Você está na página 1de 63

Stan Lee apresenta:

COM nu
BãRBaRD D
ÍNDICE
A SOMBRA NO
PALÁCIO DA MORTE
Argumento. Roy Thomas; arte. John Bus-
cerna e Alfredo Alcala. Perdidos no deser-
to sem agua e já bem próximos do fim.
Canan e a linda Natala encontram um palá-
cio deslumbrante. Des Esperadas, eles se
aventuram a entrar na fortaleza... para co-
nhecer o rnaior fiOrror que ja caminhou so-
bre a face da Terra 5

OS TENTÁCULOS DE THOG
Parle final da aventora, onde bárbaro de
cabelos negros é abrigado a enfrentar o
monstruoso e bizarro Tfiog. numa deses-
perada c Inútil Tentativa de fugir do palá-
cic dos loucos 32

PERGAMINHOS HIBORIANOS
Cartas doa fas da Espada Selvagem 52

O DRAGÃO DO
CASTELO FRANKENSTEIN
Argumento, Don Glut: arte. Sonny Trini-
dad. Salomão Kane, o puritano do século
XV encontra aquela q-ue poderá lazé-lo
quebrar seu voto de castidade... enquanto
bizarros acontecimentos o levam a enfren-
tar o lendário criador de monstros, o Dr.
Frankenstein 54

REPUBLICAÇÀO DA EDIÇÃO ORIGINALMENTE LANÇADA EM ACOSTO DE 1985


AÉÊfADASÍLVAGEM tlECONAW rted =â0 I.I.1S wbFieoefcJ aWftM.^I-*a£ail(lfi ALiril Júvbn.S.A. £aaPlulí>-- Fferjarjao. Pulíli-cado*. Adrih>i5(rii E áo
fl
.i u s a..iic :-v.i
• - }-!- .«.v íti-js, i,
> .,- : i. ...i :v .•; Tc :«í umijí i Fundador. víCIjH- .
.

CI^TA^M? ííjSOi Diib:l.!:i. S.jt,,.,.., (:,„,.,, "..ivr-iriil i " 'it 'o


fi., -..i..,s 'i.t S.-"iir:
.
"-:>,' S.M.';i-im'i-KjH.-' :irj 2.t:-:ík. [> . Lii
'nr.irj .-li- Grin..i £; itwch J;-rj Fim... «u.ijtíki E Jllr.r:.. Í>i-< L> Am < íl ir.it -Ws-i n í ii n,K1.v iV.r:i.,-..i--. I
Aiíio-n; H;.,... :.,

Bia Chetf (SeJSfl*,- SriSQrfiC. F-Urllrli Etaagiíithadori Edurw Gasparrm. AsEralenle de Alie: í.ntoriio"Htch«-loM«iqiiet Auditar d* Art»: Marctio Joaa
PiNar. .WHrMi.il^tóíaLMa., yára VmgB fliutqííimi, Crjrnwaial - -
Diretor .Jóaqvirn inalou. A™iliMs5rÍBCi™laçaD- Adclan?Giãrri™,AiirtfBACHari

WSÊÊÊÈÈã
.

Pmi .«'..: . «Io Mir a hí^.^s tias es-


pas da revista do ConiH- São maravilho-
sas, fantásticas, incríveis!
ROBERTO ANJOS FERNANDES
R. Alfredo Albertini, 168
Santos -SP
Nem ê necessária dizer que quem voleru-
w a Espada Selvagem está, mensalmente,
ampliando wm acervo artística invejável,
çBjiot principais génios são, Bóris, Bob

Meus amigos, médicos cojjiç eu, viviam


ilMlfeauiÕa meu gosto por revistas de qua-
drintras um dia, um deles leu a
atuí que,
Voeis querem nwtw °s marretes'? Açuda Não sei como agradecer ao pessoal da Abril Espada Selvagem. A patíít dal, sá tareou
seção da Espado Selvagem n. 4, sobre os
1

pelo fantástico, incrível, inacreditável Ian- tumannoí Mm Clut* de leitores aqui no


"Amores de Conan" foi demais. Será que çamenío da Espada Selvagem, A t„ "L' ei- P
o simpático barbam se importaria se cu tá cada vez melhor, e o preço é realmente
'

MARCOS LUIZ GUEDES


OíNíOiásSÈ pelo menos uma. umazinha sO abaixo da mídia —
não paga nem a capa. R. Belém, 128
daquelas gatinhas? Eu jura que me conten- Eu tenho- pago dez vezes mais pra conse- ftma Manaus: AM
to s'.
:
>
com uma., guir um exemplar do Canan importado.
Mas... o que é que vocèi, enâc ''.vHmtiJr--
MARCELO M. MOLEDO A LR I MAR MACEDO RIBEIRO que ainda «ãa ftmuaram? t a JHeflK>r Jfer-
R. Major Carlos dei Pretlv, 1493 R. Fecha das Morras, 42
ma do pessoal se redimir d" dia^n^tn-v
09500 - Sã* Caetano do Sn] - SP 08179 - São Paulo - SP
eirado que eles haviam feito e que, ptu fe-
rir. ai. crí/ Vamfí.i por partex. .. primeiro, 6 E a Abril colabaraadii com a tçomnua do li, idade- ;.urn:,/ití ran i^nii?
cimérin não ê iã muito chegado u diplomu- fi («.' >f'','ií-

cm. f.sfí ni'xái-Mi de ir chamando de "sim- rando uns dalareziírhcs por aqui. Quanto ao EíL-revo pra voc£s mc ccmgratulaniio com
pâtii-ú" pra nvtwUit . w- ''Ut («.'(íhíAíj preçn, srnt demagogia, é mins Ultta kvmeiiG- o lançamento da incrível, fantástica e mira-
«ii/fr! foriff, não. Depois, aquelas gati- gent a esse pessoal inaravilitoso que nos bulam? Espada Selvagem de Canan Espe-
n seis anos. ro que continuem sempre trazendo essas
nhas gjrão muito mais /jru tigruaas e í , t.>;:;: i is . tie

(W*r «<to arriscar ... a aertte pode sair arra- k-:ài- :/(? sí i in?c.-: a r-,jjjj«;cfiííj do 'A'::,

nhado. Ou vfKx já se esqueceu do que a Marve! e Abril' Pois 4... quem apostou rui sj>, a um mundo difçrcnti: c mara* ithosi)
Sanja ê rapaz de fazer quando wr sujeito gente, continua $imhimd/>. MARCO ANTÔNIO RAMELO
'•em com uma:, -f-i !'.',> m turwfw- Av. Rómulo Lupo, 374
das pra cima dela"1 Sensacional, estupenda, chocanLC. Nunca vi 14&00 Araraquara • SP
nada igual a Espada Selvageiri de Çonait. Pa- Pode ter CflWeaa iJe que nós vamwi cnnú-
Muito obrigado. Obrigado pelo prazer de iídb íilã íjiií -Sisíir-í as:«,i 3 um filme. Os.
miar. Marco. A Espada Selvagem veto pra
saber que somos seres humanos e que vale de»nhos e argumentos de John Buswma s ficar e a maior prova diiso é que nasceu
a perra lutar conlra milhares para poder di- Ray Thomas .são simplesmente incríveis. E bimestral e em poucas edições já passo» a
zer eiim fé t COrAgem,,- "Graças a Craii), <s injati» cj Era Hiboriana, então? Pu\a. pes-
circular mensalmeale.
SPflí.,, mu iio obrigado.
AIRTON ADRIANO TR]Zl CARLOS AUGUSTO F. CONRADO Depois do lançamento da Espada Selva-
R, Alípio Benedito. 16 Av. Pinheiro Machado, 972 gem de Canan já nao me surpreendo com
05793 - São Paulo - SP 11100- Santos. SP •V.í'V- «Aid qut: OWíildia e seriedade (feS*
;i

Por Mitra. Airton! Que nossa lura comi- Que ê isso, Carlão'.' Se alguém tem que tki maravilhosa e compelenlc fábricy de so-
nue até que stjam&s veiteedórek Mas de . agradecer, somos nós. E a sua reação, co- nhos, que è a Editota Abril, venha a produ-
ma a gente liai poder sentir com as outras: zir Com um babador a tiracolo, para even-

milhares sãa cada ver menos. O incrível canas, i a mesma de milhares de marve- v.jaiii ij-cscuidos, o leitor, por uma módica

exército dos marveies está matar dia opôs tes de todo o Brasil, que estão de queixo quantia, pode usufruir de uma passagem
dia e, em breve, nenhuma Shadimr paeie- caída por causa da Espada Selvagem. E de ida — a volta não é garantida — a um?
rá conter nosso avanço. se depender da Abril, Oi Ortcpediital VâB efviiissçâo barbara e apagada pelo tempo,
futurar. haja mOxiiat!
. . O que í Conan. senão nós mesmos vesti-
Em meus doas anos cume professor de his- das com uma pele e armados com uma pe-
tória, uma dificuldade que sempre tive foi Sou que me tomei um
BDBcriheiro e desde sada c afiada espada, a lutar contra os in-
a de espelhar para meus alunos as situa- pai histórias cm quadrinhos, hã
aficiortaLJo fortúnios do mundo, quu muitas veies nos
ções e o modo efe vida (le Cíviliz^Va píi mais dc trinia anus, posso garantir que não agride sem que possamos revidar?
oiitivas. Com a Espado Selvagem de Ca- vi nada em termos de Brasil que se igualas- JORGE MIGUEL FILHO
nan isso acabou.,, além de ser uma magní- se à Espada Seli-agcm de Conáil. SíUS de- R, Br. Veiga Filho, 3SÍ
fica obra de arte. a revista ajuda, e muito, senbos são simplesmente perfeitos e os ar- 01229 -São Pado SP
meu processo educacional. gumentos tao fortes como hi muito não se
Mamvtlha. E cum as palavras do lorge.
BENTO MORAIS MARTINS encerramos por aqui essa nossa primeira
tt. General Osorio, 1675 LEONARDO KLAUS BRANDO seção de iQrTespvndêncie. Alè o m#s que
96100 - Pelotas - RS R. TtHBHBW, 14*
vimos 21911 - Rio de JtKKiro - RJ
Já há muito tempo, nós. da Abril,
alertando sobrer a utilização dos quadri- Quem acompanha os quadrinhos no Brasil
nhos nos métodos educativos, A carga de bei um i-erfy tempv. como o Leonardo, .ra-

ft^ortttações comidas nas histórias de su- ta que apenas umas pautas edições espe-
Ijer-hervis i bastante grande e diversas ciais /oram publicadas por aqui com o ní-
educadores iê"t se manifeaado a esse res- vel da Espada Selvagem. A diferença è
peito e o nosso professar è mais um des- que. com o Çonan, isso úcoveie