Você está na página 1de 8

Guia Prático de Endodontia – Amália Pletsch

ENDODONTIA

FORMA DE CONVENIÊNCIA

ICS , ILS, ICI, ILI - triângulo com base pra incisal de


bordos arredondados 2 mm do cíngulo em direção à
incisal

CANINO – Pentagonal, piriforme ou lanceolada

1º PMS, 2ºPMS – Elipse ou oval centro da face oclusal

1º PMI, 2º PMI – centro da face oclusal – ovalado Broca Endo Z

1º MS, 2ºMS – trapézio de base pra V (maior canal P)  Broca Long Neck (LN): Serve para fazer uma
canaleta fina entre o pino e a estrutura
1º MI, 2º MI – trapézio de base M (maior canal D) dentinária pra colocar o ultrassom e remover
o pino. Ou na busca de canal atrésico.
INSTRUMENTAIS

CLÍNICO: pinça, espelho, sonda exploradora (reta e nº


5), sonda mm, escavador de dentina, carpule,
espátula 24 e placa de vidro.

DX: Espelho (teste de percussão), bolinhas de algodão


estéreis, roletes de algodão (teste de vitalidade com
endo frost e para isolamento relativo), cones de guta-
percha, colgadura, filme e posicionador.
 Broca transmetal: desgaste para remoção de
ANESTESIA: anestésico, carpule e agulha... próteses

CIRURGIA DE ACESSO:

 Pontas de 1011 a 1016 haste curta e longa


diamantada
 Brocas esféricas multilaminadas carbide 2 e 4
pra remoção de cárie
 Brocas 3082, 4083 e Endo Z (ponta inativa): Isolamento absoluto do campo operatório
Remoção de interferências laterais no acesso
sem interferir na furca; dão formato final à GRAMPOS
cavidade de acesso e ajudam na remoção do
 Tipo Ivory
teto da câmara pulpar.
Ant: 00, 1, 1A, 2ª

PRÉ: 1, 1A, 2A, 00

Mol: 14, 14ª, 5, 8

 Grampos plásticos
 Grampos SS White
Ant: 210, 211,212
Pré: 206 a 209
Mol: 200 a 205
Broca 3082 Broca 4083
IRRIGAÇÃO E ASPIRAÇÃO
PREPARO DA EMBOCADURA
- Broca Largo 1 e 2 – preparo do terço - Seringa hipodérmica de 3 mL com CHX + ponta
cervical, cinemática de penetração e
retrocesso; forma cilíndrica. TRABALHA EM
LATERALIDADE
capillary tip

- Seringa hipodérmica de 5mL com soro + ponta


navitip

- Broca Gates: forma de pêra 2,3; Trabalha em


profundidade; preparo do terço cervical e - Sugador
médio. Em ordem decrescente. - Cânula de aspiração com ponta mais calibrosa

- cuba metálica

INSTRUMENTAÇÃO

LIMAS

LA AXXESS: função da Gates e largo mas é mais NUMERADAS DE 10 A 140


agressiva
- De 5 em 5 até o 60

- após de 10 em 10 até 140

- CORES: Branca, Amarela, vermelha, azul, verde e


preta

-SÉRIE ESPECIAL: 6 Rosa; 8 Cinza; 10 Lilás.

PADRONIZAÇÃO DAS LIMAS


ODONTOMETRIA
 O nº do cabo representa em centésimos de
- Régua plástica: Mede o CAD na radiografia
mm o diâmetro da ponta da lima
- Régua metálica endodôntica: mede o CT  D = 30/100 =0,3 mm (maior o numero mais
calibrosa)
- Localizador apical: alça labial no lado oposto ao  Parte ativa SEMPRE tem 16 mm
dente  Conicidade constante de 0,02
LIMAS TIPO K - maior poder de corte, mas SEM flexibilidade

- Exploração, esvaziamento e modelagem do canal - SÓ LIMAGEM

- 1, 2, 3 e série especial - 3 séries

- Ângulo de 60º e bordos cortantes

- Secção quadrangular

- seu ângulo 45º permite ALARGAMENTO E LIMAGEM

- Alargamento: movimento que consiste na OBTURAÇÃO


introdução, rotação ¼ de volta e remoção do - Lamparina, espátula 24, placa de vidro, espátula de
instrumento. guta .
- Limagem: movimento que consiste na introdução,
tração contra a parede do canal e remoção (vai e
vem).

LIMAS TIPO FLEXOFILE

- Secção triangular

- quadrado cheio no cabo

- alargamento e limagem ESPÁTULA DE GUTA

- flexíveis - Cones de papel absorvente

- canais curvilíneos - cones de guta-percha (M e FM)

- 1 série - cimento obturador

- 1/3 de volta - Espaçadores digitais

LIMAS HEDSTROEM Compactador de Mcspadden: utilizado no sentido


horário
- circular

- não pode girar


* Usar seringa de 5 mL e deixar agir entre 3 e 5 min. A
agitação do produto com ultrassom ou lima permite
ação mais efetiva;

SOLUÇÕES IRRIGADORAS : só exerce ação física não


antimicrobiana

- soro fisiológico

COLOCAR MEDICAÇÃO INTRACANAL E CIMENTO - água destilada estéril


OBTURADOR – LENTULO : Utilizado em mov. H.

MEDICAÇÃO INTRA CANAL

Utilizar porque após PQM bactérias são detectadas


em até 60% dos casos.

OBJETIVOS:

- eliminar Mos que sobreviveram ao PQM

- estimular a reparação por tecido mineralizado


INSTRUMENTAIS COMPLEMENTARES: superbonder ou
topdam, lentulo, stops. - neutralizar produtos tóxicos

SISTEMA DE CANAIS - controlar exsudação

- canal principal - controlar reabsorção externa inflamatória

- canal colateral: paralelo ao principal QUANDO INDICAR

- lateral: sai do principal e atinge o terço médio do 1) Rizogenese incompleta, abscessos, traumas e
periodonto necrose
2) Tempo, exsudação persistente e
- secundário: sai do lateral e atinge o periodonto no
sintomatologia dolorosa
terço apical

- acessório: ramificação do secundário


MEDICAÇÕES
- Interconduto: Une 2 canais entre si
- Paramonoclorofenol PMCC : cânfora diminui a
- Delta apical: múltiplas ramificações do canal
toxicidade, contato direto e liberação de vapores, alta
SQA toxicidade e ação curta; indicado pra dentes com
necrose em período inferior a 5 dias.
- Hipoclorito de sódio: ação antimicrobiana de amplo
espectro e capacidade de dissolução de tecido - Tricresolformalina ou formocresol: ação bacteriana,
orgânico contato direto e liberação de vapores, ação alquilante
da formalina sobre proteínas e ácidos dos Mos;
- Clorexidina: ação antimicrobiana de amplo espectro elevada citotoxicade; fixa o tecido.
e substantividade (gel é melhor)
- Otosporin: CORTICOSTERÓIDE + ANTIBIÓTICO –
AGENTES QUELANTES atenua reação inflamatória, reduz dor, aplica bolinha
de algodão bastante úmido sobre o tecido pulpar
- EDTA 17%: Remover smear layer e auxiliar na
remanescentes. De 2 a 7 dias .
instrumentação/ exploração de canais atrésicos
- CHX gel 2%: ação antimicrobiana; substantividade; PQM INCOMPLETO
biocompatibilidade; inibe metaloproteinases; não
dissolve tecido orgânico. 7 dias. - Polpa necrosada: CHX gel 2% no canal e selamento
coronário
- HIDRÓXIDO DE CÁLCIO: Contato direto; veículos
hidrossolúveis ou oleosos; inertes ou biologicamente - Polpa viva: otosporin e selamento
ativos; ação anti-inflamatória; ação antimicrobiana; PQM COMPLETO
neutralização de endotoxinas; propriedade anti-
hemorrágica; indução do reparo por tecido - Hidróxido de cálcio +CHX+selamento
mineralizado.
*NECROSE: INDICADO SESSÕES MÚLTIPLAS
-CHX GEL + HIDRÓXIDO DE CÁLCIO: soma as ações.
REMOÇÃO DA MIC
Aplicação
- Cuidados relevantes
* Espatulação: consistência de pasta de dente 1
medida de HC + 0,2 mL de CHX * Irrigação copiosa com soro fisiológico
*Calibração: 3 mm aquém do CT * EDTA 17% (no máximo 3’)
*Incorporação: lentulo com rotação horária LIMPEZA E FORMATAÇÃO
*Período intracanal: 7 a 14 dias - Químicos: SQA+MIC
*Compressão algodão+calcador - Físicos: irrigação /aspiração
*Selamento: Bolinha de algodão + coltosol + CIV - Mecânicos: instrumentação

ISOLAMENTO ABSOLUTO

- Dentes com pulpite: imediatamente após a chegada


à câmara pular

- Dentes com necro ou reintervenção: imediatamente


após o acesso (cirurgia de acesso completa)

DESINFECÇÃO DO CAMPO OPERATÓRIO

- CHX, álcool 70%, hipoclorito, algodão, seringa, gaze.

SELAMENTO DO LENÇOL DE BORRACHA

- superbonder ou TOPDAM

COMO USAR BROCAS GATES

- Longo eixo do canal

- entrar e sair girando

- com CHX gel

- movimento vertical com mínimo de repetições e


leve pressão apical

- uso decrescente
ODONTOMETRIA ELETRÔNICA 7-espatular o cimento: filete de 2,5 cm que não deve
cair antes de 16s
- mais confiável e com mais precisão que Rx
8-colocar cimento no canal com lentulo, mcspadden,
- eletrodo na mucosa labial (alça) sempre do lado lima limpa ou com o próprio cone mestre
oposto ao tratamento
9-colocar cone mestre
- adaptar presilha na lima
10-colocar cones secundários com espaçadores
PATÊNCIA digitais (geralmente B e C) amarelo-vermelho-azul-
- Lima #10, 8 ou 15 passa o instrumento 1 mm além verde
do forame para desorganizar o material ali 11- corte dos cones: calcador de Paiva aquecido ao
impactado. Com lima tipo K e flexofile. Fazer entre rubro e condensação vertical
uma lima e outra.
12-selamento coltosol+CIV
TÉCNICA CÉRVICO-APICAL

1- Radiografia inicial e planejamento


(Determinar CAD) DIAGNÓSTICOS EM ENDODONTIA
2- Anestesia
3- Cirurgia de acesso POLPA
4- IACO 1) Inflamatórias
5- Exploração dos canais A) CRÔNICAS
6- Preparo cervical (Gates e largo)
7- Odontometria - Pólipo pular: pulpite proliferativa ou hiperplásica,
8- Determinação da LAI molares geralmente, tratamento radical
9- Preparo apical LAI + 3 limas (biopulpectomia), granuloso, fibroso.
10- Escalonamento STEP BACK
11- Obturação
12- Selamento

OBTURAÇÃO

1 – Seleção do cone mestre CALIBRADO 1 mm aquém - Pulpite crônica ulcerativa: inflamada, geralmente em
do CT restaurações de amálgama, sangramento escuro,
superfície da polpa ulcerada (úlcera tópica)
2- Prova do cone com canal preenchido de CHX

3- TESTES DO CONE MESTRE

a) Teste visual: ver se a marcação coincide com a


referencia do instrumento
b) Teste tátil: cone oferece certa resistência
c) Teste radiográfico: confirmar posicionamento

4- Desinfecção dos cones: CHX gel 2% sobre eles em


gaze por 5 min B) AGUDAS
5-Remove CHX com soro, coloca EDTA 17% e remove - Pulpite reversível: inflamação com vitalidade
com soro preservada; capacidade reparadora se eliminar causa;
RESPOSTA FORTE AO FRIO EM TEMPO CURTO; Aguda,
6 – Secar o canal com cânula fina e cones de papel
rápida, localizada e fugaz. Calor resposta tardia ou
(mesmo calibre que o cone mestre calibrado no CT)
aguda. Teste de cavidade dor e percussão negativa.

- Pulpite irreversível: polpa não tem capacidade de


reparo; FRIO resposta forte por longo tempo na fase
inicial; alivia na fase final; AGUDA, LOCALIZADA,
PROVOCADA; exacerba com irrigação cefálica; pulsátil;
excruciante; lancinante; reflexa ou referida; contínua 3) NECROSE
ou espontânea; calor exacerba ; cavidade dói; - Assintomático
percussão negativo. Pulpectomia. - NÃO responde ao teste de sensibilidade
- LP normal ou espessado
- dente escurecido
- dente recém necrosado ainda responde
(falso positivo)

PERIÁPICE
1) AGUDAS

2) DEGENERATIVAS - Pericementite apical aguda ou periodontite apical


aguda: aumenta edema, dor intensa, expontânea,
- Esclerose pulpar: dente castanho; propor localizada, dor à mastigação, dente “crescido” “não
tratamento; difícil ver o canal no Rx. pode tocar com a língua”. Aumenta o espaço
pericementário (exsudato).

- Reabsorção interna: mancha rosa na coroa;


reabsorção – odontoclasto reabsorve a dentina; - Abscesso periapical agudo ou perirradicular: dor
deforma a cavidade pulpar; induz necrose parcial; expontânea, pulsátil, lancinante, localizada, purulenta
tratamento imediato . e infecção. Pode haver envolvimento sistêmico.
Tumefação intra e extra oral (pode ter ponto de
flutuação)
- dentes vitais, assintomática

- RL

- nenhum tratamento

-lesões múltiplas

- Abscesso fênix: crônico que reagudizou; febre, mal


esfar; o trajeto fistuloso pode ser muito doloroso
(furar c broca)

2) CRÔNICAS – NÃO DÓI

- Granuloma apical ou periodontite apical crônica:


sensibilidade negativa; negativo à percussão; destrói
lamina dura.

- Cisto perirradicular: granuloma epitelizado (halo


radiopaco)

- abscesso perirradicular crônico: pus nos interior do


granuloma ou cisto; OBS: EMPIEMA É O PUS QUE
DRENA POR CAV NATURAL, EX. NASAL.

- Osteíte condensante: polpa pode estar vital; pode


responder a sensibilidade; imagem RP difusa; polpa
com inflamação crônica vai necrosar; inflama osso e
medula; LP separa raiz da lesão.

DISPLASIA CEMENTÁRIA PERIAPICAL – Dx diferencial


das anteriores

- Geralmente dentes inferiores

- Mulheres, negras