Você está na página 1de 36

1.

A cultura: aspectos socioeconômicos, 9


2. Botânica e fenologia, 35
3. Exigências edafoclimáticas e ecofisiologia, 52
4. Preparo do solo e plantio, 70
5. Correção da acidez, adubação e fixação biológica, 89
6. Cultivares, 113
7. Manejo de doenças, 143
8. Manejo de pragas, 171
9. Manejo de plantas daninhas, 204
10. Manejo da irrigação, 224
11. Colheita, 244
A cultura: aspectos socioeconômicos 9

Francisco Rodrigues Freire Filho1, Valdenir Queiroz Ribeiro2


João Elias Lopes Fernandes Rodrigues1 e Paulo Fernando de Melo Jorge Vieira3

O feijão-caupi é uma planta de origem africana, que foi


introduzida no Brasil pelos colonizadores portugueses, associado ao
tráfico de escravos. Sua introdução ocorreu pelo Estado da Bahia na
segunda metade do século XVI (FREIRE FILHO, 1988). Barracloug
(1995), reforçando essa afirmação, relata que desde a fundação da
Bahia como Capital Administrativa do Brasil, em 1549, havia intenso
comércio com o oeste da África, na faixa que ia de Guiné à Angola.
Gandavo (2002) menciona que, em 1568, já tinha a indicação da
existência de muitos feijões no Brasil. Em 1587, grande variedade de
feijões e favas era cultivada na Bahia (SOUZA, 1974). A partir da
Bahia, o feijão-caupi disseminou-se pelo país acompanhando a
colonização. Dias (2008) relata que, em 1697, já havia cultivo desse
feijão no Estado do Piauí. O padre jesuíta, português, João Daniel, que
viveu por muitos anos na Amazônia, parte desse tempo no Estado do
Pará, no período de 1758 a 1776, escreveu várias crônicas sobre a vida,
experiências e riquezas da Amazônia. Em uma dessas crônicas descreve
um feijão cultivado na região e afirma “os que mais se usam são os

1
Engenheiro-Agrônomo, D.S. – Embrapa Amazônia Oriental.
E-mail: francisco.freire-filho@embrapa.br; joao.rodrigues@embrapa.br
2
Engenheiro-Agrônomo, M.S. – Embrapa Meio-Norte.
E-mail: valdenir.queiroz@embrapa.br
3
Engenheiro-Agrônomo, D.S. – Embrapa Meio-Norte.
E-mail: paulofernando.vieira@embrapa.br
10 Freire Filho, Ribeiro, Rodrigues e Vieira

fradinhos” (DANIEL, 2004). Sabe-se, porém, que o feijão chamado de


fradinho, tanto em Portugal quanto no Brasil, é o feijão-caupi.
Filgueiras et al. (2009) menciona que as evidências são de que o feijão-
caupi foi introduzido na Amazônia no século XVIII por imigrantes
nordestinos que vieram para a região, a fim de trabalhar na extração do
látex, produção da borracha e, posteriormente, no garimpo. Portanto, o
feijão-caupi faz parte da dieta do brasileiro há vários séculos. Constitui
um alimento proteico e energético, que tem importante papel na
segurança alimentar e nutricional, não só dos nordestinos e nortistas,
mas também de grande parte da população brasileira. Além disso, é um
importante gerador de postos de ocupação econômica e de trabalho
formal, estimulando a economia e suprindo uma cadeia produtivo-
comercial que se estende desde o agricultor familiar ao empresarial,
passando por diversos setores da área do comércio até o consumidor da
zona rural, das pequenas cidades e dos grandes centros urbanos do país.
O feijão-caupi, antes com cultivo restrito, praticamente, às
Regiões Nordeste e Norte, praticado por pequenos e médios produtores,
geralmente de base familiar, com pouco uso de tecnologia, há pelo
menos 10 anos tem seu cultivo em franca expansão para outras regiões
do país. Essa expansão ocorre, principalmente, para as áreas de cerrado
das Regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste, onde é cultivado
na forma de safrinha por médios e grandes produtores, de base
empresarial, com o uso da mesma tecnologia empregada no cultivo da
soja. Esse tipo de cultivo possibilita uma produção em larga escala, com
alta qualidade e regularidade, aspectos indispensáveis para alimentar a
cadeia comercial do produto. Com isso, o feijão-caupi vem sendo
ofertado em maior quantidade nas Regiões Nordeste e Norte e
alcançando mercados em outras regiões do país, principalmente
Sudeste e Centro-Oeste, e também no exterior.
O feijão-caupi é uma cultura muito importante não só no Brasil,
que é o quarto maior produtor mundial, mas em inúmeros países,
especialmente no continente africano. Nos últimos anos tem tido
grandes avanços no contexto nacional e, principalmente, no
internacional, com o aumento da produção e a ampliação de mercado.
No Brasil, entretanto, há uma carência no que se refere à
disponibilização do conhecimento acumulado sobre a cultura e à
transferência de tecnologia.
12 Freire Filho, Ribeiro, Rodrigues e Vieira

Com a disseminação do feijão-caupi para diferentes regiões do


país e também devido à existência de vários tipos de grãos e de plantas,
esta leguminosa recebeu vários nomes populares que, por vezes,
confundem as pessoas. Alguns dos nomes mais usados são: feijão-
macássa, feijão-macassar e feijão-de-corda, na Região Nordeste; feijão
de praia, feijão da colônia e feijão da estrada, na Região Norte; e feijão
miúdo, na Região Sul (FREIRE FILHO et al., 1983). Na Região Norte,
há ainda um tipo de grão de cor creme, muito pequeno, de grande
importância na culinária local, o qual é chamado de Manteiguinha. Em
algumas regiões do Estado da Bahia e Norte de Minas Gerais, o feijão-
caupi é também denominado feijão-gurutuba e feijão-catador. Há ainda
o antigo fradinho, referido por Daniel (2004), cujo grão possui o
tegumento branco e com grande halo preto. É muito cultivado e
consumido nos Estados de Sergipe, Bahia e Rio de Janeiro. O fradinho
é utilizado para o preparo do acarajé, uma comida de origem africana,
muito apreciada na Nigéria, onde é chamada de “akara” que se tornou
típica do Estado da Bahia, hoje conhecida em todo o Brasil.

No Brasil, são cultivadas várias espécies de feijão, contudo o


Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), para fins de
regulamentação técnica, considera feijão somente as espécies Phaseolus
vulgaris L., o feijão-comum, e Vigna unguiculata (L.) Walp., o feijão-
caupi (BRASIL, 2008). O cultivo do feijão-caupi concentra-se nas Regiões
Nordeste, Norte e, desde 2006, expande-se para a Região Centro-Oeste. O
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), infelizmente,
disponibiliza os dados de feijão-comum e feijão-caupi juntos, de modo que
não se sabe ao certo o quanto o Brasil produz de feijão-comum e de feijão-
caupi. Há estados nas Regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste
onde são cultivadas as duas espécies, em alguns casos na mesma
propriedade. Desse modo, as estimativas da participação do feijão-caupi na
área cultivada e na produção desses dois feijões, nos Estados, são feitas a
partir de informações obtidas com extensionistas, pesquisadores,
produtores de grãos, produtores de sementes, comerciantes e empresas de
assistência técnica. Com base nesse percentual e nos dados das duas
A cultura: aspectos socioeconômicos 13

culturas fornecidos pelo Levantamento Sistemático da Produção Agrícola


(LSPA-IBGE) (Levantamento... 2006-2015) foram estimadas a área
cultivada, produção e produtividade da cultura.
Nesse estudo, para o cálculo das estimativas da área colhida,
produção e produtividade do feijão-caupi, foram utilizados os índices
apresentados por Freire Filho et al. (2011), com a atualização dos
índices do Estado de Mato Grosso. Nesse Estado, para área, o índice
passou de 0,06% de 2005 a 2007 para 0,75% de 2007 a 2014 e para a
produção, nos mesmos períodos, passaram de 0,04% para 0,65%
respectivamente. Avaliando-se as estimativas da área cultivada,
produção e produtividade 2005-2009 e 2010-2014, constata-se que há
tendência de queda na área cultivada e na produção nas Regiões Norte
e Nordeste, mostrada tanto pelos dados de feijão-caupi + feijão-comum
quanto pelos dados de feijão-caupi isoladamente. Verifica-se tendência
de crescimento da área cultivada e da produção na região Centro-Oeste
(Tabela 1.1). Essa tendência de queda se confirma nacionalmente com
a diminuição da participação das Regiões Norte e Nordeste na área
cultivada e na produção de feijão (feijão-caupi + feijão-comum) do país.
A queda na produção das Regiões Norte e Nordeste decorre de
vários fatores, mas se sobressaem três. Um desses fatores são os anos de
chuvas escassas na Região Nordeste e partes da Região Norte, que
prejudicam as lavouras, comprometendo a produção e a produtividade, a
qual, historicamente, é relativamente baixa. Essas dificuldades muito
provavelmente levam os produtores a reduzir as áreas de plantio e,
consequentemente, a produção. Outro fator é a pressão do feijão-caupi
produzido na Região Centro-Oeste, principalmente em Mato Grosso, o
qual, em sua maior parte, é dirigido ao mercado das Regiões Norte e
Nordeste. Esse feijão-caupi é cultivado em larga escala, portanto, é
produzido em quantidade, com boa qualidade e com baixo custo de
produção. Tem sido ofertado aos compradores das Regiões Norte e
Nordeste com regularidade, a um preço altamente competitivo. Isso reduz
o poder de competição do produto local e, consequentemente, dificulta sua
colocação no mercado. As Figuras 1.1 e 1.2 mostram que, à medida que
ocorrem aumentos na área plantada e na produção na Região Centro-Oeste,
há diminuição nas Regiões Norte e Nordeste. Outro fator a ser considerado
é o nível de produtividade obtido na Região Centro-Oeste, o qual é superior
ao do Brasil e do Nordeste e está se consolidando também como superior
ao da Região Norte (Figura 1.3).
14 Freire Filho, Ribeiro, Rodrigues e Vieira 14
Tabela 1.1 - Estimativa da área, produção e produtividade com feijão-caupi no Brasil, no período de 2005 a 2014(1)
Região/ Safra Média do período 2005-2009 Média do período 2010-2014
Estado Área Área Produtividade Área Produção Produtividade
(ha) (t) (kg/ha) (ha) (t) (kg/ha)
Norte
Rondônia 1ª 1.905 1.222 641 1.339 793 642
Acre 2ª 1.084 551 519 1.063 572 539
Amazonas 2ª 3.715 3.580 952 4.319 3.832 880
Roraima 2ª 1.490 991 731 2.924 1.978 678
Pará 2ª 38.608 33.847 852 23.673 18.506 781
Amapá 2ª 1.509 1.029 717 1.311 1.144 877
Tocantins 1ª 4.575 2.837 661 2.532 1.913 756
2ª 1.453 1.709 1.041 3.476 4.305 1.192
Feijão-caupi 54.339 45.766 837 40.636 33.043 810
Feijão-caupi+feijão-
comum 162.444 118.409 727 131.022 95.012 728
Feijão-caupi (%) 33 39 115 31 35 113

Nordeste
Maranhão 1ª 38.226 14.281 379 37.737 14.666 387
2ª 50.002 24.570 509 50.527 26.270 517
Continua...
Freire Filho, Ribeiro, Rodrigues e Vieira
A cultura: aspectos socioeconômicos 15
Tabela 1.1 - Cont.
Região/ Safra Média do período 2005-2009 Média do período 2010-2014
Estado Área Área Produtividade Área Produção Produtividade
(ha) (t) (kg/ha) (ha) (t) (kg/ha)
Nordeste
Piauí 1ª 223.549 51.225 232 197.220 44.536 219
2ª 6.906 4.865 644 5.049 2.856 559
Ceará 1ª 536.626 158.910 304 407.158 98.143 229
2ª 13.388 12.744 958 9.504 8.922 941
A cultura: aspectos socioeconômicos

Rio Grande do Norte 1ª 60.589 24.572 410 26.829 11.878 401


2ª 1.334 908 695 1.066 782 759
Paraíba 2ª 111.375 36.496 332 38.919 7.926 227
Pernambuco 1ª 140.783 39.923 278 116.565 43.346 307
2ª 28.024 14.357 519 11.632 4.489 435
Alagoas 2ª 9.112 4.458 486 3.844 1.475 375
Sergipe 2ª 2.593 1.494 548 1.455 867 593
Bahia 1ª 83.478 37.682 427 76.973 28.985 366
Feijão-caupi 1.305.986 422.919 328 980.669 310.314 303
Feijão-caupi + feijão-comum 2.113.860 922.016 435 1.490.938 591.834 388
Feijão-caupi (%) 62 46 75 66 52 78
Continua...
15
16 Freire Filho, Ribeiro, Rodrigues e Vieira 16
Tabela 1.1 - Cont.
Região/ Safra Média do período 2005-2009 Média do período 2010-2014
Estado Área Área Produtividade Área Produção Produtividade
(ha) (t) (kg/ha) (ha) (t) (kg/ha)
Centro-Oeste
Mato Grosso do Sul 2ª 1.056 778 737 1.062 983 926
Mato Grosso 2ª 36.804 37.561 1.021 108.565 106.668 983
Feijão-caupi 37.860 38.339 1.013 109.627 107.652 982
Feijão-caupi + feijão-comum 216.109 376.265 1.741 344.449 612.538 1.778
Feijão-caupi (%) 18 10 58 32 18 55
Brasil
Feijão-caupi 1.398.185 499.357 357 1.130.931 451.010 399
Feijão-comum + feijão-caupi 3.886.666 3.146.045 809 3.192.258 3.178.841 996
Feijão-caupi (%) 36 16 44 35 14 40
Freire Filho, Ribeiro, Rodrigues e Vieira
A cultura: aspectos socioeconômicos 17

Figura 1.1 - Curvas da área cultivada com o feijão-caupi nas Regiões


Norte, Nordeste, Centro-Oeste e no Brasil.
Fonte: LSPA, 2006-2015.

Figura 1.2 - Curvas da produção do feijão-caupi nas Regiões Norte,


Nordeste, Centro-Oeste e no Brasil.
Fonte: LSPA, 2006-2015.
18 Freire Filho, Ribeiro, Rodrigues e Vieira

Figura 1.3 - Curvas da produtividade do feijão-caupi nas Regiões Norte,


Nordeste, Centro-Oeste e no Brasil.
Fonte: LSPA, 2006-2015.

Essa situação merece uma avaliação mais aprofundada, uma vez


que as evidências são de que o espaço deixado pela falta de oferta de feijão-
caupi em quantidade, com qualidade e com regularidade pelos produtores
das Regiões Norte e Nordeste, está sendo ocupado não só pelo feijão-caupi
procedente do Centro-Oeste mas pelo feijão-comum vindo de outras áreas
do Nordeste e de outras regiões do país. Essa situação tende-se a ampliar,
pois em outras regiões do país são cultivadas, com alta tecnologia, até três
safras de feijão-comum, enquanto nas Regiões Norte e Nordeste é
cultivada apenas uma safra de feijão-caupi, na maioria dos casos, com
tecnologia muito aquém da utilizada na produção do feijão-comum e,
consequentemente, com níveis de produtividade mais baixos.
A cultura do feijão-caupi no Brasil, portanto, passa por um
momento de rearranjo. Enquanto a área e a produção estão decrescendo
nas regiões tradicionais, estas decrescem nas novas regiões produtoras.
Contudo, vale ressaltar que a produção em quantidade, com qualidade e
com regularidade das novas regiões produtoras está possibilitando a
valorização da cultura, a expansão do seu cultivo para outras regiões do
país e a abertura de novos mercados no país e no exterior.
A Food and Agricultural Organization (FAO) apresenta dados
de área cultivada, produção e produtividade de feijão-caupi de 38 países
A cultura: aspectos socioeconômicos 19

(FAOSTAT, 2015). Na Tabela 1.2 é apresentada a relação dos 15


maiores países produtores de feijão-caupi. Constata-se que a grande
produção ocorre no continente africano, sendo Nigéria, Níger e Burkina
Faso os maiores produtores. No continente americano, o Brasil é o
maior produtor e, no asiático, o Myanmar. Na média do período de 2005
a 2013, embora as produções do Brasil e Burkina Faso sejam muito
próximas, o Brasil, que ocupava o terceiro lugar, nos últimos dois
passou a conquistar o quarto lugar. No que se refere à produtividade,
merecem destaque Uganda e Myanmar, com as maiores entre os 15
países. É importante ressaltar que esses 15 países respondem por
98,83% da área cultivada, 97,66% da produção mundial de feijão-caupi.

Tabela 1.2 - Área, produção e produtividade de feijão-caupi dos 15


maiores países produtores mundiais, média do período de
2005 a 2013
País Média do período de 2005-2013(1)
Área Produção Produtividade(2)
(ha) (t) (kg/ha)
Nigéria 3.645.392 3.027.860 831
Niger 4.597.905 1.172.423 255
Burkina Faso 1.029.567 485.669 472
Brasil (3) 1.282.258 479.011 374
Myanmar 155.936 173.619 1.113
República Unida da Tanzânia 182.772 159.802 874
Camarões 160.855 134.442 836
Mali 257.307 111.889 435
Uganda 71.533 79.909 1.117
Quênia 156.790 78.423 500
Senegal 170.936 66.186 387
República Democrática do Congo 134.435 64.348 479
Moçambique 312.101 62.720 201
Malawi 81.933 41.268 504
Sudão 130.801 33.111 253
Participação dos 15 países 12.370.519 6.170.679 499
Mundo 12.517.380 6.318.540 505
Participação percentual dos 15 países 98,83 97,66 98,82
(1) Faostat (2015), com exceção dos dados referentes ao Brasil.

(2) Média ponderada do período.


(3)
LSPA, 2006-2014.
70 Mesquita, Pinho e Braga

Rosilene Oliveira Mesquita1, João Licínio Nunes de Pinho2 e


Marilena de Melo Braga3

Entende-se por preparo do solo o conjunto de operações que


afetam diretamente a sua estrutura, bem como proporcionam condições
físicas, químicas e biológicas adequadas para o estabelecimento das
plantas. Logo, o papel fundamental dessas operações é propiciar
condições favoráveis para o desenvolvimento das raízes e,
consequentemente, maiores produtividades das culturas.
O solo, quando bem preparado, contribui para obtenção de um
bom stand inicial e eliminação ou diminuição da competição provocada
pelas plantas daninhas nesse estádio de estabelecimento da cultura.
O feijão-caupi, como a maioria das culturas, não se desenvolve
satisfatoriamente em solos mal ou muito maldrenados, devido à
permanência do excesso de água no perfil do solo, que proporciona
ambiente anaeróbico. Logo, deve-se dar preferência a solos de textura
franco-arenosa a franco-argilosa, bem drenados e de relativa fertilidade
natural. Áreas anteriormente cultivadas com a cultura e que apresentem
incidência de doenças causadas por fungos do solo devem ser evitadas
e utilizadas com outra cultura (rotação). Deve-se também dar
preferência a terrenos planos ou pouco declivosos, pois o feijão-caupi,

1
Engenheira-Agrônoma, M.S., D.S. e Professora da Universidade Federal do Ceará.
E-mail: rosilenemesquita@ufc.br
2
Engenheiro-Agrônomo, M.S., D.S. e Ex-professor da Universidade Federal do Ceará.
E-mail: linupi66@gmail.com
3
Engenheira-Agrônoma, M.S. e D.S. e Pesquisadora. Email: marilenabraga@hotmail.com
Preparo do solo e plantio 71

como a maioria das culturas anuais, contribui bastante para a erosão do


solo (FREIRE FILHO et al., 2011).

Culturas anuais como o feijão-caupi, principalmente em


monocultivo, deixam o solo desprotegido durante o período que vai
desde o seu preparo, passando pela semeadura, até se alcançar o
estabelecimento da cultura, favorecendo a erosão. Os especialistas
consideram que a erosão, além de empobrecer o solo, provoca a
poluição dos recursos hídricos pelo arraste dos resíduos dos defensivos
agrícolas e outros poluentes (FREIRE FILHO et al., 2005). Portanto,
em terrenos de declividade acentuada, devem-se considerar nas
operações de preparo do solo os métodos conservacionistas, o que faz
parte do que se convencionou chamar de “conservação dos recursos
naturais”.

Antes de dar início às operações de preparo do solo,


recomenda-se proceder à análise de sua fertilidade para fins de correção
do pH e recomendação da adubação de forma correta e econômica.
Calagem: os solos brasileiros, em sua maioria, apresentam
limitações no desenvolvimento dos sistemas de produção da maioria
das espécies cultivadas, devido aos efeitos da acidez. A calagem tem
como finalidade diminuir a acidez do solo; corrigir a toxidez do Al e
Mn; aumentar a disponibilidade dos nutrientes; fornecer Ca e Mg para
as plantas; gerar cargas negativas no solo (maior CTCefetiva); aumentar
a atividade biológica no solo (beneficiando a fixação biológica de N2)
e propiciar melhor desenvolvimento do sistema radicular, aumentando,
consequentemente, a absorção de água e nutrientes pelas plantas
(SOUSA et al., 2007). Inúmeros resultados de pesquisa têm
demonstrado aumento da produtividade do feijão-caupi em solos ácidos
após a calagem (ARAÚJO et al., 1984; FERNANDES et al., 2013). Isso
se deve aos inúmeros benefícios gerados pela adequada acidez do solo.
78 Mesquita, Pinho e Braga

construído irão depender do tipo de solo, da declividade do terreno e da


intensidade e duração das chuvas.
O cultivo em curvas de nível consiste em realizar o preparo do
solo, o plantio e as demais operações com máquinas, acompanhando as
curvas de nível. Esta prática é indispensável para o controle da erosão,
em terrenos declivosos, porém sempre deve estar associada a outras
práticas conservacionistas.

"
Em 2011, foram colhidos no Brasil, aproximadamente, 1,6
milhão de hectares de feijão-caupi, com produção de 822 mil toneladas
e produtividade média de 525 kg ha-1. A maior produção concentra-se
no Nordeste, com 84% da área plantada e 68% da produção nacional
(CONAC, 2013).
Mesmo com a franca expansão da cultura para a região Centro-
Oeste, a produtividade do feijão-caupi ainda é considerada baixa, o que,
segundo Cardoso e Ribeiro (2006), deve-se, principalmente, ao baixo
nível tecnológico empregado nas atividades de produção associado ao
uso de cultivares tradicionais com baixo potencial produtivo. Além
disso, na Região Nordeste do Brasil, o cultivo do feijão-caupi quase
sempre está associado às incertezas da agricultura de sequeiro e ao
sistema de produção de subsistência consorciado com outras culturas
como o milho e a mandioca, embora o seu monocultivo seja crescente,
tanto em condições de sequeiro como irrigado. Outro fator que colabora
para o baixo rendimento dos cultivos de feijão-caupi é o uso inadequado
do número de plantas por unidade de área. Tal aspecto contribui para
que o potencial produtivo do cultivar não se expresse na sua plenitude.
Como parte das boas práticas agronômicas a serem adotadas
pelo produtor, a de plantio em curvas de nível no sistema de semeadura
direta deve ser enfatizado sempre que possível, pois tem-se verificado
que áreas declivosas que usam essa tecnologia possuem menor
escorrimento superficial da água das chuvas, havendo, por
consequência, menor perda do solo.
Apesar de explorado principalmente por pequenos e médios
agricultores, dentro de um modelo agrícola que se caracteriza pelo
Preparo do solo e plantio 79

emprego de um baixo nível tecnológico, as pesquisas desenvolvidas


com o feijão-caupi nos últimos anos geraram tecnologias simples,
capazes de não só elevar a produtividade da cultura, como também de
garantir certa estabilidade à sua produção, independentemente das
condições climáticas. Para se obter sucesso na exploração da cultura do
feijão-caupi devem-se levar em consideração alguns fatores, conforme
descritos subsequentemente.

# "
O primeiro item a ser levado em consideração na escolha do
cultivar ou de cultivares a serem explorados relaciona-se com o
mercado consumidor. Existe um consenso entre os especialistas em
feijão-caupi de que na escolha do cultivar deve-se obedecer à exigência
dos consumidores, para facilitar a comercialização, aumentando, assim,
as possibilidades de lucro. Conforme aqui reportado, a maior
dificuldade encontrada pelo programa de melhoramento do feijão-caupi
no Brasil tem sido a marcante diferença entre o tamanho e cor das
sementes preferidas pelos consumidores e os padrões de tamanho e cor
das sementes dos cultivares ou linhagens superiores importados e que
são fontes de genes desejáveis para o programa de melhoramento.
Segundo Araújo (1988), o tamanho do grão seco preferido pela maioria
dos consumidores nordestinos tem cerca de 25 g por 100 sementes.
Ainda, os consumidores preferem os grãos com tegumento liso, com
uma única cor, uniforme. No entanto, o limite mínimo para o peso dos
grãos e a preferência pela cor, no Brasil, variam de acordo com o estado.

" $
Dependendo do sistema de exploração (monocultivo ou
consórcio) devem-se considerar o porte do cultivar, seu hábito de
80 Mesquita, Pinho e Braga

crescimento e sua comprovada adaptação ao sistema (Figura 4.3)


(FREIRE-FILHO et al., 2005).

Figura 4.3 - Sistemas de exploração do caupi. (A) monocultivo, (B)


consórcio com milho.
Foto: João Licínio Nunes de Pinho.

" "
Devem-se selecionar cultivares de comprovada adaptação às
condições ambientais, de reconhecida estabilidade de rendimento,
associada à elevada produtividade.

"%
Além dos fatores supracitados, indispensáveis na escolha de um
cultivar, é imprescindível que este apresente resistência a certas
doenças e pragas comuns à cultura.

"
Com relação ao ciclo de desenvolvimento, Freire-Filho et al.
(2005) classificam os cultivares de feijão-caupi em:
a) Superprecoce: maturação em até 60 dias.
b) Precoces: ciclo de 61-70 dias.
c) Médio: ciclo de 71-90 dias.
Correção da acidez, adubação e fixação biológica 89

Claudia Miranda Martins1, Suzana Cláudia Silveira Martins2 e


Wardsson Lustrino Borges3

O feijão-caupi (Vigna unguiculata L. Walp.) é uma leguminosa


cultivada em quase todo o mundo, em diversas condições de ambiente
e em diferentes tipos de solo. Considerada cultura rústica, de ciclo
curto, pode ser cultivada em regiões de climas de altas temperaturas e
de baixa disponibilidade hídrica e em solos de baixa fertilidade. De
grande importância econômica, tem sido difundida principalmente nas
Regiões Norte e Nordeste do Brasil. A produção nessas duas regiões é
desenvolvida por pequenos e médios produtores com adoção de baixo
nível tecnológico.
No Brasil, especialmente nas Regiões Norte e Nordeste, o caupi
é uma das principais alternativas sociais e econômicas de suprimento
alimentar para as populações rurais (FREIRE FILHO et al., 2005), visto
que é uma leguminosa com altos valores de proteínas, carboidratos, fibras
e vitaminas essenciais ao crescimento do ser humano. Constitui, portanto,
uma boa opção para a melhoria da qualidade de vida especialmente da
população carente no meio rural. Além do mais, é uma cultura em
crescente desenvolvimento, que está ganhando espaço no cenário

1
Engenheira-Agrônoma, M.S., D.S. e Professora da Universidade Federal do Ceará.
E-mail: claudiamartins@ufc.br
2
Bióloga, M.S., D.S. e Professora da Universidade Federal do Ceará. E-mail: suzanac@ufv.br
3
Engenheiro-Agrônomo, M.S., D.S. e Pesquisador da Embrapa Amapá.
E-mail: wardsson.borges@embrapa.br
90 Martins, Martins e Borges

nacional em produção de grãos, em especial na Região Centro-Oeste,


onde médio e grandes produtores estão realizando o plantio da cultura.
Nacionalmente, a cultura tem apresentado baixa produtividade de grãos,
dependendo da safra e do sistema agrícola, variando entre 300 e 900 kg
ha-1. Todavia, isso se deve a vários fatores que influenciam diretamente
na baixa produtividade do feijão-caupi, como manejo fitossanitário
inadequado e controle de plantas daninhas ineficientes, distribuição
irregular das chuvas, uso de cultivares de baixa produtividade, não
inoculação com estirpes eficientes de rizóbio, ausência de práticas de
correção da fertilidade dos solos e adoção de espaçamentos e densidade
de plantio inadequados.
Em condições de elevada acidez do solo, a disponibilidade de
fósforo para as plantas é reduzida, devido ao processo de fixação, por meio
de reações de adsorção e precipitação com alumínio e ferro, ocasionando
decréscimo na produção (CARVALHO et al., 1995). A principal causa dos
solos ácidos deve-se à sua gênese e ao predomínio de elevadas
temperaturas e precipitação que lixiviam as bases, deixando elevada
concentração de Al3+ e H+ (ESSINGTON, 2005).
Nos últimos anos, foram lançados diversos cultivares de feijão-
caupi no Brasil, com recomendações específicas para alguns estados,
conforme a adaptação e aceitação do produto pelo mercado. Estes
cultivares são importantes componentes de todos os sistemas de
produção prevalentes na agricultura familiar. Porém, estudos com o
objetivo de propor práticas de manejo, como calagem e adubação
adequadas para estes cultivares, não têm sido realizados para todas as
condições edafoclimáticas onde o feijão-caupi é cultivado. Dada a
inexistência de dados experimentais localmente obtidos, o que se tem
adotado para prescrição de calagem e adubação é a análise de solo,
conforme Embrapa (1997), seguida de interpretação com base no
manual de recomendação de um outro estado e na planilha do feijão-
comum, ou recomendação básica na impossibilidade de realização da
análise de solo (CAVALCANTE; GÓES, 2011).
No Brasil, a maioria dos solos são ácidos, apresentam os
elementos químicos tóxicos Al3+ e H+, possuem baixa capacidade de
troca de cátions, baixa saturação por bases, baixa capacidade de
retenção de água e baixos teores de Ca2+ e Mg2+, o que influenciam na
baixa produtividade das culturas (GAMA et al., 2007), sendo, portanto,
um dos fatores a serem corrigidos para a garantia de rendimento
Correção da acidez, adubação e fixação biológica 91

econômico das culturas. Na Amazônia isso é bem característico, em


virtude do material de origem dos solos e por ser uma região de clima
quente e úmido e com elevada precipitação. Entretanto, as ordens de
solos mais frequentes no Brasil são Argissolos, Latossolos e Neossolos
de baixa fertilidade, caracterizados por baixos valores de pH; altos
teores de Al, baixos teores (Ca2+, Mg2+); e baixa capacidade de troca de
cátions podem ser cultivados mediante as devidas correções de acidez
e, ou, fertilidade (MEDA et al., 2002).
A prática da calagem visa corrigir a acidez do solo e fornecer
nutrientes. A aplicação do calcário eleva o pH do solo para valores entre
5,5 e 6,5, faixa considerada adequada por possibilitar maior
disponibilidade de nutrientes no solo (OLIVEIRA et al., 2001); e reduz
o alumínio tóxico (Al+3) e, simultaneamente, fornece os macronu-
trientes cálcio e magnésio, melhorando consequentemente a fertilidade
do solo e proporcionando maior rendimento à cultura.
De fato, a calagem é considerada prática essencial, que
contribui para a produção agrícola, uma vez que neutraliza e corrige a
acidez, o que a torna um dos meios mais relevantes para incrementar a
produtividade no Brasil. Esta prática influencia diretamente no
desenvolvimento do sistema radicular das plantas e da atividade de
microrganismo no solo, proporcionando melhor absorção de nutrientes.
Além do calcário, podem-se utilizar outros produtos como corretivos,
desde que estes apresentem em sua composição elementos que
favoreçam a correção desses solos ácidos, como óxidos de cálcio e
óxido de magnésio.
Embora o feijão-caupi seja uma cultura tolerante à acidez, a
saturação por Al+3 do complexo de troca e o teor de Al+3 não devem
ultrapassar 20% e 0,3 cmolc dm-3, respectivamente, para bons
rendimentos produtivos. Todavia, a necessidade de calagem e a
quantidade de calcário a ser aplicada variam de acordo com o solo e o
genótipo de interesse (FAGERIA, 2001). A aplicação de quantidades
inferiores à recomendada pode não trazer os benefícios esperados com
a correção do solo, no que se refere ao controle da acidez e à
disponibilização de nutrientes. A aplicação de quantidades superiores
pode favorecer o crescimento de microrganismos indesejáveis para
algumas culturas e ocasionar efeitos físicos prejudiciais à estruturação
do solo, como a dispersão de partículas. Com bastante frequência a
calagem excessiva, por exemplo, elevando o pH do solo para valores
92 Martins, Martins e Borges

superiores a 7,0 ocasiona mais dano que benefício, pois há perdas na


produtividade, em razão dos efeitos negativos da acidez no
desenvolvimento das plantas (QUAGGIO, 2000).

Existem vários métodos para se determinar a necessidade de


calagem e a quantidade de calcário a ser aplicada. Os mais amplamente
adotados são o que se baseam nos teores de Al+3 e Ca+2 + Mg+2 trocáveis
e o baseado na elevação da saturação de bases.
O método baseado nos teores de Al+3 e Ca+2 + Mg+2 trocáveis,
desenvolvido originalmente para o Estado de Minas Gerais e regiões
com bioma Cerrado, visa reduzir os teores de Al+3 e aumenta os teores
de Ca+2 + Mg+2, considerando o teor de argila do solo e a necessidade
(exigência) da cultura, da seguinte forma:

em que:
NC: Necessidade de calagem em toneladas por hectare (ton ha-1),
calcário PRNT 100%, profundidade de aplicação 0-20 cm
e superfície de cobertura ou aplicação de 100%.
Y: variável de acordo com o teor de argila – Adotar 1 para solos
com teor de argila < 15%, 2 para solos com teor de argila
entre 15 e 35% e 3 com teor de argila > 35%.
X: variável em função da exigência da cultura – Adotar 2 para
culturas pouco exigentes, como o feijão-caupi, e 3 para
culturas exigentes, como o café.

O método baseado na elevação da saturação de bases,


desenvolvido originalmente para o Estado de São Paulo, mas
atualmente utilizado em vários estados brasileiros, visa elevar a
saturação de bases do solo para valores adequados para a cultura de
interesse econômico, da seguinte forma:

;
Correção da acidez, adubação e fixação biológica 95

Tabela 5.1 - Efeito da aplicação de diferentes doses de calcário sobre


rendimento de feijão-caupi ao longo de três anos de
cultivo
Dose de Produtividade kg ha-1
calcário kg ha-1 2012 2013 2014
0 496,25 1.288,39 1.140,75
280 491,25 1.322,32 1.570,75
2.020 502,50 1.306,25 1.230,62
3.760 573,75 1.556,25 1.278,00
5.490 376,25 1.272,32 1.238,12
7.230 443,75 1.270,53 1.101,50
Média anual 480,62 b 1.336,01 a 1.259,95 a
Equação ns ns Y = 1.347,29 -0,027x
R2 23,73
CV (%) 36,54 14,71 14,33
Médias seguidas da mesma letra na linha não diferem entre si de acordo com o teste Tukey, a 5%
de probabilidade.
Fonte: BORGES et al., 2015.

!
Conforme mencionado, a prática da calagem visa corrigir a
acidez do solo, elevando o pH e reduzindo o Al+3 tóxico às culturas e
também fornecer os macronutrientes Ca+2 + Mg+2. Para o completo e
adequado desenvolvimento das culturas além da calagem, é necessária
a correção da fertilidade do solo, em especial dos teores de nitrogênio
(N), fósforo (P) e potássio (K). O nitrogênio, potássio e fósforo,
macronutrientes essenciais para o crescimento e desenvolvimento das
plantas, são requeridos em maiores quantidades pelas plantas. A
demanda é elevada, porque o N é elemento constituinte de
macromoléculas importantes como os ácidos nucleicos (DNA e RNA),
proteínas e clorofila que é responsável pela captação da energia solar
para que ocorra a fotossíntese. O P é extremamente importante para os
processos energéticos pois é componente de trifosfato de adenosina
96 Martins, Martins e Borges

(ATP), fosfato de adenosina (ADP) e pirofosfato (PPi) moléculas que


armazenam energia nas ligações fosfato. O K, embora não faça parte da
estrutura de macromoléculas celulares, é importante para os processos
que envolvem carregamento e descarregamento de fotoassimilados
(carboidratos) nos vasos condutores. Dessa forma, a deficiência de K
nos cultivos afeta negativamente as relações fonte/dreno na planta e
compromete o transporte de fotoassimilados das folhas para os grãos.
A correção da fertilidade do solo pode ser feita de diversas
maneiras, no entanto a forma mais usual é a aplicação de fontes solúveis
de N, P e K no momento do plantio e, ou, em cobertura. As principais
fontes solúveis utilizadas são as formulações NPK, por exemplo, NPK
4-14-8, NPK 20-10-10, entre outras, e os fertilizantes ureia, sulfato de
amônio, superfosfato simples, superfosfato triplo e cloreto de potássio.
O nitrogênio e o fósforo são os elementos minerais que mais
limitam o desenvolvimento das plantas. A aplicação de fontes de
fósforo tem proporcionado frequentes respostas e sua baixa
disponibilidade no solo afeta negativamente o crescimento das plantas
e sua produção (PASTORINI et al., 2000). O fornecimento em doses
adequadas de fósforo estimula o desenvolvimento do sistema radicular,
logo na fase inicial, proporcionando condições às plantas de obterem os
demais nutrientes (RAIJ, 1991). Entretanto, a aplicação de adubos
fosfatados geralmente está associada a muitas perdas, devido à maioria
dos solos brasileiros serem ácidos, de baixa fertilidade natural, capazes
de reter o fósforo aplicado. Diante disso, é necessário haver maior
quantidade de fósforo do que é exigida pelas culturas, para suprir à
demanda desse nutriente, especialmente em áreas novas e solos pobres
(CARVALHO et al.,1995).
Visando um adequado manejo da correção da fertilidade do
solo, é importante levar em conta dois aspectos: a mobilidade dos íons
no solo e os mecanismos de contato entre as raízes e os íons no solo
(difusão, interceptação radicular e fluxo de massa), considerando os três
nutrientes mais absorvidos pelas plantas, N e K, dada a natureza
química dos íons monovalentes (K+1, NH4+ e NO3-) de elevadas
solubilidade e mobilidade no solo. Os íons destes elementos geralmente
entram em contato com as raízes pelo fluxo de massa, onde o
movimento da água no solo os transporta até as raízes e, ou, por difusão,
onde eles deslocam no solo por meio da constituição de gradientes
químicos de concentração. O P, pela natureza química dos ânions de
Correção da acidez, adubação e fixação biológica 97

fosfato (HPO4-2 e H2PO4-1), é considerado de baixa solubilidade e baixa


mobilidade no solo e geralmente entra em contato com as raízes por
meio da interceptação radicular. Neste caso, ao crescerem as raízes
interceptam os ânions de P em dada posição no solo. Assim, a
recomendação é de se fazer a adubação com fontes de P no plantio, de
forma localizada, ao lado e abaixo das sementes e com fontes de N e K,
sempre que possível, parceladas, sendo parte no plantio e parte em
cobertura. No caso da cultura do feijão-caupi, em que a maior parte dos
genótipos são de ciclo curto (inferior a 90 dias), as adubações de
cobertura devem ser realizadas até os 30 dias após plantio.
Grande parte do fósforo aplicado via fertilizante fica retida no
solo, representando economicamente um custo significativo. Assim, é
necessário, para se obter alta produtividade, que em estudos
relacionados a solos seja avaliada a capacidade de retenção do fósforo,
a definição de doses mais adequadas para as culturas e que possibilitem
maiores retornos econômicos (FAGERIA, 1990). Dada a fixação do
fósforo na matriz do solo e sua baixa mobilidade, o efeito residual do
fósforo tem sido avaliado por diversos autores sobre o conteúdo de
fósforo, o rendimento de matéria seca e a produção nas culturas
subsequentes (MOREIRA et al., 2002). O aumento da frequência e da
dosagem de aplicação de fósforo tem apresentado resultados
satisfatórios sobre a cultura do feijão-caupi. Dessa forma, o efeito da
aplicação de adubação fosfatada ao solo é imediato, mas pode aumentar
a disponibilidade desse macronutriente com sucessivas aplicações no
decorrer dos anos, aumentado a capacidade produtiva do solo
(AZEVEDO et al., 2004).
A deficiência de fósforo é a principal limitação da fertilidade
do solo para o cultivo do feijão-caupi na região amazônica. Têm sido
constatadas respostas expressivas à adubação fosfatada nos mais
diversos tipos de solo onde o feijão-caupi é cultivado. Borges et al.
(2015) observaram resposta positiva da cultura do feijão-caupi em
condição de campo. Neste estudo, a utilização de 80 kg ha-1 de P
proporcionou aumento de 153, 126 e 41% na produtividade do feijão-
caupi em relação ao tratamento-controle (Tabela 5.2), em três anos de
avaliação, respectivamente.
98 Martins, Martins e Borges

Tabela 5.2 - Efeito da aplicação de diferentes doses de fósforo sobre


rendimento de feijão-caupi ao longo de três anos de
cultivo
Dose de P2O5 Produtividade kg ha-1
kg ha-1
2012 2013 2014
0 372,92 359,79 694,58
40 558,33 739,47 779,89
80 942,71 812,29 984,47
120 972,92 804,79 977,71
Equação Y=384,06+5,46 x Y=467,92+3,52 x Y=701,07+2,63 x
CV (%) 27,36 25,08 24,42
R2 91,8 71,22 87,98
Fonte: BORGES et al., 2015.

A adubação potássica, com fonte mineral de potássio, é uma


das formas que os produtores utilizam para aumentar a disponibilidade
de K no solo, visando elevar a produção das culturas como o feijão-
caupi em solos de baixa fertilidade. Ao contrário do fósforo, o potássio
é um nutriente bastante móvel no solo, e um dos fatores relacionados à
baixa disponibilidade do potássio é a ocorrência de chuvas de alta
intensidade, ocasionando perdas por lixiviação. Dessa forma, é possível
observar essa carência em várias regiões do Brasil, uma vez que a maior
parte dos solos do país são altamente intemperizados (KAMINSKI et
al., 2007).
Embora o potássio seja um nutriente extraído e exportado pelo
feijão-caupi, a ausência de resposta do caupi a diferentes doses de K já
foi observada por diversos autores (MELO et al., 1996) e, segundo
Melo et al. (2005), raramente se observam respostas significativas à
aplicação de potássio. Em razão da maior quantidade de chuvas nas
Regiões Norte e Centro-Oeste, comparativamente à Região Nordeste, a
perda de potássio por lixiviação pode ser maior nestas regiões, o que
explica, em parte, a ausência de resposta das culturas à aplicação de
fontes de potássio (VILELA et al., 2004).
No Brasil já foram lançados 73 cultivares melhorados de feijão-
caupi. Os cultivares lançados nos últimos 15 anos (Tabela 6.1) têm
mostrado potencial médio de produtividade em condições de sequeiro
em torno de 1.000 kg ha-1 na Região Norte, 1.180 kg ha-1 na Região
Nordeste e de 1.350 kg ha-1 na Região Centro-Oeste, com amplitude de
940 kg ha-1 a 1.306 kg ha-1 na Região Norte, 704 kg ha-1 a 2.143 kg ha-
1
na Região Nordeste e de 679 kg ha-1 a 2.665 kg ha-1 na Região Centro-
Oeste. Em cultivo irrigado na Região Nordeste, a média obtida foi em
torno de 1.530 kg ha-1, com amplitude de 1.087 kg ha-1 a 1.895 kg ha-1.
Estes cultivares foram lançados por diferentes programas de
melhoramento genético de instituições públicas, sendo a sua grande
maioria pela Embrapa. A seguir serão apresentados os cultivares que
estão sendo cultivados no Brasil e que se mostram como potenciais para
ocupar as áreas de produção de feijão-caupi neste país.
O cultivar BRS Guariba (Figura 6.2), de ciclo de maturação
precoce (60-65 dias), porte semiereto e grãos do tipo comercial branco-
liso (BRS GUARIBA..., 2004), foi o grande responsável por alavancar
o cultivo do feijão-caupi nos cerrados, especialmente do Centro-Oeste
do Brasil, notadamente no Mato Grosso e Meio-Norte, sendo o primeiro
cultivar de porte semiereto e de ciclo de maturação precoce e uniforme
lançado no mercado, o que permitiu o cultivo de feijão-caupi totalmente
mecanizado. Também foi o primeiro cultivar a ser exportado,
respondendo em 2014 por 85% das exportações de feijão do Brasil para
o Oriente Médio, Ásia e Europa (Feijão-caupi..., 2014).

Figura 6.2 - Cultivar de feijão-caupi BRS Guariba de ciclo precoce,


porte semiereto e grãos tipo comercial branco-liso.
Fotos: Maurisrael de Moura Rocha (esquerda); Francisco Rodrigues Freire-Filho (central e direita).

O cultivar BRS Novaera (Figura 6.3) apresenta ciclo de


maturação precoce (60-65 dias), porte da planta semiereto e grãos do
tipo comercial branco-rugoso (BRS NOVAERA..., 2008). Este cultivar
respondeu por 15% das exportações brasileiras de feijão-caupi para o
Oriente Médio, Ásia e Europa em 2014 (FEIJÃO-CAUPI..., 2014).

Figura 6.3 - Cultivar de feijão-caupi BRS Novaera de ciclo precoce,


porte semiereto e grãos tipo comercial branco-rugoso.
Fotos: Maurisrael de Moura Rocha (esquerda e central); Francisco Rodrigues Freire-Filho (direita).

O cultivar BRS Tumucumaque (Figura 6.4) apresenta ciclo de


maturação precoce (60-65 dias); porte semiereto e grãos do tipo
comercial branco-liso, com alto teor de ferro e zinco (BRS
Tumucumaque..., 2009). Constitui boa opção para o mercado de grãos
secos e imaturos (feijão-verde). Nas avaliações realizadas pela
Embrapa, o cultivar BRS Tumucumaque mostrou produtividade em
condições de sequeiro de 1.100 kg ha-1 na Região Norte, 1.095 kg ha-1
na Região Nordeste, 1.100 kg ha-1 na Região Centro-Oeste e 1.848 kg
ha-1 na Região Sudeste. Em ensaios conduzidos por Almeida (2014),
em três épocas de semeadura nas condições de cerrado de Uberaba-MG,
em condições de sequeiro, este cultivar obteve a melhor produtividade
(3.071 kg ha-1) quando semeado em meados de fevereiro.

Figura 6.4 - Cultivar de feijão-caupi BRS Tumucumaque de ciclo de


maturação precoce, porte semiereto e grãos do tipo
comercial Branco-liso, com alto teor de ferro e zinco.
Fotos: Maurisrael de Moura Rocha.
O cultivar BRS Itaim (Figura 6.5) apresenta ciclo de maturação
precoce (60-65 dias), porte ereto, grão do tipo comercial fradinho,
indicado para o mercado interno e externo (BRS ITAIM..., 2009). Esse
tipo de grão tem sido usado na elaboração da farinha empregada no
preparo do acarajé (iguaria tipicamente baiana e difundida para vários
estados do Brasil). Também é consumido na Região Sudeste do Brasil,
e é considerado o grão mais adequado para exportação (FREIRE
FILHO et al., 2011a). O Brasil tem importado esse tipo de grão do Peru.
Outra opção de cultivar do grupo fradinho é o BRS Carijó, de ciclo
extraprecoce (56 dias) e porte ereto (SANTOS, 2011). Nas avaliações
realizadas pela Embrapa, o cultivar BRS Itaim apresentou
produtividades em condições de sequeiro de 1.500 kg ha-1 na Região
Norte, 1.166 kg ha-1 na Região Nordeste, 2.655 kg ha-1 na Região
Centro-Oeste e 1.500 kg ha-1 na Região Sudeste. Em ensaios
conduzidos por Almeida (2014), em três épocas de semeadura no bioma
cerrado de Uberaba-MG, em condições de sequeiro, esse cultivar
obteve a melhor produtividade (3.439 kg ha-1) quando semeado em
meados de fevereiro.

Figura 6.5 - Cultivar de feijão-caupi BRS Itaim de ciclo de maturação


precoce, porte ereto e grãos do tipo comercial fradinho.
Fotos: Maurisrael de Moura Rocha (esquerda); Francisco Rodrigues Freire-Filho (direita).

O cultivar BRS Aracê (Figura 6.6) apresenta ciclo de maturação


médio-precoce (70-75 dias); porte semiprostrado; grãos do tipo
comercial verde, com alto teor de ferro e zinco (BRS Aracê..., 2009); e
boa opção para o mercado de grãos secos e imaturos (feijão-verde).
O feijão-caupi é uma cultura de grande variabilidade genética,
inclusive para características dos grãos (Figura 6.10). A variabilidade
de cor, forma e tamanho do grão resulta em vários nichos de mercado.
Dependendo da região e, ou, do estado, há preferência por tipos
específicos de grãos. Dessa forma, o tipo de grão é um dos grandes
diferenciais para que um cultivar tenha sucesso, ou seja, o melhorista
deve estar sempre observando as necessidades do mercado, de maneira
que o cultivar desenvolvido atinja grande proporção do mercado.

Figura 6.10 - Variabilidade do feijão-caupi para características


morfoagronômicas do grão.
Foto: Luciana Pereira dos Santos Fernandes.

O tamanho e a cor dos grãos são as características que definem


o preço do produto no mercado, seja ele interno, seja externo. Portanto,
ao longo do processo seletivo devem-se selecionar linhagens que
atendam às necessidades do mercado, visando à obtenção de um novo
cultivar (SILVA; NEVES, 2011).
A grande diversidade de tipos de grãos faz com que no
programa de melhoramento sejam conduzidas várias populações
segregantes direcionadas para obtenção de cultivares com os diferentes
tipos que o mercado demanda. Na Figura 6.11 são apresentadas
imagens do processo de seleção e avaliação da aparência dos grãos nos
experimentos de competição de cultivares de feijão-caupi.

Figura 6.11 - Grãos de uma linhagem pertencente à classe cores,


subclasse mulato-liso (a); grãos do cultivar BRS Pajeú,
também pertencente à subclasse mulato-liso (b); grãos
de uma linhagem pertencente à classe branco, subclasse
branco-liso (c); e grãos de uma linhagem pertencente à
classe branco, subclasse fradinho (d).
Fotos: José Ângelo Nogueira de Menezes-Júnior.

É importante destacar o maior tamanho de grãos (18,81gramas


100 grãos) de uma linhagem melhorada (Figura 6.11a) em relação ao
cultivar BRS Pajeú (18,19 gramas 100 grãos) (Figura 6.11b), indicando
que esta linhagem é superior à testemunha recomendada e tem potencial
para ser lançada como novo cultivar. A Figura 6.11c mostra os grãos de
uma linhagem pertencente à classe branco, subclasse branco-liso e, na
Figura 6.11d, grãos de uma linhagem pertencente à classe branco,
subclasse fradinho.
O tamanho do grão é de grande importância, tanto para o
mercado interno quanto para o externo. No mercado interno, há grande
variação quanto ao tamanho dos grãos para cada tipo comercial. O
consumo para cada tipo é muito regionalizado, e a preferência por
determinado tipo tem influência cultural. Por exemplo, a subclasse
comercial Manteiga, a preferência é por grãos com peso inferior a 10 g
por 100 grãos, já para as subclasses branco-rugoso e Fradinho, a
preferência é por grãos com peso superior a 25 g por 100 grãos
(FREIRE-FILHO et al., 2011a).
Manejo de doenças 143

Cristiano Souza Lima

A cultura do feijão-caupi [Vigna unguiculata L. (Walp.)] é


afetada no Brasil e em outras partes do mundo por diversos patógenos,
como fungos, bactérias, vírus e nematoides. A ação desses organismos
sobre as plantas leva à morte de tecidos, órgãos e até mesmo da planta
inteira, causando perdas econômicas consideráveis ao agronegócio do
caupi, se medidas adequadas de manejo fitossanitário preventivo não
forem adotadas.
Diferentemente das pragas, que podem ser detectadas através
das posturas antes de ocorrer o prejuízo econômico, as doenças de
plantas, quando presentes numa área de cultivo, já representam perda
de produção parcial ou total. Dessa forma, o conhecimento prévio das
doenças mais importantes da cultura do feijão-caupi e a aplicação de
medidas de manejo preventivamente minimizarão as possíveis perdas
decorrentes do ataque de patógenos.
Informações a respeito dos produtos químicos registrados para o
controle das doenças fúngicas do feijão-caupi no Brasil podem ser obtidas
no sítio <http://www.agricultura.gov.br/servicos-e-sistemas/sistemas/
agrofit>. A seguir, são descritas as doenças mais comuns e as estratégias
de manejo recomendadas para a cultura do feijão-caupi.

1
Engenheiro-Agrônomo, M.S., D.S. e Professor da Universidade Federal do Ceará.
E-mail: csl@ufc.br
144 Lima

Agente etiológico: Colletotrichum lindemuthianum (Sacc. &


Magnus) Briosi & Cavara (sin. Glomerella lindemuthiana Shear)
Esse fungo pertence ao Filo Ascomycota, Família
Glomerellaceae, e produz na sua fase anamórfica acérvulos nos centros
das lesões, resultante do crescimento e da esporulação abaixo da
epiderme da planta, seguido de sua ruptura, com liberação de massas
mucilaginosas de cor rósea ou salmão, que são formadas por conídios.
Nos acérvulos são constituídas também setas marrons, septadas, com 4-
9 x 30-100 µm. Em meio de cultura os conídios são formados em
esporodóquios (os acérvulos ocorrem apenas no tecido vegetal). Os
conidióforos são hialinos, medem de 40-60 µm e não são ramificados.
Já os conídios são hialinos, gutulados, cilíndricos, unicelulares e
medem 2,5-5,5 x 11-20 µm. Na fase teleomórfica, o fungo produz
peritécios ostiolados, marrons, obpiriformes a subglobosos,
parcialmente, ou, totalmente imersos no tecido da planta. Possui ascos
unitunicados, cilíndricos a clavados, geralmente contendo oito
ascósporos, e ascósporos unicelulares, hialinos, elípticos, com até
20 µm de comprimento.
Normalmente, os sintomas da doença são induzidos pelo fungo
na fase anamórfica, que pode eventualmente passar para a fase
teleomórfica em lesões velhas ou devido a condições ambientais
adversas como frio intenso ou falta de água, servindo como estruturas
de resistência. Este fungo ataca várias espécies de plantas da família
Fabaceae, em especial espécies de Phaseolus e Vigna, possuindo mais
de 32 raças. O fungo é disseminado por água de chuva e de irrigação
por aspersão. A semente constitui importante veículo de disseminação
do fungo, também transmitindo a doença para a plântula. Temperaturas
de aproximadamente 21 ºC e umidade relativa acima de 91% são
condições ideais para a ocorrência de epidemias de antracnose.
Sintomas: Os sintomas mais evidentes ocorrem nas vagens
como manchas arredondadas, com 1-2 mm de diâmetro, bordos
vermelhos e centro mais claro e deprimido, no qual podem ser formadas
massas róseas de conídios em condições de alta umidade. Em ataque
Manejo de doenças 145

severo, o fungo atinge as sementes, ocasionando machas pardacentas,


às vezes pouco perceptíveis em sementes de tonalidade escura.
Sementes infectadas podem apodrecer antes mesmo da germinação ou
germinar e, em seguida, ocorrer tombamento. Outros órgãos da planta
podem ser atacados como folhas e caules, mas em menor proporção.
Nestes órgãos, são observadas lesões necróticas, escuras e geralmente
rebaixando o tecido. Nas folhas, as lesões ocorrem preferencialmente
nas nervuras (Figura 7.1).

Figura 7.1 - Antracnose em feijão-caupi. Necrose das nervuras dos


folíolos.
Fonte: C. S. Lima.

Manejo: As condições climáticas nos locais onde o feijão-


caupi é cultivado no Nordeste geralmente são desfavoráveis à
ocorrência da antracnose. Porém, com a expansão da cultura para outras
regiões do país com clima favorável, a doença pode se tornar importante
e ser controlada pela utilização de resistência genética. TVu 310, TVu
345, TVu 347, TVu 410 e TVx 3236 são fontes de resistência contra a
doença. Recomendam-se a utilização de sementes sadias, eliminação
de plantas doentes e de restos culturais e rotação de cultura.
Manejo de pragas 175

táticas de manejo da resistência, que podem ser consultadas na página


do Irac-BR: http://www.irac-br.org.br/.

!" #
Lagarta-rosca: Agrotis ipsilon (Lepidoptera: Noctuidae)
Diagnóstico e descrição do agente causal – a presença desta
praga é evidenciada por uma ou mais plantas, de caule ainda tenro
(macio), na linha de plantio ou em uma cova, cortadas rente ao solo, ou
pouco acima. A parte cortada pode estar presente ou não. Em plantas
maiores, a praga pode roer o caule, mas nem sempre esta é
comprometida. Ao se cavar ao redor das plantas cortadas é possível
encontrar a lagarta. Quando esta lagarta é tocada, ela se enrosca, daí o
seu nome vulgar. Já desenvolvida, ela tem na parte frontal da cabeça
uma marca ou linha (sutura adfrontal) bem nítida, em forma de “V”
invertido, com a ponta de “V” praticamente atingindo a parte frontal
superior da cabeça (vértice ou vértex). Apresenta ao longo do corpo
uma linha dorsal acinzentada mais clara e tubérculos (manchas
circulares) pretas em cada um dos segmentos (KING et al., 1998,
ZUCCHI et al., 1993).
Pode ser confundida com a lagarta-do-cartucho-do-milho,
Spodoptera frugiperda, que será descrita com detalhes mais à frente, e
que tem a mesma aparência geral e com comportamento de formar
“rosca” ao serem tocadas. Difere da lagarta-rosca por possuir a linha na
parte frontal da cabeça em forma de “Y” invertido, sendo a “perna”
única do “Y” bem distinta e atinge a parte frontal superior da cabeça. A
lagarta de A. ípsilon, quando completamente desenvolvida, mede cerca
de 45 mm (ZUCCHI et al., 1993), ou seja, bem maior e mais robusta
que S. frugiperda, que tem aproximadamente 35 mm (CRUZ et al.,
1999).
Período crítico do artrópode para com a cultura –
normalmente, o ataque é crítico no período vegetativo, a partir da
emergência das plantas (Figura 8.1).
Bioecologia e comportamento – o período de uma geração
pode variar de 35 a 74 dias A larva é ativa à noite e se esconde durante
176 Bleicher e Silva

o dia próximo ao local de alimentação. Alimentam-se de folhas


próximas ao solo durante os primeiros estágios (instares) e atuam
seccionando as plantas nos três últimos. São favorecidas por condições
edafoclimáticas, isoladas ou em conjunto, que aumentam a umidade no
solo, como alto teor de matéria orgânica, maior teor de argila e
precipitações ou irrigações frequentes (KING; SAUNDERS, 1984).
Avaliação da infestação e nível de ação – a infestação é
avaliada com o auxílio de um cano de PVC de dois metros, para
delimitar um ponto de amostragem. O número de amostras sugeridas é
o mesmo utilizado para o cultivo de soja. Em áreas ou talhões de até
nove hectares, seis pontos de amostragens são avaliados. Em talhões de
10 a 29 ha, oito pontos, e em talhões de 30 a 99 ha, 10 pontos (PANIZZI
et al., 1977). No processo de amostragem, lança-se o delimitador ao
acaso. Em um lado preestabelecido do mesmo, contam-se todas as
plantas, sadias, atacadas e as possíveis falhas devido à praga. Em
seguida, contam-se somente as atacadas e as falhas mencionadas.
Mediante o uso de regra de três simples estima-se a porcentagem de
plantas atacadas ou destruídas, em relação ao total, estimando-se assim
o dano em percentagem. Especial atenção deve ser dada às áreas de
bordadura, em torno de 30 metros, pois podem sofrer influência da
vegetação circunvizinha, cultivada ou não.
Para caracterizar a redução na produção considera-se que na
fase inicial do cultivo as plantas atacadas não irão produzir. Então pode-
se utilizar uma das definições de Nível de Dano Econômico (NDE) que
o caracteriza como: “uma densidade populacional cujo dano que irá
causar é igual ao custo do seu controle”. Com base neste conceito
pode-se usar a fórmula básica para determinar o nível de dano
econômico (NDE), apresentada por Nakano (2011).
NDE = (Ct x 100)/V
em que Ct = custo do tratamento (R$) para um hectare; e V = valor
estimado a ser obtido/ hectare (R$), baseado na produtividade esperada
de acordo com a tecnologia agronômica empregada.
Neste caso específico, o NDE equivale à porcentagem de dano
(%D). Portanto, se o valor obtido na avaliação no campo foi inferior ao
conseguido pela fórmula apresentada, não há necessidade de ser
realizado o controle. No entanto, se for igual ou superior ao NDE
(=%D), será necessário o controle, para evitar perdas econômicas.
Manejo de pragas 177

Estratégias de controle – não há inseticidas de síntese


registrados para o controle desta praga no feijão-caupi. Sugere-se o uso
do controle alternativo com extrato ou óleo da semente de min
(Azadirachta indica), que contém entre outras substâncias a
Azadiractina, que, além de repelente, tem efeito sobre larvas de
lepidópteros. Recomenda-se também o aumento em 10% de sementes
por ocasião da semeadura, como forma de compensar as plantas
atacadas e mortas por A ípsilon, aumentando-se dessa forma a
população de plantas/ha, mantendo-se assim uma população razoável
de plantas na área e diminuindo-se as perdas na produção.

Broca-do-colo, Lagarta-elasmo – Elasmopalpus lignosellus (Lep.:


Pyralidae)
Diagnóstico e descrição – verifica-se o ataque desta praga pela
observação no campo de plantas murchando que, em seguida, tombam
e secam completamente. Ao serem arrancadas para uma avaliação mais
cuidadosa, observa-se uma galeria no seu interior, no sentido
ascendente. Pode-se ou não encontrar uma lagarta no seu interior, sendo
esta bastante ágil quando molestada, procurando fugir. Esta lagarta
possui na cabeça e no primeiro segmento do corpo uma região pardo-
escuro ou quase preta denominada placa protoráxica. A coloração do
corpo é variável, com predominância do verde azulado. No dorso e nos
lados, transversalmente e mais para a região posterior de cada
segmento, há listras pardo-escuras ou purpúreas (MARICONI, 1963).
Ao se escavar o solo com cuidado pode ser vista uma estrutura cônica,
saindo pouco abaixo da linha do solo, construída com fios de seda, ao
qual se encontram aderidos grânulos de solo (KING; SAUNDERS,
1984).
Período crítico – o ataque e maiores danos são observados no
período vegetativo logo após a emergência das plantas (Figura 8.1).
Bioecologia e comportamento – Harsimran et al. (2014)
indicam um período de dois a três dias para a fase de ovo. O
desenvolvimento larval é de aproximadamente 4,2 dias, 2,9 dias, 1,4
dia, 3,1 dias, 2,9 dias e 8,8 dias para os instares de um a seis,
respectivamente. O período para pupa é de 7 a 13 dias, com longevidade
dos adultos de cerca de 10 dias.