Você está na página 1de 225

KLS

Engenharia e
profissão
Engenharia e profissão

Eliane Maria Ferrarezzo


© 2017 por Editora e Distribuidora Educacional S.A.
Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida ou transmitida de qualquer
modo ou por qualquer outro meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia, gravação ou qualquer outro tipo
de sistema de armazenamento e transmissão de informação, sem prévia autorização, por escrito, da Editora e
Distribuidora Educacional S.A.

Presidente
Rodrigo Galindo

Vice-Presidente Acadêmico de Graduação


Mário Ghio Júnior

Conselho Acadêmico
Alberto S. Santana
Ana Lucia Jankovic Barduchi
Camila Cardoso Rotella
Cristiane Lisandra Danna
Danielly Nunes Andrade Noé
Emanuel Santana
Grasiele Aparecida Lourenço
Lidiane Cristina Vivaldini Olo
Paulo Heraldo Costa do Valle
Thatiane Cristina dos Santos de Carvalho Ribeiro

Revisão Técnica
João Carlos dos Santos
Ruy Flavio de Oliveira

Editorial
Adilson Braga Fontes
André Augusto de Andrade Ramos
Cristiane Lisandra Danna
Diogo Ribeiro Garcia
Emanuel Santana
Erick Silva Griep
Lidiane Cristina Vivaldini Olo

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Ferrarezzo, Eliane Maria


F374e Engenharia e profissão / Eliane Maria Ferrarezzo.
– Londrina : Editora e Distribuidora Educacional S.A., 2017.
224 p.

ISBN 978-85-8482-919-4

1. Engenharia – Orientação profissão. I. Título.


CDD 620

2017
Editora e Distribuidora Educacional S.A.
Avenida Paris, 675 – Parque Residencial João Piza
CEP: 86041-100 — Londrina — PR
e-mail: editora.educacional@kroton.com.br
Homepage: http://www.kroton.com.br/
Sumário

Unidade 1 | O que é engenharia? 7

Seção 1.1 - A história da engenharia. A engenharia no Brasil 9


Seção 1.2 - Atribuições do engenheiro. Competências e funções do
engenheiro (Resoluções CREA) 23
Seção 1.3 - Áreas de atuação do engenheiro 35
Seção 1.4 - Engenheiro no mercado de trabalho 47

Unidade 2 | Responsabilidade Social, ética e sustentabilidade 61

Seção 2.1 - Conceitos de responsabilidade social aplicados à engenharia 63


Seção 2.2 - Ética profissional. Código de ética profissional da engenharia 75
Seção 2.3 - Meio ambiente e sustentabilidade 87
Seção 2.4 - A engenharia na perspectiva da sustentabilidade 99

Unidade 3 | Ciência, tecnologia e engenharia 115

Seção 3.1 - Ciência, lógica e o método científico 117


Seção 3.2 - Criatividade. A arte da engenharia 129
Seção 3.3 - Tecnologia aplicada à engenharia 141
Seção 3.4 - Inovação tecnológica 153

Unidade 4 | Projeto e pesquisa 171

Seção 4.1 - Linguagem e expressão 173


Seção 4.2 - Importância da comunicação na prática da engenharia 187
Seção 4.3 - Principais tipos de redação na engenharia: laudos,
pareceres, relatórios técnicos 201
Seção 4.4 - Técnicas para apresentação oral e a sua importância na
Engenharia 215
Palavras do autor

Olá, aluno! Seja bem-vindo!

Esta unidade vai apresentá-lo à área de Engenharia e mostrar o campo


de atuação, habilidades e responsabilidades legais e sociais da profissão de
engenheiro. Você sabia que o engenheiro é o terceiro profissional mais procurado
pelo mercado de trabalho no mundo? O motivo para tamanha demanda
de engenheiros deve-se ao fato de que, além das competências técnicas, os
cursos de Engenharia preparam o profissional para serem capazes de solucionar
problemas complexos, gerenciar crises, liderança e para a realização de projetos
e aplicação de soluções técnicas a qualquer área, além daquela de sua formação.
Os engenheiros têm sido contratados para cargos de gestão, finanças, informática,
docência, consultoria, dentre outros.

Afinal, o que é Engenharia? Olhe à sua volta: tudo o que você observa está
relacionado a algum ramo da engenharia, como, por exemplo: os equipamentos
utilizados para fabricar a sua cama envolveram a Engenharia Mecânica; as fábricas
das suas roupas e sapatos envolveram a Engenharia de Produção, Engenharia
Mecânica e Engenharia Têxtil; os produtos do seu café da manhã envolveram a
Engenharia de Alimentos e Engenharia Química; o aparelho de celular envolve
Engenharia Elétrica e Eletrônica, dentre outras de seu cotidiano.

Existem várias definições para o termo engenharia, porém a do Comitê de


Certificação de Engenharia e Tecnologia dos Estados Unidos de 1982 (apud
PORTNOI, 1999, [s.p.]) faz um apanhado geral de todas: “Engenharia é a profissão
na qual o conhecimento das ciências matemáticas e naturais, obtido através do
estudo, experiência e prática, é aplicado com julgamento no desenvolvimento
de novos meios de utilizar, economicamente, os materiais e forças da Natureza
para o benefício da humanidade”. Assim, a Engenharia é uma ciência abrangente
envolvendo várias áreas do conhecimento, e observe: o engenheiro pode mudar
o mundo em benefício da humanidade!

Vamos aos estudos! Este livro está divido em quatro unidades, nas quais serão
abordados temas relevantes ao ingressante nos cursos de engenharia. A Unidade
1 apresenta a Engenharia e sua história, sua influência no desenvolvimento da
humanidade, além das atribuições e competências do futuro engenheiro, abordando
sua área de atuação e mercado de trabalho. Na Unidade 2 é discutido o papel do
engenheiro em relação à sua responsabilidade social, à ética profissional, assim
como à sustentabilidade na área de Engenharia. A apresentação da ferramenta
de modelagem, otimização e processos utilizada em projetos de Engenharia está
descrita na Unidade 3. Finalmente, na Unidade 4 está a essência da Engenharia: a
pesquisa e o projeto, em que são descritos os passos para a abordagem e solução
de problemas, através da pesquisa e projeto.

Algumas dicas para ter sucesso durante um curso de Engenharia:


independentemente da área da Engenharia pela qual você optou, dedique-
se, pois, por ser multidisciplinar, a Engenharia exige do aspirante a engenheiro
muito estudo e empenho. Dificilmente, você alcançará sucesso estudando às
vésperas das avaliações, pois é necessário um estudo continuado e a realização de
exercícios para adquirir as competências e habilidades necessárias para ser um bom
profissional. Adquira uma agenda ou use uma agenda virtual; tudo é uma questão
de planejamento e organização. Anote as datas dos trabalhos e das avaliações e
diariamente encontre um tempo para estudar, seja enquanto espera um ônibus,
na fila do banco. Antes de dormir, você absorverá melhor os conteúdos do que
estudar horas antes da prova. Assista às webaulas, faça os exercícios de diagnóstico,
leia o livro didático e anote as suas dúvidas e pontos para a discussão para a aula
mediada. Participe das aulas, faça perguntas e tire suas dúvidas. Lembre-se de que
o professor estará lá para auxiliar, inspirar e apoiar você.

Bons estudos! Parabéns por ter escolhido um curso da área de Engenharia!


Unidade 1

O que é engenharia?

Convite ao estudo

Estamos iniciando os estudos da unidade curricular Engenharia e


Profissão e vamos começar abordando o significado da palavra engenharia
nesta primeira unidade de ensino. Observe o que está à sua volta: sua
casa, suas roupas, seu lanche, seu computador, seu carro, remédios e
as demais coisas que estão ao seu alcance, a produção dessas coisas
foi realizada utilizando os conhecimentos de algum ramo da Engenharia.
Como essas coisas foram projetadas? Como foram construídas? Do que
são feitas? Essas e outras questões são respondidas pela Engenharia e
quem as projeta e constrói tudo isso são os engenheiros.

Como competência geral desta unidade, você vai compreender o


que é a engenharia e quais as atribuições do engenheiro. Os objetivos
específicos desta unidade são conhecer: a história da Engenharia; as
atribuições dos engenheiros e suas competências; as principais áreas de
atuação dos engenheiros, além dos diferentes mercados de trabalho no
ramo da Engenharia.

Assim, há uma grande demanda de engenheiros com competências


técnicas para solucionar problemas complexos, gerenciar e realizar
projetos e aplicar soluções em vários setores da engenharia. Há falta
de engenheiros no mercado de trabalho: 60% das empresas brasileiras
alegam ter grande dificuldade em contratar esse tipo de profissional, em
um país em fraco desenvolvimento como o Brasil. Como pode haver
crescimento econômico sem engenheiros? Como crescer sem ter mão
de obra qualificada para construir pontes, ferrovias, projetar equipamentos
eletrônicos, produzir alimentos, medicamentos e combustíveis? Com o
U1

grande avanço tecnológico deste século, é preciso, além de um grande


número de engenheiros, que eles estejam em constante atualização para
poderem acompanhar essa evolução tecnológica.

Nesta unidade, vamos buscar formas divulgar a importância da


engenharia, atrair mais interessados para realizar cursos nas diversas áreas
da engenharia e destacar o papel do engenheiro para o desenvolvimento
econômico, social e cultural do país, contribuindo, assim, para que esses
profissionais atendam à demanda do mercado de trabalho não só em
número de profissionais como também com as qualificações necessárias.
Para tanto, vamos supor que você foi contratado pelo Conselho Regional
de Engenharia e Agronomia (CREA) do seu estado, que é responsável
por regulamentar a profissão de engenheiro, para divulgar os cursos de
Engenharia e sua área de atuação em cursinhos preparatórios para o
vestibular, com o objetivo de angariar mais profissionais para o mercado
de trabalho, haja vista a grande demanda desse profissional.

8 O que é engenharia?
U1

Seção 1.1

A história da engenharia. A engenharia no Brasil

Diálogo aberto

Todo o conhecimento que está disponível ao homem, todos os seus inventos


e tecnologia tiveram uma trajetória, uma história, o mesmo acontecendo com a
engenharia. Como ela começou? Quem foram os primeiros engenheiros? E os
primeiros projetos e inventos? No Brasil, como foi sua trajetória?

É importante que o aspirante a engenheiro conheça sua área de atuação e sua


história, pois a partir dela será possível compreender o momento presente da sua
profissão e o que se pode esperar para o seu futuro. Esse conhecimento histórico
também serve para conquistar e encantar os futuros profissionais das diferentes
áreas da engenharia. A engenharia é uma profissão que envolve o conhecimento
das ciências e a sua aplicação no desenvolvimento de novos meios e materiais em
várias áreas do conhecimento humano.

Para fazer um levantamento histórico da Engenharia e suas diferentes áreas, são


necessárias competências e habilidades tais como: o raciocínio lógico, capacidade
de organização, espírito investigativo, gestão do tempo e capacidade de
comunicação verbal e escrita. Para desenvolver essas competências e habilidades,
vamos vislumbrar esta situação:

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA) do seu estado,


responsável por regulamentar a profissão de engenheiro, o contratou para divulgar
os cursos de Engenharia e suas áreas em cursinhos preparatórios para o vestibular,
com o objetivo de angariar mais profissionais para o mercado de trabalho. Essa
palestra será elaborada em etapas, de acordo as seções desta unidade de ensino.
Nesta unidade, você terá adquirido todas as informações relevantes à sua área de
Engenharia para compreender o que é a Engenharia, suas características e o papel
do engenheiro e o mercado na área. Ao final da unidade, você terá montado uma
palestra com todas as informações obtidas em cada seção. Lembre-se de que o
objetivo da palestra é informar e auxiliar os vestibulandos a escolher uma das áreas
da Engenharia, portanto conquiste e empolgue os alunos!

O que é engenharia? 9
U1

Nesta seção, você deverá definir o que é Engenharia, buscar, dentro da sua área
da Engenharia, informações sobre o início engenharia na história, os principais
dados e marcos mais importantes da história. Use na elaboração da palestra, além
de textos, figuras, gráficos e tabelas para ilustração.

Não pode faltar

Antes de abordar a história da engenharia, é necessário conhecer o significado


do termo Engenharia. A palavra "engenharia" deriva da palavra engenheiro, da
língua portuguesa, e, no século XVI, referia-se a alguém que construía ou operava
um engenho referente a uma máquina de guerra, como uma catapulta ou uma
torre de assalto (HOUAISS; VILLAR, 2002).

É possível encontrar várias definições de Engenharia na literatura. A seguir, serão


apresentadas algumas delas:

Segundo Lindsay (1920 apud JAM, 2006, p. 217), “Engenharia é a prática da


aplicação segura e econômica das leis científicas que governam as forças e
materiais da Natureza, através da organização, design e construção, para o
benefício da humanidade”.

De acordo com Waddel, Skinner e Wessman (1933 apud JAM, 2006, p. 217),
“Engenharia é a ciência e a arte de tratar eficientemente com materiais e forças.
[...] Envolve o design e construção mais econômico [...], assegurando, quando
realizado adequadamente, a combinação mais vantajosa de acuidade, segurança,
durabilidade, velocidade, simplicidade, eficiência e economia possível para as
condições de design e serviço”.

Para Hoover e Fish (1941 apud JAM, 2006, p. 217), “Engenharia é a aplicação
profissional e sistemática da ciência para a utilização eficiente dos recursos naturais
a fim de produzir riqueza”.

Em suma, a engenharia é a ciência, a arte e a profissão de adquirir e de


aplicar os conhecimentos matemáticos, técnicos e científicos na criação,
aperfeiçoamento e implementação de utilidades, tais como materiais, estruturas,
máquinas, aparelhos, sistemas ou processos, que realizem uma determinada
função ou objetivo (CREA-RN, 2016).

10 O que é engenharia?
U1

Reflita
“O papel do engenheiro dentro de uma sociedade mais justa e
moderna é fundamental. Um profissional criativo, empreendedor e
voltado para os desafios científico-tecnológicos, deve contribuir muito
para a qualidade de vida dos cidadãos. Para o setor produtivo industrial,
também, o grande desafio atual recai sobre o engenheiro, pois, nesta
era de evolução tecnológica, antes de tudo, os melhores produtos são
as boas ideias” (BAZZO, 1997, p. 95).

O início da engenharia

A história da engenharia acompanha a evolução do homem. Desde o momento


em que o homem pré-histórico utilizou um galho e uma pedra como alavanca para
deslocar um obstáculo, pode-se dizer que a engenharia começou. Construir um
utensílio ou uma machadinha através da quebra e polimento de uma pedra envolve
competências e habilidades, como raciocínio lógico, planejamento e projeto,
experiência e habilidade, portanto há milhares de anos atrás já havia engenheiros!

No período Paleolítico ou da Pedra Lascada (de 2 milhões a.C. à 10.000 a.C.), o


homem fabricou os primeiros utensílios para resolver seus problemas do dia a dia,
como matar e cortar a caça. Uma das importantes descobertas desse período foi o
fogo, que permitiu mais segurança e a transformação dos alimentos. Já no período
Neolítico ou da Pedra Polida (de 10.000 a.C. a 5000 a.C.), o homem aprendeu o
domínio da técnica de polimento de pedras para a fabricação de instrumentos mais
sofisticados que os do período Paleolítico, além de domesticar os animais e cultivar os
alimentos. O fato de deixar de ser nômade, por poder produzir seus próprios alimentos,
mudou completamente a forma de organização e relacionamento entre os homens,
levando-os a construir objetos, utensílios, casas, dentre outros (COSTA, 2011).

Nesse contexto, podemos dizer que esses períodos representam o início da


engenharia e, consequentemente, do aparecimento dos primeiros engenheiros.
Você consegue imaginar como eles viviam?

O que é engenharia? 11
U1

Figura 1.1 | Imagem de pedras polidas do período Neolítico

Fonte: <https://goo.gl/9vwgkF>. Acesso em: 19 jan. 2016.

Pesquise mais
Conheça um pouco mais do histórico dos engenheiros ao longo da
história, desde a Idade da Pedra, as escolas de engenharia do Brasil,
a engenharia no pós-Segunda Guerra Mundial, até os dias de hoje
neste artigo da ABENGE. Disponível em: <http://www.abenge.org.br/
CobengeAnteriores/2003/artigos/OUT440.pdf>. Acesso em: 19 jan. 2016.

12 O que é engenharia?
U1

Alguns autores consideram Imhotep como o primeiro engenheiro da história,


pois, próximo ao ano de 2550 a.C., ele construiu uma pirâmide para o Rei Djoser
no Egito. Imhotep desenvolveu uma técnica para obter pedra talhada ou moldada,
além de formas de transportá-las e assentá-las utilizando ferramentas simples e
conhecimentos matemáticos. Para a engenharia dessa época, essa técnica de
construção permitiu que fossem construídas obras gigantescas, e, assim, podemos
considerar Imhotep o primeiro engenheiro civil e arquiteto da história (gw3, 2016).
Muitos mistérios ainda envolvem a construção das pirâmides: como conseguiram
desenvolver essa tecnologia? Como efetivamente carregavam essas pedras? De
onde veio tanto conhecimento para a época?

Outras invenções mostram a evolução da engenharia e criatividade dos


engenheiros da Antiguidade, dadas as poucas ferramentas e conhecimentos da
época. Um exemplo é a Eolípila (Figura 1.2), uma máquina a vapor criada por Heron
de Alexandria, para diversão. Ela funcionava pelo aquecimento da água a uma
bacia (ou caldeira) que era aquecida com fogo. O vapor passava através de um
tubo que também servia de eixo para esfera e saia através de dois tubos curvos em
lados opostos, fazendo com que a esfera girasse. Heron de Alexandria pode ser
considerado o primeiro engenheiro mecânico da história e precursor da máquina
a vapor (MANERA, 2013).

Figura 1.2 | Eolípila

Fonte: <https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Aeolipile_illustration.png>. Acesso em: 20 jan. 2016.

O que é engenharia? 13
U1

A engenharia na Era Moderna

A Idade Moderna da história inicia-se em 1453, com a tomada de Constantinopla,


e termina em 1789, com a Revolução Francesa. Neste período, viveu Leonardo
Da Vinci, na Itália, um gênio do Renascimento, que atuou em várias áreas do
conhecimento como cientista, matemático, engenheiro, inventor, anatomista,
pintor, escultor, arquiteto, botânico, poeta e músico (MASTERS et al., 1999). Essas
são algumas das invenções de Leonardo Da Vinci: calculadora mecânica, tanque
de guerra, helicóptero, o uso da energia solar e o casco duplo nas embarcações
(PINTO, 2006). Assim, pode-se considerá-lo o primeiro engenheiro multiáreas da
história. Nessa época, uma invenção que alavancou a ciência e a Engenharia foi
a invenção da imprensa por Johannes Gensfleisch Gutenberg em 1455, tornando
a disseminação do conhecimento mais rápida, pois até então as informações
circulavam verbalmente ou por manuscritos (BAZZO; PEREIRA, 2006).

O grande salto de desenvolvimento para a Engenharia foi a aplicação do


conhecimento científico na prática da resolução de problemas. Antes, os filósofos
e pensadores não se relacionavam com os artesãos, que tinham a experiência
prática, porém empírica, do que construíam. Com o trabalho conjunto, houve uma
grande evolução. Nos séculos XVI e XVII, na Europa, a engenharia desenvolveu-se
principalmente pelas necessidades de segurança dos fortes militares e dos recursos
bélicos. Na Revolução Industrial, Thomas Newcomen, em 1712, criou o motor a
vapor, e a partir dele vários outros equipamentos foram desenvolvidos. Em 1778, na
França, foi criada a primeira escola de engenharia do mundo, a Ecole des Pontes
et Chaussées (Escola de Pontes e Estradas), voltada para o ensino prático e teórico
(CARDOSO, 1999).

Pesquise mais
Conheça a evolução da ciência, tecnologia e da engenharia da
humanidade, acessando esta incrível linha do tempo. Disponível em:
<https://bibliblogue.files.wordpress.com/2010/04/metro-ciencia-g.
jpg>. Acesso em: 19 jan. 2016.

O século XX foi a era da Engenharia das Telecomunicações e Informática e, dentre


as principais invenções, devemos destacar a televisão em 1926 e o computador
digital eletrônico, que foi implementado pela primeira vez em 1936 por Konrad
Zuse. O computador foi fundamental para o avanço da ciência, tecnologia e da
Engenharia em todas as áreas, propiciando cálculos mais complexos e rápidos,
simulações e armazenamento de dados. A divulgação e troca de conhecimentos

14 O que é engenharia?
U1

tomou um novo impulso com o advento da Internet no fim da década de 1960


e da World Wide Web (Rede Mundial de Computadores), que foi criada em 1992,
tornando a ciência e a tecnologia acessível a todos. Em 1974, foi realizada a
primeira chamada a partir de um telefone celular. Esse inovador invento associado
à internet reduziu a distância entre as pessoas e as informações (ZIMMERMANN,
2016). Você consegue se imaginar hoje sem computador, celular e internet?

O século XXI é a era das descobertas, com um aumento vertiginoso na velocidade


das pesquisas em todas as áreas da ciência e Engenharia. Algumas descobertas da
última década: o genoma humano, por meio da engenharia genética, foi mapeado
em 2003, obtendo-se a ordem dos genes. Em 2011, foi criada uma haste de metal,
visível a olho nu, com comportamento segundo a física quântica, o que antes
era aplicado apenas a objetos como o tamanho de átomos; existência de gelo
enterrado no solo e em grandes blocos em Marte; as doenças câncer, diabetes e
Alzheimer estão relacionados a respostas inflamatórias; algumas técnicas levaram
a comprovação de que o Cosmos é plano! (BIOLOGIANAREDE, 2011);

O que mais o século XXI nos reserva? A cura para doenças como a AIDS? Seres
biônicos com inteligência artificial? Carros que voam? Teletransporte?

Assimile
A engenharia é a ciência, a arte e a profissão de adquirir e de aplicar
os conhecimentos matemáticos, técnicos e científicos na criação,
aperfeiçoamento e implementação de utilidades, tais como materiais,
estruturas, máquinas, aparelhos, sistemas ou processos, que realizem
uma determinada função ou objetivo (CREA-RN, 2016).

A engenharia no Brasil

Existem poucas informações disponíveis sobre a história da engenharia no Brasil,


mas o seu início pode ser considerado na colonização do país, com a chegada dos
oficiais engenheiros para a construção de fortes, igrejas e edificações civis, dando início
à engenharia de forma mais técnica. A primeira escola de engenharia do Brasil data de
1810, a Academia Real Militar fundada pelo Rei D. João VI (BAZZO; PEREIRA, 2008).

O que é engenharia? 15
U1

Exemplificando
Alguns exemplos de acontecimentos importantes para a Engenharia na
época do império:

1838 – Ônibus: importados da Europa no RJ, puxado por animais.

1841 – Gôndola: carruagem espaçosa para nove lugares.

1859 – Bonde: inaugurado por D. Pedro II puxado por animais.

1892 – Bonde elétrico.

Disponível em: <http://imperiobrazil.blogspot.com.br/2010/06/historia-


e-evolucao-da-cidade-do-rio-de.html>. Acesso em: 20 fev. 2016.

A evolução da engenharia no Brasil culminou no reconhecimento da profissão


em 11 de dezembro de 1933 através do Decreto nº 23.569, que regulamentou o
exercício das profissões de engenheiro, arquiteto e agrimensor, sendo, nessa data,
comemorado o dia do engenheiro.

Existem vários exemplos de grandes descobertas e obras da Engenharia no


Brasil, dentre as quais podemos citar: a abreugrafia, em 1936, como forma de
visualizar órgãos internos como o pulmão (ABREU, 2001); o escorredor de arroz,
em 1959, que existe em muitas casas brasileiras, foi patenteado por Therezinha
Beatriz Alves de Andrade Zorowich, uma dentista, porém era uma engenheira
intrínseca (ALMEIDA, 2015); o walkman, em 1972, foi inventado por um alemão
naturalizado brasileiro, Andreas Pavel, que foi o precursor dos iPods de hoje
(O’HARA; BROWN, 2016); a hidrelétrica de Itaipu, em 1984, com capacidade para
14 mil MW (ZIOBER; ZANIRATO, 2014), construída por ação de várias áreas da
engenharia tais como: elétrica, civil, eletrônica, mecânica e química. Um outro
exemplo de engenharia de alta tecnologia no Brasil é o Laboratório Nacional
de Luz Síncrotron em 1997 (BRUM; MENEGHINI, 2002), onde elétrons são
acelerados até a velocidade da luz e percorrem 93 metros gerando radiação,
com aplicações diversas sobre o estudo da matéria.

16 O que é engenharia?
U1

Figura 1.3 | Laboratório Nacional de Luz Síncrotron

Fonte: <https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcT0sFZ0IMskJpozBnE1CaZw-
yTZLDAN4yJc0O1IIu2Cyr9DdRX9>. Acesso em: 20 fev. 2016.

Pesquise mais
A Cronologia do desenvolvimento científico, tecnológico e industrial
Brasileiro de 1938 a 2003. Disponível em: <http://www.mdic.gov.br/
arquivos/dwnl_1196954509.pdf>. Acesso em: 27 fev. 2016.

Sem medo de errar

Vamos iniciar a elaboração da palestra! Nesta seção, você deverá definir o que
é Engenharia e buscar, dentro da sua área da Engenharia, informações sobre o
início dessa, os principais dados e marcos mais importantes da história. Use na
elaboração da palestra para esta, e para as próximas seções, textos, figuras, gráficos
e tabelas para ilustração.

Para essa primeira parte da palestra, você deverá elaborar uma linha do tempo
da história da engenharia através das etapas a seguir:

a) Faça uma página de rosto com o título da palestra e o nome do palestrante.

b) Elabore uma introdução sobre o que é a engenharia.

c) 
Pesquise e faça um levantamento de fatos marcantes da ciência e
tecnologia da engenharia na sua área.

d) Coloque em ordem cronológica em uma linha do tempo.

e) O marco inicial da linha do tempo deve ser período Neolítico e o ponto

O que é engenharia? 17
U1

final o século XXI.

f) Destaque cada período em um quadro com as informações relevantes.

g) Faça cada quadro com uma cor diferente e/ou use figuras ilustrativas.

Ao final dessa etapa, os vestibulandos devem ter compreendido o que é a


engenharia e os principais fatos importantes da história da engenharia da sua área.

Atenção
Procure as informações em fontes de pesquisa confiáveis, como
livros, revistas científicas, sites de universidades, do governo e Google
Acadêmico. Não use como fonte de pesquisa sites que promovem o
plágio, disponibilizando trabalhos prontos.

Lembre-se: o importante é informar e esclarecer as dúvidas em


linguagem acessível, encantando os vestibulandos, para que optem por
uma área da engenharia com segurança, sabendo o que escolheram
como sua futura profissão.

18 O que é engenharia?
U1

Avançando na prática

O dilema

Você tem um amigo que começou a fazer um curso superior em tecnologia,


dentro da sua área de estudos da engenharia, e ele está no primeiro semestre do
curso. Esse amigo o procurou para pedir esclarecimentos sobre do que trata a
engenharia e quais as diferenças entre ela e o curso de tecnólogo, para decidir se
ele muda de curso ou não. Nessa situação, quais informações você passaria para
esse amigo?

Para auxiliá-lo nessa tarefa, vamos apresentar as principais características da


formação do Engenheiro e do Tecnólogo. A Resolução CNE/CES 11, de 11 de
março de 2002 apresenta, no art. 4, o seguinte perfil do engenheiro:

[...] I - aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e


instrumentais à engenharia;

II - projetar e conduzir experimentos e interpretar resultados;

III - conceber, projetar e analisar sistemas, produtos e processos;

IV - planejar, supervisionar, elaborar e coordenar projetos e serviços de


engenharia;

V - identificar, formular e resolver problemas de engenharia;

VI - desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas e técnicas;

VI - supervisionar a operação e a manutenção de sistemas;

VII - avaliar criticamente a operação e a manutenção de sistemas;

VIII - comunicar-se eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica;

IX - atuar em equipes multidisciplinares;

X - compreender e aplicar à ética e responsabilidade profissionais;

 I - avaliar o impacto das atividades da engenharia no contexto social e


X
ambiental;

O que é engenharia? 19
U1

XII - avaliar a viabilidade econômica de projetos de engenharia;

 III - assumir a postura de permanente busca de atualização profissional [...]


X
(BRASIL, 2002).

Em relação ao tecnólogo, a Resolução CONFEA nº 313, de 26 de setembro de


1986, lista as seguintes atribuições:

[...] Art. 3º - As atribuições dos Tecnólogos, em suas diversas modalidades,


para efeito do exercício profissional, e da sua fiscalização, respeitados os
limites de sua formação, consistem em:

1) elaboração de orçamento;

2) padronização, mensuração e controle de qualidade;

3) condução de trabalho técnico;

 ) condução de equipe de instalação, montagem, operação, reparo ou


4
manutenção;

5) execução de instalação, montagem e reparo;

6) operação e manutenção de equipamento e instalação;

7) execução de desenho técnico.

 arágrafo único – Compete, ainda, aos Tecnólogos em suas diversas


P
modalidades, sob a supervisão e direção de Engenheiros, Arquitetos ou
Engenheiros Agrônomos:

1) execução de obra e serviço técnico;

2) fiscalização de obra e serviço técnico;

3) produção técnica especializada. [...] (BRASIL, 1986)

Agora você que conheceu as principais diferenças entre as atribuições do


tecnólogo e engenheiro, ajude seu amigo a resolver o dilema e sugira também que
ele assista ao vídeo “Qual a diferença entre tecnólogo e bacharelado?” (Disponível
em: <https://www.youtube.com/watch?v=WQHIkKOWUQw>. Acesso em: 20 fev.
2016), o qual também pode ajudar a esclarecer essas dúvidas.

Lembre-se

Ter informações precisas sobre cada curso, aliadas ao perfil das


capacitações individuais, é fundamental para uma escolha com
assertividade.

20 O que é engenharia?
U1

Resolução da situação-problema

Primeiramente, você deverá conhecer melhor como é um curso de tecnólogo


na sua área de atuação, para poder fazer a comparação. Para tanto você coletar
essas informações no: Catálogo Nacional de Cursos Superiores em Tecnologia
(Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=
download&alias=7931-cat-cur-sup-05-11-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 20 fev. 2016).

Compare essas informações dos cursos tecnólogos com as informações ao


curso de Engenharia na mesma área consultando os Referenciais Nacionais dos
Cursos de Engenharia (Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/
referenciais2.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2016).

Faça um quadro com os pontos em comum e os diferenciais de cada curso, de


acordo com o modelo a seguir:

Quadro 1.1 | Comparação entre a formação de engenheiro e tecnólogo

Engenharia Tecnológico

Temas Temas
Perfil do Áreas de Perfil do Áreas de
abordados abordados
egresso atuação egresso atuação
na formação na formação

Apresente esse quadro para seu amigo e discutam cada tópico. Se houver
dúvidas ainda, surgira que ele busque profissionais atuantes em cada área para
auxiliar na decisão.

Faça você mesmo


Um tecnólogo tem as mesmas atribuições que um engenheiro?

O que é engenharia? 21
U1

Faça valer a pena

1. Avalie as seguintes afirmações:


I – A evolução da engenharia com o tempo levou à aplicação apenas
dos conhecimentos técnicos.
II – A evolução da engenharia levou os engenheiros a adaptarem-se às
mudanças.
III – São necessárias habilidades e competências específicas para que os
engenheiros resolvam problemas com rapidez.
IV – 
Equipes multidisciplinares não são requeridas para a atuação do
engenheiro.
Assinale a alternativa que contém apenas afirmações corretas:
a) I.
b) II e III.
c) I e II.
d) I e III.
e) IV.

2. O início da engenharia pode ser considerado em que período?


a) Era Moderna.
b) No período Neolítico.
c) Na era Mesozoica.
d) No período Paleolítico.
e) Na Revolução industrial.

3. A data exata do início da engenharia no Brasil é difícil de determinar,


mas podemos supor que ela começou:
a) Com a chegada dos escravos.
b) No descobrimento com os indígenas.
c) Com os colonos e oficiais que vieram para a colonização.
d) Na República.
e) Com D. Pedro II.

22 O que é engenharia?
U1

Seção 1.2

Atribuições do engenheiro. competências e


funções do engenheiro (Resoluções Crea)

Diálogo aberto

Olá! Na seção anterior, conhecemos a definição de engenharia e a sua trajetória


histórica, apontando alguns inventos importantes realizados pelos engenheiros
desde a Pré-História até o presente.

Agora, vamos conhecer o engenheiro! O que ele faz? O que ele não faz? Quais
as responsabilidades que ele tem? Falaremos sobre as atribuições do profissional
da área de engenharia, suas competências, funções, sobre a regulamentação da
profissão, sobre o CREA e o CONFEA.

É preciso conhecer profundamente a profissão para exercê-la com plenitude.


Para tanto, são necessárias algumas competências e habilidades, como o
raciocínio lógico, capacidade de organização, gestão do tempo e capacidade de
comunicação. Com o objetivo de desenvolvê-las, vamos dar continuidade à nossa
palestra, iniciada na seção anterior.

Nessa etapa da elaboração da palestra, devem ser abordadas as informações


sobre as atribuições, competências e funções do engenheiro, o que o engenheiro
pode ou não fazer, sobre as associações de classe da engenharia na sua área com
CREA e CONFEA, além de informações relevantes ao papel do engenheiro.

Boa sorte e sucesso!

Não pode faltar

Atribuições do engenheiro

O que significa a palavra engenheiro? A palavra engenheiro deriva do latim, in


generare, que significa saber e criatividade. Essa palavra foi usada pela primeira vez
em 200 d.C., por Tertuliano, um autor cristão que descreveu a tomada de Cartago

O que é engenharia? 23
U1

pelos romanos, referindo-se a um artefato como ingenium, algo engenhoso. Já


em 1500, a palavra engenheiro era usada para o construtor de engenhos. Hoje,
podemos chamar de engenheiro aquele que usa os conhecimentos da Ciência,
Matemática e Economia para suprir as necessidades da humanidade (HOLTZAPPLE;
REECE, 2006). Com esses conhecimentos, os engenheiros estão capacitados a
exercer várias atividades, dentre as quais a resolução de problemas complexos nas
suas diversas áreas de atuação (Figura 1.4).

Figura 1.4 | Pessoas em ambientes diversos realizando atividades diversas

O que o engenheiro faz?


Resolve problemas!

Fonte: em: <https://pixabay.com/pt/engenheiro-arquiteto-pessoa-planos-296438/>. Acesso em: 9 mar. 2016.

As atribuições dos engenheiros correspondem aos direitos, poderes e privilégios


concedidos pela legislação para desenvolverem suas atividades e funções. Existem
competências e habilidades gerais que engenheiros de todas as áreas de engenharia
devem estar preparados para exercer. Na Figura 1.5, observe a integração entre os
conhecimentos conceituais, técnicos e humanos que todos os profissionais da
área de engenharia devem ter.

24 O que é engenharia?
U1

Figura 1.5 | Habilidades e competências do engenheiro

CONCEITUAL

SOCIAL

ÉTICA

LEGAL

TÉCNICA

ECONÔMICA
TÉCNICA HUMANA

Fonte: <http://petcivil.blogspot.com.br/2015/05/o-engenheiro-social.html>. Acesso em: 12 mar. 2016.

Pesquise mais
Leia o artigo: MAYR, et al. (2010). A responsabilidade da engenharia:
uma visão sobre educação e trabalho. COBENGE, 2010. Disponível
em: <http://scholar.googleusercontent.com/scholar?q=cache:LrgcRc
7qUzUJ:scholar.google.com/+%22atribui%C3%A7%C3%B5es+do+eng
enheiro%22&hl=pt-BR&as_sdt=0,5>. Acesso em: 9 mar. 2016.

Nesse artigo, os autores apresentam as atribuições do engenheiro,


apontando a importância, as influências da sua formação profissional e
sua interferência na formação técnica e humana.

Quais as características de um bom engenheiro? O que deve ser capaz de


fazer? O engenheiro precisa ter a capacidade de exercer um grande número de
tarefas, que são exigidas pela profissão. A Resolução CNE/CES 11, de 11 de março
de 2002, apresenta, nos arts. 3 e 4, o perfil que o formando em Engenharia deve
ter para exercer a profissão. A seguir, a transcrição dos artigos:

[...] Art. 3º. O Curso de Graduação em Engenharia tem como perfil do formando
egresso/profissional o engenheiro, com formação generalista, humanista, crítica e
reflexiva, capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua
atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas, considerando

O que é engenharia? 25
U1

seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais, com visão


ética e humanística, em atendimento às demandas da sociedade.

Art. 4º. A formação do engenheiro tem por objetivo dotar o profissional


dos conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes competências e
habilidades gerais:

I - aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais


à engenharia;

II - projetar e conduzir experimentos e interpretar resultados;

III - conceber, projetar e analisar sistemas, produtos e processos;

IV - 
planejar, supervisionar, elaborar e coordenar projetos e serviços de
engenharia;

V - identificar, formular e resolver problemas de engenharia;

VI - desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas e técnicas;

VI - supervisionar a operação e a manutenção de sistemas;

VII - avaliar criticamente a operação e a manutenção de sistemas;

VIII - comunicar-se eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica;

IX - atuar em equipes multidisciplinares;

X - compreender e aplicar à ética e responsabilidade profissionais;

XI - avaliar o impacto das atividades da engenharia no contexto social e ambiental;

XII - avaliar a viabilidade econômica de projetos de engenharia;

XIII - assumir a postura de permanente busca de atualização profissional [...]


(BRASIL, 2002).

Assimile
[...] De um ponto de vista mais amplo, atribuições são os direitos, os
poderes ou os privilégios concedidos a certas autoridades. De um
ponto de vista mais restrito, as atribuições profissionais são essas
mesmas prerrogativas concedidas pela lei aos profissionais liberais para
executar trabalhos, desenvolver atividades ou exercer funções em suas
respectivas áreas de formação. Às vezes as atribuições profissionais são

26 O que é engenharia?
U1

chamadas de competências profissionais. Os juristas as definem como


o conteúdo ocupacional decorrente da característica profissional em
função de seu título, curso ou currículo. Independentemente destes
conceitos, todos os profissionais têm o dever ético de conhecer as
atribuições para o desempenho correto e legal de suas atividades. [...]
(SERRA; CORDEIRO, 2006 p. 1.323).

Como podemos observar, o engenheiro tem uma formação ampla e generalista,


possuindo capacidade de que compreender todos os fatores envolvidos em suas
atividades. Ele busca a praticidade e objetividade em seus trabalhos e projetos,
conseguindo obter as melhores soluções para os problemas encontrados, e
com o melhor aproveitamento dos recursos materiais e financeiros. Devido à sua
formação, o engenheiro pode atuar em diversas áreas, como comércio, indústria,
universidades e serviços. Você sabia que existem mais de 30 tipos diferentes de
engenharia? Veja no Quadro 1.2 algumas delas:

Quadro 1.2 | Tipos de engenharia

Engenharia Ambiental Engenharia Sanitária


Engenharia Cartográfica Engenharia Aeronáutica
Engenharia da Computação Engenharia Sanitária
Engenharia de Controle e Automação Engenharia Acústica
Engenharia de Minas Engenharia Agrícola
Engenharia de Petróleo e Gás Engenharia Biomédica
Engenharia de Segurança do Trabalho Engenharia Civil
Engenharia Elétrica Engenharia em Agrimensura
Engenharia Florestal Engenharia de Aquicultura
Engenharia Industrial Engenharia de Energia
Engenharia Mecatrônica Engenharia de Materiais
Engenharia Naval Engenharia de Pesca
Engenharia de Produção Engenharia de Telecomunicações
Engenharia Física Engenharia Hídrica
Engenharia Mecânica Engenharia Metalúrgica
Engenharia Química Engenharia Têxtil

Fontes adaptado de <https://goo.gl/E0xicg>. Acesso em: 8 mar. 2016.

O que é engenharia? 27
U1

Pesquise mais
Leia a reportagem: Mercado de trabalho para engenheiros. Disponível
em: <http://www.catho.com.br/carreira-sucesso/gestao-rh/mercado-
de-trabalho-para-engenheiros>. Acesso em: 8 mar. 2016.

Competências e funções do engenheiro (Resoluções CREA)

Quando você se formar, algumas dúvidas podem surgir, tais como: que
atividade efetivamente eu posso realizar? Quais as normas que regem a profissão
de engenheiro? Ao obter o diploma de engenheiro, posso imediatamente exercer
a profissão?

Ao se formar, o engenheiro deve se inscrever no Conselho Regional de


Engenharia e Agronomia (CREA). Esse é um conselho de classe regional; cada
estado tem o seu (CREA – SP, CREA – MG etc.), e regulamenta a profissão nos
estados. É necessário o cadastro no CREA para receber um número de registro e
a carteira do CREA, que é a autorização para exercer a profissão, além de pagar
uma taxa anual que é recolhida pelo conselho. Caso o formando tenha recebido
apenas o comprovante de conclusão do curso, ele recebe um número do CREA
Provisório, até que o diploma definitivo seja emitido. Quando o diploma for
apresentado, o profissional recebe o CREA Definitivo.

Você sabe o que é Anotação de Responsabilidade Técnica (ou ART)? Toda


vez que o engenheiro realizar uma obra ou uma prestação de serviço para pessoa
jurídica na área que compreende as atribuições do CREA, ele deve emitir uma ART,
de acordo com a Resolução nº 1.025, de 2009, do CONFEA (Conselho Federal de
Engenharia e Agronomia). A anotação é feita por meio do formulário eletrônico,
disponível na Internet no site do CREA regional onde o serviço é prestado. O
CONFEA é um órgão nacional de representação da classe dos engenheiros, é
a instância superior da fiscalização do exercício profissional da Engenharia e da
Agronomia, ao qual os CREAs regionais estão submetidos.

O que efetivamente o engenheiro pode fazer? A Lei nº 5.194, de 24 de dezembro


de 1966, regulamenta o exercício da profissão dos engenheiros e arquitetos.
Nela, estão as competências e funções dos engenheiros de acordo com o art. 7,
transcritos na sequência:

[...] Art. 7º - As atividades e atribuições profissionais do engenheiro, do arquiteto


e do engenheiro agrônomo consistem em:

a) desempenho de cargos, funções e comissões em entidades estatais,


paraestatais, autárquicas e de economia mista e privada;

28 O que é engenharia?
U1

b) planejamento ou projeto, em geral, de regiões, zonas, cidades, obras,


estruturas, transportes, explorações de recursos naturais e desenvolvimento da
produção industrial e agropecuária;

c) estudos, projetos, análises, avaliações, vistorias, perícias, pareceres e


divulgação técnica;

d) ensino, pesquisa, experimentação e ensaios;

e) fiscalização de obras e serviços técnicos;

f) direção de obras e serviços técnicos;

g) execução de obras e serviços técnicos;

h) produção técnica especializada, industrial ou agropecuária.

Parágrafo único - Os engenheiros, arquitetos e engenheiros-agrônomos


poderão exercer qualquer outra atividade que, por sua natureza, se inclua no
âmbito de suas profissões [...] (BRASIL, 1966).

Reflita
Para pensar: “Os engenheiros, arquitetos e engenheiros agrônomos
poderão exercer qualquer outra atividade que, por sua natureza, se
inclua no âmbito de suas profissões” (BRASIL, 1966).

Em relação a esta frase, se alguém perguntasse a você: um engenheiro


mecânico pode fazer um projeto elétrico de um grande complexo
industrial? O que você responderia? Será que o engenheiro mecânico,
por ter realizado a disciplina de Eletricidade de 60 horas/aula no seu
curso de graduação, teria competência para realizar esse projeto?

Existem situações em que o engenheiro não pode atuar? Sim. Quando o


profissional não tiver registro no CREA do seu estado ou estiver com ele suspenso,
não poderá atuar, assim como executar atividades estranhas às atribuições
descritas na legislação. Caso isso ocorra, será considerado exercício ilegal da
profissão punível pela lei. Além disso, se o engenheiro assinar como responsável
por um projeto ou por uma empresa sem que efetivamente esteja trabalhando,
também estará incorrendo em exercício ilegal da profissão (CONFEA, 2016).

O que é engenharia? 29
U1

Exemplificando
Um exemplo de exercício ilegal da profissão ocorreu no centro do Rio
de Janeiro, em 2012, onde uma moradora de um apartamento do nono
andar, juntamente com um pedreiro, mudou o banheiro de lugar. Esse
prédio desabou e a reforma está implicada nas causas do desabamento.
Nenhum dos dois tinha diploma de Engenharia e, ao realizar a reforma,
colocaram em risco todos os moradores. No Brasil, o exercício ilegal
da profissão é uma contravenção, e o art. 47° do decreto-lei n° 3.688
de 1941 prevê para esses casos uma pena de prisão simples, de 15 dias
a três meses, ou multa. Porém, se por exercer ilegalmente a profissão
ocorrerem danos ao patrimônio ou às pessoas, será outra situação,
o que poderá implicar os envolvidos em outras punições referentes
ao código penal sobre homicídio doloso. Disponível em: <http://
www.institutodeengenharia.org.br/site/noticias/exibe/id_sessao/4/
id_noticia/6443/Exerc%C3%ADcio-ilegal-de-profiss%C3%A3o-para-
engenheiros-%C3%A9-apenas-contraven%C3%A7%C3%A3o-penal>.
Acesso em: 2 mar. 2016.

O engenheiro pode exercer inúmeras funções, o que atribui a ele características que
interessam muito a vários segmentos do mercado como o da indústria, do comércio
e de serviços. Esse fato faz com que o profissional da área de Engenharia seja bastante
solicitado pelo mercado de trabalho, mesmo fora de sua área de formação.

Sem medo de errar

Vamos dar continuidade à nossa palestra? Nessa etapa de elaboração, devem


ser abordadas as informações sobre as atribuições, competências e funções do
engenheiro, o que o engenheiro pode ou não fazer, sobre as associações de classe
da engenharia na sua área com CREA e CONFEA, além de informações relevantes
ao papel do engenheiro.

Resolução da situação-problema:

De posse das informações, apresentem-nas em forma de tópicos.

• Perfil do engenheiro e seu papel na sociedade.

• Atribuições do engenheiro.

• Competências e funções do engenheiro de acordo com a legislação.

• CREA e CONFEA; Outras associações de classe na sua área de engenharia.

30 O que é engenharia?
U1

Para cada um desses temas, utilize figuras, textos tabelas e estudos de casos
para ilustrá-los.

Coloque no final desta etapa um tópico com as questões que você espera que
possam ocorrer durante a palestra e prepare-se para respondê-las. Como sugestão,
você pode dividir o grupo em dois subgrupos: engenheiros e vestibulandos. O grupo
dos vestibulandos elaborou as questões para o grupo dos engenheiros responder.

Atenção
Prepare-se para as perguntas dos vestibulandos, elas serão muitas!
Faça uma simulação com seus colegas de grupo sobre as possíveis
perguntas que os vestibulandos possam fazer, elaborando as respostas
pertinentes, preparando-se, assim, para a palestra.

Avançando na prática

Engenheiro ou pesquisador, eis a questão

Descrição da situação-problema

José está cursando engenharia e gosta muito do curso que escolheu,


principalmente da elaboração de projetos, porém ele também gosta muito de
ajudar seus colegas com dificuldades em entender alguma matéria, de explicar e
de ensinar.

Ele está com um dilema e pede seus conselhos. A dúvida dele é: seria possível
aliar o desejo de ser engenheiro, trabalhar com projetos e ser professor, atuando
também com ensino e pesquisa? Seriam necessários cursos suplementares? Estaria
esse desejo entre as atribuições e competências de um engenheiro?

Lembre-se

Executar atividades estranhas às atribuições descritas na legislação é


exercício ilegal da profissão punível pela lei!

O que é engenharia? 31
U1

Resolução da situação-problema

Para ajudar José em seu dilema, você deve consultar o art. 7 da Lei n° 5.194, de
24 de dezembro de 1966, que trata das competências e funções dos engenheiros
e arquitetos, descritos nesta seção.

Observe que o subitem d do art. 7 aponta que o engenheiro também pode


atuar com ensino, pesquisa, experimentação e ensaios. Assim, não seria exercício
ilegal da profissão José atuar também como docente.

Informe ao José que, caso ele deseje ser docente do ensino fundamental ou
médio, é preciso fazer um curso suplementar de licenciatura. Se acaso ele quiser
ser professor de cursos técnicos, é possível trabalhar sem necessidade desse curso,
porém, para atuar na docência do ensino superior e ser pesquisador, ele precisará
realizar uma pós-graduação, realizando um mestrado e doutorado.

Faça você mesmo


Caso um engenheiro queira fazer uma atividade extra para ganhar
dinheiro (um “bico” nas horas vaga) e assinar como responsável técnico
por uma empresa, porém na realidade não participar dela ou acompanhar
a atuação da empresa, isso seria considerado exercício ilegal da profissão?

Faça valer a pena

1. Assinale a afirmativa correta em relação à formação do engenheiro:


a) É uma formação de apenas competências técnicas.
b) É uma formação generalista e abrangente.
c) É uma formação específica.
d) É uma formação na área de ciências.
e) É uma formação voltada à área civil.

32 O que é engenharia?
U1

2. Assinale a alternativa correta em relação às atividades que o engenheiro


pode realizar:
I – Gestão em empresas estatais.
II. Projetos em empresas privadas
III – Fiscalização de obras em autarquias.
IV – Atividades diferentes das especificadas pela legislação.
a) I e IV.
b) II e IV.
c) III e IV.
d) IV.
e) I, II, III.

3. Em relação à área onde o engenheiro não pode atuar, assinale a


alternativa correta:
a) Ensino, pesquisa, experimentação e ensaios.
b) Fiscalização de obras e serviços técnicos.
c) Produção técnica especializada, industrial ou agropecuária.
d) Prescrição de receituário de medicamentos para trabalhadores da
construção civil.
e) Execução de obras e serviços técnicos.

O que é engenharia? 33
U1

34 O que é engenharia?
U1

Seção 1.3

Áreas de atuação do engenheiro

Diálogo aberto

Olá! Você está pronto para conhecer um pouco mais sobre a Engenharia?
Anteriormente, falamos sobre as atribuições do profissional da área de engenharia,
suas competências, funções, sobre a regulamentação da profissão.

Nesta seção, vamos conhecer as diversas áreas de atuação do engenheiro!


Por que existem tantas divisões de áreas na engenharia? Você sabe o que faz um
engenheiro elétrico?

Como trabalha um engenheiro mecânico? E um engenheiro de alimentos? Sabe


quais são as funções que um engenheiro químico desempenha? E o engenheiro
de controle e automação, você sabe onde ele pode trabalhar? São muitas áreas,
mas não se preocupe vamos abordar uma boa parte delas de uma forma agradável
e prática. É muito importante conhecer detalhadamente a área de engenharia que
você escolheu estudar, pois, apesar de haver um núcleo de conhecimento geral
comum a todas as engenharias, cada uma delas também tem suas atribuições,
competências e funções.

Nesta seção, serão apresentados os diversos ramos da engenharia, suas


características e competências. Vamos aproveitar e dar continuidade à elaboração
da nossa palestra para abordar esse tema?

Agora, você já está mais experiente para criar essa penúltima parte da palestra!
Assim, poderá ajudar os vestibulandos a escolher a melhor área de engenharia para
prestar vestibular, de acordo com o perfil de cada um.

Você deve pesquisar em todo o material didático disponibilizado quais os


conhecimentos gerais e específicos são tratados nos cursos de engenharia da
sua área, em que tipo de empresa o engenheiro desta área pode trabalhar, em
que subáreas ele pode atuar, quais as principais atividades que ele pode realizar.
Procure também os diferentes ramos, as novas atuações do engenheiro.

Vamos conhecer um pouco mais as diferentes áreas da engenharia?

O que é engenharia? 35
U1

Não pode faltar

Núcleo de conhecimento comum a todos os cursos de engenharia

Na seção anterior, conhecemos as competências e atribuições gerais a todos


os engenheiros. Independente da área específica escolhida, todos têm o mesmo
perfil de formação, que é generalista, humanista, crítica e reflexiva; que capacita
o engenheiro a absorver, desenvolver novas tecnologias e solucionar problemas.
Para que isso seja possível, todas as áreas da Engenharia têm um núcleo comum
de conhecimento básico, que deve ser aplicado aos cursos de diferentes ramos
da Engenharia. Isso significa que um estudante de engenharia elétrica poderá
estudar na mesma sala que um aluno do curso de engenharia bioquímica? Sim,
mas apenas durante as disciplinas do núcleo comum! Isso é interessante, pois dá
oportunidade ao aluno de conhecer pessoas de diferentes perfis e que no futuro
poderão ser seus colegas de trabalho. De acordo com a Resolução CNE/CES
11/2002, os cursos de Engenharia têm no mínimo 3600 h e são formados por
diferentes núcleos:

• Básico: representando 30% de conteúdo comum a todas as engenharias.

• Profissionalizante: 15% do conteúdo.

• Específico: 55% do conteúdo...

Quais seriam as disciplinas de cada núcleo? Elas podem ser observadas no


Quadro 1.3. Perceba que as disciplinas do núcleo básico envolvem a área de exatas
e a área de humanas (BRASIL, 2002).

36 O que é engenharia?
U1

Quadro 1.3 | Conteúdos básicos, profissionalizantes e específicos dos cursos de Engenharia

NÚCLEOS DISCIPLINAS
Metodologia Científica e Tecnológica; Humanidades,
Ciências Sociais e Cidadania, Ciência e Tecnologia dos
Materiais; Comunicação e Expressão; Comunicação e
BÁSICO
Expressão; Mecânica dos Sólidos; Ciências do Ambiente;
Eletricidade Aplicada; Expressão Gráfica; Administração;
Economia; Matemática; Informática; Química; Física.
Algoritmos e Estruturas de Dados; Ciência dos Materiais;
Bioquímica; Telecomunicações; Controle de Sistemas
Dinâmicos; Circuitos; Elétricos; Geotécnica; Máquinas
de fluxo; Ergonomia e Segurança do Trabalho; Eletrônica
Analógica e Digital Matemática Discreta; Hidráulica,
Hidrologia Aplicada e Saneamento Básico; Qualidade;
Pesquisa Operacional; Sistemas Estruturais e Teoria
das Estruturas; Estratégia e Organização; Sistemas
Térmicos; Modelagem, Análise e Simulação de Sistemas;
Conversão de Energia; Sistemas Mecânicos Modalidades
de Ciências do Ambiente Mineralogia e Tratamento de
Minérios; Engenharia do Produto; Sistemas Operacionais;
PROFISSIONALIZANTE Materiais de Construção Civil; Mecânica Aplicada;
Expressão Gráfica Processos Químicos e Bioquímicos;
Gerência de Produção; Sistemas de Informação;
Reatores Químicos e Bioquímicos; Paradigmas de
Programação; Química Orgânica; Organização de
Computadores; Processos de Fabricação; Topografia e
Geodésia; Circuitos Lógicos; Compiladores; Construção
Civil; Termodinâmica Aplicada; Métodos Numéricos;
Eletromagnetismo; Geoprocessamento; Físico-
-química; Tecnologia Mecânica; Operações Unitárias;
Gestão Ambiental; Gestão Econômica; Materiais
Elétricos; Química Analítica; Gestão de Tecnologia;
Instrumentação; Microbiologia; Transporte e Logística;
Conhecimentos científicos, tecnológicos e
ESPECÍFICO instrumentais, necessários para a definição das
modalidades das engenharias.

Fonte: adaptado de MEC (2009) <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias


=504-engenhariafinal-ifes&category_slug=documentos-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 26 mar. 2016.

O que é engenharia? 37
U1

Reflita
Se eu estou fazendo engenharia civil ou mecânica ou produção, por
que tenho de aprender Química? Por que devo ter disciplinas da área
de Humanas?

As diferentes áreas da engenharia

Por que existem tantas áreas na engenharia? Seriam necessárias tantas? São
inúmeras as atividades que os engenheiros podem executar e dependendo do tipo
de projeto/trabalho são necessárias muitas informações como o embasamento
técnico, o domínio da tecnologia, relacionar com a interação com o meio
ambiente e a sociedade, dentre outras. Dessa forma, disso, um único profissional
não conseguiria saber tudo sobre biotecnologia, mecânica, aeronaves, alimentos,
química etc. Dessa forma são necessários vários tipos de engenheiros, e o que os
diferencia são as competências adquiridas nas disciplinas do núcleo específico dos
cursos (BAZZO; PEREIRA, 2008). A Resolução n° 218, de 29 de junho de 1973, do
CONFEA, apresenta as atribuições dos engenheiros por áreas, mas pode haver uma
extensão destas atribuições de acordo com o Anexo II da Resolução n°. 1.010 ,de 22
de agosto de 2005. O título do curso não será o único a ser utilizado para que o CREA
aprove as atribuições do formando, mas sim o que foi abordado durante a realização
dele, assim, mesmo tendo escolhido uma determinada área da Engenharia você
poderá atuar em várias outras, desde que faça uma pós-graduação lato sensu ou
stricto sensu. Além disso, há a possibilidade de fazer uma nova graduação e solicitar
a convalidação das disciplinas do núcleo básico. A Resolução n° 1.048, de 14 de
agosto de 2013, traz mais detalhes das atribuições gerais dos engenheiros que a
Resolução n° 218 de 29 de junho de 1973.

Exemplificando
Vamos dar um exemplo da aplicação da Resolução n°. 1.010/05. Se
você se formou em Engenharia Civil e fizer uma pós-graduação em
Segurança do Trabalho, você poderá exercer atribuições referentes à
segurança do trabalho, não sendo necessário cursar graduação em
Engenharia de Segurança do Trabalho!

Vamos conhecer algumas das áreas da engenharia? A seguir, são apresentados


no Quadro 1.4 os cursos de engenharia aprovados pelo MEC:

38 O que é engenharia?
U1

Quadro 1.4 | Curso de Engenharia aprovados pelo MEC

Agrícola de Alimentos de Minas Elétrica Aeronáutica


inovação e
Cartográfica de Bioprocesso de Pesca Eletrônica
Tecnologia
da Computação
Cartográfica de Petróleo Eletrotécnica madeireira
e Informação
Controle e
Civil de Produção Teleinformática Nuclear
Automação
De Agrimensura de Materiais de Telecomunicações Física Hídrica
Florestal Geológica Hídrica Industrial Mobilidade
Mecânica Mecatrônica Metalúrgica Naval Ambiental
Sanitária e
Oceânica Química Sanitária Sanitária
Ambiental
Têxtil Acústica Biomédica da Mobilidade Mecatrônica

Fonte: MEC (2016).

Como você pode perceber, são muitas as áreas da engenharia disponíveis para
quem quer ser engenheiro escolher. Abordaremos as áreas de atuação específicas
das diferentes engenharias, porém não será possível abordar nesta seção todas
elas, mas sim as mais tradicionais e algumas das mais recentes.

Pesquise mais
A Resolução nº 1.048/2013 acrescenta à Lei n° 5.194/1966 mais
atribuições gerais dos engenheiros, principalmente para a área de Agrária
e Civil, e vale a pena ser lida! Disponível em: <http://www.confea.org.br/
media/cartilha_resolucao1048.pdf>. Acesso em: 26 mar. 2016.

 
ENGENHARIA CIVIL: ela pode ser considerada a mais antiga das
engenharias! Em 1750, John Smeaton criou o termo “Engenheiro Civil” para
diferenciá-los daqueles que construíam os projetos militares (HOLTZAPPLE;
REECE, 2006). O engenheiro civil atua em projetos e construções civis, tais
como: edificações, estradas, pistas de rolamentos e aeroportos; sistema
de transportes, de abastecimento de água e de saneamento; portos,
rios, canais, barragens e diques; drenagem e irrigação; pontes e grandes
estruturas; seus serviços afins e correlatos (CONFEA, 1973).

 
ENGENHARIA MECÂNICA: o seu início está relacionado a projetos de
mecanismos acionados por tração humana ou animal, água ou vento ou

O que é engenharia? 39
U1

uma combinação desses. A Revolução Industrial, a invenção da máquina a


vapor e de outros equipamentos propiciaram o surgimento da Engenharia
Mecânica (ANDRADE, 2009). Os engenheiros mecânicos atuam em:
processos mecânicos, máquinas em geral; instalações industriais e
mecânicas; equipamentos mecânicos e eletromecânicos; veículos
automotores; sistemas de produção de transmissão e de utilização do
calor; sistemas de refrigeração e de ar condicionado. (CONFEA, 1973).

 
ENGENHARIA DE PRODUÇÃO: iniciou quando os primeiros artesãos, além
de produzir, começaram a organizar, implantar a mecanização, medir e
melhorar a produção (ABEPRO, 2016). O engenheiro de produção projeta,
implanta, opera, aperfeiçoa e mantém sistemas integrados de produção de
bens e serviços. Em relação às suas atribuições, a Resolução n° 288/1983
descreve: “dar-se-á o título e atribuições de acordo com as seis grandes
áreas da Engenharia de onde se originaram”. O título será concedido da
seguinte forma: engenheiro de produção civil, produção elétrica, produção
mecânica, engenheiro de produção químico, engenheiro de produção
metalúrgico, engenheiro de produção de minas (CONFEA, 1983).

 
ENGENHARIA ELÉTRICA: ela surgiu em 1885, nos EUA, no Instituto de
Tecnologia de Massachusetts (BATTAGLIN; BARRETO, 2011). O engenheiro
eletricista atua na transmissão, distribuição e utilização da energia elétrica;
equipamentos, materiais e máquinas elétricas; sistemas de medição
e controle elétricos. Ele pode trabalhar em todos os segmentos, sejam
industriais, comerciais e de serviços (MEC, 2016).

 
ENGENHARIA QUÍMICA: a profissão de engenheiro químico foi
reconhecida como profissão por George Davis, em 1887 (PORTO,
2007), e o curso superior foi criado em 1888, nos EUA, no Instituto de
Tecnologia de Massachusetts (UFSM, 2016). Os engenheiros químicos não
são químicos! Eles são engenheiros, muito ecléticos, que trabalham com
processos industriais que envolvem a química, processam matérias-primas
e as transformam em produtos refinados. Além disso, os engenheiros
químicos: identificam, formulam e resolvem problemas relacionados à
indústria química; supervisionam a manutenção e operação de sistemas.
Estão habilitados a trabalhar em vários setores industriais, como: alimentos,
síntese química, petróleo, cosméticos, biotecnologia, fertilizantes,
fármacos, dentre outros (MEC, 2016).

 
ENGENHARIA DE ALMENTOS: foi criada em 1966 a primeira Faculdade de
Tecnologia de Alimentos, que deu origem, em 1975, à Faculdade Engenharia
de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP, 2006). O
engenheiro de alimentos atua no desenvolvimento de produtos e processos da
indústria de alimentos e bebidas, em escala industrial, desde a seleção da matéria-

40 O que é engenharia?
U1

-prima, de insumos e de embalagens até a distribuição e o armazenamento. Ele


busca o desenvolvimento de produtos saudáveis, com características sensoriais
que atendam ao consumidor (MEC, 2016). O engenheiro de alimentos não é
cozinheiro! Nem nutricionista! Essa ainda é uma confusão comum, que ocorre
desde a criação do curso até os dias atuais.

 
ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO E INFORMAÇÃO: Essa engenharia
derivou da engenharia elétrica e alavancou o desenvolvimento de todas
as outras áreas da ciência. O profissional dessa área conhece tanto a
programação (software) quanto os equipamentos (hardware), desenvolvendo
computadores e sistemas operacionais desses, para aplicação em todas
as áreas (HOLTZAPPLE; REECE, 2006). Esses engenheiros devem dominar
sistemas digitais, programação e comunicação em redes, em especial na
Internet; projetar aplicações avançadas envolvendo a Web (Rede); produzir
software confiável; projetar e gerenciar complexos sistemas de informação.
(UERG, 2016; MEC, 2016). No século XXI, todos estão conectados e em
contato com essa área da engenharia diariamente.

 
ENGENHARIA DE AUTOMAÇÃO E CONTROLE: de acordo com o artigo
1º da Portaria 1.694/94 do MEC, “a Engenharia de Controle e Automação é
uma habilitação específica, que teve origem nas áreas elétricas e mecânicas
do Curso de Engenharia, fundamentado nos conteúdos dos conjuntos
específicos de matérias de formação profissional geral” e é equivalente à
antiga Mecatrônica. O profissional dessa área atua em todas as áreas do
processo produtivo na automação e controle além de projetar, instalar e
realizar manutenção em robôs. Criar um robô para arrumar a casa seria
uma boa ideia, não?

 
ENGENHARIA NUCLEAR: o curso de Engenharia Nuclear no Brasil foi
reconhecido em 2013 pelo MEC na Universidade Federal do Rio de Janeiro. O
engenheiro nuclear atua em tecnologias no campo nuclear para a geração de
energia elétrica, construção e operação de reatores nucleares, segurança de
materiais radioativos, aplicação de radiações nucleares em medicina nuclear,
preservação de alimentos, preservação de obras de arte etc. (UFRJ, 2016). O
engenheiro nuclear não tem como objetivo de fazer bombas!

 
ENGENHARIA DE MOBILIDADE: o bacharelado interdisciplinar (BI) em
Mobilidade é da Universidade Federal de Santa Catarina. Criado em 2009,
tem a duração de três anos e, com complementação de 2 anos, forma
engenheiros capazes de identificar, formular e resolver problemas de
Engenharia, que envolvam sistemas de transporte seja urbano, ferroviário,
rodoviário, aéreo, dutoviário e a integração com o aquaviário. Com esses
dois anos, um diploma de bacharel em Engenharia é emitido nas áreas de
mobilidade: aeroespacial, automotiva, de infraestrutura, de transportes e

O que é engenharia? 41
U1

logística, ferroviária e metroviária, naval e mecatrônica (UFSC, 2016).

 
ENGENHARIA DE INOVAÇÃO: o curso de Engenharia de Inovação do
Instituto Superior de Inovação e Tecnologia (ISITEC) foi credenciado pelo
MEC em 2013 e forma engenheiros capazes de identificar, estruturar e
solucionar demandas de inovação em qualquer área em que atue. O curso
abrange computação, inovação, design, elétrica, eletrônica, hidráulica,
materiais, sistemas ambientais, automação e controle (ISITEC, 2016).

Mesmo sendo recentes, todas as modalidades de engenharia necessitam de


registro no CREA. Existem outras modalidades de Engenharia que você poderá
explorar, além de conhecer mais sobre as atribuições das demais engenharias
através dos Referenciais Nacionais dos Cursos de Engenharia (Disponível em: <http://
abepro.org.br/arquivos/websites/1/referenciais_engenharias_MEC.pdf>. Acesso em:
26 mar. 2016).

Assimile
Todos os cursos de Engenharia têm o mesmo núcleo básico que
representa 30% do, que é constituído por: Metodologia Científica e
Tecnológica; Humanidades, Ciências Sociais e Cidadania; Ciência e
Tecnologia dos Materiais; Comunicação e Expressão; Comunicação e
Expressão; Mecânica dos Sólidos; Ciências do Ambiente; Eletricidade
Aplicada; Expressão Gráfica; Administração; Economia; Matemática;
Informática; Química; Física.

Sem medo de errar

Essa é a penúltima parte da nossa palestra! Ela está quase pronta!

Vamos abordar as áreas de atuação dos engenheiros? Pesquise em que tipo de


empresa que o engenheiro da sua área pode trabalhar, em que subáreas ele pode
atuar, quais as principais atividades que ele pode realizar. Procure, nos diferentes
ramos, as novas atuações do engenheiro.

Use como subsídio esse material citado no livro didático:

• Resolução nº. 1.010/05. (Disponível em: <http://www.confea.org.br/cgi/cgilua.


exe/sys/start.htm?sid=1196>. Acesso em: 26 mar. 2016). Para auxiliá-lo a compreender
melhor essa legislação, assista a este vídeo que a discute (Disponível em: <https://www.
youtube.com/watch?v=TiO4XlLzaLA>. Acesso em: 26 mar. 2016).

42 O que é engenharia?
U1

• Resolução nº 1.048/2013 (Disponível em: <http://www.confea.org.br/


media/cartilha_resolucao1048.pdf>. Acesso em: 26 mar. 2016).

• Referenciais Nacionais dos Cursos de Engenharia (Disponível em: <http://


abepro.org.br/arquivos/websites/1/referenciais_engenharias_MEC.pdf>. Acesso
em: 26 mar. 2016).

Resolução da situação problema

Elabore um quadro (veja o modelo no Quadro 1.5) com as informações pertinentes,


obtidas a partir do material didático e da legislação acima, e, para cada atuação, aponte
as atribuições e em que tipo de empresa o engenheiro pode atuar.

Quadro 1.5 | Áreas de atuação do engenheiro “X”

Áreas de atuação Atribuições Tipos de empresas

Avançando na prática

Ajude um vestibulando em apuros!

Antônio está fazendo o cursinho pré-vestibular e está em dúvida entre a


Engenharia Mecânica e a Engenharia de Produção como opção para o vestibular.
Ele pesquisou e descobriu que os engenheiros formados nessas duas áreas podem
trabalhar no mesmo tipo de indústria. Ele ficou confuso e busca a sua opinião,
perguntando a você: se eles têm formações diferentes, como podem trabalhar
no mesmo lugar? Eles fazem as mesmas coisas? Se eu prestar o vestibular para
Engenharia Mecânica e não gostar, eu posso mudar para Engenharia de Produção?
Vou perder as disciplinas já cursadas?

Lembre-se

Todos os cursos de engenharia têm o mesmo núcleo básico que


representa 30% do curso!

O que é engenharia? 43
U1

Resolução da situação-problema

Para ajudar a esclarecer as dúvidas de Antônio, você pode consultar: Referenciais


Nacionais dos Cursos de engenharia: “Conteúdos básicos, profissionalizantes e
específicos dos cursos de Engenharia” (Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/
index.php?option=com_docman&view=download&alias=504-engenhariafinal-
ifes&category_slug=documentos-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 26 mar. 2016)
e a Resolução Nº 218/1973 do CONFEA (Disponível em: <http://normativos.
confea.org.br/ementas/visualiza.asp?idEmenta=266>. Acesso em: 26 mar. 2016).
A partir dessa consulta, mostre a ele que, apesar de poder atuar nos mesmos
tipos de empresas, esses profissionais têm atribuições diferentes. A partir dessas
informações, observe no Quadro 1.6 a comparação entre as duas Engenharias.

Quadro 1.6 | Comparação entre as Engenharias de Produção e Mecânica

Engenharia de Produção Engenharia Mecânica


Processos mecânicos, máquinas
em geral; instalações industriais e
Projeta, implanta, opera, aperfeiçoa
mecânicas; equipamentos mecânicos e
e mantém sistemas integrados de
eletromecânicos; veículos automotores;
produção de bens e serviços.
sistemas de produção de transmissão e
de utilização do calor e refrigeração.

Em relação à perda das disciplinas cursadas, informe a Antônio que, de acordo


com a Resolução CNE/CES 11/2002, as engenharias têm um núcleo comum, pois
30% das disciplinas são as mesmas e ele poderá aproveitá-las se mudar de curso.

Faça você mesmo


O engenheiro mecânico tem as mesmas atribuições que o engenheiro
de automação e controle (ou engenheiro em Mecatrônica?).

44 O que é engenharia?
U1

Faça valer a pena

1. Em relação às áreas de atuação do engenheiro civil, assinale a


alternativa correta:
a) Projetos de uso de energia nuclear para a geração de energia elétrica.
b) Projetos de automação e controle de processos.
c) Projetos de edificações, estradas e de abastecimento de água.
d) Projetos de construção de computadores.
e) Projetos de transmissão, distribuição de energia elétrica.

2. Em relação às áreas de atuação do engenheiro de alimentos, assinale a


alternativa correta:
a) Nutrição hospitalar.
b) Cozinheiro em restaurantes.
c) Projetos relacionados à indústria química.
d) Projetos de produtos e processos da indústria de alimentos e bebidas.
e) Projetos de transporte urbano.

3. Em relação aos títulos que podem ser atribuídos ao engenheiro de


produção, assinale a alternativa correta:
I – Engenheiro de produção civil.
II – Engenheiro de produção elétrica.
III – Engenheiro de produção nuclear.
a) I e III, apenas.
b) I, apenas.
c) II, apenas.
d) III, apenas.
e) I e II, apenas.

O que é engenharia? 45
U1

46 O que é engenharia?
U1

Seção 1.4

Engenheiro no mercado de trabalho

Diálogo aberto

Caros alunos, chegamos à última seção, da Unidade 1! Até aqui, já conhecemos


bastante sobre a engenharia não é? Vimos a sua história, as atribuições dos
engenheiros e suas áreas de atuação.

Agora que você conhece bem a área da engenharia que você escolheu como
carreira, vamos falar sobre o mercado de trabalho para o engenheiro! Afinal, além
de gostar muito do que você estuda, é preciso saber quais são possibilidades de
trabalho que existem na sua área, qual a demanda do mercado de trabalho e, claro,
quanto ganha um engenheiro!

Nesta seção, vamos abordar: perfil do engenheiro exigido pelo mercado de


trabalho; demanda do mercado; principais postos de trabalho assumidos pelos
engenheiros; salários; e a necessidade de qualificação posterior à faculdade.

Vamos também elaborar a última etapa da nossa palestra, ajudando os


vestibulandos na escolha da área da engenharia para o vestibular. Eles também
querem saber o quanto vão ganhar quando se formarem!

Pesquisem no material didático disponibilizado as qualificações que o mercado


de trabalho exige de um recém-formado em engenharia, quais as opções de
trabalho que existem nas áreas de atuação, qual o salário médio de um recém-
-formado e até quanto ele pode ganhar com o tempo de serviço. Apresente também
os principais cargos oferecidos, perspectivas futuras do mercado, valor dos salários
pagos, necessidade de qualificação posterior à faculdade, requisitos solicitados pelas
empresas de RH para a contratação de engenheiros. Façam tópicos abordando cada
assunto e montem tabelas e gráficos para ilustrar cada item.

Bons estudos!

O que é engenharia? 47
U1

Não pode faltar

O que o mercado de trabalho espera de um engenheiro? Quais as competências


e habilidades que o engenheiro deve ter para ter sucesso na carreira? Será que
ter apenas o diploma de engenharia será suficiente para ter sucesso profissional?
Quanto ganha um engenheiro? Vamos tentar responder a essas questões!

O mercado de trabalho

O engenheiro é o 3º profissional mais escasso do mundo! As vagas disponíveis


no mercado de trabalho estão diretamente relacionadas ao desenvolvimento do
país, sendo que a área de engenharia participa com cerca de 70% do Produto
Interno Bruto (PIB) (AMIN, 2013). Isso é uma boa notícia quando estamos estudando
engenharia não é?

O Brasil é um país considerado emergente, mas mesmo assim têm sido formados
menos engenheiros por ano quando comparado a outros países como China, Índia
e Rússia. A procura por mão de obra qualificada no país cresce a cada dia, porém a
falta desses profissionais não é devida apenas à formação de poucos profissionais,
mas também está relacionada ao fato de que mais da metade dos profissionais não
atuam na sua área de formação (CREA – PR, 2013). Como já falamos anteriormente,
os engenheiros são profissionais muito versáteis e são requisitados para várias funções
no mercado de trabalho. No país, existem apenas seis engenheiros para cada grupo
de 100 mil pessoas. O ideal seriam pelo menos 25 por 100 mil habitantes, portanto
estamos abaixo do necessário. Do total de profissionais registrados em 2015, mais
de 77% são formados em apenas quatro especialidades: técnico industrial (33,87%
do total), engenheiro civil (20,06%), engenheiro eletricista (12,16%) e engenheiro
mecânico e metalurgia (10,94%) (PINTO, 2016). Esse fato indicaque, que, além da
falta de engenheiros, faltam profissionais em áreas específicas da engenharia. Na
Tabela 1.1, podemos observar a demanda de engenheiros no mercado de acordo
com a projeção econômica até 2022.

Tabela 1.1 | Cenários de crescimento da economia e de oferta e demanda totais de


engenheiros

2015 2022
Disponibilidade (oferta) 1.099.239 1.565.426
Multiplicador
do req. téc. 3,5 3,0 2,5 3,5 3,0 2,0
Taxa média de
crescimento
3% a.a. 1.168.164 1.001.283 834.403 1.186.174 1.595.292 1.063.528
5% a.a. 1.348.487 1.155.846 963.205 2.480.114 2.125.812 1.417.208
7% a.a. 1.706.807 1.462.977 1.209.148 3.973.263 3.405.654 2.270.436

Fonte: adaptado de Nascimento et al. (2016).

48 O que é engenharia?
U1

Quanto ganha um engenheiro?

A remuneração dos profissionais da área da engenharia é regulamentada pelo


CREA e, de acordo com a Lei n° 4.950-A, de 22 de abril de 1966, estabelece 6 salários
mínimos para jornada de 6 horas, sendo que cada hora adicional a essas 6 horas vale
25% a mais do salário mínimo. Assim, para 8 h trabalhadas: 25x1/100=0,25 do salário
mínimo. Se passaram 2h das 6 h, o salário será 0,25+0,25=0,5 do salário mínimo a
mais. Assim, para 8 h de trabalho, o engenheiro deve receber 8,5 salários mínimos
por mês. Porém, apesar da legislação, o salário varia de acordo com a região do país,
área da engenharia, experiência profissional etc. Observe na tabela apresentada na
sequência com a média salarial paga pelo mercado para os engenheiros.

Tabela 1.2 | Média salarial de engenheiros

Fonte: <http://www.pisosalarial.com.br/salarios/engenheiro/>. Acesso em: 22 abr. 2016.

O que é engenharia? 49
U1

Pesquise mais
Pesquise mais sobre os salários pagos pelo mercado de acordo com
cada região do país através do artigo: Os salários dos engenheiros
no Brasil. Disponível em: <http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/
quanto-ganham-os-engenheiros-no-brasil>. Acesso em: 21 abr. 2016.

Características desejadas pelo mercado nos engenheiros

Com o desenvolvimento de novas tecnologias, não só as máquinas e equipamentos


tornaram-se obsoletos, como também as habilidades e competências. É necessário
buscar novos conhecimentos para um candidato a emprego ter pontos fortes em
relação aos concorrentes. Dentre esses pontos fortes, podemos citar: habilidades
profissionais, formação intelectual, experiências profissionais e, principalmente,
habilidades no relacionamento humano (DIAS, 2015).

Para que o engenheiro possa ser valorizado e selecionado por uma empresa, é
esperado que ele tenha competência em (MAXWELL, 2008):

 Inovar, focar no cliente, organizar, cooperar, colaborar, empreender, criar;

 Delegar, liderar equipes, relacionar-se com outras pessoas, negociar;

 Resolver problemas, visualizar e analisar o sistema como um todo, gerir


equipes técnicas;

 Gerenciar recursos, lidar com situações novas, raciocinar rapidamente;

 Analisar custos, verificar tendências, trabalhar sem supervisão.

Em relação às vagas de estágio, também têm sido citadas pelas empresas


de recrutamento e seleção as seguintes competências para a contratação de
estagiários: ser colaborativo, ter compromisso, boa comunicação, criatividade,
ser empreendedor, ter flexibilidade, ter liderança, ser objetivo e organizado, foco
nos resultados, otimismo (ou ser positivo), poder analítico, proatividade, visão
estratégica e generalista (global) (LOPEZ, 2011). Muitas dessas competências não
são trabalhadas em alguns cursos de graduação, o que leva à falta de qualificação
dos candidatos para as vagas de emprego na área de engenharia. Essa falha
pode ser sanada através da realização de estágios, iniciação científica e cursos
extracurriculares durante a graduação, para adquirir essas competências. Para
conquistar um emprego ou estágio na área de engenharia você deve desenvolver
o seu melhor!

50 O que é engenharia?
U1

Reflita
“Os engenheiros do futuro devem consolidar o que hoje já é real,
ou seja, a formação humanística da profissão, sempre voltada para
o interesse da melhoria da qualidade de vida da sociedade. A busca
do engenheiro do futuro será o preparo para a qualidade total em
suas atividades e, para isso, as instituições de ensino superior devem
também romper as amarras do ensino tradicional e voltar-se para uma
nova formação do engenheiro” (AMIN, 2013).

Os estágios são excelentes oportunidades para colocar em prática o que você


aprendeu durante o curso. Existem os estágios curriculares obrigatórios, que em
geral são realizados nos últimos dois semestres do curso, mas você pode fazer
estágios extracurriculares durante toda a graduação. O Centro de Integração
Empresa-Escola (CIEE) atua como um mediador entre estagiário e empresa. Entre
no site: <http://www.ciee.org.br/portal/index.asp> e cadastre seu currículo.

Estágios no exterior são uma boa pedida para quem quer começar bem a
carreira. Com a globalização, você pode estar no Brasil trabalhando para uma
empresa chinesa e a qualquer momento poder fazer uma viagem para lá! Como
você pode se candidatar? Primeiramente, para se candidatar às vagas de estágio
fora do Brasil, você precisa falar inglês fluente e/ou a língua do país onde o estágio
está sendo oferecido. Menos de 2% da população brasileira fala inglês (DIAS, 2015),
o que é algo muito ruim para o mercado de trabalho, pois a falta de um segundo
idioma tem dificultado a contratação de profissionais. Existem várias empresas de
intercâmbio que oferecem a possibilidade de um estágio profissional, muitas vezes
remunerado, aliado a um curso de inglês. O Ministério da Educação e Cultura tem
um programa de bolsas chamado Ciência sem Fronteieras, no qual é possível fazer
parte da graduação fora do país. Acesse: <http://www.cienciasemfronteiras.gov.
br/web/csf/graduacao> e veja as regras.

Você também pode fazer uma pós-graduação (lato sensu ou stricto sensu)
como opção para aumentar as suas atribuições profissionais!

Assimile
A remuneração dos profissionais da área da engenharia com jornada
de 8 horas diárias devem receber 8,5 salários mínimos por mês, ou
seja, 6.154 reais. Valorize seu diploma e não aceite salário menor!

O que é engenharia? 51
U1

O primeiro emprego

Você vai passar 5 anos estudando para ser engenheiro e, quando conseguir
seu diploma, surgirão muitas dúvidas, comuns a todos os recém-formados, em
relação ao seu primeiro emprego. Mas vamos tentar responder a algumas delas
antes da formatura!

• Quando eu me formar, serei um engenheiro júnior, pleno ou sênior?


Cada empresa define os requisitos de cada cargo e esses poderão ser diferentes
para cada uma delas. O engenheiro pode assumir vários cargos desde supervisor,
gerente até diretor, porém isso dependerá de sua experiência profissional.
Antigamente, essas definições estavam relacionadas ao tempo de trabalho na área,
por exemplo: até dois anos júnior, de dois a cinco anos pleno e, acima disso,
sênior. Com a evolução do mercado, essa classificação tornou-se insuficiente e
podemos definir esses profissionais como:

 
Júnior: cargo com complexidade menor de tarefas, sem tantas exigências de
competências profissionais e normalmente sem autonomia para decisões.

 
Pleno: complexidade maior de tarefas, maior maturidade profissional e
capacidade ampla de tomada de decisões.

 
Sênior: ampla complexidade de tarefas, exigência de maturidade
profissional e emocional, poder de decisão e capacidade para assumir
funções de liderança (VALENTE, 2016).

• Preciso saber falar Inglês de forma fluente? A sua empregabilidade está


diretamente relacionada à sua capacidade de falar inglês! Segundo o Sindicato dos
Administradores no Estado de São Paulo (2016), o candidato deve dominar pelo menos
o idioma Inglês e ele deve ser fluente. Isso pesa mais do que um curso de MBA ou de
pós-graduação na disputa por uma boa posição no mercado de trabalho. Portanto,
corra atrás de um bom curso de Inglês! A língua espanhola também é requisitada por
empresas que atuam na América Latina, além do mandarim, que tem sido solicitado
devido à importância da China no mercado Internacional! Conheça o programa Inglês
sem fronteiras (IsF), uma iniciativa do Ministério da Educação para incentivar o estudo
da língua inglesa, através do site: <http://www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf/
ingles-sem-fronteiras> (acesso em: 23 abr. 2016).

• Como fazer um bom currículo? O currículo é o primeiro contato que as


empresas de recursos humanos têm com você e ele pode abrir ou fechar portas
à sua empregabilidade. As empresas reclamam de currículos muito pobres, com
erros de ortografia e gramática ou que não fazem justiça à experiência profissional
do candidato. Procure nos sites de empresas de recursos humanos exemplos
de como fazer um bom currículo, mas desde já adianto que os erros apontados
anteriormente são critério de exclusão do processo seletivo de emprego.

52 O que é engenharia?
U1

Exemplificando
Como exemplo de elaboração de currículo, assista ao vídeo a seguir, que
apresenta detalhadamente cada etapa da construção de um currículo.

Aprenda a elaborar um bom currículo. Disponível em: <https://www.


youtube.com/watch?v=yg_SY6giRu0>. Acesso em: 23 abr. 2016.

• Como me portar na entrevista de emprego? Os processos seletivos


para a contratação de engenheiros muitas vezes são verdadeiras maratonas! Em
geral, são várias etapas que o candidato deve passar começando pela seleção
do currículo, passando por dinâmicas de grupo e finalizando com uma ou mais
entrevistas. Em relação às entrevistas, alguns pontos que você precisar ficar atento
para ter sucesso: Conheça a empresa, cuide da vestimenta, seja pontual, tenha
uma boa comunicação e desligue o celular!

Pesquise mais
Você pode encontrar ótimas dicas de como se comportar e ter sucesso
em entrevistas de emprego acessando o site: <http://www.catho.com.
br/carreira-sucesso/dicas-emprego/entrevista-emprego>. Acesso em:
21 abr. 2016.

Nas entrevistas de emprego, é realizada uma série de perguntas e você deve


estar preparado para elas. As mais comuns podem ser vistas no artigo: as 20
perguntas mais comuns na entrevista de empregos. Disponível em: <http://www.
areah.com.br/cool/carreira/materia/11960/1/pagina_1/as-20-perguntas-mais-
comuns-na-entrevista-de-emprego.aspx>. Acesso em: 23 abr. 2016.

• Como conseguir o primeiro emprego? Uma reclamação constante de quem


procura o primeiro emprego como engenheiro é: as empresas buscam profissionais
com experiência, contudo ninguém quer dar a oportunidade do primeiro emprego.
Existem empresas que definem a vaga para profissionais que buscam o primeiro
emprego. Procure por essas empresas e por vagas que não colocam como prioridade a
experiência profissional na área. O Sistema Nacional de Emprego (SINE) tem disponível
no seu site: <http://www.sine.com.br/vagas-empregos/primeiro-emprego>. (acesso
em: 23 abr. 2016) oportunidades para o primeiro emprego; dê uma olhada!

O que é engenharia? 53
U1

Exemplificando
Como exemplo de entrevista assista ao vídeo a seguir, que apresenta
uma simulação de entrevista de emprego, juntamente com avaliação
dos entrevistados: Max Gehringer – Entrevista de Emprego. Disponível
em: <https://www.youtube.com/watch?v=dcCLIRvoXUc>. Acesso
em: 23 abr. 2016.

Sem medo de errar

Olá, vamos à última etapa da nossa palestra!

Nesse momento da palestra, vamos apresentar os postos de trabalho oferecidos


no mercado para a Engenharia da sua área nos últimos anos, os principais cargos
oferecidos, perspectivas futuras do mercado, valor dos salários pagos, necessidade
de qualificação posterior à faculdade, requisitos solicitados pelas empresas de RH
para a contratação de engenheiros.

Resolução da situação-problema

Para elaborar essa parte da palestra, faça tópicos como o exemplo seguir. Use
os dados fornecidos no material didático e, principalmente, assista aos vídeos
apresentados na sequência:

 
Como exemplo de elaboração de currículo: Aprenda a elaborar um
bom currículo. Disponível em:<https://www.youtube.com/watch?v=yg_
SY6giRu0>. Acesso em: 23 abr. 2016.

 
Como exemplo de entrevista: Max Gehringer – Entrevista de Emprego.
Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=dcCLIRvoXUc>. Acesso
em: 23 abr. 2016.

Tópicos para a palestra:

 
O mercado de trabalho: faça um apanhado de como está o mercado de
trabalho e apresente.

 
Quanto ganha um engenheiro? Apresente e discuta a Tabela 1.2 .

 
Características desejadas pelo mercado nos engenheiros: pontue aqui as
principais competências esperadas pelo mercado.

 
O primeiro emprego: nesse tópico, aborde as dicas de como elaborar um

54 O que é engenharia?
U1

currículo, como se portar em uma entrevista de emprego, onde cadastrar


o currículo para o primeiro emprego. Busque as principais oportunidades
de emprego em empresas de recolocação e use como exemplo.

Atenção
Estude bastante seu texto, pois neste tópico o vestibulando vai perguntar
muito sobe as possibilidades profissionais na área. Esteja preparado!

Avançando na prática

O estágio no exterior

Descrição da situação-problema

Você tem um amigo que deseja fazer um estágio no exterior na área de


Engenharia, mas ele não tem ideia de como começar a buscar esse estágio. Esse
amigo o procura para uma orientação. Como você o ajudaria?

Lembre-se

A empregabilidade está diretamente relacionada à capacidade de falar


inglês! Segundo o Sindicato dos Administradores no Estado de São
Paulo (2016), o candidato deve dominar pelo menos o idioma inglês,
pois tê-lo fluente pesa mais do que um curso de MBA ou de pós-
-graduação na disputa por uma boa posição no mercado de trabalho.

Resolução da situação-problema

Em primeiro lugar, você deve conversar com seu amigo e perguntar sobre a
proficiência em língua estrangeira. Se ele tiver inglês fluente, isso irá ajudar e muito.
Mostre o site do programa Ciência Sem Fronteiras: <http://www.cienciasemfronteiras.
gov.br/web/csf/graduacao> e sugira que ele faça uma parte da graduação fora do
país. Nesse site, será possível verificar as áreas que fornecem bolsas na Engenharia,
os pré-requisitos, os países participantes e os valores das bolsas. Após definir o que
vai fazer, seu amigo deve escolher o país em que deve atuar.

Agora é só seu amigo se inscrever e viajar!

O que é engenharia? 55
U1

Faça você mesmo


Será que apenas frequentar as aulas do curso de engenharia será
suficiente para você ter chances de conquistar um bom emprego?

Faça valer a pena

1. Em relação à demanda de engenheiros pelo mercado, eles estão


entre os:
a) Primeiros mais procurados.
b) Segundos mais procurados.
c) Terceiros mais procurados.
d) Quartos mais procurados.
e) Quintos mais procurados.

2. As vagas disponíveis no mercado de trabalho estão diretamente


relacionadas a/ao:
a) População do país.
b) Número de empresas.
c) Quantidade de estudantes.
d) Taxa de natalidade.
e) Desenvolvimento do país.

3. Em relação à quantidade de engenheiros no Brasil, podemos afirmar


que:
a) Existem em número suficiente para a demanda do mercado.
b) Temos 6 engenheiros para cada grupo de 100 mil pessoas.
c) Temos 25 engenheiros para cada grupo de 100 mil pessoas.
d) Temos 8 engenheiros para cada grupo de 100 mil pessoas.
e) Temos 35 engenheiros para cada grupo de 100 mil pessoas.

56 O que é engenharia?
U1

Referências

ALMEIDA, M de. Você sabia que esses inventos são brasileiros? Disponível em:
<http://mariodealmeida.com.br/sem-categoria/voce-sabia-que-esses-inventos-
sao-brasileiros/>. Acesso em: 26 fev. 2016.
ABREPRO. Origens e evolução da formação em engenharia de produção.
Disponível em: <http://www.abepro.org.br/arquivos/websites/1/hist.pdf/>. 16 mar.
2016.
AMIN, J. A. Dia do Engenheiro: panorama da profissão, desafios, mercado de trabalho
e carreira. Disponível em: <http://www.crea-pr.org.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=2875:11-de-dezembro-dia-do-engenheiro-panorama-
da-profissao-desafios-mercade-de-trabalho-e-carreira&catid=3:newsflash>.
Acesso em: 23 abr. 2016.
ANDRADE, C. Histórico da Engenharia Mecânica. Disponível em: <http://prof
cristianoandrade.blogspot.com.br/2009/09/historico-da-engenharia-mecanica.
html>. Acesso em: 16 mar. 2016.
BAZZO, W. A; PEREIRA, L. T. Introdução à Engenharia – Conceitos, Ferramentas e
Comportamentos. Florianópolis: Editora UFSC, 2006.
BAZZO, W. A; PEREIRA, L. T. Introdução à Engenharia – Conceitos, Ferramentas e
Comportamentos. 2. ed. Florianópolis: Editora UFSC, 2008.
BATTAGLIN, P. D; BARRETO, G. Revisitando a história da engenharia elétrica.
Disponível em: <http://www.abenge.org.br/revista/index.php/abenge/article/view/
103/83>. Acesso em: 15 mar. 2016.
BEDRIKOW, R., Manoel de Abreu. Jornal de Pneumologia, São Paulo, v. 27, n. 1.
jan. 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid
=S0102-35862001000100010> Acesso em: 28 abr. 2016
BIOLOGIA NA REDE. Revista "Science" elege as maiores descobertas científicas
da década e do ano. Disponível em: <http://bionarede.crbio04.gov.br/2011/01/
revista-science-elege-as-maiores.html>. Acesso em: 27 fev. 2016.
BRUM, J. A.; MENEGHINI, R. O Laboratório nacional de luz síncrotron. Perspectivas,
São Paulo, v. 16, n. 4, oct./dez. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.
php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392002000400009>. Acesso em: 25 fev.
2016.

O que é engenharia? 57
U1

CARDOSO, T. F. L. Sociedade e Desenvolvimento Tecnológico: Uma Abordagem


Histórica. In: Grinspun, M. P.S.Z. (Org.). Educação Tecnológica-Desafios e
Perspectivas. São Paulo: Cortez, 1999.
CONFEA. Portaria n° 1.694, de 05 de dezembro de 1994. Disponível em: <http://
normativos.confea.org.br/ementas/visualiza.asp?idEmenta=475>. Acesso em: 10
nov. 2016.
CONFEA. Resolução n° 288, de 7 de dezembro de 1983. Designa o título e fixa
as atribuições das novas habilitações em Engenharia de Produção e Engenharia
Industrial. Disponível em: <http://normativos.confea.org.br/downloads/0288-83.
pdf> Acesso em: 12 mar. 2016.
CONFEA. Resolução n° 218, de 29 junho 1973. Discrimina atividades das diferentes
modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Disponível em:
<http://normativos.confea.org.br/ementas/visualiza.asp?idEmenta=266> Acesso
em: 12 mar. 2016.
CONFEA. Lei n° 5.194, de 24 dezembro 1966. Regula o exercício das profissões de
Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, e dá outras providências. Disponível
em: <http://normativos.confea.org.br/ementas/visualiza.asp?idEmenta=25> Acesso
em: 12 mar. 2016.
COSTA, A. G. N. Pré-História também é história: Período Neolítico UCA. Disponível
em: <http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=31146>. Acesso
em: 29 fev. 2016.
CREA-PR. Dia do engenheiro: panorama da profissão, desafios, mercado de trabalho
e carreira. Disponível em: <http://www.crea-pr.org.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=2875:11-de-dezembro-dia-do-engenheiro-panorama-
da-profissao-desafios-mercade-de-trabalho-e-carreira&catid=3:newsflash>.
Acesso em: 20 abr. 2016.
GW3. As profissões na construção civil: engenheiro de obras. Disponível em:
<http://www.gw3mn.com.br/site/index.php/revista-em-foco-n-48/697-as-
profissoes-na-construcao-civil-engenheiro-de-obras>. Acesso em: 29 fev. 2016.
HOLTZAPPLE, M. t.; REECE, W. D. Introdução à Engenharia. Rio de Janeiro: Editora
LTC, 2006.
HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Lisboa:
Círculo de Leitores, 2002.
ISITEC. Engenharia de inovação. Disponível em: <http://www.isitec.org.br/nossos-
cursos/engenharia-de-inovacao-graduacao/>. Acesso em: 29 mar. 2016.
LOPES, A. O que as empresas procuram nos candidatos. Disponível em: <http://
estagio.ig.com.br/guiadocandidato/recrutamento/o+que+as+empresas+procura
m+nos+candidatos/n1300006645822.html#15>. Acesso em: 22 abr. 2016.

58 O que é engenharia?
U1

MANERA, V. Há dois mil anos atrás – o genial Heron de Alexandria. Disponível


em:<http://vicentemanera.com/2013/12/03/ha-dois-mil-anos-atras-o-genial-
heron-de-alexandria/>. Acesso em: 29 fev. 2016.
MASTERS, et al. Da Vinci & Maquiavel: um sonho renascentista – de como o curso
de um rio mudaria o destino de Florença. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor 1999.
MAXWELL, V. Perfil do engenheiro e da engenharia na visão do mercado de
trabalho. Disponível em: <http://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/11844/11844_6.
PDF>. Acesso em: 15 abr. 2016.
MEC. Referenciais nacionais dos cursos de engenharia. Disponível em: <http://
portal.mec.gov.br/dmdocuments/referenciais2.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2016.
NASCIMENTO, M. et al. Escassez de engenheiros: realmente um risco? Disponível
em: <http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/5379/1/Radar_n6_Escassez.pdf>.
Acesso em: 15 abr. 2016.
PINTO, H. Engenheiros, escassos e pouco qualificados. Revista IETEC. Disponível
em:<http://www.techoje.com.br/site/techoje/categoria/detalhe_artigo/1303>.
Acesso em: 20 abr. 2016.
PINTO. L. F. S. Presença estratégica – o fator da Vinci e a sustentabilidade. São
Paulo: Editora Senac, 2006.
PORTO, L. M. A evolução da engenharia química – perspectivas e novos desafios.
Disponível em: <http://www.dequi.eel.usp.br/~barcza/EvolucaodaEngQuimica-
PerspecteNovosDesafios.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2016.
SAESP. Apreender outro idioma como estratégia fundamental para
empregabilidade. Disponível em: <http://www.saesp-sp.com.br/boletim-eletronico
/52-apreender-outro-idioma-como-estrategia-fundamental-para-empregabi
lidade>. Acesso em: 22 abr. 2016.
SERRA, S. M. B.; CORDEIRO, J. S. Uma análise do curso de engenharia civil da
UFSCAR e sua relação com as DCN 11/2002 do MEC e com a resolução 1010/2005
do sistema CONFEA/CREA. Anais do XXXIV Congresso Brasileiro de Ensino de
Engenharia. Disponível em: <http://www.abenge.org.br/CobengeAnteriores/2006/
artigos/13_216_989.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2016.
UERJ. Curso de graduação: engenharia de computação e informação. Disponível em:
<http://www.poli.ufrj.br/graduacao_cursos_engenharia_computacao_informacao.
php>. Acesso em: 10 nov. 2016.
UERJ. Curso de graduação: engenharia nuclear. Disponível em: <http://www.poli.
ufrj.br/graduacao_cursos_engenharia_nuclear.php>. Acesso em: 12 mar. 2016.
UFSC. Bacharelado interdisciplinar em mobilidade. Disponível em: <http://
mobilidade.paginas.ufsc.br/>. Acesso em: 20 mar. 2016.

O que é engenharia? 59
U1

UFSM. Histórico da engenharia química no mundo. Disponível em: <http://sites.


multiweb.ufsm.br/engqui/index.php/departamento/historico?id=20>. Acesso em:
12 mar. 2016.
UNICAMP. Inovação marca nascimento da FEA. Disponível em: <http://www.
unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/jornalPDF/ju318pg05.pdf>. Acesso em: 12
mar. 2016.
VALENE, H. Você é júnior, pleno ou sênior? Disponível em: <http://www.
vagas.com.br/profissoes/acontece/no-mercado/voce-e-junior-pleno-ou-
senior/#sthash.rQmudNyM.dpuf>. Acesso em: 20 abr. 2016.
ZIMMERMANN, A. História da informática e da internet: 1800-1899. Disponível
em: <http://www.ufpa.br/dicas/net1/int-h180.htm>. Acesso em: 28 fev. 2016.

60 O que é engenharia?
Unidade 2

Responsabilidade social, ética e


sustentabilidade

Convite ao estudo

Estamos iniciando uma nova unidade! Vamos iniciar os estudos da


unidade curricular Responsabilidade social, ética e sustentabilidade.
Vimos até aqui a história da engenharia, as atribuições e as competências
dos engenheiros, sua área de atuação e o mercado de trabalho. Dando
continuidade à disciplina engenharia e profissão, nesta seção, vamos
abordar, como competência geral, a profissão de engenheiro, seu
campo de atuação, habilidades e responsabilidades legais e sociais,
além dos conceitos de responsabilidade social, ética e sustentabilidade
e como objetivos específicos os conceitos da responsabilidade social e
sua aplicação à engenharia, à ética profissional na engenharia, ao meio
ambiente e à sustentabilidade, além do tema: a engenharia na perspectiva
da sustentabilidade.

Você sabia que pode mudar o mundo? Talvez não todo o planeta,
mas o ambiente ao seu redor sim! O que você faz no seu ambiente de
trabalho influenciará as pessoas e a empresa, e todos os aspectos das
suas ações devem levar em consideração os aspectos éticos, sociais e de
sustentabilidade.

Nesta unidade, serão abordados os seguintes temas:

• Conceitos da responsabilidade social aplicado à engenharia: será


tratada, nesta seção, a definição da responsabilidade social (econômica,
social, técnica legal) e a responsabilidade social aplicada à engenharia (o
que a sociedade espera do engenheiro socialmente responsável?).
U2

• Ética profissional. Código de ética profissional da engenharia:


serão abordadas aqui as definições de ética e moral, apresentação da
ética profissional e do código de ética da engenharia.

• Meio ambiente e sustentabilidade: serão estudadas nesta seção os


conceitos referentes ao meio ambiente e à sustentabilidade e a influência
do trabalho do engenheiro sobre eles.

• A engenharia na perspectiva da sustentabilidade: a atuação


profissional das diversas áreas da engenharia com o objetivo de atuar de
forma sustentável será descrita nesta seção.

Portanto, estaria entre as competências dos engenheiros atuar de


forma responsável? A profissão tem um código de ética? Trabalhar
levando em consideração o meio ambiente é uma preocupação do
engenheiro? Sim!

Para que possa desenvolver essas competências, você será convidado


a organizar e participar como diretor da mesa do ciclo de debates intitulado:
“Responsabilidade Social, Ética e Sustentabilidade na Engenharia", em um
evento promovido pelo CONFEA. Serão realizados quatro encontros que
abordarão os seguintes temas:

• Conceitos da responsabilidade social aplicado à engenharia.

• Ética profissional na engenharia.

• Meio ambiente e sustentabilidade.

• A engenharia na perspectiva da sustentabilidade.

Para se preparar para os debates, você terá de organizá-los, determinar


as regras do debate, controlar o tempo. Para ser um bom mediador do
debate, você deve estudar e preparar um material sobre os diferentes
temas dos debates. Essa preparação será realizada durante as quatro
seções desta unidade.

Bons estudos!

62 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

Seção 2.1

Conceitos de responsabilidade social aplicados à


engenharia

Diálogo aberto

Você sabia que o bater de asas de uma borboleta em uma parte do mundo
pode causar um tufão no outro lado do planeta?! Apesar dessa ser uma alegoria à
teoria de Edward Lorenz sobre os fenômenos não lineares, ela pode exemplificar
os conceitos de responsabilidade social.

As ações individuais ou corporativas irão impactar direta ou indiretamente o


meio onde eles estão inseridos. Esse impacto pode ser positivo ou negativo e deve
ser avaliado antes da tomada de qualquer decisão.

Toda a ação tem uma consequência, afeta o meio onde ela ocorre, por
exemplo, desmatar uma parte de uma floresta para a construção de condomínios
irá trazer consequências para o meio ambiente, afetando não somente a flora e a
fauna da região, mas a vida dos moradores do entorno e das empresas da região,
portanto, se há necessidade de moradias, então essa perda deve ser compensada!

Para que o engenheiro possa atuar de forma responsável, ele deve desenvolver
o raciocínio lógico, capacidade de organização, espírito investigativo, gestão
do tempo e capacidade de comunicação verbal e escrita. Para tanto, você será
convidado a organizar e participar como diretor da mesa do ciclo de debates
intitulado: “Responsabilidade Social, Ética e Sustentabilidade na Engenharia” em
um evento promovido pelo CONFEA. Para se preparar para os debates, você terá
de organizá-los, convidar participantes, determinar as regras do debate, controlar
o tempo. Para ser um bom mediador do debate, você deve estudar e preparar um
material sobre os diferentes temas dos debates.

Esse primeiro debate será sobre: conceitos da responsabilidade social aplicado


à engenharia. Para preparar o material de apoio do tema, pesquise no material
didático disponível os conceitos de:

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 63


U2

• Responsabilidade social (econômica, social e técnica legal).

• Responsabilidade social aplicada à engenharia (o que a sociedade espera


do engenheiro socialmente responsável?)

Faça um resumo sobre o assunto. Promova com seus colegas de classe uma
simulação do debate, distribuindo uma parte de cada tema para um grupo que irá
debater com o outro grupo.

Mãos à obra!

Não pode faltar

Responsabilidade social

O que é ser socialmente responsável? O Engenheiro precisa se preocupar com isso?

O conceito teórico de responsabilidade social originou-se na década de


1950 nos Estados Unidos e na Europa. Naquela época, a preocupação era o
excesso de autonomia dos negócios e seu poder sobre a sociedade, sem que
houvesse responsabilidades pelas consequências de suas atividades com relação
à degradação do meio ambiente, à exploração do trabalho, ao abuso do poder
econômico e à deslealdade na concorrência. Como forma de compensação, as
empresas da época desenvolviam atividades sociais para beneficiar a comunidade,
como uma obrigação moral (BORGER, 2013). Com o passar dos anos, temas como
práticas de trabalho, práticas leais, direitos humanos, meio ambiente e defesa do
consumidor e combate à fraude e à corrupção foram adicionados ao conceito de
RS. Há muitas denominações utilizadas para identificar a Responsabilidade Social,
entre elas estão: Responsabilidade Social Empresarial (RSE); Responsabilidade Social
Corporativa (RSC); Responsabilidade Corporativa (RC); Cidadania Corporativa (CC)
e Responsabilidade Social (RS) (DIAS, 20011). Iremos, nesta seção, usar o termo
Responsabilidade Social (RS), por ser um termo mais abrangente e englobar os
demais. Na Figura 2.1, você pode observar a evolução do conceito de RS.

64 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

Figura 2.1 | Evolução da responsabilidade social

Econômico
Ambiental Econômico
Social
X Social
Ambiental
Econômico Ambiental
Ético

Desenvolvimento (Além)
Limites do crescimento Economia Verde
Sustentável

Legislação Responsividade
Obrigadação das empresas Estratégia
empresarial
Reputação das
Origem da RSE empresas Inovação
Questionar a ética dos Gestão de riscos Oportunidade
negócios
Responsabilidade Sustentabilidade
Filantropia empresarial social empresarial

Fonte: <https://goo.gl/3BjjKx>. Acesso em: 18 maio 2016.

O que é a RS? É a expressão do desejo das organizações (públicas e privadas) de


levarem em consideração as questões socioambientais em seus procedimentos
administrativos e de decisão, responsabilizando-se pelos impactos desses na
sociedade e no meio ambiente. Isso leva as empresas a um comportamento ético,
contribuindo para o desenvolvimento sustentável, estando em conformidade com
a legislação aplicável e com as normas internacionais de comportamento (DIAS,
2012). Na próxima seção, serão abordados o desenvolvimento sustentável e o
meio ambiente mais profundamente.

A RS deve estar integrada à toda a organização, e ser praticada em todas as suas


relações, levando em conta os interesses de todas as partes interessadas (ABNT
NBR ISO26000, 2010). A norma ABNT NBR ISO26000 de 2010 aborda a RS e
orienta as organizações sobre:

• Conceitos, termos e definições.

• Histórico, tendências e características.

• Princípios e práticas.

• Temas centrais.

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 65


U2

• Integração, implementação e promoção de comportamento socialmente


responsável em toda a organização e por meio de suas políticas e práticas dentro
de sua esfera de influência.

• Identificação e engajamento de partes interessadas.

• Comunicação de compromissos, desempenho e outras informações


(INMETRO, 2016).

Pesquise mais
Para aprofundar seus conhecimentos em Responsabilidade Social, leia
na íntegra a ISO 26000: 2010, que apresenta definições, conceitos,
diretrizes para as organizações, integração, implementação e promoção
de comportamento socialmente responsável em toda a organização,
por meio de suas políticas e práticas dentro de sua esfera de influência.

ABNT NBR ISO 26000: 2010. Disponível em: <http://www.inmetro.


gov.br/qualidade/responsabilidade_social/iso26000.asp>. Acesso em:
30 abr. 2016.

A abrangência da RS em todas as áreas das organizações pode ser observada


na Figura 2.2, sendo que ela envolve desde os direitos humanos, as práticas de
trabalho, até a relação com os consumidores e a comunidade.

A norma ABNT NBR 16001: 2004 apresenta os requisitos para a gestão do sistema
da responsabilidade social e estabelece que a organização deva implementar,
manter e continuamente aprimorar um sistema da gestão da responsabilidade
social, de acordo com os requisitos dessa norma.

66 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

Figura 2.2 | Abrangência da responsabilidade social

Temas centrais da
responsabilidade social
Governança organizacional

Práticas Práticas Questões Envolvimento e


Direitos Meio
do leais de relativas ao desenvolvimento
humanos ambiente

Manutenção da contribuição da organização para o


trabalho operação consumidor da comunidade

Ações e expectativas relacionadas

Desenvolvimento sustentável
Integração da
responsabilidade Relação das características Compreensão da
social em toda a da organização com a responsabilidade social
organização responsabilidade social da organização

Comunicação sobre Práticas para integrar a Iniciativas voluntárias de


responsabilidade social responsabilidade social em responsabilidade social
toda a organização

Análise e aprimoramento
Fortalecimento da
das ações e práticas da
credibilidade em relação à
organização relativas à
responsabilidade social
responsabilidade social

Fonte: adaptado de ABNT NBR ISO 26000: 2010 (2016).

A administração da empresa deve definir a política da RS e consultar as partes


interessadas assegurando que:

“[...] a) seja apropriada à natureza, escala e impactos da organização;

 ) inclua o comprometimento com a promoção da ética e do desenvolvimento


b
sustentável;

 ) inclua o comprometimento com a melhoria contínua e com a prevenção


c
de impactos adversos;

 ) inclua o comprometimento com o atendimento à legislação e demais


d
requisitos subscritos pela organização;

 ) forneça a estrutura para o estabelecimento e revisão dos objetivos e metas


e
da responsabilidade social;

f) seja documentada, implementada e mantida;

 ) seja comunicada para todas as pessoas que trabalham para, ou em nome


g
da organização;

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 67


U2

h) esteja disponível para o público; e

i) seja implementada por toda a organização [...]” (ABNT NBR 16001: 2004,
p. 4).

Como vantagens da implantação da RS, podemos citar a melhora no desempenho


da empresa e da sua sustentabilidade, contribuindo para o seu desempenho e
visibilidade. Além disso, antecipa as mudanças na sociedade e no mercado. As
decisões tomadas pela empresa estão mais embasadas e mais informadas devido
ao contato com todas as partes interessadas, sendo um processo que traz equilíbrio
ao componente social, econômico e de negócios. Outra vantagem é a melhoria da
reputação da empresa junto aos seus clientes, propiciando maior confiança ao público
e diminuindo possíveis conflitos com os consumidores. Também há a redução de
gastos, pois a utilização dos recursos é mais eficiente (GONÇALVES, 2015).

Assimile
“A característica essencial da responsabilidade social é a disposição da
organização de incorporar considerações socioambientais em seus
processos decisórios, bem como se responsabilizar pelos impactos
de suas decisões e atividades na sociedade e no meio ambiente. Isso
implica um comportamento transparente e ético que contribua para
o desenvolvimento sustentável, que esteja em conformidade com
as leis aplicáveis e seja consistente com as normas internacionais de
comportamento. Também implica que a responsabilidade social esteja
integrada em toda a organização, seja praticada em suas relações e
leve em conta os interesses das partes interessadas”. ABNT NBR ISO
26000:2010, p. 6. Disponível em: <http://www.inmetro.gov.br/qualidade/
responsabilidade_social/iso26000.asp>. Acesso em: 30 abr. 2016.

A responsabilidade social do engenheiro

O engenheiro precisa se preocupar com a RS? Qual o papel do engenheiro na


RS? O engenheiro é parte integrante das organizações (públicas ou privadas), sendo
responsável por diversas atividades. Ele não pode ser visto como um mero técnico,
mas também como agente que influencia e modifica o meio onde vive e trabalha.
Espera-se que o engenheiro tenha consciência de que suas ações pessoais,
técnicas e gerenciais, de alguma forma afetam a vida das pessoas e o meio que as
cerca (direta e indiretamente); que ele deve desenvolver e aprimorar seus valores
morais para agir com ética; tenha um envolvimento proativo na comunidade. A
sociedade espera que o engenheiro socialmente responsável tenha:

• Responsabilidade econômica: receba o que é justo.

68 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

• Responsabilidade técnica: seja capacitado tecnicamente, atue de forma


crítica e criativa para a identificação e a resolução de problemas, tendo uma visão
geral do todo.

• Responsabilidade legal: atue de forma a manter os padrões de segurança


e obedeça às legislações pertinentes.

• Responsabilidade ética: as decisões tomadas pelo engenheiro levem em


consideração uma análise e uma reflexão ética, honrando o direito dos outros,
fundamentado no respeito aos valores morais.

• Responsabilidade social: contribua com a comunidade, buscando a


melhoria da sua qualidade de vida (CREMASCO, 2016).

Para a implantação dos projetos de responsabilidade social, faz-se necessária


a capacitação de engenheiros para o planejamento e a execução desses projetos.
Esses profissionais precisam ser conscientizados de que um planeta mais sustentável
também depende deles e, para tanto, precisam ser coerentes, conhecer a técnica,
ser criativos, atuar criticamente, ser éticos e avaliar as consequências de suas
atividades e obras no ambiente. Além disso, devem recompensar, por meio de um
benefício necessário, as consequências negativas dessas atividades para amenizá-
las (SILVA FILHO; SANTANA; SILVA, 2011).

Exemplificando
Na atuação profissional socialmente responsável, o engenheiro precisa
avaliar os custos de suas obras, porém não apenas o custo financeiro,
mas também os custos ambientais e sociais, que são mais difíceis
de serem visualizados e mensurados. Um exemplo de custo social é
apresentado por Telles (1999):

O custo social é, por exemplo, o prejuízo material e moral


causado por desapropriações, a deterioração da qualidade de
vida causada pela obra ou pela execução da obra nas áreas
vizinhas, e outros prejuízos e incômodos causados a terceiros
em consequência da obra. O custo ecológico é a agressão
à natureza principalmente quando de caráter irreversível
causada pela obra’’ (TELLES, 1999, p. 116).

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 69


U2

É muito importante que o engenheiro desenvolva uma visão sistêmica do


mundo e reconheça que ele é um agente de transformação social. Além de ter
os conhecimentos empíricos, técnicos e científicos, o engenheiro precisa aplicar
esses conhecimentos de forma ética e humana. Deve haver o compromisso de
realizar as suas tarefas com total responsabilidade social, em todas as áreas de
atuação da engenharia (SILVA FILHO; SANTANA; SILVA, 2011).

Você pode e deve mudar o mundo ao seu redor, transformando-o em um lugar


melhor para todos!

Reflita
“Quantos de nós, desta seleta sociedade de profissionais liberais que somos,
que pensamentos e até em extensão, atitudes consoantes à questão social
temos tido? Será que algumas vezes? A que intervalo? Lembramos que
não faz muito tempo, até chegamos a dividir o doce que possuíamos ou
precariamente o que tínhamos naquele momento. É passado. No presente,
esquecemos do que nos impelia a tal. E o futuro? O que nos espera? O ser
humano é essencialmente egoísta e no mundo em que vivemos deveras
competitivo, incitados à concorrência, não nos permitindo sequer parar para
auxiliar ou mesmo estender as mãos, como meras ações sociais. Portanto
devemos e certamente podemos não somente, não obstante o alicerce vivo
e profundamente enraizado de conhecimentos, potencializado pela técnica
e ciência, ainda assim omitir atitudes de nossa mais pura essência. Existe a
necessidade de se questionar as funções e nossa participação na sociedade,
principalmente sentindo que seria muito útil ao país alcançar maior inserção
social deste profissional. Ninguém consegue produzir sozinho tudo que
precisa para viver e se desenvolver” (SHEBALJ, 2008, p. 10).

Sem medo de errar

Você foi convidado a organizar e participar como diretor da mesa do ciclo


de debates intitulado: “Responsabilidade Social, Ética e Sustentabilidade na
Engenharia", em um evento promovido pelo CONFEA. Para se preparar para os
debates, você terá de organizá-los, convidar participantes, determinar as regras
do debate, controlar o tempo. Para ser um bom mediador do debate, você deve
estudar e preparar um material sobre os diferentes temas dos debates.

Vamos organizar o ciclo de debates?

Esse primeiro debate será sobre: conceitos da responsabilidade social aplicados


à engenharia. Nesta seção, você deverá preparar o material de apoio do tema:
conceitos da responsabilidade social aplicado à engenharia.

70 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

Resolução da situação-problema

Busque no material didático os conceitos e as aplicações da responsabilidade


social na engenharia, leia, estude e faça um resumo sobre o tema abordando os
seguintes tópicos:

• Responsabilidade social.

• Responsabilidade social do engenheiro.

Promova com seus colegas de classe uma simulação do debate, distribuindo


uma parte de cada tema para um grupo que irá debater com o outro grupo.

Atenção
O resumo é uma síntese dos pontos mais importantes do tema. Fique
atento para não apenas copiar as informações, mas destaque os pontos
relevantes ao tema. Faça questões sobre o tema para provocar o outro
grupo a responder.

Avançando na prática

O dilema do engenheiro José

Descrição da situação-problema

José é um engenheiro civil que foi consultado sobre a possibilidade de


atuar como engenheiro responsável pela construção de um condomínio de
apartamentos em uma pequena cidade (menos de 70.000 habitantes) do interior
de Minas Gerais, numa região com vegetação e árvores. A cidade está crescendo,
porém ainda há poucas oportunidades de trabalho na região. A diretoria da empresa
de construção quer levar toda a equipe de profissionais de São Paulo (engenheiros,
pedreiros, mestres de obras), para realizar o projeto, porém dá ao engenheiro José
a oportunidade de opinar sobre o envio desse pessoal ou contratar parte da mão
de obra na pequena cidade. Além dessa decisão, José precisa pensar em como
realizar o projeto de forma a preservar ao máximo o meio ambiente e prever o
menor investimento possível. O que você acha que José deveria fazer para cumprir
esta tarefa sendo socialmente responsável?

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 71


U2

Lembre-se

A característica essencial da responsabilidade social é a disposição da


organização de incorporar considerações socioambientais em seus
processos decisórios, bem como se responsabilizar pelos impactos de
suas decisões e atividades na sociedade e no meio ambiente.

Resolução da situação-problema

Antes de tomar essa decisão, José deve pensar na sua responsabilidade social
como engenheiro, atuando de forma a considerar não só o impacto da obra no
meio ambiente, prevendo no projeto uma forma de preservar o maior número de
árvores possíveis. Ao decidir, ele deve levar em conta também o fator econômico,
minimizando o custo do projeto, além de promover melhorias no seu local de
trabalho. José tem a oportunidade de fazer a diferença, propiciando aos moradores
da pequena cidade uma oportunidade de emprego. Assim, optar por contratar
uma parte da mão de obra da cidade onde ocorrerá a obra será uma oportunidade
do engenheiro José atuar de forma socialmente responsável.

Faça você mesmo


Busque dentro da sua área de atuação quais as ações que você
deve fazer para transformar seu ambiente baseado nos conceitos de
responsabilidade social.

Faça valer a pena

1. Com relação à norma ABNT NBR ISO26000: 2010, assinale a alternativa


correta:
a) É uma lei que deve ser aplicada a todas as empresas.
b) É uma obrigatoriedade do CREA a sua aplicação.
c) Trata da responsabilidade social e as empresas não têm a obrigatoriedade
de aplicá-la.
d) Aborda a gestão do meio ambiente.
e) Aborda a qualidade total.

72 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

2. Com relação à RS e à norma ISO26000: 2010, assinale a alternativa correta:


I – Apresenta conceitos, termos e definições da RS.
II – Princípios e práticas da RS.
III – Multas por não aplicação da RS.
IV – Especifica a atuação do engenheiro.
V – Implementação e promoção de comportamento socialmente responsável
em toda a organização.
a) II, IV.
b) II.
c) IV.
d) I, II, V.
e) II, IV, V.

3. A responsabilidade social tem como principais objetivos:


a) O lucro.
b) O desenvolvimento sustentável.
c) O crescimento empresarial.
d) O conforto para os funcionários.
e) A garantia da qualidade.

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 73


U2

74 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

Seção 2.2

Ética profissional. Código de ética profissional da


engenharia

Diálogo aberto

Olá! Estamos começando uma nova seção!

Vamos abordar agora a ética profissional e o código de ética profissional da


Engenharia. Você sabia que toda profissão tem um código de ética? Pois tem!

A ética profissional envolve os princípios pelos quais você irá pautar suas
atitudes durante sua vida profissional. Surgem perguntas como: devo agir desta
ou daquela forma em determinada situação de conflito? Esta atitude está certa
ou errada? Quais as consequências das minhas ações? Serão elas boas ou ruins?
Para quem? Essas e outras questões envolvem a ética, e, a partir de agora, você
poderá compreender melhor o que ela significa, pois, nesta seção, iremos falar
sobre ética, moral, dilema e código de ética profissional.

Para aplicar esses conhecimentos, vamos dar continuidade ao debate, agora


com a segunda mesa-redonda, que abordará o tema “Ética Profissional na
Engenharia”. Ao preparar-se para o debate, você deverá:

• Preparar o material de apoio do tema. Pesquise no material didático


disponível os conceitos de:

– Ética.

– Ética profissional.

– Código de ética na engenharia.

Faça um resumo sobre o assunto. Promova com seus colegas de classe uma
simulação do debate, distribuindo uma parte de cada tema para um grupo que irá
debater com o outro grupo.

Bons estudos!

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 75


U2

Não pode faltar

Ética

O que é ser ético? Em todas as minhas atitudes estou agindo de forma ética?

As palavras ética e moral têm a mesma base etimológica: a palavra grega ethos
e a palavra latina moral, ambas significando hábitos e costumes (FARIAS, 2016).
Existem várias definições de ética. Segundo Valls (1994, p. 7), ética é “um estudo
ou uma reflexão, científica ou filosófica e, eventualmente, até teológica sobre os
costumes ou sobre as ações humanas”. De acordo com Oliveira (2012, p. 51), “A
ética é o estudo geral do que é bom ou mau, correto ou incorreto, justo ou injusto,
adequado ou inadequado. Um dos seus objetivos é a busca de justificativas para as
regras propostas pela moral e pelo direito. Ela é diferente de ambos – moral e direito
– pois não estabelece regras”. As palavras moral e ética, às vezes, são utilizadas com
o mesmo significado, porém Goldim (2003) afirma que elas são diferentes, sendo
que a moral dita as regras que a pessoa assume para garantir o seu bem-viver e é
independente de onde esta pessoa vive, o que garante uma identidade entre pessoas
que usam a mesma referência moral comum. Já a ética seria o estudo geral do que
é bom ou mau, buscando justificativas para as regras propostas pela moral. Na Figura
2.3, é possível observar a diferença entre ética e moral.

Figura 2.3 | Comparação entre os conceitos de ética e moral

ÉTICA MORAL
Princípios éticos Código de conduta

ÉTICA É PRINCÍPIO MORAL É CONDUTA ESPECÍFICA


ÉTICA É PERMANENTE MORAL É TEMPORAL
ÉTICA É UNIVERSAL MORAL É CULTURAL
ÉTICA É REGRA MORAL É CONDUTA DA REGRA
ÉTICA É TEORIA MORAL É PRÁTICA
ÉTICA É REFLEXÃO MORAL É AÇÃO
ÉTICA TRATA DO BEM/MAL MORAL TRATA DO CERTO/ERRADO

Aético = Ausência de ética Amoral = Ausência de moral


Antiético = Contrário a ética Imoral = Contrário a moral

Fonte: <http://pmkb.com.br/artigo/projetos-realizados-sem-etica-tendem-a-ser-caoticos/>. Acesso em: 10 maio 2016.

76 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

O que define o que é certo ou errado para as pessoas é o resultado de vários


fatores, desde a forma como elas foram criadas, a sua religião, as suas tradições e
as crenças da sociedade onde ela vive (GHILLYER, 2015). As crianças não nascem
boas ou ruins; a sociedade é que as educa moralmente, o que inclui a família, os
meios de comunicação e as pessoas com quem convivem. A legitimidade de uma
norma acontece quando, não havendo controle externo, a pessoa a usa como
norteador em suas atitudes. Como exemplo, podemos citar o caso de uma pessoa
que não comete furto por medo da prisão. Isso não legitima a norma “não roubar”,
pois essa pessoa só seguiu a norma por medo do castigo; caso essa pessoa tenha
certeza da impunidade, não irá seguir essa norma. Assim, uma pessoa só legitima
a regra se a seguir independentemente da consequência, se estiver convencida de
que essa norma é um bem moral (SEF, 2016). Neste último parágrafo, é apresentado
um caso de dilema ético, mas o que é um dilema ético?

Um dilema ético é uma situação que força alguém a tomar uma atitude ou ação
que, apesar de ter um benefício pessoal ou organizacional, ou ambos, pode ser
considerada potencialmente não ética. Essas ações devem ser tomadas, mas não
há consenso claro quanto ao que é certo ou errado (FARIAS, 2016). O dilema é uma
situação em que devemos escolher entre alternativas contraditórias e igualmente
insatisfatórias (CP, 2016). A Figura 2.4 representa um dilema ético comum na área
da engenharia.

Figura 2.4 | Dilema ético do engenheiro

Fonte: <http://pmkb.com.br/uploads/2014/03/etica1.png>. Acesso em: 10 abr. 2016.

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 77


U2

Exemplificando
Este é um exemplo de dilema:

“É ou não ético roubar um remédio, cujo preço é inacessível, para


salvar alguém que, sem ele, morreria? Colocado de outra forma:
deve-se privilegiar o valor vida (salvar alguém da morte) ou o valor de
propriedade privada (no sentido de não roubar)?” (SEF, 2016).

Muitas vezes, em nossa vida pessoal ou profissional, deparamo-nos com


dilemas e precisamos tomar uma decisão. Nós devemos nos basear na ética para
resolvê-los, pois teremos de arcar com as consequências positivas e negativas das
decisões tomadas.

Ética profissional

Os princípios da ética e da moral são os pilares de uma identidade profissional,


sendo que a moral, mais do que sua representação social, contribui com a formação
da consciência profissional. Como aplicar a ética profissional? No Quadro 2.1, é
representada a comparação entre os comportamentos profissionais baseados na
ética e os comportamentos que precisam ser ajustados a ela.

78 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

Quadro 2.1 | Comparação entre os comportamentos profissionais baseados na ética

Comportamentos que requerem


Comportamentos adequados
aperfeiçoamento
É consciencioso com relação aos Não está ciente ou ignora os problemas
problemas éticos. éticos.
Age respeitosamente ao trazer à tona Zomba ou, de outras maneiras, não é
diferenças e problemas éticos. respeitoso com relação a problemas éticos.
Mantém a integridade e é aberto
É condescente e ultrapassa os limites
com relação à ética pessoal e
éticos; não é honesto em questões éticas.
profissional.
Atém-se e respeita os valores éticos,
Ignora as questões éticas ou age
até mesmo em ocasiões de conflitos
antiéticamente sob pressão.
ou crises.
Sempre cumpre, os acordos; não Não cumpre os acordos; abusa das
abusa das informações ou do poder. informações ou do poder.
É transparenre, justo e categórico ao Não é aberto ou honesto, ou é ambíguo
definir os padrões éticos. ao estabelecer os padrões éticos.
Demonstra solidariedade aos Não demonstra nenhuma solidariedade
membros da equipe e defende o e não defende o projeto; somente
projeto se necessário. demonstra lealdade a à alta gestão.
Fica feliz em aplaudir o sucesso dos Apresenta o sucesso como sendo a
outros; privilegia os resultados e não sua própria realização; negligencia a
sua autopromoção contribuição dos outros.

Fonte: <http://pmkb.com.br/artigo/projetos-realizados-sem-etica-tendem-a-ser-caoticos/>. Acesso em: 10 abr. 2016.

Pesquise mais
Leia o trabalho de Antônio Oliveira sobre a ética profissional. Nele,
você encontrará desde os primeiros conceitos de ética dos filósofos
da antiguidade até a ética aplicada à vida profissional.

OLIVEIRA, A. R. Ética profissional. Belém: UFSM, 2012. Disponível em:


<http://estudio01.proj.ufsm.br/cadernos/ifpa/tecnico_metalurgica/
etica_profissional.pdf>. Acesso em: 8 abr. 2016.

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 79


U2

Código de ética profissional da engenharia

Como exercer a ética no exercício profissional como engenheiro? Quais são os


norteadores da ética na engenharia? O órgão federal que regulamenta a atividade
profissional do engenheiro é o CONFEA, e é ele, através da Resolução nº 1002
de 26 de novembro de 2002, que apresenta o código de ética do engenheiro. O
artigo 8º da resolução trata dos princípios éticos que o profissional deve se pautar
na conduta profissional, abordando:

• Objetivo da profissão: a manutenção e o desenvolvimento de forma


harmônica do ser humano, de seu ambiente e de seus valores.

• Natureza da profissão: é constituída de conhecimentos técnicos e


científicos e pela criatividade artística, através da prática tecnológica, para a
melhoria da qualidade de vida do homem.

• Honradez da profissão: a profissão é uma honra e a prática profissional


dever ser honesta, digna e cidadã.

• Eficácia profissional: cumprir de forma responsável e competente os


compromissos profissionais, utilizando técnicas de forma adequada, de forma a
garantir os resultados e a qualidade esperada.

• Relacionamento profissional: deve ser honesto, justo, leal e com todos os


envolvidos nas atividades profissionais.

• Intervenção profissional sobre o meio: a profissão deve ser realizada


com a aplicação do desenvolvimento sustentável e de acordo com os valores das
pessoas do meio.

• Liberdade e segurança profissionais: a profissão pode ser exercida


livremente por pessoas qualificadas.

Reflita

As diferenças sociais e culturais podem revelar diferenças na


ética. Talvez haja um problema de conflito de lealdade, onde a
organização pressione o gerente do projeto a seguir um curso
de ação que ele considera antiético. O gerente do projeto
deve estar consciente em relação a poder conviver com estas
diferenças ou se ele precisa resolvê-las (PMKB, 2013, [s.p.]).

80 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

O art. 9º desta resolução discorre sobre os deveres referentes: ao ser humano e


a seus valores; à profissão; às relações com os clientes, empregadores; às relações
com os demais profissionais; ao meio ambiente. Em contrapartida, o art. 10º trata
das condutas vedadas no exercício da profissão, relativas aos mesmos itens citados
no Artigo 9º.

No art. 11º, são abordados os direitos do profissional coletivos universais


inerentes às profissões, suas modalidades e especializações, destacando-se
o parágrafo: “à livre associação e organização em corporações profissionais; o
gozo da exclusividade do exercício profissional; ao reconhecimento legal; à
representação institucional”.

Caso o profissional não se paute pela ética profissional, a legislação prevê,


através do art. 13º, as sanções que podem ocorrer na infração ética, mas o que é
uma infração ética? “Constitui-se infração ética todo ato cometido pelo profissional
que atente contra os princípios éticos, descumpra os deveres do ofício, pratique
condutas expressamente vedadas ou lese direitos reconhecidos de outrem”
(CONFEA, 2002).

Pesquise mais
Você sabia que no dia da sua formatura fará um juramento? Tal é a
responsabilidade do engenheiro no exercício da sua profissão que
todos os formandos fazem coletivamente um juramento. Existem
algumas versões do juramento das engenharias, todos pautados pela
ética profissional. O exemplo citado abaixo é o mais utilizado. Apesar
de não ter encontrado o autor do texto original, inúmeras vezes ele é
citado como juramento na formatura dos cursos de engenharia.

Prometo que, no cumprimento do meu dever de engenheiro


não me deixarei cegar pelo brilho excessivo da tecnologia,
de forma a não me esquecer de que trabalho para o bem
do homem e não da máquina. Respeitarei a natureza,
evitando projetar ou construir equipamentos que destruam
o equilíbrio ecológico ou poluam, além de colocar todo
o meu conhecimento científico a serviço do conforto e
desenvolvimento da humanidade. Assim sendo, estarei em
paz comigo e com Deus. (COALHADO, 2010, p. 1)

É tão grave o não cumprimento desse juramento e do código de ética profissional


que a Resolução nº 1004, de 27 de junho de 2003, aprovou o Regulamento para a

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 81


U2

Condução do Processo Ético Disciplinar. Nele, são estabelecidos os


procedimentos para instauração, instrução e julgamento de processos
administrativos e penalidades pela infração do código de ética citado anteriormente.
As penalidades variam desde um apontamento sigiloso até a exposição pública,
com publicação não só em todos os conselhos regionais de engenharia do país,
como também em jornais de circulação nacional e no Diário Oficial da União.

Será muito difícil conseguir exercer a profissão de engenheiro depois que um


profissional sofra um processo desse porte, portanto, observar com cuidado o
código de ética é fundamental. O engenheiro tem uma posição profissional que
faz dele um agente de modificação da sociedade, e suas ações, éticas ou não irão
influenciar o meio onde vive. Ele deve ter uma postura ética em toda a sua vida,
honrando o código de ética da profissão e o juramento realizado na formatura e
contribuindo para uma vida melhor para todos a seu redor.

Assimile
A moral dita as regras que a pessoa assume para garantir o seu
bem-viver e é independente de onde viva esta pessoa, o que garante
uma identidade entre pessoas que usam a mesma referência moral
comum. Já a ética é o estudo geral do que é bom ou mau; ela busca
justificativas para as regras propostas pela moral.

Sem medo de errar

Vamos dar continuidade ao ciclo de debates?

Agora que você já realizou a primeira mesa-redonda, vamos nos preparar para
o tema: “Ética Profissional na Engenharia”.

Para preparar-se para o debate, você deverá:

• Preparar o material de apoio do tema. Pesquise no material didático


disponível os conceitos de:

– Ética.

– Ética profissional.

– Código de ética na engenharia.

Faça um resumo sobre o assunto. Promova com seus colegas de classe uma
simulação do debate, distribuindo uma parte de cada tema para um grupo que irá
debater com o outro grupo.

82 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

Atenção
Em todo o debate, diversos pontos de vista sobre um mesmo tema são
apresentados. Fazer com que os participantes cumpram as regras do
debate e respeitem a opinião um do outro é uma missão que exige do
mediador uma posição firme, porém democrática. Uma postura ética deve
ser cobrada de todos os participantes, afinal esse é o tema em questão!

Demitir ou não demitir

Resolução da situação-problema

O seu chefe conheceu uma empresa na China e , ao voltar ao Brasil, ele quer
que você consiga as margens de lucro próximas da empresa chinesa. Visto que
no Brasil as leis trabalhistas preservam mais a saúde do trabalhador, que existe um
salário-mínimo, não há subsídios do governo e os impostos são altos, seu chefe
sugere que você demita funcionários.

Você tem 5 supervisores com 10 anos de serviços prestados à empresa e que têm
um salário acima da média dos recém-contratados, porém são bons profissionais,
muito experientes e são supervisores que já conquistaram os operadores de linha
e garantem a produtividade. Existem também 3 engenheiros, um engenheiro
mecânico, um engenheiro elétrico e um engenheiro de produção e você,
que é também engenheiro mecânico, que têm salários acima da média e que
contribuem com os encargos, além de 150 profissionais diversos, entre casados,
solteiros, homens e mulheres. Você deve demitir 5 supervisores, 1 engenheiro e
30 funcionários de diversos setores, desde recepção, passando por operadores,
pessoal de limpeza até a expedição.

Quais os critérios que você utilizaria para escolher os profissionais que serão
demitidos? Quais os impactos da sua decisão? Como você efetivaria as demissões?
Conversaria com o pessoal? Deixaria a cargo do departamento de recursos
humanos apenas?

Lembre-se

Não se esqueça do juramento do engenheiro!

“Prometo que, no cumprimento do meu dever de engenheiro não me


deixarei cegar pelo brilho excessivo da tecnologia, de forma a não me

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 83


U2

esquecer de que trabalho para o bem do homem e não da máquina.


Respeitarei a natureza, evitando projetar ou construir equipamentos que
destruam o equilíbrio ecológico ou poluam, além de colocar todo o
meu conhecimento científico a serviço do conforto e desenvolvimento
da humanidade. Assim sendo, estarei em paz comigo e com Deus”
(COALHADO, 2010, p. 1).

Avançando na prática

Resolução da situação-problema

Baseado no código de ética profissional, no juramento que fez na formatura, na


política da empresa e nos valores morais, você deve ponderar sobre vários aspectos
técnicos e pessoais de cada funcionário a ser demitido. Use desses conceitos para
estar em paz consigo mesmo e realizar as melhores escolhas. Converse com cada
um dos demitidos e explique o motivo de sua escolha e agradeça a colaboração
prestada por cada um deles. A demissão de cada um irá impactar no processo de
produção que necessitará de reajustes e devem ser levados em consideração.

Faça você mesmo


Um amigo quer lhe contar um segredo e pede que você prometa
não contar a ninguém. Você dá a sua palavra. Ele conta que tirou sem
permissão equipamentos da empresa para prestar consultoria e os
levou para casa. A empresa suspeita de roubo, e, quando a polícia o
procura querendo saber do amigo, o que você faz?

Faça valer a pena

1. Com relação às afirmações a seguir, assinale a alternativa correta:


I – Moral e ética têm o mesmo significado.
II – A moral dita as regras que a pessoa assume para garantir o seu
bem-viver.
III – A ética é o estudo geral do que é bom ou mau.
a) I, apenas.

84 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

b) II, apenas.
c) III, apenas.
d) I e II.
e) II e III.

2. Com relação ao dilema ético, podemos afirmar que:


a) Sua resolução independe da ética e da moral.
b) É uma escolha que apresenta vantagens e não desvantagens.
c) É uma dúvida a ser sanada de âmbito moral.
d) É uma escolha que, independente do resultado, trará insatisfação.
e) É um problema relacionado ao dilema moral e não ético.

3. “É ou não ético roubar um remédio, cujo preço é inacessível, para


salvar alguém que, sem ele, morreria? Colocado de outra forma:
deve-se privilegiar o valor vida (salvar alguém da morte) ou o valor
da propriedade privada (no sentido de não roubar)?” (SEF, 2016). Com
relação ao texto, assinale a alternativa correta:
a) Esse é um questionamento apenas moral.
b) É um dilema ético.
c) É um caso de contravenção penal sem dilema.
d) Refere-se ao altruísmo.
e) O texto afirma que a propriedade privada vale mais que a vida.

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 85


U2

86 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

Seção 2.3

Meio ambiente e sustentabilidade

Diálogo aberto

As suas ações diárias têm impacto sobre o meio ambiente, mesmo que
pequenas e que você não as perceba! Ao escovar os dentes durante 5 minutos
com a torneira meio aberta, terá jogado fora aproximadamente 12 l de água limpa
(BENVENUTI, 2016). Para que essa água chegue até a sua casa em condições de
uso, foram gastos muito tempo e recursos financeiros para isso. Ao jogar um papel
de bala no chão, você poderá ser corresponsável por uma enchente! E você sabia
que quando não faz a manutenção do carro estará contribuindo para elevar os
níveis de poluentes no ar? Com isso, contribui para o efeito estufa, bem como para
com a formação de chuva ácida?!

Os níveis de poluição ambiental aumentaram muito em função do


desenvolvimento tecnológico e econômico da sociedade de forma não planejada,
pois se acreditava que os recursos naturais eram inesgotáveis. Hoje em dia, já
existe a consciência de que esses recursos são finitos e cada vez mais escassos,
mas como viver em um planeta com mais de 7 bilhões de pessoas sem destruir o
meio ambiente?

Esse é o desafio do século XXI: desenvolver tecnologias e técnicas de


desenvolvimento que sejam sustentáveis, que preservem o meio ambiente. Você,
como futuro engenheiro, tem papel fundamental para que isso seja possível.

Para aprender mais sobre o assunto, vamos retomar o nosso debate promovido
pelo CONFEA, intitulado: “Responsabilidade Social, Ética e Sustentabilidade na
Engenharia”, agora discutindo o tema: “Meio ambiente e Sustentabilidade”. Para
organizar esse novo debate, você deverá:

Preparar o material de apoio do tema. Pesquise sobre os conceitos e as


definições do tema e os principais problemas envolvidos com o meio ambiente
e a sustentabilidade. Busque no material didático e faça um resumo sobre os
seguintes tópicos:

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 87


U2

• Meio ambiente.

• Impacto ambiental.

• Desenvolvimento sustentável.

• Acidentes que geraram impactos ambientais.

Promova com seus colegas de classe uma simulação do debate, distribuindo


uma parte de cada tema para um grupo que irá debater com o outro grupo.

Bom estudo!

Não pode faltar

O assunto desta seção é muito interessante, porém extenso. Aqui vamos


abordar os conceitos básicos e legais do tema. Futuramente, ele será aprofundado
em outra unidade de ensino, como no caso de gestão ambiental, durante seu
curso de Engenharia.

Meio ambiente

O engenheiro precisa se preocupar com o meio ambiente? O que é meio ambiente?

A expressão meio ambiente (milieu ambiance) foi usada em 1835 pela primeira vez
na obra Études progressives d´un naturaliste (Estudos Progressivos de um Naturalista),
por Geoffrey de Saint-Hilaire, na qual milieu significa o lugar onde está ou se movimenta
um ser vivo, e ambiance designa o que rodeia esse ser (FREITAS, 2001).

Existem vários autores que discutem a redundância do termo meio ambiente,


devido ao fato de as palavras terem significados similares, porém essa expressão
já está consagrada pelo seu uso na prática. Existem inúmeras definições de meio
ambiente. A norma, a norma ISO 14001:2004 o define como: “circunvizinhança
em que uma organização opera, incluindo-se ar, água, solo, recursos naturais,
flora, fauna, seres humanos e suas inter-relações”. Já a Lei 6.938, de 31 de agosto
de 1981, apresenta uma definição mais abrangente, no seu art. 3º, caracterizando
meio ambiente como: “o conjunto de condições, leis, influências e interações de
ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as
suas formas”, e é essa a definição que será utilizada nesta seção.

Toda a atividade do homem de forma direta ou indireta irá influenciar o meio


ambiente positiva ou negativamente, portanto, é de responsabilidade dos indivíduos
e do governo atuar de forma responsável em relação a ele. No Brasil, a Constituição
Federal de 1988, Capítulo VI, art. 225, trata do meio ambiente, afirmando que:

88 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

“Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de


uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder
público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e
futuras gerações”.

De acordo com a Constituição, para que todos tenham esse direito assegurado,
o governo e a sociedade devem seguir algumas diretrizes, tais como:

• Manutenção e preservação dos processos ecológicos e promoção do


manejo ecológico das espécies e ecossistemas.

• Preservação da diversidade e a integridade do patrimônio genético do país.

• Fiscalização das entidades de pesquisa e a manipulação genética.

• Definição locais e componentes a serem protegidos, sendo vedada


a utilização que comprometa a integridade dos atributos que justifiquem sua
proteção.

• Realização do estudo prévio de impacto ambiental para instalação de obra


ou atividade que possa causar a degradação do meio ambiente.

• Controle da produção comercial e o emprego de técnicas, métodos


e substâncias que comportem risco para a vida, a qualidade de vida e o meio
ambiente.

• Promoção da educação e conscientização da importância da preservação


do meio ambiente.

• Proteção da fauna e da flora, proibindo práticas que possam colocar em


risco a sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os
animais à crueldade.

• Todas e quaisquer condutas e atividades que possam lesar o meio


ambiente, realizadas por pessoas físicas ou jurídicas, sofrerão sanções penais e
administrativas.

• “A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar, o Pantanal


Mato-Grossense e a Zona Costeira são patrimônios nacionais" e só poderão ser
utilizados em condições que assegurem a preservação do meio ambiente.

• Não estão disponíveis as terras devolutas ou arrecadadas pelos Estados,


por ações discriminatórias, necessárias à proteção dos ecossistemas naturais.

• As usinas nucleares terão sua localização definida em Lei Federal (BRASIL, 1988).

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 89


U2

Assimile
Meio ambiente é o conjunto de condições, leis, influências e interações
de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida
em todas as suas formas.

Impacto ambiental

O ser humano, desde seu surgimento, explora a natureza, tirando dela o que
necessita para a sua sobrevivência. No início da civilização, a relação do homem
com a natureza era harmônica e todos os acidentes ambientais aconteciam
devido a fatos naturais e não causados pela ação do homem. Com a evolução da
civilização, essa relação foi se desequilibrando, devido ao domínio e à exploração
da natureza, que teve como prioridade projetos de ocupação do espaço, porém
sem planos de desenvolvimento (social, econômico e cultural) e de conservação
da natureza (e do ambiente) (SCHONARDIE, 2011). As ações do homem sobre a
natureza até os dias de hoje causam impactos sobre o meio ambiente, mas o que
é impacto ambiental?

Segundo o art. 1º da Resolução n.º 001/86 do Conselho Nacional do Meio


Ambiente (CONAMA), impacto ambiental é:

"qualquer alteração das propriedades físicas, químicas, biológicas do meio


ambiente, causada por qualquer forma de matéria ou energia resultante das
atividades humanas que afetem diretamente ou indiretamente: a saúde, a
segurança, e o bem-estar da população; as atividades sociais e econômicas;
a biota; as condições estéticas e sanitárias ambientais; a qualidade dos
recursos ambientais” (CONAMA, 1986, p. 1).

O rápido desenvolvimento da ciência e da tecnologia a partir do início do século


XX, aliada à grande atividade industrial, teve como consequência o desenvolvimento
de técnicas de produção sofisticadas que ocuparam o território físico e
comprometeram cada vez mais o meio ambiente (BERNARDES, 2003). Houve um
grande aumento na atividade econômica mundial, após a Segunda Guerra Mundial,
sem levar em conta as consequências sobre o meio ambiente, pois havia a crença
de que os recursos naturais eram inesgotáveis, da mesma forma que a capacidade
de recuperação da natureza em relação aos rejeitos oriundos do progresso material
(JURAS, 1999). Esse conceito começou a mudar quando veio a público, em 1968, o
caso Minamata, no Japão, ocorrido em 1956, quando uma grave contaminação dos
habitantes desta cidade ocorreu pela ingestão de peixes contaminados com grandes
quantidades de mercúrio, levando a problemas neurológicos, de visão, paralisia e
deformidades (CETEM, 2016). Esse caso e o acidente com o navio petroleiro Toney

90 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

Canyon foram marcos que deram início à conscientização de que ações deveriam
ser tomadas para proteger o meio ambiente, dando origem, em 1972, à Conferência
de Estocolmo, que debateu as questões ambientais, principalmente o esgotamento
dos recursos naturais (JURAS, 1999).

Exemplificando
Um exemplo de impacto ambiental foi o que ocorreu em 5 de novembro
de 2015, com o rompimento da barragem do Fundão, localizada na
cidade histórica de Mariana (MG). Foram lançados no meio ambiente
de 34 milhões de m³ de lama, da produção de minério de ferro da
mineradora Samarco. Foram atingidos 663 km de rios e córregos; 1.469
hectares de vegetação foram comprometidos; 207 das 251 edificações
foram soterradas no distrito de Bento Rodrigues (MG). Esse desastre é
considerado a maior catástrofe ambiental do país, deixando mais de 600
famílias desabrigadas e 17 pessoas mortas, a lama atingiu o rio Doce
e houve uma grande mortandade de peixes, transformando-o em um
rio morto. Segundo o IBAMA: “O nível de impacto foi tão profundo e
perverso, ao longo de diversos estratos ecológicos, que é impossível
estimar um prazo de retorno da fauna ao local, visando o reequilíbrio
das espécies na bacia”. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/
meio-ambiente/2015/12/entenda-o-acidente-de-mariana-e-suas-
consequencias-para-o-meio-ambiente>. Acesso em: 17 maio 2016.

Os impactos ambientais também podem ser causados pela poluição. O que


pode ser considerado como poluição? De acordo com a Lei 6.938, de 31 de agosto
de 1981, a poluição está relacionada à degradação ambiental devido a atividades
que, de forma direta ou indireta: “prejudiquem a saúde, a segurança e o bem-
estar da população; criem condições adversas às atividades sociais e econômicas;
afetem desfavoravelmente a biota; afetem as condições estéticas ou sanitárias
do meio ambiente; lancem matérias ou energia em desacordo com os padrões
ambientais estabelecidos”. Entre os casos mais citados de impactos ambientais
relacionados à poluição, estão:

• Efeito estufa: a grande emissão de CO2 (dióxido de carbono) por veículos


e indústrias na atmosfera causa o aumento da temperatura do planeta, o que pode
acarretar até o final deste século um aumento de 4,0°C, causando a elevação do
nível do mar de 18 a 59 cm, levando a grandes inundações de terra.

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 91


U2

• Chuva ácida: o dióxido de carbono (CO2) presente na atmosfera se


dissolve na água formando ácido carbônico (H2CO3), e o dióxido de enxofre (SO2)
forma o ácido sulfúrico (H2SO4). A chuva ácida quando cai nos rios deixa a água
mais ácida matando peixes e insetos (UNESP, 2016). Existem várias causas para os
impactos ambientais. No Quadro 2.2, estão apresentados os impactos causados
com relação a ações.

Quadro 2.2 | Impactos ambientais

AÇÃO IMPACTO

DESCARGA DE GASES TÓXICOS POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA

DESCARGA DE EFLUENTES POLUIÇÃO DA ÁGUA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS EM POLUIÇÃO DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS E


ATERRO SUBTERRÂNEAS
EMISSÃO DE DIÓXIDO DE CARBONO,
QUEIMA DE COMBUSTÍVEL CONTRIBUIÇÃO PARA O AQUECIMENTO
DA TERRA E MUDANÇA CLIMÁTICA

Fonte: adaptado de Resplandes (2016).

Desenvolvimento sustentável

Desenvolvimento sustentável ou sustentabilidade é a integração dos aspectos


econômicos, sociais e ambientais, de forma que a produção de bens e serviços
preserve a diversidade e a integridade dos ecossistemas, reduzindo a sua
vulnerabilidade, buscando ser compatível com a velocidade de renovação dos
recursos naturais, extraindo o que é necessário para o funcionamento do sistema
econômico (DIAS, 2015). Tentando minimizar o efeito dos impactos ambientais, o
homem tem tentado mudar a forma de viver, buscando a sustentabilidade.

Pesquise mais
Este artigo aborda a definição de desenvolvimento sustentável e sua
importância no desenvolvimento das cidades brasileiras, que sofrem
uma urbanização desordenada e precisam de um novo padrão de
desenvolvimento.

BARBOSA, G. S. O desafio do desenvolvimento sustentável. Revista


Visões, 4. ed., v. 1, n. 4, jan/jun. 2008. Disponível em: <http://www.

92 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

fsma.edu.br/visoes/ed04/4ed_O_Desafio_Do_Desenvolvimento_
Sustentavel_Gisele.pdf>. Acesso em: 16 maio 2016.
É um grande desafio para a sociedade encontrar técnicas produtivas inovadoras
para minimizar os impactos ambientais e fazer com que a sustentabilidade seja
aplicada. De acordo com Amato Neto, essa busca envolve:

[...] processos produtivos mais limpos e econômicos do


ponto de vista dos recursos naturais; produtos igualmente
inovadores em termos de novas funções e com menores
impactos ambientais; novas matérias-primas para produtos
já conhecidos; serviços mais intensos em conhecimento
para a gestão ambiental; políticas internas de administração
que envolvam educação, tecnologia e redução de gastos
relacionados à matéria-prima, processos de produção e
formas de organização do trabalho (AMATO NETO, 2011, p. 1).

As empresas sustentáveis são as que têm como objetivo ter todos os seus
departamentos envolvidos com o compromisso da sustentabilidade. Vários são os
aspectos que envolvem a sustentabilidade. Entre eles, alguns estão apresentados
na Figura 2.5.
Figura 2.5 | Flor da sustentabilidade

Fonte: <http://eco-turis.blogspot.com.br/2013/05/flor-da-sustentabilidade.html>. Acesso em: 16 maio 2016.

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 93


U2

Apesar da preocupação atual com o desenvolvimento sustentável, de acordo


com o Segundo o Relatório de Desenvolvimento de 2011 do PNUD (Programa
das Nações Unidas para o Desenvolvimento), se as atuais tendências globais de
degradação ambiental continuarem, a progressiva melhora nos índices sociais dos
países emergentes será interrompida antes de 2050. A aplicação do conceito de
sustentabilidade é bastante complexa e os engenheiros têm papel fundamental
dentro da sua área de atuação, contribuindo com métodos, processos e técnicas
inovadoras para o desenvolvimento sustentável da sociedade.

Reflita
Sabendo-se que até 2015 havia 7,3 bilhões de habitantes no planeta,
reflita:

Qual o tamanho do impacto ambiental decorrente da


ampliação de cada fração de 10% de novos consumidores em
nível mundial? Os recursos naturais são ou não inesgotáveis?
Até a metade do século XXI os oceanos terão subido um
metro, inundando milhares de cidades portuárias e turísticas,
além de férteis deltas de rios em todo o mundo, por causa
do "efeito estufa"? Em que medida a reciclagem economizará
recursos naturais não renováveis para as gerações futuras?
O automóvel manterá seu fascínio e sua hegemonia como
meio de transporte e símbolo de status? Continuará impondo
investimentos maciços em vias de transporte em detrimento
de outras demandas da sociedade? (ZULAUF, 2000, p. 85).

Sem medo de errar

Vamos dar continuidade à mesa-redonda debatendo o tema: “Meio ambiente


e Sustentabilidade”.

Para organizar esse novo debate, você deverá:

• Preparar o material de apoio do tema. Pesquise sobre os conceitos e


definições do tema e principais problemas envolvidos com o meio ambiente e a
sustentabilidade e faça um resumo sobre o assunto.

Busque no material didático e faça um resumo sobre os seguintes tópicos:

• Meio ambiente.

94 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

• Impacto ambiental.

• Desenvolvimento sustentável.

Faça um levantamento de alguns exemplos de acidentes que causaram


impactos ambientais, apresentando o problema e sugerindo formas de evitá-los.
Alguns exemplos de acidentes: o rompimento da barreira da empresa Samarco em
Minas Gerais, acidentes com navios petroleiros e derramamento de petróleo no
mar, problema de radiação envolvendo a usina nuclear de Fukushima no Japão.

Promova com seus colegas de classe uma simulação do debate, distribuindo


uma parte de cada tema para um grupo que irá debater com o outro grupo.

Atenção
Fique atento às diferentes definições de meio ambiente, lembrando
que nesta seção, estamos utilizando a expressa na Lei 6.938, de 31 de
agosto de 1981. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/
leis/L6938.htm>. Acesso em: 15 maio 2016.

Avançando na prática

O lixo da Dona Maria

Descrição da situação-problema

Dona Maria trabalha na sua empresa e um dia ela o procura, pois, sabendo que
você estuda Engenharia, talvez pudesse ajudá-la a resolver um problema da rua
onde ela mora. Ela vive em um bairro da periferia da cidade e por lá passa um rio,
onde as pessoas começaram a colocar lixo nas margens. A preocupação da Dona
Maria é que as chuvas de verão vão começar a chegar e teme que possa haver
problemas de inundação, além do aparecimento de pragas urbanas, como ratos e
insetos e contaminação do rio.

Essa preocupação da Dona Maria é pertinente? A disposição do lixo às margens


do rio acarretará impacto ambiental? Se sim, quais as sugestões que você daria a
ela para ajudar a minimizar o problema?

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 95


U2

Lembre-se

Impacto ambiental é "qualquer alteração das propriedades físicas,


químicas, biológicas do meio ambiente, causada por qualquer forma
de matéria ou energia resultante das atividades humanas que afetem
direta ou indiretamente: a saúde, a segurança, e o bem-estar da
população; as atividades sociais e econômicas; a biota; as condições
estéticas e sanitárias ambientais; a qualidade dos recursos ambientais”.

Resolução da situação-problema

De acordo com a definição de impacto ambiental, o problema da deposição


inadequada de lixo nas margens do rio, do bairro da Dona Maria, causará impacto
ambiental na região por onde ele passa. O lixo atrairá insetos e animais, que são
vetores de doenças que podem comprometer a saúde dos moradores da região,
além de ser arrastado até o rio poluindo-o, comprometendo a fauna e a flora
por onde ele passar. Sugira a Dona Maria que procure a prefeitura da cidade para
fazer a retirada do lixo, além de buscar a associação de moradores do bairro para
realizar junto aos moradores uma campanha de conscientização sobre a correta
disposição do lixo e os impactos que estão ocorrendo pela situação atual.

Faça você mesmo


Você conhece os 3Rs, Reduzir, Reutilizar e Reciclar? Acesse o site a
seguir e use as informações para propor uma forma de aproveitar o lixo
que está sendo disposto de forma incorreta:

Disponível em: <http://blog.mma.gov.br/separeolixo/voce-conheceos-


3rs-reduzir-reutilizar-e-reciclar/>. Acesso em: 18 maio 2016.

Faça valer a pena

1. Assinale a alternativa correta com relação à autoria da seguinte


definição de meio ambiente: “o conjunto de condições, leis, influências
e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e
rege a vida em todas as suas formas”:
a) CREA.

96 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

b) CONFEA.
c) ISO 1400:2004.
d) Lei 6.938/1981.
e) ISO 9000.

2. Com relação ao meio ambiente, assinale a alternativa que aponta


apenas as afirmações corretas:
I – O governo é o único responsável por preservar o meio ambiente.
II – Um meio ambiente equilibrado leva a uma vida mais saudável.
III – O meio ambiente ecologicamente equilibrado é uma preocupação
do poder público e da sociedade.
a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) III, apenas.
d) I e II.
e) II e III.

3. É de responsabilidade do governo sobre a preservação do meio


ambiente:
I – Preservar a diversidade e a integridade do patrimônio genético do
país.
II – O governo não solicita estudo prévio de impacto ambiental para
instalação de obras.
III – 
Promover a educação, a conscientização e a importância da
preservação do meio ambiente.
IV – A proteção da fauna e da flora é de responsabilidade exclusiva dos
moradores da região à qual pertencem.
V – Proibir práticas que possam colocar em risco a função ecológica
da flora e da fauna.
a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) I, II e III.
d) I, III e V.
e) II e IV.

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 97


U2

98 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

Seção 2.4

A engenharia na perspectiva da sustentabilidade

Diálogo aberto

Vamos continuar conversando sobre a sustentabilidade?

Na seção anterior, falamos sobre este assunto de forma geral. Falamos do


meio ambiente, de impactos ambientais e da definição de sustentabilidade. Agora,
vamos abordá-la sob o ponto de vista da engenharia.

O engenheiro em sua atuação profissional deve agir de forma a aplicar em


seus projetos o conceito de sustentabilidade. Você, como futuro engenheiro,
pode transformar o mundo ao seu redor, através de projetos que busquem o uso
racional dos recursos naturais, a redução da produção de resíduos, a diminuição
da emissão de gases que causam o efeito estufa, o aproveitamento da água de
chuva, entre outros.

Para conhecer mais sobre o assunto, vamos realizar o nosso último debate,
agora discutindo o tema: a engenharia na perspectiva da sustentabilidade.

Lembre-se de que você foi contratado pelo CREA para fazer parte de uma mesa-
-redonda para um ciclo de debates e este será o último deles. Para organizar esse
novo debate, você deverá preparar o material de apoio do tema. Pesquise sobre
os conceitos e as definições do tema e principais problemas envolvidos com a
engenharia na perspectiva da sustentabilidade e faça um resumo sobre o assunto.

Promova com seus colegas de classe uma simulação do debate, distribuindo


uma parte de cada tema para um grupo que irá debater com o outro grupo.

Bom estudo!

Não pode faltar

Engenharia e sustentabilidade

Falamos na seção anterior sobre a sustentabilidade e agora vamos abordá-la do ponto

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 99


U2

de vista da engenharia e seus projetos. O engenheiro nas suas atividades profissionais


deve aplicar o conceito de sustentabilidade, mas o que é sustentabilidade mesmo?
Recordando a definição: sustentabilidade é a integração dos aspectos econômicos,
sociais e ambientais, de forma que a produção de bens e serviços preserve diversidade
e a integridade dos ecossistemas, reduzindo a sua vulnerabilidade, buscando ser
compatível com a velocidade de renovação dos recursos naturais, extraindo o que é
necessário para o funcionamento do sistema econômico (DIAS, 2015).

Os principais objetivos de um crescimento sustentável são: crescimento


econômico, equidade social e conservação ambiental. Veja a representação na
Figura 2.6 dos pilares fundamentais da sustentabilidade.

Figura 2.6 | Pilares fundamentais da sustentabilidade

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICO
AMBIENTAL
SOCIAL

Fonte: Silva (2015).

A sustentabilidade tem sido discutida em toda a sociedade e o consumidor tem


dado preferência a produtos fornecidos por empresas que aplicam os conceitos de
sustentabilidade, que vêm fazendo parte da análise de investidores, financiadores e
consumidores, os quais procuram empresas com produções mais limpas.

O conceito de sustentabilidade resulta da intersecção dos conceitos de “Tripé


da Sustentabilidade” e dos 3P (People, Planet e Profit – Pessoas, Planeta e Lucro),
onde: o lado econômico tem como objetivo criar empreendimentos viáveis,
atraentes, para os investidores; o ambiental analisa a interação entre processos
e meio ambiente, minimizando ou impedindo danos permanentes; e o social
estabelece ações justas para os trabalhadores, os parceiros e a sociedade (DIAS,
2015). A Figura 2.7 representa essa intersecção entre os 3P.

100 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

Figura 2.7 | Sustentabilidade e suas dimensões

Justo Econômico
Viável

Vivível
Sustentabilidade

Social Ambiental

Fonte: Oliveira et al. (2010).

Pesquise mais
Conheça mais sobre o conceito de sustentabilidade e as estratégias
que as empresas usam para atingi-la, abordando o desenvolvimento
ambiental e algumas sugestões de melhoria, para o aprimoramento do
aprendizado e o crescimento da sustentabilidade lendo o artigo:

OLIVEIRA, L. R. de et. al. Sustentabilidade: da evolução dos conceitos


à implementação como estratégia nas organizações. Produção, v. 22,
n. 1, p. 70-82, jan./fev. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/
prod/2011nahead/aop_0007_0245.pdf>. Acesso em: 28 abr. 2016.

As empresas buscaram avanços tecnológicos e meios de produção


sustentáveis e discutindo com os seus stakeholders (partes interessadas), sob a
ótica do planejamento, utilizam o balanced scorecard (indicadores balanceados
de desempenho), o BSC. Esse é um “sistema de gestão baseado em indicadores
de controle interligados logicamente, que permitem a avaliação do desempenho,
traduzindo a missão e a estratégia em objetivos e medidas organizados nas
perspectivas financeira, dos clientes, dos processos internos, do aprendizado e do
crescimento” (OLIVEIRA, et al., 2010). A Figura 2.8 relaciona o BSC com o tripé da
sustentabilidade.

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 101


U2

Figura 2.8 | BSC baseado no tripé da sustentabilidade

Financeiro
Econômico

Financeiro

Planejamento Processos Clientes


Clientes estratégico e internos
visão
Processos
internos
Aprendizado
e crescimento
Aprendizado e ambiental
crescimento
Social

Fonte: Silva (2015).

Reflita

Não corresponde à realidade dizer que a Rio+20 foi um sucesso,


pois não se chegou a nenhuma medida vinculante nem se criaram
fundos para a erradicação da pobreza nem mecanismos para
o controle do aquecimento global. Não se tomaram decisões
para a efetivação do propósito da Conferência, que era criar as
condições para o “futuro que queremos” [...] No fundo, afirma-
se: se a crise se encontra no crescimento, então a solução se dá
com mais crescimento ainda. Isso concretamente significa: mais
uso dos bens e serviços da natureza, o que acelera sua exaustão,
e mais pressão sobre os ecossistemas, já nos seus limites. Dados
dos próprios organismos da ONU dão conta que, desde o Rio-92,
houve uma perda de 12% da biodiversidade, 3 milhões de metros
quadrados de florestaas foram desmatadas, 40% mais gases de
efeito estufa foram emitidos e cerca da metade das reservas de
pesca mundiais foram exauridas (BOFF, 2012).

Sustentabilidade em projetos de engenharia

Como aplicar o conceito de sustentabilidade aos projetos de engenharia?

A preocupação das indústrias com a produção sustentável levou ao conceito de


eco indústria. Esse conceito não é restrito aos produtos "verdes" ou à reciclagem
de detritos, mas também a uma restruturação completa dos processos industriais,
como a regulação dos fluxos de energia, matérias-primas e produtos a partir da
reutilização racional dos detritos. Existem vários parques eco-industriais (eco-

102 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

-industrial parks) no mundo, que são ecossistemas industriais. Neles, a energia e


materiais consumidos são otimizados e os efluentes/resíduos de um processo
servem como matéria-prima em outro. Eles funcionam como cooperativas que
buscam eficiência de informação, materiais, água, energia, infraestrutura e habitat
natural, levando a ganhos econômicos, sociais e ambientais. O primeiro parque eco-
-industrial foi implantado nos anos 80 em Kalundborg, na Dinamarca. Ele reduziu em
15 anos o consumo de 19 mil toneladas de petróleo, 30 mil toneladas de carvão, 600
mil m3 de água, e uma redução de carbono na ordem de 130 mil toneladas.

De acordo com o Green Building Council (Conselho de Construção Verde), os


projetos de construção ambientalmente verde abriram 7,9 milhões de novas vagas
de empregos verdes e renderam à economia americana cerca de US$ 554 milhões
em 2012. Com esses tipos de projeto, há grandes oportunidades para engenheiros
civis, mecânicos, elétricos, ambientais, entre outros (CASAGRANDE JR., 2016).

Uma empresa sustentável é aquela na qual o foco das atividades de pesquisa,


desenvolvimento e inovação, da política de recursos humanos, do trabalho
produtivo, das estratégias de marketing e mesmo do departamento financeiro
encontram-se no horizonte da sustentabilidade (AMATO NETO, 2011). As diferentes
áreas das engenharias possibilitam a solução de pequenos a grandes problemas.
No âmbito da sustentabilidade, há uma nova necessidade na área de engenharia,
aplicar a sustentabilidade, para atenuar os problemas trazidos pelas mudanças
climáticas. Abrem-se assim várias oportunidades nas diferentes áreas de engenharia,
como o aumento de projetos com selos internacionais de gestão energética, e
soluções para equipamentos e sistemas eficientes em consumo de energia. Os
projetos protocolados na UNFCCC (Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre
Mudança do Clima) estão associados às “questões de troca de combustíveis em
plantas industriais, troca de caldeiras em processos de calor, eficiência em processos
agrícolas, de produção de papel, extração de madeira, nos modais de transporte, na
produção de alimentos, entre outros” (POLIQUEZI, 2012, p. 1).

Assimile
Sustentabilidade é a integração dos aspectos econômicos, sociais
e ambientais, de forma que a produção de bens e serviços preserve
a diversidade, a integridade dos ecossistemas, reduzindo a sua
vulnerabilidade, buscando ser compatível com a velocidade de
renovação dos recursos naturais, extraindo o que é necessário para o
funcionamento do sistema econômico (DIAS, 2015).

Na engenharia, a aplicação do conceito sustentabilidade deve ser feita desde


a concepção do projeto. Nele, é possível verificar e planejar, juntamente a

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 103


U2

todas as diversas áreas da engenharia envolvidas no projeto, as propostas e as


soluções para executá-lo dentro dos padrões de sustentabilidade exigidos pelo
mercado e pela sociedade. O conceito de um projeto sustentável “é um sistema
que promove intervenções sobre o meio ambiente, sem esgotar os recursos
naturais, preservando-os para as gerações futuras” (PEREIRA, 2016, p. 2). O tema
sustentabilidade é tão extenso que já existe outra área de atuação do engenheiro,
o curso de graduação em nível superior derivado da Engenharia de Produção,
chamado de Engenharia de Sustentabilidade. Esse curso aborda: planejamento
da utilização eficiente dos recursos naturais nos sistemas produtivos diversos, a
destinação e o tratamento dos resíduos e efluentes desses sistemas, bem como da
implantação de sistema de gestão ambiental e responsabilidade social (ABEPRO,
2016). A seguir, são apresentados alguns exemplos da sustentabilidade aplicada à
engenharia e seus selos. Além da ISO 14000 (que é um tipo de certificação relativa
à aplicação da sustentabilidade e gestão ambiental de empresas), de acordo com
o WRI (World Resources Institute) existem em torno de 340 selos ecológicos, os
ecolabels, que certificam produtos e serviços espalhados por 42 países no mundo.

• Engenharia Civil: nessa área, os projetos sustentáveis usam materiais de


construção do tipo eco materiais, que, além de buscar soluções tecnológicas
inteligentes para promover a redução de resíduos gerados pela construção, utilizam
de forma inteligente e econômica água e energia, proporcionando aos usuários
conforto e melhor aproveitamento das áreas. Alguns selos de sustentabilidade
aplicados à construção civil:

a) Selo Casa Azul da CAIXA: é um selo de sustentabilidade da Caixa Econômica


Federal, para empreendimentos imobiliários. Para receber o selo, é exigido que a
construção seja aprovada a partir da análise de critérios, nas categorias: Qualidade
Urbana, Projeto e Conforto, Eficiência Energética, Conservação de Recursos
Materiais, Gestão da Água, Práticas Sociais.

b) Certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design


- Liderança em Energia e Design Ambiental): é um sistema de certificação e
orientação ambiental de edificações. Criado pelo U.S. Green Building Council, é o
selo de maior reconhecimento internacional e o mais utilizado em todo o mundo,
inclusive no Brasil. É um auxílio no desenvolvimento da indústria da construção
sustentável no país, com um processo integrado de concepção, construção e
operação de edificações e espaços construídos.

• Engenharia Química: o engenheiro químico deve atuar com o objetivo


de aprimorar técnicas e métodos, para reduzir a geração de resíduos e efluentes
tóxicos. Essa forma de pensar e agir é conhecida como química sustentável
ou química verde e pode ser definida como: “a criação, o desenvolvimento e a
aplicação de produtos e processos químicos para reduzir ou eliminar o uso e a
geração de substâncias nocivas à saúde humana e ao ambiente” (CORREIA, 2012).

104 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

As indústrias químicas que mais investem atualmente em química verde no Brasil,


são: Braskem, Rhodia/Solvay, Dow, Croda. Elas buscam mercados disponíveis
com viabilidade econômica para os novos processos, alterando a matéria-prima e
a forma de obtenção dos produtos (REIS; AMARAL, 2016). Alguns selos utilizados
pelas indústrias químicas:

a) Green Seal (Selo verde): usado para análise do produto e são considerados:
o modo como à matéria-prima é obtida, a embalagem do produto é realizada, o
impacto desse produto sobre o ambiente e ainda a sua utilização e o seu descarte.

b) Blue Angel (anjo azul): criado na Alemanha em 1977, foi o primeiro selo de
cunho ambiental no mundo. É o único selo do mundo autorizado a utilizar o logotipo
do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – UNEP (OLIVEIRA, 2016).

• Engenharia de Produção: por tratar da gestão de processos produtivos,


a Engenharia de Produção tem papel fundamental em todas as empresas. Assim,
todos os seus projetos devem incorporar a sustentabilidade como base. Conheça
o selo Dow Jones Sustainability Index (Índice Dow Jones de Sustentabilidade).
Ele “analisa as práticas adotadas pelas empresas que têm ações na bolsa de
valores, identificando seus resultados e classificando-as como sustentáveis ou
não, assim os compradores saberão se estão adquirindo ações de empresas com
responsabilidade ambiental e social e quais as vantagens de adquiri-las” (ATITUDES
SUSTENTÁVEIS, 2016, p. 2).

Exemplificando
Como exemplo de projetos sustentáveis, observe os diferentes projetos
da engenharia agronômica aplicada à agricultura e à pecuária, em que o
produtor rural pode selecionar as possibilidades de projeto e compará-las
para fazer a melhor opção. Consulte o site a seguir e veja os exemplos:
Comparação de projetos sustentáveis. Disponível em: <http://www.
agrosustenta.com.br/comparacao_projetos>. Acesso em: 28 maio 2016.

Sem medo de errar

Chegamos ao nosso último debate!

Agora você deverá organizar o tema: a engenharia na perspectiva da


sustentabilidade.

Para tanto:

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 105


U2

• Prepare o material de apoio do tema. Pesquise sobre os conceitos e as


definições do tema e os principais problemas envolvidos com: A engenharia na
perspectiva da sustentabilidade.

Resolução da situação-problema

Busque no material didático e faça um resumo sobre os seguintes tópicos:

• Apresentar o conceito de sustentabilidade sob a ótica da engenharia.

• Falar sobre a sustentabilidade em projetos de engenharia.

• Apresentar exemplos de projetos sustentáveis em diferentes áreas da


engenharia.

Promova com seus colegas de classe uma simulação do debate, distribuindo


uma parte de cada tema para um grupo que irá debater com o outro grupo.

Atenção
Fique atento: a sustentabilidade é um conceito aplicado a todas as
áreas da engenharia, não sendo uma responsabilidade exclusiva da
engenharia ambiental. A sustentabilidade também tem sido discutida
em toda a sociedade, que procura empresas que apliquem o conceito
de sustentabilidade.

Avançando na prática

Faça-se a luz!

Descrição da situação-problema

Em uma comunidade carente do interior do Nordeste do Brasil, a população


tem sérios problemas sociais, devido aos poucos postos de trabalho, além do fato
de que metade da população vive da agricultura, dependendo mais da chuva do
que da irrigação. Você foi contratado pela prefeitura da cidade para desenvolver
projetos de desenvolvimento sustentável aplicado às necessidades da população.
Ao analisar as necessidades da população, você verificou que:

• A energia elétrica é muito cara, pois a cidade é servida de energia pela


cidade vizinha.

106 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

• Os comerciantes ou gastam muito com energia ou passam o dia com as


lojas na penumbra, o que afasta os clientes.

• Na escola, as crianças passam o dia só com a iluminação das janelas, tendo


dificuldades de visualização da matéria na lousa.

• A comunidade rural não tem energia elétrica nas casas, vivendo na


penumbra durante o dia e no escuro à noite.

Com essas informações, quais as sugestões de projeto você faria?

Lembre-se

Sustentabilidade é a integração dos aspectos econômicos, sociais


e ambientais, de forma que a produção de bens e serviços preserve
a diversidade e a integridade dos ecossistemas, reduzindo a sua
vulnerabilidade, buscando ser compatível com a velocidade de
renovação dos recursos naturais.

Resolução da situação-problema

Pesquisando formas sustentáveis e economicamente viáveis, você encontra


um projeto interessante: as lâmpadas de Moser, e sugere à prefeitura fazer um
manual de instalação dessas lâmpadas na cidade.

As lâmpadas de Moser são uma invenção do mineiro de Uberaba, Alfredo Moser


que, em 2001, usou garrafas PET com água e cloro para iluminar a sua casa. As
lâmpadas são colocadas no telhado e, pela refração do sol, a garrafa oferece um
caminho para a entrada de luz no ambiente. O cloro serve para deixar a água limpa,
impedindo a proliferação de algas e aumentar a refração. Quando comparada a
uma lâmpada de 50 watts ligada 14 horas por dia, a lâmpada de garrafa PET deixa
de emitir 200 kg de CO2 na atmosfera por ano e proporciona uma economia de
mais de 30% na conta de energia elétrica. Vamos construir as lâmpadas de Moser?

Acesse o site a seguir e veja em detalhes a construção da lâmpada de Moser:

Disponível em: <http://www.arquiteturasustentavel.org/como-fazer-uma-lampada-


de-garrafa-pet/>. Acesso em: 28 maio 2016.

Materiais:

• Garrafas PET: de 1,5 a 2l transparentes cheias de água.

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 107


U2

• Água sanitária: 2 tampinhas (~30 ml) como medida para cara garrafa.

• Fechar o sistema água + cloro com a tampa da garrafa.

• Cobrir a tampa com fita adesiva preta; pode ser usada fita isolante.

• Cola resina (para evitar vazamento).

Método:

• Fazer um furo no telhado com as dimensões da garrafa.

• Passar a garrafa com a tampa apontada para o céu.

• Vedar bem com a cola resina para não entrar água da chuva (ARQUITETURA
SUTENTÁVEL, 2013).

A invenção de Moser inspirou o Massachusetts Institute of Technology (MIT),


que, com ajuda de estudantes, passou a instalar as lâmpadas em regiões carentes
das Filipinas e de outros 15 países com a ajuda de voluntários. Estima-se que a
lâmpada de Moser beneficie cerca de 1 milhão de pessoas até 2015.

Faça você mesmo


Pense em uma forma alternativa de aproveitamento das garrafas PET
para uma irrigação sustentável para a cidade!

Faça valer a pena

1. Com relação aos conceitos de Tripé da Sustentabilidade e dos 3P


(People, Planet e Profit – Pessoas, Planeta e Lucro), assinale a alternativa
correta:
I – A sustentabilidade resulta da intersecção dos dois conceitos.
II – O lado econômico tem como objetivo criar empreendimentos
viáveis e atraentes.
III – A parte ambiental minimiza ou impede danos permanentes.
IV – O lado social não participa diretamente entre os dois conceitos.
V – 
Não há integração entre os dois conceitos de Tripé da
Sustentabilidade e dos 3P.
a) IV.

108 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

b) V.
c) IV e V.
d) I, IV e V.
e) I, II e III.

2. Com relação ao BSC - Balance Scorecard (Indicadores Balanceados


de Desempenho), assinale a alternativa correta:
I – É uma ferramenta de gestão para avaliação de desempenho que
não é usada em sustentabilidade.
II – É uma ferramenta de gestão para avaliação de desempenho que é
usada em sustentabilidade.
III – Os stakeholders (partes interessadas) são participantes do processo
de implantação da sustentabilidade.
a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) III, apenas.
d) II e III.
e) I e II.

3. Quais os fatores que têm levado as pessoas a consumirem de


empresas ditas sustentáveis:
I – Consciência da importância da sustentabilidade.
II – Preços dos produtos sustentáveis mais baixos.
III – Promover empresas com gestão voltada a produções mais limpas.
a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) I e III.
d) II e III.
e) I e II.

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 109


U2

110 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Engenharia da


sustentabilidade. Disponível em: <http://abepro.org.br/interna.asp?m=424&s=1&c=362
2016>. Acesso em: 27 maio 2016.
ARQUITETURA SUSTENTÁVEL. Como fazer uma lâmpada de garrafa PET. Disponível
em: <http://www.arquiteturasustentavel.org/como-fazer-uma-lampada-de-garrafa-
pet/>. Acesso em 11 jul. 2016.
AMATO NETO, João. Sustentabilidade: a nova engenharia organizacional. Revista
Brasil Engenharia, ago. 2011. Disponível em: <http://www.brasilengenharia.com/
portal/palavra-do-leitor/124-sustentabilidade-a-nova-engenharia-organizacional>.
Acesso em: 28 maio 2016.
ASSOCIAÇÃO PALAS ATHENA. Dilemas éticos das sociedades contemporâneas 95º
fórum do comitê da cultura de paz parceria UNESCO. São Paulo: Associação Palas
Athena. Disponível em: <http://www.comitepaz.org.br/download/95%20f%C3%B3
rum.pdf>. Acesso em: 1 maio 2016.
ATITUDES SUSTENTÁVEIS. Índice Dow Jones de sustentabilidade: empresas
sustentáveis. Disponível em: <http://www.atitudessustentaveis.com.br/sustentabilidade/
indice-dow-jones-de-sustentabilidade-empresas-sustentaveis/>. Acesso em: 11 jul. 2016.
BARBOSA, G. S. O desafio do desenvolvimento sustentável. Revista Visões. 4. ed.
n. 4, v. 1 jan./jun. 2008.
BENVENUTI, S. Sem desperício de água. Disponível em: <http://www.sylviarealtor.
com.br/sem-desperdicio-de-agua/>. Acesso em: 11 jul. 2016.
BERNARDES, J. A. A questão ambiental. 2. ed. São Paulo: Bertrand Brasil, 2003.
BOFF, L. Insuficiências conceptuais da Rio+20. Disponível em: <https://leonardoboff.
wordpress.com/2012/07/01/insuficiencias-conceptuais-da-rio20/>. Acesso em: 11
jul. 2016.
BORGER, F. G. Responsabilidade social empresarial e sustentabilidade para a gestão
empresarial. Disponível em: <http://www3.ethos.org.br/cedoc/responsabilidade-
social-empresarial-e-sustentabilidade-para-a-gestao-empresarial/#.VyVL1_krK1t>.
Acesso em: 18 maio 2016.
BRASIL. Constituição Federal de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 111


U2

br/ccivil_03/Constituicao/ConstituicaoCompilado.htm>. Acesso em: 1 maio 2016.


CASAGRANDE JUNIOR, E. F. Inovação tecnológica e sustentabilidade: integrando
as partes para proteger o todo. Programa de Pós-Graduação em Tecnologia, PPGTE.
2001. Disponível em: <aplicweb.feevale.br/site/files/documentos/pdf/23231.pdf>.
Acesso em: 27 maio 2016.
CETEM. O Caso de Minamata. 2006. Disponível em: <http://www.cetem.gov.br/
mercurio/semiquanti/por/caso_minamata.htm>. Acesso em: 20 maio 2016.
COLHADO, P. P. P. Engenharia. 2010. Disponível em: <http://www.creadigital.
com.br/portal?idNtc=3577343334> Acesso em: 1 maio 2016.
CONAMA. Decreto n. 99.274 de 6 de junho de 1990. Disponível em: <http://www.
mma.gov.br/port/conama/estr.cfm>. Acesso em: 1º maio 2016.
CONSTRUIR SUSTENTÁVEL. Disponível em: <http://www.construirsustentavel.
com.br/green-building/selos#ixzz4A4ocnlUf>. Acesso em: 27 maio 2016.
CORREA, A. G.; ZUIN, V. G. Princípios fundamentais da química verde. In: CORREA,
A. G.; ZUIN, V. G. (Org.). Química verde: fundamentos e aplicações. São Carlos:
EDUFSCar, 2009. p. 9-22. v. 1.
CREMASCO, M. A. A responsabilidade social na formação de engenheiros. Disponível
em: <https://www.passeidireto.com/arquivo/1091092/a-responsabilidade-socialna-
formacao-de-engenheiros---marco-aurelio-cremasco >. Acesso em 11 jul. 2016.
DIAS, R. Responsabilidade social: fundamentos e gestão. São Paulo: Atlas, 2012.
Disponível em: <http://www.passeiucp.com.br/arquivos/fde18ebc86761d747615f
5e305e1eadf.pdf>. Acesso em: 18 maio 2016.
UNIVERSIDADE de São Paulo. Laboratório de Química Ambiental. Educação
ambiental e cidadania. Disponível em: <http://www.usp.br/qambiental/
tefeitoestufa.htm#OqueEh>. Acesso em: 20 maio 2016.
B.I. INTERNATIONAL. Engenharia e sustentabilidade andam juntas. Disponível em:
<http://www.biinternational.com.br/blog/engenharia-e-sustentabilidade-andam-
juntas/>. Acesso em: 27 maio 2016.
FARIAS, A. Legislação e ética profissional. Disponível em: <http://www.crc-ce.org.
br/crcnovo/download/apost_eticacrc.pdf>. Acesso em: 19 maio 2016.
FREITAS, V. P. Direito administrativo e meio ambiente. 3. ed. Curitiba: Juruá, 2001.
GHILLYER, A. W. Ética nos negócios. 4. ed. São Paulo: AMGH, 2015.
GOLDIM. J. R. Ética, moral e direito. Disponível em: <ttps://www.ufrgs.br/bioetica/
eticmor.htm>. Acesso em: 19 maio 2016.
GONÇALVES, C. P.; SADER, E. O desafio ambiental. Rio de Janeiro: Record, 2004.

112 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


U2

GONÇALVES, J. P. M. dos S. Práticas de responsabilidade social corporativa nos


municípios do distrito de Setúbal: exemplo de quatro municípios. 2015. 109 f.
Dissertação (Mestrado em Ciências Empresariais)-Instituto Politécnico de Setúbal,
Setúbal, 2015. Disponível em: <https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/10542/1/
Pr%C3%A1ticas%20de%20Responsabilidade%20Social%20Corporativa%20-%20
Jo%C3%A3o%20Gon%C3%A7alves.pdf>. Acesso em: 11 jul. 2016.
INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA QUALIDADE E TECNOLOGIA. Associação
Brasileira de Normas Técnicas. Norma Internacional ISO 26000. Diretrizes sobre
responsabilidade social. 2010, p. 110. Disponível em: <http://www.inmetro.gov.
br/qualidade/responsabilidade_social/iso26000.asp>. Acesso em: 18 maio 2016.
JURAS, I. da A. G. M. Desenvolvimento sustentável: opção ou necessidade?.
Cadernos Associação dos Consultores Legislativos e de Organização e
Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados, v. 3, n. 8, p. 52, maio/ago. 1999.
Disponível em: <http://bd.camara.gov.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/11227/
desenvolvimento_sustentavel_juras.pdf?sequence=1>. Acesso em: 20 maio 2016.
OLIVEIRA, A. R. Ética profissional. Caderno Instituto Federal de Educação, Ciência
e Tecnologia de Belém do Pará, Belém, 2012. Disponível em: <http://estudio01.
proj.ufsm.br/cadernos/ifpa/tecnico_metalurgica/etica_profissional.pdf>. Acesso
em: 1 maio 2016.
OLIVEIRA, F. P. O meio ambiente e o setor industrial: desafio para o
desenvolvimentosustentável. In: OLIVEIRA, F. P. Meio ambiente: o marketing
possível. Monografia (Especialização em Administração com ênfase em Marketing)
– Universidade Federal de Pernambuco. Disponível em: <www.cprh.pe.gov.br/
downloads/meio-ambiente.pdf>. Acesso em: 27 maio 2016.
OLIVEIRA, L. R. et al. Sustentabilidade: da evolução dos conceitos à
implementaçãocomo estratégia nas organizações. Revista Produção, v. 22, n. 1,
p. 70-82, 2012.
PEREIRA, B. J. Sustentabilidade: um desafio para engenharia. Revista Instituto de
Educação Tecnológica, Brasília, [2014]. Disponível em:<http://www.techoje.com.
br/site/techoje/categoria/detalhe_artigo/1693>. Acesso em: 27 maio 2016.
POLIQUEZI, A. O papel da engenharia no desenvolvimento sustentável. In: Energia
e Sustentabilidade, 31 jan. 2011. Disponível em: <http://poliquezi.blogspot.com.
br/2011/01/o-papel-da-engenharia-no.html>.Acesso em: 27 maio 2016.
REIS, A. S. M.; AMARAL, F. G. Fatores críticos de sucesso e critérios de sustentabilidade
na gestão de mudanças organizacionais: um estudo de caso em uma empresa
do ramo químico e petroquímico. Revista Científica Eletrônica de Engenharia de
Produção, Santa Catarina, v. 16, n. 1, 2016. Disponível em: <https://www.lume.ufrgs.
br/bitstream/handle/10183/.../000921186.pdf?>. Acesso em: 29 maio 2016.
RODRIGUES, Z. L. S.; SOUZA, R. C. Meio ambiente e “questão social”: um debate

Responsabilidade social, ética e sustentabilidade 113


U2

necessário. Conselho Regional de Serviço Social, Curitiba, 25 jul. 2012. Disponível


em: <http://www.cresspr.org.br/site/meio-ambientee-questao-social-um-debate-
necessario/> 2012>. Acesso em: 20 maio 2016.
SCHONARDIE, Elenise Felzke. Direito ambiental e sustentabilidade. Revista de
Direito Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, n. 36, 2011.
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Ética. Disponível em: <portal.mec.
gov.br/seb/arquivos/pdf/livro082.pdf>. Acesso em: 19 maio 2016.
SHEBALJ. Vera L. de C. C. Responsabilidade social do engenheiro, do arquiteto,
do engenheiro agrônomo. Cadernos do Conselho Regional de Engenharia e
Agronomia do Paraná, Curitiba, n. 6, 2008.
SILVA FILHO, N. G.; SANTANA, J. G. L.; SILVA, L. R. B. A responsabilidade social
na vida de um engenheiro. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM
ENGENHARIA, 39., Blumenau. Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia,
2011. Disponível em: <http://www.abenge.org.br/CobengeAnteriores/2011/
sessoestec/art2095.pdf>. Acesso em: 18 maio 2016.
TELLES, P. C. S. A função social e a responsabilidade social do engenheiro. Revista
Noticiário, v. 16, n. 2, maio/ago. 1999. Disponível em: <http://rmct.ime.eb.br/
arquivos/RMCT_2_quad_1999/func_soc_resp_soc_eng.pdf>. Acesso em: 18
maio 2016.
UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Estudos ambientais. Disponível em: <http://
www.rc.unesp.br/igce/aplicada/ead/estudos_ambientais/ea05.html>. Acesso em:
20 maio 2016.
VALLS, A. L. M. O que é ética? São Paulo: Brasiliense, 1994.
ZULAUF, W. E. O meio ambiente e o futuro. Estudos avançados. São Paulo, v.
14, n. 39, maio/ago. 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ea/v14n39/
v14a39a09.pdf>. Acesso em: 20 maio 2016.

114 Responsabilidade social, ética e sustentabilidade


Unidade 3

Ciência, tecnologia e engenharia

Convite ao estudo

Seja bem-vindo à Unidade 3!

Vamos continuar falando sobre a engenharia? Na unidade anterior,


abordamos responsabilidade social, ética, sustentabilidade e sua relação
com a engenharia. Agora vamos avançar, discutindo a ciência e a
tecnologia aplicadas à engenharia.

O engenheiro resolve problemas, dentre outras atribuições, como a


realização de projetos, solução de problemas tecnológicos e criação de
novas tecnologias. Para isso, o profissional da área da engenharia precisa
utilizar a ciência como base dos conhecimentos necessários a essas
atividades por meio da aplicação de um método científico de trabalho. A
criatividade é uma das características desses profissionais, sem a qual não
teriam sucesso em suas atividades: com base nela e na ciência, o engenheiro
desenvolve tecnologias para o desenvolvimento social. O conhecimento
está sempre sendo ampliado por novas descobertas e as necessidades
da sociedade vão mudando com o tempo, exigindo desse profissional
constante atualização e o desenvolvimento de inovações tecnológicas.

Nesta unidade, trataremos das bases da ciência e da tecnologia


aplicadas à engenharia, abordando os seguintes tópicos:

• Ciência, lógica e o método científico.

• Criatividade. A arte da engenharia.

• Tecnologia aplicada à engenharia.


U3

• Inovação tecnológica.

Você foi contratado por uma empresa de inovação em tecnologias


limpas, na área de reciclagem de materiais plásticos. Caberá a você
elaborar um projeto de aproveitamento de garrafas PET com o melhor
uso dos recursos, de forma sustentável, utilizando metodologia científica,
criatividade, tecnologia e inovação. Esse projeto será elaborado durante as
quatro seções desta unidade por meio da montagem de um fluxograma
de pesquisa e descrição das suas etapas, de acordo com o material
didático disponível.

Bom trabalho!

116 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

Seção 3.1

Ciência, lógica e o método científico

Diálogo aberto

Você sabia que pode ser, além de engenheiro, um cientista?

Dentre as atribuições do engenheiro está a pesquisa. Ao aplicar o conhecimento,


utilizando a lógica e o método científico para solucionar problemas, o engenheiro
também está fazendo ciência! Da mesma forma, quando ele desenvolve novos
produtos, processos e tecnologias, o engenheiro está aplicando a ciência.

Para realizar um projeto ou solucionar um problema, o engenheiro precisa seguir


a lógica e ter um método de trabalho, a fim de obter sucesso nas suas atividades.
Muitos fracassos na solução de problemas e desenvolvimento de tecnologias são
causados pela falta de planejamento adequado.

Nessa primeira etapa, você deve iniciar a montagem do fluxograma de condução


da pesquisa de acordo com o material didático disponível. Nesse momento, você
fará a Etapa 1:

• Estudar o fenômeno: realizar estudos, ler a literatura pertinente em relação


à quantidade de garrafas PET produzidas e despejadas no meio ambiente da sua
cidade e formular questões, identificando possíveis variáveis a serem medidas
de acordo com o material didático disponibilizado. Fazer um resumo com as
informações obtidas.

• Elaborar hipóteses: organizar uma afirmação sobre a possibilidade de


reutilização das garrafas PET (positiva, negativa ou condicional, ainda não testada).

Boa sorte!

Ciência, tecnologia e engenharia 117


U3

Não pode faltar

Ciência

O que é ciência? O que é ser um cientista? O engenheiro pode ser um cientista? A


palavra Ciência deriva do latim scientia, que significa conhecimento ou saber. Não há
um consenso sobre a definição de ciência, existindo muitas discussões e definições
propostas sobre o tema. A seguir, são apresentadas algumas dessas definições:

“Ramo de conhecimento sistematizado como campo de estudo ou observação


e classificação dos fatos atinentes a um determinado grupo de fenômenos e
formulação das leis gerais que os regem” (MICHAELIS, 2016).

[...] a pesquisa científica é uma atividade eminentemente


social e, consequentemente, a Ciência uma forma de
conhecimento público, na medida em que um fato científico
– o conhecimento gerado pela Ciência – é reconhecido
pela comunidade científica após um amplo processo de
comunicação entre pares. [...] (ZIMAN, 1979, p. 24)

[...] É uma forma de conhecimento sistemático, dos


fenômenos da natureza, dos fenômenos sociais, dos
fenômenos biológicos, matemáticos, físicos e químicos, para
se chegar a um conjunto de conclusões verdadeiras, lógicas,
exatas, demonstráveis por meio da pesquisa e dos testes. [...]
(OLIVEIRA, 2002, p. 47)

Nesta seção, utilizaremos a definição de Oliveira (2002), que explica a ciência como
um tipo de conhecimento objetivo, racional, sistemático, geral, verificável e falível.

Pesquise mais
Conheça mais sobre a evolução da ciência nas diversas áreas do
conhecimento através dessa interessante linha do tempo. Disponível
em: <https://bibliblogue.files.wordpress.com/2010/04/metro-ciencia-g.
jpg>. Acesso em: 14 jun. 2016.

118 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

O homem teme o desconhecido, independentemente da época. O que causava


medo aos homens no período pré-histórico era o desconhecimento de fenômenos
naturais, como raio, trovão, eclipse, dentre outros. Para o homem moderno, talvez
seja a possibilidade de vida em outros planetas, que esses sejam povoados por seres
com mais conhecimento e tecnologia e que possam ameaçar a vida na Terra.

O papel da ciência é “Trazer luz onde reinam as trevas. O rigor científico nega, na
sua essência, as crendices, a magia, as superstições antigas e atuais” (PUCC, [s.d.]).
A ciência está sempre em evolução, trazendo a explicação para vários fenômenos
e solução para vários problemas, diminuindo a sensação de temor e contribuindo
para a evolução.

Pesquise mais
Pesquise mais sobre o que é ciência e o método científico lendo
este artigo:

SILVIO, S. C. O que é ciência? [s.d.] Disponível em: <http://www.ouxe.


com.br/arquivos%20downloads/chibeni%20silvio%20seno_%20o%20
que%20e%20ciencia.pdf>. Acesso em: 13 jun. 2016.

O conhecimento científico tem como objetivo compreender a natureza e o


universo por meio de elementos conhecidos, concretos e objetivos. Para que a
ciência funcione bem, as opiniões pessoais, as especulações, os conhecimentos
prévios, as crenças, os preconceitos, as expectativas e as paixões devem ser deixados
de lado. É necessário também formular perguntas lógicas, propor hipóteses, aferir
de forma experimental e cuidadosa os fatos (MBARGA; FLEURY, [s.d.])

Reflita
[...] Por que a ciência é tão importante para o futuro?

A resposta é porque a ciência é a forma mais aceitável de criação de


conhecimento que lida, exclusivamente, com a forma com que os
eventos acontecem; sempre precisando ser confirmada, reproduzida
e sempre baseada nas evidências. [...] O sistema ético da ciência é
também crucial para o bem-estar da humanidade no futuro. A ciência
permite uma abertura e respeito pelo próximo e pela evidência (CLEGG,
M., 2012, [s.p.]).

Disponível em: <http://www.fai.ufscar.br:8080/noticias/cientista-ameri


cano-destaca-os-desafios-da-ciencia-para-o-seculo-xxi>. Acesso em:
14 jun. 2016.

Ciência, tecnologia e engenharia 119


U3

Lógica

O que é lógica? Você usa o raciocínio lógico? A palavra lógica é de origem


grega e significa razão. “A Lógica é a ciência das leis ideais do pensamento, e a
arte de aplicá-las corretamente à procura e à demonstração da verdade” (JOLIVET,
2016, p. 1). Na lógica, são feitas inferências para saber se a ordem das coisas está
em sequência ou não. O que é inferência? Inferência (do latim, significa conduzir)
é manipular a informação disponível, o que sabemos ou supomos ser verdadeiro,
e tirar dela as consequências, obtendo uma informação nova (MORTARI, [s.d.]).

O filosofo grego Aristóteles (384-322 a.C.) é um dos precursores da lógica. Ele


contribuiu para várias áreas do pensamento, como ética, política, física, metafísica,
psicologia, poesia, retórica, zoologia, biologia e história natural. Foi também o
criador do silogismo, uma forma particular de argumentação conhecida como
lógica aristotélica. O silogismo é formado sempre por duas premissas e uma
conclusão. Além disso, apenas proposições denominadas categóricas poderiam
fazer parte de um silogismo. Observe este raciocínio: “Os átomos são invisíveis a
olho nu. Você é feito de átomos. Logo, você é invisível a olho nu". Isso faz sentido?
Existem “pegadinhas” argumentativas e Aristóteles demonstrou como identificá-las.
As características das partes de um todo nem sempre se aplicam ao todo, portanto
o fato de os átomos serem invisíveis não garante que um grande conjunto de
átomos também o será (NOGUEIRA, [s.d.]). Um exemplo de silogismo é a frase
“Todo animal é mortal. Mosquitos são animais. Logo, mosquitos são mortais".

Utilizar a lógica é fundamental e indispensável para o progresso de várias áreas


do conhecimento. A lógica é a ferramenta mais usada para a evolução científica.
Uma de suas aplicações é na linguagem e simbolização utilizadas na programação
de computadores. Como exemplo de aplicação nas indústrias, utiliza-se o
comando lógico programável (PLC) e o comando numérico computadorizado
(CNC), que são programas de controle de processo e produção baseados na
lógica (VENÂNCIO, 2009).

Os testes psicotécnicos que são aplicados para adquirir a carteira de motorista


e nas entrevistas de emprego são baseados no raciocínio lógico, portanto, realizar
exercícios que desenvolvam o raciocínio lógico é muito interessante.

120 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

Figura 3.1 | Exemplos de exercícios de raciocínio lógico

Fonte: <http://manual-do-psicotecnico.blogspot.com.br/p/bpr-5-ra-raciocinio-abstrato.html>. Acesso em: 15 jun. 2016.

Ficou curioso sobre a resposta dos testes dos exemplos? Ambos têm como
resposta a alternativa A! Utilizar a lógica é fundamental é indispensável para a
evolução de várias áreas do conhecimento. Como engenheiro, você usará a lógica
em todo o seu percurso profissional e esta o ajudará a interpretar os problemas,
suas causas e propor soluções.

Exemplificando
Maria tem três carros: um Gol, um Corsa e um Fiesta. Um dos carros é
branco, o outro é preto, e o terceiro é azul. Sabe-se que:

1. ou o Gol é branco, ou o Fiesta é branco.

2. ou o Gol é preto, ou o Corsa é azul.

3. ou o Fiesta é azul, ou o Corsa é azul.

4. ou o Corsa é preto, ou o Fiesta é preto. Portanto, as cores do Gol, do


Corsa e do Fiesta são, respectivamente:

a) Branco, preto, azul.

b) Azul, branco, preto.

c) Preto, branco, azul.

Ciência, tecnologia e engenharia 121


U3

d) Branco, azul, preto.

Resposta: d) Branco, azul, preto.

Método científico

O método científico é uma forma de conduzir e desenvolver experimentos


com o objetivo de obter conhecimento, assim como de corrigir e integrar
conhecimentos preexistentes. Ele é baseado nas evidências observadas, empíricas
e mensuráveis, por meio do raciocínio lógico. O conhecimento é classificado em
empírico (vulgar ou de senso comum ou popular), teológico, filosófico e científico.
Nesta seção, estaremos trabalhando com o conhecimento científico; os demais
tipos de conhecimento serão estudados na disciplina de Metodologia Científica.
O conhecimento científico tem as seguintes características: É real – refere-se
a ocorrências ou fatos; É contingente – trabalha com ensaios e experiências;
É sistemático – conhecimento logicamente ordenado; É verificável – pode ser
testado; É falível – está em permanente evolução; É aproximadamente exato –
provisoriamente aceito.

Como começar uma pesquisa? A princípio, é necessário caracterizar o problema


a ser resolvido ou a questão a ser estudada (definição e delimitação). As etapas
aplicadas ao método científico são:

Estudar o fenômeno: formular questões identificando possíveis variáveis


I. 
a serem medidas; realizar estudos, ler a literatura pertinente ao tema a ser
solucionado.

Elaborar hipóteses: hipótese é um conjunto de argumentos e explicações


II. 
que podem justificar os dados e informações, que não foram confirmados
por observação ou experimentação. Pode ser uma afirmação positiva,
negativa ou condicional (ainda não testada) sobre determinado problema
ou fenômeno.

Realizar experimentos: com o objetivo de comprovar as hipóteses.


III. 

Analisar e elaborar explicações: rever conclusões, ideias ou opiniões que


IV. 
estejam em desacordo com as observações.

Criar novas hipóteses: caso a hipótese não tenha sido comprovada a partir
V. 
dos resultados, elaborar nova hipótese e realizar novos experimentos.

Teorizar: caso a hipótese tenha se confirmado, elaborar uma teoria.


VI. 

Generalizar: estender as conclusões obtidas a todos os casos que


VII. 
envolvam condições similares.

122 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

Como podemos aplicar o método científico na Engenharia? Suponha que você


trabalhe em uma empresa de cosméticos e em uma das máquinas que envasa
creme hidratante alguns dos potes estão transbordando. Como resolver esse
problema usando a metodologia científica?

Assimile
Definição de ciência: "[...] É uma forma de conhecimento sistemático,
dos fenômenos da natureza, dos fenômenos sociais, dos fenômenos
biológicos, matemáticos, físicos e químicos, para se chegar a um
conjunto de conclusões verdadeiras, lógicas, exatas, demonstráveis
por meio da pesquisa e dos testes. [...]" (OLIVEIRA, 2002, p. 47)

A Figura 3.2 apresenta um fluxograma das etapas do método científico.

Figura 3.2 | Fluxograma do método científico

Fonte: <http://creationwiki.org/pt/Ficheiro:Metodocientifico.jpg>. Acesso em: 14 jun. 2016.

Ciência, tecnologia e engenharia 123


U3

Problema: potes transbordando.

Hipótese 1: máquina de envase está programada errada, com volume acima da


capacidade da embalagem.

Experimento 1: buscar a causa do excesso de produtos dispensados. Para isso,


são feitos testes:

a) Checar a quantidade dispensada no momento do envase.

b) Verificar a programação da envasadora.

Resultado 1: excesso de 20% de massa de hidratante estão sendo dispensados


em alguns frascos. A programação da regulagem da envasadora está dentro dos
parâmetros preestabelecidos.

Conclusão 1: a causa do excesso de hidratante nas embalagens não é resultado


da programação da máquina, portanto uma nova hipótese deve ser formulada.

Hipótese 2: máquina de envase está com vazamento no bico injetor.

Experimento 2: checar visualmente cada um dos bicos injetores, buscando


possíveis vazamentos nas suas conexões.

Resultado 2: a cada 10 bicos injetores, dois apresentam vazamentos nas


conexões, dispensando mais produto do que o programado.

Conclusão 2: os bicos injetores estão com problemas de vazamento nas


conexões e são a causa do transbordamento do hidratante nos potes. Há
necessidade de manutenção do equipamento.

Sem medo de errar

Vamos iniciar o projeto de aproveitamento de garrafas PET com o melhor uso


dos recursos, de forma sustentável, utilizando a metodologia científica, criatividade,
tecnologia e inovação. Nesta seção, você iniciará a montagem do fluxograma de
condução da pesquisa de acordo com o material didático disponível. Execute a Etapa 1:

• Estudar o fenômeno: realizar estudos, ler a literatura pertinente à


quantidade de garrafas PET produzidas e despejadas no meio ambiente da sua
cidade e formular questões, identificando possíveis variáveis a serem medidas de
acordo com o material didático disponibilizado na resolução da situação-problema.
Faça um resumo com as informações obtidas.

• Elaborar hipóteses: organizar uma afirmação sobre a possibilidade ou não


de reutilização das garrafas PET (positiva, negativa ou condicional, ainda não testada).

124 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

Para realizar os estudos sobre o tema, apresentamos sugestões de leitura:

• Produção, utilização, descarte e reciclagem do PET no Brasil. Disponível


em: <https://www.ecodebate.com.br/2014/02/11/producao-utilizacao-descarte-
e-reciclagem-do-pet-no-brasil-artigo-de-antonio-silvio-hendges/>. Acesso em: 18
jun. 2016.

• Censo da reciclagem de PET no Brasil. Disponível em: <http://www.abipet.


org.br/index.html?method=mostrarDownloads&categoria.id=3>. Acesso em: 18
jun. 2016.

• Brasil descarta 53% de garrafas PET na natureza. Disponível em: <http://


www.revistameioambiente.com.br/2007/11/15/brasil-descarta-53-de-garrafas-pet-
na-natureza/>. Acesso em: 18 jun. 2016.

• Alternativas para o descarte de embalagens do tipo pet: reutilização e


reciclagem. Disponível em: <https://scholar.googleusercontent.com/scholar?q=
cache:z92xx1ktj90J:scholar.google.com/+dados+de+descarte+de+garrafas+PET
+%2B+brasil+%2B+2015&hl=pt-BR&as_sdt=0,5>. Acesso em: 18 jun. 2016.

Faça um resumo com as informações principais e elabore a hipótese. Veja o


exemplo descrito no item Método Científico neste livro didático.

Atenção
Lembre-se de que você deve usar a lógica e informações fidedignas
no seu texto, não sendo possível realizar plágio, isto é, cópia exata das
informações obtidas nos artigos, e sim uma síntese delas, devidamente
referenciadas de acordo com a ABNT.

Avançando na prática

A lógica do bolo de cenoura da Dona Cida

Descrição da situação-problema

A lógica, o planejamento e o conhecimento científico são aplicados até mesmo


em situações simples do dia a dia. Dona Cida quer fazer um bolo de cenoura, porém
nunca fez um antes. Ela tem a lista de ingredientes e as quantidades, mas não o
modo de preparo. Como podemos ajudar a Dona Cida? Qual a sequência lógica
do preparo do bolo de cenoura? Eis a lista de ingredientes e suas quantidades:

Ciência, tecnologia e engenharia 125


U3

• 3 unidades de cenoura picadas; 3 unidades de ovo; 1 xícara (chá) de óleo


de soja.

• 3 xícaras (chá) de farinha de trigo; 2 xícaras (chá) de açúcar; 1 colher (sopa)


de fermento químico em pó.

Lembre-se

“A Lógica é a ciência das leis ideais do pensamento, e a arte de aplicá-


las corretamente à procura e à demonstração da verdade” (JOLIVET,
2016, p. 1).

Resolução da situação-problema

• Não é possível fazer o bolo sem os ingredientes, portanto, é necessário


comprar os ingredientes.

• As cenouras precisam ser limpas e cortadas antes de medir a quantidade


necessária.

• As quantidades devem ser exatas, então cada ingrediente deve ser separado
na medida indicada na receita.

• Juntar os ingredientes e misturar utilizando uma batedeira ou liquidificador.

• O bolo precisar ser colocado em um recipiente. Não é possível comer


bolo cru, portanto, deve ir ao forno em um recipiente resistente ao calor; logo,
uma forma de alumínio ou inox pode ser usada.

• Para assar, é necessário um forno elétrico, a gás ou a lenha.

• O tempo necessário será determinado visualmente, quando estiver com


aparência de assado ou dourado.

Você tem outra proposta de preparo? Existem, muitas vezes, mais de uma
forma lógica de resolver um problema.

Faça você mesmo


Se Frederico é francês, então Alberto não é alemão. Ou Alberto é
alemão, ou Egídio é espanhol. Se Pedro não é português, então
Frederico é francês. Ora, nem Egídio é espanhol nem Isaura é italiana.

126 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

Logo:

a) Pedro é português e Frederico é francês.

b) Pedro é português e Alberto é alemão.

c) Pedro não é português e Alberto é alemão.

d) Egídio é espanhol ou Frederico é francês.

e) Frederico é francês se Alberto for alemão.

Faça valer a pena

1. Assinale a alternativa correta em relação às afirmações:


I – O conhecimento científico tem como objetivo compreender a
natureza e o universo.
II – A ciência usa testes lógicos e concretos para explicar os fenômenos.
III – A ciência usa opiniões pessoais, especulações, para explicar os
fenômenos.
a) Apenas I está correta.
b) Apenas II está correta.
c) Apenas III está correta.
d) I e II estão corretas.
e) I e III estão corretas.

2. “A Lógica é a das leis ideais do pensamento, e a arte


de aplicá-las corretamente à procura e à demonstração da verdade”
(JOLIVET, 2016, p. 1)
a) Teoria
b) Proposta
c) Gestão
d) Inferência
e) Ciência

Ciência, tecnologia e engenharia 127


U3

3. Assinale a afirmativa correta em relação às frases lógicas:


I – Os átomos são invisíveis a olho nu. Você é feito de átomos. Logo,
você é invisível a olho nu.
II – Todos os homens são mortais. Sócrates é homem. Logo, Sócrates
é mortal.
III – Todas as baleias são mamíferos. Alguns mamíferos são animais
terrestres. Logo, todas as baleias são animais terrestres.
a) Apenas I está correta.
b) Apenas II está correta.
c) Apenas III está correta.
d) I e II estão corretas.
e) I e III estão corretas.

128 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

Seção 3.2

Criatividade. A arte da engenharia

Diálogo aberto

Olá! Vamos exercer nossa criatividade?

Um comportamento observado entre os estudantes de engenharia é o interesse


por assuntos técnicos, objetivos, específicos e sobre teorias prontas. Falar e estudar
sobre criatividade e arte parece coisa da área de humanas, sem relação com a
profissão de engenheiro; muitos ficam perdidos quando é proposto um trabalho
de tema livre, no qual podem ousar e criar algo. Nesta seção, vamos ver que a
criatividade faz parte das características de um bom engenheiro, pois, afinal, esse
resolve problemas e é preciso muita criatividade para isso!

Para conhecer mais sobre a criatividade e sua aplicação na engenharia, vamos


continuar o trabalho da seção anterior. Você montou um fluxograma de pesquisa
e elaborou uma hipótese sobre o projeto de aproveitamento de garrafas PET.
Prosseguindo com esse projeto, nesta seção você deve, a partir dos dados obtidos
anteriormente, dar continuidade ao fluxograma de pesquisa.

Bom trabalho!

Não pode faltar

Criatividade

Criatividade é “um processo mental de geração de novas ideias por indivíduos


ou grupos” (LARANJEIRAS, 2014). É um fenômeno complexo que depende de
atributos pessoais, do ambiente onde se vive, da formação acadêmica, além de
outros fatores sócio-histórico-culturais (ALENCAR; SOUSA-FLEITH, 2008).

Há um pensamento comum de que as pessoas criativas têm um momento


de iluminação no qual uma grande ideia inventiva ocorre como que por mágica,
o que não é real. De acordo com Thomas Alva Edison “Gênio é 1% inspiração e

Ciência, tecnologia e engenharia 129


U3

99% transpiração” (UFSC, [s.d.]). Foi apenas após setecentos experimentos que ele
finalmente conseguiu inventar a lâmpada de iluminação elétrica. Na Figura 3.3, está
Thomas Edison e sua lâmpada elétrica de filamento incandescente:

Figura 3.3 | Thomas Edison e sua lâmpada elétrica

Fonte: <http://seuhistory.com/hoje-na-historia/nasce-o-inventor-thomas-alva-edison>. Acesso em: 20 jun. 2016.

A criatividade é algo inerente aos seres humanos, porém, muitas vezes, é inibida
por fatores diversos relacionados à pessoa e ao ambiente. Esses fatores podem ser
culturais, como também emocionais, intelectuais ou barreiras históricas, biológicas
sociológicas e psicológicas (ALENCAR; SOUSA-FLEITH, 2008).

É possível desenvolver a criatividade dos engenheiros? Sim!

A criatividade não é um privilégio dos artistas plásticos. Todos nós somos


criativos, desde a pessoa com menor nível de instrução até doutores. A ciência
está cheia de exemplos de pessoas criativas que a partir de uma ideia inicial, usando
conhecimentos técnicos, chegaram a grandes invenções. Por exemplo, Einstein:
quando tinha nove anos de idade, ele imaginou como seria viajar ao lado de um
raio de luz (SOUZA, 2012).

Para o desenvolvimento da criatividade, devemos estimular os fatores que a


influenciam, como: conhecimento, esforço, exercício, aptidão e método empregado.

130 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

• Conhecimento: é uma ferramenta fundamental que será usada no


processo criativo. Quanto mais informações sobre os aspectos relacionados ao
trabalho que se deseja desenvolver, melhor. Em todo projeto existem os fatores
técnicos, econômicos, ambientais, de processo, de gestão, dentre outros, que
serão úteis para poder exercer a criatividade (BAZZO; PEREIRA, 2008). O sucesso
ou o fracasso empresarial depende do que se faz com essas informações. A
criatividade é importante para entender melhor as informações e vislumbrar a sua
utilização de forma diferente do concorrente, a fim de conseguir maiores lucros
(SOUZA, 2012).

• Esforço: esforço, dedicação, perseverança e não ter medo de errar são


características fundamentais para o processo criativo. Muitos testes, projetos e
experiências são necessários até atingir o objetivo desejado. Não existe criação
sem empenho (BAZZO; PEREIRA, 2008). “A criatividade precisa ser exercitada com
persistência, existindo para isso técnicas e estratégias de pensamento que auxiliam
no desenvolvimento do potencial criativo” (OLIVEIRA, 2010, [s.p.]).

• Aptidão: algumas pessoas têm mais aptidão direcionada a determinado


tipo de atividade do que outras. Isso se deve à formação, à educação e aos fatores
sociais. Todas as pessoas podem ser criativas, mas não usam seu potencial por
falta de oportunidade de desenvolvê-lo. Para desenvolver esse potencial criativo,
precisamos deixar crenças, ideias antigas, para dar lugar ao novo (OLIVEIRA, 2010).

• Método: utilizar uma forma sistematizada de atingir o objetivo, um método,


para resolver um problema, é uma forma de auxiliar o desenvolvimento da criatividade.
A Figura 3.4 apresenta a dinâmica da criatividade para a solução de problemas.

Figura 3.4 | Dinâmica da criatividade na solução de problemas

Fonte: Souza (2012, p. 64).

Ciência, tecnologia e engenharia 131


U3

Assimile
A criatividade é algo inerente aos seres humanos, porém, muitas vezes,
é inibida por fatores diversos relacionados à pessoa e ao ambiente.
Os fatores podem ser “culturais, emocionais, intelectuais ou barreiras
históricas, biológicas sociológicas e psicológicas” (ALENCAR; SOUSA-
-FLEITH, 2008, p. 1).

Os engenheiros precisam exercer sua criatividade, pois a engenharia é uma


profissão que envolve vários aspectos da ciência e da tecnologia. Para resolver
problemas, desenvolver projetos, criar novos equipamentos e processos, a
criatividade é fundamental.

Desenvolvendo a criatividade

Ainda está achando que você não é criativo? Não se preocupe: existem algumas
técnicas que podem auxiliar no estímulo à criatividade, como o brainstorming, a
quebra da adaptação psicológica, a analogia, a empatia, dentre outras.

Pesquise mais
Pesquise mais sobre os vários fatores que influenciam na criatividade e
as técnicas de desenvolvimento da criatividade no artigo:

SOUZA, B. C. C. Criatividade: a engenharia cognitiva da inovação.


Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/231157902>.
Acesso em: 8 jun. 2016.

• Brainstorming: essa expressão significa "tempestade cerebral" ou


"tempestade de ideias". A técnica de brainstorming tem como objetivo a reunião
de um grupo de pessoas para utilizarem seus pensamentos e ideias de forma a
chegar a um denominador comum. Não há julgamento ou crítica como princípio
básico, o que propicia a produção de ideias, o uso da imaginação e a quebra de
barreiras mentais: quanto mais ideias surgirem, melhor.

• Quebra da adaptação psicológica: nessa técnica, é simulado um ambiente


completamente novo, um exercício que faça com que as pessoas possam usar a
criatividade para solucionar problemas muito diferentes do usual. Por exemplo,
propor um ambiente sem gravidade para resolver um problema.

132 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

• Analogia: é utilizar soluções para um problema ou situação por meio da


analogia com uma situação similar à que ocorre na natureza. Por exemplo, Marc
Isambard Brunel inventou uma proteção para túneis, observando os vermes que
consomem a madeira.

• Empatia: é uma identificação com um sentimento ou a situação de alguém.


Isso pode ser extrapolado na solução de problemas, por exemplo, imaginar que você
é a água passando por uma tubulação para encontrar a melhor disposição dessa.

Exemplificando
Um exemplo de adaptação psicológica é o citado por Bazzo e Pereira
(2008): para solucionar o problema de transporte de um produto, é
sugerido um novo ambiente, novo planeta. Nele, não há gravidade:
os seres que o habitam têm um olho só, três braços, uma perna e não
ouvem sons abaixo de 20 mil Hertz. Nesse novo contexto, deve-se
criar alternativas para resolver o problema.

Reflita

Criatividade é privilégio de seres humanos. Não há máquina no


mundo que possa pensar criativamente. Mesmo o fantástico
computador Deep Blue, que derrotou Kasparov, campeão
mundial de xadrez, não possui pensamento criativo – apenas
uma capacidade imensa de combinar matematicamente
opções pré-definidas para alcançar um objetivo previamente
determinado. Esse computador é incapaz de, no decorrer da
partida, tomar uma iniciativa que fuja da sua programação.
E, mesmo que fosse isso só seria possível porque, pelo ser
humano, foi programado para tanto. A própria IBM acredita
nessa ideia: seu slogan, em meados da década de 1970, era
machines should work, people should think (máquinas devem
trabalhar, pessoas devem pensar).” (SOUZA, 2012, p. 12)

A arte da engenharia

O que é arte? Ars significa técnica ou habilidade. Existem várias definições de


arte, dentre as quais temos: a arte é a “produção consciente de obras, formas
ou objetos voltada para a concretização de um ideal de beleza e harmonia ou
para a expressão da subjetividade humana” (ALENCAR, 2007, [s.p.]) Outra definição

Ciência, tecnologia e engenharia 133


U3

também aceita é “Uma obra é arte se, e só se, exprime sentimentos e emoções do
artista” (ALMEIDA, 2000, [s.p.]).

Algumas obras que são exemplos de arte da engenharia:

• Torre Eiffel: após dois anos de construção, em 31 de março de 1889 foi


inaugurada a Torre Eiffel na cidade de Paris, França, para celebrar os cem anos da
Revolução Francesa. Ela foi projetada pelo engenheiro Alexandre Gustave Eiffel
e na época cerca de 300 artistas protestaram sobre a construção da torre, por a
considerarem uma obra que destoava da arquitetura da cidade de Paris. A torre
possui 324 metros de altura, sendo composta por uma estrutura treliçada de ferro,
e é o monumento mais visitado do mundo (UESC, 2010). A Figura 3.5 mostra as
etapas de construção da torre.

Figura 3.5 | Projeto e etapas de construção da Torre Eiffel

Fonte: adaptada de <http://creationwiki.org/pt/Ficheiro:Metodocientifico.jpg>. Acesso em: 28 jun. 2016.

• Palm Islands: é uma obra de arte da engenharia construída no século XXI.


O arquipélago é formado pelas três maiores ilhas artificiais do mundo, em forma
de palmeiras: a Palm Jumeirah, a Palm Jebel Ali e a Palm Deira, em Dubai, nos
Emirados Árabes Unidos. O projeto é um dos maiores que já se viu. A primeira ilha,
Palm Jumeirah, utilizou 94 milhões de metros cúbicos de areia e o quebra-mar
utilizou mais de sete milhões de toneladas de rocha (COBEC, [s.d.]). Na Figura 3.6,
vemos uma imagem da ilha Palm Jumeirah.

134 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

• Palm Islands: é uma obra de arte da engenharia construída no século XXI.


O arquipélago é formado pelas três maiores ilhas artificiais do mundo, em forma
de palmeiras: a Palm Jumeirah, a Palm Jebel Ali e a Palm Deira, em Dubai, nos
Emirados Árabes Unidos. O projeto é um dos maiores que já se viu. A primeira ilha,
Palm Jumeirah, utilizou 94 milhões de metros cúbicos de areia e o quebra-mar
utilizou mais de sete milhões de toneladas de rocha (COBEC, [s.d.]). Na Figura 3.6,
vemos uma imagem da ilha Palm Jumeirah.

Figura 3.6 | Ilha Palm Jumeirah

Fonte: <http://www.palmdubaisales.com/>. Acesso em: 28 jun. 2016.

• Grande Colisor de Hádrons (LHC): é a maior e mais sofisticada máquina


construída pelo homem. Nela, partículas são aceleradas em um túnel (localizado
na fronteira da França com a Suíça) que fica enterrado a 100 metros de
profundidade e tem a forma de um anel com 27 km de circunferência. Prótons
são acelerados à velocidade da luz (1.080.000.000 km/h) e colidem, liberando
partículas menores, como as partículas subatômicas: antimatéria, hádrons, bóson
de Higgs, dentre outras muitas desconhecidas pela ciência antes da construção
do LHC (LAS CASAS, 2010).

Ciência, tecnologia e engenharia 135


U3

Figura 3.7 | Ilha Palm Jumeirah

ATLAS E CMS
ATLAS E CMS
Detectores de partículas onde
Detectores de partículas
foram achados
onde foram indícios
achados da
indícios
"partícula dedeDeus"
da "partícula Deus

A MATÉRIA

É formada por átomos cujo núcleo é composto


por prótons. São feixes de prótons que são usados
pelo acelerador para criar novas partículas.

Fonte: <http://planetaemtemporeal.blogspot.com.br/2012/07/o-que-e-o-boson-de-higgs-segundo.html>. Acesso


em: 29 jun. 2016.

O engenheiro também é um artista, pois cria projetos, soluções para problemas


visando à beleza e harmonia, colocando em suas obras os conceitos e valores
que carrega.

Sem medo de errar

Dando continuidade ao projeto de aproveitamento de garrafas PET, nesta


seção você deve, a partir dos dados obtidos anteriormente, dar continuidade ao
fluxograma de pesquisa.

Nessa segunda etapa, a partir do conceito de criatividade e suas aplicações,


use a técnica de brainstorming para levantar possibilidades de uso das garrafas
PET. Escolha as ideias mais promissoras de acordo com as informações obtidas na
primeira etapa.

136 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

Resolução da situação-problema

Vamos organizar o brainstorming:

• Reúna-se em um grupo de cinco integrantes; elejam um coordenador.

• O tema específico é o aproveitamento de garrafas PET.

• Durante 30-45 minutos, você devem propor ideias, falando as que vierem
de imediato, sem pensar muito, sem análise crítica, julgamento ou justificativa.

• O coordenador deve anotar essas ideias (20 a 30, em média). Não deve
haver julgamento ou justificativa, não devem ser feitas críticas e o fruto final do
trabalho será de autoria de todos.

• As ideias anotadas devem ser lidas pelo coordenador.

• Em seguida, devem ser classificadas em categorias.

• Organizem uma votação; cada participante terá direito a três votos.

• As ideias mais interessantes e viáveis, mais votadas, devem ser anotadas e


serão utilizadas na próxima seção.

Atenção
Não deve haver julgamento ou justificativa das ideias, não devem ser
feitas críticas e o fruto final do trabalho será de autoria de todos.

Avançando na prática

O regador do Felipe

Descrição da situação-problema

Felipe é um adorável garotinho de 5 anos que foi fazer um passeio no zoológico


com a mãe. Ao ver o elefante, ele ficou encantado! Adorou quando o elefante
pegava a água com a tromba e esguichava. Quando voltaram para casa, Felipe
queria molhar as plantas do jardim como o elefante fazia. A mãe explicou ao
menino que havia a mangueira de aguar as plantas e o regador para fazer isso. Ele
respondeu que a mangueira era muito fina e o regador não se parecia com um
elefante, que tinha de ser maior, mais largo e com cara de elefante. Felipe falou:

- Eu quero fazer como o elefante faz!

Ciência, tecnologia e engenharia 137


U3

Como toda criança nessa idade, ele repetiu essa frase cinco vezes, e a mãe
percebeu que não tinha outra saída a não ser criar um regador parecido com a
tromba do elefante, mas como?

Lembre-se

Analogia: é utilizar soluções para um problema ou situação por meio


da analogia com uma situação similar à que ocorre na natureza.

Resolução da situação-problema

Primeiramente, a mãe do Felipe recordou-se da forma como o elefante jogava


a água. Depois olhou ao redor e anotou o que tinha em mãos para poder fazer algo
parecido. Ela encontrou um frasco de amaciante e pedaços de EVA que sobraram
das atividades usadas na escola de Felipe. Pensando no elefante, fez o seguinte:

– Cortou a garrafa de amaciante ao meio.

– Fez recortes de EVA, simulando patas, dentes, olhos e um rabinho.

– Colou um círculo de EVA para fechar a parte de baixo.

– Cortou e encaixou as orelhas de EVA, cortando o frasco com estilete nas


laterais da cabeça.

– Encaixou os dentes em corte de estilete nas laterais da tromba.

– Encaixou o rabinho em um corte de estilete na parte de trás.

– Colou os olhos e envolveu as extremidades das patas com EVA para fazer os pés.

Estava pronto o regador com cara de elefante! Felipe adorou e foi só pôr a água
para ele se divertir!

Faça você mesmo


Crie uma pá para coleta de lixo utilizando garrafas de amaciante vazias.

138 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

Faça valer a pena

1. Assinale a alternativa correta em relação às afirmações sobre


criatividade:
I – A criatividade só ocorre em indivíduos privilegiados.
II – A criatividade depende de atributos pessoais.
III – A criatividade depende do ambiente onde se vive.
IV – A criatividade depende do tipo de trabalho executado.
V – A criatividade depende de fatores sócio-histórico-culturais.
a) I, II e IV.
b) I, III e IV.
c) II, III e IV.
d) II, III e V.
e) I, IV e V.

2. Para o desenvolvimento da criatividade, devemos estimular fatores


que a influenciam, como: o conhecimento, o esforço, o exercício, a
aptidão e o método empregado. Em relação ao conhecimento para
o desenvolvimento da criatividade, considere as afirmações a seguir e
assinale a alternativa correta:
I – Conhecer os fatores técnicos e econômicos.
II – Conhecer os fatores ambientais e de processo.
III – Conhecer os aspectos pessoais e religiosos.
a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) III, apenas.
d) I e III.
e) I e II.

Ciência, tecnologia e engenharia 139


U3

3. Para o desenvolvimento da criatividade, o esforço é um fator


importante a ser considerado.
Assinale a alternativa correta que está relacionada às afirmações sobre
o esforço.
I – Dedicação.
II – Perseverança.
III – Insegurança.
a) I e II.
b) II e III.
c) III, apenas.
d) II, apenas.
e) I, apenas.

140 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

Seção 3.3

Tecnologia aplicada à engenharia

Diálogo aberto

Olá! Estamos iniciando mais uma seção!

Sempre falamos sobre a tecnologia, mas o que ela é realmente?

Frequentemente, ouvimos falar sobre novos sistemas operacionais para


telefone celular, um novo produto de beleza que promete o rejuvenescimento da
pele ou um novo medicamento, e esses são exemplos de aplicação tecnológica.
O desenvolvimento científico aliado ao tecnológico tem tornado o século XXI a
Era da Tecnologia, levando a sociedade a mudanças de hábitos de consumo e
mudanças culturais.

Nesta seção, vamos abordar a tecnologia aplicada à engenharia em suas


diversas áreas, e, para exercitar a sua capacidade de aplicação tecnológica, caberá
a você dar continuidade ao projeto de aproveitamento de garrafas PET. Vamos
elaborar a Etapa 3. Nela, será realizado o experimento a partir das ideias levantadas
no brainstorming da Etapa 2. Você deve buscar informações sobre as tecnologias
utilizadas para a reciclagem da garrafa PET e escolher uma opção de tecnologia.
Além disso, deverá realizar a análise e elaboração de explicações, verificando a
hipótese a partir dessa escolha. Para finalizar a etapa, elabore uma conclusão com
os dados obtidos. Reveja ideias ou opiniões que estejam em desacordo com as
observações e a hipótese.

Bom trabalho!

Ciência, tecnologia e engenharia 141


U3

Não pode faltar

Tecnologia

O que é tecnologia? Onde é aplicada?

A palavra tecnologia é de origem grega: techné significa saber fazer, e logos


significa razão, portanto a tecnologia pode ser definida como “um conjunto
de conhecimentos, especialmente princípios científicos, que se aplicam a um
determinado ramo de atividade” (SILVA, 2002, p. 1). O termo tecnologia começou
a ser empregado ao final do século XVII nas indústrias têxtil e mecânica, porém
passou a ser aplicado em todas as áreas do conhecimento.

A tecnologia é sempre associada a conhecimentos sofisticados e à ciência, mas,


desde o desenvolvimento das primeiras ferramentas e utensílios pelos homens
primitivos, ela já estava sendo aplicada. A técnica surgiu antes do conhecimento
científico, que viria a explicar o funcionamento daquela.

Nos dias atuais, a tecnologia é um conhecimento prático que tem origem no


conhecimento teórico-científico, em que as teorias mais amplas substituem as
anteriores (VERASZTO et al., 2008).

Figura 3.8 | Evolução do homem e da tecnologia

Fonte: <http://luciana-rossi.blogspot.com.br/2012/03/evolucao-da-humanidade-rumo-tecnologia.html>. Acesso


em: 5 jul. 2016.

142 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

A tecnologia usa também métodos sistemáticos de pesquisa parecidos com


os da ciência, mas combina teoria com produção e eficácia (ACEVEDO, 1998).
Assim como a tecnologia usa as ferramentas da ciência, a ciência tira proveito das
concepções e criações tecnológicas. Muitas vezes, a tecnologia e a ciência são
confundidas. Observe, no Quadro 3.1, as diferenças entre ambas.

Pesquise mais
Pesquise mais sobre os conceitos da tecnologia e suas várias
abordagens pela leitura do artigo:

SILVA, José Carlos Teixeira. Tecnologia: conceitos e dimensões.


In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 22.,
Curitiba, 2002. Anais... Curitiba: ENEGEP, 2002. 8 p. Disponível em:
<www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2002_tr80_0357.pdf>. Acesso
em: 6 jul. 2016.

Conforme mudam os padrões sociais e culturais, a tecnologia também muda,


sendo muito dinâmica. O que num momento é considerado tecnologia de ponta,
no momento seguinte é obsoleto, exigindo novos procedimentos, conceitos e
atitudes para inovar. Ao final, a tecnologia é um produto de todas as formas de
conhecimento humano produzido ao longo da história (VERASZTO et al., 2004).

Quadro 3.1 | Comparação entre ciência e tecnologia

CIÊNCIA TECNOLOGIA
Entende o fenômeno natural Determina a necessidade
Descreve o problema Descreve a necessidade
Sugere hipóteses Formula ideias
Seleciona hipóteses Seleciona ideias
Experimenta Faz o produto
Encaixa hipóteses/dados Prova o produto
Explica o natural Fabrica o artificial
Analítica Sintética
Simplifica o fenômeno Aceita a complexidade da necessidade
Conhecimento generalizável Objeto particular

Fonte: Veraszto et al. (2004, p. 23).

Ciência, tecnologia e engenharia 143


U3

Autores de livros, filmes e desenhos de ficção científica antigos previram alguns


avanços das tecnologias utilizadas na atualidade. Como exemplo, temos o livro Vinte
mil léguas submarinas, de Júlio Verne, publicado em 1870, que previu o submarino
e os tanques de mergulho. Outro exemplo é o desenho animado Os Jetsons, que
foi produzido por Hanna-Barbera e exibido entre 1962 e 1963, apresentando alguns
avanços tecnológicos como robôs, viagens à lua, tablets, videochats e clonagem.
A Figura 3.9 apresenta uma ilustração do submarino Náutilus, do livro de Júlio
Verne. Observe como a ilustração e os trajes de mergulho assemelham-se aos
submarinos e às roupas de mergulho atuais.

Figura 3.9 | Ilustração do submarino Náutilus

Fonte: <http://www.nerdiando.com.br/wp-content/uploads/2016/02/vinte-mil-leguas-submarinas.png>. Acesso


em: 6 jul. 2016.

Assimile
Muitas das invenções que hoje são corriqueiras começaram como
obras de ficção científica, nascendo não nos laboratórios, mas na
cabeça dos escritores!

144 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

A Figura 3.10 mostra uma ilustração do desenho animado Os Jetsons, em que


é possível observar o robô que faz os serviços domésticos da residência da família.

Figura 3.10 | Os Jetsons

Fonte: <http://www.autobahn.com.br/desenhos/jetsons.html>. Acesso em: 6 jul. 2016.

Reflita
A tecnologia é boa ou ruim?

As atitudes tecnocatastrofista e tecno-otimistas podem ser


interpretadas de forma dual. Para o tecnocatastrofista, a ameaça
que uma tecnologia autônoma apresenta supõe um final
trágico-apocalíptico para os seres humanos, que no final, serão
completamente subjugados e dominados. A única alternativa
para uma tecnologia fora de controle é destruí-la para que a
sociedade volte a ser mais humanizada. Para os tecno-otimistas,
os “poderes causais” da tecnologia têm um significado muito
diferente, pois podem trazer todas as melhorias possíveis que o
meio e o homem necessitam para seu bem-estar e sobrevivência.”
(VERASZTO; MIRANDA; SIMON, 2008, p. 13)

Ciência, tecnologia e engenharia 145


U3

Tecnologia aplicada à engenharia

A tecnologia aliada à ciência é aplicada em todas as áreas da engenharia e


está em constante evolução. Vamos conhecer o desenvolvimento de algumas
tecnologias em diferentes áreas da engenharia:

• Engenharia civil: como apresentado na Unidade 1, Imhotep é considerado


o primeiro engenheiro, pois construía pirâmides para o Rei Djoser, no Egito,
em 2.500 a.C.. Qual era a tecnologia utilizada para transportar as pedras de 2,5
toneladas pelo deserto? Essa pergunta demorou muitos anos para ser respondida
e alguns acreditavam na hipótese de que alienígenas construíram as pirâmides!
Mas pesquisadores holandeses conseguiram descobrir a resposta: as pedras eram
transportadas por uma espécie de trenó puxado por dezenas de escravos sobre
a areia molhada, o que diminuía muito o atrito (OLIVEIRA, 2014). Veja, na Figura
3.11, a ilustração de uma estátua sendo transportada, com um escravo molhando a
areia e dezenas de outros puxando o trenó. Com o passar do tempo, a tecnologia
dos sistemas de construção evoluiu muito: existem estruturas pré-fabricadas
que propiciam a construção rápida de prédios, preenchimento com cimento
bombeado diretamente em estruturas previamente fabricadas e sistemas em que
um único operário é capaz de cimentar um andar inteiro de uma casa ou edifício.

Figura 3.11 | Transporte de estátua egípcia

Fonte: <http://www.universoracionalista.org/cientistas-descobrem-como-os-egipcios-moveram-pedras-gigantes-
para-formar-as-piramides/>. Acesso em: 6 jul. 2016.

146 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

• Engenharia mecânica: está envolvida desde os primórdios da humanidade


com sistemas de transporte, equipamentos e máquinas. A invenção da roda é uma
das maiores invenções do homem. A primeira roda foi encontrada em 3500 a.C. e
era feita de uma placa de argila. Já entre 3000 a 2000 a.C., a tecnologia envolvia
três placas de madeira cortadas em formato arredondado, mantidas juntas por
ripas (SANTIAGO, [s.d.]). A roda permitiu o desenvolvimento das diferentes formas
de transporte, como trem, carro e avião, e das engrenagens, máquinas e dos
equipamentos. O desenvolvimento tecnológico investiu na investigação científica de
materiais mais leves e resistentes, havendo hoje inúmeros tipos de rodas e materiais.

• Engenharia de produção: a forma de produção sofreu grande mudança


desde o início da civilização, quando os primeiros artesãos trabalhavam de modo
individualizado e manual, sem uma metodologia específica. Uma revolução
tecnológica do sistema de produção foi o Fordismo, criado por Henry Ford no
século XIX, que introduziu o conceito de linhas de montagem. Nessas, o operário
ficava parado, realizando uma tarefa específica, enquanto o produto fabricado se
deslocava pelo interior da fábrica, aumentando a produtividade e os lucros; esse
método é utilizado até os dias de hoje (TENÓRIO, 2011). O controle do processo
produtivo nos tempos atuais conta com sistemas informatizados e modernos.

• Engenharia de automação e controle: a automação e o controle dos


sistemas de produção foram possíveis devido à evolução tecnológica da informática
e da ciência. Após a invenção do computador, o desenvolvimento da automação e
da inteligência artificial foi vertiginoso e os sistemas robóticos passaram a exercer
um papel importante na sociedade. Exemplos de aplicação: operários nas linhas
de montagem foram substituídos, em parte, por braços robóticos e os sistemas
de controle da produção tornaram-se totalmente automatizados, em que um só
operário pode controlar várias linhas de produção através do computador.

Exemplificando
Um exemplo de evolução tecnológica é o robô ASIMO (Figura 3.12),
desenvolvido durante 17 anos pela empresa Honda. Ele é capaz
acender e desligar lâmpadas, abrir e fechar portas, mover objetos,
dançar e muitas outras ações. Ele é o robô humanoide mais avançado
já construído, sendo capaz de imitar o andar dos humanos, entender
comandos falados e reconhecer faces (OBRINGER, [s.d.]).

Ciência, tecnologia e engenharia 147


U3

Figura 3.12 | ASIMO

Fonte:<http://tecnologia.hsw.uol.com.br/asimo2.htm>. Acesso em: 7 jul. 2016.

Os avanços tecnológicos dos últimos tempos trazem o questionamento: até


onde a tecnologia pode nos levar?

[...] a singularidade é o nome que se dá ao momento em que a


civilização atingirá níveis tecnológicos tão rápidos e avançados que
mudarão tão profundamente os paradigmas da sociedade como um
todo, que a inteligência artificial vai superar a inteligência humana, e
nossa mente limitada de hoje é incapaz de prever exatamente o que
isso significará. (FREITAS, 2016, [s.p.])

Pesquise mais
Assista ao filme Chappie, que estreou em 2015, dirigido por Neill
Blomkamp. Esse filme trata da evolução da inteligência artificial e até
onde esta pode chegar; vale a pena!

Vantagens e desvantagens da evolução tecnológica

A evolução tecnológica levou a um aumento da expectativa de vida, a uma


sociedade interligada e globalizada, a uma maior velocidade do acesso à
informação, mudou os padrões sociais, a forma de comunicação e o cotidiano do
homem. Em contrapartida, a tecnologia tem sido usada para dominar a natureza

148 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

de forma agressiva e indiscriminada, utilizando seus recursos. A automatização


industrial levou ao desemprego, pois o perfil do profissional mudou e com isso
houve redução do número de funcionários, que foram substituídos por máquinas
automatizadas. Além disso, boa parte de toda a população mundial ainda não
tem acesso às tecnologias, o que acentua a exclusão e a desigualdade social
(COLOMBO; BAZZO, [s.d.]).

A evolução da tecnologia é mais rápida que a capacidade de adaptação


e gestão dela pelo homem. Há necessidade de refletir sobre as prioridades
tecnológicas e as consequências da aplicação da tecnologia para que haja
evolução com sustentabilidade.

Sem medo de errar

Vamos continuar o nosso projeto?

Na Etapa 2, você escolheu a ideia mais promissora sobre o aproveitamento de


garrafas PET, a partir do brainstorming, e nesta seção será realizado o experimento
dessa ideia. Você deve buscar informações sobre as tecnologias utilizadas para
a reciclagem da garrafa PET e escolher uma opção. Além disso, deverá realizar a
análise e elaboração de explicações, verificando a hipótese a partir dessa escolha.
Para finalizar a etapa, deve elaborar uma conclusão com os dados obtidos. Reveja
ideias ou opiniões que estejam em desacordo com as observações e hipóteses.

Solução da situação-problema

Na Etapa 3 do fluxograma, você deve elaborar o produto. Como? Se, por exemplo,
você escolhesse a produção de vassouras com uso de garrafa PET, seria necessário:

• Buscar informações sobre as tecnologias utilizadas para a produção das


vassouras de garrafa PET.

• Escolher uma opção de tecnologia que possa ser realizada em sala de aula
ou em casa.

• Conseguir os materiais necessários e fazer um protótipo do produto.

• Fazer um levantamento das dificuldades e/ou facilidades de


desenvolvimento da tecnologia de produção das vassouras, verificando se a
hipótese foi confirmada: é possível utilizar garrafas PET para a produção de vassouras?

• Fazer uma breve conclusão a partir dos dados obtidos.

• Rever ideias ou opiniões que estejam em desacordo com as observações


ou a hipótese.

Ciência, tecnologia e engenharia 149


U3

Atenção
Para realizar o experimento, é necessário estudar o fenômeno, formular
questões e identificar possíveis variáveis a serem medidas; realizar
estudos; conhecer a literatura pertinente ao tema a ser solucionado.

Avançando na prática

Marley, o cachorro que não gostava de remédios

Descrição da situação-problema

Marley é um filhote de cachorro da raça labrador com seis meses de idade e,


como todo cão dessa raça, é muito inteligente e ativo. Seu dono, um estudante
de engenharia, precisava fazer com que ele tomasse um medicamento na forma
de comprimido. O futuro engenheiro tentou várias técnicas: se tentasse fazer com
que ele engolisse por vontade própria ou forçasse a ingestão, Marley cuspia o
comprimido; se colocasse no meio da carne, ele separava e novamente cuspia;
e, mesmo se quebrasse o comprimido em pedaços e misturasse na carne, Marley
ainda conseguia separar os pedaços e comer só a carne.

Como resolver esse problema aparentemente simples?

Lembre-se

A tecnologia usa também métodos sistemáticos de pesquisa parecidos


com os da ciência, mas combina teoria com produção e eficácia
(ACEVEDO, 1998).

Resolução da situação-problema

Após inúmeras tentativas, e sabendo que não era adequado moer o comprimido,
tornando-o um pó para que o cão não cuspisse, o estudante de engenharia
resolveu deixar o método de tentativa e erro e buscou uma solução tecnológica.
Começou a usar o método científico, aliado à criatividade e tecnologia.

Ele começou a ler e estudar produtos que poderiam ser ingeridos, que fossem
saborosos, saudáveis para cães, porém que aderissem na boca de Marley para que
ele não jogasse fora o medicamento. Elaborou uma hipótese: seria possível fazer
Marley ingerir o medicamento com um alimento que aderisse à sua boca. Após

150 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

sua pesquisa, ele resolveu testar o requeijão cremoso, por ser saboroso, saudável,
viscoso e aderente. O estudante realizou um teste: cortou o comprimido em
quatro partes, misturou a uma colher de chá de requeijão e colocou de uma vez
só dentro da boca do Marley. O labrador gostou do sabor e não conseguiu expelir
os pedaços do medicamento que ficavam aderidos, engolindo o remédio!

Somente com a tecnologia e a ciência foi possível resolver o problema do Marley.

Faça você mesmo


Pense em uma possível tecnologia para fazer com que você consiga
acordar no horário que deve sem usar despertador, alarme de celular,
ou outro tipo de alarme sonoro ou de vibração.

Faça valer a pena

1. Em relação à tecnologia, assinale a alternativa correta:


I – A tecnologia não está relacionada à ciência.
II – A evolução tecnológica também depende da evolução da ciência.
III – As ferramentas da tecnologia podem ser utilizadas pela ciência.
a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) III, apenas.
d) I e II.
e) II e III.

2. Assinale a alternativa correta em relação às afirmações a seguir:


I – A ciência sugere hipóteses e a tecnologia formula as ideias.
II – A tecnologia sugere hipóteses e a ciência formula as ideias.
III – A ciência seleciona hipóteses e a tecnologia seleciona as ideias.
a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) III, apenas.

Ciência, tecnologia e engenharia 151


U3

d) I e III.
e) II e III.

3. Assinale a alternativa correta em relação às afirmações a seguir:


I – A tecnologia não muda conforme mudam os padrões sociais e
culturais.
II – A tecnologia muda conforme mudam os padrões sociais e culturais.
III – A tecnologia é um produto da evolução do conhecimento.
a) I e II.
b) II e III.
c) I, apenas.
d) II, apenas.
e) III, apenas.

152 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

Seção 3.4

Inovação tecnológica

Diálogo aberto

Vamos inovar?

No mundo globalizado, a competitividade das empresas é muito grande: não


basta atender às necessidades dos consumidores; é necessário superar as suas
expectativas e inovar. O engenheiro é um profissional que precisa estar sempre
criando e inovando para poder solucionar os problemas e desafios da profissão. Para
isso, precisa mobilizar competências e habilidades relacionadas ao conhecimento
básico e tecnológico, além de realizar pesquisas, ser criativo e descobrir novos
produtos e processos.

A evolução dos sistemas de informação com a internet, que levou à rápida


difusão do conhecimento, exige atualização constante do profissional da
engenharia, pois a cada dia uma nova tecnologia é desenvolvida, o que torna a
competitividade entre as empresas muito grande, exigindo inovação constante.

Para inovar, nesta seção vamos continuar o projeto de aproveitamento de


garrafas PET. Na seção anterior, você fez o fluxograma, confirmou sua hipótese e
fez um protótipo de produto; agora, vamos finalizar o projeto de aproveitamento
de garrafas PET realizando a Etapa 4. Proponha uma inovação tecnológica ao
método de processamento da garrafa PET como uma alternativa para futuros
projetos, a partir das informações obtidas na seção anterior.

Bons estudos!

Não pode faltar

Inovação tecnológica

É preciso inovar, fazer algo novo!

O que é inovação? A origem do conceito apareceu nos trabalhos de Joseph

Ciência, tecnologia e engenharia 153


U3

Schumpeter, que definiu inovar como “produzir outras coisas, ou as mesmas coisas
de outra maneira, combinar diferentemente materiais e forças, enfim, realizar
novas combinações” (FUCK; VILHA, 2011, p. 5), porém usaremos, nesta seção, uma
definição mais completa, aquela descrita na Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de
2004, em que inovação é a

[...] introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente


produtivo e social que resulte em novos produtos, serviços
ou processos ou que compreenda a agregação de novas
funcionalidades ou características a produto, serviço ou processo
já existente que possa resultar em melhorias e em efetivo ganho
de qualidade ou desempenho. (BRASIL, 2004, [s.p.])

Não confunda inovação com invenção. Invenção é um produto do processo


criativo de pesquisa científica ou experimentação que não necessariamente chega
ao mercado!

Em um mundo globalizado e competitivo, inovar é primordial para as empresas


nas suas estratégias de diferenciação, competitividade e aumento do volume de
negócios. Oferecer produtos e serviços, com vantagens competitivas e sustentáveis
para o mercado em relação aos competidores, é uma questão de sobrevivência
empresarial (VILHA, 2009). A inovação tecnológica é um processo que envolve
conhecimento, pesquisa tecnologia e criatividade. Participam desse processo
empresas privadas, instituições de ensino e pesquisa, o governo e grupos sociais
organizados (FUCK; VILHA, 2011).

A entrada em vigor da Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004, Lei de Inovação


Tecnológica (LIT), foi um novo instrumento de fomento à inovação e à pesquisa
científica e tecnológica. Os objetivos da lei estão relacionados a seguir:

I - promoção das atividades científicas e tecnológicas como


estratégicas para o desenvolvimento econômico e social;

II - promoção e continuidade dos processos de desenvolvimento


científico, tecnológico e de inovação, assegurados os recursos
humanos, econômicos e financeiros para tal finalidade;

III - redução das desigualdades regionais;

IV - descentralização das atividades de ciência, tecnologia e inovação em


cada esfera de governo, com desconcentração em cada ente federado;

154 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

V - promoção da cooperação e interação entre os entes públicos,


entre os setores públicos e privado e entre empresas;

VI - estímulo à atividade de inovação nas Instituições Científica,


Tecnológica e de Inovação (ICTs) e nas empresas, inclusive para a atração,
a constituição e a instalação de centros de pesquisa, desenvolvimento e
inovação e de parques e polos tecnológicos no País;

VII - promoção da competitividade empresarial nos mercados nacional


e internacional;

VIII - incentivo à constituição de ambientes favoráveis à inovação e às


atividades de transferência de tecnologia;

IX - promoção e continuidade dos processos de formação e


capacitação científica e tecnológica;

X - fortalecimento das capacidades operacional, científica, tecnológica


e administrativa das ICTs;

XI - atratividade dos instrumentos de fomento e de crédito, bem como


sua permanente atualização e aperfeiçoamento;

XII - simplificação de procedimentos para gestão de projetos de


ciência, tecnologia e inovação e adoção de controle por resultados
em sua avaliação;

XIII - utilização do poder de compra do Estado para fomento à


inovação;

XIV - apoio, incentivo e integração dos inventores independentes às


atividades das ICTs e ao sistema produtivo (BRASIL, 2004, [s.p.]).

A LIT tem três pontos básicos: propiciar parcerias entre as universidades,


institutos tecnológicos e empresas; estimular a participação de instituições
de ciência e tecnologia no processo de inovação; e o incentivo à inovação na
empresa. Para apoiar essa lei, o Governo Federal criou a Agência Brasileira de
Desenvolvimento Industrial (ABDI), com o objetivo de coordenar ações e estratégias
da política industrial por meio de suporte ao processo de inovação e do fomento à
competitividade do setor produtivo (PEREIRA; KRUGLIANSKAS, 2005).

Existem várias formas de classificar a inovação. Uma delas é classificá-la quanto


ao nível de inovação em:

• Tipo A: baixa tecnologia, que utiliza as tecnologias existentes.

Ciência, tecnologia e engenharia 155


U3

• Tipo B: média tecnologia, que envolve adoção de tecnologias familiares,


porém com alguma característica nova.

• Tipo C: alta tecnologia, relacionada a tecnologias totalmente novas.

• Tipo D: altíssima tecnologia, é a tecnologia emergente ou a ser desenvolvida


(PEREZ; ZILBER; LEX, 2007).

Outra forma de classificação é aquela baseada no objeto da inovação e seus


impactos, tais como:

• Inovação de produto: são modificações dos atributos do produto, com


alteração da percepção dos consumidores sobre esse.

• Inovação de processo: refere-se a alterações e mudanças no processo


de produção do produto ou serviço, porém muitas vezes não impacta o produto,
trazendo benefícios no processo de produção, como aumento de produtividade e
redução de custos.

• Inovação de organização: está relacionada a novas técnicas de gestão e


práticas comerciais ou de mudanças na organização do trabalho e nas relações
externas das empresas.

• Inovação de marketing: trata de novos conceitos ou estratégias de


marketing ou mudanças significativas em relação à estética, desenho ou embalagem
dos produtos, porém não modificando as características funcionais e de uso.

Exemplificando
Alguns exemplos de tipos de inovação de produto e processo:

Inovação de produto: alteração do câmbio do carro convencional


pelo automático.

Inovação de processo: uso de braços robóticos na produção de


automóveis ao invés de operários.

Inovação de marketing: uso de franquias e da internet para a promoção


de produtos.

Na Figura 3.13, é possível observar um exemplo de inovação de impressão. Antes,


as impressoras só reproduziam imagens em duas dimensões (2D). Agora existem
impressoras em três dimensões (3D) que transformam imagens 3D em objetos. Elas
são usadas em várias áreas, como na medicina, artes e indústrias diversas.

156 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

Figura 3.13 | Usos da impressora 3D

Fonte: Imagem A <goo.gl/k8513F>. Acesso em: 17 jul. 2016.


Fonte: Imagem B <goo.gl/SqP0ff>. Acesso em: 17 jul. 2016.
Fonte: Imagem C <goo.gl/I8BvjO>. Acesso em: 17 jul. 2016.
Fonte: Imagem D <goo.gl/YP3i24>. Acesso em: 17 jul. 2016.

Pesquise mais
Saiba mais sobre a aplicação da inovação tecnológica e a nova
Revolução Industrial acessando este estudo, que analisa a inovação, as
impressoras 3D e a nova forma de produção e trabalho, os “Makers”.

SANTOS, M. B. Makers, a nova revolução industrial. Disponível em:


<http://artciencia.com/index.php/artciencia/article/viewFile/393/344>.
Acesso em: 16 jul. 2016.

Pesquisa, desenvolvimento e inovação

O conhecimento é um dos principais responsáveis para a geração de riqueza e


bem-estar social. Ele foi reconhecido como tal a partir da revolução da informação

Ciência, tecnologia e engenharia 157


U3

trazida pela internet, e com ela veio a revolução tecno-científica, em que as


empresas precisaram inovar e investir em inteligência competitiva (RÉGIS, 2009).

Para inovar, é preciso investir em pesquisa e desenvolvimento (P&D), tanto no setor


público como no setor privado. O Brasil investiu 1,5% do PIB (Produto Interno Bruto)
em P&D no ano de 2012. As empresas brasileiras investem 0,55% do PIB e o restante é
investimento do governo. O país está no 49º lugar no ranking de inovação tecnológica;
países pertencentes à Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento
Econômico (OCDE) investiram em média 2,5% (SENADO, [s.d.]). Na Figura 3.14, vemos
um esquema da interligação entre pesquisa, desenvolvimento, tecnologia e inovação.

Figura 3.14 | Interligação entre pesquisa, desenvolvimento, tecnologia e inovação

Fonte: adaptado de Christensen, et al., [s.d.].

Para assegurar a competitividade das empresas, as invenções e inovações


devem ser registradas, assegurando a propriedade intelectual. A convenção da
Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) define como Propriedade
Intelectual (PI):

[...] a soma dos direitos relativos às obras literárias, artísticas


e científicas, às interpretações dos artistas intérpretes e às
execuções dos artistas executantes, aos fonogramas e às
emissões de radiodifusão, às invenções em todos os domínios
da atividade humana, às descobertas científicas, aos desenhos
e modelos industriais, às marcas industriais, comerciais e de
serviço, bem como às firmas comerciais e denominações
comerciais, à proteção contra a concorrência desleal e todos

158 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

os outros direitos inerentes à atividade intelectual nos domínios


industrial, científico, literário e artístico. (NIT, 2016, [s.p.])

A PI abrange a “propriedade industrial, que inclui as patentes (invenções),


marcas, desenho industrial, indicação geográfica e proteção de cultivares, e
Direitos Autorais abrangendo trabalhos literário e artístico, e cultura imaterial,
como romances, poemas, peças, filmes, música, desenhos, símbolos, imagens,
esculturas, programas de computador, internet, entre outros” (LORENZINI, [s.d.]
[s.p.]). A patente é, portanto, uma forma de proteção do investimento feito pela
empresa de uma criação ou inovação. Ela é um registro efetuado no Instituto
de Propriedade Intelectual (INPI), no qual a invenção é descrita, e só poderá ser
explorada com a autorização do seu proprietário (LORENZINI, [s.d.]).

Reflita
Reflita sobre a propriedade intelectual: “Esse tema da propriedade
intelectual vem sendo objeto de intensas controvérsias e disputas
políticas entre diferentes atores e países. Quais são os objetos de
proteção? Qual o limite mínimo e máximo da proteção? Como conciliar
os interesses das empresas inovadoras e dos detentores de direitos de
PI e os interesses de toda a sociedade? Como equilibrar a posição dos
países desenvolvidos em matéria de PI – favorável a um regime forte
de proteção – e a necessidade de promover o desenvolvimento dos
países mais pobres?” (BUAINAIN, et al., [s.d.], p. 2).

Inovação e engenharia

No Brasil, os cientistas, técnicos e engenheiros envolvidos com inovação e


desenvolvimento tecnológico estão na sua grande maioria em universidades e
institutos de pesquisa públicos, e apenas 23% desses trabalham em empresas;
comparando com outros países, o número de pesquisadores em empresas privadas
é maior. Na Coreia do Sul, esse número é de até 59% e nos Estados Unidos, de
80%. No Brasil, há um número insuficiente de cientistas e engenheiros envolvidos
com inovação em empresas (CAMPOS; VALADARES, [s.d.]).

Há falta de engenheiros da área de PD&I para criar produtos em larga escala,


o que é um problema (WATANABE, 2016). A baixa quantidade de cientistas e
engenheiros nas empresas leva a dificuldades no desenvolvimento econômico
brasileiro, como a baixa competitividade tecnológica e a pequena capacidade para
transformar inovação em riqueza (BRITO CRUZ, 2004).

Ciência, tecnologia e engenharia 159


U3

Um engenheiro deve saber identificar a diversidade de variáveis de um problema


que pretende solucionar, fazer um levantamento das ferramentas disponíveis, ou
criá-las, além de direcionar seus esforços para obter resultados que levem a uma
coesão social, mantendo o desenvolvimento tecnológico como aliado, e não
como premissa para sua ação (LORENZINI, [s.d.]).

Assimile
Inovação é a “introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente
produtivo e social que resulte em novos produtos, serviços ou processos ou
que compreenda a agregação de novas funcionalidades ou características
a produto, serviço ou processo já existente que possa resultar em melhorias
e em efetivo ganho de qualidade ou desempenho” (BRASIL, 2004, [s.d.]).

Sem medo de errar

Finalizando o projeto! Vamos inovar?

Na seção anterior, você fez o fluxograma, confirmou sua hipótese e fez um


protótipo de produto. Agora vamos finalizar o projeto de aproveitamento de
garrafas PET realizando a Etapa 4. Proponha uma inovação tecnológica para o
método de processamento da garrafa PET como uma alternativa para futuros
projetos. Siga estes passos:

• Liste os pontos de dificuldade do processo de aproveitamento das garrafas


PET, a partir das informações obtidas na seção anterior.

• Escolha, dentre esses pontos, um que seja possível modificar.

• Faça um novo brainstorming, abordando as possibilidades de inovação


do processo.

• Escolha a ideia mais inovadora.

• Faça uma proposta de alteração no processo de produção que seja


inovadora quando comparada à tecnologia anterior.

Atenção
Não confunda inovação com invenção. Invenção é um produto do
processo criativo de pesquisa científica ou experimentação, que não
necessariamente chega ao mercado!

160 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

Avançando na prática

Você se lembra da situação-problema da Seção 3.2, quando montamos


manualmente um regador de plantas em forma de elefante para o Felipe? Agora,
vamos inovar na tecnologia de produção do regador.

Um inovador regador de plantas infantil

Descrição da situação-problema

A produção de regadores de planta na forma de elefante direcionados ao


público infantil é artesanal; eles são feitos um a um, manualmente. Essa forma de
processo é demorada, portanto a baixa produtividade utiliza um grande número
de pessoas, além de não conseguir manter um padrão de qualidade uniforme.
Para aperfeiçoar o processo, é preciso inovar, e para isso é necessária uma nova
tecnológica de produção, mas qual?

Lembre-se

Como vantagens da inovação tecnológica, podemos citar: inovação


em produtos e serviços; maior competitividade; geração de emprego
e renda; desenvolvimento socioeconômico; sustentabilidade.

Resolução da situação-problema

Industrialmente, esses brinquedos infantis usam polímeros plásticos e extrusoras


como equipamentos, porém os detalhes do produto final e as possibilidades de
formatos são reduzidos, não aparentando ser um elefante real, mas uma figura fictícia.

Uma opção inovadora é a utilização de impressoras 3D, que transformam


imagens 3D em objetos. Essas impressoras reduzem os custos e os prazos,
melhoram e modificam o processo. Assim, é possível produzir regadores infantis
no formato de elefante com uma aparência mais real, reduzir o tempo de processo,
melhorar a qualidade e reduzir a mão de obra.

Para fazer o regador, é preciso ter a figura do animal, que pode ser um desenho
3D ou uma foto de um elefante trabalhada em 3D em programas de computador
específicos, como CAD ou Photoshop. Obtida a imagem 3D, o computador deve
estar acoplado a uma impressora 3D suprida com polímero plástico, dando-se,
assim, início ao processo de produção.

Veja a impressão de um elefante em impressora 3D no vídeo: Elefante 3D


Printing. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Oz1KA-f9Ok4>.
Acesso em: 17 jul. 2016.

Ciência, tecnologia e engenharia 161


U3

Faça você mesmo


Elabore uma proposta inovadora para separar a gema da clara do ovo
sem que elas se misturem e sem que fique resíduo da casca!

Faça valer a pena

1. Assinale a alternativa correta em relação à inovação tecnológica:


I – A inovação agrega novas funcionalidades a um produto já existente.
II – A inovação resulta em novos produtos, serviços ou processos.
III – A inovação não se refere às funcionalidades de um produto já
existente.
a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) III, apenas.
d) I e II.
e) I e III.

2. Em relação à Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004, Lei de


Inovação Tecnológica (LIT), assinale a alternativa correta, considerando
seus objetivos:
I – Promoção das atividades científicas e tecnológicas.
II – Aumento das desigualdades regionais.
III – Redução das desigualdades regionais.
a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) I e III.
d) I e II.
e) II e III.

162 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

3. Assinale a alternativa correta em relação a quais grupos participam


do processo de inovação tecnológica:
I – Empresas privadas, instituições de ensino e pesquisa.
II – Não participam grupos sociais organizados.
III – O governo.
a) I e II.
b) II e III.
c) I e III.
d) II, apenas.
e) III, apenas.

Ciência, tecnologia e engenharia 163


U3

164 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

Referências

ACEVEDO, G. D. R. Ciencia, Tecnología y Sociedad: una mirada desde la Educación


en Tecnología. Revista Iberoamericana de Educación, n. 18, p. 107-143, 1998.
ALENCAR, E. M. L. S.; SOUSA-FLEITH, D. Criatividade pessoal: fatores facilitadores
e inibidores segundo estudantes de engenharia. Magis, Revista Internacional de
Investigación en Educación, p. 113-126, 2008.
ALENCAR, Valéria Peixoto. Arte: o que é? UOL Educação, 2007. Disponível em:
<http://educacao.uol.com.br/disciplinas/artes/arte-o-que-e.htm>. Acesso em: 19
jun. 2016.
ALMEIDA, Aires. O que é arte? Três teorias sobre um problema central da estética.
Crítica, 2000. Disponível em: <http://criticanarede.com/fil_tresteoriasdaarte.
html>. Acesso em: 20 jun. 2016.
BUAINAIN, A. M. et al. Propriedade intelectual e inovação tecnológica: algumas
questões para o debate atual. [s.d.] Disponível em: <http://www.desenvolvimento.
gov.br/arquivo/secex/sti/indbrasopodesafios/coletanea/ofutindcadprodutiva/
AntonioMarcio.pdf>. Acesso em: 14 jul. 2016.
BAZZO, W. A.; PEREIRA, L. T. V. Introdução à engenharia: conceitos, ferramentas
e comportamentos. 4. ed. Florianópolis: Editora UFSC, 2008.
BRASIL. Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à
inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras
providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-
2006/2004/lei/l10.973.htm>. Acesso em: 10 jul. 2016.
BRITO CRUZ, Carlos H. de. A universidade, a empresa e a pesquisa. Revista
Humanidades, p. 1-33, 2004. Disponível em: <http://www.inpe.br/acessoa
informacao/sites/default/files/Conhecimento_Mundo_Moderno_Brito-Cruz.pdf>.
Acesso em: 14 jul. 2016.
CAMPOS, I. M.; VALADARES, E. C. Inovação tecnológica e desenvolvimento
econômico. [s.d.] Disponível em: <http://www.schwartzman.org.br/simon/blog/
inovacaomg.pdf>. Acesso em: 14 jul. 2016.
CASTRO, A. L. S. et al. Ciência da informação, ciências sociais e interdisciplinaridade.
Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, 1999.

Ciência, tecnologia e engenharia 165


U3

CAVE, C. Creativity web. [s.d.] Disponível em: <http://members.optusnet.com.


au/charles57/Creative/index2.html http://members.ozemail>. Acesso em: 19 jun.
2016.
CHRISTENSEN, C. Disruptive Innovation. [s.d.]. Disponível em: <http://www.clayton
christensen.com/key-concepts/>. Acesso em: 22 jun. 2016.
CLEGG, M. Cientista americano destaca os desafios da ciência para o século XXI.
Jornal da Ciências, São Paulo, 30 ago. 2012. Disponível em: <http://www.fai.
ufscar.br:8080/noticias/cientista-americanodestaca-os-desafios-da-ciencia-para-
o-seculo-xxi>. Acesso em: 15 jun. 2016.
COBEC. Maravilhas da engenharia. [s.d.] Disponível em: <http://cobec.com.br/
maravilhas-da-engenharia-conheca-as-palm-islands-as-palmeiras-gigantes/>.
Acesso em: 20 jun. 2016.
COLOMBO, C. R.; BAZZO, W. A. Educação tecnológica contextualizada, ferramenta
essencial para o desenvolvimento social brasileiro. [s.d.]. Disponível em: <http://
unicep.edu.br/enade/atualidades/EDUCACAO_TECNOLOGICA.pdf>. Acesso em:
7 jul. 2016.
FRANCELIN, M. M. Ciência, senso comum e revoluções científicas: ressonâncias
e paradoxos. Ci. Inf., Brasília, v. 33, n. 3, p. 26-34, set./dez. 2004. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/%0D/ci/v33n3/a04v33n3.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2016.
FREITAS, A. Evolução tecnológica: como será nossa vida daqui a 20 anos? Revista
Galileu, jul. 2014. Disponível em: <http://revistagalileu.globo.com/Tecnologia/
noticia/2014/07/evolucao-tecnologica-como-sera-nossa-vida-daqui-20-anos.
html>. Acesso em: 5 jul. 2016.
FREITAS, C. A. Introdução à engenharia. São Paulo: Pearson, 2015.
FUCK, Marcos Paulo; VILHA, Anapatricia Morales. Inovação tecnológica: da
definição à ação. Contemporâneos Revista de Artes e Humanidades, n. 9, nov.
2011. Disponível em: <http://revistacontemporaneos.com.br/n9/dossie/inovacao-
tecnologica.pdf>. Acesso em: 11 jul. 2016.
HOLTZAPPLE, M. T.; REECE, W. D. Introdução à engenharia. Rio de Janeiro: LTC
Editora, 2006. 220 p.
JOLIVET, R. Lógica formal e material. 2006. Disponível em: <http://www.
consciencia.org/cursofilosofiajolivet2.shtml>. Acesso em: 14 jun. 2016.
KNELLER, G. F. Arte e ciência da criatividade. 17. ed. São Paulo: IBRASA, 1978.
LARANJEIRAS, Cassio Costa. Um ensino de ciências sem ciências: um simulacro
da educação científica. Brasília: UnB, 2014. Disponível em: <http://unb.br/noticias/
unbagencia/artigo.php?id=692>. Acesso em: 30 ago. 2016.
LAS CASAS, R. O grande colisor de hádrons (LHC): ou falando sobre os bósons

166 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

de Higgs; mini-buracos negros e big bangs. 2010. Disponível em: <http://www.


observatorio.ufmg.br/Pas96.htm>. Acesso em: 21 jun. 2016.
MBARGA, G.; FLEURY, J. M. O que é ciência? Curso on-line de jornalismo científico.
[s.d.] Disponível em: <http://www.wfsj.org/course/pt/pdf/mod_5.pdf>. Acesso em:
14 jun. 2016.
MICHAELIS. Apresentação. Dicionário Michaelis da Língua Portuguesa. Disponível
em: <http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugu
esportugues&palavra=ci%EAncia>. Acesso em: 15 jun. 2016.
MONTEIRO, Viviane. Faltam engenheiros de PD&I para tirar inovação do papel no
Brasil. Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, 2016. Disponível em:
<http://www.sbpcnet.org.br/site/noticias/materias/detalhe.php?id=5262>. Acesso
em: 14 jul. 2016.
MORTARI, C. A. Introdução à lógica. [s.d.]. Disponível em: <http://www.
faculdadejesuita.edu.br/documentos/120814-5z61o1YX1JPDG.pdf>. Acesso em:
15 jun. 2016.
NIT. O que é Propriedade Intelectual? [s.d.]. Disponível em: <http://200.201.88.180/
nit/index.php/propriedade-intelectual/o-que-e-propriedade-intelectual>. Acesso
em: 16 jul. 2016.
NOGUEIRA, L. É lógico! Revista Conhecer, ano 2, n. 4, [s.d.]. Disponível em: <http://
relacionamento.petrobras.com.br/revistaconhecer/Edicao/4/teoria-na-pratica>.
Acesso em: 13 jun. 2016.
OBRINGER, L. O movimento do ASIMO: construído como um humano. [s.d.].
Disponível em: <http://tecnologia.hsw.uol.com.br/asimo2.htm>. Acesso em: 6 jul.
2016.
OLIVEIRA, D. R. A. Cientistas descobrem como os egípcios moveram pedras
gigantes para formar as pirâmides. Universo Racionalista, 2014. Disponível em:
<http://www.universoracionalista.org/cientistas-descobrem-como-os-egipcios-
moverampedras-gigantes-para-formar-as-piramides/>. Acesso em: 5 jul. 2016.
OLIVEIRA, I. Ciência, tecnologia, inovação, vaca e leite. Folha de S. Paulo, São Paulo,
19 jul. 2012. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/55277-
ciencia-tecnologia-inovacao-vaca-e-leite.shtml>. Acesso em: 14 jul. 2016.
OLIVEIRA, S. L. Tratado de metodologia científica: projetos de pesquisa, TGI, TCC,
monografias, dissertações e teses. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.
OLIVEIRA, Z. M. F. Fatores influentes no desenvolvimento do potencial criativo.
Estud. Psicol., Campinas, v. 27, n. 1, jan./mar. 2010. Disponível em: <http://www.
scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2010000100010>. Acesso
em: 22 jun. 2016.

Ciência, tecnologia e engenharia 167


U3

ORENZINI, J. M. Propriedade intelectual. Associação Paulista da Propriedade


Intelectual, São Paulo, 2016. Disponível em: <http://www.aspi.org.br/pt-br/
propriedadeintelectual.aspx>. Acesso em: 16 jul. 2016.
PEREIRA, J.; KRUGLIANSKAS, I.. Gestão de inovação: a lei de inovação tecnológica
como ferramenta de apoio às políticas industrial e tecnológica do Brasil. RAE –
eletrônica, v. 4, n. 2, art. 18, jul./dez. 2005. Disponível em: <www.scielo.br/pdf/
raeel/v4n2/v4n2a03.pdf>. Acesso em: 14 jul. 2016.
PEREZ, G.; ZILBER, M. A.; LEX, S. Inovação tecnológica: obtenção de vantagens
competitivas na indústria brasileira de equipamentos eletro-médico. III Encontro
de Estudos em Estratégia, São Paulo, maio 2007. Anais... Disponível em: <http://
www.anpad.org.br/diversos/trabalhos/3Es/3es_2007/2007_3ES390.pdf>. Acesso
em: 14 jul. 2016.
PUCC. Conceitos – metodologia e ciência. [s.d.]. Disponível em: <http://www.
ppgia.pucpr.br/~alceu/mestrado/MC/MCIC_01_v4.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2016.
QUEM DISSE. Thomas Edison. [s.d.] Disponível em: <http://quemdisse.com.br/
frase/um-genio-e-1-de-inspiracao-e-99-de-transpiracao/51095/>. Acesso em: 19
jun. 2016.
RÉGIS, J. F. V. A gestão do conhecimento e a inovação tecnológica como fatores
de sobrevivência e de competitividade na sociedade do conhecimento: uma
análise exploratória das MPEs do Rio Grande do Norte. 2009. 178 f. (Dissertação
(Mestrado em Engenharia de Produção)-Universidade Federal do Rio Grande
do Norte, Natal, 2009. Disponível em: <http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/
bitstream/123456789/14949/1/JosianaFVR_DISSERT.pdf>. Acesso em: 11 jul. 2016.
RISO, A. N. V. Estudo e implementação de mapas para navegação robótica
usando a abordagem neural. 2004.
SANTIAGO, E. Roda. [s.d.]. Disponível em: <http://www.infoescola.com/cultura/
roda/>. Acesso em: 5 jul. 2016.
SANTOS, M. B. Makers, a nova revolução industrial. Revista ArtCiência, n. 17, ano
8, dez. 2014. Disponível em: <http://artciencia.com/index.php/artciencia/article/
viewFile/393/344>. Acesso em: 16 jul. 2016.
SENADO FEDERAL. Investimento em pesquisa e desenvolvimento no Brasil e em
outros países: o setor privado. Em discussão!, ano 3, n. 12, set. 2012. Disponível
em: <http://www.senado.gov.br/noticias/Jornal/emdiscussao/inovacao/ciencia-
tecnologia-e-inovacao-no-brasil/investimento-em-pesquisa-e-desenvolvimento-
no-brasil-e-em-outros-paises-osetor-privado.aspx>. Acesso em: 10 jul. 2016.
SILVA, J. C. T. Tecnologia: conceitos e dimensões. XXII Encontro Nacional de
Engenharia de Produção, Curitiba/PR, 23 a 25 out. 2002. Anais... Disponível em: <www.
abepro.org.br/biblioteca/enegep2002_tr80_0357.pdf>. Acesso em: 29 jun. 2016.

168 Ciência, tecnologia e engenharia


U3

SILVIO, S. C. O que é ciência? [s.d.] Disponível em: <http://www.ouxe.com.br/


arquivos%20downloads/chibeni%20silvio%20seno_%20o%20que%20e%20ciencia.
pdf>. Acesso em: 15 jun. 2016.
SOUZA, B. C. C. Criatividade: a engenharia cognitiva da inovação. Brasília:
Edição do autor, 2012. Disponível em: <https://www.researchgate.net/
publication/231157902>. Acesso em: 19 jun. 2016.
TENÓRIO, F. G. A unidade dos contrários: fordismo e pós-fordismo. Rev. Adm.
Pública, Rio de Janeiro, v. 45, n. 4, ago. 2011. Disponível em: <http://dx.doi.
org/10.1590/S0034-76122011000400011>. Acesso em: 5 jul. 2016.
UESC. A história da Torre Eiffel. UESC, 17 out. 2010. Disponível em: <http://
engenhariacivildauesc.blogspot.com.br/2010/10/historia-da-torre-eiffel.html>.
Acesso em: 20 jun. 2016.
VENÂNCIO, Matheus. Sobre a lógica na filosofia. FILOSOFICANDO.Wordpress.
com, 2009. Disponível em: <https://filosoficando.wordpress.com/2009/06/24/
sobre-a-logica-na-filosofia/>. Acesso em: 13 jun. 2016.
VERASZTO, Estéfano Vizconde et al. Evolução do conceito de tecnologia em
professores do ensino fundamental durante aplicação do projeto Teckids.
Universidade Estadual de Campinas. UNICAMP, Campinas, 2004. Disponível em:
<http://seer.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/download/441/320>. Acesso
em: 5 jul. 2016.
VERASZTO, Estéfano Vizconde; MIRANDA, Nonato Assis de; SIMON, Fernanda
Oliveira. Tecnologia: buscando uma definição para o conceito. Prisma.com, n. 7,
2008, p. 60-85. Disponível em: <http://revistas.ua.pt/index.php/prismacom/article/
view/681>. Acesso em: 29 jun. 2016.
VERASZTO, E. V. et al. Ensino de física e tecnologia: desenvolvimento de atividades
de educação tecnológica para alunos do Ensino Fundamental. In: GARCIA, Nilson
M. D. (Org.). Atas do XV Simpósio Nacional de Ensino de Física. Curitiba: CEFET-
PR, 2003, p. 1974-1983. 1 CD-ROM.
VILHA, Anapatricia Morales. Gestão da inovação na indústria brasileira de
higiene pessoal, perfumaria e cosméticos: uma análise sob a perspectiva do
desenvolvimento sustentável. 2009. 169 f. Tese (Doutorado em política científica
e tecnológica)–Departamento de Política Científica e Tecnológica, Instituto de
Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009. Disponível
em: <http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?down=000441155>.
Acesso em: 11 jul. 2016.
ZIMAN, John. Conhecimento público. 8. ed. São Paulo: Itatiaia, 1979.

Ciência, tecnologia e engenharia 169


Unidade 4

Comunicação e expressão na
Engenharia

Convite ao estudo

Caros alunos, sejam bem-vindos à nossa última unidade!

As unidades anteriores abordaram os conceitos de Engenharia, as


atribuições do engenheiro, a ética profissional, a Ciência e a tecnologia.
Agora, aprenderemos um pouco sobre as diferentes formas de
comunicação e expressão nesse campo, contemplando as competências
gerais da disciplina, tais como: conhecer e aplicar os conceitos de
Engenharia, ética, sustentabilidade e tecnologia em suas diversas áreas.

Muitos problemas de gestão, de produtividade e de sucesso dos


projetos de Engenharia e também dos profissionais da área ocorrem
devido às falhas na comunicação entre os envolvidos. Com isso, há os
seguintes questionamentos: como se comunicar bem? Como escrever
um relatório e um parecer técnicos? Como elaborar uma apresentação
audiovisual de um projeto? Estas e outras questões serão respondidas
nesta unidade que abordará:

• As linguagens e expressões.

• A comunicação na Engenharia.

• Os principais tipos de redação técnica na Engenharia.

• Técnicas para apresentação oral.

Os conhecimentos adquiridos nesta unidade serão muito úteis para sua


vida profissional, pois você foi convidado a dar um parecer técnico para
uma cooperativa de reciclagem de garrafas PET. Este documento deverá
U4

apresentar as vantagens e as desvantagens do processo de reciclagem,


além disso, será necessário realizar uma apresentação audiovisual deste
parecer para a diretoria da cooperativa e para os cooperados. A elaboração
do parecer técnico e da apresentação será produzida em etapas durante
esta unidade.

Bons estudos!

172 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

Seção 4.1

Linguagem e expressão

Diálogo aberto

"Quem não se comunica se trumbica!”

Esse era o jargão do apresentador de programa de auditório Abelardo Barbosa,


chamado de “O Chacrinha”, na década de 1980, que fazia uma alusão à importância
da comunicação. Ser um bom comunicador é um grande desafio, pois atualmente
não é suficiente ter apenas competência profissional. Saber se comunicar eficazmente
nos dias de hoje não é uma opção, mas sim uma obrigatoriedade, devido ao seu
caráter essencial e imprescindível.

Como saber se o ouvinte entendeu o que você quis passar a ele? Quais são os
meios de comunicação que devem ser utilizados? Para ajudá-lo a responder a estas
questões, conheceremos nesta seção as principais formas e os tipos de linguagens e
expressão; os principais elementos, tipos e meios de comunicação.

Você foi convidado a dar um parecer técnico para uma cooperativa de reciclagem
de garrafas PET. Este documento deverá apresentar as vantagens e as desvantagens
do processo de reciclagem, além disso, será necessário realizar uma apresentação
audiovisual. Nesta seção, você fará a primeira etapa do trabalho, definindo o tipo
de comunicação verbal e não verbal utilizadas, quais os meios de comunicação
empregados e qual é o tipo de linguagem desenvolvida para essa tarefa.

Não pode faltar

Linguagem e expressão

Como viver sem se comunicar? Não é possível! Há 30.000 anos, o ser humano
começou a desenvolver a comunicação usando desenhos pictóricos, dando início
à evolução na comunicação que, a partir de então, não parou mais (REFLEXÕES
DIGITAIS, 2016). A linguagem é um sistema de sinais, com o objetivo de comunicar
ideias ou sentimentos, e estes sinais são a junção entre a imagem, acústica ou som

Comunicação e expressão na Engenharia 173


U4

e o conceito ou as ideias. Eles podem ser gestuais, sonoros, gráficos, dentre outros,
e são percebidos pela visão, audição, olfação, gustação e também pela somestesia
(tato, propriocepção). Na espécie humana, a linguagem expressa o pensamento
por meio de palavras e em todas as culturas são observadas as mesmas estruturas:
sujeito, verbo e predicado.

A linguagem é “a capacidade do homem de relacionar a emissão de seus sons


a um conteúdo significativo e utilizar o resultado dessa associação para a interação
verbal” (NISHIDA, 2010, p. 28). A linguagem pode ser classificada em verbal e não
verbal. A primeira usa a fala ou a escrita como meio de comunicação (NISHIDA,
2010, p. 28). A segunda, por sua vez, usa como código a simbologia, como placas,
figuras, gestos, cores, sons, ou seja, através dos signos visuais e sensoriais. Pode
ser uma reação involuntária ou um ato comunicativo propositado. Os sinais não
verbais têm as funções específicas de regular e encadear as interações sociais e de
expressar emoções e atitudes interpessoais. As comunicações verbal e não verbal
são complementares e podem existir ao mesmo tempo, tornando a comunicação
mais compreensível e acessível. Em outras palavras, quando se expressa pela
palavra, usa-se o raciocínio e a compreensão (OLIVEIRA, 2007, p. 80). Observe na
Figura 4.1 a representação da comunicação verbal e da não verbal.

Figura 4.1 | Representação da linguagem verbal e da não verbal

Fonte: <https://blog1c.files.wordpress.com/2007/05/charges_09.jpg>. Acesso em: 18 nov. 2016.

As características da linguagem verbal falada e da linguagem escrita estão


apresentadas no Quadro 4.1:
Quadro 4.1 | Características da linguagem verbal oral e da linguagem escrita

Linguagem Oral Linguagem Escrita


Maior número de repetições. Menor número de repetições.
Períodos de conversas mais Períodos de conversas menos
frequentes. frequentes.

174 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

Transitoriedade. Registro permanente.


Organização mental Organização mental
espontânea. elaborada.
Revisão imediata. Revisões não imediatas.
Uma edição do ato da fala. Várias edições do escrito.
A formação do sentido apoia- A formação do sentido é de
se no contexto interacional e ordem lógico-semântica.
situacional.
Menor densidade lexical. Maior seletividade lexical.
Maior número de processos Menor processo fonológico
fonológicos no nível no nível fonológico.
fonológico.
Fonte: adaptada de Mackay (2000, p. 15).

Quando nos referimos à linguagem não verbal, é possível afirmar que o corpo
também fala, mas na maioria das vezes é difícil compreender essa linguagem. Os
sinais enviados, como um olhar rápido ou demorado, um sorriso ou um movimento
provocante do corpo são “todos mensagens não verbais que podem ser enviadas
sozinhas ou com a mensagem verbal. A linguagem corporal é comandada por
impulsos nervosos, oriundos do nosso sistema de percepção, que muitas vezes
oferece estímulos inconscientes” (RIBEIRO, 2015, p. 1). Observe a seguir alguns
sinais corporais e seus significados:

• Movimentação rápida, andar • Braços cruzados no peito:


ereto: confiança. defensiva.

• Parar com as mãos na cintura: • Mãos nas maçãs do rosto:


incompreensão, agressividade. avaliação, pensamento.

• Sentar com pernas cruzadas • Coçar o nariz, tocar o nariz ao


e dar pequenos chutes no ar: falar: dúvida, mentira.
cansaço, aborrecimento.
• Sentar com as mãos para trás da
• Mãos fechadas atrás das costas: cabeça e de pernas cruzadas:
frustração, ódio. confiança, superioridade.

• Esfregar as mãos: antecipação, • Coçar a ponta do nariz, olhos


ansiedade. fechados: avaliação negativa.
(RIBEIRO, 2015, p. 1).

Comunicação e expressão na Engenharia 175


U4

Pesquise mais
Conheça mais sobre o significado da linguagem e a sua relação com
a cultura, lendo o artigo “Linguagem verbal e não verbal: o ensino de
Língua Portuguesa”:

CASTRO, I. L. Linguagem verbal e não verbal: o ensino de Língua


Portuguesa. Disponível em: <http://www.faculdadefar.edu.br/artigo-
cronica/detalhe/id/21>. Acesso em: 16 nov. 2016.
A linguagem pode ser classificada em língua culta e língua coloquial e é
importante não confundi-las, o que causaria prejuízos à comunicação escrita e
verbal. Durante a vida profissional, a linguagem culta deve ser utilizada, tanto na
oralidade quanto na escrita, assim como em: discursos, salas de aula, seminários,
exames e concursos públicos, reuniões de trabalho e entrevista de emprego,
em documentos oficiais, cartas, requerimentos. A linguagem informal, por sua
vez, pode ser empregada quando há familiaridade entre os interlocutores da
comunicação ou em situações descontraídas, em textos de celular, redes sociais,
conversas cotidianas.

A seguir são apresentados os elementos constituintes desses dois tipos de


linguagem, conforme Quadro 4.2:
Quadro 4.2 | Tipos de linguagem
Linguagem coloquial Linguagem culta

• Variante espontânea. • Usada em situações formais e em


documentos oficiais.
• Utilizada em relações informais.
• Maior preocupação com a
• Sem preocupações com as regras pronúncia das palavras.
da gramática normativa.
• Emprego da norma culta.
• Presença de coloquialismos
(expressões próprias da fala), • Ausência do uso de gírias.
tais como: pega leve, se toca, tá
rolando, etc. • Variante prestigiada (PAVAN, 2016).

• Uso de gírias, de formas reduzidas


ou contraídas (pra, cê, peraí etc.),
de “a gente” no lugar de nós.

• Uso frequente de palavras para


articular ideias (tipo assim, aí, então,
etc.).
Fonte: elaborada pela autora.

176 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

Exemplificando
Exemplo de linguagem formal: “Doutor Armando seguiu até a esquina
para encontrar o filho que chegava da escola, enquanto Maria, sua
esposa, preparava o almoço. Quando chegaram em casa, Armando
e seu filho encontraram Dona Maria na cozinha preparando uma das
receitas de família, o famoso bolo de fubá cremoso, a qual aprendera
com sua avó Carmela”.

Exemplo de linguagem informal: “O Dotor Armando foi até a esquina


esperá o filho que chegava da escola. Nisso, a Maria ficou em casa
preparando o almoço. Quando eles chegaram em casa, a Maria tava
na cozinha preparando a famosa receita da família boa pra caramba,
o bolo de fubá cremoso. Aquele que ela aprendeu cum a senhora
Carmela anos antes da gente se casá”.

Fonte: TODA MATÉRIA. Linguagem formal e informal. Disponível em:


<https://www.todamateria.com.br/linguagem-formal-e-informal/>.
Acesso em: 18 nov. 2016.

No processo de comunicação estão envolvidos seis elementos:

• “O emissor (remetente) - envia a mensagem.

• O receptor (destinatário) - recebe a mensagem.

• A mensagem - informação veiculada.

• O código - sistema de signos utilizados para codificar a mensagem.

• O contexto (referente) - aquilo a que a mensagem se refere.

• O contato (canal) - veículo, meio físico, utilizado para transmitir a mensagem.”


(GALLI, 2013, p. 1).

O mecanismo do processo de comunicação está representado na Figura 4.2,


na qual é possível observar que o emissor, quando transmite uma imagem ao
receptor, utiliza dois mecanismos: o canal de comunicação e um código.

Comunicação e expressão na Engenharia 177


U4

Figura 4.2 | Esquema representativo do processo de comunicação

Fonte: <https://sites.google.com/site/revolucaodosmeiosdecomunicacao/o-processo-de-comunicacao>. Acesso


em: 17 nov. 2016.

Os elementos que compõem a comunicação são:


• Codificar: transformar a intenção da comunicação ou elaborar um sistema
de sinais em um código conhecido.
• Descodificar: decifrar a mensagem, o que dependerá do repertório
(conjunto estruturado de informação) de cada pessoa.
• Feedback: é a informação que o emissor consegue obter e pela qual sabe
se a sua mensagem foi captada pelo receptor.
• Linguagem verbal: é aquela que se dá de forma oral ou escrita; oral
comunicação geralmente entre pessoas que estão próximas, e escrita para
comunicação a distância.
• Linguagem não verbal: é aquela em que não há uso de palavras para gerar
uma comunicação ou informação.

Reflita
“As dificuldades de comunicação ocorrem quando as palavras têm
graus distintos de abstração e variedade de sentido. O significado das
palavras não está nelas mesmas, mas nas pessoas (no repertório de
cada um e que lhe permite decifrar e interpretar as palavras)”. http://
www.sme.pmmc.com.br/arquivos/matrizes/matrizes_portugues/
anexos/texto-18.pdf Acesso em: 9 fev. 2017.

Meios de comunicação

A palavra “meios” pode ser definida como um agente de transmissão; assim, um

178 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

meio de transmissão ou comunicação é um agente neutro, porém o tipo do meio


determina a qualidade da informação transmitida.

Os livros ou a imprensa foram os primeiros meios de comunicação, contudo,


com o tempo, surgiram os meios de comunicação de longa distância. A telegrafia
foi o primeiro meio de comunicação moderno, surgindo posteriormente a
telefonia, o rádio, a televisão, a transmissão por cabo e satélite e finalmente a
internet (AMBROSI; PEUGEOT; PIMIENTA, 2005).

Há basicamente dois tipos de meios de comunicação: o pessoal e o social. Os


meios de comunicação pessoal são via correio, telefone, e-mail, fax. Os meios de
comunicação social são os que nos permitem comunicar com o exterior, como o
jornal, a televisão e a rádio.

Estamos vivendo a era da informação, em que há uma grande necessidade


de informação e relacionamento. Com o surgimento da internet, vieram as redes
sociais, que são compostas por pessoas ou organizações que se conectam devido
a um ou a vários tipos de relações e que partilham valores e objetivos comuns.
Assim, as redes sociais são meios de comunicação que conectam pessoas,
independentemente da localidade geográfica, o que trouxe uma revolução na
forma das relações sociais em todos os níveis (MIRANDA, 2016).

Os aplicativos para telefones celulares têm facilitado a comunicação entre


as pessoas de forma rápida e barata, além de propiciarem o desenvolvimento
de uma linguagem própria com o uso de figuras para expressar emoções. Há
controvérsias sobre o emprego desses aplicativos no ambiente profissional, porém
o e-mail, usado há 45 anos, se tornou a ferramenta de comunicação aplicada para
padronizar a comunicação nas organizações.

Assimile
A linguagem é um sistema de sinais, com o objetivo de comunicar ideias
ou sentimentos. Estes sinais são a junção entre a imagem, acústica ou
som e o conceito ou ideias. Eles podem ser gestuais, sonoros, gráficos,
dentre outros.

Sem medo de errar

Você foi convidado a dar um parecer técnico para uma cooperativa de reciclagem
de garrafas PET. Este documento deverá apresentar as vantagens e as desvantagens
do processo de reciclagem, além disso, será necessário realizar uma apresentação
audiovisual para a diretoria e cooperados.

Nesta seção, você, então, tem de fazer a primeira etapa do trabalho, definindo
o tipo de comunicação verbal e não verbal utilizadas, os meios de comunicação
escolhidos e o tipo de linguagem desenvolvida para esta tarefa.

Comunicação e expressão na Engenharia 179


U4

Resolução da situação-problema

Para realizar esta etapa, você deve fazer as seguintes considerações: o público-alvo
a que se destina o documento escrito do parecer técnico é diferente do que assistirá
à apresentação; no primeiro caso, apenas os diretores da cooperativa lerão e eles têm
uma formação acadêmica nível superior; na apresentação, além dos diretores haverá
os cooperados para assistir e estes têm ensino fundamental e ensino médio.

Quanto aos meios de divulgação, o parecer técnico será escrito no computador e


depois impresso. A apresentação audiovisual usará os recursos do PowerPoint, com
linguagem verbal e não verbal, apresentando os pontos importantes do parecer por
escrito e ilustrando a apresentação com figuras, fotos, tabelas e gráficos. A apresentação
com o uso do PowerPoint precisará de um retroprojetor, fornecido pela cooperativa,
assim como um microfone para a apresentação oral.

Dessa forma, a linguagem utilizada para a redação do parecer técnico deve ser a
linguagem técnica e formal. Empregue os termos técnicos, porém eles devem ser
explicados durante a apresentação oral por meio da linguagem informal, para que
assim os cooperados assimilem melhor as informações e sintam-se à vontade para
fazer perguntas.

Atenção
Lembre-se de empregar, na apresentação oral, uma linguagem
acessível aos cooperados que, em geral, não usam a linguagem formal
e nem os termos técnicos no dia a dia.

“As dificuldades de comunicação ocorrem quando as palavras têm


graus distintos de abstração e variedade de sentido. O significado das
palavras não está nelas mesmas, mas nas pessoas (no repertório de
cada um e que lhe permite decifrar e interpretar as palavras)” (Disponível
em: <http://www.sme.pmmc.com.br/arquivos/matrizes/matrizes_
portugues/anexos/texto-18.pdf>. Acesso em: 9 fev. 2017)

Avançando na prática

O treinamento da Dona Maria

Você foi convidado pela prefeitura da sua cidade a ajudar no treinamento das
merendeiras das escolas do município em relação aos cuidados de higiene no preparo
da merenda. Para tanto, foi solicitado que você escrevesse uma parte de uma cartilha
direcionada a este público referente à higiene no local de trabalho. A maioria das
merendeiras tem apenas o ensino fundamental e algumas não têm o curso completo.

180 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

Lembre-se

Na vida profissional do engenheiro, são usadas tanto a linguagem


verbal quanto a não verbal e muitas vezes elas são empregadas ao
mesmo tempo.

Resolução da situação-problema

Lembrando-se de suas aulas de Engenharia e profissão, realizadas durante a


graduação, você percebe que utilizar uma linguagem culta e técnica não atingirá
os objetivos do treinamento, assim como também não será possível elaborar a
cartilha apenas utilizando a linguagem verbal, sendo, então, necessária a aplicação
da linguagem não verbal para que o treinamento seja mais eficiente. Assim, você
elaborou a seguinte página da cartilha (Figura 4.3):

Figura 4.3 | Página da apostila sobre higiene no local de trabalho

Fonte: <http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/389979/Cartilha+Boas+Pr%C3%A1ticas+para+Servi%C3%A7o
s+de+Alimenta%C3%A7%C3%A3o/d8671f20-2dfc-4071-b516-d59598701af0>. Acesso em: 18 nov. 2016.

Comunicação e expressão na Engenharia 181


U4

Faça você mesmo


Identifique na sua faculdade as linguagens não verbais dos avisos de
segurança dos prédios.

Faça valer a pena

1. A linguagem é um sistema de sinais, com o objetivo de comunicar


ideias ou sentimentos. Estes sinais são a junção entre a imagem,
acústica ou som e o conceito ou ideias. Eles podem ser gestuais,
sonoros, gráficos, dentre outros e são percebidos pela visão, audição,
olfação, gustação e também pela somestesia (tato, propriocepção).
Em relação aos recursos que a linguagem não verbal usa, analise as
afirmativas:
I. Placas e figuras.
II. Escrita e fala.
III. Gestos, cores.
Agora, assinale a alternativa

a) I apenas.
b) II apenas.
c) III apenas.
d) I e III.
e) II e III.

2. “[...] os textos podem ser apresentados de várias formas, ou seja, ora


se aproximando do polo da fala (por exemplo: os bilhetes domésticos,
os bilhetes dos casais, cartas familiares e textos de humor), ora se
aproximando do polo da escrita (por exemplo: os discursos de posse
de cargo, as conferências, as entrevistas especializadas e propostas de
produtos de alta tecnologia por vendedores especialmente treinados)”
(MAC-KAY, 2000, p. 1). Analise as afirmativas a seguir e depois assinale
a alternativa correta em relação às linguagens verbal e não verbal:
I. Quando é empregada a linguagem verbal, não é possível utilizar a
não verbal.
II Quando é utilizada a linguagem não verbal, é possível utilizar a verbal.

182 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

III. As linguagens verbal e não verbal podem ser utilizadas


concomitantemente.
Assinale a alternativa correta em relação a linguagem verbal e não
verbal:
a) I apenas.
b) II apenas.
c) III apenas.
d) I e III.
e) II e III.

3. “Sem a linguagem, o pensamento seria uma névoa vaga e inexplorada.


Não haveria ideias preexistentes e nada poderia ser distinguido antes
do surgimento da linguagem” (SAUSSURE, 1966). Analise as afirmativas
e depois assinale a alternativa que se refere às características da
linguagem oral:
I. Caracteriza-se pela transitoriedade.
II. Caracteriza-se pela organização mental espontânea.
III. Caracteriza-se por várias revisões não imediatas.

a) I apenas.
b) II apenas.
c) III apenas.
d) I e III apenas.
e) I e II apenas.

Comunicação e expressão na Engenharia 183


U4

184 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

Seção 4.2

Importância da comunicação na prática da


Engenharia

Diálogo aberto

Bem-vindos a mais uma seção! Trabalharemos agora com a importância da


comunicação na Engenharia.

Todo engenheiro em algum momento da sua vida profissional terá subordinados


e precisará usar todas as formas de comunicação possíveis para que suas instruções
sejam seguidas, para elaborar treinamentos, realizar e preparar projetos.

Ter apenas competências técnicas não é suficiente para o sucesso profissional


do engenheiro, é preciso ter, ainda, uma boa comunicação. Para tanto, nesta seção,
trataremos da importância da comunicação na prática da Engenharia, abordando a
era da informação e do conhecimento, a comunicação nas empresas e a Engenharia
e a comunicação.

Dando continuidade ao parecer técnico da cooperativa de reciclagem de garrafas


PET, você deverá realizar nesta etapa um e-mail convidando os cooperados e a diretoria
para a reunião para apresentação do parecer técnico. Neste e-mail deve constar título
da mensagem e seu conteúdo.

Bons estudos!

Não pode faltar

A era da informação e do conhecimento

Usa-se o termo “era” para descrever a história da humanidade e suas etapas


de desenvolvimento. Hoje estamos na era da informação, em que a informação
e o conhecimento são fundamentais para a produção de bens de consumo e
para a qualidade de vida (MATTELART, 2001). Os três séculos passados foram
determinados cada um por uma única tecnologia. O século XVIII foi o da era da
Revolução Industrial, caracterizada por equipamentos e máquinas mecânicas. O
século XIX foi a era da máquina a vapor. O século XX é caracterizado pela era

Comunicação e expressão na Engenharia 185


U4

da informação e pelos avanços na área de computação e telecomunicações


(SILVA FILHO, 2001). Na Figura 4.4, a seguir, está representada a evolução do
conhecimento e da tecnologia.
Figura 4.4| Evolução do conhecimento do homem

Fonte: http://www.istockphoto.com/br/vetor/evolu%C3%A7%C3%A3o-no-local-de-trabalho-gm164453987-
19747951?st=_p_evoluo>. Acesso em: 25 nov. 2016.

“A revolução da informação se caracteriza pelo rápido avanço das tecnologias da


informática e das telecomunicações e tem proporcionado mudanças consideráveis
na forma de armazenar, processar e recuperar informações” (MÜLLER, 2013, [s.p.]). Em
função da revolução da informação, o mundo hoje é globalizado e interdependente
e a quantidade de informação gerada é imensa, sendo o conhecimento o real valor
e o poder de pessoas e governos (MÜLLER, 2013).

Assimile
“A revolução da informação se caracteriza pelo rápido avanço das
tecnologias da informática e das telecomunicações e tem proporcionado
mudanças consideráveis na forma de armazenar, processar e recuperar
informações." (MÜLLER, 2013, [s.p.])

A comunicação nas empresas

A comunicação na Engenharia tem como objetivo informar através da linguagem


verbal e não verbal o conhecimento necessário para que as metas que interessam
ao grupo ou à empresa sejam atingidas. Porém, não basta passar o conhecimento,
é necessário garantir que a mensagem seja compreendida, para tanto é preciso
usar todos os meios para que não haja um mal-entendido e geração de boatos (na
Figura 4.5 há uma representação das consequências organizacionais de um boato).
Outro ponto importante que podemos destacar é que não adianta ter uma boa
comunicação e a mensagem ser compreendida se ela for inútil. A comunicação
serve para motivar as pessoas a realizar ações e atingir objetivos, portanto o seu
conteúdo deve ter uma finalidade bem definida. Ela serve também para convencer

186 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

as pessoas. Essa atividade consome muito o tempo de grupos e organizações,


pois a todo o momento estamos tentando convencer alguém sobre algo, seja
uma atividade, negócio ou um produto. Quanto melhor o argumento, maior será a
probabilidade de sucesso da comunicação (D’SOUZA, 1996).
Figura 4.5| Consequências do boato

Fonte: <http://kellipsico.blogspot.com.br/2010/06/comunicacao-interna-na-empresa-e-suas.html>. Acesso em: 25


nov. 2016.

O processo de comunicação é passível de complicações, pois cada pessoa tem


o seu próprio sistema cognitivo, possui percepções e personalidade singulares que
influenciarão na interpretação das informações. Dentro das empresas, os problemas
na comunicação refletem o contexto social marcado pela rapidez, a ansiedade e
impulsividade devido à alta exigência (CABRAL, 2004).

Nas empresas, um dos maiores problemas é a falha na comunicação entre os


seus representantes e os funcionários. Quanto maior for o acesso às informações
dos processos da empresa, menores são as possibilidades de boatos. Eles podem
prejudicar os resultados de produção e criar um clima institucional de insegurança,
deixando os funcionários abalados emocionalmente, por pensar em situações que
na realidade não existem.

Dentre as principais causas de falhas na comunicação em empresas, estão:

• Atuação deficiente das lideranças por não compreender os indivíduos.

• A falta de feedback sobre os trabalhos desenvolvidos.

• A não aceitação das ideias de melhorias das pessoas com quem trabalham.

Comunicação e expressão na Engenharia 187


U4

• Preconceito e intolerância aos erros dos colegas de trabalho.

• Orgulho e falta de humildade para as ideias alheias (PROCHNOW; LEITE;


PILATTI, 2005).

Como consequências de uma má comunicação, é possível observar:

• Interferência no andamento dos processos dentro das empresas.

• Prejuízos financeiros.

• Perda de mão de obra qualificada.

• Perda de qualidade de produtos.

• Perda da competitividade.

Pesquise mais
Conheça mais sobre a importância da comunicação na Engenharia,
lendo o artigo a seguir:

BUENO, M. O.; BILESKY, L. R. A importância da comunicação na


Engenharia. Disponível em: <http://fait.revista.inf.br/imagens_arquivos/
arquivos_destaque/vFJRhvQuFmilfjP_2014-4-22-20-8-33.pdf>. Acesso
em: 25 nov. 2016.

A Engenharia e a comunicação

Na Engenharia, é responsabilidade do engenheiro saber qual é o melhor meio de


comunicação para seu público-alvo, seja a escrita, a fala, gráficos, projetos, plantas,
painéis, palestras ou apresentações (MÜLLER, 2013, [s.p.]).

O sucesso dos engenheiros depende da boa comunicação, de que as


informações, técnicas ou não, sejam assimiladas. Exige-se do engenheiro o emprego
das práticas da comunicação visual e técnica, pois a comunicação é uma ferramenta
fundamental para a disseminação dos conceitos e descobertas no campo da
Engenharia, possibilitando que eles sejam usados e desenvolvidos (SCHMID, 2007,
p. 1).

Pode parecer fácil realizar uma comunicação, transmitir uma mensagem com
clareza e receber uma resposta, com o objetivo de compreender a informação pelas
partes envolvidas, porém nem sempre isso ocorre de forma eficiente. Vários fatores
interferem no processo de comunicação, podendo ocorrer uma falha no processo
de emissão e de compreensão da mensagem (PMKB, 2016).

188 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

Não é mais suficiente para um engenheiro conhecer fórmulas, conceitos e


realizar cálculos, nem saber profundamente os procedimentos técnicos pertinentes
à profissão. É necessário, além de saber usar seus conhecimentos, raciocínio e sua
capacidade de pesquisar, ter uma boa capacidade de expressão, comunicando
claramente suas ideias e trabalhos (LUIZ, 2012).

Exemplificando
“[...] Quando a comunicação é ineficaz, problemas acontecem. É
o caso de uma grande indústria paulista, Jofel do Brasil Indústria e
Comércio Ltda. Seu departamento de marketing correu contra o tempo
para preparar o lançamento de uma novidade na data determinada.
Faltavam poucos dias quando se descobriu que estava tudo pronto,
menos o produto. A área de marketing não havia sido avisada que
componentes da embalagem do produto, importados, estavam retidos
na alfândega. A empresa teve de adiar o evento e as campanhas de
divulgação. Desperdiçou tempo, dinheiro e ainda sofreu arranhões em
sua imagem com fornecedores e clientes [...]” (ANTONIO, 2011, p. 1)

Os principais meios de comunicação em uma empresa são orais e visuais: reuniões,


entrevistas, relação direta, rádios, alto-falantes, telefones, semáforos, indicadores por
números, informação anual, jornal da empresa, cartas diretas ao pessoal, manual de
recepção, circulares, panfletos, boletins, murais, etc. Além desses meios, a comunicação
via e-mail, intranet e extranet tem sido a mais utilizada.

Na intranet, as informações dos diversos departamentos são repassadas aos


colaboradores e os processos administrativos são realizados, propiciando maior rapidez
nas ações do dia a dia da empresa. Melhorando essa comunicação, ela poderá ser
expandida para fornecedores, criando uma extranet.

A extranet garante que a comunicação entre a empresa e o mundo exterior seja


segura e ocorra em tempo real. Os acessos através dela podem ser diferenciados para
diversos agentes, como fornecedores, funcionários ou vendedores (que passam a maior
parte do tempo fora da empresa).

O engenheiro e a comunicação

A forma mais usada nas empresas para a comunicação é o e-mail, devido à sua
facilidade de acesso através de smartphones e tablets, imediatamente após o envio da
mensagem e em qualquer lugar. O engenheiro usa dessa forma de comunicação o
tempo todo e em diversas atividades, portanto é importante saber como empregar essa
ferramenta de forma coerente e elegante.

Comunicação e expressão na Engenharia 189


U4

Algumas dicas importantes sobre o que fazer ou não fazer no uso do e-mail:

• Endereço de e-mail profissional: tenha um e-mail exclusivo para usar na empresa,


um endereço corporativo, não trate de assuntos empresariais com o endereço
de e-mail pessoal. Ele deve ser escolhido de tal forma que mostre quem você é
e que fique claro para o destinatário quem está enviando a mensagem. Não use
apelidos ou nomes engraçados, tais como “xuxuzinho@...” ou badboy41@... ouu
“gatinha@ ...”.

• Assunto da mensagem: as pessoas abrem ou não as mensagens recebidas de


acordo com o assunto. Seja objetivo ao escrevê-lo, como: “Data da assembleia
mudou” ou “Sugestões para o projeto X”. Não use “Oi” ou o nome da empresa.

• Copiar todos e responder a todos: estes recursos precisam ser bem utilizados.
Copie todos os envolvidos no assunto a ser tratado, pois o e-mail é uma prova de
que os membros foram informados. Cuidado antes de responder a todos, pois
nem todos os que receberam a mesma mensagem que você precisam saber a
sua resposta. Cuidado se você pretende responder algo particular só para uma
pessoa do grupo para não clicar acidentalmente no “Responder a todos”.

• Conteúdo da mensagem: use um e-mail para cada assunto, evitando tratar de


vários assuntos em uma mensagem só. Não escreva mensagens longas, seja
objetivo se o assunto for extenso, use blocos para separar.

• Confirmação de recebimento: garanta que as pessoas receberam a mensagem


solicitando confirmação de recebimento do e-mail, pois 35% das mensagens
não chegam aos usuários de e-mail.

• Estilo: na dúvida do estilo que deve usar para escrever, use a linguagem culta e
técnica para os assuntos corporativos. Algumas empresas são menos formais e
uma abordagem mais informal pode ser utilizada, mas cuidado com o excesso
de humor, que pode ser mal interpretado. Não use letra em caixa alta, isto significa
que você está “gritando”. Evite pontos de exclamação em excesso e reticências.
As abreviações podem ser interessantes em aplicativos de bate-papo, mas não
devem ser usadas em e-mail corporativos.

• Abreviações utilizadas: PSC - Para Seu Conhecimento, pode ser substituída por
PSI (Para Sua Informação), em inglês, usa-se FYI (For Your Information); ASAP - As
Soon As Possible – é o mesmo que urgente; Atte: Atenciosamente (não use att,
pois significa at this time).

• Assinatura do e-mail: seu e-mail deve ter uma assinatura automática, contendo:
nome completo, cargo, telefone fixo com ramal, celular, skype e/ou MSN, site.
Opcional: redes sociais (OGLOBO, 2014; MARKETINGDROPS, 2012).

Responda sempre seus e-mails!

190 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

Reflita
“[...] Mas como a comunicação vem afetando ou constituindo a nova
ordem mundial? Ao longo dos últimos anos, temos assistido a uma
enorme revolução relacionada aos impactos e desdobramentos das
novas tecnologias de informação e comunicação (NTIC), que vêm
alterando as formas de organização social e econômica, as formas
de produção, de trabalho e de consumo, bem como colocando a
comunicação num lugar estratégico. Em outras palavras, o processo
de valorização da informação tem

forte impacto na maneira de a sociedade se organizar e produzir.


Vivemos em uma sociedade que, crescentemente, se organiza em
rede e na qual o conhecimento e a informação desempenham um
papel estratégico, sendo chave para a produção constante de inovação,
condição básica para o sucesso das organizações. Essas mudanças
estão agilizando os processos de produção e consumo, enquanto
ocorre uma convergência de base tecnológica que vem permitindo
trabalhar com a informação, em alta velocidade, sobre uma base única
e digital [...]." (PEREIRA; HERSCHMANN, 2002, p. 32).

Sem medo de errar

Dando continuidade ao parecer técnico da cooperativa de reciclagem de garrafas


PET, você deverá realizar nesta etapa um e-mail convidando os cooperados e a diretoria
para a reunião de apresentação do parecer técnico. Neste e-mail, deve constar título
da mensagem e seu conteúdo.

Atenção
As pessoas abrem ou não as mensagens recebidas de acordo com o
assunto. Seja objetivo ao escrevê-lo.

Resolução da situação-problema

Um exemplo de e-mail:

Assunto: Reunião de apresentação do parecer técnico

Mensagem:

Caros diretores e cooperados,

Comunicação e expressão na Engenharia 191


U4

A reunião para apresentação do parecer técnico da avaliação do processo de


reciclagem de garrafas PET será realizada no dia 30 de janeiro de 2017, no auditório
da cooperativa, às 15h.

Por favor, confirmem o recebimento desta mensagem.

Atenciosamente,

Antônio Silva

Eng. de Produção

Telefone: +5511 2400000/ celular: +55 11 99100000

Qualipro Consultorias Ltda.

www.qualipro.com.br

Avançando na prática

O boato

Você trabalha em uma empresa como engenheiro e é responsável pela produção


de vassouras feitas a partir de garrafas PET. A crise financeira que se instalou no país
causou a demissão de muitos trabalhadores das organizações próximas à sua, gerando
insegurança entre seus subordinados.

Seu Zé, que trabalha na empresa há 10 anos, estava preocupado e conversando


com um colega, então afirmou que o RH o tinha chamado para conversar dali a dois
dias. O Carlão, que ouviu a conversa pela metade, saiu falando para o pessoal que o
seu Zé tinha sido demitido e que ia embora dali a dois dias. Assim, todos os funcionários
começaram a reduzir sua produção, pois parte do tempo falavam de boatos sobre a
demissão do Zé e, preocupados com quem seria o próximo, ficaram desanimados,
diminuindo, assim, o ritmo de trabalho.

Você, observando o que estava acontecendo, chegou à conclusão de que deveria


tomar alguma providência para eliminar os boatos, para que a produção voltasse ao
ritmo normal. No entanto, o que você poderia fazer?

Lembre-se

Nas empresas, um dos maiores problemas é a falha na comunicação


entre os seus representantes e os funcionários. Quanto maior for o
acesso às informações dos processos da empresa, menores são as
possibilidades de boatos. Eles podem prejudicar os resultados de

192 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

produção e criar um clima institucional de insegurança, deixando as


pessoas abaladas emocionalmente, por pensar em situações que na
realidade não existem.

Resolução da situação-problema

Após pensar sobre o assunto, você resolveu marcar uma reunião com o pessoal dos
Recursos Humanos para encontrar uma forma de acabar com os boatos. Conversando
com eles, você descobriu que o seu Zé, dentro de dois dias, seria homenageado por
seus 10 anos de empresa por sua dedicação e por nunca ter faltado ao trabalho.

Assim, você convocou uma reunião com os colaboradores da empresa no dia


da folga do seu Zé e explicou que a empresa, apesar da crise, não demitiria ninguém
da produção e que o Zé não seria demitido, mas, sim, homenageado. Todos ficaram
aliviados e contentes, discutindo como seria a homenagem, que ocorreu no dia
marcado, levando seu Zé às lágrimas de emoção.

Faça você mesmo


Elabore um e-mail de convocação dos funcionários da empresa de
produção de vassouras para a homenagem do seu Zé.

Faça valer a pena

1. “[...] Com a rapidez na transferência de informações e tecnologias,


a competência técnica dos funcionários possui um grande peso para
a competitividade das empresas. É possível verificar em alguns grupos
de trabalho que as pessoas sozinhas possuem inteligência e bagagem
técnica para solucionar problemas. No entanto, quando atuam em
grupo, muitas vezes ocorre a falta de sinergia, podendo ter divergências
de opiniões sem que haja um consenso comum, ocasionando atrasos
na obtenção dos resultados [...]”. (PROCHNOW; LEITE; PILATTI, 2005,
p. 1) Avalie as afirmações a seguir:
I. A comunicação é essencial para o sucesso dos projetos de Engenharia.
II. A falta de habilidade em trabalhar em grupo causa atrasos nos
projetos.
III. A comunicação não interfere nos resultados dos projetos.

Comunicação e expressão na Engenharia 193


U4

a) I apenas.
b) II apenas.
c) III apenas.
d) I e II apenas.
e) II e III apenas.

2. "A revolução da informação se caracteriza pelo rápido avanço


das tecnologias da informática e das telecomunicações e tem
proporcionado mudanças consideráveis na forma de armazenar,
processar e recuperar informações.” (MÜLLER, 2013, [s.p.])
Avalie as afirmações a seguir:
I. A comunicação no século XXI é mais eficiente que nos séculos
anteriores.
II. O excesso de informações atrapalha os processos de comunicação.
III. Administrar o excesso de informações é fundamental à boa
comunicação.
Assinale a alternativa que contém as afirmações corretas:

a) I apenas.
b) II apenas.
c) III apenas.
d) I e III apenas.
e) II e III apenas.

3. Nas empresas, um dos maiores problemas é a falha na comunicação


entre os seus representantes e os funcionários. Quanto maior for o
acesso às informações dos processos da empresa, menores são as
possibilidades de boatos que podem prejudicar os resultados de
produção e criar um clima institucional de insegurança, deixando as
pessoas abaladas emocionalmente, por pensar em situações que na
realidade não existem.
Avalie as afirmações a seguir em relação às causas da má comunicação:
I. As lideranças podem comprometer o processo de comunicação.
II. Aceitar as ideias de melhoria dos colegas pode comprometer a
comunicação.

194 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

III. O feedback não é importante para os trabalhos desenvolvidos.


Assinale a alternativa com as afirmações corretas:

a) I apenas
b) II apenas
c) III apenas
d) I e III apenas
e) II e III apenas

Comunicação e expressão na Engenharia 195


U4

196 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

Seção 4.3

Principais tipos de redação na Engenharia: laudos,


pareceres, relatórios técnicos

Diálogo aberto

Bem-vindo a mais uma seção do livro Engenharia e profissão!

Nesta seção, abordaremos os documentos que o engenheiro precisa elaborar


durante sua vida profissional. Em muitas situações que você encontrará em sua vida
profissional, será necessário relatar os fatos ocorridos, fazer avaliações, vistorias, laudos
e pareceres técnicos, por isso agora você aprenderá a elaborar esses documentos,
que fazem parte das atribuições dos engenheiros.

Para colocar em prática esses conhecimentos, você deverá escrever o parecer


técnico para uma cooperativa de reciclagem de garrafas PET. Esse documento será
elaborado a partir de um laudo técnico, então deverá apresentar as vantagens e as
desvantagens do processo de reciclagem, com uma conclusão que recomende, ou
não, esse processo. Com o laudo técnico, é apresentada uma revisão bibliográfica
com dados sobre as garrafas PET e sua reciclagem, no artigo a seguir:

PETRY, J. Estudo de caso: responsabilidade ambiental: reciclagem e reutilização


de garrafas PET. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, v. 6, n. 3, p. 72, 86 Tri lll.
2012. Disponível em: <http://rica.unibes.com.br/index.php/rica/article/view/529/407>.
Acesso em: 10 dez. 2016.

Bons estudos!

Não pode faltar

Na Resolução nº 218, de 29 junho de 1973, que discrimina atividades das diferentes


modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Em seu art. 1º, é
descrito, na atividade 6, que vistoria, perícia, avaliação, arbitramento, laudo e parecer
técnico são atribuições dos engenheiros.
O engenheiro, durante sua vida profissional, encontrará situações em que realizará
estas atividades, portanto precisa estar preparado para tal. Desse modo, conheceremos
agora um pouco mais de cada um destes documentos.

Comunicação e expressão na Engenharia 197


U4

Laudos

O laudo é uma peça, documento escrito e fundamentado, em que os peritos


expõem as observações e os estudos que fizeram e consignam as conclusões da
perícia. No entanto, o que é perícia? O que é um perito?

Perícia é um exame ou vistoria de caráter técnico e especializado e perito é o


profissional experiente e conhecedor do tema a ser avaliado, hábil, prático, versado
e habilitado para fazer perícias, e pode ser nomeado judicialmente para exame ou
vistoria.

Assim, é possível afirmar que o laudo é um documento que apresenta as


impressões captadas pelo perito, após a avaliação, perícia, de uma determinada
situação (ESPINDULA, 2008).

Durante a trajetória profissional do engenheiro, ele atuará como perito e


elaborará laudos técnicos na sua área de atuação. Como exemplos de laudos,
pode-se citar:

• Laudo técnico de vistoria predial.

• Laudo ergonômico.

• Laudo elétrico.

• Laudo de caldeiras e vasos de pressão.

Um engenheiro pode ser convidado a atuar também na Engenharia Legal,


definida como “o ramo de especialização da engenharia dos profissionais
registrados no CREA, que atuam na interface direito-engenharia, colaborando com
juízes, advogados e as partes, para esclarecer aspectos técnico-legais envolvidos
em demandas” (PERFECTUM, 2016, p. 1).

Pesquise mais
Conheça mais sobre o perito judicial acessando o artigo:

PERFECTUM. Serviços de engenharia legal: laudo pericial ou parecer


técnico de engenharia. Disponível em: <http://www.perfectvm.com.br/
laudo-pericial.html>. Acesso em: 9 dez. 2016.
O engenheiro pode atuar, assim, como perito judicial (ou perito do juízo), pois
tendo o registro no CREA, é capaz de realizar as perícias e elaborar os laudos. O
profissional da área da engenharia também pode atuar como assistente técnico,
profissional com registro no CREA que pode ser indicado e contratado pela parte
acionada judicialmente para orientar, dar assistência aos trabalhos periciais em
todas as suas fases da perícia e, quando necessário, emitir seu parecer técnico.
Veja a seguir um exemplo de laudo técnico.

198 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

ESTADO DE RONDÔNIA
SECRETARIA DA SEGURANÇA, DEFESA E CIDADANIA
CORPO DE BOMBEIROS MILITAR
DIRETORIA DE SERVIÇOS TÉCNICOS
LD VT n° 007/2009
LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA
1. Solicitante: Ederienya Cardoso
2. Local: FÓRUM CÍVEL
3. Endereço: Av. Nações Unidas, 271 – Bairro: N. S. das Graças – Porto Velho/RO
4. Classificação: Uso Institucional (Inciso II, art. 77 do Decreto n° 8987 de 08/02/2000)
5. Acompanhante: Lívia Maria Palácio Ribeiro
6. RG: 653006 SSP/RO
7. Função: Enga. Civil do Tribunal de Justiça de RO
8. Fone: 3217- 1371
9. Data/Equipe:
Ao décimo nono dia do mês de janeiro do ano de dois e nove, uma equipe de vistoriantes da
Diretoria de Serviços Técnicos – DSTéc/CBMRO – composta pelos Bombeiros Militares SGT BM RE
096-9 Antônio Manoel de Oliveira Filho, BM 350-7 Francisco Kleber Pimenta Aguiar e o Eng. Carlos
Rener da Silva, esteve “in loco” vistoriando o local e observando o que segue:
10. Da Vistoria Técnica:
10.1. Local:
a) O local vistoriado refere-se a uma edificação em concreto armado de 4 pavimentos, forro de
gesso, piso em cerâmica.
10.2. Ocorrência:
a) A referida vistoria deu-se por consequência de um relato de tremor (prolongado) ocorrido na
estrutura da edificação, onde, na realização da vistoria do prédio não foi constatado nenhum indício que
viesse a comprometer a estrutura da referida edificação. Em contato feito com os comerciantes próximos
ao referido Fórum, constatou-se que o tremor foi percebido por eles também. Na Av. Brasília, entre Nações
Unidas e Sete Setembro, detectou-se a ocorrência de um trabalho de compactação e recapeamento da
via pública, no mesmo horário da ocorrência dos tremores, com a utilização de máquinas do tipo rolo
compressor, o que resultou nos tremores sentidos pelas edificações nas áreas próximas.
11. Conclusão:
Conforme vistoria realizada, não foi encontrado nenhum risco que comprometesse a estrutura do
prédio, bem como seu funcionamento. Tudo de acordo com a Lei n° 858 de 16 de dezembro de 1999,
regulamentada pelo Decreto n° 8.987 de 8 de fevereiro de 2000.

Porto Velho, 20 de janeiro de 2009.

Carlos Rener da Silva – Eng. Civil Antônio Manoel de Oliveira Filho


Assessor Técnico/CBMRO 1º SGT BM RE 096-9/CBMRO

Fonte: adaptado de <http://image.slidesharecdn.com/laudoeparecer-091009040247-phpapp01/95/laudo-e-


parecer-tcnico-8-1024.jpg?cb=1255061274>. Acesso em: 9 dez. 2016.

Comunicação e expressão na Engenharia 199


U4

Parecer Técnico

O parecer técnico é um termo jurídico que significa opinião manifestada por


jurisconsulto sobre uma questão jurídica a respeito da qual existe uma dúvida,
podendo também ser definido como:

É a resposta a uma consulta feita por interessado sobre fatos


referentes a uma questão a ser esclarecida. Pode tratar-se de
um exame propriamente dito ou de uma opinião a respeito do
valor científico de um trabalho anteriormente produzido, quer
seja por peritos oficiais, ou não; assim sendo, é um documento
particular que independe de qualquer compromisso legal e
que é aceito ou faz fé, pelo renome, competência e qualidade
morais de quem o subscreve. (ESPINDOLA, 2008, p. 2)

Assim, é a opinião técnica sobre determinado assunto, emitido a partir de um


laudo realizado. Segue um exemplo de parecer técnico.

Exemplificando

ESTADO DE SANTA CATARINA


SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO,
CIÊNCIA E TECNOLOGIA
DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, CONTROLE E
ARTICULAÇÃO
GERÊNCIA DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS
Rua Antônio Luz, 111, S/707, Centro, Florianópolis/
SC – (048) 221-6064
PARECER n° 04/05 Florianópolis, 2 de junho de 2005

A equipe do Instituto 3P – Planejamento Público Privado – Assessoria


e Consultoria solicitou pelo Ofício n° 056/05 e apresentou no dia 24
de maio do ano vigente o projeto de consultoria para Formação de
Sistema Único de Educação. A apresentação foi acompanhada pelo
Professor Wilson Schimidt, atual consultor da SED, para o Regime
de Colaboração entre o Estado e Municípios e pelas diretorias que
integram a comissão interna da Diretoria de Educação Básica, Diretoria
de Recursos Humanos, Diretoria de Assistência ao Estudante e Diretoria
de Planejamento.

Analisando o projeto, constatou-se que a diretoria está alicerçada na


mobilização para que as redes estadual e municipal otimizem recursos,

200 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

universalizem o acesso no sentido de qualificar a educação básica no


Estado de Santa Catarina.

Esta proposta será feita por meio de processos de formação


continuada com educadores e gestores das duas redes de ensino, a
ser desenvolvida por três etapas, com consultorias multidisciplinares
permanentes e rotativas com aproximadamente 120 horas ao custo
de R$ 50,00 a hora. O processo pedagógico como pilar do programa
otimiza a Proposta Curricular de Santa Catarina como diretriz do
processo de ensino e aprendizagem.

Assim, a perspectiva é formar uma nova cultura da região amparada por


marcos legais já existentes e propondo novas legislações que assegure
as questões de valorização dos recursos humanos, além do controle à
qualidade pleiteada do nosso sistema.

A equipe da SED entende que a proposta apresentada vai ao encontro


do projeto de Cooperação Técnica apresentado pelo Governo do
Estado à Agência Brasileira de Cooperação, a ser executado no âmbito
do Programa de Cooperação Técnica Brasileira (PNDU).

Recomendamos que o Instituto 3P apresente sua proposta ao PNUD


para a possível incorporação às ações que este programa pretende
desenvolver para a consolidação da Política Regionalizada de Educação
de Santa Catarina com foco na inclusão social.

Nader Xavier da Silva


Gerente de Políticas Educacionais
Fonte: adaptado de <http://image.slidesharecdn.com/laudoeparecer-091009040247-
phpapp01/95/laudo-e-parecer-tcnico-4-1024.jpg?cb=1255061274>. Acesso em: 9 dez. 2016.

Veja as diferenças entre laudo e parecer:

LAUDO PARECER

• É feito pelo técnico especializado • É a conclusão dada pelo


no assunto. profissional de caráter consultivo.

• O técnico especialista descreve • É a opinião de outro profissional.


os fatos.
• É subjetivo e é baseado no laudo.
• É objetivo.

Comunicação e expressão na Engenharia 201


U4

Assimile
O parecer técnico é um termo jurídico que significa opinião manifestada
por jurisconsulto sobre uma questão jurídica a respeito da qual existe uma
dúvida.

Relatório Técnico

Outro documento muito presente na Engenharia é o relatório técnico. Ele


traz uma descrição minuciosa de fatos, testes e experiências e é o resultado de
algum exame ou ação específica que tenham sido realizados por uma pessoa que
detenha conhecimento técnico-especializado e prático.

O relatório técnico é apenas um relato da ação (do exame) desenvolvida, com


o respectivo resultado, se for o caso, sendo diferente do parecer técnico, pois não
consta a opinião do autor.

Ele consta de itens específicos como título, objetivo, introdução, material e


métodos, resultados e discussão, conclusão, apêndices e anexos (MARCONI;
LAKATOS, 2003).

Arbitramento, vistoria, avaliação

Arbitramento, vistoria, avaliação são também documentos elaborados pelos


engenheiros e no art. 1° da Resolução n° 345, de 27 de julho de 1990, é apresentada
a definição destes termos:

[...] a) VISTORIA é a constatação de um fato, mediante exame


circunstanciado e descrição minuciosa dos elementos que o
constituem, sem a indagação das causas que o motivaram.

b) ARBITRAMENTO é a atividade que envolve a tomada


de decisão ou posição entre alternativas tecnicamente
controversas ou que decorrem de aspectos subjetivos.

c) AVALIAÇÃO é a atividade que envolve a determinação técnica


do valor qualitativo ou monetário de um bem, de um direito ou
de um empreendimento [...]. (BRASIL, 1990, p. 1)

Um exemplo de vistoria é aquela realizada antes da instalação de uma indústria


quando é preciso fazer uma análise de riscos ambientais envolvidos, além de
descrição da situação encontrada, fotos e provas do ocorrido.

202 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

Em relação ao arbitramento, podemos dar como exemplo o caso em que em


uma obra civil vários engenheiros têm opiniões diferentes e controversas de como
resolver o problema, então um engenheiro especialista é contratado para escolher
qual é a melhor solução.

Para exemplificar avaliação, temos esta situação: suponha que haja uma licitação
pública por suspeita de superfaturamento. A prefeitura ou a polícia pode contratar
um engenheiro para fazer os cálculos sobre o valor total da obra/processo, seja da
área de Engenharia Civil, Elétrica, Mecânica, dentre outras.

O engenheiro também realiza consultoria, uma prestação de serviços às


empresas e às pessoas físicas, para elaborar um projeto, realizar uma obra, resolver
um problema técnico, fazer avaliações, laudos, perícias e demais atividades. A
consultoria pode ser interna ou externa. A interna é feita por um funcionário da
empresa e a externa é por um autônomo ou uma companhia que presta esse tipo
de serviço. Na Figura 4.6 estão apresentadas as características das consultorias
interna e externa.
Figura 4.6 | Características das consultorias interna e externa

Fonte: adaptada de <http://www.portal-administracao.com/2015/01/consultoria-empresarial-conceito-e-etapas.


html>. Acesso em: 10 dez. 2016.

Para prestar consultoria, é preciso ser um profissional com muita experiência na


área de que trata o trabalho; recém-formados não têm experiência suficiente para
ser consultores, apesar de estarem habilitados para tal.

Comunicação e expressão na Engenharia 203


U4

Reflita
Quais são as vantagens e desvantagens das consultorias interna e externa?

A linguagem da documentação

O engenheiro deve escrever de forma clara, objetiva e em linguagem técnica,


aquela em que os termos podem ser definidos de forma universal, usando-se a
terminologia específica de cada área de acordo com as normas técnicas.

A redação dos textos deve ser feita na terceira pessoa, por exemplo: “O presente
trabalho apresenta...”, “O presente estudo aborda...”. O engenheiro precisa saber
usar a linguagem objetiva, precisa, isenta de qualquer ambiguidade. Qualquer
documento técnico deve ser informativo, claro e concreto. O engenheiro deve ser
ético, imparcial e não ter conflito de interesses nos trabalhos técnicos que realiza.

Sem medo de errar

Vamos fazer o parecer técnico?

Nesta etapa, você fará a parte escrita do parecer técnico para uma cooperativa
de reciclagem de garrafas PET. O parecer técnico será realizado a partir de um laudo
técnico, apresentando as vantagens e as desvantagens do processo de reciclagem e
também a conclusão recomendando, ou não, esse processo.

Com o laudo técnico, é apresentada uma revisão bibliográfica com dados sobre as
garrafas PET e sua reciclagem, no artigo a seguir:

PETRY, J. Estudo de caso: responsabilidade ambiental: reciclagem e reutilização


de garrafas PET. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, v. 6, n. 3, p. 72, 86 Tri lll.
2012. Disponível em: <http://rica.unibes.com.br/index.php/rica/article/view/529/407>.
Acesso em: 7 fev. 2017.

Leia este artigo e prepare o seu parecer técnico com as vantagens e as desvantagens,
concluindo se vale ou não a pena investir na reciclagem de garrafas PET.

Atenção
Não confunda laudo com parecer. O parecer é a conclusão dada pelo
profissional de caráter consultivo, além de ser subjetivo, de envolver
opinião e de ser baseado no laudo.

204 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

Avançando na prática

A caixa-d'água amassada

Você foi convidado pela prefeitura para vistoriar uma caixa-d'água em construção
na sua cidade, amassada pelo vento, e relatar as condições em que ela se encontra.
Ao chegar à obra, você encontra a situação mostrada na Figura 4.7:

Figura 4.7 | Caixa-d'água danificada

Fonte: <http://g1.globo.com/sp/piracicaba-regiao/noticia/2015/02/vento-forte-dobra-caixa-dagua-em-obras-
em-bairro-de-sao-pedro-sp.html>. Acesso em: 10 nov. 2016.

Lembre-se

A vistoria é a constatação de um fato, mediante exame circunstanciado


e descrição minuciosa dos elementos que o constituem, sem a
indagação das causas que o motivaram.

Resolução da situação-problema

Após a vistoria, observou-se que:

• A caixa-d'água está danificada no seu lado norte com uma dobra que se inicia
no topo em forma de V, chegando até a metade de sua altura.

• A junção das placas que a constituem apresenta pontos de ferrugem.

• O restante da estrutura está intacta.

Comunicação e expressão na Engenharia 205


U4

Faça você mesmo


Como você faria o parecer técnico desta caixa-d'água?

Faça valer a pena

1. De acordo com norma n° 14.653 da ABNT, a Engenharia de avaliações


é o “conjunto de conhecimentos técnico-científicos especializados,
aplicados à avaliação de bens”.
Analise as afirmações a seguir e assinale a alternativa correta:
I. A avaliação é arquitetônica.
II. A avaliação realizada nos bens é monetária.
III. A avaliação realizada é qualitativa.

a) I apenas. d) I e II apenas.
b) II apenas. e) II e III apenas.
c) III apenas.

2. Analise as afirmações a seguir e assinale a alternativa com afirmação


correta:
I. A perícia pode ser realizada por um profissional inexperiente.
II. Não é necessária qualificação profissional para realizar uma perícia.
III. A perícia é realizada por um perito experiente e conhecedor do tema.

a) I apenas. d) I e II apenas.
b) II apenas. a) II e III apenas.
c) III apenas.

3. "O perito em Engenharia investiga, analisa informações colhidas e


apresenta conclusões sobre as condições técnicas de um imóvel, de
uma máquina, ou de qualquer outro produto da engenharia”.
Avalie as afirmações abaixo e assinale a alternativa com as afirmações
corretas:
I. O laudo é um documento resultante da perícia.

206 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

II. O laudo deve ser objetivo e se ater aos fatos.


III. O laudo é subjetivo.

a) I apenas.
b) II apenas. d) I e II apenas.
c) III apenas. a) II e III apenas.

Comunicação e expressão na Engenharia 207


U4

208 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

Seção 4.4

Técnicas para apresentação oral e a sua


importância na Engenharia

Diálogo aberto

Bem-vindos à nossa última seção!

Em algum momento da vida acadêmica, todos precisaram fazer apresentação


de trabalhos para o professor e para os colegas de classe. É um instante de tensão,
ansiedade e muitos não conseguem falar em público, ficam paralisados e mudos. Isso
não pode acontecer na vida profissional do engenheiro, pois, em vários momentos da
carreira, esse profissional será chamado a realizar algum tipo de apresentação, seja em
um treinamento aos seus subordinados ou em um projeto ou, ainda, de resultados
alcançados no seu setor na empresa.

Nesta seção, trataremos da apresentação oral, na qual abordaremos técnicas de


apresentação oral e recursos audiovisuais. Para aplicar esses conhecimentos, daremos
continuidade ao parecer técnico da cooperativa de reciclagem de garrafas PET, sendo
que nesta última etapa você deverá criar a apresentação audiovisual do parecer técnico
baseada nas informações do parecer escrito.

Consultando as dicas de preparação de apresentação oral desta seção, você


precisa preparar uma apresentação de 30 minutos, usando o PowerPoint, com 40
slides de fundo claro, contendo:

• Apresentação com o título, seu nome e o logo da cooperativa.

• Objetivo da apresentação e os tópicos apresentados.

• Conclusão do parecer técnico.

• Encerramento com o agradecimento e espaço para questionamento dos


participantes.

Sugerimos que organize slides para cada tópico, com o título do assunto, mas sem
ultrapassar cinco linhas por slide. Além disso, é importante agregar figuras, tabelas e
gráficos para ilustração.

Boa apresentação!

Comunicação e expressão na Engenharia 209


U4

Não pode faltar

A comunicação oral
O engenheiro em sua vida profissional precisa comunicar-se bem, pois em algum
momento terá subordinados a quem deverá ministrar treinamentos, comunicar ordens
e gerenciar, além disso, fará apresentação de projetos, ministrará treinamentos, e se sua
comunicação oral não for boa, não terá sucesso em sua carreira, por mais que ele seja
competente.
“Para que haja comunicação, é preciso que o destinatário da informação a receba e a
compreenda. Comunicar significa tornar comum, a uma ou a mais pessoas, determinada
informação ou mensagem." (CHIAVENATO, 2005, p. 97)
Para que uma apresentação oral seja eficiente, a comunicação verbal e a não verbal
precisam estar em harmonia. Muitas são as interferências que ocorrem no processo de
comunicação, como os ruídos.
Os ruídos (ou barreiras) são aqueles impedem que a mensagem chegue ao receptor,
porém não são apenas os sonoros, englobam também os ruídos visuais que se fazem
sentir na comunicação. Outra forma de ruído é a distorção da mensagem pelo ouvinte,
que pode compreender de forma diferente devido à sua personalidade, por isso, emissor
deve adaptar ao máximo a linguagem para o nível de compreensão do receptor.
Na Figura 4.8, é ilustrado o processo de comunicação e a ação do ruído.

Figura 4.8 | A comunicação e o ruído

Fonte: <http://ideagri.com.br/plus/modulos/noticias/imprimir.php?cdnoticia=414>. Acesso em: 14 dez. 2016.

Outros tipos de ruídos:


• Filtragem: manipulação da informação de um emissor para que ela seja favorável
pelo receptor.

210 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

• Percepção seletiva: quando o emissor e o receptor percebem a mensagem de


forma seletiva, de acordo com suas experiências e características pessoais.
• Semântica: tanto as palavras como o comportamento não verbal, usados na
comunicação, podem ter diferentes significados para diversas pessoas.
• Sobrecarga de informação: acontece quando a quantidade de informação é
muito grande, ultrapassando a capacidade de compreensão do destinatário,
fazendo com que a mensagem não seja compreendida, ou seja, distorcida.
• Credibilidade do transmissor: a probabilidade de que a mensagem seja
compreendida está relacionada à confiabilidade da fonte.
• Julgamento de valor: é uma opinião geralista sobre algo, baseada na percepção
de mérito superficial.
• Falta de conhecimento e experiência comum: conhecer o receptor da
mensagem é muito importante para a sua sintonia e compreensão. Se as
experiências físicas, mentais e emocionais das pessoas intervenientes forem
similares à comunicação, será mais eficiente (DUARTE, 2012). Na Figura 4.9
estão apresentadas as principais barreiras à comunicação.

Figura 4.9 | Barreiras à comunicação

Fonte: <http://ideagri.com.br/plus/modulos/noticias/imprimir.php?cdnoticia=414>. Acesso em: 14 dez. 2016.

Técnicas para apresentação oral


A apresentação oral é um discurso que ocorre em uma comunicação com um
expositor e um auditório, cujo objetivo é transmitir um saber, em um determinado tempo
e espaço. A exposição oral propicia ao ouvinte e ao expositor a troca de conhecimentos,
permite a exploração de várias fontes, a seleção de informações em função do tema e
deve ter esquemas de apoio à apresentação oral.

Comunicação e expressão na Engenharia 211


U4

Assimile
“Para que haja comunicação, é preciso que o destinatário da informação
a receba e a compreenda. Comunicar significa tornar comum, a uma ou
a mais pessoas, determinada informação ou mensagem." (CHIAVENATO,
2005, p. 97)
Como montar a apresentação oral? Uma sequência lógica e eficiente da estrutura da
apresentação oral é descrita a seguir:
1. Abertura: o expositor faz o primeiro contato com o auditório, cumprimenta as
pessoas e legitima sua condição de especialista.
2. Introdução do tema: apresentação e delimitação do tema, chamando a atenção
do público ouvinte.
3. Apresentação do plano da exposição: torna claro o percurso usado para apresentar
o tema em questão.
4. Desenvolvimento da exposição: apresentação do tema e subtemas a ele
relacionados.
5. Fase de síntese: retomam-se os tópicos mais importantes da exposição.
6. Conclusão ou mensagem final: pode ser a conclusão ou a introdução de uma
nova questão para os ouvintes pensarem ou o espaço aberto para um debate.
7. Encerramento: agradecimento ao público; fala do mediador da exposição
(SCHNEUWLY; DOLZ, 2004).

Como montar os slides? Existem várias ferramentas que podem ser utilizadas para
essa finalidade. Dentre elas, há:
• PowerPoint: é o instrumento mais empregado do mundo e faz parte do pacote
Office, podendo ser usado em todos os computadores existentes, além de ser
de fácil manuseio.
• Prezi: voltado para apresentações animadas rapidamente, hospedando tudo
na nuvem de armazenamento, mas é necessária conexão com a internet para
utilizá-lo.
• Apresentações do Google: O Google Docs é usado na nuvem de armazenamento
e é semelhante ao PowerPoint e tem integração com o programa da Microsoft.
• Haiku Deck: é uma ferramenta simples e prática, com muitos padrões
predefinidos
• Acrobat Presentations: também funciona na nuvem e permite fácil exportação
para PDF.
• Genially: é parecido com o Prezi, foca na interatividade e nos movimentos e tem
grande impacto visual.

212 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

• Ashampoo Presentations: tem muitos modelos de slides predefinidos.


Em apresentações, e palestras você terá a necessidade de montar slides que servirão
como guia, então segue um material de leitura interessante:
VENTURA, Ricardo. Slides: qual a melhor ferramenta para criara sua apresentação?
Disponível em: <http://serpalestrante.com.br/slides-melhor-ferramenta/#sthash.
trz6pfBJ.dpuf>. Acesso em: 14 dez. 2016.

Pesquise mais
Conheça mais sobre a comunicação oral, a partir da leitura do artigo
“A comunicação oral”. Disponível em: <http://w3.ualg.pt/~jmartins/
tecnicascomunicacao/ComunicacaoOral.pdf>. Acesso em: 12 dez.
2016.

Preparo de slides
Como estruturar cada slide? Separamos algumas dicas de como preparar bons slides:
a) Quantidade de slides: não deve haver excesso de slides. Em média, cada slide
deve tomar de 30 segundos a 1 minutos para ser apresentado. Assim, 60 é o número
máximo de slides em uma apresentação de 30 minutos. O ideal seria 45 slides ou 1,5
slides por minuto.
b) Erros de ortografia: são inadmissíveis pela plateia que está vendo uma apresentação.
Sempre faça a revisão de ortografia e gramática disponível no word e PowerPoint, porém
não confie cegamente, observe se as propostas de alteração são pertinentes.
c) Cor da fonte: azul e verde são as mais difíceis de ler.
d) Tipos de fonte: não use mais que dois estilos na apresentação inteira. Vale destacar
que Arial e Times New Roman são as mais usadas. As fontes mais informais podem ser
empregadas, dependendo do público-alvo e do assunto.
e) Tamanho da fonte: não use uma fonte muito pequena, tamanhos 20-22
são interessantes para textos e para o título use 28-29. Não use letras maiúsculas
desnecessariamente.
f) Cor de fundo: evite fundos que distraiam a plateia. As cores devem contrastar
fundo claro com fonte escura, como a cor preta.
g) Imagens distorcidas: as imagens usadas em PowerPoint devem ter pelo menos
900×720 pixels. Imagens maiores que o tamanho do slide podem ser reduzidas, porém
o aumento de sua dimensão fará com que a resolução fique ruim.
h) Quantidade de texto: nunca coloque textos longos, pois os slides são guias
da apresentação, por isso são apresentados em tópicos com os pontos importantes,
figuras, tabelas e gráficos. Não coloque mais que 5 linhas por slides.

Comunicação e expressão na Engenharia 213


U4

i) Efeitos especiais: animações, ruídos, etc. devem ser usados somente se


contribuírem de fato para o objetivo da apresentação, caso contrário cansam a plateia
(IMAGINE, 2016).

Exemplificando

Fonte: adaptado de <http://slideplayer.com.br/slide/371964/>. Acesso em: 7 fev. 2017.

Cuidados na apresentação

Como realizar a apresentação?


• Preparação: estude o assunto com profundidade, ensaie muito frente ao espelho,
controlando o tempo, e apresente para os colegas mesmo que sejam de outra
área. Uma boa apresentação é aquela em que todos entendem a mensagem
transmitida, então não aborde o que não domina ou desconhece.
• Aparência: vista-se bem, seja clássico na escolha de suas roupas e você não
errará nunca. Para as mulheres: nada de transparências, saias curtas, decotes,
alcinhas, brincos grandes, maquiagem pesada, roupa colada. Para os homens:
barba feita, camisa, sapato, calça comprida, paletó e gravata. Esqueça o tênis e
a camiseta polo.
• Tempo das apresentações: dependendo do assunto, de 30 minutos a 1 hora.
• Não leia os slides: evite decorar seu discurso. Os slides são guias, não o foco da
apresentação, mas, sim, o que você fala.
• Volume da voz: todos devem ouvir o que você fala, então caso você não tenha
potência vocal para o tamanho do auditório, use microfone. Uma fala mecânica
e sem vibração, parecida com uma ladainha ou um discurso recitado, fará a
plateia dormir. Evite também os exageros, pois picos de entusiasmo podem

214 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

fazer você parecer um animador de auditório. Se usar microfone, o braço que o


segura deve ficar imóvel.
• Linguagem: deve ser o Português culto e técnico, não seja informal demais.
• Postura: não fale com as mãos no bolso, nem fique duro como um robô.
Também não pareça um helicóptero, movendo os braços sem parar. Ande pelo
palco (mas não demais), olhe as pessoas nos olhos, mas não olhe apenas para
uma única pessoa. Seja harmônico em seus movimentos. Tenha um porte de
quem se sente seguro, não curve os ombros e nem olhe para baixo, só que
também é preciso evitar parecer arrogante.
• Tenha um plano B: imagine se na hora da apresentação a internet tiver um
problema? Se o pen drive não funcionar? Se o e-mail não abrir? Salve todo o
material que precisa na nuvem, no pen drive, no seu e-mail, em um CD. Faça
cópias impressas da sua apresentação, caso nada disso funcione.
• Não destaque os seus erros: não peça desculpas por estar com problemas ou
por não ter se preparado devidamente para falar (IMAGINE, 2016).

Reflita
O engenheiro em algum momento de sua vida profissional dirigirá
pessoas, será um administrador.

“Dirigir pessoas é, sobretudo, comunicar. O administrador – como


dirigente – precisa, de um lado, transmitir objetivos, orientações,
informações, motivação, reforço e, de outro lado, receber informação,
resultados, dúvidas. A direção focaliza pessoas e requer profundo
conhecimento sobre comunicação e negociação. O administrador
moderno deve configurar toda a organização na direção das pessoas e
dos clientes e incrementar fortemente as comunicações com eles. As
habilidades de comunicação constituem uma parte fundamental em
cada atividade administrativa." (DUARTE, 2012, p. 1)

Sem medo de errar


Vamos apresentar o parecer técnico?
Nesta seção, estamos tratando da apresentação oral, com abordagem de técnicas
de apresentação oral e recursos audiovisuais. Para aplicar esses conhecimentos, é
preciso dar continuidade ao parecer técnico da cooperativa de reciclagem de garrafas
PET, sendo que nesta última etapa você deveria realizar a apresentação audiovisual do
parecer técnico com base nas informações do parecer escrito.

Consultando as dicas de preparação de apresentação oral desta seção, você tinha


de preparar uma apresentação de 30 minutos, com 40 slides de fundo claro, contendo:

Comunicação e expressão na Engenharia 215


U4

• Apresentação com o título, seu nome e o logo da cooperativa.


• Objetivo da apresentação e os tópicos apresentados.
• Conclusão do parecer técnico.
• Encerramento com o agradecimento e espaço para questionamento dos
participantes.
Foi sugerido que você organizasse que organize slides para cada tópico, com o
título do assunto, mas sem ultrapassar cinco linhas por slide. Além disso, era importante
agregar figuras, tabelas e gráficos para ilustração.

Atenção
Vale lembrar que, para que haja comunicação, é preciso que o
destinatário da informação a receba e a compreenda. “Comunicar
significa tornar comum, a uma ou a mais pessoas, determinada
informação ou mensagem” (CHIAVENATO, 2005, p. 119).

Avançando na prática

Treinamento de pessoal
Você foi convidado a ministrar um treinamento de como usar um liquidificador para
merendeiras das escolas municipais da sua cidade. Sabendo que elas têm apenas ensino
fundamental, você deve preparar um treinamento em PowerPoint, de 30 minutos, com
uma linguagem simples e acessível a este público. Para tanto, a prefeitura disponibilizou
a equipe de propaganda e marketing para auxiliá-lo a fazer os slides, então você deve
apresentar os tópicos abordados e enviar a esse departamento.

Lembre-se

Conhecer o receptor da mensagem é muito importante para a sintonia


e compreensão. Se as experiências físicas, mentais e emocionais
das pessoas intervenientes forem similares a comunicação será mais
eficiente.
Resolução da situação-problema
1. Abertura: slide com seu nome e título.
2. Introdução do tema: importância da leitura do manual de uso do liquidificador.
3. Apresentação do plano da exposição: montagem, uso e limpeza.
4. Desenvolvimento da exposição: fazer por tópicos, usando as imagens do
manual do liquidificador disponível em: <https://www.download.p4c.philips.
com/files/r/ri2160_01/ri2160_01_dfu_brp.pdf>. Acesso em: 15 dez. 2016.

216 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

5. Fase de síntese: Resumo dos principais itens.


6. Conclusão ou mensagem final:
7. Encerramento:

Faça você mesmo


Como você deve se vestir para uma apresentação?

Faça valer a pena

1. “As relações sociais estão sujeitas à influência de um conjunto de


variáveis que determinam ou pelo menos influenciam a condução
dos processos de comunicação. Comunicar é uma arte de bem
enviar e receber mensagens." (Fonte: <http://www.sine.sc.gov.br/
capacitabolsafam/Apostila-TecnicasdeApresentaComunica.pdf>.
Acesso em: 15 dez. 2016)
Avalie as informações a seguir:
I. Filtragem é a manipulação da informação de um emissor da
mensagem para que ela seja favorável ao receptor.
II. Percepção seletiva ocorre quando o emissor e receptor percebem
a mensagem de forma seletiva, de acordo com suas experiências e
características pessoais.
III. Percepção seletiva é a manipulação da informação de um emissor
da mensagem para que ela seja favorável ao receptor.
Assinale a alternativa com as afirmações corretas:
a) I apenas.
d) I e II.
b) II apenas.
e) I e III.
c) III apenas.

2. As barreiras ou ruídos existem em todas as fases do processo de


comunicação, mas é mais provável que ocorram quando a mensagem
é complexa, provoca emoções ou se choca com o estado mental do
receptor. (Fonte: <http://www.sine.sc.gov.br/capacitabolsafam/Apostila-
TecnicasdeApresentaComunica.pdf>. Acesso em: 15 dez. 2016).
Avalie as informações a seguir:
I. Tanto as palavras como o comportamento não verbal, usados na
comunicação, não tem diferentes significados para diferentes pessoas.

Comunicação e expressão na Engenharia 217


U4

II. Tanto as palavras como o comportamento não verbal, usados na


comunicação, podem ter diferentes significados para diferentes
pessoas.
III. A sobrecarga de informação acontece quando a quantidade
de informação é muito grande, ultrapassando a capacidade de
compreensão do destinatário.
Assinale a alternativa com as afirmações corretas:
a) I apenas. d) I e III.
b) II e III. e) I e II.
c) III apenas.

3. A apresentação oral é um discurso que ocorre em uma comunicação


em que existe um expositor e um auditório, com o objetivo de transmitir
um saber, em um determinado tempo e espaço. A exposição oral
propicia ao ouvinte e ao expositor:
I. Troca de conhecimentos.
II. Não permite a exploração de várias fontes.
III. Não há seleção de informações em função do tema.
Assinale a alternativa com as afirmações corretas:

a) I apenas. d) I e III.
b) II apenas. e) I e II.
c) III apenas.

218 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

Referências
ADMINISTRADORES. A falha na comunicação e suas consequências. Disponível em:
<http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/a-falha-na-comunicacao-e-
suas-consequencias/66123/>. Acesso em: 5 dez. 2016.
AMBROSI, A.; PEUGEOT, V.; PIMIENTA, P. Meios de comunicação, desafios de
palavras: enfoques multiculturais sobre as sociedades da informação. Paris: C&F Éditions,
2005.
ANTONIO, T. Sete regras de etiqueta no uso do e-mail corporativo. Disponível em:
<http://oglobo.globo.com/economia/emprego/sete-regras-de-etiqueta-no-uso-do-
mail-corporativo-12063225#ixzz4RtNLnggn>. Acesso em: 10 dez. 2016.
BRASIL. CONFEA – Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Artigo
1° da Resolução nº 345, de 27 de julho de 1990, p. 1.
BUENO, M. O.; BILESKY, L. R. A importância da comunicação na Engenharia.
Disponível em: <http://fait.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/vFJRhvQ
uFmilfjP_2014-4-22-20-8-33.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2016.
CABRAL, V. Um ensaio sobre a comunicação interna pós-industrial em sua dicotomia
discurso e prática. Revista Organicom, ano 1, n. 1, ago. 2004.
CASTRO, I. L. Linguagem verbal e não verbal: o ensino de Língua Portuguesa.
Disponível em: <http://www.faculdadefar.edu.br/artigo-cronica/detalhe/id/21>. Acesso
em: 16 nov. 2016.
CHIAVENATO, I. Administração nos novos tempos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
COZZOLINO, M. H. O. Metodologia da linguagem. 7. ed., São Paulo: Saraiva, 2007.
D’SOUZA, A. Torne-se um líder: estratégias para uma liderança efetiva. São Paulo:
Loyola, 1996. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?id=KGH1cd3xPpk
C&pg=PA145&lpg=PA145&dq=como+se+comunicar+eficientemente&source=bl&o
ts=lCHFxpxAfy&sig=TDrnRpH6hHNZKAzml7IgZmQlQEk&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahU
KEwj06qbE5MfQAhUEkZAKHUu_CZEQ6AEIRTAH#v=onepage&q=como%20se%20
comunicar%20eficientemente&f=false>. Acesso em: 10 dez. 2016.
DUARTE, L. Administrar bem, lucrar sempre. Direção: a terceira função da
administração (Parte 2). Disponível em: <http://ideagri.com.br/plus/modulos/noticias/
imprimir.php?cdnoticia=414>. Acesso em: 15 dez. 2016.
ESPINDULA, A. Laudo pericial e outros documentos técnicos. Disponível em:
http://www.conteudojuridico.com.br/artigo,laudo-pericial-e-outros-documentos-
tecnicos,22509.html>. Acesso em: 15 dez. 2016.
GALLI, G. O que é linguagem. Disponível em: <http://www.lpeu.com.br/q/7b6a3>.
Acesso em: 5 dez. 2016.

Comunicação e expressão na Engenharia 219


U4

IMAGINE. Como fazer uma boa apresentação em slides: algumas dicas de sucesso.
Disponível em: <http://www.imagineseusite.com.br/dicas/90-apresentacao-slides-
dicas.html>. Acesso em: 15 dez. 2016.
LUIZ, G. Comunicação é mais importante do que cálculo para o bom engenheiro.
Disponível em: <http://engenhariacotidiana.com/comunicacao-e-mais-importante-do-
que-calculo-para-o-bom-engenheiro/>. Acesso em: 12 dez. 2016.
MACKAY, A. P. M. G. Atividade verbal: processo de diferença e integração entre fala
e escrita. São Paulo: Plexus, 2000.
MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 59. ed.
São Paulo: Atlas, 2003.
MATTELART, A. A era da informação: gênese de uma denominação descontrolada.
Revista FAMECOS, n° 15, quadrimestral , 7 ago. 2001.
MINAS MARCA. Pesquisa mostra a importância da comunicação interna nas
organizações. Disponível em: <http://www.minasmarca.com/plus/modulos/noticias/
ler.php?cdnoticia=7978#.WEW7R7IrK1s Pesquisa mostra a importância da comunicação
interna nas organizações 23/11/2011>. Acesso em: 15 dez. 2016.
MIRANDA, B. A. A utilização das redes sociais como ferramenta de apoio em
gestão de projetos. Disponível em: <http://www.techoje.com.br/site/techoje/categoria/
detalhe_artigo/1191>. Acesso em: 10 dez. 2016.
MORGADO, I. Evolução histórica dos meios de comunicação. Disponível em:
<http://viverecomunicar.blogspot.com/2009/12/evolucao-historica-dos-meios-de.
html>. Acesso em: 12 dez. 2016.
MÜLLER, E. J. Evolução e importância da informação. Sistemas de informação,
desenvolvimento de software e novas tecnologias, 13 dez. 2013. Disponível em: <http://
www.ezequieljuliano.com.br/?p=13>. Acesso em: 13 fev. 2017.
NISHIDA, S. M. Origem e evolução da linguagem. Disponível em: <http://www.ibb.
unesp.br/Home/Departamentos/Fisiologia/ComunicacaoAnimal/origem-e-evolucao-
da-comunicacao-humana.pdf>. Acesso em: 5 dez. 2016.
PAVAN, M. G. R. Língua culta e coloquial. Disponível em: <http://portugues.uol.com.
br/redacao/lingua-culta-coloquial.html>. Acesso em: 10 dez. 2016.
PEREIRA, C. A. M.; HERSCHMANN, M. Comunicação e novas estratégias
organizacionais na era da informação e do conhecimento. Comunicação e Sociedade,
v. 24, n. 38, 2002. Disponível em: <https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.
php/CSO/article/viewArticle/4165/>. Acesso em: 12 dez. 2016.
PERFECTUM. Serviços de engenharia legal: laudo pericial ou parecer técnico
de engenharia. Disponível em: <http://www.perfectvm.com.br/laudo-pericial.html>.
Acesso em: 9 dez. 2016.
PMKB. A importância da comunicação no projeto de engenharia e construção.
Disponível em: <http://pmkb.com.br/artigo/a-importancia-da-comunicacao-no-
projeto-de-engenharia-e-construcao/>. Acesso em: 12 dez. 2016.

220 Comunicação e expressão na Engenharia


U4

PROCHNOW, F. D.; LEITE, M. L. G.; PILATTI, L. A. Motivos causadores de falhas


de comunicação dentro das empresas. In: SIMPEP, 12, 2005, Bauru. Anais... Bauru:
UNESP, 2005. p. 1-6. Disponível em: <http://webcache.googleusercontent.com/
search?q=cache:I-3M97MvbjgJ:www.simpep.feb.unesp.br/anais/anais_12/copiar.
php%3Farquivo%3DProchnow_fd_motivos%2520causadores.pdf+&cd=5&hl=pt-
BR&ct=clnk&gl=br>. Acesso em: 10 dez. 2016.
RABOY, M.; SOLERVINCES, M. Meios de comunicação. Disponível em: <http://
vecam.org/article684.html>. Acesso em: 10 dez. 2016.
REFLEXÕES DIGITAIS. Uma breve história da comunicação. Disponível em: <https://
reflexoesdigitais.files.wordpress.com/2006/12/uma_breve_historia_comunicacao.pdf>.
Acesso em: 5 dez. 2016.
RIBEIRO, M. F. Linguagem corporal. Disponível em: <http://www.rhportal.com.br/
artigos-rh/linguagem-corporal/>. Acesso em: 2 fev. 2017.
ROCHA, A. A importância da comunicação para a carreira. Disponível em: <http://
andersonrocha.com.br/main.asp?link=amateria&id=56>. Acesso em: 12 dez. 2016.
SCHMID, M. R. L. A importância da boa comunicação na prática da engenharia.
Disponível em: <http://www.ginadesign.com.br/Artigos/A_importancia_da_boa_
comunicacao_na_pratica_da_Engenharia-2007.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2016.
SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado
de Letras, 2004, p. 215-221.
SILVA FILHO, A. M. A era da informação. Disponível em: <http://www.
espacoacademico.com.br/002/02col_mendes.htm/>. Acesso em: 10 dez. 2016.
TODA MATÉRIA. Linguagem formal e informal. Disponível em: <https://www.
todamateria.com.br/linguagem-formal-e-informal/>. Acesso em: 10 dez. 2016.

Comunicação e expressão na Engenharia 221