Você está na página 1de 2

• Laranja Mecânica

◦ Protagonista sádico e violento


◦ Identificação
• O filme deixou de ser exibido no Reino Unido em 1973, atendendo solicitações de Stanley
Kubrick depois de receber ameaças e protestos, por supostamente influenciar casos de violência
dois anos após seu lançamento (documentário Forbidden Fruit a respeito do caso)
• Violência é desencorajado pelos preceitos morais
• Tendências naturais à violência (ligar com teorias psicológicas)
• Os impulsos violentos naturais aos humanos precisam encontrar veículos seguros para a sua
satisfação. Exemplos: programas como Law & Order, CSI, 24 horas têm tanto sexo e violência
quanto Laranja Mecânica mas oferecem ao cidadão de bem uma exploração segura e
socialmente aceita da curiosidade a respeito de atos criminosos enquanto oferecem ainda a
purificação moral da violência policial
• Existe diferença psicológica real entre a apreciação da violência sem sentido pelo sádico e da
violência justificada, pelo cidadão de bem?
• Quando se acredita que a violência é justificada, a exigência da psique moral rebaixa e os
indivíduos se tornam mais capazes de apreciá-la esteticamente
• Para pessoas impedidas pela inibição moral de apreciar a violência sem sentido, a narrativa da
retribuição da violência sofrida é uma forma barata de estabelecer o precedente pra um desfecho
sangrento
• Este tipo de rebaixa das exigências morais torna populares filmes que justificam a violência
pela vingança, tais como A Fonte da Donzela, John Wick, Kill Bill ou Carrie
• Outra forma de rebaixar as exigências morais é justificar a violência pela busca de justiça
• A consciência moral serve de inibidor para os impulsos violentos porque se tende a solidarizar
com as vítimas, o que veta qualquer prazer que se pode derivar do ato mas, uma vez que esta
instância psicológica é burlada, há um transe catártico nas fúrias agressivas
• Um exemplo da catarse é o comportamento de jogos violentos, quando não há consequências
práticas ou morais para transgressões das regras
• Sem fazer juízos morais a respeito da influência dos jogos sobre os impulsos agressivos, ao
oferecer uma simulação onde não há consequências para agir violentamente, pode-se verificar
de forma prática a dissonância entre o comportamento sem repressão e o inibido
• É possível também deduzir do fato de que, sendo a violência a mecânica central de muitos jogos
usados como diversão, a realização de atos de violência deve ser, em algum nível, satisfatória,
mesmo que esta satisfação seja derivada de vieses culturais como a glorificação de guerras
• O documentário “The Act of Killing” (2012) retrata a vida atual de uma gangue de
anticomunistas indonésios que, nos anos 60, cometeram o assassinato de centenas de milhares
de pessoas em um evento central no estabelecimento da chamada Nova Ordem, que eliminou o
partido comunista, seguido de um golpe de estado que levou a uma ditadura que se prolongou
até 1998. Um dos assassinos, em uma entrevista para a TV, afirma como os crimes foram
inspirados em filmes americanos e o documentário mostra, então, o grupo reencenando seus
atos em versões estilizadas como estes mesmos westerns e filmes de gangsters
• (Incluir referência à cena do criminoso falando – recomendo mas é o tipo de filme que só se vê
uma vez, porque ele toca na crueldade e falta de humanidade de forma criativa e provocante,
questionando nossa tendência a negar ou justificar a história. O final é de uma crueza tão
comovente que causa náuseas pela reflexão que provoca)
• Endosso dos EUA aos assassinatos garante a impunidade dos criminosos
• A satisfação trazida pelos atos de violência é a mesma quer a justificativa faça sentido
racionalmente, quer não. Psicologicamente, o sádico racionalmente justificado não difere
daquele cujas justificativas não se sustentam ou do que vive em situações políticas favoráveis