Você está na página 1de 6

Reino Monera

O reino monera é composto pelas bactérias e cianobactérias (algas azuis). Elas podem viver em diversos
locais, como na água, ar, solo, dentro de animais e plantas, ou ainda, como parasitas.

As bactérias

A maioria se seus representantes são heterótrofos (não conseguem produzir seu próprio alimento), mas
existem também algumas bactérias autótrofas (produzem sem alimento, via fotossíntese por exemplo).

Existem bactérias aeróbias, ou seja, que precisam de oxigênio para viver, as anaeróbias obrigatórias, que
não conseguem viver em presença do oxigênio, e as anaeróbias facultativas, que podem viver tanto em
ambientes oxigenados ou não.

As formas físicas das bactérias podem ser de quatro tipos: cocos, bacilos, vibriões, e espirilos. Os cocos,
podem se agrupar, e formarem colônias. Grupos de dois cocos formam um diplococo, enfileirados formam um
estreptococos, e em cachos, formam um estafilococo.

Por serem os seres vivos mais primitivos da Terra, eles também são os que estão em maior número. Por
exemplo, em um grama de solo fértil pode haver 2,5 bilhões de bactérias, 400 mil fungos, 50 mil algas e 30 mil
protozoários.

Estrutura celular

As bactérias não tem núcleo organizado, elas são procariontes, ou seja, o DNA fica espalhado no citoplasma,
não possuem um núcleo verdadeiro .Para se locomoverem, as bactérias contam com os flagelos, que são
pequenos cílios que ficam se mexendo, fazendo a bactéria se mover.
Reprodução

A reprodução das bactérias ocorre de forma assexuada, feita por bipartição (divisão binária, ou cissiparidade),
onde a célula bacteriana cresce, têm seu material genético duplicado, e então, a célula se divide, dando origem
a outra bactéria, geneticamente igual à outra.

A importância das bactérias

As bactérias também têm sua importância no meio ambiente, assim como qualquer ser vivo.

- Decomposição: atuam na reciclagem da matéria, devolvendo ao ambiente moléculas e elementos químicos


reutilizáveis por outros seres vivos.
- Fermentação: algumas bactérias são utilizadas nas indústrias para produzir iogurte, queijo, etc (derivados do
leite)
- Indústria farmacêutica: na fabricação de antibióticos e vitaminas
- Indústria química: na produção de alcoois, como metanol, etanol, etc;
- Genética: com a alteração de seu DNA, pode-se fazer produtos de interesse dos seres humanos, como
insulina
- Fixação do Nitrogênio: retiram o nitrogênio do ar e o fixa no solo, servindo de alimentação

Reino Fungi (Fungos, cogumelos)

No reino fungi é onde ficam os fungos, eucariontes, heterótrofos. Os representantes mais conhecidos são o
bolor de pão, mofo, orelha de pau, leveduras e o cogumelo. São estudados pela Micologia.
Estrutura
Os fungos são compostos por Hifas, que são filamentos de células que formam uma rede, chamada de
micélio. Este, se extende até o alimento, e realiza a absorção de seus nutrientes.

Alimentação
Os fungos não possuem clorofila, como nas plantas, por isso não podem realizar fotossíntese, e
consequentemente, não produzem seu próprio alimento. Eles soltam ao seu redor uma substância chamada
exoenzima, que é praticamente igual à uma enzima digestiva. Essas enzimas digerem moléculas orgânicas do
ambiente, e então o fungo absorve o seu alimento que foi digerido pelas exoenzimas.

Existem dois nichos ecológicos para os fungos: decompositores e parasitas. A diferença entre os dois é que
os parasitas se fixam em organismos vivos, enquanto os decompositores se fixam em organismos mortos.

Reprodução Assexuada
Fragmentação: um micélio se fragmenta originando novos micélios.
Esporulação: Nos fungos terrestres, os corpos de frutificação produzem um esporo conhecido ao cair em um
material apropriado, é capaz de gerar sozinha um novo mofo, bolor etc.

Reino Protista

O reino protista é o táxon onde estão compreendidos os protozoários, unicelulares eucariontes e as algas,
seres vivos aquáticos e autotróficos, ou seja, que produzem a energia necessária ao seu metabolismo através
da fotossíntese. A maior parte das espécies de algas são unicelulares.

A locomoção desses micro-organismos no meio aquático é feita através do batimento de cílios os (Ciliados) ou
batimento de flagelos nos (Flagelados) que são estruturas mais adaptadas para a natação; outros protozoários
os (Rizópodos) rastejam com movimento amebóide um tipo de locomoção onde os micro-organismos vão
mudando a forma do seu corpo pela emissão de pseudópodes (do grego, "pseudo", em português falso ou
falsos) e (do grego "podo", em português pé ou pés) portanto literalmente "pseudópodos" significam "falsos
pés";

A maioria dos protozoários são de vida livre e aquática podendo ser encontrados na água doce, salobra ou
água salgada, levam vida livre também em lugares úmidos rastejando pelo solo ou sobre matéria orgânica em
decomposição no entanto algumas espécies levam vida parasitária nos organismos de diversos hospedeiros e
assim passam a maior parte da vida parasitando diversas espécies de seres vivos e dessa forma lhes causando
muitas doenças. A reprodução dos protozoários geralmente é assexual acontecendo por divisão múltipla onde o
microorganismo apenas se divide em cópias dele mesmo, alguns produzem esporos para se disseminarem pelo
ambiente, às vezes alguns também apresentam reprodução sexual havendo nítida troca de material genético
entre um micro-organismo e outro.

Exemplo de doenças causadas por protozoários:

A leishmaniose, também conhecida como úlcera de Bauru, é uma doença causada por um flagelado, o
Leishmania brasiliensis. É transmitida pela picada de mosquitos contaminados e causa feridas na pele e nas
mucosas.

O Tripanosoma cruzi, outro flagelado, provoca a doença de Chagas. A forma mais comum de contaminação
ocorre quando percevejos (barbeiros) contaminados liberam os protozoários em suas fezes e, através da ferida
provocada pela picada, estes penetram na corrente sanguínea humana. A doença provoca lesões em diversos
órgãos, inclusive no coração, podendo levar à morte por insuficiência cardíaca.

Outras doenças causadas por flagelados são a giardíase e a tricomoníase. A primeira causa fortes diarréias e
lesões intestinais, enquanto a segunda provoca infecções na uretra e na vagina.

Vírus

Introdução

A palavra vírus é originária do latim e significa toxina ou veneno. O vírus é um organismo


biológico com grande capacidade de multiplicação, utilizando para isso a estrutura de uma
célula hospedeira. É um agente capaz de causar doenças em animais e vegetais.

Estrutura de um vírus
Ele é formado por um capsídeo de proteínas que envolve o ácido nucléico, que pode ser RNA
(ácido ribonucléico) ou DNA (ácido desoxirribonucléico). Em alguns tipos de vírus, esta
estrutura é envolvida por uma capa lipídica com diversos tipos de proteínas.

Vida
Um vírus sempre precisa de uma célula para poder replicar seu material genético, produzindo
cópias da matriz. Portanto, ele possui uma grande capacidade de destruir uma célula, pois
utiliza toda a estrutura da mesma para seu processo de reprodução. Podem infectar células
eucarióticas (de animais, fungos, vegetais) e procarióticas (de bactérias).

Classificação
A classificação dos vírus ocorre de acordo com o tipo de ácido nucléico que possuem, as
características do sistema que os envolvem e os tipos de células que infectam. De acordo com
este sistema de classificação, existem aproximadamente, trinta grupos de vírus.

Ciclo Reprodutivo
São quatro as fases do ciclo de vida de um vírus:
1. Entrada do vírus na célula: ocorre a absorção e fixação do vírus na superfície celular e logo
em seguida a penetração através da membrana celular.
2. Eclipse: um tempo depois da penetração, o vírus fica adormecido e não mostra sinais de sua
presença ou atividade.
3. Multiplicação: ocorre a replicação do ácido nucléico e as sínteses das proteínas do
capsídeo. Os ácidos nucléicos e as proteínas sintetizadas se desenvolvem com rapidez,
produzindo novas partículas de vírus.
4. Liberação: as novas partículas de vírus saem para infectar novas células sadias.

Curiosidades:
- Exemplos de doenças humanas provocadas por vírus: hepatite, sarampo, caxumba, gripe,
dengue, poliomielite, febre amarela, varíola, AIDS e catapora.
- Os antibióticos não servem para combater os vírus. Alguns tipos de remédios servem apenas
para tratar os sintomas das infecções virais. As vacinas são utilizadas como método de
prevenção, pois estimulam o sistema imunológico das pessoas a produzirem anticorpos contra
determinados tipos de vírus

Exercícios

01) Por que os fungos não devem ser classificados como vegetais ?

02) Dê exemplo de alguns benefícios que os fungos trazem para os seres humanos.

03) Dê exemplo de alguns prejuízos que os fungos trazem para os seres humanos.

04) Qual a estrutura do corpo de um fungo pluricelular ?

05) Quais as características dos organismos do Reino Fungi ?

06) De acordo com a sua reprodução, como se classificam os fungos ? Dê exemplo de cada grupo

07) (PUC-SP) Sobre os liquens, pode-se afirmar que eles são resultantes de uma associação biológica.
Pergunta-se:

a) Como é denominada essa associação?


b) Que tipos de organismos formam um líquen?
c) Qual a vantagem dessa associação para esses organismos?
08) Caracterize as “ micorrizas”.

09) Entende-se por “ micélio”

( ) Um conjunto de hifas emaranhadas

( ) O corpo de frutificação dos fungos

( ) processo de união sexual das hifas


10) Em relação a morfologia, as bactérias com formas esféricas, de bastão, em cacho de uva e em colar
denominam-se, respectivamente:

a) cocos, bacilos, estafilococos, estreptococos.


b) bacilos, cocos estafilococos, estreptococos.
c) cocos, bacilos,
estreptococos, estafilococos.
d) bacilos, cocos, estreptococos, estafilococos.
e) estreptococos, estafilococos, bacilos, cocos.

11.(FCMS-SP) O principal tipo de reprodução das bactérias é:

a) a harmogogia.
b) o brotamento.
c) a cissipariedade.
d) a segmentação.
e) a isogamia.

12.(PUC-RJ) Muitas doenças humanas são produzidas por vírus. Marque da relação seguinte a única de origem
bacteriana:

a) gripe
b) caxumba
c) tétano
d) sarampo
e) varíola

Você também pode gostar