Você está na página 1de 4

Nomenclatura das superfícies dentais

 5 superfícies ou faces

 Sentido longitudinal= raiz  coroa (3 linhas)


 Estruturas da face oclusal (diferença entre fóssulas e fossetas)

 Cada parte do dente tem uma função certa

Preparo cavitário
É um tratamento biomecânico de cárie e outras lesões, com o intuito de devolver forma, função
e estética ao paciente. Além disso evitar reincidências.

As cavidades atuais devem ser preparadas seguindo dois preceitos básicos, máxima conservação
da estrutura dental sadia e bom senso (adquirido com estudo e treinamento). Cada dente e cada
lesão apresentam características únicas e, portanto, devem ser tratados de forma
individualizada.

Cavidade Terapêutica
Cavidade Patológica
Feita pelo dentista, paciente chega
1.Sem formato definido
com cárie e abrimos o dente para
2.Não causada apenas por cárie
preparar para a inserção do
3.Patologia
material a ser utilizado, formato
definido

Nomenclatura das cavidades quanto à complexidade:

- Simples: 1 face

- Composta: 2 faces

- Complexa: 3 faces ou mais


Nomenclatura das cavidades quanto às faces envolvidas: sua principal vantagem é que ao
mesmo tempo em que informa o número de faces envolvidas, também relata onde o preparo
está sendo feito. E serve para anteriores também. Além disso ela para facilitar é possível abreviá-
las, identificando cada face por uma única letra. Ex.: disto- oclusal (DO), disto- ocluso- mesial
(DOM), mesio- oclusal (MO), oclusal (O). A ORDEM NÃO ALTERA

Forma e extensão da cavidade:

- Intracoronária (inlay): sem envolvimento de cúspide

- Extracoronária parcial (onlay): parte da cúspide, pontinha

- Extracoronária total (overlay): coroa total


Só para cavidades terapêuticas

Parte constituinte da cavidade (PROVA)

 Parede circundante: contorna a cavidade, são as paredes que chegam até a superfície
externa, definindo seu contorno. É aquela que tem contato externo. Para facilitar e
padronizar sempre recebem o nome da face ou região com a qual estão mais
intimamente ligadas. Assim de acordo com a localização pode ser chamada de mesial,
distal, vestibular, lingual/palatina.
 Parede de fundo: são paredes internas, ou seja, nunca atingem a superfície da cavidade.
Não tem contato com a superfície externa. Sua denominação é definida de acordo com
a orientação que apresentam, quando perpendicular - sentido oclusal - ao longo eixo do
dente, a parede é chamada de pulpar, quando no mesmo sentido do longo eixo do dente
- paralela e forma um degrau -, o termo empregado é axial.

 Ângulos diedros (forma “linha”): encontro de duas paredes, nomeados de acordo com
as paredes envolvidas. Vale lembrar que a ordem dos fatores não altera o resultado,
ângulo vestibulomesial é o mesmo que mesiovestibular.
 Ângulos triedros (forma “quina, canto”): encontro de três paredes, definição de acordo
com as paredes envolvidas. Sendo assim o ângulo do encontro das paredes axial,
vestibular e gengival se chama ângulo axio- vestibulogengival.
 Ângulos cavossuperficiais: localizados na margem entre a superfície externa do dente
(borda do preparo) e o preparo. Contorno da restauração (borda externa da cavidade).
Ligação entre a superfície externa e parede circundante. São nomeados de acordo com
a parede circundante envolvida, exceto em situações de preparos para coroas totais
em que todas as paredes circundantes são tidas como gengivais. Nesses casos são
referidos de acordo com a face do dente. Ex.: margem gengival, margem lingual,
margem mesial. Está sempre em contato com o esmalte e envolvem parede
circundante.

Ângulos

1º Grupo: paredes 3º Grupo: paredes de


circundantes 2º Grupo: paredes fundo
circundantes e de
fundo

Profundidade Extensão
1.Refere-se à posição das paredes 1.Usada em referência às paredes
de fundo circundantes
2.Ao dizer que uma cavidade está 2.Diz respeito às dimensões
profunda quer dizer que está externas da cavidade, e
muito próxima da polpa, em eventualmente à sua interação
algum ponto da parede pulpar ou com o complexo dento- gengival
axial, afinal está ligado às paredes
de fundo
3.Diretamente ligado ao complexo
dentino-pulpar

Classificação das cavidades- Black


Cavidade natural: ocorria nas regiões mais susceptíveis a cárie

 Região de cicatrículas e fissuras


 Superfície lisa

Cavidade artificial ou terapêutica: feita pelo dentista

 Preparo cavitário

Classificação de Black (PROVA):

- Agrupado de acordo com características semelhantes

- Leva em consideração a localização

 Classe I: em região de má coalescência de esmalte, fino, com pouca espessura, face


oclusal dos posteriores e cíngulo dos anteriores. São as lesões e/ou cavidades
localizadas nas regiões de cicatrículas e fissuras, estruturas presentes na face oclusal de
molares e pré-molares e nos 2/3 oclusais das faces vestibular e lingual (no sulco que
separa as cúspides). Além disso também podem ser encontradas cicatrículas e fissuras
na região do cíngulo, na face palatina dos incisivos superiores.

Se segue sulco, fissura ou


fóssula é classe I

 Classe I composta: ?
 Classe II: lesões e/ou cavidades que envolvem as faces proximais de pré-molares e
molares. Podem envolver outras faces do dente simultaneamente. Deste modo uma
lesão que atinge a mesial de um molar é considerada classe II, assim como, uma lesão
que envolva todas as faces.
 Classe III: são lesões e/ou cavidades que envolvem uma ou ambas as faces proximais
dos incisivos e caninos (dentes anteriores), sem, entretanto, comprometer o ângulo
incisal.
 Classe IV: lesões e/ou cavidades que envolvem a face proximal de um dente anterior e
que, simultaneamente, comprometem pelo menos um ângulo incisal. Pode ser
empregada em traumatismo.
 Classe V: são as lesões que envolvam o terço gengival das faces vestibular ou lingual de
todos os dentes. Região cervical, superfícies lisas ou livres. Pode ser empregada para
abrasão e atrição.
 Classe VI (Howard e Simon): não participa da classificação de Black, vem para
complementar a classificação original e se refere a lesões e/ou cavidades localizadas em
ponta de cúspide dos dentes posteriores, sem envolvimento de cicatrículas e fissuras ou
nas bordas incisais de dentes anteriores sem comprometimento do ângulo incisal. No
terço médio