Você está na página 1de 7

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE


CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

ANDERSON PIRES PIZON


ANIBAL BEZERRA DE CASTRO
DEBORAH VANESSA COSTA
JAMILA MARIANA MARTINS DA CRUZ
JONATHAS REBOUÇAS
MARIA LUIZA RODRIGUES AGUIAR

ANÁLISE DA PRÁTICA DO LAZER NA VIDA DOS PROFESSORES

BELÉM
2019
ANDERSON PIRES PIZON
ANIBAL BEZERRA DE CASTRO
DEBORAH VANESSA COSTA
JAMILA MARIANA MARTINS DA CRUZ
JONATHAS REBOUÇAS
MARIA LUIZA RODRIGUES AGUIAR

ANÁLISE DA PRÁTICA DO LAZER NA VIDA DOS PROFESSORES

Trabalho de pesquisa para a disciplina de


Estudos do Lazer do curso de Educação
Física da Universidade do Estado do Pará.

PROFª PATRÍCIA DE ARAÚJO

BELÉM
2019
INTRODUÇÃO
O presente trabalho tem como foco relacionar através de dados, a relação entre o
trabalho e o lazer, o público alvo foi de profissionais da educação, especificamente os
professores de diversas disciplinas. Foram feitas perguntas a partir de um questionário
online relacionadas ao lazer. Utilizamos de recursos digitais para este estudo.
Sendo assim, perguntamos e analisamos as respostas. Foi perguntado quanto à
frequência em que o lazer é praticado, foram feitas perguntas relacionadas a renda e
ao tempo para se praticar lazer, posteriormente as perguntas foram repetidas, só que
dessa vez explicamos o conceito de lazer segundo Dumazedier (1976). Então,
perguntamos sobre a relação entre lazer e atividade e física.

3
Inicialmente, para se chegar aos dados, foram elaboradas perguntas
relacionadas ao lazer. Foi utilizada a plataforma do Google de questionário online, o
link do questionário foi enviado para alguns professores, os quais repassavam para
outros professores. Ao colher os dados, 12 (doze) professores haviam respondido o
questionário online, destes 12 (doze) a maioria eram professores de matemática.
Metade dos professores que responderam o questionário tinha entre 35 (trinta e cinco)
e 50 (cinquenta) anos, a outra metade se dividia igualmente entre a faixa etária de 25-
30 anos e 50 (cinquenta) em diante.
Sendo assim, a primeira pergunta feita relacionada ao assunto foi o que eles
entendiam por lazer subjetivamente, a maioria relacionou a palavra ao bem-estar,
enquanto alguns responderam que lazer é: diversão, momentos de prazer, descanso
e viajar. Porém em nenhum momento relacionavam o lazer a atividade física ou como
sendo desenvolvimento humano, que seria um dos conceitos para Dumazedier
(1976). Posteriormente, perguntou-se o significado de ócio, algumas pessoas
responderam que ócio é o mesmo que descanso, relacionando a folga do trabalho, a
maioria respondeu que ócio é ausência de atividades.
Então, foi feita a pergunta objetiva sobre a frequência em que esses
professores praticavam lazer, a maioria respondeu que pratica lazer somente nos fins
de semana, após isso, perguntamos se a falta de tempo acarreta na falta da pratica
de lazer, novamente, a maioria respondeu que sim. Na pergunta posterior, 58% dos
professores responderam que o dinheiro não é um empecilho para a prática do lazer,
é valido ressaltar que Marcellino (1996 p.15) relaciona o lazer ao trabalho e a renda
que esse trabalho proporciona, para ele: “um trabalho empobre-cedor, está ligado um
lazer também empobrecedor e vice-versa” (MARCELLINO, 1996 p.15).
Não satisfeitos com as respostas, fizemos as perguntas novamente, dessa vez
fizemos diferente, explicamos o significado de lazer segundo Dumazedier (1976),
partimos do conceito de que lazer equivale aos três D’s – divertimento (traga alegria),
descanso (que a pessoa saia revigorado da atividade) e proporcione desenvolvimento
humano. Para ele:
[...] o lazer é um conjunto de ocupações às quais o indivíduo pode entregar-
se de livre vontade, seja para repousar, seja para divertir-se, recrear-se e
entreter-se, ou ainda, para desenvolver sua informação ou formação
desinteressada, sua participação social voluntária ou sua livre capacidade
criadora após livrar-se ou desembaraçar-se das obrigações profissionais,
familiares e sociais. (DUMAZEDIER, 1976)

4
Após esta explicação e conceituação do lazer houveram várias mudanças nos
resultados, sobre a frequência em que praticavam lazer principalmente, antes apenas
17% diziam praticar lazer durante 4 ou 5 dias na semana, após a explicação 25%
reconheceram que praticam lazer de 4 ou 5 dias na semana. Apesar disso, a maioria
ainda se diz praticar lazer somente aos fins de semana, seria isso saudável, isso pode
ser considerado lazer? Para Marcellino (1996, p.15) “o sentido da vida não pode ser
buscado, [...] apenas num fim de semana, ou numa viagem, embora essas ocasiões
possam ser consideradas como possibilidades de felicidade e formas de resistência
para o dia-a-dia”.
Logo, não houve uma mudança considerável quanto ao tempo para praticar
lazer, apenas houve um pequeno aumento das pessoas que dizem que o tempo é
empecilho às vezes para a pratica do lazer, só que dessa vez perguntamos o porquê
da resposta, grande parte respondeu que não pratica lazer por passar muito tempo no
trabalho. Após isso, perguntamos novamente se a renda é um empecilho para a
pratica de lazer, as respostas permaneceram iguais, novamente pedimos para
justificar, a maioria respondeu que lazer pode ser praticado sem precisar gastar
dinheiro, ou seja, não seria dinheiro o problema e sim a falta de tempo.
As duas perguntas finais relacionam o lazer com a educação física, foi
questionado se eles consideram atividade física um lazer, todos responderam que
sim, perguntamos entre diversas atividades físicas qual proporcionava mais lazer a
eles, a maioria respondeu que esporte é lazer, a minoria escolheu música. Ou seja,
não há dúvidas de que se grande parte desses professores tivessem mais tempo
praticariam mais lazer e optariam pela atividade física.

5
CONCLUSÃO
Conclui-se a partir dos dados deste estudo que os professores apresentam uma
vida muito corrida e que na maioria dos casos deixam de praticar lazer por passar
muito tempo no trabalho, conclui-se também que a maioria dos professores praticam
lazer somente nos fins de semana, o que para Marcellino (1996) não traz o “sentido”
da vida.
É válido ressaltar, que muitos destes professores praticariam muito mais lazer
se tivessem mais disponibilidade e mais folgas no trabalho, até por que para a grande
maioria dos professores a prática do lazer independe de questões financeiras. Foi
possível notar também que muitos dos professores desconheciam o conceito de lazer
inicialmente, talvez por apenas considerar um divertimento como viajar, ir ao cinema,
etc.
Diante dos fatos supracitados, notou-se que a atividade física é considerada
lazer por todos os professores que se tivessem mais tempo praticariam mais, além de
concluirmos que o esporte é a principal atividade física que é considerada lazer entre
esses professores.

6
REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO
DUMAZEDIER, Joffre. Relações entre trabalho e lazer. ____. Lazer e cultura
popular. São Paulo: Perspectiva, 1976.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Estudos do lazer. Autores associados, 1996.