Você está na página 1de 4

Correção do Fator de Potência

O fator de potência é relacionado às perdas de transmissão de energia.


Geralmente é desejável que o sistema elétrico tenha um alto fator de potência
para melhorar a regulação de tensão da carga.
O excedente reativo na rede produz perdas desnecessárias e aumenta o custo
do próprio sistema, pois existe a necessidade da instalação de condutores com
bitola superior e, em consequência, a estrutura física deve ser reforçada. Além
disso a legislação permite às concessionárias a cobrarem do consumidor
pesadas multas devidas ao reativo excessivo.
O fator de potência é um fenômeno produzido pelas cargas que possuem
indutâncias (todas aquelas que possuem enrolamentos, tais como,
transformadores, motores, reatores de lâmpadas fluorescentes, etc.).
A energia reativa ocorre pelo atraso da corrente em relação à tensão no
equipamento, e não produz trabalho útil. Este fenômeno sobrecarrega a
instalação por aumento do fluxo de corrente elétrica que acaba não sendo bem
aproveitada.

O fator de potência pode ser classificado como:


 – Indutivo: quando a instalação elétrica absorve a energia reativa;

 – Capacitivo: quando a instalação elétrica fornece a energia reativa.

Um fator de potência medido em uma instalação que esteja abaixo de 0,92 não
está atendendo a legislação vigente e deve ser corrigido para evitar o pagamento
de multas, além de indicar que a energia elétrica que é consumida está sendo
mal aproveitada.

Problemas Decorrentes de um Fator De Potência Baixo

 – Acréscimo devido ao excedente reativo na fatura de energia elétrica;

 – Perdas elevadas nas instalações elétricas internas;

 – Aproveitamento da capacidade de grandes transformadores reduzida;

 – Redução da vida útil dos equipamentos;

 – Queda ou variação de tensão nas instalações (Oscilações);

 – Aumento da temperatura dos condutores devido ao efeito joule;


Critérios utilizados:

Resolução ANEEL nº 414/2010

Art. 76. O fator de potência da unidade consumidora, para fins de cobrança, deve
ser verificado pela distribuidora por meio de medição permanente, de forma
obrigatória para o grupo A.

Parágrafo único. As unidades consumidoras do grupo B não podem ser cobradas


pelo excedente de reativos devido ao baixo fator de potência.

Do Fator de Potência e do Reativo Excedente

(Redação do artigo dada pela Resolução Normativa ANEEL Nº 569 DE


23/07/2013, efeitos a partir de 13/09/2013):

Art. 95. O fator de potência de referência “fR”, indutivo ou capacitivo, tem como
limite mínimo permitido, para as unidades consumidoras do grupo A, o valor de
0,92.

Parágrafo único. Aos montantes de energia elétrica e demanda de potência


reativos que excederem o limite permitido, aplicam-se as cobranças
estabelecidas nos arts. 96 e 97, a serem adicionadas ao faturamento regular de
unidades consumidoras do grupo A, incluídas aquelas que optarem por
faturamento com aplicação da tarifa do grupo B nos termos do art. 100.

Art. 96. Para unidade consumidora que possua equipamento de medição


apropriado, incluída aquela cujo titular tenha celebrado o CUSD, os valores
correspondentes à energia elétrica e demanda de potência reativas excedentes
são apurados conforme as seguintes equações:

(Redação dada pela Resolução Normativa ANEEL nº 418, de 23.11.2010, DOU


01.12.2010 )

Onde:

ERE = valor correspondente à energia elétrica reativa excedente à quantidade


permitida pelo fator de potência de referência “fR”, no período de faturamento,
em Reais (R$);

EEAMT = montante de energia elétrica ativa medida em cada intervalo “T” de 1


(uma) hora, durante o período de faturamento, em megawatt-hora (MWh);

fR = fator de potência de referência igual a 0,92;


Memória de Cálculo Utilizado:

Cálculo da Correção do Fator de Potência

Fator de potência atual (FPA)= 0,80;


Potência ativa consumida (PA)= 1000kW;
Fator de potência desejado (FPD)= 0,92;
Fator (vide tabela acima) (F)= 0,324;
kvar = PA x F = 1000 x 0,324=324 kVAr

Para se calcular o valor da potência reativa necessária para elevar o fator de


potência ao valor desejado através de contas de energia elétrica (recomenda -
se realizar a média dos últimos doze meses, no mínimo (1)), utiliza - se os valores
de fator de potência atual e potência ativa consumida das contas e o fator
encontrado na tabela acima.
Situação Global Star;

Fator de potência atual (FPA)= 0,80;


Potência ativa consumida (PA)= 55 kW;
Fator de potência desejado (FPD)= 0,92;
Fator (vide tabela acima) (F)= 0,421;
kvar = PA x F = 55 x 0,421=324 kVAr
kvar = 23,15

Portanto, para a correção do fator de potência ideal para o BCP-2 será


necessário de 02 módulos de 15 KVAr no total de 30 KVAr:

02- Banco de capacitores de 15 KVAr;


02- Contatores para capacitores de 15KVAr;
01- Interligação elétrica e dispositivos de proteção (fusíveis);

Fonte de Consulta:
http://ecatalog.weg.net/files/wegnet/WEG-correcao-do-fator-de-potencia-958-manual-
portugues-br.pdf
WEG-correcao-do-fator-de-potencia-958-manual-portugues-br
KASSIK, Dr. Enio Valmor, Harmônicas em Sistemas Industriais de Baixa Tensão - INEP - Instituto
de Eletrônica de Potência
http://www2.aneel.gov.br/aplicacoes/audiencia/arquivo/2012/065/resultado/ren2013569.pdf