Você está na página 1de 17

Metabolismo das Proteínas

Metabolismo das proteínas


Peptídeos e proteínas.

• Até 50 aa: peptídeo.


• > 50 aa proteína.
Metabolismo dos aminoácidos

Exógena Endógena
Alimentação 25%
75%

aa Compostos
nitrogenados não
proteicos
Cadeia (Nucleotídeos)
Com a
carbônica perda do
grupo
amina
Convertida em compostos
comuns ao metabolismo de
carboidratos e lipídios Grupo amina
(glicose, ácidos graxos,)
(amônia é tóxica) Ureia
Metabolismo das proteínas

Nos seres humanos os aminoácidos podem sofrer dois tipos de reações químicas:
transaminação e desaminação, os quais ocorrem principalmente no fígado de
acordo com a necessidade fisiológica, auxiliando no bom funcionamento do
organismo.

Transaminação: retirada do grupo amino de um determinado aminoácido, com a


transferência para um alfacetoglutarato formando glutamato e alfacetoácido.

Desaminação: retirada do grupo amino e liberação da cadeia carbônica para


produção de energia.

A transaminação ocorre com a presença de enzimas


chamadas aminotransferases.
Aminotranferases
Para cada tipo de aminoácido existe uma aminotranferase, enzimas que apresentam
especificidade pelo seu substrato.

As duas enzimas de maior importância são:

• Alanina aminotransferase (ALT) ou transaminase glutâmico–pirúvica (TGP), encontrada


principalmente no fígado e rim

• Aspartato aminotransferase (AST) ou transaminase glutâmica oxalacética (TGO),


encontrada principalmente o coração, fígado, músculo esquelético e rim.

As enzimas necessitam da presença da coenzima PLP (piridoxal fosfato)

Estas enzimas auxiliam no diagnóstico de lesões hepáticas ou cardíacas provocadas por


infarto, drogas tóxicas ou infecções, já que após esses eventos várias enzimas extravasam
das células lesadas e passam para a corrente sanguínea.
Reação geral da transaminação
Para a maioria dos aminoácidos, o grupo amina é transferido para o alfa-
cetoglutarato, um composto intermediário do ciclo de Krebs, formando os produtos
como alfa-cetoácido e glutamato 1- A molécula de
aminoácido transfere o
1 grupo amino para
molécula de
alfacetoglutarato
formando assim o
glutamato;

2
2- O aminoácido
recebe a dupla =O
(oxigênio) da molécula
de alfacetoglutarato e
forma o alfacetoácido.
Aminotransferase
O destino do Glutamato no hepatócito
Nos hepatócitos o Glutamato é transportado do citoplasma para a mitocôndria onde sofre:
transaminação ou desaminação

A ação conjunta das transaminases (T) e da glutamato desidrogenase (GD) permite canalizar o
nitrogênio da maioria dos aminoácidos para dois compostos: Aspartato e NH4 + num processo
chamado de transdeaminação.
O destino do Glutamato no hepatócito
Transaminação: o glutamato sofre transaminação e forma aspartato,
importante para o ciclo da ureia

1- O glutamato
transfere o grupo
NH3 para o
oxalacetato
formando assim o
aspartato
2
2 - O glutamanto (importante para o
recebe a dupla =O ciclo da ureia)
(oxigênio) da
molécula de
oxalacetato e forma o
alfacetoglutarato Aspartato aminotransferase (AST)
Destinos do Glutamato
Desaminação: o glutamato perde o grupo amina e forma amônia (NH4+)

O glutamato libera seu grupo


NH3 utilizando o NAD ou NADP
como coenzima;
A água presente libera o
oxigênio para o glutamato,
formando o alfacetoglutarato;
Glutamanto desidrogenase

O NAD e a amônia
ficará com os
hidrogênios da água.
Metabolismo das proteínas

Ciclo
da ureia
Destino da cadeia de carbonos dos aminoácidos

Removido o grupo amina, resta o esqueleto carbônico do aminoácido na forma de α -


cetoácido.

As 20 cadeias carbônicas são oxidadas por vias próprias, porém convergem para 6
componentes do metabolismo: piruvato, acetil CoA, oxaloacetato, fumarato, alfa
cetoglutarato e succinato;

Um mesmo aminoácido pode contribuir para diferentes componentes do metabolismo. O


destino final do α-cetoácido depende do tecido e do estado fisiológico podendo ser:

• Oxidado pelo ciclo de Krebs ;

• Utilizado na Gliconeogênese;

• Convertido em triacilglicerol.
Destino da cadeia de carbonos dos aminoácidos
Ciclo da Ureia Ureia

• A amônia formada é tóxica, devendo ser excretada na forma de


ureia pela urina e em menor proporção nas fezes;

• O ciclo da ureia é uma via metabólica utilizada pelo organismo para


eliminar o nitrogênio através da conversão em ureia;

• A síntese de ureia ocorre nos hepatócitos


inicialmente na mitocôndria e posteriormente
é finalizado no citoplasma.
Reação 1: Amônia reage com o bicarbonato
Ciclo da ureia formando carbamoil-fosfato;
ou ornitina Reação 2: carbamoil-fosfato reage com a
ornitina formando a citrulima;
Reação3: A citrulina sai da mitocôndria se
liga ao aspartato e forma a molécula de
argininossuccinato
Reação 4: Argininossuccinato forma
furmarato (segue para o ciclo de Krebs) e
arginina;
Reação 5: Arginina é hidrolisada produzindo
ureia e regenerando a ornitina.

O ciclo se reincia!
A ureia é um marcador de função renal ; Mitocôndria

[ureia] = hiperuremia - está relacionado à


Ciclo da ureia
diminuição da função renal.

[ureia] = hipouremia - é encontrada em caos de


ingesta deficiente de proteínas e insuficiência
hepática;

Citoplasma
Interação entre
ciclo de Krebs e
ciclo da ureia
Proteólise

Via metabólica de degradação da proteína (Proteólise). O aminoácido


é quebrado em dois blocos: CADEIA CARBÔNICA e GRUPO AMINO;

A cadeia carbônica será utilizada para a síntese de glicose no processo


de gliconeogênese; pode ser convertida em Acetil-CoA, indo para o
ciclo de Krebs; síntese de ácidos graxos ou corpos cetônicos

O grupo amino irá originar o NH4+ que devido a sua toxicidade será
convertido em ureia no fígado (Ciclo da Ureia).

Você também pode gostar