Você está na página 1de 73

Universidade Federal de Campina Grande

Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar


Unidade Acadêmica de Ciência e Tecnologia Ambiental

Aula 8
Lajes
Disciplina: Estruturas de Concreto Armado II
Docente: Leovegildo Douglas Pereira de Souza.˙.
Carga horária: 4 cr. = 60 horas.aula
X: 14~18hs
Definição:
Tipos de Lajes

Maciças Nervuradas
Lajes Maciças
• Vão Teórico:
Cargas nas Lajes:
𝑘𝑁
• Peso Próprio = 25 2 .ℎ
𝑚
~ 1,0 𝑘𝑁ൗ𝑚² (𝑐𝑒𝑟â𝑚𝑖𝑐𝑜; 𝑚𝑎𝑑𝑒𝑖𝑟𝑎)
• Revestimento = ൝
~ 1,5 𝑘𝑁ൗ𝑚² (𝑝𝑜𝑟𝑐𝑒𝑙𝑎𝑛𝑎𝑡𝑜; 𝑚á𝑟𝑚𝑜𝑟𝑒)

• Alvenarias;
• Sobrecarga (NBR 6120)
Cargas de Alvenaria:
𝛾𝑎 . 𝑏. 𝐻. 𝑙𝑝
𝑄𝑎𝑙𝑣𝑒𝑛𝑎𝑟𝑖𝑎 =
𝑙𝑥 . 𝑙𝑦
Cargas de Alvenaria:
Lajes Maciças – Armação:
Lajes Maciças – Armação:
Lajes Maciças – Teoria de Placas
• A correta determinação de esforços nas
lajes é matematicamente muito
complexa, uma vez que envolve a
consideração da rigidez e
compatibilidade dos painéis e vigas;

• Em geral, calculamos cada painel


separadamente.
Lajes Maciças – Condições de Contorno
Lajes Maciças – Teoria de Vigas:
• Com as condições de contorno definidas,
as lajes são calculadas por faixas como
vigas:
Lajes Maciças – Teoria de Vigas

(𝑋1 + 𝑋2 )
𝑋= ൞ 2
0,8. max(𝑋1 , 𝑋2 )
Lajes Maciças – Teoria de Vigas
Lajes Maciças – Teoria de Vigas
Lajes Maciças – Teoria de Vigas:
• Com a teoria de vigas podemos calcular
os momentos positivos e negativos,
flechas e reações nas lajes....
Exemplo 1 – Marquise / Sacada:
0,10 + 0,07
𝑃. 𝑃 = 25 .
2
= 2,13 𝑘𝑁/𝑚²
𝑅𝑒𝑣𝑒𝑠𝑡𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 = 1,0 𝑘𝑁/𝑚²
𝐴𝑐𝑖𝑑𝑒𝑛𝑡𝑎𝑙 = 0,5 𝑘𝑁/𝑚²

Na extremidade livre atua uma


carga linear de 1,0 kN/m
Lajes Maciças – Tabelas:
• Algumas soluções numéricas / analíticas
foram desenvolvidas separadamente e
aos poucos reunidas em tabelas / ábacos
que dependem a relação entre vãos;

• Aqui serão utilizadas as tabelas propostas


por José Milton de Araújo em Curso de
Concreto Armado – V. 2
Lajes Maciças – Tabelas:

𝑀 = 0,001. 𝑞. 𝑙𝑥,𝑦 2
𝑅 = 0,001. 𝑞. 𝑙𝑥,𝑦
Lajes Maciças – Teoria de Placas:
• Para estes casos considera-se que a laje
tem rigidez à torção, logo faz-se
necessária armadura de canto.
Lajes Maciças – Teoria de Grelhas
• Nessa teoria não se considera resistência
a torção, logo a ausência de armaduras e
canto ou fissuração em concretagens
monolíticas não aumentam a flecha total
da laje.
Lajes Maciças – Teoria de Grelhas
Lajes Maciças – Teoria de Grelhas:
𝑞 = 𝑞𝑥 + 𝑞𝑦

𝜆4
𝑘𝑥 = 𝑒 𝑘𝑦 = 1 − 𝑘𝑥
1 + 𝜆4

𝑙𝑦
Onde 𝜆 =
𝑙𝑥
Lajes Maciças – Teoria de Grelhas:
Lajes Maciças – Teoria de Placas:
• O método de cálculo da teoria de placas
é extremamente complexo e geralmente
é substituído por simplificações:

– Teoria de Grelhas (Marcus);


– Analogia de Grelha Equivalente;
– Teoria das Linhas de Ruptura
– Diferenças Finitas;
– Elementos Finitos..
Detalhamento de Lajes Maciças:
• Espessura Mínima:
– 5 cm para lajes de cobertura (exceto balanço);
– 7 cm para pisos ou coberturas em balanço;
– 10 cm para lajes para veículos até 30 kN;
– 12 cm para lajes para veículos maiores que 30
kN.
• Flechas (combinação quase permanente –
vide NBR 6116):
– l/250 para lajes em geral;
– l/125 na extremidade de lajes em balanço.
Detalhamento de Lajes Maciças:
• Armadura Mínima:

• Espaçamento;
• Cobrimento;
Detalhamento de Lajes Maciças:
• Armadura de Distribuição:
Detalhamento de Lajes Maciças:
Detalhamento de Lajes Maciças:
Detalhamento de Lajes Maciças:
Detalhamento de Lajes Maciças:
Detalhamento de Lajes Maciças:
Detalhamento de Lajes Maciças:
Detalhamento de Lajes Maciças:
Detalhamento de Lajes Maciças:
Aberturas em Lajes Maciças
• Se a abertura é menor do que 10% do vão, despreza-se o
acrescimento de momento e apenas se considera uma
armadura de reforço:
Aberturas em Lajes Maciças:
• Para aberturas maiores considerar o acréscimo de momento
na faixa de reforço:

𝑏
𝑏𝑤 = 0,8 − 𝑙
𝑙𝑥 𝑥

2
𝑎 2. 𝑏
Δ𝑀 = 0,19. . 𝑞. 𝑙𝑥 2
𝑙𝑥 𝑙𝑥
Lajes Nervuradas
• Reduzir peso próprio da estrutura;
• Economia com fôrmas;
Lajes Nervuradas
Lajes Nervuradas
• Em caso de momentos negativos...
Lajes Nervuradas
• As lajes nervuradas podem ser calculadas por
meio de processos elásticos se:
– Distância entre eixos < 110 cm;
– bw ≥ 5 cm
3 𝑐𝑚
– ℎ𝑓 ≥ ቊ 𝑙𝑜
ൗ15
• Se a distância entre eixos ≥ 65 cm, calcular a
mesa como laje simplesmente apoiada nas
nervuras; caso contrário, utilizar armadura mínima
na mesa;
• Se a distância entre eixos ≥ 65 cm as nervuras
serão verificadas ao cisalhamento como vigas.
Cálculo dos Esforços:
• Os esforços podem ser calculados como
se fossem lajes maciças!
• Se as dimensões mínimas são respeitadas
o trabalho conjunto e rigidez da mesa são
garantidos e funcionam conforme teoria
de placas.
• Cabe determinar espessura equivalente
corretamente!
Cálculo dos Esforços – Lajes Nervuradas:

𝑙0𝑥 . 𝑙𝑜𝑦
𝜉=
𝑆𝑥 . 𝑆𝑦

1ൗ
3 3
ℎ𝑒 = 1 − 𝜉 . ℎ3 + 𝜉. ℎ𝑓
Cálculo dos Esforços – Lajes Nervuradas:

• Calculam-se os esforços tal qual se faz


com lajes maciças pela teoria de placas;
• Para determinar o momento por nervura,
basta multiplicar pelo vão efetivo Sx ou
Sy;
• Dimensionar nervuras individualmente
como vigas T de bf = S;
Exemplo – Lajes Nervuradas:
• Calcular a laje nervurada indicada. Utilizar EPS como
material de enchimento. A laje é um piso de um conjunto e
escritórios (2 kN/m²). Considere um peso de divisórias de
1,0 kN/m². As vigas laterais têm 20 cm de largura. O
concreto possui fck = 25 MPa e o aço é CA-50.
Exemplo – Nervuras – Seção T:
Dimensionamento de Seções T:
𝑀𝑑
𝜇=
𝑏𝑓 . 𝑑 2 . 𝜎𝑐𝑑

ℎ𝑓 𝑏𝑤
𝛽𝑓 = e 𝛽𝑤 =
𝑑 𝑏𝑓

𝛽𝑓 𝛽𝑓
𝜇𝑙𝑖𝑚 = 𝛽𝑓 . 1 − + 𝛽𝑤 . 0,8. 𝜉𝑙𝑖𝑚 − 𝛽𝑓 . 1 − 0,4. 𝜉𝑙𝑖𝑚 −
2 2
Dimensionamento de Seções T:
• Calcular o momento reduzido μ;
• Calcular o μlim usando os valores de βf e
βw.
– Se μ ≤ μlim, usar armadura simples;
– Se μ ≥ μlim, usar armadura dupla;
Dimensionamento de Seções T:
• Armadura Simples:
𝛽𝑓
– 𝜇𝑓 = 𝛽𝑓 . 1 −
2
– Se, 𝜇 ≤ 𝜇𝑓 : a mesa absorve todo momento:
• 𝜉 = 1,25. 1 − 1 − 2𝜇
𝜎𝑐𝑑
• 𝐴𝑠 = 0,8. 𝜉. 𝑏𝑓 . 𝑑.
𝑓𝑦𝑑

– Se, 𝜇 ≥ 𝜇𝑓 : parte do momento é resistido pela alma:


𝜎𝑐𝑑
• 𝐴𝑠 = 𝛽𝑓 1 − 𝛽𝑤 + 0,8. 𝜉. 𝑏𝑤 . 𝑏𝑓 . 𝑑.
𝑓𝑦𝑑
𝜇−𝜇𝑙𝑖𝑚 𝜎𝑐𝑑
• 𝐴′𝑠 = 𝑑′ . 𝑏𝑓 . 𝑑.
1− 𝑑 𝑓𝑦𝑑
Dimensionamento de Seções T:
• Verificação do Cisalhamento nas
Nervuras:
𝑉𝑑
– 𝜏𝑤𝑑 =
𝑏𝑤 .𝑑
𝑓𝑐𝑘
– 𝜏𝑤𝑢 = 0,27. 1 − . 𝑓𝑐𝑑
250
Vigotas Pré-Moldadas:
Vigotas Pré-Moldadas:
• Em vigotas treliçadas é permitido o
acréscimo de armaduras
complementares;
• Deve ser colocada uma armadura de
distribuição na capa em amas as direções
para controle de fissuração com
armadura mínima (0,9 cm²/m);
Vigotas Treliçadas:
• Lajes Treliçadas Comerciais:
Biblioteca de Armaduras Treliçadas:
Biblioteca de Blocos de Enchimento:
Exemplo – Laje Treliçada:
• Calcular a laje pré-moldada para
a laje de piso residencial
indicada na figura. Considere
acabamento de médio padrão,
CA-50 e concreto com fck = 20
MPa.
Exemplo
• Calcular a armadura da laje nervurada treliçada
pré-moldada com vão de 5,50 m cuja seção
transversal é indicada abaixo com carga acidental
de 5,00 kN/m², revestimento de 1,0 kN/m² e
peso próprio de 2,2 kN/m².
Lajes Cogumelo:
• São lajes apoiadas diretamente nos
pilares sem presença de vigas;
• Limitação dada pelo cisalhamento gerado
pela punção dos pilares nas vigas;
• Pela dificuldade de execução das fôrmas,
tem-se optado;
• É recomendado o uso de vigas de bordo;
• Torna-se viável economicamente quando
é possível fazer uma modulação e
alinhamento dos pilares.
Lajes Cogumelo:
Cálculo dos Esforços:
• Método dos Pórticos Virtuais:
Cálculo dos Esforços:
• Método dos Pórticos Virtuais:

4. 𝐼𝑠𝑢𝑝 4. 𝐼𝑖𝑛𝑓
𝐺 = 𝐸𝑐𝑠 +
𝑙𝑠𝑢𝑝 𝑙𝑖𝑛𝑓
Cálculo dos Esforços:
• Redistribuição de Momentos:

37,5 %

45%

25%

27,5%
Cálculo dos Esforços:
• Redistribuição de Esforços:
Puncionamento em Lajes:
• Estado limite último por cisalhamento no
entorno de forças concentradas;
Puncionamento em Lajes:
Puncionamento em Lajes:
Puncionamento em Lajes:
Puncionamento em Lajes
• Devem ser feitas as verificações:
𝐹𝑠𝑑 𝑓𝑐𝑘
– 𝜏𝑠𝑑0 = ≤ 0,27. 1 −
𝑢0 .𝑑 250

𝐹𝑠𝑑 20 3
– 𝜏𝑠𝑑 = ≤ 𝜏𝑟𝑑1 = 0,13. 1 + . 100. 𝜌𝑥 . 𝜌𝑦 . 𝑓𝑐𝑘
𝑢1 .𝑑 𝑑

• Se necessária armadura de Puncionamento:

𝐴𝑠𝑤 𝜏𝑠𝑑 − 0,75𝜏𝑟𝑑1 𝑢1


=
𝑠 1,5. 𝑓𝑑 . 𝑠𝑒𝑛𝛼
Puncionamento em Lajes:
Laje Alveolar:
Laje Alveolar:
Laje Alveolar: