Você está na página 1de 6

FACULDADE ESTÁCIO DE SERGIPE – ESTÁCIO FASE

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL

1. Identificação

- Aluno: Alice.Andreia Cruz Santos. Matrícula: 201501151355. CRA: 7,6.


- Curso: Engenharia Civil Unidade: Faculdade Estácio de Sergipe. Previsão de conclusão do curso: 2019.2

- Aluno: Rayssa Batista da Fonseca. Matrícula: 201509422201. CRA: 8,1.


- Curso: Engenharia Civil Unidade: Faculdade Estácio de Sergipe. Previsão de conclusão do curso: 2019.2

- Orientador: Mércia Maria Pinheiro Gambarra CPF: 95424768504


- Relatório: final (X) parcial ()
- Título do projeto de pesquisa: Estudo do modulo estático de elasticidade de concreto produzido com PET reciclável.
- Data do início do projeto de pesquisa: Agosto/2017
- Período a que se refere o relatório apresentado: de Agosto/2017 a Agosto/2018

2. Desenvolvimento do relatório técnico-científico do aluno

O Polietileno tereftalato (PET) é um polímero termoplástico que na natureza pode durar até 80 anos, trazendo grandes danos
ao meio ambiente. Uma alternativa possível para a destinação final desse resíduo é a reciclagem que tem encontrado várias
utilidades e uma delas é a sua utilização na construção civil que além de trazer benefícios ambientais, podem trazer, também,
benefícios econômicos. Neste sentido este estudo foi elaborado com a finalidade de avaliar a influência da introdução de
PET reciclável, em substituição ao agregado miúdo, na produção de concreto a partir da análise do modulo estático de
elasticidade, baseado na resistência à compressão, com o intuito de pesquisar tecnologias alternativas para a construção
civil, que possam trazer benefícios sociais, econômicos e ambientais. Para a construção deste trabalho será realizada, revisão
bibliográfica, produção e moldagem de concreto - com a incorporação de PET reciclável, observando a normatização
contida na ABNT NBR 5738/2015 e, por fim determinação do módulo estático de elasticidade, conforme a ABNT NBR
8522/2008. Os resultados obtidos com a pesquisa serão utilizados na produção de artigo científico e orientação de futuras
aplicações deste tipo de concreto.
Metas (Em caso de relatório parcial)

As metas propostas no cronograma do projeto original foram cumpridas, sendo listadas a seguir:

Agosto/2017 a outubro/2017: revisão da literatura e reuniões semanais com o orientador visando um


aprofundamento teórico do tema estudado e, com isso, definir melhor a metodologia do projeto de pesquisa para
poder desenvolver o projeto.

A bibliografia lida no período trata da utilização e o reaproveitamento de resíduos na construção civil vêm contribuir
para o desenvolvimento sustentável do setor, tal como uso da areia de PET no concreto (2006), Reciclagem de PET,
visando a substituição do agregado miúdo no concreto (2014), Analise da produção de concreto com adição de PET
(2016), O efeito do uso de partículas de tereftalato de polietileno em Propriedades relacionadas ao fortalecimento
do concreto (2016) além de diversos sites na internet com informações sobre a utilização do Pet na construção civil.

AZHDARPOUR, A. M.; NIKOUDEL, M. R.; TAHERI, M. The effect of using polyethylene terephthalate
particles on physical and strength-related properties of concrete; a laboratory evaluation, A.M. Azhdarpour
et al. / Construction and Building Materials 109 (2016) 55–62

ALMEIDA, M. O.; FERRARI JÚNIOR, M. J.; DE OLIVEIRA, D. D.; OLIVEIRA, R. K.; SONCIM, S. P.;
ATHAYDE JÚNIOR, G. B., Uso de Areia de PET na Fabricação de Concretos, ICTR 2004 – Congresso
Brasileiro de Ciência e Tecnologia em Resíduos e Desenvolvimento Sustentável, Costão do Santinho –
Florianópolis – Santa Catarina, 2004.

CORREA, P. M. Reciclagem de PET, Visando a Substituição do Agregado Miúdo no Concreto Leve, IX


Simpósio Internacional de Qualidade Ambiental, Porto Alegre, 2014.

DE OLIVEIRA, F. A. D.; SENA, J. N.; ARAÚJO, M. L.; SILVA NETO, R. M. Análise das Propriedades
Mecânicas de Concreto Produzido com Fibras de PET (Polietileno Tereftalato), VII Congresso Brasileiro de
Gestão Ambiental, Campina Grande/PB, 2016

MOURA, N. B.; VENQUIARUTO, S. D.; Influência da Substituição Parcial da Areia de PET na Durabilidade
e Propriedades Mecânicas de Concretos, Anais do 8º Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão –
Universidade Federal do Pampa, 2011.

OLIVEIRA, F. A. D.; SENA, J. N.; ARAÚJO, M. L.; NETO, R. M. D. Analise das propriedades mecânicas de
concreto produzido com fibras de PET (polietileno tereftalato). VII Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental,
Campina Grande – PB, 2016.

OZBAKKALOGLU, T.; GU, L.; GHOLAMPOUR, A. Propriedades mecânicas de curto prazo de concreto
contendo agregados grossos de polipropileno reciclado sob temperatura ambiente e elevada, Artigo na Journal
of Materials em Engenharia Civil, 2017

PEREIRA, J. R. Análise da Produção de Concreto Auto Adensável (CAA) e da Adição do Pó de Politereftalato


de Etileno (PET) Reciclado, Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Limeira 2016.
PIETROBELLI, E.R. Estudo de Viabilidade do PET Reciclado em Concreto Sob Aspecto da Resistência a
Compressão. Trabalho de Monografia II – Curso de Engenharia Civil, Universidade Comunitária da região de
Chapecó, UNOCHAPECO, Chapecó, 2010.

SANTOS, S.; BORBA, A. C.; PEDRONI,G. C.; PADILHA, V. Z. Viabilidade da produção de concreto com
areia de PET e substituição parcial de cimento por cinza da casca do arroz. CONTECC – Congresso Técnico
Científico da Engenharia e da Agronomia, Fortaleza – CE, 2015

Novembro/2017 a janeiro/2018: início do projeto com a coleta e preparação da matéria prima, onde pretende-se
obter, em media, 50 kg de PET, utilizando lixadeira disponibilizada no laboratório da instituição.

Figura 1 – Preparação da material prima (lixamento de garrafas PET recicláveis)

Apresentação parcial, em banner, do projeto nos eventos: I SEPEX Estácio de Sergipe e Mostra de Iniciação
Cientifica da Semana de Engenharia.
Figura 2 – Participação na I SEPEX e na Mostra de Iniciação Cientifica da Semana de Engenharia.

Fevereiro/2018 – Elaboração do relatório parcial.


Março/2018 a maio/2018 – Continuamos a lixar as garrafas PET mas vimos que não estávamos conseguindo material
suficiente para a realização dos corpos de prova. Com a quantidade que obtivemos, peneiramos no peneirador mecânico
utilizando as peneiras #10, #40, #60 e o fundo e coletamos o material que ficou retido na peneira #60 e o fundo.

Figura 3 – Preparação e o peneiramento da matéria prima.

Junho/2018 a julho/2018 - Com o material que coletamos no peneirador mecânico, pesamos na balança de pressão e
observamos que seria possível realizar a caracterização do material (pó de PET) através do DRX (Difração de raio x)
no Laboratório da Universidade Federal de Sergipe com a ajuda do Professor Cochiran Santos, com ele poderíamos
observar quais componentes está presente no material de pó de pet e verificar se existe qualquer possibilidade de ser
utilizado na fabricação do concreto convencional sendo substituído parcialmente no agregado miúdo. Utilizamos como
medidas no DRX: 40 kv, 40 Ma, ângulo DE 10 a 79.9994 teta e um tempo de 200 s.
Agosto/2018 - Elaboração do relatório final.
3. Resultados e discussões
Após ralar algumas garrafas e verificar que não conseguiríamos material suficiente para a fabricação dos
corpos de prova, pois passamos mais de três meses ralando e só conseguimos 500 g desse material. Analisamos
que não seria viável continuar ralando e que com o pouco do material que conseguimos coletar, iríamos pelo
menos conseguir fazer caracterização através do DRX. Realizada a caracterização, observamos através dos
picos no gráfico que no material continha sílica, material cristalino.

Figura 4- Aparelho de difração de raio x.

4. Conclusão
De acordo com resultado dado pela caracterização de que o material possui sílica na sua composição, analisamos
que é viável a fabricação do concreto substituindo parcialmente pelo pó de pet, pois a sílica no concreto ajuda na
redução da permeabilidade, melhora o desempenho mecânico e as condições de reforço de proteção contra
corrosão.

5. Auto-avaliação do aluno (preenchimento obrigatório)

O projeto de iniciação cientifica trás, para nos alunos, uma grande oportunidade de aprendizado, com possibilidades
de publicações e apresentações em congressos, e preparação para a vida profissional. Além disso, o tema do
trabalho, com o seu aprofundamento, poderá vir a ser utilizado como trabalho de conclusão de curso. Desta forma
avaliamos a oportunidade de realização de uma pesquisa cientifica, como estimulante e gratificante diante do
aprendizado proporcionado.

6. Parecer do Orientador (preenchimento obrigatório)

Os alunos corresponderam ao esperado para o período de desenvolvimento do projeto estando dentro do cronograma
proposto, devendo agora proceder com a produção, moldagem dos corpos de prova, ensaios e análise dos resultados.
Data e nome do Orientador
19 de Fevereiro de 2018,

Mércia Maria Pinheiro Gambarra

Parecer do Comitê Institucional de Iniciação Científica


(CIIC) Atribuir para os tópicos abaixo notas de 1 a 5 com a seguinte equivalência:
= muito bom; 4 = bom; 3 = regular, 2 = fraco; 1= insuficiente.

5 4 3 2 1

Etapa cumprida no relatório apresentado

Plano de trabalho original apresentado no início da pesquisa (aplica-se no caso de relatório parcial)

A evolução do projeto permite prever sua conclusão dentro do prazo previsto?

Sim [ ] Não [ ], Comente no espaço abaixo

Avaliação do CIIC:

[ ] Relatório recomendado - [ ] Relatório não recomendado


Breve justificativa: (preenchimento necessário)

Data e nome do parecerista