Você está na página 1de 85

FGV – FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

CEEM – CENTRO DE ENSINO EMPRESARIAL


MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS - PROJECT MANAGEMENT MBA
CAMPO GRANDE – PROJ 5
TCC - TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO

Espaço VIVER MAIS

Alunos:
Angela Piell Martins Fernandes
Diego Luiz Pereira Lima
Gabriela Rae
Manoel Cardoso Pereira
Marucia dos Santos Brown
Roberto Henrique da Rocha Viana

Professor orientador: José Ângelo Santos do Valle, DSc

Campo Grande – MS, dezembro de 2017.


2

Sumário

1. SUMÁRIO EXECUTIVO – EXECUTIVE SUMARY 6

2. INTRODUÇÃO - INTRODUCTION 6
2.1. Localização 7
2.2. Visão geral do Espaço Viver Mais 8
2.3. Serviços oferecidos pelo Espaço Viver Mais 13

3. ANÁLISE ESTRATÉGICA – STRATEGIC ANALYSIS 14


3.1. Contextualização 14
3.2. Estatística demográfica de Campo Grande – MS 15
3.3. Faixa etária – alvo 16
3.4. Necessidade social 18
3.5. Visão 19
3.6. Missão 19
3.7. Valores 19
3.8. Análise Swot 19

4. ANÁLISE DA VIABILIDADE– VIABILITY ANALYSIS 20


4.1. Demonstrativo da viabilidade 21
4.2. Fluxo de caixa 21
4.3. Custos variáveis 22
4.4. Custos fixos 23

5. PLANO DE GERENCIAMENTO DE ESCOPO – SCOPE MANAGEMENT PLAN 23


5.1. Termo de abertura 23
5.2. Declaração do escopo 25
5.3. Plano de Gerenciamento de Mudanças - Chance Management Plan 33

6. PLANO DE GERENCIAMENTO DE PRAZOS – SCHEDULE MANAGEMENT PLAN 37


6.1. Cronograma 37
6.2. Controle do cronograma 39

7. PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTOS – COST MANAGEMENT PLAN 42


7.1. Orçamento resumido 42
7.2. Distribuição de custos 42
7.3. Orçamento 43
7.4. Planejamento de desembolso para o projeto 45
7.5. Maiores custos para o projeto 45
7.6. Valor agregado 46

8. PLANO DE GERENCIAMENTO DE QUALIDADE – QUALITY MANAGEMENT PLAN 47


8.1. Documentos de referência 47
8.2. Ciclo de melhoria contínua 47
3

8.3. Indicadores e requisitos de qualidade 48


8.4. Avaliação e responsáveis por requisitos 49

9. PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS – PEOPLE MANAGEMENT PLAN 49


9.1. Organograma 49
9.2. Matriz de responsabilidade 50
9.3. Descrição e responsabilidade da função 51
9.4. Matriz de competências 52
9.5. Estimativas de recursos 53
9.6. Treinamento da equipe 53
9.7. Critérios de avaliação e desempenho 53

10. PLANO DE GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES – COMMUNICATIONS MANAGEMENT PLAN 55


10.1. Estrutura analítica dos stakeholders 55
10.2. Matriz de stakeholders 55
10.3. Engajamento das partes interessadas 56
10.4. Matriz de comunicações 57
10.5. Diretório da equipe do projeto 57
10.6. Responsável pelo plano de comunicações 58
10.7. Plano de reuniões 58
10.8. Plano de Gerenciamento da Documentação 60
10.9. Plano de Divulgação do Projeto 61

11. PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS – RISK MANAGEMENT PLAN 61


11.1. Estruturação dos riscos - Risk Breakdown Structure 61
11.2. Análise qualitativa/quantitativa 63
11.3. Mapa de probabilidade x impacto dos riscos de oportunidades 66
11.4. Mapa de probabilidade x impacto dos riscos de ameaças 67

12. PLANO DE GERENCIAMENTO DE AQUISIÇÕES – PROCUREMENT MANAGEMENT PLAN 68


12.1. Decisão fazer ou comprar (MAKE OR BUY) 68
12.2. Mapeamento de aquisições 70
12.4. Controle de pedidos e entregas 75
12.5. Fechamento de contratos e recebimento de produtos 76

13. PLANO DE GERENCIAMENTO DE SUSTENTABILIDADE – SUSTAINABILITY MANAGEMENT PLAN 77


13.1. Contexto 77
13.2. Certificação LEED - Leadership in Energy and Environmental Design 78
13.3. Aplicações sustentáveis no Espaço Viver Mais 78

14. REFERÊNCIAS 84
4

LISTA DE FIGURAS
Figura 1 - Plano geral de Campo Grande. 7
Figura 2 – Localização do imóvel 7
Figura 3 – Visão 3D e planta baixa. 8
Figura 4 – Área administrativa. 9
Figura 5 – Refeitório. 10
Figura 6 – Área de lazer. 11
Figura 7 – Área de descanso. 12
Figura 8 – Distribuição das famílias por renda em Campo Grande – MS. 14
Figura 9 – População de Campo Grande – MS. 15
Figura 10 – Pirâmide etária da População de Campo Grande – MS. 15
Figura 11 – População residente. 16
Figura 12 – Pirâmide Etária Idosa Masculina. 17
Figura 13 – Pirâmide Etária Idosa Feminina. 17
Figura 14 - Expectativas em relação aos arranjos de moradia na velhice. 18
Figura 15 – Análise de Swot. 20
Figura 16 – Fluxo de caixa. 21
Figura 17 – Modelo de gráfico para controle de cronograma. 40
Figura 18 - Template para formulário de controle de cronograma. 41
Figura 19 – Fluxo da reunião 41
Figura 20 – Distribuição dos custos. 42
Figura 21 – Curva S de desempenho. 45
Figura 22 – Pareto dos 10 itens de maior custo para o Projeto. 46
Figura 23 – Pareto dos Custos das Entregas do Projeto. 46
Figura 24 - Ciclo PDCA. 47
Figura 25 - Organograma. 50
Figura 26 – Estrutura Analítica dos Stakeholders. 55
Figura 27 - Estruturação dos riscos – parte I. 61
Figura 28 - Estruturação dos riscos – parte II. 62
Figura 29 - Estruturação dos riscos – parte III. 62
Figura 30 - Estruturação dos riscos – parte IV. 63
Figura 31 - Fluxo de gerenciamento de aquisições. 68
Figura 32 - Fluxo de levantamento de fornecedores. 70
Figura 33 - Fluxo de seleção e contratação de fornecedores. 72
Figura 34 - Fluxo de controle de pedidos. 75
Figura 35 - Fluxo de encerramento de aquisições. 76
Figura 36 – Indicação de transporte. 79
Figura 37 – Check List (Ref. GBC BRASIL). 84

LISTA DE TABELAS

Tabela 1 – Ambientes. 13
Tabela 2 – Serviços oferecidos. 14
Tabela 3 – IDH. 16
Tabela 4 – Faixa etária da população IDOSA. 16
Tabela 5 – Receitas mês um. 20
Tabela 6 – Tabela A do fluxo realista. 21
Tabela 7 - Tabela B do fluxo realista. 22
Tabela 8 - Tabela A do fluxo realista. 22
Tabela 9 – Custos variáveis. 22
Tabela 10 – Custos fixos. 23
Tabela 11 – Termo de Abertura do Projeto. 24
Tabela 12 – Serviços oferecidos. 25
Tabela 13 – Principais marcos. 26
5

Tabela 14 – EAP - WBS 27


Tabela 15 – Dicionário da EAP. 33
Tabela 16 – Formulário de solicitação de mudança. 35
Tabela 17 – Check list entrega obra. 37
Tabela 18 – Principais marcos do Projeto - Milestones 37
Tabela 19 – Cronograma – Barras de Gantt I 37
Tabela 20 – Cronograma - Barras de Gantt II 38
Tabela 21 – Cronograma de marcos a cumprir. 39
Tabela 22 – Cronograma detalhado. 39
Tabela 23 – Controle do cronograma. 40
Tabela 24 – Orçamento resumido. 42
Tabela 25 – Orçamento resumido. 44
Tabela 26 – Desembolso acumulado para o Projeto. 45
Tabela 27 - Gerenciamento do Valor Agregado. 47
Tabela 28 - Indicadores e requisitos de qualidade. 48
Tabela 29 - Responsáveis pelos Requisitos de qualidade 49
Tabela 30 – Matriz Responsabilidade 50
Tabela 31 – Matriz Capacitação 50
Tabela 32 – Responsabilidades da função. 52
Tabela 33 – Matriz Competências. 52
Tabela 34 – Estimativa de recursos. 53
Tabela 35 – Treinamentos. 53
Tabela 36 – Avaliação de desempenho. 54
Tabela 37 – Matriz Stakeholders. 56
Tabela 38 – Níveis de Engajamento. 56
Tabela 39 – Planejamento do engajamento. 56
Tabela 40 – Matriz Comunicações. 57
Tabela 41 – Contatos Equipe Projeto. 58
Tabela 42 – Plano Reuniões. 58
Tabela 43 – Formulário ata reuniões. 60
Tabela 44 – Plano Gerenciamento documentação. 61
Tabela 45 – Plano divulgação do projeto. 61
Tabela 46 – Descrição dos riscos. 63
Tabela 47 - Tabela de riscos - parte I. 64
Tabela 48 - Tabela de riscos - parte II. 65
Tabela 49 – Probabilidade x impacto oportunidades. 66
Tabela 50 – Probabilidade x impacto ameaças. 67
Tabela 51 - Análise fazer ou comprar (Make or Buy). 70
Tabela 52 – formulário solicitação de informação. 71
Tabela 53 - Mapa de aquisições. 71
Tabela 54 – Tipos de contrato. 72
Tabela 55 - Formulário de solicitação de cotação (RFQ). 73
Tabela 56 - Formulário de solicitação de proposta (RFP). 74
Tabela 57 - Critérios eliminatórios. 74
Tabela 58 - Critérios classificatórios. 75
Tabela 59 – formulário de aceite parcial. 76
Tabela 60 – formulário de aceite definitivo. 77
Tabela 61 – Itens sustentáveis. 82
6

1. SUMÁRIO EXECUTIVO – EXECUTIVE SUMARY


Este documento apresenta o plano de gerenciamento do projeto para implantação do
Espaço VIVER MAIS, um centro de atendimento e convivência para idosos, programado
para ser executado a partir de novembro de 2017, com duração de 18 meses, sendo
concluído em fevereiro de 2019, ao custo de R$ 2.000.000,00 (dois milhões de reais), área
construída de 1.250m², e será localizado na Av. Afonso Pena, nº 5900, bairro Cachoeira,
em Campo Grande - Mato Grosso do Sul.

O público alvo do empreendimento são os idosos com famílias que não possuem
estrutura suficiente para atender plenamente suas necessidades de cuidado e atenção,
imprescindíveis para uma vida saudável, possibilitando além da socialização, novos
aprendizados para esses idosos, independente de classe social.

O Espaço VIVER MAIS, tem como proposta ser o primeiro espaço de atendimento de
idosos em Campo Grande a obter o selo verde LEED (Leadership in Energy and
Environmental Design) do Green Building Council (www.gbcbrasil.org.br), com as
premissas estabelecidas para uma vida com qualidade, ativa e saudável, promovendo a
interação entre eles, em linha com o crescimento da expectativa de vida da população,
cada vez mais longeva, através de:

 Atividades físicas, lúdicas e de raciocínio;


 Assistência de cuidadores;
 Palestras e novos aprendizados;
 Reforço da auto estima.

2. INTRODUÇÃO - INTRODUCTION
Com uma população acima de 60 anos de cerca de 78 mil pessoas, Campo Grande
ainda não possui uma unidade de atendimento com o perfil de socialização e atividades
proposto pelo Espaço Viver Mais, pois os 20 estabelecimentos identificados no
levantamento realizado, possuem apenas o viés de asilo ou abrigo, numa concepção de
moradia permanente, que isola os idosos de seus familiares sem promover o exercício
pleno de seus direitos e potencialidades ativamente.

Assim, considerando a faixa etária de 70 a 89 anos, que totalizam cerca de 32 mil


pessoas, e a meta de atingir cerca de 1% desse público, com menor atividade social e
profissional, e ainda o conceito inovador proposto neste empreendimento, além dos itens
diferenciados relativos ao ambiente ecologicamente correto, o projeto será pioneiro na
cidade e no estado.
7

2.1. Localização
O local definido para a implantação do Espaço Viver Mais, foi doado pela Prefeitura
Municipal de Campo Grande, e está situado na mais importante avenida da cidade, em
uma região nobre, próximo ao maior parque e reserva ecológica do município, a 500m de
um shopping e centro comercial, além de bancos, bares e restaurantes. Por ser uma região
central, dispõe também de fácil acesso via transporte público, inclusive com integração
para os 4 cantos do município.

Figura 1 - Plano geral de Campo Grande.


Fonte – Google Earth.

Figura 2 – Localização do imóvel


Fonte – Google Maps.
8

2.2. Visão geral do Espaço Viver Mais


Visando melhor atender os idosos da capital sul-mato-grossense este projeto foi
conceituado nas normas de acessibilidade, de conforto ergonômico e de sustentabilidade,
com ambientes amplos, ventilados e bem iluminados, com área total de 2.500 m2 e área
construída de 1.250 m2.

Figura 3 – Visão 3D e planta baixa.


Fonte – Arquiteta Taynara Kalachi.
9

Figura 4 – Área administrativa.


Fonte – Arquiteta Taynara Kalachi.
10

Figura 5 – Refeitório.
Fonte – Arquiteta Taynara Kalachi.
11

Figura 6 – Área de lazer.


Fonte – Arquiteta Taynara Kalachi.
12

Figura 7 – Área de descanso.


Fonte – Arquiteta Taynara Kalachi.
13

Tabela 1 – Ambientes.

2.3. Serviços oferecidos pelo Espaço Viver Mais

Serviços Descrição

Espaço para a convivência dos idosos de várias idades,


Centro de convivência
com o foco na interação social entre eles.

Cuidados básicos Cuidados diários a serem assistidos por equipe


especializados especializada: higiene, alimentação, atividades físicas

Cuidadores treinados para acompanhamento diário e


Acompanhamento de
administração dos medicamentos sob prescrição e de
cuidadores
uso continuo dos idosos

Alimentação com Alimentação balanceada para atender as necessidades


orientação nutricional nutricionais dos idosos
14

Atividades com preparador físico, voltadas para as


Atividades lúdicas necessidades e limitações dos idosos incluindo
exercícios e jogos em grupo, etc.

Atendimento semanal para orientação das atividades


Fisioterapia
aos idosos.

Atividades artísticas com foco terapêutico (pintura,


Arte terapia
argila)

Aula de musicalização Musicalização através de canto.

Dia da beleza periódico, para atendimento na empresa,


Dia de beleza
visando a autoestima dos idosos.

Tabela 2 – Serviços oferecidos.


.

3. ANÁLISE ESTRATÉGICA – STRATEGIC ANALYSIS


3.1. Contextualização
Com uma população estimada em 874 mil pessoas em 2017 (IBGE), a cidade de Campo
Grande, capital do Mato Grosso do Sul, possui cerca de 3,76% de sua população (32.500
pessoas) em idade entre 70 e 89 anos (IBGE 2010), e ainda, 30% da população com a renda
domiciliar per capita estimada em até 1/2 salário mínimo (Fonte: IBGE-2010 - R$ 255,00).
Utilizando esse mesmo parâmetro de valor, o valor atualizado seria de R$ 468,50 (ref. salário
mínimo/2017).

Figura 8 – Distribuição das famílias por renda em Campo Grande – MS.


Fonte – IBGE, Censo Demográfico 2010.

Considerando a necessidade nos dias atuais de que um maior número de membros da


família em idade produtiva esteja no mercado de trabalho, a fim de contribuir com as despesas
familiares, a idade média da população (jovens), e o número cada vez mais reduzido de
15

membros nas famílias, atualmente a disponibilidade para dedicação e cuidado de seus


familiares mais idosos está cada vez menor.

Analisando economicamente a média das famílias brasileiras, cuja média salarial ainda
está abaixo das necessidades familiares, muito poucas famílias apresentam condições de
contratar um cuidador especializado para os membros mais idosos, o que os levam a 2
alternativas:

a) algum membro se disponibilizar a cuidar, deixando muitas vezes de trabalhar ou


buscando alternativas de renda informais, ou ainda;

b) conseguindo uma vaga em instituições especializadas no atendimento a idosos,


conhecidas como casas de repouso ou asilos, as quais nem sempre tem cumprido
seu papel adequadamente, tornando-se assim, entidades estigmatizadas pela
sociedade, como um local de abandono de pessoas em idade avançada.

3.2. Estatística demográfica de Campo Grande – MS

Figura 9 – População de Campo Grande – MS.


Fonte – (https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/campo-grande/panorama). Nov./17.

Figura 10 – Pirâmide etária da População de Campo Grande – MS.


16

População residente, por grupos de idade - 2010


78.496; 10%

177.755; 23%

0 a 14 anos
15 a 59 anos
60 anos ou mais

530.546; 67%

Figura 11 – População residente.


Fonte – IBGE, Censo Demográfico 2010.

Nível Indicador 1991 2000 2010


1 IDH 0.563 0.673 0.784

Tabela 3 – IDH.
Fonte – (https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/campo-grande/panorama). Nov./17.

3.3. Faixa etária – alvo

Pirâmide Etária

Idade Campo Grande Mato Grosso do Sul Brasil

Homens Mulheres Homens Mulheres Homens Mulheres

70 a 74 anos 6.257 8.003 21.656 22.333 1.667.289 2.074.165

75 a 79 anos 4.025 5.493 13.970 15.193 1.090.455 1.472.860

80 a 84 anos 2.406 3.511 8.139 9.414 668.589 998.311

85 a 89 anos 1.165 1.739 3.792 4.783 310.739 508.702

Total 14.490 19.733 49.582 54.617 3.890.806 5.349.418

Tabela 4 – Faixa etária da população IDOSA.


Fonte – IBGE, Censo Demográfico 2010.
17

Considerando a expectativa média da população no Brasil, de cerca de 76,5 anos,


atualmente, a população encontra-se bastante ativa, inclusive economicamente, após os 60
anos, tanto pela disposição física e mental, quanto pelas necessidades financeiras, em muitos
casos.

Com base no censo publicado pelo IBGE, em 2010 a população de Campo Grande,
com idade entre 60 e 89 anos é de cerca de 77.788 pessoas, as quais podem ter uma maior
necessidade de atendimento especializado.

Pirâmide Etária Campo Grande Homens


85 a 89 anos; 1.165;
3% 90 a 94 anos; 484;
80 a 84 anos; 2.406;
2%
7% 60 a 64 anos
60 a 64 anos; 11.651;
75 a 79 anos; 4.025; 34% 65 a 69 anos
12% 70 a 74 anos
75 a 79 anos
80 a 84 anos
85 a 89 anos
70 a 74 anos; 6.257;
90 a 94 anos
18%
65 a 69 anos; 8.329;
24%

Figura 12 – Pirâmide Etária Idosa Masculina.


Fonte – IBGE, Censo Demográfico 2010.

Pirâmide Etária Campo Grande Mulheres


70 a 74 anos; 8.003;
21%

70 a 74 anos
75 a 79 anos
80 a 84 anos
75 a 79 anos; 5.493;
Total; 19.733; 51% 85 a 89 anos
14%
Total

80 a 84 anos; 3.511;
9%
85 a 89 anos; 1.739;
5%

Figura 13 – Pirâmide Etária Idosa Feminina.


Fonte – IBGE, Censo Demográfico 2010.
18

Diante disso, identificamos um público estimado de cerca de 1% da população entre 70


e 89 anos que será o público alvo desse projeto, em Campo Grande/MS.

3.4. Necessidade social


De acordo com mapeamento realizado em Campo Grande, existem cerca de 20
unidades de atendimento a idosos sob o regime de internação, dos quais, a maioria não possui
o atendimento intradia, conforme proposto neste projeto.

Com a crescente mudança no perfil da população, maior expectativa de vida e maior


permanência no mercado de trabalho, as famílias precisam se ajustar para conseguir manter
seus entes mais idosos com boa assistência e também maiores opções de convívio social.

Em pesquisa global realizada em 2013, pela empresa Nielsen* com cerca de 30 mil
pessoas, as expectativas da população mundial sobre seu próprio envelhecimento incluem
dados relacionados a sua convivência em família e na sociedade, que reportam essa
percepção inclusiva.

* Nielsen Holdings N.V. (NYSE: NLSN) é uma empresa global de informações e mensuração com posições
líderes em informações de mercado e de consumo, mensuração de audiência televisiva e de outros meios de
comunicação, inteligência online e mensuração de plataformas móveis. A Nielsen está presente em
aproximadamente 100 países, com sedes em Nova York, EUA e Diemen, Holanda. (www.nielsen.com).

Figura 14 - Expectativas em relação aos arranjos de moradia na velhice.


Fonte - Pesquisa Global Sobre Envelhecimento da Nielsen, 3º Trimestre de 2013.
19

3.5. Visão
Ser a empresa referência no atendimento de qualidade para pessoas idosas em Campo
Grande MS.

3.6. Missão
Proporcionar ao público de idosos a oportunidade de integração e qualidade de vida
através da socialização, cuidados e estímulos para a adoção de hábitos saudáveis, com o
apoio de equipe especializada.

3.7. Valores
Nossos valores éticos nos orientam nas nossas decisões e relações interpessoais e
comerciais, com funcionários, clientes, fornecedores e demais stakeholders:

 Respeito à vida, às pessoas e ao meio ambiente


 Confiança
 Gente é tudo para a gente

Responsabilidade - Assumimos a responsabilidade por nossas decisões e as


consequências delas decorrentes.

Justiça - Buscamos o tratamento imparcial e igualitários aos envolvidos em cada processo


ou procedimento.

Honestidade - Agimos de acordo com as boas práticas e zelando pela verdade e a honra
em nossas ações e negociações.

Equidade – Acreditamos que as pessoas devem ter as mesmas chances e opções para o
exercício de sua profissão, independente de gênero, e apoiamos e damos oportunidades
para o crescimento profissional em todos os níveis da organização, através do adequado
enquadramento das competências e maturidade de cada profissional.

3.8. Análise Swot


Diante do cenário de maior longevidade que se desenha para o futuro, com a expectativa
média de vida do brasileiro aumentando, o crescente envelhecimento da população, e a
necessidade de mais serviços especializados para este público, e ainda a parceria com o setor
público relativo a parte dos atendimentos previstos no estatuto do idoso e a ausência de
concorrentes no mesmo nicho de mercado, identificamos que os fatores de sucesso do
empreendimento são maiores que as vulnerabilidades.
20

Figura 15 – Análise de Swot.

4. ANÁLISE DA VIABILIDADE– VIABILITY ANALYSIS


A estimativa de receitas detalhadas para o primeiro mês é apresentada na tabela abaixo.

Valor do Ocupação Capacidade Receita


Serviço prestado serviço (hora) mês um mensal (hora) mensal
Cuidados de higiene pessoal R$ 1,25 30,00 342 R$ 12.810,00
Acompanhamento de idosos R$ 4,35 30,00 1.366 R$ 178.315,20

Ginastica R$ 0,30 30,00 39 R$ 351,36


Hidroginástica R$ 0,30 30,00 37 R$ 329,40

Dança R$ 0,42 30,00 34 R$ 430,42


Atividades ao ar livre R$ 1,00 30,00 85 R$ 2.562,00

Meditação R$ 0,20 30,00 27 R$ 161,04


Jogos de tabuleiro R$ 0,33 30,00 22 R$ 217,40

Total 1.952 R$ 195.176,82

Tabela 5 – Receitas mês um.


21

4.1. Demonstrativo da viabilidade


Para o demonstrativo da viabilidade foram utilizados os métodos de valor presente líquido
(VPL) combinado com a taxa interna de retorno (TIR).
● VPL de R$ 369.657,10
● TIR de 13%
● Payback de 7,97 trimestres

Figura 16 – Fluxo de caixa.

4.2. Fluxo de caixa


O fluxo de caixa detalhado é apresentado abaixo. Foram aplicados os fatores de ocupação
de 30%, 43%, 57%, 65% 83%, 92%, para os trimestres T1 a T6 e 95% para os trimestres T7
a T20 respectivamente.

Tabela 6 – Tabela A do fluxo realista.


22

Tabela 7 - Tabela B do fluxo realista.

Tabela 8 - Tabela A do fluxo realista.

4.3. Custos variáveis

Descrição Valor
Água R$ 1.728,48
Energia R$ 3.526,39
Manutenção R$ 4.236,79
Outras despesas R$ 2.000,00
Tributos R$ 2.643,08
TOTAL R$ 14.134,74

Tabela 9 – Custos variáveis.


23

4.4. Custos fixos

Profissional Quantidade Salario Valor Trimestral


Cuidador 7 R$ 2.342,92 R$ 49.201,32
Profissional de educação física 1 R$ 2.419,25 R$ 7.257,75
Nutricionista 1 R$ 3.853,76 R$ 11.561,28
Gerente administrativo 1 R$ 7.163,17 R$ 21.489,51
Profissional de limpeza 2 R$ 1.627,82 R$ 9.766,92
Cozinheiro 2 R$ 1.627,82 R$ 9.766,92
TOTAL R$ 8.615,93 R$ 109.043,70

Tabela 10 – Custos fixos.

5. PLANO DE GERENCIAMENTO DE ESCOPO – SCOPE MANAGEMENT PLAN


5.1. Termo de abertura

Projeto: ESPAÇO VIVER MAIS


Patrocinador Henrique Muhr
(Sponsor):
Cliente: Henrique Muhr
Gerente do Projeto: ANGELA PIELL MARTINS FERNANDES
Responsabilidades e Autoridade do Gerente do Projeto:
Coordenar e integrar as atividades em várias linhas funcionais e gerenciar as
comunicações entre as partes interessadas, garantindo entregas e custos dentro do
esperado.
Objetivo
Implantação do Espaço VIVER MAIS , na Av. Afonso Pena, nº 5900, bairro Cachoeira,
em Campo Grande - Mato Grosso do Sul, que será um espaço de convivência para
pessoas de 70 a 89 anos, e oferecerá os seguintes serviços:
 Centro de convivência
 Cuidados básicos especializados
 Acompanhamento de cuidadores
 Alimentação com orientação nutricional
 Atividades lúdicas
 Fisioterapia
 Arte terapia
 Aula de musicalização
 Dia de beleza

Justificativa
O estabelecimento é um espaço de convivência para atendimento de idosos,
visando atender as famílias que precisam trabalhar e não tem condições pagar um
cuidador ou enfermeiro para atendimento individual e a satisfação dos clientes
atendidos.
24

Escopo do Projeto

A implantação do ESPAÇO VIVER MAIS, um centro de atendimento e convivência para


idosos, programado para ser executado a partir de novembro de 2017, com duração de 18
meses, sendo concluído em fevereiro de 2019, ao custo de R$ 2.000.000,00 (dois milhões
de reais), área construída de 1.250m², e será localizado na Av. Afonso Pena, nº 5900,
bairro Cachoeira, em Campo Grande - Mato Grosso do Sul.

Benefícios Esperados
Aumentar a qualidade de vida de idosos e suas famílias, prezando a satisfação

Principais envolvidos
Público; pessoas físicas de Campo Grande e região, patrocinadores, sócios
Riscos
Demanda maior que a capacidade instalada;
Atraso na liberação do alvará de funcionamento;
Valor da obra excedendo o previsto;
Falta de mão de obra qualificada;
Premissas e Restrições
Premissas:
Valor da Obra não poderá exceder R$ 1.700.000,00
Valor do mobiliário não poderá exceder R$ 300.000,00
O Projeto será financiado com recursos de terceiros
Capacidade de atendimento diário entre 50 e 100 pessoas

Restrições:
O Custo do projeto não deverá ultrapassar mais que 10% do orçamento previsto. O
prazo limite do projeto é o ano fiscal da empresa.
Os funcionários contratados deverão ter experiência na área de cuidador, de
preferência com comprovação na carteira de trabalho.
A inauguração do projeto não poderá exceder o 20º mês após o início do projeto.
Aprovações

___/___/___ __________________ ___/___/___ ________________


Patrocinador (Sponsor) Cliente
Nome: Nome:
___/___/___ __________________ ___/___/___ ________________
Gerente Geral de Projetos Gerente de Projetos
Nome: Nome:

Tabela 11 – Termo de Abertura do Projeto.


25

5.2. Declaração do escopo


5.2.1. Justificativa do projeto
Em virtude da crescente demanda de ambientes para cuidados especializados para
idosos, aliada ao crescimento da expectativa de vida do brasileiro, identificamos a
oportunidade de investimento nesse nicho pouco explorado em Campo Grande/MS. Esse
perfil de cliente encontra dificuldades em encontrar um local adequado às suas necessidades
tornando-se, muitas vezes um transtorno para os familiares. Visando essa necessidade de
mercado é que iremos atuar, tendo como diferencial as opções de pacotes mensais ou diárias.

5.2.2. Objetivo do projeto


Implantação do estabelecimento denominado Espaço VIVER MAIS, localizado na Av.
Afonso Pena, n. 5.900, Bairro Chácara Cachoeira – Campo Grande – MS, com área construída
de 1.250 m2, pronto para o funcionamento de um espaço de convivência para pessoas de 70
a 89 anos, visando atender as necessidades dessas famílias, com os serviços de:

 Centro de convivência
 Cuidados básicos especializados
 Acompanhamento de cuidadores
 Alimentação com orientação nutricional
 Atividades lúdicas
 Fisioterapia
 Arte terapia
 Aula de musicalização
 Dia de beleza
Tabela 12 – Serviços oferecidos.

5.2.3. Principais marcos

Nome da tarefa Duração Término

Espaço Viver Mais 472 dias Qua. 27/02/19

1. GERENCIAMENTO DO PROJETO 60 dias Seg. 31/07/17

1.1. DEFINIÇÃO DO LOCAL 59 dias Sex 28/07/17

1.2. LICENÇAS 60 dias Seg. 31/07/17

2. PLANO DO PROJETO 49 dias Sex 14/07/17


26

2.1. PLANO GERENCIAMENTO DO ESCOPO 31 dias Ter 20/06/17

2.2. PLANO DE GERENCIAMENTO DO TEMPO 30 dias Sex 14/07/17

2.3. PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO 30 dias Sex 14/07/17

2.4. PLANO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE 30 dias Sex 14/07/17

2.5. PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS 30 dias Sex 14/07/17

2.6. PLANO DE GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÃO 30 dias Sex 14/07/17

2.7. PLANO GERENCIAMENTO DE RISCO 30 dias Sex 14/07/17

2.8. PLANO DE GERENCIAMENTO DE AQUISIÇÕES 30 dias Sex 14/07/17

2.9. PLANO DE GERENC. DAS PARTES INTERESSADAS 30 dias Sex 14/07/17

3. PREPARAÇÃO 89 dias Qui. 05/10/17

3.1. DEFINIÇÃO DA EQUIPE DE PROJETO 49 dias Qui 10/08/17

3.2. DEFINIÇÃO EQUIPE DE EXECUÇÃO 30 dias Sex 14/07/17

3.3 DEFINIÇÃO DA EQUIPE DE AQUISIÇÃO 49 dias Qui 05/10/17

4. ELABORAÇÃO DO PROJETO 60 dias Qua 01/11/17

5. EXECUÇÃO DO PROJETO 408 dias Qui 29/11/18

5.2. CIVIL 205 dias Ter 14/08/18

5.3 AQUISIÇÕES 408 dias Qui 29/11/18

5.3.1. MOBILIÁRIO 278 dias Sex 23/11/18

5.3.2. ITENS SUSTENTÁVEIS 408 dias Qui 29/11/18

6. ENTREGA 65 dias Qua 27/02/19

6.1. Check list 2 dias Sex 30/11/18

6.2. Aceite final 1 dia Sex 30/11/18

6.3. Execução do As built 5 dias Qui 06/12/18

6.4. Habite-se 60 dias Qua 27/02/19

Tabela 13 – Principais marcos.


27

5.2.4. EAP - WBS


Viver Mais

1. GERENCIAMENTO DO 2. PLANO DO PROJETO 3. PREPARAÇÃO 4. ELABORAÇÃO DO 5. EXECUÇÃO DO 6. ENTREGA


PROJETO PROJETO PROJETO
6.1. Check list
2.1. PLANO 3.1. DEFINIÇÃO DA
4.1. Arquitetônico 5.1.
1.1. DEFINIÇÃO DO GERENCIAMENTO DO EQUIPE DE PROJETO 6.2. Aceite Final
Acompanhamento da
LOCAL ESCOPO 4.2. Estrutural Obra 6.3. Execução do As
3.1.1. Cotação 4.3. Elétrico built
1.1.2 Orçamento 2.1.1. Criar Plano de
Gerenciamento do 3.1.2. Contratação 4.4. Hidráulico 6.4. Habite-se
1.1.3 Viabilidade Escopo 5.2. CIVIL
4.5. Paisagismo
1.1.4 Compra
2.1.2. Validar Escopo 3.2. DEFINIÇÃO EQUIPE 5.2.1. Canteiro de
DE EXECUÇÃO Obra

1.2. LICENÇAS 5.2.2.


2.2. PLANO DE 3.2.1. Cotação Terraplenagem
GERENCIAMENTO DO
1.2.1. Alvará de TEMPO 3.2.2. Contratação 5.2.3. Locação da
construção Obra
1.2.2. Licença 2.2.1. Criar plano de 5.2.4. Fundação
Bombeiro gerenciamento de 3.3 DEFINIÇÃO DA
Tempo EQUIPE DE AQUISIÇÃO 5.2.5. Alvenaria
1.2.3. Licenciamento
Ambiental 2.2.2. Criar 5.2.6. Instalações
Cronograma 3.3.1. Cotação
1.2.4. Licença 5.2.7. Acabamentos
Sanitária 3.3.2. Contratação
5.2.8. Paisagismo

2.3. PLANO DE
GERENCIAMENTO DE
CUSTO 5.3 AQUISIÇÕES

2.3.1. Criar plano de 5.3.1. MOBILIÁRIO


gerenciamento de
Custo
5.3.1.1. Cotação
2.3.2. Criar
Orçamento 5.3.1.2. Compra
5.3.1.3. Instalação
5.3.1.4. Teste das
2.4. PLANO Instalações e
GERENCIAMENTO DA Mobiliário
QUALIDADE

2.4.1. Criar plano de 5.3.2. ITENS


gerenciamento da SUSTENTÁVEIS
Qualidade

2.4.2. Criar Métricas 5.3.2.1. Cotação


da Qualidade
5.3.2.2. Compra
5.3.2.3. Instalação
2.5. PLANO DE 5.3.2.4. Teste das
GERENCIAMENTO DE Instalações
PESSOAS

2.5.1. Criar Plano de


Gerenciamento

2.5.2. Validar Plano


de Gerenciamento

2.6. PLANO DE
GERENCIAMENTO DE
COMUNICAÇÃO

2.6.1. Criar plano de


Gerenciamento da
Comunicação

2.6.2. Validar plano


de gerenciamento
da comunicação

2.7. PLANO
GERENCIAMENTO DE
RISCO

2.7.1. Criar plano de


Gerenciamento de
Risco

2.7.2. Validar plano


de gerenciamento

2.8. PLANO DE
GERENCIAMENTO DE
AQUISIÇÕES

2.8.1. Criar Plano de


Gerenciamento de
Aquisições

2.8.2. Validar Plano


de Gerenciamento

2.9. PLANO DE
GERENCIAMENTO DAS
PARTES INTERESSADAS

2.9.1. Criar Plano de


Gerenciamento das
Partes Interessadas

2.9.2. Validar Plano


de Gerenciamento
das partes
interessadas

Tabela 14 – EAP - WBS


28

5.2.5. Dicionário da EAP


Construir e entregar um estabelecimento pronto para o funcionamento de um espaço
de convivência.
EAP Nome da tarefa Especificação da entrega Critério de aceitação

GERENCIAMENTO DO
1.
PROJETO
Plano de localização de terreno para Aceite de equipe de trabalho e
1.1. DEFINIÇÃO DO LOCAL
construção do empreendimento. assinatura Gerente do Projeto.
1.1.2 Orçamento Doado pela prefeitura. Doação documentada. Decreto
Analisar viabilidade do local quanto ao Aceite de equipe de trabalho e
1.1.3 Viabilidade entorno e atratividade e locomoção de assinatura do Gerente de
clientes. Projeto
1.1.4 Compra Doado pela prefeitura. Doação documentada. Decreto
1.2 LICENÇAS
Alvará de construção e ART da Aceite da Secretaria da Saúde e
1.2.1 Alvará de construção
execução da Obra. Prefeitura do município.
1.2.2 Licença Bombeiro

Licença ambiental (L.I) com Licença protocolada e aceita no


1.2.3 Licenciamento Ambiental especificações do local e liberação para órgão ambiental e publicada no
execução das obras. diário oficial da cidade.

Licença Sanitária aceita,


1.2.4 Licença Sanitária Licença sanitária protocolada. protocolada e publicada no
diário oficial da cidade.
2. PLANO DO PROJETO
Aceite do cliente, equipe e
PLANO GERENCIAMENTO Planejamento do gerenciamento do
2.1 interessados e assinatura do
DO ESCOPO escopo.
Gerente do Projeto.
Criar Plano de
2.1.1 Gerenciamento do Plano de gerenciamento do escopo Aceite do Gerente do Projeto.
Escopo
Aceite da equipe e assinatura
2.1.2 Validar Escopo Escopo validado
do Gerente do Projeto.
PLANO DE Análise da equipe do projeto e
2.2 GERENCIAMENTO DO Planejamento do Tempo/cronograma assinatura do Gerente do
TEMPO Projeto.
29

Criar plano de
2.2.1 gerenciamento de Plano do gerenciamento do tempo Aceite do Gerente do Projeto.
Tempo
2.2.2 Criar Cronograma Cronograma Validação do Gerente
PLANO DE Aceite do cliente, equipe e
2.3 GERENCIAMENTO DE Planejamento do custo interessados e assinatura do
CUSTO Gerente do Projeto.
Planejamento do gerenciamento dos
Criar plano de Aceite e assinatura do Gerente
2.3.1 custos ao longo do andamento do
gerenciamento de Custo do Projeto.
projeto.
Aceite do Cliente e assinatura
2.3.2 Criar Orçamento Orçamento
do Gerente do Projeto.
PLANO GERENCIAMENTO Aceite e assinatura do Gerente
2.4 Planejamento da qualidade
DA QUALIDADE do Projeto.
Criar plano de
Aceite do Cliente e assinatura
2.4.1 gerenciamento da Planejamento da qualidade do projeto
do Gerente do Projeto.
Qualidade
Criar Métricas da
2.4.2 Métricas da Qualidade Validação pelo Gerente.
Qualidade
PLANO DE
Plano com o gerenciamento dos
2.5 GERENCIAMENTO DE Aceite RH.
colaboradores do projeto.
PESSOAS
Criar Plano de
Planejamento do gerenciamento dos Aceite do RH e Gerente do
2.5.1 Gerenciamento de
colaboradores envolvidos. projeto.
pessoas
Validar Plano de
2.5.2 Gerenciamento de Validação do planejado Validação do RH
pessoas
PLANO DE
Gerenciamento dos meios de
2.6 GERENCIAMENTO DAS Aceite das áreas envolvidas.
comunicação.
COMUNICAÇÃO
Criar plano de
Planejamento da comunicação entre as
2.6.1 Gerenciamento da Aceite das áreas envolvidas.
áreas do projeto.
Comunicação
Validar plano de
2.6.2 gerenciamento da Validação da comunicação Aceite das áreas envolvidas.
comunicação
30

PLANO GERENCIAMENTO Definição dos Riscos positivos e Aceite e assinatura do Gerente


2.7
DE RISCO negativos do empreendimento. do Projeto.
Criar plano de Planejamento do gerenciamento de Aceite e assinatura do Gerente
2.7.1
Gerenciamento de Risco risco do Projeto
Validar plano de Validação do planejamento do Aceite e assinatura do Gerente
2.7.2
gerenciamento de risco gerenciamento de risco. do Projeto
PLANO DE
Aceite e assinatura do Gerente
2.8 GERENCIAMENTO DE Plano do gerenciamento das aquisições
do Projeto
AQUISIÇÕES
Criar Plano de
Planejamento do gerenciamento das Aceite e assinatura do Gerente
2.8.1 Gerenciamento de
aquisições do Projeto
Aquisições
Validar Plano de
Validação do gerenciamento das Aceite e assinatura do Gerente
2.8.2 Gerenciamento de
aquisições. do Projeto.
aquisições
PLANO DE
Plano de gerenciamento das partes
2.9 GERENCIAMENTO DAS Aceite das áreas envolvidas.
interessadas.
PARTES INTERESSADAS
Criar Plano de
Planejamento do gerenciamento das
2.9.1 Gerenciamento das Aceite das áreas envolvidas.
partes interessadas.
Partes Interessadas
Validar Plano de
Validação do plano de gerenciamento
2.9.2 Gerenciamento das Aceite das áreas envolvidas.
das partes interessadas.
partes interessadas
3.0 PREPARAÇÃO
DEFINIÇÃO DA EQUIPE
3.1 Definir projetistas Aceite do Gerente do Projeto
DE PROJETO
3.1.1 Cotação Cotação de salários de projetistas Aceite RH.
3.1.2 Contratação Contratação de equipe de projetos. Aceite RH.
DEFINIÇÃO EQUIPE DE Definição de equipe de produção da Aceite do engenheiro de obras
3.2
EXECUÇÃO obra. e gerente do projeto.
Cotação da equipe de produção da Aceite do engenheiro de obras
3.2.1 Cotação
obra. e gerente do projeto.
Aceite do engenheiro de obras
3.2.2 Contratação Contratação de equipe de obra.
e gerente do projeto.
DEFINIÇÃO DA EQUIPE Definição de equipe de aquisição dos Aceite do engenheiro de obras
3.3
DE AQUISIÇÃO insumos da obra. e gerente do projeto.
31

Aceite do engenheiro de obras


3.3.1 Cotação Cotação de equipe de compras.
e gerente do projeto.
Aceite do engenheiro de obras
3.3.2 Contratação Contratação de equipe de compras.
e gerente do projeto.
ELABORAÇÃO DO Engenheiro de obras e equipe
4.0 Projetos executivos.
PROJETO de projetos.
Execução de projeto executivo Engenheiro de obras e equipe
4.1 Arquitetônico
arquitetônico. de projetos.
Engenheiro de obras e equipe
4.2 Estrutural Execução de projeto estrutural.
de projetos.
Engenheiro de obras e equipe
4.3 Elétrico Execução de projeto elétrico.
de projetos.
Engenheiro de obras e equipe
4.4 Hidráulico Execução de projeto hidráulico.
de projetos.
4.5 Paisagismo Execução de projeto de paisagismo. Equipe de projetos.
5.0 EXECUÇÃO DO PROJETO Execução da Obra física. Gerente do projeto e Sponsor.
Acompanhamento referente a diários
Acompanhamento da Engenheiro de obras e Gerente
5.1 de obras e apontamentos diversos de
Obra do Projeto.
todas as etapas da obra.
5.2 CIVIL Obra Civil
Execução do Canteiro de Obra onde
Aceite do encarregado de
servirá de escritório e alojamento para
5.2.1 Canteiro de Obra obras, mestre de obras e
os operários que participarão da
Engenheiro de Campo.
construção.
Aceite do encarregado de
Terraplanagem do terreno do
5.2.2 Terraplenagem obras, mestre de obras e
empreendimento.
Engenheiro de Campo.
Demarcação com equipe de topografia Aceite do encarregado de
5.2.3 Locação da Obra das medidas in loco do obras, mestre de obras e
empreendimento. Engenheiro de Campo.
Aceite do encarregado de
Produção das fundações do
5.2.4 Fundação obras, mestre de obras e
empreendimento.
Engenheiro de Campo.
Aceite do Encarregado de
5.2.5 Alvenaria Produção das paredes em alvenaria.
obras ou mestre de obras.
Execução das instalações elétricas e Aceite do Engenheiro de
5.2.6 Instalações
hidráulicas do empreendimento. Campo.
32

Instalação de louças e metais do


Aceite por escrito do arquiteto
5.2.7 Acabamentos empreendimento e pintura
ou equipe de projetos.
juntamente com retoques finais.
Execução do plantio de gramas e
Aceite por escrito do arquiteto
5.2.8 Paisagismo gramíneas conforme projeto executivo
ou equipe de projetos.
de paisagismo.
Aquisição dos demais itens
5.3 AQUISIÇÕES pertencentes a finalização da obra, Equipe de projetos.
como moveis e decorativos.
Aceite por escrito do arquiteto
5.3.1 MOBILIÁRIO Moveis e decorativos.
ou equipe de projetos.
5.3.1.1 Cotação Cotação de moveis e decorativos. Aceite do Gerente do Projeto.
Aceite do Gerente do Projeto e
5.3.1.2 Compra Compra do moveis e decorativos. equipe de projetos ou
arquiteto.
Instalação dos moveis e demais itens Aceite por escrito do arquiteto
5.3.1.3 Instalação
decorativos. ou equipe de projetos.
Teste dos moveis, peças decorativas e
Teste das Instalações e Aceite por escrito do arquiteto
5.3.1.4 demais itens pertencentes a estética e
Mobiliário ou equipe de projetos.
decoração do empreendimento.
5.3.2 ITENS SUSTENTÁVEIS
Cotação dos itens sustentáveis pela Aceite pelo Gerente do Projeto
5.3.2.1 Cotação
equipe de compras. e Sponsor.
Compra de insumos e serviços para os Aceite pelo Gerente do Projeto
5.3.2.2 Compra
projetos sustentáveis. e Sponsor.
Construção de cisterna com captações
de águas pluviométricas, para o
adequado reaproveitamento de água e Fiscalização e aceite do
5.3.2.3 Instalação utilização nas áreas de limpeza. Engenheiro de Campo e mestre
Regulagem de torneiras de uso de obra com aceite por escrito.
coletivo, com volume reduzido de
vazão de água.
Aceite do Engenheiro da obra e
5.3.2.4 Teste das Instalações Testes gerais de funcionamento.
equipe de projetos.
Vistoria com ATA de reunião
6.0 ENTREGA Entrega da obra
entre Sponsor, Engenheiro de
33

produção, equipe de projetos e


Gerente do projeto.
Elaboração de ATA de reunião
contendo todos os itens
Listagem com todas as pendências da planilhados que necessitam de
6.1 Check list
obra e datas para saná-las adequação com assinatura de
vistoria da equipe de projeto e
execução.
Assinatura de entrega e
6.2 Aceite final Aceite definitivo da obra conferencia do Check list pelo
Sponsor.
Projeto contemplando as modificações
Analise engenheiro de obra e
6.3 Execução do As built executadas divergentes do projeto
projetistas.
executivo.
Licença habite-se para início das
6.4 Habite-se Aprovação da prefeitura.
atividades.

Tabela 15 – Dicionário da EAP.

5.3. Plano de Gerenciamento de Mudanças - Chance Management Plan


O trabalho apresentado como figura na EAP e descrito no índice da EAP refere-se a base
para o planejamento do projeto e se torna uma linha de base para o escopo. No decorrer do
tempo poderão surgir demandas ou mesmo modificações nas leis ou econômicas que podem
impactar o projeto tanto de uma maneira positiva quanto de maneira negativa, essas
mudanças devem ser monitoradas e se necessário alguns elementos do projeto devem ser
alterados para garantir a saúde do empreendimento, toda mudança deve ser solicitada através
de formulário de solicitação de mudança. Fazendo assim, teremos rastreabilidade da mudança
seguindo a seguinte sequência.

 Formulário de solicitação de mudanças:

Procedimento: Código: Folha:


ELABORAÇÃO PROJETO ESPAÇO VIVER MAIS PROJ 5 – F-02 33/85
Formulário:
FORMULÁRIO SOLICITAÇÃO DE MUDANÇAS
34

SOLICITAÇÃO DE MUDANÇA DO PROJETO

Histórico de Registro

Versão Data Autor Descrição


Data do histórico:
1.0 {Autor da elaboração/modificação} Elaboração do documento
dd/mm/aaaa}
Data do histórico:
{1.1} {Autor da elaboração/modificação} {Motivo da modificação}
dd/mm/aaaa}
1. Identificação da Mudança
Título da Mudança
{Informar o título da mudança}
Solicitante Data da Solicitação
{Informar a unidade ou nome do solicitante da mudança} {Data da solicitação da mudança:
dd/mm/aaaa}
Descrição
{Descrever detalhadamente a mudança solicitada}

Benefícios
{Descrever a justificativa e os benefícios que a mudança trará para o projeto}

Impacto - se não implementada


{Descrever os impactos que o projeto sofrerá se as mudanças não forem implementada}

2. Análise dos Impactos


{Descrever os impactos identificados}

Impactos identificados:

{Haverá alterações no cronograma do projeto?}


No Cronograma

{Haverá alterações no escopo do projeto?}


No Escopo

{Haverá alterações de custos no projeto?}


No Custo

No Alinhamento {Haverá alterações no alinhamento estratégico?}


Estratégico
{Haverá alterações na qualidade do projeto?}
Na Qualidade

Riscos {Riscos decorrentes da implementação da mudança}


Decorrentes
35

Impactos identificados:

{Haverá outros tipos de impactos, por exemplo: projetos inter-relacionados?}


Outros

3. Decisão em Relação à Mudança


Justificativa da Decisão
( ) Aprovada {Descrever a justificativa para a decisão}

( ) Não Aprovada

4. Responsáveis pela Decisão


Nome / Unidade Data Assinatura

5. Recebimento

EPE Data Assinatura

Tabela 16 – Formulário de solicitação de mudança.

 Check list de entrega:


No término do Projeto será feita uma vistoria com a equipe de Obra, Projetos e o Gestor
do projeto a fim de checar o empreendimento todo e identificar falhas ou itens que devam ser
corrigidos.
CHECK LIST ENTREGA DE OBRA

Identificação do Projeto

Projeto
{Nome do projeto}
Gerente do Projeto Ramal / E-mail do Gerente do
{Gerente do Projeto nomeado no TAP} Projeto
{Ramal/ E-mail do Gerente do Projeto}
Unidade Demandante
{Unidade que solicitou o projeto}
36

Gestor do Projeto Processo Administrativo


{Nome do Gestor do projeto} {Número do Processo Administrativo}
Patrocinador
{Pessoa que fornece os recursos necessários para implementação do projeto}

Check List

Versão Data Autor Descrição


Data do
{Autor da Elaboração do
1.0 histórico:
elaboração/modificação} documento
dd/mm/aaaa}
Data do
{Autor da
{1.1} histórico: {Motivo da modificação}
elaboração/modificação}
dd/mm/aaaa}
6. Identificação de itens não conformes

7. Ações referentes aos itens não conformes

8. Decisão em Relação à aprovação


Aprovação da entrega da Obra
( ) Aprovada {Descrever a justificativa para a decisão}
( ) Não Aprovada

9. Responsáveis pela Vistoria


Nome / Unidade Data Assinatura
37

10. Recebimento
Nome / Unidade Data Assinatura
Nome Sponsor
Nome Gerente do Projeto

Tabela 17 – Check list entrega obra.

6. PLANO DE GERENCIAMENTO DE PRAZOS – SCHEDULE MANAGEMENT PLAN


6.1. Cronograma
6.1.1. Milestone
Nome da tarefa Mês/Ano
Termo de abertura do projeto aprovado mai/17
Definição do local jul./17
Legalização (Licenças) jul./17
Finalização dos estudos técnicos nov./17
Início das obras nov./17
Check list nov./18
Entrega final fev./19
Inauguração fev./19
Tabela 18 – Principais marcos do Projeto - Milestones

6.1.2. Cronograma mestre – Barras de Gantt

Tabela 19 – Cronograma – Barras de Gantt I


38

Tabela 20 – Cronograma - Barras de Gantt II

6.1.3. Cronograma de marcos

Item na EAP Tarefa Data

2. Entrega do plano de projeto Sex 14/07/17


39

4. Entrega do projeto técnico Qua 01/11/17

5.2. Entrega da construção Qui 29/11/18

5.3. Termino da instalação dos mobiliários e sustentáveis Qui 29/11/18

6. Entrega final do projeto Qua 27/02/19


Tabela 21 – Cronograma de marcos a cumprir.

6.1.4. Cronograma detalhado

Nome da tarefa Duração Início Término Predecessores Custo Nome de recursos


2. PLANO DO PROJETO 49 dias Ter 09/05/17 Sex 14/07/17 R$ 33.600,00
2.1. PLANO GERENCIAMENTO DO ESCOPO 31 dias Ter 09/05/17 Ter 20/06/17 R$ 3.850,00
2.1.1. Criar Plano de Gerenciamento do Escopo 30 dias Ter 09/05/17 Seg 19/06/17 R$ 3.000,00 Gerente do projeto
2.1.2. Validar Escopo 2 dias Seg 19/06/17 Ter 20/06/17 4 R$ 850,00 Gerente do projeto
2.2. PLANO DE GERENCIAMENTO DO TEMPO 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 4.000,00
2.2.1. Criar plano de gerenciamento de Tempo 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 2.000,00 Gerente do projeto
2.2.2. Criar Cronograma 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 4 R$ 2.000,00 Gerente do projeto
2.3. PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 4.000,00
2.3.1. Criar plano de gerenciamento de Custo 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 2.000,00 Gerente do projeto
2.3.2. Criar Orçamento 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 4 R$ 2.000,00 Gerente do projeto
2.4. PLANO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 4.000,00
2.4.1. Criar plano de gerenciamento da Qualidade 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 2.000,00 Gerente do projeto
2.4.2. Criar Métricas da Qualidade 5 dias Seg 05/06/17 Sex 09/06/17 4 R$ 2.000,00 Gerente do projeto
2.5. PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 3.750,00
2.5.1. Criar Plano de Gerenciamento 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 3.000,00 Gerente do projeto
2.5.2. Validar Plano de Gerenciamento 5 dias Seg 05/06/17 Sex 09/06/17 4 R$ 750,00 Gerente do projeto
2.6. PLANO DE GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÃO 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 2.750,00
2.6.1. Criar plano de Gerenciamento da Comunicação 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 2.000,00 Gerente do projeto
2.6.2. Validar plano de gerenciamento da comunicação 5 dias Seg 05/06/17 Sex 09/06/17 4 R$ 750,00 Gerente do projeto
2.7. PLANO GERENCIAMENTO DE RISCO 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 3.750,00
2.7.1. Criar plano de Gerenciamento de Risco 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 3.000,00 Gerente do projeto
2.7.2. Validar plano de gerenciamento 5 dias Seg 05/06/17 Sex 09/06/17 4 R$ 750,00 Gerente do projeto
2.8. PLANO DE GERENCIAMENTO DE AQUISIÇÕES 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 3.750,00
2.8.1. Criar Plano de Gerenciamento de Aquisições 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 3.000,00 Gerente do projeto
2.8.2. Validar Plano de Gerenciamento 5 dias Seg 05/06/17 Sex 09/06/17 4 R$ 750,00 Gerente do projeto
2.9. PLANO DE GERENCIAMENTO DAS PARTES INTERESSADAS 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 3.750,00
2.9.1. Criar Plano de Gerenciamento das Partes Interessadas 30 dias Seg 05/06/17 Sex 14/07/17 R$ 3.000,00 Gerente do projeto
2.9.2. Validar Plano de Gerenciamento das partes interessadas 5 dias Seg 05/06/17 Sex 09/06/17 4 R$ 750,00 Gerente do projeto

Nota: foi disponibilizado apenas uma parte como ilustração.


Tabela 22 – Cronograma detalhado.

6.2. Controle do cronograma


6.2.1. Planilha para controle de cronograma
Para o controle, será apresentado uma tabela com as datas a serem alimentadas com
o início e término real:
40

Planilha para controle de cronograma


Projeto Viver Mais
Datas reais versus progresso físico
Atividade Data de início real Data de término real Situação
( ) Adiantada
( ) No prazo
( ) Atrasada
( ) Adiantada
( ) No prazo
( ) Atrasada
( ) Adiantada
( ) No prazo
( ) Atrasada
( ) Adiantada
( ) No prazo
( ) Atrasada
Tabela 23 – Controle do cronograma.

6.2.2. Gráfico para controle do cronograma


O gerente de projeto deverá apresentar semanalmente, o projeto físico do projeto,
conforme gráfico abaixo:

Figura 17 – Modelo de gráfico para controle de cronograma.


.

6.2.3. Formulário para controle de cronograma


As reuniões serão registradas através da planilha descrita abaixo, de forma que a
equipe tome conhecimento da situação das atividades. Essas planilhas serão assinadas pelo
gerente de projeto e repassadas por e-mail.
41

Formulário para controle de cronograma


Projeto Viver Mais
TERMO DE ABERTURA
Preparado por:
Data: Período de verificação:
SITUAÇÃO
Atividades concluídas

Atividades em andamento

Pontos de atenção

Sob controle
Status do projeto: Riscos gerenciáveis
Situação crítica
Assinatura do gerente do projeto:
Figura 18 - Template para formulário de controle de cronograma.

6.2.4. Fluxo para controle do cronograma

CONTRATO

SIM PLANO DE AÇÃO

ESCOPO
HOUVE ALTERAÇÃO QUE IMPACTOU NO PREENCHER PLANILHA
VERIFICAÇÕES
CUSTO OU PRAZO DO PROJETO? PARA CONTROLE

PRAZO

NÃO

CUSTO

Figura 19 – Fluxo da reunião


42

7. PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTOS – COST MANAGEMENT PLAN


7.1. Orçamento resumido

Descrição Custo % Item % Acumulado

5. Execução do Projeto R$ 1.830.900,00 91,545% 91,545%

4. Elaboração do Projeto R$ 63.000,00 3,150% 94,695%

1. Viabilidade do Projeto R$ 59.000,00 2,950% 97,645%

2. Plano do Projeto R$ 33.600,00 1,680% 99,325%

6. Entrega R$ 9.000,00 0,450% 99,775%

3. Preparação R$ 4.500,00 0,225% 100,000%

Total R$ 2.000.000,00 100,000%

Tabela 24 – Orçamento resumido.

7.2. Distribuição de custos

Figura 20 – Distribuição dos custos.


43

7.3. Orçamento
Nome da tarefa Custo % Item % Acumulado
Espaço VIVER MAIS R$ 2.000.000,00 100,00%
1. VIABILIDADE DO PROJETO R$ 59.000,00 100,00% 2,95%
1.1. DEFINIÇÃO DO LOCAL R$ 10.000,00 16,95% 0,50%
1.1.1. Orçamento Inicial do Projeto R$ 5.000,00 8,47% 0,25%
1.1.2. Viabilidade do Projeto R$ 5.000,00 8,47% 0,25%
1.1.3. Doação do Terreno R$ 0,00 0,00% 0,00%
1.2. LICENÇAS R$ 49.000,00 83,05% 2,45%
1.2.1. Alvará de Construção R$ 40.000,00 67,80% 2,00%
1.2.2. Licença Bombeiro R$ 2.000,00 3,39% 0,10%
1.2.3. Licenciamento Ambiental R$ 5.000,00 8,47% 0,25%
1.2.4. Licença Sanitária R$ 2.000,00 3,39% 0,10%
2. PLANO DO PROJETO R$ 33.600,00 100,00% 1,68%
2.1. PLANO GERENCIAMENTO DO ESCOPO R$ 3.850,00 11,46% 0,19%
2.1.1. Criar Plano de Gerenciamento do Escopo R$ 3.000,00 8,93% 0,15%
2.1.2. Validar Escopo R$ 850,00 2,53% 0,04%
2.2. PLANO DE GERENCIAMENTO DO TEMPO R$ 4.000,00 11,90% 0,20%
2.2.1. Criar Plano de Gerenciamento de Tempo R$ 2.000,00 5,95% 0,10%
2.2.2. Criar Cronograma R$ 2.000,00 5,95% 0,10%
2.3. PLANO DE GERENCIAMENTO DE CUSTO R$ 4.000,00 11,90% 0,20%
2.3.1. Criar Plano de Gerenciamento de Custo R$ 2.000,00 5,95% 0,10%
2.3.2. Criar Orçamento R$ 2.000,00 5,95% 0,10%
2.4. PLANO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE R$ 4.000,00 11,90% 0,20%
2.4.1. Criar Plano de Gerenciamento da Qualidade R$ 2.000,00 5,95% 0,10%
2.4.2. Criar Métricas da Qualidade R$ 2.000,00 5,95% 0,10%
2.5. PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS R$ 3.750,00 11,16% 0,19%
2.5.1. Criar Plano de Gerenciamento de Pessoas R$ 3.000,00 8,93% 0,15%
2.5.2. Validar Plano de Gerenciamento de Pessoas R$ 750,00 2,23% 0,04%
2.6. PLANO DE GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÃO R$ 2.750,00 8,18% 0,14%
2.6.1. Criar Plano de Gerenciamento da Comunicação R$ 2.000,00 5,95% 0,10%
2.6.2. Validar Plano de gerenciamento da comunicação R$ 750,00 2,23% 0,04%
2.7. PLANO GERENCIAMENTO DE RISCO R$ 3.750,00 11,16% 0,19%
2.7.1. Criar Plano de Gerenciamento de Risco R$ 3.000,00 8,93% 0,15%
2.7.2. Validar Plano de Gerenciamento de Risco R$ 750,00 2,23% 0,04%
2.8. PLANO DE GERENCIAMENTO DE AQUISIÇÕES R$ 3.750,00 11,16% 0,19%
2.8.1. Criar Plano de Gerenciamento de Aquisições R$ 3.000,00 8,93% 0,15%
2.8.2. Validar Plano de Gerenciamento de Aquisições R$ 750,00 2,23% 0,04%
2.9. PLANO DE GERENCIAMENTO DAS PARTES INTERESSADAS R$ 3.750,00 11,16% 0,19%
2.9.1. Criar Plano de Gerenciamento das Partes Interessadas R$ 3.000,00 8,93% 0,15%
2.9.2. Validar Plano de Gerenciamento das partes interessadas R$ 750,00 2,23% 0,04%
3. PREPARAÇÃO R$ 4.500,00 100,00% 0,23%
3.1. DEFINIÇÃO DA EQUIPE DE PROJETO R$ 1.500,00 33,33% 0,08%
44

3.1.1. Cotação Equipe de Projeto R$ 500,00 11,11% 0,03%


3.1.2. Contratação Equipe de Projeto R$ 1.000,00 22,22% 0,05%
3.2. DEFINIÇÃO EQUIPE DE EXECUÇÃO R$ 1.500,00 33,33% 0,08%
3.2.1. Cotação Equipe Execução R$ 500,00 11,11% 0,03%
3.2.2. Contratação Equipe Execução R$ 1.000,00 22,22% 0,05%
3.3 DEFINIÇÃO DA EQUIPE DE AQUISIÇÃO R$ 1.500,00 33,33% 0,08%
3.3.1. Cotação Equipe Aquisição R$ 500,00 11,11% 0,03%
3.3.2. Contratação Equipe Aquisição R$ 1.000,00 22,22% 0,05%
4. ELABORAÇÃO DO PROJETO R$ 63.000,00 100,00% 3,15%
4.1. Projeto Arquitetônico R$ 40.000,00 63,49% 2,00%
4.2. Projeto Estrutural R$ 10.000,00 15,87% 0,50%
4.3. Projeto Elétrico R$ 5.000,00 7,94% 0,25%
4.4. Projeto Hidráulico R$ 5.000,00 7,94% 0,25%
4.5. Projeto Paisagístico R$ 3.000,00 4,76% 0,15%
5. EXECUÇÃO DO PROJETO R$ 1.830.900,00 100,00% 91,55%
5.1. Acompanhamento da Obra R$ 170.000,00 9,29% 8,50%
5.2. CIVIL R$ 1.360.900,00 74,33% 68,05%
5.2.1. Canteiro de Obra R$ 50.000,00 2,73% 2,50%
5.2.2. Terraplenagem R$ 10.000,00 0,55% 0,50%
5.2.3. Locação da Obra R$ 10.000,00 0,55% 0,50%
5.2.4. Fundação R$ 50.000,00 2,73% 2,50%
5.2.5. Alvenaria R$ 590.400,00 32,25% 29,52%
5.2.6. Instalações R$ 320.500,00 17,51% 16,03%
5.2.7. Acabamentos R$ 300.000,00 16,39% 15,00%
5.2.8. Paisagismo R$ 30.000,00 1,64% 1,50%
5.3 AQUISIÇÕES R$ 300.000,00 16,39% 15,00%
5.3.1. MOBILIÁRIO R$ 150.000,00 8,19% 7,50%
5.3.1.1. Cotação Mobiliário R$ 1.000,00 0,05% 0,05%
5.3.1.2. Compra Mobiliário R$ 135.000,00 7,37% 6,75%
5.3.1.3. Instalação Mobiliário R$ 12.000,00 0,66% 0,60%
5.3.1.4. Teste das Instalações e Mobiliário R$ 2.000,00 0,11% 0,10%
5.3.2. ITENS SUSTENTÁVEIS R$ 150.000,00 8,19% 7,50%
5.3.2.1. Cotação Itens Sustentáveis R$ 1.000,00 0,05% 0,05%
5.3.2.2. Compra Itens Sustentáveis R$ 139.000,00 7,59% 6,95%
5.3.2.3. Instalação Itens Sustentáveis R$ 8.000,00 0,44% 0,40%
5.3.2.4. Teste das Instalações Sustentáveis R$ 2.000,00 0,11% 0,10%
6. ENTREGA R$ 9.000,00 100,00% 0,45%
6.1. Check list R$ 2.000,00 22,22% 0,10%
6.2. Aceite final R$ 0,00 0,00% 0,00%
6.3. Execução do As built R$ 2.000,00 22,22% 0,10%
6.4. Habite-se R$ 5.000,00 55,56% 0,25%
Tabela 25 – Orçamento resumido.
45

7.4. Planejamento de desembolso para o projeto

Figura 21 – Curva S de desempenho.

Período Desembolso Acumulado


Mai./17 R$ - R$ -
Jun./17 R$ 5.000,00 R$ 5.000,00
Jul./17 R$ 7.700,00 R$ 12.700,00
Ago./17 R$ 6.200,00 R$ 18.900,00
Set./17 R$ 49.200,00 R$ 68.100,00
Out./17 R$ 55.200,00 R$ 123.300,00
nov./17 R$ 23.800,00 R$ 147.100,00
Dez./17 R$ 94.000,00 R$ 241.100,00
Jan./18 R$ 63.000,00 R$ 304.100,00
Fev./18 R$ 180.913,00 R$ 485.013,00
Mar./18 R$ 183.513,00 R$ 668.526,00
Abr./18 R$ 252.514,00 R$ 921.040,00
Mai./18 R$ 415.013,33 R$ 1.336.053,33
Jun./18 R$ 349.513,33 R$ 1.685.566,66
Jul./18 R$ 275.433,34 R$ 1.961.000,00
Ago./18 R$ 32.000,00 R$ 1.993.000,00
Set./18 R$ 2.000,00 R$ 1.995.000,00
Out./18 R$ - R$ 1.995.000,00
Nov./18 R$ 5.000,00 R$ 2.000.000,00
Tabela 26 – Desembolso acumulado para o Projeto.
.

7.5. Maiores custos para o projeto


No Pareto da Figura 22 tem se os dez itens de maiores valores. Nota-se que as somas
dos três itens de maiores valores correspondem a aproximadamente 60% do custo do projeto.
46

Figura 22 – Pareto dos 10 itens de maior custo para o Projeto.


Fonte – Os autores.

No Pareto da figura abaixo tem se a porcentagem de custo de cada entrega do projeto.


Nota-se que a Execução corresponde a mais de 90% do custo do projeto, sendo a entrega de
maior importância no gerenciamento de custos.

Figura 23 – Pareto dos Custos das Entregas do Projeto.

7.6. Valor agregado


O valor agregado é uma forma de avaliar o desempenho e os desvio do orçamento durante
a execução do projeto.
47

Para isto será feito o acompanhamento mensal pela tabela abaixo.


Data: Valores Variações Desempenho
Projetado Agregado Custo Real Prazo Prazo Custo
Entregas Custo (VC)
(VP) (VA) (CR) (VPr) (IDP) (IDC)
1. Viabilidade do Projeto R$ R$ R$ R$ R$ % %
2. Plano do Projeto R$ R$ R$ R$ R$ % %
3. Preparação R$ R$ R$ R$ R$ % %
4. Elaboração do Projeto R$ R$ R$ R$ R$ % %
5. Execução do Projeto R$ R$ R$ R$ R$ % %
6. Entrega R$ R$ R$ R$ R$ % %
Total R$ R$ R$ R$ R$ % %
Tabela 27 - Gerenciamento do Valor Agregado.

8. PLANO DE GERENCIAMENTO DE QUALIDADE – QUALITY MANAGEMENT PLAN


8.1. Documentos de referência
 Certificação LEED (Healthcare) 2013 – Liderança em Energia e Projeto Ambiental
(Unidades de Saúde);
 ABNT NBR ISO 14001 – Gestão Ambiental;
 ABNT NBR 9050 – Acessibilidade a Edificações;
 Código de Obras de Campo Grande – MS.

8.2. Ciclo de melhoria contínua


Neste projeto será utilizado para controle de qualidade o ciclo de melhoria contínua, PDCA,
Plan (Planejar), Do (Executar), Check (Verificar), Act (Atuar).

Figura 24 - Ciclo PDCA.


48

8.3. Indicadores e requisitos de qualidade

Tabela 28 - Indicadores e requisitos de qualidade.


49

8.4. Avaliação e responsáveis por requisitos

Tabela 29 - Responsáveis pelos Requisitos de qualidade

9. PLANO DE GERENCIAMENTO DE PESSOAS – PEOPLE MANAGEMENT PLAN


Identificamos e documentamos no plano de gerenciamento de recursos humanos, os
recursos que serão utilizados, seus papéis, responsabilidades e habilidades necessárias para
o planejamento e implantação do Espaço Viver Bem.

9.1. Organograma
Segue o organograma do projeto.
50

Figura 25 - Organograma.

9.2. Matriz de responsabilidade


Segue a matriz de responsabilidade do projeto:
Gerente RH

Engenharia

Aquisições
Financeiro
Sponsor

Gerente

Gerente

Gerente

Gerente
Projeto

ID Atividades
PMO

1 Projeto A C A/C C C C C
2 Engenharia C C A/C C E C C
3 RH C C A/C E C C C
4 Financeiro A C A/C C C E C
5 Aquisições A C A/C C C C E
A – Aprova C – Consulta E – Executa

Tabela 30 – Matriz Responsabilidade

MATRIZ DE CAPACITAÇÃO TREINAMENTOS


Cuidadores Adm. de Primeiros Utilização sistema
de idosos medicamento socorros de Cadastro e
Controle de Idosos
Cuidador 8 8 8 8
Cargos e Funções

Psicólogo - - 1
Educador Físico - - 1
Fisioterapeuta - - 2
Atendentes/auxiliar - 2 2
Administrativo
Gerente - - 1
Cozinheiros - - -
Auxiliar de cozinha - - -

Tabela 31 – Matriz Capacitação


51

9.3. Descrição e responsabilidade da função


Segue descrição e responsabilidade das funções dos recursos do projeto.
Gerência Recurso Cargo Função
Desenvolver, implantar e manter o plano de
gerenciamento de projeto, controlar o escopo,
Manoel tempo e custo, manter o padrão de qualidade
PMO
Cardoso estabelecido e a comunicação entre os envolvidos
Projeto no projeto. Fornecer relatório referente ao
andamento do projeto.
Definir papéis, atribuir tarefas, acompanhar e
Angela Piell Gerente documentar o andamento da sua equipe, integrar
as pessoas.
Planejar e o gerenciar as atividades das áreas de
Gabriela engenharia de desenvolvimento, produto e
Rae Gerente
aplicação. Fazer a gestão de equipe da área de
engenharia.
Responsável por desenvolver o projeto de
Diego Lima construções e acompanhar a execução da obra.
Eng. Civil
Com certificação LEED para orientar a construção
com princípios sustentáveis.
Taynara Responsável pelo projeto, supervisão e execução
Arquiteto
Kalachi de obras de arquitetura
Antônio Responsável pelo projeto elétrico, supervisão e
Eng. Elétrico
Kato execução do projeto.
Carlos Eng. Responsável pelo projeto hidráulico, supervisão e
Acosta Hidráulico execução do projeto.
Coordenar e supervisionar equipes de trabalho,
Lucio Vieira Mestre de obra controlar padrões produtivos da obra e administrar
cronograma da mesma
Executar a construção da obra, de acordo com o
Engenharia Élio Araújo Pedreiro projeto da construção, utilizando processos e
instrumentos pertinentes para construir.
Prepara canteiro de obras e massa de concreto,
Moacir limpa e compacta solos, verifica máquinas e
Silveira Servente
equipamentos de construção civil. Auxiliar o
Pedreiro.
Responsável pelas instalações elétricas e
João Rocha Eletricista acabamento relacionados, de acordo com o
projeto.
Pedro Responsável por colocar toda a tubulação
Souza Encanador hidráulica e o acabamento relacionado, de acordo
com o projeto
Luiz
Marceneiro Responsável por todo o madeiramento da obra.
Noronha
Sandra Responsável pelo projeto de design nos espaços
Castro Paisagista naturais e urbanos, visando à harmonia entre o
meio ambiente.
Valdir
Jardineiro Responsável por executar o projeto paisagista.
Santos
Responsável por gerir pessoas, recrutar,
Marucia
RH Gerente selecionar e treinar profissionais atraindo
Brown
profissionais de talento.
52

Responsável por analisar, implantar e realizar


Alessandro Analista de políticas e procedimentos de recrutamento e pré-
Garcia Recrutamento seleção por meio de processos seletivos internos
ou externos.
Responsável pela gestão de tributos, formação do
Roberto preço de venda, controle das contas a pagar,
Viana Gerente controle das aplicações financeiras, controle dos
Financeiro saldos bancários, administração do fluxo de caixa
e análise das demonstrações financeiras.
Maria Prado Técnico Responsável por auxiliar e monitorar as atividades
Financeiro financeiras.
Denise Responsável por gerenciar o setor de compras,
Gerente
Rosa efetuar contato com fornecedores.
Analisar a compra de materiais, equipamentos,
Aquisições matérias-primas e serviços, realizar cotação e
Jose
Comprador negociação com fornecedores, emite pedidos e
Alencar
acompanha o fluxo de entrega para cumprimento
de todas as condições negociadas.
Tabela 32 – Responsabilidades da função.

9.4. Matriz de competências


Segue a matriz de competências. O gerente de projeto poderá solicitar realocação ou
substituição de recursos humanos de acordo com a necessidade do projeto, para garantir a
entrega das atividades.
Competências

Trabalha sob
Trabalha em

Autodesenv
Preza pela
Resultado
Liderança

olvimento
qualidade
atividade

Recursos
Tem pro

pressão
equipe

Foco

Manoel Cardoso PMO 1 1 1 1 1 1 1


Angela Piell Gerente 1 2 2 1 2 2 1
Gabriela Rae Gerente 2 1 2 1 2 2 2
Diego Lima Eng. Civil 3 3 2 3 2 3 2
Taynara Kalachi Arquiteto 3 2 2 2 3 1 2
Antônio Kato Eng. Elétrico 1 1 1 1 2 1 1
Carlos Acosta Eng. Hidráulico 2 2 2 2 2 2 3
Jose Vieira Mestre de obra 1 1 1 2 1 1 2
Moacir Silveira Pedreiro 2 1 3 2 1 1 3
Élio Araújo Servente 1 2 3 1 2 2 2
João Rocha Eletricista 2 2 2 1 3 1 2
Pedro Souza Encanador 1 2 3 1 2 2 1
Luiz Noronha Marceneiro 2 2 2 2 2 2 3
Sandra Castro Paisagista 2 1 2 2 2 2 3
Valdir Santos Jardineiro 3 2 3 2 2 2 3
Marucia Brown Gerente 1 1 2 2 2 2 2
Alessandro Garcia Analista de Recrut. 1 2 3 1 2 1 1
Roberto Viana Gerente 1 1 2 1 1 1 2
Maria Prado Técnico Financeiro 2 3 2 3 2 3 2
Denise Rosa Gerente 2 3 1 1 2 2 2
Jose Alencar Comprador 3 2 1 2 3 3 2
1 - Excelente 2 - Bom 3 – Razoável
Tabela 33 – Matriz Competências.
53

9.5. Estimativas de recursos

Tabela 34 – Estimativa de recursos.

9.6. Treinamento da equipe


Os treinamentos para os recursos que atuarão na operação após o término do projeto
deverão utilizar a matriz de capacitação a seguir.
MATRIZ DE CAPACITAÇÃO TREINAMENTOS
Cuidadores Primeiros Utilização sistema de Culinária
de idosos socorros Cadastro e Controle de Idosos Industrial
Enfermeiros - - 2
Cuidador 8 8 8
Cargos e Funções

Educador Físico - - 1 -
Fisioterapeuta - - 2 -
Atendentes/auxiliar - 2 2 -
Administrativo
Gerente - - 1 -
Psicólogo - - 1 -
Cozinheiros - - - 1
Auxiliar de cozinha - - - 3
Tabela 35 – Treinamentos.

9.7. Critérios de avaliação e desempenho


A avaliação de desempenho será um processo mensal que tem como objetivo aferir o
desenvolvimento pessoal e da relação em grupo, identificar pontos forte e francos e identificar
a necessidades de treinamento, desenvolvimento e reciclagem.

Segue formulário de Avaliação e Desempenho.


54

Nome:

Cargo: Setor:

FATOR DEFINIÇÃO DE FATOR CRITÉRIO


ESCALA DESCRIÇÃO AVALIAÇÃO
A CONHECIMENTO Grau de conhecimento O (10) Possui amplo conhecimento para a realização de todas as suas tarefas, sendo
para a realização de capaz de reconhecer-lhes a importância e relacioná-las com as demais
suas tarefas. atividades desenvolvidas.
B (8,5) Possui conhecimento
Necessário para a realização de suas tarefas, sendo capaz de reconhecer-lhes
a importância e relacioná-las com as demais atividades desenvolvidas, porém
deixa de antever algumas lacunas que não chegam a prejudicar a execução do
trabalho.
R (7,0) Possui conhecimento suficiente para a realização de suas tarefas, sendo capaz
de reconhecer-lhes a importância e relacioná-las com as demais atividades
desenvolvidas, porém
Deixa de antever algumas lacunas que chegam a eventualmente prejudicar a
execução do trabalho.

I (5,5) Possui conhecimento


Limitado para a realização de suas tarefas, deixando de antever lacunas que
frequentemente prejudicam a execução do trabalho.
B PRODUÇÃO Quantidade de trabalho O (10) Executa todas as tarefas impostas, cumprindo todos os prazos determinados.
executado normalmente. B (8,5) Executa todas as tarefas impostas, descumprindo eventualmente alguns dos
prazos determinados.
R (7,0) Executa quase todas as tarefas impostas, descumprindo eventualmente alguns
dos prazos determinados.
I (5,5) Não executa as tarefas impostas em quantidade suficiente ou descumpre,
frequentemente, os prazos determinados.
C PRODUTIVIDADE Produzir com o uso O (10) É extremamente eficiente e eficaz na realização de suas tarefas.
racional dos recursos B (8,5) É eficiente e eficaz na realização de suas tarefas.
disponíveis, evitando
R (7,0) É razoavelmente eficaz na realização de suas tarefas.
desperdícios e elevação
de custos. I (5,5) É frequentemente ineficiente e ineficaz na realização de suas tarefas.
D QUALIDADE Grau de exatidão, O (10) Realiza suas tarefas com extrema exatidão, correção e clareza.
correção e clareza nos B (8,5) Realiza suas tarefas com exatidão, correção e clareza.
trabalhos executados R (7,0) Realiza suas tarefas com razoável exatidão, correção e clareza.
I (5,5) Realiza suas tarefas com inexatidão, incorreção ou pouca clareza.
E RELACIONAMENTOS Competência e O (10) É hábil em estabelecer e manter relacionamentos interpessoais.
habilidade para manter B (8,5) Tem limitações para estabelecer e manter relacionamentos interpessoais, porém
com superiores, colegas sabe administrá-las bem, de modo a não deixar transparecer estas limitações.
e clientes
R (7,0) Tem limitações para estabelecer e manter relacionamentos interpessoais, porém
relacionamentos
sabe administrá-las razoavelmente; eventualmente deixa transparecer estas
eficazes e mutuamente
limitações.
satisfatórios.
I (5,5) É inábil em manter relacionamentos interpessoais.
F INICIATIVA Agir independente, sem O (10) Age sempre proativamente, antecipando soluções nas mais diversas situações.
. instruções específicas, B (8,5) Age frequentemente de forma proativa, antecipando soluções.
resolvendo problemas R (7,0) Age eventualmente de forma proativa, antecipando soluções.
ou situações com
presteza. I (5,5) Raramente age de forma proativa
G MOTIVAÇÃO/ Demonstrar entusiasmo O (10) Está sempre motivado e estimulado para a realização de suas tarefas.
INTERESSE pelo trabalho, satisfação
pessoal e boas B (8,5) Está frequentemente
expectativas futuras. Motivado e estimulado para a realização de suas tarefas.
R (7,0) Está eventualmente motivado e estimulado para a realização de suas tarefas.

I (5,5) Está raramente motivado e estimulado para a realização de suas tarefas.

H RESPONSABILIDADE Capacidade de O (10) É extremamente comprometido com suas obrigações, respondendo,


responder por suas integralmente, por elas.
obrigações B (8,5) É frequentemente comprometido com suas obrigações, respondendo,
integralmente, por elas.
R (7,0) É eventualmente comprometido com suas obrigações, respondendo, parcialmente,
por elas.
I (5,5) É raramente comprometido com suas obrigações, nem sempre respondendo por
elas.
K RECEPTIVIDADE à Acessível à inovação de O (10) Adapta-se completamente às inovações, inter-relacionando os métodos, os
INOVAÇÃO métodos, de processos processos e o uso das ferramentas de trabalho.
e de ferramentas de B (8,5) Adapta-se suficientemente às inovações, inter-relacionando os métodos, os
trabalho. processos e o uso das ferramentas de trabalho.
R (7,0) Adapta-se com frequência às inovações, tendo dificuldades para inter-relacionar
os métodos, os processos e o uso das ferramentas de trabalho.
I (5,5) É resistente a inovações.
M CRIATIVIDADE Capacidade de inovação O (10) É competente para gerar ideias e soluções novas, contribuindo para o
a partir dos desenvolvimento do trabalho.
Recursos disponíveis, B (8,5) É suficientemente competente para gerar ideias e soluções novas, contribuindo
enriquecendo a rotina de para o desenvolvimento do trabalho.
trabalho.
R (7,0) É razoavelmente competente para gerar ideias e soluções novas, não
contribuindo com frequência para o desenvolvimento do trabalho.
I (5,5) Possui pouca competência para gerar ideias e soluções novas.

Resultado da avaliação: ______Pontos Avaliador:______________________________________________

Visto Avaliador(a):______________________________________________

Tabela 36 – Avaliação de desempenho.


55

10. PLANO DE GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÕES – COMMUNICATIONS


MANAGEMENT PLAN
O processo de gerenciamento de comunicações dispõe das seguintes técnicas e
ferramentas:
o Utilização de software específico para armazenamento da documentação do projeto na
internet;
o Correio eletrônico;
o Reuniões;
o Ata de reuniões;
o Relatório de “Status Report” do projeto disponível na internet semanalmente.

10.1. Estrutura analítica dos stakeholders

Stakeholders

Interno Externo

Sponsor Fornecedores

Órgão
Engenheiros
regulatores

Projetistas Imprensa

Equipe
Cliente final
executora obra

Gerentes de
área

Equipe dos
Gerentes

Figura 26 – Estrutura Analítica dos Stakeholders.


10.2. Matriz de stakeholders
Parte Expectativas e interesse Grau Grau Atitude
interessada Poder Interesse

Sponsor Financeiro e cumprimento do prazo, 10 10 Manter


custo e qualidade informado
Gerente Cumprimento do prazo, custo e 10 10 Gerenciar
Engenharia qualidade
Engenheiros Cumprimento do prazo, custo e 8 10 Gerenciar
qualidade
56

Projetistas Desenvolver projeto arquitetônico 8 10 Gerenciar


que atenda as especificações
técnicas necessárias
Equipe Salários e benefícios 6 4 Manter satisfeito
Execução obra
Gerentes das Cumprir com as atividades de suas 8 10 Gerenciar
áreas áreas
Equipe dos Bom ambiente de trabalho, 6 6 Manter satisfeito
Gerentes cooperação, Salários e benefícios
Fornecedores Entregar no prazo e nas 6 10 Gerenciar
especificações
Tabela 37 – Matriz Stakeholders.

10.3. Engajamento das partes interessadas


Acompanhar as partes interessadas e suas expectativas, de acordo os planos
estabelecidos.
Nível de engajamento
A Apoiador Ciente do projeto e apoia as decisões

N Neutro Ciente do projeto, porém, está neutro.

R Resistente Ciente do projeto e dos impactos potenciais e resiste às decisões

D Desinformado Sem informação sobre o projeto, por isso, não tem posição formada

L Lidera Engajado em garantir o sucesso do projeto


Tabela 38 – Níveis de Engajamento.

Parte Nível de Estratégias para ganhar mais suporte ou reduzir resistências


interessada engajamento
atual e desejado
Cliente N => A Identificar seus principais interesses e mostrar os benefícios do
projeto relacionados
Equipe R => A Identificar os motivos das resistências e atuar para engajá-los.
resistente Distribuir bônus para atingir as metas do projeto
Gerentes R => A Identificar seus principais interesses e mostrar os benefícios do
funcionais projeto relacionados. Caso eles não existam, escalar.
Sponsor L => L Realizar reuniões de alinhamento e validação a cada iteração,
manter contato através das ferramentas de comunicação
Gerente L => L Realizar reuniões de alinhamento e validação a cada iteração,
Engenharia manter contato através das ferramentas de comunicação
Engenheiros e A => A Realizar reuniões de alinhamento e mostrar os benefícios do
Projetistas projeto
Equipe N => A Identificar seus principais interesses e dar bônus para atingir as
Execução obra metas do projeto.
Gerentes das A => L Realizar reuniões semanais, identificar pontos de déficit de
áreas monitoramento e controle e engajar a equipe nestes pontos
Equipe dos N => A Realizar reuniões semanais, identificar pontos de déficit de
Gerentes monitoramento e controle e engajar a equipe nestes pontos
Fornecedores A => A Manter uma relação de parceria com transparência e confiança.
Tabela 39 – Planejamento do engajamento.
57

10.4. Matriz de comunicações


As comunicações planejadas para o projeto são descritas a seguir.
Receptor Emissor Mensagem Canal Nível Frequência
detalhe
Sponsor Gerente Status do projeto Presencial Micro Toda 2ª
Projeto
PMO Gerente Status do projeto Presencial Micro Toda 2ª
Projeto
Gerente Gerente Status da obra E-mail Macro Toda 6ª pela
Projeto Engenharia manha
Reunião de Presencial Micro Toda 6ª pela
acompanhamento manhã
Gerente Avaliação de E-mail Micro 5º dia útil do mês
RH desempenho
Gerente Relatório E-mail Macro Toda 6ª à tarde
Financeiro financeiro
Reunião de Presencial Micro Toda 6ª à tarde
acompanhamento
Gerente Relatório E-mail Micro Toda 6ª
Aquisições Acompanhamento
Gerente Gerente Reunião de Presencial Micro Toda 2ª à tarde
Engenharia Projeto alinhamento
Gerente RH Gerente Reunião de Presencial Micro Toda 2ª à tarde
Projeto alinhamento
Gerente Gerente Reunião de Presencial Micro Toda 2ª à tarde
Financeiro Projeto alinhamento
Gerente Gerente Reunião de Presencial Micro Toda 2ª à tarde
Aquisições Projeto alinhamento
Equipe Gerente Informações das Presencial Micro Diário - início da
Engenharia Engenharia atividades manhã
Tabela 40 – Matriz Comunicações.

10.5. Diretório da equipe do projeto


Segue a lista com o contato dos principais recursos da equipe.
Cargo Recurso E-mail Telefone
PMO Manoel Cardoso manoel.cardoso@vivermais.com.br (67) 99932-2341
Gerente Projeto Angela Piell angela.piell@vivermais.com.br (67) 99932-2341
Gerente Gabriela Rae Gabriela.rae@vivermais.com.br (67) 99518-7665
Engenharia
Eng. Civil Diego Lima diego.lima@vivermais.com.br (67) 99675-5120
Arquiteto Taynara Kalachi Taynara.kalachi@vivermais.com.br (67) 98766-0215
Eng. Elétrico Antônio Kato antonio.kato@vivermais.com.br (67) 99804-9932
Eng. Hidráulico Carlos Acosta carlos.acosta@vivermais.com.br (67) 99523-4467
Mestre de obra Lucio Vieira lucio.vieira@vivermais.com.br (67) 98776-5111
Pedreiro Élio Araújo elio. araújo@vivermais.com.br (67) 99932-3886
Servente Moacir Silveira moacir.silveira@vivermais.com.br (67) 99932-2549
Eletricista João Rocha joao. rocha@vivermais.com.br (67) 98404-4121
Encanador Pedro Souza pedro.souza@vivermais.com.br (67) 99161-3174
Marceneiro Luiz Noronha luiz.noronha@vivermais.com.br (67) 98345-2645
Paisagista Sandra Castro sandra.castro@vivermais.com.br (67) 99327-1990
Jardineiro Valdir Santos valdir.santos@vivermais.com.br (67) 99616-3354
58

Gerente RH Marucia Brown marucia.brown@vivermais.com.br (67) 98416-6048


Analista de Alessandro alessandro.garcia@vivermais.com.br (67) 99256-3379
Recrutamento Garcia
Gerente Roberto roberto.viana@vivermais.com.br (67) 99186-5660
Financeiro
Técnico Maria Prado maria.prado@vivermais.com.br (67) 99246-0545
Financeiro
Gerente Denise Rosa denise.rosa@vivermais.com.br (67) 99932-5432
Aquisições
Comprador Jose Alencar jose.alencar@vivermais.com.br (67) 98404-8765
Tabela 41 – Contatos Equipe Projeto.

10.6. Responsável pelo plano de comunicações


A gerente de projeto se responsabilizará pelo plano de comunicações sob a supervisão do
patrocinador.
O plano de gerenciamento de comunicações será revisado mensamente, pelo gerente de
projeto e o gerente de RH. Todas as alterações deverão ser analisadas e avaliadas pelo
patrocinador. Após sua aprovação o plano deverá ser atualizado com o devido registro das
alterações efetivadas.

10.7. Plano de reuniões


Serão realizadas as seguintes reuniões durante o andamento do projeto.
Reunião Objetivo Participantes Período Responsável
Abertura (Mick-off) Apresentação do projeto Toda a equipe Única Gerente de
do projeto Projeto
Analise Crítica do Analise dos indicadores do Todos os Mensal Gerente de
andamento do projeto para avaliação do gerentes Projeto
projeto escopo, custo, cronograma
e qualidade
Acompanhamento Status do projeto Todos os Semanal Gerente de
gerentes Projeto
Avaliação de Avaliação do desempenho Gerente de Mensal Gerente de
desempenho da gestão do projeto para Projeto e Projeto
do projeto alinhamento das metas Sponsor
estabelecidas
Acompanhamento Status do projeto Gerente de Semanal Gerente de
do andamento Projeto e Projeto
físico e financeiro Sponsor
Fornecedores Avaliação técnica Equipe técnica Mensal Equipe
e fornecedores técnica
Lições aprendidas Apresentação e registro das Toda Equipe do Única Gerente de
lições aprendidas projeto RH
Encerramento Avaliação final e Todos os Única Gerente de
consolidação do término de gerentes e Projeto
eventuais pendências onde Sponsor
será dado o encerramento
do projeto.
Tabela 42 – Plano Reuniões.
59

 ATA da reunião:
Dependendo do grau de importância das reuniões será utilizada uma ata com as tratativas
e com o nome dos indivíduos participantes conforme modelo abaixo:
Empresa / Órgão / Setor/ Programa: <nome do cliente; órgão, setor da empresa responsável pelo
projeto; programa da empresa que o projeto está inserido>

Nome do projeto:

Local: Data:

Elaborado por: <nome e função>

Aprovado por: <nome e função>

I. Relação dos presentes

Nome: Setor/Empresa:

II. Assuntos tratados

III. Decisões tomadas

IV. Ações a serem empreendidas Prazo Responsável


60

Documentos anexos:

Enviar cópias para:   


   
    Plano do Projeto

Assinaturas <principais envolvidos>

Tabela 43 – Formulário ata reuniões.

10.8. Plano de Gerenciamento da Documentação

Documento Descrição Diretório Nome


Termo de Documento que formal do Na rede: TermoAbertura.doc
Abertura do início do projeto Projetos\EspacoViverMais\
Projeto Documentos\PlanoProjeto
Status Report Apresentação que Na rede: StatusReport_Ano_Mes.ppt
demonstra as informações Projetos\EspacoViverMais\
mais relevantes sobre o Documentos\ StatusReport
projeto para as partes Na rede: 01_Form_StatusReport.ppt
interessadas Projetos\EspacoViverMais\
Documentos\ Modelos
Ata de Reunião Tem como finalidade Na rede: AtaReuniao_ano_mes_dia.doc
registrar os pontos Projetos\EspacoViverMais\
importantes da reunião. Documentos\Atas
Na rede: 02_Form_AtaReuniao.doc
Projetos\EspacoViverMais\
Documentos\Modelos
Avaliação de Formulário de avaliação do Na rede: AvalDesempenho_Ano_Mes.doc
Desempenho desempenho individual ou Projetos\EspacoViverMais\
da equipe Documentos\Avaliacao
Na rede: 03_Form_AvalDesempenho.doc
Projetos\EspacoViverMais\
Documentos\Modelos
Solicitação de Formulário modelo para Na rede: Orc_NomeFornecedor_Ano_Mes.doc
orçamento solicitar orçamento para Projetos\EspacoViverMais\
fornecedores. Documentos\Orçamentos
61

Na rede: 04_Form_Orcamento.doc
Projetos\EspacoViverMais\
Documentos\Modelos
Lições Formulário para registro o Na rede: LicoesAprendidas.doc
Aprendidas conhecimento adquirido Projetos\EspacoViverMais\
durante a execução do Documentos\PlanoProjeto
projeto
Planos do Documentos de todos os Na rede: <nome do plano>_V<nro versão>
Projeto planos do projeto Projetos\EspacoViverMais\
Documentos\Planejamento
Tabela 44 – Plano Gerenciamento documentação.

10.9. Plano de Divulgação do Projeto


Atividades Sponsor PMO GP Gerentes
Orçamento A P R, I P
Cronograma A P R, I P, I
Plano de Comunicação A P R, I P, I
Reuniões semanais R, I P
Relatório de Status do Projeto P R, I P
Relatório de lições aprendidas P P R, I P
Reunião de fechamento I P R P
Divulgação mensal a imprensa A, I R P
Panfletagem semanal A R P
P – Participa A – Aprova R – Responsável I - Informa
Tabela 45 – Plano divulgação do projeto.

11. PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS – RISK MANAGEMENT PLAN


11.1. Estruturação dos riscos - Risk Breakdown Structure

Figura 27 - Estruturação dos riscos – parte I.


62

Figura 28 - Estruturação dos riscos – parte II.


.

Figura 29 - Estruturação dos riscos – parte III.


63

Figura 30 - Estruturação dos riscos – parte IV.


.

11.2. Análise qualitativa/quantitativa


A tabela abaixo irá caracterizar os riscos quanto ao seu impacto nos quesitos qualidade,
custo e prazo. Além disso, os riscos receberão nota de 0 a 5.

Tabela 46 – Descrição dos riscos.


Categoria Probabilidade Impacto Plano de respostas
Ameaça /
Descrição do risco

%
%
Oportunidade Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível R$ do impacto R$ esperado Nível Estratégia Ação R$ da resposta

Código
Custo
Prazo
Prioridade

Qualid.
Riscos externos
1 Aumento das taxas de câmbio Ameaça Taxas de câmbio - 1 -Muito baixa 5% 0 5 3 R$ 1.000,00 53% R$ 533,33 4 -Alta 4 aceitar - R$ -
previsíveis
Riscos externos
2 Aumento da inflação Ameaça Inflação - 2 -Baixa 15% 0 5 3 R$ 1.000,00 53% R$ 533,33 4 -Alta 8 aceitar - R$ -
previsíveis
Aumento das chuvas no Riscos externos Impactos Destinar verbas e tempo para atraso por
3 Ameaça - 3 -Média 50% 0 4 5 R$ 10.000,00 /dia 60% R$ 6.000,00 4 -Alta 12 eliminar R$ 30.000,00
período de obra previsíveis ambientais chuvas.
Usar o seguro contratado para que o
Riscos externos Riscos
4 Equipamentos estragados Ameaça - 3 -Média 40% 3 5 5 R$ 60.000,00 /dia 87% R$ 52.000,00 5 -Muito alta 15 tranferir equipamento seja substituido até que se R$ 12.000,00
previsíveis operacionais
conserte o mesmo.
Fazer levantamento de todas as licenças
Atraso na liberação das
5 Ameaça Riscos legais Licenças - 5 -Muito alta 80% 0 5 5 R$ 20.000,00 /dia 67% R$ 13.333,33 4 -Alta 20 mitigar necessárias para o empreendimento, preparar R$ 500,00
licenças
um check-list e verificar sempre.
Quebra do contrato por parte Contrato com o Usar o seguro contratado para que a empresa
6 Ameaça Riscos legais - 2 -Baixa 15% 0 5 0 R$ 2.000.000,00 33% R$ 666.666,67 3 -Média 6 tranferir R$ 4.000,00
do cliente cliente não tenha prejuízo.
Atualizar todos os eventos que sucedem a
7 Atraso na entrega da obra Ameaça Riscos internos Planejamento Prazo 4 -Alta 60% 0 5 5 R$ 10.000,00 /dia 67% R$ 6.666,67 4 -Alta 16 eliminar entrega, tentando prorrogá-los para que R$ 600,00
atendam os prazos.
Controlar insistentemente o custo do projeto,
8 Exceder o custo planejado Ameaça Riscos internos Planejamento Custo 4 -Alta 60% 0 5 0 R$ 250.000,00 33% R$ 83.333,33 3 -Média 12 eliminar R$ 1.500,00
de forma que esse risco não ocorra.
Atualizar todos os eventos que sucedem a
Elaboração do
9 Atraso na entrega do projeto Ameaça Riscos internos Planejamento 3 -Média 40% 0 5 5 R$ 200,00 /dia 67% R$ 133,33 4 -Alta 12 mitigar entrega, tentando prorrogá-los para que R$ 600,00
projeto técnico
atendam os prazos.
Elaboração do Mobilizar equipe para atender as
10 Complexidade do projeto Ameaça Riscos internos Planejamento 2 -Baixa 15% 4 5 4 R$ 10.200,00 /dia 87% R$ 8.840,00 5 -Muito alta 10 mitigar R$ 1.200,00
projeto técnico necessidades
Contratar uma equipe de segurança para
11 Furtos e assaltos Ameaça Riscos internos Planejamento Furtos e Assaltos 3 -Média 40% 0 5 3 R$ 100.000,00 53% R$ 53.333,33 4 -Alta 12 mitigar R$ 35.000,00
assegurar o local 24 horas por dia.
Usar o seguro contratado para que o projeto

Tabela 47 - Tabela de riscos - parte I.


12 Incêndio no local Ameaça Riscos internos Planejamento Incêndio 1 -Muito baixa 5% 0 5 4 R$ 2.000.000,00 60% R$1.200.000,00 4 -Alta 4 tranferir R$ 15.000,00
não arque com os prejuízos.
Alteração nas tecnologias Mudança de Definir no escopo qual a tecnologia será
13 Ameaça Riscos internos Planejamento 1 -Muito baixa 5% 4 1 2 R$ 1.000,00 /dia 47% R$ 466,67 3 -Média 3 eliminar R$ -
disponíveis para execução tecnologia utilizada e usá-la até a conclusão do projeto.
Treinar todos os funionários para que esse
Quebra de mobiliário na Equipamentos
14 Ameaça Riscos internos Instalação 3 -Média 40% 4 5 2 R$ 60.000,00 73% R$ 44.000,00 4 -Alta 12 mitigar risco não ocorra, e deixar um equipe R$ 5.000,00
instalação inoperantes
responsável por essa verificação.
Excassez de mobiliário no Falta de mobiliário Forçar tarefa para compra dos mobiliários, e
15 Ameaça Riscos internos Instalação 2 -Baixa 15% 0 5 4 R$ 60.000,00 60% R$ 36.000,00 4 -Alta 8 mitigar R$ -
mercado no mercado ajuste no plano de aquisiçoes.
Controlar compras e gerenciar as aquisições
Atraso na entrega para acompanhar as entregas, de forma que o
16 Atraso na entrega do material Ameaça Riscos internos Fornecedor 5 -Muito alta 80% 0 5 5 R$ 600,00 /dia 67% R$ 400,00 4 -Alta 20 mitigar R$ 1.500,00
do material atraso no cronograma não comprometa a
data de entrega do projeto.
64
Categoria Probabilidade Impacto Plano de respostas
Ameaça /
Descrição do risco

%
%
Oportunidade Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível R$ do impacto R$ esperado Nível Estratégia Ação R$ da resposta

Código
Custo
Prazo
Prioridade

Qualid.
17 Materiais inflacionados Ameaça Riscos internos Fornecedor Custo do material 2 -Baixa 15% 0 5 2 R$ 45.000,00 47% R$ 21.000,00 3 -Média 6 aceitar - R$ -
Ter vários fornecedores no contato, para que
Inviabilidade na entrega do Atraso na entrega
18 Ameaça Riscos internos Fornecedor 5 -Muito alta 80% 0 5 5 R$ 600,00 /dia 67% R$ 400,00 4 -Alta 20 eliminar quando um deles atrasar, o outro possa R$ -
material do material
substituir de forma rápida.
Funcionários com qualificação Qualificação do Realocar no projeto funcionários que já seja
19 Ameaça Riscos internos Recursos 3 -Média 40% 5 5 4 R$ 10.000,00 93% R$ 9.333,33 5 -Muito alta 15 mitigar R$ -
inferior ao esperado funcionário conhecida a experiência.
Ter uma lista de possíveis funcionários a
serem contratados caso necessite, e ter uma
20 Excassez de mão de obra Ameaça Riscos internos Recursos Mão de obra 2 -Baixa 15% 5 5 4 R$ 25.000,00 93% R$ 23.333,33 5 -Muito alta 10 mitigar R$ -
reserva financeira para arcar com esse gasto
que será inflacionado.
Tomar medidas preventivas para que o
21 Acidente de trabalho Ameaça Riscos internos Recursos Mão de obra 2 -Baixa 15% 5 5 5 R$ 500.000,00 100% R$ 500.000,00 5 -Muito alta 10 mitigar R$ 5.000,00
acidente não aconteça.
TOTAL DA RESPOSTA DAS AMEAÇAS: R$ 111.900,00
Diminuição das taxas de Riscos externos
22 Oportunidade Taxas de câmbio - 1 -Muito baixa 5% 0 5 3 R$ 1.000,00 53% R$ 533,33 4 -Alta 4 aceitar - R$ -
câmbio previsíveis
Riscos externos
23 Diminuição da inflação Oportunidade Inflação - 2 -Baixa 15% 0 5 3 R$ 1.000,00 53% R$ 533,33 4 -Alta 8 aceitar - R$ -
previsíveis
Controlar insistentemente o prazo do projeto,
Antecipação na entrega da
24 Oportunidade Riscos internos Planejamento Prazo 1 -Muito baixa 5% 0 5 5 R$ 10.000,00 /dia 67% R$ 6.666,67 4 -Alta 4 explorar de forma que esse risco consiga ser R$ 1.500,00
obra
explorado.
Controlar insistentemente o custo do projeto,

Tabela 48 - Tabela de riscos - parte II.


Gastar menos que o custo
25 Oportunidade Riscos internos Planejamento Custo 1 -Muito baixa 5% 0 5 0 R$ 250.000,00 33% R$ 83.333,33 3 -Média 3 explorar de forma que esse risco consiga ser R$ 1.500,00
planejado
explorado.
Controlar insistentemente o prazo do projeto,
Antecipação na entrega do Elaboração do
26 Oportunidade Riscos internos Planejamento 1 -Muito baixa 5% 0 5 5 R$ 200,00 /dia 67% R$ 133,33 4 -Alta 4 explorar de forma que esse risco consiga ser R$ 1.500,00
projeto projeto técnico
explorado.
27 Materiais deflacionados Oportunidade Riscos internos Fornecedor Custo do material 2 -Baixa 15% 0 5 2 R$ 45.000,00 47% R$ 21.000,00 3 -Média 6 aceitar - R$ -
28 Excesso de mão de obra Oportunidade Riscos internos Recursos Mão de obra 3 -Média 25% 5 5 4 R$ 25.000,00 93% R$ 23.333,33 5 -Muito alta 15 aceitar - R$ -
TOTAL DA RESPOSTA DAS OPORTUNIDADES: R$ 4.500,00
65
66

11.3. Mapa de probabilidade x impacto dos riscos de oportunidades

Tabela 49 – Probabilidade x impacto oportunidades.


67

11.4. Mapa de probabilidade x impacto dos riscos de ameaças

Tabela 50 – Probabilidade x impacto ameaças.


68

12. PLANO DE GERENCIAMENTO DE AQUISIÇÕES – PROCUREMENT MANAGEMENT


PLAN
O seguinte plano demonstra o processo de aquisições dos produtos e serviços do projeto,
nele são detalhados os fluxos de levantamento e seleção de fornecedores, administração das
aquisições e encerramento dos contratos de bens e serviços. Também são demonstrados os
documentos de aquisição do projeto e a forma como são organizados no banco de dados de
informações. O fluxo abaixo resume o plano:

Figura 31 - Fluxo de gerenciamento de aquisições.


.

12.1. Decisão fazer ou comprar (MAKE OR BUY)


Inicialmente será realizado levantamento dos pacotes de trabalho que serão adquiridos
conforme as regras abaixo:
69

Critérios para aquisição do produto ou solução:


1. Custo de aquisição e manutenção da solução no mercado menor que o custo de
desenvolvimento interno;
2. Qualificação dos fornecedores alta em relação à equipe do projeto;
3. Produto não faz parte do core business da empresa;
4. Produto de prateleira, difundido no mercado, com ampla concorrência e qualidade
comprovada.

Critérios para realização pela equipe do projeto:


1. Disponibilidade de recursos capacitados na equipe do projeto;
2. Qualificação baixa das empresas no mercado em relação à equipe do projeto.

Espaço VIVER MAIS


Análise Make or Buy
Risco de Qualificação
Fase Entrega Decisão
terceirizar da equipe
Análise de Viabilidade ALTO ALTO FAZER
Licenciamento BAIXO BAIXO COMPRAR
Plano de Gerenciamento
ALTO ALTO FAZER
do Escopo
Plano de gerenciamento
ALTO ALTO FAZER
do Tempo
Plano de Gerenciamento
ALTO ALTO FAZER
do Custo
Plano de Gerenciamento
ALTO ALTO FAZER
da Qualidade
Planejamento Plano de Gerenciamento
ALTO ALTO FAZER
de Pessoas
Plano de Gerenciamento
ALTO ALTO FAZER
da Comunicação
Plano de Gerenciamento
ALTO ALTO FAZER
de Riscos
Plano de Gerenciamento
ALTO ALTO FAZER
de Aquisições
Plano de Gerenciamento
ALTO ALTO FAZER
das Partes Interessadas
Preparação de equipes BAIXO BAIXO COMPRAR
Arquitetônico BAIXO ALTO FAZER
Estrutural BAIXO BAIXO COMPRAR
Projetos Elétrico BAIXO ALTO FAZER
Hidráulico BAIXO BAIXO COMPRAR
Paisagismo BAIXO BAIXO COMPRAR
Acompanhamento da
ALTO BAIXO FAZER
Execução Obra
Obra civil BAIXO BAIXO COMPRAR
70

Mobiliário BAIXO BAIXO COMPRAR


Itens Sustentáveis ALTO BAIXO COMPRAR
Check list ALTO ALTO FAZER
Aceite final ALTO ALTO FAZER
Encerramento
Execução do As built ALTO ALTO FAZER
Habite-se ALTO ALTO FAZER
Tabela 51 - Análise fazer ou comprar (Make or Buy).
.

12.2. Mapeamento de aquisições


Após a análise acima, será feita atualização das bases de fornecedores dos produtos e
serviços necessários, que juntamente com o orçamento do projeto e o prazo de entrega dos
pacotes de trabalho formarão o mapa de aquisições. Esses documentos são apresentados na
sequência.
Segue o fluxo de levantamento de fornecedores:

Figura 32 - Fluxo de levantamento de fornecedores.

As solicitações de informações de fornecedores serão conforme formulário abaixo:

Espaço VIVER MAIS


Solicitação de informações (RFI)
Número:
Data de envio:
Data limite para aceite:
Dados para envio:
71

Segue anexo dicionário da EAP, cronograma de


Referências: utilização de recursos do projeto e termo de
confidencialidade.
Questionamento Informação solicitada
1
2
3
Questionamento Resposta
1
2
3
Tabela 52 – formulário solicitação de informação.

Abaixo o mapa de aquisições contendo os principais pacotes de trabalho:

Espaço VIVER MAIS


Mapa de aquisições
Ref.
Descrição Fornecedores Orçamento Prazo
EAP
Projeto Efrat, Axial,
4.2 R$ 10.000,00 10/11/2017
Estrutural Cosenge

Projeto Horizon,
4.4 R$ 5.000,00 22/12/2017
Hidráulico Cosenge, Efrat

Pontal, Vitrine
4.5 Paisagismo R$ 3.000,00 14/08/2018
Verde, Califórnia

Maksoud, RVA,
5.2 Obra Civil R$1.360.900,00 14/08/2018
Ideal

5.3.1 Mobiliário Ultipró, Panan R$ 150.000,00 23/11/2018

Bee,
Itens
5.3.2 EcoBuilding, R$ 150.000,00 29/11/2018
Sustentáveis
TM5
Tabela 53 - Mapa de aquisições.

12.3. Seleção de fornecedores


As especificações técnicas e funcionais serão produzidas após o mapeamento das
aquisições e encaminhadas juntamente com os documentos de aquisição. O processo de
seleção e contratação de fornecedores é aplicado seguindo o seguinte fluxo:
72

Figura 33 - Fluxo de seleção e contratação de fornecedores.

Os tipos de contratos que serão utilizados para durante as aquisições serão os seguintes:

Espaço VIVER MAIS


Tipos e modalidades de contratos
Entrega Item Tipo Modalidade
Projeto estrutural Projeto de engenharia Preço fixo Compra e venda
Projeto hidráulico Projeto de engenharia Preço fixo Compra e venda
Paisagismo Serviços de jardinagem Preço fixo Prestação de serviços
Obra civil Execução de obra Preço fixo Empreitada mista
Móveis, maquinas e
Mobiliário equipamentos para Preço fixo Compra e venda
operação
Consultoria ambiental,
Itens sustentáveis equipamentos e Preço fixo Empreitada mista
implementação
Tabela 54 – Tipos de contrato.

Segue abaixo formulário de solicitação de cotações (RFQ) aplicado na contratação de


mobiliário para cozinha industrial:
73

Espaço VIVER MAIS


Solicitação de cotação (RFQ)
Número: 001
Data de envio: 01/01/2018
Data limite para aceite: 02/02/2018
Av. Afonso Pena, nº 5900, bairro Cachoeira, Campo
Dados para envio: Grande, Mato Grosso do Sul
Segue anexo formulário de especificação técnica
Referências: dos produtos, cronograma de execução de
atividades e termo de confidencialidade.
Pagamento:
Os produtos devem ser novos e de acordo com as
especificações técnicas em anexo. É de
Garantia: responsabilidade do contratado a substituição de
qualquer produto divergente das especificações de
qualidade anexas.
É responsabilidade do contratado entregar os
produtos de acordo com os prazos estipulados no
cronograma anexo, os produtos deverão ser
Entrega: entregues na localização indicada neste formulário.
Será cobrado 50% sobre o valor total de multa por
atraso caso os produtos adquiridos não sejam
entregues no prazo.
Lista de itens
Recurso Quantidade Preço/UM Total
Fogão industrial 2 R$ 2.110,30 R$ 4.220,60
Exaustor 2 R$ 800,00 R$ 1.600,00
Freezer 1 R$11.590,33 R$ 11.590,33
Balcão térmico 1 R$ 1.281,55 R$ 1.281,55
Processador de alimentos 5 R$ 1.115,33 R$ 5.576,65
Total geral R$ 24.269,13
Tabela 55 - Formulário de solicitação de cotação (RFQ).

Segue formulário de solicitação de proposta (RFP) aplicado na contratação de empresa


para execução de obra civil:

Espaço VIVER MAIS


Solicitação de proposta (RFP)
Número: 001
Data de envio: 11/11/2017
Data limite para aceite: 11/12/2017
A divulgação dos resultados será publicada em jornais
Divulgação dos resultados:
eletrônicos de Campo Grande no dia 15/12/2017.
Av. Afonso Pena, nº 5900, bairro Cachoeira, Campo
Dados para envio: Grande, Mato Grosso do Sul.
74

O espaço viver mais vem através desse documento


apresentar os detalhes do processo de concorrência nº
Objetivo:
001, que visa estabelecimento de contrato de empreitada
mista, do tipo preço fixo, para construção de obra civil.

O anexo 1 contém a especificação técnica dos produtos,


Referências: cronograma de execução de atividades e termo de
confidencialidade.
Os critérios de avaliação obrigatórios e classificatórios que
Critérios de avaliação:
regem essa concorrência estão no anexo 2.
Requisitos contratuais
Os pagamentos serão liberados após homologação e
recebimento definitivo dos entregáveis. Os itens não
avaliados no prazo de 15 dias do recebimento parcial
Pagamento:
serão automaticamente considerados homologados
estando a contratante obrigada a realizar o pagamento do
mesmo.
É responsabilidade da contratada entregar os pacotes de
acordo com os prazos estipulados na proposta, os
produtos deverão ser entregues na localização indicada
Penalidades:
neste formulário. Será cobrado 5% sobre o valor total do
entregável de multa por atraso caso o mesmo não seja
concluído no prazo.

A contratada terá um prazo de 15 dias para avaliar a


minuta de contrato no anexo 3 e iniciar as atividades sob
Início das atividades: pena de perda da prioridade na classificação estando
assim a contratante liberada para iniciar as tratativas com
o próximo fornecedor qualificado.
Seções obrigatórias da proposta
Item Conteúdo esperado
Descrição do pagamento Formas de pagamento que a empresa trabalha
Orçamento detalhado Planilha de custos de execução detalhada.
Cronograma de entregas Prazo de liberação dos itens para homologação.
Capacitação técnica Organograma da equipe de execução do projeto.
Tabela 56 - Formulário de solicitação de proposta (RFP).

Os fornecedores serão avaliados conforme os critérios eliminatórios e classificatórios


apresentados nas tabelas abaixo:
Critérios eliminatórios:
Espaço VIVER MAIS
Critérios obrigatórios
Critério Atende Não atende
Capacidade financeira
Certidão negativa do FGTS
Certidão negativa do INSS
Habilitação jurídica
Tabela 57 - Critérios eliminatórios.
75

Classificação de fornecedores aplicada ao mobiliário de cozinha industrial:

Espaço VIVER MAIS


Avaliação de fornecedores

Forn. 1 Forn. 2 Forn. 3


Critério Peso
Ultipró Panan Bompeso

Qualificação da equipe técnica 20% 6 8 9


Participação em projetos LEED 15% 3 4 6
Experiência na prestação do serviço 5% 10 8 8
Preço 25% 8 9 7
Prazo de entrega 10% 10 5 5
Condições de pagamento 15% 4 8 2
Detalhamento dos preços na proposta 10% 9 10 8
Classificação final 6,65 7,55 6,45
Tabela 58 - Critérios classificatórios.
.

12.4. Controle de pedidos e entregas


O processo de controle de aquisições será conforme abaixo:

Figura 34 - Fluxo de controle de pedidos.


.

O aceite parcial será conforme formulário abaixo:

Espaço VIVER MAIS


Termo de recebimento provisório
76

Proposta/Contrato nº:
Data:
Equipe de fiscalização:
Referências Segue anexo formulário de especificação
técnica.
Atestamos que os itens entregues pela contratada são novos e encontram-se
em perfeito estado de funcionamento. Em 15 dias serão realizados os testes de
desempenho e qualidade para validação dos requisitos técnicos especificados
na proposta/contrato nº XXX, será emitido posteriormente o termo de
recebimento definitivo caso os itens entregues atendam aos requisitos
solicitados.

Assinaturas
Membro1 Membro 2
Tabela 59 – formulário de aceite parcial.

12.5. Fechamento de contratos e recebimento de produtos


O encerramento dos contratos de prestação de serviços e fornecimento de suprimentos
será conduzido conforme o fluxo abaixo:

Figura 35 - Fluxo de encerramento de aquisições.


.

O formulário de aceite definitivo será conforme modelo abaixo:


77

Espaço VIVER MAIS


Termo de recebimento definitivo
Proposta/Contrato nº:
Data:
Equipe de fiscalização:

Atestamos que os itens constantes da proposta/contrato nº XXXXXX


encontram-se em perfeito estado de funcionamento e dentro das expectativas
de qualidade especificadas, de modo que recebemos definitivamente os itens
que compõem a solução contratada.

Assinaturas
Membro1 Membro 2
Tabela 60 – formulário de aceite definitivo.

13. PLANO DE GERENCIAMENTO DE SUSTENTABILIDADE – SUSTAINABILITY


MANAGEMENT PLAN
13.1. Contexto
Com as mudanças aceleradas no perfil da população mundial, assim como a
preocupação de autoridades e organizações não governamentais e de estudos científicos
relacionados a sustentabilidade do planeta, indicarem sua incapacidade de gerar e renovar
recursos naturais suficientes, e ainda a relação-velocidade de consumo desses recursos pela
humanidade, muito tem se falado em planejar e modificar a forma como utilizamos os recursos
naturais, assim como novas formas de se produzir e sustentar o crescimento mundial.

Nesse sentido, o “ser sustentável” passou do status de politicamente correto, para uma
necessidade crescente e real para a sobrevivência da humanidade neste planeta, pois estudos
indicam uma proximidade muito grande da escassez/extinção de recursos naturais, essenciais
à manutenção da vida humana, assim como de uma transformação em relação à qualidade
de vida, principalmente nas grandes cidades.

Dessa forma, visando alcançar os propósitos de sustentabilidade, assim como criar os


diferenciais necessários ao atendimento a ser desenvolvido no ESPAÇO VIVER MAIS,
elegemos a CERTIFICAÇÃO LEED - Leadership in Energy and Environmental Design
(LEED v4 for BD+C: Hospitality), como foco para futura qualificação da edificação a ser
entregue, por tratar de avaliação de categorias aplicáveis ao projeto: eficiência energética, uso
racional de água, materiais e recursos, espaço sustentável, qualidade ambiental interna,
inovação e Processos, credito de prioridade regional.
78

13.2. Certificação LEED - Leadership in Energy and Environmental Design


Organização Desenvolvedora: Green Building Council Criação: 1993/EUA
Critérios avaliados: Espaço Sustentável, Eficiência do uso da água, Energia e
Atmosfera, Materiais e Recursos, Qualidade ambiental interna, Inovação e Processos,
Créditos de Prioridade Regional.

13.3. Aplicações sustentáveis no Espaço Viver Mais


13.3.1. Processos integrados
Durante o planejamento do projeto, foram verificadas as seguintes informações para
definição do escopo do projeto:
* Condições do terreno > para identificar a viabilidade do empreendimento, e as
características naturais que poderiam ser aproveitadas visando a integração com o
meio ambiente e ainda as condições térmicas e energéticas.
* Níveis de iluminação > foram avaliadas as características da localidade para decisão
do tipo de cobertura a ser utilizada visando uma maior refratancia da luz solar frente ao
conforto térmico na ocupação, e ainda o aproveitamento da luz natural para os
ambientes.
* Parâmetros programáticos e operacionais > foram avaliados os espaços
operacionais e as exigências legais mínimas para a construção do edifício que abrigará
o atendimento de idosos, utilizando a racionalização dos espaços com as medidas
padrão recomendadas por ocupante, assim como para as atividades e manutenções.

13.3.2. Eficiência energética e Atmosfera


Projetado com áreas com maior aproveitamento de luz natural e uso de lâmpadas de
Led, com menor consumo de energia e ainda sensores de presença, equipamentos
certificados e instalações elétricas adequadas à demanda do estabelecimento, que
somados ao sistema de geração de energia solar (placas fotovoltaicas) irão garantir
uma autossuficiência e economia de cerca e 80% no consumo e custos de energia.

13.3.3. Eficiência de água


Redução de uso de água ao ar livre / Redução de uso de água no interior / Medição de
água de nível de construção > A instalação de cisterna com captação de águas
pluviométricas, para o adequado reaproveitamento de água, com capacidade de até
5000 L, visando a utilização nas áreas de limpeza, jardinagem e descargas dos
sanitários, e ainda a instalação e regulagem de torneiras automáticas de uso coletivo,
com temporizador e volume reduzido de vazão de água; descargas de duplo fluxo com
volume reduzido e específicos para líquidos e sólidos, irão garantir uma redução de
79

cerca de 80% no consumo de água do Espaço Viver Mais, além de reduzir o volume de
agias pluviais no sistema público de esgoto.

13.3.4. Materiais e recursos


Na construção do edifício serão utilizados materiais e procedimentos visando a redução
no consumo de recursos naturais ou fabricados (tijolos ecológicos, tintas ecológicas e
pastilhas fabricadas de material reciclado de garrafas PET), assim como na geração de
resíduos da obra (reciclagem de entulhos e separação do lixo).

Após a entrega do empreendimento, outros itens irão colaborar com a manutenção de


redução no consumo e na geração de resíduos e lixo, com a instalação de lixeiras para
coleta seletiva e um sistema de produção de adubo orgânico através de compostagem
de resíduos orgânicos advindos das atividades do Espaço Viver Mais.

13.3.5. Espaço sustentável


Localização e transporte
Pegada de estacionamento reduzida > Redução da área de projeção do
estacionamento, com a disponibilidade de apenas 20 vagas, priorizando a carona e o
uso de transporte coletivo.
Acesso a transporte de qualidade > O local escolhido possui serviços de transporte
coletivo a uma distância máxima de 200 metros, com 8 opções de linhas de ônibus,
inclusive de linhas integradas com outras regiões da cidade.

Figura 36 – Indicação de transporte.


Fonte – Google Maps.
80

Pontos sustentáveis

Proteção Sensível à Terra > o imóvel está localizado em área previamente


desenvolvida e conta com alguns vazios urbanos a sua volta.

Espaço aberto > neste requisito, destacamos a manutenção de 50% da área do imóvel
livre de construção, conforme previsto no código municipal de obras, visando a maior
interação dos ocupantes com o meio ambiente, e a pratica de atividades ao ar livre
como, yoga, natação, ginastica laboral, etc.

Gestão da água da chuva > com a instalação do sistema de captação de aguas pluviais
e a manutenção de 50 % da área do imóvel permeável, inclusive nas áreas de
estacionamento com a pavimentação de blocos vazados, haverá a redução dessas
águas no sistema municipal de esgoto, assim com a reutilização das mesmas para
diversos fins no empreendimento.

Redução de ilha de calor > para a redução de ilhas de calor, foram tomadas as
providencias no projeto de forma a reduzir a absorção de calor da cobertura através de
telhas de cor clara e placas fotovoltaicas para geração de energia solar.

13.3.6. Qualidade ambiental interna


Materiais de baixa emissão > serão utilizadas tintas à base de agua e lâmpadas de LED
que não possuem mercúrio em sua composição e ainda a instalação de sistema de
refrigeração central, utilizando água como refrigerante.

Conforto térmico > o projeto prevê a utilização de correntes de ar natural e refrigeração


central.

Iluminação interior > as janelas permitirão o acesso a luz natural na maior parte do dia,
com controle através de cortinas e persianas.

Luz do dia > em todos os ambientes haverá acesso à luz natural na maior parte do dia,
com controle através de cortinas e persianas.

Vistas de qualidade > em todos os ambientes de atividades do edifício estarão


disponíveis visão para o meio externo, sem bloqueios.
81

13.3.7. Inovação e tecnologia


Inovação > Trata de empreendimento inovador, considerando o direcionamento inédito
do atendimento de idosos para esta faixa etária especifica e em função da condição de
atendimento intradia no conceito de espaço social especializado, com vista a estimular
as potencialidades dessa população.

Profissional certificado LEED > está prevista a contração de consultoria técnica


certificada para a preparação da documentação e inscrição na certificação LEED, junto
ao GBC BRASIL (Green Building Council Brasil).

13.3.8. Itens Sustentáveis custo x beneficio


Considerando os benefícios comprovados no investimento em tecnologias
sustentáveis, identificamos uma elevação total do projeto de cerca de 6,02% (R$
120.425,61), mas que trará resultados econômicos e ambientais de valor incalculável a
médio e longo prazo, além de qualidade de vida para os usuários do Espaço Viver Mais.
82

Tabela 61 – Itens sustentáveis.

13.3.9. Proposta para a certificação - nível Certificação LEED


Para o atendimento dos requisitos necessários para a Certificação LEED, será
contratada consultoria especializada a fim de cumprir a documentação e demais itens
necessários, conforme check list abaixo:

LEED v4 for BD+C: Hospedagem


S N Pontua
S 1 Credito 1 Processos Integrados 1

Localização e Transporte 16
Crédito 1 LEED para localização de desenvolvimento de bairro 16
S 1 Crédito 2 Proteção Sensível à Terra 1
83

Crédito 3 Site de alta prioridade 2


Crédito 4 Densidade circundante e diversos usos 5
S 5 Crédito 5 Acesso ao Trânsito de Qualidade 5
Crédito 6 Instalações de bicicleta 1
S 1 Crédito 7 Pegada de estacionamento reduzida 1
Crédito 8 veículos verdes 1

Pontos Sustentáveis 10
S Prereq 1 Atividade de construção Prevenção da poluição Requisito
Crédito 1 Avaliação do local 1
Crédito 2 Desenvolvimento do Site - Proteger ou Restaurar Habitat 2
S 1 Crédito 3 Espaço aberto 1
S 3 Crédito 4 Gestão da água da chuva 3
S 2 Crédito 5 Redução de ilha de calor 2
Crédito 6 Redução da poluição luminosa 1

Eficiência da água 11
S Prereq 1 Redução de uso de água ao ar livre Requisito
S Prereq 2 Redução de uso de água no interior Requisito
S Prereq 3 Medição de água de nível de construção Requisito
S 2 Crédito 1 Redução ao uso da água ao ar livre 2
S 6 Crédito 2 Redução do uso da água no interior 6
Crédito 3 Uso de água da torre de resfriamento 3 de crédito 2
Crédito 4 Medição de água 1

Energia e atmosfera 33
S prereq 1 Comissionamento e Verificação fundamental Requisito
S prereq 2 Desempenho mínimo de energia Requisito
S prereq 3 Medição de energia ao nível do edifício Requisito
S prereq 4 Gerenciamento Fundamental de Refrigerante Requisito
Crédito 1 Comissionamento aprimorado 6
S Crédito 2 Otimizar o desempenho energético 18
Crédito 3 Medição avançada de energia 1
Crédito 4 Resposta à Demanda 2
S 3 Crédito 5 Produção de Energia Renovável 3
Crédito 6 Gerenciamento aprimorado de refrigerante 1
Crédito 7 Poder verde e compensações de carbono 2

Materiais e recursos 13
S prereq 1 Armazenamento e Recolha de recicláveis Requisito
S Prereq 2 Planejamento de Gerenciamento de Resíduos de Construção e Demolição Requisito
Credito 1 Construção de Redução do Impacto do Ciclo de Vida 5
Divulgação e otimização de produtos de construção - Declarações
Credito 2 2
ambientais de produtos
Divulgação e otimização de produtos de construção - Sourcing de matérias-
Credito 3 2
primas
Construção de Divulgação e Otimização de Produtos - Ingredientes de
Credito 4 2
Materiais
2 Credito 5 Gestão de Resíduos de Construção e Demolição 2

Qualidade Ambiental Interior 16


S prereq 1 Desempenho mínimo da qualidade do ar interior Requisito
S Prereq 2 Controle Ambiental do Fumo do Tabaco Requisito
Credito 1 Estratégias avançadas de qualidade do ar interior 2
3 Credito 2 Materiais de baixa emissão 3
Credito 3 Plano de Gerenciamento da Qualidade do Ar no Ar Interior 1
Credito 4 Avaliação da qualidade do ar interior 2
S 1 Credito 5 Conforto térmico 1
84

S 2 Credito 6 Iluminação interior 2


S 3 Credito 7 Luz do dia 3
S 1 Credito 8 Vistas de qualidade 1
Credito 9 Desempenho acústico 1

Inovação 6
S 5 Credito 1 Inovação 5
S 1 Credito 2 LEED profissional credenciado 1

Prioridade Regional 4
Credito 1 Prioridade Regional: Crédito Específico 1
Credito 2 Prioridade Regional: Crédito Específico 1
Credito 3 Prioridade Regional: Crédito Específico 1
Credito 4 Prioridade Regional: Crédito Específico 1

43 Total Pontos possíveis 110


Certificação 40 a 49 pontos
Figura 37 – Check List (Ref. GBC BRASIL).

14. REFERÊNCIAS
ABNT NBR ISO 14001 – Gestão Ambiental, 3ª edição, ano 2015;

ABNT NBR 9050 – Acessibilidade a Edificações, 2ª edição, ano 2004;

ANDRÉ, Larisse Meirelles. Necessidades do cuidador informal de idosos: uma


abordagem de saúde da família. Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de
Medicina. Núcleo de Educação em Saúde Coletiva. Conselheiro Lafaiete, 2011. 33f.
Monografia (Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família);

Baumotte, Ana C. T., et al. Gerenciamento de pessoas em projetos, 3ª ed. Editora FGV,
2014;

Chaves, Lucio E., et al. Gerenciamento de comunicação em projetos, 3ª ed. Editora FGV,
2014;

Escritório de Projetos.Templates. Disponivel em: www.escritoriodeprojetos.com.br, acesso


em: out/2017;

Estudo Global Nielsen. A diferença de idade, abr/2014. Disponível em:


http://www.nielsen.com/content/dam/corporate/Brasil/reports/2014/EstudoGlobal-
DiferencaIdade-Abr14.pdf., acesso em 27/11/2017;

GBC Brasil. RatingSystem-LEEDv4BD+C. Disponivel em: http://www.gbcbrasil.org.br/.


Acesso em: 201/11/2017.
85

Project Management Institute. Um Guia do Conjunto de Conhecimentos em


Gerenciamento de Projetos: Guia PMBOK. 5ª edição. Newton Square, PA: Project
Management Institute, 2013.

Lei 1866 - Código de Obras de Campo Grande – MS, 1979;

LEI nº 1.866, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1.979. O código de obras do município de Campo


Grande -MS.

LEI nº 10.741, DE 1º DE OUTUBRO DE 2003 - Estatuto do Idoso;

Valle, André, et al. Fundamentos do gerenciamento de projetos – 3ª ed. – Rio de Janeiro :


Editora FGV, 2014. (Gerenciamento de projetos (FGV Management)).

Valle, José Ângelo Santos do, et al. Gerenciamento de stakeholders em projetos. 1ª ed. –
Rio de Janeiro : Editora FGV, 2014. (Gerenciamento de projetos (FGV Management)).