Você está na página 1de 7

Os fariseus sabem que Jesus está ensinando sobre o reino vindouro, e que ele pretende

desempenhar um papel em sua introdução. Mas eles também sabem que o ministério de Jesus
não Assemelha-se ao ministério do reino que eles esperam. Por essa razão, eles pedem que
você explique seu ensino sobre o reino vindouro. 1 Essa questão não deveria nos surpreender,
uma vez que o Batista havia levantado uma questão semelhante por razões semelhantes (ver 7:
18–23). É possível que os fariseus não apenas perguntassem quando o reino viria, mas também
que sinais acompanhariam sua chegada. A expectativa judaica sustentava que o reino viria
como parte do Dia do Senhor e que seria recebido com sinais cósmicos. A vinda do reino
costumava ser descrita de duas maneiras diferentes. Alguns viam sua chegada em termos
proféticos, o que significava que ele chegaria ao movimento normal da história. Deus levantaria
um Messias da família de Davi ou de alguma outra fonte para libertar a nação.2 Outros falavam
com imagens literárias de orientação mais apocalíptica, sobre um personagem que viria de
cima com sinais celestes e grande poder. O Antigo Testamento usou as duas séries de
imagens. Portanto, perguntar sobre a vinda do reino era muito natural. Se a história posterior
dos fariseus servisse de guia, tenderiam a minimizar o aspecto mais apocalíptico dessas
imagens, mas antecipavam, em qualquer caso, a poderosa libertação de Deus em um dia
futuro. No entanto, também é possível que no período mais antigo de sua história eles
tivessem uma expectativa mais apocalíptica, que eles abandonaram quando a Guerra Judaica
de 70 dC e as revoltas de Bar Kochba entre 132 e 135 fracassaram espetacularmente. Jesus
começa sua resposta observando que o reino não virá com uma grande exibição de sinais. Esse
comentário é importante, porque Jesus questiona a idéia de que a vinda do reino será marcada
por algum tipo de manifestação cósmica.3 As expectativas dos fariseus devem mudar. Eles não
terão que apontar este ou aquele lugar anunciando que o encontraram, porque o reino está
"entre eles" ou "dentro de seu alcance". O que Jesus quer dizer é que sua presença traz
consigo a esperança do reino.
Dada a sua proximidade, todos os esforços para determinar onde poderia ser localizado são
uma perda de tempo. Lucas 17:21 é um dos principais versos do Novo Testamento sobre o
reino. Diversos significados foram propostos para entender o significado da expressão "entre
vocês". (1) Alguns, como os tradutores da NIV, argumentam que isso significa "dentro de
você". No entanto, como já observamos em uma nota marginal, Jesus não aplicaria esse tipo de
afirmação aos fariseus. Se existe um lugar onde o reino não está, para Jesus, está dentro de
seus oponentes! (2) Outros afirmam que o presente grego erchetai ("vem"., V. 20) é na verdade
um presente futurista, uma posição que, do ponto de vista gramatical, é possível. Essa visão
assume o significado de que o reino os alcançará no futuro, porque muito do que Jesus
continua a dizer tem a ver com os eventos que estão por vir. O problema com essa abordagem
é que há maneiras muito mais claras de dizer isso, como usar o futuro ou mesmo o presente de
eimi (em grego "ser ou ser"). Em outras palavras, a justaposição do tempo presente com as
idéias do futuro parece consciente. Além disso, sustentar que essa expressão se refere ao
futuro coloca Jesus numa contradição, pois, por um lado ele está dizendo que o reino não vem
com sinais e, por outro, continua seu discurso listando os sinais que moldarão sua
vinda! Finalmente, o termo entos pode significar "entre vocês", "ao seu alcance", ou "dentro
de seu raio", um sentido que se encaixa bem aqui, já que Jesus e sua mensagem são o sinal de
que precisam.4
( 3) É melhor, portanto, considerar que o significado do versículo 21 é que, com o ministério de
Jesus, tem havido a manifestação inicial do reino.5 Os fariseus não têm que olhar no céu para a
aparência do reino, porque Já está presente em sua pessoa. Se você considerar tudoevidência
de que ao seu redor reflete a presença do poder libertador de Deus, eles não perguntariam
onde procurar Como Lucas disse de diferentes maneiras, o tempo de cumprimento veio com
Jesus (4: 16–30; 7: 22–28; 9: 1–6; 10:18; 11:20; 16:16). Jesus indica que eles anseiam ver a
vinda do Filho do Homem com poder, mas eles não o verão. Ou seja, a exibição poderosa desse
dia ainda está no futuro. Os dias da manifestação com a autoridade do Messias ainda não
chegaram. Embora muitos estejam dizendo: "Olhe aqui! Olhe para lá! ”Jesus os adverte a não
se deixar levar por tais alegações. Quando o Filho do Homem vier, será algo visível e evidente,
como o relâmpago que ilumina inequivocamente o céu.6 No entanto, um evento crucial deve
preceder tudo isso. Lucas usa o termo grego dei para sublinhar a necessidade de que, de
acordo com o plano divino, esse acontecimento crucial, a saber, o sofrimento do Filho do
Homem, ocorra.7 Para Jesus, o sofrimento precede a glória. Antes do governo glorioso deve
haver rejeição. Jesus compara a natureza do julgamento messiânico com o Dilúvio dos dias de
Noé (Gn 7), e com os dias de Ló em Sodoma e Gomorra (Gn 19), dois períodos importantes de
julgamento contra a Humanidade. Como naqueles tempos, as pessoas serão absorvidas nos
assuntos desta vida e prestarão pouca atenção a Deus. Naqueles dias, as pessoas vão comer,
beber, casar e dar em casamento, assim como aconteceu no dia em que Noé terminou a
construção da arca e o Dilúvio chegou. Tudo terminou; A vida parou. Algo semelhante
aconteceu nos dias de Ló: as pessoas comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e
construíam. Mas quando Lot deixou Sodoma, o julgamento caiu, e não restou nada do que
tinha sido uma cidade dinâmica. Ambas as comparações ilustram o caráter definitivo do
julgamento de Deus. Os dias do Filho do Homem serão como aqueles velhos dias de
julgamento. No que diz respeito à Bíblia, a ideia de que no dia do julgamento haverá uma
segunda chance é um mito. A fim de destacar o caráter absoluto e súbito do julgamento, Jesus
observa que não haverá tempo para voltar para casa e pegar qualquer coisa para voar; Nem os
que estão trabalhando no campo recuperam suas posses. Não haverá tempo para olhar para
trás ou refazer os próprios passos. É por isso que Jesus exorta os discípulos a lembrarem-se da
esposa de Ló, que, por querer olhar para trás, fez isso pela última vez. Aqueles que não
prestarem atenção não estarão preparados para o julgamento vindouro, também ligados às
coisas desta terra para ouvir a voz de Deus. Esse tipo de adesão inadequada explica as palavras
de Jesus no sentido de que a pessoa que deseja salvar sua vida a perderá, enquanto aqueles
que estiverem dispostos a perdê-la a salvarão. Escolher o Senhor pode significar a perseguição
do mundo e colocar a própria vida em risco, mas isso é melhor do que arriscar
permanentemente a alma (12: 1-12). A decisão de honrar a Deus pode significar algum
sofrimento agora, mas também significa glória eterna no futuro. Para os seguidores de Cristo,
este é o ponto crucial da passagem: devemos ser fiéis até o seu retorno. Como, então, será
esse dia? Duas pessoas que estarão dormindo ou moendo grãos juntas serão separadas.8 Uma
delas será tirada e a outra deixada. Esta ilustração implica a separação que ocorrerá entre os
justos e os maus. Os exemplos de Noé e Ló são uma ilustração daqueles que serão
libertados. Deus irá vindicar e proteger seu povo. Lucas 17:37 confirma essa abordagem da
passagem, uma vez que o que sobra é deixado para os abutres devorar.9 Essa imagem é
brutalmente explícita em sua descrição da ruína total e da morte causada pela rejeição do
caminho de Deus. A questão dos discípulos, "onde?" (V. 37), indaga sobre o lugar onde tal
julgamento ocorrerá. Jesus desvia a questão apontando o caráter e a realidade do que ele está
dizendo: o dia do Filho do Homem será um dia de julgamento. Quando terminar, apenas os
abutres serão deixados para prestar contas para aqueles que foram deixados para
julgamento. A advertência sobre o retorno de Cristo
Termina com um campo cheio de corpos que nos olham. As imagens desta passagem visam
trazer a nossa alma para uma reflexão sobre quão devastador o fim será para alguns. Lucas 18:
1–8 contém uma parábola e uma aplicação que continua a desenvolver o tema do retorno de
Jesus. A aplicação da parábola nos versículos 7–8 mantém nossa atenção na atitude que
devemos ter em relação ao seu retorno. Esta seção, que somente Lucas registra, é uma das
parábolas mais divertidas de Jesus. Descreva a importância da oração para a vindicação dos
crentes por Deus. Se eles ministram em um mundo que não os aceita, como eles deveriam
administrar a injustiça dessa rejeição? A resposta é um chamado para orar persistentemente
sem desmaiar. É outra maneira de nos chamar para a fé persistente. Lucas frequentemente
aborda a questão da oração, proteção e esperança (4: 25-30; 11: 2; 12: 5; 22:41). O texto
enfatiza fortemente esta questão através de um novo uso da palavra grega dei em 18: 1, que
denota a necessidade de algo ("deveria"). É importante manter a fé em vista do paciente que
aguarda seu retorno à frente. O que torna essa parábola tão eficaz são seus dois caracteres,
com os quais é muito fácil identificá-la. A viúva que precisa de ajuda representa uma pessoa
sem recursos na sociedade, que só pode solicitar justiça à autoridade do juiz. Embora
provavelmente imaginemos uma mulher mais velha, no mundo antigo havia muitas jovens
viúvas entre trinta e quarenta anos de idade. Ela precisa de justiça e pede ajuda a um juiz. É
provavelmente alguma forma de reivindicação relacionada a uma dívida de dinheiro. A mulher
é persistente, uma característica que Jesus apresenta como exemplo nesta história. O juiz não
tem medo de Deus ou consideração de ninguém. Ele é um homem muito independente 10 e
representa, na forma de contraste, o potencial que Deus tem em responder aos pedidos de
justiça de seu povo. O argumento de Jesus é que, se um juiz, que não tem consideração pelas
pessoas, acaba ouvindo o grito da viúva, quanto mais um Deus compassivo ouve os lamentos
de seu povo! O fato de o principal demandante da história ser viúvo significa que o juiz tem a
obrigação cultural e moral de se preocupar com seu problema. Esta mulher está em uma
posição exposta e vulnerável. Deus esperava que os pobres fossem defendidos (Êx 22: 21–24;
De 24: 17–18; Sal 65: 8; 82: 2–7; 146: 9). A viúva apresenta seu pedido repetidas vezes. Sua
intenção é obter justiça de seu adversário. Por algum tempo, o juiz resiste a atuar, mas
eventualmente suaviza. Sua persistência o incomoda. Qualquer pessoa que tenha sido objeto
de uma petição insistente entenderá como o juiz se sente. A mulher "cuida" incessantemente
(a palavra grega significa que suas ações "o incomodam"). Ele percebe que tal insistência vai
acabar "cansando-o" (uma expressão grega que pode se referir a colocar alguém com um olho
roxo!) 11 O que o preocupa não é sua reputação, já que ele não se importa com o que outros
podem pensar nele. Mas ele está cansado de sua persistência e, portanto, toma a decisão de
agir. O Senhor nos pede para escutar "o que o injusto juiz disse", isto é, refletir sobre sua
reação às persistentes petições das mulheres, que ilustram as orações dos crentes. Deus
justificará seu povo que constantemente clama a ele. Lucas faz este comentário
categoricamente, usando uma dupla negação (ou eu): sem dúvida, Deus irá reivindicar seu
povo. Se um juiz injusto acaba respondendo a tais súplicas, fica claro que Deus também
responderá aos lamentos de seus eleitos. Como fica claro no verso 7, o resultado das súplicas
será "justiça" ou vindicação (o mesmo termo é usado nos versos 3 e 5). Deus julgará aqueles
que perseguem os justos. Não demorará muito, mas fará “justiça e sem demora”.
O comentário sobre a rapidez com que Deus fará a justiça recebeu muita atenção, uma vez que
uma reivindicação completa ainda não ocorreu. Pode ser entendido de duas maneiras. (1)
Lucas deseja ressaltar que o retorno pode ocorrer a qualquer momento, sem especificar
quando. A vindicação é o próximo evento no calendário divino e, uma vez ocorrido, comparado
à eternidade que se segue, será um rápido exercício da justiça. (2) A defesa ocorre em parte na
proteção que Deus oferece ao seu povo. Estes, embora sofram, não perecem, e este é um sinal
de sua vindicação. Qualquer um desses dois significados é possível. Um texto como Eclesiastes
35: 21-23 pode nos ajudar a entender essa passagem: a oração dos humildes penetra as
nuvens e não descansará até alcançar seu objetivo; Ele não desistirá até que o Altíssimo
responda e faça justiça aos justos, e execute o julgamento. Certamente, o Senhor não retardará
sua resposta e, como guerreiro, não desistirá até que deprima os lombos dos impiedosos e os
devolva às nações; até que destrua a multidão dos insolentes e destrua os cetros dos
ímpios. Deus quer vindicar os santos e ele desejará. E quando ele fizer isso, sua justiça será
rápida e segura, e nosso sofrimento parecerá uma minúcia em comparação com a glória que se
seguirá. Enquanto isso, Deus nos protege. Um último pensamento permanece. Quando esta
vindicação completa ocorrer, o Filho do Homem (isto é, Jesus) encontrará fé na Terra? Em
outras palavras, visto que Jesus nos chama a não desistir, a procrastinação, que até certo ponto
é assumida na parábola, afeta a fé de alguns (v. 1)? Nenhuma resposta a esta pergunta é dada,
no entanto, Jesus exige fé e oração, a fim de persistir a longo prazo.
O tema da trajetória futura da história pode ser fascinante. Não é difícil ver como muitos estão
interessados no futuro. A popularidade da astrologia e o fascínio com a interpretação da
profecia bíblica atestam o intenso desejo que temos de entender o que o futuro nos
reserva. No entanto, este texto afirma que tal exercício é, em última análise, de natureza
especulativa. De fato, Jesus não nos dá nenhum texto escatológico para que possamos
determinar quando ele retornará. O propósito desses textos é nos exortar a vigiar, chamar-nos
à fidelidade, indicar que o tempo do fim será difícil para muitos e lembrar-nos de que somos
todos responsáveis perante Deus, que um dia ele manifestará seu incrível poder por meio de
seu julgamento. O único propósito de Jesus é deixar claro que um fim está chegando e revelar
suas linhas gerais para que seus santos estejam vigilantes. Quando Jesus traça as linhas gerais
do fim dos tempos, ele não pretende nos entreter ou satisfazer nossa curiosidade. Desta vez
será devastador e traumático. Isso significará a execução de um julgamento decisivo. As
pessoas serão separadas. Alguns receberão vida; Outra morte Ensinar sobre o tempo do fim é
um assunto muito sério para o que Deus fará nesse período. O próximo julgamento é
uma realidade que aguarda a humanidade. Deus não nos deu as datas deste evento, ele
apenas nos disse que virá. Quando chegar a hora, não será difícil reconhecê-lo. Será tão visível
para todos quanto o brilho do relâmpago no céu. O importante é estar preparado e no lado
direito. A autoridade do Filho do Homem em seu retorno é uma boa razão para responder ao
chamado do Filho do Homem agora, antes que o dia chegue. Embora Jesus sofra, ele
retornará. Conhecer o Salvador da Cruz significa conhecer também a gloriosa promessa e a
esperança de vindicação após seu retorno. Essa verdade é tão verdadeira neste lado da cruz
como antes de Jesus cumprir seu destino divinamente ordenado. Para Lucas, o reino se
desenvolve em etapas. Algumas de suas bênçãos são agora dadas a nós com Jesus: a oferta de
perdão, a derrota inicial de Satanás no ministério de Jesus e na Cruz, e a provisão do Espírito
após sua ascensão. Essa expressão da presença do reino se manifesta na comunidade da Igreja
que confessa a Jesus como o Cristo, o Rei e Filho ungido de Deus. A Igreja agora carrega uma
cruz, não uma espada. Somos um instrumento de serviço e fidelidade; Um dia seremos
honrados como a noiva de Cristo. No entanto, há outra fase da autoridade do reino que é
futura, e Jesus fala disso aos seus discípulos nos versículos 22-37. Esta fase do reino vem com
sinais e representa o fim do programa de Deus para o reino. Deus então mostrará seu poder, os
crentes serão justificados e a justiça será consumada. Será um período de alegria ou desespero,
dependendo de como alguém se relaciona com o Senhor. Enquanto isso, somos chamados a
perder nossas vidas e nos oferecer para o serviço do Senhor de maneiras que o
honram. Muitos continuam a viver como se o Senhor nunca retornasse, no entanto, devemos
servi-lo com uma clara consciência de que ele pode voltar a qualquer momento, e que seu
retorno significará o desastre daqueles que não o conhecem. Com o passar do tempo que nos
separa da vinda do Senhor, essa parábola de Jesus em 18: 1–7 se torna mais relevante. A
parábola exige oração, persistência e paciência, algo que se torna mais necessário quanto mais
esperamos. Na base da parábola, há uma atitude sobre como lidar com a injustiça como
crentes. Nós não somos chamados a nos defender, mas a nos voltarmos para Deus e
descansarmos em sua promessa de nos justificar. Portanto, essa parábola é ao mesmo tempo
uma exortação e uma promessa, cujo conteúdo é tão valioso agora quanto há dois
milênios. Devemos orar e continuar olhando para Deus, esperando pela vindicação que ele
realizará um dia. A segunda lição da parábola é que Deus trará justiça. Como Romanos 12:19
indica, ele irá executar vingança na época. Em nossa cultura, tendemos a evitar a idéia de um
Deus justo, no entanto, esse Deus é realmente um Deus responsável que exige
responsabilidade. Em nossas vidas diárias, consideramos isso um conceito importante e
necessário. Quais seriam as nossas ruas se não houvesse lei e ordem, tribunais e prisões? Um
Deus justo nos lembra que não podemos fazer o que nos agrada sem ter que dar conta de
nossas ações. Finalmente, o texto pede fidelidade. Quando o Senhor retornar, haverá fé na
Terra (v. 8)? Como em 12: 35-48, Deus nos chama para sermos mordomos fiéis durante este
período provisório até a vinda de Jesus. Devemos orar, deixando o julgamento do Senhor e
servindo-o diligentemente até a sua vinda.
A fase inicial do reino de Deus nos chama a sermos cidadãos dignos (Filipenses 3: 20-21). Pedro
chama os crentes de "estrangeiros e peregrinos neste mundo" .12 Somos servos do Senhor,
seus representantes na Terra; Não devemos definir nossas vidas por meio de laços terrenos ou
culturais. Hauerwas e Willimon definem assim um "estrangeiro residente": em nosso tempo, a
Igreja é composta de estrangeiros residentes, uma colônia ousada no meio de uma sociedade
incrédula. Essa descrença significa que nossa cultura ocidental não tem um senso de trajetória
e peregrinação, de aventura, e isso é porque ela acredita apenas no cultivo de um horizonte de
autopreservação e auto-expressão.13 Jesus diz aos fariseus que se eles querem experimentar a
Favor divino que vem com participação nas promessas do reino deve lidar com isso. Hoje as
coisas não mudaram. Em face do grande debate sobre se Jesus é ou não o único caminho, o
Senhor enfatiza que o caminho para a bênção e a participação na presença de Deus passa por
ele.14 Seguir a ele é ser diferente. Não há área de teologia que gere mais especulação que a
escatologia. As perspectivas sobre o assunto dos últimos tempos cobrem todo o espectro de
posições. Alguns são dedicados de corpo e alma para tentar desvendar "os sinais dos tempos"
e especificar quão próximos podemos estar do fim. Através de teorias elaboradas sobre o
desenvolvimento de eventos escatológicos, grandes seções das Escrituras são combinadas em
um panorama unificado. Alguns até puseram datas no retorno de Cristo, ou pouco tem faltado,
algo que a Escritura não comete (Mr 13:32; Atos 1: 6–8) .15 Alguns ministérios dedicam toda a
sua atenção a esses eventos. questões. Por outro lado, há aqueles que vêem esse tipo de
especulação como um desperdício de tempo e energia. Só Deus sabe como as coisas se
desenvolverão, de modo que, entretanto, da nossa parte, devemos nos limitar a ser fiéis ao
nosso chamado. Ambas as abordagens representam reações exageradas. É difícil levar a Bíblia
a sério se o seu ensinamento sobre o tempo do fim é negligenciado, uma vez que uma parte
importante do texto aborda questões escatológicas relativas às promessas de Deus. A única
maneira de entender a vida no presente é apreciar para onde o futuro está indo. As Escrituras
nos oferecem os perfis deste futuro, não através de datas detalhadas, mas com um esboço
geral dos próximos eventos. Este esboço não tem a intenção de nos ajudar a preparar tabelas
cronológicas, mas nossos corações. O retorno de Jesus é um assunto sério, um tempo em que
Deus realizará julgamentos definitivos. Jesus fala sobre o tempo do fim em termos sombrios e
com detalhes terríveis para deixar claro o quão sério é o julgamento para Deus. Julgamento
significa responsabilidade. Em uma sociedade que tende a considerar que os adultos são
responsáveis apenas por si mesmos e por sua consciência, é muito importante lembrar que
Deus nos responsabiliza por nossas ações. É por isso que na parábola de Lucas 18: 1–8, Jesus
pergunta se, ao retornar, encontrará fé na Terra. Aqueles que reconhecem sua
responsabilidade diante de Deus passarão pela vida com discrição. Ignorar o fim é arriscar o
esquecimento que devemos perceber. O mundo está caminhando para um fim no qual muitos
simplesmente viverão sem se preocupar com Deus. Será como nos dias de Noé e Lot. Não é de
surpreender que muitos acabem espiritualmente desapegados de Deus. Isso não significa que
não devemos nos esforçar para compartilhar
Evangelho com aqueles que apenas passam pela vida. Há muito em jogo para ignorarmos
nosso vizinho. Quando o Senhor voltar para o julgamento, não haverá uma segunda
chance. Para aqueles que pertencem a ele, as bênçãos de seu reinado se estenderão para
sempre; No entanto, para aqueles que perdem esta oportunidade não há como voltar atrás, a
decisão deles também é para sempre. A passagem termina com a imagem sombria dos
abutres, não porque haja alegria no julgamento futuro, mas porque a tragédia é muito
real. Este texto grita alto para cada ser humano pedindo-lhe para escolher sabiamente nas
coisas de Deus. Há muito em jogo para tomar uma decisão errada. Por outro lado, até o
retorno do Senhor, cada momento é uma oportunidade para ser um instrumento de Deus para
mudar o destino de alguém que ainda não o conhece. Deus adia o dia do juízo, sendo paciente
e dando tempo às pessoas para irem a ele (2 Pedro 3: 9). Portanto, os momentos restantes
devem motivar a Igreja a ser o instrumento pelo qual outras pessoas conseguem ver e
desfrutar da Graça de Deus. A principal aplicação da parábola de Lucas 18: 1–6 é a necessidade
de manter nossos olhos na esperança do que acontecerá. Aguardamos ansiosamente seu
retorno com expectativa, mas, enquanto isso, fomos salvos e chamados a ser um povo invejoso
de servir a Deus com boas obras (Tito 2: 11–14). Embora a luta desta vida seja às vezes difícil e
até mesmo injusta para os cristãos que se esforçam para honrar a Deus em um mundo que
muitas vezes o deprecia, não devemos falhar. Às vezes, a perseguição ou a rejeição podem nos
fazer pensar se vale a pena. Outras vezes nos sentimos frustrados porque parece que aqueles
que não levam Deus em consideração, fazem tudo bem. Mas devemos lembrar que isso é tudo
o que eles terão para a decisão de ir atrás de coisas materiais na Terra. A hora virá quando o
armário estiver vazio. Assim, Cristo nos exorta a pedir a Deus que nos permita recorrer à sua
fidelidade para receber força diária para seguir em frente. A parábola também descobre algo
significativo sobre a oração. A maioria das reuniões de oração que frequento adquirem um
caráter previsível. Oramos pelas necessidades dos presentes (como regra para questões de
finanças e saúde). De tempos em tempos, uma petição é mencionada pela oportunidade de
compartilhar o Evangelho com um amigo ou conhecido, junto com a oração obrigatória para os
líderes de nosso país e alguns missionários. As vítimas de desastres naturais ou políticos
também têm sua seção. O que muitas vezes sinto falta neste tipo de reunião são questões
como as que se refletem nessa parábola sobre a persistência na oração. Devemos orar
ardentemente pela vindicação do nosso testemunho no mundo e pela nossa plena liberação
pela mão de Deus. Utilizar a imagem da parábola é a questão: cansamos Deus, como
comunidade eclesial, com este pedido de justificação? A oração bíblica que mais se assemelha
àquela exigida nesta passagem aparece em Atos 4: 23–31, onde a Igreja pediu a Deus para
capacitá-la a realizar o que ele lhe pedira que fizesse, e que no meio de uma feroz
perseguição. Aqueles cristãos tinham o desejo de ser justificados, isto é, que Deus pudesse
poderosamente expressar sua presença através de seu ministério. No nosso caso, não devemos
procurar menos.
6. Pessoalmente, neste texto, eu prefiro uma tradução diferente daquela oferecida pela NIV,
que dá a impressão errada sobre o significado deste verso. Jesus se dirige aos fariseus aqui,
então ele não pretende dizer-lhes que o reino de Deus está dentro deles. O que ele diz é mais
do que sua presença indica: "O reino de Deus está entre vocês".
1. Os antecedentes e paralelos deste evento são debatidos, uma vez que muito do que Jesus
diz aqui encontra analogias conceituais em Mateus 24 e Marcos 13. No entanto, os cenários
são diferentes. Em Mateus e Marcos, Jesus está falando em particular a seus discípulos durante
a última semana de seu ministério. Aqui ele vai aos fariseus, muito antes de chegar a
Jerusalém. Portanto, isso parece um evento singular que é conceitualmente análogo ao que
Jesus diz mais tarde aos seus discípulos. Independentemente de Lucas ter um ou dois eventos
em mente [prefiro pensar que são dois], o evangelista decidiu dividir a exposição de eventos
futuros, pois em Lucas 21 outros elementos aparecem. 2. Sobre a grande variedade de
expectativas messiânicas dentro do judaísmo, ver J. Neusner, W. Green, e E. Frerichs, orgs.,
Judaism and Their Messiahs, (Cambridge: Cambridge Univ. Press, 1987). 3. Riesenfeld ,, TDNT,
8:50. 4. LT Johnson, Lucas [Lucas], 263; R. Stein, Lucas [Lucas], 438. Stein distingue as
expressões "entre você" e "em seu entendimento", e prefere o primeiro, embora ele observe
que qualquer uma das duas opções faz sentido dentro do contexto. 5. G. Fitzer ,, TDNT, 9:89,
n. 10; KL Schmidt ,, TDNT, 1: 584. 6. A. Oepke ,, TDNT, 4:25. 7. Outros usos chave de dei são
4:43; 24: 7, 26, 44. 8. O moinho à vista aqui é um artefato que mói o grão para fazer pão. O
versículo 36, que fornece uma terceira ilustração da separação, não aparece nos melhores
manuscritos de Lucas. No entanto, sua omissão não é significativa, uma vez que simplesmente
fornece outra imagem da separação que acompanha o estudo. 9. A palavra grega usada no
versículo 37 também pode ser traduzida como "águias", no entanto, neste contexto de
julgamento e morte, a tradução "abutres" é melhor. 10. Sobre esta descrição, veja Josefo,
Antiguidades 10.5.2 § 283, que a usou para se referir a Jeoiaquim. 11. G. Stahlin, TDNT, 9:
450; HF Weiss, TDNT, 8: 590-91. 12. S. Hauerwas e W. Willimon, residentes estrangeiros: a vida
em uma colônia cristã, (Nashville: Abingdon, 1989), considera as implicações éticas desta
concepção do mundo. 13. Ibid., 49. 14. O debate gira em torno de saber se Cristo é ou não o
único caminho para Deus. Alguns, pedindo um
atitude aberta em relação a Deus, eles argumentam que não devemos restringir sua salvação à
mediação de Jesus; Aqueles que desejam considerar uma crítica sólida desta teologia aberta
em relação a Deus podem ver o trabalho de R. Richard, A população do céu (Chicago: Moody,
1994). 15. Aqueles interessados em narrar tais tentativas podem ver o trabalho de Paul Boyer,
When Time Shall Be More: Profecia Crença na Moderna Cultura Americana [Quando o tempo
não existirá mais: crenças proféticas na cultura americana moderna] (Cambridge, Mass.:
Belknap, 1992). Entre as previsões mais famosas estão as de William Miller, que no século XIX
(1844) e com outros, em dias mais recentes, sugeriram que a próxima geração depois que
Israel retornasse à Palestina em 1948 veria o retorno do Senhor, fazendo 1988 a data fixada No
entanto, previsões desse tipo ocorrem quase todos os anos.

Você também pode gostar