Você está na página 1de 68

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO

ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE


X CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM

PATOLOGIAS, MEDICAÇÃO E DILUIÇÕES

Viana do Castelo | 2010


ÍNDICE

MEDICAÇÃO .................................................................................................................................. 5
ACICLOVIR ..................................................................................................................................... 5
ÁCIDO ACETILSALICÍLICO ............................................................................................................... 5
ÁCIDO VALPRÓICO ........................................................................................................................ 6
ALOPURINOL ................................................................................................................................. 6
AMIODARONA ............................................................................................................................... 7
AMOXICILINA + ÁCIDO CLAVULÂNICO .......................................................................................... 7
ATENOLOL ..................................................................................................................................... 8
AVODART....................................................................................................................................... 8
BROMETO DE IPRATRÓPIO............................................................................................................ 9
BUTILESCOPOLAMINA ................................................................................................................... 9
CALCITRIOL .................................................................................................................................. 10
CAPTOPRIL ................................................................................................................................... 10
CARBONATO DE CÁLCIO .............................................................................................................. 11
CARVEDILOL ................................................................................................................................ 12
CEFAZOLINA ................................................................................................................................ 13
CEFIXIMA ..................................................................................................................................... 13
CEFOXITINA ................................................................................................................................. 14
CEFTRIAXONA .............................................................................................................................. 14
CETOROLAC ................................................................................................................................. 15
CLARITROMICINA ........................................................................................................................ 16
CLINDAMICINA ............................................................................................................................ 16
CLONIDINA .................................................................................................................................. 17
CLORETO DE POTÁSSIO ............................................................................................................... 17
CLORETO DE SÓDIO ..................................................................................................................... 18
CLOROPROMAZINA ..................................................................................................................... 19
COVERSYL .................................................................................................................................... 20
DICLOFENAC ................................................................................................................................ 20
DIGOXINA .................................................................................................................................... 21
ENOXAPARINA SÓDICA ............................................................................................................... 21
ERTAPENEM ................................................................................................................................ 22
ESPIRONOLACTONA .................................................................................................................... 23
FENTANILO .................................................................................................................................. 23
FINASTERIDA ............................................................................................................................... 24
FUROSEMIDA............................................................................................................................... 24
GABAPENTINA ............................................................................................................................. 25
GLUCONATO DE CÁLCIO, VITAMINA D, HIDROGENO FOSFATO DE CÁLCIO DIHIDRATADO ....... 25
GLUCOSE 5% COM CLORETO DE SÓDIO 0,9% INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS ............................... 26
HALOPERIDOL.............................................................................................................................. 26
HIDROXIZINA ............................................................................................................................... 27
IBUPROFENO ............................................................................................................................... 28
INDAPAMIDA ............................................................................................................................... 28

2
IMIPENEM + CILASTATINA........................................................................................................... 29
IRBESARTAN ................................................................................................................................ 30
LACTULOSE .................................................................................................................................. 30
LEVETIRACETAM .......................................................................................................................... 31
METOCLOPRAMIDA..................................................................................................................... 31
MONONITRATO DE ISOSSORBIDA ............................................................................................... 32
MORFINA ..................................................................................................................................... 33
NITROGLICERINA ......................................................................................................................... 34
OMEPRAZOL ................................................................................................................................ 35
PARACETAMOL ............................................................................................................................ 35
PIPERACILINA, TAZOBACTAM...................................................................................................... 36
PREDNISOLONA ........................................................................................................................... 36
PROPAFENONA............................................................................................................................ 37
RAMIPRIL ..................................................................................................................................... 38
RANITIDINA ................................................................................................................................. 39
RISPERIDONA............................................................................................................................... 39
SINVASTATINA ............................................................................................................................. 40
TRIMETOPRIM, SULFAMETOXAZOL ............................................................................................ 40
TANSULOSINA ............................................................................................................................. 41
TIAMINA ...................................................................................................................................... 41
TIAPRIDA ..................................................................................................................................... 42
TRAMADOL .................................................................................................................................. 42
TRI-HEXIFENIDILO ........................................................................................................................ 43
TRIMETAZIDINA ........................................................................................................................... 43
VANCOMICINA ............................................................................................................................ 44
VARFARINA .................................................................................................................................. 44
PATOLOGIAS MAIS FREQUENTES ................................................................................................ 46
COLELITIASE/COLECISTITE/ COLEDOCOLITÍASE .......................................................................... 46
COLISCECTOMIA .......................................................................................................................... 46
PANCREATITE AGUDA ................................................................................................................. 47
LITÍASE BILIAR .............................................................................................................................. 48
Colelitíase crónica ....................................................................................................................... 48
Colecistite aguda ......................................................................................................................... 48
HEMORRAGIA GÁSTRICA............................................................................................................. 49
DISTÚRBIOS ESOFÁGICOS............................................................................................................ 49
REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO ................................................................................................... 49
ACALÁSIA (CARDIOESPASMO) ..................................................................................................... 50
CARCINOMA DO ESÓFAGO ......................................................................................................... 51
PRÓTESE ESOFÁGICA ................................................................................................................... 51
HÉRNIA DO HIATO ....................................................................................................................... 51
HERNIORAFIA/ HERNIOPLASTIA .................................................................................................. 52
DIVERTÍCULO ESOFÁGICO ........................................................................................................... 53
PATOLOGIAS GÁSTRICAS ............................................................................................................. 53
GASTRITE ..................................................................................................................................... 53
GASTRITE AGUDA ........................................................................................................................ 53

3
GASTRITE CRÓNICA ..................................................................................................................... 54
DOENÇA ULCEROSA PÉPTICA ...................................................................................................... 54
GASTROSTOMIA/JEJUNOSTOMIA ............................................................................................... 55
GASTRECTOMIA........................................................................................................................... 55
CARCINOMA DO ESTÔMAGO ...................................................................................................... 56
PLANEAMENTO DE CUIDADOS PARA DOENTE SUBMETIDO A CIRURGIA GÁSTRICA ................. 57
DUMPING .................................................................................................................................... 57
PATOLOGIA INTESTINAL .............................................................................................................. 58
APENDICITE ................................................................................................................................. 59
APENDICECTOMIA ....................................................................................................................... 59
DOENÇA DIVERTICULAR/ DIVERTICULITE .................................................................................... 60
PERITONITE ................................................................................................................................. 60
DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL ......................................................................................... 61
COLITE ULCEROSA ....................................................................................................................... 61
DOENÇA DE CROHN .................................................................................................................... 61
OBSTRUÇÃO INTESTINAL............................................................................................................. 62
TUMORES DO INTESTINO ............................................................................................................ 62
CIRURGIA INTESTINAL ................................................................................................................. 62
COLOSTOMIA E HEMICOLECTOMIA ............................................................................................ 63
OSTOMIAS INTESTINAIS .............................................................................................................. 63
PATOLOGIAS HEPÁTICAS ............................................................................................................. 64
AVALIAÇÃO DE UM DOENTE COM PATOLOGIA HEPÁTICA ......................................................... 65
SINDROME ICTÉRICO ................................................................................................................... 65
CIRROSE HEPÁTICA ...................................................................................................................... 66
ASCITE.......................................................................................................................................... 67
VARIZES ESOFÁGICAS .................................................................................................................. 67
ALTERAÇÕES VASCULARES PERIFÉRICAS..................................................................................... 68
PATOLOGIA ARTERIAL ................................................................................................................. 68
DOENÇA ARTERIOESCLERÓTIDA OBLITERANTE .......................................................................... 68
EMBOLIA ARTERIAL ..................................................................................................................... 68

4
MEDICAÇÃO
A

ACICLOVIR
Mecanismo de acção
Antivírico nucleosido sintético análogo da purina, inibidor da síntese do ADN viral o que lhe
confere actividade antiviral exclusivamente sobre vírus ADN especialmente o Herpes simplex,
tipos I e II, e o Varicela zoster.
Indicações terapêuticas
Tratamento de infecções pelo vírus Herpes zoster e Herpes simplex. Prevenção de infecções a
Herpes simple recorrentes. Redução na transmissão de herpes genital.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Aciclovir. Gravidez e lactação.

Advertências e precauções especiais de utilização


Manter hidratação adequada.
-
Náuseas, vómitos, diarreia. Inflamação e flebite no local da injecção intravenosa. Insuficiência
renal. Aumento transitório da ureia e creatinina na concentração sanguínea. Aumento da
bilirrubina sérica e enzimas hepáticas, alterações hematológicas, rash (incluindo eritema
multiforme, síndrome de Stevens-Johnson e necrólise epidérmica), febre, cefaleias, tonturas.
Anafilaxia. Hepatite e icterícia. Reacções neurológicas incluindo letargia, sonolência, confusão,
alucinações, agitação, tremores, psicose, convulsões e coma. Trombocitopenia purpúrica e
síndrome hemolítico urémico, por vezes fatal. Alopecia.

ÁCIDO ACETILSALICÍLICO
Mecanismo de acção
Analgésico, antipirético, anti-inflamatório não esteróide e antiagregante plaquetário. É um
inibidor do enzima ciclooxigenase o que se traduz por inibição da síntese das prostaglandinas.
Indicações terapêuticas
Tratamento sintomático das dores de intensidade ligeira ou moderada (cefaleias,
dismenorreia, odontalgias). Tratamento sintomático de estados febris, nomeadamente os
associados a constipações ou gripe.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Ácido Acetilsalicílico ou a outros salicilados. Diátese hemorrágica.
Úlceras gástricas ou intestinais. Último trimestre de gravidez. Crianças < 12 anos.
Advertências e precauções especiais de utilização
Antecedentes de lesões gástricas ou duodenais, asma, urticária, polipose nasal, insuficiência
renal, insuficiência hepática, gota ou deficiência em glucose-6-fosfato desidrogenase.
Efeitos indesejáveis
Dispepsia, pirose ou náuseas, vómitos, anorexia ou dor abdominal. Úlceras gastrointestinais.
Reacções de hipersensibilidade (crises de dispneia, erupções cutâneas). Asma, polipose nasal e

5
sensibilidade. Casos isolados de alterações da função hepática e da função renal, hipoglicémia
e reacções cutâneas graves. Leucopenia, trombocitopenia, pancitopenia, anemia aplástica,
púrpura e eosinofilia. Podem ocorrer tonturas e zumbidos, especialmente em crianças e
idosos. Risco aumentado de hemorragias.

ÁCIDO VALPRÓICO
Indicações terapêuticas
Para o tratamento de:
– convulsões generalizadas na forma de ausências, convulsões mioclónicas e tónicas-clónicas.
– convulsões generalizadas focais e secundárias.
E em tratamento combinado de outras formas de convulsão, ex: convulsões focais com
sintomas simples e complexos e convulsões focais com generalização secundária, se estes
tipos de convulsões não responderem ao tratamento anti-epiléptico habitual.
Nota: Em crianças até aos 3 anos de idade, os anti-epiléticos contendo ácido valpróico são
terapêutica de primeira escolha apenas em situações excepcionais.
Contra-indicações
– Hipersensibilidade ao ácido valpróico ou a qualquer um dos excipientes.
– História pessoal ou familiar de doença hepática ou disfunção hepática activa grave ou
pancreática
– Disfunção hepática com resultado fatal em familiares durante o tratamento com ácido
valpróico
– Porfiria
– Perturbações da coagulação
Efeitos indesejáveis
A reacção adversa potencialmente mais grave é a hepatotoxicidade, particularmente nas
crianças com menos de 2 anos, nos que tomam mais do que um antiepiléptico, que têm
alterações metabólicas congénitas, que apresentam epilepsias graves ou que têm lesões
cerebrais orgânicas. A função hepática deve ser avaliada antes do início da medicação e,
posteriormente, a intervalos curtos, pelo menos nos primeiros seis meses. Outras reacções
adversas estão descritas, de que se salientam as náuseas e vómitos pela sua frequência e a
trombocitopenia pela potencial gravidade.

ALOPURINOL
Mecanismo de acção
Antigotoso. Actua inibindo de forma competitiva a xantinaoxidase, enzima que intervém na
síntese do ácido úrico.
Indicações terapêuticas
Tratamento da gota e das hiperuricémias; de certas alterações enzimáticas (síndroma de
Lesch-Nyhan); da nefropatia por ácido úrico. Profilaxia e tratamento da litíase renal cálcica em
doentes com hiperuricémia e/ou uricosúria; da litíase úrica.
Crianças: Hiperuricemia secundária à doença de Lesh-Nyhan ou a algumas doenças malignas.
Contra-indicações

6
Hipersensibilidade ao Alopurinol. Crises agudas de gota. Gravidez e lactação.
Advertências e precauções especiais de utilização
Insuficiência renal ou hepática. Durante os primeiros tempos de utilização do alopurinol é
aconselhável a administração simultânea de colquicina nos doentes que apresentam crises
gotosas agudas.
Efeitos indesejáveis
Reacções de hipersensibilidade cutânea (erupção pruriginosa, macular e maculopapular) e
hematológica (eosinofilia), por vezes acompanhada de febre e mialgias. Ocasionalmente
podem ocorrer fenómenos dispépticos benignos, tonturas e cefaleias.

AMIODARONA
Mecanismo de acção
Antiarrítmico da Classe III; prolonga a duração do potencial de acção celular, retardando a
repolarização e aumentando o intervalo QT do ECG.
Indicações terapêuticas
Fibrilhação e flutter auriculares. Síndroma de Wolff-Parkinson-White. Taquicardia
supraventricular. Prevenção da recorrência da taquicardia e fibrilhação ventriculares.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Amiodarona. Hipotensão arterial. Bradicardia sinusal. Bloqueios
auriculoventricular e sinoauricular. Insuficiência cardíaca e respiratória grave. Disfunção da
tiróide. Gravidez e lactação. Crianças.
Advertências e precauções especiais de utilização
Doentes com doença pulmonar pré-existente, incluindo doença crónica obstrutiva.
Insuficiência hepática. Idosos.
Efeitos indesejáveis
Microdepósitos na córnea (fotofobia ou visão enevoada). Náuseas, vómitos, disgeusia.
Fotossensibilidade. Bradicardia. Hipotiroidismo, hipertiroidismo, por vezes fatal. Alterações
hepáticas agudas com transaminases séricas elevadas e/ou icterícia, incluindo insuficiência
hepática, por vezes fatal. Tremor extrapiramidal, pesadelos, alterações do sono. Toxicidade
pulmonar (pneumonite intersticial / alveolar ou fibrose, pleurite, pneumonia organizada com
bronquiolite obliterante, por vezes fatais. Pigmentações cutâneas. Anemia hemolítica, anemia
aplástica, trombocitopénia. Neuropatia e/ou miopatia periférica.

AMOXICILINA + ÁCIDO CLAVULÂNICO


Mecanismo de acção
A Amoxicilina é um antibiótico beta-lactâmico bactericida, do grupo das aminopenicilinas que
actua inibindo a síntese da parede bacteriana, com um largo espectro de actividade
bactericida contra muitos microrganismos Gram-positivos e Gram-negativos. Contudo, a
Amoxicilina é susceptível de sofrer degradação por beta-lactamases, pelo que o espectro de
actividade da Amoxicilina isolada não inclui organismos produtores destas enzimas. O Ácido
Clavulânico é um antibiótico beta-lactâmico, estruturalmente relacionado com as penicilinas,

7
que possui a capacidade de inibir enzimas beta-lactamases, frequentes em microrganismos
resistentes a penicilinas e cefalosporinas.
Indicações terapêuticas
Tratamento das infecções respiratórias; Otite média; Bronquite crónica; Sinusite; Infecções
urinárias; Gonorreia; Infecções por salmonelas; Infecções respiratórias por H. influenzae.
Contra-indicações
Hipersensibilidade aos antibióticos beta-lactâmicos (penicilinas, cefalosporinas).
Mononucleose infecciosa. Pode agravar a miastenia gravis. Insuficiência hepática.
Efeitos indesejáveis
Diarreia, náusea, vómito. Erupção cutânea, prurido, urticária. Candidíase mucocutânea. Colite
pseudomembranosa. Tonturas, cefaleias. Convulsões. Indigestão. Eritema multiforme.
Síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica, dermatite exfoliativa e bulhosa e
pustulose exantematosa aguda generalizada. Leucopenia (incluindo neutropenia) e
trombocitopenia. Agranulocitose e anemia hemolítica. Prolongamento dos tempos de
hemorragia e de protrombina. Edema angioneurótico, anafilaxia, síndrome semelhante à
doença do soro, vasculite por hipersensibilidade. Aumento moderado dos valores da AST e/ou
da ALT. Hepatite e icterícia colestática. Nefrite intersticial, cristalúria.

ATENOLOL
Mecanismo de acção
Anti-hipertensivo. Bloqueador beta1-adrenérgico (cardiosselectivo), sem actividade
simpaticomimética intrínseca nem estabilizadora da membrana, hidrossolúvel.
Indicações terapêuticas
Tratamento da hipertensão arterial essencial, angina de peito, arritmias cardíacas e enfarte
agudo do miocárdio.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Atenolol. Bradicardia sinusal, bloqueio AV do 2º ou 3º grau, choque
cardíaco, choque cardiogénico, insuficiência cardíaca manifesta. Gravidez e lactação.
Efeitos indesejáveis
Hipotensão, bradicardia, extremidades frias, bloqueio auriculo-ventricular, insuficiência
cardíaca congestiva. Raramente, vertigens, fadiga, depressão mental, apatia, sonolência,
sonhos bizarros. Arritmias. Hepatite colestática. Distúrbios visuais.

AVODART
Indicações terapêuticas
Tratamento de sintomas moderados a graves da hiperplasia benigna da próstata (HBP).
Redução do risco de retenção urinária aguda (AUR) e cirurgia em doentes com sintomas de
HBP moderados a graves.
Para informação acerca dos efeitos do tratamento e populações de doentes estudados nos
ensaios clínicos.
Contra-indicações

8
AVODART está contra-indicado em:
o mulheres, crianças e adolescentes,
o doentes com hipersensibilidade à Dutasterida, a outros inibidores da 5-alfa redutase
ou a qualquer dos excipientes,
o doentes com insuficiência hepática grave.
Efeitos indesejáveis
Diminuição da líbido, disfunção eréctil, distúrbios da ejaculação e ginecomastia

BROMETO DE IPRATRÓPIO
Mecanismo de acção
Antiasmático, composto de amónio quaternário, derivado da N-isopropilatropina, com
propriedades anticolinérgicas (parassimpatolítico). Produz broncodilatação ao antagonizar de
forma competitiva os receptores muscarínicos ao nível do músculo liso brônquico. O bloqueio
colinérgico reduz a secreção brônquica, o que pode ser útil quando se pretende limitar a
broncorreia.
Indicações terapêuticas
Tratamento de manutenção do broncospasmo associado a doença pulmonar obstrutiva
crónica, incluindo bronquite crónica, enfisema e asma.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Ipratrópio, atropina ou aos seus derivados.
Advertências e precauções especiais de utilização
Doentes com predisposição para glaucoma de ângulo estreito ou com hipertrofia prostática ou
obstrução do colo vesical. Gravidez e lactação.
Efeitos indesejáveis
Distúrbios de motilidade gastrointestinais (obstipação, diarreia, vómitos), xerostomia (boca
seca) e cefaleias. Taquicardia, palpitações, taquicardia supraventricular e fibrilhação auricular,
perturbações da acomodação ocular, náuseas e retenção urinária. Tosse, irritação local e
broncospasmo induzido pela inalação. Reacções do tipo alérgico como o prurido, angioedema
da língua, lábios e face, urticária, laringospasmo e reacções anafilácticas. Na administração
nasal, secura nasal, epistaxe.

BUTILESCOPOLAMINA
Indicações terapêuticas
Dores paroxísticas em patologias do estômago ou intestino (por exemplo síndrome do cólon
irritável), dor espástica e perturbações funcionais nos tractos biliar, urinário e dos órgãos
genitais femininos (por exemplo, dismenorreia).
Contra-indicações
O BUSCOPAN não deve ser utilizado em caso de:

9
– Hipersensibilidade conhecida à Butilescopolamina, ao Paracetamol ou aos outros
componentes do medicamento,
– miastenia grave,
– megacólon,
– doentes com glaucoma.
Advertências e Precauções especiais de utilização
A administração de BUSCOPAN® Compositum N deve fazer-se com prudência em caso de:
– Perturbações da função hepática (por exemplo, por abuso crónico de álcool ou hepatite),
– disfunção renal,
– síndrome de Gilbert (Doença de Meulengracht).
Também se deve ter em atenção os doentes com tendência a glaucoma de ângulo estreito
bem como os doentes susceptíveis a obstruções intestinais ou dos canais urinários, bem como
os doentes predispostos a taquiarritmia.
Efeitos indesejáveis
Boca seca, perturbações da acomodação, taquicardia, tonturas, retenção urinária; reacções
alérgicas, raramente tomando a forma de choque anafiláctico

CALCITRIOL
Mecanismo de acção
Factor vitamínico (Vitamina D) hipercalcemiante. O Calcitriol (1,25-hidroxicolecalciferol) é a
forma hormonalmente activa da vitamina D. Facilita a absorção digestiva do cálcio e do fósforo
contidos na dieta.
Indicações terapêuticas
Carência de Vitamina D. Profilaxia vitamínica do recém-nascido. Tratamento da hipocalcemia
em doentes submetidos a diálise renal crónica. Hiperparatiroidismo.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Calcitriol. Hipercalcemia, hipercalciúria e calcificação metastática.
Lactação.
Efeitos indesejáveis
Hipercalcemia. Anorexia, cansaço, cefaleias, náuseas e vómitos, diarreia, perda de peso,
poliuria, sede, suores, vertigens, aumento da concentração de cálcio e fosfatos no sangue e
urina. Por via injectável, rubor e dor no local da injecção.

CAPTOPRIL
Mecanismo de acção
Anti-hipertensivo inibidor do enzima de conversão da angiotensina (IECA); conduz à
diminuição dos níveis de angiotensina II e aldosterona com a consequente redução da
resistência vascular periférica e da retenção de sódio e diminuição da pressão arterial sistólica
e diastólica.

10
Indicações terapêuticas
Tratamento da hipertensão arterial, da insuficiência cardíaca. Disfunção ventricular esquerda
após enfarte de miocárdio. Nefropatia diabética.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Captopril ou a outros IECA. Antecedentes de angioedema. Edema
angioneurótico. Porfiria. Gravidez (2º e 3º trimestre).
Advertências e precauções especiais de utilização
Estenose aórtica e da válvula mitral/cardiomiopatia hipertrófica obstrutiva. Diferenças étnicas.
Insuficiência renal. Diabetes. Idosos. Ocorreram reacções anafilácticas em pacientes a tomar
inibidores ECA durante hemodiálise utilizando membranas de poliacrilonitrilo de fluxo elevado,
durante aferese LDL com colunas de sulfato de dextrano, e durante a desensitização com
veneno de vespa ou abelha. Os IECA não devem ser iniciados durante a gravidez. A não ser em
situações em que a manutenção da terapêutica com IECA seja considerada essencial, nas
doentes que planeiem engravidar o tratamento deve ser alterado para antihipertensores cujo
perfil de segurança durante a gravidez esteja estabelecido. Quando é diagnosticada a gravidez,
o tratamento com IECA deve ser interrompido imediatamente e, se apropriado, deverá ser
iniciada terapêutica alternativa. Aleitamento.
Efeitos indesejáveis
Alterações do sono, perda do paladar, tonturas, tosse seca irritativa (não produtiva), dispneia,
náuseas, vómitos, irritação gástrica, dor abdominal, diarreia, obstipação, secura da boca,
prurido com ou sem exantema, exantema e alopecia. Taquicardia ou taquiarritmia, angina de
peito, palpitações, hipotensão, síndroma Raynaud, rubor, palidez, angioedema, dor torácica,
fadiga, mal-estar. Anorexia, sonolência, cefaleias e parestesia, estomatite/ulcerações aftosas,
alterações da função renal incluindo falência renal, poliúria, oligúria, aumento da frequência
urinária. Muito raramente: Neutropenia/agranulocitose, pancitopenia particularmente em
doentes com disfunção renal, anemia (incluindo aplástica e hemolítica), trombocitopenia,
linfadenopatia, eosinofilia, doenças auto-imunes e/ou títulos positivos de anticorpos
antinucleares, hipercaliemia, hipoglicemia, confusão, depressão, incidentes cerebrovasculares,
incluindo acidente vascular cerebral e síncope, visão turva, paragem cardíaca, choque
cardiogénico, broncospasmo, rinite, alveolite alérgica/pneumonia eosinofílica, glossite, úlcera
péptica, pancreatite, compromisso da função hepática e colectasse (incluindo icterícia),
hepatite incluindo necrose, enzimas hepáticas aumentadas e bilirrubina, urticária, síndrome de
Stevens-Johnson, eritema multiforme, fotossensibilidade, eritrodermia, reacções penfigóides e
dermatite exfoliativa, mialgia, artralgia, síndrome nefrótico, impotência, ginecomastia, febre,
proteinúria, eosinofilia, aumento do potássio sérico, diminuição do sódio sérico, aumento do
BUN, creatinina sérica e bilirrubina sérica, diminuição da hemoglobina, hematócrito,
leucócitos, trombócitos e dos títulos de anticorpos antinucleares positivos e aumento da
velocidade de sedimentação eritrocitária.

CARBONATO DE CÁLCIO
Mecanismo de acção

11
Suplemento orgânico, factor mineral (Cálcio), que é o principal componente dos ossos e
desempenha importante papel biológico na actividade muscular e na transmissão
neuromuscular.
Indicações terapêuticas
Profilaxia e tratamento da deficiência em cálcio. Tratamento de situações em que está
indicado um aporte de cálcio, tais como osteoporose, tirotoxicose, hipoparatiroidismo crónico,
osteomalácia e raquitismo.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Cálcio. Hipercalcémia. Hipercalciuria com litíase cálcica, calcidificações
tecidulares. Insuficiência renal grave.
Efeitos indesejáveis
Irritação gastrointestinal. Obstipação ou diarreia. Os seguintes sintomas podem ser indicativos
de hipercalcemia: náuseas, vómitos, anorexia, dores abdominais, dores ósseas, sede, poliúria,
fraqueza muscular, sonolência ou confusão.

CARVEDILOL
Mecanismo de acção
Anti-hipertensivo. Bloqueador beta-adrenérgico não cardiosselectivo, sem actividade
simpaticomimética intrínseca; tem actividade estabilizadora da membrana; lipidossolúvel. Tem
acção vasodilatadora e actividade anti-oxidante.
Indicações terapêuticas
Tratamento da hipertensão arterial, angina de peito, insuficiência cardíaca classes II a IV.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Carvedilol. Doença pulmonar obstrutiva crónica. Asma. Acidose
metabólica. Choque cardiogénico. Hipotensão. Insuficiência cardíaca não compensada.
Bradicardia grave. Bloqueio AV de 2º e 3º grau. Insuficiência hepática. Gravidez e lactação.
Advertências e precauções especiais de utilização
Feocromocitoma. Hipotiroidismo. Hipoglicemia. Miastenia gravis. Insuficiência renal. Idosos.
Não interromper tratamento abruptamente.
Efeitos indesejáveis
Tonturas, cefaleias e fadiga. Alteração de humor, perturbação do sono e parestesias.
Bradicardia, hipotensão postural, hipotensão e raramente síncope. Edema. Raramente
bloqueio AV, insuficiência cardíaca. Náuseas, diarreia, vómitos, dor abdominal. Hiperglicemia,
aumento de peso e hipercolesterolemia. Alterações da visão, redução da produção de
lágrimas, raramente insuficiência renal e alterações da função renal em doentes com doença
vascular difusa e/ou comprometimento da função renal. Perturbações da circulação periférica.
Congestionamento nasal e, em doentes com predisposição, asma e dispneia. Raramente
reacções alérgicas cutâneas (exantema, urticária, prurido). Casos isolados de alteração nas
transaminases séricas, trombocitopenia e leucopenia.

12
CEFAZOLINA
Mecanismo de acção
Antibiótico bactericida do grupo das cefalosporinas que actua inibindo a síntese da parede
bacteriana.
Indicações terapêuticas
Tratamento das infecções causadas por microorganismos Gram-positivos e Gram-negativos
sensíveis às cefalosporinas de primeira geração, nomeadamente infecções das vias
respiratórias (pneumonias, bronquites, traqueítes); infecções do foro ORL (otites, faringites,
amigdalites, laringites, sinusites); infecções do aparelho genitourinário (cistites, uretrites,
pielonefrites, anexite, endometrite); infecções da pele e dos tecidos moles (abcessos,
furúnculos, antraz, impetigo, outras dermatoses infectadas); infecções do tracto
gastrointestinal (gastroenterites). Profilaxia cirúrgica.
Contra-indicações
Hipersensibilidade às cefalosporinas e às penicilinas (cerca de 10% dos doentes alérgicos a
penicilinas têm sensibilidade cruzada com as cefalosporinas).
Advertências e precauções especiais de utilização
Precaução no insuficiente renal e doente com colite. Pode originar dor no local de
administração.
Efeitos indesejáveis
Erupção cutânea, urticária, angioedema, eosinofilia, nefrotoxicidade, diarreia, náuseas,
vómitos, colite pseudomembranosa, elevação moderada das transaminases e vaginite.
Neutropenia. Dispepsia. Prurido genital. Hipoprotrombinemia.

CEFIXIMA
Mecanismo de acção
Antibiótico bactericida do grupo das cefalosporinas que actua inibindo a síntese da parede
bacteriana.
Indicações terapêuticas
Tratamento das infecções do tracto respiratório superior (faringites, amigdalites, otite média);
Infecções do tracto respiratório inferior (pneumonia, bronquite aguda e crónica); Infecções do
tracto urinário (cistite aguda, cisto-uretrite, pielonefrite aguda); Gonorreia.
Contra-indicações
Hipersensibilidade às cefalosporinas e às penicilinas (cerca de 10% dos doentes alérgicos a
penicilinas têm sensibilidade cruzada com as cefalosporinas).
Advertências e precauções especiais de utilização
Precaução no insuficiente renal e doente com colite.
Efeitos indesejáveis
Diarreia, náuseas, vómitos, dispepsia, dores abdominais. Colite pseudomembranosa. Casos
raros de cefaleias e vertigens. Elevação moderada das transaminases AST e ALT e das

13
fosfatases alcalinas. Aumento da ureia sanguínea e da creatinémia. Trombocitose,
trombocitopénia, leucopénia e eosinofilia. Erupção cutânea transitória, febre, prurido.

CEFOXITINA
Mecanismo de acção
Antibiótico bactericida do grupo das cefalosporinas que actua inibindo a síntese da parede
bacteriana.
Indicações terapêuticas
Infecções causadas por microrganismos Gram-positivos e Gram-negativos sensíveis às
cefalosporinas, nomeadamente infecções do tracto respiratório superior (otite média, sinusite,
faringite e amigdalite); infecções do tracto respiratório inferior (bronquite, pneumonia);
infecções do tracto genito-urinário (pielonefrite, cistite, uretrite gonocócica); infecções da pele
e tecidos moles.
Contra-indicações
Hipersensibilidade às cefalosporinas e às penicilinas (cerca de 10% dos doentes alérgicos a
penicilinas têm sensibilidade cruzada com as cefalosporinas). Precaução no insuficiente renal e
doente com colite.
Efeitos indesejáveis
Diarreia, náuseas e vómitos. Alterações na flora anaeróbica e aeróbica fecal. Reacções
alérgicas (erupções morbiliformes, urticária e prurido). Raramente, reacções de
hipersensibilidade, incluindo o síndroma de Stevens-Johnson, necrose tóxica epidérmica e
anafilaxia. Reacções anafilactóides podem manifestar-se em sintomas isolados, incluindo
angioedema, astenia, edema, dispneia, parastesias, síncope ou vasodilatação.

CEFTRIAXONA
Indicações Terapêuticas
Infecções causadas por microorganismos sensíveis ao Rocephin, tais como: sepsis; meningite;
borreliose de Lyme disseminada (etapas inicial e tardia da doença); infecções abdominais
(peritonite, infecções das vias biliares e do tracto gastrintestinal); infecções dos ossos,
articulações, tecidos moles, pele e feridas; infecções em doentes cujas defesas imunitárias
estão reduzidas; infecções renais e das vias urinárias; infecções das vias respiratórias,
particularmente pneumonias, e infecções do ouvido, nariz e garganta; infecções genitais,
incluindo gonorreia.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao medicamento. Reacção de hipersensibilidade prévia imediata e/ou grave
a uma penicilina ou qualquer outro tipo de fármaco beta-lactâmico. As soluções de lidocaína,
para administração intramuscular, não devem ser utilizadas no caso de perturbações na
condução cardíaca ou em caso de insuficiência cardíaca aguda descompensada. Recém-
nascidos com hiperbilirrubinémia e recém-nascidos prematuros não devem ser tratados com
ceftriaxona. Rocephin não pode ser administrado com soluções contendo cálcio a recém-
nascidos, devido ao risco de precipitação do sal ceftriaxona-cálcio. Em recém-nascidos, as

14
administrações de Rocephin e de soluções intravenosas contendo cálcio não podem ser
efectuadas com menos de 48 horas de intervalo uma da outra. Estão contra-indicadas
injecções intramusculares em crianças com idade < 2 anos e durante a gravidez e aleitamento.
Efeitos Indesejáveis
Micose genital. eosinofilia, leucopenia, neutropenia, granulocitopenia, anemia hemolítica,
trombocitopenia, agranulocitose. Reacções anafiláticas ou anafilatóides. Cefaleia e vertigens.
Fezes moles ou diarreia, náuseas, vómitos, estomatite, glossite, colite pseudomembranosa,
pancreatite. Aumento das enzimas hepáticas e precipitação de sal de cálcio de ceftriaxona na
vesícula biliar. Exantema, urticária, dermatite alérgica, prurido, edema, tremores, febre,
eritema multiforme, síndrome de Stevens Johnson, síndrome de Lyell/ necrólise epidérmica
tóxica. Aumento da creatinina sérica e oligúria. Precipitação renal, podendo conduzir a
insuficiência renal. Flebite e dor no local da injecção, após administração intravenosa. A
injecção intramuscular sem solução de lidocaína é dolorosa. A ceftriaxona não pode ser
misturada ou administrada simultaneamente com soluções ou produtos contendo cálcio,
mesmo utilizando vias de perfusão diferentes. Foram descritos casos de reacções fatais em
recém-nascidos que apresentavam precipitados de cálcio-ceftriaxona nos pulmões e rins.

CETOROLAC
Mecanismo de acção
Anti-inflamatório, analgésico e antipirético do tipo dos ácidos arilpropiónicos, ainda que com
núcleo pirrazolínico. Actua inibindo reversivelmente a síntese das prostaglandinas.
Indicações terapêuticas
Tratamento a curto-prazo da dor aguda, de intensidade moderada a grave, que necessita de
analgesia do tipo opiáceo.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Cetorolac ou a outros AINEs. Úlcera péptica. Hemorragia
gastrointestinal. Insuficiência renal moderada ou grave. Gravidez e lactação. Crianças.
Advertências e precauções especiais de utilização
Idosos.
Efeitos indesejáveis
Dor/mal-estar abdominal, anorexia, obstipação, diarreia, dispepsia, eructação, flatulência,
sensação de enfartamento, gastrite, hemorragia gastrointestinal, hematemese, náuseas,
esofagite, pancreatite, ulceração gastrointestinal, perfuração gastrointestinal, estomatite,
vómitos, hemorragia rectal, melena. Sonhos anómalos, pensamentos anómalos, ansiedade,
meningite asséptica, convulsões, depressão, tonturas, sonolência, secura de boca, euforia,
sede excessiva, alucinações, cefaleias, hipercinesia, incapacidade de concentração, insónia,
mialgia, nervosismo, parestesia, reacções do tipo psicótico, sudação, vertigens. Insuficiência
renal aguda, dor lombar (com ou sem hematúria ou urémia), síndroma urémicohemolítico,
hipercalemia, hiponatremia, aumento da frequência urinária, retenção urinária, nefrite
intersticial, síndroma nefrótico, oliguria, aumento dos níveis séricos de ureia e creatinina.
Bradicardia, rubor, hipertensão, palidez, palpitações, hipotensão dor torácica. Asma, dispneia,

15
edema pulmonar. Alteração das provas de função hepática, hepatite, icterícia colestática,
insuficiência hepática. Dermatite exfoliativa, síndroma de Lyell, exantema máculo-papular,
prurido, síndroma de Stevens-Johnson, urticária. Anafilaxia, broncospasmo, rubor, exantema,
hipotensão, edema laríngeo, angioedema, reacções anafilactóides. As reacções anafilactóides
e a anafilaxia podem ser fatais. Púrpura, trombocitopenia, epistaxis, hematomas, hemorragia
pós-operatória das incisões, aumento do tempo de hemorragia. Alteração do gosto, alteração
da visão, zumbidos, perda de audição. Astenia, edema, aumento do peso, febre.

CLARITROMICINA
Mecanismo de acção
Antibiótico macrólido de acção bacteriostática e espectro antibacteriano moderadamente
amplo.
Indicações terapêuticas
Tratamento das infecções respiratórias (bronquite e pneumonia; otite média, sinusite,
faringite, amigdalite). Infecções da pele e tecidos moles (impetigo, erisipela, foliculite,
furunculose e feridas infectadas). Tratamento e profilaxia de infecções disseminadas pelo
Mycobacterium spp.. Tratamento da úlcera péptica (erradicação do Helicobacter pylori) em
associação com outros antimicrobianos e inibidores da secreção ácida gástrica.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Claritromicina. Gravidez e lactação.
Advertências e precauções especiais de utilização
Insuficiência renal e hepática.
Efeitos indesejáveis
Náuseas, vómitos, gastralgias e diarreia. Dispepsia. Cefaleias, alteração no paladar e aumento
transitório das enzimas hepáticas. Raramente, disfunção hepática, incluindo aumento nas
enzimas hepáticas e hepatite colestática. Reacções alérgicas, urticária e ligeiras erupções
cutâneas até anafilaxia e síndrome de Stevens-Johnson. Diminuição na capacidade de audição
e alteração no paladar.

CLINDAMICINA
Mecanismo de acção
Antibiótico do grupo das lincosamidas, de acção bacteriostática. O seu mecanismo de acção é
exercido sobre a síntese proteica após a sua fixação à subunidade 50S do ribossoma
bacteriano e o primeiro efeito é a inibição do péptido em formação. Além da acção
bacteriostática também apresenta acção bactericida, dependendo da concentração atingida
no local da infecção ou da sensibilidade do microorganismo infectante.
Indicações terapêuticas
Tratamento de infecções respiratórias (faringite, sinusite, pneumonia, empiema e supurações
ou abcessos pulmonares, escarlatina); infecções da pele e tecidos moles (acne, furúnculos,
celulite, abcessos e feridas infectadas); infecções pélvicas (no pós-parto ou aborto séptico,

16
endometrite, abcesso tubo-ovárico, doença inflamatória pélvica e infecção vaginal); infecções
intra-abdominais (peritonite; supurações abdominais e abcesso pélvico); infecções ósseas e
articulares (osteomielite e artrite séptica); infecção dentárias (abcessos peridentários). Outras
indicações, septicemias, endocardites, criptosporidiose, toxoplamose, babesiose, bacteriemias,
actinomicose. Constitui também uma alternativa às penicilinas e cefalosporinas em doentes
alérgicos.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Clindamicina. Gravidez e lactação.
Advertências e precauções especiais de utilização
Insuficiência hepática. Diarreia.
Efeitos indesejáveis
Náuseas, vómitos, dores abdominais, diarreia e esofagite. Colite pseudomembranosa.
Reacções de hipersensibilidade (eritema maculopapular e urticária). Casos raros de eritema
morbiliforme semelhante ao síndrome de Stevens-Johnson. Ocasionalmente, icterícia e
resultados anormais das provas funcionais hepáticas. Prurido, vaginite e dermatite exfoliativa
e vesiculobulhosa. Neutropenia, eosinofilia, agranulocitose e trombocitopenia. Após injecção
IV foi referido o aparecimento de tromboflebites.

CLONIDINA
Mecanismo de acção
Anti-hipertensivo derivado imidazólico, agonista alfa2-adrenérgico que actua por redução da
descarga simpática periférica.
Indicações terapêuticas
Tratamento da hipertensão arterial.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Clonidina. Doentes com bradiarritmia grave resultante quer do síndroma
do nódulo sinusal, quer de bloqueio AV do 2º ou 3º grau. Gravidez e lactação. Crianças.
Advertências e precauções especiais de utilização
Insuficiência renal.
Efeitos indesejáveis
Sedação; Hipotensão ortostática sintomática; Secura de boca. Distúrbios do sono, depressão;
Cefaleia; Obstipação, náuseas, vómitos, dor na parótida; Impotência, diminuição da libido.
Pesadelos, distúrbios de percepção, alucinação; Parestesia; Bradicardia sinusal; Fenómeno de
Raynaud; Rash, urticária, prurido; Mal-estar. Raramente, Confusão; Diminuição do fluxo
lacrimal, distúrbios de acomodação; Bloqueio auriculo-ventricular; Secura nasal; Pseudo-
obstrução do intestino grosso; Alopecia; Ginecomastia. Elevações transitórias dos níveis de
açúcar no sangue.

CLORETO DE POTÁSSIO
INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS

17
Prevenção e correcção da hipocaliémia nos doentes que não toleram ou recusam a ingestão de
cloreto de potássio sob a forma líquida ou efervescente ou quando haja dificuldades na adesão
do doente a esta preparação.
CONTRA-INDICAÇÕES
Hipersensibilidade à ingestão de potássio, como acontece na adinamia episódica hereditária e
na paramiotonia congénita.
Todas as formas de hipercaliémia visto que, nestes doentes, um novo aumento da
concentração plasmática de potássio pode causar arritmias e paragem cardíaca. A
hipercaliémia pode surgir como complicação de qualquer das seguintes situações: insuficiência
renal grave, afecções em que haja destruição celular maciça, traumatismos, queimaduras,
hemólise maciça, rabdomiólise, lise de tumor, doença de Addison não tratada,
hipoaldosteronismo hiporeninémico, bem como casos de acidose descompensada e
desidratação aguda.
Insuficiência renal grave, mesmo quando não esteja associada com hipercaliémia manifesta.
Tratamento concomitante com diuréticos poupadores de potássio (espironolactona,
triantereno, amiloride).
O cloreto de potássio retard, como todas as outras formas de cloreto de potássio de libertação
lenta, está ainda contra-indicado em todos os doentes em que existe uma causa que
determine uma paragem ou atraso na progressão do comprimido revestido através do tracto
gastro-intestinal, ou seja, quando haja:
Obstrução esofágica parcial ou completa devida, por exemplo, a carcinomas (esofágico, pós-
cricóide, tiroideu), aneurisma aórtico, hipertrofia auricular esquerda, estenose inflamatória
devida a esofagite de refluxo, e deslocamento do esófago devido a cirurgia cardíaca
(substituição valvular, por exemplo).
Estenose ou atonia de qualquer parte do tracto gastro-intestinal (por exemplo: estenose
pilórica, estenoses intestinais).
EFEITOS INDESEJÁVEIS
Tracto gastro-intestinal: Em casos raros, os sais de potássio administrados por via oral podem
causar náuseas, flatulência, vómitos, dores abdominais e diarreia. Estes sinais e sintomas
devem-se a irritação do tracto gastro-intestinal e corrigem-se aumentando a ingestão de
líquidos, se possível, e tomando a medicação com as refeições ou reduzindo a posologia.
Em casos isolados, tem-se descrito obstrução, hemorragias e ulceração da porção superior ou
inferior do tracto gasto-intestinal, depois da administração de potássio retard.
Pele: Em casos raros tem-se descrito prurido e/ou erupção cutânea, bem como urticária.
Electrólitos: Pode surgir hipercaliémia em doentes com dificuldades na excreção renal de
potássio ou na sua distribuição interna.

CLORETO DE SÓDIO
Indicações terapêuticas
Substituto plasmático em estados hipovolémicos por shock, hemorragias, queimaduras e
outros problemas que provoquem perdas do volume circulatório. Desidratação com perda de

18
electrólitos. Regulação ou manutenção do equilíbrio da acidose metabólica e/ou tratamento
da acidose metabólica ligeira a moderada.
Contra-indicações
Hipersensibilidade às substâncias activas. Alcalose metabólica. Acidose metabólica grave.
Hipervolémia (predominantemente hiperhidratação extracelular). Insuficiência cardíaca
congestiva descompensada. Insuficiência renal oligúrica ou anúrica. Insuficiência hepática
grave. Hipercaliémia. Hipercalcémia. Hipernatrémia. Hiperclorémia. Edema generalizado e
ascite cirrótica. Digitálicos. Gravidez. Lactação.
Efeitos indesejáveis
Congestão nasal. Tosse e espirros, broncospasmo e/ou dificuldade em respirar. Tensão
peitoral, dor no peito, com taquicardia ou bradicardia. Hiperhidratação e insuficiência cardíaca
em doentes com perturbações cardíacas ou edema pulmonar. Reacções alérgicas ou
anafilácticas/sintomas anafilactóides (urticária generalizada, rash cutâneo, eritema e
comichão/prurido; edema da pele, edema periorbital facial e/ou edema da laringe (edema de
Quincke)).

CLOROPROMAZINA
Indicações Terapêuticas
Comprimidos revestidos, Gotas orais, solução:
Psicoses agudas: estados de agitação psicomotora, excitação maníaca e síndromes
confusionais.
Psicoses crónicas: estados esquizofrénicos incluindo a esquizofrenia paranóide, estados
delirantes crónicos.
Manifestações de agressividade nas psicoses do adulto e da criança.
Neuroses graves e incapacitantes.
Preparação à anestesia.
Vómitos de origem central.
Solução injectável:
Tratamentos de curta duração dos estados de agitação e de agressividade que surgem ao
longo da evolução das psicoses agudas e de evolução crónica, nomeadamente esquizofrenias,
delírios crónicos não esquizofrénicos, delírios paranóicos, psicoses alucinatórias crónicas.
Preparação à anestesia e anestesia potenciada.
Contra-indicações
O Largactil está contra-indicado em caso de:
– hipersensibilidade à substância activa, a derivados da fenotiazina ou a qualquer um dos
excipientes
– coma, independentemente da etiologia
– depressão grave do sistema nervoso central
– risco de glaucoma
– risco de retenção urinária (de origem uretro-prostática)
– antecedentes de depressão da medula óssea

19
Efeitos indesejáveis
Sintomas e sinais extrapiramidais (movimentos distónicos, crises oculogiras, síndromes
parkinsónicos) desde acatísia no início da terapêutica até discinésias tardias após terapêutica
prolongada. A distonia aguda ocorre geralmente no início da terapêutica ou quando há subida
da dose, nas crianças e nos jovens. Há também o risco de síndrome maligno dos neurolépticos,
que é uma alteração disautonómica idiossincrática cuja taxa de mortalidade é 30%. Produzem,
em graus variáveis, sedação e efeitos anticolinérgicos, hipotensão ortostática e arritmias;
registam-se também náuseas, vómitos, dores abdominais, irritação gástrica, crises convulsivas,
alterações endócrinas, alterações hematológicas, erupções cutâneas e alterações
idiossincráticas das transaminases e por vezes icterícia colestática. Atenção particular a
icterícia colestática, agranulocitose, ileo paralítico, síndrome maligno dos neurolépticos e
morte súbita

COVERSYL
Mecanismo de acção
Anti-hipertensivo inibidor da enzima de conversão da angiotensina (IECA); conduz à diminuição
dos níveis de angiotensina II e aldosterona com a consequente redução da resistência vascular
periférica e da retenção de sódio e diminuição da pressão arterial sistólica e diastólica.
Indicações terapêuticas
Tratamento da hipertensão arterial, da insuficiência cardíaca.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Perindopril ou a outros IECA. Gravidez (2º e 3º trimestre). Crianças.
Efeitos indesejáveis
Cefaleias, distúrbios do humor e/ou sono, astenia. Perturbações do paladar, sensações
vertiginosas e cãibras. Erupções cutâneas. Tosse. Perturbações sexuais, secura de boca.
Discreta diminuição da hemoglobina e elevação da caliémia. Elevação da ureia sanguínea e da
creatininémia.

DICLOFENAC
Mecanismo de acção
Anti-inflamatório, analgésico e antipirético de tipo não esteróide, do grupo dos arilacéticos
(fenilacéticos), que actua impedindo a síntese das prostaglandinas e outros prostanóides, por
intermédio da inibição não competitiva e reversível da ciclo-oxigenase.
Indicações terapêuticas
Tratamento sintomático de manifestações agudas de reumatismo articular (artrite
reumatóide, espondilite anquilosante e osteoartrose), tendinites, artrites, sinovites,
lombalgias, radiculalgias. Processos inflamatórios e dolorosos.

20
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Diclofenac ou a outros AINEs. Úlcera péptica. Hemorragia
gastrointestinal. Insuficiência hepática e renal grave. Porfiria. Gravidez e lactação.
Advertências e precauções especiais de utilização
Doentes asmáticos. Idosos.
Efeitos indesejáveis
Dor epigástrica, náuseas, vómitos, diarreia, cólicas abdominais, dispepsia, flatulência, anorexia.
Vertigens, cefaleias, tonturas. Raramente efeitos sobre o SNC, como fadiga, insónia, reacções
de hipersensibilidade, irritabilidade, elevação dos valores das transaminases séricas, icterícia,
hepatite, insuficiência renal e síndrome nefrótico.

DIGOXINA
Mecanismo de acção
Cardiotónico. Aumenta a força da contracção do músculo cardíaco (actividade inotrópica
positiva) por inibição da ATPase Na+/K+ dependente. Diminui a frequência cardíaca por
estimulação vagal. Antiarrítmico, principalmente a nível auricular, por redução da
conductividade cardíaca.
Indicações terapêuticas
Indicado na insuficiência cardíaca, fibrilhação e flutter auriculares.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Digoxina. Bloqueio cardíaco completo intermitente. Bloqueio
auriculoventricular de segundo grau. Arritmias supraventriculares. Síndroma de Wolff-
Parkinson-White. Estenose subaortica hipertrófica idiopática. Taquicardia ventricular ou
fibrilhação ventricular. Cardiomiopatia hipertrófica obstrutiva.
Advertências e precauções especiais de utilização
Hipercalcemia, hipomagnesemia, hipocaliemia, hipoxia, hipotiroidismo. Hipertiroidismo.
Insuficiência renal. Idosos. Crianças e recém-nascidos.
Efeitos indesejáveis
Náuseas, vómitos, perca de apetite, diarreia, dor abdominal e nalguns casos perturbações e
visuais. Cefaleias, fadiga, tonturas, confusão, insónias, alterações psíquicas, depressões,
alucinações. Convulsões. Reacções alérgicas, trombocitopenia. Ginecomastia. Arritmias.
Hipocaliemia, na sobredosagem.
Administração intravenosa rápida de digoxina pode causar vasoconstrição e hipertensão
passageira.

ENOXAPARINA SÓDICA
Indicações terapêuticas
Tratamento profiláctico da doença tromboembólica de origem venosa, nomeadamente em
cirurgia ortopédica e em cirurgia geral.

21
Profilaxia do tromboembolismo venoso em doentes não cirúrgicos acamados devido a doença
aguda, incluindo insuficiência cardíaca, insuficiência respiratória, infecções graves ou doenças
reumatológicas.
Tratamento da trombose venosa profunda, com ou sem embolismo pulmonar.
Tratamento da angina instável e do enfarte do miocárdio sem onda Q, em administração
concomitante com aspirina.
Profilaxia da formação de trombos no circuito de circulação extra-corporal na hemodiálise.
Tratamento do enfarte agudo do miocárdio com elevação do segmento ST (STEMI), incluindo
doentes sujeitos a tratamento médico ou com Intervenção Coronária Percutânea (ICP)
subsequente.
Contra-indicações
Úlcera gastroduodenal, hemorragia cerebral, diáteses hemorrágicas, endocardite séptica. Usar
com cautela na trombocitopenia, na IR e IH graves e na retinopatia diabética.
Efeitos indesejáveis
Hematoma no local de injecção, trombocipenia transitória, hemorragia, necrose cutânea e
reacções alérgicas raras; elevação transitória das transaminases.

ERTAPENEM
Mecanismo de acção
O ertapenem inibe a síntese da parede celular bacteriana, após fixação às proteínas de ligação
à penicilina (PLPs). No caso da Escherichia coli, a afinidade é mais forte para as PLPs 2 e 3.
Indicações terapêuticas
Tratamento das seguintes infecções em adultos, quando causadas por bactérias com
susceptibilidade ao ertapenem conhecida ou muito provável, e quando for necessária
terapêutica por via parentérica (ver secção Advertências e Precauções especiais de utilização e
secção Propriedades farmacodinâmicas):
 Infecções intra-abdominais
 Pneumonia adquirida na comunidade
 Infecções ginecológicas agudas
Deverão ter-se em consideração as normas orientadoras sobre o uso adequado dos produtos
antibacterianos.
Contra-indicações
 Hipersensibilidade ao ertapenem ou a qualquer dos excipientes
 Hipersensibilidade a qualquer outro agente anti-bacteriano do grupo carbapenem
 Hipersensibilidade grave (ex. reacções anafilácticas, reacção cutânea grave) a qualquer outro
tipo de agentes anti-bacterianos beta-lactâmicos (ex. penicilinas ou cefalosporinas).
Efeitos indesejáveis
Cefaleias; Flebite/tromboflebite; Diarreia, náuseas, vómitos; Exantema, prurido; Complicações
a nível da veia onde foi administrada a perfusão. Candidíase oral; Anorexia; Tonturas,
sonolência, insónia, confusão, convulsões; Hipotensão; Dispneia, mal-estar da faringe;
Obstipação, enterocolite pseudomembranosa, regurgitação ácida, xerostomia, dispepsia;

22
Eritema; Vaginite Extravasamento, dor abdominal, candidíase, astenia/fadiga, infecção fúngica,
febre, edema/tumefacção, dor precordial, alterações do paladar. Neutropénia,
trombocitopénia; Hipoglicémia; Agitação, ansiedade, depressão, tremores; Arritmia,
taquicardia; Hemorragia, aumento da pressão arterial; Congestão nasal, tosse, epistaxe,
pneumonia, respiração ruidosa/roncos, respiração sibilante; Disfagia, incontinência fecal;
Colecistite, icterícia, perturbações do fígado; Dermatite, dermatomicose, descamação,
infecção de feridas pós-operatórias; Cãibras musculares, dor no ombro; Infecção do tracto
urinário, insuficiência renal, insuficiência renal aguda; Aborto, hemorragia genital; Alergia,
endurecimento no local de injecção, mal-estar, peritonite pélvica, perturbações da esclerótica,
síncope.

ESPIRONOLACTONA
Indicações terapêuticas
– Insuficiência cardíaca congestiva, cirrose hepática com ascite e edema, síndrome nefrótico.
– Aldosteronismo primário (diagnóstico e tratamento).
– Hipertensão essencial, habitualmente em combinação com outros fármacos ou em doentes
que não possam ser tratados adequadamente com outros anti-hipertensores.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Espironolactona ou a qualquer um dos componentes da formulação. A
Espironolactona não deve ser administrada em caso de insuficiência renal aguda, acentuada
diminuição da função renal, anúria ou hipercaliemia.
Efeitos indesejáveis
Pode causar hipercaliemia, o que é mais frequente em idosos, diabéticos ou insuficientes
hepáticos ou renais. Pode ainda causar hiponatremia, reacções gastrintestinais, parestesias,
rash cutâneo, prurido, cefaleias, ataxia, confusão mental e tonturas.

FENTANILO
Mecanismo de acção
Analgésico narcótico de curta duração, derivado da piperidina. Possui uma actividade
analgésica equiparável à induzida por 10 mg de morfina ou 75 mg de petidina. As acções
terapêuticas principais são a analgesia e a sedação.
Indicações terapêuticas
Indicado na neuroleptanalgesia e neuroleptanestesia, como componente analgésico em
anestesia geral com intubação e ventilação do doente. Tratamento analgésico nas unidades de
cuidados intensivos em pacientes em condições de ventilação artificial.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Fentanilo.
Efeitos indesejáveis

23
Hipoventilação. Náuseas, vómitos, obstipação, hipotensão, sonolência, confusão, alucinações,
euforia, prurido e retenção urinária. Ocasionalmente, reacções cutâneas (erupção, eritema e
prurido).

FINASTERIDA
Indicações terapêuticas
Finasterida Bluepharma é indicada no tratamento e controlo da hiperplasia benigna da
próstata (HBP) e na prevenção de eventos urológicos para:
– Redução do risco de retenção urinária aguda.
– Redução do risco de cirurgia, incluindo ressecção transurectal da póstata (RTUP) e
prostatectomia.
Finasterida Bluepharma provoca regressão da próstata hiperplásica, melhora o débito urinário
e os sintomas associados com HBP.
Os doentes com próstata hiperplásica são os candidatos adequados para a terapêutica com
Finasterida Bluepharma.
Contra-indicações
Excluir a existência de uma patologia maligna uma vez que a finasterida pode reduzir os
valores dos marcadores de cancro da próstata em cerca de 50%. Por ser teratogénico,
recomenda-se que não seja manipulado por grávidas ou por mulheres com condições de
engravidar. Como é excretado pelo sémen, é recomendável o uso de preservativos durante o
tratamento com finasterida.
Efeitos indesejáveis
Inibição da líbido, ginecomastia, disfunção eréctil e diminuição do volume do ejaculado.

FUROSEMIDA
Mecanismo de acção
Diurético da ansa potente, derivado sulfonamídico e de início de acção relativamente rápido.
Provoca diurese ao inibir o sistema de co-transporte Na+, K+ e 2Cl-, localizado ao nível da
membrana da célula luminal do ramo ascendente da ansa de Henle, dos túbulos proximal e
distal aumentando a excreção do sódio.
Indicações terapêuticas
Tratamento de edema de origem cardíaca, hepática e renal. Hipertensão arterial. Apoio à
diurese forçada no caso de intoxicações.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Furosemida ou às sulfonamidas. Insuficiência renal com anúria. Coma
hepático e pré-coma. Hipocaliemia grave, hiponatrémia grave, hipovolémia com ou sem
hipotensão. Não utilizar na terapêutica da hipertensão arterial gravídica. Gravidez e lactação.
Efeitos indesejáveis
Alterações do equilíbrio hidroelectrolítico (hipocalémia, hiponatrémia e alcalose metabólica).
Elevação da uricémia. Pode agravar uma diabetes mellitus ou tornar manifesta uma diabetes
latente. Pancreatite. Hipotensão ortostática, hipotensão aguda, tonturas, colapso circulatório,

24
artrite crónica, tromboflebite ou morte súbita (com administração IM ou IV). Parestesias,
vertigens, febre, visão turva, tonturas, sonolência, confusão mental, sensação de peso na
cabeça, secura de boca, perturbações da visão com sintomas de hipovolémia, que pode levar à
desidratação. Cãimbras nos músculos das pernas, astenia. Náuseas, vómitos, diarreia,
anorexia, irritação gástrica e oral, diarreia, obstipação. Icterícia colestática intrahepática,
hepatite isquémica, aumento das transaminases hepáticas ou pancreatite aguda. Retenção
urinária.

GABAPENTINA
Mecanismo de acção
Antiepiléptico relacionado estruturalmente com o GABA. O seu efeito parece produzir-se como
resultado de uma acção farmacológica retardada ou indirecta até agora desconhecida, tendo
sido sugerido um efeito sobre um sistema de transporte neuronal de L-aminoácidos. Carece de
efeitos sobre os receptores do GABA, das benzodiazepinas ou ureídos, não afecta a recaptação
presináptica, o teor de GABA nas terminações nervosas ou o seu metabolismo. Também não
tem qualquer efeito sobre os receptores aminoacidérgicos como o NMDA (glutâmico) ou sobre
os canais iónicos do sódio ou do cálcio.
Indicações terapêuticas
Tratamento da epilepsia em monoterapia e terapia de adjunção nas crises epilépticas parciais
ou parciais secundariamente generalizadas. Dor neuropática.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Gabapentina. Gravidez e lactação. Crianças < 12 anos.
Advertências e precauções especiais de utilização
Estão descritos nos casos de ideação e comportamento suicida em doentes tratados com
medicamentos antiepilépticos.
Efeitos indesejáveis
Sonolência, tonturas, ataxia, fadiga, nistagmo, cefaleia, tremor, náusea e/ou vómito, diplopia,
ambliopia, rinite, aumento de peso, faringite, disartria, nervosismo, dispepsia, amnésia,
mialgia, tosse, dor abdominal, dor lombar, depressão, raciocínio anómalo, boca ou garganta
seca, edema periférico, confusão, obstipação, impotência, anomalias dentárias, rash, diarreia,
infecção viral, febre, contracções, abrasão, prurido, aumento de apetite, insónia, acne,
fractura, vasodilatação, leucopenia, descoordenação, labilidade emocional.

GLUCONATO DE CÁLCIO, VITAMINA D, HIDROGENO FOSFATO DE CÁLCIO DIHIDRATADO


Mecanismo de acção
O cálcio é um mineral essencial, necessário para a manutenção do equilíbrio electrolítico no
organismo e para o correcto funcionamento de numerosos mecanismos de regulação. O cálcio
ionizado é a forma fisiologicamente activa. A deficiência de cálcio associa-se a transtornos

25
neuromusculares e a desmineralização óssea. A vitamina D intervém na regulação do
metabolismo do cálcio e do fósforo aumentando a absorção do cálcio e dos fosfatos através do
tracto gastrintestinal. Uma deficiência grave de vitamina D pode produzir raquitismo ou
osteomalácia.
Indicações terapêuticas
Prevenção e tratamento da deficiência em cálcio. Estados carenciais de vitamina D em doentes
que necessitam de um aporte de cálcio.
Contra-indicações
Hipersensibilidade às substâncias activas. Hipercalcémia. Hipercalciúria. Litíase cálcica.
Efeitos indesejáveis
Reacções de hipersensibilidade. Hipercalcémia, hipercalciúria. Flatulência, obstipação, diarreia,
náusea, vómitos, dor abdominal. Litíase renal.

GLUCOSE 5% COM CLORETO DE SÓDIO 0,9%


INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
Situações de hiponatrémia, em estados de desidratação e nos casos em que o fornecimento de
água e hidratos de carbono é necessário devido à restrição da ingestão de líquidos e
electrólitos pelas vias normais.
CONTRA-INDICAÇÕES
Hipersensibilidade à glucose ou ao cloreto de sódio, situações edematosas (de causa cardíaca,
hepática, renal), hipertensão intra-craniana, hipertensão arterial grave, hipernatremia e
hipercloremia.
EFEITOS INDESEJÁVEIS
Resposta febril, infecção no local de injecção, irritação venosa no local da injecção, trombose
venosa ou flebite com origem no local de injecção, extravasamento e hipervolémia. Pode
induzir agravamento da hipertensão e da insuficiência cardíaca, edemas e hipernatremia. A
sintomatologia da hipernatremia pode apresentar-se como taquicardia, hiperpneia, sede
excessiva, cefaleias, oligúria e febre.

HALOPERIDOL
Mecanismo de acção
Antipsicótico tipo butirofenona. Antidopaminérgico, potente antagonista dos receptores da
dopamina a nível central. Apresenta actividade antiemética, anticolinérgica (mínima), sedativa
e bloqueadora alfa-adrenérgica. Possui também fraca actividade bloqueadora ganglionar. Tem
mostrado ser útil como um adjuvante no tratamento da dor crónica. Os efeitos
antidopaminérgicos mais periféricos explicam a actividade contra a náusea e o vómito, o
relaxamento dos esfíncteres gastrointestinais e o aumento na libertação de prolactina.
Indicações terapêuticas

26
Tratamento da esquizofrenia e mania. Perturbações graves do comportamento na infância.
Nos movimentos coreiformes associados à Coreia de Huntington. Controle dos tiques e
perturbações da fala da síndroma de Gilles de la Tourette. Antiemético. Adjuvante no
tratamento da dor crónica grave.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Haloperidol. Coma. Depressão do sistema nervoso central. Doença de
Parkinson. Lesões dos gânglios basais. Porfiria. Gravidez e lactação.
Efeitos indesejáveis
Tremor, rigidez, hipersalivação, bradicinésia, acatísia e distonia aguda. Discinésia tardia.
Síndroma maligno dos neurolépticos (hipertermia, rigidez muscular generalizada, instabilidade
autonómica e modificação na consciência). Depressão, sedação, letargia, agitação, sonolência,
insónia, cefaleia, confusão, vertigem, convulsões de grande mal e exacerbação aparente dos
sintomas psicóticos. Náuseas e vómitos, perda do apetite e dispepsia; alterações no peso.
Hiperprolactinémia. Casos muito raros de hipoglicemia. Taquicardia e hipotensão. Casos
ocasionais de leucopénia e leucocitose transitória e ligeira, diminuição ligeira de células
sanguíneas, anemia ou uma tendência para linfomonocitose. Muito raramente surgiu
agranulocitose e trombocitopénia. Reacções de hipersensibilidade (erupção cutânea, urticária
e anafilaxia). Ocasionalmente, obstipação, visão turva, boca seca, retenção urinária, priapismo,
disfunção eréctil, edema periférico, perspiração excessiva ou salivação, pirose e desregulação
da temperatura corporal.

HIDROXIZINA
Indicações terapêuticas
O Atarax está indicado: no tratamento sintomático da ansiedade, nos adultos; no tratamento
sintomático do prurido; na pré-medicação em cirurgia.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à substância activa ou a qualquer dos excipientes.
O Atarax está contra-indicado nos doentes com história de hipersensibilidade à cetirizina, a
outros derivados da piperazina, à aminofilina ou à etilenodiamina.
Doentes com porfíria.
Na gravidez e aleitamento.
As vias de administração intra-arterial e subcutânea são contra-indicadas para o Atarax
solução injectável.
Efeitos indesejáveis
As reacções alérgicas graves, como a anafilaxia e o angioedema, requerem o uso de adrenalina
para reverter a hipotensão, o edema laríngeo e a broncoconstrição, representando o anti-
histamínico (prometazina injectável), uma terapêutica adjuvante, uma vez conseguido o
controlo das manifestações; os corticosteróides previnem a recaída destas situações.

27
IBUPROFENO
Mecanismo de acção
Analgésico, anti-inflamatório não esteróide e antipirético derivado do ácido propiónico. Actua
inibindo a síntese das prostaglandinas através da inibição do enzima ciclo-oxigenase.
Indicações terapêuticas
Osteoartrose, artrite reumatóide, espondilite anquilosante, periartrite escápulo-humeral,
reumatismo extra-articular, lesões dos tecidos moles. Dismenorreia, dor pós-episiotomia, dor
pós-parto, odontalgias, dor pós-extracção dentária, dor pós-cirúrgica, traumatismos (entorses,
contusões, luxações, fracturas), dor associada a qualquer processo inflamatório. Febre.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Ibuprofeno ou a outros AINE. Úlcera péptica. Hemorragia
gastrointestinal. Doentes com alterações da coagulação. Insuficiência renal grave. Terceiro
trimestre da gravidez e lactação.
Advertências e precauções especiais de utilização
Insuficiência cardíaca ou hipertensão. Asma. Insuficiência hepática. Idosos.
Efeitos indesejáveis
Meningite asséptica (com febre ou coma), rinite. Trombocitopénia, agranulocitose, eosinofilia,
alterações da coagulação, anemia aplástica, anemia hemolítica, neutropénia. Reacções
anafilácticas, doença do soro. Acidose, retenção de fluidos, hipoglicémia, hiponatrémia,
diminuição do apetite. Alucinações, estado de confusão, depressão, insónia, nervosismo,
influência sobre a labilidade emocional. Tonturas, cefaleias, sonolência, parestesia,
hipertensão intracraniana benigna. Alterações da visão, conjuntivite, diplopia, alterações
cromáticas da visão, ambliopia, cataratas, nevrite óptica, escotomas. Acufenos, vertigens,
diminuição da acuidade auditiva. Palpitações, arritmias, insuficiência cardíaca congestiva,
bradicardia sinusal, taquicardia sinusal. Hipertensão. Asma, dispneia, broncospasmo, epistaxe,
pneumonia eosinofílica. Hematemese, hemorragia gastrointestinal, melenas, náuseas, dor
abdominal, diarreia, dispepsia, úlcera gástrica, gastrite, vómitos, estomatite ulcerosa, dor
epigástrica, obstipação, úlcera duodenal, esofagite, pancreatite, distensão abdominal,
flatulência, perfuração gastrointestinal. Hepatite, icterícia, hepatite colestática (grave e por
vezes fatal), hepatite citolítica. Exantema, urticária, edema angioneurótico, síndroma de
Stevens-Johnson, prurido, dermatite bolhosa, exantema máculo-papular, alopécia, púrpura,
eritema nodoso, necrólise epidérmica tóxica (síndroma de Lyell), eritema multiforme, reacções
de fotossensibilidade, acne, púrpura Henoch-Schonlein (vasculite). Insuficiência renal aguda,
insuficiência renal, síndroma nefrótico, hematúria, disúria, necrose papilar renal, nefrite
intersticial, nefrite tubulo-intersticial, azotémia, poliúria, insuficiência renal crónica.
Ginecomastia, menorragia. Febre, edema. Aumento da alanina aminotransferase, aumento da
aspartato aminotransferase, aumento da fosfatase alcalina sanguínea, aumento da gama-
glutamiltransferase, diminuição da depuração renal da creatinina, diminuição da hemoglobina.

INDAPAMIDA
Mecanismo de acção

28
Diurético e vasodilatador, derivado sulfonamídico farmacologicamente relacionado com as
tiazidas. Provoca diurese ao inibir o sistema de co-transporte Na+/Cl- ao nível do túbulo distal
diminuindo a reabsorção activa do sódio e aumentando a sua excreção.
Indicações terapêuticas
Hipertensão arterial essencial.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Indapamida. Hipocaliémia. Encefalopatia hepática ou insuficiência
hepática grave. Insuficiência renal grave. Gravidez e lactação.
Advertências e precauções especiais de utilização
Vigilância da caliémia e da uricémia. Alérgicos aos derivados sulfamidados.
Efeitos indesejáveis
Hiperglicemia e glicosuria. Hiperuricemia. Desequilíbrio electrolítico incluindo alcalose
hipoclorémica, hiponatremia e hipocalemia. Redução da excreção urinária do cálcio.
Hipomagnesemia. Alteração nos lípidos plasmáticos. Boca seca, sede, fraqueza, letargia,
tonturas, inquietação, dor muscular e caimbras, convulsões, oligúria, hipotensão e distúrbios
gastrointestinais. Anorexia, irritação gástrica, náuseas, vómitos, obstipação, diarreia,
sialadenite, fotossensibilidade, hipotensão ortostática, parestesia, impotência, visão amarela.
Reacções de hipersensibilidade incluem erupções cutâneas, febre, edema pulmonar,
pneumonite, anafilaxia, necrolise epidermal tóxica. Icterícia colestática, pancreatite, discrasias
incluindo trombocitopenia e mais raramente granulocitopenia, leucopenia e anemia aplástica
e hemolítica.

IMIPENEM + CILASTATINA
Indicações Terapêuticas
O Imipenem+Cilastatina Generis está indicado no tratamento das seguintes infecções graves
devidas a organismos sensíveis (ver secção Advertências e Precauções especiais de utilização):
o Pneumonia nosocomial ou pneumonia complicada desenvolvida na comunidade que
requer hospitalização.
o Infecções intra-abdominais complicadas.
o Infecções complicadas do tracto genito-urinário.
o Infecções complicadas da pele e dos tecidos moles.
Devem ser consideradas as orientações oficiais quanto ao uso adequado de agentes
antibacterianos.
Contra-indicações
Hipersensibilidade às substâncias activas ou ao excipiente (ver secção Advertências e
Precauções especiais de utilização e Efeitos indesejáveis).
Contra-indicado em doentes com histórico de alergia/ reacções anafiláticas aos agentes beta-
lactâmicos.
Efeitos Indesejáveis

29
Náuseas, vómitos e diarreia. Alterações hematológicas. Reacções alérgicas: erupções cutâneas,
prurido, urticária e reacções anafiláticas. Elevação das enzimas hepáticas. Convulsões e
confusão mental, particularmente quando utilizado em doses elevadas.

IRBESARTAN
Mecanismo de acção
Anti-hipertensivo. Actua bloqueando competitiva e selectivamente os receptores AT1 da
angiotensina II, com inibição dos efeitos hipertensivos desta última, em particular dos
relacionados com a vasoconstrição e a libertação de aldosterona.
Indicações terapêuticas
Tratamento da hipertensão essencial. Insuficiência cardíaca.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Irbesartan. Gravidez (2º e 3º trimestre) e lactação. Crianças.
Advertências e precauções especiais de utilização
Estenose aórtica e da válvula mitral/cardiomiopatia hipertrófica obstrutiva. Diferenças étnicas.
Aldosteronismo primário. Insuficiência renal. Idosos. Os ARA não devem ser iniciados durante
a gravidez, a não ser em situações em que a terapêutica seja considerada essencial. Nas
doentes que planeiem engravidar o tratamento deve ser alterado para antihipertensores cujo
perfil se segurança durante a gravidez esteja estabelecido. Quando é diagnosticada a gravidez,
o tratamento com ARA deve ser interrompido imediatamente e, se apropriado, deverá ser
iniciada terapêutica alternativa. A administração de ARA no 1º trimestre de gravidez não é
recomendada, nem no aleitamento.
Efeitos indesejáveis
Tonturas, náuseas, vómitos, fadiga, hipotensão ortostática, dor músculo-esquelética,
aumentos significativos na creatina quinase plasmática, hipercaliemia. Taquicardia, rubor,
tosse, diarreia, dispepsia/pirose, disfunção sexual, dor torácica. Raramente, casos raros de
reacções de hipersensibilidade (exantema, urticária e angioedema). Cefaleias, acufenos,
disgeusia, função hepática alterada, hepatite, mialgia, artralgia, insuficiência renal incluindo
casos isolados de falência renal em doentes em risco.

LACTULOSE
Mecanismo de acção
Laxante osmótico de anti-hiperamoniémico. No cólon, a Lactulose é decomposta em ácidos
orgânicos de baixo peso molecular. Estes ácidos levam a uma redução do pH no lúmen do
cólon e, devido a um efeito osmótico, a um aumento do conteúdo do cólon. Estes efeitos
estimulam o peristaltismo do cólon, normalizando a consistência das fezes. A obstipação
desaparece, restabelecendo-se o ritmo fisiológico do cólon.
Na encefalopatia porto-sistémica (EPS), (pré)coma hepático, o efeito da lactulose foi atribuído
à supressão das bactérias proteolíticas por aumento das bactérias acidófilas (p.ex.

30
Lactobacillus), à captação da amónia sob a forma iónica por acidificação do conteúdo do cólon,
ao efeito catártico devido ao baixo pH no cólon e ao efeito osmótico, bem como à alteração do
metabolismo azotado bacteriano por estimulação da síntese proteica bacteriana pela
utilização da amónia.
Indicações terapêuticas
Tratamento da obstipação crónica habitual. Tratamento e prevenção da encefalopatia porto-
sistémica, pré-coma e coma hepático. Tratamento de enterites por salmonelas. Situações em
que as fezes moles sejam consideradas um beneficio clínico.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Lactulose. Obstrução intestinal.
Efeitos indesejáveis
Flatulência. Náuseas e vómitos. Diarreia. Perda de electrólitos (especialmente potássio).
Acidose láctica.

LEVETIRACETAM
Indicações terapêuticas
Tratamento adjuvante das crises parciais com ou sem generalização.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Levetiracetam ou a outros derivados da pirrolidona ou a qualquer um
dos excipientes.
Efeitos indesejáveis
Astenia/fadiga; sonolência; Frequentes: amnésia, ataxia, convulsão, tontura, cefaleia,
hipercinécia, tremor, perturbação do equilíbrio, perturbação da atenção, diminuição da
memória; parestesias.
Agitação, depressão, instabilidade emocional/variações do humor, hostilidade/agressividade,
insónia, nervosismo/irritabilidade, alterações da personalidade, perturbações do pensamento;
alterações do comportamento, ira, ansiedade, confusão, alucinação, perturbação psicótica,
suicídio, tentativa de suicídio e impulso suicida; dor abdominal, diarreia, dispepsia, náusea,
vómitos; pancreatite; insuficiência hepática, hepatite, alterações nos testes da função
hepática. Anorexia, aumento de peso; perda de peso. Vertigem; diplopia, visão desfocada;
mialgia. Ferimento acidental. Infecção, nasofaringite. Erupções cutâneas, eczema, prurido.
Alopécia: em diversos casos; trombocitopénia; Experiência pós-comercialização: leucopénia,
neutropénia, pancitopénia (com supressão de medula óssea identificada em alguns casos).

METOCLOPRAMIDA
Indicações terapêuticas
Auxiliar da radiografia gastrointestinal e da intubação intestinal: estimula o esvaziamento
gástrico e o trânsito intestinal do meio de contraste nos casos em que um esvaziamento
demorado interfere com o exame radiológico do estômago ou do intestino delgado.

31
Gastroparesia: indicada no alívio dos sintomas de gastroparesia diabética aguda ou recorrente.
Náuseas e vómitos induzidos pela quimioterapia do cancro.
Náuseas e vómitos no pós-operatório, quando a sucção nasogástrica é indesejável.
Náuseas e vómitos no pós-operatório relacionados com a medicação.
Refluxo gastro-esofágico: nos adultos está indicada no tratamento de pequena duração da azia
e de um esvaziamento gástrico demorado secundário a uma esofagite de refluxo; nas crianças
é usada no tratamento dos vómitos crónicos e das manifestações broncopulmonares
periódicas associadas ao refluxo gastro-esofágico.
Tratamento de esvaziamento gástrico lento.
No tratamento adjuvante de úlceras gástricas e duodenais.
Contra-indicações
Deve evitar-se o seu emprego em epilépticos e grávidas no primeiro trimestre da gestação.
Não deve ser prescrita em associação com inibidores da monoaminoxídase, antidepressores
tricíclicos, fenotiazinas, butirofenonas e aminas simpaticomiméticas.
Efeitos indesejáveis
Sonolência, fadiga, vertigens e, excepcionalmente: cefaleias, insónia, diarreia e gás intestinal,
hipotensão, sudação moderada.
Os sintomas extrapiramidais podem aparecer particularmente nas crianças e jovens, mesmo
após uma única toma do medicamento: espasmos faciais, movimentos involuntários,
torcicolos; estas reacções desaparecem, em geral, espontânea e completamente com a
paragem do tratamento.
Discinésias tardias, podendo ser observadas em tratamentos prolongados.
Efeitos endócrinos: amenorreia, galactorreia, ginecomastia, hiperprolactinémia.

MONONITRATO DE ISOSSORBIDA
Mecanismo de acção
Antianginoso. Vasodilatador periférico, actua reduzindo a pré-carga e a pós-carga, diminuindo
o trabalho do coração e melhorando o fluxo de sangue para o miocárdio. É um nitrato orgânico
que actua facilitando a formação de óxido nítrico (NO).
Indicações terapêuticas
Profilaxia da angina de peito. Insuficiência cardíaca.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Mononitrato de isossorbida. Choque, hipotensão, cardiomiopatia
constritiva, pericardite, enfarte agudo do miocárdio recente, traumatismo ou hemorragia
cerebral e anemia grave. Gravidez e lactação.
Advertências e precauções especiais de utilização
Hipotiroidismo, malnutrição, hipotermia. Insuficiência renal ou hepática grave.
Efeitos indesejáveis
Cefaleias. Náuseas, vómitos. Alterações na pressão arterial, hipotensão, tonturas, sensação de
vazio, taquicardia reflexa, síncope. Reacções de hipersensibilidade, prurido, rash
maculopapular e eritematoso, urticária. Agravamento da angina de peito. Parestesias.

32
MORFINA
Mecanismo de acção
Analgésico opiáceo agonista puro. Derivado fenantrénico, principal alcalóide do ópio e
protótipo dos restantes agonistas do ópio. Apresenta actividade agonista nos receptores
específicos situados no cérebro, medula espinal e outros tecidos (receptores opiáceos μ e, em
menor extensão, nos receptores k). Possui numerosas acções farmacológicas adicionais, em
função da dose administrada: sedação, euforia, antitússico, miótico (sinal de intoxicação
crónica), depressor respiratório, emético (doses reduzidas e doentes que nunca tenham
recebido morfina), antidiarreico, anti-emético (doses elevadas) que, por vezes, é necessário
enquadrar como efeitos adversos ligados à actividade analgésica procurada e, outras vezes,
como coadjuvantes da acção fundamental. É uma substância toxicomanogénica, levando a
fenómenos de tolerância, dependência física e psíquica.
Indicações terapêuticas
Via oral: dores crónicas intensas e/ou resistentes a outros analgésicos.
Injectável: processos dolorosos de intensidade severa; dor no pós-operatório imediato; dor em
doenças crónicas malignas; dor no enfarte do miocárdio; dispneia associada a insuficiência
ventricular esquerda e edema pulmonar.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à substância activa ou a outras substâncias opiáceas; insuficiência
respiratória; Doenças inflamatórias ou obstrutivas do intestino; Síndroma abdominal agudo de
etiologia desconhecida; Risco de íleus paralítico; Insuficiência hepatocelular grave;
Traumatismos cranianos e hipertensão intracraniana; Estados convulsivos; Intoxicação
alcoólica aguda e delirium tremens; Crianças; Lactentes (sobretudo recém-nascidos).
Tratamento com IMAOs e durante 2 semanas após a interrupção dos mesmos; Crises agudas
de asma; Insuficiência cardíaca secundária a doença pulmonar crónica. Caquexia. A
administração de morfina por via epidural ou intratecal está contra-indicada no caso de existir
infecção no local da injecção e em doentes com alterações graves da coagulação. O mixedema
não tratado constitui uma forma de contra-indicação definida para a morfina e demais
opiáceos.
Advertências e precauções especiais de utilização
Idosos; Doença pulmonar crónica; Insuficiência hepática e/ou renal, hipotiroidismo,
hipertiroidismo, insuficiência da suprarenal, choque, risco de retenção urinária em caso de
patologia uretroprostática. Insuficiência respiratória. Doentes com arritmias supraventriculares
e cirurgia das vias biliares e renais. Cólicas biliares ou renais. Doentes que sofram de asma,
hipotensão, distúrbios convulsivos, dependência ou miastenia gravis. Trânsito intestinal lento,
doença intestinal obstrutiva ou inflamatória. A morfina é um estupefaciente podendo provocar
toxicomania; dependência física e psíquica assim como a tolerância (habituação), após
administrações repetidas. Pode causar síndroma de privação em caso de paragem brusca.
Pode apresentar sintomas de abstinência depois da administração de um antagonista opiáceo
(naloxona ou naltrexona) ou de um agonista/antagonista (pentazocina) a doentes com
dependência aos opiáceos. A morfina deve ser evitada ou administrada com grande precaução
durante a gravidez e em caso de aleitamento (devido à rápida passagem transplacentária, não
utilizar na 2ª parte do trabalho de parto (após 4-5 cm de dilatação do colo) e em caso de
prematuridade devido ao risco de depressão respiratória secundária neo-natal, em caso de

33
toxicomania da mãe: síndroma de privação no recém-nascido com convulsões, irritabilidade,
vómitos, aumento da letalidade). Lesões intracranianas. Para a administração epidural ou
intratecal é preferível a injecção na região lombar, devido ao aumento do risco de depressão
respiratória quando a administração é feita na região torácica. Em doentes em choque, a
alteração da perfusão pode evitar a absorção completa após uma injecção intramuscular ou
subcutânea.
Efeitos indesejáveis
Náuseas, obstipação, confusão mental, sonolência e vómitos. Pode ocorrer sedação ou
excitação (especialmente em idosos, com delírio e alucinações), nomeadamente: convulsões,
tremor, sonolência, euforia, agitação, pesadelos; aumento da tensão intracraniana, aumento
de pressão da via biliar principal, retenção urinária em caso de adenoma prostático ou de
estenose uretral; alterações da frequência cardíaca. Pode também observar-se: edema,
cefaleias, miose, urticária, exantemas cutâneos, secura de boca, anorexia, íleus paralítico,
diminuição da líbido, diminuição da potência, hipotermia, vertigens, alterações do humor, e
aumento dos níveis séricos da amilase e transaminases. Mesmo com as doses terapêuticas
pode existir uma moderada depressão respiratória. Dependência física e psíquica: pode surgir
após administração de doses terapêuticas, durante 1 a 2 semanas. Síndroma de privação:
surge algumas horas após a paragem do tratamento prolongado e atinge um máximo entre a
36ª e a 72ª horas.

NITROGLICERINA
Indicações terapêuticas
Ataques agudos de Angina pectoris e angina vasopástica.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à substância activa, nitroglicerina, ou a qualquer um dos excipientes.
Nitromint está contra-indicado em casos de hipotonia essencial, colapso vascular (insuficiência
circulatória aguda) e choque.
Advertências e precauções especiais de utilização
Em doentes em terapêutica com NITROMINT, não deve ser utilizado Citrato de Sildenafil
(VIAGRA® Comprimidos) devido às graves interacções que podem ocorrer na terapêutica
concomitante (ver Interacções medicamentosas).
Efeitos indesejáveis
Como acontece com todos os nitratos orgânicos, podem surgir dores de cabeça e
eventualmente náuseas, sobretudo no início do tratamento. Contudo, estes efeitos são de
curta duração.

34
OMEPRAZOL
Mecanismo de acção
Antiulceroso e anti-secretor de ácido gástrico. O Omeprazol pertence ao grupo dos inibidores
da bomba de protões. Inibe a secreção de ácido clorídrico no estômago por acção específica
sobre as bombas de protões das células parietais. Inibe directamente e de um modo dose-
dependente o enzima H+,K+-ATPase e afecta a secreção ácida basal e estimulada. O
Omeprazol aumenta o valor de pH e reduz o volume de secreção ácida gástrica.
Indicações terapêuticas
Tratamento da úlcera duodenal, úlcera gástrica benigna, síndrome de Zollinger-Ellison,
esofagite de refluxo. Tratamento e prevenção de úlceras duodenais e gástricas ou erosões
relacionadas com AINEs. Coadjuvante da erradicação do Helicobacter pylori. Tratamento da
dispepsia.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Omeprazol. Neoplasia gástrica.
Advertências e precauções especiais de utilização
Insuficiência renal e hepática. Idosos. Gravidez e lactação.
Efeitos indesejáveis
Cefaleias. Dor abdominal, diarreia, obstipação, flatulência, náuseas e vómitos. Sonolência,
insónia, vertigens. Prurido, erupções cutâneas. Distúrbios da visão ou do paladar. Edema
periférico. Alopecia, eritema multiforme ou fotossensibilidade e tendência para sudorese,
síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica. Fraqueza muscular, mialgia e dor
articular. Parastesias e ligeiras dores de cabeça. Confusão mental e alucinações. Alterações das
contagens sanguíneas, leucopénia e trombocitopénia reversível, pancitopénia ou
agranulocitose. Aumento dos enzimas hepáticos. Secura da boca, estomatite, candidíase
gastrointestinal. Nefrite. Agitação, agressividade e reacções depressivas. Encefalopatia em
doentes com doença hepática grave pré-existente, hepatite com ou sem icterícia, insuficiência
hepática. Urticária, temperatura corporal elevada, angioedema, broncoconstrição, choque
anafiláctico e febre. Hiponatrémia, ginecomastia.

PARACETAMOL
Mecanismo de acção
Analgésico não opióide e antipirético, com fraco efeito anti-inflamatório, derivado do p-
aminofenol. Bloqueia perifericamente os impulsos da dor através da inibição reversível da
ciclooxigenase, enzima que intervém na síntese das prostaglandinas. A acção antipirética é
mediada pela inibição das prostaglandinas ao nível do centro termoregulador situado no
hipotálamo. Demonstraram-se acções anti-inflamatórias, embora fracas, em algumas
alterações não reumáticas, não sendo de esperar que elas ocorram em outras circunstâncias.
Em igualdade de doses, a potência analgésica e antipirética do Paracetamol é semelhante à do
ácido acetilsalicílico.
Indicações terapêuticas

35
Tratamento sintomático de estados dolorosos de intensidade ligeira a moderada (cefaleias,
enxaquecas, nevralgias, dores menstruais, de dentes, reumáticas, estados gripais e febris,
como analgésico antes e após intervenções cirúrgicas).
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Paracetamol. Doença hepática grave. Insuficiência renal. Alcoolismo
crónico, malnutrição crónica; desidratação.
Efeitos indesejáveis
Ocasionalmente, erupções cutâneas e outras reacções alérgicas. Sonolência ligeira. Náuseas,
vómitos.

PIPERACILINA, TAZOBACTAM
Mecanismo de acção
A Piperacilina é uma ureidopenicilina, activa contra muitas bactérias aeróbias Gram-positivas e
Gram-negativas e bactérias anaeróbias, e que actua inibindo a síntese do septo e da parede
celular. O Tazobactam é uma triazolilmetilsulfona do ácido penicilânico que é um potente
inibidor de muitas beta-lactamases incluindo os plasmídeos e os enzimas mediados
cromossomicamente que normalmente conferem resistência às penicilinas e cefalosporinas
incluindo as de 3ª geração.
Indicações terapêuticas
Tratamento das infecções das vias respiratórias inferiores; infecções urinárias; infecções intra-
abdominais; infecções da pele e tecidos moles; septicemia bacteriana; infecções ginecológicas;
infecções bacterianas em doentes neutropénicos (está indicada a associação com um
aminoglicósido); infecções dos ossos e articulações; infecções polimicrobianas: aeróbios gram-
positivos e gram-negativos e anaeróbios.
Contra-indicações
Hipersensibilidade aos antibióticos beta-lactâmicos (penicilinas, cefalosporinas).
Efeitos indesejáveis
Erupção cutânea; Prurido, urticária; Dermatite bolhosa, eritema multiforme; Síndrome de
Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica. Diarreia, náuseas, vómitos; Obstipação,
dispepsia, icterícia, estomatite; Dor abdominal, colite pseudomembranosa. Candidíase.
Leucopenia, neutropenia, trombocitopenia; Anemia, manifestações hemorrágicas, eosinofilia;
Agranulocitose, pancitopenia, trombocitose. Reacção anafiláctica. Hipoalbuminemia,
hipoglicemia, hipoproteinemia total, hipocaliemia. Cefaleias, insónia. Hipotensão, flebite,
tromboflebite; Rubor. Aumento de SGOT, SGPT, Bilirrubina, fosfatase alcalina no sangue,
gama-GT; hepatite. Artralgia. Creatininemia aumentada; Nefrite intersticial, falência renal;
Uremia aumentada. Febre, reacção no local de injecção; Arrepios. Em doentes com fibrose
quística a terapêutica com piperacilina tem sido relacionada com um aumento de incidência de
febre e erupção cutânea.

PREDNISOLONA
Mecanismo de acção

36
Hormona corticosupra-renal, com acções anti-inflamatória e imunossupressora. Os corticóides
inibem a síntese de prostaglandinas e leucotrienos, substâncias que intervêm nos processos
vasculares e celulares da inflamação, assim como na resposta imunológica.
Indicações terapêuticas
Está assim indicado em todas as manifestações alérgicas e/ou inflamatórias oculares que
respondam a corticoterapia. Inflamações graves (não infecciosas) dos olhos, como irites
agudas, iridociclites, esclerites, episclerites, uveítes, alergias oculares resistentes e inflamações
subsequentes a intervenções cirúrgicas.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Prednisolona. Não deve ser administrado quando as seguintes situações
estiverem presentes, excepto em situações muito especiais: doenças oculares fúngicas;
queratite herpética simples, aguda e superficial; história familiar de tuberculose ocular ou
perante a doença declarada (forma activa); infecção aguda viral; hipersensibilidade à
prednisolona. O risco/benefício deve ser considerado quando as seguintes situações estiverem
presentes: catarata; diabetes mellitus (pode aumentar a pressão intra-ocular e o
desenvolvimento de cataratas); doenças que originam o estreitamento da córnea e da esclera
(pode resultar em perfuração); glaucoma crónico de ângulo aberto ou história familiar desta
doença, (pode precipitar ou piorar a situação clínica); infecções da córnea ou da conjuntiva
(risco de agravar ou desenvolver infecções secundárias).
Efeitos indesejáveis
O uso tópico de corticosteróides pode causar um aumento da pressão intra-ocular. O uso
indevido pode levar ao aparecimento de úlceras, aumento da probabilidade de infecções.

PROPAFENONA
Mecanismo de acção
A propafenona é um antiarrítmico que pertence à classe Ic (encainida, flecainida), possui efeito
anestésico local e acção estabilizadora directa das membranas miocárdicas. Os anti-arrítmicos
desta classe têm uma elevada afinidade pelos canais rápidos de sódio que bloqueiam,
diminuindo assim a queda dos potenciais de acção das fibras auriculares, ventriculares e de
Purkinje nas quais retardam a condução. Em pacientes com taquicardia ventricular prolonga a
condução auriculoventricular, quase sem afectar a função do nódulo sinusal.
Indicações terapêuticas
Arritmias ventriculares. Devido a sua propriedade pró-arrítmica, sua utilização não é
recomendada em arritmias leves. Tem sido utilizada no tratamento da fibrilação auricular.
Taquicardia ventricular e supraventricular, tratamento e profilaxia das arritmias
supraventriculares incluindo a síndrome de Wolf-Parkinson-White.
Reacções adversas
Tonturas, sabor estranho, bloqueio AV de primeiro grau, palpitações, retardo na condução
intraventricular, pro-arritmia, angina, taquicardia ventricular, dor de cabeça, constipação,
náuseas, vómitos, fadiga, dispneia, boca seca, dor abdominal, cãibras, visão turva, erupções.
Contra-indicações

37
Hipersensibilidade à propafenona. Insuficiência cardíaca congestiva descontrolada, choque
cardiogénico, transtornos da condução intraventricular e sino-auricular ou geração do impulso
em ausência de marca-passo artificial, bradicardia severa, hipotensão marcada (choque),
transtornos broncoespásticos, DPOC, desequilíbrio electrolítico, síndrome do nódulo sinusal
(síndrome bradicárdico-taquicárdico).

RAMIPRIL
Indicações Terapêuticas
Hipertensão: para baixar a tensão arterial, em monoterapia ou em combinação com outros
agentes anti-hipertensivos, p.ex., diuréticos e antagonistas do cálcio.
Insuficiência cardíaca congestiva: como terapêutica adjuvante de diuréticos com ou sem
glicosidos cardíacos.
Após enfarte do miocárdio.
Nefropatia diabética e não diabética.
Prevenção do enfarte do miocárdio, AVC ou morte cardiovascular e redução da necessidade de
procedimentos de revascularização em doentes com um risco cardiovascular aumentado.
Prevenção de enfarte do miocárdio, AVC ou morte cardiovascular em doentes diabéticos.
Ramipril não é adequado ao tratamento da hipertensão resultante de hiperaldosteronismo
primário.
Contra-indicações
A estenose da artéria renal (bilateral ou unilateral em doentes com rim único), a gravidez e a
hipersensibilidade (ex: antecedentes de angioedema a qualquer IECA), constituem contra-
indicações ao uso dos IECAs. Devem ser usados com precaução na IH (especialmente os pró-
farmacos) e na IR. O seu uso deve ser evitado na lactação.
Efeitos Indesejáveis
Hipotensão arterial (especialmente com a primeira dose), palpitações, taquicardia, tosse.
Podem dar perturbações hematológicas, mormente neutropenia, anemia e trombocitopenia.
Em alguns doentes pode ocorrer proteinúria (por vezes com características nefróticas),
hipercaliemia, aumento dos valores da ureia e da creatinina, especialmente se houver
hipoperfusão renal grave, tal como pode acontecer na IC descompensada, na estenose da
artéria renal (bilateral ou unilateral em doentes com rim único) e na hipotensão marcada.
Podem ocorrer ainda manifestações cutâneas e outras reacções alérgicas, eventualmente na
forma de angioedema.

38
RANITIDINA
Mecanismo de acção
Antagonista dos receptores H2 da histamina. Inibe competitivamente a acção da histamina nos
receptores H2 das células parietais. Inibe a secreção gástrica ácida basal e estimulada,
reduzindo tanto o volume da secreção, como o seu conteúdo em ácido clorídrico e pepsina.
Tem efeito anti-secretor gástrico e antiulceroso.
Indicações terapêuticas
Tratamento da úlcera duodenal, úlcera gástrica benigna, síndroma de Zollinger-Ellison,
esofagite de refluxo. Prevenção da úlcera recidivante. Hemorragia do tracto gastrointestinal.
Contra indicações
Hipersensibilidade à Ranitidina. Neoplasia gástrica.Insuficiência renal ou hepática. Gravidez e
lactação
Efeitos secundários
Reacções de hipersensibilidade (urticária, edema angioneurótico, febre, broncospasmo,
hipotensão, choque anafiláctico, dor torácica). Erupções cutâneas, incluindo casos raros de
eritema multiforme. Casos raros de vasculite, alopecia, bradicardia Cefaleias, tonturas.
Confusão mental reversível, depressão e alucinações. Alterações reversíveis dos movimentos
involuntários. Impotência reversível. Alterações transitórias e reversíveis nos testes da função
hepática.

RISPERIDONA
Indicações Terapêuticas
A Risperidona está indicada para o tratamento de uma grande variedade de doentes com
esquizofrenia, incluindo primeiro episódio, exacerbação aguda de esquizofrenia, esquizofrenia
crónica e outras situações psicóticas, nas quais sejam dominantes os sintomas positivos (tais
como, alucinações, ideias delirantes, perturbações do pensamento, hostilidade, desconfiança)
e/ou os sintomas negativos (tais como, embotamento afectivo, isolamento social, pobreza de
discurso).
Contra-indicações
Hipersensibilidade à substância activa ou a qualquer um dos excipientes.
Efeitos Indesejáveis
sintomas e sinais extrapiramidais (movimentos distónicos, crises oculogiras, síndromes
parkinsónicos) desde acatísia no início da terapêutica até discinésias tardias após terapêutica
prolongada. A distonia aguda ocorre geralmente no início da terapêutica ou quando há subida
da dose, nas crianças e nos jovens. Há também o risco de síndrome maligno dos neurolépticos,
que é uma alteração disautonómica idiossincrática cuja taxa de mortalidade é 30%. Produzem,
em graus variáveis, sedação e efeitos anticolinérgicos, hipotensão ortostática e arritmias;
registam-se também náuseas, vómitos, dores abdominais, irritação gástrica, crises convulsivas,
alterações endócrinas, alterações hematológicas, erupções cutâneas e alterações
idiossincráticas das transaminases e por vezes icterícia colestática.

39
SINVASTATINA
Mecanismo de acção
Antidislipidémico inibidor da HMG-CoA redutase com actuação preferencial sobre o colesterol
e as LDL que diminui, com ligeira diminuição dos triglicéridos e aumento das HDL.
Indicações terapêuticas
Hipercolesterolemia e dislipidémia mista. Prevenção cardiovascular.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Sinvastatina. Doença hepática activa ou elevações das transaminases
séricas. Miopatia. Gravidez e lactação. Crianças.
Advertências e precauções especiais de utilização
Insuficiência renal, hipotiroidismo, história anterior de toxicidade muscular.
Efeitos indesejáveis
Náuseas, vómitos, diarreia, dor abdominal, obstipação e flatulência. Cefaleias, erupções
cutâneas, tonturas, visão enevoada, insónia, disgeusia. Hepatite e pancreatite. Reacções de
hipersensibilidade incluindo anafilaxia e angioedema. Miopatia. Raramente rabdomiólise.
Aumento das transaminases séricas. Aumento da creatina fosfoquinase. Aumento da fosfatase
alcalina.

TRIMETOPRIM, SULFAMETOXAZOL
Mecanismo de acção
O sulfametoxazol, anti-infeccioso bacteriostático do grupo das sulfonamidas, é um inibidor
competitivo do ácido para-aminobenzóico, utilizado pelas células bacterianas para a síntese de
dihidrofolato. O trimetoprim, inibe de forma reversível a dihidrofolato redutase (DHFR)
bacteriana, enzima activa na via metabólica dos folatos. Dependendo das condições, este
efeito pode ser bactericida. Este mecanismo de acção induz uma potenciação da actividade
dos dois fármacos.
Indicações terapêuticas
Infecções das vias respiratórias superiores e inferiores: bronquite aguda e crónica,
bronquiectasias, pneumonia (incluindo a pneumonia por Pneumocystis carinii): faringite,
amigdalite (nas infecções por Streptococcus beta-hemolítico do grupo A, os resultados não são
inteiramente satisfatórios), sinusite, otite média.
Infecções renais e urogenitais: cistite aguda e crónica, pielonefrite, uretrite, incluindo uretrite
gonocócica, prostatite.
Infecções do aparelho gastrintestinal: incluindo a febre tifóide e paratifóide e tratamento dos
portadores permanentes; disenteria bacilar; cólera (como complemento do reequilíbrio
hidroelectrolítico).
Infecções da pele e partes moles: piodermites, furunculose, abcessos e feridas infectadas.
Outras infecções bacterianas: osteomielite aguda e crónica, brucelose aguda. Nocardiose,
micetoma (excepto quando causado por verdadeiros fungos), blastomicose sul-americana.
CONTRA-INDICAÇÕES
Insuficiência hepática grave; insuficiência renal grave, quando não é possível efectuar
doseamentos plasmáticos com regularidade; antecedentes de hipersensibilidade às

40
sulfonamidas, ao trimetoprim ou aos excipientes de Bactrim; durante as 6 primeiras semanas
de vida.
EFEITOS INDESEJÁVEIS
Os efeitos secundários mais comuns são o exantema e as perturbações gastrintestinais.
Reacções alérgicas, febre, edema angioneurótico, reacções anafilactóides, hemoconcentração;
infiltrados pulmonares, tosse e dispneia; periartrite nodosa, miocardite alérgica; infecções
fúngicas. Fotossensibilidade, eritema multiforme, síndroma de Stevens-Johnson, necrólise
epidérmica tóxica, púrpura de Henoch-Schoenlein. Náuseas, vómitos, estomatite, diarreia,
glossite, colite pseudo-membranosa, pancreatite aguda. Necrose hepática, hepatite, colestase,
valores elevados das transaminases e da bilirrubina, estenose do canal biliar. Leucopenia,
granulocitopenia, trombocitopenia, agranulocitose, anemia, meta-hemoglobinemia,
pancitopenia, púrpura. Insuficiência renal, nefrite intersticial, valores elevados de uremia BUN,
aumento da creatinina sérica e cristalúria, aumento da diurese. Neuropatia, nevrite periférica,
parestesia, alucinações, uveíte, meningite asséptica, sintomas do tipo meníngeo, ataxia,
convulsões, vertigens, acufenos. Artralgia, mialgia, rabdomiólise. Hipercaliemia, hiponatremia,
hipoglicemia.

TANSULOSINA
Mecanismo de acção
Antagonista periférico selectivo dos receptores alfa-1-adrenérgicos pós-sinápticos situados a
nível da próstata, colo vesical e uretra prostática diminuindo a obstrução infra-vesical e
portanto os sinais e sintomas da hipertrofia benigna da próstata.
Indicações terapêuticas
Tratamento dos sintomas funcionais da hiperplasia benigna da próstata.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Tansulosina. Hipotensão ortostática. Insuficiência hepática grave.
Advertências e precauções especiais de utilização
Insuficiência renal grave.
Efeitos indesejáveis
Tonturas. Palpitações. Obstipação, diarreia, náuseas, vómitos. Astenia. Dor de cabeça.
Ejaculação anormal. Rinite. Rash, prurido, urticária. Hipotensão postural. Síncope.
Angioedema. Priapismo.

TIAMINA
Mecanismo de acção
Factor vitamínico (Vitamina B1) hidrossolúvel. Participa no metabolismo glucídico, nos
processos de produção de energia.
Indicações terapêuticas

41
Dores neurológicas: nevrites, nevralgias (ciática; nevralgias intercostais, do trigémio, faciais),
herpes zoster, dores e espasmos da gravidez.
Dores reumatismais: periartrite húmero-escapular, artrite, artrose, nevralgias reumatismais,
lumbago.
Síndrome de Wernicke-Korsakoff.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Tiamina.
Advertências e precauções especiais de utilização
Em doses elevadas na gravidez e lactação.
Efeitos indesejáveis
Reacções de hipersensibilidade.

TIAPRIDA
Mecanismo de acção
Antipsicótico derivado do grupo das benzamidas substituidas. Antidopaminérgico, estimula a
secreção de prolactina comportando-se como antiemético. Apresenta ligeira actividade
sedativa e bloqueadora alfa-adrenérgica. A sua actividade anticolinérgica é quási nula.
Indicações terapêuticas
Distúrbios do comportamento com agitação e ansiedade. Quadros hipercinéticos do tipo
funcional.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Tiapride. Feocromocitoma. Doença de Parkinson. Lactação.
Efeitos indesejáveis
Sonolência. Reacções extrapiramidais (reacções distónicas, acatisia ou parkinsonismo).
Hiperprolactinémia. Modificações da libido; amenorreia; galactorreia; ginecomastia; aumento
ponderal. Hipotensão postural (rara). Síndroma Maligno dos Neurolépticos.

TRAMADOL
Mecanismo de acção
Analgésico opiáceo, agonista puro, exerce a sua acção analgésica ao unir-se aos receptores
opiáceos µ, k e delta. Outro mecanismo que contribui para o efeito analgésico consiste na
ligação a receptores monoaminérgicos com bloqueio da recaptação de noradrenalina e
serotonina.
Indicações terapêuticas
Prevenção e tratamento da dor moderada ou severa, de carácter agudo, subagudo ou crónico:
dor do pós-operatório, do enfarte agudo do miocárdio, do trabalho de parto; dor oncológica e
traumática.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Cloridrato de Tramadol. Intoxicações agudas pelo álcool, hipnóticos,
analgésicos e outros fármacos activos sobre o SNC. Epilepsia. Síndrome de abstinência dos
narcóticos.

42
Efeitos indesejáveis
Náuseas e vómitos; Obstipação, sudação e secura da boca; Palpitações e hipotensão; Tonturas,
sonolência e sedação; Alterações do comportamento; Em casos isolados, convulsões. Reacções
alérgicas (anafilaxia).

TRI-HEXIFENIDILO
Mecanismo de acção
Antiparkinsónico, anticolinérgico terciário de síntese. Diminui a actividade colinérgica
anormalmente exagerada nos neurónios da via nigro-estriada do encéfalo pela deplecção
dopaminérgica própria da doença de Parkinson. Logicamente participa das restantes acções
dos anticolinérgicos, as quais quando não são úteis terapeuticamente se convertem em efeitos
secundários: antiespasmódico, antisecretor, midriático, actividade cardíaca cronotropa
positiva. Em doses elevadas pode estimular o Sistema nervoso central.
Indicações terapêuticas
Tratamento dos síndromes parkinsónicos; sintomas extrapiramidais. Tratamento de distonias.
Contra-indicações
Hipersensibilidade ao Tri-hexifenidilo. Glaucoma agudo, estenoses do aparelho digestivo e
megacolon. Gravidez e lactação.
Advertências e precauções especiais de utilização
Doentes com adenoma da próstata. Epilepsia. Crianças e idosos.
Efeitos indesejáveis
Distúrbios mentais, euforia, náuseas e vómitos. Diminuição das secreções salivares, bronquiais
e sudoríparas. Transtornos de acomodação. Bradicardia seguido de taquicardia e aumento da
frequência cardíaca. Transtornos gástricos, obstipação.

TRIMETAZIDINA
INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
Em cardiologia: tratamento profiláctico da crise de angina de peito.
CONTRA-INDICAÇÕES
Hipersensibilidade à substância activa ou a qualquer um dos excipientes.
Este medicamento é geralmente desaconselhado durante a gravidez e o aleitamento.
ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES ESPECIAIS DE UTILIZAÇÃO
Em caso de uma crise de angina, a coronariopatia deve ser reavaliada e considerada uma
adaptação do tratamento (medicamentosa e possível revascularização).
Cada comprimido de Trimetazidina Generis contém cerca de 54,5 mg de sódio. Esta
informação deve ser tida em consideração em doentes com ingestão controlada de sódio.
EFEITOS INDESEJÁVEIS
Alterações gastrointestinais raras: náuseas e vómitos.

43
V

VANCOMICINA
Mecanismo de acção
Antibiótico glucopeptídico, obtido de culturas de Nocardia orientalis (Streptomyces orientalis),
de acção bactericida que parece ligar-se à parede celular bacteriana provocando bloqueio da
polimerização dos glicopeptidos, que provoca inibição imediata da síntese da parede celular e
danos secundários ao nível da membrana citoplásmica.
Indicações terapêuticas
A Vancomicina administrada por via I.V. está indicada no tratamento de: infecções graves
causadas por Staphylococci, resistente a outros antibióticos, tais como endocardite
estafilocócica, osteomielite, pneumonia, septicémia e infecções dos tecidos moles; infecções
estafilocócicas meticilino-resistentes, onde a Vancomicina é um dos agentes de primeira
escolha.
A Vancomicina administrada por via oral, está indicada no tratamento de Colite
pseudomembranosa, associada à terapêutica com antibióticos, geralmente causada pelo
Clostridium difficile.
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Vancomicina. Gravidez e lactação.
Efeitos indesejáveis
Surdez acompanhada de tinnitus. Vertigens e tonturas. Hipotensão, palpitações, pressão sub-
esternal, flebite, raros casos de vasculite, taquicardia (estes efeitos são devidos a uma
administração demasiado rápida ou a uma diluição insuficiente do fármaco). Prurido no local
da injecção, rubor generalizado, rash eritematoso macular com prurido intenso na face,
pescoço e porção superior do tronco. Erupções, rash, incluindo dermatites exfoliativas,
síndroma de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica e dermatose IgA linear. Se houver
suspeita de alterações dermatológicas “do tipo mancha”, o medicamento deve ser
descontinuado e feita uma avaliação dermatológica. Eosinofilia. Casos raros de neutropenia,
trombocitopenia, agranulocitose. Arrepios, náuseas, urticária, rash macular, febre associada a
arrepios, mesmo em doses normais mas, habitualmente, após uma administração rápida. Têm
também sido referidas reacções anafilácticas. Elevações transitórias de ureia e quistos
glandulares. Via oral: Paladar pouco agradável, em doentes leucémicos - náuseas, diarreia e
vómitos.

VARFARINA
Mecanismo de acção
Anticoagulante de estrutura cumarínica, antagonista da vitamina K.
Indicações terapêuticas
Profilaxia e tratamento das afecções tromboembólicas venosas e pulmonares. Prevenção do
tromboembolismo em doentes com fibrilhação auricular ou submetidos a plastias valvulares.

44
Contra-indicações
Hipersensibilidade à Varfarina. Distúrbios hemorrágicos. Úlcera péptica, endocardite
bacteriana, insuficiência renal e hepática grave, hipertensão grave. Gravidez.
Advertências e precauções especiais de utilização
Lactação. É essencial determinar diariamente ou em dias alternados o INR no início do
tratamento e depois com intervalos maiores, dependendo da resposta, até 12 semanas.
Efeitos indesejáveis
Hemorragias. Necrose cutânea (ocorre ocasionalmente em indivíduos idosos e obesos),
alopecia, náuseas e diarreia. Icterícia, disfunção hepática, pancreatite. Priapismo.

45
PATOLOGIAS MAIS FREQUENTES

COLELITIASE/COLECISTITE/ COLEDOCOLITÍASE
(cololitíase = formação de cálculos na vesícula)
A inflamação aguda ou crónica da vesícula consequência da cololitiase denomina-se colecistite.
Quando os cálculos se formam ou migram para o canal biliar comum a situação denomina.se
coledocolitiase.

Manifestações clínicas: inicio súbuto de do no QSD do abdómen, intensa e constante que


irradia para a omoplata ou ombro direito, persiste 1 a 3 horas e pode estar associada à
ingestão de uma refeição rica em gorduras; anorexia e vómitos; febre ligeira a moderada;
diminuição ou ausência de ruídos intestinais: hipersensibilidade abdominal aguda e sinal de
Murphy positivo.

COLISCECTOMIA
A vesícula Biliar é um reservatório ligado ao fígado que armazena a bílis (líquido verde
produzido pelo fígado, que vai ajudar na digestão dos alimentos gordos).

A colecistectomia consiste na remoção da vesícula biliar. Esta pode ser por via laparoscópica,
que consiste na abertura de pequenos orifícios pelos quais são introduzidos os instrumentos
cirúrgicos, utilizando para visualização uma pequena câmara.

46
Antes da Cirurgia: É importante que comunique ao enfermeiro toda a medicação que fazia em
casa bem como todos os seus problemas de saúde, incluindo as alergias; Deverá retirar todos
os objectos de metal (fios, brincos, relógios, …) e todas as próteses (auditiva, dentárias, …);
Ser-lhe-ão cortados os pelos desde a área infra-mamária até à zona supra-púbica; Ser-lhe-ão
dados 2 microclisters (microlax) para limpeza intestinal; Deverá tomar banho com um
desinfectante dérmico (Betadine espuma); Ser-lhe-á fornecida uma bata, devendo despir a sua
roupa, incluindo a interior; Ser-lhe-á colocado um cateter numa veia, no membro superior
esquerdo e posteriormente colocado soro; Ser-lhe-á avaliada a tensão arterial, pulso e peso;
Deverá permanecer em jejum 6/8h antes da cirurgia; Irá ser transportado para o Bloco
Operatório, numa maca, por um maqueiro e uma auxiliar de acção médica;
Durante a cirurgia: Estará sempre acompanhado por uma equipa de médicos, enfermeiros e
anestesistas;Antes da operação ser-lhe-á administrado anestesia;Acordará na sala de recobro,
junto de uma equipa de enfermeiros, onde permanecerá até se encontrar estável.

Após a cirurgia: Regressará ao serviço acompanhado pelo enfermeiro e auxiliar de acção


médica; Poderá sentir-se sonolento (pelo efeito da anestesia); O enfermeiro avaliar-lhe-á a
tensão arterial e pulso, sempre que necessário; Deverá chamar o enfermeiro se sentir dor,
náuseas ou outra alteração; Iniciará dieta líquida quando bem acordado e dieta ligeira no dia
seguinte à, se não houver prescrição médica em contrário; O penso será efectuado ao 3º dia
após cirurgia, ou em caso de necessidade; Não se poderá levantar sem indicação e apoio do
enfermeiro; O regresso às suas actividades habituais deverá ser gradual.

PANCREATITE AGUDA
Ocorre quando a obstrução ao fluxo das células pacreáticas desencadeiam uma inflamação
aguda na glândula. As duas principais causas são o alcoolismo (efeito tóxico directo sobre o
pâncreas ; enfraquece as membranas celulares e torna as células acinares) mais vulneráveis à
agressão e as doenças da vesícula biliar.
A pancreatite aguda biliar é geralmente causada por uma obstrução transitória da ampola de
Vater.

Fisiopatologia: a pancreatite aguda pode ser intersiticial aguda (pâncreas aumentado de


volume, inflamado, espaços intersticiais intumescidos pelo edema extracelular) ou
hemorrágica aguda (inflamação aguda da glândula, hemorragia e acentuada necrose
tecidular).
Complicações sistémicas: embolia gorda, hipotensão, choque, sobrecarga hidrica
Manifestações clínicas: dor (região epigástrica ou umbulical, pode irradiar para as costas);
vómitos e náuseas, febre, rigidez abdominal,hipersensibilidade, distensão abdominal,
diminuição ou ausência de peristalse
Complicações mais frequentes: hemorragia, insuficiência respiratória, infecção, insuficiência
renal, icterícia, pseudoquistos, hepatite necrótica, perfuração da víscera oca

47
Tratamento: pode ser necessária cirurgia. Devem ser geridos narcóticos para o tratamento da
dor; é importante a reposição do volume de líquidos e electrólitos por forma a evitar/corrigir
desiquilibrios, pode ser necessária a administração de dopamina nas situações em que se
verifica oligúria; administração de antagonistas de H2 ou inibidores da bomba de protões de
modo a prevenir lesões agudas da mucosa gastroduodenal; deve avaliar-se com frequência a
gasimetria arterial, PH e electrólitos, glicemia capilar (estar atento a sinais de hipotensão),
antibioterapia (quinolonas, cefalosporinas de 3ª geração), somatostatina (por forma a inibir a
secreção pancreática e pelo efeito de citoprotecção pancreática)

LITÍASE BILIAR
80% dos cálculos são de colesterol, que se encontra em quantidades acima do normal na bílis,
segregada pelo fígado, por deficiência de sais biliares. Têm na sua constituição ainda sais
biliares, cálcio, bilirrubinas e proteínas; Vão-se precipitando e aumentando de tamanho.
Geralmente formam-se na vesícula (primários), podendo a estase ser uma das causas; Podem
depois migrar através do cístico para as vias biliares, causando obstrução do fluxo biliar. Se a
obstrução for ao nível do colédoco causa colecistite; se for ao nível da ampola de Vater causa
pancreatite por obstrução do fluxo pancreático; Pode ser assintomática ou provocar crises
recorrentes e ser necessário tratamento cirúrgico, que depende do nível de obstrução.

Colelitíase crónica
É frequente e provoca episódios recorrentes de cólica biliar por obstrução do canal cístico,
provocando inflamação da vesícula e formação de tecido cicatricial que origina perda de
elasticidade e fibrose;
Manifestações clínicas: Dor cólica contínua no hipocôndrio dto, mas pode abranger o
epigastro e hipocôndrio esq. Pode irradiar para região dorsal e escapular. De início abrupto vai
diminuindo, não permanecendo por mais de 6 h. pode ser precipitada por refeições ricas em
gordura, ou não ter qualquer relação com as refeições; Náuseas e vómitos; Eructações;
Dispepsia; Flatulência.

Colecistite aguda
Obstrução do cístico que provoca resposta inflamatória na vesícula, que se torna distendida,
com edema e congestão venosa e derrame perivesicular;
Manifestações clínicas: Dor cólica contínua no hipocôndrio dto, mas pode abranger o
epigastro e hipocôndrio esq podendo irradiar para região dorsal e escapular. De início abrupto
que persiste mais de 6 h; Náuseas e vómitos; Anorexia; Febre; Defesa à palpação do QSdto e
sinal de BLUMBERG positivo; Leucocitose; Sudorese; Taquicardia.
Tratamento: Terapêutica oral com ácidos biliares: (ursodexicólico) – se cálculos de colesterol
puro, de pequenas dimensões (> 10 mm) e vesícula funcionante; Litotrícia extra corporal: com
ondas de choque é fragmentado o cálculo. Indicada só para um cálculo de diâmetro> 30 mm.
Exige várias sessões. Colecistectomia: tradicional ou por laporoscopia é a recessão da vesícula
biliar; Colecistostomia: incisão da vesícula para remoção de cálculos e pus; Coledocostomia:
incisão para exploração e remoção de cálculos do canal biliar comum. Pode ser efectuada
colecistectomia em simultâneo. É introduzido um dreno de kher, nas vias biliares, para

48
drenagem da bile até regressão do edema do colédoco; Colecistoduodenostomia ou
colecistojejunostomia: derivação biliar. Cálculos e estenoses das vias biliares.

HEMORRAGIA GÁSTRICA
A hemorragia gastrica pode ser aguda ou crónica podendo a quantidade ser: maciça (Perda
sanguínea elevada; TA sistólica abaixo de 90 mmHg; Frequência cardíaca acima de 100 bpm.),
moderada (Perda sanguínea discreta;TA sistólica acima de 90 mmHg;Frequência cardíaca
abaixo de 100 bpm) ou discreta (Perda sanguínea reduzida; Não há repercussões
hemodinâmicas). A hemorragia digestiva pode ser alta (É a que surge por lesão superior ao
ligamento de Treitz ,acima da junção duodenojejunal) ou baixa (Quando ocorre sangramento
por lesão inferior ao ligamento de Treitz, abaixo da junção duodenojejunal).

Manifestações clínicas: fadiga, dispneia, hematemeses, melenas, hematoquésia, hipotensão,


taquicardia, palidez da pele, mucosas descoradas, pele fria e húmida, sonolência, confusão
mental, anúria/oligúria

Etiolgia: Lesões vasculares; Síndromes hemorrágicas; Úlcera péptica gastroduodenal; Lesões


agudas da mucosa gastrointestinal; Varizes esófago-gástricas; Gastropatia hipertensiva;
Esofagite; Cancro; Divertículos; Doenças inflamatórias; Lesões anorrectais: hemorróidas,
fissuras, prolapsos; Outras causas

!!! monitorização dos SV, reposição da volémia, avaliação dos estado de consciência e repouso

DISTÚRBIOS ESOFÁGICOS

Obstrutivos (mecânicos):Diminuição do lúmen, Obstrução do lúmen, Compressão extrínseca

Não obstrutivos: Alterações da motilidade: Outros.

Sintomas mais frequentes: Disfagia - obstrutiva ou motora(líquidos, sólidos, ambos -


(dificuldade na deglutição); Odinofagia; dor torácica

REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO
Inclui todos os sintomas e formas de dano tecidual secundários ao refluxo do conteúdo
gástrico para o esófago; O RGE é multifactorial: Incompetência do esfíncter inferior do
esófago; Desequilíbrio entre os factores agressivos e defensivos da mucosa.

Manifestações clínicas: Típicas: Pirose – sentida na região retroesternal podendo atingir a


região cervical; Regurgitação ácida; Despoletados ou agravados: Refeições copiosas; Álcool;
Determinados alimentos; Esforço físico – sinal do laço.

Atípicas: Dor torácica – diagnóstico diferencial com dor pré-cordial; Tosse crónica; Rouquidão;
Pneumonia por aspiração; Hipersalivação; Soluços; Anemia.

Outros de cariz inespecífico: Má digestão; Plenitude pós-prandial; Náuseas; Dores epigástricas.

49
A disfagia é um sintoma tardio.

Factores de risco: Hérnia do hiato; Tabagismo; Obesidade; Gravidez; Doenças sistémicas;


Hipersecreção ácida; ENG prolongada. Factores iatrogénicos; Dilatação esofágica

Possíveis complicações: Estenose esofágica (estreitamento gradual do lúmen esofágico. Mais


comum em idosos, fumadores e consumidores de álcool); Hemorragia – (é rara, no entanto
pode aparecer perda sanguínea (hematemeses ou melenas) e anemia por carência de ferro
(perda de sangue oculto nas fezes)); Perfuração (é muito rara, mas pode ocorrer quando existe
úlcera péptica do esófago); Esófago de Barret ( metaplasia associada ao RGE, que parece ser a
sua principal causa); Complicações pulmonares (pneumonia de aspiração, bronquiectasias,
bronquite crónica)

Tratamento: Medidas comportamentais (Elevação da cabeceira da cama a 15º; Evitar refeições


abundantes, especialmente ao jantar e/ou 2-3 horas antes de deitar; Evitar alimentos
gordurosos, chocolate, álcool, café em excesso e outros que o paciente sinta como
desencadeantes; Alertar o doente para os medicamentos que provocam esofagite
especialmente AAS e AINE’s; Evitar fumar); Medidas terapêuticas (Conservador - Procinéticos:
aumentam a pressão do EEI e estimulam o peristaltismo – favorecem o esvaziamento gástrico.
Devem ser tomados 15’ antes das refeições; Antiácidos e alginatos: acção eminentemente
sintomática – úteis no alívio imediato. Podem ser tomados 30’ antes das refeições e 2-3 h
após;; Anti-secretores (inibidores da bomba de protões): eficazes na cura de esofagite –
mantêm pH igual ou superior a 4, favorecendo a cicatrização e prevenindo novas lesões. -
Cirúrgico (dirigido às complicações do RGE)- Estenoses; Hérnia do hiato sintomática; Úlceras
esofágicas profundas -); Adesão do cliente ao tratamento.

ACALÁSIA (CARDIOESPASMO)
Incapacidade de relaxamento do esfíncter esofágico inferior, depois da deglutição, criando um
espasmo muscular. O segmento do esófago acima da constrição dilata-se originando
hipertrofia muscular. A área muscular dilatada torna-se atónica e pode não existir
peristaltismo, o que impossibilita a progressão dos alimentos para o estômago; Mais frequente
entre os 30-50 anos; Classifica-se em grau – I a IV.

Manifestações clínicas: Disfagia progressiva para sólidos e para líquidos; Perda ponderal e
avitaminose; Dor na região retro-esternal, opressora e que irradia para pescoço, mandíbulas e
costas; Regurgitação do conteúdo esofágico sobre a almofada durante a noite; Interrupção do
sono com episódios de tosse ou engasgamento.

Tratamento: Farmacológico – conservador temporário: nitratos e bloqueadores dos canais de


cálcio reduzem a pressão do esfíncter esofágico inferior; Dilatação do EEI – com dilatadores
esofágicos pneumáticos; Tratamento cirúrgico – esofagomiotomia (Incisão londitudinal da
parede muscular do esófago ao nível da junção esófago-gástrica, a fim de separar as fibras
musculares; A abordagem pode ser transabdominal ou transtorácica; É frequente o RGE após
este procedimento).

50
!!! deve aconselhar-se refeições leves, frequentes e pastosas, líquidos quentes, alternância de
posição enquanto come, dormir com a cabeceira da cama elevada, experimentar vários tipos
de alimentos e várias texturas.

CARCINOMA DO ESÓFAGO
Mais comum no terço médio e inferior

Factores de risco: Hábitos tabágicos; Hábitos etílicos; Ingestão de alimentos muito quentes;
Alimentação rica em carnes fumadas e salgadas; Carências nutricionais (avitaminose); Factores
ambientais e profissionais

Manifestações clínicas: Disfagia electiva – Sintoma Major (1.º Alimentos sólidos; 2.º Ingestão
semilíquidos; 3.º Ingestão de líquidos.); Regurgitação de alimentos; Tosse; Sialorreia; Hálito
fétido; Anorexia; Desnutrição; Hemorragia, odinofagia, azia, anorexia

Tratamento: Objectivo: a cura da doença quando possível e a qualidade de vida da pessoa,


sendo decidido conforme o estadiamento oncológico do tumor; Critérios a valorizar na decisão
do tratamento: condições gerais do doente – localização do tumor, extensão, lesões
multifocais, invasão de órgãos vizinhos, disseminação, patologia associada; Tratamento
cirúrgico: curativo ou paliativo.

PRÓTESE ESOFÁGICA
Tratamento paliativo que permite à pessoa alimentar-se por via oral e previne complicações
respiratórias.

Preparação: Informação ao cliente e família; Atender ao protocolo; Jejum; Planear e iniciar


ensino sobre os cuidados a ter – dietéticos; posicionamentos; estilos de vida.

Complicações: Imediatas (Perfuração esofágica; Hemorragia; Deslocação de prótese); Tardias


(Deslocação; Invasão tumoral + obstrução; Obstrução por restos alimentares; Necrose por
compressão » fístula para o mediastino.

!!! Planear e supervisionar pausa alimentar durante 24 h; Monitorizar estado geral do cliente,
SV e função respiratória nas 1. as 24 h; Continuar ensino sobre os cuidados a ter; Vigiar e avaliar
o reinício da alimentação PO e progressão na consistência dos alimentos; Instruir cliente para
fazer as refeições sentado; Instruir cliente para beber abundantemente às refeições; Manter a
posição de sentado durante pelo menos 30’ após a refeição ou caminhar; Não se deitar com o
estômago cheio; Dormir com a cabeceira elevada; Ensinar cuidados dietéticos.

HÉRNIA DO HIATO
Desenvolvem-se quando o esófago distal migra para o tórax através do hiato. Podem ser por
deslizamento (a hérnia desliza para trás e para a frente em resposta às alterações de posição
ou de pressão abdominal); ou hérnia paraesofágica (a junção gástrica mantem-se fixada abaixo
do diafragma mas parte do fundo gástrico, ou toda a grande curvatura, desliza para o tórax
junto ao esófago)

51
Manifestações clínicas: normalmente assintomático; pode surgir refluxo gastroesofágico
(raramente ocorre nas paraesofágicas), anemia ferropénica (devido a ligeiras perdas de
sangue), consgestionamento e exsudação da mucosa (por obstrução venosa da parte
herniada), pirose, disfagia

Tratamento: medicação (antagonistas dos receptores da histamina, agentes anti-refluxo);


tratamento cirúrgico (correcção anatómica da hérnia); dieta ( evitar obesidade); exercício
(evitaer actividades que aumentem a pressão intrabdominal)

HERNIORAFIA/ HERNIOPLASTIA

Antes da cirurgia:

É importante que comunique ao enfermeiro toda a medicação que fazia em casa bem como
todos os seus problemas de saúde, incluindo as alergias;
Deverá retirar todos os objectos de metal (fios, brincos, relógio, …) e todas as próteses
(auditiva, dentárias, ocular…);
Ser-lhe-ão cortados os pêlos na área circundante à hérnia:
Se esta for inguinal, desde a área infra-umbilical até metade da coxa, incluindo o púbis;
Se esta for umbilical desde a área infra-mamária até à zona supra púbica;
Ser-lhe-ão dados 2 microclisters (Microlax) para limpeza intestinal como preparação para a
cirurgia;
Deverá tomar banho com desinfectante dérmico (Betadine espuma);
Ser-lhe-á fornecida uma bata, devendo retirar toda a sua roupa, incluindo a interior;
Ser-lhe-á colocado um catéter numa veia e posteriormente colocado soro;
Deverá permanecer em jejum durante 6/8 horas antes da cirurgia;
Ser-lhe-á avaliada a tensão arterial, o pulso e o peso;
Irá ser transportado para o Bloco Operatório, na cama, acompanhado por um maqueiro e uma
auxiliar de acção médica.

Durante a cirurgia:

Está sempre acompanhado por uma equipa de médicos, enfermeiros e anestesistas;


Antes da operação ser-lhe-á administrada a anestesia;
Acordará na sala de recobro, junto de uma equipa de enfermeiros, onde permanecerá até
poder regressar ao serviço.

Após a cirurgia:

Regressará ao serviço acompanhado pelo enfermeiro e auxiliar de acção médica;


Chegará ao serviço acordado, mas poderá sentir-se sonolento (pelo efeito da anestesia);
O enfermeiro avaliar-lhe-á a tensão arterial e pulso, sempre que necessário;
Deverá chamar o enfermeiro se sentir dor, náuseas ou outra alteração;
Caso tussa ou espirre deverá apoiar o local da cirurgia (sutura) com as mãos ou almofada;
A sua dieta dependerá da prescrição do médico;
O penso será efectuado ao 3º dia após cirurgia, ou diariamente em caso de necessidade;

52
Não se poderá levantar sem a indicação e apoio do enfermeiro;
O regresso às suas actividades habituais deverá ser gradual

DIVERTÍCULO ESOFÁGICO
Formação de uma bolsa na mucosa e sub-mucosa esofágicas, através de uma parte
enfraquecida da camada muscular do esófago. Pode ser ocngénita ou adquirida. Pode
localizar-se no Laringoesofágico (de Zenker), no Medioesofagiano e Epinefrênicos.

Manifestações clínicas: Disfagia; Ruídos gorgolejantes na área; Regurgitação – algumas horas


após as refeições; Tosse por irritação da traqueia; Halitose; Perda de peso, anemia e
debilidade.

PATOLOGIAS GÁSTRICAS

GASTRITE
Processo inflamatório da mucosa gástrica. A renovação das células gástricas é menos
frequente, ocorre descamação o que leva a lesões na parede do estômago. Pode ser aguda ou
crónica e classifica-se em erosiva, hemorrágica, corrosiva e atrófica. Topograficamente pode
localizar-se na região antral, no corpo e fundo gástrico ou ainda em todo o estômago
(pangastrite).

Etiologia: helicobacter pylori; agentes irritantes, álcool, fármacos – AINES e AAS, substância
corrosivas, factores térmicos e factores alimentares, irradiação do estômago, doenças
infecciosas, stress fisiológico

GASTRITE AGUDA
Agentes irritantes obrigam a uma descamação constante, que supera a capacidade
regenerativa do estômago. A barreira mucosa gástrica fica fragilizada e perde a sua função
protectora de impedir a retrodifusão dos receptores H2 da histamina, os quais atingem a
mucosa, provocando inflamação; Pode apresentar-se como uma lesão superficial ou com
erosões e úlceras, que atingem toda a mucosa gástrica, o fundo ou o antro; A GA corrosiva

53
pode evoluir para necrose, perfuração e peritonite; A GA pode ser transitória ou tornar-se
crónica.

Manifestações clínicas: sensação de mal estar epigástrico, dor epigástrica, náuseas, vómitos,
perda de apetite, eructações, enfartamento pós prandial

GASTRITE CRÓNICA
Atrofia das glândulas gástricas e adelgaçamento da mucosa gástrica com produção de
secrecção gástrica abaixo do normal. Falta de produção do factor intrínseco o que
compromete a absorção de vitamina B12 induzindo o aparecimento de anemia pernicosa.

Factores de risco: alimentos, álcool, tabaco, medicamentos; idade, factores genéticos,


imunológicos, refluxo duodenogastrico, gastrectomia parcial

Manifestações clínicas: assintomáticos; dor epigástrica, distensão abdominal, anorexia ou


perda de peso, intolerância a determinados alimentos, pirose

Tratamento: habitualmente não requer tratamento a não ser em pessoas idosas; Repouso;
Eliminação de factores alimentares irritantes, álcool e tabaco; Estilo de vida saudável;
Antieméticos; Antiácidos; Protectores da mucosa gástrica; Antagonistas dos receptores H2;
Inibidores da bomba de protões; Antibióticos;Terapêutica de substituição: vitamina B12, ácido
fólico, ferro

!!! Praticar exercício físico; Eliminar alimentos irritantes (muito quentes, condimentados,
ácidos, fritos, gorduras, …); Efectuar refeições fraccionadas e regulares; Comer
moderadamente e com calma, mastigando bem os alimentos; Diminuir/eliminar tabaco,
álcool, café; Manter higiene pessoal adequada; Evitar fármacos irritantes; Desenvolver hábitos
de sono regular; Evitar causas de stress e aprender a geri-lo.

DOENÇA ULCEROSA PÉPTICA


As úlceras pépticas estão presentes quando uma cratera nítida é visível, o que significa a
rutura da mucosa. A hipersecreção acida tem sido apontada como a principal causa de úlcera
péptica.

Factores de risco: AINES, mulheres, maior 60 anos, terapia prolongada, tabagismo, factores
genéticos,

Manifestações clínicas: dor, dispepsia, pirose, refluxo gastroesofágico, náuseas, vómitos,


hipersalivação sangue oculto nas fezes, hemorragia aguda, perfuração.

Complicações: Hemorragia digestiva alta; Perfuração de víscera; Obstrução pilórica.

Procedimentos cirúrgicos: Gastrotomia – abertura da parede anterior do estômago para


exploração e procedimentos cirúgicos; Ráfia de úlcera – geralmente acompanhada de
vagotomia e de piloroplastia; Piloroplastia – alargamento da região pilórica/remoção de feixes
de tecido cicatricial, geralmente é feita também vagotomia; Gastrojejunostomia – anastomose
entre o jejuno e estômago, sem ressecção da porção duodenal. Executada quando existe

54
obstrução pilórica benigna ou quando não é possível efectuar uma gastrectomia parcial.
Gastrectomia Parcial: Billroth I (Recessão de uma parte do estômago com anastomose do
duodeno; Para lesões malignas ou benignas localizadas no piloro ou ½ superior do estômago);
Billroth II (Recessão da porção distal do estômago e duodeno com anastomose gastro-jejunal;
Para tratamento de lesões malignas ou benignas localizadas no estômago e duodeno).

!!! Promoção de estilos de vida saudáveis; Educação: Alimentação racional; Higiene alimentar;
Higiene pessoal; Evitar hábitos aditivos; Gestão do stress; Exercício físico e lazer.

GASTROSTOMIA/JEJUNOSTOMIA

Definição: introdução percutânea de uma sonda no lúmen gástrico – gastrostomia ou jejuno –


jejunostomia.

Objectivo: assegurar o aporte nutricional a pessoas que não o podem fazer por via oral,
durante um período alargado de tempo.

Preparação: Informação ao cliente/família; Estudo de coagulação; Jejum; Acesso venoso com


fluidoterapia.

Intervenções de enfermagem:

Alimentação; Resguardar a privacidade do doente; Posicionar o doente em semi-fowler ou


fowler; Administrar lentamente e á temperatura ambiente ou corporal; Introduzir H2O à
temperatura ambiente para levar a sonda após a alimentação; Manter a posição do doente
durante pelo menos 30’ após a refeição; Penso; Vigiar o penso – seco; limpo; fixo; Executar
penso em dias alternados. Diariamente ou SOS se extravasamento; Avaliar local de inserção e
pele circundante, atender ao cuidado e protecção, prevenindo maceração; Executar adequada
fixação do penso e sonda; Promover o autocuidado, alimentação, envolvendo a
família/cuidados informal.

GASTRECTOMIA
A gastrectomia é uma operação (intervenção cirúrgica) ao estômago onde retira uma parte ou
a totalidade do mesmo.

Antes da operação:

É importante que comunique ao enfermeiro toda a medicação que fazia em casa bem como
todos os seus problemas de saúde, incluindo as alergias;Ser-lhe-ão cortados os pêlos com uma
máquina de barbear, desde o peito até às coxas, incluindo a púbis; Tem de ficar 6 a 8 horas em
jejum; Poderá ser necessária a colocação de uma sonda nasogástrica, se o médico achar
conveniente; Vai-lhe ser colocado no braço um cateter para administração de soro e
medicação; Vai necessitar de preparar o seu intestino para a cirurgia. De acordo com a opinião
médica poderá ter que fazer: Preparação com um medicamento: Selg em 3 litros de água.
Deverá referir ao enfermeiro se sentir enfartamento, náuseas, vómitos ou se a água sair suja
das fezes; Clisteres de limpeza, um no dia anterior à cirurgia e outro no próprio dia da cirurgia;
Tem de retirar prótese dentária, anéis, brincos, fios, relógio e qualquer outro objecto de

55
adorno; Deve tomar banho geral desinfectante dérmico (betadine espuma); Antes de ir para o
bloco operatório deverá vestir apenas uma bata que lhe é fornecida pelo enfermeiro ou
auxiliar de acção médica do serviço; Ser-lhe-á avaliada a tensão arterial, pulso e peso e ser-lhe-
á administrada medicação; Irá ser transportado para o bloco operatório em cama e
acompanhado por uma auxiliar de acção médica do serviço de internamento e maqueiro.

Durante a Operação: No bloco operatório estará sempre acompanhado por uma equipa
médica, equipa de enfermagem e anestesistas.; Antes de se iniciar a operação ser-lhe-á
administrada a anestesia (medicação que fará com que adormeça e não sinta qualquer tipo de
dor). Depois será realizada a algaliação (tubo que se introduz na uretra e por onde sairá a
urina) e a entubação nasogástrica (introdução de um tubo pela boca e por onde serão
eliminados resíduos presentes no estômago). No local onde foi realizado o corte para a
operação será efectuado um penso. Poderá ter drenos.

Após a Operação: Regressa ao serviço acompanhado pelo enfermeiro do serviço de


internamento;

Ser-lhe-á avaliado várias vezes a tensão arterial, pulso e a dor; Poderá sentir-se muito
sonolento; Vem para o internamento com sonda nasogástrica e algaliação que devem ser
mantida até nova ordem médica; Vai ter que ficar sem comer e beber até ordem médica; Avise
o enfermeiro se sentir dor, sentir que está a perder sangue, vómitos, náuseas; Não poderá
levantar-se sem indicação e apoio do enfermeiro do serviço de internamento; Ser-lhe-á
fornecida medicação para a dor;

CARCINOMA DO ESTÔMAGO
São principalmente adenocarcinomas primários que tem origem no epitélio. Encontram-se
tradicionalmente na região pilórica e antral particularmente ao longo da pequena curvatura

Factores de risco: dietas ricas em fumados e conservas; dietas pobres em fruta e vegetais
frescos, elevado contéudo de nitritos no solo e na àgua, tabagismo acentuado, gastrite crónica
e acloridria; idade (após 40) e sexo (homem)

Manifestações clínicas: assintomático na fase inicial; dispepsia, saciedade precoce,


enfartamento, anorexia, dor epigástrica ou sensação de queimadura, náuseas ligeiras, perda
de peso, fadiga e fraqueza, obstipação ou diarreia

Tratamento: Curativo: ressecar o tumor primeiro e remover os gânglios regionais susceptíveis


de disseminação de metástases; Paliativo: cirurgia, quimioterapia e radioterapia.

Tratamento cirúrgico: Gastrectomia total: esofagojejunostomia – recessão gástrica com


anastomose esofagojejunal; Gastrectomia subtotal: gastroduodenostomia (Billroth I);
gastrojejunostomia (Billroth II).

Complicações da cirurgia: PRECOCES: Hemorragia: geralmente da anastomose durante as


primeiras 24 horas. Pode surgir perda sanguínea na linha da sutura abdominal; Complicações
respiratórias: por respiração superficial por defesa à dor; Deiscência da anastomose: aumento
do pulso e da temperatura, dor, rigidez abdominal, penso com repasse biliar ou fecalóide;

56
Retenção gástrica: retenção dos alimentos provocada por edema do local da anastomose ou
por fístula da anastomose. A regurgitação é o primeiro sinal. Síndrome de Esvaziamento rápido
(Dumping): caracteriza-se por um conjunto de sintomas que podem ter início 10-30’ após as
refeições; Pancreatite; Fístula pancreática.

TARDIAS: Anemia: pode surgir por deficiente absorção de ferro, devido ao rápido
esvaziamento gástrico; Gastrite de refluxo; Esofagite de refluxo; Malabsorção e Síndroma da
Ansa Cega: surge em consequência da diminuição da secreção de ácidos, enzimas pancreáticas
e aumento da motilidade gastrointestinal.

PLANEAMENTO DE CUIDADOS PARA DOENTE SUBMETIDO A CIRURGIA GÁSTRICA


Pré-operatório

Apoiar e preparar psicologicamente o indivíduo e família para cirurgia; Informar acerca dos
diferentes procedimentos e seus objectivos; Administrar terapêutica prescrita; Atender aos
protocolos de preparação para cirurgia gástrica.

Pré-operatório – Preparação: Entubação nasogástrica: esvaziamento gástrico/lavagem gástrica


se não houver perfuração e conforme critério médico; Preparação cólica: SelgR – se não houver
ou forem detectados sinais de obstrução pilórica – (enema); Ensino de exercícios respiratórios,
tosse com protecção abdominal e mobilização precoce; Procedimento relativo a pedido de
sangue para o peri-operatório; Algaliação; Cateterismo venoso para fluidoterapia; Preparação
física “universal”: planear jejum; tricotomia; banho geral; avaliação e registo de peso e SV.

Pós-operatório: Monitorizar funções vitais: circulação; respiração; eliminação; Avaliar e tratar a


dor; Diagnosticar sinais de complicações precoces; Monitorizar drenagem gástrica e diurese;
Promover conforto; Estimular/assistir mobilização precoce; Assistir no levante e deambulação;
Estimular/supervisionar cuidados de protecção da incisão nos esforços e tosse; Executar
penso; Supervisionar jejum e refeição quando prescritas; Manter e promover nutrição
adequada; Monitorizar peso; Ensinar cuidados dietéticos; Orientar para consulta de vigilância;
Prepara a alta com o cliente/família: Cuidados dietéticos;Estilos de vida; Ouvir e negociar,
apoiando e orientando o doente na mudança de comportamentos nefastos; Orientar/motivar
follow-up; Orientar para a administração de B12 mensal – gastrectomia total; Referenciar o
doente ao CS da área.

DUMPING
Sinais de Dumping: Sensação de enfartamento; Fraqueza/sonolência; Tontura; Cefaleia;
Palidez; Sudorese; Calor; Dor cólica; Diarreia; Hipoglicemia – 2-3 h após a refeição.

57
Rápida distensão da ansa jejunal com conteúdo hipertónico pelo que são desviados líquidos do
espaço extracelular, para diluição; A entrada de conteúdo rico em carbohidratos provoca
rápido aumento da glicemia que é compensado com aumento da secreção de insulina.

Intervenções de enfermagem na prevenção de sinais de Dumping: Ensinar cliente e família:


Tomar as refeições recostado; Não ingerir líquidos 1 h depois das refeições; Deitar-se pelo
menos 30’ após as refeições; A dieta deve ser fraccionada em pequenas quantidades; Comer
devagar, mastigando bem os alimentos; Dieta com baixo teor de carbohidratos; Introdução de
gorduras lentamente quando indicado.; Assistir e supervisionar no posicionamento para
refeição; Supervisionar reinício alimentar e refeições; Vigiar aparecimento de sinais de
Dumping.

PATOLOGIA INTESTINAL

58
APENDICITE
Inflamação aguda do apêndice. O lúmen do apêndice é bastante pequeno o que torna
vulnerável a um esvaziamento incompleto, a uma distensão pela secrecção de muco
acumulado ou obstrução que pode levar à infecção. A obstrução por fecalomas ou por corpos
estranhos e a presença de doenças infecciosas agudas concomitantes podem também
desencadear a resposta inflamatória aguda. A pressão intraluminal aumenta levando à oclusão
dos capilares e das vénulas e a au engurgitamento vascular. Segue-se a invasão das bactérias
que podem desenvolver micro-abcessos na parede do apêndice ou nos tecidos vizinhos que
pode progredir para gangrena e perfuração em 24-36 horas. Se o processo inflamatório se
desenvolve de forma razoavelmente lenta a infecção pode ser sustida com sucesso a um
abcesso local. Em casos que se desenvolva mais rapidamente o risco de ruptura e de peritonite
aguda é bastante elevado.

Manifestações clínicas: dor abdominal por acessos (inicia-se no epigastro ou na região


umbilical progredindo para o quadrante inferior direito; localiza-se ainda no ponto McBurney –
meio espaço entre o umbigo e a espinha anterior do ilíaco), náuseas, anorexia, vómitos, pirexia

APENDICECTOMIA
A apendicectomia é uma operação (intervenção cirúrgica) ao apêndice onde este é retirado.

Antes da operação: É importante que comunique ao enfermeiro toda a medicação que fazia
em casa bem como todos os seus problemas de saúde, incluindo as alergias; Ser-lhe-ão
cortados os pêlos com uma máquina de barbear, desde o peito até às coxas, incluindo os pelos
púbicos; Tem de ficar 6 a 8 horas em jejum; Vai-lhe ser colocado no braço esquerdo um cateter
para administração de soro e medicação; Tem que retirar prótese dentária, anéis, brincos, fios,
relógio e qualquer outro objecto de adorno; Deve tomar banho geral com desinfectante
dérmico (betadine espuma); Antes de ir para o bloco operatório deverá vestir apenas uma
bata que lhe é fornecida pelo enfermeiro ou auxiliar de acção médica do serviço; Ser-lhe-á
avaliada a tensão arterial, pulso e peso; Irá ser transportado para o bloco operatório em cama
e acompanhado por uma auxiliar de acção médica do serviço de urgência.

Na operação: No bloco operatório estará sempre acompanhado por uma equipa médica,
equipe de enfermagem e anestesistas.; Antes de se iniciar a operação (cirurgia) ser-lhe-á
administrada a anestesia (medicação que fará com que adormeça e não sinta qualquer tipo de
dor). No local onde foi realizado o corte para a operação será efectuado um penso.

Após a Operação: Regresso ao serviço acompanhado pelo enfermeiro do serviço de


internamento; Ser-lhe-á avaliada várias vezes a tensão arterial, pulso e a dor; Poderá sentir-se
muito sonolento; Vai ter que ficar sem comer e beber até ordem médica; Avise o enfermeiro
se sentir dor, sentir que está a perder sangue, vómitos, náuseas; Não poderá levantar-se sem
indicação e apoio do enfermeiro do serviço de internamento; O penso será efectuado ao 3ºdia
após a cirurgia ou diariamente caso haja necessidade; poderá ter drenos (dependendo do tipo
de cirurgia) Ser-lhe-á fornecida medicação para a dor;

59
!!! Apoiar local do penso com as mãos ou com uma almofada quando necessitar de tossir,
espirrar ou mexer-se; Realizar os exercícios respiratórios e dos membros inferiores ensinados
pela enfermeira antes da cirurgia; Mudar frequentemente de posição na cama;

DOENÇA DIVERTICULAR/ DIVERTICULITE


(divertículo – pequenas bolsas exógenas ou herniações da mucosa de revestimento do sistema
gastrintestinal; Desenvolvem-se particularmente no cólon esquerdo) uma diverticulite é uma
inflamação aguda que pode ocorrer por obstrução localizada de um diverticulo por muco ou
matéria fecal. A microperfuração ocorre de modo semelhante á apendicite

Factores de risco: dietas pobre em fibras; idade avançada, baixo volume fecal no cólon

Fisiopatologia: os diverticulos tendem a formar-se em locais do cólon onde os vasos


sanguíneos penetram na mucosa e nas camadas musculares criando pontos de fraqueza.
Teoriza-se que o aumento das contracção musculares no cólon sigmóideu aumentem tanto a
espessura do músculo como a pressão intraluminal. Frequentemente a diverticulite
desenvolve-se num só diverticulo em resposta à irritação iniciada pela retenção da matéria
fecal. A circulação sanguínea para essa zona diminui e as bactérias proliferam no divertículo
obstruído. A perfuração da cópula pode ocorrer e se for “grande” pode evoluir para a
formação de um abcesso ou de peritonite

Manifestações clínicas: disfunção intestinal, dor abdominal tipo cólica no quadrante inferior
esquerdo; febrícula; náuseas, vómitos, sensação de distensão; sintomas urinários;
hematoquésia ou melenas

!!! dieta rica em fibras com alimentos moles – fruta, vegetais, cereais integrais; laxantes
expotensores do volume fecal, se necessário; ingerir 2,5 a 3 L por dia, evitar exercícios que
aumentem a pressão intrabdominal

PERITONITE
Inflamação localizada ou generalizada do peritoneu. Pode ser primária (geralmente provocada
pela infecção bacteriana. Pode ainda ser devida a apensicite, ulcera péptica perfurada,
diverticulite, doença inflamatória pélvica, infecção ou traumatismo do sistema urinário e
complicações cirurgicas) ou secundária (resultante, muitas vezes, de traumatismos, agressão
cirúrgica ou irritação química)

Fisiopatologia:quando ocorre peritonite os fluidos podem desviar-se para a cavidade


abdominal a um ritmo de 300 a 500 ml/hora em resposta à inflamação aguda. O processo
inflamatório desvia também sangue para combater a infecção bacteriana secundária e
normalmente a peristalse pára. O intestino torna-se cada vez mais distendido devido aos gases
e aos líquidos.

Manifestações clínicas: hiperemia, inflamação e produção de grandes quantidades de líquidos,


hipovolémia, desiquilibrio electrolítico, desidratação e até choque, septicemia (se as bactérias
entrarem na corrente sanguínea); dor localizada ou difusa; defesa e rigidez; distensão e íleo

60
paralítico; febre; náuseas, vómitos, taquicardia, taquipneia, oligúria, agitação, debilidade,
palidez, diaforese

!!! avaliar constantemente sinais vitais, balanço hídrico e ajustar perfusões EV; administração
de antibioterapia de largo espectro; SNG para diminuir a distensão abdominal; manter o
doente em repouso no leito em semi-fowler; PNPT se necessário; ensinar a importância dos
cuidados respiratórios e estimular a deambulação quando tolerada.

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL


Situações caracterizadas pela inflamação intestinal. A doença de crohn e a colite ulcerosa são
as duas principais formas de DII

COLITE ULCEROSA DOENÇA DE CROHN


Área Cólon esquerdo, recto Ileo dital, cólon direito. Podem
habitualmente ocorrer em todo o SGI
afectada
Extensão de Áreas difusas, contíguas Áreas segmentares
envolvimento
Aspecto da Ulcerações superficiais da mucosa, Aspecto em “pedra de calçada”,
mucosa edema, hemorragia superficial granulomas, paredes espessadas de
muco, lúmen estreitado
Complicações Perda de absorção e elasticidade, Fistulas, doença perianal, estenoses,
substituição da mucosa por tecida abcessos, perfuração, anemia,
cicatricial, pseudopólipos que se malabsorção de gorduras e vitaminas
podem tornar malignos, lipossolúveis
magacólon tóxico, hemorragia

COLITE ULCEROSA
Processo inflamatório contíguo. A mucosa é muito frágil e sangra espontaneamente ou em
resposta a um traumatismo mínimo. Com o decorrer do tempo torna-se cada vez mais
espessada e edemaciada à medida que a mucosa é gradualmente substituída pelo tecido
cicatricial o cólon torna-se mais espessado e rígido perdendo a sua capacidade de elasticidade
e absorção normal.

Manifestações clínicas: edema, ulceração superficial da mucosa, hemorragia rectal, diarreia


clássica, dores abdominais dos quadrantes esquerdos aliviados por esvaziamento intestinal,
urgência

DOENÇA DE CROHN
A inflamação é transparietal afectando todas as camadas da parede intestinal. As células
afectadas são separadas por tecido normal. Granulomas da mucosa, estreitamentos no lúmen,
espessamentos da parede intestinal nodularidades da mucosa e ulcerações são manifestações
características

Manifestações clínicas: diarreia (reflecte gravidade e localização da inflamação); esteatorreia;


mal absorção de vitaminas lipossoluveis, dor abdominal intensa tipo cólica; aumento da
sensibilidade difusa ou localizada no quadrante inferior direito; massa dolorosa

61
Complicações: fístula, estenose, pólipo,; perfuração

Manifestações sistémicsas da DII: artrite periférica; problemas oculares; lesões cutâneas;


colelitíase; anorexia, náuseas, fadiga, mal estar, perda de peso; anemia; palidez;

OBSTRUÇÃO INTESTINAL
É geralmente um efeito secundário de um problema primário. Pode ser classificada como
mecânica ou não mecânica. Pode ser parcial ou incompleta. As aderências, as hérnias, um
tumor, o volvo (torção do intestino sobre si próprio), a invaginação (penetração de um
segmento intestinal noutro segmento) são algumas das causas de obstrução intestinal. O ileo
paralítico é também uma causa de obstrução.

Manifestação clínicas: dor abdominal; cólicas na obstrução simples e dores mal localizadas);
ruídos intestinais frequentes; atonia da musculatura lisa; náuseas e vómitos; febre elevada
(presença de intestino morto); obstipação;

TUMORES DO INTESTINO
Tumores Benignos

Pólipos – tumores mais frequentes do intestino; Podem ser: Simples ou múltiplos;


Pedunculados ou sésseis (com uma base ampla); Hiperplásicos ou neoplásicos. Os pólipos
neoplásicos podem ser adenomatosos ou adenomas polipóides (têm maior probabilidade de
se tornarem malignos); Os pólipos têm grande capacidade de recorrência, pelo que devem ser
retirados e analisados. A vigilância endoscópica é importante na medida em que permite a
visualização directa e a excisão dos mesmos.

Tumores malignos

Carcinoma do cólon; Carcinoma do recto.

Manifestações clínicas: Perda de peso; Hemorragia oculta; Anemia; Dor; Alteração dos hábitos
intestinais; Obstrução intestinal – mais frequente, ao nível do descendente e sigmóide.

CIRURGIA INTESTINAL
Se vai ser submetido a cirurgia intestinal é importante que saiba que:

A Colostomia é uma operação que consiste na exteriorização de uma porção do intestino


grosso (cólon) através da parede do abdómen até à superfície da pele, com o objectivo de criar
uma saída artificial para o conteúdo fecal. A nova abertura que se cria com a colostomia
recebe o nome de estoma.

A Hemicolectomia é uma operação em que secciona porção do intestino que esteja doente
(onde esteja presente um tumor, pólipo, divertículo, etc…), sendo de imediato reconstruído,
não ficando por isso com colostomia.

62
COLOSTOMIA E HEMICOLECTOMIA
Antes da cirurgia: É importante que comunique ao enfermeiro toda a medicação que fazia em
casa bem como todos os seus problemas de saúde, incluindo as alergias; Ser-lhe-ão cortados
todos os pêlos da barriga (desde a região infra-mamária) até à zona superior das coxas,
incluindo a zona púbica (tricotomia); Ficará em jejum a partir da noite antes da cirurgia; A
limpeza do intestino será realizada através de uma medicação (selg) diluída em 3 L de água
que você terá de beber na totalidade. Irá muitas vezes ao wc e é possível que sinta
“enfartamento” e cólicas. Fique atento à cor e consistência das fezes, comunicando ao seu
enfermeiro. Poderá também ter que realizar um clister de limpeza na véspera e manhã da
cirurgia; Deverá tomar banho com desinfectante dérmico (betadine espuma); Ser-lhe-á
avaliada a tensão arterial, o pulso e o peso; Ser-lhe-á colocado um cateter numa veia e
posteriormente, soro; Tem que retirar prótese dentária, anéis, brincos, fios, relógio e qualquer
outro objecto de adorno, antes de ir para o bloco operatório. Irá ser transportado, na cama,
para o bloco operatório acompanhado por um auxiliar de acção médica e um maqueiro

Durante a Cirurgia: Antes da operação ser-lhe-á administrada a anestesia; Está sempre


acompanhado por uma equipa de médicos, enfermeiros e anestesistas; Acordará na sala de
recobro, junto de uma equipa de enfermeiros, onde permanecerá até poder regressar ao
serviço.

Após a Cirurgia: Regressará ao serviço acompanhado pelo enfermeiro e por um auxiliar de


acção médica, que o irão buscar ao bloco operatório; Chegará ao serviço acordado, mas pode
sentir-se sonolento pelo efeito da anestesia. Pode, também, sentir-se nauseado; Irá trazer uma
sonda nasogástrica, uma algália e uma ferida com pontos no abdómen. Poderá, também,
trazer drenos; O enfermeiro avaliar-lhe-á a tensão arterial, o pulso, a temperatura e a dor,
sempre que necessário. Só se deverá levantar após 24h da cirurgia, com a ajuda do
enfermeiro; Quando urinar pela primeira vez após lhe retirarem a algália deve avisar o
enfermeiro; Quando o intestino voltar a funcionar, no caso da colostomia, as fezes vão para
um saco que estará adaptado à colostomia. Se não tiver dejecções deverá avisar o enfermeiro;
Só deve iniciar dieta por indicação do médico. Quando iniciar dieta deve beber bastante água;
Deverá fazer exercícios dos membros inferiores e aparelho respiratório e mobilizações
frequentes;

OSTOMIAS INTESTINAIS
Criar cirurgicamente uma comunicação artificial entre um segmento intestinal e a pele:
estoma, com o objectivo de permitir a excreção do conteúdo intestinal.

Situações que determinam a construção de um estoma intestinal: Processos inflamatórios do


cólon; Tumores intestinais; Traumatismo perfurante do abdómen; Traumatismo, fístulas e
abcessos: anais e perianais; Polipose familiar; Prolapso rectal; Volvo intestinal.

Classificação das ostomias: Tempo de permanência: Temporária – permite repouso intestinal


sendo restabelecida a continuidade intestinal em 2.º tempo cirúrgico; Definitiva/permanente –
a que resulta da ressecção cirúrgica do segmento intestinal distal e final do intestino.

63
Localização anatómica Colostomia: cólon (Colostomia ascendente – QSD; Colostomia
transversa – zona superior dta entre o rebordo costal e o umbigo; Colostomia descendente –
QSE; Colostomia sigmóidea – QIE.) Ileostomia: íleo – localização abdominal dta é a mais
frequente.

Tipo de construção do estoma: Colostomia terminal; Colostomia em ansa ou lateral;


Colostomia em canhão de escopeta ou cano de espingarda.

Características das fezes: Ileostomia: fezes líquidas em fluxo contínuo. Começam a ficar mais
pastosas cerca de 3 meses após a cirurgia; Colostomia do ascendente: fezes semi-líquidas em
fluxo contínuo; Colostomia do transverso: fezes semi-líquidas e semi-sólidas em fluxo
abundante;A estes níveis são muito irritantes para apele pela alta quantidade de enzimas
digestivas e sais biliares; Colostomia descendente: fezes moldadas, menos frequentes e menos
agressivas para a pele; Colostomia sigmóidea: fezes sólidas bem moldadas e menos frequentes
e agressivas para a pele.

Complicações cirúrgicas: PRECOCES: Disfunção: obstrução parcial do intestino. Manifesta-se


por dor tipo cólica e perda contínua de fezes, que pode provocar desidratação; Hemorragia e
hematoma: deficiente hemostase; Evisceração: exteriorização de uma ou mais ansas junto à
ostomia. Má fixação entero-parietal ou abertura parietal demasiado larga; Deiscência da
sutura do estoma: associado frequentemente a necrose do mesmo. Doente refere dor e
sensação local de queimadura ao contacto com as fezes; Necrose: comprometimento do
suprimento sanguíneo. Manifesta-se por estoma de cor púrpura escura ou cianosado, pode
evoluir para necrose. Manifesta-se entre as 24-72 h após a cirurgia; Fístula: podem provocar
peritonite.

TARDIAS: Irritação cutânea: pode evoluir para ulceração grave; Ulceração do estoma: abertura
inadequada dos dispositivos, utilização de cintos, etc.; Hérnia: protusão de vísceras através da
incisão cirúrgica para construção do estoma. Pode ser necessária a utilização de cinta de
contenção com orifício (que deve ser colocada em decúbito dorsal) ou correcção cirúrgica.
Pode comprometer a eliminação. É a mais séria das complicações; Retracção: mais frequente
na colostomia transversa e terminal. Tensão excessiva ao nível do estoma, não suportada pela
fixação do peritoneu ao intestino; Estenose: diminuição do lúmen do estoma. Má cicatrização,
circulação deficiente e lesões peri-estomais, aumento de peso. Tratamento é cirúrgico;
Granuloma: deficiente absorção dos fios de sutura; Diarreia; Prolapso: ocorre por distensão do
mesentério. Mais comum nas colostomias transversas e em ansa. Se for pequeno pode ser
reduzido manualmente com pressão ligeira, com a pessoa em decúbito dorsal e depois de
colocar sobre o estoma uma toalha húmida. A pessoa deve utilizar uma cinta média contenção
sem orifício, durante os primeiros dias. Pode ser necessária cirurgia para correcção. É a 2.ª
complicação mais grave;

PATOLOGIAS HEPÁTICAS

64
AVALIAÇÃO DE UM DOENTE COM PATOLOGIA HEPÁTICA
Dados subjectivos: Estado de conforto: dor, prurido – localização, factores de agravamento,
início;

Estado nutricional: anorexia, náuseas, vómito, hábitos etílicos – início, factores de


agravamento, associação a alimentos ou medicamentos;

Estado hidroelectrolítico: ingestão de líquidos, quantidade de eliminação vesical e intestinal,


características da urina e fezes, alteração do peso;

Hábitos de eliminação: vesical e intestinal – características da urina e fezes, diminuição do


débito urinário;

Percepção, mobilidade e conhecimento: alterações da sensibilidade, da memória, coordenação


de movimentos. Início, duração, episódios contínuos ou intermitentes;

Níveis de energia: incapacidade de executar actividades de vida diária, debilidade, falta de


energia. Início, duração, tipo de actividades.

Exposição a toxinas: álcool, drogas, medicação, substâncias químicas industriais (actividade


laboral).

Dados objectivos: Aspecto geral do doente: estado nutricional, coloração da pele, consciência,
presença de edemas, perímetro abdominal; Avaliação de sinais vitais; Alterações ortostáticas;
Estado da pele: cor; hidratação; edemas; ascite (distensão abdominal por presença de líquido
na cavidade peritoneal, proveniente do espaço intersticial. Pele abdominal brilhante e flancos
protuberantes); cabeça de medusa (dilatação das veias periumbilicais).

SINDROME ICTÉRICO
Causada por distúrbio na fisiologia da bilirrubina – causas diversas; Excesso de bilirrubina em
circulação; Depósito da bilirrubina excedente ao nível da pele, mucosas e outros tecidos e
fluidos orgânicos; A fixação de bilirrubina provoca prurido e a pele torna-se seca; Os valores
normais de bilirrubina sérica total: 0,5-1 mg/dL; Existe manifestação clínica quando os valores
séricos da bilirrubina excedem 2,5 mg/dL (no adulto).

Tipos: obstrutiva (intra-hepática); extra-hepática (obstrução do canal biliar); hepatocelular;


hemolítica.

Manifestações clínicas: Icterícia (Escleróticas e pele amarelas; Urina cor de âmbar ou de vinho
do porto, escura; Fezes com cor desde o castanho claro – hipocólicas até tom de argila –
acólicas; Aumento da bilirrubinémia conjugada e não conjugada; Aumento de bilirrubinúria e
urobilinúria.) Prurido; Dor ( rara na colestase intra-hepática, quando existe, é surda em peso
constante. Comum na extra-hepática, tipo cólica, localizada geralmente no hipocôndrio dto,
pode irradiar para o dorso dto, ombro dto e epigastro. Quando existe febre e calafrio,
caracteriza a tríade de Charcot, indicativa de Colangite); Hepatomegalia (– aumento do volume
e consistência do fígado apresentando-se duro e eventualmente doloroso à palpação. É mais
frequente na colestase extra-hepática); Vesícula palpável (sinal de Courvoisier-Terrier) (pode
denotar obstrução mecânica (cálculos ou neoplasias) do canal cístico ou colédoco (colestase

65
extra-hepática)); Esplenomegalia – (aumento do volume do baço), se a causa for doença
colestática crónica (cirrose biliar primária, colangite esclerosante, hipertensão portal); Nas
colestases benignas crónicas ocorre malabsorção das vitaminas A, D, E e K levando a défices
nutricionais, osteodistrofia, osteoporose, hipoprotrombinemia; Esteatorreia; O
desenvolvimento de insuficiência hepática é insidioso, ocorrendo cerca de 3-5 anos após o
início da icterícia, caracterizando-se por ascite, icterícia cada vez mais acentuada, edema dos
membros inferiores e hipoalbuminémia;

A intensidade do prurido vai aumentando assim como, as alterações da coagulação, pelo que
os doentes ficam cada vez mais dependentes da administração de vitamina K;Na fase terminal
ocorre encefalopatia hepática.

CIRROSE HEPÁTICA
Doença crónica do fígado; É consequência da evolução de diversas doenças hepáticas crónicas,
como hepatite B, C e D; alcoólica; medicamentes, entre outras. Inflamação difusa e fibrosa 
alterações estruturais drásticas  diminuição do funcionamento do fígado.

Evolução fisiopatológica: Infiltração gorda do fígado, a qual pode reverter se o factor causal for
travado ou anulado (álcool, obstrução biliar, …); Se o processo degenerativo continuar, vai
aparecer inflamação aguda (morte celular); Cirrose com destruição da função do fígado;
Obstrução da corrente sanguínea portal hepática. Três quartos do fígado podem ser
destruídos, antes de haver alteração da função fisiológica, ou seja, sem sintomatologia activa.

Etiologia: Alcoolismo: 15% dos alcoólicos desenvolvem cirrose de Laënnec, portal ou alcoólica;
Hepatotoxinas (doenças infecciosas: hepatites B, C, D); Obstrução biliar; Hepatite auto-imune;
Doenças metabólicas (hemocromatose hereditária; doença de Wilson, …); Doenças vasculares
(síndrome Rudd-Chiarl, …); Critpogénica – causa desconhecida.

Principais alterações: Funcionamento gastrointestinal alterado; Alteração do metabolismo dos


HC; Alteração do metabolismo proteico; Alteração do metabolismo das gorduras; Alteração na
desintoxicação das excreções endógenas e exógenas; Alterações no metabolismo de vitaminas
e minerais; Alteração do metabolismo da bilirrubina; Alteração dos mecanismos de defesa.

A distorção da estrutura hepática Origina obstrução da corrente sanguínea no sistema portal e


aumento da pressão venosa – hipertensão portal, o que resulta em problemas fisiopatológicos
adicionais: Retenção de líquidos – o aumento do nível de aldosterona provoca retenção de Na
e de H2O; Esplenomegalia; Hemostase vascular; Desenvolvimento de circulação colateral –
cárdia e esófago, periumbilicais e rectais.

Manifestações clínicas: Náuseas; Vómitos; Anorexia; Indigestão; Flatulência; Obstipação ou


diarreia; Perda de peso – pode estar camuflada pela retenção de líquidos; Subnutrição; Dor
abdominal – pode ser vaga e suave ou aguda e permanente. Pode localizar-se no QSdto ou no
baixo-ventre; Epistaxis; Mais tarde e gradualmente: Icterícia; Ascite; Edemas; Fadiga; Perda
sanguínea HD alta ou baixa; Epistaxis; Gengivorragias; Equimoses; Hematomas. Anemia; Febre;
Raciocínio lento; Alterações da consciência; Alteração dos caracteres sexuais:

66
No homem: ginecomastia, atrofia testicular, alteração na distribuição de pêlos púbicos; Na
mulher: alterações menstruais, desaparecimento de pêlos púbicos.

Complicações : Hipertensão portal;Varizes esofágicas;Coma hepático ou encefalopatia


portossistêmica; Ascite; Síndroma hepatorrenal; Síndrome hepatopulmonar.

Tratamento médico: Diminuição/eliminação de factores causais e prevenção de lesões


adicionais no fígado; Dieta cuidada e equilibrada. Apoio para controlo da ingestão de álcool.

A terapêutica é prescrita segundo os sintomas: Albumina se hipoalbuminémia; Anti-


histamínicos para o prurido; Diuréticos; Corticosteróides – suprimem a inflamação e reduzem a
formação de colagénio, melhoram o apetite e estimulam a síntese de albumina. Estão contra-
indicados se houver infecção, encefalopatia hepática ou HDA; Esteróides anabolizantes
androgênios – estimulam o anabolismo promovendo a regeneração hepática; Insulina e
glucagon – promovem a regeneração hepática; Analgésicos.

Hipertensão portal: a obstrução do sistema portal dificulta o fluxo venoso aumentando a


pressão venosa, retorno do fluxo ao baço e SGI e retenção de líquidos na cavidade peritoneal.
O retorno do fluxo provocará congestão dos órgãos e consequente esplenomegalia. Por sua
vez, a retenção de líquidos na cavidade peritoneal provocará ascite.

ASCITE
Acumulação de líquido na cavidade peritoneal; Distensão e macicez ao nível dos flancos; A
quantidade de líquidos vai aumentando: Maior tensão abdominal; Acentua-se a circulação
colateral periumbilical. Alterações da respiração: Pela compressão que a ascite exerce no
diafragma; Pela presença de derrame pleural.

Factores predisponentes: Hipertensão portal; Diminuição da síntese de albumina; Níveis


elevados de aldosterona.

VARIZES ESOFÁGICAS
São a complicação mais grave. A taxa de mortalidade é de 50%; Estas varizes podem
facilmente sofrer traumatismo: Mecânico durante a deglutição; Erosão provocada por RGE;
Esforços. A hemorragia pode exteriorizar-se como hematemese, geralmente abrupta e maciça,
e por melena; O choque pode instalar-se rapidamente.

Tratamento: Principal objectivo: prevenir o choque, travar e corrigir a perda sanguínea;


Doente é entubado com sonda de Sengstaken-Blakemore: Hemostase por compressão local;
Drenar cavidade gástrica; Proceder a lavagem gástrica (prevenção da encefalopatia).

Administração de: Vasopressina; Octreotídio/somatostatina. Escleroterapia endoscópica;


Cirurgia.

67
ALTERAÇÕES VASCULARES PERIFÉRICAS

PATOLOGIA ARTERIAL
A placa ateromatosa pode ocluir ou desprender-se e provocar um bloqueio arterial agudo. Os
pacientes apresentam um quadro de isquémia súbita: dor intensa e súbita; ausência de pulso,
parestesia; paralisia, palidez do membro

DOENÇA ARTERIOESCLERÓTIDA OBLITERANTE


HTA, diabetes, hiperlipidémia, hipercolesterolémia e tabagismo são os principais factores de
risco.

A ateroesclerose associada à arteroiesclerose provoca um distúrbio que envolve uma


diminuição progressiva, degenerescência e por fim oclusão. A sua incidência é sobretudo nas
artérias inferiores. Femural, poplítea e ilíaca.

Manifestações clínicas: isquémia, dor claudicante que ocorre com o exercício e regride em
repouso, cessa 1-2 minutos depois de parar o esforço, cessa com a força da gravidade, dor
distal ao local da oclusão. Dor em repouso significa evolução da doença.a isquémia prolongada
pode levar a necrose, ulceração e gangrena nas zonas distais do pé.; perda de pilosidade,
unhas espessas, quebradiças e crescimento lento; alteração da marcha;pele brilhante
descamativa, distendida, frágil, fria, pálida

EMBOLIA ARTERIAL
Pequenos êmbolos resultantes de patologia cardíaca que se difundem na circulação sistémica
e alojam-se frequentemente na bifurcação de algumas artérias (abdominal descendente,
poplítea, femural)

Manifestações clínicas: dor aguda abrupta no local da oclusão; diminuição da força muscular
na área periférica à obstrução; pulsos distais ausentes; pele fria e pálida

Tratamento: actuar sobre os factores de risco; prevenir lesões, aconselhar roupas adequadas à
estação do ano; ensinar medidas de saúde que promovam a perfusão tecidular (exercícios de
buerguer); repouso no leito; vasodilatadores; fibrinolíticos; anti-coagulantes; cirurgia.

68