Você está na página 1de 3

Natureza empresarial da atividade econômica

O direito empresarial é definível como o sistema jurídico-normativo dos atos de empresa e empresário.
Abrange um conjunto variado de matérias, incluindo as obrigações dos empresários, as sociedades
empresárias, os contratos comércio, a propriedade intelectual, entre outras.

É um ramo de direito privado. No essencial, o direito privado, rege as relações entre particulares.

Evolução histórica do direito empresarial, desde a antiguidade até os dias atuais apresenta quatro fases:

1. Mercados e trocas;

2. Mercantilismo e colonização;

3. Liberalismo econômico;

4. Direito de Empresa.

Importante a transição da Teoria dos Atos de Comércio que considerava comerciante aquele que exercia a mercancia e
a Teoria da Empresa que considera empresário aquele que exerce a atividade econômica empresarial organizada, ou
seja, a produção ou circulação de bens e serviços no mercado de consumo.

Sob a vigência da Teoria da Empresa, portanto, nada mais correto do que designar o seu sujeito como empresário; a
atividade por ele explorada como empresa; o conjunto de bens por ele organizado para exploração de sua atividade
como estabelecimento empresarial; e o ramo do Direito Privado composto por normas a ele destinadas como Direito
Empresarial.

Para a Teoria da Empresa, a identificação do sujeito das normas do Direito Comercial não se dá mais em razão da
atividade por ele explorada, tal como era na vigência da Teoria dos Atos de Comércio, mas sim em razão da forma como
o sujeito explora a sua atividade.

Desse modo, será considerado empresário, ou seja, sujeito das normas do Direito Comercial aquele que exercer
profissionalmente uma atividade econômica organizada para a produção ou circulação de bens ou serviços (art. n°. 966
do CC). Note-se que, para a Teoria da Empresa, pouco importa a atividade explorada pelo sujeito, podendo ser tanto a
produção ou circulação de bens como a de serviços. O que caracterizará o empresário é a forma pela qual ele explora
essa atividade. Assim, se o sujeito atuar com profissionalismo, visando ao lucro (atividade econômica) e organizando os
fatores de produção (atividade organizada), será considerado um empresário, submetendo-se a certas normas que
somente a ele serão aplicadas, como a Lei de Falência e Recuperação de Empresas.
Empresário.

Empresário é o sujeito de direito (pessoa física ou jurídica) que exerce a atividade empresária; é o que se extrai da
leitura do art. 966 do Código Civil:

“Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou
a circulação de bens ou de serviços.”

O art. 966 trata das duas classificações de empresário, o individual e o coletivo:

 Individual: é a pessoa física


 Coletivo: é a pessoa jurídica, também chamada de sociedade empresária.
 O Empresário Individual possui CNPJ apenas para ter o mesmo tratamento tributário que uma pessoa jurídica.
 O Sócio de sociedade empresária, a princípio, não é empresário, mas sim a Sociedade, a menos que ele
individualmente exerça outra atividade empresária.

Para caracterizar-se como empresário (individual ou coletivo) faz-se necessário o exercício da atividade nos termos do
art. 966, ou seja, que a exerça “profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou circulação de
bens ou serviços”.

Vamos entender cada uma dessas características:

 Profissionalidade: é a habitualidade no exercício da atividade.


 Atividade econômica: visa o lucro
 Organização: é a reunião dos fatores de produção:
 Mão-de-obra;
 Matéria-prima;
 Capital;
 Tecnologia.
 Produção de bens ou serviços:
 Ex. de Produção de bens: Fábrica de móveis.
 Ex. de Produção de serviços: Banco.
 Circulação de bens ou serviços:
 Ex. de circulação de bens: farmácia (compra remédios e revende).
 Ex. de circulação de serviços: agência de turismo (circulação de transporte aéreo, de hospedagem de outras
empresas).

Não Empresário.

Não se considera Empresário aquele que nos termos do parágrafo único do art. 966, exerce atividade intelectual, é o
denominado profissional liberal (pessoa física) ou Sociedade simples (pessoa jurídica).

“Parágrafo único. Não se considera empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza científica, literária ou
artística, ainda com o concurso de auxiliares ou colaboradores, salvo se o exercício da profissão constituir elemento de
empresa.”

 Profissões intelectuais:
 Científica: ex. médico, contador, advogado (exploram as ciências médicas, contábeis, jurídicas, respectivamente)
 Literária: ex. escritor, jornalista.
 Artística: ex. pintor, cantor, ator.

Ainda segundo o parágrafo único do art. 966, a contratação de funcionários, auxiliares ou colaboradores só caracterizará
a sociedade como empresária se o exercício da profissão (científica, literária ou artística) constituir/tornar-se elemento
de empresa.
 Elemento de empresa - contratação/fornecimento de outros serviços alheios à atividade não-empresarial.
Ex. Uma Clinica médica que possuí uma cafeteria, UTI, aluga suas salas, fornece plano de saúde, tem farmácia
própria, etc. Nesse contexto, a atividade médica tronou-se apenas mais um componente/elemento do conjunto
que formam a empresa.