Você está na página 1de 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO 20/08/2012 INTRODUÇÃO À ÉTICA I

PIAUÍ

FÓRUM III

Façamos um bom debate a respeito da pergunta que está no manual de


leitura, Ética I de Darlei Dall’Agnol: “Qual é a interpretação da eudaimonía
que você acha mais defensável, a dominante ou a inclusivista"? Por quê?

A eudaimonía inclusivista parece mais defensável. Do ponto de vista aristotélico, a


eudaimonía inclusivista enfoca que a vida dedicada ao conhecimento não pode deixar de lado
aspectos como: o prazer, as aretés morais, certas condições materiais, etc.

Embora a sabedoria e busca pelo conhecimento e verdade devam ocupar o ápice da escala
de valores, outros valores fazem-se necessários e não precisam obrigatoriamente ser deixados de
lado. Esta interpretação parece também ser a mais condizente com as teorias e princípios
aristotélicos, além de ser a mais inclinada à conciliação dos propósitos filosóficos e mundanos.

A eudaimonía é baseada na felicidade primeira, caracterizada pelo saber filosófico em si;


na hipótese inclusivista, encontra-se na base as posses e o prazer. Sendo que a própria
eudaimonía corrobora com uma vida virtuosa justificada racionalmente em torno de um bem
supremo, a inclusão na base do ser dos recursos materiais e “profanos” permite aos seres,
viverem e coexistirem em sua totalidade, desde que os aspectos mundanos não sejam enaltecidos
ou buscados compulsivamente.

-RmR*XDOEHUWRGD
&RVWD5LEHLUR-~QLRU

),1$/
$GREHFRQILUPD
DXWHQWLFLGDGHDXWRUDOH
WHVWHPXQKDDILGHOLGDGH
HLQWHJULGDGHGHVWH
GRFXPHQWR
%\*XDOEHUWR-~QLRUDW
$FDGrPLFRGH)LORVRILD


PROF.ª JESUS LÊDA


UAPI
BLOCO III