Você está na página 1de 17

CURSO DE PEDAGOGIA

CAMILA DO CARMO ROMANO

RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO I – EDUCAÇÃO


INFANTIL

Natal/RN
2018
CAMILA DO CARMO ROMANO

RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO I – EDUCAÇÃO


INFANTIL

Relatório de Estágio apresentado para a


disciplina de Estágio Curricular
Obrigatório – Educação Infantil no curso
de Pedagogia.
Orientador: profª. Ma. Lilian Amaral
da Silvia Souza Tutor Eletrônico:
Tutor de Sala:

NATAL/RN
2018
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO .................................................................................................... 3
CARACTERIZAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGIO ............................................. 4
DIÁRIOS DE OBSERVAÇÃO DE CAMPO ....................................................... 5
PLANOS DE AULA PARA REGÊNCIA ............................................................ 7
DIÁRIOS DAS REGÊNCIAS ............................................................................ 12
CONSIDERAÇÕES FINAIS ............................................................................... 8
REFERÊNCIAS ................................................................................................. 16
3

INTRODUÇÃO

Este portfólio tem por objetivo descrever as atividades desenvolvidas durante o


Estágio Curricular obrigatório I: Educação Infantil do curso de Licenciatura em
Pedagogia da UNOPAR ( Universidade Norte do Paraná ) realizado no Sistema
de ensino Recriar de Educação Infantil e Ensino Fundamental. Neste escopo
será evidenciada a importância do Estágio para o educador, as principais
características do ensino infantil, o procedimento adicional, bem como as
atividades desenvolvidas e seus resultados. Inicialmente expõe a
caracterização do campo de estágio dando sequência com os diários de
observações, planos de aula, diário de regência.
4

CARACTERIZAÇÃO DO CAMPO DE ESTÁGIO

A instituição de ensino observada Escola Recriar Eireli/ Ensino Fundamental e


Educação Infantil localizada no bairro de Candelária em Natal/RN.
Trata-se de uma escola particular, de classe média e que atende um público
misto, em questão de nível social. Inicialmente falando da sua estrutura física
a escola em questão é composta por cinco salas de aulas que se duvidem em:
nível I, II, III , 1°, 2°, 3°e 4° ano. O sistema de ensino Recriar oferece horário
parcial e também integral, porém não atende refeições. Possui espaço
recreativo composto de parque, caixa de areia, brinquedoteca, casinha de
boneca, biblioteca, salas de aula climatizadas, banheiros adulto e infantil, sala
de professores, secretaria, coordenação/ financeiro, diretoria, almoxarifado,
depósito, refeitório e cantina. A escola não possui quadra de esportes, mas
nem por isso os alunos deixam de desfrutar da prática esportiva, pois fazem
uso da CONACAN Conselho de Moradores de Candelária, um espaço próximo
a escola que disponibiliza de piscina, campo, salão de festas, salas de apoio
e banheiros, onde as crianças realizam essas atividades com segurança e
profissionalismo.
A respeito do corpo docente é formado por nove professores, todos com
formação superior em pedagogia, outros em letras e magistério, a Recriar
também conta com 4 estagiários conveniados por órgão competente (CIEE),
também conta com equipe de apoio composta por duas auxiliares de serviços
gerais, recepcionista, digitador, que atende também o financeiro,
coordenadora pedagógica e diretora.
Seguindo a corrente interacionista, aposta na combinação família e escola
caminhando lado a lado, trabalhando as datas comemorativas dentro dos seus
projetos pedagógicos sempre seguindo um calendário anual da escola (que
pode sofrer alterações), todo ano a escola da ênfase a um projeto literário onde
toda a escola se mobiliza, e também os projetos temáticos pertinentes aos
conteúdos trabalhados em sala, como também os individuais dos professores.
O planejamento da escola é feito no início do ano com uma semana
pedagógica, onde são definidas datas, projetos, eventos e reuniões. O Projeto
Político Pedagógico da escola engloba tudo que aqui foi falado como também
avaliação. Os horários de funcionamento são: 7:30 às 17:30.
5

DIÁRIOS DE OBSERVAÇÃO DE CAMPO

A fase de observação teve início no dia 03 de setembro de 2018 com duração


de 04 horas de permanência no campo de estágio e se encerrando no dia 20
de setembro, realizando o último dia de regência. Os diários foram divididos
em duas partes: observação do campo de estágio (onde foi permitido observar
apenas a sala que seria realizada a regência) e diário de realização da
regência.

Diário de observação n° 1.
Realizada a primeira visita no dia 03 de setembro de 2018, fui até a escola
citada para apresentação acadêmica, assim, iniciei a caracterização do campo
de estágio e o levantamento de informações necessárias para cumprir as
exigências do manual.
O primeiro contato foi bem proveitoso, conheci todo o espaço físico e
funcionários da escola.

Dando continuidade as observações no dia 04 de setembro de 2018, voltei a


escola para observar a sala na qual seria minha regência ( nível II), sala de aula
composta por 16 crianças, todas bem envolvidas com as atividades propostas
e demostrando curiosidade com minha presença. Me apresentei e fui bem
recebida por todos. Assim iniciei as observações dentro da sala. As crianças
iam chegando, eram acolhidas pela professora com um bom dia, na sequência
guardavam seus materiais e iam se sentando nas cadeiras organizadas em
grupo. Logo depois da acolhida era hora de fazer a fila para o parque, essa fila
sempre organizanda do menor para o maior. Ao chegar no parque algumas
crianças iam para a caixa de areia e outras não. Passado esse momento todos
tiravam os sapatos para limpar a areia e depois subiam para o espaço da
brinquedoteca onde eram feitas atividades direcionadas a socialização e
aprendizagem. Na sequência lavar as mãos e lanchar, sempre antes do lanche
agradecia com uma oração e uma canção (meu lanchinho). Após o lanche hora
da escovação, atividade do dia e agenda. A escola faz uso do livro didático e
todos fazem a atividade com um bom desempenho, alguns com ritmo mais
acelerado e outros menos. A professora sempre fazia uma explicação antes da
atividade envolvendo algo relacionado ao cotidiano das crianças. Alguns ficam
no horário integral e depois do momento da atividade vão tomar banho
enquanto os outros organizam na mochila agenda e atividade de casa. Após a
atividade tem o momento livre com brinquedos. Chegando assim o momento
de ir para casa para aqueles que são do horário parcial, enquanto que os que
são do horário integral vão para o refeitório almoçar.
6

No dia 05 de setembro de 2018, as crianças já estavam mais a vontade com


minha presença e eu observei elas mais a vontade, assim pude perceber
melhor a relação entre eles como também os conflitos e desempenho nas
atividades propostas. Após acolhida hora da fila e parque, neste dia a
professora teve mais dificuldade para formar a fila, teve que fazer algumas
intervenções para apaziguar uma disputa de brinquedo. Passado esse
momento do parque eles subiram para a brinquedoteca onde foi feita uma
atividade sobre cores. Depois desse momento lanche, escovação e atividade,
neste dia a atividade foi sobre o cravo e a rosa, onde tinha a canção no livro a
professora cantou e leu a canção e logo em seguida as crianças marcavam
um “x" na rosa e circulavam o cravo. Também falaram interpretando o que
aconteceu entre o cravo e a rosa. Após esse momento cumpriram a rotina de
guardar agenda e material e na sequência fizeram uso da massinha. Sempre
organizando as crianças em grupo nas mesinhas.

Dando sequência as observações, no dia 06 de setembro como era véspera


do feriado da independência, foi falado sobre a importância e do respeito à
pátria e também cantaram o hino nacional. Após o momento do lanche.
Também fizeram uma pintura da bandeira nacional brasileira. Observei as
crianças mais agitadas neste dia e bastante empolgados falando para onde
iam no feriado e o que iam fazer, abrindo assim um momento da rodinha de
conversa para falar a respeito disso, e esse foi um momento bem proveitoso
onde foi notória a observação do entrosamento entre as crianças. Depois de
cumprir a rotina diária foram organizando na parte de espera para ir pra casa
e os do período integral foram para o refeitório, neste dia estavam presentes
12 alunos.

Depois do fim de semana prolongado no dia 10 de setembro de 2018, todos


os alunos se fizeram presentes em sala e logo que foram acolhidos fizemos
uma rodinha de conversa para o jornalzinho do fim de semana, onde cada um
falou de como passou o fim de semana. Na sequência foram para o parque e
lá colocaram em prática nas brincadeiras livres os momentos do fim de
semana. Depois do parque todos foram limpar os sapatos com areia como de
costume e depois lavar as mãos para o momento do lanche, observei que as
crianças neste dia lançaram coisas bastante doces. Depois do lanche eles
fizeram uma atividade de noção espacial onde tinham que identificar: dentro e
fora. Também cobriram a vogal a.
No dia 11 de setembro após a acolhida todos foram para a brinquedoteca para
ouvir música e brinca de “batata que passa, passa". Na brincadeira quem
ficava com a “batata" saia da rodinha e percebi que alguns não aceitavam bem
a eliminação, gerando assim embates onde houve várias intervenções tirando
o foco da brincadeira. Depois desse momento cumpriram a rotina diária
(lanche, escovação e fila), fizeram atividade no livro onde tinham que ligar
figuras de cachorros para as sombras que mostravam a posição que o
cachorro se encontrava ( sentado, deitado ou pulando). Após atividade
continuidade da rotina pois se aproximava a hora da saída.
7

No dia 12 de setembro de 2018, a primeira criança que chegou foi um novato


e assim as demais crianças foram chegando e já conhecendo o novo colega
de sala onde acolheram e fizeram a apresentação com a música “Quem é que
veio hoje?” após acolhida fila para o parque, onde brincaram de pular pneus e
também de praia fazendo de conta que passaram um tubarão. Por se tratar do
dia final da parte de observação conclui meus levantamentos para executar os
estudos para os planos de aula.

PLANOS DE AULA PARA REGÊNCIA


Fundamentação teórica.

As disciplinas realizadas até esse semestre, visam à teoria sobre a educação


infantil para a pratica docente. No sentido mais amplo, educação é um processo
de atuação de um educador sobre o desenvolvimento do indivíduo a fim de que
ele possa atuar em uma sociedade pronta para a busca de aceitação dos
objetivos coletivos.
Paulo Freire retrata:
Alfabetização é a aquisição da língua escrita, por um processo de construção
do conhecimento, que se dá num contexto discursivo de interlocução e
interação, através do desvelamento crítico da realidade, como uma das
condições necessárias ao exercício da plena cidadania: exercer seus direitos e
deveres frente à sociedade global. (FREIRE, p. 59, 1996).
O papel da pedagogia, desde sua mais profunda origem é de estabelecer um
diálogo com as ciências humanas. Esse é um desafio permanente para os
pedagogos. A própria infância impõe seu direito de formação plena, como
sujeitos de valores, condutas, culturas, identidades, memória, sentimento e
corporeidade.
A mudança na educação brasileira foi implantada em 1996. Trata-se da mais
recente LDB, que trouxe diversas mudanças às leis anteriores, com a inclusão
da educação infantil (creches e pré-escolas).
Atendendo às determinações da Lei de Diretrizes (9.394/96) que estabelece
pela primeira vez na história de nosso país, que a educação infantil é a primeira
etapa da educação básica, nosso objetivo é auxiliá-lo na realização de seu
trabalho educativo diário junto às crianças pequenas.
Como as instituições que atendem as crianças de 0 à 5 anos são reconhecidas
como instituições educacionais, a LDB fixou normas que regem a formação
exigida para atuação do professor. Conforme a lei nº 9.394/96 em seu artigo
62:
A formação de docentes para atuar na educação básica far-se-á em nível
superior, em curso de licenciatura, de graduação plena, em universidades e
institutos superiores de educação, admitida, como formação mínima para o
exercício do magistério na educação infantil e nas quatro primeiras séries do
ensino fundamental, a oferecida em nível médio, na modalidade normal.
Em 1988, foi decretada a conquista do reconhecimento da educação em
creches e pré-escola como um direito da criança e um dever do estado. Diz a
8

Constituição, em seu artigo 208: “O dever do Estado com educação será


efetivado mediante garantia de [...] IV – atendimento em creche e pré-escola às
crianças de zero a seis anos de idade [...]”.
Falar de creche ou da educação infantil é muito mais do que fala de uma
instituição, de suas qualidades e defeitos, da sua necessidade social ou da sua
importância educacional. É falar da criança. De um ser humano pequenino, mas
exuberante de vida. (DIDONET, 2001).
A rotina no ambiente escolar é constante na educação infantil, pois essa etapa
é dedicada a cuidados pessoais, como: descanso, alimentação, higiene etc. A
organização inclui-se momentos de entrada e saída da creche / pré-escola,
recolhimento de material etc. Todas essas atividades que se repetem
diariamente na vida escolar foram denominadas rotina. A importância de o
professor conhecer seus alunos antes de planejar as rotinas é fundamental,
pois precisa identificar cada momento do aluno, quando estão mais cansados,
agitados, verificar quais atividades o grupo interage mais etc.
Entretanto, todas essas formas de trabalho vão depender do olhar do professor
sobre o trabalho da educação infantil.
A organização dos espaços dentro da educação infantil envolve todos que
frequentam esse espaço. Todos com necessidades diferentes, pois cada um
necessita de um espaço, como por exemplo: professores, funcionários
necessitam de um espaço, que seja para reunião, guardar os materiais etc. Os
pais eles precisam de um local para falar com os professores, para encontrar
com seus filhos, enfim, para se relacionar com todos. As crianças necessitam
de espaços para brincar, jogar, aprender, fazer suas necessidades fisiológicas,
comer. No entanto, quando falamos em educação infantil, temos que pensar na
organização dos espaços.
O cuidar e o educar estão nas coisas mais simples da rotina pedagógica da
educação infantil, como no momento da higiene, da alimentação e tantos
outros, que parecem ser simplesmente “cuidado”, também podem e devem ser
trabalhados dentro do aspecto educativo. Portanto cuidar e educar na
educação infantil significa ter situações de cuidados, brincadeiras e
aprendizagens orientadas de forma integrada e que possam contribuir para o
desenvolvimento. No entanto, torna-se impossível a dissociação do educar e
do cuidar, pois o educador necessita de um saber fazer que envolve a
sociedade.
O brincar para a criança é fundamental para o seu desenvolvimento, pois é no
lúdico que ela aprende a interagir com os outros e compartilhar as diferenças
de uma forma espontânea. O brincar favorece o desenvolvimento, o equilíbrio,
a comunicação, a criatividade, a independência e o crescimento intelectual e
emocional da criança. Essa peculiaridade da brincadeira ocorre por meio de
articulação entre a imaginação e a imitação da realidade. Toda brincadeira é
uma imitação transformada, no plano de emoções e das ideias, de uma
realidade anteriormente vivenciada. No ato de brincar, os sinais, os gestos, os
objetos e os espaços valem e significam outra coisa daquilo que aparentam ser.

Plano de Aula 1

Dados de Identificação
Escola: Sistema de ensino Recriar fundamental e Educação Infantil
9

Professor (a): Edinaide Tindô


Turma: Nível II
Período: matutino

Tema:
Cores
Objetivos: Reconhecer as cores , saber identificar, associar, saber que existem
cores primárias e secundárias, ampliar a oralidade, expor seus conhecimentos.

Conteúdo: Cores.

Metodologia: Receber as crianças com um belo bom dia e entregando crachás


em círculos com cores diferentes contendo o nome de cada um, em seguida
cumprir com a rotina diária e no momento do parque propor que elas deixem os
crachás todos em sala para que na volta identifiquem qual é o seu, depois do
lanche fazer uma rodinha de conversa para falar sobre a cores e apresentar a
poesia As Borboletas de Vinicius de Moraes. Logo em seguida fazer sua própria
borboleta e dá um nome para ela. Depois que todos terminarem fazer um grande
cartaz com todas as borboletas coladas.

Recursos: Cartolinas, giz de cera, cola, papel colorido, barbante, canetas e fita
dupla face.

Avaliação: Com base nos objetivos estabelecidos por meio da o observação,


participação e desenvolvimento das atividades propostas.
Bibliografia: RCNEI livro 1, Pratica Pedagógica Interdisciplinar: escola e
sociedade. Vilze Vidotte Costa, Cristina Danna Steuck, Patrícia Cesário Pereira
Offial e Roseky Cardoso Montagnini.

Plano de Aula 2

Dados de Identificação
Escola: Sistema de ensino Recriar fundamental e Educação Infantil
Professor (a): Edinaide
Turma: Nível II
Período: matutino

Tema: Números
Objetivos: Reconhecer os números , saber identificar, associar, quantificar,
ampliar a oralidade, expor seus conhecimentos.

Conteúdo: Números, reconhecimento, quantificação e identificação.


10

Metodologia: Receber as crianças com um belo bom dia e entregando adesivos


com números diferentes contendo o nome de cada um, em seguida cumprir com
a rotina diária e no momento do parque propor que fiquem na fila em ordem
crescente dos números, para que na volta identifiquem qual é o seu, depois do
lanche fazer uma rodinha de conversa para falar sobre os números e ressaltar
que eles estão em toda parte citando exemplos. Na sequência fazer colagem de
folhas nas árvores impressas no papel e depois contar quantas folhas colou e
quantas árvores tem ao todo na sala.
Recursos: Cartolinas, folha de A4, giz de cera, cola, folhas de árvore, papel
colorido, barbante, canetas e fita dupla face.

Avaliação: Com base nos objetivos estabelecidos por meio da o observação,


participação e desenvolvimento das atividades propostas.
Bibliografia: RCNEI livro 1, Pratica Pedagógica Interdisciplinar: escola e
sociedade. Vilze Vidotte Costa, Cristina Danna Steuck, Patrícia Cesário Pereira
Offial e Roseky Cardoso Montagnini.

Plano de Aula 3

Dados de Identificação
Escola: Sistema de ensino Recriar fundamental e Educação Infantil
Professor (a): Edinaide
Professor (a) estagiário (a):
Turma: Nível III
Período: matutino

Tema: Formas
Objetivos: Reconhecer as formas , saber identificar, associar, saber que existem
formas por toda parte, ampliar a oralidade, expor seus conhecimentos.

Conteúdo: formas, raciocínio, lógica.

Metodologia: Receber as crianças com um belo bom dia e entregando crachás


em círculos com cores diferentes contendo o nome de cada um dentro de uma
forma geométrica, em seguida cumprir com a rotina diária e no momento do
parque propor que elas deixem os crachás todos em sala para que na volta
identifiquem qual é o seu, depois do lanche fazer uma rodinha de conversa para
falar sobre as formas apresentando as que serão trabalhadas (quadrado,
triângulo, retângulo e círculo). Logo em seguida fazer o desenho das formas e
pintar com a cor que se pede e depois usar a caixa secreta para descobrir qual a
forma que está tocando. As crianças ficarão na ordem numérica do seu crachá e
11

um de cada vez vai colocar as mãos dentro da caixa para descobrir qual forma
tem aquele objeto e depois associar as formas apresentadas.

Recursos: Folha A4, giz de cera, cola, papel colorido, barbante, canetas e fita
dupla face, caixa de papelão, laranja, caixas vazias, bola, funil, casquinha de
sorvete e chapéu de festa.

Avaliação: Com base nos objetivos estabelecidos por meio da o observação,


participação e desenvolvimento das atividades propostas.
Bibliografia: RCNEI livro 1, Pratica Pedagógica Interdisciplinar: escola e
sociedade. Vilze Vidotte Costa, Cristina Danna Steuck, Patrícia Cesário Pereira
Offial e Roseky Cardoso Montagnini.

Plano de Aula 4

Dados de Identificação
Escola: Sistema de ensino Recriar fundamental e Educação Infantil
Professor (a): Edinaide
Turma: Nível II
Período: matutino

Tema:
Cantigas de roda
Objetivos: Conhecer cantigas , saber identificar, associar, saber que existem
outras formas de canta, oralidade, expor seus conhecimentos.

Conteúdo: Cantigas de roda.

Metodologia: Receber as crianças com um belo bom dia e convidá-las a sentar e


apreciar a música e observar os desenhos nas folhas. Em seguida cumprir com a
rotina diária e depois do lanche fazer uma rodinha de conversa para falar sobre
as cantigas e apresentar algumas Logo em seguida fazer a brincadeira da caixa
musical, onde em círculo as crianças ficarão sentadas passando a caixa e quando
a caixa parar tirar uma ficha e dizer uma música com a figura. Depois que todos
terminarem fazer um grande cartaz com as pinturas dos desenhos relacionados a
música.

Recursos: Cartolinas, giz de cera, cola, papel colorido, canetas, caixa de som,
caixa see papelão.

Avaliação: Com base nos objetivos estabelecidos por meio da o observação,


participação e desenvolvimento das atividades propostas.
12

Bibliografia: RCNEI livro 1, Pratica Pedagógica Interdisciplinar: escola e


sociedade. Vilze Vidotte Costa, Cristina Danna Steuck, Patrícia Cesário Pereira
Offial e Roseky Cardoso Montagnini.

Plano de Aula 5

Dados de Identificação
Escola: Sistema de ensino Recriar fundamental e Educação Infantil
Professor (a): Edinaide
Turma: Nível II
Período: matutino

Tema:
Noções espaciais
Objetivos: Localizar objetos e pessoas que estão ao seu redor, desenvolver
noçõesbásicas de lateralidade, levantar hipótese e confirmar possibilidades.

Conteúdo: Lateralidade e noção espacial.

Metodologia: Receber as crianças com um belo bom dia e convidá-las a


observar a sala de aula que vai está com objetos que não são do seu cotidiano
em sala normalmente, como (vassoura, abacaxi, escada de 3 degraus, mobile
infantil. Todos esses objetos deixados de maneira intencional para fomentar a
curiosidade dos pequenos. Depois fazer uma experimentação de cada um dizer
se o objeto está: em cima, em baixo, na frente, atrás ou de lado deles. Depois
fazer atividade na folha onde eles têm que pintar só os objetos que estão em
cima, circularão que estão em baixo e fazer um “x" nos que estão do lado da
menina da figura.

Recursos: Cartolinas, lápis de cor, fita adesiva, vassoura, abacaxi, escada e


mobile infantil.

Avaliação: Com base nos objetivos estabelecidos por meio da o observação,


participação e desenvolvimento das atividades propostas.
Bibliografia: RCNEI livro 1, Pratica Pedagógica Interdisciplinar: escola e
sociedade. Vilze Vidotte Costa, Cristina Danna Steuck, Patrícia Cesário Pereira
Offial e Roseky Cardoso Montagnini.

Plano de Aula 6

Dados de Identificação
Escola: Sistema de ensino Recriar fundamental e Educação Infantil
Professor (a): Edinaide Tindô
13

Turma: Nível II
Período: matutino

Tema: Circuito psicomotor


Objetivos: Estimular a capacidade de reação rápida e estímulo e adquirir maior
controle do próprio corpo.
Conteúdo: psicomotricidade e atividade recreativa.
Metodologia: Receber as crianças com um belo bom dia e entregando crachás
em círculos com cores diferentes contendo o nome de cada um e números, em
seguida cumprir com a rotina diária e depois do momento colocá-lo em fila na
ordem numérica crescente e levá-los até a brinquedoteca, lá estará montado
previamente um circuito com cores, formas e número, onde eles vão na ordem
numérica jogar o dado observando o número que caiu para pular as casas
indicadas, fazendo assim todo circuito e passando o dado para o colega seguinte.
Porém quando a música parar eles têm que imediatamente dizer quem é o
próximo número.
Recursos: Cartolinas, emborrachado de e.v.a., caixa de papelão, caixa de som,
fita colante colorida e barbante.

Avaliação: Com base nos objetivos estabelecidos por meio da o observação,


participação e desenvolvimento das atividades propostas.
Bibliografia: RCNEI livro 1, Pratica Pedagógica Interdisciplinar: escola e
sociedade. Vilze Vidotte Costa, Cristina Danna Steuck, Patrícia Cesário Pereira
Offial e Roseky Cardoso Montagnini.

DIÁRIOS DAS REGÊNCIAS

No dia 13 de Setembro de 2018 dei início a regência seguindo os planos


de aula na sequência citada a cima, a professora supervisora de campo me
deixou bem a vontade com as crianças o que facilitou bastante o entrosamento
da turma comigo. Eles se envolveram bastante com os temas propostos. O
tema cores foi bem aceito e eles demonstraram familiaridade com elas
desenvolvendo muito bem os desafios.
Já no tema dos números aula aplicada no dia 14 de setembro, alguns
ainda não seguiam uma sequência numérica ordenada e também não
conseguiram identificar alguns números como: 4, 5, 7 e 9.
Porém conseguiram fazer a contagem correta durante os desafios propostos.
14

Dando sequência à regência no dia 17 de setembro apresentei para a turma


as formas geométricas citadas no plano acima e eles também mostram que
tinha noções dia respeito das formas, porém alguns ainda não associam com
o ambiente e os objetos do cotidiano, ainda necessitam de intervenção e mais
observação.
No dia 18, logo após acolhida e cumprimento da rotina, fizemos uma roda e de
maneira espontânea coloquei em prática o plano das cantigas, as crianças
tiveram uma participação espetacular e demonstraram domínio sobre a
maioria das cantigas apresentadas e ainda relacionaram com o seu cotidiano.
No dia seguinte foi a vez do plano noções espaciais onde alguns ficavam na
dúvida a respeito de lado e de costas, isso no momento em que estavam em
grupo, porém demonstraram domínio na maioria dos desafios.
Partindo para a finalização esse plano do circuito de psicomotricidade foi o
plano onde englobou todos os outros fazendo um mix dos conhecimentos
adquiridos ao longo da semana e partilhando as vivências daquele dia. Eles
gostaram e se divertiram bastante com a proposta deste plano. Todos
participaram e a maioria cumpriu o desafio proposto pela aula.
15

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A experiência em sala de aula, tanto observando, quanto regendo, são


imprescindíveis à formação do professor. Todas as etapas do Estágio foram de
suma importância e enriquecedora para o aprendizado. No contexto do ensino
infantil, procurou-se prepara aulas diferenciadas que despertassem a
curiosidade e atenção das crianças; a cada dia, percebia-se o interesse cada
vez maiores a interação com os assuntos abordados. As atividades dadas em
sala de aula, as dinâmicas E exercícios foram realizadas com êxito por parte
dos discentes.
16

REFERÊNCIAS

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: 1988. São Paulo: IMESP,


1988.

PRADO, Iara, SANTOS, Marilene, Referencial Curricular Nacional para educação

BAGNO, Marcos. Pesquisa na escola: o que é, como se faz. 3ª Edição. São Paulo: Edições
Loyola,1999.

MACEDO, Lino de. Quatro cores, senha e dominó: Oficinas de jogos em uma perspectiva
construtivista e psicopedagogica. 2ª Edição. São Paulo: Casa do psicólogo,1997.

KISHIMOTO, Tizuco M. (Org.) Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 5ª Edição. São Paulo:
Cortez,2001.

PSICOPEDAGOGIA ON LINE. Brincar na escola. 2006. Disponível


em:http://www.psicopedagogiaonline.com.br/artigos Acesso em: 20 out,2006.

PSICOPEDAGOGIA ON LINE. Brincar uma necessidade. 2006. Disponível


em: http://www.psicopedagogiaonline.com.br/artigos Acesso em 20 out.2006.

Você também pode gostar