Você está na página 1de 1

A ILLUSÃO BRAZILEIRA

Oportunidade de manifestar solidariedade na última obra de caridade que se pode e deve prestar
a quem se foi, os velórios não deixam de ser um local de reencontro. Mas já não se faz velórios
como antigamente. A modernidade vem se encarregando de alterar o protocolo ... Quando o
velório tem de atravessar a madrugada, já não é raro que a certa altura da noite a sala seja
chaveada e as pessoas retornem no dia seguinte. No interior da Bahia, como certa feita me
contou Seu Geir, admirável filho de Irajuba, o correr das horas tinha como companheira uma boa
pinga, o que mitigava o sofrimento e adormecia uns e outros, de preferência os chatos.

Depois das condolências aos familiares, do persignar-se e das orações junto ao falecido,
sobrevêm as tradicionais perguntas “como foi?”, “sofreu no final?”, “tinha consciência?”.
Cumprido o ritual básico, é comum que as pessoas se afastem e passem a conversar com uns e
outros. Sobre tudo, do futebol à política, de trivialidades a anedotas. Afinal, é vida que segue.

Pois foi num velório que um conhecido me recomendou a leitura do livro cujo título denomina
este texto, do maranhense Dunshee de Abranches. Discípulo de Rio Branco, seguiu o lema do
patrono de nossa diplomacia: “A pátria livre pela pátria soberana”. Acabara de ler “Nicolau e
Alexandra”, de Robert Massie, obra excepcional que me foi emprestada por dileto amigo. Massie
descreve a trajetória dos Romanov até a eliminação de Nicolau e sua família em Ekaterinburg e
atribui à Alemanha a responsabilidade maior pela eclosão da Primeira Guerra Mundial. O
prussiano Guilherme II, primo de Nicolau, seria, segundo Massie, o grande culpado pelo trágico
evento, cujo estopim foi o assassinato do arquiduque austríaco Ferdinand em Sarajevo. O livro
de Massie foi publicado em 1967.

Abranches publicou “A illusão brazileira” em 1917 e sua versão quanto à responsabilidade pela
primeira conflagração mundial é bem diversa. Segundo ele a guerra foi única e exclusivamente
comercial, instigada pela Inglaterra, travada e mantida com a sempre poderosa arma da
informação. Uma das primeiras providências inglesas foi cortar os cabos telegráficos alemães no
Atlântico, isolando a Alemanha e seus aliados do Novo Mundo.

Tudo se fez, no Brasil de então, para jogar a opinião pública contra o nosso maior cliente e
fornecedor, justamente a Alemanha. Nas ruas, cafés, restaurantes e mesmo no parlamento os
alemães e austríacos no Brasil passaram a ser hostilizados. Abranches afirma que a expressão
“militarismo prussiano” não passou de um espantalho linguístico para tornar odioso o
imperialismo germânico, tão odioso quanto os imperialismos britânico, francês ou russo. Ao
socorrer a Bélgica, a título de evitar sua escravização pelos alemães, a Inglaterra, que esgoelava
a Irlanda com sua mão de ferro, tinha pouca ou nenhuma autoridade.

Indignado com as ações dos aliados, Abranches escreveu que cem anos depois de nossa
libertação civil éramos um país apenas geograficamente autônomo: “À nossa independência
política não sucedeu ainda a nossa emancipação econômica. Somos uma nação de fato
tributária. Vivemos do estrangeiro, pelo estrangeiro e para o estrangeiro”. Assinala que os
ingleses invejavam o desenvolvimento extraordinário e rápido da marinha mercante e da
indústria alemãs e que eles, os ingleses, não toleravam qualquer competição perigosa ao seu
comércio e ao seu predomínio marítimo.

Em março de 1915 o Times, órgão da política britânica, caprichou na franqueza: “Nós, ingleses,
não estamos pelejando por amor das pequenas nações, nem para suprimir o militarismo. Não
estamos combatendo, quer pela França, quer pela Rússia. Desembainhamos a espada por nós
mesmos, porque desejamos permanecer senhores do mar e do comércio do mundo”. No
decorrer do conflito o Brasil foi fortemente prejudicado pelas restrições inglesas, impostas sem
qualquer pudor, à exportação do café, nosso produto mais importante à época.

A primeira guerra devastou impérios, provocou a renúncia de Guilherme II, oportunizou a


revolução russa e o assassinato do czar. O que teria sido do mundo se Nicolau, torturado pela
hemofilia do filho, não houvesse mordido a isca preparada pelos ingleses? Teria o comunismo
sido implantado? Onde? São perguntas com respostas que não passam de especulações, num
mundo que parece destinado a sangrar por qualquer coisa. Um mundo hemofílico.