Você está na página 1de 24

Irmãos, quero lembrar-lhes o evangelho que lhes

preguei, o qual vocês receberam e no qual estão


firmes. Por meio deste evangelho vocês são
salvos, desde que se apeguem firmemente à
palavra que lhes preguei; caso contrário, vocês
têm crido em vão. Pois o que primeiramente lhes
transmiti foi o que recebi: que Cristo morreu
pelos nossos pecados, segundo as Escrituras,
foi sepultado e ressuscitou no terceiro dia,
segundo as Escrituras...

1 Coríntios 15.1-4
Decidi nada saber entre vocês, a não
ser Jesus Cristo, e este, crucificado.

1 Coríntios 2.2
A cruz estava no centro
da pregação apostólica

a morte de Jesus era a coisa mais


importante e o cerne da mensagem

era a sua “hora”

A cruz, (Jo 12.23-24,27)

para Jesus deveria ser a sua memória

(Lc 22.19-20)
Ninguém pode compreender a Cristo
até que compreenda a sua cruz.

P. T. Forsyth
A história por
A história
trás da história

“Cristo morreu pelos


traição

nossos pecados,
conspiração
segundo as Escrituras...”
Jesus morreu

“em nosso favor”

ou morreu

“em nosso lugar”?


“Cristo nos redimiu da maldição
da Lei quando se tornou
maldição em nosso lugar.”

Gálatas 3.13

“Deus tornou pecado por nós aquele


que não tinha pecado, para que nele
nos tornássemos justiça de Deus.”

2 Coríntios 5.21
Eu podia aceitar Jesus como mártir,
uma encarnação do sacrifício e
mestre divino. Sua morte na cruz foi
um magnífico exemplo para o mundo,
mas a existência nisso de uma virtude
misteriosa ou miraculosa, meu
coração jamais pôde aceitar.

Gandhi, Uma Autobiografia, 1894


No relato cristão, Jesus morre para
que Deus possa perdoar pecados.
Para muitos, isso parece absurdo e
até mesmo mórbido. “Por que Jesus
tinha que morrer?” é uma pergunta
que ouço mais dos nova-iorquinos do
que “Deus existe?”. Eles
indagam:“Por que Deus não podia
simplesmente nos perdoar?”

Tim Keller
A pergunta crucial que devemos fazer
não é por que Deus acha difícil
perdoar, mas como é que ele acha
possível, de algum modo, fazê-lo.

John Stott

O perdão, para o homem, é o mais


claro dos deveres; para Deus é o mais
profundo dos problemas

Carnegie Simpson
1) imagem e semelhança de Deus

quem 2) corrompidos pelo pecado


somos? Por que geralmente aumentamos as nossas virtudes
e escondemos os nossos pecados?
Você realmente acredita na sua inocência?

1) amor absoluto

quem é 2) santidade absoluta


Deus? Por que geralmente escondemos a santidade de
Deus e só vemos o amor absoluto?
Você realmente amaria um Deus sem ira?
Por causa da
sua grande
o pecado é
justiça, Deus
punido
precisa punir o
pecado
substituto
Por causa do
seu grande
o pecador é
amor, Deus
perdoado
deseja salvar o
pecador
Todas as doutrinas inadequadas acerca da expiação
advêm das doutrinas inadequadas de Deus e do homem.
Se trouxermos Deus para o nosso nível e nos elevarmos
ao dele, então, é claro, não veremos necessidade de uma
salvação radical, muito menos de uma expiação radical
que a garanta. Quando, por outro lado, tivermos um
vislumbre da deslumbrante glória da santidade divina, e
formos convencidos de nosso pecado pelo Espírito Santo
de tal modo que tremamos na presença de Deus e
reconheçamos o que somos, a saber, pecadores que
merecem ir para o inferno, então, e somente então a
necessidade da cruz ficará tão óbvia que nos
espantaremos de jamais tê-la visto antes...
... O pano de fundo essencial da cruz, portanto, é uma
compreensão equilibrada da gravidade do pecado e da
majestade de Deus. Se diminuirmos uma delas, diminuímos
a cruz. Se reinterpretarmos o pecado como lapso em vez de
rebeldia, e Deus como indulgente em vez de indignado,
então naturalmente a cruz parecerá supérflua. Mas
destronar a Deus e entronizar a nós mesmos não somente
desfaz a necessidade da cruz, também degrada a Deus e
ao homem. Uma perspectiva bíblica de Deus e de nós
mesmos, entretanto, isto é, de nosso pecado e da ira divina,
honra a ambos. Honra aos seres humanos afirmando que
são responsáveis por suas ações. Honra a Deus afirmando
que ele possui caráter moral.

John Stott
“um Deus sem ira trouxe
homens sem pecado para um
reino sem julgamento por meio
das ministrações de um Cristo
sem uma cruz.”

Richard Niebuhr
Resumindo:

Lembrar que Jesus ofensa

é o nosso substituto loucura

nos ajuda a ver escândalo

quem de fato somos pedra de tropeço


Resumindo:

Lembrar que Jesus Alguém que se


é o nosso substituto ira contra o mal

nos ajuda a ver Alguém que ama


quem é Deus o pecador
Posturas diante da cruz:

humilde sincera
confissão adoração
Por amor, vieste ao meu lugar.
Por amor, sofreste em meu lugar.
Por amor, morreste em meu lugar.
Por amor, pra me salvar.

Tanto Amor
Sérgio Pimenta
Tanto amor...
não há como entender!
Tanto amor...
não há como esquecer!
Tanto amor...
não há como reter!
Tanto amor...
para viver!
Tanto Amor
Sérgio Pimenta
Jesus, Rei dos Reis,
Senhor de vitória,
A ti, seja o louvor e honra
e a glória para sempre!
Aleluia! Aleluia!

Tanto Amor
Sérgio Pimenta