Você está na página 1de 15
PRIVACAO E DELINQUENCIA D. W. Winnicott TT 10. AGRESSAO E SUAS RAIZES AGRESSAO (Escrito para professores, c. 1939.) Amor e édio constituem os dois principais elementos a partir dos quais se constroem as relagdes humanas. Mas amor e édio envolvem agressivida- de. Por outro lado, a agresstio pode ser um sintoma de medo. ~~ Seria uma tarefa imensa examinar todas as questdes implicitas neste enunciado: preliminar, mas hé certas coisas relativamente simples a se- rem ditas acerca da agressao, e estas cabem no ambito deste artigo. Parti de um pressuposto, o qual tenho consciéncia de que nem todos consideram correto, de que todo o bem e o mal encontrados no mundo das relagdes humanas serao encontrados no 4mago do ser humano. Levo esse_ pressuposto mais longe afirmando que no bebé existe amore ddio com ple- _ ma intensidade humana. Se pensarmos em termos do que o bebé esta organizado para enfren- tar, poderemos facilmente chegar 4 conclusfo de que amor e ddio nao so experimentados mais violentamente pelo adulto do que pela crianga pe- quena. Se tudo isso é aceito, deveria seguir-se que € s6 observar o ser huma- no adulto ou a crianca pequena para ver 0 amor e 0 édio que existe neles; mas se 0 problema fosse tao simples, nem haveria problema. De Ge todas as tendéncias humanas, a agressividade, em especial, é escondida, “disfarcada, desviada, atribuida a agentes externos, e quando se manifesta é sempre uma tarefa dificil identificar suas origens..\ Os professores conhecem bem os impulsos agressivos de seus alunos, sejam latentes ou manifestos, e As vezes véem-se obrigados a enfrentar ex- plosdes agressivas ou uma crianca que é agressiva. Ao escrever isto, sou 90 NATUREZA E ORIGENS DA TENDENCIA ANTI-SOCIAL capaz de entreouvir as palavras “A crianga deve estar sofrendo em resul- tado da energia supérflua que ndo é dirigida para os canais certos.” (Estou escrevendo sentado & vontade nos jardins de um colégio onde professores estao em conferéncia e parte da discussio de domingo A tarde dessas pro- fessoras chega até mim.) Ai estd o conhecimento consciente de que a energia instintiva reprimi- da constitui um perigo potencial para o individuo e para a comunidade, mas, quando se trata de aplicar essa verdade, surgem complicagdes que mostram que ha muita coisa a aprender sobre as origens da agressividade. A conversa das professoras chega uma vez mais até mim: “...e vooés sabem 0 que ela fez no semestre passado? Trouxe-me um ramo de viole- tas, ¢ eu quase me deixei iludir, mas soube que ela as roubara do jardint vizinho! ‘Dai a César...’, disse eu. Imaginem que ela rouba dinheiro e de- pois oferece doces as outras criangas...!”” Nesse caso, nao se trata, é claro, de simples agressao. A crianga quer sentir-se amando, mas é impotente para-consegui-lo. Poderd sentir-se aman- do por um momento se a professora ou as criangas puderem set iludidas, mas para ser digna de amor,\ela deve obter algo de alguma parte fora de si mesma. , Para se entenderem as dificuldades dessa menina, temos que compre- ender suas fantasias inconscientes. E ai que podemos estar certos de en- contrar a agressividade que causa seu sentimento de irremedidvel’ desespe- ro é, portanto, que causa indiretamente sua atitude anti-social. Pois:o com- portamento agressivo de criancas que chama a atencfo de um professor nunca é uma questo exclusiva de emergéncia de instintos agressivos pri- mitivos. Nenhuma teoria valida sobre a agressividade infantil poderé ser construida a partir de premissa tao falsa. Antes de examinarmos a fantasia, buscaremos a agressividade primé- ria que se manifesta em relagdes externas. Como poderemos aproximar- nos disso? Devemos estar preparados, é claro, para descobrir que nunca pode- mos ver desnudado o édio que, no entanto, sabemos que existe no intimo do ser humano. Até a crianca pequena que deseja que saibamos que ela gosta de derrubar torres de blocos de armar, somente permite que saiba- mos disso porque existe, num determinado momento, uma atmosfera geral de construgao de uma torre com blocos de armar, e nesse contexto ela po- de ser destrutiva sem que se sinta desesperada. Um menino bastante timido, de 4 anos, tem ataques de irracionalida- de. Ele grita para a babd, ou para a mae ou o pai. “Vou pOr fogo na casa de yocés! Vou arrancar suas tripas!” Esses ataques eram considerados, por quem néo estava familiarizado com eles, como altamente agressivos e, originalmente, eram mesmo. Eles AGRESSAO E SUAS RAIZES o1 destroem magicamente. Mas, com o tempo, 0 menino acabou reconhecen- “do que a mégica falha e fransformou entfo o ataque agressivo em orgias verbais, em que se compraz em injuriar com a boca. A maneira como su- blinha as palavras ameacadoras é terrivel. Nenhuma violéncia concreta € cometida. Mas ele fere realmente seus pais quando é incapaz de manifestar agra- do pelos presentes que lhe dao. E a agressividade é efetiva quando ele é levado a um piquenique, por exemplo, e seu comportamento exasperador faz com que todos voltem para casa exaustos. Até a crianga mais novinha consegue exaurir os pais. No comeco, ela os esgota sem saber; depois, es- pera que eles gostem que ela os esgote; finalmente, esgota-os de cansaco quando esta furiosa com eles. Um garotinho de 2 anos e meio ¢ trazido 4 minha clinica porque, em- bora seja habitualmente uma crianga modelo, “‘levanta-se de repente e morde as pessoas até lhes tirar sangue”. As vezes, arranca tufos de cabelos das pessoas que cuidam dele ou joga louga no chao. Terminado o espasmo, fica triste com o que acabou de fazer. Acontece que ele s6 magoa aqueles de quem gosta muito. Agride principalmente a avé materna, que é invélida, e de quem cle geralmente cuida como um adulto, colocando a cadeira no lugar que ela pede, cuidan- do solicitamente do conforto dela. Temos af algo que se assemelha bastante A agressfo priméria, pois o menino é.constantemente estimulado pela mie e a avd, e estas acreditam (corretamente, em minha opiniao) que ele “sé morde quando esta excita- do e nao sabe, simplesmente, o que fazer de sua excitacaio”. Essa manifes- tagao de agressdo primdria nao é muito comum nessa idade. O remorso que se segue ao ataque geralmente assume (na idade desse menino) a for- ma de proteger efetivamente as pessoas de qualquer dano concreto. Numa andlise, certamente seria apurado que os ataques desse menino contém al- go mais do que agressividade primaria. « Encorajados pelo éxito parcial, consideremos agora o bebé. Se um bebé se dispde a fazer mal, é evidente que nao pode causar grande dano real. Serd que o bebé pode mostrar-nos a agressividade sem disfarces? De fato, nao existe uma compreensio clara a esse respeito. Sabe-se que os bebés mordem os seios da mée, tirando até sangue. Com suas gengi- vas, podem provocar gretas nos mamilos e, quando nascem os primeiros dentes, podem chegar a machucar muito. Uma mae conhecida minha dis- se: “Quando me trouxeram o bebé, ele investiu contra meu seio de um modo selvagem, dilacerando meus mamilos com as gengivas, e em pou- cos instantes 0 sangue escorria. Senti-me dilacerada ¢ aterrorizada. Levei muito tempo para me recuperar do édio que surgiu em mim contra a pe- quena fera, e acho que essa é uma das principais razdes por que o bebé nunca desenvolveu verdadeira confianga quanto ao bom alimento.”” AGRESSAO E SUAS RAIZES 93 percebe que, para sentir-se gratificado, poe em perigo o que ama. Normal- mente, ele chega a uma conciliagéo e permite-se suficiente satisfagio ao mesmo tempo que evita ser excessivamente perigoso. Mas, em certa medi- da, frustra-se; assim, deve odiar alguma parte de si mesmo, a menos que possa encontrar alguém fora de si mesmo para frustrd-lo e que suporte ser odiado. Em segundo lugar, vem a separacao do que pode causar dano daqui- lo que é menos provayel que o cause. Morder, por exemplo, pode ser des- frutado separadamente das pessoas que ama, através de mordidas em ob- jetos que nao podem sentir. Desse modo, os elementos agressivos do ape- tite podem ser isolados e poupados para serem usados quando a crianga esta furiosa e, finalmente, mobilizados para combater a realidade externa percebida como mé. A nossa busca da agressividade pura através do estudo do bebé fracas- sou parcialmente, e devemos tentar extrair algum proveito de nosso fra- casso. Ja indiquei a pista para a razdo de nosso fracasso, ao mencionar a palavra fantasia. A verdade € que, ao oferecermos uma descrigéo extremamente minu- ciosa do comportamento do bebé ou da crianga estamos deixando de fora pelo menos a metade, pois a riqueza da personalidade é, predominante- mente, um produto do mundo de relag6es internas que a crianca esta cons- truindo tempo todo através do dar e receber psiquico, algo que ocorre permanentemente e é paralelo ao dar e receber fisico que se pode facil- mente presenciar. A parte principal dessa realidade interior, um mundo que se sente estar dentro do corpo ou dentro da personalidade, é inconsciente, exceto na medida em que pode ser isolada pelo individuo dos milhdes de expres- ses instintiyas que acabaram formando sua caracteristica. Vemos agora que ha ai um jogo de forgas destrutivas que nfo exami- namos, no interior da personalidade da crianga, e ai podemos encontrar, de fato (no decorrer da psicanélise, por exemplo), as forcas boas e més em plena forga. Ser capaz de tolerar tudo o que podemos encontrar em nossa realida- de interior é uma das grandes dificuldades humanas, e um dos importan- tes objetivos humanos consiste em estabelecer relagdes harmoniosas entre as realidades pessoais internas e as realidades exteriores. Sem tentar aprofundar-nos muito na origem das forcas que lutam pelo predominio dentro da personalidade, posso assinalar que quando as forgas cruéis ou destrutivas ameacam dominar as forgas de amor, o, individuo tem de fazer alguma coisa para salvar-se, ¢ uma das coisas que ele faz é pér para fora o seu intimo, dramatizar exteriormente o mundo interior, representar ele préprio o papel destrutivo e provocar seu controle por 94 NATUREZA E ORIGENS DA TENDENCIA ANTI-SOCIAL uma autoridade externa. O controle pode ser estabelecido desse modo, na fantasia dramatizada, sem sufocagao séria dos instintos, ao passo que o controle interno necessitaria ser geralmente aplicado e resultaria num es- tado de coisas conhecido clinicamente como depressio. Quando existe esperanca, no que se refere s coisas internas,'a vida instintiva esta ativa e 0 individuo pode usufruir do uso de impulsos ins- tintivos, incluindo os agressivos, convertendo em bem na vida real 0 que. era dano na fantasia. Isso constitui a base do brincar e do trabalho. Qb- serva-se que, ao aplicar a teoria, a extenséo em que podemos ajudar uma crianga no sentido da sublimacao é limitada pelo estado do mundo inte- rior da crianga. Se a destruico for excessiva e incontrolével, muito pouca reparacao € possivel e nada podemos fazer para ajudar. Tudo o que a_ crianga pode fazer é negar a propriedade de fantasias mas ou entio dra- matiza-las. A agressividade, que dificulta seriamente o trabalho da professora, é quase sempre essa dramatizacao da realidade interior que 6 ruim demais para ser tolerada como tal. Freqiientemente implica um colapso da mas- turbacao ou da exploracao sensual, a qual, quando bem-sucedida, propor- ciona um vinculo entre realidade exterior e interior, entre sensagOes cor- porais e fantasia (embora esta seja principalmente fantasia inconsciente). Assinalou-se que ha. uma relacao entre o.abandono da masturbacao e o inicio do comportamento anti-social (recentemente mencionada por Anna Freud, numa conferéncia ainda nao publicada), e a causa dessa relac&o se- ra encontrada na tentativa que a crianca faz de levar uma realidade in- terna terrivel demais a ser reconhecida em relacio com a realidade exter- na. A masturbagao é a dramatizagao constituem métodos alternativos, mas ambos falharao, necessariamente, quanto ao seu objetivo, porque o tinico elo verdadciro € a relagao da realidade interna com as experiéncias instin- tivas originais que a formam. Essa relago s6 pode ser reconstituida por tratamento psicanalitico e, como a fantasia é terrivel demais para ser acei- ta ¢ tolerada, nao pode ser usada na sublimagao. Os individuos normais esto sempre fazendo o que os anormais s6 podem fazer por tratamento analitico, isto é, alterando seus eus internos por novas experiéncias de incorporacao e projegéo. E um problema cons- tante de criancas e adultos encontrar formas seguras de eliminar a malda- de. Muita coisa é dramatizada e resolvida (falsamente) através dos cuida- dos em torno da eliminagao de elementos fisicos provenientes do corpo. Um outro. método’ é por meio de jogos ou trabalho que envolyam uma agao distinta que possa ser desfrutada com prazer, com a conseqiiente eli- minagao do sentimento de frustragaio ¢ ofensa: um menino que luta boxe ou chuta bola sente-se melhor com 0 que est fazendo, em parte porque gosta de agredir e dar pontapés e em parte porque sente inconscientemen- AGRESSAO E SUAS RAIZES 95 te (falsamente) que est4 expulsando a maldade através dos punhos e dos pés. Uma menina que anseia por um bebé estd, em certa medida, ansian- do pela reafirmacao de que incorporou algo bom, de que o reteve e de que tem uma coisa boa desenvolvendo-se dentro dela. Essa é a reafirmacao tranqiiilizadora (embora falsa) que ela necessita por causa de seu sentimen- to inconsciente de que pode estar vazia, ou cheia de coisas ruins. E sua agressividade que lhe da essas idéias. Também busca, é claro, a paz que sente que poderd obter se for instintualmente gratificada, o que significa que ela teme os elementos agressivos de seu apetite, os quais ameacam do- miné-la se for frustrada durante a excitagao. A masturbacao pode ajudar nesta tiltima necessidade, mas nao na primeira. Em decorréncia disso, pode-se perceber que 0 édio ou frustragdo am- biental desperta reacdes controlaveis ou incontrolaveis no individuo, con- forme o montante de tensdo que ja existe na fantasia inconsciente pessoal do individuo. Um outro método importante para lidar com a agres$ao na realidade interna é 0 método masoquista, por meio do qual o individuo encontra o sofrimento e, ao mesmo tempo, expressa agressividade, é punido e, assim, aliyiado de sentimentos de culpa, e desfruta’ de excitacio ¢ gratificagaio sexuais. Isto esta fora de nosso atual objeto de estudo. Em segundo lugar, hd o controle da agressao orientada pelo medo, a yersao dramatizada de um mundo interno terrivel demais. O objetivo dessa agressao é encontrar o controle e forgd-lo a funcionar. E tarefa do adulto impedir que essa agressAo fuja ao controle, proporcionando uma autorida- de confiante, dentro de cujos limites um certo grau de maldade pode ser dramatizado e usufrufdo sem perigo. A retirada gradual dessa autoridade é uma parte importante do lidar com adolescentes, e os meninos e meni- nas adolescentes podem ser agrupados segundo sua capacidade para tole- rar a retirada da autoridade imposta. & tarefa de pais ¢ professores cuidar para que as criangas nunca se vejam diante de uma autoridade tao fraca a ponto de ficarem livres de qualquer controle ou, por medo, assumirem elas préprias a autoridade. A assungao de autoridade provocada por ansiedade significa ditadura, ¢ aqueles que tiveram a experiéncia de deixar as criancas controlarem seus préprios destinos sabem que 0 adulto tranqiiilo é menos cruel, enquanto autoridade, do que uma crianga podera se tornar se for sobrecarregada com responsabilidades. Em terceiro lugar (e neste caso o sexo faz diferenca), ha o controle da agressividade madura, aquela que se observa nitidamente em meninos adolescentes e que, em grande medida, motiva a competicao dos adoles- centes em jogos e no trabalho. A poténcia envolve que se tolere a idéia de 96 NATUREZA E ORIGENS DA TENDENCIA ANTI-SOCIAL matar um rival (0 que leva ao problema do valor da idéia de guerra, um tema deveras impopular). A agressividade madura nao é algo a ser curado; é algo a ser notado € consentido. Se for incontrolavel, saimos de lado e deixamos que a lei se encarregue. A lei esté aprendendo a respeitar a agressio do adolescente, © pais conta com ela em tempo de guerra. Finalmente, toda a agressio que ndo € negada, e pela qual pode ser aceita a responsabilidade pessoal, € aproveitavel para dar forca ao tra- balho de reparacao e restituicao. Por tras de todo jogo, trabalho e arte esta © remorso inconsciente pelo dano causado na fantasia inconsciente, e um desejo inconsciente de comecar a corrigir as coisas. O sentimentalismo contém uma negac&o inconsciente da destrutivi- dade subjacente 4 construcio. E devastador para a crianga em desenvol- vimento e pode acabar por fazer com que ela tenha de mostrar de forma direta a destrutividade que, num meio menos sentimentalista, ela teria po- dido comunicar indiretamente, mostrando desejo de construir. E parcialmente falso afirmar que “devemos dar oportunidade para a expresso criativa, se quisermos neutralizar os impulsos destrutivos da crianga”. O que se faz necessério € uma atitude nfo-sentimentalista em relagéo a todas as producées, o que significa a apreciacao nfo tanto do talento como da luta que h por tras de qualquer realizaco, por menor que seja. Pois, com excecao do amor sensual, nenhuma manifestagéo de amor € sentida como valiosa se nao implicar agressaio reconhecida e con- trolada. Um dos objetivos na construgao da personalidade é tornar o indivi- duo capaz de drenar cada vez mais 0 instintual. Isso envolve a capacidade crescente para reconhecer a propria crueldade e avidez, que entdo, e sé entéo, podem ser dominadas e convertidas em atividade sublimada. S6 se soubermos que a crianga quer derrubar a torre de cubos, sera importante para ela vermos que sabe construi-la. RAIZES DA AGRESSAO (Escrito para The Child, the Family and the Outside World, 1964) O leitor teré compreendido, pelas diversas referéncias disseminadas por todo este presente livro; que sei que as criangas gritam, mordem, dao pontapés e puxam os cabelos das maes e tém impulsos agressivos ou des- trutivos, ou, de qualquer modo, desagradaveis. A tarefa de cuidar de bebés ¢ de criangas é complicada por episddios destrutivos que podem necessitar de tratamento e, por certo, precisam de AGRESSAO E SUAS RAIZES 97 compreensao. Seria de grande ajuda para a compreensao’ desses aconteci- mentos cotidianos se pudéssemos fazer uma exposigao tedrica sobre as rafzes da agressividade. Entretanto, como poderei abranger todos os as- pectos desse vasto e dificil tema, lembrando ao mesmo tempo que muitos dos meus leitores nao esto estudando psicologia, mas se dedicam, na pra- tica, a cuidar de criangas e bebés? Em resumo, a agressdo tem dois significados. Por um lado, constitui direta ou indiretamente uma reacao 4 frustracao. Por outro lado, é uma das muitas fontes de energia de um individuo. Problemas imensamente complexos surgem a partir de um exame mais detalhado dessa simples afir- magao e, na verdade, s6 poderei comegar a elaborar aqui.o tema principal. Todos concordarao que nao poderemos apenas falar da agressividade tal como se revela na vida da crianca. O assunto é muito mais amplo; e, de qualquer modo, trata-se sempre de uma crianga em evolugao, e é o de- senvolvimento de uma coisa a partir de outra o que mais profundamente nos interessa. As vezes, a agressio se manifesta plenamente e se consome, ou preci- sa de alguém para enfrenté-la e fazer algo que impega os danos que ela po- deria causar. Outras vezes os impulsos agressivos nao se manifestam aber- tamente, mas aparecem sob a forma de algum tipo oposto. Talvez seja bom obseryar alguns tipos de opostos da agressio. Mas, em primeiro lugar, devo fazer uma observaco de ordem geral. Convém assumir que, fundamentalmente, todos os individuos sao seme- Ihantes em sua esséncia, apesar dos fatores hereditarios que fazem de nds aquilo que somos e tornam os individuos distintos uns dos outros. Quero dizer que existem certas caracterfsticas na natureza humana que se podem encontrar em todas as criangas e em todas as pessoas de qualquer idade; h4 constatagdes abrangentes a respeito do desenvolvimento da personalida- de humana, desde os primeiros anos de vida até a independéncia adultas que so aplicdveis a todos os seres humanos, independentemente de sexo, raca, cor da pele, credo ou posico social. As aparéncias podem variar, mas existem denominadores comuns nos problemas humanos. Pode ser que uma crianca tenda para a agressividade e outra dificilmente revele qual- quer sintoma de agressividade, desde o principio, embora ambas tenham o mesmo problema. Acontece simplesmente que essas duas criangas estao lidando de maneiras distintas com suas cargas’de impulsos agressivos. Se tentarmos observar o inicio da agressividade num individuo, 9 que encontraremos é o fato de um movimento do bebé. Este ocorre até antes do nascimento, nao sé nas evolugdes do bebé antes de nascer mas também nos movimentos mais bruscos das pernas, que fazem a mae dizer que sente © filho dando pontapés. Uma parte da crianca movimenta-se e, ao mover- se, d4 de encontro com algo. Um observador poderia talvez chamar a isso 98 NATUREZA E ORIGENS DA TENDENCIA ANTI-SOCIAL uma pancada ou um pontapé, mas a substAncia dessas pancadas e ponta- pés esta faltando porque o bebé (antes de nascer ou recém-nascido) ainda nfo se converteu numa pessoa que possa ter uma razao clara para uma acao. Por conseguinte, existe em toda crianga essa tendéncia para movi- mentar-se e obter alguma espécie de prazer muscular no movimento, lu- crando com a experiéncia de moyer-se e dar de encontro com alguma coi- sa. Acompanhando essa caracteristica, poderfamos descrever 0 desenvol- vimento de uma crianga anotando a progressao desde um simples movi- mento até as agdes que exprimem raiva ou os estados que denunciam édio € controle do édio. Poderiamos continuar descrevendo a maneira como a pancada casual conyerte-se em machucar com a inteng&o de machucar e, ao lado disso, poderemos encontrar uma Protecéo do objeto que é simul- taneamente amado e odiado. Além disso, poderemos definir a organizagao das idéias e impulsos destruidores numa crianga como um padrao de com- portamento; e, no desenvolvimento sadio, tudo isso pode mostrar a manei- ra como as idéias destrutivas, conscientes ou inconscientes, e as reagdes a tais idéias, aparecem nos sonhos e brincadeiras da crianca, e também na agressio dirigida contra aquilo que ¢ aceito no meio imediato da crianga como merecedor de destruicao. Podemos compreender que essas primeiras pancadas infantis levam a uma descoberta do mundo que nao é 0 eu da crianga € ao comeco de uma relagaio com objetos externos. O que logo seré comportamento agres- sive nao passa, portanto, no inicio, de um simples impulso que leva a um movimento ¢ aos primeiros passos de uma exploracdo. A agressao estd sempre ligada, desta maneira, ao estabelecimento de uma distingao entre O que € € 0 que nao go eu. Tendo deixado claro, espero, que todos os individuos humanos sao semelhantes, apesar de cada um ser essencialmente distinto, posso agora referir-me a alguns dos intimeros opostos da agressio. Como exemplo temos o contraste entre a. crianca ousada e a timida. Na primeira, a tendéncia € obter o alivio que faz parte da manifestacao aberta de agressao e hostilidade, e na outra ha uma tendéncia a encontrar essa agressividade nao no eu mas em outro lugar, e a ter medo dela ou ficar apreensiva, na expectativa de que se volte para a prépria crianga, a partir do mundo externo. A primeira crianga é feliz por descobrir que a hostilidade manifestada € limitada e consumivel, ao passo que a segunda crianga jamais atinge um termo satisfatério, e continua a espera de dificul- dades. E, em alguns casos, as dificuldades realmente existem. Algumas criangas tendem, definitivamente, a yer seus préprios impulsos agressivos controlados (reprimidos) na agressao de outros. Isso pode evo- luir de um modo no sadio, uma vez que o suprimento de petseguigao po- AGRESSAO E SUAS RAIZES 99 derd esgotar-se e teré de ser fornecido por ilusdes. Assim, encontramos criangas que estéo sempre na expectativa de perseguic&o e tornando-se agressivas, talvez, por autodefesa contra ataques imaginados. Isso é uma doenca, mas pode ser encontrado, enquanto padrio, numa fase do desen- volvimento de quase todas as criancas. Observando outro tipo de oposto, podemos contrastar a crianga facil- mente agressiva com aquela que mantém a agressividade “dentro dela” e, portanto, torna-se tensa, excessivamente controlada e séria. Segue-se, naturalmente, certo grau de inibicaéo de todos os impulsos e, assim, da ca- pacidade criadora, pois esta est4 vinculada a irresponsabilidade infantil e & vida sem preocupagées. No entanto, no caso desta tiltima alternativa, embora a crianga perca algo em termos de liberdade interior, pode-se afir- mar que hé-um beneficio, na medida em que o autodominio comecou a se desenvolver, ao lado de um certo respeito pelos outros e uma protegao ao mundo contra aquilo que seria crueldade da crianga. Na crianga sadia desenvolve-se, com efeito, a capacidade para colocar-se na situagao das outras pessoas ¢ identificar-se com pessoas e objetos externos. Uma das coisas mais embaragosas que envolvem o autocontrole ex- cessivo é 0 fato de que uma crianca gentil, que nao seria capaz de fazer mal a uma mosca, pode estar sujeita a surtos periddicos de sentimentos ¢ conduta agressivos, como uma explosdo de raiva, por exemplo, ou uma aco perversa, e isso nao tem valor positivo para ninguém, ainda menos para a crianga, que mais tarde pode até nem se lembrar do que aconteceu. Tudo que os pais podem fazer é encontrar um meio de sair desse episédio incémodo e esperar que, ao crescer, a crianga possa desenvolver uma ex- pressaio mais significativa de agressaio. Outra alternativa mais madura para o comportamento agressivo é a crianca sonhar. Nos sonhos, a destruicio e o assassinio sao experimentados em fantasia e essa atividade onirica est4 associada a um determinado grau de excitacao no corpo; é uma experiéncia concreta e nado apenas um exer- cicio intelectual. A crianga que consegue controlar os sonhos est4 ficando apta para qualquer tipo de brincar, sozinha ou com outras criangas. Se o sonho contiver destruicfo excessiva, ou envolver uma ameaca séria de- mais para objetos sagrados ou se sobrevier 0 caos, ent&o a crianca acorda- 14 gritando. Neste ponto, a mae desempenhara o seu papel ficando dispo- nivel para a crianga e ajudando-a a despertar do pesadelo, para que a rea- lidade externa possa exercer uma vez mais sua funcao tranqiiilizadora. Esse processo de despertar pode constituir também uma experiéncia estra- nhamente satisfatéria para a crianga. E preciso estabelecer aqui uma disting&o nitida entre sonho e deva- neio. Nao estou me referindo ao encadeamento de fantasias, durante a vi- gilia. A diferenca essencial do sonho, em relagao ao devaneio, é que a pes- 100 NATUREZA E ORIGENS DA TENDENCIA ANTI-SOCIAL soa que sonha esta dormindo, e pode ser acordada. O sonho pode ser es- quecido, mas foi sonhado, e isso é significativo. (Existe também o sonho verdadeiro, que transborda para a vigilia da crianca, mas isso é outra hi toria.) Falei no brincar, que se aproxima da fantasia e do reservatério total do que poderia ser sonhado, e das camadas profundas — as mais profun- das de todas — do inconsciente. Pode-se facilmente entender o quanto é importante, num desenvolvimento sadio, 0 papel da aceitagéio dos simbo- los pela crianga. Uma coisa “sustenta” a outra, e a conseqiiéncia é um enorme alivio em relacdo aos crus e incémodos conflitos pertinentes & ver- dade pura. E embaragoso quando uma crianca ama ternamente a mae e também quer comé-la; ou quando uma crianca ama e ao mesmo tempo detesta o pai, e nao pode deslocar o ddio ou o amor para um tio; ou quando uma crianga quer yer-se livre de um noyo bebé na familia e nao pode expressar satisfatoriamente esse sentimento perdendo um brinquedo. H4 algumas criangas que so assim e sofrem por isso. Geralmente, porém, a aceitacao de simbolos comega cedo. Essa acei- tagéo da condig6es para as experiéncias de vida da crianca. Por exemplo, quando um bebé adota muito cedo algum objeto especial para acariciar, este representa tanto a crianca como a mae. Constitui, assim, um simbolo de unio, como 0 polegar que o bebé chupa; ¢ o préprio simbolo pode ser atacado, ¢ também muito mais apreciado do que todas as coisas que a crianga venha a possuir mais tarde. O brincar, baseado como é na aceitacao de sfmbolos, contém possibi- lidades infinitas. Torna a crianca capaz de experimentar tudo 0 que se encontra em sud intima realidade psiquica pessoal, que é a base do senti- mento de identidade em desenvolvimento. Tanto haveré agressividade co- mo amor. Na crianga em processo de amadurecimento surge outra alternativa muito importante destruicao. E a construc@o. Tentei descrever um pou- co da maneira complexa como, em condigdes ambientais favordveis, um impulso construtivo est4 relacionado com a aceitacdo pessoal, por parte da crianga, da responsabilidade pelo aspecto destrutivo da sua natureza. Um dos mais importantes sinais de satide é o surgimento e a manutengio, na crianga, do brincar construtivo. Trata-se de algo que nao pode ser implan- tado como no pode ser implantada, por exemplo, a confianga. Aparece, com o tempo, como resultado da totalidade das experiéncias de vida da crianga no ambiente, proporcionadas pelos pais ou pelos que atuam como pais. Essa relagao entre agressfio e construgao pode ser comprovada se re- tirarmos de uma crianca (ou de um adulto) a oportunidade de fazer alguma coisa pelos que Ihe so préximos e queridos, ou a possibilidade de “con- AGRESSAO E SUAS RAIZES 401 tribuir”, de participar na satisfagao das necessidades da familia. Por “contribuir” entendo fazer coisas por prazer, ou ser como alguém, mas a0 mesmo tempo verificando que isso é uma necessidade para a felicida- de da mae ou para o andamento do lar. E como “‘encontrar o préprio ni- cho”. Uma crianga participa fazendo de conta que cuida do bebé, arruma a cama, usa a maquina de lavar ou faz doces, e uma condic&o para que essa patticipagao seja satisfatéria € que esse faz-de-conta seja levado a sé- rio por alguém. Se alguém zomba, tudo se converte em pura mimica, e a crianga experimenta uma sensagio de impoténcia e inutilidade fisicas. Entao, facilmente poderé ocorrer uma explosdo de franca destrutividade € agressao. Fora dessas experiéncias, a mesma coisa poderd ocorrer em situacdes comuns, pois ninguém compreende que uma crianga tenha necessidade de dar, mais ainda do que de receber. Observa-se que a atividade de um bebé sadio caracteriza-se por mo- yimentos naturais e uma tendéncia para bater contra as coisas; isso gra- dualmente é usado pelo bebé, ao lado dos gritos, cuspidas, de passar fezes e urina, a servigo da raiva, do ddio e da vinganga. A crianca passa a amar e odiar simultaneamente, e a aceitar a contradigao. Um dos mais impor- tantes exemplos da conjugacao de amor e agressao surge com o impulso para morder, que passa a ter um sentido aproximadamente a partir dos cinco meses de idade. Por fim, integra-se no prazer que acompanha o ato de comer qualquer espécie de alimento. Originalmente, porém, é 0 objeto bom, 0 corpo materno, que excita o morder e produz idéias de morder. Assim, 0 alimento acaba por ser aceito como um simbolo do corpo da mae, do corpo do pai ou de qualquer outra pessoa amada. E tudo muito complicado e € necessdrio muito tempo para que a crianga domine as idéias e excitagdes agressivas e seja capaz de controld- las sem perder a capacidade para ser agressivo em momentos apropriados, seja ao odiar ou ao amar. Disse Oscar Wilde: “Todo homem mata aquilo que ama.” A cada dia verificamos que, ao lado do amor, devemos esperar a mégoa. Cuidan- do de criangas, observamos que elas tendem a amar aquilo que machu- cam, Machucar faz parte da vida da crianga e a pergunta é: de que manei- ra seu filho encontraré uma forma de aproveitar essas forgas agressivas para a tarefa de viver, amar, brincar e (finalmente) trabalhar? E isso nao é tudo. Ha ainda a pergunta: qual € 0 ponto de origem da agressio? Vimos que, no desenvolvimento do recém-nascido, existem os primeiros movimentos naturais e os gritos, e que estes podem ser agradé- yeis, mas ndo tém um significado claramente agressivo, pois a crianga ain- da nao est4 devidamente organizada como pessoa. Queremos saber, no entanto, como acontece, talvez muito cedo, que um bebé destrua o mundo. 102 NATUREZA E ORIGENS DA TENDENCIA ANTI-SOCIAL Isso € de importancia vital, pois é 0 residuo dessa destruicdo infantil “di- fusa’’ cue poderé realmente destruir o mundo em que vivemos e que ama- mos. Na mfgica infantil, o mundo pode ser aniquilado num abrir e fechar de olhos, e recriado através de um novo olhar e uma nova fase de necessi- dade. Os venenos e as armas explosivas dao 4 magia infantil uma realida- de que é 0 préprio oposto da magica. A grande maioria das criangas recebe cuidados suficientes, nas pri- meiras fases, para que se realize um determinado grau de integragao na personalidade, ¢ o perigo de uma irrupgao macica de destrutividade in- teiramente vazia de sentido torna-se improvavel. A titulo de prevencdo, o mais importante € reconhecermos o papel desempenhado pelos pais na facilitagio dos processos de maturacao de cada crianca, no decurso da vida familiar; e, em: especial, podemos aprender a avaliar o papel da mae nos primeiros tempos, quando a relagao do bebé com a mie se transfor- ma de relagao puramente fisica em uma relacdo onde o bebé toma conta- to com a atitude da mie, e o puramente fisico comeca a ser enriquecido e complicado por futores emocionais. Mas a pergunta permanece: o que sabemos sobre a origem dessa for- ¢a inerente aos seres humanos e subjacente A atividade destrutiva ou seu equivalente no sofrimento sob autocontrole? Por tras dela, est a destrui- ¢@o magica. Isso é normal para as criangas nas primeiras fases de seu de- senvolvimento, ¢ caminha lado a lado com a criacio magica. A destruicgao primitiva ou magica de todos os objetos est ligada ao fato de que (para a crianga) o objeto deixa de ser parte de “mim” para ser “nao-mim”, deixa de ser fenémeno subjetivo para passar a ser percebido objetivamente. Ge- ralmente essa mudanga ocorre por gradacdes sutis que acompanham as mudangas graduais na crianca em desenvolvimento, mas, havendo uma participagao deficiente da mae, essas mesmas mudangas ocorrem brusca- mente e de uma maneira imprevisivel para a crianga. Ao acompanhar a crianga, com sensibilidade, através dessa fase vital do inicio do desenvolvimento, a mae estar dando tempo ao filho para ad- quirir todas as formas de lidar com o choque de reconhecer a existéncia de um mundo situado fora do seu controle magico. Dando-se tempo para os processos de maturacao, a crianca se tornaré capaz de ser destrutiva e de odiar, agredir e gritar, em vez de aniquilar magicamente o mundo. De: sa maneira a agressao concreta é uma realizacdo positiva. Em comparagao com a destruicio mégica, as idéias ¢ 0 comportamento agressivos adqui- rem valor positivo e o ddio converte-se num sinal de civilizagéo, quando se tem em mente todo o processo do desenvolvimento emocional do indi- viduo, e especialmente suas primeiras fases. Tentei descrever em outra parte justamente essas fases sutis por meio das quais, quando existe participagao adequada da mie e boa orien- AGRESSAO E SUAS RAIZES 103 tagdo dos pais, a maioria das criancas aleanga a satide e capacidade para deixar de lado o controle e a destruigao m4gicos, e para desfrutar da agres- so que nelas acompanha as gratificagdes ¢ todas as relagdes ternas e ri- quezas pessoais intimas que compoem a vida da infancia.

Você também pode gostar