONEY AIRCRAFT - - 34 - - 34 34 34 0,0% 0,0%
MD HELICOPTERS 7 - 20 7 - 19 27 26 -3,6% -3,7%
PILATUS - - 25 - - 29 25 29 -3,8% 16,0%
HUGHES HELICOPTER - - 25 - - 25 25 25 0,0% 0,0%
CHINCUL SACAIFI - - 25 - - 25 25 25 4,2% 0,0%
LET 5 18 - 5 17 - 23 22 0,0% -4,3%
EDRA AERONAUTICA - 178 - - 176 - 178 176 1,1% -1,1%
OUTROS 19 3.341 503 19 3.510 594 3.863 4.123 -0,3% 6,7%

Tabela: Principais fabricantes de Aviação Civil.


Table: Major manufacturers of civil aviation.

A FROTA BRASILEIRA DE AVIAÇÃO CIVIL POR REGIÕES


THE BRAZILIAN CIVIL AVIATION FLEET BY REGION

AVIAÇÃO CIVIL NO BRASIL


CIVIL AVIATION IN BRAZIL

Em 2017, a região Centro-Oeste incorporou 40 unidades em sua frota em comparação com 2016, diferente da região Sudeste,
que apresentou redução, com 36 aeronaves a menos na frota.

In 2017, the Central-West region's fleet added 40 aircraft, different from the Southeast, which reduced 36 aircraft.

* 95 aeronaves de aviação experimental em 2016 sem indicação de fabricante e 96 aeronaves


de aviação experimental em 2017 sem indicação de fabricante.
* 95 experimental aviation aircraft in 2016 with no manufacturer indication and 96
experimental aviation aircraft in 2017 with no manufacturer indication.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
35

NORTE NORDESTE CENTRO-OESTE


NORTH NORTHEAST CENTRAL-WEST

Comercial 47
Comercial 13
Comercial 6
Commercial Commercial Commercial

Experimental 311
Experimental 628
Experimental 784
Experimental Experimental Experimental

Geral 1.775
Geral 1.298
Geral 3.595
General General General

SUL SUDESTE
SOUTH SOUTHEAST

Comercial 31
Comercial 583
Commercial Commercial

Experimental 1.337
Experimental 2.875
Experimental Experimental

Geral 2.472
Geral 6.208
General General

Mapa: Número de aeronaves registradas por região.*


Map: Number of aircraft registered by region.*

REGIÃO NORTE
NORTH REGION

O norte do país registrou 2.133 aeronaves em 2017, com aumento de aeronaves da aviação comercial (1), experimental (6)
e geral ( 26).

The country's North registered 2,133 aircraft in 2017, with increases in comercial (1), experimental (6) and general ( 26) aviation aircraft.

CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO
USAGE CATEGORY

A categoria de serviço aéreo privado foi a que apresentou o maior aumento em número de aeronaves (43) em 2017 na
região, ↑4%.

The private air service category was the one that increased the most in the region in 2017, with 43 aircrafts ↑4%.

AVIAÇÃO COMERCIAL
COMMERCIAL AVIATION

dez/16
dez/17
mai/18
42 43 44

4 4 4

Público regular Público não regular


Scheduled public Unscheduled public

Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves de aviação comercial na região norte.


Chart: Usage category of aircraft of commercial aviation in the north region.

*1 aeronaves de aviação comercial sem indicação de estado em 2016 e 1 em 2017; 1 aeronaves de aviação experimental sem indicação
de estado em 2016 e 1 em 2017; 10 aeronaves de aviação geral sem indicação de estado em 2016 e 13 em 2017.
*There was no state information for 1 commercial aircraft in 2016 and 1 in 2017; there was no state information for 1 experimental
aircraft in 2016 and 1 in 2017; there was no state information for 10 general aircraft in 2016 and 13 in 2017.
36 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

AVIAÇÃO EXPERIMENTAL
EXPERIMENTAL AVIATION

dez/16
303 304 322 dez/17
mai/18

2 2 0

Experimental Pública ou Privada Serviço Aéreo Privado


Public or Private Experimental Private Air Service

Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves de aviação experimental na região norte.


Chart: Usage category of aircraft of experimental aviation in the north region.

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION

dez/16
1.129
dez/17
1.084 1.127
mai/18

517 505 506


45 50 54 44 42 42 59 51 50

Serviço Aéreo Táxi-aéreo Agrícola Administração Direta Outros


Privado Air taxi Agricultural Estadual Others
Private Air Service State Direct Administration

Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves de aviação geral na região norte.


Chart: Usage category of aircraft of general aviation in the north region.

TIPO DE AERONAVE
AIRCRAFT TYPE
AVIAÇÃO COMERCIAL
A frota de aeronaves convencionais na região norte
COMMERCIAL AVIATION
cresceu cerca de ↑2%, de 1.521 no ano de 2016
para 1.550 em 2017.
dez/16
dez/17
The North’s piston-engine fleet grew by about ↑2%, from 27 27 28
1,521 aircraft in 2016 to 1,550 in 2017. mai/18

10 10 10 9 10 10

Turboélice Aeronave Convencional Jato


Turboprop Conventional Aircraft Jet

Gráfico: Tipo de aeronave da frota de aviação comercial na região norte.


Chart: Aircraft type in the commercial aviation of the north region fleet.
AVIAÇÃO EXPERIMENTAL
EXPERIMENTAL AVIATION

250
245
243

56 59 63
2 2 3 2 2 3 1 2 2 1 1 1

Ultraleve Aeronave Balão Anfíbio Girocóptero Turboélice


Convencional
Ultralight Conventional Aircraft Balloon Amphibious Gyrocopter Turboprop

Gráfico: Tipo de aeronave da frota de aviação experimental na região norte.


Chart: Aircraft type in the experimental aviation of the north region fleet.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
37

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION
dez/16
1.455 1.481 1.482 dez/17
mai/18

136 142 145 100 94 94 36 38 40 22 20 20

Aeronave Turboélice Helicóptero Jato Anfíbio


Convencional
Conventional Aircraft Turboprop Helicopter Jet Amphibious

Gráfico: Tipo de aeronave da frota de aviação geral na região norte.


Chart: Aircraft type in the general aviation of the north region fleet.

REGIÃO NORDESTE
NORTHEAST REGION

O nordeste do país registrou 1.939 aeronaves em AVIAÇÃO EXPERIMENTAL


2017, com aumento de aeronaves somente na aviação
experimental (5). EXPERIMENTAL AVIATION

The country's Northeast registered 1,939 aircraft in 2017, with


dez/16
aircraft increases only in the experimental aviation (5). dez/17
620 624 628 mai/18

3 3 3 1 1
CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO Experimental Instrução Serviço Aéreo Privado
Pública ou Privada Instruction Private Air Service
USAGE CATEGORY Public or Private Experimental

A frota de aviação geral do Nordeste registrou queda Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves de aviação experimental na
somente na categoria de táxi-aéreo (↓6%) e a categoria de região nordeste.
serviço aéreo privado apresentou um aumento (↑1%). Chart: Usage category of aircraft of experimental aviation in the northeast
region.
General aviation fleet registered a drop only in the air taxi category
(↓6%) in the Northeast, private air service increase (↑1%).

AVIAÇÃO COMERCIAL AVIAÇÃO GERAL


COMMERCIAL AVIATION GENERAL AVIATION

11 11
dez/16 851 858 889
10 dez/17 dez/16
dez/17
mai/18
mai/18

2 2 2 196 185 180


103 103 95 67 67 68 82 85 89

Serviço Táxi-aéreo Instrução Agrícola Outros


Público regular Público não regular Aéreo Privado Air taxi Instruction Agricultural Others
Scheduled public Unscheduled public Private Air Service

Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves de aviação comercial na Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves de aviação geral na região
região nordeste. nordeste.
Chart: Usage category of aircraft of commercial aviation in the northeast Chart: Usage category of aircraft of general aviation in the northeast region.
region.
38 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

TIPO DE AERONAVE
AIRCRAFT TYPE

A região nordeste cresceu, principalmente, em número de aeronaves convencionais, de 1.020 para 1.033 em 2017.
The northeast region grew, mainly, in number of conventional aircraft, from 1,020 to 1,033 in 2017.

AVIAÇÃO COMERCIAL AVIAÇÃO GERAL


COMMERCIAL AVIATION GENERAL AVIATION

dez/16 860 868 879


6 6 6 6 6 dez/17
5 mai/18
dez/16
dez/17
mai/18

1 1 1 188 186 187 154 151 154


95 91 99
2 2 2

Jato Turboélice Aeronave Convencional Aeronave Helicóptero Turboélice Jato Anfíbio


Jet Turboprop Conventional Aircraft Convencional Helicopter Turboprop Jet Amphibious
Conventional Aircraft

Gráfico: Tipo de aeronave da frota de aviação comercial na região nordeste.


Chart: Aircraft type in the commercial aviation of the northeast region fleet. Gráfico: Tipo de aeronave da frota de aviação geral na região nordeste.
Chart: Aircraft type in the general aviation of the northeast region fleet.

AVIAÇÃO EXPERIMENTAL
EXPERIMENTAL AVIATION
dez/16
dez/17
447 445 446 mai/18

159 164 167


5 5 5 5 5 5 3 4 4 2 2 2 1 2 2 1 1 1
Ultraleve Aeronave Planador Girocóptero Anfíbio Helicóptero Turboélice Balão
Ultralight Convencional Glider Gyrocopter Amphibious Helicopter Turboprop Balloon
Conventional Aircraft

Gráfico: Tipo de aeronave da frota de aviação experimental na região nordeste.


Chart: Aircraft type in the experimental aviation of the northeast region fleet.

REGIÃO CENTRO-OESTE
CENTRAL-WEST REGION

O centro-oeste em 2017 registrou crescimento de ↑1% A região ainda é, em maio de 2018, a segunda maior
na frota de aeronaves civis. A categoria de aviação geral concentração de aeronaves habilitadas para operações
registrou aumento, de 3.564 unidades em 2016 para 3.595 aeroagrícolas no país, com 470 unidades.
em 2017.

The Central-West in 2017 registered growth of ↑1% in the civil The region is the second largest concentration of aircraft licensed
aviation fleet. The general aviation category, increased from 3,564 units for agricultural purpose, with 470 units in May 2018.
in 2016 to 3,595 in 2017.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
39

CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO AVIAÇÃO EXPERIMENTAL


USAGE CATEGORY EXPERIMENTAL AVIATION

Em relação à categoria de utilização, o serviço aéreo privado 745 753 746


dez/16

destacou-se pela quantia de 53 aeronaves adicionadas à


dez/17*
mai/18
frota de aviação geral em 2017. Aviação agrícola, importante
serviço especializado da região, registrou queda de ↓1% no
mesmo período. 20 20 16 8 9 9
In terms of usage category, private air service stood out with 53 aircraft
Experimental Instrução Serviço Aéreo Privado
added to the general aviation fleet. Agricultural aviation, a regionally Pública ou Privada Instruction Private Air Service
Public or Private Experimental
important specialized service, registered a ↓1% decrease.
Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves de aviação experimental na
região centro-oeste.
AVIAÇÃO COMERCIAL Chart: Usage category of aircraft of experimental aviation in the central-west
region.
COMMERCIAL AVIATION

dez/16
dez/17
AVIAÇÃO GERAL
mai/18
8
6 6 GENERAL AVIATION

2.721
Público regular 2.669
Scheduled public 2.616
dez/16
dez/17
Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves de aviação comercial na mai/18

região centro-oeste.
464 461 470
Chart: Usage category of aircraft of commercial aviation in the centra-west 167 169 174 161 155 142 156 141 140

region. Serviço Aéreo Privado Agrícola Outros Táxi-aéreo Instrução


Private Air Service Agricultural Others Air taxi Instruction

Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves de aviação geral na


região centro-oeste.
Chart: Usage category of aircraft of general aviation in the central-west
region.

TIPO DE AERONAVE
AIRCRAFT TYPE

Com exceção de aeronaves anfíbias que registrou queda AVIAÇÃO COMERCIAL


(↓1), o centro-oeste obteve aumento em todas as outras classes
na frota de aviação geral em 2017. COMMERCIAL AVIATION
With the exception of amphibious aircraft which showed a drop (↓1),
the central-west had increases in all other classes in the general aviation dez/16
in 2017. dez/17
mai/18
4 4 4
3
1 1 1 1 1

Jato Turboélice Aeronave Convencional


Jet Turboprop Conventional Aircraft

Gráfico: Tipo de aeronave da frota de aviação comercial na região centro-oeste.


Chart: Aircraft type in the commercial aviation of the central-west region fleet.

*2 aeronaves de aviação experimental sem indicação de categoria na região centro-oeste em 2017.


*There was no usage category for 2 experimental aviation aircraft in the central west in 2017.
40 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

AVIAÇÃO EXPERIMENTAL AVIAÇÃO GERAL


EXPERIMENTAL AVIATION GENERAL AVIATION

dez/16 2.932
504
498 497 dez/17 2.904 dez/16
2.893 dez/17
mai/18
228
220 226 mai/18

36 36 32 6 6 6 7 4 4 3 3 3 3 3 3
385 397 412
Ultraleve Aeronave Planador Balão Helicóptero Anfíbio Turboélice
163 165 176 117 124 123 6 5 4
Ultralight Convencional Glider Balloon Helicopter Amphibious Turboprop
Conventional Aircraft Aeronave Convencional Turboélice Helicóptero Jato Anfíbio
Conventional Aircraft Turboprop Helicopter Jet Amphibious

Gráfico: Tipo de aeronave da frota de aviação experimental na região Gráfico: Tipo de aeronave da frota de aviação geral na região centro-oeste.
centro-oeste. Chart: Aircraft type in the general aviation of the central-west region fleet.
Chart: Aircraft type in the experimental aviation of the central-west region
fleet.

REGIÃO SUDESTE
SOUTHEAST REGION

A região sudeste ainda é, em maio de 2018, a região mais Mesmo sendo a região com maior concentração no
volumosa do país em número de aeronaves, com 6.238 número de aeronaves, apresentou queda de ↓3% na
unidades em São Paulo, seguido por Minas Gerais com 1.879. quantidade de jatos e ↓2% no número de helicópteros em
2017.

In May 2018, the Southeast region is the country's most voluminous Despite of Southeast being the region with the highest concentration
region in terms of number of aircraft, with 6,238 units in São Paulo, in the number of aircraft, it dropped ↓3% in the number of jets and ↓2%
followed by Minas Gerais with 1,879. in the number of helicopters in 2017.

CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO
USAGE CATEGORY

Em 2017 as aeronaves de aviação geral utilizadas como táxi- AVIAÇÃO EXPERIMENTAL


aéreo registraram a maior queda no número de aeronaves da
região (↓51), seguidas por aeronaves de operações regulares EXPERIMENTAL AVIATION
de aviação comercial com ↓5 a menos.

In December 2017 general aviation aircraft used as air taxi registered


2.732
the largest drop in the number of aircraft in the region (↓51), followed by dez/16
2.727
commercial aviation operations aircraft with ↓5 less. 2.698 dez/17
mai/18

117 115 99 33 31 37 3 2 2
AVIAÇÃO COMERCIAL
Experimental Instrução Serviço Aéreo Privado Outros
Pública ou Privada
COMMERCIAL AVIATION Public or Private Experimental
Instruction Private Air Service Others

Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves de aviação experimental na


570 565 560 dez/16 região sudeste.
dez/17 Chart: Usage category of aircraft of experimental aviation in the southeast
mai/18
region.

21 18 18

Público regular Público não regular


Scheduled public Unscheduled public

Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves de aviação comercial na região sudeste.


Chart: Usage category of aircraft of commercial aviation in the southeast region.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
41

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION

dez/16

4.135 dez/17
4.139 4.132 mai/18

945 940 920 512 461 446 367 368 371 297 304 310

Serviço Aéreo Instrução Táxi-aéreo Outros Agrícola


Privado Instruction Air taxi Others Agricultural
Private Air Service

Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves de aviação geral na região sudeste.


Chart: Usage category of aircraft of general aviation in the southeast region.

TIPO DE AERONAVE
AIRCRAFT TYPE AVIAÇÃO COMERCIAL
A frota de aeronaves convencionais na aviação experimental COMMERCIAL AVIATION
do Sudeste teve o maior aumento da região, com 549 unidades
dez/16
em 2017, contra 528 em 2016. 483 463 461 dez/17
mai/18
The conventional aircraft fleet in the experimental aviation of the
Southeast had the largest increase in the region, with 549 units in 2017, 90 102 99
10 10 10 8 8 8
compared to 528 in 2016.
Jato Turboélice Helicóptero Aeronave Convencional
Jet Turboprop Helicopter Conventional Aircraft

Gráfico: Tipo de aeronave da frota de aviação comercial na região sudeste.


Chart: Aircraft type in the commercial aviation of the southeast region fleet.

AVIAÇÃO EXPERIMENTAL
EXPERIMENTAL AVIATION

dez/16
1.894
1.905 1.891 dez/17
554 mai/18
549 151
528 197 145
189 185 145 24 25 25 18 19 18 17 17 17 15 16 16 10 13 13

Ultraleve Aeronave Planador Balão Girocóptero Jato Turboélice Anfíbio Helicóptero


Ultralight Convencional Glider Balloon Gyrocopter Jet Turboprop Amphibious Helicopter
Conventional Aircraft

Gráfico: Tipo de aeronave da frota de aviação experimental na região sudeste.


Chart: Aircraft type in the experimental aviation of the southeast region fleet.

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION

3.969
3.981 3.935 dez/16
dez/17
1.360 mai/18
1.393 1.346
451 451 464 426 418 423
9 10 11

Aeronave Convencional Helicóptero Turboélice Jato Anfíbio


Conventional Aircraft Helicopter Turboprop Jet Amphibious

Gráfico: Tipo de aeronave da frota de aviação geral na região sudeste.


Chart: Aircraft type in the general aviation of the southeast region fleet.
42 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

REGIÃO SUL
SOUTH REGION
CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO
A região sul é a maior em número de aeronaves habilitadas USAGE CATEGORY
para operações aeroagrícolas em maio de 2018 com 473
unidades. A categoria de Serviço Aéreo Privado é a mais abundante
no Sul, com 1.304. Em 2017, as aeronaves de serviço aéreo
The South region is the largest number of aircraft licensed for
agricutural operations in May 2018 with 473 units.
privado registraram o maior aumento da região em número de
aeronaves com 1.271 em 2016, para 1.304 em 2017.

The Private Air Service category is the most abundant in the South,
with 1,304. In 2017, private air service aircraft recorded the largest increase
in the region in number of aircraft with 1,271 in 2016, to 1,304 in 2017.

AVIAÇÃO COMERCIAL AVIAÇÃO EXPERIMENTAL


COMMERCIAL AVIATION EXPERIMENTAL AVIATION

dez/16 dez/16
dez/17 1.184 1.200 1.219 dez/17*
mai/18 mai/18
18 17 16
14 14
9
123 123 111
6 6 12

Experimental Instrução Serviço Aéreo Privado


Público regular Público não regular Pública ou Privada Instruction Private Air Service
Public or Private Experimental
Scheduled public Unscheduled public

Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves de aviação comercial na Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves de aviação experimental na
região sul. região sul.
Chart: Usage category of aircraft of commercial aviation in the south Chart: Usage category of aircraft of experimental aviation in the south
region. region.

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION

1.313
1.304
1.271 dez/16
dez/17**
mai/18

483 476 473 460 451 433


157 100 163 89 84 83

Serviço Aéreo Agrícola Instrução Outros Táxi-aéreo


Privado Agricultural Instruction Others Air taxi
Private Air Service

Gráfico: Categoria de utilização das aeronaves de aviação geral na região sul.


Chart: Usage category of aircraft of general aviation in the south region.

*1 aeronave de aviação experimental sem indicação de categoria na **1 aeronave de aviação geral sem indicação de categoria na região
região sul em 2016 e 8 em 2017. sul em 2017.
*There was no usage category for 1 experimental aviation aircraft in **There was no usage category for 1 general aviation aircraft in the
the south region in 2016 and 8 in 2017. south region in 2017.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
43

TIPO DE AERONAVE
AIRCRAFT TYPE

Foram incorporadas 32 aeronaves convencionais à frota da região sul em 2017. O número de jatos em aviação geral foi o único
a apontar queda (↓3%).

A total of 32 conventional aircraft were incorporated into the South region fleet in 2017. The number of jets in general aviation was the only one to
drop (↓3%).

AVIAÇÃO COMERCIAL
COMMERCIAL AVIATION

dez/16
dez/17
23 23
19 mai/18

8 8 7

Jato Turboélice
Jet Turboprop

Gráfico: Tipo de aeronave da frota de aviação comercial na região sul.


Chart: Aircraft type in the commercial aviation of the south region fleet.

AVIAÇÃO EXPERIMENTAL
EXPERIMENTAL AVIATION

dez/16
232 251 255 dez/17
mai/18
143145 139

28 28 30 14 18 18 3 3 3 3 4 4 2 2 2
Aeronave Convencional Planador Balão Girocóptero Helicóptero Anfíbio Jato
Conventional Aircraft Glider Balloon Gyrocopter Helicopter Amphibious Jet

Gráfico: Tipo de aeronave da frota de aviação experimental na região sul.


Chart: Aircraft type in the experimental aviation of the south region fleet.

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION

1.972
1.959 1.962
dez/16
dez/17
mai/18
281
277 278 137
134 135 87 84 83 3 3 3

Aeronave Convencional Helicóptero Turboélice Jato Anfíbio


Conventional Aircraft Helicopter Turboprop Jet Amphibious

Gráfico: Tipo de aeronave da frota de aviação geral na região sul.


Chart: Aircraft type in the general aviation of the south region fleet.
44 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

A FROTA BRASILEIRA DE AVIAÇÃO CIVIL


POR TIPO DE AERONAVE
THE BRAZILIAN CIVIL AVIATION FLEET
BY TYPE OF AIRCRAFT

A FROTA DE AERONAVES
CONVENCIONAIS NO BRASIL
THE BRAZILIAN PISTON-ENGINE AIRCRAFT FLEET

São Paulo é o estado com maior concentração de aeronaves convencionais no país, com 3.013 unidades em maio de 2018. No
ano de 2017, a frota teve um aumento de ↑1% em comparação com o ano anterior, com maior acréscimo de aeronaves em Minas
Gerais, 41 aeronaves. Enquanto o estado do Rio de Janeiro apresentou 34 aeronaves a menos que em 2016.

São Paulo is the state with the largest number of conventional piston-engine aircraft in the country, with 3,013 airplanes. In 2017, the Brazilian fleet
increased ↑1% compared to the previous year, with Minas Gerais adding 41 airplanes on your fleet and Rio de Janeiro with 34 less airplanes than the
previous year.

2016 2017
Estado
Estado Comercial Experimental Geral Comercial Experimental Geral
Total
Total2016*
2016 Total
Total2017*
2017 %
State
State Commercial Experimental General Commercial Experimental General
SP SP - 314 2.712
2712 - 323 2.704 3.026 3.027 0,0%
MT MT 1 44 1.116
1116 1 48 1.122 1.161 1.171 0,9%
GO GO - 79 923 - 76 936 1.002 1.012 1,0%
MG MG - 134 849 - 148 876 983 1.024 4,2%
PR PR - 94 817 - 101 826 911 927 1,8%
BA BA - 72 275 - 76 277 347 353 1,7%
AM AM - 2 146 - 4 146 148 150 1,4%
PA PA 10 17 758 10 20 781 785 811 3,3%
MS MS - 28 659 - 34 655 687 689 0,3%
DF DF - 69 195 - 70 191 264 261 -1,1%
RJ RJ 8 54 327 8 50 297 389 355 -8,7%
RS RS - 73 899 - 78 896 972 974 0,2%
CE CE - 28 100 - 25 105 128 130 1,6%
RO RO - 17 144 - 16 148 161 164 1,9%
SC SC - 65 243 - 72 250 308 322 4,5%
MA MA - 15 166 - 16 167 181 183 1,1%
PI PI - 10 101 - 11 103 111 114 2,7%
TO TO - 14 135 - 11 137 149 148 -0,7%
PE PE 1 13 70 1 11 68 84 80 -4,8%
AC AC - - 61 - - 62 61 62 1,6%
RR RR - 6 154 - 8 152 160 160 0,0%
ES ES - 26 93 - 28 92 119 120 0,8%
PB PB - 7 47 - 8 49 54 57 5,6%
RN RN - 12 34 - 15 31 46 46 0,0%
AP AP - - 57 - - 55 57 55 -3,5%
AL AL - - 52 - - 53 52 53 1,9%
SE SE - 2 15 - 2 15 17 17 0,0%
Total
Total 20 1.195
1195 11.148
11148 20 1.251 11.194 12.363 12.465 0,83%

Tabela: Número de aeronaves convencionais registradas no Brasil.


Table: Number of conventional aircraft registered by state.

*8 aeronaves sem indicação de estado em 2016, 10 aeronaves sem indicação de estado em 2017 e 12 aeronaves sem indicação de estado em 2018.
*There was no state information for 8 aircrafts in 2016, 10 aircrafts in 2017 and 12 aircrafts in 2018 .
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
45

AERONAVES CONVENCIONAIS POR TIPO DE MOTOR


PISTON-ENGINE FLEET BY NUMBER OF ENGINES

Aeronaves a pistão com um motor (L1P) representam 80% de toda a frota de aeronaves convencionais no Brasil, sendo mais
volumosa na aviação geral. No caso da aviação comercial, porém, aeronaves maiores, com quatro motores (L4P), são maioria.
Piston-powered aircraft with one engine (L1P) represent 80% of all the piston-powered aircraft in Brazil, the largest number being in general aviation.
In the case of commercial aviation, however, the great majority of the piston-powered fleet are larger aircraft with four engines (L4P).

AVIAÇÃO COMERCIAL AVIAÇÃO EXPERIMENTAL


COMMERCIAL AVIATION EXPERIMENTAL AVIATION

dez/16
11 11 11 dez/16
dez/17
8 8 8 dez/17
mai/18 1.194 1.250 1.265 mai/18

1 1 1
1 1 1

L4P L2P L1P L1P L2P

Gráfico: Aeronaves convencionais da aviação comercial por tipo de motor. Gráfico: Aeronaves convencionais da aviação experimental por tipo de
Chart: Conventional aircraft from commercial aviation fleet by number of motor.
engines. Chart: Conventional aircraft from experimental aviation fleet by number
of engines.

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION

dez/16*
dez/17
mai/18
8.742 8.780 8.774
2.413 2.424 2.427

L1P L2P

Gráfico: Aeronaves convencionais da aviação geral por tipo de motor.


Chart: Conventional aircraft from general aviation fleet by number of engines.

*1 aeronaves de aviação geral sem indicação de categoria de uso em 2016.


*There was no usage category for 1 general aviation aircraft in 2016.
46 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO DAS AERONAVES CONVENCIONAIS


PISTON-ENGINE AIRCRAFT USAGE CATEGORY

Aeronaves destinadas à atividades de Táxi-Aéreo registraram a maior queda percentual (↓3%) na comparação de 2017 com o
ano anterior. Já serviço aéreo privado, que representa 59% da frota, cresceu ↑1% em 2017.

Air taxi aircraft recorded the largest percentage drop (↓3%) compared to the previous year. Private air service, which represents 59% of the fleet, grew
↑1% in 2017.

AVIAÇÃO COMERCIAL AVIAÇÃO EXPERIMENTAL


COMMERCIAL AVIATION EXPERIMENTAL AVIATION

dez/16
dez/17 1.262
dez/16
mai/18 1.243
dez/17
1.130
20 20 20 mai/18

5 5 2 0 1 0 3 2 1

Experimental Serviço Aéreo Privado Instrução Outros


Pública ou Privada Private Air Service Instruction Others
Público regular Public or Private Experimental
Scheduled public

Gráfico: Aeronaves convencionais da aviação comercial por categoria de Gráfico: Aeronaves convencionais da aviação experimental por categoria
uso. de uso.
Chart: Conventional aircraft from commercial aviation fleet by usage Chart: Conventional aircraft from experimental aviation fleet by usage
category. category.

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION

7.457
dez/16*
7.408
dez/17*
7.305
mai/18*

1.230
1.478 1.227
1.500 1.436 1.220 780 757 737 340 339 342

Serviço Aéreo Instrução Agrícola Táxi-aéreo Outros


Privado Instruction Agricultural Air taxi Others
Private Air Service

Gráfico: Aeronaves convencionais da aviação geral por categoria de uso.


Chart: Conventional aircraft from general aviation fleet by usage category.

A FROTA DE HELICÓPTEROS NO BRASIL


THE BRAZILIAN HELICOPTER FLEET

São Paulo ainda é, em maio de 2018, o estado com maior concentração de helicópteros no país, com 679 unidades, seguido
pelo Rio de Janeiro, com 415. Juntas, as duas cidades concentram 52% da frota de helicópteros do país. No ano de 2017, a frota teve
queda de ↓2% em comparação com o ano anterior, em especial a frota do Rio de Janeiro, cuja queda representa 46% da redução
na frota nacional.
São Paulo is the state with the most helicopters in the country, with 679 units, followed by Rio de Janeiro, with 415. In 2017, the fleet dropped ↓ 2% in
comparison with the previous year, 46% of this drop due to the drop in Rio de Janeiro’s fleet.

*2 aeronaves de aviação geral sem indicação de categoria de uso em 2016, 2017 e 2018.
*There was no usage category for 2 general aviation aircraft in 2016, 2017 and 2018.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
47

2016 2017
Estado Comercial Experimental Geral Comercial Experimental Geral Total Total
%
State Commercial Experimental General Commercial Experimental General 2016* 2017
SP - 6 695 - 7 683 701 690 -1,6%
RJ 10 1 423 10 1 405 434 416 -4,1%
MG - 3 241 - 5 238 244 243 -0,4%
PR - - 127 - - 129 127 129 1,6%
SC - 1 97 - 1 95 98 96 -2,0%
GO - 3 74 - 1 75 77 76 -1,3%
DF - 3 67 - 3 69 70 72 2,9%
RS - 2 53 - 2 54 55 56 1,8%
CE - 1 46 - 1 44 47 45 -4,3%
PA - - 46 - - 44 46 44 -4,3%
PE - - 38 - - 37 38 37 -2,6%
BA - 1 35 - 1 34 36 35 -2,8%
ES - - 34 - - 34 34 34 0,0%
MA - - 29 - - 28 29 28 -3,4%
AL - - 19 - - 17 19 17 -10,5%
AM - - 21 - - 16 21 16 -23,8%
MT - 1 11 - - 12 12 12 0,0%
RR - - 11 - - 12 11 12 9,1%
RO - - 10 - - 11 10 11 10,0%
MS - - 11 - - 9 11 9 -18,2%
TO - - 10 - - 9 10 9 -10,0%
PB - - 8 - - 9 8 9 12,5%
PI - - 6 - - 8 6 8 33,3%
SE - - 4 - - 5 4 5 25,0%
RN - - 3 - - 4 3 4 33,3%
AC - - 1 - - 1 1 1 0,0%
AP - - 1 - - 1 1 1 0,0%
Total 10 22 2.121 10 22 2.083 2.153 2.115 -1,76%

Tabela: Número de helicópteros registrados no Brasil.


Table: Number of helicopters registered in Brazil.

HELICÓPTEROS POR TIPO DE MOTOR


HELICOPTERS BY ENGINE TYPE

A classe de helicópteros possui aeronaves com um motor comercial e experimental. Já na aviação geral, aeronaves
turboélice (H1T), um motor pistão (H1P) e dois motores com dois motores turboélice (H2T) tiveram uma redução
turboélice (H2T). Em 2017, não houve variação na distribuição percentual de ↓5% em relação ao ano anterior e as aeronaves
da frota quanto a motorização da aeronave nas aviações com um motor turboélice (H1T) reduziram ↓1%.

Helicopters include aircraft with a single turboprop engine (H1T), one relative to engine type. General aviatiob, by the other hand, had a ↓5%
piston engine (H1P) and two turboprop engines (H2T). In 2017, there was drop in H2T aircrafts and ↓1% drop in H1T aircrafts.
no change in commercial and experimental aviation’s fleet distribution

*1 aeronave sem indicação de estado em 2016.


*There was no state information for 1 aircraft in 2016.
48 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

AVIAÇÃO COMERCIAL AVIAÇÃO EXPERIMENTAL


COMMERCIAL AVIATION EXPERIMENTAL AVIATION

dez/16
dez/16
dez/17
dez/17
mai/18
7 7 7 mai/18 22 22 22

3 3 3

H1T H2T
H1P

Gráfico: Helicópteros da aviação comercial por tipo de motor. Gráfico: Helicópteros da aviação experimental por tipo de motor.
Chart: Commercial aviation helicopters by engine type. Chart: Experimental aviation helicopters by engine type.

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION

dez/16
dez/17
885 873 875 mai/18
739 737 736
498 473 473

H1T H1P H2T

Gráfico: Helicópteros da aviação geral por tipo de motor.


Chart: General aviation helicopters by engine type.

CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO DOS HELICÓPTEROS


HELICOPTERS BY USAGE CATEGORY

Todas as principais categorias de utilização dos helicópteros registraram queda em 2017. No caso de táxi-aéreo, são 35
aeronaves a menos em 2017 em comparação com o ano anterior. Em contrapartida, aeronaves utilizadas para serviço aéreo
privado apresentou um aumento de ↑1% e aeronaves de administração direta estadual ↑5%.
All major categories of helicopter usage declined in 2017. In the case of air taxis, there are now 35 fewer aircrafts in 2017 when compared to 2016. By
the other hand, private air service aircrafts had a 1% growth and state direct administration a 5% growth.

AVIAÇÃO COMERCIAL AVIAÇÃO EXPERIMENTAL


COMMERCIAL AVIATION EXPERIMENTAL AVIATION

dez/16
dez/16
dez/17
dez/17
10 10 10 mai/18
mai/18
22 22 22

Público regular Experimental Pública ou Privada


Scheduled public Public or Private Experimental

Gráfico: Helicópteros da aviação comercial por categoria de uso. Gráfico: Helicópteros da aviação experimental por categoria de uso.
Chart: Commercial aviation helicopters by usage category. Chart: Experimental aviation helicopters by usage category.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
49

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION

1.168 dez/16
1.158 1.167 dez/17
mai/18

347 312 302 254 243 251 199 187 182 164 173 182

Serviço Aéreo Táxi-aéreo Outros Instrução Administração


Privado Air taxi Others Instruction Direta Estadual
Private Air Service State Direct Administration

Gráfico: Helicópteros da aviação geral por categoria de uso.


Chart: General aviation helicopters by usage category.

A FROTA DE TURBOÉLICES NO BRASIL


THE BRAZILIAN TURBOPROP FLEET

São Paulo é o estado com maior concentração de turboélices no país, com 429 unidades em 2017, seguido pelo Mato Grosso.
Entre 2016 e 2017, a frota regisrou um aumento de ↑2%, principalmente em São Paulo com a adição de 18 unidades.

São Paulo is the state with the highest concentration of turboprops in the country, with 429 units in 2017, followed by Mato Grosso. Between 2016 and
2017, the fleet growed by ↑2% , in São Paulo, specially, 18 units were added.

2016 2017
Estado Comercial Experimental Geral Comercial Experimental Geral
Total 2016* Total 2017* %
State Commercial Experimental General Commercial Experimental General
SP 79 16 316 91 17 321 411 429 4,4%
MT 1 - 187 1 - 193 188 194 3,2%
GO 2 2 113 - 2 120 117 122 4,3%
MG 2 - 97 2 - 94 99 96 -3,0%
PR 7 - 83 7 - 81 90 88 -2,2%
BA 5 - 61 5 - 62 66 67 1,5%
AM 10 1 48 10 1 48 59 59 0,0%
PA 12 - 34 12 - 37 46 49 6,5%
MS - - 45 - - 47 45 47 4,4%
DF - 1 40 - 1 37 41 38 -7,3%
RJ 9 1 29 9 - 27 39 36 -7,7%
RS 1 - 33 1 - 34 34 35 2,9%
CE - - 29 - 1 26 29 27 -6,9%
RO - - 21 - - 23 21 23 9,5%
SC - - 18 - - 20 18 20 11,1%
MA - - 23 - - 20 23 20 -13,0%
PI - - 14 - - 18 14 18 28,6%
TO - - 14 - - 15 14 15 7,1%
PE 1 1 14 1 1 12 16 14 -12,5%
AC 3 - 8 3 - 8 11 11 0,0%
RR 2 - 7 2 - 8 9 10 11,1%
ES - - 9 - - 9 9 9 0,0%
PB - - 6 - - 5 6 5 -16,7%
RN - - 4 - - 5 4 5 25,0%
AP - - 4 - - 3 4 3 -25,0%
AL - - 2 - - 2 2 2 0,0%
SE - - 1 - - 1 1 1 0,0%
Total 134 22 1260 144 23 1.276 1.416 1.443 1,91%

Tabela: Número de turboélices registrados no Brasil.


Table: Number of turboprops aircraft registered in Brazil.

* 1 aeronave sem indicação de estado em 2016 e 3 aeronaves em 2017.


* There was no state information for 1 aircraft in 2016 and 3 aircrafts in 2017.
50 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

TURBOÉLICES POR TIPO DE MOTOR


THE TURBOPROP FLEET BY NUMBER OF ENGINES

A frota de turboélices é composta, principalmente, por


AVIAÇÃO COMERCIAL
aeronaves turboélice bimotoras (L2T). Na aviação experimental,
porém, é mais frequente a classe de monomotor. Na aviação COMMERCIAL AVIATION
comercial, um aumento de 13 aeronaves monomotoras foi
registrado. Esse aumento é devido ao fato de a Agência Nacional
de Aviação Civil (ANAC) emitir, em 2016, uma autorização de dez/16
dez/17
Operação Complementar (operação de transporte regular de
134 131 127 mai/18
passageiros entre cidades de menor porte e grandes cidades)
a uma empresa que até então realizava somente operações de
14 14
táxi-aéreo. 1

The turboprop fleet is composed, principally, of twin-engine airplanes L2T L1T


(L2T). In the experimental category, however, single-engine aircraft
predominates. In the commercial category, 13 single-engine aircrafts were Gráfico: Turboélices da aviação comercial por tipo de motor.
added. This increase is due to the fact that ANAC authorized, in 2016, a air Chart: Commercial aviation turboprops by number of engines.
taxi company to execute regular passenger transportation between minor
cities and major ones.

AVIAÇÃO GERAL
AVIAÇÃO EXPERIMENTAL
EXPERIMENTAL AVIATION GENERAL AVIATION

dez/16 dez/16
dez/17 dez/17
21 21 21
mai/18 mai/18
769 777 782
491 501 530
1 2 2

L1T L2T

L2T L1T
Gráfico: Turboélices da aviação experimental por tipo de motor.
Gráfico: Turboélices da aviação geral por tipo de motor.
Chart: Experimental aviation turboprops by number of engines.
Chart: General aviation turboprops by number of engines.

CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO DOS TURBOÉLICES


TURBOPROPS BY USAGE CATEGORY

Em 2017, a frota de aeronave comercial público regular


AVIAÇÃO COMERCIAL
registrou um aumento de ↑7%, com 10 aeronaves a mais.
In 2017, the fleet of turboprop airplanes making commercial flights COMMERCIAL AVIATION
registered a drop of ↑7% , with 10 more aircrafts.

dez/16
AVIAÇÃO EXPERIMENTAL dez/17
134 144 140 mai/18
EXPERIMENTAL AVIATION

1 1 1
dez/16
dez/17 Público regular Público não regular
mai/18
22 22 22 Scheduled public Non-regular public

0 1 1 Gráfico: Turboélices da aviação comercial por categoria de uso.


Chart: Commercial aviation turboprops by usage category.
Experimental Serviço Aéreo Privado
Pública ou Privada Private Air Service
Public or Private Experimental

Gráfico: Turboélices da aviação experimental por categoria de uso.


Chart: Experimental aviation turboprops by usage category.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
51

AVIAÇÃO GERAL
GENERAL AVIATION

dez/16

827 845 872 dez/17


mai/18

237 222 222


125 136 143 38 38 38 33 37 37

Serviço Aéreo Táxi-aéreo Agrícola Outros Administração


Privado Air taxi Agricultural Others Direta Estadual
Private Air Service State Direct Administration

Gráfico: Turboélices da aviação geral por categoria de uso.


Chart: General aviation turboprops by usage category.

A FROTA DE JATOS NO BRASIL


THE BRAZILIAN JET FLEET

São Paulo é o estado com maior concentração de jatos no país em 2017, com 594 unidades, seguido pelo Rio de Janeiro. No ano
de 2017, a frota teve queda de ↓1,5% em comparação com o ano anterior, principalmente em São Paulo, que fechou o ano com 15
aeronaves a menos em sua frota.
São Paulo is the state with the highest concentration of jets in the country in 2017, with 594 units, followed by Rio de Janeiro. In 2017, the fleet
decreased ↓ 1.5% compared to the previous year, most steeply in São Paulo, with 15 fewer aircrafts.

2016 2017
Estado Comercial Experimental Geral Comercial Experimental Geral Total Total
Commercial Experimental Commercial %
State General Experimental General 2016* 2017*
SP 335 16 258 323 17 254 609 594 -2,5%
RJ 145 - 44 137 - 44 189 181 -4,2%
MG 3 2 111 3 2 108 116 113 -2,6%
PR 19 - 57 23 - 57 76 80 5,3%
GO - - 52 - - 55 52 55 5,8%
DF 4 - 35 4 - 34 39 38 -2,6%
CE 6 - 32 6 - 27 38 33 -13,2%
MT - - 24 - - 26 24 26 8,3%
BA - - 23 - - 22 23 22 -4,3%
AM 8 - 11 8 - 12 19 20 5,3%
PA 1 - 16 1 - 18 17 19 11,8%
RS - - 17 - - 15 17 15 -11,8%
SC - 2 13 - 2 12 15 14 -6,7%
MA - - 11 - - 13 11 13 18,2%
ES - - 13 - - 12 13 12 -7,7%
PE - - 11 - - 11 11 11 0,0%
MS - - 6 - - 9 6 9 50,0%
AL - - 8 - - 7 8 7 -12,5%
TO - - 5 1 - 4 5 5 0,0%
PB - - 3 - - 5 3 5 66,7%
PI - - 5 - - 4 5 4 -20,0%
RO - - 2 - - 2 2 2 0,0%
RR - - 2 - - 2 2 2 0,0%
RN - - 1 - - 1 1 1 0,0%
SE - - 1 - - 1 1 1 0,0%
AC - - - - - - - - 0,0%
AP - - - - - - - - 0,0%
Total 521 20 761 506 21 755 1.302 1.282 -1,54%

Tabela: Número de jatos registrados no Brasil.


Table: Number of jets registered in Brazil.
* 1 aeronave sem indicação de estado em 2016 e 1 em 2017.
*There was no state information for 1 aircraft in 2016 and 1 in 2017.
52 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

JATOS POR TIPO DE MOTOR


JET FLEET BY NUMBER OF ENGINES

Os jatos registrados no Brasil possuem um, dois, três AVIAÇÃO COMERCIAL


ou quatro motores, sendo os bimotores maioria na aviação
comercial, experimental e geral. No ano de 2017, porém, houve COMMERCIAL AVIATION
queda de ↓2% entre os bimotores.
Jets registered in Brazil have one, two, three or four engines, twin-
dez/16
engine jets being the majority in commercial, experimental and general 470 455 453 dez/17

aviation. In 2017, however, there was a decrease of ↓2% in twin-engine jets. mai/18

30 30 30 21 21 21
AVIAÇÃO EXPERIMENTAL
L2J L3J L4J
EXPERIMENTAL AVIATION
Gráfico: Jatos da aviação comercial por tipo de motor.
Chart: Commercial aviation jets by number of engines.
dez/16
dez/17
16 16 16 mai/18

4 4 4
AVIAÇÃO GERAL
1 1 0
GENERAL AVIATION
L2J L1J L4J

Gráfico: Jatos da aviação experimental por tipo de motor. 743 736 748 dez/16

Chart: Experimental aviation jets by number of engines. dez/17


mai/18

19 20 21

L2J L3J

Gráfico: Jatos da aviação geral por tipo de motor.


Chart: General aviation jets by number of engines.

CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO DOS JATOS


JETS BY USAGE CATEGORY

A categoria de utilização mais abundante em jatos é de AVIAÇÃO COMERCIAL


serviço aéreo privado para aviação geral, tendo este apontado
um crescimento de ↑1%, em 2017 enquanto a utilização de COMMERCIAL AVIATION
jatos para serviços de táxi-aéreo reduziu em ↓11% no mesmo
período.
dez/16
486 469 467 dez/17
The most common usage category for general aviation jets is private
mai/18
air service, and jets in this category dropped ↑1% in 2017, while air taxi
services dropped ↓11%.
35 37 37

Público regular Público não regular


Scheduled public Unscheduled public

Gráfico: Jatos da aviação comercial por categoria de uso.


Chart: Commercial aviation jets by usage category.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
53

AVIAÇÃO EXPERIMENTAL AVIAÇÃO GERAL


EXPERIMENTAL AVIATION GENERAL AVIATION

dez/16
dez/17
mai/18 641 647 662 dez/16
dez/17
21 mai/18
20 20
108 96 93
7 6 6 6 7 8

Serviço Aéreo Privado Táxi-aéreo Outros Administração


Experimental Pública ou Privada Private Air Service
Air taxi Others Direta Estadual
State Direct Administration
Public or Private Experimental

Gráfico: Jatos da aviação experimental por categoria de uso.


Chart: Experimental aviation jets by usage category. Gráfico: Jatos da aviação geral por categoria de uso.
Chart: General aviation jets by usage category.

A FROTA DE ANFÍBOS NO BRASIL


THE BRAZILIAN AMPHIBIOUS AIRCRAFT FLEET

São Paulo é o estado com maior concentração de anfíbios no país, com 18 unidades, seguido pelo Amazonas. No ano de 2017,
a frota teve aumento de ↑1,5% em comparação com o ano anterior, principalmente em São Paulo.

São Paulo is the state with the highest cincetration of amphibious aircraft in 2017, with 18 units, followed by Amazonas. In 2017, the fleet increased
↑1.5% when compared to the previous year, mainly in São Paulo.

2016 2017
Estado Comercial Experimental Geral Comercial Experimental Geral Total Total
%
State Commercial Experimental General Commercial Experimental General 2016 2017

SP - 11 5 - 12 6 16 18 12,5%
AM - 2 18 - 2 15 20 17 -15,0%
PR - 3 3 - 3 3 6 6 0,0%
MG - 2 3 - 2 3 5 5 0,0%
GO - 1 4 - 1 4 5 5 0,0%
PA - - 3 - - 4 3 4 33,3%
RJ - 2 1 - 2 1 3 3 0,0%
CE - - 1 - 1 1 1 2 100,0%
BA - 1 1 - 1 1 2 2 0,0%
DF - 1 - - 1 - 1 1 0,0%
MT - - 1 - - 1 1 1 0,0%
RS - - - - 1 - - 1 0,0%
MA - 1 - - 1 - 1 1 0,0%
MS - 1 1 - 1 - 2 1 -50,0%
AL - 1 - - 1 - 1 1 0,0%
RR - - 1 - - 1 1 1 0,0%
SC - - - - - - - - 0,0%
ES - - - - - - - - 0,0%
PE - - - - - - - - 0,0%
TO - - - - - - - - 0,0%
PB - - - - - - - - 0,0%
PI - - - - - - - - 0,0%
RO - - - - - - - - 0,0%
RN - - - - - - - - 0,0%
SE - - - - - - - - 0,0%
AC - - - - - - - - 0,0%
AP - - - - - - - - 0,0%
Total - 26 42 - 29 40 68 69 1,47%

Tabela: Número de anfíbios registrados no Brasil.


Table: Number of amphibious registered in Brazil.
54 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

ANFÍBIOS POR TIPO DE MOTOR


AMPHIBIOUS AIRCRAFT BY ENGINE TYPE

Os anfíbios são aeronaves com 1, 2, 3 ou 4 motores com AVIAÇÃO EXPERIMENTAL


autorização para pousar em água no caso de S1P ou para
ambas água e terra, no caso de A1P, A2P, A3P e A4P, sendo A1P a EXPERIMENTAL AVIATION
maioria na aviação experimental e comercial.
27 27
Amphibious aircraft with 1, 2, 3 or 4 engines, if authorized only to 24 dez/16
land on water are coded as S1P, and if able to land on either land or water, dez/17
depending on the number of engines are coded as A1P, A2P, A3P or A4P, A1P mai/18
being the majority in experimental and general aviation.

1 1 2 1 1 1

AVIAÇÃO GERAL A1P A2P S1P

GENERAL AVIATION Gráfico: Anfíbios da aviação experimental por tipo de motor.


Chart: Experimental aviation amphibious by engine type.

dez/16
dez/17
25
23 23 mai/18

7 7 7 7 7 7
2 2 2 1 1 1

A1P A1T S1P A2P A4P

Gráfico: Anfíbios da aviação geral por tipo de motor.


Chart: General aviation amphibious by engine type.

CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO DOS ANFÍBIOS


AMPHIBIOUS AIRCRAFT USAGE CATEGORY

Os anfíbios geralmente são utilizados com fins AVIAÇÃO EXPERIMENTAL


experimentais, serviço aéreo privado, táxi-aéreo e
administração direta estadual (operações destinadas ao EXPERIMENTAL AVIATION
serviço do poder público estadual).
dez/16

Amphibious aircraft are generally used for experimental purposes, dez/17


mai/18
private air service, air taxis and by state government (called “direct state
administration”). 30
29

26
AVIAÇÃO GERAL
Experimental Pública ou Privada
GENERAL AVIATION
Public or Private Experimental

Gráfico: Anfíbios da aviação experimental por categoria de uso.


34 dez/16 Chart: Experimental aviation amphibious by usage category.
32 32
dez/17
mai/18

6 6 6
2 2 2

Serviço Aéreo Privado Táxi-aéreo Administração


Private Air Service Air taxi Direta Estadual
State Direct Administration

Gráfico: Anfíbios da aviação geral por categoria de uso.


Chart: General aviation amphibious by usage category.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
55

A FROTA DE BALÕES, GIROCÓPTEROS,


PLANADORES E ULTRALEVES NO BRASIL
THE BRAZILIAN BALLOON, GYROCOPTER, GLIDER AND
ULTRA-LIGHT FLEET

São Paulo é o estado com maior concentração de balões, girocópteros, planadores e ultraleves no país, com 1.490 unidades,
seguido pelo Paraná. No ano de 2017, a frota teve aumento de ↑0,2% em comparação com o ano anterior, principalmente no Rio
Grande do Sul, com 15 aeronaves a mais.

São Paulo is the state with the highest concentration of balloons, gyrocopters, gliders and ultralights in the country, with 1,490 units, followed by
Paraná. In 2017, the fleet growed by ↑0.2% in comparison with the previous year, mainly in Rio Grande do Sul, with 15 more aircrafts.

2016 2017
Estado Comercial Experimental Geral Comercial Experimental Geral
Total 2016* Total 2017* %
State Commercial Experimental General Commercial Experimental General
SP - 1.487 - - 1.490 - 1.487 1.490 0,2%
PR - 438 - - 426 - 438 426 -2,7%
MG - 404 - - 408 - 404 408 1,0%
RS - 359 - - 374 - 359 374 4,2%
RJ - 311 - - 307 - 311 307 -1,3%
SC - 277 - - 277 - 277 277 0,0%
DF - 208 - - 200 - 208 200 -3,8%
GO - 156 - - 167 - 156 167 7,1%
MT - 110 - - 116 - 110 116 5,5%
BA - 104 - - 104 - 104 104 0,0%
CE - 81 - - 88 - 81 88 8,6%
MS - 66 - - 63 - 66 63 -4,5%
PA - 61 - - 62 - 61 62 1,6%
RO - 61 - - 61 - 61 61 0,0%
MA - 62 - - 58 - 62 58 -6,5%
PE - 58 - - 58 - 58 58 0,0%
RN - 60 - - 58 - 60 58 -3,3%
ES - 61 - - 56 - 61 56 -8,2%
AM - 46 - - 44 - 46 44 -4,3%
TO - 38 - - 39 - 38 39 2,6%
PI - 38 - - 38 - 38 38 0,0%
RR - 22 - - 25 - 22 25 13,6%
PB - 27 - - 25 - 27 25 -7,4%
AL - 18 - - 17 - 18 17 -5,6%
AP - 12 - - 12 - 12 12 0,0%
SE - 10 - - 10 - 10 10 0,0%
AC - 6 - - 6 - 6 6 0,0%
Total - 4.581 - - 4.589 - 4.581 4.589 0,17%

Tabela: Número de balões, girocópteros, planadores e ultraleves registrados no Brasil.


Table: Number of balloons, gyrocopters, gliders and ultra-lights registered in Brazil.

* 1 aeronave sem indicação de estado em 2016 e 1 em 2017.


*There was no state information 1 aircraft in 2016 and 1 in 2017.
56 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO DOS BALÕES, GIROCÓPTEROS,


PLANADORES E ULTRALEVES
BALLOON, GYROCOPTER, GLIDER AND ULTRA-LIGHT USAGE CATEGORY

Todas as quatro classes são utilizadas predominantemente para fins experimentais, podendo os balões também serem
utilizados para serviço aéreo privado e os planadores para serviço aéreo privado e instrução.

All four classes are used predominantly for experimental ends, while balloons may also be used for private air service and gliders for private air service
and instruction.

AVIAÇÃO EXPERIMENTAL
EXPERIMENTAL AVIATION

4.294
4.287
4.275 dez/16
dez/17
mai/18

263 260 229 44 43 56


Experimental Instrução Serviço Aéreo Privado
Pública ou Privada Instruction Private Air Service
Public or Private Experimental

Gráfico: Balões, girocópteros, planadores e ultraleves por categoria de uso.


Chart: Balloons, gyrocopters, gliders and ultra-lights by usage category.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
57

CAPÍTULO III
CHAPTER III

AS OPERAÇÕES
DA AVIAÇÃO CIVIL
NO BRASIL

CIVIL AVIATION OPERATIONS IN BRAZIL


58 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

Em 2017, a aviação civil realizou 2,3 milhões de operações


2016 1.794.327 513.798 2.308.125
entre pousos e decolagens, ou seja, são contabilizadas operações
no aeroporto de origem (decolagem) e no aeroporto de destino
2017 1.751.055 582.735 2.333.790
(pouso), sendo 75% de aviação comercial e 25% de aviação geral.
Em relação ao ano de 2016, houve um aumento de 1% no volume 0 500.000 1.000.000 1.500.000 2.000.000 2.500.000

total, mesmo com uma redução de 2% no número de operações da Aviação Comercial / Commercial Aviation Aviação Geral / General Aviation

aviação comercial.
Gráfico: Operações da aviação civil.
Chart: Civil Aviation Operations.
In 2017, civil aviation performed 2.3 million operations including both
takeoffs and landings, that is, operations are counted at the airport of departure
(takeoff) and of arrival (landing), 75% of this being commercial aviation and 25%
general aviation. Compared to 2016, there was a 1% growth in total volume, even
though there was a 2% drop in comercial aviation operations.

ORIGEM E DESTINO DAS OPERAÇÕES


ORIGIN AND DESTINATION OF THE OPERATIONS

Dos 1,75 milhão de operações da


aviação comercial, 93% são nacionais e
7%
7% internacionais. No caso da aviação
Internacionais
geral, porém, apenas 1% dos voos são International
internacionais.
1,75
milhão
Of the 1.7 million commercial aviation
93%
operations, 93% are domestic flights and 7% are
Nacionais
international flights. For general aviation, however, Domestic
only 1% are international flights.
Gráfico: Natureza das operações de aviação comercial em 2017.
Chart: Domestic and international commercial aviation in 2017.

1%
Internacionais
International

582
mil
99%
Nacionais
Domestic

Gráfico: Natureza das operações de aviação geral em 2017.


Chart: Domestic and international general aviation in 2017.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
59

AEROPORTOS CONECTADOS 1 2

PELA AVIAÇÃO COMERCIAL


CONNECTED AIRPORTS BY 15
7
3
2
COMMERCIAL AVIATION 2
2 3
2

2 1
2 1
4
A aviação comercial conectou, em 2017, um total de 126
6 17
municípios no Brasil. A Bahia foi o estado brasileiro com o maior CONEXÕES
número de aeródromos alcançados pela aviação comercial com DOMÉSTICAS 3

17 aeródromos, seguido pela Amazônia e por Minas Gerais, que 12 1


5
totalizaram 15 e 12 aeródromos, respectivamente. O estado de NÚMERO DE 11 4
São Paulo contou com 11 aeródromos. AERÓDROMOS
7
17
6
In 2017, commercial aviation connected 126 brazilian cities. Bahia is the
7
state with the most airports reached, 17. Followed by Amazônia, with 15
airports reached, and Minas Gerais, 12. São Paulo has 11 airports reached. 1

Mapa: Aeródromos nacionais conectados pela aviação comercial em 2017.


Map: Brazilian airports connected by commercial aviation in 2017.

Em 2017, 185 aeródromos internacionais foram alcançados pela aviação comercial, conectando um total de 73 países. Desse
total, 26 aeródromos estão situados nos Estados Unidos, 12 na Argentina e 9 no México.

In 2017, 185 international airports were reached by commercial aviation, connecting 73 countries. 26 of the international airports connected are
located in the United States, 12 in Argentina and 9 in Mexico.

CONEXÕES
INTERNACIONAIS

1 2

5 1

8 1
5
26 8 1
3
1
9 1 1
5 1 1 1
4 1

NÚMERO DE 2 1
AERÓDROMOS 3
26
2
12

Mapa: Aeródromos internacionais conectados pela aviação comercial em 2017.


Map: International airports connected by commercial aviation in 2017.
60 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

AEROPORTOS CONECTADOS 16 8

PELA AVIAÇÃO GERAL


CONNECTED AIRPORTS BY GENERAL
43
35
121 14
57
AVIATION
8
19 37
11
7
44 1
25
A aviação geral conectou, em 2017, um total de 2.429* 287 123
aeródromos brasileiros, alcançando 1.225** municípios. O estado 8
de São Paulo concentra 23% dos aeródromos conectados pela 155

aviação geral, seguido pelo estado do Mato Grosso (12%) e do Mato 218 18
Grosso do Sul (11%). 259
NÚMERO DE 558 112
AERÓDROMOS
92
General aviation connected, in 2017, 2,429* brazilian airports, reaching 558
1.225** cities. São Paulo has the largest concentration of airports connected 61
by general aviation, 23%. Followed by Mato grosso, 12%, and Mato Grosso do 76
Sul, 11%. 1

Mapa: Aeródromos nacionais conectados pela aviação geral em 2017.


Map: Brazilian airports connected by general aviation in 2017.

A aviação geral conectou em 2017, 314* aeródromos em 79 países (ANEXO 4). Do total de aeródromos alcançados pela aviação
geral, 31% estão situados nos Estados Unidos, o segundo país com maior concentração de aeródromos conectados é a Argentina,
com 7% dos aeródromos, seguida pela Itália, com 4%.

In 2017, general aviation connected 314* airports in 79 different countries (APPENDIX 4). Of the total airports reached by general aviation, 31% is
located in the United States, 7% in Argentina and 4% in Italy.

CONEXÕES
INTERNACIONAIS

57

105
EUROPA
EUROPE
AMÉRICA 2
DO NORTE
NORTH AMERICA
ÁSIA
ASIA
36

NÚMERO DE 29
AERÓDROMOS AMÉRICA
97 CENTRAL 84
CENTRAL AMERICA ÁFRICA 1
AFRICA
1 AMÉRICA
DO SUL OCEANIA
OCEANIA
SOUTH AMERICA

Mapa: Aeródromos internacionais conectados pela aviação geral em 2017.


Map: International airports connected by general aviation in 2017.

*Sem a nacionalidade de 358 aeródromos (12% do total).


**Sem localidade fixa de 16 aeródromos brasileiros.
* Without the nationality of 358 aerodromes (12% of the total).
** No fixed location of 16 Brazilian aerodromes.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
61

PRINCIPAIS ROTAS DA AVIAÇÃO CIVIL


MAJOR CIVIL AVIATION ROUTES

A rota mais realizada em 2017 da aviação comercial é Congonhas (SP) – Santos Dumont (RJ), 19.230 operações. Já para aviação
geral, o Aeroporto de Congonhas (SP) para o Aeroporto da Paumpulha (BH) teve 2.525 operações em 2017.

The route most performed in 2017 was Congonhas (SP) – Santos Dumont (RJ), with 19,230 operations. For general aviation, Congonhas (SP) – Pampulha
Airport (BH) with 2,525 operations in 2017.

AVIAÇÃO COMERCIAL AVIAÇÃO GERAL

ROTA OPERAÇÕES 2016 OPERAÇÕES 2017 % ROTA OPERAÇÕES 2016 OPERAÇÕES 2017 %
SBSP SBRJ 19.893 19.230 -3% SBSP SBBH 2.308 2.525 9%
SBRJ SBSP 19.830 19.170 -3% SBBH SBSP 2.185 2.463 13%
SBSP SBBR 8.540 7.978 -7% SBSP SBRJ 2.028 2.189 8%
SBBR SBSP 8.530 7.914 -7% SBRJ SBSP 2.079 2.128 2%
SBCF SBSP 7.657 7.561 -1% SBBR SBGO 2.095 2.061 -2%
SBSP SBCF 7.659 7.527 -2% SBGO SBBR 2.065 1.992 -4%
SBPA SBGR 7.079 7.204 2% SBBR SBSP 1.661 1.621 -2%
SBGR SBPA 7.034 7.186 2% SBSP SBBR 1.753 1.593 -9%
SBSV SBGR 6.733 6.120 -9% SBRJ SBJR 1.601 1.544 -4%
SBGR SBSV 6.776 6.118 -10% SBJR SBRJ 1.509 1.350 -11%

Tabela: 10 principais rotas de aviação comercial. Tabela: 10 principais rotas de aviação geral.
Table: 10 major commercial aviation routes. Table: 10 major general aviation routes.
62 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL POR


AERÓDROMO 2016 - 2017
CIVIL AVIATION OPERATIONS BY AERODROME 2016 - 2017

Em 2017, as operações de aviação civil aumentaram 1% em relação ao ano anterior, com as maiores taxas percentuais de
aumento nos aeroportos Ministro Victor Konder (SBNF), Professor urbano Ernesto Stumpf (SBSJ) e Jacarepaguá (SBJR).

In 2017, civil aviation operations increased 1% in relation to the prior year, with the largest percentage growth at the airports of Ministro Victor Konder
(SBNF), Professor urbano Ernesto Stumpf (SBSJ) and Jacarepaguá (SBJR).

2016 2017

Aeródromo Aviação Comercial Aviação Geral Aviação Comercial Aviação Geral Total 2016 Total 2017 %

SBGR Guarulhos 253.104 14.263 251.523 15.812 267.367 267.335 -0,01%


SBSP Congonhas 175.292 37.753 175.508 45.857 213.045 221.365 3,91%
SBBR Presidente Juscelino Kubitschek 140.133 19.585 127.727 19.435 159.718 147.162 -7,86%
SBGL Galeão - Antônio Carlos Jobim 117.809 5.368 114.811 5.954 123.177 120.765 -1,96%
SBRJ Santos Dumont 92.816 12.929 89.915 22.102 105.745 112.017 5,93%
SBKP Viracopos 112.532 2.306 106.268 5.124 114.838 111.392 -3,00%
SBCF Tancredo Neves 97.908 1.206 97.989 1.708 99.114 99.697 0,59%
SBPA Salgado Filho 65.141 13.075 65.747 14.272 78.216 80.019 2,31%
SBSV Deputado Luís Eduardo Magalhães 63.262 16.718 61.225 16.411 79.980 77.636 -2,93%
SBMT Marte N/I 74.679 N/I 75.280 74.679 75.280 0,80%
SBJR Jacarepaguá N/I 62.016 N/I 74.960 62.016 74.960 20,87%
SBRF Guararapes Gilberto Freyre 57.829 10.797 63.796 10.806 68.626 74.602 8,71%
SBCT Afonso Pena 61.960 4.122 62.418 8.208 66.082 70.626 6,88%
SBGO Santa Genoveva 29.471 34.254 29.260 35.639 63.725 64.899 1,84%
SBFZ Pinto Martins 42.165 10.263 41.546 11.687 52.428 53.233 1,54%
SBVT Goiabeiras 27.797 18.600 26.365 20.789 46.397 47.154 1,63%
SBFL Hercílio Luz 30.463 15.461 31.712 14.947 45.924 46.659 1,60%
SBBH Pampulha - Carlos Drummond de Andrade 3.456 33.875 1.874 38.115 37.331 39.989 7,12%
SBEG Eduardo Gomes 27.982 10.468 25.874 11.801 38.450 37.675 -2,02%
SBBE Val de Cans 30.301 8.882 28.129 8.908 39.183 37.037 -5,48%
SBRP Leite Lopes 17.360 17.522 16.129 16.310 34.882 32.439 -7,00%
SBNF Ministro Victor Konder 13.879 5.903 14.038 17.078 19.782 31.116 57,29%
SBUL Ten. - Cel. Av. César Bombonato 11.282 16.756 11.283 18.270 28.038 29.553 5,40%
SBLO Londrina 10.298 22.084 9.363 18.596 32.382 27.959 -13,66%
SBCY Marechal Rondon 29.462 N/I 27.890 N/I 29.462 27.890 -5,34%
SBFI Cataratas 15.085 3.336 16.717 4.667 18.421 21.384 16,08%
SBSJ Professor Urbano Ernesto Stumpf 332 13.491 76 20.922 13.823 20.998 51,91%
SBSL Marechal Cunha Machado 14.036 4.617 14.982 4.727 18.653 19.709 5,66%
SBCG Campo Grande 14.059 5.498 13.490 5.624 19.557 19.114 -2,27%
SBMO Zumbi dos Palmares 15.171 4.414 15.250 2.624 19.585 17.874 -8,74%
SBSG Governador Aluizio Alves 17.089 N/I 17.574 N/I 17.089 17.574 2,84%
SBPS Porto Seguro 13.661 N/I 13.631 N/I 13.661 13.631 -0,22%
SBPJ Brigadeiro Lysias Rodrigues 6.397 5.674 6.740 5.437 12.071 12.177 0,88%
SBJP Presidente Castro Pinto 11.340 N/I 10.784 N/I 11.340 10.784 -4,90%
SBTE Senador Petrônio Portela 10.971 N/I 10.367 N/I 10.971 10.367 -5,51%
SBJV Lauro Carneiro de Loyola 5.803 3.953 5.093 4.924 9.756 10.017 2,68%
SBAR Santa Maria 10.251 N/I 9.552 N/I 10.251 9.552 -6,82%
SBSR São José do Rio Preto 8.253 N/I 8.371 N/I 8.253 8.371 1,43%
SBPV Governador Jorge Teixeira de Oliveira 8.951 N/I 7.825 N/I 8.951 7.825 -12,58%
SBMG Regional de Maringá - Sílvio Name Júnior 7.837 N/I 7.240 N/I 7.837 7.240 -7,62%
SBUR Uberaba 1.987 3.736 1.430 4.629 5.723 6.059 5,87%
SBJU Orlando Bezerra de Menezes 5.765 N/I 5.867 N/I 5.765 5.867 1,77%
SBIL Bahia - Jorge Amado 6.391 N/I 5.769 N/I 6.391 5.769 -9,73%
SBSN Santarém 6.398 N/I 5.159 N/I 6.398 5.159 -19,37%
SBQV Vitória da Conquista 4.849 N/I 4.596 N/I 4.849 4.596 -5,22%
Outros 97.999 194 90.152 1.112 98.193 91.264 -7,06%
Total 1.794.327 513.798 1.751.055 582.735 2.585.740 2.333.790 1,11%

Tabela: Total de operações da aviação civil.


Table: Total civil aviation operations.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
63

OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO CIVIL POR AERÓDROMO


2017 – 2018 (PRIMEIRO TRIMESTRE)
CIVIL AVIATION OPERATIONS BY AERODROME 2017 – 2018 (FIRST QUARTER)

2017 2018

Aeródromo Aviação Comercial Aviação Geral Aviação Comercial Aviação Geral Total 2017 Total 2018 %

SBGR Guarulhos 62.094 3.237 67.058 4.130 65.331 71.188 8,97%


SBSP Congonhas 43.649 9.877 44.072 11.838 53.526 55.910 4,45%
SBBR Presidente Juscelino Kubitschek 31.654 4.369 32.865 3.957 36.023 36.822 2,22%
SBGL Galeão - Antônio Carlos Jobim 29.327 1.415 28.946 1.429 30.742 30.375 -1,19%
SBRJ Santos Dumont 22.665 5.573 22.268 6.212 28.238 28.480 0,86%
SBKP Viracopos 28.122 1.060 25.039 1.297 29.182 26.336 -9,75%
SBCF Tancredo Neves 24.280 358 24.753 401 24.638 25.154 2,09%
SBPA Salgado Filho 16.187 3.245 16.702 3.625 19.432 20.327 4,61%
SBSV Deputado Luís Eduardo Magalhães 15.593 4.377 16.260 5.311 19.970 21.571 8,02%
SBMT Marte N/I 17.629 N/I 19.882 17.629 19.882 12,78%
SBJR Jacarepaguá N/I 20.643 N/I 21.111 20.643 21.111 2,27%
SBRF Guararapes Gilberto Freyre 15.236 2.506 17.101 2.518 17.742 19.619 10,58%
SBCT Afonso Pena 16.099 1.778 14.530 1.947 17.877 16.477 -7,83%
SBGO Santa Genoveva 7.330 8.483 7.394 8.971 15.813 16.365 3,49%
SBFZ Pinto Martins 10.760 2.436 10.522 2.596 13.196 13.118 -0,59%
SBVT Goiabeiras 6.680 4.856 6.177 5.067 11.536 11.244 -2,53%
SBFL Hercílio Luz 8.671 4.084 9.335 4.153 12.755 13.488 5,75%
SBBH Pampulha - Carlos Drummond de Andrade 396 8.370 558 8.160 8.766 8.718 -0,55%
SBEG Eduardo Gomes 6.521 2.598 6.403 2.783 9.119 9.186 0,73%
SBBE Val de Cans 7.795 1.956 6.977 2.003 9.751 8.980 -7,91%
SBRP Leite Lopes 4.272 3.354 3.932 3.424 7.626 7.356 -3,54%
SBNF Ministro Victor Konder 3.107 4.671 4.391 5.528 7.778 9.919 27,53%
SBUL Ten. - Cel. Av. César Bombonato 2.825 4.132 2.747 4.022 6.957 6.769 -2,70%
SBLO Londrina 2.481 4.792 2.343 4.830 7.273 7.173 -1,37%
SBCY Marechal Rondon 7.198 N/I 7.032 N/I 7.198 7.032 -2,31%
SBFI Cataratas 4.358 984 4.506 1.081 5.342 5.587 4,59%
SBSJ Professor Urbano Ernesto Stumpf 11 4.952 14 5.200 4.963 5.214 5,06%
SBSL Marechal Cunha Machado 4.015 952 3.583 1.034 4.967 4.617 -7,05%
SBCG Campo Grande 3.225 1.122 3.459 1.182 4.347 4.641 6,76%
SBMO Zumbi dos Palmares 4.070 646 4.151 704 4.716 4.855 2,95%
SBSG Governador Aluizio Alves 5.028 N/I 4.671 N/I 5.028 4.671 -7,10%
SBPS Porto Seguro 3.623 N/I 4.017 N/I 3.623 4.017 10,87%
SBPJ Brigadeiro Lysias Rodrigues 1.559 1.265 1.708 1.256 2.824 2.964 4,96%
SBJP Presidente Castro Pinto 2.888 N/I 2.732 N/I 2.888 2.732 -5,40%
SBTE Senador Petrônio Portela 2.836 N/I 2.382 N/I 2.836 2.382 -16,01%
SBJV Lauro Carneiro de Loyola 1.303 1.303 1.252 928 2.606 2.180 -16,35%
SBAR Santa Maria 2.614 N/I 2.300 N/I 2.614 2.300 -12,01%
SBSR São José do Rio Preto 2.021 N/I 2.094 N/I 2.021 2.094 3,61%
SBPV Governador Jorge Teixeira de Oliveira 2.270 N/I 1.821 N/I 2.270 1.821 -19,78%
SBMG Regional de Maringá - Sílvio Name Júnior 1.900 N/I 1.854 N/I 1.900 1.854 -2,42%
SBUR Uberaba 427 876 222 1.068 1.303 1.290 -1,00%
SBJU Orlando Bezerra de Menezes 1.498 N/I 1.481 N/I 1.498 1.481 -1,13%
SBIL Bahia - Jorge Amado 1.588 N/I 1.589 N/I 1.588 1.589 0,06%
SBSN Santarém 1.509 N/I 1.412 N/I 1.509 1.412 -6,43%
SBQV Vitória da Conquista 1.118 N/I 1.176 N/I 1.118 1.176 5,19%
Outros 23.534 789 21.360 85 24.323 21.445 -11,83%
Total 444.337 138.688 445.189 147.733 583.025 592.922 1,70%

Tabela: Total de operações da aviação civil no primeiro trimestre.


Table: Total civil aviation operations in the first quarter.

ANÁLISE DOS 5 PRINCIPAIS AEROPORTOS PARA A


AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA
ANALYSIS OF THE 5 BUSIEST AIRPORTS FOR BRAZILIAN CIVIL AVIATION
64 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

SBGR – AEROPORTO DE GUARULHOS


SBGR - GUARULHOS AIRPORT

SBGR PARTICIPAÇÃO NAS OPERAÇÕES


Localização | Localization CHARACTERISTICS OF CIVIL AVIATION OPERATIONS
São Paulo - SP
6%

Aviação Comercial
Commercial Aviation

Aviação Geral
General Aviation
94%

Gráfico: Participação nas operações de aviação civil.


OPERAÇÕES
Chart: Participation in Civil Aviation Operations.
FLIGHTS

Aviação Geral Aviação Comercial


General Aviation Commercial Aviation

15.812 251.523 TOTAL DE OPERAÇÕES NO ANO


TOTAL OPERATIONS IN THE YEAR

1.236 1.406
999 1.214 1.491 1.645 1.537
1.247 1.286 1.382
1.378
991

22.994
AERÓDROMOS CONECTADOS 22.070
18.987
21.037
19.116 20.257 19.724
22.449 21.726 20.758 21.337 21.068

AIRPORTS CONNECTED

Aviação Geral Aviação Comercial


General Aviation Commercial Aviation Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

720 149
Aviação Comercial Aviação Geral
Commercial Aviation General Aviation

Gráfico: Total de operações por mês.


Chart: Total operations per month.

ORIGEM E DESTINO DAS OPERAÇÕES


PASSAGEIROS* ORIGIN AND DESTINATION OF OPERATIONS
PASSENGERS*

37.443.811
70.426 918

Nacional
Domestic Nacional
Domestic
Internacional
International Internacional
International

CARGA* 181.097 14.702


CARGO*
Gráfico: Natureza das operações de aviação comercial. Gráfico: Natureza das operações de aviação geral.
506.457.508 Chart: Domestic and International Commercial Aviation Chart: Domestic and International General Aviation
Operations. Operations.

*Somente aviação comercial


Commercial aviation only
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
65

OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO COMERCIAL


COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS

OPERAÇÃO DA AVIAÇÃO COMERCIAL POR OPERAÇÃO DA AVIAÇÃO COMERCIAL POR


COMPANHIA AÉREA AERONAVE
COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS BY AIRLINES COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS BY AIRCRAFT

19%
29% 25% 26%
2% LATAM AIRLINES BRASIL
GOL
8% AVIANCA
AZUL
6%
PASSAREDO
15%
OUTRAS 24% A320 B737
27% 7% A321 E190
12% B738 Outros

Gráfico: Operações de aviação comercial porcompanhia aérea. Gráfico: Operações de aviação comercial por equipamento.
Chart: Commercial Aviation Operations by airlines. Chart: Commercial Aviation Operations by aircraft.

OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO GERAL


GENERAL AVIATION OPERATIONS

TIPO DE AERONAVE DA AVIAÇÃO GERAL


TYPE OF GENERAL AVIATION AIRCRAFT

2015*
2016*
5.381 7.285
5.755 5.737 6.174 2017*
5.376

2.846 2.632 2.667

435 487 471

Jato Helicóptero Turboélice Avião Convencional


Jet Helicopter Turboprop Conventional Aircraft

Gráfico: Operação de aviação geral por tipo de aeronave.


Chart: General Aviation operations by aircraft type.

CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO DA AVIAÇÃO GERAL


GENERAL AVIATION USE CATEGORY

2015**
2016**
9.229 7.959 8.651 2017**

3.735 3.731 4.266


1.525
689 796
62 24 46
Serviço Aéreo Privado Táxi-Aéreo Outros Administração Direta Estadual
Private Air Service Air taxi Others State Direct Administration

Gráfico: Operação de aviação geral por categoria de utilização.


Chart: General Aviation operations by usage category.

*34 aeronaves sem indicação de tipo de aeronave em 2015, 26 1.753 aeronaves sem indicação de categoria de uitlização em 2016 e
aeronaves sem indicação de tipo de aeronave em 2016 e 5 aenaves sem 1.324 aeronaves sem indicação de categoria de utilização em 2017.
indicação de tipo de aeronave em 2017. **1,529 aircraft without usage category indicated in 2015, 1,753 aircraft
*34 aircraft without type indication in 2015, 26 aircraft without type without usage category indicated in 2016 and 1,324 aircraft without
indication in 2016 and 5 aircraft without t ype indication in 2017. usage category indicated in 2017.
**1.529 aeronaves sem indicação de categoria de utilização em 2015,
66 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

TOTAL DE OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO COMERCIAL


NO PRIMEIRO TRIMESTRE
TOTAL COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS IN THE FIRST QUARTER

2017
23.958
22.070 22.743 2018
20.357 21.037
18.987

Jan Fev Mar

Gráfico: Operação da aviação comercial no primeiro trimestre.


Chart: Commercial aviation operations in the first quarter.

TOTAL DE OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO GERAL NO


PRIMEIRO TRIMESTRE
TOTAL GENERAL AVIATION OPERATIONS IN THE FIRST QUARTER

1.499
1.347
1.284 1.247 2017
2018
999 991

Jan Fev Mar

Gráfico: Operação da aviação geral no primeiro trimestre.


Chart: General aviation operations in the first quarter.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
67

SBSP – AEROPORTO DE CONGONHAS


SBSP – CONGANHAS AIRPORT

SBSP PARTICIPAÇÃO NAS OPERAÇÕES


Localização | Localization CHARACTERISTICS OF CIVIL AVIATION OPERATIONS

São Paulo - SP
21%
Aviação Comercial
Commercial Aviation

Aviação Geral
General Aviation

79%

Gráfico: Participação nas operações de aviação civil.


OPERAÇÕES Chart: Participation in Civil Aviation Operations.
FLIGHTS

Aviação Geral Aviação Comercial


General Aviation Commercial Aviation

45.857 175.508 TOTAL DE OPERAÇÕES NO ANO


TOTAL OPERATIONS IN THE YEAR

3.897 4.263 4.389 4.387 4.469


2.794 3.596 3.216 4.214
3.745 3.701
3.186

AERÓDROMOS CONECTADOS 15.105


13.232
15.312
13.948 14.762 13.730
15.337 15.122 14.438 14.947 14.467 15.108

AIRPORTS CONNECTED

Aviação Geral Aviação Comercial Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
General Aviation Commercial Aviation
Aviação Comercial Aviação Geral
827 52 Commercial Aviation General Aviation

Gráfico: Total de operações por mês.


Chart: Total operations per month.

ORIGEM E DESTINO DAS OPERAÇÕES


PASSAGEIROS* ORIGIN AND DESTINATION OF OPERATIONS
PASSENGERS*

21.599.298
0% 0%
Nacional
Domestic Nacional
Domestic
Internacional
Internacional
International International
100% 100%
CARGA*
CARGO* Gráfico: Natureza das operações de aviação comercial. Gráfico: Natureza das operações de aviação geral.
55.654.824 Chart: Domestic and International Commercial Aviation Chart: Domestic and International General Aviation
Operations. Operations.

*Somente aviação comercial


Commercial aviation only
68 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO COMERCIAL


COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS

OPERAÇÃO DA AVIAÇÃO COMERCIAL POR OPERAÇÃO DA AVIAÇÃO COMERCIAL POR


COMPANHIA AÉREA AERONAVE
COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS BY AIRLINES COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS BY AIRCRAFT

1% 2%
5% 4%

8%
LATAM AIRLINES BRASIL
GOL 25%
AVIANCA 42%
AZUL B737 A320
44% A319 E190
43% A343 Outros
26%

Gráfico: Operações de aviação comercial porcompanhia aérea. Gráfico: Operações de aviação comercial por equipamento.
Chart: Commercial Aviation Operations by airlines. Chart: Commercial Aviation Operations by aircraft.

OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO GERAL


GENERAL AVIATION OPERATIONS

TIPO DE AERONAVE DA AVIAÇÃO GERAL


TYPE OF GENERAL AVIATION AIRCRAFT

2015*
20.178 2016*
18.321 16.646
2017*
19.350 11.916
13.473
6.128 6.372 7.630
968 1.085 1.354

Jato Helicóptero Turboélice Avião Convencional


Jet Helicopter Turboprop Conventional Aircraft

Gráfico: Operação de aviação geral por tipo de aeronave.


Chart: General Aviation operations by aircraft type.

CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO DA AVIAÇÃO GERAL


GENERAL AVIATION USE CATEGORY

2015**
2016**
2017**
31.411 29.613 34.338

7.032 6.706 8.022


865 889 2.701 268 155 273
Serviço Aéreo Privado Táxi-Aéreo Outros Administração Direta Estadual
Private Air Service Air taxi Others State Direct Administration

Gráfico: Operação de aviação geral por categoria de utilização.


Chart: General Aviation operations by usage category.

*19 aeronaves sem indicação de tipo de aeronave em 2015, 59 aeronaves sem indicação sem indicação de categoria de uitlização em 2016 e 523 aeronaves sem indicação de
de tipo de aeronave em 2016 e 49 aeronaves sem indicação de tipo de aeronave em 2017. categoria de uitlização em 2017.
*19 aircraft without type indication in 2015, 59 aircraft without type indication in 2016 **362 aircraft without usage category indicated in 2015, 390 aircraft without usage
and 49 aircraft without type indication in 2017. category indicated in 2016 and 523 aircraft without usage category indicated in 2017.
**362 aeronaves sem indicação de categoria de utilização em 2015, 390 aeronaves
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
69

TOTAL DE OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO COMERCIAL


NO PRIMEIRO TRIMESTRE
TOTAL COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS IN THE FIRST QUARTER

15.518
15.312 2017
15.105 15.029
2018

13.525
13.232

Jan Fev Mar

Gráfico: Operação da aviação comercial no primeiro trimestre.


Chart: Commercial aviation operations in the first quarter.

TOTAL DE OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO GERAL NO


PRIMEIRO TRIMESTRE
TOTAL GENERAL AVIATION OPERATIONS IN THE FIRST QUARTER

4.571
3.897 2017
3.770
3.497 2018
3.186
2.794

Jan Fev Mar

Gráfico: Operação da aviação geral no primeiro trimestre.


Chart: General aviation operations in the first quarter.
70 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

SBBR – AEROPORTO PRESIDENTE JUSCELINO


KUBITSCHEK
SBBR – PRESIDENT JUSCELINO KUBITSCHEK AIRPORT

SBBR PARTICIPAÇÃO NAS OPERAÇÕES


Localização | Localization
CHARACTERISTICS OF CIVIL AVIATION OPERATIONS
Brasília - DF
13%
Aviação Comercial
Commercial Aviation

Aviação Geral
General Aviation
87%

OPERAÇÕES Gráfico: Participação nas operações de aviação civil.


FLIGHTS Chart: Participation in Civil Aviation Operations.

Aviação Geral Aviação Comercial


General Aviation Commercial Aviation

19.435 127.727 TOTAL DE OPERAÇÕES NO ANO


TOTAL OPERATIONS IN THE YEAR

1.879 1.602
1.770 1.442 1.826 1.564
1.229 1.654 1.804
1.656
1.639
1.370

AERÓDROMOS CONECTADOS 11.123


9.685
10.846
9.669
10.700 10.161
11.060 11.263
10.439 10.872 10.770 11.139

AIRPORTS CONNECTED

Aviação Geral Aviação Comercial


General Aviation Commercial Aviation Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

525 72
Aviação Comercial Aviação Geral
Commercial Aviation General Aviation

Gráfico: Total de operações por mês.


Chart: Total operations per month.

ORIGEM E DESTINO DAS OPERAÇÕES


PASSAGEIROS* ORIGIN AND DESTINATION OF OPERATIONS
PASSENGERS*

16.710.017
2%
0%

Nacional
Nacional Domestic
Domestic

Internacional Internacional
International
International
98% 100%
CARGA*
CARGO*
Gráfico: Natureza das operações de aviação comercial. Gráfico: Natureza das operações de aviação geral.
66.003.107 Chart: Domestic and International Commercial Aviation Chart: Domestic and International General Aviation
Operations. Operations.

*Somente aviação comercial


Commercial aviation only
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
71

OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO COMERCIAL


COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS

OPERAÇÃO DA AVIAÇÃO COMERCIAL POR OPERAÇÃO DA AVIAÇÃO COMERCIAL POR


COMPANHIA AÉREA AERONAVE
COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS BY AIRLINES COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS BY AIRCRAFT

7%
21% 5%
LATAM AIRLINES BRASIL
8%
GOL 42%
52% AVIANCA 10%
15%
AZUL
PASSAREDO A320 B737
8% A319 A321
OUTRAS 28%
E190 Outros
1% 3%

Gráfico: Operações de aviação comercial porcompanhia aérea. Gráfico: Operações de aviação comercial por equipamento.
Chart: Commercial Aviation Operations by airlines. Chart: Commercial Aviation Operations by aircraft.

OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO GERAL


GENERAL AVIATION OPERATIONS

TIPO DE AERONAVE DA AVIAÇÃO GERAL


TYPE OF GENERAL AVIATION AIRCRAFT

2015*
2016*
2017*
7.887
7.004 6.616
4.993 5.272 5.099 4.961
3.996 4.349 3.835
3.090 2.843

Jato Helicóptero Turboélice Avião Convencional


Jet Helicopter Turboprop Conventional Aircraft

Gráfico: Operação de aviação geral por tipo de aeronave.


Chart: General Aviation operations by aircraft type.

CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO DA AVIAÇÃO GERAL


GENERAL AVIATION USE CATEGORY

2015**
2016**
12.341 2017**
10.291 9.984

4.940
2.640 3.745 3.588 3.445 2.834
1.990 1.842 1.426

Serviço Aéreo Privado Outros Táxi-Aéreo Multipla Categoria SAE


Private Air Service Others Air taxi Multiple Category

Gráfico: Operação de aviação geral por categoria de utilização.


Chart: General Aviation operations by usage category.

*22 aeronaves sem indicação de tipo de aeronave em 2015, 43 aeronaves sem indicação indicação de categoria de uitlização em 2016 e 251 aeronaves sem indicação de categoria
de tipo de aeronave em 2016 e 22 aeronaves sem indicação de tipo de aeronave em 2017. de uitlização em 2017.
*22 aircraft without type indication in 2015, 43 aircraft without type indication in 2016 **453 aircraft without usage category indicated in 2015, 262 aircraft without usage
and 22 aircraft without type indication in 2017. category indicated in 2016 and 251 aircraft without usage category indicated in 2017.
**453 aeronaves sem indicação de categoria de utilização em 2015, 262 aeronaves sem
72 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

TOTAL DE OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO COMERCIAL


NO PRIMEIRO TRIMESTRE
TOTAL COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS IN THE FIRST QUARTER

11.711
11.123 10.846 11.161
9.685 9.993

2017
2018

Jan Fev Mar

Gráfico: Operação da aviação comercial no primeiro trimestre.


Chart: Commercial aviation operations in the first quarter.

TOTAL DE OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO GERAL NO


PRIMEIRO TRIMESTRE
TOTAL GENERAL AVIATION OPERATIONS IN THE FIRST QUARTER

1.770
1.659 2017
2018
1.370
1.229 1.202
1.096

Jan Fev Mar

Gráfico: Operação da aviação geral no primeiro trimestre.


Chart: General aviation operations in the first quarter.

JK6
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
73

SBGL – AEROPORTO TOM JOBIM - GALEÃO


SBGL – TOM JOBIM -GALEÃO AIRPORT

PARTICIPAÇÃO NAS OPERAÇÕES


SBGL
CHARACTERISTICS OF CIVIL AVIATION OPERATIONS
Localização | Localization
Rio de Janeiro - RJ 5%

Aviação Comercial
Commercial Aviation

Aviação Geral
General Aviation

95%
Gráfico: Participação nas operações de aviação civil.
OPERAÇÕES Chart: Participation in Civil Aviation Operations.
FLIGHTS

Aviação Geral Aviação Comercial


General Aviation Commercial Aviation

5.954 114.811 TOTAL DE OPERAÇÕES NO ANO


TOTAL OPERATIONS IN THE YEAR

449
479 541
515 565 513 509 455
400
451 552 525

10.611 10.242
9.944
AERÓDROMOS CONECTADOS 9.016
9.700
8.863 9.305 8.970
9.687 9.441 9.556 9.476

AIRPORTS CONNECTED

Aviação Geral Aviação Comercial


Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
General Aviation Commercial Aviation

383 122
Aviação Comercial Aviação Geral
Commercial Aviation General Aviation

Gráfico: Total de operações por mês.


Chart: Total operations per month.

ORIGEM E DESTINO DAS OPERAÇÕES


PASSAGEIROS* ORIGIN AND DESTINATION OF OPERATIONS
PASSENGERS*

16.090.611
6%
21%
Nacional
Domestic Nacional
Domestic
Internacional
International Internacional
International
79% 94%
CARGA*
CARGO*
Gráfico: Natureza das operações de aviação comercial. Gráfico: Natureza das operações de aviação geral.
99.102.452 Chart: Domestic and International Commercial Aviation Chart: Domestic and International General Aviation
Operations. Operations.

*Somente aviação comercial


Commercial aviation only
74 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO COMERCIAL


COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS

OPERAÇÃO DA AVIAÇÃO COMERCIAL POR OPERAÇÃO DA AVIAÇÃO COMERCIAL POR


COMPANHIA AÉREA AERONAVE
COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS BY AIRLINES COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS BY AIRCRAFT

2% 14% 15%

4%
4% 39%
42% GOL 5%

13% LATAM AIRLINES BRASIL 8%


AVIANCA B737 A320
AZUL A321 B738
25% AEROLINEAS ARGENTINAS 29% E190 Outros
Outros

Gráfico: Operações de aviação comercial porcompanhia aérea. Gráfico: Operações de aviação comercial por equipamento.
Chart: Commercial Aviation Operations by airlines. Chart: Commercial Aviation Operations by aircraft.

OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO GERAL


GENERAL AVIATION OPERATIONS

TIPO DE AERONAVE DA AVIAÇÃO GERAL


TYPE OF GENERAL AVIATION AIRCRAFT

2015*
2016*
3.073 3.059 2017*
2.361 2.510
1.517 1.325
861 689 832 579 280 226

Jato Helicóptero Turboélice Avião Convencional


Jet Helicopter Turboprop Conventional Aircraft

Gráfico: Operação de aviação geral por tipo de aeronave.


Chart: General Aviation operations by aircraft type.

CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO DA AVIAÇÃO GERAL


GENERAL AVIATION USE CATEGORY

2015**
3.206 2016**
2.597 2.913 2017**
1.737 1.688 1.631
721
282 311 188 37 100
Serviço Aéreo Privado Táxi-Aéreo Outros Instrução
Private Air Service Air taxi Others Instruction

Gráfico: Operação de aviação geral por categoria de utilização.


Chart: General Aviation operations by usage category.

*21 aeronaves sem indicação de tipo de aeronave em 2015, 15 aeronaves sem indicação **638 aeronaves sem indicação de categoria de utilização em 2015, 735 aeronaves sem
de tipo de aeronave em 2016 e 25 aeronaves sem indicação de tipo de aeronave em 2017. indicação de categoria de uitlização em 2016 e 589 aeronaves sem indicação de categoria
*21 aircraft without type indication in 2015, 15 aircraft without type indication in 2016 de uitlização em 2017.
and 25 aircraft without type indication in 2017. **638 aircraft without usage category indicated in 2015, 735 aircraft without usage
category indicated in 2016 and 589 aircraft without usage category indicated in 2017.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
75

TOTAL DE OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO COMERCIAL


NO PRIMEIRO TRIMESTRE
TOTAL COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS IN THE FIRST QUARTER

2017
10.611 10.638
2018

9.700

9.129 9.179
9.016

Jan Fev Mar


Gráfico: Operação da aviação comercial no primeiro trimestre.
Chart: Commercial aviation operations in the first quarter.

TOTAL DE OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO GERAL NO


PRIMEIRO TRIMESTRE
TOTAL GENERAL AVIATION OPERATIONS IN THE FIRST QUARTER

2017
515 2018
506
486

449 451
437

Jan Fev Mar

Gráfico: Operação da aviação geral no primeiro trimestre.


Chart: General aviation operations in the first quarter.

AI_Imageeeeee
76 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

SBRJ – AEROPORTO SANTOS DUMONT


SBRJ – SANTOS DUMONT AIRPORT

PARTICIPAÇÃO NAS OPERAÇÕES


SBRJ
CHARACTERISTICS OF CIVIL AVIATION OPERATIONS
Localização | Localization
Rio de Janeiro - RJ
19%
Aviação Comercial
Commercial Aviation

Aviação Geral
General Aviation

81%

Gráfico: Participação nas operações de aviação civil.


OPERAÇÕES Chart: Participation in Civil Aviation Operations.
FLIGHTS

Aviação Geral Aviação Comercial


General Aviation Commercial Aviation

22.102 92.816 TOTAL DE OPERAÇÕES NO ANO


TOTAL OPERATIONS IN THE YEAR

1.802 1.922 1.679 2.089


1.849 1.879 1.746 2.009 1.793
1.805 1.686 1.843

AERÓDROMOS CONECTADOS 8.063 7.670 8.166 7.611 7.760 7.589 8.043 7.471 7.606 7.732 7.436 7.669

AIRPORTS CONNECTED

Aviação Geral Aviação Comercial Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
General Aviation Commercial Aviation

434 41
Aviação Comercial Aviação Geral
Commercial Aviation General Aviation

Gráfico: Total de operações por mês.


Chart: Total operations per month.

ORIGEM E DESTINO DAS OPERAÇÕES


PASSAGEIROS* ORIGIN AND DESTINATION OF OPERATIONS
PASSENGERS*

9.167.350
0% 0%

Nacional Nacional
Domestic Domestic

Internacional Internacional
International International
100% 100%
CARGA*
CARGO*
Gráfico: Natureza das operações de aviação comercial. Gráfico: Natureza das operações de aviação geral.
7.407.464 Chart: Domestic and International Commercial Aviation Chart: Domestic and International General Aviation
Operations. Operations.

*Somente aviação comercial


Commercial aviation only
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
77

OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO COMERCIAL


COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS

OPERAÇÃO DA AVIAÇÃO COMERCIAL POR OPERAÇÃO DA AVIAÇÃO COMERCIAL POR


COMPANHIA AÉREA AERONAVE
COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS BY AIRLINES COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS BY AIRCRAFT

1% 3%
3%
2%

12%
GOL
34% 34%
AZUL 24%

25% LATAM AIRLINES BRASIL


A319 B737
AVIANCA
E190 AT72
PASSAREDO A318 Outros
28% 34%

Gráfico: Operações de aviação comercial porcompanhia aérea. Gráfico: Operações de aviação comercial por equipamento.
Chart: Commercial Aviation Operations by airlines. Chart: Commercial Aviation Operations by aircraft.

OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO GERAL


GENERAL AVIATION OPERATIONS

TIPO DE AERONAVE DA AVIAÇÃO GERAL


TYPE OF GENERAL AVIATION AIRCRAFT

2015*
2016*
13.646
2017*

5.926 5.587 5.024 6.612


4.482
1.610 1.539 1.504 1.566 1.319 1.880

Jato Helicóptero Turboélice Avião Convencional


Jet Helicopter Turboprop Conventional Aircraft

Gráfico: Operação de aviação geral por tipo de aeronave.


Chart: General Aviation operations by aircraft type.

CATEGORIA DE UTILIZAÇÃO DA AVIAÇÃO GERAL


GENERAL AVIATION USE CATEGORY

2015**
2016**
12.301
2017**
9.586
8.200

4.548
3.599 4.128 3.888
855 776 1.605
632 277
Serviço Aéreo Privado Táxi-Aéreo Outros Instrução
Private Air Service Air taxi Others Instruction

Gráfico: Operação de aviação geral por categoria de utilização.


Chart: General Aviation operations by usage category.

*3 aeronaves sem indicação de tipo de aeronave em 2015, 2 aeronaves sem indicação de **95 aeronaves sem indicação de categoria de utilização em 2015, 77 aeronaves sem
tipo de aeronave em 2016 e 48 aeronaves sem indicação de tipo de aeronave em 2017. indicação de categoria de uitlização em 2016 and 180 aeronaves sem indicação de
*3 aircraft without type indication in 2015, 2 aircraft without type indication in 2016 and categoria de uitlização em 2017.
48 aircraft without type indication in 2017. **95 aircraft without usage category indicated in 2015, 77 aircraft without usage category
indicated in 2016 and 180 aircraft without usage category indicated in 2017.
78 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

TOTAL DE OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO COMERCIAL


NO PRIMEIRO TRIMESTRE
TOTAL COMMERCIAL AVIATION OPERATIONS IN THE FIRST QUARTER

8.166 2017
8.063 2018

7.714 7.670 7.680

6.874

Jan Fev Mar

Gráfico: Operação da aviação comercial no primeiro trimestre.


Chart: Commercial aviation operations in the first quarter.

TOTAL DE OPERAÇÕES DA AVIAÇÃO GERAL NO


PRIMEIRO TRIMESTRE
TOTAL GENERAL AVIATION OPERATIONS IN THE FIRST QUARTER

2.266
2017
1.956 1.990 1.922 2018
1.802 1.849

Jan Fev Mar

Gráfico: Operação da aviação geral no primeiro trimestre.


Chart: General aviation operations in the first quarter.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
79

ANEXOS
APPENDIX
80 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

ANEXO I
APPENDIX I

Empresas Descrição produtos


Companies Product Description
Peças, partes, acessórios, conjuntos e subconjuntos para aeronaves.
A S AVIONICS SERVICES LTDA
Parts, accessories, assemblies and subassemblies for aircraft.
Instrumentos de navegação.
AEL SISTEMAS S.A
Navigation instruments.
Peças, conjuntos e subconjuntos estruturais de aeronaves.
AERNNOVA AEROSPACE DO BRASIL LTDA
Structural components, assemblies and subassemblies of aircraft.
Proteção balis�cas para aeronaves.
AEROTRON INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA
Ballistic protection for aircraft.
Conjunto mangueiras, suas partes e acessórios para aeronaves.
AGS AEROHOSES S/A
Hose assembly, parts and fittings for aircraft.
Prestação de serviço de projeto de engenharia.
AKAER ENGENHARIA LTDA
Provision of engineering project service.
Fabricação de material composto.
ALLTEC INDUSTRIA DE COMPONENTES
Manufacture of composite materials.
Fabricante de �ntas.
ANATIN TINTAS LTDA
Manufacturer of paints.
Ferramental de apoio.
ANODIZAR
Tooling Services.
Material de acabamento.
ARGENTAUREOS
Finishing materials.
Prestação de serviço de projeto de engenharia.
ATECH - NEGOCIOS EM TÉCNOLOGIA
Provision of engineering project service.
Fabricação de material composto.
BCA TEXTIL LTDA
Manufacture of composite materials.
Peças, conjuntos e subconjuntos estruturais de aeronaves.
BETEL
Structural components, assemblies and subassemblies of aircraft.
Ferramental de apoio.
BMD - INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA
Tooling Services.
Ferramental de apoio.
BRASIMET
Tooling Services.
Fabricação de embalagens para transporte de produtos perigosos em aeronaves.
CBC – Companhia Brasileira de Cartuchos
Manufacture of packaging for hazardous material transport in aircraft.
Fabricação de embalagens para transporte de produtos perigosos em aeronaves.
CONCEPTA DG Compliance
Manufacture of packaging for hazardous material transport in aircraft.
Peças, conjuntos e subconjuntos estruturais de aeronaves.
DIGICON
Structural components, assemblies and subassemblies of aircraft.
Peças usinadas para aeronaves.
EACIAL EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS INDUSTRIAIS
Machined parts for aircraft.
Peças estruturais, componentes hidráulicos e mecânicos para trens de pouso e controle de sistemas de vôo de aeronaves.
ELEB EQUIPAMENTOS LTDA
Structural parts, hydraulic and mechanical components for landing gear and control of aircraft flight systems.
Fabricação de aeronaves e de suas respec�vas peças de modificação e/ou reposição.
EMBRAER S.A
Manufacture of aircraft and their respective modification and / or spare parts.
Fabricação de conjuntos aeromédicos e respec�vos componentes.
EQUIPAER INDÚSTRIA AERONAÚTICA
Manufacture of aeromedical suits and their respective components.
Fabricação de capacetes / equipamentos de comunicação.
ESRA ENGENHARIA
Manufacture of helmets / communication equipment.
Peças usinadas para aeronaves.
FASTWORK
Machined parts for aircraft.
Peças usinadas para aeronaves.
FEROSÃO IND. E COM. DE FERRAMENTAIS
Machined parts for aircraft.
Peças usinadas para aeronaves.
FINETORNOS
Machined parts for aircraft.
Partes, peças, produtos químicos, �ntas e lubrificantes para aeronaves.
FIRST WAVE BRASIL INDÚSTRIA AERONÁUTICA LTDA
Parts, chemicals, paints and lubricants for aircraft.
Peças usinadas para aeronaves.
FRIULI AEROESPACIAL LTDA
Machined parts for aircraft.
Ferramental de apoio.
GALVANOBRAS
Tooling Services.
Peças usinadas para aeronaves.
GIOVANNI PASSARELLA IND. MET. LTDA
Machined parts for aircraft.
Peças usinadas para aeronaves.
GLOBO USINAGEM
Machined parts for aircraft.
Peças usinadas para aeronaves.
GLOBO BOT
Machined parts for aircraft.
Peças usinadas para aeronaves.
GMP MARCATTO
Machined parts for aircraft.
Peças usinadas para aeronaves.
GMP MARCATTO LASER
Machined parts for aircraft.
Ferramental de apoio / usinagem de produto aeronáu�co.
GNS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA
Tooling services / machining of aeronautical product.
Peças usinadas para aeronaves.
GRAUNA AEROSPACE
Machined parts for aircraft.
Fabricação de embalagens para transporte de produtos perigosos em aeronaves.
GREIF - Embalagens Industriais do Brasil
Manufacture of packaging for hazardous material transport in aircraft.
Ferramental de apoio.
METALÚRGICA GUAPORÉ
Tooling Services.

Montagem de helicópteros, fabricação e instalação de peças de helicópteros e modificações do projeto de �po de helicópteros.
HELIBRAS - AIRBUS HELICOPTERS
Assembly of helicopters, manufacture and installation of helicopter parts and modifications of the type design of helicopters.

Produtos químicos.
HENKEL LTDA
Chemicals.
Peças, partes, acessórios, conjuntos e subconjuntos para aeronaves.
HORIZON ARTEFATOS DE BORRACHA LTDA
Fabricação de embalagens para transporte de produtos perigosos em aeronaves.
GREIF - Embalagens Industriais do Brasil
Manufacture of packaging for hazardous material transport in aircraft.
Ferramental de apoio.
METALÚRGICA GUAPORÉ
INSTITUTO
81
Tooling Services.
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
Montagem de helicópteros, fabricação e instalação de peças de helicópteros e modificações do projeto de �po de helicópteros.
HELIBRAS - AIRBUS HELICOPTERS
Assembly of helicopters, manufacture and installation of helicopter parts and modifications of the type design of helicopters.

Produtos químicos.
HENKEL LTDA
Chemicals.
Peças, partes, acessórios, conjuntos e subconjuntos para aeronaves.
HORIZON ARTEFATOS DE BORRACHA LTDA
Parts, accessories, assemblies and subassemblies for aircraft.
Fabricação de plataformas de montagem - ferramental de apoio.
HUMBERTO MANCILHA DIAS & CIA LTDA
Manufacture of assembly platforms - tooling services.
Peças usinadas para aeronaves.
ICAPE INDÚSTRIA CAMPINEIRA DE PEÇAS LTDA.
Machined parts for aircraft.
Fabricação de embalagens para transporte de produtos perigosos em aeronaves.
IGARAÍ Indústria e Comércio de Embalagens
Manufacture of packaging for hazardous material transport in aircraft.
Fabricação de material composto.
INBRA AEROSPACE INDÚSTRIA
Manufacture of composite materials.
Peças usinadas para aeronaves.
INDUSPEC INDÚSTRIA E COMERCIO DE ARTEFATOS DE METAIS LTDA.
Machined parts for aircraft.
Ferramental de apoio.
INDÚSTRIA E COMÉRCIO UNISTIL LTDA
Tooling Services.
Material de acabamento.
JET STAR INTERIORES DE AERONAVES
Finishing materials.
Fabricação de embalagens para transporte de produtos perigosos em aeronaves.
JORPAN EMBALAGENS
Manufacture of packaging for hazardous material transport in aircraft.
Peças usinadas para aeronaves.
LANMAR INDÚSTRIA METALÚRGICA
Machined parts for aircraft.
Fuselagens, portas e subconjuntos aeronáu�cos.
LATECOERE DO BRASIL IND. AERONÁUTICA LTDA.
Fuselage, aeronautical doors and subassemblies.
Vedações, mantas e placas de isolamento termoacus�co para aeronaves.
LEANDRO AUGUSTO DO NASCIMENTO EPP
Thermo-acoustic insulation for aircraft.
Metalização indústrial.
LIEBHERR AEROSPACE BRASIL
Industrial metallization.
Peças usinadas para aeronaves.
LIMA & BONFA
Machined parts for aircraft.
Fabricação de embalagens para transporte de produtos perigosos em aeronaves.
MAUSER DO BRASIL EMBALAGENS INDUSTRIAIS
Manufacture of packaging for hazardous material transport in aircraft.
Peças usinadas para aeronaves.
MAGAP USINAGEM E FERRAMENTARIA LTDA
Machined parts for aircraft.
Peças usinadas para aeronaves.
MAGNAGHI FRIULI
Machined parts for aircraft.
Peças, partes, acessórios, conjuntos e subconjuntos para aeronaves.
MASSUCATO
Parts, accessories, assemblies and subassemblies for aircraft.
Ferramental de apoio.
MASTER USINAGEM DE PRECISÃO
Tooling Services.
Prestação de serviço de projeto de engenharia.
MATIS DO BRASIL CONSULTORIA
Provision of engineering project service.
Produtos químicos.
METAL CHECK DO BRASIL INDÚSTRIAL
Chemicals.
Metalização indústrial.
METINJO METALIZAÇÃO INDUSTRIAL
Industrial metallization.
Prestação de serviço de projeto de engenharia.
MIB - Materials Ins�tute of Brazil
Provision of engineering project service.
Peças, partes, acessórios, conjuntos e subconjuntos para aeronaves.
MIKRO STAMP
Parts, accessories, assemblies and subassemblies for aircraft.
Fabricação de e�quetas de iden�ficação aeronáu�ca.
MINAS SILK SCREEN LTDA
Manufacture of aeronautical identification labels.
Peças usinadas para aeronaves.
MIRAGE IND. E COM. DE PEÇAS LTDA.
Machined parts for aircraft.
Peças de materiais compostos para aeronaves.
MODETEC MODELAÇÃO LTDA
Parts of composite materials for aircraft.
Componentens e sistemas eletro-eletronicos.
NAVTEC SISTEMAS AERONÁUTICOS LTDA. EPP
Electronic components and systems.
Fabricação de embalagens para transporte de produtos perigosos em aeronaves.
NEWSUL EMBALAGENS E COMPONENTES
Manufacture of packaging for hazardous material transport in aircraft.
Fabricação de cablagem.
NSE BRASIL - AEROESPACIAL - LTDA
Manufacture of wiring harness.
Componentens e sistemas eletro-eletronicos.
OPTOVAC MECÂNICA E OPTOELETRÔNICA LTDA
Electronic components and systems.
Fabricação de e�quetas de iden�ficação aeronáu�ca.
P.R.L INDÚSTRIA E COMÉRCIO
Manufacture of aeronautical identification labels.
Peças usinadas para aeronaves.
PANMETAL
Machined parts for aircraft.
Peças usinadas para aeronaves.
PESOLA - PEÇAS USINADAS AERONÁUTICAS LTDA
Machined parts for aircraft.
Peças, partes, acessórios, conjuntos e subconjuntos para aeronaves.
PLANIFER
Parts, accessories, assemblies and subassemblies for aircraft.
Ferramental de apoio.
POL-ARTE
Tooling Services.
Peças, partes, acessórios, conjuntos e subconjuntos para aeronaves.
POLYGON AEROSPACE DO BRASIL LTDA
Parts, accessories, assemblies and subassemblies for aircraft.
Fabricante de motor / spare parts.
PRATT & WHITNEY CANADA DO BRASIL
Engine manufacturer / spare parts.
Ferramental de apoio.
PRAXAIR
Tooling Services.
Ferramental de apoio.
QUALIPEÇAS USINAGEM DE PRECISÃO LTDA
Tooling Services.
Fabricação de embalagens para transporte de produtos perigosos em aeronaves.
RAFT EMBALAGENS
Manufacture of packaging for hazardous material transport in aircraft.
Conjunto mangueiras, suas partes e acessórios para aeronaves.
RECOMINTE IND. E COM. DE PEÇAS AERONÁUTICAS LTDA
Hose assembly, parts and fittings for aircraft.
Peças, partes, acessórios, conjuntos e subconjuntos para aeronaves.
RIBFER
Parts, accessories, assemblies and subassemblies for aircraft.
Fabricação de conjuntos aeromédicos e respec�vos componentes.
RITTER CONSULTORIA E PROJETOS LTDA.
Manufacture of aeromedical suits and their respective components.
Instrumentos de navegação.
ROCKWELL COLLINS DO BRASIL LTDA
Navigation instruments.
Ferramental de apoio.
QUALIPEÇAS USINAGEM DE PRECISÃO LTDA
Tooling Services.
Fabricação de embalagens para transporte de produtos perigosos em aeronaves.
RAFT EMBALAGENS

82
Manufacture of packaging for hazardous material transport in aircraft.
• Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•
Conjunto mangueiras, suas partes e acessórios para aeronaves.
RECOMINTE IND. E COM. DE PEÇAS AERONÁUTICAS LTDA
Hose assembly, parts and fittings for aircraft.
Peças, partes, acessórios, conjuntos e subconjuntos para aeronaves.
RIBFER
Parts, accessories, assemblies and subassemblies for aircraft.
Fabricação de conjuntos aeromédicos e respec�vos componentes.
RITTER CONSULTORIA E PROJETOS LTDA.
Manufacture of aeromedical suits and their respective components.
Instrumentos de navegação.
ROCKWELL COLLINS DO BRASIL LTDA
Navigation instruments.
Componentens e sistemas eletro-eletronicos.
ROHDE & SCHWARTZ DO BRASIL LTDA
Electronic components and systems.
Prestação de serviço de projeto de engenharia.
SAFRAN SERV. DE SUPORTE DE PROG. AERONÁUTICOS LTDA
Provision of engineering project service.
Componentens e sistemas eletro-eletronicos.
SAGEM DEFESA E AERONÁUTICA LTDA
Electronic components and systems.
Peças em materiais compostos para interiores de aeronaves.
SERCO ENGENHARIA
Composite parts for aircraft interiors.
Peças, conjuntos e subconjuntos estruturais de aeronaves.
SOBRAER - SONACA BRASILEIRA AERONÁUTICA LTDA
Structural components, assemblies and subassemblies of aircraft.
Peças, conjuntos e subconjuntos estruturais de aeronaves.
SOPEÇAERO - SOBRAER PEÇAS
Structural components, assemblies and subassemblies of aircraft.
Fabricação de embalagens para transporte de produtos perigosos em aeronaves.
SLOTTER SOLUÇÕES EM EMBALAGENS
Manufacture of packaging for hazardous material transport in aircraft.
Peças usinadas para aeronaves.
STATUS
Machined parts for aircraft.
Peças usinadas para aeronaves.
STB AERONÁUTICA
Machined parts for aircraft.
Material de acabamento.
SUELI DE FÁTIMA DUARTE TREVISAN ME
Finishing materials.
Peças usinadas para aeronaves.
TAP - Manutenção e Engenharia Brasil S.A
Machined parts for aircraft.
Peças de plas�co e materiais compostos para aeronaves.
TECPLAS
Plastic parts and composite materials for aircraft.
Peças em materiais plás�cos, acrílicos, alumínio e metal para aeronaves.
TERMOPLAS TECNOLOGIA AERONÁUTICA LTDA
Parts in plastic, acrylic, aluminum and metal for aircraft.
Material de acabamento.
TEXTIL TABACOW S.A
Finishing materials.
Peças usinadas para aeronaves.
TK - AUTOMATA
Machined parts for aircraft.
Produtos químicos.
TOTAL LUBRIFICANTES DO BRASIL LTDA
Chemicals.
Peças estruturais, componentes hidráulicos e mecânicos para trens de pouso e controle de sistemas de vôo de aeronaves.
TOYO MATIC AEROSPACE LTDA
Structural parts, hydraulic and mechanical components for landing gear and control of aircraft flight systems.
Fabricante de motor / spare parts.
TURBOMECA DO BRASIL INDÚSTRIA
Engine manufacturer / spare parts.
Peças, conjuntos e subconjuntos estruturais de aeronaves.
UFT - Usinagem e Ferramentaria Tonini
Structural components, assemblies and subassemblies of aircraft.
Peças, conjuntos e subconjuntos estruturais de aeronaves.
USIMAZA
Structural components, assemblies and subassemblies of aircraft.
Ferramental de apoio.
USM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA
Tooling Services.
Peças usinadas para aeronaves.
UTEC
Machined parts for aircraft.
Material de acabamento.
VHP INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA
Finishing materials.
Peças usinadas para aeronaves.
VILLARES
Machined parts for aircraft.
Peças, partes, acessórios, conjuntos e subconjuntos para aeronaves.
WF Estrutura e Sistemas
Parts, accessories, assemblies and subassemblies for aircraft.
Peças, partes, acessórios, conjuntos e subconjuntos para aeronaves.
WINNSTAL
Parts, accessories, assemblies and subassemblies for aircraft.
Peças usinadas para aeronaves.
ZANINI RENK
Machined parts for aircraft.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
83

ANEXO II
APPENDIX II

FABRICANTE PROD. TSO FABRICANTE PROD. TSO


País País
"Ordem Técnica Padrão” "Ordem Técnica Padrão”
Country (Technical Standard Order – TSO) Country
(Technical Standard Order – TSO)

GOODYEAR BRASIL Brasil AEROANTENNA Estados Unidos


HONEYWELL Estados Unidos DB SYSTEMS Estados Unidos
UTC Estados Unidos AIR LIQUIDE França
Inglaterra DECRANE ACFT SEATING Estados Unidos
ROCKWELL COLLINS Estados Unidos MARATHON Estados Unidos
Alemanha DORNE & MARGOLIN Estados Unidos
ZODIAC AEROSPACE Estados Unidos MICROAIR Austrália
França DRAEGER Alemanha
MEGGITT Estados Unidos MITCHELL RICHMOND Estados Unidos
Reino Unido DUNLOP Inglaterra
ESSEX PB&R CORPORATION Estados Unidos NARCO Estados Unidos
MICHELIN França EAST Estados Unidos
Estados Unidos P&W Polônia
L3 Estados Unidos EASTERN Estados Unidos
KGS ELETRONICS Estados Unidos PARKER HANNIFIN Estados Unidos
S-TEC Estados Unidos EATON Estados Unidos
MPC Estados Unidos REGENT Estados Unidos
AEROSONIC LLC Estados Unidos ERDA Estados Unidos
AIR PRÉCISION França ROSEMOUNT Estados Unidos
RFD Reino Unido FENWAL Estados Unidos
AIRCRAFT BELTS Estados Unidos SAFE FLIGHT Estados Unidos
UPS Estados Unidos GARMIN Estados Unidos
AIRCRAFT BRAKING Estados Unidos SENSOR SYSTEMS Estados Unidos
ACSS Estados Unidos GLOBAL WULFSBERG Estados Unidos
AIRCRAFT MODULAR Estados Unidos SMITHS CHELTENHAM Reino Unido
PACIFIC SCIENTIFIC Estados Unidos GOODYEAR USA Estados Unidos
AM-SAFE Estados Unidos SWITLIK PARACHUTE Estados Unidos
SCHROTH Alemanha HAMILTON SUNDSTRAND Estados Unidos
ANJOU França THALES França
TRIMBLE Estados Unidos HOOVER Estados Unidos
ARTEX Estados Unidos TRIVEC Estados Unidos
WINSLOW Estados Unidos IPECO Inglaterra
ASPEN AVIONICS Estados Unidos UNIVERSAL AVIONICS Estados Unidos
LORAL Estados Unidos KANNAD França
ASTRONICS Estados Unidos AÉRAZUR França
MIDCONTINENT AVIONICS Estados Unidos ACK Estados Unidos
AVITECH Estados Unidos WHITTAKER Estados Unidos
NORTHROP Alemanha KIDDE Estados Unidos
AVOX Estados Unidos AERO SEATING Estados Unidos
POINTER Estados Unidos KOLLSMAN Estados Unidos
BAKER Estados Unidos AERONETICS Estados Unidos
RUMBOLD Inglaterra KULITE SEMICONDUTOR Estados Unidos
BRICE Estados Unidos AIR CRUISERS Estados Unidos
SICMA França ACR Estados Unidos
BRIDGESTONE Japão LOCKHEED SERVICE Estados Unidos
TELEX Estados Unidos TRUE BLUE POWER Estados Unidos
CMC Canadá COLTECH Estados Unidos
WEBER Estados Unidos CURTIS Estados Unidos
84 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

ANEXO III DETENTORES DE MODELOS COM CERTIFICADOS DE TIPO NO BRASIL


AD AEROSPACE INC. AD AEROSPACE
APPENDIX III AERO BOERO S/A AERO BOERO
AEROMOT - INDÚSTRIA MECÂNICO-METALÚRGICA LTDA. AEROMOT INDÚSTRIA
AIRBUS HELICOPTERS AIRBUS HELICOPTERS
AIRBUS HELICOPTERS DEUTSCHLAND GMBH AIRBUS HELICOPTERS GERMANY
AIRBUS SAS AIRBUS
AIRCRAFT INDUSTRIES A.S. AI
AIRSHIP DO BRASIL INDÚSTRIA E SERVIÇOS AÉREOS ESPECIALIZADOS S.A. AIRSHIP DO BRASIL
AIRTRACTOR, INC AIRTRACTOR
ALEXANDER SCHLEICHER ALEXANDER SCHLEICHER
ALEXANDER SCHLEICHER GMBH & CO, SEGELFLUGZEUGBAU A. S. - PROPELLER
ALLSTAR PZL GLIDER SP. Z O.O. ALLSTAR PZL
AMERICAN BLIMP CORPORATION AMERICAN BLIMP
ANTÔNIO BARROS ANTÔNIO BARROS
APEX AIRCRAFT APEX AIRCRAFT
ASI AVIATION ASI AVIATION
ATR - GIE AVIONS DE TRANSPORT RÉGIONAL ATR
AUSTRO ENGINE GMBH AUSTRO ENGINE GMBH
AVIA PROPELLER INC. AVIA PROPELLER
AVIAT AIRCRAFT INC. AVIAT
BALONY KUBÍCEK SPOL. S R.O. KUBICEK BALLONS
BEECHCRAFT CORPORATION BEECH
BELL HELICOPTER TEXTRON CANADA BELL CANADA
BELL HELICOPTER TEXTRON USA BELL USA
BERIEV AIRCRAFT COMPANY BERIEV
BINDER MOTORENBAU GMBH BINDER
BOEING COMPANY, THE BOEING CO.
BOMBARDIER BOMBARDIER
BRITISH AEROSPACE AIRCRAFT GROUP BRITISH AEROSPACE
BRP-POWERTRAIN GMBH & CO KG BRP-POWERTRAIN
BURKHART GROB GROB
CAMERON BALLOONS LTD CAMERON BALLOONS
CATALINA AIRCRAFT TRUST, LLC CATALINA AIRCRAFT
CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL CTA
CESSNA AIRCRAFT CO. CESSNA
CFE COMPANY CFE
CFM INTERNATIONAL S/A (GE/SNECMA) FRANCE CFM FRANCE
CHINCUL S/AC.A.I.F.I. CHINCUL
CIRRUS DESIGN CORPORATION CIRRUS
COMPANHIA NACIONAL DE NAVEGAÇÃO AÉREA CNNA
CONSOLIDATED AERONAUTICS INC. CONSOLIDATED
CONSTRUCIONES AERONAUTICAS S/A CASA
COSTRUZIONI AERONAUTICHE TECNAM S.R.L. (TECNAM) TECNAM
CPAC INC. CPAC
DAHER SOCATA SOCATA
DASSAULT AVIATION DASSAULT AVIATION
DG FLUGZEUGBAU GMBH DG FLUGZEUGBAU
DIAMOND AIRCRAFT INDUSTRIES GMBH DIAMOND GMBH
DIAMOND AIRCRAFT INDUSTRIES INC. DIAMOND INC.
DOWTY AEROSPACE GLONCESTER DOWTY AEROSPACE
EADS PZL - WARSZAWA-OKECIE - S/A EADS PZL
ECLIPSE AEROSPACE INC EAI
EIRIAVION OY EIRIAVION
EMBRAER S.A. EMBRAER SJK
ENSTROM HELICOPTER CORPORATION ENSTROM
ERICKSON AIR-CRANE INCORPORATED ERICKSON AIR-CRANE
EXTRA FLUGZEUGPRODUKTIONS-UND VERTRIEBS GMBH EXTRA
FIBERGLAS-TECHNIK RUDOLF LINDNER GMBH & CO.KG GROB / LTB-LINDNER
FOKKER SERVICES FOKKER SERVICES
GA8 AIRVAN PTY LTD GIPPSAERO
GE AVIATION CZECH S.R.O. GE CZECH
GE HONDA AERO ENGINES GE HONDA
GENERAL ELECTRIC AIRCRAFT ENGINES GENERAL ELECTRIC
GENERAL ELECTRIC COMPANY GENERAL ELECTRIC CO.
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
85

RASIL DETENTORES DE MODELOS COM CERTIFICADOS DE TIPO NO BRASIL


AD AEROSPACE GLASER-DIRKS FLUGZEUGBAU GMBH GLASER DIRKS
AERO BOERO GULFSTREAM AEROSPACE CORPORATION GULFSTREAM
AEROMOT INDÚSTRIA GULFSTREAM AEROSPACE LP GULFSTREAM LP
AIRBUS HELICOPTERS HAMILTON SUNDSTRAND CORPORATION HAMILTON SUNDSTRAND
AIRBUS HELICOPTERS GERMANY HARTZELL PROPELLER INC. HARTZELL
AIRBUS HÉLICOPTÈRES GUIMBAL GUIMBAL
AI HELICÓPTEROS DO BRASIL S/A HELIBRAS ITAJUBÁ
AIRSHIP DO BRASIL HOFFMANN PROPELLERS GMBH & CO. KG HOFFMANN
AIRTRACTOR HONDA AIRCRAFT COMPANY LLC HONDA
ALEXANDER SCHLEICHER HONEYWELL INTERNATIONAL INC. HONEYWELL PHOENIX
A. S. - PROPELLER INDÚSTRIA AERONÁUTICA NEIVA S/A NEIVA
ALLSTAR PZL INDÚSTRIA DE MOTORES AERONÁUTICOS IMAER
AMERICAN BLIMP INTERNATIONAL AERO ENGINES IAE
ANTÔNIO BARROS ISRAEL AIRCRAFT INDUSTRIES LTD IAI
APEX AIRCRAFT KAMOV COMPANY KAMOV
ASI AVIATION KLIMOV CORPORATION KLIMOV
ATR LEARJET INCORPORATION LEARJET
AUSTRO ENGINE GMBH LEONARDO S.P.A LEONARDO
AVIA PROPELLER LIMBACH MOTORENBAU LIMBACH
AVIAT M7 AEROSPACE LP M7
KUBICEK BALLONS MAULE AIRCRAFT INC. MAULE
BEECH MCCAULEY PROPELLER SYSTEMS MCCAULEY
BELL CANADA MD HELICOPTERS, INC. MDHI
BELL USA MIL MOSCOW HELICOPTER PLANT MIL MOSCOW
BERIEV MOONEY AIRPLANE COMPANY MOONEY
BINDER MT-PROPELLER ENTWICKLUNG GMBH MT PROPELLER
BOEING CO. OMAREAL - OFICINA DE MANUTENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE AVIÕES OMAREAL
BOMBARDIER PACIFIC AEROSPACE LIMITED PACIFIC AEROSPACE LTD
BRITISH AEROSPACE PIAGGIO AERO INDUSTRIES SPA PIAGGIO ROME
BRP-POWERTRAIN PILATUS AIRCRAFT LTD PILATUS
GROB PIPER AIRCRAFT PIPER AIRCRAFT
CAMERON BALLOONS POLSKIE ZAKLADY LOTNICZE - MIELEC PZL-MIELEC
CATALINA AIRCRAFT PRATT & WHITNEY AIRCRAFT DIVISION P&W USA
CTA PRATT & WHITNEY CANADA, INC P&W CANADA QUEBEC
CESSNA PZL, WARSZAWA - OKEOE SA PZL WARSZAWA
CFE QUEST AIRCRAFT COMPANY QUEST
CFM FRANCE REVO INCORPORATED REVO
CHINCUL ROBINSON HELICOPTER COMPANY ROBINSON
CIRRUS ROLLS-ROYCE CORPORATION ROLLS ROYCE CORP.
CNNA ROLLS-ROYCE DEUTSCHLAND LTD & CO KG ROLLS-ROYCE DEUTSCH
CONSOLIDATED ROLLS-ROYCE LIMITED ROLLS ROYCE LIMITED
CASA RUPERT INDÚSTRIA AERONÁUTICA LTDA. RUPERT RECIFE
TECNAM SAFRAN HELICOPTER ENGINES SAFRAN
CPAC SCHEMPP-HIRTH FLUGZEUGBAU GMBH SCHEMPP-HIRTH
SOCATA SCHWEIZER RSG LLC SCHWEIZER
DASSAULT AVIATION SENSENICH CORPORATION SENSENICH
DG FLUGZEUGBAU SIKORSKY AIRCRAFT SIKORSKY
DIAMOND GMBH SOCIÉTÉ DE MOTORISATIONS AERONAUTIQUES SMA
DIAMOND INC. SOLO KLEINMOTOREN GMBH SOLO
DOWTY AEROSPACE STEMME GMBH & CO. STEMME
EADS PZL TELEDYNE CONTINENTAL MOTORS CONTINENTAL
EAI TEXTRON AVIATION INC. TEXTRON
EIRIAVION TEXTRON LYCOMING, AVCO CORPORATION LYCOMING
EMBRAER SJK THE WACO AIRCRAFT COMPANY WACO
ENSTROM THIELERT AIRCRAFT ENGINES GMBH THIELERT
ERICKSON AIR-CRANE THRUSH AIRCRAFT, INC. THRUSH
EXTRA TURBOMECA - SOCIETE TURBOMECA
GROB / LTB-LINDNER VIKING AIR LIMITED VIKING AIR
FOKKER SERVICES VULCANAIR S.P.A. VULCANAIR
GIPPSAERO WACO CLASSIC AIRCRAFT CORPORATION WACO
GE CZECH WEATHERLY AVIATION COMPANY WEATHERLY
GE HONDA WILLIAMS INTERNATIONAL WILLIAMS
GENERAL ELECTRIC WSK PZL SWIDNIK SA WSK PZL SWIDNIK
GENERAL ELECTRIC CO. XAVANTE MANUTENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE AERONAVES XAVANTE
ZAKLAD SZYBOWCOWY JEZÓW ZAKLAD
86 • Anuário Brasileiro de Aviação Civil 2018•

ANEXO IV País
Country
Nº de Aeródromos Conectados
Number of Connected Aerodromes
APPENDIX IV Estados Unidos
97
United States
Argentina
23
Argentina
Itália
13
Italy
Chile
12
Chile
Espanha
12
Spain
Uruguai
9
Uruguay
Venezuela
8
Venezuela
França
7
France
Colombia
7
Colombia
República Dominicana
6
Dominican Republic
Alemanha
6
Germany
Portugal
5
Portugal
Paraguai
5
Paraguay
Canadá
5
Canada
Bolívia
5
Bolivia
África do Sul
4
South Africa
Peru
4
Peru
Guiana
4
Guiana
Cabo Verde
3
Cape Verde
Porto Rico
3
Puerto Rico
México
3
Mexico
Marrocos
3
Marocco
Equador
3
Equador
Reino Unido
3
United Kingdom
Suíça
3
Switzerland
Panamá
2
Panama
Moçambique
2
Mozambique
Costa Rica
2
Costa Rica
Guiné Equatorial
2
Equatorial Guinea
Nigéria
2
Nigeria
Suriname
2
Suriname
Bahamas
2 1
Costa Rica Caribbean
Guiné Equatorial São Vicente e Granadinas
2 1
INSTITUTO
Equatorial
BRASILEIRO Guinea
AVIAÇÃO
DE Saint Vincent and the Grenadines 87
Nigéria República de Guiné
2 1
Nigeria Republic of Guinea
Suriname Antígua e Barbuda
2 1
Suriname Antigua e Barbuda
Bahamas Guatemala
2 1
Bahamas Guatemala
Santa Lúcia Gabão
2 1
Saint Lucia Gabon
Barbados Jamaica
1 1
Barbados Jamaica
Países Baixos Caribenhos São Tomé e Príncipe
1 1
Caribbean Netherlands São Tome and Principe
Gana Líbano
1 1
Ghana Lebanon
Congo Senegal
1 1
Congo Senegal
Guiana Francesa Liberia
1 1
French Guiana Liberia
Martinique Luxemburgo
1 1
Martinique Luxembourg
Antilhas Holandesas Áustria
1 1
Netherlands Antilles Austria
Nicaragua Togo
1 1
Nicaragua Togo
Guadalupe Ilhas Turcas e Caicos
1 1
Guadeloupe Turks and Caicos Islands
Aruba Turquia
1 1
Aruba Turkey
El Salvador Ilhas Virgens Britânicas
1 1
El Salvador British Virgin Islands
Costa do Marfim Islândia
1 1
Ivory Coast Iceland
Angola Holanda
1 1
Angola Netherlands
Croácia Ilhas Cayman
1 1
Croatia Cayman Islands
Trindade e Tobago
1
Trinidad and Tobago
Namíbia
1
Namibia
Bermudas
1
Bermuda
Grécia
1
Greece
Suécia
1
Sweden
Grenada
1
Grenada
Chile
1
Chile
Cuba
1
Cuba
Rússia
1
Russia
Polinésia Francesa
1
French Polynesian
São Martinho
1
Saint Martin
Caribe
1
Caribbean
São Vicente e Granadinas
1
Saint Vincent and the Grenadines
República de Guiné
1
Republic of Guinea
Antígua e Barbuda
1
Antigua e Barbuda
Guatemala
1
INSTITUTO
BRASILEIRO DE
AVIAÇÃO
www.institutoaviacao.org
Elaboração Yeb Inteligência de Mercado



  

  
    
     

 
 

   
 
 
 
 
         
     

 

­ €

 
 
 ‚
 
 
    
ELABORAÇÃO YEB INTELIGÊNCIA DE MERCADO