Você está na página 1de 214

pedagogia

Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista


e Sonia Lopes Victor Organizadores

Pesquisa e Educação Especial

mapeando produções

edufes
Pesquisa e Educação Especial:

mapeando produções
Editora da Universidade Federal do Espírito Santo Denise Meyrelles de Jesus
Editora filiada à Associação Brasileira de Editoras Universitárias (ABEU)
Claudio Roberto Baptista
Av. Fernando Ferrari, nº 514 - CEP 29 075-910 - Goiabeiras - Vitória - Sonia Lopes Victor
Espírito Santo - Tel.: (27) 3335-7852 Organizadores
Home page: [http://www.ufes.br] E-mail: ediufes@yahoo.com.br

Reitor | Reinaldo Centoducate


Vice-Reitor | Maria Aparecida Santos Corrêa Barreto
Superintendente de Cultura e Comunicação | Ruth de Cássia
dos Reis
Secretário de Cultura | Orlando Lopes Albertino
Coordenadora da Edufes | Elia Marli Lucas

Conselho Editorial
Cleonara M. Schwartz - Fausto Edmundo Lima Pereira
João Luiz Calmon Nogueira - José Armínio Ferreira Pesquisa e Educação Especial
Gilvan Ventura da Silva - Marcio Paulo Czepak
Sandra Soares Della Fonte - Waldir Cintra de Jesus Junior mapeando produções
Wilberth Clayton Ferreira Salgueiro - Eneida Maria Souza
Mendonça.

Capa - Denise R. Pimenta


Revisão - Vanessa Lopes Andrade, Desirée Lima de Almei-
da e Mariangela Lima de Almeida

Vitória,
2012
ORGANIZADORES

Claudio Roberto Baptista


Professor da Faculdade de Educação e do Programa de
Pós-Graduação em Educação da UFRGS – Universidade
Federal do Rio Grande do Sul.
e-mail: crobbap.ez@terra.com.br
Denise Meyrelles de Jesus
Professora do Centro de Educação e do Programa de Pós-
Graduação em Educação da UFES – Universidade Federal
do Espírito Santo.
e-mail: jesusdenise@hotmail.com
Sonia Lopes Victor
Professora do Centro de Educação e do Programa de Pós-
Graduação em Educação da UFES – Universidade Federal
Dados Internacionais de Catalogação-na-publicação (CIP) do Espírito Santo.
(Biblioteca Central da Universidade Federal do Espírito Santo, ES, Brasil) e-mail: solovic@hotmail.com



P474 Pesquisa e educação especial [recurso eletrônico] : mapeando
COLABORADORES
produções / Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista, So-
nia Lopes Victor, organizadores. - Dados eletrônicos. - Vitória : EDUFES,
Rosângela Gavioli Prieto
2012.
Universidade de São Paulo
e-mail: rosangel@usp.br
Inclui bibliografia. Júlio Romero Ferreira
ISBN:978-85-7772-114-6 Universidade Metodista de Piracicaba
Também publicado em formato impresso. e-mail: jrferrei@unimep.br
Modo de acesso: <ediufes@yahoo.com.br> Mônica de Carvalho Magalhães Kassar
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – Campus
1. Educação especial. 2. Educação inclusiva. 3. Professores de edu- de Corumbá
cação especial. I. Jesus, Denise Meyrelles de. II. Baptista, Claudio Rober- e-mail: creia@ceuc.ufms.br
to, 1960-. III. Victor, Sonia Lopes, 1967-. José Geraldo Silveira Bueno
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
CDU: 37 e-mail: jotage@pucsp.br
Anna Maria Lunardi Padilha Katia Regina Moreno Caiado
Universidade Metodista de Piracicaba Pontifícia Universidade Católica de Campinas
e-mail: anapadi@terra.com.br e-mail: kaiado@uol.com.br
Maria Cecília Carareto Ferreira Therezinha Guimarães Miranda
Universidade Metodista de Piracicaba Universidade Federal da Bahia
e-mail: mcferrei@unimep.br e-mail: tmiranda@ufba.br
Enicéia Gonçalves Mendes
Universidade Federal de São Carlos
e-mail: egmendes@linkway.com.br
Maria Aparecida Santos Corrêa Barreto
Universidade Federal do Espírito Santo
e-mail: cida67@terra.com.br
Alexandra Ayach Anache
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
e-mail: alexandra.anache@brturbo.com
Carlos Alberto Marques
Universidade Federal de Juiz de Fora
e-mail: nesp@faced.ufjf.br
Luciana Pacheco Marques
Universidade Federal de Juiz de Fora
e-mail: nesp@faced.ufjf.br
Hiran Pinel
Universidade Federal do Espírito Santo
e-mail: hiranpinel@ig.com.br
Leila Regina d’Oliveira de Paula Nunes
Universidade do Estado do Rio de Janeiro
e-mail: leilareginanunes@terra.com.br
Lucia Reily
Universidade Estadual de Campinas e Pontifícia Univer-
sidade Católica de Campinas
e-mail: lureily@aol.com
Eduardo José Manzini
Universidade Estadual Paulista – Marília
e-mail: ejmanzini@uol.com.br
SUMÁRIO

Apresentação
Educação especial, pesquisa e inclusão escolar: breve pano-
rama de algumas trajetórias, trilhas e metas no contexto bra-
sileiro .............................................................................13
Denise Meyrelles de Jesus e Claudio Roberto Baptista

1 Pesquisa sobre políticas de atendimento escolar a alunos


com necessidades educacionais especiais com base em fon-
tes documentais ..............................................................39
Rosângela Gavioli Prieto

2 Notas sobre a análise e a investigação de políticas públi-


cas em educação especial ..............................................59
Júlio Romero Ferreira

3 Políticas públicas e educação especial: contribuições da


UFMS .............................................................................75
Mônica de Carvalho Magalhães Kassar

4 Políticas de inclusão escolar: análise de um campo temá-


tico e perspectivas de investigação ................................ 87
Claudio Roberto Baptista

5 Processos de inclusão/exclusão escolar, desigualdades so-


ciais e deficiência ...................................................... 105
José Geraldo Silveira Bueno
6 Necessidade especial do trabalho educativo geral ou ne- educacionais (escolares e/ ou não) ...............................269
cessidades educativas especiais? ....................................125 Hiran Pinel
Anna Maria Lunardi Padilha
14 Comunicação alternativa para pessoas com deficiência:
7 Os movimentos possíveis e necessários para que uma a pesquisa acadêmica na UERJ....................................... 311
escola faça a inclusão de alunos com necessidades educa- Leila Regina d`Oliveira de Paula Nunes
cionais especiais ................................................................ 139
Maria Cecília Carareto Ferreira 15 Representações de deficiência em pinturas de temática
religiosa: questões metodológicas .................................341
8 A pesquisa sobre inclusão escolar no Brasil: será que es- Lucia Reily
tamos caminhando de fato na busca de soluções para os
problemas? .................................................................. 155 16 Considerações sobre a entrevista para pesquisa em educa-
Enicéia Gonçalves Mendes ção especial: um estudo sobre análise de dados ..........361
Eduardo José Manzini
9 Retomando trajetórias de pesquisas: indícios de um pro-
cesso da formação do professor em construção permanente 17 Histórias de vida e deficiência: reflexões sobre essa abor-
pela via do trabalho coletivo e das interfaces entre diferentes dagem de pesquisa ...................................................... 387
saberes..........................................................................177 Katia Regina Moreno Caiado
Sonia Lopes Victor e
Maria Aparecida Santos Corrêa Barreto 18 Desafios da prática pedagógica para uma escola inclusi-
va .................................................................................398
10 Formação continuada: constituindo um diálogo entre teo- Theresinha Guimarães Miranda
ria, prática, pesquisa e a educação inclusiva ................203
Denise Meyrelles de Jesus 19 Trilhas para a produção e o diálogo sobre educação es-
pecial e educação inclusiva ......................................... 411
11 A educação especial como tema de referência no progra- Sonia Lopes Victor e
ma de pós-graduação em educação .............................219 Maria Aparecida Santos Côrrea Barreto
Alexandra Ayach Anache

12 A educação especial e as mudanças de paradigmas. .245


Carlos Alberto Marques e Luciana Pacheco Marques

13 NASCIMENTOS! Inventando & produzindo “nascimen-


tos de protagonistas estrelares” nas existências e nas práticas
Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

educação especial, pesquisa e inclusão escolar:


breve panorama de algumas trajetórias,
trilhas e metas no contexto brasileiro
Denise Meyrelles de Jesus
Claudio Roberto Baptista

A responsabilidade que sinto em relação a você pode ser compa-


rada àquela do céu dirigida aos pássaros e àquela do oceano no
contato com a fauna e a flora (...). Quanto à terra, quem pensaria
que a mesma deve ser considerada responsável pelo dia que nas-
ce e pelo dia que morre?(Edmond Jabès)

Em março de 2005, ocorreu em Vitória, no Espírito San-
to, o “Seminário de Pesquisa em Educação Especial: mape-
ando produções”, o qual se constitui como uma iniciativa
da Linha de Pesquisa em Educação Especial: abordagens e
tendências do Programa de Pós-Graduação em Educação
– UFES, em parceria com professores de outras universida-
des brasileiras1. O seminário teve como objetivo central a
análise do cenário das produções na área de Educação Es-
pecial, numa perspectiva da inclusão escolar. Essa opção de
recorte analítico é anunciada no título do presente capítulo,
ao associarmos à pesquisa e à educação especial a inclu-
são escolar. Tal escolha pode ser facilmente compreendida
quando vislumbramos a evolução da área nos últimos 20
anos, com evidente predomínio de uma perspectiva ana-
lítica que dá prioridade à inclusão escolar dos alunos com
necessidades educacionais especiais no ensino comum, a
qual tem efeitos (e origens) que evocam e implicam os fun-
damentos teórico-metodológicos, as profundas mudanças

1
Dentre essas parcerias, destaca-se, como membro da comissão organiza-
dora, a participação do Prof. Claudio R. Baptista (PPGEDU - UFRGS).

14 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 15


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

na sociedade contemporânea e as relações com outras áre- apresenta possibilita traçar um painel dos avanços paradig-
as de conhecimento. máticos, políticos, educacionais e das práticas pedagógico-
A composição do grupo de pesquisadores envolvidos cotidianas.
no seminário decorre de alguns critérios que permitiram a Cumpre ressaltar que, embora se intencione “mapear o
delimitação: o trabalho como orientadores em programas campo” a partir do diálogo com esses 18 pesquisadores,
de pós-graduação; a evidência de valorização da temática não há garantias de composição de um quadro exaustivo
inclusão na interface com a educação especial; a inserção e amplo, o que, segundo nossa apreciação, não diminui o
dos envolvidos na Associação Nacional de Pós-Graduação interesse pela presente análise geral acerca das diferentes
em Pesquisa em Educação (ANPEd), com destaque para o reflexões. Quanto às escolhas de enfoque realizadas pelos
GT-15 Educação Especial. Nesse sentido, temos consciên- diferentes autores, os textos apontam uma variedade de di-
cia de que o grupo de pesquisadores aqui destacados não reções e formas de “apresentar-se”. Enquanto alguns opta-
constitui a totalidade dos grupos de pesquisa em educação ram por historicizar, num formato memorial, sua produção
especial, porém representam uma significativa parcela dos e/ou de seu grupo de pesquisa, outros tomaram suas ques-
grupos que têm identificado a ANPEd como um espaço ar- tões centrais como eixos condutores do texto, e um terceiro
ticulador. grupo transitou entre essas duas possibilidades.
Constituíram-se como objeto da nossa análise, neste tex- A análise, previamente realizada com vistas a organizar
to, os trabalhos de diferentes pesquisadores alusivos a 12 os diferentes trabalhos para o evento, apontou uma con-
universidades brasileiras, dentre as quais nove eram univer- figuração de quatro diferentes áreas temáticas. A primeira
sidades públicas e três privadas. diz respeito ao campo das políticas públicas em educação
Os textos nos quais nos apoiamos foram elaborados, por especial. A segunda categoria acolhe as temáticas relativas
cada integrante do seminário, com o intuito de fomentar as à instituição escolar, práticas pedagógicas, processos de
discussões do encontro, considerando como eixos conduto- inclusão/exclusão escolar e formação de profissionais da
res: nossas questões investigativas atuais; as bases teórico- educação. O terceiro grupo de estudos aborda perspectivas
metodológicas que estão presentes em nossas investigações; teóricas e análise de paradigmas com vistas a fundamentar
os desafios e os desafios que caracterizam nosso trabalho de questões de ordem política, pedagógica e filosófica. O ou-
investigação; além de traçar um breve perfil de nossos gru- tro grupo optou por (re) visitar a temática das abordagens
pos de pesquisa e indicar as teses/dissertações orientadas e teórico-metodológicas, de forma a pôr em questão as difi-
em andamento. culdades, desafios e alternativas que se colocam aos pes-
Esses estudos, pela abrangência e diversidade de origem quisadores.
e de foco, representam uma ampla amostra da produção Gostaríamos de destacar, ainda, que, neste diálogo, op-
da área da educação especial no Brasil. Tais reflexões, com tamos por um olhar “prospectivo” voltado para as possibili-
certeza, nos oferecem indícios sobre os direcionamentos te- dades e que acate os desafios que se nos apresentam como
máticos que vêm ganhando prioridade no trabalho desse elementos disparadores de nossa ação criativa em busca de
grupo representativo de pesquisadores. A leitura que ora se novos/outros saberes/objetos/olhares/construções/percursos

16 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 17


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

de pesquisa “possíveis”. Possibilidades que trilhem cami- de modo relacional e contextualizado, começando a dar voz às
pessoas consideradas especiais e àquelas que com elas trabalham
nhos em perspectivas mais amplas, que levem mais longe
e convivem (NUNES, FERREIRA e MENDES, 2004).
a investigação crítica, abrindo-se ao inédito, ao desconhe-
cido, contribuindo para o aprofundamento do debate sobre
O autor dá destaque a vários estudos por ele orienta-
a área como forma de conhecimento e prática social (SAN-
dos, conduzidos ou em co-autoria, em que é privilegiada a
TOS, 2004).
análise das políticas públicas em nível nacional, estadual e
municipal que, por diferentes “vias”, evidenciam a “[...] fra-
Delimitando temáticas
gilidade das políticas estaduais e municipais para assegurar
a) Políticas públicas em educação especial uma escola pública inclusiva, em termos de infra-estrutu-
Neste grupo estão presentes as análises de Rosângela ra, programas e recursos orçamentários”. Além disso, indi-
Prieto (USP), Júlio Romero Ferreira (UNIMEP), Mônica Kas- ca que as orientações concluídas nos últimos cinco anos
sar (UFMS) e Claudio Baptista (UFRGS). têm se concentrado em Educação Especial e em políticas
Júlio Ferreira, em seu texto, privilegia historizar o mo- públicas. Atualmente, as orientações se direcionam para a
vimento da área de educação especial, no contexto das avaliação de “[...] políticas de inclusão escolar ou social em
influências nacionais e internacionais, a partir da década determinados municípios”.
de 70 até a atualidade. De uma “[...] herança clínica [...] Júlio Ferreira nos alerta para um sensível aumento de
[que] convivia com o discurso especializado ao movimento “[...] interesse por parte dos não iniciados [...]” e afirma que
de inclusão”, o autor analisa também a sua própria produ- alguns temas têm estado mais freqüentes: o direito à edu-
ção, junto com pesquisadores de outras universidades que, cação e legislação; as políticas de educação como análise
principalmente na década de 90 e início deste século, cul- de planos e projetos de governo; profissionais da educação.
minaram com uma extensa produção no sentido de “[...] Aponta, ainda, temáticas mais recentes (municipalização e
compreender a educação especial no campo de política gestão municipal; gestão de sistemas; gestão de unidades
pública”, além de situar o movimento dos grupos histori- escolares) e lacunas (avaliação; financiamento; análise do
camente excluídos, como o das pessoas com deficiência. público e privado em educação, de estudos das relações
Os estudos realizados ao longo do período têm sua impor- escola/instituições educativas/sociedade).
tância associada ao sentido de criar um “estado da arte”. O Os estudos de Rosângela Prieto avançam no sentido de
autor destaca: apresentar “[...] indicadores para análise de políticas públi-
cas que visem a atender alunos com necessidades educa-
De todo modo, as tendências observadas no total dos trabalhos cionais especiais em suas escolas públicas de ensino regular
produzidos até 2002 [...] são relevantes para a compreensão das
[...]”. O foco de estudo da autora e seus orientandos, em
políticas: abandono crescente de visão clínica sobre a excepcio-
nalidade; sintonia com as discussões em curso na educação regu- diferentes níveis, tem procurado situar a tendência à muni-
lar; crescimento dos trabalhos sobre o cotidiano escolar, inclusive cipalização do atendimento educacional e seus nexos com
junto às escolas comuns; aumento de estudos realizados em situ- a educação especial, destacando a “[...] pouca herança de
ações naturais, tratando a necessidade especial (ou deficiência)
pesquisa sobre essa esfera de administração pública”.

18 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 19


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

A autora vem articulando algumas das discussões desta- que merecem destaque: A História da Educação como cam-
cadas para compor indicadores de análise de políticas edu- po do saber privilegiado e o Materialismo-histórico como
cacionais públicas, dentre as quais a avaliação de diretrizes referencial dos trabalhos dos professores. Em sua análise,
legais, concepção de inclusão escolar, organização e fun- percebe-se que a autora constrói uma leitura analítica dos
cionamento dos sistemas de ensino, gestão dos sistemas de efeitos que tais características têm imprimido nas produ-
ensino, condições de trabalho do professor e financiamento ções acadêmicas, tanto no que se refere ao plano conceitual
da educação. quanto na ênfase de aspectos metodológicos. Por fim, des-
Rosângela Prieto, assim com Júlio Ferreira, chama a tacamos a tendência de uma leitura peculiar de valorização
atenção para a complexidade de estudos sobre os impactos da história e da política, no sentido de integrar nos estudos e
das políticas em educação pública em andamento, desta- investigações as relações entre sujeito e contexto, buscando
cando “[...] relativas aos desafios de ordem metodológica, o conhecimento de possíveis efeitos e representações dos
trazidos [pelo] uso de documentos em pesquisa em política sujeitos acerca das políticas públicas da área da educação.
educacional, com ênfase no atendimento de alunos com Claudio Baptista apresenta sua trajetória identificando as
necessidades educacionais especiais”. vinculações com áreas específicas de conhecimento e com
Mônica Kassar, ao apresentar-se, coloca em destaque a emergência do paradigma inclusivo. A trajetória profissio-
o trabalho desenvolvido na Universidade Federal do Mato nal e acadêmica é utilizada como mote de análise das mu-
Grosso do Sul, no que se refere à área da educação espe- danças que têm marcado a educação especial. Ao abordar
cial e ao Programa de Pós-graduação em Educação daquela esse percurso, o autor identifica a atenção dirigida a alguns
universidade. Essa opção contextualizadora mostra-se no contextos prioritários como propulsores de novas investiga-
próprio título Políticas públicas e educação especial: con- ções e debates, como ocorre com o contexto italiano e com
tribuições da UFMS. A autora descreve o surgimento do as experiências de educação na Região da Emilia Romagna.
Programa de Pós-graduação, anuncia as vinculações insti- O autor destaca as vinculações do trabalho do seu grupo de
tucionais com outras universidades – particularmente com pesquisa – Núcleo de Estudos em Políticas de Inclusão Es-
a UNICAMP – e traça um breve perfil das produções acadê- colar da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – com
micas, destacando as opções temáticas, as fundamentações o universo teórico e temático associado à possibilidade de
teóricas e os impasses que permitem a identificação das propostas amplas de inclusão expressas na radicalidade do
metas estabelecidas pelo integrantes do Programa que têm projeto italiano e nas bases de fundamentação teórica do
contribuído com a pesquisa em Educação Especial. trabalho do núcleo. Destaca a pedagogia institucional e o
Kassar afirma que sua inserção no Programa de Pós-Gra- pensamento sistêmico como referências importantes para a
duação está associada à Linha de Pesquisa Estado e Políti- pesquisa, colocando ênfase em autores como Fernand Oury,
cas Públicas de Educação, a qual foi organizada a partir da Aida Vasquez, Humberto Maturana e Gregory Bateson. Tais
produção de professores que vinham elegendo a temática referenciais, segundo Claudio Baptista, têm favorecido os
“política educacional” como foco de pesquisa. O trabalho nexos entre as análises de diferentes planos do cotidiano
desenvolvido tem, segundo a autora, duas características que se traduzem no conceito “políticas”. Nesse sentido,

20 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 21


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

afirma o autor: “discutir a intervenção e o contexto tem sido entre origem social e trajetória escolar não é biunívoca”.
o caminho escolhido para repensar os sujeitos, pois o co- Bueno salienta:
nhecimento que podemos ter dos mesmos depende dire-
[...] a necessidade do desenvolvimento de estudos e pesquisas
tamente de uma análise que integre a história das relações sobre aspectos macro-estruturais [e por outro lado] de estudos
e das instituições que têm forjado e sustentado ‘formas de qualitativos, procurando investigar processos singulares de esco-
viver’”. Dentre as temáticas prioritárias que estão presentes larização e de sua relação com a inclusão/exclusão escolar [...]
em trabalhos de investigação desenvolvidos no âmbito do sem desconsiderar [as condições macroestruturais] privilegiar
como foco as marcas das trajetórias e as condições dos alunos no
núcleo, o autor destaca: a caracterização e a identificação interior das escolas.
dos sujeitos da educação especial; o avanço de projetos e
políticas de inclusão escolar; a formação continuada; os O autor destaca, também, como questão fundamental a
dispositivos mediadores em uma pedagogia diferenciada; as realização contínua e sistemática de investigações sobre a
situações consideradas “limites” em função do atendimento relação entre as dificuldades específicas das diferentes defi-
educacional a sujeitos em condição de “gravidade”. ciências, a origem social desses alunos e as próprias formas
de escolarização às quais são submetidos.
b) A instituição escolar, práticas pedagógicas,
processos de inclusão/exclusão e formação de pro- Anna Padilha, assim como Bueno, centra parte de suas
fissionais da educação discussões na temática da inclusão/exclusão escolar, pro-
Os trabalhos que compõem esse eixo de análise incor- blematizando os nexos com as propostas de educação es-
poram discussões que vão desde a análise dos processos de pecial. A autora considera, ainda, as condições/experiên-
escolarização aos movimentos necessários para que a es- cias pedagógicas que têm caracterizado o atendimento dos
cola implemente processos inclusivos, bem como questões alunos com “necessidades educacionais especiais”, numa
que dizem respeito à formação continuada de profissionais “educação inclusiva”, terminologias também questionadas,
da educação. Integram este grupo: José Geraldo Bueno a partir do debate sobre o que se passa no interior da escola.
(PUC-SP), Anna Padilha (UNIMEP), Maria Cecília Ferreira Nesse sentido, a autora afirma a predominância, em seus
(UNIMEP), Enicéia Mendes (UFSCar), Sônia Victor (UFES), estudos, das contribuições teóricas de Vygotsky e Bakhtin,
Maria Aparecida Barreto (UFES), Denise Meyrelles de Jesus que levam “[...] em conta os processos de significação, os
(UFES) e Alexandra Anache (UFMS). movimentos de sentido e seu papel constitutivo do pensa-
Bueno (2005) situa a ênfase dos estudos de seu grupo - mento, da ação e da palavra [...].
formado por professores, alunos e pesquisadores externos - Padilha argumenta a partir de questões:
em duas direções: processos de escolarização e seletividade
Se entrar no mundo da significação é entrar no mundo simbóli-
escolar; deficiência e processo de escolarização. O autor, co:
considerando a primeira direção, destaca que os estudos A) O que é preciso saber sobre o desenvolvimento das pessoas
continuam deixando claro “[...] que os índices de fracasso com quem estamos trabalhando?
B) Que esferas do simbólico vamos escolher para trabalhar, inter-
se abatem de maneira muito mais marcante sobre as crian- vir, mediar [...]?
ças das chamadas camadas populares [e que a] relação C) Que esferas do simbólico são fundamentos de outras esferas [...]?

22 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 23


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

D) Que atividades serão escolhidas para desenvolver [...]? se instituem em uma proposta de pesquisa/consultoria co-
laborativa. A temática inclusão escolar tem sido priorizada,
A autora enfatiza que questões como essas orientam seus buscando desvelar diferentes significados e possibilidades
trabalhos e os de seus alunos, valorizando a análise da im- de organização considerando tal perspectiva.
plicação dos contextos escolares. A autora discute a condição da educação especial como
Maria Cecília Ferreira destaca os movimentos possíveis área de produção de conhecimento científico, destacando
e necessários para que, numa escola, se faça a inclusão de que sua especificidade não a coloca em posição antagô-
alunos com necessidades educacionais especiais. Sua ênfa- nica com relação à proposta inclusiva de educação. Seus
se é na relação colaborativa com uma Secretaria Municipal estudos e os de seus orientandos apontam a relevância de
de Educação. As pesquisas realizadas e aquelas associadas uma política de formação de educadores, como parte de
a orientações em andamento tomam questões relativas à uma concepção que ultrapassa a noção apenas de acesso, e
educação de surdos e de alunos com acentuadas dificulda- assume a de garantia da permanência e de sucesso escolar
des para aprender, tendo por referencial teórico e metodo- dos alunos com necessidades educacionais, que envolverá,
lógico a perspectiva histórico-cultural. necessariamente, a provisão de apoios.
A autora argumenta: Mendes destaca e analisa estudos recentes de seu grupo
que abordam subtemas, como política educacional estadu-
[...] essas pesquisas têm claramente indicado possibilidades e ne-
al, tecnologia “assistiva” e ensino colaborativo. A autora
cessidades na construção de uma educação inclusiva que de fato
promova avanços junto a esta população. Dentre essas, destaca a nos alerta que “[...] a inclusão escolar no Brasil ainda é uma
necessidade de reverter: perspectiva a ser buscada, e nossa preocupação [como gru-
c) A inclusão assumida no mesmo paradigma da integração e po de pesquisa] tem sido a de não reforçar um simulacro”.
como uma nova roupagem da educação especial;
d) A difícil superação dos processos excludentes presentes na es-
Por sua vez, Sônia Victor e Maria Aparecida Barreto enfa-
cola; tizam, em seus estudos atuais e nos de seus orientandos,
e) Uma forte consciência da própria incapacidade docente aliada questões relativas à formação inicial e continuada de pro-
a uma baixa expectativa frente às possibilidades do aluno. fessores. Vêm buscando trabalhar na confluência da edu-
cação especial e educação infantil, apostando na interface
A autora toma, então, a questão da profissionalidade do- de temas e disciplinas. O cotidiano escolar, bem como os
cente no sentido de pensar de modo “menos fragmentado” estágios supervisionados de formação inicial têm sido lócus
a formação do professor e a prática pedagógica; tendo em de suas pesquisas, que têm analisado: a gestão escolar, os
vista ampliar o atendimento às necessidades educacionais processos de avaliação, a mediação pedagógica, as tecnolo-
de todos os alunos. gias no cotidiano escolar e práticas pedagógicas inclusivas,
Enicéia Mendes elege como foco de produção de conhe- a formação de grupos colaborativos, a análise de espaços
cimento a pesquisa sobre a “Formação de Recursos Huma- de apoio especializado no contexto da escola comum, bem
nos em Educação Especial”, destacando um programa de como aspectos presentes na brincadeira de faz-de-conta e
extensão sobre esta temática e discutindo as relações que outras questões relativas ao jogo e à afetividade, além de jo-

24 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 25


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

gos e brincadeiras populares, estes últimos, numa interface O dispositivo grupal tem sido usado como um dos dispa-
com a área de educação física. radores/mediadores das ações e a perspectiva da pesquisa-
Seus estudos apontam como fundamentais para a forma- ação-crítica e colaborativa constitui sua base teórico-meto-
ção docente dológica.
Seus estudos apontam que, “[...] se quisermos uma esco-
[...] a não dicotomização da formação; a pesquisa como eixo da la inclusiva, precisamos pensar com o outro, precisamos de
formação do professor; o aprofundamento teórico como impres-
cindível para a reflexão crítica; a ética como a base para a atua-
um constante e longo processo de reflexão-ação-crítica dos
ção do docente e a interface como outras áreas de conhecimento profissionais que fazem o ato educativo acontecer”.
como condição para compreender a realidade e lançar uma ação Alexandra Anache apresenta sua trajetória de professora
mais propositiva para a escola na perspectiva da inclusão. no Programa de Pós-graduação em Educação da Universi-
dade Federal do Mato Grosso do Sul, destacando a ênfase
Já os estudos de Denise Meyrelles de Jesus e os de seus em questões relativas ao atendimento educacional naquele
orientandos concentram-se na necessidade de aprofundar estado e ao sujeito da educação especial. A autora indica,
o diálogo entre teoria, prática e pesquisa. Isso vem exigin- como base teórica para o trabalho de investigadora e orien-
do do grupo um mergulho teórico, no sentido de desvelar tadora, a abordagem histórico-cultural e apresenta uma
novos modos de produção de conhecimento que, partindo análise de desafios que transcendem sua ação específica,
das complexas interações com o contexto, o auxilie a com- articulando tais desafios às singularidades que marcam a
partilhar respostas para questões concretas com as quais se história recente da educação especial. Ao desenvolver essa
debatem os profissionais da educação numa perspectiva de análise, a autora destaca a existência de interlocução entre
criar condições de práticas mais inclusivas. A autora mostra diferentes linhas de pesquisa do Programa de Pós-gradua-
como o grupo de pesquisa tem enfatizado as ações colabo- ção, o que tende a colocar em evidência uma certa plu-
rativas entre a universidade e as redes de ensino e acolhido ralidade de leitura dos fenômenos que são tomados como
os “estudos de intervenção” na prática cotidiana concreta, objeto de investigação. Dentre as temáticas explicitadas nas
visando a produzir uma reflexão crítica sobre essa mesma pesquisas desenvolvidas pelo grupo de orientados, destaca-
prática. mos: as condições do atendimento educacional a diferentes
Pela via da formação continuada em contexto, buscam sujeitos; a formação profissional de educadores e técnicos
formar profissionais investigadores capazes de, na dinâmi- que trabalham com a educação especial; a questão das rela-
ca da relação teoria-prática, constituir uma outra lógica de ções entre educação e acesso ao mercado de trabalho; além
ensino, criando comunidades autocríticas de investigação das questões relativas à avaliação educacional.
comprometidas em promover melhores condições de edu-
cação. c) Perspectivas teóricas e análises de paradigmas
Os focos principais têm se constituído nas questões re- Carlos Alberto Marques (UFJF), Luciana Marques (UFJF),
lativas ao ensinar/aprender de sujeitos em situações de des- Hiran Pinel (UFES) e Leila Nunes (UERJ) dedicaram-se a
vantagem e saberes/fazeres educacionais que visam a inter- considerar prioritariamente caminhos de natureza teórica
vir nos processos educativos.

26 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 27


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

que vêm buscando trilhar. orientador, uma “[...] educação de qualidade para todos, de
Carlos Alberto Marques e Luciana Marques apontam a um espaço único para a convivência e a aprendizagem”.
necessidade de um olhar da Educação Especial no contexto Hiran Pinel coloca em destaque a “inspiração fenome-
da chamada “crise de paradigmas” que, de acordo com os nológico-existencial”, a partir da Psicologia Existencial que
autores, vem “[...] colocando em xeque valores e práticas, considera o “ser-no-mundo”.
num forte movimento de desconstrução dos mesmos, de um Seus estudos e os de seus orientandos tomam como foco
lado, e de seguimento de novas concepções e práticas, de principal: questões da afetividade na sala de aula inclusiva;
outro”. A partir da análise dos paradigmas que vêm orien- estudo de caso de inspiração fenomenológico-existencial;
tando os estudos na área (exclusão, integração, inclusão), os formas de ser resiliente; (in)disciplina “positiva”; vivências
autores chamam a atenção para os seus esgotamentos e in- de crianças com doenças crônicas que freqüentam um
dicam a necessidade de “[...] ressignificação da educação, programa de hospitalização escolarizada; descrição das
da sociedade [...]” associando-a à busca de novos preceitos experiências de três renomadas professoras de Fonoaudio-
teóricos. Assim sendo, os professores e seus orientandos es- logia, sobre o significado que fornecem à “identidade sur-
tão desenvolvendo o projeto de pesquisa “Uma leitura críti- da”; experiência de rádio-escola; experiência existencial de
ca da Educação Especial a caminho da inclusão”, que con- pacientes/educandos soropositivos ao HIV; significado ou
siste na análise das teorias de três pensadores, (VYGOTSKY; sentido de “ser-sendo” usuário do setor “Braille” de uma
PAULO FREIRE; FOUCAULT), lançando mão de recortes biblioteca pública; “ser-sendo” meninos e meninas de/na
político, pedagógico e filosófico. rua; sujeito existencial da educação especial escolar e não
Carlos Alberto Marques e Luciana Marques buscam: escolar, dentre outros em caráter embrionário.
[...] a) identificar em cada um dos teóricos investigados O autor destaca sua ênfase pela “educação especial não
pontos de ruptura dos seus pensamentos com o denomina- escolar e similares” e expressa intensa influência de pen-
do paradigma da exclusão; sadores, como: Heidegger, Vitor Frankl, Carl Rogers, Mer-
b) estabelecer um paralelo entre os pensamentos de leau-Ponty, Forghieri, Amatuzzi e Laing em sua produção,
Vygotsky, Paulo Freire e Foucault no que se refere ao deslo- embora se revele “aberto” a outras possibilidades de “ser-
camento das práticas sociais do preconceito, do isolamento sendo”.
e da opressão para o respeito à diferença, a igualdade de Leila Nunes coloca em destaque os estudos sobre comu-
direitos e a tomada de consciência da condição de sujeitos nicação alternativa que vêm sendo realizados em seu grupo
pelos indivíduos oprimidos. de pesquisa.
Esse estudo inclui professores, profissionais externos à A autora destaca que “[...] o grande mérito da comunica-
universidade, além de estudantes de graduação e pós-gra- ção alternativa/ampliada é o de dar vez e voz aos indivíduos
duação. O estudo de cada um dos pensadores se constitui não oralizados para fazer escolhas e expressar necessidades,
num subprojeto, coordenado por um docente. sentimentos e pensamentos de forma mais transparente”.
Os autores destacam a análise de discurso, na vertente Os estudos realizados pela pesquisadora e orientados
francesa, como modalidade de pesquisa e, como princípio foram: conceituação da comunicação alternativa e amplia-

28 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 29


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

da; ensino do uso da comunicação alternativa, por meio de visitando páginas dos principais museus nacionais e inter-
estratégias de ensino naturalístico; interação de usuários de nacionais, para encontrar as obras, elencando os temas a
CAA e seus interlocutores; efeitos de programa de formação partir de palavras-chave, tendo o cuidado de, em diferentes
de professores para introduzir CAA nas escolas; desenvolvi- línguas, incluir termos atuais e arcaicos que historicamen-
mento da leitura e escrita em usuários de CAA; e treinamen- te indicassem a “condição”. Além disso, buscou encontrar,
to de pais para interagir com filhos usuários de CAA. na história da Educação Especial, as atitudes em frente aos
A pesquisadora nos alerta para o fato de que, embora os deficientes.
sistemas de CAA tenham sido introduzidos no Brasil desde A partir de obras identificadas na História da Arte, as
a década de 70, seus benefícios não foram ainda reconhe- imagens são organizadas em três blocos de representações
cidos pelos gestores da educação, nem pelos cursos de for- religiosas: bobos da corte em iluminuras da Alta Idade Mé-
mação de professores. Em sintonia, pais e profissionais “[...] dia; Pinturas de Bosch e Brueghel na virada de 1500; pintu-
podem julgar que usuários potenciais da CAA não dispõem ras do Renascimento.
de mensagens importantes a comunicar”. Do seu estudo, ainda em andamento, a autora afirma
Concretamente, os sistemas de CAA têm sido utilizados
O diferente não aparece como cidadão comum, como parte de
mais freqüentemente em ambientes clínicos do que educa- uma comunidade, como uma pessoa entre outras. A sua imagem
cionais. é utilizada de três maneiras diferentes como parte de uma men-
sagem moralizante ou da educação cristã [...] assim poderemos
d) Abordagens metodológicas mostrar como concepções imbricadas na história do cristianismo
Lúcia Reily (PUC-Camp), Eduardo Manzini (UNESP), ainda permeiam o atendimento do deficiente na atualidade.
Kátia Caiado (PUC-Camp) e Theresinha Miranda (UFBA)
trazem para o debate questões de natureza metodológica Eduardo Manzini analisa a entrevista como um dos pro-
como objeto de análise. Rosângela Prieto, embora discuta cedimentos para coletar informações para a pesquisa em
questões relativas às políticas públicas, também considera Educação e Educação Especial, considerando as implica-
em seu texto a abordagem metodológica central. ções para análise de dados.
Lúcia Reily evoca a reflexão sobre metodologias que O autor busca, a partir de estudo sobre a utilização de
consideram um diálogo possível entre as áreas da Educa- entrevistas em teses e dissertações, levantar questões atuais,
ção Especial, História e Teologia, tendo como eixo pesquisa por exemplo, “[...] como a entrevista é concebida para o
“sobre arte”, tomando como foco imagens. investigador? Como os pesquisadores que trabalham com
A autora apresenta um estudo das obras de arte que re- entrevista definem esse procedimento?”.
tratam a deficiência na temática religiosa, recorte de um Esses estudos impulsionam o autor a questionar se a lite-
estudo maior em desenvolvimento chamado “Retratos de ratura que se refere à entrevista apresenta respaldo teórico
deficiência e de doença mental: intersecções entre a histó- para analisar uma entrevista. Sua resposta a tal questão é
ria da educação especial e a história da arte”. não, e que “[...] a pesquisa sobre o uso de entrevista como
Lúcia Reily relata sua busca de “sites” de obras artísticas, opção metodológica precisa avançar”.
O autor sugere:

30 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 31


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

na concepção de mundo que o pesquisador expressa, nas


É necessário traçar pontos de junção entre teorias distintas, ou
perguntas que faz, no diálogo que mantém com o conheci-
seja, entre aquelas que analisam o discurso e o conteúdo e aque-
les que analisam outros componentes verbais ou não-verbais [...] mento socialmente produzido”.
que fazem parte da interação social e passíveis de análise tendo Atualmente, a pesquisadora está conduzindo um estudo
como base a linguagem. intitulado “Histórias de luta: pessoas deficientes organiza-
das pela construção de sua cidadania”, cujo objetivo é “[...]
Eduardo Manzini ainda resgata a noção de que a análise conhecer a história de vida de pessoas deficientes que parti-
dos dados depende da coleta e do processo de produção cipam de grupos organizados na luta de seus direitos [...]”.
de informações durante a entrevista. Por último, refere-se à Destaca como desafios associados a essa metodologia
“[...] necessidade de pesquisa para estudar como os vieses tecer as relações de
ou as interpretações pouco fiéis às informações advindas
de uma entrevista são produzidas”. Essa indicação leva o [...] cada história de vida com uma perspectiva ampla de socie-
dade, do processo social e de história [...] e encontrar as princi-
autor a realizar um estudo sobre “Análise de informações pais mediações sociais que constituíram a vida psíquica daquele
em entrevista: um estudo com uso de estímulos distrativos”. indivíduo a partir de determinadas condições sociais, históricas,
Finaliza anunciando a necessidade de dar um salto quali- biológicas e psicológicas.
tativo com vistas à instrumentalização de pesquisadores, a
partir de “[...] um aporte teórico-metodológico proveniente Theresinha Miranda, em sua análise, toma como refe-
de várias áreas do conhecimento”. rência as pesquisas realizadas no âmbito do Programa de
Kátia Caiado dedica-se a estudar “histórias de vida e de- Pós-graduação em Educação da Universidade Federal da
ficiência”; ou melhor, propõe-se a refletir sobre essa abor- Bahia, no período 2000 a 2005. A autora parte dos traba-
dagem de pesquisa. A autora destaca que “[...] compreen- lhos desenvolvidos pelo grupo de pesquisa “Educação In-
de a história de vida enquanto realidade empírica, como clusiva e Necessidades Educacionais Especiais” e indica
um fragmento, ou uma síntese, que conserva múltiplas e que o referido grupo tem como objetivo central a análise da
complexas determinações da vida humana” e que diferen- “implementação de práticas inclusivas no contexto escolar
tes fontes construídas de dados podem ser articuladas: de- e social”. Aponta como eixos do trabalho desse grupo as
poimento oral, indicadores sociais, fotografias, documentos temáticas: políticas públicas de inclusão; práxis pedagógi-
clínicos, escolares e trabalhistas. ca; tecnologia da informação e da comunicação; trabalho e
A autora elabora uma discussão em torno das fontes orais profissionalização. Ao se referir ao trabalho de investigação
e destaca que, embora vários autores identifiquem as “fon- do grupo, Theresinha Miranda destaca que o mesmo visa
tes orais” como uma metodologia que possibilita dar voz à compreensão das tendências, desafios e dificuldades as-
aos excluídos, ela advoga que “[...] essa opção política não sociados à inclusão que é concebida como fenômeno que
é intrínseca à metodologia”, muitas vezes tendo sido usada não se restringe ao universo escolar, devendo, segundo a
para “legitimar a voz do poder”. autora, ser problematizado “como um conceito que deve
Para Kátia Caiado, “[...] o compromisso político se revela ser situado no contexto social e político de uma determi-

32 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 33


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

nada sociedade”. Dentre os trabalhos, há uma tendência sa de primeiras impressões, esboçar uma leitura analítica
de ênfase em algumas áreas da educação especial, como a sobre os aspectos que identificamos como em destaque. A
deficiência visual e a deficiência auditiva. No que se refere priori, anunciamos que muitas de nossas colocações foram
ao plano teórico, Miranda indica dois autores como refe- se constituindo nas (re)leituras dos textos, mas também nos
rências prioritárias para a investigação: Vygotsky e Bron- diálogos que travamos ao longo do Seminário de Pesquisa,
fenbrenner. A autora, ao analisar um universo específico de que deram origem aos trabalhos aqui discutidos.
produções do seu grupo de pesquisa, indica a relação entre Ao tentarmos entender como se constituíram os nossos
fatores contextuais e aqueles que dizem respeito à singulari- olhares sobre a temática, poderíamos identificar, conforme
dade dos sujeitos como um pólo de atenção para o trabalho já mencionado em outro momento: um grupo de pesquisa-
que desenvolve. dores buscou analisar os temas que os desafiavam, outros
Rosângela Prieto também enfatiza em seu texto questões mapearam as suas produções e focalizaram resultados mais
relativas ao uso de documentos em pesquisas em políticas específicos de seus estudos, enquanto outro grupo tomou
educacionais. “procedimentos de pesquisa”, no sentido de problemati-
Inicialmente, a autora aponta a recente história da mu- zá-los. Na tentativa de articular o que temos na área das
nicipalização do ensino no País, o que concorre para que Políticas Públicas, identificamos que os estudos apontam
a prática de “constituir” uma memória não seja comum e, um movimento da área da educação especial, no sentido
ao mesmo tempo, analisa que, apesar de muitas vezes es- de “olhar-se” no contexto das questões macrossociais, bus-
cassos, os documentos se constituem nas únicas fontes exis- cando suas implicações na educação. Parece-nos muito
tentes. positivo que, apesar de se apresentarem alguns elementos
No que tange à sua utilização, a autora sugere que o como dificultadores, uma tendência tem se fortalecido: de
pesquisador esteja atento, dentre outros aspectos; entender/descobrir a realidade concreta a partir do estudo
das políticas públicas em andamento, tomando como foco
• Quanto à legislação: a ausência de leis que regulamentem [...]
os serviços públicos; a precariedade de sua formulação [...]; falta
prioritário o âmbito dos municípios. Nesse sentido, consi-
ou excesso de orientações que contradizem aos ditames das leis derando diferentes sistemas de educação, tem sido possível
[...]. sistematizar indicadores para análise de políticas públicas
• Quanto à localização das fontes documentais caracterizada que visem a atender alunos com necessidades educacionais
pela dispersão e pela impossibilidade de acesso a um documento
por troca de gestão administrativa. especiais em suas escolas públicas de ensino regular.
• Quanto à legitimidade: devido à natureza dos documentos que Os estudos indicam temáticas mais recentes: municipa-
muitas vezes não registram autor, data, origem etc. lização; gestão de sistemas; gestão de unidades escolares;
avaliação de políticas de inclusão. No entanto, há lacunas
Esboços (in)conclusivos do mapa... quanto a financiamento, análise do público e privado em
Poderíamos sugerir que responder a essa questão se educação, avaliação do impacto das políticas, dentre ou-
constitui num trabalho de construção coletiva, tecido a vá- tros.
rias mãos, a partir do sentido que cada um de nós atribuiu No segundo bloco de trabalhos, vamos também lançar
à solicitação de “mapear produções”. Tentaremos, à gui-

34 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 35


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

um olhar sobre especificidades dos contextos escolares, contramos reflexões sobre abordagens de pesquisa, como
considerando processos como a dialética inclusão x exclu- as histórias de vida e os estudos de caso, que nos parecem
são, a seletividade e seus nexos com a educação de alunos promissoras no sentido de valorizar as conexões entre os
com “necessidades educacionais especiais”. fenômenos investigados, suas múltiplas determinações e
Os trabalhos anunciam que pesquisadores/orientadores suas conexões com dimensões mais amplas da vida social
estão produzindo conhecimento sobre as condições/práti- e política.
cas pedagógicas e organizativas na escola, sobre o currícu- Ao mesmo tempo em que a maioria dos trabalhos tri-
lo e o fazer pedagógico. Evidenciam, também, que essa se lha por diferentes caminhos, algumas questões/direções
constitui numa das questões centrais e que demanda a siste- nos unem. Boa parte dos pesquisadores se coloca como
matização do conhecimento que vem sendo produzido, no membros de grupos de pesquisa, compostos por outros
sentido de contribuir para modificar os processos escolares professores, mestrandos, doutorandos e graduandos, esses
excludentes. Os pesquisadores, no entanto, sinalizam para associados à iniciação científica. Há, ainda, a presença de
projetos de colaboração com as redes, principalmente pela colaboradores, tanto ex-alunos quanto profissionais das re-
via da formação continuada, o que pode se constituir em des de ensino. Fala-se de um espaço de colaboração nos
um elemento disparador de novas/outras possibilidades nos próprios grupos e que, em alguns casos, se ampliam como
contextos escolares. grupos colaborativos entre as IES e as redes de ensino.
No que se refere à discussão de perspectivas teóricas, Os trabalhos citados falam de outras/novas articulações
evidencia-se uma busca por novos caminhos como susten- com a Educação: por um lado, observa-se uma abertura da
tação de uma “leitura crítica da educação especial”. Cum- área para inserir-se nas questões da Educação, sem perder
pre destacar que todos os pesquisadores explicitam suas algumas de suas especificidades; por outro lado, os temas
bases teóricas e parece haver predominância da abordagem relativos às políticas de atendimento, práticas pedagógicas,
histórico-cultural, embora percebida em suas muitas pers- práticas organizativas escolares, questões legais também ar-
pectivas e que, na grande maioria dos trabalhos, os autores ticulam discussões sobre a educação da pessoa com neces-
anunciaram abordagens metodológicas qualitativas. No pla- sidades especiais.
no geral dos trabalhos, há ainda o destaque do materialismo Encontramos grandes diferenças teórico-conceituais, te-
histórico, da pedagogia institucional, do pensamento sistê- órico-metodológicas, de objeto e de abordagens e isso nos
mico, do pensamento fenomenológico existencial, além da mobiliza para aprofundar nossas posições relativas a tan-
evocação de autores como Paulo Freire e Foucault. tas questões que demandam espaço-tempo de discussão na
Os pesquisadores que tomaram como eixo de discussão área. Essa multiplicidade pressupõe uma atitude de diálogo
questões teórico-metodológicas anunciam tanto desafios que considere a diversidade de perspectivas, a pluralidade
quanto possibilidades. O atuais percursos de pesquisa em de conhecimentos e de formas, sem perder de vista, no en-
educação especial têm mostrado instigantes formas de foco, tanto, que “várias vozes” alertam no sentido da expansão e
como as imagens que confluem com a história da arte e aprofundamento teórico-conceitual.
suas significações sobre as deficiências. Por outro lado, en- Também olhamos surpresos para o silenciamento ou

36 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 37


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

tangenciamento de temas que já foram centrais: formação


inicial, pesquisa em instituições/escolas especializadas, ên-
fase em categorias especificas, dentre outros.
Neste momento de busca de finalização, sabemos que Referências
não temos fechamentos possíveis “[...] temos somente um
certo grau de certeza de que há abertura de um espaço de 1 FREITAS, M. T. de A. O pensamento de Vygotsky nas
discussão na área, que pode levar a muitas outras/novas reuniões da ANPED (1998-2003). Disponível em: <http://
possibilidades de debate sobre as ‘religações’ entre Ciência, www.scielo.br/scielo.php>. Acesso em: 17 abr 2005.
Política e Cidadania” (NUNES, 2004, p. 78). 2 JABÈS, E. Il libro dell’ospitalità. Milano: Cortina Edi-
Aos pesquisadores, fica o desafio de pensar a partir do tore, 1991
que excede os limites conceituais, sendo críticos do que nos 3 NUNES, J. A. Um discurso sobre as ciências 16 anos
sustenta no plano teórico, na tentativa de enfrentar emer- depois. In: SANTOS, B. de S. (Org.). Conhecimento pruden-
gências e complexidades (ZEMELMAN, 2004). te para uma vida decente. São Paulo: Cortez Editora, 2004.
Sabedora de nossa impossibilidade de apontar mais do p. 59-89.
que pistas e indícios, concordamos com Freitas (2003, p. 4 NUNES, L. R. O. P.; FERREIRA, J. R.; MENDES, E. G.
18), A produção discente da Pós-Graduação em Educação e Psi-
cologia sobre o indivíduo com necessidades educacionais
[...] reconhecer as condições de produção do autor e seus textos, especiais. In: MENDES, E. G.; ALMEIDA, M. A.;
mas sem se colocar no lugar de quem está pondo as coisas em
5 NUNES, L. R. O. P.; FERREIRA, J. R.; MENDES, E. G.
ordem. As leituras podem ser rigorosas, mas é uma pretensão co-
locar as coisas nos devidos lugares. O importante é registrar esse A produção discente da Pós-Graduação em Educação e Psi-
movimento de diferentes vozes e leituras [...]. cologia sobre o indivíduo com necessidades educacionais
especiais. In: MENDES, E. G.; ALMEIDA, M. A.; WILLIAMS,
Ao voltar nosso olhar para o conjunto que ora se mostra, L. C. A. (Orgs.) Temas em educação especial: avanços re-
percebemos que nossas vozes falam, no geral, de perspec- centes. S. Carlos: EDUFSCar, 2004, p. 131-142.
tivas menos fechadas, que se afastam de modelos de verda- 6 WILLIAMS, L. C. A. (Orgs.) Temas em educação es-
des acabadas e admitem as incertezas. Possivelmente este pecial: avanços recentes. S. Carlos: EDUFSCar, 2004, p.
seja o traço distintivo que anuncia uma educação especial 131-142.
em construção, menos impregnada de certezas, menos cré- 7 SANTOS, B. de S. (Org.). Conhecimento prudente
dula em seu papel pragmático, menos segura de seu uni- para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revi-
verso restrito de abrangência. Naturalmente, não buscamos sitado. São Paulo: Cortez Editora, 2004.
conclusões definitivas, pelo contrário, desejamos estar, mo- 8 ZEMELMAN, H. Sujeito e sentido: considerações so-
tivados por esses trabalhos, em condições de avançar no bre a vinculação do sujeito ao conhecimento que constrói.
diálogo construtivo de novas leituras que apontem possi- In: SANTOS, B. de S. (Org.). Conhecimento prudente para
bilidades, apresentem outros caminhos e instigue nossa in- uma vida decente. São Paulo: Cortez Editora, 2004. p. 457-
ventividade. 468.

38 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 39


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

pesquisa sobre políticas de atendimento


escolar a alunos com necessidades educacionais
especiais com base em fontes documentais
Rosângela Gavioli Prieto

Introdução

Este artigo tem como propósito encaminhar algumas re-


flexões afeitas a pesquisas sobre políticas públicas de edu-
cação, particularmente as formuladas para atender alunos
com necessidades educacionais especiais em redes de en-
sino municipais. Na instituição de ensino superior (IES) em
que atua, a autora vem desenvolvendo e orientando estudos
sobre políticas municipais de educação especial e, mais re-
centemente, de educação inclusiva 2.
O destaque para sistemas municipais de ensino deve-se
aos desdobramentos políticos educacionais herdados da
promulgação da Constituição Federal de 1988 (CF 88) e às
normatizações para a área de educação subseqüentes a essa
Carta Magma.
2
. Dos estudos que desenvolveu destaca-se: PRIETO, Rosângela Gavioli.
Política educacional do município de São Paulo: estudo sobre o atendi-
mento de alunos com necessidades educativas especiais, no período de
1986 a 1996. 2000. Tese Doutorado. São Paulo: Faculdade de Educação,
Universidade de São Paulo, 2000. Como docente do Programa de Pós-
graduação da FEUSP, teve sob sua orientação: DUARTE, Márcia Maria
Baptista. Política educacional de atendimento aos alunos com deficiên-
cia no município de Mauá. 2002. Dissertação de Mestrado. Faculdade
de Educação da Universidade de São Paulo. Em 2005, ingressaram no
referido programa, sob sua orientação: LEODORO, Juliana Pires com pro-
jeto “Políticas nacionais para a capacitação de professores para a inclusão
entre os anos de 1996 e 2004”; TEIXEIRA, Valquíria Prates Pereira, pro-
pondo o trabalho “Políticas de inclusão para portadores de deficiência
na América Latina: análise comparativa de ações na educação formal”; e
ANTUNES, Renata Almeida com o projeto intitulado “Estratégias didáticas
para uma escola inclusiva”. Ainda, atualmente orienta dois trabalhos de
conclusão de curso (TCC) cujos temas relacionam-se com políticas de
atendimento escolar direcionados a esse alunado. Os estudos em anda-
mento estão citados em outras referências neste texto.

40 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 41


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

Com a promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da Edu- Essas condições são suficientes para evidenciar a neces-
cação Nacional – Lei nº 9.394, em 20 de dezembro de 1996 sidade e urgência de estudos que investiguem como vem
(LDB 96), ficaram mais bem definidas as responsabilidades se organizando o atendimento escolar nas redes municipais
da esfera municipal em relação à educação. No seu art. 11, de ensino e, em particular, se estão sendo asseguradas aos
está estabelecido que “Os municípios incumbir-se-ão de: V alunos com necessidades educacionais especiais, além do
– oferecer a educação infantil e, com prioridade, o ensino acesso à escola regular, condições para que adquiram co-
fundamental [...]”. Com isso, o atendimento de alunos com nhecimentos.
necessidades educacionais especiais nesses níveis de ensino Com essas intenções, neste artigo serão apresentadas
deve ser realizado predominantemente pelas prefeituras. algumas dimensões para análise de políticas educacionais
Os dados oficiais3 divulgados pelo Censo Escolar de públicas que têm o objetivo de atender alunos com neces-
2004 informam a expansão das sidades educacionais especiais em sua rede de ensino, e
matrículas na educação especial municipal, e reforçam serão discutidas algumas das dificuldades detectadas para
tendência a sua ampliação. De 2003 para 2004, o total de desenvolver pesquisas em alguns municípios paulistas 4. Às
matrículas aumentou de 504.039 para 566.023 e, quanto às dimensões destacadas serão, sempre que possível, associa-
responsabilidades pelo atendimento, constata-se que, desde dos alguns procedimentos metodológicos indicados para
1998, está ocorrendo retração do atendimento na esfera fe- sua compreensão e análise, bem como as dificuldades en-
deral e no âmbito das redes estaduais de ensino. contradas nos referidos estudos. Considerando a extensão
Contudo, essa atual configuração dos compromissos le- das variáveis que envolvem o tema em tela, serão explora-
gais dos municípios com a educação – de onde advém o dos com maior rigor e detalhamento alguns aspectos relati-
fortalecimento da municipalização no atendimento espe- vos ao uso de documentos legais e de outras naturezas, uma
cializado de alunos com necessidades educacionais espe- das possíveis fontes de onde se podem extrair dados para
ciais em idade de educação infantil e ensino fundamental investigar políticas educacionais. Para tal, pretende-se situ-
– coloca-os diante de condições pouco conhecidas e dife- ar as justificativas, as características e os desafios colocados
renciadas de décadas anteriores. pelo uso desse tipo de procedimento de pesquisa.
Muitos municípios brasileiros não têm tradição de aten- Considerando desnecessário ser anunciada a incomple-
dimento em educação no ensino fundamental e muito me- tude deste artigo, seus fins visam a apresentar contribuições
nos em educação especial. Somado a isso, constatamos a que sirvam como material de interlocução entre os interes-
falta sistemática de meios e métodos que possam permitir o sados em pesquisar políticas de educação para todos.
arquivamento de documentos históricos que, com certeza,
poderiam auxiliar na elaboração de dados estatísticos e na
avaliação da política educacional nessa esfera da adminis-
tração pública.
4
. Como já mencionado, a autora deste artigo tem se dedicado a desen-
. Os dados aqui apresentados foram extraídos do site www.mec.gov.br,
3
volver pesquisas que mapeiem e analisem políticas municipais de atendi-
especificamente no link da Secretaria de Educação Especial (Seesp).
mento a alunos com necessidades educacionais especiais.

42 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 43


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

Com essa intenção, serão apresentadas, ainda que bre-


Dimensões para avaliação de políticas municipais vemente, dimensões para descrever, caracterizar e analisar
de educação: um olhar para o atendimento de alu- políticas educacionais com vistas a avaliar seus resultados
nos com necessidades educacionais especiais e impactos.
As políticas públicas, com destaque para as de cunho social, por Antes é necessário destacar que toda análise sobre a po-
serem resultantes de múltiplos fatores que se articulam a ponto de lítica educacional precisa de clara sustentação da definição
formarem uma teia complexa e multifacetada, são de difícil apre- do papel do Estado no desenvolvimento e manutenção de
ensão, requerendo que sejam consideradas suas diferentes ordena- políticas sociais, bem como da educação.
ções. Podemos destacar, entre outras: seu processo de formulação, Assim, para a autora, o Estado deve ser o provedor das
ou seja, o desvelamento das forças em disputa quando de sua ela- condições de igualdade de acesso aos bens e serviços so-
boração e as diferentes concepções de homem, de sociedade, de ciais, e que todos os cidadãos possam usufruí-los; e a edu-
Estado e de educação, entre outras, nelas explicitadas; sua implan- cação escolar é entendida como “uma dimensão fundante
tação, que não depende apenas de estar garantida no plano legal, da cidadania, e tal princípio é indispensável para políticas
mas do resultado de novos confrontos decorrentes do processo de que visam a participação de todos nos espaços sociais e
definição das prioridades de cada gestão governamental e da desti- políticos e, mesmo, para reinserção no mundo profissional”
nação de recursos financeiros próprios e em quantidade suficiente (CURY, 2002, p. 246). Essas devem ser as “lentes” usadas
para que não sejam arremedos de políticas. Ainda merece ser res- para o desenvolvimento de estudos sobre políticas educa-
saltada a necessidade de investimentos em estudos que apreciem cionais e, portanto, as referências norteadoras para avaliar
os resultados e os impactos das políticas de educação pública em como os sistemas de ensino vêm cumprindo ou não com
andamento e que subsidiem seu aprimoramento. seus papéis sociais. Para Cury, ao longo da história, a edu-
A compreensão, a análise e a avaliação dos impactos das po- cação foi considerada “ora como síntese dos três direitos
líticas públicas em educação especial constituem-se em grandes [...] – os civis, os políticos e os sociais, ora como fazendo
desafios para os sistemas de ensino, e uma dentre as tarefas da aca- parte de cada um deles. [...] Essa conjunção dos três direitos
demia. Ressalte-se que esta terceira tarefa é a que menos possui na educação escolar será uma das características do século
estudos já finalizados, e talvez a que demande maior esforço no XX.” (2002, p. 254) Ainda segundo esse autor,
sentido de formular instrumentos capazes de averiguar e quantificar
as conseqüências das políticas implantadas5 . A magnitude da educação é assim reconhecida por desenvolver
todas as dimensões do ser humano: o singulus, o civis e o socius.
O singulus, por pertencer ao indivíduo como tal, o civis, por en-
5
.Os resultados de uma pesquisa de avaliação de resultados e impactos volver a participação nos destinos de sua comunidade, e o socius,
de uma política de atendimento a alunos com necessidades educacionais por significar a igualdade básica entre todos os homens (CURY,
especiais estão apresentados no trabalho intitulado “Educação especial no
2002, p. 254, grifos do autor).
município de São Paulo: acompanhamento da trajetória escolar de alunos
no ensino regular”, desenvolvido pelas professoras Rosângela Gavioli Pri-
eto e Sandra Maria Zákia Lian Sousa, vinculadas à FEUSP, divulgado nos Com esses referenciais, este artigo apresenta algumas
Anais da 27ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação
e Pesquisa em Educação (Anped), mais especificamente no seu Grupo de dimensões para análise de políticas educacionais, organi-
Trabalho 15 - Educação Especial.

44 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 45


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

zadas em itens que preservam sua autonomia apenas para expressos em várias fontes documentais, com destaque para
fins de organização do texto, já que são interdependentes. o Plano de Governo, que deve explicitar seus compromis-
Ressalte-se que sua observância pode implicar em melhoria sos em diferentes áreas sociais: educação, saúde, habitação,
da qualidade da educação em escolas públicas municipais entre outras.
de educação infantil e de ensino fundamental, embora este Partindo de tal premissa, a análise da política educacio-
texto dê ênfase ao atendimento de alunos com necessidades nal implantada em dado local deve recair no compromisso
educacionais especiais. São dimensões nessa perspectiva6 firmado com a educação como direito de todos, em respeito
, as diretrizes legais, a concepção de inclusão escolar, a ao estabelecido na carta constitucional brasileira. Assim, a
organização e funcionamento e o modelo de gestão admi- inclusão escolar deve ser compreendida como “a identifi-
nistrativa adotadas pelos sistemas de ensino, bem como as cação e remoção de barreiras [à aprendizagem de todos os
condições de trabalho do professor e a alocação de recursos alunos], e isto implica a coleta contínua de informações,
financeiros, ou seja, o tipo de financiamento da educação valiosas para entender a performance dos alunos, a fim de
legalmente perfilhado. se planejar e estabelecer metas” (AINSCOW & TWEDDLE,
2003, p. 10-11)7 . Como parte desse planejamento, uma das
Diretrizes legais responsabilidades do Estado deve ser assegurar aos alunos
A inserção dos direitos das pessoas com necessidades com necessidades educacionais especiais “o atendimento
educacionais especiais na legislação é um importante ins- educacional especializado, [...] preferencialmente na rede
trumento por vezes usado para sustentar lutas por sua im- regular de ensino” (CF 88, art. 208, inc. III).
plantação ou pela manutenção e/ou aprimoramento de pla- Um procedimento a ser utilizado para a compreensão do
nos e programas direcionados ao seu atendimento escolar. significado empregado em cada sistema de ensino para in-
Conhecer, qualificar e analisar o conjunto dos direitos legais clusão escolar é a análise documental. Não obstante, é pos-
assegurado para essa população requer, primeiramente, sua sível lançar-se mão de outros procedimentos investigativos,
localização, seguida de sua leitura, organização seqüencial dentre eles entrevistas, questionários, conversas informais.
e catalogação, para posteriores releituras com vistas a apre-
ender os direitos e realizar sua análise. Um procedimento Organização e funcionamento do sistema de
de pesquisa freqüentemente priorizado para atingir esses ensino
fins é a análise documental, um tema a ser retomado pos- Quando se trata de atender na rede de ensino alunos com
teriormente. necessidades educacionais especiais, uma primeira consta-
tação a ser feita é sobre a existência ou não da educação
Concepção de inclusão escolar especial como modalidade de ensino. Em caso afirmativo,
Os fins da política educacional devem estar claramente a coleta e análise dos dados deve: 1) dispensar atenção ao
7
.Extraído do texto de FERREIRA, Windys Brazão. Da Exclusão à Inclusão:
.Neste artigo são recuperados elementos de outro artigo da autora escrito
6
formando professores para responder à diversidade na sala de aula – dis-
e publicado na Revista UNDIME, ano VIII, n.º 1, I sem. 2002.
ponível em cópia mimeografada.

46 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 47


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

modo como a educação especial é tratada no âmbito do pla- tópico anterior, pois os procedimentos a serem priorizados
nejamento educacional, ou seja, se é considerada em todas devem viabilizar a inserção do pesquisador e a coleta de
as esferas de discussão, elaboração e articulação de ações; dados em espaços educacionais, para além, inclusive, das
2) investigar como essa área está representada na estrutura escolas, posto ser uma dimensão também de difícil apreen-
da secretaria da educação, se como núcleo, equipe, depar- são e que exige contato mais prolongado com o objeto de
tamento, e as implicações naquele sistema de ensino dessa estudo.
organização; e 3) apreender como se dão suas articulações
intra e intersecretariais e com outras esferas de governo. Condições de trabalho do professor
Para conhecer, caracterizar e analisar esses aspectos de Atualmente, é comum atribuir a baixa qualidade do
organização e funcionamento do sistema de ensino, é possí- ensino tão-somente à inadequada formação do professor.
vel consultar as regulamentações expressas em documentos Contudo, é preciso situar em patamares equivalentes ou-
legais ou de orientação interna ao sistema de ensino. Toda- tros fatores gerados pela própria política interna do sistema
via, no campo das interações entre diversos setores e profis- de ensino, tais como baixos salários, ausência de plano de
sionais, é recomendável ultrapassar os limites do instituído carreira, distribuição da carga didática, que se esgota quase
legalmente, até porque nem sempre existe essa documen- exclusivamente em horas aula em sala em detrimento do
tação, coletando dados por meio de outros procedimentos, fortalecimento de condições para a reflexão e o planeja-
como, entrevistas, observação e demais formas que favore- mento da ação pedagógica coletiva e/ou individual. Dentre
çam condições de reunir as referidas informações. as possíveis conseqüências dessas condições tão pouco es-
timulantes ao exercício do magistério, está a baixa auto-es-
Gestão do sistema de ensino tima dos professores, a sua permanência por pouco tempo
Quanto à gestão dos sistemas de ensino, o que parece em cada escola, acarretando muitas vezes um restrito en-
consensual em discursos e produções sobre educação é a volvimento com projetos e decisões coletivas da escola.
defesa de seu caráter democratizante, tanto no que se refere Diversos procedimentos podem ser utilizados para cap-
à universalização do acesso à escola e ao conhecimento, turar esses aspectos da vida institucional dos profissionais
como nos aspectos políticos, administrativos e pedagógi- da educação, mas certamente usar a estratégia de “escuta”
cos. do que esses professores têm a dizer pode permitir a reunião
No entanto, quando se toma um sistema de ensino como de preciosas informações para avaliar com maior precisão a
referência, é preciso identificar qual a concepção de demo- realidade de suas condições de trabalho.
cracia que adota, e a aproximação que há de fato entre o
previsto na lei, o discurso ecoado e o realmente instituído Financiamento da educação
no âmbito de todas as estruturas do sistema de ensino, com Um das tarefas aqui indicadas como primordial é desve-
destaque para as unidades escolares. lar que proporção de recursos públicos é aplicada em cada
Observa-se que as considerações metodológicas aqui co- nível da educação pública, bem como averiguar como é
locadas devem reproduzir as orientações mencionadas no financiado o atendimento de alunos que apresentam neces-

48 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 49


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

sidades educacionais especiais, ou seja, qual montante lhes por estudos, usando análise documental, realizados ou em
é destinado e se é suficiente, se a rubrica é específica ou desenvolvimento8 , bem como algumas sugestões na via
não, se há fundo público investido em serviços privados, da superação dos impasses evidenciados. Antes, porém,
entre outros. cabem algumas referências à metodologia, com o enfoque
Compreende-se que a construção de condições escola- declarado neste texto.
res apropriadas para atender a diversidade de necessidades A análise documental constitui uma técnica importan-
dos alunos deve prever custos adicionais empregados, den- te na pesquisa qualitativa, “seja completando informações
tre outros, na admissão e qualificação de profissionais, bem obtidas por outras técnicas, seja desvelando aspectos novos
como na provisão de materiais e de equipamentos especí- de um tema ou problema” (LÜDKE; ANDRÉ, 1986, p. 38).
ficos. Pode ainda servir para confirmar afirmações dos depoentes
Para se obter dados a esse respeito, faz-se necessário ou do próprio pesquisador e revelar significativas informa-
consultar registros documentais e complementá-los via con- ções sobre o contexto de sua elaboração, como os agentes
tato direto com os gestores públicos que respondem pelo responsáveis por certo conjunto de diretrizes expressas no
financiamento da educação nos vários órgãos ou setores do documento, quando registrada sua autoria.
poder público. Para Guba e Lincoln, citados por LÜDKE e ANDRÉ
Todavia, é mister ressaltar que, no Brasil, raras são as (1986), a coleta de dados via documentos apresenta algu-
produções que se incumbem de desvelar os mecanismos de mas vantagens na pesquisa em educação, pois
financiamento da educação especial, um tema quase nada
[...] constituem uma fonte estável e rica. Persistindo ao longo do
explorado nas pesquisas acadêmicas, inclusive. tempo, os documentos podem ser consultados várias vezes e in-
Face ao exposto, fica evidente que a maior parte dessas clusive servir de base a diferentes estudos, o que dá mais estabi-
dimensões pode ser estudada pelo uso de fontes documen- lidade aos resultados obtidos; constituem também uma fonte po-
tais, ou podem por essas ser complementadas. Assim, entre derosa de onde podem ser retiradas evidências que fundamentem
afirmações e declarações do pesquisador; representam ainda uma
os procedimentos metodológicos de pesquisa, será destaca- fonte ‘natural’ de informação. Não são apenas uma fonte de infor-
da a análise documental como eixo para debate no próximo mação contextualizada, mas surgem num determinado contexto e
item. fornecem informações sobre esse mesmo contexto.

Pesquisa em educação especial: possibilidades e li- 8


.Pesquisas coordenadas pela autora. Uma com financiamento da Fapesp,
mites do uso de fontes documentais intitulada “Educação Inclusiva: o desafio de ampliar o atendimento de
As fontes documentais constituem uma das possibilida- alunos com qualidade e a formação docente”, em desenvolvimento no
período 2002-2006. Duas em parceria com a Sandra Maria Zákia Lian
des de aproximação do objeto, no caso as políticas públicas Sousa, uma encerrada em agosto de 2003 e, tal como mencionado, dis-
de educação, que, tal como já mencionado, são usadas para ponível nos Anais da 27ª Anped, e outra que replica a pesquisa “Política
apreender informações e proceder a análise das dimensões de atendimento aos alunos com necessidades educacionais especiais da
rede municipal de ensino de São Paulo, implementada a partir de 1993:
aqui apresentadas. caracterização e análise das SAPNEs direcionadas ao portador de defi-
Nos limites deste artigo serão destacadas algumas das ciência mental”, encerrada em 2000, estendendo a coleta para as outras
deficiências além da mental, a física, a auditiva e a visual.
dificuldades metodológicas e instrumentais já evidenciadas

50 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 51


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

um decreto, uma indicação, uma resolução, um parecer, ou


Esses argumentos evidenciam a relevância do uso de pode ser uma orientação, como exemplos; ao identificar o
fontes documentais, mas destaque deve ser feito aos crité- tipo, essa informação serve de referência para que se iden-
rios que devem ser respeitados durante sua coleta e organi- tifique sua origem, ou seja, se foi elaborado por instância
zação. Para Laville e Dionne, legislativa, se por executiva e, portanto, que possíveis ges-
tores do poder público estiveram envolvidos e quais idéias e
Na realidade, um longínquo trabalho de análise já foi iniciado
com a coleta dos materiais e a primeira organização desses, pois
forças sociais são subsidiárias daquele documento; o assun-
essa coleta, orientada pela questão da hipótese, não é acumula- to é o que revela a especificidade do documento; no que
ção cega ou mecânica: à medida que colhe informações, o pes- tange à data, seu registro oferece a informação necessária
quisador elabora sua percepção do fenômeno e se deixa guiar para a construção do panorama contextual, permitindo a
pelas especificidades do material selecionado (LAVILLE; DION-
NE, 1999, p. 215). compreensão das condições sociais, políticas e econômi-
cas que marcavam o ano ou período de elaboração e di-
Lopes e Galvão assumem que vulgação daquele documento. Somadas, essas informações
contribuem de forma primordial para fundamentar sua in-
[...] um trabalho é mais rico e mais confiável quanto maior for o terpretação, num movimento que vai permitindo evitar que
número e tipos de fontes a que se recorreu e com quanto maior
o uso de documentos legais e de outros se resumam à mera
rigor tenha sido exercido o trabalho de confronto entre elas.
Quanto mais se dispuser de uma pluralidade de documentos, descrição ou resgate de dados que deixe de evidenciar o
mais possibilidades se têm de melhor explorá-los, compreendê- caráter dinâmico da constituição da história das políticas
los e produzir conhecimento sobre o tema de pesquisa (LOPES; públicas.
GALVÃO, 2001, p. 93).
Reiterando, é preciso atentar para que as informações
não consistam apenas em um aglomerado de fatos regis-
Atendidos esses primeiros passos, é preciso definir as
trados segundo a cronologia de sua ocorrência. Para evitar
condições a serem respeitadas para proceder a análise de
que essa possibilidade se efetive, uma alternativa desejá-
seu conteúdo, que requer
vel é articulá-las ao contexto histórico-social em que foram
[...] empreender um estudo minucioso de seu conteúdo, das pala- produzidas e buscar apontar, inclusive lançando mão de
vras e frases que o compõem, procurar-lhes o sentido, captar-lhes conteúdos de documentos com teor complementar, a dinâ-
o sentido, captar-lhes as intenções, comparar, avaliar, descartar mica do processo de formulação e implantação de políticas
o acessório, reconhecer o essencial e selecioná-lo em torno de
idéias principais [...] (LAVILLE; DIONNE, 1999, p. 214). educacionais, que nem sempre seguem uma lógica evoluti-
va e de fácil compreensão.
Ainda quando da utilização de fontes documentais le- Levando-se em conta que um número expressivo de mu-
gais, é preciso extrair informações complementares que nicípios brasileiros tem história recente de atuação em edu-
permitam categorizá-las segundo seu tipo, sua origem, o as- cação, tal como mencionado anteriormente, é de se esperar
sunto de referência e sua data de promulgação. Quanto ao que a prática de constituição de uma memória documental
tipo, um documento pode ser uma lei ou lei complementar, não seja ação rotineira. Por outro lado, a própria estrutura

52 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 53


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

dos sistemas de ensino, que envolvem seus profissionais o gueira Tuppy afirma:
tempo todo com um fazer pouco afeito ao seu registro escri-
[...] a legislação pode ser muito mais contundente pelo que omite
to, justifica em parte essa realidade. Esses fatores, por si só, do que pelo que explica e [...] está sujeita a interpretações, cujas
já podem se colocar como obstáculos à escolha de fontes implicações demandam tantos conflitos quanto aqueles que esti-
documentos como base de pesquisa. verem presentes em sua formulação (TUPPY, 2002, p. 109).
Contudo, às vezes são exatamente os documentos (mes-
mo que em número reduzido) as únicas fontes que registram Com essa referência, um caminho para o pesquisador
os princípios, objetivos, metas da política em análise, e que proceder a análise do conteúdo dos documentos é aponta-
podem explicitar a base conceitual dos planos e programas do por Laville e Dionne:
e definir as fronteiras de atuação do poder público. Mais im-
O pesquisador decide prender-se às nuanças de sentido que exis-
portante, ainda, podem revelar as concepções subjacentes e tem entre as unidades, aos elos lógicos entre essas unidades ou
que, pelo menos em tese, deveriam nortear a execução das entre as categorias que as reúnem, visto que a significação de um
referidas políticas, com destaque neste texto para aquelas conteúdo reside largamente na especificidade de cada um de seus
elementos e na das relações entre eles, especificidade que escapa
direcionadas ao atendimento escolar de alunos com neces-
amiúde ao domínio do mensurável. [...] O que não significa que
sidades educacionais especiais, pois, como afirma Arretche, o procedimento seja aleatório e subjetivo: é preciso, ao contrário,
“qualquer política pública pode ser formulada e implemen- assegurar-se de que ela continue estruturada, rigorosa, sistemática
tada de diversos modos” (ARRETCHE, 1999, p. 30). (LAVILLE; DIONNE, 1999, p. 227).
Decidir ter como fonte de dados a análise de documen-
tos para caracterizar e avaliar políticas públicas de educa- Além desse conjunto de orientações, recomendações e
ção pode parecer à primeira vista uma escolha simples, mas critérios a serem respeitados quando se desenvolve pesqui-
esse procedimento, à medida que vai sendo usado, desvela sa por meio de fontes documentais, vale ainda destacar que
sua complexidade. nas experiências da autora pôde-se constatar:
Tomada a legislação como fonte principal, e portanto - Quanto à legislação: ausência de leis que regulamen-
imprescindível, há que se considerar, como Roberto Lyra tem, na totalidade ou em parte, os serviços públicos criados
Filho, que uma lei e mantidos pelos municípios; precariedade de sua formu-
lação, em que não são explicitados os direitos, os princí-
[...] sempre emana do Estado e permanece, em última análise, pios, os objetivos e as metas, nem o compromisso político
ligada à classe dominante [...]. Embora as leis apresentem contra-
dições, que não nos permitem rejeitá-las sem exame, como pura
e financeiro do poder público ou, se o faz às vezes, o texto
expressão dos interesses daquela classe, também não se pode afir- é ambíguo; a falta ou o excesso de orientações que con-
mar, ingênua ou manhosamente, que toda legislação seja Direito tradizem ou distorcem aos ditames das leis, ou até mesmo
autêntico, legítimo e indiscutível (LYRA FILHO, 1997, p. 8, grifo negam direitos já assegurados.
do autor).
- Quanto à localização das fontes documentais: salvo
exceções, a sua dispersão dificulta o desenvolvimento do
Não fossem apenas esses aspectos a tornar a tarefa da
primeiro passo para a realização de pesquisa documen-
análise de dispositivos legais trabalhosa, Maria Isabel No-

54 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 55


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

tal, ou seja, a reunião de todo o material. No geral, dada utilizar sem adaptações as mesmas indicações para análise
a organização e estrutura das secretarias de educação em de conteúdo de materiais de cunho discursivo.
diversos órgãos e setores, as fontes sobre um determinado À guisa de registrar sugestões, recomenda-se aos siste-
assunto, quando existentes, são encontradas em diferentes mas de ensino que invistam na reunião e manutenção de
espaços intra e intersecretariais, em arquivos ou pastas sem seu acervo documental, construindo a memória de sua tra-
identificação, ou estão em posse de certo funcionário, entre jetória político-administrativa que se legitimará como um
outras dificuldades. Muitas vezes, por troca de gestão admi- recurso público a ser consultado por seus profissionais e
nistrativa ou por outro motivo não identificável, o material demais interessados em conhecer seu histórico ou em de-
é inacessível ou indisponível para reprodução. Essa condi- senvolver estudos sobre sua política educacional.
ção pode ser suficiente para que o pesquisador lance mão,
como alternativa viabilizadora de sua pesquisa, do resgate Considerações finais
de “memória viva”, por meio de entrevistas ou conversas Este texto foi elaborado com o objetivo de anunciar al-
informais com funcionários e ex-funcionários do sistema de guns aspectos relacionados à pesquisa sobre políticas pú-
ensino, para buscar vestígios que possam complementar la- blicas de educação, particularmente àquelas direcionadas
cunas causadas pela falta de registro documental. ao atendimento de alunos com necessidades educacionais
- Quanto à legitimidade das fontes documentais: muitos especiais.
dos documentos de orientação, de avaliação e projeção de O foco poderia ter sido direcionado a outros dos diversos
ações elaborados pelos sistemas de ensino apresentam im- procedimentos de pesquisa, tanto os relacionados às abor-
pedimentos para uso com fins de pesquisa, pois não regis- dagens quantitativas quanto qualitativas, mas foi destacado
tram autor, data, origem, etc. o uso de fontes documentais devido à experiência da auto-
- Quanto ao crivo teórico para análise: pesquisas sobre ra, que usa a análise documental, e de seus estudos sobre
políticas educacionais que recorrem a fontes documentais o referido tema. Por outro lado, as reflexões apresentadas
resgatam, no geral, gestões político-administrativas, e por demonstram que ainda há muito para avançar no sentido de
isso é preciso destacar que o referencial teórico selecionado dirimir desafios apresentados por essa forma de pesquisar
para sua análise deve corresponder à data de elaboração que, em certo grau, está presente em muitos estudos sobre
dos documentos, pois seus redatores não podem ter como políticas educacionais, ainda que assumindo caráter com-
base referencial teóricos não publicados. plementar a informações coletadas por outros meios.
Para além dessas dificuldades, o mapeamento de produ- Para tal, há intervenções que se situam no campo da
ções sobre metodologia do trabalho científico revela insu- pesquisa e na construção de referenciais teóricos que sub-
ficiência de referencial teórico voltado à análise documen- sidiem a ação dos investigadores, bem como no âmbito dos
tal, particularmente sobre política educacional. É preciso sistemas de ensino, que deverão fomentar a organização de
ressaltar que, dada a especificidade do tema e o tipo de sua memória documental como uma prática corriqueira dos
documento produzido em educação, por exemplo uma lei, seus profissionais.
sua análise demanda tratamento específico, sendo inviável É pretensão da autora que este texto alimente reflexões

56 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 57


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

que “possam subsidiar planejamentos políticos educacio- ção: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.
nais de municípios e de outras esferas de governo que se 10 LYRA FILHO, R. O que é direito. São Paulo: Brasi-
proponham a assegurar a educação para todos, assumindo liense, 1997.
que tal propósito passa, necessariamente, pela melhoria de 11 PRIETO, R. G. Atendimento escolar de alunos com
sua qualidade” (PRIETO, 2002). necessidades educacionais especiais: indicadores para aná-
lise de políticas públicas. In: Revista UNDIME- RJ. Rio de
Referências Janeiro: UNDIME, 2002. v. 1, n. 1. p. 5-14.
12 TUPPY, Maria Isabel Nogueira. A educação profis-
1 ARRETCHE, M. T. S. Tendências no estudo sobre sional. In: OLIVEIRA, Romualdo Portella e ADRIÃO, The-
avaliação. In: RICO, Elizabeth Melo (Org.). Avaliação de reza (Orgs.). Organização do ensino no Brasil. São Paulo:
políticas sociais: uma questão em debate. São Paulo: Cor- Xamã, 2002. p. 109.
tez; Instituto de Estudos Especiais, 1999. 13 www.mec.gov.br
2 BRASIL Congresso Nacional. Constituição da Repú-
blica Federativa do Brasil. Brasília-Senado Federal, Centro
Gráfico, 1988.
3 ______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Na-
cional - LDB n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diário
Oficial da União, 23 de dezembro de 1996.
4 ______. Instituto Nacional de Pesquisas Educacio-
nais. Censo Escolar 2004. Brasília: MEC/INEP, 2004.
5 CURY, C. R. J. Direito à educação: direito à igualda-
de, direito à diferença. In: Cadernos de Pesquisa, n.º 116, p.
245-262, julho / 2002.
6 FERREIRA, W. B. Da exclusão à inclusão: formando
professores para responder à diversidade na sala de aula. Dis-
ponível em cópia mimeografada >windyzferreira@edtodos.
org.br<.
7 LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber:
manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas.
Porto Alegre: Artes Médicas Sul; Belo Horizonte: UFMG,
1999.
8 LOPES, E. M. T.; GALVÃO, A. M. de O. História da
educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.
9 LÜDKE, M.; ANDRÉ M. E. D. A Pesquisa em educa-

58 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 59


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

NOTAS SOBRE A ANÁLISE E A INVESTIGAÇÃO DE


POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO ESPECIAL
Júlio Romero Ferreira

De início, os cumprimentos aos amigos da UFES e da co-


missão organizadora do evento. Sabemos todos da impor-
tância desta iniciativa, que lembra um seminário da época
da criação da Revista e da Associação de Pesquisadores em
Educação Especial: o Seminário de Pesquisa da UERJ, em 93,
um encontro de pesquisadores para apresentar um balanço e
debater as tendências de produção científica da área.
Esta reunião também reforça as preocupações e iniciativas
do GT de Educação Especial da ANPEd, em seus debates
mais recentes, sobre a necessidade de conjugar esforços para
mapear e debater os planos e ações relacionados à educação
especial nas diferentes realidades regionais do país. Deseja-
mos que a iniciativa conjunta da UFES e da Coordenação do
GT sinalize nosso compromisso e empenho para dar conti-
nuidade a essa reflexão coletiva, menos presa ao formato dos
congressos.
Este painel do Seminário tem como tema a proposição,
implementação e avaliação de políticas públicas em educa-
ção especial. Inicio meus comentários retomando a intenção
que expressei na inscrição para o evento:
Quanto à temática de investigação que gostaria de discutir/ouvir,
é o campo das políticas públicas em educação especial/educação
inclusiva, com destaque para o período pós-reformas educacio-
nais dos anos 90. O interesse mais específico está na questão da
educação escolar de crianças e jovens com deficiência: como a
questão é contemplada nas políticas educacionais, em termos de
proposição, implementação e avaliação. O desafio de como ler e
analisar a educação desses alunos no contexto da educação geral,

60 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 61


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

principalmente na educação básica. do os métodos e técnicas de ensino. Na educação especial,


isso significava a ênfase na possibilidade de aprendizagem
Alguns itens que parecem relevantes para a análise: as- de todos os alunos, inclusive os então denominados excep-
pectos normativos e políticos de âmbito nacional e regio- cionais, desde que fossem utilizados os procedimentos de
nal/local, organização e gestão dos serviços educacionais, ensino apropriados. Essa mentalidade marcou meu percur-
a relação programas compensatórios x atendimento espe- so até meados dos anos 80, dividido, já na UNIMEP, entre
cializado, a relação público x privado, as relações entre as cargos administrativos e docência nas áreas de psicologia
políticas educacionais e as demais políticas sociais. (psicologia do excepcional) e da pedagogia (disciplinas in-
Há o desafio correspondente de mapear/discutir os te- trodutórias e de metodologia, mais na área de deficiência
mas que têm sido pesquisados em nossos programas e as mental): abordagem e divulgação do ensino especial, numa
abordagens utilizadas para tanto, além de tentar enxergar os visão otimista (tecnicista?), que anunciava uma ruptura com
acúmulos, tensões, lacunas e possibilidades de trocas entre a herança clínica, mas convivia com o predomínio vigente
os grupos e programas. É ao mesmo tempo um balanço e do discurso especializado, próximo talvez de uma pedago-
uma rica possibilidade de formação continuada para nós gia remediativa ou compensatória, sob o discurso da inte-
todos. gração. De todo modo, foi muito importante aprender sobre
Escrevo a partir daí, tentando olhar para a área, a pro- as possibilidades desses alunos, principalmente daqueles
dução do conhecimento na área, as questões de formação então denominados deficientes ‘severos’, e poder discutir
na área – a partir da minha própria, num tom quase memo- isso com outras pessoas, mesmo que numa leitura por vezes
rial. muito reduzida e focalizada.
A questão da pesquisa reapareceu no doutorado, a partir
Formação inicial de 85, na Unicamp, gerando uma crise e, relação às refe-
Minha ligação com o campo da educação especial vem rências anteriores. Com as discussões de filosofia e história
desde os anos 70, após a formação em psicologia na década da educação e das questões políticas típicas daquele mo-
anterior e o início da docência na mesma instituição, a Uni- mento, foi exigido o esforço de compreender a educação
versidade de Brasília. Ali surgiu a oportunidade do mestrado especial no campo da política educacional, na relação entre
em educação especial em uma instituição norte-americana, os serviços especializados e os problemas mais abrangentes
dentro do programa de formação de recursos humanos pa- da área de educação, e na discussão sobre as relações entre
trocinado pela CAPEs e pelo recém criado CENESP. Ambos tais serviços e os processos de discriminação/exclusão no
os cursos, de graduação e de pós, tinham forte ênfase na interior da escola, principalmente através das classes espe-
abordagem comportamental; e, ao iniciar o trabalho na área ciais para deficientes mentais.
no contexto de meados da década, eu compartilhava um Parecia necessário compreender como os processos
perfil comum naquele momento: a educação especial bas- anunciados para a integração dos alunos com deficiência
tante vinculada ao campo da psicologia e a um enfoque psi- não poderiam ser entendidos sem problematizar as formas
cológico hegemônico na área de educação, sobrevalorizan- pelas quais a escola classificava seus alunos considerados

62 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 63


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

problemáticos e os excluía ou encaminhava para determi- políticos, projetos, leis, censos, quase sempre no âmbito
nados serviços. Aqui, o instrumental teórico estava mais na nacional, da União, às vezes de forma mais localizada no
área da sociologia da educação e predominavam as ques- Estado de São Paulo; tentando responder algumas das ques-
tões sobre ideologia e educação no modo de produção tões que enumerei no início da fala. Alguns desses traba-
capitalista e, de modo mais específico, sobre os processos lhos, mesmo olhando a atualidade, recuam aos anos 60 e
de exclusão na escola brasileira. Esse foco, naturalmente, 70, entendendo que aquele momento de institucionaliza-
colocava em questão o discurso otimista da ideologia da ção da área – como chama o Professor José Geraldo Bueno
integração, segundo a qual o acesso à escola (idealizada) – é importante para entender a atualidade. A presença da
seria seguido pela inserção social bem sucedida em uma educação especial nas políticas educacionais, os programas
sociedade igualmente abstrata. de formação de profissionais na área, a própria criação dos
programas de pós-graduação iriam marcar a década de 70
Formação continuada e os anos seguintes. Mesmo em termos de legislação, só
A partir dos anos 90, com o doutorado concluído e o muito recentemente as resoluções e pareceres inspirados na
vínculo a um programa de mestrado, a pesquisa e a do- Lei 5.692/71 foram revogados.
cência tornaram-se mais centradas no campo das políticas Outra referência temporal e política freqüentemente re-
públicas de educação especial, tendo como referências a tomada é a segunda metade da década de 80, com a rede-
área de deficiência mental e a educação básica. Aqui, a mocratização e os movimentos sociais associados à Cons-
crítica acumulada ao modo de atuar e de pensar daquela tituinte. Nessa época, as reformas da educação básica nos
educação especial dos anos 70 e das classes especiais refle- estados que elegeram candidatos da oposição e a maior vi-
tiu-se, inclusive, no discurso de constituição do GT Educa- sibilidade de grupos historicamente excluídos, como o das
ção Especial na ANPEd em 1992: “a educação especial não pessoas com deficiência, colocaram novas questões políti-
é um recurso remediativo para o fracasso escolar”. A área, cas e de investigação para a área.
embora não desfrutando de prestígio político ou científico, Já a partir da Constituição, acentuando-se em meados
crescia nas universidades e no mundo acadêmico, princi- dos anos 90, as mudanças nas políticas sociais e, nelas, as
palmente através dos programas de pós-graduação; e tinha educacionais, mostram a conjugação de processos induzi-
presença ampliada nas normas e nos serviços das redes de dos pelas políticas internacionais e a dinâmica de processos
ensino, quer por exigência legal, quer pela tímida mas cres- e mudanças que já estavam em curso no país. Os processos
cente chegada de alunos com deficiência às escolas públi- de descentralização ou desconcentração, as novas formas
cas não especializadas. de financiamento da educação, a nova LDB indicam um
Os estudos e leituras que desenvolvi concentraram-se momento novo para a área e a hegemonia do discurso da
no acompanhamento das questões relacionadas à educa- inclusão. Os desafios políticos e as questões de pesquisa
ção especial e/ou educação inclusiva (uso os dois termos mais uma vez mudam o foco, como tende a mudar a pró-
no sentido de indicar o foco na educação das pessoas com pria compreensão do espaço científico e profissional da
deficiência e condutas típicas), nos planos e programas educação especial.

64 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 65


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

A pretensão de compreender e avaliar essas políticas nas 5 analisaram políticas públicas. Certamente outros tra-
sempre tem seus limites. O que e como investigar? Certa- balhos abordaram questões políticas, mas não como tema
mente os estudos têm ficado muito aquém do que propõem ou enfoque predominante.
Belloni e colaboradores, como necessário para a avaliação A partir do conjunto de trabalhos relacionados ao tema
de políticas sociais: a necessidade de uma compreensão de integração/inclusão, concluiu-se que:
contextualizada, global, “enraizada social e historicamente
[...] se não há entraves de ordem legal, no plano das políticas pú-
no contexto sócio-político-econômico do objeto ou política blicas, os componentes do assistencialismo, da visão terapêutica
avaliada” (p. 26), o que implica considerar “todos os as- da educação do aluno com necessidades educacionais especiais
pectos sociais e políticos (conceitual, metodológico, opera- e do descompromisso da escola pública, favorecem práticas edu-
cional) envolvidos na formulação e implementação de uma cacionais que não asseguram o acesso e permanência em uma
educação de qualidade, um compromisso presente nos discursos
política setorial” (p. 26-27). O esforço de investigação, con- de integração e de inclusão (FERREIRA; NUNES; MENDES, 2003,
tudo, não deve perder tal horizonte ou referência, ao tratar p. 142).
das políticas educacionais.
Muito da aprendizagem pessoal sobre pesquisa e sobre De todo modo, as tendências observadas no total dos
política na área veio da participação em projeto integra- trabalhos produzidos até 2002 e avaliados no projeto são
do de pesquisa coordenado pela profa. Leila Nunes (UERJ), relevantes para a compreensão das políticas: abandono
do qual participamos a profa. Enicéia (UFSCar), eu e, num crescente de visão clínica sobre a excepcionalidade; sinto-
primeiro momento, a profª. Rosana Glat (UERJ). Antes do nia com as discussões em curso na educação regular; cres-
projeto, no qual trabalhamos a partir de 1995 e que ainda cimento dos trabalhos sobre o cotidiano escolar, inclusive
tem gerado novos dados e produções, já havia colaborado, junto às escolas comuns; aumento de estudos realizados em
em 1993, a profª. Leila, em um levantamento sobre como a situações naturais, tratando a necessidade especial (ou defi-
educação dos alunos com deficiência mental era abordada ciência) de modo relacional e contextualizado, começando
nas pesquisas brasileiras. a dar voz às pessoas consideradas especiais e àquelas que
Com esse projeto, avaliando as dissertações e teses pro- com elas trabalham e convivem (NUNES; FERREIRA; MEN-
duzidas nos programas brasileiros de pós-graduação em DES, 2004, p. 141).
educação e, em menor grau, em psicologia, destacaram-se A baixa freqüência de trabalhos sobre política e gestão
como temas dos anos 80 os procedimentos de instrução e as fora também constatada em levantamento realizado em
condições de funcionamento das classes especiais. Se pre- 2002 sobre os relatos apresentados em 10 anos do GT Edu-
dominavam os estudos sobre ensino-aprendizagem, como o cação Especial, na 25ª reunião da ANPEd . A análise de
projeto chamou, eram escassos os estudos de política, ges- políticas públicas foi contemplada em apenas 3 dos 85 tra-
tão e história. Esses são também mais recentes. balhos completos, ou seja, aqueles que relatam pesquisas
Dos mais de 550 trabalhos analisados pelo grupo até concluídas (FERREIRA, 2002).
2003, 59 dedicaram-se à análise de propostas ou processos Mais recentemente, pude participar de dois outros tra-
denominados de integração ou de inclusão; e desses ape- balhos coletivos, que consistiram em estudos documentais

66 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 67


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

referentes a políticas públicas na área. de quem são os alunos com necessidades especiais, quais
Em trabalho coordenado pela profª. Rosana Glat, em serviços educacionais devem ser a eles destinados e quais
2003, fez-se um mapeamento de ações em educação in- as estratégias de trabalho integrado entre o ensino comum e
clusiva no Brasil, com destaque para os dados fornecidos os serviços de apoio.
pelas Secretarias Estaduais e Municipais de Educação (15 A referência a ciclo de normatizações dá-se no sentido
Estados, Distrito Federal e 12 capitais, seis das quais perten- de que, após a Constituição e a LDB, vieram os planos de
centes a outros estados) que participaram de uma oficina educação, nacional e regionais, além das diretrizes nacio-
de educação inclusiva realizada no Rio de Janeiro. Nesse nais da educação especial; e parece que tal ciclo político-
estudo, revelou-se, nos dados regionais obtidos, a despeito burocrático se encerra com a várias vezes anunciada edição
do aparato legal disponível e da ampliação do acesso prin- das diretrizes curriculares para o curso de pedagogia e para
cipalmente nas séries iniciais do ensino fundamental, a fra- a formação do professor especializado em educação espe-
gilidade das políticas estaduais e municipais para assegurar cial. De outra parte, segue a discussão do FUNDEB, que
uma escola pública inclusiva, em termos de infra-estrutura, pode inovar ou consolidar linhas das políticas anteriores
programas e recursos orçamentários. Constatou-se também (Haverá mais recursos para a educação pública? Em que
que, na maioria dos casos, a inclusão era iniciativa e com- níveis e modalidades de ensino? Como ficará a questão do
petência da área de educação especial; e que havia uma financiamento para as instituições filantrópicas?).
aparente desarticulação entre as ações de inclusão escolar
e outras ações promovidas nas áreas de saúde coletiva, ur- Ainda sobre dissertações e teses
banismo ou assistência social (GLAT; FERREIRA, 2003, p. Quanto às atividades de orientação de mestrandos e
96 a 102). doutorandos, meu trabalho tem também se concentrado
Também em 2003, um grupo de pesquisadores (BUENO bastante em educação especial e em políticas públicas. O
et al.) realizou pesquisa encomendada pelo GT de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação da UNIMEP está
Especial da ANPEd para avaliar os documentos normativos estruturado em 5 núcleos de estudos e pesquisas, dentre
em vigor e em discussão nos diferentes estados e regiões eles, o de Política e Gestão da Educação, ao qual pertenço.
do país, na área de educação especial. O estudo constatou Tal núcleo tem por objetivo o estudo e a pesquisa sobre os
que todos os Estados já haviam aprovado normas após a sistemas e as políticas educacionais em todos os seus níveis,
LDB de 1996, a maioria já incorporando indicações da Re- enquanto parte do conjunto de relações de organização e
solução nº 02/01 do CNE, mas vários ainda incluíram como poder entre o Estado capitalista (reformas do Estado) e a so-
referência documentos mais antigos, como a Política Na- ciedade (produtiva); os impactos de tais sistemas e políticas
cional de Educação Especial, de 1994. Nesse acompanha- na gestão e em programas institucionais no Brasil, sendo
mento do ciclo de normatizações nas realidades regionais, essas relações entendidas na sua referência aos processos
mostra-se como nos diferentes locais as normas reafirmam de ruptura continuidade histórica do capitalismo contem-
a idéia da matrícula preferencial no ensino regular, ao mes- porâneo.
mo tempo em que se mantém a ambigüidade na definição Nos últimos cinco anos, tive concluídas 15 orientações:

68 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 69


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

das 11 de mestrado, 8 em educação especial; dos 4 douto- intercâmbio. O e-mail está à disposição (jrferrei@unimep.
rados, 3 em educação especial. Nas 9 orientações em anda- br).
mento (5 em mestrado e 4 em doutorado), 7 relacionam-se Dentre os trabalhos já concluídos, destaco duas pesqui-
com educação especial. sas sobre os processos de encaminhamento e avaliação de
Uma constatação que não é específica da área é a de alunos considerados deficientes mentais, explorando as re-
que as pesquisas de doutorado prestam-se mais à avaliação lações entre a rede pública regular e as instituições especia-
de políticas públicas, quer pelo nível de formação do aluno, lizadas e mostrando resultados não muito distintos daqueles
quer pelo prazo mais ampliado, quer pelas condições de obtidos há duas ou três décadas: expressivo encaminha-
bolsa (tornam-se mais viáveis os estudos mais longitudinais mento de alunos, com variados perfis de desenvolvimento
e de acompanhamento de ciclos ou períodos de gestão es- e desempenho escolar, das escolas comuns para as institui-
colar). No mestrado, além dos prazos encurtados para a ções; pouco expressivo movimento no sentido inverso. Em
conclusão e de uma demanda bastante diversificada, mes- outras duas pesquisas, realizadas em instituições filantrópi-
mo em educação especial, não temos uma linha consolida- cas, destacou-se a constatação de que parece estar ocorren-
da de pesquisa em que as dissertações possam se encaixar do a adoção de um discurso institucional “escolarizado”,
como monografias de base (assim chamadas por Dermeval não acompanhado de alterações relevantes nos programas
Saviani) que contribuem para aclarar questões mais pontu- oferecidos para os alunos considerados deficientes mentais.
ais de uma investigação mais ampla. Em ambas as situações As políticas estaduais e municipais foram abordadas em três
os trabalhos que orientei e oriento são predominantemente outros estudos, avaliando aspectos de normas e planos po-
descritivos e empíricos: descritivos porque na maioria das líticos para a área de educação especial.
vezes concentram-se na caracterização e análise de um pro- Quanto às orientações em andamento (sete no total):
grama, serviço ou gestão. Empíricos porque predominam os quatro delas buscam avaliar políticas de inclusão escolar
trabalhos de campo, na maioria estudos de casos - alguns ou social em municípios do interior de São Paulo: Sorocaba
deles combinados com um esforço de pesquisa-ação. (2), Paulínia, Sumaré. Dessas, uma pesquisa pretende ava-
A questão básica: como se está desenvolvendo uma de- liar as relações entre os programas públicos de educação e
terminada política ou prática institucional de educação es- de saúde para a pessoa deficiente; uma segunda pretende
pecial, no contexto da política educacional geral, com base situar a educação de pessoas com deficiência severa no
nos dados decorrentes de análise documental, entrevistas conjunto das politicas públicas de educação, saúde, assis-
e observações? No mestrado, principalmente, os trabalhos tência e trabalho, tendo como foco o cotidiano de famílias
predominantes são análises diagnósticas dessas situações pobres; outra acompanha a prática docente no coditiano
(diagnósticos que, no início do programa, constituíam pres- de escola com crianças incluídas; o quarto trabalho focali-
supostos da pesquisa para os alunos, não a questão a pes- za as relações educação-trabalho na inclusão social de pes-
quisar). soas com deficiência visual.
A seguir, busco caracterizar brevemente as teses e disser- A avaliação das políticas de inclusão está também pre-
tações concluídas e em andamento, visando a facilitar nosso sente em duas pesquisas de doutorado: uma sobre a par-

70 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 71


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

ticipação dos professores no desenvolvimento da inclusão profissionais da educação; gestão de sistemas educacionais;
escolar em Goiânia; outra sobre as concepções de inclusão gestão da universidade; gestão da escola. Minha percepção,
escolar e social presentes nas políticas públicas brasileiras. sujeita a equívocos, é de que alguns temas têm estado mais
Finalmente, uma pesquisa de mestrado, mais distante das freqüentes em nossas pesquisas: o direito à educação e legis-
questões políticas, analisa o tema do lazer das pessoas com lação; as políticas de educação, enquanto análise de planos e
deficiência em cursos de formação de profissionais de turis- projetos de governo; profissionais da educação. Outras ques-
mo. tões são mais recentes: municipalização e gestão municipal;
Além das orientações, tenho desfrutado do privilégio de gestão de sistemas; gestão de unidades escolares. As maiores
participar de bancas de mestrado e doutorado, que são expe- lacunas parecem estar nas questões de avaliação, de finan-
riências muito ricas de formação continuada e de expansão ciamento da educação, de análise do público e privado na
e atualização de fontes bibliográficas. Nos últimos 5 anos, educação, de estudo das relações escola/instituições educa-
participei, fora da UNIMEP, em diversas instituições, de 39 tivas/sociedade (educação e movimentos sociais, educação
bancas de defesas de dissertações e teses relacionadas à e trabalho). A relevância desses últimos temas para a área
área de educação especial: 22 de mestrado e 17 de douto- parece clara.
rado. Parecem estar aumentando os trabalhos na área de Discutindo a questão da avaliação de políticas públicas,
política e gestão, fato provocado em parte pelas reformas e Rus Perez (1998) assinala que, na área educacional, as pes-
inovações nos sistemas de ensino com relação à educação quisas acadêmicas “[...] estão distantes das escolas, restrin-
especial ou à inclusão. Percebe-se, inclusive, nos grupos de gindo as avaliações à etapa de diagnóstico e de propostas
pós-graduandos e de orientandos, a presença de profissionais educacionais, raramente abordando o processo de imple-
da educação que não tinham contato prévio com a área, mas mentação” (p. 70). Certamente, há uma carência de investi-
que passam a se interessar por um fenômeno que é novo em gações avaliativas dos programas implantados, já a partir das
suas escolas. E esse interesse por parte dos não iniciados próprias secretarias e outros órgãos públicos. `A dificuldade
parece ser um fato novo na pesquisa da área. em avaliar o impacto de políticas ainda em fase de implan-
Uma outra percepção acumulada a partir do contato com tação associa-se à instabilidade gerada nos programas, devi-
as pesquisas e teses relaciona-se com a natureza dos temas da em parte à descontinuidade administrativa e ao status de
investigados. Em análise do estado da arte de pesquisas rela- pouca relevância política da questão da educação das pesso-
cionadas a política e gestão da educação, Wittmann e Gra- as com deficiência.
cindo (2001) apresentam uma relação de categorias temáticas Como pano de fundo, a enorme dívida no campo das po-
que orientaram o mapeamento e à qual recorro para fazer um líticas sociais e a clareza de que a diminuição da desigual-
comentário específico sobre nossa área. As categorias são: dade social é condição para políticas efetivas de inclusão
escola, instituições educativas e sociedade; direito à educa- escolar. Citamos o ciclo das reformas educacionais: conti-
ção e legislação; políticas de educação; público e privado nuidade/ruptura? E a própria área de educação especial: re-
na educação; financiamento da educação; municipalização visão, superação das formas construídas de atuar, formar e
e gestão municipal; planejamento e avaliação educacionais; investigar? Sobram os desafios para a construção e avaliação

72 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 73


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

das políticas públicas e sobram os temas para os formadores- mentação: algumas questões metodológicas. In: RICO, E.M.
pesquisadores. (Org.) Avaliação de políticas sociais: uma questão em deba-
te. S. Paulo: Cortez Ed., 1998, p. 65-74.
9 WITTMANN, L. C.; GRACINDO, R. V. (Orgs.) O
Referências estado da arte em política e gestão da educação no Bra-
sil – 1991 a 1997. S. Paulo: ANPAE/ Autores Associados,
1 BELLONI, I.; MAGALHÃES, H.; SOUSA, L.C. Me- 2001.
todologia de avaliação em políticas públicas. S. Paulo: Cor-
tez Ed., 2000.
2 BUENO, J. G. S. et al. Políticas regionais de educa-
ção especial no Brasil. Trabalho apresentado na XXVI Reu-
nião Anual da ANPEd, Águas de Lindóia, 2003. Disponível
em: < http://www.anped.org.br > . Acesso em: 10 mar.
2005.
3 FERREIRA, J. R. Histórico do GT de Educação Es-
pecial. Trabalho apresentado na XXV Reunião Anual da
ANPEd, Caxambu, 2002. Disponível em: < http://www.
anped.org.br>.
4 Acesso em: 8 mar. 2005.
5 FERREIRA, J. R.; NUNES, L. R. O. P.; MENDES, E.
G. Integração/inclusão: o que revelam as teses e disserta-
ções em educação e psicologia. In: NUNES SOBRINHO, F
.P. (Org.) Inclusão educacional: pesquisa e interfaces. Rio
de Janeiro: Expressão, 2003, p. 98-149.
6 GLAT, R.; FERREIRA, J. R. Panorama nacional da
educação inclusiva no Brasil. 2003. Disponível em < http://
www.cnotinfor.pt/inclusiva > Acesso em 5 mar.2005.
7 NUNES, L. R. O. P.; FERREIRA, J. R.; MENDES, E.
G. A produção discente da Pós-Graduação em Educação
e Psicologia sobre o indivíduo com necessidades educa-
cionais especiais. In: MENDES, E. G.; ALMEIDA, M. A.;
WILLIAMS, L. C. A. (Orgs.) Temas em educação especial:
avanços recentes. S. Carlos: EDUFSCar, 2004, p. 131-142.
8 RUS PEREZ, J. R. Avaliação do processo de imple-

74 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 75


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

POLÍTICAS PÚBLICAS E EDUCAÇÃO


ESPECIAL: CONTRIBUIÇÕES DA UFMS
Mônica de Carvalho Magalhães Kassar

Introdução
Abordar o tema Educação Especial no contexto das pro-
duções em políticas públicas na Universidade Federal de
Mato Grosso do Sul implica contextualizar a implantação e
a organização de seu Programa de Pós-graduação em Edu-
cação. Esse Programa iniciou suas atividades em 1988, por
meio de um convênio entre esta Universidade e a Facul-
dade de Educação da Universidade Estadual de Campinas
– UNICAMP. Consideramos importante retomar essa gêne-
se, por considerar que a forma como foi implantado (através
de convênio com a UNICAMP) marcou a organização do
curso de Mestrado e a produção das dissertações.
O Programa de Pós-Graduação em Educação, inicial-
mente apenas com o Curso de Mestrado, preocupou-se em
abarcar a Educação para além da educação escolar. A orga-
nização das disciplinas do curso seguiu o caminho do mo-
delo implantado, àquela época, na UNICAMP: Áreas Temá-
ticas, como forma de transição para Áreas de Concentração.
As Linhas de Pesquisa, consideradas desejáveis, ainda não
eram suficientemente amadurecidas, naquele momento. A
área de concentração do Curso era Educação Brasileira.
É importante ressaltar que o estado de Mato Grosso do
Sul foi implantado no final da década de 1970 (criado por
meio da Lei Complementar nº 31, de 11 de outubro de 1977,
a partir da divisão do estado de Mato Grosso) e teve sua ad-
ministração organizada durante a década de 1980. Várias
dissertações produzidas no programa tiveram a preocupa-

76 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 77


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

ção de conhecer e analisar os processos de organização e giado e 2) o Materialismo-histórico como referencial dos
implementação da educação estadual. Como exemplo, ci- trabalhos dos professores.
tamos: Bittar (1992), Costa (1994), Fernandes (1996), entre A organização dessa linha ocorreu, principalmente, a
outros. Esses trabalhos têm sido utilizados como referência partir do desenvolvimento do projeto de pesquisa “Política
para as pesquisas atuais em Educação no estado de Mato Educacional de Mato Grosso do Sul na Trajetória das Políti-
Grosso do Sul. cas Sociais: análise e diagnóstico (1980-1990)”, no período
O processo de organização em Linhas de Pesquisa ocor- de 1995 a 1998, resultando na publicação do relatório de
reu apenas no período entre 1993 e 1996. Inicialmente fo- pesquisa (SENNA, 2000).
ram definidas quatro linhas, a partir dos projetos de pesqui- Como fonte de pesquisa, a linha busca, entre outros,
sa desenvolvidos pelos professores: 1) Formação e Prática dados e documentos de instituições públicas (municipais,
Profissional; 2) Diversidade Sociocultural e Subjetividade estaduais e federal) e de organismos internacionais (Banco
em Educação; 3) Idéias Educacionais e Pedagogias Con- Mundial, Unicef, Unesco, Cepal, entre outros), com o ob-
temporâneas; 4) Estado e Políticas Públicas em Educação. jetivo de analisar as relações entre a política educacional
Atualmente o programa conta com cinco linhas: Educação brasileira e o movimento mundial.
e Trabalho; Ensino de Ciências e Matemática; Estado e Polí- Na formação de novos pesquisadores, a coesão da li-
ticas Públicas de Educação; Educação, Cultura e Disciplinas nha tem ocorrido principalmente por meio do oferecimento
Escolares e Educação, Psicologia e Prática Docente. O Pro- de disciplinas que adotam como bibliografia básica: Costa
grama, a partir do ano de 2005, passou a oferecer o curso (2004), Esping-Andersen (1991), Gramsci (1987, 1991), Ho-
de Doutorado. bbes (1651/1983), Locke (1690/1983), Marx (1968, 1983),
A Educação Especial, como tema de pesquisa, surgiu Saviani (2000), Schaff (1996), entre outros.
imersa no campo da Educação geral brasileira com a dis- Entre os professores, a coesão tem se mantido com a
sertação de Anache (1991), pioneira da área no programa. condução de pesquisas coletivas, que é o caso do projeto
Desde então, esse tema é discutido nas diferentes Linhas em desenvolvimento: Política educacional e outras políti-
de Pesquisa, na interseção de diferentes áreas do conheci- cas sociais do estado de Mato Grosso do Sul na década de
mento. 1990, coordenado pela Professora Ester Senna.

O amadurecimento da Linha de Pesquisa Estado e Temas, escolhas e limites


Políticas Públicas de Educação: fundamentos teóri-
A partir do enfoque privilegiado pela linha, alguns tra-
co-metodológicos e fontes.
balhos têm abordado direta ou indiretamente temas rele-
A linha de pesquisa Estado e Políticas Públicas de Educa-
vantes no campo da Educação Especial, ou que tangenciam
ção foi organizada a partir da produção de professores que
essa área de conhecimento. Como exemplo, citamos: Bri-
vinham elegendo a temática “política educacional” como
to (2002), Bueno (2003), Figueira (1998), Maiolino (2002),
foco de pesquisa, imersa inicialmente na área da História da
Neres (1999), Oliveira (2004), Silva (1999). Especificamente
Educação. Essa gênese atribuiu à Linha duas características:
no campo da Educação Especial, existem hoje quatro dis-
1) A História da Educação como campo do saber privile-

78 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 79


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

sertações e uma tese em andamento na Linha de Pesquisa política” ou trechos de “O capital”.


Estado e Políticas Públicas de Educação, com os seguintes A percepção da educação como uma política pública e,
temas: como tal, no âmbito das políticas sociais favorece também
- Inclusão e Reforma Universitária; o aprofundamento do debate inclusão/exclusão que hoje é
- Relação entre política nacional de Educação Especial e presença marcante no campo da educação e ultrapassa o
legislação municipal; discurso escolar, dizendo respeito a questões econômicas e
- Políticas e ações públicas de inclusão educacional para sociais. Portanto, temos abordado de forma mais sistemati-
o aluno deficiente mental severamente comprometido; zada as discussões acerca dos processos de exclusão-inclu-
- Análise do atendimento educacional de surdos (dois são, no contato com diferentes contribuições como as de
trabalhos). Castel (1998), Costa (1998), Bourdieu (2001), entre outros.
Como apresentado anteriormente, pela história de for- Encontramos, algumas vezes, dificuldades para o cum-
mação da Linha de Pesquisa Estado e Políticas Públicas de primento de nossas intenções, pois nem sempre há a in-
Educação e pela bibliografia utilizada nas disciplinas ofere- corporação dessa discussão na elaboração das dissertações.
cidas, a maior parte das pesquisas fundamenta-se no mate- No caso dos trabalhos na área da Educação Especial, a di-
rialismo histórico. A elaboração de uma dissertação nesses ficuldade parece evidenciar-se quando recebemos alunos
moldes tem sido árdua, considerando-se o prazo de defesas que vêm com uma formação muito específica. Nesse caso,
entre 24 e 30 meses. Em muitos trabalhos percebe-se uma há a dificuldade de incorporação das discussões acerca das
lacuna teórica ou superficialidade na utilização de concei- políticas públicas interligadas à Educação Especial. Ao final
tos e na discussão teórico-metodológica. Devido a essa di- da dissertação, algumas vezes, o trabalho restringe-se a uma
ficuldade é que a Linha tem insistido no estudo e aprofun- descrição de um determinado momento da história da edu-
damento das referências acima mencionadas. Costuma-se cação do estado de Mato Grosso do Sul.
esperar, nas dissertações, a explicitação dos conceitos utili-
zados, nem sempre satisfeita pelo aluno. Os conceitos que Busca de novos caminhos
vimos insistentemente trabalhando são: Desde 1997, vimos desenvolvendo pesquisas ligadas a
- Estado um projeto inter-institucional (UNICAMP/UNIMEP/UFMS),
- Política Pública coordenado pela Profa. Dra. Ana Luiza Smolka. O proje-
- Política Social to, intitulado “Práticas Sociais, Processos de Significação e
- Público Educação Prospectiva”, integra-se, naquela instituição, ao
- Privado Grupo de Pesquisa Pensamento e Linguagem – GPPL.
Outro aspecto trabalhado e totalmente ligado à necessi- Da interlocução com esse grupo, desenvolvemos o pro-
dade de explicitação de conceitos utilizados é a compreen- jeto de pesquisa “Política de inclusão educacional: sua im-
são do Método. Essa linha de Pesquisa tenta possibilitar aos plantação sob o olhar de sujeitos da história”, que pretende
mestrandos a apropriação do Método, a partir da leitura de unir as discussões realizadas no campo de análise das “po-
obras do próprio Marx, como “A contribuição à economia líticas públicas” e no campo da compreensão da “constitui-

80 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 81


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

ção dos sujeitos” imersos nesse movimento. O objetivo des- gidas” ou atendidas pelas políticas implantadas, em um de-
sa investigação é contribuir para a elaboração de pesquisas terminado contexto social e histórico, percebem as ações
educacionais, apresentando um enfoque que propõe enten- propostas? Ações de cunho geral (pensadas para a totalida-
der as ações e políticas implantadas, sob o “olhar” de su- de da população) seriam incorporadas pelas pessoas, alvo
jeitos participantes desse processo . Para o desenvolvimen- dessas ações? Há uma relação direta entre as ações propos-
to desta abordagem, busca-se a colaboração de diferentes tas para atendimento em massa e a percepção dos sujeitos
campos do conhecimento: a política, a história, a sociologia envolvidos? As políticas implementadas teriam a resposta
e a psicologia. Adota-se como fundamento o materialismo esperada?
histórico e as contribuições da psicologia sócio-histórica a Historicamente, as políticas públicas são implantadas e
respeito da constituição social dos sujeitos. implementadas na contradição do movimento da socieda-
O que tem nos impulsionado a tentar construir pesquisas de: por um lado, garantindo a sustentabilidade do modo de
com essa preocupação é a percepção de que muitas vezes produção capitalista; por outro, impulsionadas pela luta das
um campo do conhecimento torna-se insuficiente no trata- forças trabalhadoras, que visa à melhoria das condições de
mento de um determinado fenômeno. Acreditamos que, se vida e do próprio trabalho. Nesse movimento contraditório,
de um lado a especialização das ciências, em campos de- encontra-se o sujeito, participante ativo, no palco de lutas
finidos, pode contribuir para o aprofundamento do conhe- sociais. Cientes dessas complexas articulações, propusemos
cimento, de outro, fragmenta nossa percepção da realida- conhecer a política educacional pelo olhar de diferentes su-
de. No contato direto com o complexo cotidiano estudado, jeitos da história.
muitas vezes deparamo-nos com situações de impasse, em
que um campo específico do conhecimento parece ser ex- Mais algumas considerações
tremamente insuficiente para abordá-las. O impasse passa A contemplação do tema Educação Especial na abran-
a ser perceptível em diferentes momentos: na definição do gência do debate sobre políticas públicas tem trazido alguns
problema de pesquisa, na coleta de dados empíricos e na desafios interessantes. Um exemplo a ser citado é o trabalho
análise dos dados. desenvolvido por Bueno (2003), não específico do campo
Com a preocupação de entender o ser humano inserido da Educação Especial, sobre o “lugar” das escolas privadas
no movimento da história, tentamos conhecer os meandros sem fins lucrativos na política educacional de Mato Grosso
das relações que não se explicitam apenas em documentos, do Sul, que possibilitou, posteriormente, o conhecimento
registros escritos ou outras fontes usuais. A partir dessa pre- de aspectos inerentes à organização das políticas de Educa-
ocupação, o caminho que temos escolhido para o desen- ção Especial no estado (cf. BUENO; KASSAR, 2005).
volvimento de pesquisas tem levado à necessidade de con- Cabe ressaltar, ainda que a Educação Especial, como
tato com diferentes campos do conhecimento e com outras tema, tem estado presente em duas disciplinas: Políticas Pú-
fontes que não sejam só as documentais. blicas para a Infância e Adolescência, que trata, entre outros,
A motivação para a proposição desta forma de trabalho de projetos de atendimento às pessoas consideradas com
surgiu de algumas questões: Como as pessoas que são “atin- necessidades especiais, e Aspectos históricos da Educação

82 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 83


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

Especial, que aborda diretamente o tema. O oferecimento dos anos 90. [Dissertação]. Mestrado em Educação. Cen-
constante dessas disciplinas vem recebendo quase a totali- tro de Ciências Humanas e Sociais. Campo Grande: UFMS,
dade dos alunos da linha, o que tem despertado a atenção 2002.
ao tema “Educação Especial”, mesmo por parte dos futuros 5 BUENO, C. C. A Recente Visibilidade da Escola
pesquisadores que estão desenvolvendo seus trabalhos com Privada sem fins lucrativos no contexto da Política Pública
outros objetos. Dessa forma, embora no programa não exis- Educacional. [Dissertação]. Mestrado em Educação. Cen-
ta uma linha direcionada especificamente para a Educação tro de Ciências Humanas e Sociais. Campo Grande: UFMS,
Especial, o tema tem sido contemplado nas diferentes li- 2003.
nhas. Além disso, pela existência de disciplinas referentes à 6 BUENO, C. C. e KASSAR, M. Público e provado:
área (não só na linha de políticas, mas em outras do progra- a educação especial na dança das responsabilidades. In:
ma) o campo do conhecimento tem sido disseminado para ADRIÃO, T.; PERONI, V. (Org.) O público e o privado na
mestrandos/doutorandos com outros objetos de pesquisa. educação: interfaces entre estado e sociedade. São Paulo:
Finalizando, o desafio que nos propomos hoje é o desen- Xamã, 2005.
volvimento de pesquisas que abordem a Educação Especial 7 CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social.
como parte inerente das complexas relações sociais e, ao Uma crônica do salário. Petrópolis: Vozes, 1998.
mesmo tempo, não percam a especificidade de seu campo 8 COSTA, A. O PROEPRE - Programa de Educação
do conhecimento. Pré-Escolar em Mato Grosso do Sul. [Dissertação]. Mestra-
do em Educação. Centro de Ciências Humanas e Sociais.
Campo Grande: UFMS, 1994.
Referências 9 COSTA, Alfredo. Exclusões Sociais. Série Cadernos
Democráticos 2. Fundação Mário Soares. Lisboa, 1998.
1 ANACHE, A. Discurso e prática: a educação do “de- 10 COSTA, Silvio (Org.). Concepções e formação do
ficiente” visual em Mato Grosso do Sul. [Dissertação]. Mes- Estado Brasileiro. 2ª edição. São Paulo: Anita Garibaldi:
trado em Educação. Centro de Ciências Humanas e Sociais. UCG, 2004.
Campo Grande: UFMS, 1991. 11 ESPING-ANDERSEN. As três economias políticas do
2 BITTAR, M. Estado e política educacional em Mato Welfare State. Lua Nova. Nº 24. São Paulo: CEDEC, 1991.
Grosso do Sul (1983-1986): limites de uma proposta de- pp.85-115.
mocrática. [Dissertação]. Mestrado em Educação. Centro 12 FERNANDES, M. D. Políticas Públicas de Educação:
de Ciências Humanas e Sociais. Campo Grande: UFMS, a gestão democrática na rede Estadual de Ensino em Mato
1992. Grosso do Sul (1991 a 1994). [Dissertação]. Mestrado em
3 BOURDIEU, Pierre. (Org.). A miséria do mundo. Pe- Educação. Centro de Ciências Humanas e Sociais. Campo
trópolis: Vozes, 2001. Grande: UFMS, 1996.
4 BRITO, V. O. Professor necessário para o Ensino 13 FIGUEIRA, K. A Política Educacional de Mato Gros-
Fundamental na Política Educacional Brasileira a partir so do Sul (1991 - 1994) e os novos paradigmas de produção.

84 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 85


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

[Dissertação]. Mestrado em Educação. Centro de Ciências Educação. O debate teórico-metodológico atual. Campinas:
Humanas e Sociais. Campo Grande: UFMS, 1998. Autores Associados – HISTEDBR, 2000.
14 GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. 7ª 25 SCHAFF, A. História e verdade. 3ª ed. São Paulo:
ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987. Martins Fontes, 1986.
15 GRAMSCI, A. Maquiavel, a política e o estado mo- 26 SENNA, E. Política Educacional de Mato Grosso do
derno. 8ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991. Sul na trajetória das políticas sociais. Campo Grande: EDU-
16 HOBBES, T. O leviatã. São Paulo: Abril, 1983. [Co- FMS, 2000.
leção Os Pensadores]. 27 SILVA, E. Os Organismos Internacionais e as Ten-
17 KASSAR, M. Políticas educacionais e sujeitos: contri- dências para o Trabalho do Professor. [Dissertação]. Mes-
buição para desenhos de pesquisas em educação especial. trado em Educação. Centro de Ciências Humanas e Sociais.
Perspectiva. Revista do Centro de Ciências da Educação. Campo Grande: UFMS, 1999.
Florianópolis: UFSC: NUP/CED. V.21, n.02. jul/dez, 2003.
Pp.413-430.
18 LOCKE, J. Segundo tratado sobre o governo. São
Paulo: Abril, 1983. [Coleção Os Pensadores]
19 MAIOLINO, E. Programa de Aceleração de Apren-
dizagem como Política Pública Educacional. [Dissertação].
Mestrado em Educação. Centro de Ciências Humanas e So-
ciais. Campo Grande: UFMS, 2002.
20 MARX, Karl. Contribuição à crítica da economia po-
lítica. 2a edição. Tradução de Maria Helena B. Alves. São
Paulo: Martins Fontes, 1983.
21 MARX, Karl. O capital. Vol. 1. Rio de Janeiro: Civi-
lização Brasileira, 1968.
22 NERES, C. Educação Profissional do Portador de Ne-
cessidades Especiais, para quê? (o caso de Campo Grande-
Mato Grosso do Sul). [Dissertação]. Mestrado em Educação.
Centro de Ciências Humanas e Sociais. Campo Grande:
UFMS, 1999.
23 OLIVEIRA, F. As salas de recursos como apoio peda-
gógico especializado à educação escolar do deficiente men-
tal. [Dissertação]. Mestrado em Educação. Centro de Ciên-
cias Humanas e Sociais. Campo Grande: UFMS, 2004.
24 SAVIANI, D. e outros (Org.). História e História da

86 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 87


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

POLÍTICAS DE INCLUSÃO ESCOLAR: ANÁLISE DE UM


CAMPO TEMÁTICO E PERSPECTIVAS DE INVESTIGAÇÃO
Claudio Roberto Baptista

É como se o material do qual somos feitos fosse totalmente trans-


parente e por esse motivo imperceptível, e como se os únicos
indícios que pudéssemos perceber fossem rachaduras e planos
de fratura naquela matriz transparente (Bateson, G. Mente e Na-
tureza ).

A presente reflexão tem como objetivo apresentar o tra-


balho de pesquisa desenvolvido por um Núcleo – Núcleo
de Estudos em Políticas de Inclusão Escolar – do Programa
de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do
Rio Grande do Sul. A apresentação terá como eixo o univer-
so temático “a educação especial e a inclusão escolar”, mas
procurará colocar em evidência as relações do mesmo com
o plano teórico-metodológico que confere singularidade ao
nosso11 modo de compreender a teorização e nossas esco-
lhas do ponto de vista metodológico.

Construindo laços entre a investigação e a tra-


jetória profissional
O envolvimento com áreas como a Psicologia, a Edu-
cação e a Educação Especial contribuiu com uma postura
crítica dirigida aos processos excludentes e indicadores de
estagnação que, muitas vezes, se associam à práxis do ensi-
no especializado. Assim, dediquei-me à análise das institui-
ções de ensino no contexto brasileiro e italiano, procurando
11
O plural, neste caso, refere-se a um grupo que congrega, além do co-
ordenador, duas alunas bolsistas de iniciação científica, sete alunas do
Curso de Mestrado em Educação do PPGEDU e nove alunas do Curso
de Doutorado em Educação do mesmo programa. Ao longo do presente
texto, usarei o plural quando a intenção for o destaque do trabalho desen-
volvido pelo grupo de pesquisa.

88 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 89


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

compreender as possibilidades de implementação de políti- a essas temáticas, dentre os quais, destaco: a caracterização
cas inclusivas e, conseqüentemente, de transformação dos e a identificação dos sujeitos da educação especial; o avan-
contextos educacionais. ço de projetos e políticas de inclusão escolar; a formação
No que se refere ao contexto italiano, tenho procurado continuada; os dispositivos mediadores em uma pedagogia
manter e intensificar os laços profissionais construídos du- diferenciada; as situações consideradas “limites” em fun-
rante o curso de doutorado na Università degli Studi di Bo- ção do atendimento educacional a sujeitos em condição de
logna, entre 1992 e 1996, por meio de visitas científicas, “gravidade”; as alternativas de atendimento educacional.
estágios de alunos12, participação em congressos e, princi-
palmente, produção acadêmica que discuta a temática Edu- Universo de investigação e pressupostos teóricos
cação Especial, considerando as intensas mudanças ocorri- A história da educação especial mostra, de maneira mais
das naquele país depois da década de 70 (BAPTISTA, 1996; enfática do que em outras áreas, que o aluno dificilmente
BAPTISTA, 2002; BAPTISTA, 2004a). é alçado ao status de interlocutor. O aluno da educação
As mudanças ocorridas no contexto italiano apresentam especial é, freqüentemente, alvo de um tipo de interven-
uma radicalidade ímpar no sentido de um avanço progressi- ção que o constitui como um sujeito marcado pela “incom-
vo do atendimento exclusivo dos alunos com necessidades pletude”, pela “diferença”, pela “anormalidade”. O atual
educativas especiais no ensino comum, o qual se associa ao estágio de conhecimento indica que a educação especial
fechamento das estruturas especializadas e à reorganização tem sido uma área na qual a discussão relativa à ética, ao
dos sistemas de ensino por meio da construção de dispositi- diálogo, à participação, à cooperação e aos mecanismos
vos de flexibilização curricular e implementação de moda- auto-reguladores tem sido feita em estágio muito recente e,
lidades de apoio (GANDINI; EDWARDS, 2002). de certa forma, tardio, quando consideramos o confronto da
No contexto brasileiro, desde meados dos anos 90, traba- mesma com outras áreas que compõem o espectro da edu-
lho na Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. cação. Apesar de recente, considero que essa seja uma ten-
Minhas atividades acadêmicas concentram-se no Departa- dência que pode ressignificar o conhecimento sobre os su-
mento de Estudos Básicos e no Programa de Pós-Graduação jeitos com necessidades educativas especiais, assim como
em Educação, onde atuo como integrante da Linha de Pes- redimensionar as perspectivas de intervenção educacional.
quisa “Processos de exclusão e participação em educação Essa ressignificação e esse redimensionamento constituem-
especial”. O trabalho na docência, na orientação de alunos -se como pilares do nosso trabalho de investigação na Uni-
de pós-graduação, na coordenação de projetos de pesquisa versidade Federal do Rio Grande do Sul.
e na coordenação de projetos de extensão tem sido pau- Discutir a intervenção e o contexto tem sido o caminho
tado pela prioridade às temáticas “inclusão” e “inovações escolhido para repensar os sujeitos, pois o conhecimento
educacionais”. Nesse sentido, os projetos que tenho orien- que podemos ter dos mesmos depende diretamente de uma
tado ou coordenado envolvem muitos aspectos associados análise que integre a história das relações e das instituições
que têm forjado e sustentado “formas de viver”, as quais
Refiro-me a estágios de pesquisa, realizados por orientandos, no con-
12.
muitas vezes nos são apresentadas como quadros estáticos:
texto da cidade de Bologna.
o autista, o deficiente mental, o portador de altas habilida-

90 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 91


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

des etc (BAPTISTA, 2004b). Bateson convida-nos a superar a linearidade de uma ló-
Maturana (1999), ao discutir as relações entre biologia e gica de causa/efeito, destacando a impossibilidade/invia-
educação, afirma: bilidade desse tipo de análise quando tratamos com fenô-
menos humanos. Esse autor valoriza as relações produtoras
A célula inicial que funda um organismo constitui sua estrutu-
ra inicial dinâmica, aquela que irá mudando como resultado de
dos sujeitos e produzidas pelos mesmos. Considero o pen-
seus próprios processos internos, num curso modulado por suas samento de Bateson um potente “instrumento” para apre-
interações num meio, segundo uma dinâmica histórica na qual a sentar a perspectiva do trabalho que temos desenvolvido,
única coisa que os agentes externos fazem é desencadear mudan- no âmbito do grupo de pesquisa que coordeno. Em sintonia
ças estruturais determinadas nessa estrutura. O resultado de tal
processo é um devir de mudanças estruturais contingente com as com essa perspectiva, nosso grupo tem investido na valori-
seqüências de interações do organismo, que dura desde seu início zação de imagens mutáveis que se aproximem da realidade
até sua morte como num processo histórico, porque o presente por nós vivenciada e que contemplem os elevados graus de
do organismo surge em cada instante como uma transformação
incerteza que caracterizam muitos dos campos científicos
do presente do organismo nesse instante. O futuro de um orga-
nismo nunca está determinado em sua origem. É com base nes- envolvidos na descrição, na avaliação e no estabelecimento
sa compreensão que devemos considerar a educação e o educar de prognósticos para os sujeitos “diferentes”.
(p.28-29) A inclusão escolar tem exigido que a discussão teórica
em pedagogia ultrapasse os muros disciplinares específicos,
Desse modo, assumo a complexidade de um prisma ana- ampliando o diálogo entre conhecimentos produzidos no
lítico que considera a dinamicidade e a circularidade das âmbito da antropologia, da medicina, da psicologia etc. A
produções de vida, fazendo com que sejamos construídos e transdisciplinaridade é mais uma das perspectivas para a
construtores dos contextos dos quais participamos; sejamos investigação em educação especial, a qual tem como in-
parte integrante das instituições mutáveis, as quais escapam sistente prioridade sua relação com a educação, em senti-
às análises simplificadoras que as confundem com o pla- do amplo, e com o conhecimento pedagógico em sua di-
no das organizações. Os trabalhos de Gregory Bateson são mensão específica. Esse plano específico – o pedagógico
exemplares, no sentido de exigirem de nós o acolhimento – exige que nos perguntemos: Como cada um de nós se
dessa circularidade e conseqüente complexidade. Em Bate- posiciona diante do tema: educação e diferenças? Em que
son (1976, p. 345), o autor afirma: medida o debate sobre a inclusão tem contribuído para que
Na história natural do ser humano vivente, a ontologia e a episte-
a educação dos sujeitos considerados “diferentes” possa
mologia não podem ser separadas. As suas convicções (freqüen- ser pensada como parte da educação? Quais as chances de
temente inconscientes) sobre o mundo que o circunda determina- que nossa análise considere a pluralidade de significados
rão o seu modo de ver e de agir, e este seu modo de sentir e de e sentidos que têm sido atribuídos ao conceito “inclusão”?
agir determinará as suas convicções sobre a natureza do mundo.
O homem é, portanto, aprisionado em uma trama de premissas Tais questões devem ser consideradas como um “pano de
epistemológicas e ontológicas que, independentemente de sua fundo” que permite a identificação das idéias de implicação
veracidade ou falsidade, assumem para ele um caráter de parcial (como me situo?), assim como aquelas de multiplicidade de
autoconfirmação [tradução nossa].
sentidos produzidos e produtores de novos saberes.

92 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 93


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

Perspectivas de análise jeito e contexto, iniciei a exposição de alguns dos pressu-


Os pressupostos de um pensamento sistêmico favorecem postos teóricos que têm sido pontos de referência para nos-
o acolhimento de uma análise que depende necessariamen- so trabalho e que se constituem como as bases nas quais se
te de uma leitura contextualizada, ecológica e multimensio- sustentam nossas propostas de investigação. O investimento
nada. Cada elemento singular deve ser compreendido como na mutabilidade dos contextos tem relações evidentes com
integrante de uma complexa teia de relações que modificam uma perspectiva educacional que procura valorizar as dinâ-
e é modificada por esse elemento singular. Nesse sentido, a micas de participação coletiva e de cooperação no contex-
atenção que dirigimos a um objeto de análise deveria se ar- to educativo. Trata-se de pressupostos que já estavam pre-
ticular àquela que destinamos aos processos interativos por sentes nos trabalhos de Freinet, cujas reflexões e propostas
meio dos quais a pesquisa se desenvolve. Para além da ên- constituem o cerne pedagógico da pedagogia institucional
fase nas relações e nos processos, o pensamento sistêmico (BAPTISTA, 2003c). Este movimento pedagógico que rece-
coloca em destaque a posição daquele que observa, conce- be a designação de pedagogia institucional contempla um
bida como um desafio que se mostra na interconectividade. variado leque de tendências situadas na confluência entre
Observador e contexto necessariamente conectados. a educação ativa e a psicanálise. Meirieu (2002) apresenta
uma análise desse movimento, conferindo importância ao
Essa figura do observador constrói a realidade a partir de uma
rede de relações, nas quais os aspectos cognitivos e afetivos são
papel desempenhado por Fernand Oury, que é apresentado
elementos constitutivos inter-relacionados entre si, além de esta- como o educador que, seguindo as diretrizes de um traba-
rem em conexão com os aspectos institucionais. É um observador lho iniciado por Freinet, insere a problematização relativa
que tem história e a sua história é a história da densa rede de aos limites e aos desafios da escola urbana, além de inten-
relações afetivas e institucionais das quais ele é parte. Assim, tra-
ta-se de um observador que possui operações cognoscentes que sificar a “leitura” dirigida aos impasses e às contradições do
podem ser conhecidas e interrogadas somente no entrelaçamento ato educativo (VASQUEZ; OURY, 1975). Nesse sentido, era
das relações sociais das quais participa (FRUGGERI, 1994, p. 98, notório o empenho de Freinet para dar prioridade ao traba-
tradução nossa).
lho realizado com alunos que vivem situações marginais e
que se encontram “em ruptura com a instituição escolar”.
Em sintonia com essas idéias, o pensamento de Matura- A educação popular, a valorização da expressão livre e o
na expressa intensa valorização das interações sociais como uso de dispositivos didáticos favorecedores da colaboração
espaço de atualização, criação e transformação daquilo que podem ser identificados como alguns dos pilares do traba-
somos. A potência do pensamento de Maturana ganha evi- lho de Freinet, os quais foram intensificados pela pedagogia
dência no entrelaçamento estabelecido entre a biologia e a institucional e associados à busca de dinâmicas auto-regu-
história, entre a evolução de cada um de nós e de nossos ladoras do processo de aprendizagem (LOBROT, 1992).
coletivos. Assim, nossas atenções se voltam para a existên- Essa característica encontrará, na evolução do pensamento
cia de relações que produzem sujeitos e são produzidas por pedagógico, intensas articulações com os pressupostos de
esses sujeitos, em um movimento que combina ruptura/es- um construtivismo radical (FRUGGERI, 1994) que integra
tabilidade em ciclos constantes de renovação. estudiosos do pensamento sistêmico, como Maturana e Va-
Ao apresentar uma compreensão das relações entre su-

94 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 95


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

rela. Para refletir sobre a metodologia, destaco as palavras de


As possíveis associações entre a pedagogia institucional Canevaro, Cocever & Weis (1996), quando esses autores
e o pensamento sistêmico são recentes no âmbito dos estu- fazem referência às investigações que se voltam para a aná-
dos em educação, podendo ser encontradas nos trabalhos lise de trajetórias e de experiências de outras pessoas:
de Meirieu (1998; 2002), da Universidade de Lyon; nas
[...] um modo de investigar como esse exige que os pesquisadores
investigações do Gruppo PIA, da Università degli Studi di avancem com uma “bagagem leve”: não se aventurem no terreno
Bologna, coordenado por Andrea Canevaro (CANEVARO; da experiência de outros com armamentos pesados. Não se trata
BERLINI, 1996); em recentes trabalhos da Universidade de de um terreno a ser conquistado, mas a ser explorado com respei-
Málaga (LOPEZ MELERO et. al., 2003); além das nossas re- to [p. 5, tradução nossa].

flexões (BAPTISTA, 2004b). Identifico essa aproximação te-


órica como potente para a análise de fenômenos educacio- Desse modo, acredito que a “leveza” da bagagem me-
nais, particularmente, quando a mesma se configura como todológica seja justificada, inclusive, pela compreensão de
lastro teórico que auxilia na análise dos movimentos que que, ao abordar fenômenos complexos, é importante garan-
têm marcado as mudanças paradigmáticas da educação es- tir a possibilidade de contínuas adaptações na ação investi-
pecial e anunciado os esboços de uma pedagogia das dife- gativa, o que é possível quando é instaurada uma perspec-
renças. Esses movimentos são ainda recentes, mas acredito tiva de análise que integre dinâmicas autocorretivas. Tais
que mereçam atenção os seus desdobramentos em termos dinâmicas são incompatíveis com um desenho metodoló-
de propostas de redefinição de políticas educacionais. gico standard, imposto a situações diferenciadas, ou exces-
sivamente predefinido. No âmbito de nossas investigações,
Perspectivas metodológicas considero que a coerência teórico-metodológica pode ser
No que se refere ao plano metodológico, temos trabalha- mantida partindo-se dos fundamentos que integram o pen-
do com propostas de natureza qualitativa, o que nos parece samento sistêmico e a pedagogia institucional. Em sintonia
em sintonia com as características dos nossos objetos de com esses fundamentos, reconheço a importância da valo-
investigação e com as perspectivas teóricas que sustentam rização dos processos, da análise que supere a cisão macro/
nossas análises. Essa perspectiva justifica-se em função do micro, além da busca da identificação dos sentidos constru-
papel atribuído ao investigador – um instrumento impor- ídos pelos participantes do processo de investigação.
tante –, da valorização de dinâmicas descritivas e da ênfase Ao discutir os progressos cognitivos associados ao pen-
no processo (LÜDKE; ANDRÉ, 1986). Nesse sentido, nossas samento complexo, Morin (2003, p. 75) afirma:
análises têm se pautado em investigações que: valorizam Não se trata de um pensamento que exclui a certeza pela incer-
a relação entre o investigador e o contexto (pesquisa par- teza, que exclui a separação pela inseparabilidade, que exclui a
ticipante; pesquisa de tipo etnográfico); favorecem a arti- lógica para permitir todas as transgressões. O procedimento con-
siste, ao contrário, em se fazer uma ida e vinda incessante entre
culação entre a universidade e os contextos investigados;
certezas e incertezas, entre o elementar e o global, entre o separá-
conferem voz aos sujeitos focalizados (estudos de caso ou vel e o inseparável. De igual modo, este utiliza a lógica clássica e
histórias de vida). os princípios de identidade, de não-contradição, de dedução, de

96 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 97


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

indução, mas conhece os seus limites, e tem consciência de que, pular, inseridas no ensino comum, que freqüentavam um
em certos casos, é necessário transgredi-los. Não se trata, portan-
serviço de educação especial da mesma rede. Abreu (2002)
to, de se abandonar os princípios de ordem, de separabilidade e
de lógica, mas de integrá-los em uma concepção mais rica. Não investigou o atendimento educacional oferecido aos alunos
se trata de contrapor um holismo vazio ao reducionismo mutila- com necessidades educativas especiais, no ensino comum,
dor; trata-se de reatar as partes à totalidade. Trata-se de articular em uma rede de ensino privado do Rio Grande do Sul. O
os princípios de ordem e de desordem, de separação e de junção,
de autonomia e de dependência que estão em dialógica (comple-
contexto do ensino privado também foi objeto de investiga-
mentares, concorrentes e antagônicos), no seio do universo. ção de Munhoz (2003), em trabalho que problematizava as
associações simplificadoras entre as diferenças e as defici-
De fato, quando procuramos identificar os elementos ências. Santos Jr. (2002) dedicou-se à análise das políticas
propulsores de políticas de inclusão escolar, temos que ad- de educação especial na Rede Municipal de Ensino de Porto
mitir a pluralidade de fenômenos que concorrem para que Alegre, no período 1989-2000, discutindo as evidências de
haja essa emergência. Portanto, não se trata de uma busca sintonia entre a educação inclusiva e uma proposta políti-
de relação de causalidade, mas de identificação de singu- co-pedagógica pautada em princípios, como a participação
laridades e de estabelecimento de relações que podem ser popular, a garantia de acesso e a busca de qualidade no en-
complementares. Assim, buscamos as conexões que nos sino. O trabalho de Tezzari (2002) analisou um dos espaços
permitem compreender as mudanças em campo educa- de ação prioritária da educação especial na Rede Municipal
cional, nos diferentes planos que associamos às políticas: de Ensino de Porto Alegre – a sala de integração e recursos
o cotidiano, as práticas educacionais, o planejamento e a -, procurando mostrar as singularidades desse espaço pe-
legislação. dagógico no projeto daquela rede de ensino, assim como
Entre 2000 e 2004, nosso grupo desenvolveu várias pes- as relações, na ação do educador especial, entre o aten-
quisas que se associam aos planos acima anunciados e que dimento aos alunos e o acompanhamento do trabalho de
constituem um conjunto de 11 dissertações. 13Pistóia (2001) colegas do ensino comum. Os espaços escolares na Rede
analisou o contexto de uma turma de progressão14 na Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre também foram anali-
Municipal de Ensino de Porto Alegre, ao longo de um ano, sados por Souza (2004), em pesquisa que procurou discutir
discutindo as vantagens de uma proposta curricular inter- as tendências de constituição de novos pólos excludentes
disciplinar para alunos que se apresentam em situação de na escola. A autora deteve-se na investigação de espaços
desvantagem. O cotidiano dessa rede de ensino foi também escolares que tinham, no plano das metas, o objetivo de
investigado por Sulzbach (2003), em estudo que colocou oferecer um apoio transitório aos alunos em defasagem
em evidência as singularidades de crianças de classe po- entre a idade cronológica e o seu nível de escolarização,
como as turmas de progressão, mostrando as dinâmicas de
aparente transformação desses espaços e os riscos de que a
.Os resumos encontram-se no site do PPGEDU-UFRGS
13

.As turmas de progressão, em Porto Alegre, tinham a função de classes


14 presença continuada dos alunos contribuísse com o afasta-
de aceleração, recebendo crianças com defasagem idade-escolaridade. mento dos mesmos das turmas regulares do ensino comum.
Segundo a proposta da Rede Municipal de Ensino, a permanência nesses
espaços deveria ser restrita a, no máximo, dois anos. A temática relativa ao atendimento educacional aos alunos

98 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 99


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

com transtornos globais do desenvolvimento (autismo e psi- laridades) da formação em serviço que favoreçam a ação
cose infantil) reúne um grupo de trabalhos que passam do docente em uma perspectiva de uma pedagogia das dife-
plano teórico, como é o caso de Silva (2003), que discutiu renças. Esse último projeto surgiu em decorrência de ações
a contribuição de Maud Mannoni, para o campo da educa- de parceria entre a Universidade e a Rede Municipal de
ção, àquele relativo às proposições de oferta de serviços e Ensino, no sentido de oferecer o apoio e a formação aos
suas precariedades (OLIVEIRA, 2002). Integram esse grupo professores do ensino comum que se responsabilizam pelo
estudos sobre a identificação de trajetórias escolares que fa- ensino de crianças com necessidades educativas especiais.
vorecem a inclusão desses sujeitos no ensino comum (VAS-
QUES, 2002 e RUBLESKI, 2004). No caso dos dois últimos Para concluir
trabalhos, procurou-se investigar os espaços escolares do No que se refere ao futuro de nossas investigações, o
ensino comum freqüentados por essas crianças, assim como conjunto de pesquisas, realizadas e em fase de desenvol-
os efeitos possíveis de serem identificados no perfil desses vimento, aponta para a busca de conhecimento relativo ao
alunos em processo de inclusão. avanço dos processos inclusivos no Estado do Rio Grande
Portanto, temos investido em pesquisas que visam à do Sul. Apesar da intensa presença do contexto de Porto
compreensão das políticas de inclusão escolar, concebidas Alegre em nossas investigações (BAPTISTA; DORNELES,
em sentido amplo. Interessa-nos a questão dos sujeitos da 2004), pretendemos que haja uma ampliação desse univer-
educação especial e seus espaços de vida, com ênfase nas so de análise, incluindo outros municípios e outras regiões
alternativas de atendimento a eles dirigidas. Em 2004, havia do Estado. A ampliação diz respeito, também, às diferentes
dois projetos de pesquisa que concentravam várias ações conotações do conceito “políticas”. Em sintonia com essas
dos integrantes de nosso Núcleo: o Projeto Educação, Au- metas, pretendemos continuar investigando os diferentes
tismo e Psicose Infantil: análise de fronteiras, limites e pos- planos que compõem a dimensão política dos processos
sibilidades na região metropolitana de Porto Alegre, finan- inclusivos: a legislação, o cotidiano dos serviços, a inter-
ciado pela FAPERGS, constitui-se como uma continuidade venção educacional e as singularidades dos sujeitos. Desta-
de investigações anteriores e visava à análise de percursos co, portanto, uma concepção ampliada do termo “política”,
educacionais de alunos com transtornos globais de desen- apoiando-me nas afirmações de Rosso (1998) e Lalande
volvimento, considerando-se os espaços de atendimento, (1999), evocando uma dimensão que diz respeito à própria
suas dinâmicas em termos de profissionais envolvidos e etimologia dessa palavra: política, como a perspectiva de
apoios existentes ao trabalho docente; o Projeto Formação ocupar-se das coisas públicas.
Continuada e Inclusão de Alunos com Necessidades Educa-
tivas Especiais: desafios e possibilidades da ação docente,
financiado pelo CNPq, tinha como metas: investigar as pos- Referências
síveis relações entre formação continuada e ação docente,
no âmbito das políticas de inclusão da Rede Municipal de 1 ABREU, Daniela M. G. O Privado e o Especial: aná-
Ensino de Porto Alegre, analisando as características (singu- lise de um recorte do atendimento educacional aos alunos
com necessidades educativas especiais na rede privada do

100 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 101


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

Rio Grande do Sul. Dissertação de Mestrado. Programa de especial e inclusão: frágeis conexões? In: MOLL, Jaqueline
Pós-Graduação em Educação da UFRGS, 2002. (Org.) Ciclos na vida, tempos na escola. Criando possibili-
2 BAPTISTA, Claudio. A integração dos alunos porta- dades. Porto Alegre, Artmed, 2004(a).
dores de deficiência e o atual contexto educacional italiano: 9 BAPTISTA, Claudio. Mediação pedagógica em pers-
pressupostos e implicações. Anais do V Seminário Brasileiro pectiva: fragmentos de um conceito nas abordagens institu-
de pesquisa em Educação Especial, Niterói, p. 17-30, junho cional, sócio-histórica e sistêmica. Anais do V Seminário de
de 1996. Pesquisa em Educação da Região Sul – ANPEd/Sul. Curitiba,
3 BAPTISTA, Claudio & BOSA, Cleonice e cols. Autis- 2004(b).
mo e educação: reflexões e propostas de intervenção. Porto 10 BAPTISTA, Claudio; DORNELES, Beatriz. Políticas
Alegre: ARTMED, 2002. de inclusão escolar no Brasil: descrição e análise do muni-
4 BAPTISTA, Claudio. Políticas de Educação Especial cípio de Porto Alegre. In: PRIETO, Rosângela. Políticas de
da Região Sul. In: BUENO, José Geraldo & FERREIRA, Júlio inclusão escolar no Brasil: descrição e análise de sua imple-
(coord.s) As Políticas regionais de Educação Especial. Tra- mentação em municípios das diferentes regiões. Trabalho
balho encomendado do GT-15 Educação Especial na 26ª encomendado do GT-15 Educação Especial na 27ª Reunião
Reunião Anual da ANPEd. Poços de Caldas, 2003(a). Anual da ANPEd. Caxambu, 2004(c).
5 BAPTISTA, Claudio. Educação inclusiva no Rio 11 BATESON, Gregory. Verso un’ecologia della mente.
Grande do Sul: o que aprendemos com as recentes pesqui- Milano: Adelphi, 1976.
sas? Trabalho apresentado no “Simpósio: Pesquisas recentes 12 BATESON, Gregory. Mente e natureza. Rio de Janei-
sobre inclusão escolar no Brasil”. I Congresso Brasileiro de ro: Martins Fontes, s/d.
Educação Especial e IX Ciclo de Estudos sobre Deficiência 13 CANEVARO, Andrea; COCEVER, Emanuela e WEIS,
Mental. Programa de Pós-Graduação em Educação Especial Petra. Le ragioni dell’integrazione: inserimento scolastico di
e Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Es- alunni con handicap – una ricerca in tre aree dell’Unione
pecial, São Carlos, 11 a 14 de novembro de 2003 (b). Europea. Torino: UTET, 1996.
6 BAPTISTA, Claudio. Diálogo e contratação na ação 14 CANEVARO, Andrea & BERLINI, Maria Grazia.
educativa: algumas reflexões sobre uma pedagogia das di- Potenziali Individuali di Apprendimento. Le conneessioni,
ferenças. Projeto – Revista de Educação. Porto Alegre, v. 5, le differenze, la ricerca participata. Firenze: La Nuova Ita-
nº 7, p. 25-30, 2003 (c). lia,1996
7 BAPTISTA, Claudio. Sobre as Diferenças e as Des- 15 FRUGGERI, Laura. La ricerca sociale come processo
vantagens: fala-se de qual educação especial? In: FREITAS, di interazione. In: MANGHI, Sergio (Org.) Attraverso Bate-
Lia Beatriz de L.; MARASCHIN, Cleci; CARVALHO, Dia- son. Ecologia della mente e relazioni sociali. Milano: ANA-
na C. (Org.). Psicologia e Educação - Multiversus sentidos, BASI, 1994.
olhares e experiências. Porto Alegre, Editora da UFRGS, p. 16 GANDINI, L.; EDWARDS, C. e cols. Bambini: a
45-55, 2003 (d). abordagem italiana à educação infantil. Porto Alegre: Artes
8 BAPTISTA, Claudio. Ciclos de formação, educação Médicas, 2002.

102 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 103


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

17 LALANDE, André. Vocabulário Técnico e Crítico da 29 RUBLESKI, Adriana F. A caminho da escola: um es-
Filosofia. São Paulo, Martins Fontes, 1999. tudo sobre a educação integrada de crianças com autismo
18 LOBROT, Michel. Para que serve a escola? Lisboa: e psicose infantil. Dissertação de Mestrado. Programa de
Terramar, 1992. Pós-Graduação em Educação da UFRGS, 2004.
19 LOPEZ MELERO, Miguel; MATURANA, Humberto; 30 SANTOS Jr, Francisco D. As Políticas de Educação
PÉREZ, Angel; SANTOS, Miguel. Conversando com Matu- Especial na Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre:
rana de educación. Málaga: Aljibe, 2003. 1989-2000. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-
20 LÜDKE, Menga & ANDRÉ, Marli E. D. Pesquisa em Graduação em Educação da UFRGS, 2002.
educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. 31 SILVA, Iranice C. Maud Mannoni e Educação: as
21 MATURANA, Humberto. Emoções e linguagem na mutações de um impossível. Dissertação de Mestrado. Pro-
educação e na política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999. grama de Pós-Graduação em Educação da UFRGS, 2003.
22 MEIRIEU, Philippe. Aprender... sim, mas como? Por- 32 SOUZA, Fabiane R. O lugar das diferenças e a con-
to Alegre: Artes Médicas, 1998. figuração dos espaços escolares. Dissertação de Mestra-
23 MEIRIEU, Philippe. A Pedagogia entre o Dizer e o do. Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS,
Fazer: a coragem de começar. Porto Alegre: Artmed, 2002. 2004.
24 MORIN, Edgard. A necessidade de um pensamento 33 SULZBACH, Raquel A. Infância em Cena: um estu-
complexo. In: MENDES, Candido. (Org.) Representação e do sobre o cotidiano de crianças de classes populares com
complexidade. Rio de janeiro: Garamond, 2003. necessidades educativas especiais. Dissertação de Mestra-
25 MUNHOZ, Angélica V. Diferença ou Deficiência? do. Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS,
reflexões que problematizam a função normalizadora/nor- 2003.
matizadora da instituição escolar. Dissertação de Mestra- 34 TEZZARI, Mauren L. “A SIR Chegou...” Análise de
do. Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS, um processo de parceria entre a educação Especial e o Ensi-
2003. no Comum na Rede Municipal de Porto Alegre. Dissertação
26 OLIVEIRA, Aniê C. O Autismo e a ‘Criança-Selva- de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação da
gem’: da prática da exposição às possibilidades educativas. UFRGS, 2002.
Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em 35 VASQUES, Carla K. Um Coelho Branco Sobre a
Educação da UFRGS, 2002. Neve: estudo sobre a escolarização de sujeitos com psicose
27 PISTÓIA, Lenise H. C. (Des)vantagem e Aprendiza- infantil. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Gradu-
gem: um estudo de caso em uma proposta curricular e in- ação em Educação da UFRGS, 2003.
terdisciplinar na Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre. 36 VASQUEZ, Aida. & OURY, Fernand. L’Educazione
Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em nel gruppo classe: la pedagogia istituzionale. Bologna:
Educação da UFRGS, 2001. Dehoniane, 1975.
28 ROSSO, Andrea. Bateson, a mente aperta. École. nº
57, fev. 1998.

104 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 105


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

processos de inclusão/exclusão escolar,


desigualdades sociais e deficiência
José Geraldo Silveira Bueno

A estrutura acadêmica do Programa de Estudos Pós-


Graduados em Educação: História, Política, Sociedade, da
PUC/SP, possui como elementos nucleadores de todas as
suas atividades projetos institucionais de pesquisa de esco-
po relativamente largos, que possam congregar professores,
alunos e pesquisadores externos.
Dentro dessa estrutura, este projeto tem por finalidade
incorporar e organizar projetos de professores, alunos e
pesquisadores voltados a estudos e investigações sobre os
processos de inclusão e exclusão escolar, tendo por base,
por um lado, os estudos de Bourdieu (1982, 1998), Charlot
(1996, 2000, 2001), Lahire (1995, 2002), Paugam (1996),
Willis (1988), Nogueira, Romanelli e Zago (2003), entre ou-
tros, sobre a relação entre origem social e sucesso/fracasso
escolar e, por outro, os trabalhos de Goffman (1988), Fou-
cault (1978 e 2003), Skrtic (1996), Bris, Garcia e Rumayor
(2000), Cúpich e Vargas (1999), Jannuzzi (1985), Ferreira
(1993) e Bueno (1998, 1999a, 1999b, 2001a, 2001b, 2002,
2004a, 2004b, 2005) sobre a relação entre anormalidade e
processos de inclusão/exclusão social e escolar. Esses estu-
dos deverão se constituir nos seus dois grandes eixos:
- processos de escolarização e seletividade escolar e
- deficiência e processos de escolarização.

Processos de escolarização e seletividade escolar


Os processos de escolarização em nosso país, especial-
mente aqueles referentes à escolarização obrigatória, têm
se constituído muito mais em formas de seletividade que

106 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 107


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

impedem os membros das camadas populares de atingirem grandes tendências dos processos de escolarização, como
níveis mais elevados de escolarização do que de ampliação Bourdieu e Ferraro, e
efetiva de oportunidades educacionais. - investigações de cunho qualitativo, como os de Char-
Se, no passado, os processos de seletividade se davam lot, Lahire, Nogueira e Brandão, que buscam investigar sin-
pelo não acesso ou pelas retenções e evasões provocadas gularidades de processos e trajetórias de escolarização.
pela reprovação escolar, no momento atual, com a amplia- Utilizando fundamentalmente dados estatísticos, Bour-
ção das possibilidades de acesso para a quase totalidade dieu e Passeron (1982) nos mostraram que, mais do que
das crianças com idade de ingresso no ensino fundamen- simplesmente estabelecer uma relação mecânica entre ori-
tal e pelos mecanismos de redução da repetência (sistema gem social e fracasso escolar, seus estudos colocam em
de ciclos, regime de progressão continuada etc.), hoje esta cheque as próprias noções de fracasso e sucesso. O que eles
seletividade se expressa também, e especialmente, pelos verificam é que a escola na França, mais do que reter, re-
baixos índices de aprendizagem, que continuam afetando, provar ou expulsar os alunos (tal como acontece no Brasil),
de forma contundente, os alunos provenientes dos extratos serve de elemento fundamental de legitimação da relação
populares. entre origem e destino social.
Se podemos afirmar que os processos de seletividade es- Em trabalhos posteriores, como Classificação, desclassi-
colar têm sido uma das grandes preocupações da pesquisa ficação, reclassificação, Bourdieu (1998) nos mostra como,
educacional dos últimos 20 anos (Cf. Bueno, 2005), ela tem sob a aparente democratização de acesso a diplomas di-
se prendido, muito mais, à análise das políticas e da ação da ferenciados, o sistema escolar vai se reestruturando, e de-
escola e bem menos nos percursos e resultados alcançados terminados tipos de diplomas, anteriormente mais valori-
pelos alunos. zados, vão perdendo seu “status” à medida que passam a
Os apontamentos de Cândido (1964) indicavam o aluna- ser de acesso a um número maior de alunos, especialmente
do, sua organização e formas de agir, como um dos compo- daqueles de origem social mais baixa do que os que an-
nentes da estrutura da escola, mas parecem não ter causado teriormente a ele tinham acesso. Constituindo-se em uma
eco no campo da pesquisa educacional, pelo menos até a espécie de reação a estudos como os de Bourdieu, Lahire e
dedada de 1990. Charlot procuram investigar trajetórias escolares através de
Por outro lado, não se pode negar que, mesmo se consi- elementos singulares.
derando essa pouca incidência, alguns investigadores, tan- Charlot (2000, p. 22), apesar de tentar demonstrar que
to nacionais como estrangeiros, têm centralizado seu foco a leitura dos escritos de Bourdieu foi enviesada, na medida
de investigações nos alunos, como expressão do significado em que a relação entre origem social e fracasso escolar foi
da educação escolar, tais como Bourdieu, Willis, Charlot e interpretada de forma mecânica, ao termo e ao cabo, afirma
Lahire, no plano internacional, e Nogueira, Zago, Ferraro que, para Bourdieu, explicar a correlação estatística entre
e Brandão, no nacional, em que se podem distinguir duas a posição social dos pais e a posição dos filhos no espaço
vertentes de estudos: escolar é mostrar a homologia de estrutura entre sistemas de
- investigações de base estatística que buscam analisar as diferenças, e que esta é uma relação matemática, e não um

108 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 109


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

princípio de efetivação; concluindo: Nada nos diz da ma- (fenômenos que o autor considera de suma importância),
neira como se produz, no tempo, a passagem das diferenças mas que a exclusão na escola15 tem grande efeito nas tra-
entre pais para as diferenças entre filhos. jetórias de boa parte do alunado da escola fundamental no
Nesse sentido, para Charlot (2000, p.23), a análise do Brasil.
fracasso escolar deve levar em conta Zago (2003) faz interessante investigação relação ao
sucesso e fracasso escolar de crianças dos meios popula-
[...] o fato de que ele “tem alguma coisa a ver” com a posição
social da família – sem por isso reduzir essa posição a um lugar
res, procurando integrar dados quantitativos e qualitativos,
em uma nomenclatura socioprofissional, nem a família a uma po- como indicadores de trajetórias acidentadas de alunos des-
sição a singularidade e a história dos indivíduos e o significado ses meios. Embora afirme que reconheça o “caráter não
que eles conferem à sua posição (bem como à sua história, às determinista das relações entre as condições sociais faz
situações que vivem e à sua própria singularidade).
famílias e os resultados escolares dos filhos” (p. 26), não
encontra, em seu estudo longitudinal, nenhum jovem com
Lahire (1997) é outro estudioso que se debruçou sobre
mais de 14 anos, das 16 famílias que acompanhou durante
este tema. A partir da constatação empírica de que crianças
quatorze anos, que tivesse concluído o ensino fundamental
oriundas das camadas populares, de famílias que acumu-
sem alguma defasagem entre idade e séries cursadas, fato
lam “deficiências”, conseguem, algumas vezes, obter suces-
que se evidencia ainda mais nos depoimentos colhidos com
so escolar, afirma que há, para o sociólogo,
vários deles.
[...] em relação ao que conhece sobre o funcionamento provável De todos esses estudos podemos retirar duas questões
do mundo social a partir dos dados estatísticos, como que um básicas:
mistério a ser elucidado. Dessa constatação elabora a questão bá-
• verifica-se, amiúde, que a relação entre origem social
sica que norteará suas pesquisas: Semelhantes por suas condições
econômicas e culturais [...] como é possível que configurações e trajetória escolar não é biunívoca, e que uma parcela,
familiares engendrem, socialmente, crianças com níveis de adap- mesmo que pequena, de crianças das chamadas camadas
tação tão diferentes? (p. 12). populares, consegue atingir níveis bastante satisfatórios e,
em alguns casos, elevados, de escolarização;
Willis (1991), por outra ótica, procurou verificar como • apesar disso, é inegável que os índices de fracasso se
alunos dos meios populares reagem às normas da institui- abatem de maneira muito mais marcante sobre as crianças
ção escolar, demonstrando, de um lado, a sua não passi- dessas camadas; no Brasil, esses índices são impressionan-
vidade frente a elas, mas, de outro lado, que as formas de tes.
resistência desses alunos reiteram a sua condição de alunos Nesse sentido, cabe, em relação ao Brasil, questionar o
mal-escolarizados e propensos a assumir funções profissio- conceito de fracasso escolar, na medida em que os resulta-
nais subalternas; em geral, de trabalho desqualificado. dos gerais acima apresentados mostram que a “normalidade
No Brasil, os estudos de Ferraro (1999), a partir de dados 15
. Ferraro criou a categoria exclusão na escola (expressa por alunos com
estatísticos do IBGE, mostram como a questão do fracasso defasagem idade/série superior a dois anos, em contraposição à exclusão
escolar não se resume à repetência e evasão pura e simples da escola, expressa por aqueles que não tiveram acesso ou se evadiram
da escola).

110 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 111


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

escolar” se expressa pela repetência escolar, pelo abandono mente o inverso dos cursos de menor prestígio: enquanto
e pela defasagem entre a idade e a série cursada e, conse- entre os alunos de medicina 9,0% das mães não possuí-
qüentemente, que a reprovação e a discrepância idade/série am escolarização ou apenas o fundamental incompleto e
ainda se constituem nos padrões das trajetórias escolares de 53,6% tinham nível superior; entre os alunos de pedagogia
boa parte do alunado brasileiro. 62,0% das mães não possuíam escolarização ou apenas o
Se essa continua sendo uma marca dos processos de es- fundamental incompleto e somente 7,6% tinham nível su-
colarização no Brasil, a oportunidade de escolarização en- perior.
tre os que dela se livram é também evidente. Mesmo entre Isto nos faz adotar a posição de Brandão (2003, p 174),
aqueles que ascendem a níveis elevados de ensino, como em relação à controvérsia entre pesquisas quantitativas e
aqueles que têm acesso ao ensino superior (que suposta- qualitativas, de que
mente seriam os que ultrapassaram a barreira do fracasso),
as diferenças são marcantes: “[...] a visão do mais geral não é melhor nem pior do que a fo-
calização do particular; a questão que se coloca é da pertinência
do enfoque para obter o ângulo mais adequado do problema em
Quadro 1
investigação”.
Percentual de alunos dos cursos superiores participantes
do provão, segundo o nível de escolarização das mães -
2001 Um outro aspecto que merece ser abordado diz respeito
ao foco que as pesquisas de cunho qualitativo têm utiliza-
Nível de instrução das mães do. Tanto Lahire como Charlot, e também Nogueira e Zago,
Sem Fundamental Fundamental Médio Superior Sem têm centrado suas pesquisas nas condições de origem dos
escolaridade Incompleto completo Informação
alunos, sem dúvida aspecto significativo para procurar des-
cursos
crever e analisar os processos de escolarização. Zago (2003),
Medicina 0,5 8,5 8,2 28,4 53,6 0,6
mesmo considerando que a relação entre a formação dos
Odontologia 0,5 9,9 10,3 31,7 46,9 0,7
percursos escolares a as práticas da instituição não consti-
Eng. Mecânica 0,5 17,4 15,9 30,2 35,7 0,3
tuem seu foco, reconhece, com base em Charlot, que a
Agronomia 1,9 23,4 14,4 30,7 28,1 1,6
Psicologia 2,3 25,2 14,0 28,2 28,0 2,3 “[...] história escolar dos jovens se desenvolve em estabelecimen-
Direito 2,8 22,7 14,3 27,6 31,4 1,2 tos escolares e através de práticas pedagógicas cujas políticas e
Física 4,7 36,2 17,3 24,8 16,2 0,7 lógicas devem ser interrogadas” (CHARLOT, 1996, apud ZAGO,
2003).
Letras 8,6 48,7 14,6 17,8 9,6 0,8
Matemática 9,0 50,2 14,6 16,8 9,1 0,3
Entretanto, com exceção de Willis, nenhum desses au-
Pedagogia 9,7 52,3 13,5 16,7 7,6 0,3
tores debruçou-se sobre o que, de fato, ocorre na escola:
Fonte: BRASIL. MEC. INEP, 2002.
como os alunos se situam dentro do espaço escolar, que
relações estabelecem entre si e com os demais membros da
O nível de instrução das mães dos alunos dos cursos de
comunidade escolar, que similaridades/distinções existem
maior prestígio social é, em termos proporcionais, exata-

112 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 113


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

entre as relações sociais, as formas de agrupamento, as nor- BUENO, 2004).


mas explícitas e implícitas de comportamento estabelecidas A restrição ao universo da deficiência, e não ao dos
no interior da escola e as do seu meio social. Essa nos pa- “portadores de necessidades educacionais especiais”, se
rece ser, sem dúvida, uma lacuna a ser preenchida, já que, deve ao fato de considerarmos que este dois conceitos não
se a cultura de origem dos alunos pode ser fator importante são sinônimos, embora isto tenha ocorrido no Brasil e, por
para se entender suas trajetórias de escolarização, o que decorrência, restringiu-se a “educação para sujeitos com
ocorre no interior da escola deve também ter significado na necessidades educativas especiais” à educação especial, na
qualidade dos diferentes percursos escolares. medida em que se tem considerado que esta foi a perspec-
Por fim, todas as considerações acima nos fazem adotar tiva adotada pela Declaração de Salamanca (Conferência
duas posições básicas, que norteiam toda a produção das Mundial sobre Necesidades Educativas Especiales, 1994).
investigações que compõem este eixo: Entretanto, a nosso juízo, quando a Declaração procu-
- de um lado, a necessidade do desenvolvimento ra definir quem são esses sujeitos, afirma que a expressão
de estudos e pesquisas sobre aspectos macro-estrutu- “necessidades educativas especiais” refere-se a todas as
rais, quer sejam em relação às políticas educacionais crianças e jovens cujas necessidades decorrem de sua ca-
quer de investigações de cunho estatístico, sobre seus pacidades ou de suas dificuldades de aprendizagem (p. 18),
resultados alcançados; de outro, de estudos qualita- acrescentando, que “muitas crianças experimentam dificul-
tivos, procurando investigar processos singulares de dades de aprendizagem e têm, portanto, necessidades edu-
escolarização e de sua relação com a inclusão/exclu- cativas especiais em algum momento de sua escolarização
são escolar; e (p. 18).
- sem desconsiderar que as condições sociais, eco- Assim, o termo “necessidades educativas especiais”
nômicas e culturais concretas jogam papel decisivo abrange, com certeza, a população deficiente, mas não se
nos processos de escolarização, pretendemos privile- restringe somente a ela. Tanto é assim, que seu princípio
giar como foco as marcas das trajetórias e as condi- fundamental é de que as escolas devem acolher todas as
ções dos alunos no interior das escolas, procurando crianças, independentemente de suas condições físicas,
estabelecer, é claro, as possíveis relações entre a vida sociais, emocionais lingüísticas ou outras. Devem acolher
intra-escolar com o meio social em geral. crianças com deficiência e crianças bem dotadas; crianças
que vivem nas ruas e que trabalham; crianças de popula-
Deficiência e processos de escolarização ções distantes ou nômades; crianças de minorias lingüís-
Se, por um lado, é verdade que a seletividade escolar ticas, étnicas ou culturais e crianças de outros grupos ou
se abate fundamentalmente sobre os alunos oriundos das zonas desfavorecidos ou marginalizados (p. 17-18).
camadas populares, há uma parcela da população escolar Deve também ficar claro que, embora conceitue o termo
que, por características próprias, apresenta dificuldades de “necessidades educativas especiais” com esta abrangência,
escolarização e de socialização: os alunos deficientes, mui- a Declaração se volta especificamente para a educação dos
tas vezes transcendendo a origem social dos sujeitos (Cf. deficientes, mas o que nos interessa aqui é ressaltar que ela

114 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 115


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

não trata os dois termos como sinônimos. próprias a cada um dos tipos de deficiência (mental, física,
Esta distinção não pode ser vista somente do ponto de auditiva ou visual) e que, sem dúvida, acarretam diferentes
vista conceitual ou terminológico, pois é fundamentalmente necessidades de adaptação das práticas escolares a essas
política. características.
O que me parece um aspecto bastante positivo da De- Em síntese, a questão fundamental neste eixo é a de exa-
claração é que, ao tratar da questão da educação dos defi- tamente contribuir com a realização contínua e sistemática
cientes dentro do âmbito da educação para os alunos com de investigações sobre a relação entre as dificuldades es-
necessidades educativas especiais e, esta, dentro do princí- pecíficas das diferentes deficiências, a origem social desses
pio fundamental de educação para todos, oferece possibi- alunos e as próprias formas de escolarização ao qual são
lidades para que se rompa com o dualismo existente entre submetidos, como fatores fundamentais para a ampliação
educação regular e educação especial. de nossa compreensão sobre os processos de inclusão/ex-
Isto é, a educação dos alunos deficientes pode ser tra- clusão escolar dessa população.
tada dentro do âmbito dos demais alunos que expressam Em síntese, nossa preocupação central reside nos pro-
o fracasso da escola de massas, que, via de regra, são ori- cessos de inclusão e exclusão escolar, que podem ser abor-
ginários das parcelas marginalizadas, tais como as mino- dados por meio de três entradas:
rias lingüísticas, étnicas, culturais e, nos países periféricos, • as trajetórias dos alunos como expressão dos pro-
a massa pauperizada pelos modelos econômicos adotados. cessos de inclusão e de exclusão escolar;
Para tanto, com base na perspectiva apontada por Skrtic • as práticas escolares e os processos de inclusão e
(1996, p. 45), torna-se obrigatória a superação da base bio- exclusão escolar;
psicológica que sustenta quase que a totalidade da produ- • as políticas educacionais e os processos de inclusão
ção teórica da educação especial, pois “[...] há um corpo e exclusão escolar.
substancial de literatura sobre teorias sociológicas, políticas
e culturais do desvio e, portanto, muitas formas diferentes
de conceptualizar a educação especial e a noção tradicio- Referências
nal de “deficiência” (discapacidad).
Mas, se é um avanço incluir a educação dos deficientes 1 ALMEIDA, M. F. A. & NOGUEIRA, M. A. A escola-
no âmbito do fracasso escolar, não se pode descurar de que rização das elites: um panorama internacional da pesquisa.
eles possuem características diferentes das demais catego- São Paulo, Vozes, 2002.
rias que compõem o universo dos sujeitos com necessida- 2 AQUINO, Júlio Groppa (Org). Diferenças e precon-
des educativas especiais, que não estão desvinculadas de ceitos na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo,
suas origens e posições sociais, mas que não se restringem Summus, 1998.
somente a elas. Além disso, cabe ressaltar que, dentro do 3 BOURDIEU, P. & PASSERON, J. C. A reprodução:
universo dos alunos deficientes, há uma grande diversi- elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de
dade de características pessoais causada pelas limitações Janeiro, Francisco Alves, 2ª ed, 1982.

116 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 117


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

4 BOURDIEU, P. Escritos de educação. Organizado e teses defendidas nos programas de pós-graduação em


por Maria Alice Nogueira e Afrânio Catani. Petrópolis, Vo- educação (1981/1998). Anais do XII Encontro Nacional de
zes, 1998. Didática e Prática de Ensino – ENDIPE. Curitiba, ENDIPE,
5 BRASIL. CNE. Resolução n. 02/01. Institui as diretri- 2004a.
zes nacionais para a educação especial na educação bási- 15 BUENO, José Geraldo S. Educação especial brasi-
ca. leira: integração/segregação do aluno diferente. São Paulo,
6 BRASIL. MEC.INEP. Geografia da educação brasilei- EDUC, 2004b.
ra: 2001. Brasil, MEC/INEP, 2002. 16 BUENO, José Geraldo S. Alunos e alunos especiais
7 BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DES- como objetos de investigação: das condições sociais às con-
PORTO. Lei n. 9.394, de 23 de dezembro de 1996, que fixa dições pessoais adversas. In: FREITAS, Marcos Cezar de. Es-
as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, 1996. cola e sociedade: observatórios da infância e da juventude.
8 BRIS, M. Martín; GARCÍA, L. Margalef; RUMAYOR, São Paulo, Cortez (no prelo), 2005.
L. Rayón. La respuesta a la diversidad en la enseñanza obli- 17 CÂNDIDO, A. A estrutura da escola. IN: PEREIRA,
gatoria: los modelos de planificación e organización. Alca- L. & FORACCHI, M. M. Educação e Sociedade. São Paulo:
lá, Universidad de Alcalá, 2000. Cia. Editora Nacional, 1964.
9 BUENO, José Geraldo Silveira. Crianças com neces- 18 CHARLOT, B. Relação com o saber e com a escola
sidades educativas especiais, política educacional e a for- entre estudantes de periferia. Cadernos de Pesquisa, S. Pau-
mação de professores: generalistas ou especialistas? Revista lo, n. 97, mai, 1996, p. 47-63.
Brasileira de Educação Especial, v. 3, n. 5, set, 1999a, p. 19 CHARLOT, B. Da relação com o saber: elementos
25. para uma teoria. Porto Alegre, ArtMed, 2000.
10 BUENO, José Geraldo S. Diversidade, deficiência e 20 CHARLOT, B (Org.). Os jovens e o saber: perspecti-
educação. Espaço, MEC/INES, n. 12, 1999b. vas mundiais. Porto Alegre, ArtMed, 2001.
11 BUENO, José Geraldo S. Educação inclusiva e esco- 21 CONFERENCIA MUNDIAL SOBRE NECESIDADES
larização dos surdos. Integração, Brasília, MEC/SEESP, vol. EDUCATIVAS ESPECIALES. Declaración de Salamanca.
13, n. 23, 2001a. Salamanca,UNESCO, 1994.
12 BUENO, José Geraldo S. A inclusão de alunos defi- 22 CÚPICH, Zardel Jacobo; VARGAS, Marco A Villa.
cientes nas classes comuns do ensino regular. Temas sobre Sujeto, educación especial e integración. Iztacala, UNAM,
desenvolvimento, São Paulo, vol. 9, n. 54, 2001b. 3 vol., 1999.
13 BUENO, José Geraldo S. A produção social da iden- 23 FERRARO, Alceu R. Diagnóstico da escolarização
tidade do anormal. In: FREITAS, MARCOS Cezar de. Histó- no Brasil. Revista Brasileira de Educação, n. 12, set/dez,
ria social da infância no Brasil. São Paulo/Bragança Paulis- 1999.
ta, Cortez/USF, 2002. 24 FERREIRA, Júlio Romero. A exclusão da diferença.
14 BUENO, José Geraldo S. O aluno como foco de Piracicaba, UNIMEP, 1993.
investigações sobre a escola: tendências das dissertações 25 FERREIRA, Maria Cecília Carareto. Repensar a práti-

118 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 119


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

ca educacional com deficientes mentais: uma contribuição 37 MC LAREN, Peter. Multiculturalismo crítico. São
à luz da psicologia sócio-histórica. Anais da 18ª Reunião Paulo, Cortez, 1997.
Anual da ANPEd. Caxambu, ANPEd, 1995. 38 NOGUEIRA, M. A. A escolha do estabelecimento
26 FOUCAULT, M. História da loucura na Idade Clás- de ensino pelas famílias: a ação discreta da riqueza cultu-
sica. São Paulo, Perspectiva, 1978. ral. Revista Brasileira de Educação. São Paulo, n.7, jan./abr,
27 FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Petrópolis, Vozes, 1998, p.42-56.
27ª ed, 2003. 39 NOGUEIRA, M. A., ROMANELLI, G., ZAGO, N.
28 FREITAS, Marcos Cezar de (Org.) História social Família e escola: trajetórias de escolarização em camadas
da infância no Brasil. São Paulo/Bragança Paulista, Cortez/ médias e populares. Petrópolis, Vozes, 2a ed, 2003.
EDUSF, 1997. 40 PAUGAM, Serge. L’exclusion, l’état des savoirs. Pa-
29 GIOVINAZZO JR., C.A. A educação escolar segun- ris, La Découverte, 1996.
do os adolescentes: um estudo sobre a relação entre a esco- 41 PERRENOUD, Philippe. La construcción del éxito y
la e seus alunos. São Paulo, PUC/SP, Tese de Doutoramen- del fracaso escolar. Madrid, La Coruña. Morata/Fundación
to, 2003. Paideia, 2ª ed, 1996.
30 GLAT, Rosana. A integração social dos portadores 42 ROSA, Dalva E. Gonçalves; SOUZA, Vanilton Ca-
de deficiências: uma reflexão. Rio de Janeiro, Sette Letras, milo de. Políticas organizativas e curriculares, educação in-
1995. clusiva e formação de professores. Rio de Janeiro/Goiânia,
31 GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipu- DP&A/Alternativa, 2002.
lação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro, Guanabara 43 SACRISTÁN, J Gimeno. “Currículo e diversidade
Kogan, 1988. cultural”. IN: Tomaz Tadeu da Silva e Antônio Flávio Mo-
32 HUSÉN, Torsten. Meio social e sucesso escolar: reira (Org.), Territórios conquistados: o currículo e os novos
perspectivas das investigações sobre a igualdade na educa- mapas políticos e culturais. Petrópolis, Vozes, 1995.
ção. Lisboa, Horizonte. 44 SAMPAIO, Maria das Mercês Ferreira. Um gosto
33 JANNUZZI, Gilberta. A luta pela educação do defi- amargo de escola: relações entre currículo, ensino e fracas-
ciente mental no Brasil. São Paulo, Cortez/Autores Associa- so escolar. São Paulo, EDUC, 1998.
dos, 1985. 45 SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Alienígenas na sala
34 LAHIRE, B. Sucesso escolar nos meios populares: as de aula: uma introdução aos estudos culturais em educa-
razões do improvável. São Paulo, Ática, 1995. ção. Petrópolis, Vozes, 1995.
35 MARIN, A. J.; BUENO, J. G. S.; & SAMPAIO, M. M. 46 SKLIAR, Carlos (Org.). A surdez: um olhar sobre as
F. (2005). A escola como objeto de estudo: tendências das diferenças. Porto alegre, Mediação.
dissertações e teses brasileiras sobre a escola - 1981/1998. 47 SKRTIC, Thomas. “La crisis en el conocimiento de la
Cadernos de Pesquisa, FCC, São Paulo. educación especial: una perspectiva sobre la perspectiva”.
36 MARTINS, José de Souza. Exclusão e desigualdade IN: FRANKLIN, Barry M. Interpretación de la discapacidad.
social. São Paulo, Paulus, 1997. Barcelona, Pomares-Corredor, 1996.

120 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 121


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

48 SOARES, Maria Aparecida Leite. A educação dos • Artigo de periódico


surdos no Brasil. Campinas/Bragança Paulista, Cortez/USF, o MARIN, A. J., BUENO, J.G.S. e SAMPAIO, M. M. F.
1999. A escola como objeto de estudo: tendências das disserta-
49 SPOSATI, Aldaíza. Mapa da exclusão/inclusão so- ções e teses brasileiras sobre a escola - 1981/1998. Cader-
cial da cidade de São Paulo. São Paulo, EDUC, 1996. nos de Pesquisa, Fundação Carlos Chagas (no prelo).
50 TOMASINI, Maria Elisabete Archer. Expatriação so- • Trabalho em anais
cial e a segregação institucional da diferença: reflexões. In: o BUENO, J. G. S. Alunos e alunos especiais como
BIANCHETTI, Lucídio & FREIRE, Ida Mara (Org.). Um olhar foco das investigações sobre a escola: tendências das disser-
sobre a diferença: interação trabalho e cidadania. Campi- tações e teses defendidas nos programas de pós-graduação
nas, Papirus, 1998. em educação – 1981/1998. Anais do XII ENDIPE - Encontro
51 TOZONI-REIS, M. F. de C. Infância, escola e pobre- Nacional de Didática e Prática de Ensino. Curitiba, ENDIPE,
za. Campinas, Autores Associados, 2002. 2004.
52 WILLIS, Paul Aprendendo a ser trabalhador. Porto
Alegre, Artes Médicas, 1988. • Capítulo de livro
53 ZAGO, Nadir. Quando os casos contrariam as pre- o BUENO, J. G. S. Alunos e alunos especiais como
visões estatísticas: os casos de êxito escolar nas camadas objetos de investigação: das condições sociais às condições
socialmente desfavorecidas, Paideia, Ribeirão Preto, jan/jul, pessoais adversas. In: FREITAS, M. C. de (Org.). Observató-
2000. rios da infância e da juventude. São Paulo, Cortez (no pre-
lo)
Pesquisas Institucionais Realizadas • Teses defendidas
o MICHELS, M. H. A formação de professores de edu-
• Balanço tendencial das dissertações e teses que in- cação especial na UFSC (1998-2001): ambigüidades estru-
vestigaram a escola básica defendidas nos programas de turais e a reiteração do modelo médico-psicológico. São
pós-graduação em educação (1981/1998). PUC/SP-EHPS, Paulo, PUC/SP-EHPS, 2004.
2003/2004.
• Elaboração de instrumento para coleta de dados em • Teses em andamento
produções acadêmicas. PUC/SP-EHPS, 2003 o NOGUEIRA, R. M. C. D. A. A violência na escola:
um estudo crítico das suas manifestações entre adolescen-
Pesquisas Institucionais em Andamento tes. São Paulo, PUC/SP-EHPS.
• Atualização do balanço tendencial – 1999/2001 o SANTOS, R. A. dos. Trajetórias escolares de alunos
• Elaboração de instrumental para coleta de dados so- deficientes mentais: entre o fracasso e o sucesso escolar.
bre situação, percursos e trajetórias de alunos São Paulo, PUC/SP-EHPS.
o SILVA, A. M. A relação entre rendimento escolar,
Produtos origem social e ensino supletivo. São Paulo, PUC/SP-EHPS.

122 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 123


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

o DALLABRIDA, A. M. A inclusão de crianças defi- classe especial para surdos. São Paulo, PUC/SP-EHPS.
cientes no ensino privado de Santa Catarina. São Paulo,
PUC/SP-EHPS. Coordenador:
o CUKIERKORN, M. O. B. As trajetórias escolares de Prof. Dr. José Geraldo Silveira Bueno
deficientes auditivos na rede pública municipal de São Pau-
lo. São Paulo, PUC/SP-EHPS. Membros:
Prof. Dr. Marcos Cezar de Freitas
• Dissertações defendidas Prof. Dr. Carlos Alberto Máximo Pimenta
o SIQUEIRA, B. A. A inclusão de crianças deficientes
no ensino regular: limites e possibilidades de participação
em sala de aula. São Paulo, PUC/SP-EHPS, 2004.
o PENNA, M. G. de O. O ofício do professor: as am-
bigüidades do exercício da docência por monitores-presos.
São Paulo, PUC/SP-EHPS, 2003.
o SANTOS, R. A. dos A trajetória escolar de alunos
atendidos em classes especiais da rede estadual paulista.
São Paulo, PUC/SP-EHPS, 2002
o MOREIRA, C. da S. A trajetória escolar de portado-
res de deficiência visual no ensino regular, atendidos em
sala de recursos. São Paulo, PUC/SP-EHPS, 2002.
o ILLIANO, F. C. Trajetória curricular de uma escola
de surdos: entre a escola regular e as demandas do alunado.
São Paulo, PUC/SP-EHPS, 2002.
o SANTOS, W. J. P. dos. Do ensino médio à univer-
sidade: a trajetória de alunos surdos formados em escola
especial. São Paulo, PUC/SP-EHPS, 2002.

• Dissertações em andamento
o MARTINS, J. L. G. As interações sociais entre alunos
deficientes e alunos normais no ensino regular. São Paulo,
PUC/SP-EHPS.
o VIANA, E. A. A trajetória de escolarização de pro-
fessores deficientes. São Paulo, PUC/SP-EHPS.
o DANTAS, M. de M. As práticas de alfabetização em

124 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 125


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

NECESSIDADE ESPECIAL DO TRABALHO


EDUCATIVO GERAL OU
NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS?
Anna Maria Lunardi Padilha

Apontamentos iniciais
O objetivo deste texto foi o de levar para o Seminário de
Pesquisa alguns questionamentos que venho fazendo como
pesquisadora, professora e orientadora de dissertações e te-
ses da Universidade Metodista de Piracicaba, SP, de modo
a contribuir para o debate de temas associados à Educação
Especial. As questões aqui colocadas revelam preocupações
com os caminhos que tem tomado o chamado “atendimen-
to às necessidades educativas especiais nas classes comuns
de ensino”. Tanto o conceito quanto as práticas pedagógi-
cas sugerem um certo desconforto em relação ao atendi-
mento das reais necessidades históricas, sociais e culturais
das pessoas, não só deficientes como daquelas que estão
marginalizadas pela negação do acesso aos bens materiais
e culturais.
Os questionamentos e tentativas de incentivar o deba-
te estão pautados na concepção de que há “necessidades
humanas” para o desenvolvimento e aprendizado, ou seja,
para a constituição cultural do homem. Entendo, como Karl
Marx (1996), que “os filósofos se limitaram a interpretar o
mundo de diferentes maneiras; o que importa é transformá-
lo” (p.14), e também que “a essência humana não é uma
abstração inerente ao indivíduo singular. Em sua realidade,
é o conjunto das relações sociais” (idem, p.13). Os desdo-
bramentos dessas teses, da forma como compreenderam
Lev Semionovich Vigotski e Mikhail Bakhtin, no século

126 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 127


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

passado, e Dermeval Saviani e Newton Duarte, nos tempos acesso aos níveis de participação social, processo que des-
atuais, encorajam e sustentam a presente discussão, ao lado qualifica uma nação, um grupo ou um indivíduo, em re-
de autores que têm se dedicado aos estudos sobre educação lação aos valores e normas sociais definidas em tempos e
e educação especial, exclusão e inclusão social. espaços em transformação.
Mas tal exclusão tem raízes históricas, que, se não cabe
Exclusão social – um conceito complexo agora discuti-las, faz-se necessário, pelo menos, apontar
Gilberto Dupas (2000) nos fornece um panorama bastan- para o que hoje se denomina pós-modernismo - que faz
te apropriado da relação entre economia global e exclusão “implodir a escola por meio da negação da existência de
social, colocando-nos na dimensão de certo contexto sem um conhecimento objetivo a ser transmitido, da negação da
cuja compreensão nos restringiremos às determinações da autoridade do professor e da negação da intencionalidade
esfera da escola para explicar a exclusão dos deficientes e do ato educativo” (DUARTE, 2004, p. 223). As ações inten-
propor alternativas quase sempre insuficientes. cionais, as que determinam um caminho a seguir para que
Podemos conceituar “exclusão” e “inclusão” sob diver- o direito à educação de todos seja conseguido, tendem a
sos pontos de vista, portanto não são conceitos auto-expli- ser eliminadas no mundo pós-moderno, camufladas por um
cativos – não é possível que falemos de um e/ou de outro discurso “politicamente correto” (idem, p. 230).
sem uma análise criteriosa de seus determinantes: históri-
cos, sociais, culturais, econômicos e políticos - do poder. É Educação especial – uma forma de excluir os de-
possível elaborar categorias de “excluídos e não excluídos” ficientes da educação geral?
para analisar situações concretas, dependendo do ponto de Para saber pensar e sentir; para saber querer, agir ou avaliar é
vista adotado, confirmando a multiplicidade e complexida- preciso aprender, o que implica o trabalho educativo. Assim, o
de dos conceitos. Destaco apenas algumas das categorias saber que diretamente interessa à educação é aquele que emerge
como resultado do processo de aprendizagem, como resultado do
cabíveis: situação de empregabilidade e possibilidade de
trabalho educativo (SAVIANI, 2000, p.11).
consumo; condições de moradia; posse da terra; qualifica-
ção para o trabalho; idade; gênero; etnia; nível de escola-
O trabalho educativo – função privilegiada da escola
ridade; cumprimento das normas sociais; normalidade bio-
– cujo objeto específico é o saber, para esse mesmo autor
lógica e psíquica (em oposição às deficiências e doenças);
crenças religiosas; escolha de amigos, tipo de lazer; opção [...] é o ato de produzir, direta e intencionalmente, em cada indi-
afetivo-sexual etc. víduo singular, a humanidade que é produzida histórica e coleti-
vamente pelo conjunto dos homens. Assim, o objeto da educação
Ser/estar excluído supõe que haja seu oposto: ser/estar diz respeito, de um lado, à identificação dos elementos culturais
incluído. A complexidade está na unidade de sentido de que precisam ser assimilados pelos indivíduos da espécie humana
um enunciado completo: quem está excluído está excluído para que eles se tornem humanos e, de outro lado e concomi-
de algo, de alguém, de algum lugar, por algum motivo, por tantemente, à descoberta das formas mais adequadas para atingir
esse objetivo (p.17 – grifo meu).
algum tempo, em certas condições.
Exclusão é processo de impedimento sistemático de
“Em cada indivíduo singular” parece não deixar dúvidas

128 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 129


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

quanto ao destinatário do processo educativo, do proces- ências” (idem, p.171).


so de ensino e aprendizagem como ato que produz. Quem Com professores formados como especialistas em edu-
são esses indivíduos singulares? Todos nós. Sem exceção. cação especial, com salas de apoio, salas de recursos, clas-
Quais são esses atos de produção de saber? A organização ses especiais etc, teorias e métodos vão sendo difundidos,
do sistema de ensino com suas políticas e práticas educati- mas com muito custo e quase sempre de forma fragmenta-
vas concretas, datadas. da, não chegando a todos os confins desse país. A escola
Não me parece, portanto, que a educação necessitasse passa a ser a responsável por ajustar-se às necessidades e
do adjetivo especial. Bastaria que se identificassem os ele- atender à diversidade de seus alunos; posição reafirmada
mentos culturais necessários de serem apropriados e os mo- pelas Diretrizes Nacionais para a Educação Especial de 11
dos de fazer isso, as formas adequadas a esses indivíduos de Setembro de 2001.
– a cada indivíduo singular. O caminho da inclusão da pessoa com necessidades
Mas conta a história que a concentração dos meios de educativas especiais na escola comum foi assinalado pela
produção e o conseqüente apartheid social acelera a crise Declaração de Salamanca (1994), reafirmando que o movi-
na educação, que por sua vez se vê diante de um aumento mento pedagógico, além das características democráticas,
na demanda por escola, ao mesmo tempo em que há uma deverá ser pluralista, não garantindo apenas o acesso, mas
também acelerada pauperização dos serviços públicos, a permanência do aluno nos diversos níveis de ensino e
como educação e saúde. respeitando fundamentalmente sua identidade social, res-
Desde 1971, o título “educação especial” vai firmando- saltando que as diferenças são normais e a escola deverá
se no discurso oficial com explicitação da preferência pelo considerar essas múltiplas diferenças, promovendo as adap-
ensino do deficiente na rede comum de ensino. Nessa épo- tações necessárias, que atendam as necessidades de apren-
ca, apregoava-se a valorização da educação “em função do dizagem de cada educando no processo educativo. Esse
desenvolvimento do país, do aumento da produtividade do documento fortalece que “os programas de estudos devem
indivíduo” – diz Jannuzzi (2004, p.142), acrescentando que ser adaptados às necessidades da criança e não o contrário.
“a criação de um órgão específico para a educação espe- As escolas deverão, por conseguinte, oferecer opções curri-
cial condiz com o nosso modo de organização capitalista culares que se adaptem às crianças com capacidade e inte-
periférica” (p. 143). Nesse período (parece-me que não só resses diferentes” (Declaração de Salamanca, 1994, p.33).
nele) a vertente pedagógica majoritária, quase hegemônica, Assim sendo, a escola deve oferecer programas educacio-
buscava explicação para a exclusão social de seus alunos, nais flexíveis, contribuindo para a promoção de desafios,
culpabilizando os ambientes sócio-econômicos-culturais de forma a superar as necessidades grupais ou individuais,
diferentes dos da classe favorecida. A culpa recaía sobretu- compreendendo e reorganizando ações educativas que ga-
do nos alunos considerados “deficientes mentais” – termo rantam aprendizagem de novos conhecimentos.
que passou a ser evitado, sendo substituído por “educandos A respeito dessas questões, apenas apontadas, ficam
com necessidades especiais”. Posteriormente voltaram a muitas outras para debate: formação de professor genera-
denominar os deficientes de “pessoas portadoras de defici- lista capaz de lidar com toda sorte de diferenças em suas

130 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 131


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

salas de aula ou formação especializada e mais densa em formas não estão prescritas e nem poderiam estar porque não são
únicas, não são unilaterais, não são iguais para todos, em todos
cada área de atuação da educação especial? A educação
os lugares.
continua tendo a necessidade de ser especial, própria, es- Colocar todas as crianças juntas, em um mesmo lugar, em um
pecífica ou devem ser ignoradas as peculiaridades de cada mesmo tempo para aprender tudo não significa que todas apren-
indivíduo singular? Ou a educação inclusiva – não haveria derão o que, realmente, precisam aprender. Juntar crianças em
uma sala de aula não lhes garante ensino, não lhes garante escola
“educação especial”, portanto – estaria escondendo o pou- cumprindo seu papel; não lhes garante aprendizagem e, portanto
co caso das políticas públicas com a educação, a ponto de não lhes garante desenvolvimento. Deixar crianças e jovens de-
investir menos em serviços especializados: menos custo a ficientes ou pobres sem escola, sem ensino, sem aprendizagem
qualquer custo? A esse respeito questionam Ferreira e Fer- e abandonados à própria sorte é impedir, de forma violenta, o
exercício do direito que todos têm de participar dos bens culturais
reira (2004): produzidos pela humanidade. Tão violento é deixar crianças e
jovens sem escola quanto o é deixá-los sem comida, sem casa,
[...] não há de se ignorar o risco agravado de que, num contex- sem roupa, sem lazer, sem saúde, sem afeto, sem perspectiva de
to neoliberal, a educação inclusiva seja tomada pela perspectiva trabalho, sem segurança, sem orientação, sem cuidados. Igual-
econômica do Estado Mínimo e tratada como uma estratégia para mente violento é deixá-los na escola, matriculados, com lugar
se eliminar serviços de educação especial já constituídos, confi- marcado na sala de aula, mas sem aprender, sem o acesso a todos
gurando menos serviço a ser prestado pelo estado, já que todos os instrumentos e estratégias que respondam às suas necessida-
os alunos, com deficiência ou não, devem estar nas mesmas salas des peculiares: professores que saibam do que realmente estas
de aula (p.32). crianças e jovens necessitam; equipe de profissionais que saiba
orientar professores e familiares, acompanhando-os no proces-
Afinal, que necessidades especiais são essas? Como so de aprendizagem de seus alunos e filhos; número suficiente
conhecê-las? de pessoas para cuidar destes alunos na escola; número menor
Em outros trabalhos, apontei para algumas análises quan- de alunos por sala de aula; salas de recurso em pleno funciona-
mento; estrutura física adequada dos prédios; possibilidades de
do se trata de pensar o que se passa no interior da escola. locomoção garantidas; projeto pedagógico coletivo; estrutura e
Escola que, sendo determinada por condições concretas funcionamento administrativos compatíveis com o projeto peda-
de vida social, recebe crianças e jovens constituídos e em gógico e com as singularidades dos diferentes grupos de crianças
e jovens (PADILHA, 2004, p. 96-97).
constituição, igualmente nas condições concretas de vida.
Transcrevo um trecho longo por considerar que faz sentido
na composição deste texto: Não basta que as leis existam, que as resoluções determi-
nem, que o bom senso aponte, que a vontade anime pois,
Conceitos como os de inclusão e exclusão não podem ser bana- concordando com Marx, a subjetividade humana, o desen-
lizados, simplificados, porque se corre o risco de banalizarmos
volvimento de cada sujeito acontece na permanente cons-
e simplificarmos necessidades fundamentais do ser humano, em
cada época e em determinados espaços, sob determinadas con- trução de um processo histórico de objetivação do gênero
dições. humano. E a maioria das pessoas não está se apropriando
De qualquer forma, dito desta ou daquela maneira, neste ou na- das riquezas materiais e intelectuais das obras da humani-
quele tempo, uma das questões fundamentais me parece ser a
seguinte: o direito de todos saberem tudo e o dever da escola
dade. Se a educação fica esvaziada de conteúdo, há esva-
ensinar tudo o que deve, a todos, significa encontrar formas, ma- ziamento do ser humano. O que se busca é a valorização da
neiras, estratégias para que este direito seja exercido de fato. Estas escola, do saber do professor, do conhecimento científico

132 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 133


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

socialmente existente – e não qualquer um. Escola como (COUDRY, 1997).


mediadora, como propõe Vigotski (2001): Se o professor lida com cada indivíduo concreto e este
[...] o ensino direto dos conceitos sempre se mostra im- indivíduo é a síntese das múltiplas relações sociais, pergun-
possível e pedagogicamente estéril. O professor que envere- to: como a participação na cultura orienta e re-orienta cer-
da por esse caminho costuma não conseguir senão uma as- tas atividades que ainda não fazem parte da vida do sujeito?
similação vazia de palavras, um verbalismo puro e simples Como é possível introduzir novos modos de participação
que estimula e imita a existência dos respectivos conceitos cultural na vida das crianças e jovens que têm o direito de
na criança, mas, na prática, esconde o vazio (p. 247). aprender mas apresentam peculiaridades de suas deficiên-
cias? Como o signo organiza, altera e dá outra dinâmica às
E o dia-a-dia? O singular? O ato pedagógico? redes neuronais? Não há limitação previsível de incorpo-
Algumas questões constituem, a mim parece, temas fun- ração cultural, pois tudo o que envolve o homem é huma-
damentais para se pensar o fazer pedagógico. no, é social, é cultural, com limites desconhecidos. O que
Cada indivíduo é um ser concreto em relação e por meio não sabemos, muitas vezes, é o que fazer com as condições
das relações com outros incorpora modos de pensar e de biológicas limitadas a partir de uma possibilidade ilimitada
ser, reorganizados, “retrabalhados por ele e por aqueles da dimensão cultural. Possibilidade ilimitada que se depara
que com ele convivem” (Saviani, 2004, p. 46). Tal posição com dificuldades no campo do simbólico, em casos de de-
encontra-se de acordo com a perspectiva histórico-cultu- ficiência mental (PADILHA, 2001).
ral do desenvolvimento humano e suas implicações meto- O funcionamento simbólico não tem sido privilegiado
dológicas de pesquisa que se apóiam nas reflexões de Lev nem nos programas das escolas regulares nem nas institui-
Semionovich Vygotsky [1896–1934] e seus seguidores; na ções de educação especial. No entanto, estudos têm mos-
posição marcadamente dialógica da interação humana de trado (DE CARLO, 1999; PADILHA, 2001) que avanços na
Mikhail Bakhtin [1895-1975], que leva em conta os proces- Educação Especial precisam ter o olhar radicalmente volta-
sos de significação, os movimentos de sentido e seu papel do para ver o sujeito como alguém que vai se apropriando
constitutivo do pensamento, da ação e da palavra e nas con- da cultura, e não somente somando hábitos.
tribuições da Neurolingüística, orientada discursivamente É necessária uma definição quanto à concepção de sujei-
para a análise dos fatos patológicos, assumindo a teoria to, de mundo, de sociedade, de deficiência, de eficiência,
enunciativo-discursiva da linguagem. A linguagem, através de desenvolvimento e aprendizagem, para poder conhecer
de seu papel mediador, organiza a relação do interpretante mais e melhor sobre as características das crianças e jovens
(possibilidade de significar) entre atividade cognitiva e dis- que da escola esperam um papel crucial no desenvolvi-
curso. A linguagem aparece e mostra, dando visibilidade mento cognitivo em todas as esferas do simbólico. E isso só
ao que está ou não alterado. Na linguagem em exercício, é possível a partir de um projeto político-pedagógico que
é possível ver o que falta ou o que excede e como os pro- defina, com clareza, seu papel de conhecer, reconhecer e
cessos de significação são elaborados pelos interlocutores, programar a sua tarefa de criação positiva de formas de tra-
nas diferentes instâncias nas quais os sujeitos se expõem balho, que respondam às particularidades de seus educan-

134 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 135


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

dos; tanto as particularidades pessoais de gênese biológica das pessoas com quem estamos trabalhando? Como estão
quanto as que são construídas na vida social, nas relações inseridas no mundo simbólico (da cultura)? O que conse-
concretas de vida de cada um (PADILHA, 2001). guem significar e como, com a mediação da palavra, dos
Vigotski relaciona pensamento e linguagem não haven- gestos, das atividades do outro? Como vivem no contex-
do, para ele, possibilidade de desenvolvimento cognitivo to de sua vida cotidiana? Como acontecem as interações?
fora da linguagem e nem linguagem sem a mediação que Qual a natureza e a estrutura da deficiência? Que pistas for-
acontece nos processos interativos. A linguagem é o prin- necem (e conseguimos captar) sobre como aprendem? Que
cipal mediador, necessariamente simbólico, entre o mundo esferas do simbólico vamos escolher para trabalhar, inter-
cultural e o biológico. vir, mediar? (Quais são as funções psicológicas superiores
O caráter semiótico do desenvolvimento humano, se to- – especificamente humanas?). Que esferas do simbólico são
mado a sério dos estudos de Vigotski, faz a diferença: o que fundamentos de outras esferas (mesmo que saibamos que
é especificamente humano, a atividade específica da lin- o desenvolvimento acontece na inter-relação de funções)?
guagem, é que providencia os instrumentos auxiliares para Que atividades serão escolhidas para desenvolver, respon-
a solução dos problemas, é que direciona a vontade, pla- dendo para cada uma delas: para quê? – nossas metas maio-
neja a ação, controla e regula o comportamento. As ações res – baseadas no referencial teórico e na visão de sujeito;
humanas, mais do que ações condicionadas por estímulos por que essas e não outras? – dependendo de nossos obje-
externos, são ações mediadas por signos. As práticas cul- tivos, de acordo com as metas maiores estabelecidas; como
turais são práticas discursivas e a verdadeira essência do desenvolvê-las? – estratégias metodológicas coerentes com
comportamento humano complexo é a atividade simbólica. o para quê e o por quê; por quanto tempo? - quais as pis-
A atividade mental revela-se no terreno semiótico – no que tas que o sujeito nos fornece para acrescentarmos, reduzir-
significa. mos, ampliarmos, modificarmos...? O que e como registrar
É preciso deixar clara a intenção de defender a lingua- o desenvolvimento e a intervenção? O que fazer com as
gem como trabalho humano, como atividade constitutiva, observações registradas? Como lidar teoricamente com os
como produto e produção social, como possibilidade de registros (que análise fazer? Para quê?) Quando propor estas
dar sentido à vida – que sentido? ou aquelas atividades?
Algumas indagações ficam aqui apresentadas, como in- Ficam compromissos. Onde realizar um projeto assim,
dicações que podem ser promissoras na compreensão das que leve em consideração o desenvolvimento simbólico
necessidades humanas de nossos alunos ainda caracteriza- como fundamento dos planos de ensino? Como realizar tais
dos oficialmente como aqueles com necessidades educati- práticas, registrar, (re)planejar, (re)avaliar, avançar, propor,
vas especiais, alertando para o fato de que tais indagações em constante interação com os alunos de uma sala de aula,
necessitam ser pensadas para todo e qualquer programa via de regra com muitos alunos? Como se organizar em
pedagógico. grupos de trabalho na escola? Como compor/ajustar cur-
Se entrar no mundo da significação é entrar no mundo rículos? Como organizar o tempo das necessidades com o
simbólico, o que é preciso saber sobre o desenvolvimento tempo letivo? Como não substituir as classes especiais por

136 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 137


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

um certo “empurrar para frente” indiscriminado, deixando de livre e universal. In: ______ (org.). Crítica ao Fetichismo
que os alunos cheguem analfabetos ao final do ensino fun- da Individualidade. Campinas: Autores Associados, 2004,
damental? p.219-242.
E mais: a aprendizagem gera desenvolvimento. O pro- 4 DUPAS, G. Economia global e exclusão social. São
cesso de desenvolvimento do pensamento não se realiza do Paulo: Paz e Terra, 2000.
individual para o social, mas, ao contrário, do social para 5 FERREIRA, J.R. e FERREIRA, M.C. C. Sobre Inclusão,
o individual, prega Vigotski (2001). Portanto, ensinar o que Políticas Públicas e Práticas Pedagógicas. In: GÓES, M C. R.
está fora de seu universo cotidiano – sua compreensão ime- e LAPLANE, A L. F. (orgs). Políticas e Práticas de educação
diata – movimentando o desenvolvimento cognitivo, social Inclusiva. Campinas: Autores Associados, 2004.
e cultura, pela intervenção direta, organizada, planejada, 6 JANNUZZI, G. A educação do deficiente no Brasil:
intencional, enfim, ir além; compreendendo, porém, que na dos primórdios ao início do século XXI. Campinas: Autores
agenda do pós-modernismo somos empurrados para o ca- Associados, 2004.
minho inverso – o da fragilidade e espontaneísmo – e a luta 7 MARX, K. Ideologia Alemã. São Paulo: Hucitec,
consiste em fazer a crítica a esta posição marcada e promo- 1996.
ver um engajamento “no processo de transformação radical 8 PADILHA, A. M. L. Práticas Educativas: perspectivas
das condições de vida dos homens na sociedade capitalis- que se abrem para a educação especial. In: EDUCAÇÃO
ta contemporânea” (ROSSLER, 2004, p.88). O que supõe & SOCIEDADE, ano XXI, n. 71, Julho/2000.Campinas: CE-
pensar a educação de forma revolucionária, ou seja, com DES.
necessidades econômicas, políticas, sociais e pedagógicas 9 ______. Práticas Pedagógicas na Educação Especial:
especiais para desenvolver um trabalho educativo geral que a capacidade de significar o mundo e a inserção cultural do
considera as necessidades humanas em suas especificida- deficiente mental. Campinas: Autores Associados, 2001.
des. 10 ______. O que fazer para não excluir Davi, Hilda,
Diogo... In: GÓES, M C. R. e LAPLANE, A. L. F. (orgs). Po-
líticas e Práticas de educação Inclusiva. Campinas: Autores
Referências Associados, 2004.
11 ROSSLER, J.H. A educação como aliada da luta re-
1 COUDRY, M. I. H. Língua, discurso e a lógica da volucionária pela superação da sociedade alienada. In: DU-
linguagem patológica. In: Cadernos da F.F.C./UNESP. Vol. ARTE, N. (org.). Crítica ao Fetichismo da Individualidade.
6. Nº 2. Marília: UNESP, 1997. Campinas: Autores Associados, 2004, p.75-98.
2 DE CARLO, M. M. R. P. Se essa casa fosse nossa... 12 SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras
instituições e processos de imaginação na educação espe- aproximações. Campinas: Autores Associados, 2000.
cial. São Paulo: Plexus, 1999. 13 ______. Perspectiva Marxiana do Problema Subjeti-
3 DUARTE, N. A rendição pós-moderna à individua- vidade-Intersubjetividade. In: DUARTE, N. (org.). Crítica ao
lidade alienada e a perspectiva marxista da individualida- Fetichismo da Individualidade. Campinas: Autores Associa-

138 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 139


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

dos, 2004, p.75-98.

Bibliografia de apoio OS MOVIMENTOS POSSÍVEIS E NECESSÁRIOS


PARA QUE UMA ESCOLA FAÇA A
1 BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem. INCLUSÃO DE ALUNOS COM
São Paulo: Hucitec, 1992. NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS
2 ______. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Mar- Maria Cecília Carareto Ferreira
tins Fontes, 1992.
3 VYGOTSKI, L. S. Obras Escogidas. Volumes I, II, III,
IV e V. Madrid: Visor, 1993. Considerando o tema desta mesa: Escola inclusiva, prá-
ticas pedagógicas e formação de professores, vou destacar
o trabalho acadêmico que desenvolvi, no período 2001-
2004, a partir de uma relação colaborativa com a Secretaria
Municipal de Educação de Piracicaba - SP. Esta relação im-
plicava num diálogo com professores e técnicos da referi-
da secretaria, em torno de problemas do cotidiano de uma
rede que tem como um dos eixos da ação educacional a in-
clusão escolar de crianças e jovens com deficiência, defini-
do na Conferência Municipal de Ensino sob o princípio de
educação com acesso, permanência e qualidade social para
todos. Tal eixo se insere dentro de uma política de atenção
à diversidade dos alunos, política esta que prioriza quatro
programas: Programa de valorização das diferentes etnias;
Programa de superação do fracasso escolar; Programa de
alfabetização para jovens e adultos; Programa para inclusão
escolar de crianças e jovens com deficiência.
A relação de colaboração com a rede de ensino reali-
zou-se, neste período, na forma de pesquisa colaborativa
envolvendo alunas do Programa de Mestrado em Educação,
orientandas das docentes do Núcleo de Práticas Pedagó-
gicas e Processos Interativos. Neste núcleo, segundo sua
ementa
“[...] a abordagem de ações educativas e processos de intera-
ção humana constitui uma importante perspectiva de estudo

140 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 141


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

que conduz a um conjunto promissor de possibilidades para a estratégias para desenvolver um ensino de leitura e escrita
investigação, a discussão teórico-metodológica e a análise das
que não esteja ancorado numa base fonética, assim como
práticas educacionais”. Metodologicamente, nosso trabalho tem
focalizado as relações sociais “[...] para se compreender ações, na organização escolar que criou um processo especial de
concepções e discursos que constituem a experiência educativa reforço da alfabetização fora da sala de aula, que é condu-
e o trabalho pedagógico em diferentes contextos institucionais”, zido pela intérprete e pelo instrutor surdo.
assim como busca a tessitura “[...] minuciosa dos processos in-
terpessoais e dialógicos, que são fundamentais para o estudo da
Por outro lado, a sala de aula é um espaço criado e con-
formação do sujeito em ambientes educativos e, mais especifica- duzido pelo professor onde ocorre a circulação de conhe-
mente, dos modos de construção do conhecimento e formas de cimento, acontecimentos e de vida afetiva, de forma mais
atuação pedagógica na sala de aula” (Ementa do Núcleo, Projeto ampla e variada que a presente no universo da alfabetiza-
Pedagógico do PPGE).
ção. Isso parece permitir a manutenção da relação professor
- aluno mesmo entre o professor ouvinte e o aluno surdo.
Pautadas por esta ementa, as pesquisas que foram reali-
Também parece contribuir a relação dialógica instaurada
zadas ou estão em desenvolvimento dentro deste processo
entre aluno e professor, na medida em que este consegue
colaborativo têm-se orientado mais para as questões da edu-
ter uma expressão em LIBRAS, na forma de um repertório
cação dos surdos e dos alunos com acentuadas dificuldades
funcional mínimo, adequado ao comando da sala de aula.
para aprender; e os objetivos específicos das investigações
Têm também sido objeto de investigação sob a orienta-
têm origem nas práticas e desafios que os processos peda-
ção de outra docente (Profª. Drª Maria Cecília R. de Góes )
gógicos colocam para os educadores do sistema municipal
do Núcleo temas que preocupam os educadores das escolas
de educação. Na educação dos surdos temos olhado para
inclusivas, tais como: o papel do intérprete; como se carac-
as relações que os alunos estabelecem com os profissionais
terizam os processos interativos quando na sala de aula da
presentes na sala de aula (professor da classe, intérprete,
educação infantil temos a professora da sala, o intérprete e
instrutor surdo) e as relações entre esses profissionais. Neste
o instrutor surdo; e como é o recreio na escola inclusiva.
momento estamos tentando investigar qual é a natureza da
Em outra vertente de pesquisa tem sido objeto de inves-
relação pedagógica desenvolvida entre os alunos surdos e
tigação a compreensão do que se caracterizaria como ne-
seu professor ouvinte nas duas primeiras séries (Ciclo I) do
cessidades especiais na educação básica para alunos com
ensino fundamental. As evidências apontam para uma rela-
acentuadas dificuldades para aprender, tentando compre-
ção que mesmo destituindo o professor da função de alfa-
ender que necessidades seriam da esfera da educação es-
betizador, o mantém numa posição de ser a autoridade que
pecial em colaboração com a educação regular e aquelas
ensina e o reconhecimento, por parte do aluno surdo, deste
pertinentes à educação regular. O principal objetivo tem
professor ser a autoridade do saber e regente da classe.
sido a tentativa de compreender que processos pedagógicos
O que parece estar no cerne das relações de destitui-
são necessários para atender às demandas das diferentes ne-
ção do professor como alfabetizador é, primeiro, a reduzida
cessidades; quando elas indicam a necessidade de um lócus
capacidade do professor em alfabetizar o aluno, conside-
educacional complementar e qual a natureza desta comple-
rando a especificidade dele ser surdo. Este aspecto parece
mentariedade.
alicerçado na ausência de flexibilidade metodológica e de

142 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 143


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

Esta vertente tem-se orientado por várias preocupações prio processo histórico que entendemos como movimento
que geram diferentes objetos de pesquisa junto ao núcleo. contraditório constante do fazer humano.
Mais recentemente vale destacar o interesse sobre o desen- Essas pesquisas têm claramente indicado limites e pos-
volvimento da imaginação em crianças pré-escolares; sobre sibilidades atuais, assim como necessidades na construção
a brincadeira no contexto educacional de crianças com de- de uma educação inclusiva que de fato promova avanços
ficiência mental e com crianças autistas; sobre as represen- escolares junto a esta população. Vamos destacar algumas
tações que os docentes fazem dos alunos jovens e adultos destas necessidades que, espero, fiquem como desafio aos
com deficiência mental; sobre as características que devem pesquisadores. Elas vêm agrupadas em quatro pontos que
orientar um programa escolar para alunos com autismo ou já estão bastante discutidos na área da educação de pes-
outros quadros psiquiátricos que interferem fortemente com soas deficientes, mas que devem ser reafirmados para que
o desenvolvimento humano; e sobre como conduzir os pro- nos sirvam de desafio para avançarmos até novas diretrizes
cessos de alfabetização de alunos com deficiência mental e teórico-práticas. São destaques levantados das discussões e
de alunos com uma história de fracasso escolar de tal forma produções do grupo de especialistas da Secretaria Munici-
que, ao concluírem o ensino fundamental, não deixem de pal de Educação que exerciam a função de coordenação do
estar alfabetizados. programa de educação especial e/ou a função de docentes
Enquanto referencial teórico e metodológico, temos nos responsáveis pelos serviços de apoio especial à rede de en-
orientado pela perspectiva histórico-cultural. Nela conce- sino. Eles evidenciam aspectos em que o processo de cons-
bemos o homem como um ser interativo, social e histórico trução da escola inclusiva esbarra e que, portanto, são os
que se constitui imerso numa sociedade vista como produ- que devem nos mobilizar, numa perspectiva colaborativa.
ção histórica dos homens, produção esta que se faz através Vamos apresentá-los acompanhados de falas recorrentes
do trabalho, ao produzirem sua vida material. Nesta produ- ouvidas na rede e que são alvo de debates na equipe. Trou-
ção produzem também a cultura xemos essas falas como evidência dos movimentos neces-
sários para o desenvolvimento de uma educação inclusiva
“[...] enquanto o conjunto de formas e resultados da actividade
humana, difundidos no âmbito de qualquer colectividade e que
para alunos com necessidades especiais.
são resultado da tradição, imitação, aprendizagem e realização
de modelos comuns” (p.5) que se estende A inclusão assumida no mesmo paradigma da
integração e como uma nova roupagem da educa-
“[...] a todas as esferas da actividade social humana e aos resulta- ção especial:
dos desta e consequentemente, ao terreno da produção e da orga-
nização da vida social e a todos os gêneros da criação intelectual
Temos que ter uma classe de inclusão; O lugar deste alu-
e estética” ( KLOSKOWSKA; GULIAN; REDEKER, 1975, p.5 ). no não é nesta escola pois não dispomos de condições es-
peciais de ensino; Temos que ter um professor que se encar-
Ao produzir conhecimento por esta perspectiva assume- regue destes alunos; Se temos um professor para apoiar o
se que a realidade material se representa por idéias que tra- aluno, aí o professor da classe não precisa se preocupar
zem em si contradições. Contradições que emanam do pró- com ele; Ele recebe atividades para desempenhar que

144 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 145


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

são só dele. vos escolares não está presente na tradição pedagógica da


Este ponto parece apontar para impossibilidades de ter- professora; também é necessário organizar os serviços que
mos uma educação inclusiva caso não radicalizemos na darão suporte não só para os alunos, mas também para toda
ruptura com a educação especial. Todavia, nossa interação a equipe escolar.
com a rede indica que quando um aluno, diferente do ideal Se essas são necessidades que estamos identificando em
esperado pela comunidade escolar, é matriculado na esco- nossas pesquisas, estamos falando de algo que está na his-
la, ele gera uma desestabilização do sistema, sistema que é tória da educação especial. Desta forma, falar em radical
pouco flexível na medida em que tem uma estrutura que não ruptura com a educação especial como condição para a in-
oferece muita abertura para ações segundo as necessidades clusão não faz sentido. Temos que nos perguntar o que ca-
específicas de cada criança. A desestabilização mobiliza racteriza esta educação especial em processos de inclusão
todos os participantes da escola, podendo criar resistências O que da nossa história de educação especial cria possibi-
que impossibilitam a inclusão; mas, contraditoriamente, a lidades de superação da exclusão e o que devemos mudar
tensão gerada pelo fato altera a rigidez da estrutura escolar por serem fortes marcas favorecedoras de manutenção da
e possibilita movimentos favoráveis à plena educação do exclusão? O que o estado da arte já acumulou?
aluno. Temos visto a necessidade de se inserir a criança em
A alteração da rigidez da escola por si só não produz espaços significantes da cultura, (re)constituindo nas rela-
condição favorável de inclusão, é necessário a presença de ções sociais novas formas de representação da diferença e
um agente que ajude a operar as transformações necessárias. dando especial valor à linguagem compreendida como um
Também não se pode esperar que, no momento de ruptura, fenômeno que envolve as dimensões dialógica e ideológi-
as mudanças sejam gestadas apenas pela força dos próprios ca, presentes na pluralidade de vozes que constituem o su-
alunos ou seus familiares que, como minoria oprimida, são jeito. Isto tem impacto direto nos fazeres pedagógicos que
facilmente silenciados ou mesmo apresentam dificuldades devem se orientar por uma perspectiva de abertura para o
nos processos de significação do mundo. Dificilmente con- mundo das produções humanas e nos discursos circulantes
seguiriam se contrapor às formas de resistência. É necessá- no âmbito escolar que devem possibilitar a constituição de
ria a ação de educadores no sentido de garantir eqüidade subjetividades mentalmente mais saudáveis.
no tratamento e oferta de oportunidades diferenciadas para Temos visto a necessidade de um trabalho em sala de
que todos possam alcançar e manter padrões de aprendiza- aula mais coletivo, garantindo a expressão de cada singula-
gem com qualidade social. ridade num processo de acompanhamento/orientação, que
Para ajudar a escola a se reorganizar neste sentido, é possibilite a constituição do sujeito sem as marcas das des-
preciso viabilizar estratégias de ensino e avaliação partindo vantagens que têm sido impostas àqueles que são acentua-
da premissa de que não é necessário que todos os alunos damente diferentes.
tenham as mesmas metas educacionais quando aprendem Que relações concretas definem essas necessidades?
juntos. A questão é que o desenvolvimento de algumas me- Que possibilidades outras temos para ressignificar a educa-
tas educacionais diferenciadas dentro dos mesmos objeti- ção especial? Como vamos sair do patamar de dizer o que é

146 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 147


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

a educação inclusiva e o que ela deve fazer, para responder estudos, naturalizam a exclusão que assim passa a nada ter
como ela deve se constituir? a ver com a organização da sociedade tal como se dá nas
relações de produção capitalista, agora com uma orienta-
A difícil superação dos processos excludentes ção política neoliberal. Da mesma forma não são percebi-
presentes na escola: das as relações de exclusão que a escola desenvolveu com
O que vamos fazer com as crianças da inclusão?; No re- aqueles alunos com características mais diferenciadas.
creio ela fica mais protegida se ficar na classe; Acho que é Temos que considerar que este contexto marca as possi-
melhor não levá-la na excursão, ela vai ficar muito triste em bilidades de inclusão dos alunos com necessidades educa-
ver os brinquedos, as crianças brincando e ela na cadeira de cionais especiais. Todavia, precisamos considerar mais, que
rodas; Ela vem ao menos para se socializar. na ontogênese de cada um, o desenvolvimento está vincu-
Já tivemos a oportunidade de dizer em outros fóruns que, lado às condições concretas do grupo social em que ele está
a despeito da garantia de acesso do esforço da família em su- inserido; isto é, considerar que o sujeito é produto de uma
perar explícitos ou velados processos discriminatórios e de história particular entrelaçada com uma história social, re-
resistência da comunidade escolar; a despeito da anunciada pleto de desejos e motivos contraditórios determinados pela
aceitação dos docentes; a despeito dos recursos colocados história singular dele e dos outros presentes na interação,
à disposição dos programas de inclusão da flexibilização todos inseridos numa trama social.
das normas e funcionamento dos sistemas de ensino; nestes Daí a necessidade de que a equipe escolar esteja atenta
dez anos de Salamanca não sentimos mudança significati- ao desenvolvimento de dinâmicas relacionais entre profes-
va no avanço do desenvolvimento escolar real de alunos sores, famílias e alunos que propiciem o surgimento de vi-
com deficiência. Em Piracicaba, pouquíssimos chegam ao vências e conteúdos significativos. Ainda temos necessida-
ensino médio e raríssimos chegam ao ensino superior ou de de aprofundar o conhecimento sobre como e o que fazer
galgam uma formação técnica. Ainda precisamos ampliar a para dar às escolas ferramentas que permitam um maior co-
compreensão deste fato nas suas determinações concretas e nhecimento de um sujeito que é único, conhecimento este
singulares para que tenhamos possibilidades de intervenção de real valor pedagógico.
mais eficiente na história deste fenômeno. Há que se considerar a complexidade das condições
Considerando o conhecimento desenvolvido pela pes- presentes na ontogênese das pessoas; condições estas que
quisa educacional da área temos ótimas análises de que as podem ser das mais variadas maneiras: adequadas, precon-
atitudes excludentes têm suas raízes na história dos concei- ceituosas, empobrecidas. Desta forma, a concepção de de-
tos que definem as práticas da educação especial dentro de ficiência, presente na cultura, bem como as políticas públi-
uma tendência médica que nos leva à aproximação do es- cas, as condições de vida material e o conjunto de relações
tudo e tratamento de uma série de incapacitações com um vividas na gênese de cada característica humana acabam
fato decorrente meramente do aspecto orgânico, pouco ou por marcar a vida do aluno especial de forma singular o que
nada visto numa perspectiva social. Os educadores parecem leva à particularidade de seu processo de inclusão escolar
alienados quanto ao que temos desenvolvido como nossos e social.

148 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 149


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

A possibilidade de desenvolver um processo de inclu- a concepção da aprendizagem escolar como tendo um fim
são, neste momento histórico, está fortemente assentada na em si mesma, condição de humanização.
compreensão de que não é só a deficiência da criança que Como necessário para alavancar os processos de inclu-
traça seu destino, mas o modo como esta é significada, e são, na linha do desenvolvimento escolar real para os alu-
como em decorrência se dão sua educação e nos cuidados nos que não estão se apropriando do conhecimento que é
que recebe. próprio da escola, sugiro que devemos voltar os olhos de
pesquisadores para processos particulares de inclusão, para
Uma baixa expectativa frente às possibilidades que eles nos permitam estabelecer as relações que parecem
do aluno: ser fundamentais para que os alunos sejam bem-sucedidos,
Não dá para brincar com ele; Ele vai atrapalhar o anda- mesmo no meio de inúmeras contradições.
mento da classe; Ele nunca vai conseguir!A escola se ca- Neste tema de que estamos tratando, a difícil superação
racteriza como uma instituição organizada para alunos que das baixas expectativas no interior da escola, não podería-
correspondam a um ideal padrão, não para o sujeito singu- mos deixar de destacar que na realidade escolar prevalece
lar que é seu aluno; implementa sua atividade pedagógica a junto ao aluno com necessidades especiais uma identidade
partir de um sistema de ensino organizado por um currículo marcada pela diferença negativamente representada: Esta-
não flexível; e seleciona os conteúdos segundo uma seqü- mos falando do loirinho surdo (referências à deficiência são
ência rígida, com complexidade crescente a partir de crité- usadas no lugar do nome); É aquele doente (referindo-se a
rios padronizados de desenvolvimento psicológico baseado uma saudável criança com Síndrome de Down); É aquele
em etapas. Esta escola é significada como lugar de apren- da inclusão, o que não faz nada.
der que se expressa pelo desenvolvimento de habilidades e Desta forma, o aluno acaba, mais uma vez, ocupando
aquisição de conhecimento, onde a socialização, reduzida o lugar de falência do ideal, dento de um saber instituído
a atitudes de civilidade, apresenta-se como um objetivo dis- que não lhe confere o estatuto de sujeito, e que leva a uma
tinto e de segunda ordem. total distorção no processo educacional. Sendo assim, quais
É uma escola na qual o diagnóstico de um aluno com são, então, as verdadeiras possibilidades da escolarização
acentuadas dificuldades para aprender ou com uma outra dessas crianças especiais? Fazemos esta indagação porque
deficiência se funda no desempenho da criança nas ativi- no estado da arte de nosso conhecimento temos problema-
dades escolares, no uso instrumental de artefatos e técnicas, tizado que a prática pedagógica do professor se orienta pela
e na aquisição de conhecimentos escolares que se situam concepção de que existem duas categorias qualitativamente
aquém do esperado pelo professor. Todas as demais pos- distintas de alunos: os “normais”, que freqüentam a escola
sibilidades deste aluno ficam apagadas. Este diagnóstico, comum, e os deficientes, que são da alçada educativa da
além de parcial e enviesado, também tem função preditiva educação especial. Aos primeiros está reservado um per-
de negação de capacidade para estas áreas, restando à es- curso escolar orientado por um currículo escolar. Aos se-
cola, segundo a representação que fazem deste aluno, in- gundos está reservado um espaço educacional não neces-
vestir no objetivo da socialização. Fica, assim, enfraquecida sariamente escolar em função do seu “estado orgânico de

150 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 151


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

deficiência”. ná-los. Por outro lado, nossa produção também avalia que
Portanto, a identidade que emerge nas relações da co- a maioria dos professores da educação especial tem pouca
munidade escolar com o aluno com necessidades especiais formação que os habilite a contribuir com o trabalho peda-
ainda é uma forte barreira à operacionalização de uma gógico desenvolvido no ensino comum, uma vez que têm
escola inclusiva. Há necessidade de buscarmos uma com- se especializado de forma apartada da educação comum
preensão mais ampla sobre a linguagem, enquanto consti- e centrada nas intervenções que minimizam os impactos
tutiva do sujeito, compreendendo os diferentes modos de gerados no desenvolvimento pelas especificidades da ce-
subjetivação e as possibilidades de restituição desta, pois gueira, da surdez, da deficiência física ou mental.
é na palavra e por ela que nos constituímos fundamental- Além de um não ter o que fazer, originado na representa-
mente enquanto humanos; é a linguagem que nos coloca ção que os educadores em geral fazem desses alunos como
na ordem simbólica. Os educadores precisam se apropriar vimos no tema anterior, professores se imobilizam frente a
dessas concepções como possibilidade de construção da um não saber fazer real.
escola inclusiva. Mas por nossa história de educadores es- Não sabem gerar dados que sejam pedagogicamente rele-
peciais, tendemos a fortalecer a posição que criticamos, ao vantes; não conseguem transformar dados relevantes em estratégias
assumirmos que a especificidade da educação deste aluno que atendam às necessidades dos alunos. Não sabem como tornar
é do apoio especializado. A primeira ruptura tem que se significativo um ensino; não conseguem decidir sobre quais conhe-
dar na própria educação especial, já que nos parece que cimentos devem privilegiar. Não se apropriam de bases teóricas
ela tem que estar presente neste momento do processo da para desenvolver uma prática fundamentada e nem dela geram co-
inclusão. nhecimento para se desenvolver profissionalmente.
Portanto, hoje a questão da inclusão educacional se mostra uma
Uma forte consciência da própria incapacidade questão de formação docente do professor tanto do ensino comum
docente. como do especializado no que diz respeito ao saber escolar e ao
Graças a Deus “ o ....(fulano)..... não veio hoje!; Tenho saber fazer para todos os alunos. Mais complexa fica a situação do-
dor de barriga e outros problemas de saúde só de pensar cente quando se depara com a necessidade mais acentuada, que
neste aluno. Nós não estamos sendo realistas, nós não va- lhe exige significar o insignificável, ou seja, dar sentido ao que se
mos conseguir educá-lo. mostra sem sentido consciente. Afinal, como compreender o fato
Nossa produção científica evidencia e busca explicar de a criança passar horas olhando para um ralo, ou ficar fascina-
a não-preparação dos professores do ensino comum para da com a água da descarga do vaso sanitário e sequer estabelecer
trabalharem com crianças que apresentam deficiências evi- contato visual com a professora que conta uma bela história infantil
dentes ou mesmo para aquelas que não trazem em sua his- toda ilustrada?
tória uma apropriação adequada, segundo padrões presen- Nesta circunstância vale lembrar um “esboço” feito por Góes
tes na cultura escolar, de uma linguagem falada ou escrita (2002), da imagem do educador que gostaríamos de ter, um edu-
em nível que é tido como condicionante da efetividade das cador que fosse:
relações pedagógicas. A esses alunos os professores não sa-
bem como ensinar e, de fato, não foram formados para ensi- [...] orientado prospectivamente, atento à criança, às suas dificul-

152 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 153


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

dades e, sobretudo, às suas potencialidades, que se configuram na mínios técnicos distintos, temos motivos que não se conca-
relação entre a plasticidade humana e as ações do grupo social.
tenam, temos necessidades próprias e outras coletivamente
É aquele que é capaz de analisar e explorar recursos especiais e
de promover caminhos alternativos, que considera o educando instituídas mas não necessariamente partilhadas. Desenvol-
como participante de outros espaços do cotidiano, além do esco- ver uma ação pedagógica onde todas estas dimensões estão
lar, que lhe apresenta desafios na direção de novos objetivos, que entrelaçadas requer uma formação que permita ao professor
o considera integralmente, sem se centrar no não, na deficiência
(p.107).
dispor de diferentes possibilidades de operações para atender
à diversidade da sala de aula.
As perspectivas teóricas na área da formação docente ou Na formação deste docente vemos a necessidade de re-
caminham numa linha de semi-formação ou deformação, ou pensarmos os referenciais a que aludimos acima. Tomando
caminham numa perspectiva idealista de professor a quem as palavras de Moura (2004)
individualmente se responsabiliza pelo aprimoramento a [...] indicamos a necessidade e nosso esforço em construir um
partir da reflexão e da articulação teoria-prática. método dialético de estudo do fenômeno da “aprendizagem do-
Não que estes aspectos não devam ser considerados, mas, cente”, buscando a compreensão deste objeto no seu desenvolvi-
mento. Nessa perspectiva, a aprendizagem do docente se dá por
para as necessidades da educação inclusiva, temos que de- meio e em função de sua atividade principal, na compreensão de
senvolver esforços para entender a atividade docente como LEONTIEV (1983), seu trabalho de organizar o ensino, seu objeto.
atividade humana, portanto um fazer que se articule dialeti- Esta atividade precisa ser compreendida no complexo de relações
do qual faz parte e no qual ganha significado. ... Com isso, con-
camente com a história social humana e a história dos pró-
sideramos que o desenvolvimento profissional do professor se dá
prios indivíduos envolvidos nesta prática social, pois, como pelo movimento de participação na atividade humana que se cria
atividade humana, é uma construção social historicamente na negociação e desenvolvimento de um projeto coletivo (de for-
desenvolvida por um coletivo, portanto ela está no grupo, na mação do outro e autoformação). A organização compartilhada
do ensino, seu registro, sua comunicação e a reflexão sobre este
sua cultura antes de ser pessoal; e é nessa esfera que nossas processo, ao objetivar a intencionalidade de cada um e possibili-
pesquisas devem contribuir. tar a construção de instrumentos de trabalho, favorecendo a me-
Apoiados por esta concepção, na atividade de ensino es- diação na Zona de Desenvolvimento Proximal do adulto profes-
tão envolvidos três elementos: a atividade pessoal (material sor e permitindo a tomada de consciência sobre os pressupostos
de suas ações, fazendo com que ele construa e reorganize seus
ou mental), o objeto sobre o qual atua (dimensão sobre a esquemas estratégicos de ação como defendido por SACRISTÁN.
qual intervém) e os instrumentos que usa (técnicos e/ou sim-
bólicos). Como se pressupõe um segundo sujeito que apren- A partir deste referencial teórico, podemos pensar que há
de, estes três elementos se articulam com os outros três do inúmeras possibilidades na/da história e cultura que estão im-
aprendiz, gerando uma situação bastante complexa que su- bricadas num dado momento pedagógico de tal forma que,
gere uma formação que seja multirreferenciada. para entender aquele fenômeno, precisamos entender seu
Destacamos, também, que na interrelação professor-alu- processo constituinte assim como o do professor e do aluno.
no temos uma interação entre sujeitos que ocupam lugares Entendermos a formação do professor e a prática docente
sociais diferenciados e hierarquicamente organizados; temos é uma necessidade que, se satisfeita, pode ampliar as pos-
conhecimentos apropriados em níveis díspares; temos do- sibilidades educacionais de todos os alunos que hoje pare-

154 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 155


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

cem não ter lugar na escola ou dela não tiram proveito para
seu desenvolvimento. Nossas pesquisas, segundo Moura,
já citado, a partir de uma metodologia colaborativa, devem A PESQUISA SOBRE INCLUSÃO ESCOLAR No BRASIL:
considerar a atividade docente como uma unidade de análise SERÁ QUE ESTAMOS CAMINHANDO DE FATO NA
e criar condições para que, com a participação dos professo- BUSCA DE SOLUÇÕES PARA OS PROBLEMAS?
res, sejam evidenciados seus modos de organização e desen- Enicéia Gonçalves Mendes
volvimento da atividade pedagógica, assim como os modos
da escola funcionar enquanto instituição aprendente de tal A experiência que serve de pano de fundo para contex-
forma que os significcados das atividades sejam negociados tualizar o presente relato é de docência em uma universida-
e a profissionalização docente ressignificada como processo de pública, e especificamente voltada para a formação de
de humanização. futuros profissionais, tanto em nível de graduação quanto
Esta pode ser uma possibilidade de que os docentes ve- de pós-graduação (mestrado e doutorado em Educação Es-
nham a se tornar os sujeitos que construirão os processos pecial). Além das atividades de ensino, eu lidero um grupo
inclusivos nas escolas, para superar nossas práticas de sub- de pesquisa, o “GP - Formação de Recursos Humanos em
misssão dos professores ao ancorarmos as mudanças na edu- Educação Especial – FOREESP”, e coordeno um programa
cação apenas em mudanças de legislação ou nos códigos de extensão sobre “Formação Continuada em Educação Es-
pedagógicos, como as políticas públicas têm feito. pecial”.
A missão do grupo de pesquisa tem sido a de tentar pro-
duzir conhecimento científico que contribua para a univer-
Referências salização do acesso e melhoria da qualidade do ensino ofe-
1 GOES, M. C. R. de. Relações entre desenvolvimento recida a crianças e jovens com necessidades educacionais
humano, deficiência e educação: Contribuições da aborda- especiais na realidade brasileira. No presente, a temática da
gem histórico-cultural. In OLIVEIRA, M. K. ; REGO, T. C. e inclusão escolar tem sido priorizada pelos participantes do
SOUZA, D. T. R. (Orgs.) Psicologia, Educação eas Temáti- grupo, entre outros motivos porque partimos do pressuposto
cas da Vida Contemporânea. São Paulo:Moderna, 2002 de que a construção de sistemas educacionais inclusivos é
2 KLOSKOWSKA, A. O conceito de cultura em Karl hoje a única alternativa para melhorar o equacionamento
Marx. In KLOSKOWSKA, A.; GULIAN, C. I.; REDEKER, H do problema da falta de acesso e da baixa qualidade da
(orgs.) Marxismo e Cultura. Lisboa: Iniciativas Editoriais, educação especial16 no país.
1975 16
. O termo “Educação Especial” vem sendo erroneamente compreendido
como o antônimo do termo “Educação Inclusiva”, e cumpre ressaltar que
3 MOURA, M.O. Apresentação feita em reunião do no presente trabalho adotamos o termo Educação Especial como uma
Fórum Estadual Paulista sobre Formação de Professores das área de conhecimento, que busca desenvolver teorias, práticas e políticas
Séries Iniciais do Ensino Fundamental, tomando como refe- com vistas a atender às necessidades educacionais especiais diferenciadas
de uma parcela da população que não aprende se for sujeita apenas às
rência “O educador matemático na coletividade de forma- oportunidades regulares oferecidas pela cultura. Assim, o conceito não se
ção”. Tese de Livre-docência. FEUSP, 2003 confunde com uma proposta de escolarização separada do ensino regu-
lar, ou com determinados tipos de organização de serviços.

156 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 157


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

A idéia de que seria melhor incorporar crianças com ne- ciais, físicas, religiosas, raciais e às necessidades especiais
cessidades educacionais na escola comum não é nova, pois de aprendizagem de todos os alunos. Sendo uma questão
estava presente desde o movimento pela integração escolar de valor, e um imperativo tanto moral quanto legal, consi-
do final da década de 60. Na atualidade, o pesquisador da deramos que o momento agora para a pesquisa é de pes-
área pode verificar que o termo “inclusão” passou a assumir quisar como implementar e aperfeiçoar e não de questionar
vários significados (FUCHS; FUCHS, 1994). Num dos extre- sua validade.
mos, encontram-se aqueles que defendem a colocação de 2) A ciência será essencial para que a sociedade brasi-
todos os estudantes, independente do grau e tipo de incapa- leira contribua de maneira intencional e planejada para a
cidade, “apenas e só” na classe comum, da escola próxima superação de uma Educação Especial que atua contra os
à sua residência, e a eliminação total do atual modelo de ideais de inclusão social e plena cidadania. Traduzir a edu-
prestação baseado num continuum de serviços de apoio de cação inclusiva das leis, dos planos e intenções para a nos-
ensino especial. Por outro lado, o termo é também utilizado sa realidade requer produção de conhecimento e prática, e
apenas para nomear a proposta de colocação em ambientes essa é uma tarefa para a pesquisa científica e, mais especifi-
com o mínimo possível de restrição, o que mantém como camente, para as universidades brasileiras.
melhor opção a classe comum, embora se admita a possibi- 3) O futuro da Educação Inclusiva em nosso país depen-
lidade de serviços de apoio (como professores especializa- derá de um esforço coletivo, que obrigará a uma revisão na
dos e serviços centrados na classe comum), ou a escolariza- postura de pesquisadores, políticos, prestadores de serviços,
ção combinando classes comuns com classes de recursos, familiares e indivíduos com necessidades educacionais es-
ou ainda em classes especiais parciais ou autocontidas, em peciais, para trabalhar numa meta comum que seria a de
escolas especiais ou residenciais. garantir uma educação de melhor qualidade para todos.
Na perspectiva da ciência, a questão sobre qual é afinal 4) A implantação de uma política de inclusão escolar
a melhor forma de educar crianças e jovens com necessi- (seja ela federal, estadual ou municipal) é processual, de-
dades educacionais especiais permanece sem resposta. Nas vendo, portanto ser construída de forma sistemática, plane-
tentativas de respondê-la, surgiram diferentes posições e di- jada e avaliada, através de ações no âmbito do sistema, da
vergências, que têm se repetido ao longo da história. Diante escola e da sala de aula. Embora não se discuta a perspecti-
de tal espectro de diferentes concepções, julgamos impor- va filosófica da inclusão, na prática, as propostas de educa-
tante definir alguns princípios que têm embasado os estudos ção inclusiva devem ser continuamente escrutinadas.
empíricos do grupo, que em síntese seriam: 5) Adotar diretrizes políticas com vistas à inclusão es-
colar não implica propor a destruição do que existe. Deve-
1) Uma política de inclusão escolar é um imperativo mo- se respeitar e manter o princípio de colocação no tipo de
ral para o sistema brasileiro, pois principalmente numa so- serviço educacional minimamente restritivo, o que implica
ciedade tão desigual quanto a nossa, ela é o caminho para em manter o continuum de serviços que permita a coloca-
transformar a escola pública brasileira numa escola mais ção nos vários tipos de provisões, conforme os dispositivos
justa e de qualidade; que atenda às diferenças culturais, so- legais em vigor.

158 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 159


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

6) Educar crianças com necessidades educacionais es- subtemas como política educacional estadual, tecnologia
peciais juntamente com seus pares em escolas comuns é assistiva e ensino colaborativo.
importante, não apenas para prover oportunidades de so-
cialização e de mudar o pensamento estereotipado das pes- A inclusão e a política educacional dos estados
soas sobre as limitações, mas também para ensinar o aluno O estudo de Mattos (2004) teve como objetivo empre-
a dominar habilidades e conhecimentos necessários para a ender uma avaliação da política educacional do Estado de
vida futura (dentro e fora da escola). Sergipe destinada às pessoas com deficiências, tendo sido
7) A inclusão bem-sucedida, que vai garantir não apenas definido o período entre 1979 até 2001 que abrange dois
o acesso, mas também a permanência e o sucesso escolar, importantes acontecimentos políticos sociais, em nosso
envolverá necessariamente a provisão de apoios. país: a aprovação da constituição Federal de 1988 e da Lei
8) Uma política de formação de professores é um dos pi- de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, em 1996.
lares para a construção da inclusão escolar, pois a mudan- Foram utilizadas como fonte de informação a estrutura
ça requer um potencial instalado, em termos de recursos administrativa de Governo, a Secretaria de Estado da Edu-
humanos, em condições de trabalho para que ela possa ser cação, e outras instituições cujo acervo documental tives-
posta em prática. se relação com os seis indicadores sociais definidos para
9) A defesa de uma escola inclusiva ou de uma política o estudo, que foram: 1) Planos, programas e projetos; 2)
de educação inclusiva não elimina a existência de alunos Expansão da rede física; 3) Evolução do número de matrí-
com necessidades educativas especiais, nem a necessidade culas; 4) Estrutura organizacional; 5) Recursos humanos e 6)
de produzir conhecimento sobre a realidade destes alunos, Legislação. A busca resultou na identificação de 136 dife-
nem sequer a necessidade de formar profissionais que atu- rentes documentos distribuídos pelas fontes de informação
arão nesta área. Portanto, a Educação Especial, enquanto selecionadas. O estudo fundamentou-se teoricamente na
área de produção de conhecimento científico, permanece análise do Estado enquanto instituição responsável pela for-
tendo sua identidade e relevância reconhecida. mulação e implementação das políticas sociais, onde estão
Na tentativa de produzir conhecimento sobre a temática inseridas as políticas educacionais.
da inclusão escolar, estamos há tempos conduzindo uma Os resultados indicaram que houve implementação pro-
agenda de pesquisas sobre esse tema. Análises parciais gressivamente mais intensa de diversos programas e pro-
dessa agenda de pesquisas do grupo já foram publicadas jetos educacionais atrelados à intervenção de organismos
anteriormente (MENDES, 2004; MENDES, ZAMBON, SIL- internacionais; intensiva produção de normas e leis, de
VEIRA, 2004), de modo que, no presente relato, estaremos conseqüências práticas restritas; alterações na estrutura or-
analisando especificamente quatro teses de doutorado do ganizacional do Estado, envolvendo a Secretaria de Educa-
curso de pós-graduação em Educação Especial, que são os ção e criação de órgãos voltados para o campo das pessoas
trabalhos mais recentes desenvolvidos no âmbito do gru- portadoras de deficiência; evolução contínua da rede física;
po, que são os trabalhos de Mattos (2004), Zanata (2004), expansão do índice de matrícula, acentuando-se no nível
Capellini (2004) e Lauand (2005). Os trabalhos abordam ensino pré-escolar e pouco significativo no ensino médio e

160 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 161


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

na educação especial. Há atualmente na literatura da educação especial o re-


Particularmente em relação à política de educação es- conhecimento da enorme importância que tem o uso de
pecial, percebe-se que, em todas as gestões de Sergipe ana- recursos tecnológicos para favorecer a inclusão de pessoas
lisadas nos últimos 22 anos, houve repasses regulares de com necessidades educacionais especiais na escola, no tra-
recursos do governo federal, que foram decisivos para a balho, no lazer e na comunidade. Entretanto, especialmente
política de educação especial no âmbito do estado, pois os nas escolas brasileiras tem sido freqüente encontrar crian-
investimentos do governo do estado, e principalmente dos ças com paralisia cerebral ou com deficiências múltiplas
municípios na educação de crianças e jovens com necessi- em classes comuns, que não estão se beneficiando deste
dades educacionais especiais parecem ter sido mínimos ao tipo de escolarização porque para eles o acesso ao currícu-
longo do período. Os repasses regulares de recursos ocor- lo está dificultado, senão impossibilitado.
reram sistematicamente em todas as gestões, a despeito: da Assim, considerando que a utilização de novas tecno-
falta de alinhamento do governo do estado com as diretrizes logias, principalmente das tecnologias de informação, co-
preconizadas pelo ministério da educação, da adoção de municação e assistiva, pode ser um dos meios promisso-
diretrizes idiossincráticas ou mesmo da falta de efetivida- res para se viabilizar a inclusão escolar e social de pessoas
de na política estadual cujas metas prometidas nos planos com deficiências, Lauand (2005) buscou investigar formas
e projetos aprovados, e que viabilizaram o recurso, nunca de ampliar o acesso a recursos de tecnologia assistiva na
eram atendidas. realidade brasileira.
A principal conclusão do estudo é que a falta de uma sis- O termo tecnologia assistiva se refere a uma ampla va-
temática de prestação de contas parece ter dado liberdade riedade de instrumentos, serviços, estratégias e práticas que
ao estado para incentivar a privatização, implantar classes são concebidas e aplicadas para melhorar os problemas
especiais em suas escolas e desperdiçar recursos financeiros apresentados por indivíduos com necessidades especiais,
com programas pouco efetivos de capacitação de profes- sendo que a definição desse conceito não diz respeito ape-
sores, o que em parte explica a falta de expressividade da nas aos recursos, mas envolve também a produção de co-
política de educação especial no Estado de Sergipe. Como nhecimento para desenvolvimento e aplicação dos recur-
implicação prática do estudo deduz-se que, ou a Secretaria sos. Particularmente no caso da área de tecnologia assistiva
de Educação Especial do MEC muda sua política de incen- encontram-se disponíveis na atualidade muitos recursos
tivos para os estados, exigindo prestação de contas e ali- que poderiam ser prontamente utilizados, mas se no Brasil
nhamento da política estadual com as diretrizes da política o uso ainda é limitado, isso possivelmente ocorre porque as
federal; ou muda o foco de ação direcionado os incentivos informações sobre esses recursos não estão sistematizadas,
diretamente para os sistemas municipais, ou é pouco pro- o que dificulta o acesso por parte dos educadores, dos pro-
vável que as redes estaduais se tornem sistemas inclusivos, fissionais e dos familiares.
o que pode comprometer o futuro da política de educação Assim, considerando-se a dificuldade na busca de infor-
inclusiva no país. mações sobre esses recursos, produtos e equipamentos de
Tecnologia Assistiva e Inclusão tecnologia assistiva, o estudo de Lauand (2005) teve como

162 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 163


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

objetivos: identificar e caracterizar os recursos nacionais O estudo possibilitou organizar e sistematizar essas in-
de tecnologia assistiva atualmente disponíveis para uso em formações, tendo como produto final um banco de dados
sala de aula, e construir um banco de dados com o maior que permitirá a recuperação das informações sobre os re-
número de informações possível sobre tecnologia assistiva cursos tecnológicos existentes, facilitando o acesso a por-
com vistas a favorecer a educação de alunos com necessi- tadores de necessidades educacionais especiais, familiares
dades educacionais especiais. e profissionais a essas informações por oferecerem suporte
O delineamento do estudo envolveu quatro etapas. A (mecânico, elétrico, eletrônico, computadorizado etc.) para
primeira etapa resultou no estudo e desenvolvimento de pessoas com deficiência física, visual, auditiva, mental ou
um sistema de classificação de recursos de tecnologia as- múltipla. O estudo oferece ainda uma revisão teórica abran-
sistiva, tomando como base a literatura científica da área, e gente sobre o conceito de tecnologia assistiva.
esse sistema serviu de quadro referencial para a elaboração O ensino colaborativo e a inclusão escolar
do banco de dados. Na segunda etapa, realizou-se a busca Cada dia mais a escola enfrenta o desafio de ensinar
e classificação de informações sobre recursos que se en- com qualidade todos os alunos, mas sem ter muito sucesso
contram disponíveis para aquisição no mercado brasileiro. em lidar com a diversidade porque se constata a ausência
Numa terceira etapa, foi desenvolvido um banco de dados, de uma política séria e efetiva de educação inclusiva na
e na última etapa foi feito o cadastramento dos recursos en- maioria dos sistemas escolares. No caso dos alunos com
contrados. necessidades educacionais especiais, o acesso a uma classe
O produto do estudo foi um banco de dados com 485 comum nas escolas regulares ainda continua sendo míni-
diferentes tipos de recursos de tecnologia assistiva, encon- mo e persistem várias questões não resolvidas sobre como
trados no mercado brasileiro e cadastrados nas seguintes operacionalizar na prática o princípio filosófico da inclusão
categorias: Dispositivos e Acessórios Computacionais Es- escolar, de modo a promover não apenas a socialização
peciais, Mobilidade, Elementos Sensoriais, Adaptações mas também o rendimento escolar desses alunos.
para Atividades de Vida Diária, Adaptações Pedagógicas, Uma alternativa amplamente enfatizada tem sido a ne-
Elementos Arquitetônicos, Mobiliário e Equipamentos Mo- cessidade de melhorar a qualificação dos professores que já
dificados, Sistemas de Modificações de Ambiente e Lazer/ se defrontam com esses alunos em suas turmas, e a literatura
Recreação/ Esportes. Adicionalmente, o estudo permitiu científica de países mais experientes em práticas de inclusão
empreender uma análise comparativa entre a variedade e escolar aponta o trabalho colaborativo no contexto escolar
quantidade dos recursos do sistema de classificação adota- como uma estratégia em ascensão, que tem se mostrado
do com aqueles cadastrados no banco de dados e que exis- efetiva, tanto para solucionar problemas diversos relacio-
tem no mercado nacional, a fim de avaliar a disponibilida- nados ao processo de ensino-aprendizagem de alunos com
de dos recursos na realidade brasileira. As evidências dessa necessidades educacionais especiais quanto para promover
comparação apontam que falta uma grande variedade de o desenvolvimento pessoal e profissional dos educadores.
recursos em várias categorias, mas principalmente na área A prática de inclusão no âmbito da escola implica pro-
de lazer, recreação e esportes. mover a escolarização de crianças com necessidades edu-

164 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 165


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

cacionais especiais em classes comuns, juntamente com professor. Essa aula era editada e exibida em reunião com
seus colegas sem necessidades educacionais especiais. os três professores, onde os componentes eram analisados
Entretanto, o professor de classe comum tende a modificar e, se necessário, a aula era replanejada e implementada.
pouco sua prática, em termo de arranjos, de procedimentos Esse movimento aconteceu até se atingir um consenso entre
instrucionais, atividades, formas de avaliação e adequação os professores, de que havia sido atingido o objetivo pre-
do conteúdo de modo que a participação e a aprendiza- tendido.
gem desses alunos ficam comprometidas. Embora a litera- Os dados coletados envolveram o protocolo de planeja-
tura sobre inclusão mostre uma considerável quantidade de mento educacional inicial, o protocolo de cada aula, com
estratégias pedagógicas efetivas, elas parecem não chegar registro do processo completo, desde o planejamento ini-
às classes das escolas brasileiras onde nossos alunos com cial até a avaliação da última implementação bem-sucedi-
necessidades educacionais especiais se encontram inseri- da. Foram filmados o processo de ensino e analisadas 64
dos. Os estudos de Zanata (2004) e Capellini (2004) explo- aulas, com uma média de 16 a 26 aulas por professor. Nas
ram as possibilidades do ensino colaborativo em contextos reuniões foram, também, discutidos textos sobre práticas
inclusivos. pedagógicas inclusivas.
O estudo de Zanata (2004) partiu do problema de se Após a intervenção, foram coletadas as opiniões dos pro-
tentar buscar uma melhoria na qualificação docente e mais fessores sobre as atividades de planejamento colaborativo.
especificamente, visando tornar as práticas pedagógicas do Os resultados apontaram que muitas são as possibilidades
professor do ensino comum mais efetivas, no tocante às ne- quando se estabelece um ambiente colaborativo entre o
cessidades de alunos surdos. O objetivo do trabalho con- professor do ensino comum e o professor de educação espe-
sistiu em implementar e avaliar um programa de formação cial. As estratégias planejadas foram implementadas na sala
continuada, baseado no ensino colaborativo, para o profes- de aula e a intervenção proporcionou uma oportunidade de
sor do ensino comum, de forma a torná-lo mais autônomo formação para os professores. Os professores avaliaram que
e com práticas pedagógicas mais efetivas e adequadas às as estratégias implementadas beneficiaram não apenas seus
necessidades de seus alunos. alunos surdos, mas todos os demais.
O estudo foi realizado durante um período de vinte se- O estudo oferece uma análise abrangente do conceito
manas e envolveu o pesquisador atuando como colaborador de “adaptações curriculares”, propondo que este termo seja
de três diferentes professores (de 2ª, 3ª e 4ª séries do Ensino alterado para “adequações de acesso ao currículo”, e discu-
Fundamental) que tinham alunos surdos inseridos em suas tiu o potencial da colaboração entre professores do ensino
turmas. A primeira etapa envolveu um planejamento preli- comum e especial, enquanto estratégia de formação e de
minar onde se analisou o estilo de aprendizagem dos alunos facilitação da inclusão escolar de alunos com necessida-
surdos, os objetivos e as estratégias que seriam utilizadas des educacionais especiais. Os resultados também apontam
com esses alunos ao longo do ano. Em seguida, foi inicia- que a intervenção colaborativa, embora tenha melhorado a
da a intervenção colaborativa, onde o pesquisador filmava qualidade do ensino, não parece ser suficiente para solu-
uma determinada aula, aleatoriamente amostrada, de cada cionar as dificuldades de comunicação da professora com o

166 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 167


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

aluno surdo na classe comum. professoras na sala. O estudo indicou ainda que o ensino
O objetivo do estudo de Capellini (2004) consistiu em colaborativo foi avaliado como efetivo enquanto estratégia
verificar as implicações dessa mesma forma de trabalho co- de desenvolvimento pessoal e profissional dos professores
laborativo na escola, que seria o denominado “ensino co- envolvidos em práticas que visam à inclusão escolar. Como
laborativo” que envolve basicamente o estabelecimento da implicações do estudo discute-se a necessidade de mudan-
parceria entre professores de ensino regular e especial. O ças na cultura da formação inicial e continuada de professo-
estudo foi conduzido em duas escolas comuns de ensino res do ensino regular e especial, de modo a prepará-los para
fundamental, e mais diretamente em quatro turmas de 1ª a atuar efetivamente em colaboração.
4ª série onde estavam inseridos seis alunos com deficiência O estudo oferece uma revisão abrangente sobre o con-
mental. ceito de ensino colaborativo e discute ainda a necessidade
Antes e depois da intervenção foram coletadas medidas de redefinir o papel do professor de ensino especial para
de desempenho acadêmico e social de todos os alunos das atuar prioritariamente como apoio centrado na classe co-
quatro turmas. A intervenção, baseada no ensino colabora- mum e não em apenas em serviços que envolvam a retirada
tivo, envolveu atividades extraclasse (reuniões de planeja- dos alunos com necessidades educacionais especiais da tur-
mento e com familiares, reuniões com o coletivo da escola ma ou exclusivamente em serviços segregados.
e estudos dirigidos) e compreendeu também apoios siste-
máticos do professor do ensino especial dentro da classe Conclusão
comum, juntamente com o professor do ensino regular, em Nossos estudos mais recentes têm evidenciado como
alguns dias da semana. A intervenção em cada turma durou é complexo e difícil o processo de construção de salas de
de um semestre a um ano, e o estudo teve duração total de aula inclusivas no contexto brasileiro. O processo é lento e
dois anos, compreendendo o acompanhamento nas quatro complexo e ainda temos muitas dúvidas e poucas respostas
turmas. Após a etapa de intervenção foram coletadas medi- sobre como encaminhar esse processo, tendo como base as
das de validade social baseada nas opiniões das professoras evidências empíricas.
e das famílias sobre o ensino colaborativo. Em outro estudo no qual realizamos uma revisão de dis-
Os resultados indicam que todos os seis alunos tiveram sertações e teses nacionais sobre inclusão escolar de estu-
evolução no desempenho tanto acadêmico como de socia- dantes com necessidades educacionais especiais, identifi-
lização, ainda que se observe discrepância considerável em camos que houve um crescimento bastante acelerado de
comparação ao rendimento médio da turma. Para todas as estudos sobre essa temática, particularmente no final da
professoras o ensino colaborativo possibilitou desenvolvi- última década (MENDES; FERREIRA; NUNES, 2003). Entre-
mento pessoal e profissional, mas algumas dificuldades sur- tanto, ainda predominam muitos estudos descritivos, par-
giram no tocante principalmente às atividades conjuntas no ticularmente dirigidos para conhecer as percepções e ati-
ambiente de sala de aula. tudes dos educadores frente a essa questão, ou descrever
Os familiares consideraram que seus filhos tiveram me- estudos de caso.
lhoras e eles se sentiram mais seguros pelo fato de ter duas Na nossa perspectiva, esse tipo de tradição metodoló-

168 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 169


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

gica se mostra um tanto quanto limitado, porque mais do ladamente, ao mesmo tempo que muitos professores do
que provar que se trata de um princípio viável para educar ensino especial continuam a atender individualmente alu-
um número restrito de indivíduos, nos parece importante nos com necessidades educacionais especiais num modelo
avaliar suas perspectivas em larga escala, ou seja, dentro de clínico, e a se sentirem “experts”, o que é essencialmente
um contexto mais amplo dos sistemas educacionais públi- contrário à proposta da colaboração. Planejar colaboração
cos, que adotem uma diretriz política declarada de inclusão efetiva envolve compromisso dos professores que estarão
escolar. trabalhando junto dos gestores e da comunidade, além de
Entretanto, apenas recentemente foram-se ampliando as envolver tempo, apoio, recursos, acompanhamento e, aci-
bases empíricas nessa direção e os pesquisadores nacionais ma de tudo, persistência. Porém, o assunto-chave é tempo
puderam então aprofundar o estudo sobre as perspectivas da para planejar, desenvolver, avaliar, e isto implica que os
política de inclusão escolar no sistema educacional brasilei- sistemas educacionais devem planejar um processo de ensi-
ro. Acompanhando tal tendência, nosso grupo hoje pensa no colaborativo assegurando que todos os recursos estejam
que não basta pesquisar muito, mas que é preciso inovar se disponíveis, inclusive tempo, dinheiro e apoio profissional.
queremos avançar o conhecimento e que nossas pesquisas Colaboração é definida por Friend e Cook (1990) como
tenham implicações práticas mais efetivas. um estilo de interação entre, no mínimo, dois parceiros
Há alguns anos definimos que nosso lócus de pesquisa equivalentes, engajados num processo conjunto de tomada
preferencial seria a escola e por conta disso, nossos projetos de decisão, trabalhando em direção a um objetivo comum.
mais atuais têm envolvido procedimentos de intervenção De acordo com esses autores, as condições necessárias para
embasada nesse modelo que a literatura sobre inclusão vem que ocorra colaboração são: a) existência de um objetivo
denominando como “trabalho colaborativo” entre educa- comum; b) equivalência entre participantes; c) participa-
dores do ensino regular e especial que tenham alunos com ção de todos; d) compartilhamento de responsabilidades; e)
necessidades educacionais especiais. compartilhamento de recursos e f) voluntarismo.
Os estudos sobre educação inclusiva têm endossado a Há pelo menos três diferentes propostas para o traba-
adesão ao princípio de que os professores não devem traba- lho colaborativo envolvendo os educadores das escolas
lhar sozinhos, mas sim em equipes, compostas por um gru- comuns: serviços de consultoria (com profissionais como
po de indivíduos cujas propostas ou funções são derivadas psicólogos escolares, terapeutas e outros); ensino coopera-
para uma filosofia comum e alcance de objetivos mútuos. tivo (envolvendo professores do ensino comum e especial);
Wood (1998) afirma que os modelos de colaboração entre e equipes de serviços (professores, profissionais e parapro-
professores, pais e outros profissionais da escola, que vêm fissionais).
sendo implementados para atender à diversidade, já estão De modo geral, os estudos sobre o trabalho colaborati-
devidamente reconhecidos como estratégias poderosas e vo nas escolas têm-se multiplicado muito, principalmente
bem-sucedidas. em outros países, a partir da constatação de sua efetividade
Entretanto, muitos professores do ensino comum ainda para o enfrentamento de problemas dos mais diversos (ad-
trabalham com as portas fechadas e tomam decisões iso- ministrativos, pedagógicos e comportamentais), além desse

170 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 171


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

tipo de estratégia ter sido comprovado como muito eficaz produzindo e alimentando o “fantasma” da inclusão, o que
para promover o desenvolvimento profissional e pessoal de paradoxalmente, pode reforçar a sensação de ameaça e a
educadores. A importância do trabalho colaborativo nas es- resistência do sistema às mudanças.
colas pode ser encontrada nos trabalhos de revisão de pes- Nesse sentido é que propomos uma reflexão séria e per-
quisas de Fullan e Hargreaves (2000) e Thurler (2001). manente de modo a questionar o quanto nossa pesquisa
Consideramos que a perspectiva para o grupo será a de não pode estar contribuindo para manter uma ilusão, para
intensificar essa linha de pesquisa sobre a cultura colabora- alimentar o “terrorismo” na educação regular em favor da
tiva na escola enquanto estratégia de formação de pessoal inclusão e, conseqüentemente, provocando efeitos parado-
e de apoio à escolarização de crianças com necessidades xais vacinando o sistema contra mudanças, com nossa ado-
educacionais especiais nas classes comuns do ensino re- ção cega e irrefletida ao modismo da temática em questão.
gular. Uma segunda preocupação diz respeito à questão da
E, para finalizar, gostaríamos de partilhar algumas pre- ética nas pesquisas com seres humanos em educação espe-
ocupações do grupo em relação à pesquisa em Educação cial. No ano de 1996 o Conselho Nacional de Saúde17 apro-
Especial. vou a Resolução 196/96, que trouxe algumas implicações
Temos constatado que muitos sistemas de ensino anun- para o desenvolvimento de pesquisa com seres humanos,
ciam suas políticas de educação inclusiva, ao mesmo tempo principalmente nos casos de envolvimento de participantes
em que a questão da inclusão escolar vêm sendo talvez um em condições de vulnerabilidade, como é caso de crianças
dos assuntos mais investigado pelos pesquisadores nacio- e de alguns portadores de deficiências, e de estudos que
nais. Entretanto, a despeito de todos os nossos esforços, o envolvam experimentações.
número de matrículas de alunos com NEEs nos sistemas de Pesquisas com seres humanos, segundo a resolução são
ensino tem evoluído muito pouco e o acesso à escola para aquelas que, individual ou coletivamente, envolvam o ser
esta população ainda continua sendo mínimo. São apenas humano, de forma direta ou indireta, em sua totalidade ou
cerca de 500 mil matrículas em todo o país, incluindo as partes dele, incluindo o manejo de informações ou mate-
existentes nas escolas especiais, sem contar ainda com o riais. Sujeitos da pesquisa são os participantes, individuais
fato de que muitas dessas matrículas são de adultos que se ou coletivos, com participação de caráter voluntário, sendo
encontram fora da faixa de escolaridade obrigatória. vedada qualquer forma de remuneração.
Assim, a inclusão escolar no Brasil ainda é uma perspec- Segundo a resolução, as pesquisas envolvendo seres hu-
tiva a ser buscada, e nossa preocupação tem sido a de não manos devem atender às exigências éticas e científicas fun-
reforçar um simulacro, pois o debate acirrado, o crescente damentais, o que implica garantir:
volume de pesquisas sobre o tema e as propagandas desen- a) consentimento livre e esclarecido dos indivíduos-alvo
freadas das políticas educacionais podem estar criando a e proteção a grupos vulneráveis e aos legalmente incapazes;
ilusão de que a inclusão de crianças e jovens com neces- b) ponderação entre riscos e benefícios, tanto atuais
sidades educacionais especiais esteja de fato chegando em
nossas escolas. Acreditamos que, na verdade podemos estar .Ver endereço :http://conselho.saude.gov.br/comissao/eticapesq.htm
17

172 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 173


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

como potenciais, individuais ou coletivos, comprometen- Em virtude das mudanças introduzidas, nosso grupo de
do-se com o máximo de benefícios e o mínimo de danos e pesquisa tem tido alguns problemas que têm como resulta-
riscos; do o atraso nos cronogramas, em virtude da demora ou da
c) que danos previsíveis serão evitados; aprovação pelo comitê, ou da obtenção de anuência formal
d) a relevância social da pesquisa com vantagens signifi- da instituição envolvida ou mesmo da assinatura dos termos
cativas para os sujeitos da pesquisa, e minimização do ônus de consentimentos dos participantes. A título de exemplo,
para os sujeitos vulneráveis, o que garante a igual conside- poderíamos citar um estudo que envolvia coleta de dados
ração dos interesses envolvidos, não perdendo o sentido de através de filmagens uma sala de aula de pré-escola, no
sua destinação sócio-humanitária. qual demoramos três meses para obter a assinatura dos ter-
A fim de defender os interesses dos sujeitos da pesquisa mos de consentimento de todos os 17 pais das crianças da
em sua integridade e dignidade e de contribuir para o de- sala onde seria realizado o estudo. Isso, num contexto de
senvolvimento da pesquisa dentro de padrões éticos, a re- escolas e semestres letivos, implica atrasos consideráveis
solução propõe a criação de colegiados interdisciplinares e para quem deve produzir sob a pressão dos tempos pré-es-
independentes de caráter consultivo, deliberativo e educati- tabelecidos de titulação.
vo. Na UFSCar, em decorrência dessa legislação, foi criado Enfim, notamos que essa mudança na cultura é necessá-
o Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos da Uni- ria, mas ainda é muito custosa e demorada, e levará algum
versidade Federal de São Carlos – CEP/UFSCar para analisar tempo para introduzir uma nova cultura na relação entre
projetos envolvendo pesquisas com seres humanos, e todos o pesquisador e seus participantes colaboradores. Por ou-
os nossos projetos envolvendo estudos dessa natureza têm tro lado, quando analisamos a produção científica na área
que obrigatoriamente passar pela análise e aprovação do re- em geral, temos notado que a Resolução 196/96 no geral
ferido comitê. A partir do início do presente ano, este comitê não teve muito impacto na condução de procedimentos
começou utilizar o Sistema Nacional de Informações sobre éticos e muitos projetos têm sido desenvolvidos como 10
Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos – SISNEP18, anos atrás. Então gostaríamos de trazer para esta reunião de
que consiste num sistema de informações, via Internet, so- pesquisadores a reflexão sobre como anda o entendimen-
bre as pesquisas envolvendo seres humanos, que tem como to das questões éticas na pesquisa com seres humanos na
objetivos facilitar o registro das pesquisas envolvendo seres Educação Especial no âmbito das universidades. Será que
humanos; orientar a tramitação de cada projeto para que estamos avançando para atender às normas e legislações vi-
todos sejam submetidos à apreciação ética antes de serem gentes? Nós suspeitamos que não e sugerimos que este seja
iniciados, agilizar a tramitação e facilitar aos pesquisadores um ponto de pauta para nossos debates futuros.
o acompanhamento dos seus projetos. Para finalizar gostaríamos de agradecer a oportunidade
de estar aqui socializando nossos trabalhos, partilhando
18
. Os projetos de pesquisa podem ser registrados pelos pesquisadores nossas preocupações, conhecendo o trabalho de todos e
interessados no SISNEP, no seguinte endereço eletrônico http://dtr2002. podendo compreender a importância de mapear a pesquisa
saude.gov.br/sisnep/pesquisador/sisnepMP.dll. Após o registro os projetos
deverão ser encaminhados para algum comitê de ética.
em Educação Especial na realidade brasileira.

174 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 175


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

Por último gostaríamos de parafrasear Alves (1993), dei- ganização Aprendente: buscando uma educação de quali-
xando uma última reflexão sobre a pesquisa na área de in- dade. (2a ed.). Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.
clusão escolar, que em síntese resume nossas preocupações, 7 LAUAND, G. B. A. Fontes de informação sobre re-
pois parece ter chegado o momento em que precisamos cursos de tecnologia assistiva para a inclusão escolar de
indivíduos com necessidades educacionais especiais. Tese
[...] fazer uma revisão que identifique dados que estão sendo
produzidos, em qual direção eles vão, que idéias norteiam as
de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação
discussões, qual seu aporte com a realidade, quanto se tem en- Especial: UFSCar, São Carlos, 2005.
caminhado, de fato, na procura e implantação de soluções para 8 MATOS, N. D. Deficiência, Cidadania e Política
os problemas... Talvez seja o momento em que se problematiza Educacional no Estado de Sergipe: 1979-2001. Tese de Dou-
muito na direção errada [...] Talvez existam muitos vieses na ma-
neira como as perguntas[...] estão sendo feitas[...] Talvez se este- torado. Programa de Pós-Graduação em Educação Especial.
ja precisando de boas perguntas[...] e de desenvolver estratégias Universidade Federal de são Carlos. São Carlos. 2004.
para encontrar boas respostas (ALVES,1993, p.246). 9 MENDES, E. G. Construindo um lócus de pesqui-
sa sobre inclusão escolar In: Temas em Educação Especial:
Referências avanços recentes.1 ed.São Carlos : EDUFSCar, 2004, v.1, p.
221-230.
1 ALVES, Z.M. M. B. Escolarização de Crianças com 10 MENDES, E. G., ZAMBON, Melissa Picchi, SILVEI-
Atraso no Desenvolvimento. Temas em Educação Especial, RA, Lígia Cardoso. Inclusão escolar marco zero-iniciando
1:235-248. São Carlos,S.P.: Universidade Federal de São pelas creches In: VI Encontro de Pesquisa em Educação da
Carlos. 1993. Região Sudeste, 2004, Rio de Janeiro. Política, Conheci-
2 CAPELLINI, V.L. M. F. Possibilidades da colabora- mento cidadania. Rio de Janeiro: 2004. v.1. p.1 – 15.
ção entre professores do ensino comum e especial para o 11 MENDES, E. G.; NUNES, L. R.O.; FERREIRA, J.R. In-
processo de inclusão escolar. Tese de Doutorado. Programa tegração/Inclusão: O que revelam as teses e dissertações em
de Pós-Graduação em Educação Especial: UFSCar, São Car- educação e psicologia. In Francisco de Paula Nunes Sobri-
los, 2004. nho (Org). Inclusão Educacional: Pesquisas e Interfaces. Rio
3 CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Resolução Nº de Janeiro: Livre Expressão. 2003.
196, de 10 de outubro de 1996. Brasília. DF. 12 THURLER, M. G. Inovar no interior da escola. Porto
4 FRIEND, M.; COOK, L. Collaboration as a predic- Alegre: Artmed, 2001.
tor for success in school reform. Journal of Education and 13 WOOD, M. Whose Job is it Anyway? Educational
Psychological Consultation, nº1, 69-86.1990. roles in Inclusion. Exceptional Children, vol. 64, nº. 2, p.
5 FUCHS D.; FUCHS, L. S. Competing Visions for 181-195, 1998.
Educating Students with Disabilities: Inclusion Versus Full 14 ZANATA, E.M. Planejamento de práticas pedagó-
Inclusion. Childhood Education. Annual Theme: 309-316. gicas inclusivas para alunos surdos numa perspectiva co-
1998. laborativa. 2004. 185f. Tese de Doutorado. Programa de
6 FULLAN, M., HARGREAVES, A. A Escola como Or- Pós-Graduação em Educação Especial: UFSCar, São Carlos,

176 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 177


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

2004. RETOMANDO TRAJETÓRIAS DE PESQUISAS:


INDÍCIOS DE UM PROCESSO DA FORMAÇÃO DO
PROFESSOR EM CONSTRUÇÃO PERMANENTE PELA VIA
DO TRABALHO COLETIVO E DAS INTERFACES
ENTRE DIFERENTES SABERES
Sonia Lopes Victor
Maria Aparecida Santos Corrêa Barreto

Este artigo tem como propósito apresentar e debater


questões sobre formação de professores, considerando nos-
sa trajetória acadêmico-científica no curso de Pedagogia e
no Programa de Pós-Graduação em Educação da Univer-
sidade Federal do Espírito Santo. Essa trajetória teve início
há quase quinze anos, tendo como marcos principais nossa
participação em um grupo de pesquisa intitulado inicial-
mente como Grupo Emergente em Educação Especial e seus
desdobramentos, o doutoramento na área de Educação, o
credenciamento no PPGE/UFES na Linha de Pesquisa em
Educação Especial e as produções acadêmico-científicas
em interface com outras áreas de conhecimento.

O Grupo Emergente em Educação Especial e seus


desdobramentos 19
O resgate histórico da atuação desse grupo de pesquisa
na UFES mostra, como ponto de partida, uma pesquisa de-
senvolvida por Jesus, Ferreira e Aragão (1992) sobre a Polí-
tica de Educação Especial no Estado do Espírito Santo que
conclui que não havia uma política estadual ou municipal
de Educação Especial, o que, em nível micro, se represen-
tava pela ausência de ações concretas que acenassem para
uma educação voltada para o atendimento de crianças em
idade escolar com necessidades educacionais especiais,
quadro esse muito similar ao de outros Estados brasileiros.
. Trabalho apresentado no II Simpósio de Pesquisa em Educação do
19

Centro de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da


Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2004.

178 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 179


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

Paralelo ao descaso político, as autoras encontraram o nais especiais;


desconhecimento e uma atitude altamente negativa e segre- c) criar campo de estágio para a formação de recursos
gadora. O aluno com necessidades educacionais especiais humanos;
era totalmente despotencializado em seu saber e ser. Em- d) capacitar e atualizar profissionais que já atuavam na
bora tivessem encontrado alguns poucos que apresentassem área de Educação Especial.
um discurso de integração20 , a sua própria concepção era, O Grupo Emergente em Educação Especial, que contava
via de regra, equivocada. com a participação de poucos integrantes, consolidou-se
Diante desta realidade, em abril de 1993 foi criado o La- como grupo de pesquisa, ampliando-se com a participação
boratório de Estudos em Educação Especial do Centro Peda- de outros professores da UFES, em especial, do Centro de
gógico da UFES, a partir da constatação da enorme carência Educação, pós-graduandos do Programa de Pós-Graduação
de profissionais capacitados para atuar na área, bem como em Educação do Centro de Educação da UFES, de graduan-
da ínfima contribuição da Universidade em assumir a sua dos de diversos cursos da UFES, como Pedagogia, Educação
responsabilidade social de formação de recursos humanos Física, Psicologia, Medicina, Artes e outros, bem como de
e de produção e socialização de conhecimentos em Educa- professores de classes especiais e salas regulares do ensino
ção Especial. público da rede estadual e profissionais do Departamento
O Laboratório de Estudos em Educação Especial do Cen- de Educação Especial da Secretaria Estadual de Educação.
tro Pedagógico da UFES constituiu-se em um projeto experi- O projeto que surgiu como Grupo Emergente em Educa-
mental, implementado por um Grupo Emergente de Pesqui- ção Especial desenvolveu sistematicamente ações de Ensi-
sa que, inicialmente, visava a atender a alunos pertencentes no, Pesquisa e Extensão, ultrapassando seu momento inicial
ao Sistema Público Estadual de Ensino, que apresentavam de Laboratório de Estudos em Educação Especial, consti-
características que apontavam um possível diagnóstico de tuindo-se, a partir de março de 1996, no Núcleo de Ensino,
deficiência mental. Pesquisa e Extensão em Educação Especial.
Além do atendimento destinado ao público-alvo, tínha- São vinculados ao NEESP professores dos cursos de li-
mos como objetivos: cenciaturas da UFES, em especial do curso de Pedagogia
a) implantar um serviço que fosse referência para o e do Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro
atendimento de alunos da rede pública que apresentassem de Educação da UFES, interessados em refletir, produzir e
necessidades educacionais especiais; socializar conhecimentos na área de Educação Especial e
b) produzir e socializar conhecimentos sobre como in- áreas afins.
tervir com alunos que apresentam necessidades educacio- Contávamos, até abril de 2005, com a colaboração de
um servidor da UFES, lotado no Centro de Educação, e ain-
.“O final do século XX, especificamente a década de 70, marca o ad-
20
da tínhamos a participação constante de um(a) monitor(a),
vento do movimento da denominada filosofia da integração em educação
especial, que defende a inserção de pessoas portadoras de necessidades geralmente um(a) aluno(a) do curso de graduação em Pe-
educacionais especiais no sistema regular de ensino, postulando que a dagogia, o qual está vinculado(a) ao Programa de Aperfei-
elas sejam garantidas as condições julgadas necessárias para o desen-
volvimento de suas reais possibilidades” (MAGALHÃES, 2002, p. 36). çoamento Discente (PAD) da Pró-Reitoria de Graduação

180 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 181


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

(PROGRAD/UFES). um programa de formação em serviço destinado a profes-


Os(as) alunos(as) que realizam iniciação científica nas sores que atendem à classe especial, a partir do acompanha-
categorias Programa Institucional de Bolsas de Iniciação mento e da intervenção com a professora da classe especial
Científica (PIBIC/PRPPG/UFES) ou do Programa Institucional que participa do Grupo Emergente em Educação Especial. O
Voluntário de Iniciação Científica (PIVIC/PRPPG/UFES) e alu- terceiro e último artigo, intitulado Transformar o discurso so-
nos bolsistas de extensão são selecionados pelos professores bre Integração (ou Reintegração?) em uma prática: uma ten-
que coordenam projetos de pesquisa ou extensão com o res- tativa, elaborado pelas professoras Sonia Lopes Victor, Maria
paldo do NEESP, dentro ou fora do âmbito da Universidade. Aparecida Santos Corrêa Barreto e Maria de Fátima Prates
Existem também alunos da UFES e profissionais que partici- Ferreira visou a tratar de questões que se apresentavam como
pam desses projetos como voluntários. condições mínimas para se efetivar quaisquer propostas de
Inicialmente, as pesquisas desenvolvidas pelo ainda La- integração e/ou reintegração de alunos com necessidades
boratório de Educação Especial, foram agregadas em um educativas especiais no sistema regular de ensino.
estudo, coordenado pela Prof.ª Drª. Denise Meyrelles de Je- Nesse momento, como Baptista (2002), já considerávamos
sus, que teve como objetivo acompanhar todo o processo as condições da existência de um contexto social, legislativo
de construção de um grupo de pesquisa, intervenção junto a e institucional que pudesse oferecer as garantias de base para
alunos com necessidades educacionais especiais matricula- que se exija dos profissionais e das instituições a sua cota de
dos regularmente em classes especiais inseridas nas escolas colaboração. Além da revisão das práticas pedagógicas, com
públicas da rede estadual de ensino. vistas à participação de todos no processo de implementa-
O conjunto dos resultados dessas pesquisas foi socializado ção, decisão e avaliação das ações educacionais; a organi-
na primeira publicação do Caderno de Pesquisa do Programa zação de metodologias de intervenção flexíveis e adaptadas;
de Pós-Graduação em Educação (1995). Destacamos três a elaboração e adaptação dos currículos; e a atualização da
dos artigos presentes nessa produção que foram elaborados ação docente para lidar com as diferenças na sala de aula.
por nós. O primeiro sobre o título Uma perspectiva psicope- A percepção dos alunos graduandos de diferentes cursos
dagógica em Educação Especial: uma prática em construção, que participaram de projetos de pesquisa e extensão reali-
da professora Maria Aparecida Santos Corrêa Barreto. Esse zados no NEESP sobre a proposta alternativa de formação
artigo pretendeu resgatar o trabalho de intervenção psicoe- de professores vivenciada por eles nesse espaço foi relatada
ducacional realizado no Laboratório de Estudos em Educa- em artigo escrito pela Prof.ª Drª. Denise Meyrelles de Jesus,
ção Especial/CE/UFES com treze alunos da rede pública esta- publicado nos Cadernos de Pesquisa em Educação do Pro-
dual, regularmente matriculados na classe especial de uma grama de Pós-Graduação da UFES.
escola de ensino fundamental. O segundo, intitulado O co-
O espaço do NEESP permitiu que se construísse uma proposta
tidiano da classe especial e o contexto escolar: um estudo de experiência de formação inicial a partir da vivência de ques-
da formação em serviço de uma professora, elaborado pela tões pertinentes à educação de p.n.e.e. Tal construção procu-
professora Sonia Lopes Victor, visou a contribuir para a sis- rou ancorar-se na articulação de diferentes saberes tomando por
tematização de algumas idéias básicas para a construção de base as atividades indissociáveis de ensino, pesquisa e extensão.
Construímos, por meio de inúmeras vivências (reuniões, discus-

182 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 183


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

sões, seminários, cursos, estudos em grupo), um caminho que se temos sido convocadas à realização de pesquisas e projetos
mostrou promissor, mas também apresentou dificuldades. No
de extensão que possam sinalizar propostas, em especial,
processo, não nos faltaram conflitos, tanto de natureza teórica
quanto prática. Cada um deles foi trabalhado, discutido, sofrido, de práticas educativas para a formação inicial e continuada
superado [...] (JESUS, 2000, p. 57). de professores. Para tanto, necessitamos de recursos huma-
nos e financeiros.
Estão presentes nesse artigo dados sobre:
a) as razões que levaram os alunos a procurarem o es- Os objetivos atuais do NEESP são
tágio no NEESP; a) Propiciar a melhoria da formação docente reali-
b) a dinâmica de trabalho do NEESP; zando cursos e oficinas, bem como o desenvolvimento de
c) as relações interpessoais e autonomia. trabalhos de extensão e de pesquisas na área de Educação
Especial e afins;
Embora várias sugestões de mudanças tenham sido apontadas,
o grupo de estagiários entrevistados considera que o Núcleo se
b) Prestar serviços à comunidade por meio da brinque-
constitui num espaço de formação profissional e pessoal. Os par- doteca, oficinas, acervos para consulta, visitas e assesso-
ticipantes percebem uma diferença na sua prática, em relação aos rias.
seus colegas que não participam de experiências dessa natureza. A nossa atuação no NEESP, articulada à docência no
Além disso, consideram ter maior clareza quanto às questões re-
lativas às ‘dificuldades dos alunos’. No Núcleo, na percepção curso de Pedagogia da UFES, principalmente nas discipli-
dos entrevistados, evidencia-se “[...] o casamento entre teoria e nas voltadas à discussão das questões na área de Educação
prática, principalmente devido ao curso de capacitação proposto Especial, nos possibilitou reconhecer como fundamentais
e colocado em prática pela equipe de coordenadores”. Tudo isto
os desdobramentos de nossos estudos, considerando a for-
dentro de um ambiente de formação (JESUS, 2000, p. 73).
mação de professores na perspectiva da inclusão.
Desde então, o NEESP tem sido o espaço de desenvol- As pesquisas desenvolvidas durante o curso de
vimento de muitas pesquisas organizadas, principalmente, Pós-Graduação em Educação (Doutorado)
pelos professores do Centro de Educação em parceria com No decorrer dos cursos de doutorado, realizados nas
professores de outros Centros. Essas pesquisas têm um ca- Universidades de São Paulo e de Campinas, tivemos a opor-
ráter multidisciplinar promovendo a confluência de saberes tunidade de articular a temática da formação de professores
e fazeres de diferentes áreas de conhecimento. Essa con- a outros fenômenos, como o jogo infantil e os processos psi-
fluência nos possibilita compartilhar conhecimentos sobre cossociais constitutivos do sujeito, tendo como referência a
a Educação Especial e a educação inclusiva em suas mais morte, à luz da abordagem histórico-cultural, em pesquisas
variadas formas de troca de experiências e promover a in- de natureza qualitativa do tipo estudo de casos e estudo de
terlocução das diferentes áreas envolvidas a respeito do que caso etnográfico.
se sabe ou do que ainda não se sabe sobre o assunto. A pesquisa intitulada Aspectos presentes na brincadeira
As demandas ainda são muitas. Atualmente, com o mo- de faz-de-conta da criança com síndrome de Down (VIC-
vimento de inclusão e a perspectiva de inclusão de alunos TOR, 2000), em linhas gerais, foi definida como qualitativa,
com necessidades educacionais nas salas de aulas regulares,

184 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 185


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

aproximando-se da abordagem etnográfica. Teve por parti- modo, até apartadas do convívio da sociedade, representam
cipantes quatro crianças – um menino e três meninas – que a morte. Elas expressaram que entendem a representação da
freqüentavam duas classes especiais de uma escola pública morte como resultado da convivência cultural e das con-
destinadas à Educação Infantil de crianças com deficiência dições históricas de suas vidas. A fundamentação teórico-
mental. Os métodos utilizados para a coleta dos dados fo- metodológica da pesquisa é baseada nos postulados e pres-
ram a observação participante, a entrevista semi-estruturada supostos da Perspectiva Histórico-cultural em Psicologia. A
e a análise de 102 episódios de brincadeiras de faz-de-con- pesquisa empírica foi desenvolvida com 28 alunos, em uma
ta desses participantes, desenvolvidos durante 47 dias leti- sala de aula de 3ª série do Ensino Fundamental, numa esco-
vos nas classes especiais e no parque de uma escola da rede la pública de periferia do município de Campinas, durante
estadual de ensino, localizada na cidade de São Paulo. o ano letivo de 1999. Apresentamos nesse estudo três casos.
A análise dos dados obtidos destacou que a criança com No transcorrer do trabalho, realizamos algumas atividades
deficiência mental apresenta dificuldades para iniciar e dar envolvendo o tema da morte com a turma, como: partici-
continuidade às ações que interpretam os papéis sociais pávamos com as crianças entrevistando-as, observando-as
em suas relações cotidianas e de trabalho na situação de às vezes, recorríamos também a audiogravações e a video-
brincadeira de faz-de-conta, porque falta-lhe conhecer a gravações.
realidade externa que ultrapassa o limite de sua realidade Também fizeram parte do material coletado: entrevis-
circundante. Além disso, considerou-se a ínfima interação tas semi-estruturadas, realizadas em grupo e/ou individual-
entre a criança com desenvolvimento típico e a criança com mente, com os pais, as professoras e a diretora; leitura de
deficiência mental como um dos motivos para sua perfor- livros de literatura, conversas, produção de textos; registros
mance limitada na brincadeira de faz-de-conta e para a sua contínuos de observação da turma e textos e desenhos pro-
dificuldade de inserção nas brincadeiras promovidas pela duzidos pelos alunos. Por meio dos dados foi-nos denun-
primeira. ciado que os alunos vivem num clima de medo, de terror,
Concluímos, ainda, que a ineficiente mediação do pro- de pânico.
fessor para conduzir o aluno ao conhecimento por uma via A representação da morte é constituída de uma comple-
não-verbal, como a brincadeira, para promover e favorecer xa relação dor/perdas, violência/vida e morte, separadas por
situações de inter-relacionamentos entre esses dois tipos de uma tênue e tensa linha divisória, naquele contexto, exi-
crianças no ambiente escolar, está permitindo sentimentos gindo reflexões e encaminhamentos específicos. Em meio
e atitudes de exclusão na escola, atitude contrária à pers- a essa realidade, a possibilidade da morte espalha-se por
pectiva de inclusão que atualmente tem fundamentado a todos os contextos sociais que perpassam a vida da crian-
educação para todos. ça. Quando abrimos espaço para a reflexão sobre a morte
O trabalho intitulado A representação da morte na crian- no contexto escolar, conhecemos como essas crianças de-
ça da periferia: um estudo de casos (BARRETO, 2003) visou senvolvem modos de vida próprios, pautados por múltiplas
a pesquisar como crianças pobres que vivem, sobrevivem estratégias de convivência e de identificação/diferenciação
e morrem em condições precárias de existência e, de certo no confronto permanente com a naturalização da morte

186 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 187


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

(banalização da vida), em espaços distintos, uma vez que o Nossa inserção na Linha de Pesquisa Educação Especial:
processo de enfrentamento é dado pelas condições concretas abordagens e tendências possibilitou a nossa orientação de
de vida. Compreender esses conteúdos dos processos elabo- pesquisas que se unem no intuito de investigar e refletir so-
rados, ou seja, identificar de que falam essas práticas e essas bre o cotidiano escolar na perspectiva da educação inclu-
estratégias, são os elementos fundamentais deste estudo. siva, a inclusão de alunos com necessidades educacionais
As nossas pesquisas tiveram como pressupostos teórico- especiais, a gestão escolar e educacional, os processos de
-metodológicos a perspectiva histórico-cultural em Psicolo- avaliação, a mediação pedagógica, os processos criativos,
gia, com base nos estudos de Vigotski (1896-1934), nas ques- as tecnologias na/da escola e as práticas pedagógicas inclu-
tões da deficiência, preocupando-se, de modo especial, com sivas. Tais temáticas têm como interseção o estudo sobre
a compreensão do sujeito formado histórica e socialmente a formação de professores, visto que a participação desses
na interação com o outro via linguagem, o que possibilita o professores no processo de mudança social e educacional
movimento entre os dois planos: do interpessoal para o intra- tem sido apontada como imprescindível e insubstituível nas
pessoal. Tudo isso compreendido a partir de uma noção de pesquisas em Educação. Em decorrência, as investigações
desenvolvimento que articula as duas linhas: a natural-bioló- científicas da formação inicial e continuada de professores
gica e a sociocultural. É, portanto, na interação com o outro, apresentam-se, indubitavelmente, como fundamentais para
sob a influência da cultura, que os modos de funcionamento esse processo. No entanto, temos clareza de que a transfor-
cognitivo surgem e são construídas as funções mentais supe- mação de práticas e culturas tradicionais que conduzem à
riores. A questão da deficiência está centrada não no defeito retenção, à evasão e às condições excludentes de ensino na
orgânico, mas nas conseqüências sociais desse defeito. Por- escola não se refere apenas à formação de professores.
tanto, é tratada em sua positividade, numa visão prospectiva O diferencial das pesquisas orientadas por nós está nos
das suas possibilidades, pensando-se o desenvolvimento do diferentes contextos de ensino, envolvendo escolas de mu-
deficiente. nicípios da Grande Vitória das redes municipais e em dois
diferentes níveis de ensino: infantil e fundamental. As ca-
Inserção na Linha de Pesquisa Educação Especial racterísticas dessas pesquisas nos possibilitaram/possibili-
do PPGE/UFES: orientações das dissertações de mes-
tam o conhecimento da educação organizada nos diferen-
trado
tes municípios, enriquecendo nossas reflexões e debates.
Ao retornarmos à UFES, credenciamo nos no PPGE, na
Os nossos mestrandos têm sido, em sua maioria, profes-
Linha de Pesquisa em Educação Especial, e nossas ativida-
sores formados na licenciatura de Pedagogia e atuantes nas
des de docência na graduação ficaram mais restritas a uma
escolas municipais de ensino de Vitória, Serra, Vila Velha e
habilitação específica na área de Magistério em Educação
Guarapari e/ou Secretarias de Educação. Temos considera-
Especial. A preocupação em dar continuidade aos estudos
do, no decorrer das orientações das dissertações de mestra-
sobre a questão da formação sem perder de vista as nossas
do, o envolvimento dos mestrandos em pesquisas que estão
investigações anteriores nos moveu no sentido de um grupo
sendo coordenadas por professores do PPGE e da linha em
colaborativo que apostou nas interfaces de temas e discipli-
questão. Temos considerado também a disciplina “Estágio
nas.

188 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 189


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

em Pesquisa” como o momento mais propício para esse sibilidade de mudar esses dados de forma positiva, contri-
envolvimento propriamente dito e para a articulação entre buindo com o movimento de educação inclusiva da criança
graduação e pós-graduação. com deficiência mental, que apresenta necessidades edu-
cativas especiais, tendo por referência a atividade lúdica da
Pesquisas com interfaces: uma proposta viável e criança expressa em sua brincadeira de faz-de-conta, em
fundamental no cenário da educação inclusiva 2001, desenvolvemos a pesquisa Jogo, mediação pedagógi-
O sentido de pensar nas interfaces das diferentes áreas ca e criança: estudos na abordagem histórico-cultural, em
que produzem conhecimento sobre educação para diferen- interface com professores da área de Educação Física e da
tes níveis do ensino regular e, particularmente, sobre edu- área de Psicologia da Educação.
cação inclusiva foi o reconhecimento de que é difícil pensar O projeto integrado de pesquisa visou a aprofundar a
em diferentes fenômenos que estão presentes nessas áreas discussão sobre o desenvolvimento histórico-cultural da
sem associá-los, de forma que um sem o entendimento do criança, tendo como referência o jogo infantil. Para isso,
outro ou dos outros se torna incompleto. O objetivo não é discutimos aspectos diversificados que atravessam e com-
chegar à completude, mas ao exercício constante de com- põem o jogo, como: a interação e os processos de media-
preendermos os fenômenos educacionais fundamentados ção, a cultura, a linguagem, a deficiência, o afeto e a emo-
por diferentes abordagens teóricas e articulados pelas dife- ção. Embora esses diferentes aspectos perpassassem todos
rentes áreas de conhecimento, na educação ou para além os subprojetos que compuseram esta pesquisa, em cada um
dela. deles esses aspectos receberam uma ênfase diferenciada.
Não ainda com o propósito de discutir referências para O trabalho foi composto de três pesquisas, cada uma en-
a “religação dos saberes”, mas concordando com Lerbet focando o jogo sob um certo prisma. A pesquisa O jogo,
(2002, p. 529) quando nos diz: a mediação pedagógica e a interação entre a criança com
Pode-se estabelecer uma relação entre esses saberes contentan- deficiência mental e a criança com o desenvolvimento típi-
do-se em apreender um mesmo objeto de diversos pontos de vis- co (VICTOR, 2004), coordenada pela professora Sonia Lo-
ta, para fazer com que o aluno se dê conta concretamente da pes Victor, contribuiu com a formação do professor em um
quantidade de olhares possíveis que se pode dirigir a um objeto,
movimento dialético de promoção e reflexão da mediação
mas pode-se também apreendê-lo de maneira extremamente abs-
trata, olhando a partir do nível mais externo, que faz com que as pedagógica, tendo como referência a brincadeira de faz-
diferentes ciências que apreendem esse objeto possam juntar-se de-conta de crianças com desenvolvimento típico em uma
ou desconjuntar-se. situação de interação física. Afeto, emoção e linguagem na
brincadeira da criança, coordenada pela professora Ivone
No sentido de retomar as análises dos resultados obtidos Martins de Oliveira, investigou os modos de participação da
na pesquisa desenvolvida no doutorado Aspectos presentes linguagem na configuração do afeto e da emoção, em situ-
na brincadeira de faz-de-conta da criança com síndrome ações de jogo imaginário, entre as crianças. E Jogos, brinca-
de Down (VICTOR, 2000, 2002, 2003, 2004), a fim de ca- deiras populares: o resgate da cultura infantil e a mediação
minhar em nossas reflexões teórico-empíricas e abrir a pos- pedagógica do professor de educação física na perspecti-

190 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 191


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

va da inclusão, desenvolvida pelo professor José Francisco a organização de ações e a intervenção junto ao aluno com
Chicon, descreveu e analisou as contribuições do resgate da necessidades educativas especiais e à sua professora (VIC-
cultura infantil por meio de temas da cultura corporal e da TOR, 2002).
ação mediadora do professor de Educação Física no favore- Nesse sentido, tendo como diretrizes o objetivo da dis-
cimento de intra e inter-relação entre alunos na educação ciplina de Estágio Supervisionado em Educação Especial, a
inclusiva. nova definição e as ações atribuídas à Educação Especial
Todas as pesquisas foram fundamentadas na abordagem como modalidade de ensino, perpassando todos os níveis
histórico-cultural, utilizando-se, primordialmente, dados de ensino e a perspectiva da educação inclusiva, propomos
qualitativos e implicaram participação do pesquisador no a um grupo de 21 alunos a execução do estágio nos moldes
contexto investigado. As investigações aconteceram na de um trabalho de pesquisa. A intenção era que os alunos
brinquedoteca do Núcleo de Ensino, Pesquisa e Extensão desenvolvessem quatro momentos inter-relacionados que
em Educação Especial e envolveram os mesmos sujeitos: pudessem formar não só o aluno para docência e o atendi-
crianças de um orfanato e crianças com Síndrome de Down mento especializado mas também para ser um pesquisador
que viviam com suas famílias. Ao analisar os dados, as pes- do contexto educativo do qual faz parte.
quisas enfocaram aspectos diversificados que atravessam O estágio foi desenvolvido em quatro escolas públicas
e compõem o jogo, como a interação e os processos de do município de Vitória – ES, situadas em bairros de classe
mediação adulto-criança e criança-criança em situações de média. Duas escolas eram destinadas à Educação Infantil
brincadeira, a cultura, a linguagem, a deficiência, o afeto e e uma ao Ensino Fundamental. Além disso, trabalhamos
a emoção. Esse estudo evidenciou o papel e a importância também em uma escola de Ensino Fundamental do muni-
da brincadeira no desenvolvimento e na aprendizagem da cípio da Serra – ES, situada em um bairro de classe baixa,
criança e destacou como fundamental definir/implementar e também em dois projetos de pesquisa coordenados por
políticas públicas sociais e educativas, principalmente no professores da área de Educação Especial no NEESP.
que se refere à formação de professores, tendo em vista pro- No decorrer do estágio, foi construída a temática que
mover a inclusão de crianças que apresentam uma condi- mereceria ser aprofundada pelo aluno-estagiário no conjun-
ção de exclusão social e educacional. to de dados obtidos durante as diferentes etapas do traba-
No primeiro semestre de 2001, em decorrência da disci- lho. Essas temáticas foram apresentadas em forma de arti-
plina de Estágio em Educação Especial, realizamos um es- go ao final do curso e possibilitaram o exercício da escrita
tudo com o propósito de suscitar uma discussão a respeito acadêmico-científica e não apenas o relato desprovido de
da formação inicial do professor nessa disciplina, que com- referencial teórico, de levantamentos e desenvolvimento de
põe o conjunto disciplinas da Habilitação em Educação Es- pontos elencados pelos estagiários e da preocupação com
pecial do curso de Pedagogia da Universidade Federal do a constituição do professor-pesquisador. Recursos didático-
Espírito Santo, e de apresentar um modelo diferenciado de metodológicos a serem utilizados, como o teatro para ensi-
estágio que segue o percurso de ações que estão relaciona- nar a ler e escrever, o psicodrama com recurso educacional
das com a pesquisa, como a observação, a reflexão crítica, para lidar com crianças que apresentam necessidades edu-

192 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 193


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

cacionais especiais, o currículo e a inclusão dos alunos com guo da profissionalização do pedagogo que, separando a
deficiência mental, a discussão referente à criança autista dinâmica da atividade pedagógica em dois momentos – o
em classes regulares etc. foram discutidos e possibilitaram a docente e o administrativo – antagonizava as funções de
realização dos artigos. docência e administração escolar entendendo a primeira
De acordo com a Declaração de Salamanca e Linha de como prática e a segunda como teórica.
Ação sobre necessidades educativas especiais, “[...] a ca- Nesse contexto, as disciplinas de Estágio Supervisionado
pacitação de professores especializados deverá ser reexa- em Educação Especial e Estágio Supervisionado em Educa-
minada com vista a lhes permitir o trabalho em diferentes ção Infantil vêm ganhando novo significado, na medida em
contextos e o desempenho de um papel-chave nos progra- que devem constituir-se como momentos articuladores en-
mas relativos às necessidades educativas especiais” (1994, tre os estudos teóricos do curso de Pedagogia e a docência
p. 38). vivenciada na escola. Entendendo, nesse sentido, a prática
É com essa preocupação e espírito que implementamos pedagógica como desencadeadora de questões a serem tra-
uma proposta que identifica o professor não somente com tadas em teoria e vice-versa.
a sua ação docente cotidiana, mas com o professor-pesqui- Essa interface foi possível ao nos depararmos dentro das
sador, aquele que “faz escola”, avaliando continuamente o escolas de Educação Infantil lidando com crianças de um
processo educativo, transformando a escola em espaço de ambiente escolar comum e, em particular, com aquela que
produção de conhecimento, possibilitando a ação contínua apresenta necessidades educativas especiais relacionadas,
que vai subsidiar a reflexão como ato propulsor de avanço principalmente, com as deficiências. Além disso, muitos de
(BAPTISTA, 1999). nossos alunos realizavam tanto a Habilitação em Educação
No segundo semestre de 2002, na procura de campo para Infantil quanto em Educação Especial, questionando-nos
estágio dos nossos alunos, nos encontramos com o profes- sobre a possibilidade dessa interface.
sor Jair Ronchi Filho, realizando a mesma atividade para os No Referencial Curricular Nacional Para a Educação In-
alunos da disciplina de Estágio Supervisionado em Educa- fantil – estratégias e orientações para a educação de crianças
ção Infantil. Nesse sentido, a partir desse momento, como com necessidades educacionais especiais – já contempla-
professores dos estágios em Educação Especial e Educação mos a articulação entre essas duas áreas do conhecimento,
Infantil, temos discutido os atravessamentos presentes em como podemos ler a seguir no destaque de um dos princí-
nossas atuações, considerando a qualidade do atendimento pios em que se deve guiar o atendimento aos alunos com
à criança e a construção da Universidade com o processo necessidades educacionais especiais.
de formação de professores. O currículo do curso de Peda-
gogia da UFES tem como base a formação do pedagogo e A educação especial articula-se com a educação infantil no seu
objetivo de garantir oportunidades sócio-educacionais à criança,
como princípio orientador a docência nas séries iniciais do promovendo o seu desenvolvimento e aprendizagem, ampliando,
Ensino Fundamental, na Educação Especial, na Educação dessa forma, suas experiências, conhecimento e participação so-
Infantil, na educação de jovens e adultos e na gestão da cial (1998, p.14).
educação. Seu foco central é a superação do caráter ambí-

194 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 195


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

O objetivo desta pesquisa foi produzir apontamentos te- Este estudo preocupou-se com a não-dicotomização da
órico-práticos que contribuíssem com a reestruturação dos formação docente, considerando a formação inicial e con-
estágios componentes da atual grade do curso de Pedago- tinuada de forma articulada. Nesse sentido, os alunos-es-
gia e ainda esboçar as diretrizes básicas para a implantação tagiários, em uma via de mão dupla, puderam se favorecer
de um sistema de integração Universidade/Centro de Edu- tanto quanto os professores das escolas de Educação Infantil
cação Infantil, abrindo possibilidades de parcerias para o no decorrer de nossa investigação. As relações estabeleci-
exercício da docência bem como para o desenvolvimento das entre esses dois participantes aconteceram de formas
de pesquisas (VICTOR; RONCHI FILHO; BARRETO, 2004, distintas, de acordo com o contexto escolar e os profissio-
2004, 2005). nais envolvidos. Esses alunos-estagiários, durante todo o
Para atender às indagações propostas neste estudo, a percurso da pesquisa, foram pareados, isto é, um aluno do
metodologia usada foi de natureza qualitativa, do tipo es- estágio em Educação Infantil com um aluno do estágio em
tudo de caso, com vistas à pesquisa-ação, fazendo uso do Educação Especial.
ambiente natural da escola como fonte de dados. Em con- Cada dupla ficou em uma sala de aula regular, onde
sonância com a natureza de nossa investigação, estiveram havia pelo menos um aluno identificado pela escola como
presentes procedimentos distintos como: a) prever contatos aluno com necessidades educacionais especiais. Nós, pro-
diretos e constantes com o cotidiano estudado; b) eviden- fessores, acompanhávamos os alunos-estagiários na escola
ciar uma grande preocupação com o processo, isto é, ob- e nos encontrávamos com eles um dia da semana na Uni-
servar como o problema se manifesta nas atividades, nos versidade, regularmente, a fim de, à luz da fundamentação
procedimentos e nas intenções cotidianas; c) reconhecer a teórica e após a leitura dos relatórios parciais, que tinham
importância de todos os dados da realidade, d) visar à ob- o propósito de relatar a semana vivenciada, refletir com o
tenção de dados descritivos; e) demonstrar o propósito de grupo sobre o cotidiano escolar e as diversas situações vi-
captar e confrontar as perspectivas de todos os participan- venciadas por eles. Muitas das temáticas destacadas foram
tes, ou seja, observar como encaram as questões que foram focos de outros estudos, que se materializaram na produção
focalizadas (RONCHI FILHO, 1995). de artigos elaborados pelas próprias duplas.
Os participantes desta pesquisa foram os alunos das dis- Para tanto, nas segundas, quartas e quintas-feiras, as alu-
ciplinas Estágios em Educação Infantil e Educação Especial, nas saíam das salas de aula trinta minutos antes para dialo-
matriculados regularmente, a partir do segundo período de gar sobre as suas observações e registrar, em linhas gerais,
2002; os alunos, professores, pedagogos e diretores de três as situações e as falas relevantes.
Centros de Educação Infantil da rede municipal de Vitória Nas sextas-feiras, as alunas tinham uma hora para rea-
– ES e seus pais. lizar uma breve reflexão, discussão e revisão do relatório
A referida pesquisa teve início no segundo semestre de semanal com a colaboração de quatro alunas do Programa
2002, a partir do dia 11 de novembro de 2002, e finalizou de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da UFES, em nível
sua coleta de dados no segundo semestre de 2004, no dia de Mestrado, da linha de Educação Especial, que estavam
nove de março de 2005. matriculadas na disciplina “Estágio em Pesquisa” desse Pro-

196 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 197


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

grama21. foi fundamental no processo de inserção e acolhimento de


A mediação de quatro alunas do Mestrado entre nós e as todas as crianças e, em especial, da criança com deficiência
alunas estagiárias foi essencial para que elas chegassem, no no início e no decorrer do ano letivo dos Centros de Edu-
momento de discussão em grupo, com um relatório revisa- cação Infantil.
do e com um discurso mais fundamentado teórica e meto- As nossas experiências, como professores de estágios
dologicamente. A participação dessas quatro mestrandas supervisionados, faz-nos acreditar na possibilidade da pes-
do PPGE foi fundamental. Suas interlocuções constantes quisa como estágio e da pesquisa como eixo da formação
com as diferentes duplas e/ou trios de alunas-estagiárias nos permanente do docente. Os alunos dos cursos de formação
contextos da escola e da UFES potencializaram o proces- de professores, em particular do curso em questão, se fa-
so de estágio como pesquisa, permitindo-nos analisar os vorecem e se favoreceram ao serem formados dentro dessa
modos como aquelas três escolas entendem a educação de perspectiva, porque têm/tiveram maiores oportunidades de
seus alunos e estruturam as suas práticas sociais e educati- conhecer e refletir criticamente sobre os diferentes contex-
vas cotidianas na Educação Infantil. Tínhamos, também, tos educacionais, associando esse conhecimento à análise,
como compromisso, promover melhores condições de es- em paralelo, do sistema de ensino no geral, sem se prende-
colarização para as crianças com necessidades educacio- rem somente a uma análise particular e imediata.
nais especiais por deficiência, que estavam freqüentando Isso se traduz também na possibilidade de, quando pro-
regularmente uma sala de aula regular nesses CMEIs, con- fissionais, esses alunos-estagiários poderem fortalecer uma
siderando as nossas reflexões com os futuros professores e visão crítica sobre a escola e os processos de escolarização,
as suas pequenas intervenções naqueles contextos. Nesse aproximando-se de uma postura e habilidades de pesqui-
sentido, o processo de avaliação dos alunos, as práticas pe- sador. Nesse sentido, os diferentes projetos de estágios vi-
dagógicas, as tecnologias e o processo de inclusão no sis- venciados pelos nossos grupos de alunas funcionam como
tema de educação regular foram os propulsores de algumas ensaios de inserção no cotidiano da escola, mostrando as
das temáticas focais e correlatas. dificuldades enfrentadas pelos seus profissionais, alunos,
Na escola, fomos convidados a participar de vários en- pais e comunidade em, construir a partir de um trabalho co-
contros, nos quais podíamos refletir com todos e/ou alguns laborativo, uma escola que atenda aos princípios filosóficos
dos seus profissionais sobre as mesmas temáticas destaca- da inclusão. Como destacam Pimenta e Lima (2004, p. 46),
das nas reuniões com os alunos-estagiários. A família do
Esse estágio pressupõe outra abordagem diante do conhecimento,
aluno com necessidades educacionais especiais foi envolvi- que passe a considerá-lo não mais como verdade capaz de ex-
da, com o objetivo de esclarecermos as histórias de vida/es- plicar toda e qualquer situação observada, o que tem conduzido
colar desses alunos. Além disso, o envolvimento da família estagiários a dizer o que os professores devem fazer. Supõe que se
busque novo conhecimento na relação entre explicações existen-
tes e os dados novos que a realidade impõe e que são percebidos
. BORGES, D. C. et al. Diálogo entre mestrandos e graduandos: uma
21

contribuição à formação de professores. Trabalho apresentado no VII En- na postura investigativa.


contro de Pesquisa em Educação no Brasil/Região Sudeste, Belo Hori- O estágio não pode ser visto como um anexo às disci-
zonte, MG, 2005.
plinas que compõem o currículo nem como uma tábua de

198 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 199


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

salvação ao final do curso, como o último momento para os colaborativas dos profissionais da escola, visando a poten-
alunos conseguirem articular teoria e prática no ambiente cializar ações que de fato poderão transformar as práticas
escolar, mas os conhecimentos produzidos nesse proces- pedagógicas tradicionais em práticas pedagógicas com vis-
so de estágio deveriam compor efetivamente o currículo tas às mudanças pretendidas.
da formação de professores, permeando todas disciplinas
e atravessando todo o curso. Portanto, é fundamental que Referências
ele tenha um formato que conduza à construção do conhe-
cimento, à análise e à reflexão-crítica do trabalho docente, 1 BAPTISTA, C. R. Integração e autismo: análise de
com vistas a contribuir numa via de mão dupla para a for- um percurso integrado e dos dispositivos necessários. Tra-
mação do professor. Como destacam Pimenta e Lima (2004, balho apresentado na 22ª Reunião Anual da ANPED, Ca-
p. 55): xambu, MG, 1999.
2 BAPTISTA, C. R.; BOSA, C. (Org.). Autismo e edu-
Esse conhecimento envolve o estudo, a análise, a problematiza-
ção, a reflexão e a proposição de soluções às situações de ensinar
cação: reflexões e propostas de intervenção. Porto Alegre:
e aprender. Envolve experimentar situações de ensinar, aprender Artmed, 2002.
a elaborar, executar e avaliar projetos de ensino não apenas nas 3 BARRETO, M. A. S. C. A representação da morte na
salas de aula, mas também nos diferentes espaços da escola. Por criança da periferia: um estudo de casos. 2003. Tese (Dou-
isso, é importante desenvolver nos alunos futuros professores ha-
bilidades para o conhecimento e a análise das escolas, bem como torado em Educação). Universidade de Campinas, Campi-
das comunidades onde se insere. Envolve o conhecimento, a uti- nas, SP, 2003.
lização e a avaliação de técnicas, métodos e estratégias de ensi- 4 BORGES, D. C. et al. Diálogo entre mestrandos e
nar em situações diversas. Envolve a habilidade de leitura e re-
graduandos: uma contribuição à formação de professores.
conhecimento das teorias presentes nas práticas pedagógicas das
instituições escolares. Ou seja, o estágio assim realizado permite Trabalho apresentado no VII Encontro de Pesquisa em Edu-
que se traga a contribuição de pesquisas e o desenvolvimento das cação no Brasil/Região Sudeste, Belo Horizonte, MG, jun.,
habilidades de pesquisar [...]. 2005.
5 BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação
Nesse sentido, considerando as nossas fundamentações sobre necessidades educativas especiais. Brasília: CORDE,
teóricas, esta pesquisa vem apontando como fundamentais 1994.
para a formação permanente docente: a não-dicotomiza- 6 BRASIL. Referencial curricular nacional para a edu-
ção da formação; a pesquisa como eixo da formação do cação infantil: estratégias e orientações para a educação de
professor; o aprofundamento teórico como imprescindível crianças com necessidades educacionais especiais. Brasília:
para a reflexão crítica; a ética como a base para a atuação MEC/SEF, 2001.
do docente; e a interface com outras áreas de conhecimen- 7 CADERNO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO, Uni-
to como condição para compreender a realidade e lançar versidade Federal do Espírito Santo, Centro Pedagógico,
uma ação mais propositiva para a escola na perspectiva da Programa de Pós-Graduação em Educação, Vitória: PPGE,
inclusão. Para tanto, devemos priorizar ações coletivas e v.1, n.1, dez. 1995.

200 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 201


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

8 JESUS, D. M.; FEREIRA, M. de F. P.; ARAGÃO, E. M. S. C. A formação permanente do professor, a pesquisa e no


A. Política de educação especial: o que pensam os educa- estágio curricular e a interface entre saberes: elementos fun-
dores? Vitória: UFES/PPGE, 1992. 57p. Mimeogr. damentais na construção de uma práxis docente. Trabalho
9 JESUS, D. M.; PEREIRA, A. M. P.; SOUZA, R. G. S. apresentado no VII Encontro de Pesquisa em Educação no
de. Construindo uma prática de formação inicial em educa- Brasil/Região Sudeste, Belo Horizonte, MG, 2005.
ção especial. Cadernos de Pesquisa em Educação, Progra- 17 VICTOR, S. L. Aspectos presentes na brincadeira de
ma de Pós-Graduação em Educação, Vitória: PPGE, v. 2, n. faz-de-conta da criança com síndrome de Down. 2000.
12, 1995. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação
10 LEBERT, G. Transdisciplinaridade e educação. MO- da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2000.
RIN, E. (Org.). A religação dos saberes: o desafio do século 18 ______. Aspectos presentes na brincadeira de faz-
XXI. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002. p. 528-539. de-conta da criança com síndrome de Down. Trabalho
11 MAGALHÃES, R. de C. P. et al. Reflexões sobre a apresentado na 25ª Reunião Anual da ANPED, Caxambu,
diferença: uma introdução à educação especial. Fortaleza: MG, 2002.
Edições Demócrito Rocha, 2002. 19 ______. A formação inicial do pedagogo e o estágio
12 PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docên- supervisionado em educação especial: uma outra proposta.
cia. São Paulo: Cortez, 2004. Trabalho apresentado no ENDIPE, Goiânia, GO, 2002.
13 RONCHI FILHO, J. 1995. A pré-escola CRIARTE da 20 ______. Aspectos presentes na brincadeira de faz-
UFES: sua trajetória e seus objetivos na tentativa de constru- de-conta da criança com síndrome de Down. In: MAR-
ção de um projeto pedagógico – um estudo de caso. Disser- QUEZINE, Maria Cristina et al. Educação Física, atividades
tação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Gradua- motoras e lúdicas, e acessibilidade de pessoas com necessi-
ção em Educação do Centro Pedagógico da Universidade dades especiais. Londrina: Eduel, 2003. p. 23-33. (Coleção
Federal do Espírito Santo, Vitória, 1995. Perspectivas Multidisciplinares em Educação Especial).
14 VICTOR, S. L.; RONCHI FILHO, J.; BARRETO, M. 21 ______. O brincar na educação infantil e suas con-
A. S. C. Construindo uma práxis coletiva dos estágios su- tribuições na inclusão da criança com necessidades edu-
pervisionados em educação especial e educação infantil do cacionais especiais. In: MENDES, Enicéia Gonçalves; AL-
curso de pedagogia da UFES. Trabalho apresentado no VI MEIDA, Maria Amélia; WILLIAMS, Lúcia Cavalcanti de
Encontro de Pesquisa em Educação no Brasil/Região Sudes- Albuquerque (Org.). Temas em educação especial: avanços
te, Rio de Janeiro, RJ, 2004. recentes. São Carlos: EdUFSCar, 2004. p.91-99.
15 VICTOR, S. L.; RONCHI FILHO, J.; BARRETO, M. 22 ______. O jogo, a mediação pedagógica e a intera-
A. S. C Interfaces nos processos de formação em educação ção entre a criança com deficiência mental e a criança com
especial e educação infantil. Trabalho apresentado no XII desenvolvimento típico. VI Encontro de Pesquisa em Educa-
ENDIPE – Encontro de Nacional de Didática e Prática de ção da Região Sudeste, Rio de Janeiro, RJ, maio, 2004.
Ensino, Curitiba, PR, 2004.
16 VICTOR, S. L.; RONCHI FILHO, J.; BARRETO, M. A.

202 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 203


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

FORMAÇÃO CONTINUADA:
CONSTITUINDO UM DIÁLOGO ENTRE TEORIA,
PRÁTICA, PESQUISA E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA
Denise Meyrelles de Jesus

A perspectiva de estabelecer ações colaborativas entre a


universidade e as redes de ensino constitui uma preocupa-
ção de um conjunto de docentes e discentes profissionais e
de um esforço de vários anos de trabalho na linha de pes-
quisa Educação Especial: abordagens e tendências do PPGE
– CE/UFES.
A criação do Núcleo de Ensino, Pesquisa e Extensão
em Educação Especial (1996) pode ser considerada como
o marco inicial. A instalação do Núcleo é mais ou menos
concomitante à criação da linha de pesquisa (1997) no
Programa de Pós-graduação em Educação. Ao longo des-
se tempo, nossos estudos, atividades práticas, intercâmbios
com muitos profissionais e atuação na formação inicial, a
partir de experiências concretas vividas pelos inúmeros es-
tagiários do NEESP, sob a nossa supervisão, possibilitou-nos
novos olhares sobre os processos de educação de alunos
com necessidades especiais. Constituímos um corpo de co-
nhecimento e isso nos mobilizava na direção de “colocar à
prova” nossas produções, nossos aprendizados. Ao mesmo
tempo, evidenciava para o grupo a necessidade de aprofun-
dar o diálogo entre teoria, prática e pesquisa. Isso exigiu do
grupo um mergulho teórico, no sentido de desvelar novas
perspectivas de produção de conhecimento que, ao mesmo
tempo, a partir das complexas interações com o contexto,
nos auxiliassem a compartilhar respostas para questões con-
cretas com as quais se debatiam os profissionais da educa-
ção.
Pensar essa tensão é o desafio que nos colocamos como

204 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 205


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

grupo de pesquisa nesse espaço-tempo. Discentes e docen- Neste artigo, pretendemos analisar a temática que vem
tes da linha de pesquisa, nos últimos anos, têm buscado orientando nossos estudos, ou seja, a dinâmica da reflexão-
acolher os “estudos de intervenção” na prática cotidiana ação-crítico-colaborativa, a partir da formação continuada
concreta. Embora tomemos como ênfase diferentes enfo- em processo, ressaltando a relevância do conhecimento
ques e teorizações, os estudos têm como ponto comum bus- teórico-prático produzido no âmbito da universidade e da
car compreender e intervir na prática educativa cotidiana, prática pedagógica desenvolvida nas unidades escolares.
produzindo uma reflexão crítica sobre essa mesma prática. Consideramos que o diálogo permanente entre essas duas
Procura-se formar profissionais investigadores capazes instâncias de construção de saberes pode contribuir para
de, na dinâmica da relação teoria-prática, construir uma práticas pedagógicas que efetivem de fato uma educação
outra lógica de ensino, criando comunidades autocríticas mais inclusiva.
de investigação comprometidas em promover melhores
condições de educação. Tomamos como princípio básico Colaboração entre pesquisadores e professores:
a necessidade de preparação dos profissionais da educação ressignificando a prática pedagógica a partir da pesquisa e
para uma prática reflexivo-crítica para a inovação e a coo- da formação docente
peração, não só em termos de formação inicial, mas tam- Ao buscar estratégias pedagógicas que tomem por refe-
bém de formação continuada. rência a diversidade dos sujeitos escolares, estamos procu-
Os cenários do cotidiano produziram em nosso grupo de rando o difícil equilíbrio entre diversificação e igualação,
pesquisa um movimento no sentido de dar continuidade e tendo que enfrentar uma forte tensão entre o desejável e o
aprofundamento a estudos que tivessem como objeto ques- possível em uma instituição que nunca pode estar radical-
tões relativas ao ensinar/aprender de sujeitos em situações mente direcionada a cada uma das individualidades (SA-
de desvantagem e saberes/fazeres educacionais que visas- CRISTÁN, 2002).
sem a intervir nos processos educativos. É nesse sentido que pensamos a construção dos saberes
Confiávamos que o desenvolvimento pessoal, profissio- de nossos docentes aptos para o trabalho com as necessi-
nal e organizacional dos grupos de profissionais da educa- dades educativas especiais de seus alunos numa escola in-
ção provocasse maior empenho em criar uma escola me- clusiva. Profissionais que sejam capazes de criar ambientes
lhor para todos os alunos, embora concordássemos com educativos em que os diferentes alunos, com os mais diver-
Alarcão (2003, p. 45), quando argumenta: “[...] é preciso sificados percursos de escolarização, possam desenvolver-
vencer inércias, é preciso vontade e persistência”. se no processo ensino-aprendizagem (JESUS, 2002).
Parece-nos fundamental que a universidade, como agên- Vislumbramos a pesquisa-ação colaborativa como pers-
cia formadora, assuma com os sistemas de ensino a res- pectiva epistemológica e metodológica (BASTOS, 1995)
ponsabilidade de participar de uma rede de iniciativas que que possa possibilite a transformação da prática pedagó-
ofereça suporte aos profissionais da educação, de forma a gica pela formação/pesquisa educacional. Concordamos
contribuir no processo de inclusão escolar de alunos com com Zeichner (1998), quando afirma que a produção de
necessidades educacionais especiais no ensino comum. conhecimentos para um ensino de melhor qualidade e para
todos não se dá apenas na universidade, mas tem, daqueles

206 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 207


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

que constroem a experiência escolar cotidiana, uma grande que podem construir novas alternativas e desenvolver novas
contribuição. competências (NÓVOA, 1997).
Acreditamos que, se quisermos uma escola inclusiva, Parece-nos fundamental que a formação de profissionais
precisamos pensar com o outro, precisamos de um cons- da educação se afaste das “[...] ideologias instrumentais que
tante e longo processo de reflexão-ação-crítica dos profis- enfatizam uma abordagem tecnocrática para a preparação
sionais que fazem o ato educativo acontecer. Se quisermos dos professores e também para a pedagogia da sala de aula”
mudanças significativas nas práticas convencionais de en- (GIROUX, 1997, p. 158).
sino, precisamos pensar na formação continuada dos edu- Faz-se necessário que a escola, como organização, re-
cadores. pense a sua função curricular, a sua forma de gestão e as
Nossos estudos recentes (JESUS, 2002; JESUS et al. 2004a; formas de aprendizagem a partir das inovações metodológi-
JESUS 2004b; JESUS 2004; ALMEIDA, 2004; GONÇALVES, cas e didáticas em sua organização das turmas, dos tempos
2003; RANGEL, 2004; SOBRINHO, 2004; MARTINS, 2005) e dos espaços da escola, com vistas a atender crianças e jo-
evidenciam a possibilidade da reflexão autoformadora dos vens provenientes de culturas cada vez mais diversificadas,
profissionais da educação em equipe, pela via do proces- nas complexas sociedades atuais.
so de investigação-formação que, de acordo com Nóvoa Assim sendo, há necessidade de trabalhar com os pro-
(2000), facilita o processo de transformação docente, tendo fissionais da educação para uma prática reflexiva, para a
como cerne a mudança na prática pedagógica. Vislumbra- inovação e a cooperação. Nesse sentido, faz-se necessária
mos uma prática que transcenda a reflexão e que contemple uma “escola reflexiva”,
a dimensão ideológica, política e social do educador que “
[...] uma organização que continuamente se pensa a si própria,
deverá engajar-se em uma práxis cultural mais adequada na sua missão social e na sua organização, e confronte-se com
para o avanço da transformação social (McLAREN, 2000). o desenrolar de sua atividade em um processo heurístico, simul-
Partimos do saber-fazer dos profissionais para a constru- taneamente avaliativo e formativo” (ALARCÃO, 2001, p. 11), ou
ção de um novo modo de lidar com a realidade. Pretende- seja, uma “organização aprendente”.

mos avançar na problematização/compreensão da neces-


sidade da escola como espaço social, provocar mudanças Para que isso aconteça, é preciso que a organização
para incluir todos os alunos, inclusive aqueles que deman- pense estratégias eticamente, entendendo a emergência
dam maior apoio no processo educacional. da necessidade de um novo paradigma de escola que “[...]
Assim sendo, faz-se necessário trabalhar com os profis- consiga romper com os modos de funcionar que se natura-
sionais da educação de maneira que eles, sendo capazes de lizam, mas se revelam claramente ineficazes na resposta a
compreender e refletir sobre as suas práticas, sejam também um contexto novo, que se sistematiza nos eixos de mudan-
capazes de transformar lógicas de ensino. ça” (ROLDÃO, 2000, p. 75).
Acreditamos que a qualificação do professor constitui Exige-se também uma forma de apoio aos professores
uma forma de fortalecimento da qualidade do atendimento docentes. Alarcão (2000) sugere uma nova forma de “su-
aos alunos em seu conjunto e da crença dos professores de pervisão” que entre nós teria características de coordenação

208 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 209


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

pedagógica, no entanto “reconceptualizada”. Sua respon- de encontrar a solução mais adequada” (ALARCÃO, 2003,
sabilidade seria a de criar condições e cultura de formação p. 24).
profissional inerentes à identificação e resolução de proble- Pela via da pesquisa-ação, buscamos criar condições
mas concretos, numa atitude de investigação-ação. para construir/implementar conhecimento sobre alternativas
Trata-se, portanto, de uma nova forma de estar na profis- educacionais que pudessem ser facilitadoras dos processos
são, entendendo que a imprevisibilidade e a mudança cons- de inclusão escolar de alunos com necessidades educativas
tantes dos contextos de atuação exigirão dos profissionais especiais.
da escola uma formação ao longo da vida. Em nossos estudos, temos objetivado tomar o cotidiano
É nessa perspectiva que pensamos a construção da for- da prática pedagógica da escola como ponto de partida e
mação dos profissionais da educação para trabalhar as ne- procuramos produzir conhecimentos sobre o processo de
cessidades educativas especiais de seus alunos numa escola construção de uma proposta inclusiva de educação, con-
inclusiva, siderando as “práticas pedagógicas inclusivas” que estão
sendo implementadas em diferentes escolas de ensino fun-
“[...] uma escola estimulada pelos desafios, sabendo que faz parte
de uma complexidade que abrange todos” (EIZIRIK, 2003, p. 6).
damental.
Nossas ações colaborativas de formação continuada
Não há dúvida de que a formação continuada dos pro- têm-se caracterizado por apresentar três momentos, que não
fissionais da educação se faz crítica e mandatória e deve ter são lineares, mas que se interpenetram. No primeiro, temos
como ponto de partida as suas dificuldades, as lacunas que buscado conhecer a realidade em contexto; num segundo
se apresentam em uma formação. “A formação contínua momento, por termos experienciado grupos de profissionais
provém da análise de necessidades de formação, debatida altamente heterogêneos no que tange à sua compreensão
e refletida em conjunto com o formador [...]” (SILVA, 2003, de uma proposta de educação inclusiva, temos discutido
p. 67). elementos básicos relativos a essa proposta. O terceiro mo-
Tendo em mente essa meta, faz-se necessário buscar mento tem-se caracterizado por um processo de grupo de
propostas metodológicas de pesquisa que possibilitem criar estudo ação-reflexivo-crítico sobre a prática das escolas, a
condições de reflexividade-crítica individuais e coletivas partir das experiências, percepções, atitudes e necessidades
que ultrapassem a dimensão pedagógica e que apontem na dos profissionais.
direção de mudanças mais amplas. Tal conhecimento tem auxiliado a construir em conjunto
experiências inovadoras e práticas alternativas no interior
Pesquisa ação-colaborativa: constituindo ca- das escolas. Essa construção associa-se, simultaneamente,
minhos a uma reflexão teórico-prático-crítica, quanto ao vivido, e o
A complexidade dos problemas que hoje se colocam à diálogo no grupo serve de base tanto para a transformação
escola não encontra soluções previamente talhadas e ro- da prática educativa quanto para a mudança do contexto
tineiramente aplicadas. “Exige uma capacidade de leitura educacional mais amplo.
atenta dos acontecimentos e sua interpretação como meio Nossa meta consiste em procurar desenvolver, por meio

210 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 211


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

da mediação do grupo, um processo de trocas intersubje- mas (1987a) que


tivas de conhecimento e atitudes individuais e coletivas,
“[...] busca resgatar o potencial de criticidade por meio da ela-
visando a desenvolver alternativas de comunicação, de par- boração de uma teoria ampla da racionalidade [...] [construindo
ticipação, de realização de tarefas comuns e da concreti- uma] aproximação entre teoria e prática e entre conhecimento e
zação de propostas de resolução de problemas da escola, interesse [...]” (ALMEIDA, 2004, p. 50).
considerando o contexto socioeducacional.
O contexto da discussão, os temas emergentes, as pro- Habermas, segundo Carvalho (apud ALMEIDA, 2004)
postas concretas de ação, as produções científicas, as aná- postula a unidade entre conhecimento e interesse. O saber
lises das políticas educacionais, os encontros/desencontros é resultante dos interesses que são desenvolvidos a partir
dos processos vividos ao longo dos encontros, o movimento das necessidades humanas que se constituem em condições
dos grupos constituem os elementos analisados nos estu- históricas e sociais.
dos. Nessa mesma linha, Zemelman (2004) sugere que, como
Além disso, pretendemos analisar quanto a pesquisa- condição prévia à construção do conhecimento, está a von-
ação-reflexivo-crítico-colaborativa pode contribuir em tal tade/necessidade do sujeito de conhecer. Ele argumenta
sentido. Aqui entendida, como nos colocam Carr e Kemmis que existe uma tensão entre conhecimentos circunscritos
(1988), como uma forma de pesquisa para a educação e a objetos e conhecimentos que são construídos a partir de
não sobre a educação. uma necessidade.
Teoricamente, buscamos apoiar-nos em uma aproxima- Além disso, é possível uma auto-reflexão crítica que seja
ção crítica à teoria-prática e temos trabalhado a partir do coletiva, superando a mera interpretação das causas de
enfoque da investigação-ação crítica que, de acordo com questões e problemas, e que aponte alternativas no sentido
Carr e Kemmis (1988, p. 74), é de transformações. A pesquisa educacional crítica conjuga
esforços de “pesquisadores e práticos” na realização da ta-
“[...] uma forma de indagação auto-reflexiva em situações sociais,
refa investigadora, no sentido de transformar as situações
no sentido de melhorar a racionalidade e a justiça de suas pró-
prias práticas, seu entendimento delas e das situações nas quais educativas num compromisso com uma ciência educativa
estas têm lugar”. crítica sem dissociar-se das realidades políticas. “A auto-re-
flexão está determinada por um interesse emancipatório do
Essa abordagem, nos últimos anos, tem produzido um conhecimento. As ciências de orientação crítica partilham-
movimento de “reconceptualização” no âmbito da inves- no com a filosofia” (HABERMAS, 1987b, p. 140).
tigação e tem sido facilitadora de uma compreensão mais
coerente da natureza da teoria e da prática educativa, bus- A pesquisa-ação emancipatória implica três pon-
tos essenciais:
cando transcender a dualidade dos papéis da investigação
• pressupõe-se que os pesquisadores técnicos
e da prática.
(por exemplo, os docentes de uma escola) percebam
Carr e Kemmis (1988) fundamentam-se, principalmente,
o processo educativo como objeto passível de pesqui-
na teoria dos interesses constitutivos dos saberes de Haber-
sa;

212 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 213


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

• pressupõe-se que esses pesquisadores perce- amigos”, colaboradores, ao compartilhar uma pesquisa-
bam a natureza social e as conseqüências de reforma ação-reflexivo-crítico-colaborativa. Esperamos que a cons-
em curso; trução do conhecimento por essa via ofereça possibilidades
• pressupõe-se, enfim, que eles compreendam a todos os sujeitos de verem a si próprios e aos seus colegas
a pesquisa mesma como uma atividade social e políti- como “solucionadores das questões coletivas” que emergem
ca, portanto ideológica (BARBIER, 2004, p. 60). no cotidiano, o que exige novos conhecimentos, competên-
cias e práticas. Parece-nos, assim, que, por essa via, possa-
Uma teoria social crítica surge dos problemas do cotidia- mos contribuir para uma formação mais emancipatória dos
no e se constrói com o objetivo de solucioná-los. “A ciência profissionais da educação, que, a partir da articulação entre
social crítica é um processo de reflexão que exige a partici- o saber teórico e o da prática educativa, possam construir
pação do investigador na ação social que se educa e que os uma outra lógica de ensino que acolha a diversidade.
participantes se convertam em investigadores” (BENEDITO,
apud CARR; KEMMIS, 1988, p. 13). Considerações finais
Na investigação-ação colaborativa, os facilitadores ex- Temos clareza de que o movimento desencadeado por
ternos entram em relação colaborativa com os “práticos” e nossas ações não constitui os únicos disparadores de mu-
ajudam a articular suas próprias preocupações, a planejar danças, mas nossos estudos e outros citados pela literatura
as ações estratégicas para a mudança, a detectar os proble- evidenciam o caráter promissor de ações educativas dessa
mas e os efeitos das mudanças, bem como a refletir sobre natureza.
sua validade e conseqüências. A pesquisa-ação-crítica conjuga esforços de pesquisado-
A natureza colaborativa da investigação-ação oferece res e práticos na realização da tarefa investigadora, no senti-
um primeiro passo para superar aspectos da ordem social do de transformar as situações educativas num compromis-
existente e possibilita a participação de todos por igual, em so com uma ciência educativa crítica sem dissociar-se das
todas as suas fases de planejamento, ação, observação e re- realidades políticas.
flexão. Coloca todos os sujeitos no lugar de construtores do A pesquisa-ação-crítico-colaborativa apresenta alguns
conhecimento, incorporando-os ao discurso, à discussão pressupostos fundamentais. As investigações devem ter
do método, a partir de suas “vontades de conhecer”. O que como ponto de partida o cotidiano da prática educativa,
possibilita que esses se coloquem perante as circunstâncias, conferindo um lugar de simetria a todos os envolvidos,
situem-se em relação às realidades políticas, econômicas e a partir de uma ação coletiva. Além disso, tomam como
culturais, construam uma relação partilhada sobre o conhe- condição atuar em contexto, tendo por base uma perspec-
cimento a partir “[...] da capacidade dos sujeitos historiciza- tiva macrossocial, pressupondo a emancipação pela via da
rem as suas utopias” (ZEMELMAN, 2004, p. 459). formação continuada, esta assumida como estruturante da
Concordamos com Almeida (2004), ao argumentar que profissionalidade docente.
os facilitadores externos, como, em nosso caso, professores Em nossos estudos, temos buscado pensar a formação
e pós-graduandos, devam se colocar no lugar de “críticos- continuada como possibilidade de repensar a escola/prática

214 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 215


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

educativa, bem como analisar as potencialidades de uma


intervenção colaborativa sistemática entre os profissionais 1 ALARCÃO, I. (Org.). Escola reflexiva e nova racio-
da escola e os pesquisadores da universidade. nalidade. Porto Alegre: Artmed, 2001.
Por outro lado, temos que compreender e analisar a di- 2 ALARCÃO, I. (Org.). Escola reflexiva e supervisão:
ficuldade de pôr em prática as inovações propostas pelas uma escola em desenvolvimento e aprendizagem. Porto:
pesquisas, visto que alguns desafios se colocam aos pesqui- Porto Editora, 2000.
sadores no processo do fazer. Dentre esses desafios, desta- 3 ALARCÃO, I. (Org.). Professores reflexivos em uma
camos: a necessidade de lidar com as implicações; o foco escola reflexiva. São Paulo: Cortez, 2003.
nas pessoas em interação; o pesquisador enquanto sujeito 4 ALMEIDA, M. L. Formação continuada como proces-
ativo nas interações; a apreensão de situações buscando so crítico-reflexivo-colaborativo: possibilidades de constru-
os processos de mudança e seus elementos disparadores; ção de uma prática inclusiva. 2004. Dissertação (Mestrado
a impossibilidade de os pesquisadores apreenderem todos em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação,
os processos de transformação das pessoas e dos contextos; Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2004.
os percursos inesperados e os possíveis não- percorridos; a 5 BASTOS, F. P. Pesquisa-ação emancipatória e práti-
aceitação dos conflitos, das oposições e das contradições; o ca educacional dialógica em ciências naturais. 1995. Tese
diálogo contínuo teoria-prática. Estas questões têm orienta- (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Uni-
do as nossas novas buscas recentemente. versidade de São Paulo, São Paulo, 1995.
Acreditamos que a abordagem da prática reflexiva, pela 6 BARBIER, R. A pesquisa-ação. Tradução de Lucie
via da pesquisa-ação-crítico-colaborativa, conforme cons- Didio. Brasília: Liber Livro, 2004.
truída em nossos estudos, tem possibilitado o engajamento 7 CARR, W.; KEMMIS, S. Teoría crítica de la enseñan-
dos participantes em práticas mais críticas, capazes de ar- za: la investigación-acción en la formación del profesorado.
ticular-se ao macrossocial, sem perder de vista as práticas Tradução de J. A Bravo. Barcelona: Martínez Roca, 1988.
da escola concreta. E esperamos que as agências de for- 8 EIZIRIK, M. F. Educação e construção de mundos:
mação, em nosso caso, a universidade, contribuam para o por onde passa a inclusão na escola regular? Revista de Edu-
aprofundamento do debate sobre a ciência como forma de cação, ano 5, n. 7, p. 2-8, out. 2003.
conhecimento e prática social, abrindo caminhos para pers- 9 GIROUX, H. A. Os professores como intelectuais:
pectivas mais amplas, que levem mais longe a investigação rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Tradução
crítica e não a interrompa (SANTOS, 2004), abrindo-se ao de Daniel Bueno. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.
inédito, sabendo pensar a partir do desconhecido, visando 10 GONÇALVES, A. F. S. A inclusão de alunos com ne-
a enfrentar emergências e complexidades diante das inde- cessidades educativas especiais pela via do trabalho coleti-
terminações do real. vo. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa
de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal do
Espírito Santo, Vitória, 2003.
Referências 11 HABERMAS, J. Técnica e ciência como ideologia.

216 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 217


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

Tradução de Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1987. 20 RANGEL, F. A. Mediação pedagógica, interação en-
12 JESUS, D. M. Construindo uma prática diferenciada tre alunos e informática educativa: um estudo sobre a for-
pela via da formação continuada. In: ENCONTRO NACIO- mação de professores da educação infantil na perspectiva
NAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO, 8., 2004, Curi- da inclusão. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação)
tiba. CD-ROM. – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade
13 JESUS, D. M.; GOBETE, G.; ALMEIDA, M. L. Cons- Federal do Espírito Santo, Vitória, 2004.
truindo uma prática diferenciada: o impacto da pesquisa- 21 ROLDÃO, M. do C. A escola como instância de de-
ação colaborativa nas políticas públicas e na formação/prá- cisão curricular. In: ALARCÃO, I. (Org.). Escola reflexiva e
tica dos professores. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM supervisão: uma escola em desenvolvimento e aprendiza-
EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, 6., 2004, Rio de Janei- gem. Porto: Porto Editora, 2000. p. 67-78.
ro. Anais...Rio de Janeiro, UERJ. 2004a. 1 CD-ROM. 22 SACRISTAN, J. G. A construção do discurso sobre a
14 JESUS, D. M.; MARTINS, I. D. R.; MENEGUCI, L. P.; diversidade e suas práticas. In: ALCUDIA, R. et. al. Atenção
SOBRINHO, R. C. Formação Continuada enquanto espaço à diversidade. Tradução de Daisy Vaz de Moraes. Porto Ale-
de produção prática e científica. In: ENCONTRO DE PES- gre: Artmed, 2002. p. 13-38.
QUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, 6., 2004, 23 SANTOS, B. S. (Org.). Conhecimento prudente para
Rio de Janeiro. Anais...Rio de Janeiro: UERJ, 2004a. 1 CD- uma vida decente: um discurso sobre as ciências revistado.
ROM. São Paulo: Cortez, 2004.
15 JESUS, D. M. Educação inclusiva: construindo no- 24 SILVA, M. O. E. da. A análise de necessidades na
vos caminhos. Relatório final de estágio de Pós-Doutorado formação contínua de professores: um contributo para a in-
– USP. Vitória: PPGE, 2002. vestigação e inclusão dos alunos com necessidades educati-
16 MC LAREN, P. Multiculturalismo revolucionário: vas especiais no ensino regular. In: RIBEIRO, M. L. S.; BAU-
pedagogia do dissenso para o novo milênio. Porto Alegre: MEL, R. C. R. de C. (Org.). Educação especial: do querer ao
Artmed, 2000. fazer. São Paulo: AVERCAMP, 2003. p. 53-69.
17 MARTINS, Ines de O. R. Pedagogos, professores e 25 SOBRINHO, R. C. A participação da família de
a construção do trabalho coletivo: busca por uma escola aluno(a)s que apresentam necessidades educativas espe-
inclusivo/reflexivo/crítica. 2005. Dissertação (Mestrado em ciais na escolarização de seus (suas) filho(a)s: construin-
Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, do caminhos. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação)
Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2005. – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade
18 NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. Porto: Por- Federal do Espírito Santo, Vitória, 2004.
to Editora, 2000. 26 ZEMELMAN, H. Sujeito e sentido: considerações so-
19 __________. Formação de professores e profissão bre a vinculação do sujeito ao conhecimento que constrói.
docente. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e sua forma- In: SANTOS, B de S. (Org.). Conhecimento prudente para
ção. Lisboa: Publicações Dom Quixote – Instituto de Inova- uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado.
ção Educacional, 1997. p. 97-121. São Paulo: Cortez, 2004. p.457-468.

218 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 219


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

A EDUCAÇÃO ESPECIAL COMO TEMA DE


REFERÊNCIA NO PROGRAMA DE
PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO
Alexandra Ayach Anache

Introdução
Este texto tem como objetivo principal apresentar as pes-
quisas que estamos desenvolvendo nos últimos cinco anos
junto ao Programa de Pós-graduação de Educação do Cen-
tro de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal
de Mato Grosso do Sul. Nessa oportunidade, entendemos
ser pertinente realizar reflexões sobre o processo de cons-
trução dos conhecimentos que acumulamos enquanto pes-
quisadora e orientadora do referido programa.
Para este fim, optamos, inicialmente em situar o nosso
trabalho, enfocando o processo de construção do espaço
que a educação especial ocupa enquanto eixo temático de
pesquisa na Linha Educação e Trabalho do Programa acima
citado. O percurso será aqui objeto de estudo, uma vez que
ele permitirá reflexões sobre os limites e as possibilidades
da prática de orientar dissertações. Sobre isso, vale citar
Amorim (2002, p. 11) quando afirma que
Toda pesquisa só tem começo depois do fim. Dizendo melhor,
é impossível saber quando e onde começa um processo de re-
flexão. Porém, uma vez terminado, é possível ressignificar o que
veio antes e tentar ver indícios no que ainda não era e que passou
a ser.

Neste sentido, entendemos que todo trabalho de pesqui-


sa envolve um auditório social22 onde estão presentes au-
tores e atores imersos num contexto constituído de normas
22
. O termo auditório social é empregado por Bakhtin (1999, p. 112-113)
com o objetivo de evidenciar a presença das determinações ideológicas
no mundo interno. Assim, a subjetividade de cada pessoa tem marcas
indeléveis da cultura de seu tempo.

220 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 221


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

explícitas e implícitas. Estamos certos de que essas últimas prática que se estabelece no interior da sociedade.
extrapolam os limites deste trabalho e que, portanto, serão A opção por esta área (leia-se educação especial) foi
silenciadas, sem que isso implique ausência de sentido. um processo que foi sendo definido quando trabalháva-
Registre-se que toda construção parte de exigências so- mos como professora em uma instituição que visava aten-
licitadas do social, sobretudo quando estamos tratando de der pessoas que apresentavam deficiência mental (1982
alteridade, pois todo processo de orientação pressupõe in- a 1984). Nessa oportunidade, indagávamo-nos sobre as
tercâmbios entre países, no caso o orientador – pesquisa- possibilidades de aprendizagem dessas pessoas. Encontrá-
dor no país do outro, que definimos como uma viagem de vamos algumas respostas nos laudos psicológicos sobre as
aventura. Aventura, porque partimos da referência de que o impossibilidades de aprender dos alunos com as referidas
outro é o interlocutor do orientador – o orientando. características.
Embora não pretendamos estabelecer uma discussão Criamos de forma empírica alguns caminhos para ensi-
epistemológica do conceito de alteridade, uma vez que ele nar aqueles estudantes, embora a intenção da escola era de
não é central nesse momento, ele perpassará nossas refle- adequação de comportamentos, visto que os alunos da nos-
xões, ora como orientando - pesquisador, ora como pes- sa turma apresentavam distúrbios graves de conduta, além
quisador-orientador. Trata-se de um campo minado, que da deficiência mental23.
apresentaremos através reflexões sobre os limites e possi- Nossa aventura continuou em uma instituição especial
bilidades das nossas pesquisas e do tipo de compromisso para cegos de 1985 a 1990, quando fomos atuar como psi-
social que elas estabeleceram ou ainda estabelecem. cóloga, e lá, dentre as tarefas, tínhamos que apresentar o
diagnóstico psicológico dos alunos. Perguntávamos sobre
O professor – pesquisador: a educação especial a função deste diagnóstico naquele lugar. O que se quer
como tema de referência
saber sobre eles? Dentre as respostas que obtivemos, a que
Iniciamos este percurso com a indagação: Qual é o com-
mais nos inquietou foi aquela que se referia à necessidade
promisso social que estabelecemos com as nossas ativida-
de se atender apenas os sujeitos deficientes visuais24 que
des de pesquisa? Para este fim, é necessário definir o que
não tivessem deficiência mental. Quando a nossa preocu-
estamos considerando como compromisso social, vez que
pação era de compreender como o sujeito aprendia, pois
esse é um conceito que se tornou comum nos discursos aca-
acreditávamos que o diagnóstico psicológico deveria subsi-
dêmicos.
Martínez (2003) nos provoca com essa reflexão quando 23
. Deficiência mental: Caracteriza-se por um funcionamento intelectual
significativamente inferior a média, que coexiste com limitações associa-
questiona o papel do psicólogo na sociedade. Diante dis- das em duas ou mais dasseguintes áreas de habilidade adaptativa: co-
so, considera a temática complexa e, dependendo do modo municação, autocuidado, vida no lar, habilidades sociais, utilização da
comunidade, autodireção, saúde e segurança, habilidades acadêmicas
como é empregada, se apresenta destituída de significado. funcionais, lazer e trabalho. O retardo mental deve manifestar-se antes
Seguindo o raciocínio da referida autora, o compromisso dos dezoito anos de idade. (DSM IV-1992)
24
. Deficiência visual: “É a redução ou perda total da capacidade de ver
social vai sendo constituído por um corpo articulado de co- com o melhor olho e após a melhor correção ótica.” Pode se manifestar
nhecimentos gerados no interior das instituições, sejam elas como Cegueira e visão residual. (Política Nacional de Educação Especial,
1994, p. 16).
acadêmicas ou não. Conhecimentos que resultam de uma

222 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 223


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

diar a equipe pedagógica, porém nossas ferramentas eram construir vários estudos, dentre eles o tema da nossa tese de
insuficientes para o propósito. doutorado, que tratou do uso do diagnóstico psicológico na
Essa inquietação foi sendo amadurecida no programa escola. Problematizamos os laudos e os encaminhamentos
de Pós-Graduação em Educação quando estudamos a edu- para os serviços especiais.
cação de pessoas que apresentavam deficiência visual no A referida pesquisa apresentou algumas indagações sobre
Estado de Mato Grosso do Sul. Entramos em contato com o que estávamos denominando sujeito especial; além disso,
as dificuldades que elas encontravam para ingressarem e discutíamos os limites da abordagem teórica e metodoló-
concluírem o ensino fundamental devido à ausência de po- gica que era empregada para o diagnóstico da deficiência
líticas públicas para a área. mental. Assim fomos delineando dois eixos temáticos orga-
A referida pesquisa teve como principal objetivo discutir nizados em torno do diagnóstico e da prática pedagógica, o
o processo de escolarização do deficiente visual em Mato que implicou o desenvolvimento de discussões conceituais
Grosso do Sul, na perspectiva da educação geral. Dito de a respeito do Sujeito da Especial da Educação, bem como
outro modo, a Educação Especial no contexto da Educação. dos aspectos teórico e metodológico, o que nos possibilitou
Esse percurso nos foi possibilitado pelo materialismo dia- desvelar os determinantes sociais daqueles que a sociedade
lético, perspectiva que estava se anunciando como a mais define como “anormais”.
indicada naquele momento. Aqui vale registrar que o nosso compromisso com a
Sob esta orientação, fizemos um acerto de contas com a Educação Especial foi-se consolidando, ganhando espaço
nossa formação acadêmica, uma vez que ela se pautou nos junto aos interessados em aprofundar seus estudos na área.
princípios da perspectiva Positivista, o que na psicologia se Portanto tentaremos, a partir daqui, discorrer sobre os eixos
apresenta como Behaviorismo. Revisamos a nossa concep- temáticos mencionados, apresentando algumas reflexões
ção de sujeito, de educação, de sociedade, bem como as tecidas com os nossos orientandos.
nossas indagações anteriores sobre se a função das nossas
práticas, antes como professora, depois como psicóloga, era A escolha do referencial teórico
de garantir o staus quo de uma sociedade cujo modo de Entendemos como pertinente discutir sobre os aspectos
relação se pautava nos princípios do capitalismo. Não obs- teórico e metodológico da pesquisa, visando informar aos
tante, entendíamos que as nossas perguntas, que a princípio nossos interlocutores sobre o lugar do qual estamos reali-
pareciam infundadas, ganhavam novos sentidos, demons- zando as análises das informações obtidas em pesquisas dos
trando com isso que quanto maior possibilidade de acesso últimos 5 anos.
aos conhecimentos acumulados pela sociedade, maior foi- O referencial teórico refere-se a um corpo articulado de
se tornando a nossa capacidade de refletir sobre o objeto de conhecimentos que nos imprime uma forma de recortar e
estudo em pauta. analisar as informações obtidas ao longo do processo de
A partir do trabalho citado, investimos em projetos de pesquisa. Nos oferece uma “lente” para estudar o fenôme-
extensão junto aos serviços de educação especial do estado no, sem que isso implique neutralidade. Registre-se que o
de Mato Grosso do Sul, o que nos ofereceu condições de pesquisador precisa explicitar a sua opção, informando os

224 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 225


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

limites e as possibilidades de sua análise, sem a pretensão nhecimento da realidade, e nos possibilita a apreensão do
de oferecer verdades absolutas. Ao contrário, deve construir seu desenvolvimento e automovimento. Assim, todo fenô-
proposições e provocar novas perguntas. meno deve ser analisado em seu devir, observando as suas
Assim, pretendíamos (e pretendemos), através das nos- principais categorias: contradição, qualidade e quantidade,
sas práticas de pesquisas, desvelar aspectos da realidade Na causalidade e necessidade, possibilidade e realidade entre
qual os sujeitos estão imersos, visando com isso à transfor- outras. (KRAPÍVINE, 1986).
mação dela. O nosso compromisso se define Vale registrar que esta perspectiva foi nos encaminhando
para a compreensão de que os esforços de se garantir a edu-
[...] ao mesmo tempo como uma postura, um método de investi- cação de pessoas consideradas especiais guardam estreita
gação e uma práxis, um movimento de superação e de transfor-
mação. Há, pois, um tríplice movimento: de crítica, de construção
relação com a economia vigente. Nesse sentido, Lancillotti
do conhecimento novo e da nova síntese no plano do conheci- (2003) estudou sobre a profissionalização de pessoas que
mento e da ação (FRIGOTTO, 1987, p. 11). apresentam deficiência auditiva, física, mental, múltipla e
visual iniciando o seu percurso pelos artigos produzidos
Nossos esforços foram de garantir junto com os mestran- nas revistas especializadas na área de educação especial,
dos espaços de discussões que nos proporcionassem rever no período de 1988 a 1998, quando a Constituição de 1988
posições, e nesse sentido realizar reflexões sobre as nossas entrava em vigor e assegurava aos deficientes direitos de
atuações enquanto profissionais. Observamos, com isso, acesso ao mercado de trabalho. Nos exemplares analisados,
que a tarefa de orientador é marcada por encontros e de- 5,49% discutem o tema deficiência e trabalho. A maioria
sencontros e, conosco e apesar de nós, os estudantes vão- deles afirma que o trabalho é um direito de todos e se cons-
se encaminhando na árdua tarefa de pesquisar, ao mesmo titui numa das vias de inserção social, por isso a educação
tempo em que vão-se constituindo como pesquisadores em especial deveria proporcionar aos seus alunos essa possibi-
um país que tem pouco suporte para a pesquisa, ou melhor, lidade.
para algumas áreas e métodos de pesquisas. De posse de uma leitura especializada, que também re-
A abordagem materialista-dialética tem oferecido subsí- clama os direitos do deficiente de ingressar no mercado de
dios para implementarmos uma prática de pesquisa preo- trabalho, a autora vai a campo e, cuidadosamente, conse-
cupada com a ética e a estética na formação humana, que gue retirar das empresas que entrevistou informações que
significa que os estudos preliminares exigem uma leitura discutem algumas idéias (defendidas por vários estudiosos
histórica dos fenômenos sociais, sobretudo no que se refere da educação especial) sobre a exclusão do deficiente da
ao objeto de pesquisa em foco. Esse percurso nos permite sociedade, em decorrência de preconceitos difundidos em
analisar as múltiplas determinações da realidade na qual nossa cultura.
ele foi sendo constituído, rompendo com uma leitura de A autora afirma que as determinações da economia na
causa–efeito, o que nos levaria a práticas inquisitórias, com educação também permeiam a educação especial, o que
efeitos paralisantes. lhe permitiu mostrar que as dificuldades de inserção do de-
A dialética se organiza enquanto teoria e método de co- ficiente no mercado de trabalho não podem ser justificadas

226 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 227


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

pela ótica do preconceito. É necessário atentar para o fato no processo de ensino-aprendizagem. Assim, de um modo
de que a exclusão de grandes contingentes de pessoas do geral, as classes especiais localizadas no ensino regular
mercado não é prerrogativa apenas dos grupos minoritários. abrigavam os alunos que fracassaram academicamente, e
Há um grande exército de reserva, no qual essas pessoas os considerados deficientes mais severos estavam receben-
estão incluídas e/ou, ainda, estão em situação de subem- do atendimento em instituições especializadas.
prego, ou seja, trabalhadores com deficiência se encontram Do final do século passado até os dias atuais, as institui-
em oficinas, em trabalhos temporários ou na condição de ções especializadas reclamam atenção para com os estu-
terceirizados. dantes mais comprometidos, uma vez que os menos graves
Se os sujeitos deficientes não possuem garantias de pro- estariam incluídos no ensino regular. Essa situação confirma
gressão funcional e alguns deles ocupam funções que nem a primeira tese.
sempre condizem com o seu grau de escolaridade, ou com Desde a antiguidade clássica, a população tentou dar ex-
sua formação acadêmica, onde estaria a diferença, se com- plicações para as causas das condutas humanas desviantes.
pararmos com as pessoas sem deficiência? A riqueza desta Passamos de atitudes que vão do extermínio à assistência e,
pesquisa é exatamente apontar as contradições advindas hoje, à educação. As confusões conceituais sempre estive-
dessa questão e, segundo a autora, um dos caminhos para ram presentes, como, por exemplo, doença e deficiência e
superar essa árdua tarefa é entender a profissionalização na outras dessa natureza.
perspectiva da sociedade capitalista, onde o discurso da in- Historicamente a preocupação da educação especial é
clusão se esvazia, pois é a exclusão, ou ainda a inclusão com aquelas pessoas que, em decorrências de fatores intrín-
marginal. secos, divergem da maioria da população e, dependendo
Assim, nossa aventura enquanto pesquisador e orienta- da situação, podem precisar de processos especiais de edu-
dor foram nos permitindo, através do conjunto de estudos cação. No período anterior à grande guerra, o termo que se
que reunimos ao longo destes anos, indagar sobre o que se sugere é excepcional, que teve seu uso ampliado.
define como o especial da educação. Tal questionamento Esse termo tentou abarcar as pessoas que possuíam ca-
não se resume em definir em notas de rodapé ou mesmo racterísticas diferenciadas tanto de ordem intrínseca como
em citações os conceitos oficiais sobre pessoas com neces- extrínseca; sobre isso, Bueno (1993, p. 23) afirma que
sidades educacionais especiais, mas de termos compreen-
[...] o termo excepcional passa a ser correntemente utilizado
der como esse construto foi-se delineando no processo de quando a população abarcada pela educação especial se amplia,
organização da sociedade capitalista. envolvendo um amplo espectro de problemas cuja pedra de toque
é o processo de participação/exclusão das camadas populares no
O sujeito especial da educação processo produtivo e que se reflete no fenômeno de integração/
segregação do aluno diferente.
Esta é uma temática que perpassa todos os trabalhos em
que nos envolvemos, e que pretendemos sintetizar. A popu-
Até 1990, o conceito de excepcionalidade mais utiliza-
lação-alvo da educação especial no Brasil desde o século
do é o elaborado por Kirk e Gallagher, que definem o “ex-
XX tem sido os estudantes que não conseguem obter êxito

228 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 229


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

cepcional” como aquele indivíduo que difere dos padrões não porque se revestisse de teor pejorativo, mas porque deixou de
corresponder ao universo das crianças com problemas de escola-
de normalidade e apresentam a seguinte tipologia:
rização produzidos pelas próprias formas de organização social
historicamente construída.
1 desvios mentais, incluindo crianças que são:
(a) intelectualmente superiores e
(b) lentas quanto à capacidade de aprendizado - mentalmente re- Acrescentamos às conclusões de Bueno que o conceito
tardadas;
de excepcional, ainda que seja mais preciso, traz em seu
2 deficiências sensoriais, incluindo as crianças com
(a) deficiências auditivas e bojo aspectos contraditórios, na medida em que, ao ten-
(b) deficiências visuais; tar assegurar oportunidades educacionais aos sujeitos assim
3 desordens de comunicação, incluindo as crianças com descritos, estabelece como condição necessária para a vida
(a) distúrbios de aprendizagem e
(b) deficiências de fala e da linguagem;
social um conjunto de normas, que devem ser compartilha-
4 desordens do comportamento, incluindo: das por seus componentes, visando à adaptação social.
(a) distúrbio emocional e Deste modo, o conceito de excepcional que esta socie-
(b) distúrbio social; dade incorporou se enclausurou na norma, por enfatizar o
5 deficiências múltiplas e graves, incluindo várias combina-
ções: paralisia cerebral e retardamento mental, surdez e cegueira, sujeito pelos seus déficits. Nesse sentido, podemos afirmar
deficiências físicas e intelectuais graves etc (KIRK; GALLAGHER, que o termo necessidades educacionais especiais, preconi-
1987, p.5). zado no Informe de Warnock (1978) pretendeu redimensio-
nar essa posição, porque buscou atender qualquer pessoa
O uso deste conceito guarda estreita relação com a am- que necessitasse de recursos educativos especiais.
pliação das oportunidades educacionais para as camadas O termo Necessidade Educativas Especiais foi utilizado
populares, e a educação especial, ao assumir a população pela primeira vez em 1978 e se aplica àqueles sujeitos que
excepcional, acaba por legitimar a sua participação através apresentam algum problema que incide em seu processo
da segregação, na medida em que a maioria das pessoas de escolarização, problemas que demandam uma atenção
atendidas nas classes especiais situadas no ensino regular mais específica e mais recursos educativos do que os de-
apresentava diagnósticos indicadores de retardo mental mais companheiros da idade de referência do estudante.
leve. Registre-se que esse grupo de perfaz 85% população Acreditamos que o termo problema não seja mais adequa-
de pessoas com retardo mental. Sobre este aspecto, Bueno do, porque na maioria dos casos atrela as características do
(1993, p. 40) contribui com a seguinte afirmação: aluno, como, por exemplo, a deficiência visual, auditiva, a
uma situação problemática. Note-se que assim se tornará,
[...] o termo mais preciso para designar os que deveriam receber
atendimento escolar especializado foi, até determinado momen- se o meio educacional não conseguir dar respostas a estas
to histórico, o termo deficiente, porque era este efetivamente o pessoas.
indivíduo encaminhado para instituições especializadas. A partir Portanto, estudantes com necessidades educacionais es-
de determinado estágio do desenvolvimento das sociedades capi-
talistas modernas, outros problemas que não as deficiências pas-
peciais são aqueles que necessitam programas e recursos
saram a ser produzidos pelas suas próprias contradições, fazendo individualizados, ambos necessários para oferecer condi-
com que essa designação não mais correspondesse à realidade, ções de ensino e de aprendizagem adequados. No Brasil,

230 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 231


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

consideram-se educandos com necessidades educacionais inerente ao ser humano.


especiais Sobre isso, vale registrar que, em nossas pesquisas, a
questão da não-aceitação do diverso faz parte do cenário
[...] os que, durante o processo educacional, apresentarem: das instituições especializadas, quando agrupam os estu-
I- dificuldades acentuadas de aprendizagem ou limitações no pro-
cesso de desenvolvimento que dificultem o acompanhamento das
dantes em salas pelo nível de gravidade da deficiência. Esse
atividades curriculares, compreendidas em dois grupos: nivelamento é referendado pelos diagnósticos emitidos pe-
a) aquelas não vinculadas a uma causa orgânica específica; los profissionais de saúde, dentre eles o do psicólogo.
b) aquelas relacionadas a condições, disfunções, limitações ou de- O termo educação especial vem sendo divulgado a partir
ficiências;
II- dificuldades de comunicação e sinalização diferencia- de 1960, às vezes com o propósito de substituir o uso do
das dos demais alunos, demandando a utilização de linguagens e termo pedagogia terapêutica ou compartilhando do mesmo
códigos aplicáveis; campo. A especificidade de sua atuação acaba por ser dita-
III- altas habilidades/superdotação, grande facilidade de
da pelo modelo biomédico, com a finalidade de adaptar as
aprendizagem que os leve a dominar rapidamente conceitos, pro-
cedimentos e atitudes (RESOLUÇÃO CNE/CEB N.º 2 de setembro intervenções às peculiaridades dos déficits diagnosticados.
de 2001). A nossa hipótese, nessa perspectiva, é que o especial rela-
ciona-se mais com as diferentes especialidades imbricadas
Mais do que a tentativa de transpor a visão classificató- nas diversas disciplinas que compõe seu campo de referên-
ria, as nossas práticas denunciam as dificuldades em torno cia do que com o processo de ensino-aprendizagem.
da identificação das necessidades dos estudantes, que ainda Leia-se ensino-aprendizagem como processos que cir-
continuam sendo considerados incapacitados e, portanto, cunscrevem um contexto institucional, interpretado em
são alijados do processo educacional, uma vez que nem a termos de comunicação humana, tendo como principal
educação especial e nem as escolas de ensino regular con- característica a intencionalidade, e nele se desenrolam es-
tinuam trabalhando na perspectiva da homogeneização de tratégias necessárias para possibilitar a aprendizagem. (PLA,
suas turmas. 1993 apud MÁRTINEZ; SUÑÉ, 1999).
Assistimos, durante o século passado, à proliferação de A partir de 1980, paulatinamente, a educação especial
instituições para deficientes cada vez mais especializadas. vai conquistando o seu espaço, despreendendo-se da idéia
Elas foram-se organizando em torno da deficiência. Nessa de curar e abrindo possibilidades para a implementação de
perspectiva, o conhecimento médico, bem como o psicoló- apoios necessários para possibilitar o máximo de desenvol-
gico, é de caráter normativo, confere à educação o status de vimento global do educando. Sobre isso, Mártinez e Suñé
especial. Explicado melhor, tudo indica que o especial da (1999, p. 63) informam que a Educação Especial, em seu
educação se configura em torno da norma e não da diversi- processo de progressiva construção e consolidação como
dade. Leia-se diversidade como um processo de identifica- disciplina autônoma, mas não independente, teve seu es-
ção da pessoa tal como ela se apresenta, e não como se de- paço disciplinar reorientado na medida em que passa a ter
sejaria que ela fosse. Insistimos que no mundo há diferenças como interesse prioritário o estudo dos processos de ensino-
e não igualdades. Portanto, ser diverso é uma característica aprendizagem das pessoas que apresentam necessidades

232 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 233


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

educacionais especiais, seja na instituição especializada, sentido clássico, através de um exame auto-reflexivo acerca
seja na escola de ensino regular. dos limites e da validez do conhecimento da própria edu-
Esta orientação permitirá entender que especial não po- cação especial.
derá centrar-se nos objetivos que a educação pretende e, O marco de referência diferente requer um árduo exer-
portanto, dispensa adjetivos. Há que se preocupar, sim, cício de formação humana que envolve a todos, que não se
com as estratégias para se conseguir efetivá-los junto aos finda com a pós-graduação, mas que pode se iniciar por e
estudantes com necessidades educacionais especiais. Nes- com ela.
se sentido, a educação especial pode se confundir com a
didática especial, uma vez que essa se refere as questões 2.3 Algumas considerações sobre o marco de re-
ferência diferente...
de ensino de uma determinada matéria ou ainda didática
Cabe registrar aqui as apropriações realizadas por nós de
diferenciada conforme (LOPES MOLERO, 1990 apud MAR-
algumas interrogações deixadas por nossos orientandos no
TÍNEZ E SUÑÉ, 1999).
percurso de suas pesquisas. Elas foram imprescindíveis para
Aqui vale referendar Martínez e Suñé (1999) quando lo-
que pudéssemos refletir sobre a tarefa de orientar. Aprende-
calizam a didática, considerada como uma teoria do pro-
mos com Amorim (2001) que a relação entre o pesquisador
cesso de ensino-aprendizagem que deve fundamentar-se na
e seu outro é uma relação de hospitalidade, o que implica
perspectiva da educação para a diversidade, orientando-se
a construção de um corpus de conhecimentos que, em sua
dentro de concepções curriculares mais amplas e flexíveis,
forma mais acabada (porém, não final), pode ser denomina-
de diversificação de estratégias de ação, de processos de
do de científico.
investigação educativa, de formação de professores e de
Essa situação se inicia na delimitação do objeto, quando
avaliação, entre outros. Diante do exposto, entendemos
temos que lidar com a diversidade dos temas apresentados
que educação (especial) e didática são distintas, mas devem
pelos mestrandos. Encontramos dificuldades para definir,
estar em diálogo permanente.
junto com eles e com a comunidade acadêmica, o nosso
Isso nos autoriza a afirmar que as questões da educa-
objeto de estudo, pois em nossa Instituição éramos “rotula-
ção especial não podem ser reduzidas apenas a estratégias
da” como a professora que entendia de educação especial
e métodos de ensino, ou mesmo à normatização de quem
e, por conseguinte, de todas as pessoas consideradas espe-
será sua população-alvo, mas há outros aspectos que preci-
ciais.
sam de aprofundamentos que extrapolam os limites do dito
A generalização observada nos motivou a construir es-
específico, leia-se o sujeito com necessidades educacionais
tratégias de trabalho que pudessem permitir aos nossos par-
especiais.
ceiros possibilidades de estudos sobre os diferentes cam-
O progresso da educação especial exigirá um marco de
pos da educação especial. Envidamos esforços para nos
referência diferente, ou seja, requer que ela tome seriamen-
integrarmos em diferentes linhas de pesquisa. Essas linhas
te as críticas apresentada a seu conhecimento teórico e apli-
de pesquisa são: Estado e Políticas Públicas de Educação,
cado e, em conseqüência, contra suas suposições assumi-
Educação e Trabalho e Educação, Cultura e Disciplinas Es-
das como um fim em si mesmo. Isso exigirá uma crítica no
colares.

234 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 235


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

Os diferentes recortes que elegemos como foco de nos- destino humano. O futuro permanece aberto e imprevisível. Com
certeza existem determinantes econômicas, sociológicas e outras
sas pesquisas integram os projetos das referidas linhas, o
da história, mas estas encontram-se em relação instável e incerta
que tem proporcionado uma experiência ímpar junto aos com acidentes e imprevistos numerosos, que fazem bifurcar ou
colegas de Programa. Os projetos de nossos orientandos fo- desviar seu curso.
ram fundamentais para que pudéssemos discutir as especifi-
cidades sem perder de vista a totalidade do fenômeno, bem Ao sermos flagrados nessa condição, o máximo que po-
como para estabelecermos interlocuções com as diferentes demos fazer enquanto orientador é enfrentar as incertezas,
linhas de pesquisa. sobretudo quando se trata do processo de aprendizagem de
Os trabalhos de Lancillotti (2003), Bittelbrunn (2003), pessoas que apresentam retardo mental. O enfrentamento
Fonseca (2003) e Martins (2005) podem ser citados como nos permitiu construir novos caminhos para a compreensão
exemplos, uma vez que seus objetos de estudo necessita- desse fenômeno, o que exigiu de todos os envolvidos ruptu-
vam de fundamentos da linha de pesquisa Estado e Políti- ras com valores, crenças e práticas instituídas. Esse processo
cas Públicas, para compreender os fatores determinantes no encontrou vários desafios, como o tempo destinado à con-
processo de construção dos programas destinados à educa- clusão dos trabalhos, bem como a disponibilidade interna
ção de pessoas com necessidades educacionais especiais. para a transformação.
Esse exercício exigiu dos orientandos disponibilidade Respaldados no pressuposto de que a aprendizagem é
para o diálogo, visto que em muitas situações eles(as) espe- um longo percurso de transformação com o outro e que,
ravam do orientador respostas imediatas para os problemas para isso, é necessário quebrar as cristalizações sobre as
delineados e às vezes não explicitados nos seus projetos de concepções a respeito dos diferentes modos de conceber
pesquisas. Suspeitamos que essa expectativa pôde ser gesta- a educação de pessoas consideradas deficientes, devemos
da nos contratos estabelecidos entre nós no âmbito da pós- reconhecer as ambigüidades de nossas práticas, que ao
graduação. Explicando melhor: os acadêmicos esperam que mesmo tempo em que incluem os estudantes, os excluem
a orientação seja um guia ou, de forma exagerada, um ma- pela sua ineficiência acadêmica diante dos considerados
nual de dissertações e teses. Não obstante, a nossa formação “normais”.
acadêmica, de certa forma, contribuiu para que reforçásse- Juntamente com nossos orientandos, aferimos a urgência
mos essa postura, gerando no percurso da orientação al- de construir métodos de avaliação do processo de ensino
guns impasses diante do inesperado e do imprevisto. Desse e aprendizagem de estudantes que foram silenciados pelos
modo, reconhecemos que essa atividade é um encontro de rótulos. Silêncio que se manifestou na ausência de explica-
incertezas. Encontramos respaldo para nossas inquitações ções sobre as possibilidades de aprendizagem dos sujeitos
na seguinte afirmação de Morin (2000, p. 80-81): pesquisados, o que consideramos como um limite de nossas
orientações.
O século XX descobriu a perda do futuro, ou seja, a imprevisibi-
lidade. Essa tomada de consciência deve ser acompanhada por Na perspectiva histórico-cultural, as funções da aprendi-
outra, retroativa e correlativa: a de que a história humana foi e zagem não estão especificamente limitadas à aquisição de
continua a ser uma aventura desconhecida. Grande conquista da habilidades. Elas contêm uma organização intelectual que
inteligência seria poder enfim se libertar da ilusão de prever o

236 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 237


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

permite a transferência de um princípio geral descoberto de aprendizagem raramente consideram a versão dos estu-
durante a solução de uma situação para outras tarefas ou dantes – nós falamos por eles. A referida autora contribui
situações. Nesse processo, há uma articulação entre os as- com a seguinte análise sobre o processo de escolarização:
pectos interpsíquico e intrapsíquico. A avaliação do proces-
[...] se, por um lado a escolarização de alunos jovens e adul-
so de aprendizagem do sujeito exige uma abordagem sistê- tos com deficiência mental caminha a passos lentos em relação
mica, sendo que a unidade de estudo deve ser a atividade ao avanço de procedimentos didático/pedagógicos – sendo estes
psicológica em toda a sua complexidade. Desse modo, a abundantes e eficazes nas retóricas dos projetos educacionais,
busca de significado e de sentido exerce papel fundamen- mas pouco efetivados na prática do cotidiano escolar – por outro
lado, mesmo que ainda como elemento principal da metodolo-
tal, especificamente em sua configuração ontogenética. gia a prática seja fragmentada e tradicional, os referidos alunos
Martínez (2005) apresenta-nos a teoria da subjetividade estão se apropriando da leitura e da escrita dentro de suas reais
em uma perspectiva histórico-cultural, construída por Gon- possibilidades e transformando e enriquecendo sua vida social
(FONSECA, 2003, p. 108).
zález Rey (1997, 1999, 2003) como fundamento necessário
para que os profissionais atuem em uma proposta de cons-
trução de novas formas de pensar o processo de ensino, in- Na interlocução com Fonseca (2003), entendemos que,
cluindo as pessoas com deficiência. Nos dizeres da autora, para compreender as reais possibilidades de aprendizagem
dos alunos, seria necessário considerar os aspectos próprios
Na nossa opinião consideramos importante que se operem mu- de sua subjetividade, colocando em cheque os métodos de
danças, além, logicamente, da própria representação da inclusão avaliação mais utilizados, com base na previsão de uma pa-
escolar, conceber a deficiência como uma construção social e
não como algo intrínseco ao sujeito, enxergar o contexto escolar dronização de respostas verbais que exigem conhecimentos
como um sistema social complexo de aprendizagem e desenvol- advindos de experiências nem sempre vividas pelos sujei-
vimento dos alunos que dele participam (MARTÍNEZ, 2005, p. tos estudados, e cujos resultados condicionam a aprovação
98).
para a série seguinte.
Essa situação motivou-nos a buscar estudos que pudes-
Nesse sentido, o nosso trabalho tanto como pesquisado- sem oferecer fundamentos para a construção de uma outra
ra quanto como orientadora visou e visa participar, e mes- forma de encaminhar o processo de avaliação educacional
mo articular, projetos que venham atender às expectativas pautado nos princípios da epistemologia qualitativa, que
de aprendizagem dos estudantes no interior das instituições compreende os processos de aprendizagem como função
escolares. A título de exemplo, Fonseca (2003, p. 108), ao constituinte da subjetividade humana e que é definida por
dar voz aos estudantes jovens e adultos com deficiência Gonzalez Rey (2003b, p. 172-73) como
mental, nos ofereceu oportunidade de ouvir a versão deles
sobre a sua experiência na escola no Programa de Educação [...] um sistema em desenvolvimento permanente, implicado
de Jovens e Adultos do Ensino Fundamental. Essa opção in- sempre em condições de sua produção, embora com uma estabi-
dica transformações nos modos de encaminhar a pesquisa lidade que permite definir os elementos de sentido constituintes
das configurações dominantes do sujeito em relação às principais
sobre o sujeito que apresenta qualquer tipo de deficiência. atividades e posições que o ocupam em cada momento concreto
Note-se que tradicionalmente os estudos sobre o processo da vida.

238 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 239


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

1991. 133p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro


Ainda nessa direção, Martínez (2005, p. 100) afirmou de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de
que a aprendizagem, na perspectiva da subjetividade, é Mato Grosso do Sul.
4 _______. Diagnóstico ou Inquisição? Estudo sobre o
[...] uma função do sujeito psicológico, exercida a partir das suas uso do diagnóstico psicológico na escola. São Paulo, 1997.
configurações subjetivas, constituídas historicamente, e dos senti-
dos subjetivos gerados na relação altamente singularizada preci-
Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia,
samente pela mediação das configurações subjetivas dos sujeitos Universidade de São Paulo.
envolvidos nela. 5 BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem.
Tradução Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo:
Esta abordagem vem reafirmar que a orientação é uma Hucitec, 1999.
atividade compartilhada entre professor e aluno(a) que pro- 6 BITTELBRUNN. I. B. A. O silêncio da escola públi-
picia a ambos o desenvolvimento da autonomia do sujeito ca: um estudo sobre os programas de atendimento aos alu-
para que ele consiga compreender que o futuro permanece- nos com indicadores de superdotação no Estado de Mato
rá aberto e imprevisível. Flagrados nessa condição, acredita- Grosso do Sul. 2003. 180 f. Dissertação (Mestrado em Edu-
mos que a transformação ocorreu em nós, pois, atualmente, cação) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
envidamos esforços para romper com a idéia de orientação 7 BRASIL. Secretaria de Educação Especial. Política
tutelada. Nesse sentido, acreditamos que alguns caminhos Nacional de Educação Especial. Livro MEC/SEESP. Brasília,
já foram apontados, mas ainda temos muito pela frente. So- 1994.
bretudo quando se trata de deficiências mais severas, de- 8 BRASIL. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes
mandando construções de pesquisas que colocam em sus- Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica.
peita os discursos cristalizados e supostamente verdadeiros MEC/SEESP. Brasília, 2001.
de práticas inflexíveis que pouco têm contribuído para o 9 BUENO, J. G. S. Educação Especial Brasileira. São
sucesso do ensino e da aprendizagem dessas pessoas. Paulo: EDUC, 1993.
10 FONSECA, M. V. de A. da. Versões e Inserções: a
educação de jovens e adultos com deficiência visual. 2003.
Referências 160 f. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós-Gradua-
1 AINSCOW. M. Educação para todos: torná-la uma ção em Educação) - Universidade Federal de Mato Grosso
realidade. In: AINSCOW. M, et. al. Caminhos para as es- do Sul.
colas inclusivas. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 11 FRIGOTTO, G. O enfoque da dialética materialista
1997. histórica na pesquisa educacional. ANAIS DO ENCONTRO
2 AMORIM, M. O pesquisador e seu outro – Bakhtin REGIONAL DE PESQUISA SUDESTE. Vitória, 1987.
nas ciências humanas. São Paulo: Musa, 2001. 12 GALLAGHER, James J. Educação da Criança Excep-
3 ANACHE, A. A. Discurso e Prática: a educação do cional. Tradução Marília Zanella Sanvicente. 2. ed. bras.
deficiente visual em Mato Grosso do Sul. Campo Grande, São Paulo: Martins Fontes, 1991.

240 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 241


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores Pesquisa e Educação Especial: mapeando produções

13 GONZÁLEZ REY, F. L. La investigación cualitativa cial: desafios para a formação do psicólogo. In: BOCK, A.
en psicología: rumbos y desafíos (1999). São Paulo: Editora M. B. (org.). Psicologia e o Compromisso Social. São Paulo:
da Pontifícia Universidade de São Paulo. Cortez, 2003. p. 143-160.
14 ________. Epistemología cualitativa y subjetividad. 26 ________. (2005). Inclusão escolar: desafios para o
(1997). São Paulo: EDUC. psicólogo. In. MARTÍNEZ, A M. (Org.) Psicologia escolar e
15 ________. Sujeito e Subjetividade (2003a). São Pau- compromisso social. Campinas, São Paulo: Alínea Editora,
lo: Thomson-Pioneira. pp. 95 –114.
16 ________. A questão das técnicas e os métodos na 27 MAZZOTTA, M. J. Identidade dos alunos com ne-
psicologia: da medição à construção do conhecimento cessidades educacionais especiais no com texto da Política
(2003b). In. Bock, A. M. B. (Org.). Psicologia e compromis- Nacional Brasileira. Revista Movimento, Niterói, Editora da
so social. São Paulo: Cortez, (pp.163-182). Universidade Federal Fluminense, n. 7, 2000.
17 JANNUZZI, M. G. A luta pela educação do deficien- 28 MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação
te mental no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. do futuro. São Paulo, Cortez, 2000.
São Paulo: Autores Associados, 2004. 29 SKIRTIC, M. T. La crisis en conocimiento de la edu-
18 KRAPÍVINE, V. O que é materialismo dialético. Tra- cación especial: una perspectiva sobre la perspectiva. In:
dução G Mélnikow. Moscovo: Edições Progresso, 1986. FRANKLIN, M. B. (Org.). Interpretación de la discapacidad
19 LANCILLOTTI, P. S. S. Deficiência e Trabalho. Cam- – Teoria y historia de la educación especial. Barcelona: Edi-
pinas: Autores Associados, 2003. ciones Pomares. 1996.
20 LURIA, A. R. et. al. Psicologia e Pedagogia - bases 30 VYGOTSKY, A. S. A formação social da mente. Tra-
psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. São dução: José Cipola Neto, Luis Silveira Menna Barreto, So-
Paulo: Moraes, 1991. lange Castro Afeche . São Paulo: Martins Fontes, 1984.
21 MANUAL DE DIAGNÓSTICO E ESTATÍSTICA DE 31 ________. Fundamentos de defectologia. Habana:
DISTÚRBIOS MENTAIS. D.S.M. IV - R. Tradução Dayse Ba- Editorial Pueblo. 1989.
tista; revisão técnica: Alceu Fillman; consultoria: Miguel R.
Jorge. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
22 MARTINS, P. J.; SUNÉ V. M. de. Educación especia:
la educacion en la diversidad. Granada: Ediciones Aljibe, Anexo 1 - Orientações de Dissertações concluí-
1999. das no Programa de Pó-graduação em Educação
23 MATA, F. S. Educación Especial (enfoques concep-
tuales). Granada: Grupo Editorial Universitário, [s.d.]. 1. Vera Lúcia Penzo Fernandes. A imitação no proces-
24 MARTINS. E. A. Os alunos surdos no Ensino Regular so de aprendizagem do ensino de arte. 2005. 100 f. Dis-
na versão dos professores. 2004. Dissertação. (Mestrado em sertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal
Educação) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. de Mato Grosso do Sul, Coordenação de Aperfeiçoamento
25 MARTÍNEZ, A. M. Psicologia e Compromisso So- de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Alexandra Ayach

242 EDUFES 2012 1ª Edição Digital 243


Denise Meyrelles de Jesus, Claudio Roberto Baptista e Sonia Lopes Victor Organizadores