Você está na página 1de 4

1 Julgue Verdadeiro ou Falso

A criação de crimes e penas por meio de medida provisória não ofende o princípio da
legalidade
O princípio da insignificância deve ser analisado em correlação com os postulados da
fragmentariedade e da intervenção mínima do direito penal para excluir ou afastar a
própria tipicidade da conduta.
2 Não há crime sem lesão efetiva ou ameaça concreta ao bem jurídico tutelado. Tal
enunciado refere-se ao princípio da
A proporcionalidade.
B intervenção mínima.
C ofensividade.
E alteridade.
3 O direito penal não admite analogias incriminadoras Essa afirmativa é uma
decorrência do princípio da:
A adequação social.
B responsabilidade penal pessoal.
C individualização das penas.
D legalidade.
E responsabilidade penal subjetiva.
4 O Direito Penal busca primordialmente a proteção de algo selecionado pelo legislador
dentro de um critério político, somente merecendo sua proteção aqueles bens mais
importantes, sempre na ideia de que a intervenção desse ramo do Direito se justifica
apenas quando outro não se mostrar suficiente. Qual dos princípios abaixo melhor
fundamenta o texto acima no seu ponto fulcral?
A Proporcionalidade.
B Legalidade.
C Adequação social.
D Intervenção mínima.
E Lesividade.
5 Artigo 1.º do Código Penal Brasileiro: “Não há crime sem lei anterior que o defina. Não
há pena sem prévia cominação legal.” O dispositivo legal ora transcrito explicita, dentre
outros, o princípio
a. da insignificância.
b. intervenção mínima.
c. taxatividade.
d. culpabilidade.
e. da proporcionalidade.
6 Em relação ao princípio da legalidade (artigo 1º do Código Penal), assinale a afirmação
correta.
A Estabelece que as condutas consideradas como imorais pelo corpo social podem ser
penalmente sancionadas, diante da magnitude da lesão causada à coletividade.
B Permite concluir que ninguém poderá ser punido por conduta praticada que não
esteja previamente definida como crime na lei.
C Autoriza o uso de normas penais vagas e imprecisas para permitir ao julgador ampla
discricionariedade no momento de optar pela condenação ou pela absolvição dos
acusados.
D Conforme a extensão do dano causado, pode ser flexibilizado para viabilizar a
condenação de autores de fatos praticados antes da entrada em vigor da lei penal em
questão, desde que fundamentada a decisão pelo Juiz.
E Não há crime sem lei anterior que o defina, mas o Juiz poderá determinar a pena
sem prévia cominação legal.
7 Com relação ao princípio da legalidade, assinale a afirmativa incorreta.
ATal princípio se aplica às contravenções e medida de segurança.
B Tal princípio impede a criação de crimes por meio de medida provisória.
C Tal princípio impede incriminação genérica por meio de tipos imprecisos.
D Tal princípio impede a aplicação de analogia de qualquer forma no Direito Penal.
E Tal princípio está previsto no texto constitucional vigente.
8 De acordo com o Professor Luiz Flávio Gomes: “A subtração de um par de chinelos (de
R$ 16,00) vai monopolizar, em breve, a atenção dos onze ministros do STF, que têm
milhares de questões de constitucionalidade pendentes. Decidirão qual é o custo (penal)
para o pé descalço que subtrai um par de chinelos para subir de grau (na escala social)
e se converter em um pé de chinelo. No dia 5/8/14, a 1ª Turma mandou para o Pleno a
discussão desse tema. Reputado muito relevante. No mundo todo, a esse luxo
requintadíssimo pouquíssimas Cortes Supremas se dão (se é que exista alguma outra
que faça a mesma coisa). Recentemente outros casos semelhantes foram julgados pelo
STF: subtração de 12 camarões (SC), de um galo e uma galinha (MG), de 5 livros, de 2
peças de picanha (MG), etc. Um homem, em MG, pelo par de chinelos (devolvido), foi
condenado a um ano de prisão mais dez dias-multa. Três instâncias precedentes (1º
grau, TJMG e STJ) fixaram o regime semiaberto para ele (porque já condenado antes por
crime grave: outra subtração sem violência) (...)”.
Com base no referido texto, a esses casos descritos, os quais seriam julgados pelo STF,
qual princípio limitador do Poder Punitivo Estatal poderíamos aplicar a fim de dar
resolução ao caso penal?
ADa legalidade e da reserva legal.
B Da intervenção mínima.
C Da insignificância.
D Da adequação social.
E Da fragmentariedade.
9. No que diz respeito aos princípios aplicáveis ao Direito Penal, analise os textos a
seguir.
A proteção de bens jurídicos não se realiza só mediante o Direito Penal, senão que nessa
missão cooperam todo o instrumental do ordenamento jurídico.
ROXIN, Claus. Der echo penai- parte geral. Madrid: Civitas, 1997.1.1, p. 65.
A criminalização de uma conduta só se legitima se constituir meio necessário para a
proteção de ataques contra bens jurídicos importantes. BITENCOURT, Cezar Roberto.
Tratada de direito penal: parte geral. 20. ed. São Paulo: Saraiva, 2014, p. 54.
Nesse sentido, é correto afirmar que os textos se referem ao
A princípio da intervenção mínima, imputando ao Direito Penal somente fatos que
escapem aos meios extrapenais de controle social, em virtude da gravidade da agressão
e da importância do bem jurídico para a convivência social.
B princípio da insignificância, que reserva ao Direito Penal a aplicação de pena somente
aos crimes que produzirem ataques graves a bem jurídicos protegidos por esse Direito,
sendo que agir de forma diferente causa afronta à tipicidade material.
C princípio da adequação social em que as condutas previstas como ilícitas não
necessariamente revelam-se como relevantes para sofrerem a intervenção do Estado,
em particular quando se tornarem socialmente permitidas ou toleradas.
D princípio da ofensividade, pois somente se justifica a intervenção do Estado para
reprimir a infração com aplicação de pena, quando houver dano ou perigo concreto de
dano a determinado interesse socialmente relevante e protegido pelo ordenamento
jurídico.
E princípio da proporcionalidade, em que somente se reserva a intervenção do Estado,
quando for estritamente necessária a aplicação de pena em quantidade e qualidade
proporcionais à gravidade do dano produzido e a necessária prevenção futura
10 A doutrina penal é unânime de que na expressão “não há crime sem lei anterior que
o defina” firma-se um dos fundamentos mais importantes do direito penal: o princípio
constitucional da legalidade penal no que diz respeito aos delitos. Pergunta-se: quais
são os corolários extraídos desta locução?
A Subsidiariedade, anterioridade e personalidade.
B Reserva legal, anterioridade e instranscendência.
C Reserva legal, anterioridade e taxatividade.
D Subsidiariedade, anterioridade e individualização da pena.
E Reserva legal, personalidade e taxatividade.