Você está na página 1de 57

Capítulo 1: Introdução ao PC

Um computador é uma máquina eletrônica que executa cálculos baseado em um


conjunto de instruções. Os primeiros computadores eram máquinas enormes, do
tamanho de uma sala, que precisavam de várias pessoas para construí-los, gerenciá-
los e mantê-los. Os sistemas computacionais atuais são exponencialmente mais
rápidos e têm apenas uma fração do tamanho desses computadores originais.

Um sistema computacional consiste em componentes de hardware e software. O


hardware é o equipamento físico. Inclui o gabinete, o teclado, o monitor, os cabos, as
unidades de armazenamento, os alto-falantes e as impressoras. O software inclui o
sistema operacional e os programas. O sistema operacional gerencia operações do
computador como a identificação, o acesso e o processamento de informações. Os
programas ou aplicativos realizam funções diferentes. Os programas variam muito
dependendo do tipo de informações que são acessadas ou geradas. Por exemplo, as
instruções para conferir os lançamentos de uma conta-corrente são diferentes das
instruções para simular um mundo de realidade virtual na Internet.

Gabinetes

O gabinete de um computador desktop abriga os componentes internos, como a fonte


de alimentação, a placa-mãe, a CPU (unidade central de processamento), a memória,
as unidades de disco e as várias placas.

Os gabinetes geralmente são feitos de plástico, aço ou alumínio e fornecem a


estrutura para sustentar, proteger e refrigerar os componentes internos.

O formato do dispositivo se refere ao seu projeto e aparência física. Os computadores


desktop estão disponíveis em uma variedade de formatos, incluindo:

 Gabinete horizontal – Formato muito utilizado nos primeiros sistemas de


computadores. O gabinete do computador tinha orientação horizontal na mesa
do usuário com o monitor posicionado sobre ele. Esse não é mais um formato
muito utilizado.

 Torre () – Este é um gabinete de computador com orientação vertical. Fica


geralmente no chão embaixo ou ao lado de uma escrivaninha ou mesa. Ele
oferece espaço para expansão e acomodação de componentes adicionais, como
unidades de disco, placas entre outros. Requer um teclado, um mouse e um
monitor externos.

 Torre compacta () – Esta é uma versão menor da torre, encontrada comumente


no ambiente corporativo. Ela pode também ser chamada de minitorre ou modelo
de formato pequeno (SFF - Small Form Factor). Pode ficar na mesa do usuário ou
no chão. Fornece espaço limitado para expansão. Requer um teclado, um mouse
e um monitor externos.

 All-in-one () - Todos os componentes do sistema computacional são integrados


ao monitor. Eles muitas vezes incluem tela sensível ao toque, além de microfone
e alto-falantes integrados. Dependendo do modelo, os computadores all-in-one
oferecem poucos ou nenhum recurso de expansão. Requer um teclado, um
mouse e uma fonte de alimentação externos.

Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06


(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
Observação: essa lista não é definitiva, pois muitos fabricantes de gabinetes têm
suas próprias convenções de nomenclatura. Elas podem incluir supertorre, torre
grande, torre média, minitorre, gabinete-cubo entre outros.

Os componentes de um computador tendem a gerar muito calor; por isso, os


gabinetes de computador contêm ventiladores que movimentam o ar pelo gabinete. À
medida que o ar passa pelos componentes quentes, ele absorve o calor e sai do
gabinete. Esse processo impede o superaquecimento dos componentes do
computador. Os gabinetes também são projetados para proteção contra danos
causados por eletricidade estática. Os componentes internos do computador são
aterrados por meio de uma conexão com o gabinete.

Observação: os gabinetes de computador são também chamados de chassi, carcaça,


torre ou simplesmente caixa.

Fontes de Alimentação

As tomadas de parede fornecem a eletricidade em corrente alternada (CA).


Entretanto, todos os componentes de um computador exigem energia em corrente
contínua (CC). Para obter a energia em CC, os computadores usam uma fonte de
alimentação, para converter a energia de CA em CC de tensão mais baixa.

As várias fontes de alimentação de computadores desktop que evoluíram ao longo do


tempo são descritas a seguir:

 Advanced Technology (AT) – Esta é a fonte de alimentação para sistemas


computacionais antigos. Hoje é considerada obsoleta.

 AT Extended (ATX) – Esta é a versão atualizada da AT, mas ainda considerada


obsoleta.

 ATX12V – Esta é a fonte de alimentação mais comum no mercado hoje. Ela


inclui um segundo conector para a placa-mãe para fornecer energia dedicada à
CPU. Existem várias versões de ATX12V disponíveis.

 EPS12V – Esta foi originalmente projetada para servidores de rede, mas é


comumente usada em modelos de desktop avançados.

Uma fonte de alimentação inclui vários conectores diferentes. Esses conectores são
usados para alimentar vários componentes internos, como a placa-mãe e as unidades
de disco. Os conectores são "chanfrados", o que significa que são projetados para
serem inseridos apenas em uma orientação.

Os diferentes conectores também fornecem tensões diferentes. As tensões mais


comuns fornecidas são 3,3 volts, 5 volts e 12 volts. As tensões de 3,3 volts e 5 volts
são geralmente usadas por circuitos digitais, enquanto a tensão de 12 volts é usada
para acionar motores em unidades de disco e ventiladores

As fontes de alimentação também podem ser de trilho único, trilho duplo ou vários
trilhos. Um trilho é a placa de circuito impresso (PCB) interna da fonte de
alimentação à qual os cabos externos são conectados. O trilho único tem todos os
componentes conectados à mesma PCB, enquanto uma PCB de vários trilhos tem
PCBs separadas para cada conector.

Um computador pode tolerar ligeiras flutuações de energia, mas uma variação


significativa pode provocar falha da fonte de alimentação.
Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06
(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06
(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
Potência da Fonte de Alimentação

As especificações da fonte de alimentação são geralmente expressas em watts (W).


Para compreender o que um watt representa, consulte a tabela na , que descreve as
quatro unidades básicas de eletricidade que um técnico de computador deve
conhecer.

Uma equação básica, conhecida como Lei de Ohm, expressa que a tensão é igual à
corrente multiplicada pela resistência: V = IR. Em um sistema elétrico, a potência é
igual à tensão multiplicada pela corrente: P = VI.

Os computadores geralmente usam fontes de alimentação cuja capacidade de saída


varia de 250 W a 800 W. No entanto, alguns computadores precisam de 1200 W e
fontes de alimentação de maior capacidade. Ao montar um computador, selecione
uma fonte de alimentação com potência suficiente para alimentar todos os
componentes. Cada componente do computador usa uma certa quantidade de
potência. Obtenha as informações de potência na documentação do fabricante. Ao
escolher uma fonte de alimentação, verifique se optou por uma que tenha potência
maior que o suficiente para os componentes atuais. As fontes de alimentação com
potência nominal mais alta têm mais capacidade; portanto, podem suprir mais
dispositivos.

Na traseira de algumas fontes de alimentação, há um pequeno switch chamado


switch seletor de tensão, . Esse switch define a tensão de entrada da fonte de
alimentação como 110 V/115 V ou 220 V/230 V. Uma fonte de alimentação com esse
switch é chamada de fonte de alimentação bivolt. A configuração da tensão correta é
determinada pelo país em que a fonte de alimentação é usada. A configuração do
switch de tensão com uma tensão de entrada incorreta pode danificar a fonte de
alimentação e outras peças do computador. Se uma fonte de alimentação não tiver
esse switch, ela detectará e configurará automaticamente a tensão correta.

CUIDADO: Não abra uma fonte de alimentação. Os capacitores eletrônicos localizados


em fontes de alimentação, mostrados na , podem armazenar carga por períodos
prolongados de tempo.

Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06


(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
Laboratório - Lei de Ohm

Neste laboratório, você responderá perguntas sobre eletricidade e a Lei de Ohm.

Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06


(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
Placas-mãe

A placa-mãe, também conhecida como placa de sistema ou placa principal, é o


principal elemento do computador. , uma placa-mãe é uma placa de circuito impresso
(PCB) que contém barramentos ou circuitos elétricos, que interligam componentes
eletrônicos. Esses componentes podem ser soldados diretamente à placa-mãe ou
adicionados usando soquetes, slots de expansão e portas.

Estas são algumas das conexões na placa-mãe, à qual os componentes do


computador podem ser adicionados, :

 Unidade Central de Processamento (CPU) - Ela é considerada o cérebro do


computador.

 Memória de Acesso Aleatório (RAM) - Este é o local de armazenamento


temporário de dados e aplicativos.

 Slots de expansão - Fornecem locais para conexão de componentes


adicionais.

 Chipset - Consistem em circuitos integrados na placa-mãe que controlam


como o hardware do sistema interage com a CPU e a placa-mãe. Também
determinam quanta memória pode ser adicionada a uma placa-mãe e o tipo de
conectores na placa-mãe.

 BIOS (Basic input/output system, Sistema Básico de Entrada/Saída) e UEFI


(Unified Extensible Firmware Interface, Interface Unificada de Firmware
Extensível) - A BIOS é usada para ajudar a inicializar o computador e gerenciar o
fluxo de dados entre a unidade de disco, a placa de vídeo, o teclado, o mouse e
outros. Recentemente, a BIOS foi aprimorada para UEFI. A UEFI especifica uma
interface de software diferente para o boot e serviços em tempo de execução,
mas ainda se baseia na BIOS tradicional para a configuração do sistema, o
autoteste de inicialização (POST) e a configuração da máquina.

A maioria dos chipsets consiste nos dois tipos a seguir:

 Northbridge – Controla o acesso de alta velocidade à RAM e à placa de vídeo.


Também controla a velocidade na qual a CPU se comunica com todos os outros
componentes do computador. O recurso de vídeo é às vezes integrado à
Northbridge.

 Southbridge – Permite que a CPU se comunique com dispositivos de


velocidade mais baixa, incluindo discos rígidos, portas USB e slots de expansão.

O fator de forma das placas-mãe se refere ao tamanho e ao formato da placa. Ele


também descreve o layout físico dos diferentes componentes e dispositivos na placa-
mãe.

Houve muitas variações de placas-mãe desenvolvidas ao longo dos anos. Existem


três formatos comuns de placa-mãe:

 Advanced Technology eXtended (ATX) - Este é o formato de placa-mãe mais


comum. O gabinete ATX acomoda as portas de E/S integradas à placa-mãe ATX
padrão. A fonte de alimentação ATX conecta-se à placa-mãe por meio de um
único conector de 20 pinos.
Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06
(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
 Micro-ATX – Este é o menor formato projetado para ser compatível com a
versão ATX. As placas Micro-ATX muitas vezes usam os mesmos chipsets
Northbridge e Southbridge e o mesmo conector de energia que as placas ATX
padrão e, portanto, podem usar muitos dos mesmos componentes. Geralmente
as placas Micro-ATX podem ser encaixadas em gabinetes ATX padrão.
Entretanto, as placas-mãe Micro-ATX são muito menores que as placas-mãe ATX
e têm menos slots de expansão.

 ITX - O formato ITX ganhou popularidade devido ao seu tamanho reduzido. Há


muitos tipos de placas-mãe ITX; no entanto, o Mini-ITX é um dos mais utilizados.
O formato Mini-ITX usa muito pouca energia, por isso não são necessários
ventiladores para mantê-lo refrigerado. Uma placa-mãe Mini-ITX tem apenas um
slot PCI para placas de expansão. Um computador baseado em um formato Mini-
ITX pode ser usado em lugares em que é inconveniente ter um computador
grande ou barulhento.

Observação: é importante distinguir entre os formatos. A opção de formato de placa-


mãe determina como os componentes individuais são encaixados nela, o tipo de
fonte de alimentação necessário e o formato do gabinete do computador. Alguns
fabricantes também têm formatos proprietários baseados no design ATX. Isso faz com
que algumas placas-mãe, fontes de alimentação e outros componentes sejam
incompatíveis com gabinetes ATX padrão.

Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06


(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06
(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
Arquiteturas de CPU

Enquanto a placa-mãe é considerada a espinha dorsal do computador, a unidade


central de processamento (CPU) é considerada o cérebro. Considerando o poder de
processamento, a CPU, às vezes chamada de processador, é o elemento mais
importante de um sistema computacional. A maioria dos cálculos ocorre na CPU.

As CPUs apresentam-se em diferentes formatos, cada estilo exigindo um slot ou


soquete específico na placa-mãe. Os fabricantes mais comuns de CPUs são a Intel e
a AMD.

O soquete ou o slot da CPU é a conexão entre a placa-mãe e o processador. Os


soquetes das CPUs e os processadores modernos baseiam-se nas seguintes
arquiteturas:

 Pin Grid Array (PGA) () - Na arquitetura PGA, os pinos ficam na parte inferior do
processador, que é inserido no soquete da CPU na placa-mãe usando o soquete
ZIF (Zero Insertion Force ou Força de Inserção Zero). O ZIF se refere à
quantidade de força necessária para instalar uma CPU no soquete ou no slot da
placa-mãe.

 Land Grid Array (LGA) () - Em uma arquitetura LGA, os pinos ficam no soquete
em vez de no processador.

Um programa é uma sequência de instruções armazenadas. A CPU executa essas


instruções seguindo um conjunto de instruções específico.

Existem dois tipos distintos de conjuntos de instruções que as CPUs podem usar:

 Reduced Instruction Set Computer (RISC - Computador com um Conjunto


Reduzido de Instruções) - Esta arquitetura usa um conjunto de instruções
relativamente pequeno. Os chips RISC são projetados para executar essas
instruções muito rapidamente.

 Complex Instruction Set Computer (CISC - Computador com um Conjunto


Complexo de Instruções) - Esta arquitetura usa um conjunto amplo de
instruções, resultando em menos passos por operação.

Quando a CPU está executando um passo do programa, as instruções restantes e os


dados são armazenados próximos em uma memória especial de alta velocidade,
chamada cache.

Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06


(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
Aumentando o Desempenho da CPU

Vários fabricantes de CPU complementam suas CPUs com recursos de aumento de


desempenho. Por exemplo, a Intel incorpora o hyper-threading para aumentar o
desempenho de algumas de suas CPUs. Com o hyper-threading, vários trechos de
código (threads) são executados simultaneamente na CPU. Para um sistema
operacional, uma única CPU com hyper-threading funciona como se houvesse duas
CPUs quando várias threads estão sendo processadas. Os processadores AMD usam
HyperTransport para aumentar o desempenho da CPU. O HyperTransport é uma
conexão de alta velocidade entre a CPU e o chip Northbridge.

A capacidade de uma CPU é medida em função de sua velocidade e do volume de


dados que ela pode processar. A velocidade de uma CPU é medida em ciclos por
segundo, por exemplo, milhões de ciclos por segundo, ou megahertz (MHz), ou bilhões
de ciclos por segundo, ou gigahertz (GHz). O volume de dados que uma CPU pode
processar de cada vez depende do tamanho do barramento frontal (FSB - Front Size
Bus). Ele também é chamado de barramento da CPU ou barramento de dados do
processador. É possível atingir um desempenho mais alto quando a largura do FSB
aumenta. A largura do FSB é medida em bits. Um bit é a menor unidade de dados de
um computador. Os computadores atuais usam FSBs de 32 ou 64 bits.

O overclocking é uma técnica usada para fazer um processador trabalhar com uma
velocidade mais rápida que sua especificação original. O overclocking não é uma
forma recomendada de melhorar o desempenho do computador e pode resultar em
dano à CPU. O oposto de overclocking é a redução da frequência (downclocking ou
underclocking) da CPU. A redução da frequência da CPU é uma técnica usada quando
o processador opera com uma velocidade menor que a velocidade nominal para
preservar energia ou produzir menos calor. A redução de frequência é comumente
usada em notebooks e outros dispositivos móveis.

A tecnologia de processador mais recente resultou na descoberta pelos fabricantes


de CPU de formas de incorporar mais de um núcleo de CPU em um único chip. Os
processadores com vários núcleos têm dois ou mais processadores no mesmo
circuito integrado. A tabela da figura descreve os vários tipos de processadores de
vários núcleos.

A integração dos processadores no mesmo chip cria uma conexão muito rápida entre
eles. Os processadores com vários núcleos executam instruções mais rapidamente
que os processadores de núcleo único. As instruções podem ser distribuídas a todos
os processadores ao mesmo tempo. A RAM é compartilhada entre os processadores
porque os núcleos residem no mesmo chip. Um processador com vários núcleos é
recomendado para aplicações como edição de vídeo, jogos e manipulação de fotos.

O alto consumo de energia produz mais calor no gabinete do computador. Os


processadores com vários núcleos preservam energia e produzem menos calor que
múltiplos processadores de núcleo único, aumentando assim o desempenho e a
eficiência.

As CPUs também foram aprimoradas com a introdução do bit NX, também chamado
execute disable bit. Este recurso, quando suportado e habilitado no sistema
operacional, pode proteger áreas de memória que contêm arquivos do sistema
operacional de ataques mal-intencionados de malwares.

Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06


(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
Sistemas de Refrigeração

O fluxo de corrente entre componentes eletrônicos gera calor. Os componentes do


computador têm melhor desempenho quando se mantêm refrigerados. Se o calor não
for removido, o computador pode operar de forma mais lenta. Se muito calor se
acumula, o computador pode travar ou os componentes podem ser danificados.
Portanto, é imprescindível que os computadores se mantenham refrigerados.

Observação: os computadores se mantêm refrigerados usando soluções de


refrigeração ativas e passivas. As soluções ativas exigem energia, e as soluções
passivas não.

O aumento do fluxo de ar no gabinete do computador permite que mais calor seja


dissipado. Uma solução de refrigeração ativa usa ventoinhas em um gabinete de
computador para eliminar o ar quente, . Para maior fluxo de ar, alguns gabinetes têm
várias ventoinhas puxando ar frio, enquanto outra ventoinha elimina ar quente.

Dentro do gabinete, a CPU gera muito calor. Para remover o calor do núcleo da CPU,
um dissipador de calor é instalado sobre ela, . O dissipador de calor tem uma área de
superfície grande com aletas de metal para dissipar o calor para o ar em volta. Isso é
chamado de refrigeração passiva. Entre o dissipador de calor e a CPU há uma pasta
térmica especial. A pasta térmica aumenta a eficiência da transferência de calor da
CPU para o dissipador de calor preenchendo qualquer pequena lacuna entre os dois.

As CPUs com overclocking ou que estejam operando com vários núcleos tendem a
gerar calor excessivo. É uma prática muito comum instalar uma ventoinha sobre o
dissipador de calor, . A ventoinha transfere o calor para fora das aletas de metal do
dissipador de calor. Isso é chamado de refrigeração ativa.

Outros componentes também são suscetíveis a dano por calor e são muitas vezes
equipados com ventoinhas. Muitas placas de vídeo têm seu próprio processador
chamado unidade de processamento gráfico (GPU) que gera calor excessivo. Algumas
placas de vídeo são equipadas com um ou mais ventoinhas, .

Os computadores com CPUs e GPUs extremamente rápidas usam um sistema de


refrigeração a água, . Uma placa de metal é inserida sobre o processador, e a água é
bombeada sobre a parte superior dessa placa para coletar o calor que o processador
gera. A água é bombeada para um radiador que dispersa o calor para o ar. Em
seguida, a água volta a circular.

Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06


(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
As ventoinhas da CPU fazem ruído e podem incomodar em altas velocidades. Uma
alternativa a refrigerar uma CPU com uma ventoinha é um método que utiliza tubos
de calefação. O tubo de calefação contém líquido que é permanentemente vedado na
fábrica e usa um sistema de evaporação e condensação cíclico.

Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06


(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
ROM

Um computador tem diferentes tipos de chips de memória. No entanto, todos os chips


de memória armazenam dados na forma de bytes. Um byte é um agrupamento de
informações digitais e representa informações como letras, números e símbolos.
Especificamente, um byte é um bloco de oito bits armazenados como 0 ou 1 no chip
de memória.

Um chip de computador essencial é o de memória de somente leitura (ROM - Read


Only Memory). Os chips ROM ficam na placa-mãe e em outras placas de circuito e
contêm instruções que podem ser acessadas diretamente por uma CPU. As
instruções armazenadas na ROM incluem instruções de operação básica como
inicialização do computador e carregamento do sistema operacional.

A figura mostra detalhes sobre eles.

É importante observar que os chips da ROM mantêm seu conteúdo mesmo quando o
computador está desligado. O conteúdo não pode ser apagado ou alterado com
facilidade.

Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06


(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
RAM

A RAM (Random Access Memory), também chamada de Memória de Acesso Aleatório,


é o local de armazenamento temporário de dados e programas que estão sendo
acessados pela CPU.

Existem tipos diferentes de RAM que podem ser usadas por um computador. A figura
mostra detalhes sobre eles.

Ao contrário da ROM, a RAM é uma memória volátil, o que significa que seu conteúdo
é apagado sempre que o computador é desligado.

Observação: a ROM é não volátil, o que significa que o conteúdo não é apagado
quando o computador é desligado.

Acrescentar mais RAM em um computador aumenta o desempenho do sistema. Por


exemplo, mais RAM aumenta a capacidade de memória do computador de manter e
processar programas e arquivos. Com menos RAM, um computador precisa trocar
dados entre a RAM e o disco rígido, que é muito mais lento. A quantidade máxima de
RAM que pode ser instalada é limitada pela placa-mãe.

Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06


(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
Módulos de Memória

Os primeiros computadores tinham RAM instalada na placa-mãe como chips


individuais. Os chips de memória individuais, chamados chips DIP (dual in-line
package) eram difíceis de instalar e muitas vezes ficavam frouxos. Para resolver esse
problema, os projetistas soldaram os chips de memória a uma placa de circuito para
criar um módulo de memória que era inserido no slot de memória da placa-mãe.

Os diferentes tipos de módulos de memória são descritos na .

Observação: os módulos de memória podem ser de lado único ou de lado duplo. Os


módulos de memória de lado único contêm RAM somente em um lado do módulo. Os
módulos de memória de lado duplo contêm RAM nos dois lados.

A velocidade da memória tem um impacto direto no volume de dados que um


processador pode processar em determinado período de tempo. À medida que a
velocidade do processador aumenta, a velocidade da memória também deve
aumentar. A produtividade da memória também foi aumentada por meio da tecnologia
de multicanais. A RAM padrão tem um único canal, o que significa que todos os slots
de RAM são endereçados ao mesmo tempo. A RAM de canal duplo adiciona um
segundo canal para poder acessar um segundo módulo ao mesmo tempo. A
tecnologia de canal triplo fornece outro canal para que os três módulos possam ser
acessados ao mesmo tempo.

A memória mais rápida é geralmente a RAM estática (SRAM), que é a memória cache
para armazenamento dos dados e instruções usados mais recentemente pela CPU. A
SRAM permite ao processador acesso mais rápido aos dados do que a RAM dinâmica
(DRAM), ou da memória principal, que é mais lenta.

Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06


(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
Memória cache

Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06


(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
Placas e Slots de Expansão

As placas, ou adaptadores, aumentam a funcionalidade do computador adicionando


controladores para dispositivos específicos ou substituindo portas que não
funcionam corretamente.

Existe uma variedade de placas disponíveis que podem expandir e personalizar os


recursos de um computador:

 Placa de som - Placas de som fornecem recursos de áudio.

 Placa de interface de rede (NIC) - Uma NIC conecta um computador a uma


rede usando um cabo de rede.

 NIC sem fio - Uma placa NIC sem fio conecta um computador a uma rede
usando radiofrequência.

 Adaptador de vídeo – Adaptadores de vídeo oferecem recursos de vídeo.

 Placa de captura - Placas de captura enviam um sinal de vídeo a um


computador para que o sinal possa ser gravado no disco rígido do computador
com um software de captura de vídeo.

 Placa sintonizadora de TV - Proporcionam o recurso de assistir a sinais de


televisão e gravá-los em um PC, conectando um cabo de TV, satélite ou antena à
placa sintonizadora instalada.

 Porta USB - As portas USB conectam um computador a dispositivos


periféricos.

 Placa Thunderbolt - Elas conectam um computador a dispositivos periféricos.

 RAID - Uma placa de RAID se conecta a várias unidades de disco rígido (HDDs)
ou unidades de estado sólido (SSDs), fazendo com que trabalhem como uma
unidade lógica.

Deve-se observar que algumas dessas placas podem ser integradas à placa-mãe.

Observação: os computadores mais antigos podem ter uma placa de modem; uma
placa AGP (Accelerated Graphics Port), uma placa SCSI (Small Computer System
Interface) entre outras.

Os computadores têm slots de expansão na placa-mãe para instalação de placas. O


tipo de conector da placa deve ser compatível com o slot de expansão.

Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06


(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
Slot de Expansão

Sociedade Benfeitora Jaguaré – CNPJ: 62.852.892/0001-06


(11) 3763-2016 / 3768-0552 - benfeitorajaguare.org.br -mkt@benfeitorajaguare.org.br
Rua Floresto Bandecchi, 156 - Jaguaré - São Paulo CEP: 05336-010
Dispositivos de Armazenamento

Unidades de armazenamento, leem ou gravam informações na mídia de


armazenamento magnético, ótico ou de semicondutor. A unidade pode ser usada para
armazenar dados permanentemente ou para recuperar informações de um disco de
mídia.

São tipos comuns de unidades de armazenamento:

 Unidade de Disco Rígido (HDD) - HDDs são os dispositivos de disco magnético


tradicionais que tem sido usados por anos. Sua capacidade de armazenamento
varia de gigabytes (GBs) a terabytes (TBs). Sua velocidade é medida em rotações
por minuto (RPM). Isso indica a rapidez com que o eixo gira os pratos que
armazenam os dados. Quanto maior a velocidade do eixo, mais rápido um disco
rígido pode localizar os dados nos pratos. Entre as velocidades comuns de disco
rígido estão 5400, 7200 e 10.000 RPM.

 Unidade de Estado Sólido (SSD) - SSDs usam chips de memória flash não
volátil para armazenar dados. Isso significa que elas são mais rápidos que os
HDDs magnéticos. Sua capacidade de armazenamento também varia de GBs a
TBs. Os SSDs não têm peças móveis. Portanto, não fazem barulho, são mais
eficientes quanto ao uso de energia e produzem menos calor que os HDDs. Os
SSDs têm o mesmo formato que os HDDs e estão sendo cada vez mais usados no
lugar dos HDDs magnéticos.

 Unidade Híbrida – Também chamada de unidade híbrida de estado sólido


(SSHD). São um meio termo entre um HDD magnético e um SSD. Eles são mais
rápidos que um HDD, mas menos caras que um SSD. Eles são um HDD magnético
com um SSD integrado que serve como cache. A unidade SSHD armazena os
dados frequentemente acessados em uma cache de forma automática.

 Unidade Ótica - Uma unidade ótica usa lasers para ler dados em mídias óticas.
Há três tipos de unidades óticas, incluindo discos compactos (CD), disco digital
versátil (DVD) e disco Blu-ray (BD). As mídias de CD, DVD e BD pode ser pré-
gravada (somente leitura), gravável (uma única gravação) ou regravável (leitura e
múltiplas gravações). A descreve os vários tipos de mídias óticas e sua
capacidade de armazenamento aproximada.

 Unidade de Fita - Fitas magnéticas são usadas com mais frequência para
arquivamento de dados. A unidade de fita usa um cabeçote magnético de
leitura/gravação. Embora a recuperação de dados usando uma unidade de fita
possa ser rápida, a localização de dados específicos é lenta porque a fita deve
ser enrolada até que os dados sejam encontrados. As capacidades de
armazenamento comuns em fita variam entre alguns GBs a TBs.

 Pendrive Externo - Uma unidade flash externa, como um pendrive USB que se
conecta a uma porta USB. Uma unidade flash externa usa o mesmo tipo de chip
de memória não volátil que os SSDs. Ela não exige energia para manter seus
dados. Sua capacidade de armazenamento varia de MBs a GBs.
Interfaces de Dispositivos de Armazenamento e RAID

HDDs internos, SSDs e unidades óticas muitas vezes se conectam à placa-mãe


usando conexões SATA (Serial AT Attachment). As unidades SATA se conectam à
placa-mãe usando um conector de dados SATA de 7 pinos.

Em uma extremidade do cabo, o conector é chanfrado para a unidade e, na outra


extremidade, ele é chanfrado para o controlador da unidade. A mostra um cabo SATA.

Existem 3 principais versões de SATA: SATA 1, SATA 2 e SATA 3. Os cabos e


conectores são os mesmos, mas as velocidades de transferência de dados são
diferentes. O SATA 1 permite uma taxa de transferência de dados máxima de 1,5 Gb/s
enquanto o SATA 2 pode chegar a 3 Gb/s. O SATA 3 é o mais rápido com velocidade de
até 6 GB/s.

Observação: os métodos de conexão de unidades internas legadas incluem IDE


(Integrated Drive Electronics), EIDE (Enhanced Integrated Drive Electronics) e ATA
paralelo.

Os dispositivos de armazenamento podem também se conectar externamente ao


computador. A mostra uma unidade de disco rígido portátil conectada a um notebook
usando um cabo USB. O USB se tornou a forma mais comum de conectar dispositivos
externos. O SATA externo (eSATA) é outra forma de conectar dispositivos de
armazenamento externo. Os cabos e conectores eSATA têm um formato diferente dos
cabos e conectores SATA.

O USB 3.0 e o USB 3.1 têm cor azul e se tornaram muito utilizados para conectar
dispositivos de armazenamento externo por causa das rápidas taxas de transmissão.
As unidades USB também têm recurso de hot swap (troca quente), o que significa que
não há necessidade de reiniciar um computador ao adicionar ou remover uma
unidade. Uma única porta USB em um computador pode, teoricamente, suportar até
127 dispositivos separados com o uso de hubs USB. Um hub USB permite a conexão
de vários dispositivos USB. Por fim, muitos dispositivos podem ser energizados pela
porta USB, eliminando a necessidade de uma fonte de alimentação externa.

Existem vários tipos de conectores USB. Os métodos de conexão de dispositivos de


armazenamento externo são descritos na tabela na .
Os dispositivos de armazenamento podem ser agrupados e gerenciados para criar
grandes espaços de armazenamento com redundância. Para isso, os computadores
podem implementar uma tecnologia de Vetor de Redundância de Discos
Independentes (RAID - Redundant Array of Independent Disks). A RAID proporciona
uma forma de armazenar dados em vários discos rígidos para obter redundância e/ou
melhoria de desempenho. Para o sistema operacional, um vetor RAID se apresenta
como um único disco.

Os termos a seguir descrevem como a RAID armazena dados nos vários discos:

 Paridade - Detecta erros de dados.

 Distribuição - Grava dados em várias unidades.

 Espelhamento - Armazena dados duplicados em uma segunda unidade.

Há vários níveis de RAID disponíveis. A compara esses diferentes níveis de RAID.


Portas de Saída e Cabos de Vídeo

Uma porta de saída de vídeo conecta um monitor a um computador usando um cabo.


As portas de saída de vídeo e os cabos de monitor transferem sinais analógicos,
sinais digitais ou ambos. Computadores são dispositivos digitais que criam sinais
digitais. Os sinais digitais são enviados para a placa gráfica, na qual eles são
transmitidos por um cabo para um monitor digital. Os sinais digitais também podem
ser convertidos em sinais analógicos pela placa gráfica e transferidos para um
monitor analógico. A menor qualidade da imagem é o resultado da conversão do sinal
digital para o sinal analógico. Um monitor e um cabo de monitor que sejam
compatíveis com sinais digitais fornecem qualidade de imagem mais alta do que os
compatíveis somente com sinais analógicos.

Existem várias portas de saída de vídeo e tipos de conector.

 Interface digital visual (DVI) () - O conector DVI é geralmente branco e


consiste em 24 pinos (três fileiras de oito pinos) para sinais digitais, 4 pinos para
sinais analógicos e um pino chato chamado barra de aterramento.
Especificamente, o DVI-D lida somente com sinais digitais, enquanto o DVI-A lida
somente com sinais analógicos. O DVI usa uma interface de links duplos que cria
dois grupos de canais de dados que podem carregar mais de 10 Gb/s de
informações de vídeo digital.

 Conector DisplayPort () – O DisplayPort é a tecnologia de interface projetada


para conectar PCs com recursos gráficos avançados e monitores, bem como
equipamentos e monitores de home theater. O conector consiste em 20 pinos e
pode ser usado para áudio, vídeo ou ambos. O DisplayPort é compatível com
taxas de dados de até 8,64 Gb/s.

 Mini DisplayPort - Uma versão menor do conector DisplayPort é chamada Mini


DisplayPort. Ela é usada em implementações de Thunderbolt 1 e Thunderbolt 2.

 HDMI (High-Definition Multimedia Interface) - A interface de multimídia de alta


definição foi desenvolvida especificamente para televisões de alta definição.
Entretanto, suas funcionalidades digitais também a tornam uma boa candidata
para computadores. Existem dois tipos comuns de cabos HDMI. O cabo HDMI de
tamanho convencional Tipo A é o padrão usado para conectar dispositivos de
vídeo e áudio. O Mini-HDMI tipo C é usado para conectar notebooks e
dispositivos portáteis como tablets. O conector tipo C mostrado na é menor que
o conector tipo A e tem 19 pinos.

 Thunderbolt () – Thunderbolt 1 e Thunderbolt 2 usam o adaptador Mini


DisplayPort (MDP), enquanto Thunderbolt 3 exige um conector USB-C.

 Conector VGA () – Este é um conector para vídeo analógico. Ele tem 3 fileiras e
15 pinos. Ele é também chamado de conector DE-15 ou HD-15.

 Conectores RCA () – Os conectores RCA têm um plugue central com um anel


em volta e são usados para transmitir áudio ou vídeo. Os conectores RCA são
muitas vezes encontrados em grupos de três, em que um conector amarelo
transmite vídeo e um par de conectores vermelho e branco transmitem os canais
de áudio esquerdo e direito.

 Conector BNC () – BNCs conectam cabos coaxiais a dispositivos usando um


esquema de conexão em ângulo de 90 graus. O BNC é usado com áudio digital e
analógico ou com vídeo.
 Din-6 – Este conector tem 6 pinos e é comumente usado para áudio, vídeo e
alimentação em aplicações de câmera de segurança.

Sem fio – Estes geralmente têm transmissores adicionais para se conectarem a um


monitor externo/TV.

Observação: métodos de conexão de monitores antigos incluem vídeo composto/RGB


ou S-Video.
Outras Portas e Cabos

As portas de entrada/saída (I/O) em um computador conectam dispositivos


periféricos, como impressoras, scanners e discos portáteis. Além das portas e
interfaces anteriormente abordadas, um computador pode também ter outras portas:

 Portas PS/2 () – Uma porta PS/2 conecta um teclado ou mouse a um


computador. A porta PS/2 é um conector fêmea mini-DIN de 6 pinos. Os
conectores do teclado e do mouse muitas vezes têm cores diferentes. Se as
portas não forem codificadas por cores, procure uma pequena imagem de um
mouse ou de um teclado próximo a cada porta.

 Portas de áudio () – As portas de áudio conectam os dispositivos de áudio ao


computador. As portas analógicas geralmente incluem uma porta de entrada
para conexão com uma fonte externa (por exemplo, um sistema de som), uma
porta de microfone e portas de saída para conectar alto-falantes ou fones de
ouvido. Portas de entrada e saída digitais estão também disponíveis para
conectar dispositivos digitais. Esses conectores e cabos transferem pulsos de
luz por cabos de fibra ótica.

 Porta de jogo/MIDI () – Conecta um joystick ou dispositivo de interface MIDI.

 Porta de rede Ethernet () – Uma porta de rede, anteriormente conhecida como


porta RJ-45. Uma porta de rede Ethernet tem 8 pinos e conecta dispositivos a
uma rede. A velocidade de conexão depende do tipo de porta de rede. Existem
dois padrões comuns de Ethernet sendo utilizados. Especificamente, a Fast
Ethernet (ou 100BASE) pode transmitir até 100 Mb/s, e a Gigabit Ethernet
(1000BASE) pode transmitir até 1000 Mb/s. O comprimento máximo do cabo de
rede Ethernet é de 100 m (328 pés).

 Porta e cabos USB - O barramento serial universal (USB) é uma interface


padrão que conecta dispositivos periféricos a um computador. Os dispositivos
USB têm o recurso hot swap (troca quente), que significa que os usuários podem
conectar e desconectar os dispositivos enquanto o computador está ligado. As
conexões USB podem ser encontradas em computadores, câmeras, impressoras,
scanners, dispositivos de armazenamento e muitos outros dispositivos
eletrônicos. Um hub USB permite a conexão de vários dispositivos USB. Uma
única porta USB em um computador pode suportar até 127 dispositivos
separados com o uso de vários hubs USB. Alguns dispositivos podem também ser
energizados pela porta USB, eliminando a necessidade de uma fonte de
alimentação externa.

 O USB 1.1 permitia taxas de transmissão de até 12 Mb/s no modo de


velocidade total e 1,5 Mb/s no modo de velocidade baixa. Um cabo USB 1.1 tem
um comprimento máximo de 9,8 pés (3 m). O USB 2.0 permite velocidades de
transmissão de até 480 Mb/s. O comprimento máximo de um cabo USB 2.0 é de 5
m (16,4 pés). Os dispositivos USB só podem transferir dados até a velocidade
máxima permitida pela porta específica. O USB 3.0 permite velocidades de
transmissão de até 5 Gb/s. O USB 3.0 é compatível com versões anteriores de
USB. Um cabo USB 3.0 não tem um comprimento máximo definido, embora um
comprimento máximo de 9,8 pés (3 m) seja geralmente aceito.

 Cabos e portas FireWire - FireWire é uma interface de alta velocidade com hot
swap (troca quente) que conecta dispositivos periféricos a um computador. Uma
única porta FireWire em um computador suporta até 63 dispositivos. Alguns
dispositivos podem também ser energizados por meio da porta FireWire,
eliminando a necessidade de uma fonte de alimentação externa. O FireWire usa
o padrão 1394 do IEEE (Electrical and Electronics Engineers) e também é
conhecido como i.Link. O IEEE cria publicações e padrões de tecnologia.

 O padrão IEEE 1394a oferece suporte a taxas de dados de até 400 Mb/s para
comprimentos de cabo de 15 pés (4,5 m) ou menos. Este padrão usa um conector
de 4 ou 6 pinos. O padrão 1394a (Firewire 800) do IEEE permite uma gama maior
de conexões, incluindo UTP CAT5 e fibra óptica. Dependendo da mídia usada, há
suporte para taxas de dados de até 3,2 Gb/s para distâncias de 328 pés (100 m)
ou menos.

 Cabos de dados eSATA – O cabo eSATA conecta dispositivos SATA à interface


eSATA usando um cabo de dados de 7 pinos. Esse cabo não fornece nenhuma
energia ao dispositivo SATA. Um cabo elétrico separado fornece energia ao
disco.

Observação: outras portas incluem portas seriais, portas paralelas e portas de


modem.

Adaptadores e Conversores

Há muitos padrões de conexão em uso atualmente. Muitos são interoperáveis, mas


exigem componentes específicos. Esses componentes são chamados adaptadores e
conversores:

 Adaptador – Este é um componente que conecta fisicamente uma tecnologia à


outra. Por exemplo, um adaptador de DVI para HDMI. O adaptador pode ser um
componente ou um cabo com extremidades diferentes.

 Conversor – Desempenha a mesma função que um adaptador, mas também


converte os sinais de uma tecnologia para a outra. Por exemplo, um conversor de
USB 3.0 para SATA permite que um disco rígido seja usado como unidade flash.

Existem muitos tipos de adaptadores e conversores disponíveis:

 Adaptador de DVI para HDMI – O adaptador é usado para conectar um monitor


HDMI a uma porta DVI.

 Adaptador de DVI para VGA () – O adaptador é usado para conectar um cabo


VGA a uma porta DVI.

 Adaptador de USB A para USB B – Este adaptador é usado para conectar uma
porta USB A a uma porta USB B.

 Adaptador de USB para Ethernet () – Este adaptador é usado para conectar


uma porta USB a um conector Ethernet.

 Adaptador USB para PS/2 () – Este adaptador é usado para conectar um


teclado ou mouse USB a uma porta PS/2.

 Conversor HDMI para VGA – O conversor converte o sinal de saída VGA de um


PC para um sinal de saída HDMI para que um monitor HDMI possa ser usado.
 Conversor de Thunderbolt para DVI – O conversor converte o sinal de vídeo do
Thunderbolt mini DisplayPort em um sinal de vídeo DVI para que um monitor DVI
possa ser usado.
Dispositivos de Entrada

Um dispositivo de entrada insere dados ou instruções em um computador.

Estes são alguns exemplos de dispositivos de entrada:

 Mouses e teclados () – Esses são os dois tipos de dispositivos de entrada mais


comumente usados. O teclado é usado para inserir texto enquanto o mouse é
usado para navegar pela interface gráfica do usuário (GUI). Os notebooks
também têm touchpads para fornecer funcionalidades de mouse integradas.

 Telas sensíveis ao toque () – Esses dispositivos de entrada têm telas sensíveis


ao toque ou à pressão. O computador recebe instruções específicas quanto ao
local em que o usuário toca na tela.

 Joysticks e gamepads () – Esses são dispositivos de entrada para jogos. Os


gamepads permitem que o jogador controle o movimento e as visões dos jogos
com pequenos joysticks e múltiplos botões. Muitos gamepads também têm
acionadores que registram a quantidade de pressão aplicada a eles. Os joysticks
são muitas vezes usados para jogos no estilo simulação de voo.

 Câmeras Digitais e Câmeras de Vídeo Digitais () – Esses dispositivos de


entrada capturam imagens que podem ser armazenadas, exibidas, impressas ou
alteradas. Webcams independentes ou integradas capturam imagens em tempo
real.

 Scanners ()– Esses dispositivos digitalizam uma imagem ou um documento. A


digitalização da imagem é armazenada como um arquivo que pode ser exibido,
impresso ou alterado. Um leitor de código de barras é um tipo de scanner que lê
códigos de barras no formato código universal de produto (UPC). Ele é
amplamente usado para informações de preço e estoque.

 Digitalizadores () – Esse dispositivo permite que um projetista ou artista crie


projetos, imagens ou outra arte final usando uma ferramenta semelhante a uma
caneta chamada stylus em uma superfície que detecta onde a ponta da stylus
está tocando. Alguns digitalizadores têm mais de uma superfície, ou sensor, e
permitem que o usuário crie modelos 3D realizando movimentos com a stylus no
ar.

 Dispositivos de identificação biométrica () – Esses dispositivos de entrada


identificam um usuário com base em uma característica física única como
impressão digital ou voz. Muitos notebooks hoje dispõem de leitores de
impressão digital para automatizar o login no dispositivo.

 Leitores de cartão inteligente – Esses dispositivos de entrada são geralmente


usados em um computador para autenticar o usuário. Um cartão inteligente pode
ter o tamanho de um cartão de crédito com um microprocessador integrado que
geralmente está sob uma superfície de contato dourada em um lado do cartão.

Um switch de teclado, vídeo e mouse (KVM) é um dispositivo de hardware que pode


ser usado para controlar mais de um computador usando um único conjunto de
teclado, monitor e mouse. Para as empresas, os switches KVM proporcionam acesso
econômico a vários servidores. Os usuários domésticos podem economizar espaço
usando um switch KVM, conforme visto na , para conectar vários computadores a um
conjunto de teclado, monitor e mouse.
Os switches KVM mais novos têm o recurso de compartilhar dispositivos USB e alto-
falantes com vários computadores. Normalmente, ao pressionar um botão no switch
KVM, o usuário pode alterar o controle de um computador conectado para outro
computador conectado. Alguns modelos de switch transferem o controle de um
computador para o outro usando uma sequência de teclas específica no teclado,
como Ctrl > Ctrl > A > Enter para controlar o primeiro computador conectado ao
switch e Ctrl > Ctrl > B > Enter para transferir o controle para o próximo computador.
Dispositivos de Saída

Um dispositivo de saída apresenta informações ao usuário de um computador.

Os monitores e os projetores são os principais dispositivos de saída de um


computador. Existem diferentes tipos de monitores. A diferença mais importante
entre esses tipos de monitor é a tecnologia usada para criar uma imagem:

 LCD (Liquid Crystal Display) - A tela de cristal líquido (LCD) é comumente


usada em monitores de painel plano e notebooks. Ela consiste em dois filtros de
polarização com uma solução de cristal líquido entre eles. Uma corrente elétrica
alinha os cristais para que a luz possa passar ou não. O efeito da passagem de
luz por certas áreas e não por outras é o que cria a imagem. O LCD está
disponível em duas formas: matriz ativa e matriz passiva. A matriz ativa é às
vezes chamada de transistor de película fina (TFT). O TFT permite que cada pixel
seja controlado, o que cria imagens coloridas muito nítidas. A matriz passiva é
mais barata que a matriz ativa, mas não proporciona o mesmo nível de controle
de imagem. A matriz passiva não é comumente usada em notebooks.

 LED (Light Emitting Diode) - Uma tela de diodo emissor de luz (LED) é uma tela
LCD que usa a luz de fundo de LED para iluminar a tela. O LED apresenta menor
consumo de energia que a luz de fundo LCD padrão, permite que o painel seja
mais fino, mais leve, mais claro e que a tela tenha melhor contraste.

 OLED - Uma tela de LED orgânica usa uma camada de material orgânico que
responde a estímulo elétrico para emitir luz. Esse processo permite que cada
pixel seja iluminado individualmente, resultando em níveis de preto muito mais
intensos que o LED. As telas de OLED são também mais finas e mais leves que
as telas de LED.

 Plasma - As telas de plasma são outro tipo de monitor de painel plano que
pode atingir altos níveis de brilho, níveis intensos de preto e uma gama de cores
muito ampla. As telas de plasma podem ser criadas em tamanhos de até 150
polegadas (381 cm) ou mais. As telas de plasma recebem esse nome pelo uso de
células minúsculas de gás ionizado que se iluminam quando estimuladas por
eletricidade.

 DLP - O processamento de luz digital (DLP) é uma tecnologia de projeção. Os


projetores DLP usam um círculo cromático que gira com uma matriz de espelhos
controlada por microprocessador chamada dispositivo de microespelho digital
(DMD). Cada espelho corresponde a um pixel específico. Cada espelho reflete a
luz que se aproxima ou se afasta da ótica do projetor. Isso cria uma imagem
monocromática de até 1024 tons de cinza entre branco e preto. O círculo
cromático então adiciona os dados de cor para finalizar a imagem da cor
projetada.

Para obter mais informações sobre como comprar um monitor de computador,


clique aqui.

Observação: entre os monitores antigos estão os de tubos de raios catódicos (CRT).

Impressoras são dispositivos de saída que criam cópias impressas de arquivos de


computador. Algumas impressoras especializam-se em aplicações específicas, como
a impressão de fotografias coloridas. As impressoras all-in-one são projetadas para
oferecer vários serviços, como impressão, digitalização, fax e cópias.
Os alto-falantes e os fones de ouvido são dispositivos de saída para sinais de áudio. A
maioria dos computadores é compatível com áudio, seja integrado à placa-mãe, seja
em uma placa adicional. O suporte para áudio inclui portas que permitem a entrada e
a saída de sinais de áudio. A placa de áudio tem um amplificador para energizar os
fones de ouvido e os alto-falantes externos.

Televisões também são dispositivos de saída, mas podem ter recursos de entrada.
Uma Smart TV executa um sistema operacional que permite que ela receba entrada
do usuário e conecte-se a muitas fontes de conteúdo pela Internet e a smartphones,
tablets e outros dispositivos conectados. O uso de uma Smart TV praticamente
elimina a necessidade de um decodificador de sinais. Um decodificador de sinais é
um dispositivo que conecta uma TV padrão a fontes de conteúdo via TV a cabo,
satélite ou streaming.

Características dos Monitores

A resolução do monitor se refere ao nível de detalhe da imagem que pode ser


reproduzida. As configurações de mais alta resolução produzem melhor qualidade da
imagem.

Vários fatores estão envolvidos na resolução do monitor:

 Pixel - O termo pixel é uma abreviação de picture element (elemento de


imagem). Os pixels são os pequenos pontos que compõem uma tela. Cada pixel
consiste em vermelho, verde e azul (RGB).

 Dot pitch - Dot pitch é a distância entre pixels na tela. Um dot pitch menor
produz uma imagem melhor.

 Taxa de contraste - A taxa de contraste é uma medição da diferença na


intensidade da luz entre o ponto mais claro (branco) e o ponto mais escuro
(preto). Uma taxa de contraste de 10.000:1 mostra brancos mais esmaecidos e
pretos menos intensos que um monitor com uma taxa de contraste de
1.000.000:1.

 Taxa de atualização - A taxa de atualização (refresh) é expressa em Hertz (Hz)


e se refere à frequência de recriação de uma imagem por segundo. Uma taxa de
atualização maior produz uma imagem melhor.

 Taxa de quadros – A taxa de quadros (frame rate) refere-se à frequência que


uma fonte de vídeo pode alimentar um quadro inteiro de novos dados para uma
tela. A taxa de atualização de um monitor em Hz equivale exatamente ao
máximo de quadros por segundo (FPS) desse monitor. Por exemplo, um monitor
com uma taxa de atualização de 144 Hz mostrará um máximo de 144 quadros por
segundo.

 Entrelaçado/Não entrelaçado - Os monitores entrelaçados criam a imagem


varrendo a tela duas vezes. A primeira varredura abrange as linhas ímpares, de
cima para baixo, e a segunda varredura abrange as linhas pares. Os monitores
não entrelaçados criam a imagem varrendo a tela, uma linha de cada vez de
cima para baixo.

 Resolução horizontal, vertical e de cores - O número de pixels em uma linha é


a resolução horizontal. O número de linhas na tela é a resolução vertical. O
número de cores que podem ser reproduzidas é a resolução de cor.
 Taxa de proporção - A taxa de proporção (aspect ratio) é a razão entre a
medida horizontal e a vertical da área de visualização de um monitor. Por
exemplo, o QSXGA mede 2.560 pixels horizontalmente por 2048 pixels
verticalmente, o que cria uma taxa de proporção de 5:4. Se uma área de
visualização tiver 16 polegadas de largura por 12 polegadas de altura, então a
taxa de proporção será 4:3. Uma área de visualização com 24 polegadas de
largura por 18 polegadas de altura também tem uma taxa de proporção de 4:3.

 Resolução nativa - A resolução nativa é o número de pixels de um monitor. Um


monitor com uma resolução de 1280x1024 tem 1280 pixels na horizontal e 1024
pixels na vertical. O modo nativo é quando a imagem enviada ao monitor
corresponde à resolução nativa do monitor.

A é um gráfico de resoluções de monitor comuns e suas taxas de proporção.

Os monitores têm controles para ajustar a qualidade da imagem. Eis algumas


configurações comuns dos monitores:

 Brilho - Intensidade da imagem

 Contraste - Proporção de claridade e escuridão

 Posição - Localização vertical e horizontal da imagem na tela.

 Reset - Retorna as configurações do monitor para as definições de fábrica

A inclusão de monitores pode aumentar a eficiência do trabalho. Os monitores


adicionados permitirão que você expanda o tamanho ou duplique o desktop para que
você possa visualizar mais janelas abertas. Muitos computadores têm suporte
integrado para vários monitores. Veja a para obter mais informações sobre como
configurar vários monitores.

Montando um Computador

Ao atualizar ou montar um novo computador, vários fatores devem ser considerados.

Antes de fazer qualquer compra, determine qual será a finalidade do computador. O


que você deseja fazer com o computador? Você está comprando ou montando um
novo sistema doméstico para a família? Você está montando uma estação de trabalho
para um cliente em uma empresa de arquitetura que precisa executar aplicativos que
consomem muitos recursos gráficos como o AutoCAD? Ou está montando uma
máquina para jogos que oferecerá uma vantagem sobre aqueles que competem com
você?

A próxima pergunta é quantos e que tipos de dispositivos externos serão conectados


ao computador? Você precisa de um sistema de RAID? O cliente precisa que
componentes mais antigos ou proprietários sejam conectados? Você precisa instalar
uma placa gráfica poderosa?

A finalidade do computador e os tipos de componentes externos influenciam


inicialmente a seleção da placa-mãe. A placa-mãe deve acomodar a CPU desejada e a
solução de refrigeração da CPU, o tipo e a quantidade de RAM e os tipos e o número
de slots de expansão e portas.
Selecionar a Placa-Mãe

As novas placas-mãe muitas vezes têm novas funcionalidades ou padrões que podem
ser incompatíveis com componentes antigos. Quando você selecionar uma placa-mãe
substituta, verifique se ela é compatível com a CPU, a RAM, o adaptador de vídeo e
outras placas. O soquete e o chipset da placa-mãe devem ser compatíveis com a CPU.
A placa-mãe deve também acomodar o dissipador de calor atual e o conjunto de
ventoinhas ao reutilizar a CPU. Preste especial atenção ao número e ao tipo de slots
de expansão. Eles devem corresponder às placas atuais e permitir que novas placas
sejam utilizadas. A fonte de alimentação atual precisa ter conexões que se ajustem à
nova placa-mãe. Por fim, a nova placa-mãe deve encaixar fisicamente no gabinete do
computador atual.

Ao montar um computador, escolha um chipset que forneça os recursos de que você


precisa. Por exemplo, você pode comprar uma placa-mãe com um chipset que permita
várias portas USB, conexões eSATA, som surround e vídeo.

O pacote da CPU deve corresponder ao tipo de soquete da placa-mãe ou ao tipo de


slot da CPU. Um pacote de CPU contém a CPU, os pontos de conexão e os materiais
que cercam a CPU e que dissipam o calor.

Os dados trafegam de uma peça do computador para outra por meio de uma coleção
de condutores conhecida como barramento. O barramento apresenta duas partes. A
porção de dados do barramento, conhecida como barramento de dados, transmite os
dados entre os componentes do computador. A porção de endereço, conhecida como
barramento de endereços, transmite os endereços de memória dos locais em que os
dados são lidos ou gravados pela CPU.

O tamanho do barramento determina a quantidade de dados que pode ser transmitida


de uma só vez. Um barramento de 32 bits transmite 32 bits de dados de cada vez do
processador para a RAM ou para outros componentes da placa-mãe, enquanto um
barramento de 64 bits transmite 64 bits de dados de cada vez. A velocidade na qual
os dados trafegam pelo barramento é determinada pela velocidade de clock, medida
em MHz ou GHz.

Os slots de expansão PCI conectam-se a um barramento paralelo, que envia múltiplos


bits por vários fios simultaneamente. Os slots de expansão PCI estão sendo
substituídos por slots de expansão PCIe que se conectam a um barramento serial,
que envia um bit de cada vez a uma taxa muito mais rápida.

Ao montar um computador, escolha uma placa-mãe que tenha slots que atendam às
suas necessidades atuais e futuras.
Selecionar o Gabinete e as Ventoinhas

A escolha da placa-mãe e dos componentes externos influencia a seleção do


gabinete e da fonte de alimentação. O formato da placa-mãe deve coincidir com o tipo
correto de gabinete do computador e com a fonte de alimentação. Por exemplo, uma
placa-mãe ATX exige um gabinete e uma fonte de alimentação compatíveis com ATX.

Os gabinetes muitas vezes vêm com uma fonte de alimentação pré-instalada. Nessa
situação, você ainda precisará verificar se a fonte de alimentação fornece energia
suficiente para operar todos os componentes que serão instalados no gabinete.

Você pode selecionar um gabinete de computador maior para acomodar componentes


adicionais que possam ser necessários no futuro. Ou você pode selecionar um
gabinete menor que exige espaço mínimo. Em geral, o gabinete do computador deve
ser durável, de manutenção fácil e ter espaço suficiente para expansão.

Os vários fatores que afetam a escolha de um gabinete de computador são descritos


na .

Um computador tem muitos componentes internos que geram calor enquanto o


computador está operando. As ventoinhas do gabinete devem ser instaladas para
fazer com que o ar mais fresco entre no gabinete do computador ao mesmo tempo
que expulsam o calor do gabinete. Ao escolher ventoinhas de gabinete, há vários
fatores a serem considerados conforme descrito na .

Observação: todas as ventoinhas do gabinete devem trabalhar juntas para que a


direção do fluxo de ar gerado por elas traga o ar mais fresco ao mesmo tempo que
expulsa o ar mais quente. A instalação de uma ventoinha ao contrário ou o uso de
ventoinhas de tamanho ou velocidade incorreta para o gabinete pode fazer com que
os fluxos de ar se anulem.
Selecionar a Fonte de Alimentação

As fontes de alimentação convertem a tensão de entrada em CA para tensão de saída


em CC. As fontes de alimentação geralmente fornecem tensões de 3,3 V, 5 V, 12 V e
são medidas em potência. A fonte de alimentação deve fornecer energia suficiente
para os componentes instalados e permitir que outros componentes sejam
adicionados posteriormente. Se escolher uma fonte de alimentação que energiza
somente os componentes atuais, você pode precisar substituir a fonte de
alimentação quando outros componentes forem atualizados.

A tabela na figura descreve vários fatores a serem considerados ao selecionar uma


fonte de alimentação.

Tenha cuidado ao conectar os cabos da fonte de alimentação a outros componentes.


Se você tiver dificuldade ao inserir um conector, tente reposicioná-lo ou verifique se
algum pino está curvado ou há objetos estranhos no caminho. Se for difícil conectar
um cabo ou outra peça, algo está errado. Os cabos, conectores e componentes são
projetados para encaixe firme. Nunca force o encaixe de um conector ou componente.
Se um conector estiver conectado incorretamente, ele poderá danificar o plugue e o
conector. Leve o tempo que precisar e verifique se está conectando o hardware
corretamente.

Selecionar a CPU e o Sistema de Refrigeração da CPU

Antes de comprar uma CPU, verifique se ela é compatível com a placa-mãe atual. Os
sites dos fabricantes são um bom recurso para investigar a compatibilidade entre
CPUs e outros dispositivos. A tabela na lista os vários soquetes disponíveis e seus
processadores compatíveis.

Ao atualizar a CPU, a tensão correta deve ser mantida. Um módulo regulador de


tensão (VRM) é integrado à placa-mãe. Você pode configurar a tensão da CPU no
software da BIOS ou da UEFI. A velocidade de um processador moderno é medida em
GHz. A velocidade nominal máxima refere-se à velocidade máxima na qual um
processador pode funcionar sem erros. Dois fatores principais podem limitar a
velocidade de um processador:
 Um chip de processador é uma coleção de transistores interligados por fios. A
transmissão de dados por meio de transistores e fios gera atrasos.

 À medida que os transistores mudam de estado de ligado para desligado ou de


desligado para ligado, uma pequena quantidade de calor é gerada. A quantidade
de calor gerado aumenta à medida que a velocidade do processador aumenta.
Quando o processador fica quente demais, ele começa a produzir erros.

O barramento frontal (FSB) é o caminho entre a CPU e o Northbridge. Ele é usado para
conectar vários componentes, como o chipset, as placas de expansão e a RAM. Os
dados podem trafegar nas duas direções pelo FSB. A frequência do barramento é
medida em MHz. A frequência na qual uma CPU opera é determinada pela aplicação
de um multiplicador de clock na velocidade do FSB. Por exemplo, um processador em
operação a 3200 MHz pode estar usando um FSB de 400 MHz. O resultado da divisão
de 3200 MHz por 400 MHz é 8, portanto a CPU é oito vezes mais rápida que o FSB.

Os processadores são classificados ainda em de 32 bits e de 64 bits. A principal


diferença é o número de instruções que podem ser tratadas pelo processador de cada
vez. Um processador de 64 bits processa mais instruções por ciclo de clock que um
processador de 32 bits. Um processador de 64 bits também pode suportar mais
memória. Para utilizar os recursos do processador de 64 bits, o sistema operacional e
os aplicativos instalados devem ser compatíveis com um processador de 64 bits.

A CPU é um dos componentes mais caros e sensíveis dentro do gabinete do


computador. A CPU pode ficar quente demais, por isso, a maioria das CPUs exige um
dissipador de calor, combinado com uma ventoinha para refrigeração.
Selecionar a RAM

Uma nova RAM pode ser necessária quando um aplicativo trava ou o computador
exibe mensagens de erro frequentes. Para determinar se o problema é a RAM,
execute o teste de RAM na BIOS. Se o teste não estiver disponível, programas
especiais de teste de RAM estão disponíveis para download. Outro método é
substituir o módulo da RAM antiga por um módulo sabidamente bom . Reinicie o
computador para verificar se ele opera sem mensagens de erro.

Ao selecionar a nova RAM, você deve se assegurar que ela é compatível com a placa-
mãe atual. Além disso, a velocidade da nova RAM deve ser compatível com o chipset.
Pode ser útil levar o módulo de memória original com você quando for comprar a RAM
substituta.

A memória pode também ser categorizada como sem buffer ou com buffer:

 Memória sem buffer – Essa é a memória comum para computadores. O


computador lê os dados diretamente dos bancos de memória tornando-a mais
rápida que a memória com buffer. Entretanto, há limite para a quantidade de
RAM que pode ser instalada.

 Memória com buffer – Essa é a memória específica para os servidores e


estações de trabalho avançadas que usam uma grande quantidade de RAM.
Esses chips de memória têm um chip de controle integrado no módulo. Um chip
de controle auxilia o controlador de memória no gerenciamento de grandes
quantidades de RAM. Evite a RAM com buffer para computadores de jogos e
estações de trabalho comuns porque o chip do controlador extra reduz a
velocidade da RAM.
Selecionar Placas

As placas, também conhecidas como placas de expansão, são projetadas para uma
tarefa específica e adicionam funcionalidade extra a um computador. Antes de
comprar uma placa, considere as perguntas na .

Observação: se a placa-mãe não tiver um slot de expansão compatível, um dispositivo


externo pode ser uma opção.

Esta é uma lista de placas de expansão possíveis que podem ser atualizadas:

 Placa gráfica - O tipo de placa gráfica instalada afeta o desempenho geral de


um computador. Por exemplo, uma placa gráfica que precisa ser compatível com
grandes recursos gráficos pode consumir recursos de RAM, CPU ou ambos. O
computador precisa ter slots, RAM e CPU suficientes para permitir a
funcionalidade total de uma placa gráfica atualizada. Escolha a placa gráfica
com base nas necessidades atuais e futuras. Por exemplo, para jogos 3D, a placa
gráfica precisa atender aos requisitos mínimos ou excedê-los. Algumas GPUs são
integradas à CPU. Quando a GPU é integrada à CPU, não há necessidade de
comprar uma placa gráfica a menos que funcionalidades de vídeo avançadas,
como gráficos 3D ou resolução muito alta sejam necessários. Os fatores a serem
considerados ao comprar uma nova placa gráfica estão listados na .

 Placas de som - O tipo de placa de som instalada determina a qualidade de


som de seu computador. Um sistema computacional precisa ter alto-falantes de
qualidade e um subwoofer para permitir a funcionalidade total de uma placa de
som atualizada. Escolha a placa de som correta com base nas necessidades
atuais e futuras do seu cliente. Por exemplo, se o cliente deseja ouvir um tipo
específico de som surround, a placa de som precisa ter o decodificador de
hardware correto para reproduzi-lo. Além disso, o cliente pode obter qualidade de
som aprimorada com uma placa de som que tenha uma taxa de amostragem
mais alta. Os fatores a serem considerados ao comprar uma nova placa de som
estão listados na .

 Controladores de armazenamento - Um controlador de armazenamento é um


chip que pode ser integrado à placa-mãe ou a uma placa de expansão. Os
controladores de armazenamento permitem a expansão de unidades internas e
externas de um sistema computacional. Os controladores de armazenamento,
como controladores RAID, podem também proporcionar tolerância a falhas ou
maior velocidade. O volume de dados e o nível de proteção de dados necessário
para o cliente influencia o tipo de controlador de armazenamento necessário.
Escolha o controlador de armazenamento correto com base nas necessidades
atuais e futuras do seu cliente. Por exemplo, se um cliente desejar implementar
o RAID 5, um controlador de armazenamento RAID com pelo menos três
unidades será necessário. Os fatores a serem considerados ao comprar um novo
controlador de armazenamento estão listados na .

 Placas de I/O - A instalação de uma placa de I/O em um computador é uma


forma rápida e fácil de adicionar portas de I/O. As portas USB são algumas das
mais comuns a serem instaladas em um computador. Escolha a placa de I/O com
base nas necessidades atuais e futuras do seu cliente. Por exemplo, se um
cliente quiser adicionar um leitor de cartões interno, e a placa-mãe não tiver
nenhuma conexão USB interna, uma placa de I/O USB com uma conexão USB
interna será necessária. Os fatores a serem considerados ao comprar uma nova
placa de I/O estão listados na .
 NICs - Os clientes muitas vezes atualizam uma placa de interface de rede
(NIC) para obter velocidades maiores e mais largura de banda. Os fatores a
serem considerados ao comprar uma nova placa de rede estão listados na .

 Placas de captura - Uma placa de captura importa vídeo em um computador e


o grava em um disco rígido. A inclusão de uma placa de captura com um
sintonizador de televisão permite que você visualize e grave a programação da
televisão. O sistema de computador precisa ter poder de processamento de CPU
suficiente, RAM adequada e um sistema de armazenamento de alta velocidade
para atender às necessidades de captura, gravação e edição do cliente. Escolha
a placa de captura correta com base nas necessidades atuais e futuras do seu
cliente. Por exemplo, se um cliente desejar gravar um programa enquanto assiste
a outro, várias placas de captura ou uma placa de captura com vários
sintonizadores deverá estar instalada. Os fatores a serem considerados ao
comprar uma nova placa de captura estão listados na .
Selecionar Discos Rígidos

É possível substituir um dispositivo de armazenamento quando ele não atender mais


às necessidades do seu cliente ou quando ele falhar. Ruídos não usuais, vibrações
incomuns, mensagens de erro ou até mesmo dados corrompidos ou aplicativos que
não são carregados são sinais de que um dispositivo de armazenamento interno está
com falha.

Os fatores a serem considerados ao comprar uma nova unidade de disco rígido estão
listados na .

As unidades internas geralmente se conectam à placa-mãe com SATA enquanto


unidades externas conectam-se com USB, eSATA ou Thunderbolt.

A mostra os componentes de uma unidade de estado sólido (SSD).


Selecionar um Leitor de Mídia

Um leitor de mídia é um dispositivo que lê e grava em diferentes tipos de cartões de


mídia, por exemplo, as encontradas em câmeras digitais, smartphones ou MP3
players. Ao substituir um leitor de mídia, assegure que ele seja compatível com o tipo
e a capacidade de armazenamento das placas que serão usadas.

Os fatores a serem considerados ao comprar um leitor de mídia estão listados na .

Escolha o leitor de mídia correto com base nas necessidades atuais e futuras do seu
cliente. Por exemplo, se um cliente precisar usar vários tipos de cartões de mídia, um
leitor de mídia de vários formatos será necessário. Existem alguns cartões de mídia
comuns, :

 Cartão SD - Cartões SD foram projetados para uso em dispositivos portáteis


como câmeras, MP3 players e notebooks. Os cartões SD podem armazenar até 2
GB. Os cartões SD de alta capacidade (SDHC) podem armazenar até 32 GB,
enquanto os cartões SD de capacidade estendida (SDXC) podem armazenar até 2
TB de dados.

 MicroSD - Uma versão muito menor do SD comumente usada em smartphones


e tablets.

 MiniSD – Uma versão de SD entre o tamanho de um cartão SD e um cartão


microSD. O formato foi desenvolvido para celulares.

 CompactFlash - CompactFlash é um formato mais antigo, mas ainda em amplo


uso por causa de sua alta velocidade e alta capacidade (comumente de até 128
GB). O CompactFlash é muitas vezes usado como armazenamento para câmeras
de vídeo.

 Memory Stick – Criado pela Sony Corporation, Memory Stick é uma memória
flash proprietária usada em câmeras, MP3 players, sistemas de video game
portáteis, celulares e outros dispositivos eletrônicos.

 eMMC – O cartão multimídia incorporado é muito utilizado com smartphones e


alguns tablets.

 xD – Também conhecido como Picture Card, ele era usado em algumas


câmeras digitais.
Selecionar Unidades Ópticas

Uma unidade óptica usa um laser para ler dados e gravá-los em mídia óptica.

Os DVDs armazenam significativamente mais dados que os CDs e os discos Blu-ray


armazenam significativamente mais dados que os DVDs. DVDs e BDs podem também
ter camadas duplas para gravação de dados, basicamente dobrando o volume de
dados que pode ser gravado na mídia

Selecionar Armazenamento Externo

O armazenamento externo oferece portabilidade e conveniência ao trabalhar com


vários computadores. O armazenamento externo conecta-se a uma porta externa,
como USB, eSATA ou Thunderbolt. Unidades flash externas, às vezes chamadas
pendrives, que se conectam a uma porta USB são um tipo de armazenamento
removível.

Escolha o tipo correto de armazenamento externo para as necessidades do seu


cliente. Por exemplo, se o cliente precisar transferir um pequeno volume de dados,
como uma única apresentação, uma unidade flash externa é uma boa opção. Se ele
precisar fazer backup ou transferir grandes volumes de dados, escolha um disco
rígido externo.

Selecionar Dispositivos de Entrada e Saída

Selecione o hardware e o software com base nos requisitos do cliente. Depois de


determinar quais dispositivos de entrada ou saída o cliente precisa, você deve
determinar como conectá-los ao computador.

A figura mostra o painel traseiro de um computador e alguns conectores de entrada e


saída comuns. Os técnicos devem ter uma boa compreensão dessas interfaces e
portas.

Laboratório –Pesquisar Componentes do Computador


Neste laboratório, você reunirá informações sobre os componentes de que precisará
para finalizar o computador do seu cliente. As informações são disponibilizadas de
acordo com os componentes que seu cliente já possui. Utilize essas especificações
para garantir que os componentes pesquisados sejam compatíveis com os
componentes que seu cliente já possui.

Laboratório –Pesquisar Componentes do Computador


Thick clients e thin clients

Os computadores são às vezes chamados de:

 Thick clients – Às vezes chamados fat clients, esses são os computadores


padrão que discutimos neste capítulo. Os computadores têm seu próprio sistema
operacional, uma multiplicidade de aplicativos e armazenamento local. São
sistemas independentes e não exigem uma conexão de rede para operar. Todo o
processamento é realizado localmente no computador.

 Thin clients – Esses são geralmente computadores de rede baratos que


contam com servidores remotos para realizar todo o processamento de dados.
Os thin clients exigem uma conexão de rede com um servidor e geralmente
acessam recursos usando um navegador Web. Entretanto, o cliente pode ser um
computador que executa o thin client ou um terminal pequeno e exclusivo que
consiste em um monitor, um teclado e um mouse. Normalmente os clientes não
têm nenhum armazenamento interno e dispõem de poucos recursos locais.

A tabela da figura identifica diferenças entre thick client e thin client.

Além de thick clients e thin clients, há computadores montados para fins específicos.
Parte das responsabilidades de um técnico de computadores é avaliar, selecionar
componentes apropriados e atualizar ou montar de forma personalizada
computadores específicos para atender às necessidades dos clientes.

Esta seção identifica e aborda alguns desses computadores específicos.


Estações de Trabalho CAx

Um exemplo de um computador específico é uma estação de trabalho usada para


executar software de Desenho Assistido por Computador, Computer Aided Design
(CAD) ou Manufatura Assistida por Computador, Computer Aided Manufacturing (CAM).

Uma estação CAD ou CAM (CAx), figura, é usada para projetar produtos e controlar o
processo de fabricação. As estações de trabalho CAx são usadas para criar projetos,
projetar residências, carros, aviões, computadores e muitas das peças dos produtos
que você usa todos os dias. Um computador usado para executar software CAx deve
ser compatível com as necessidades do software e com os dispositivos de I/O que o
usuário precisa para projetar e fabricar produtos. O software CAx é muitas vezes
complexo e exige hardware robusto.

Considere o hardware a seguir quando precisar executar software CAx:

 Processador poderoso - O software CAx precisa fazer grandes quantidades de


cálculos muito rapidamente. Ele deve realizar a renderização rápida de gráficos
2D e 3D. Processadores rápidos de vários núcleos são recomendados em
estações de trabalho CAD.

 Placa de vídeo avançada – Essas placas gráficas de alta resolução realizam a


renderização rápida de gráficos 2D e 3D usando GPU específica. Múltiplos
monitores são desejáveis, ou até mesmo necessários, para que o usuário possa
trabalhar com código, renderizações 2D e modelos 3D, tudo ao mesmo tempo.

 RAM - Devido ao alto volume de dados processado por uma estação de


trabalho CAx, a RAM é muito importante. Quanto mais RAM estiver instalada,
mais dados o processador pode calcular antes de precisar acessar discos
rígidos mais lentos para lê-los. Instale a quantidade máxima de memória
compatível com a placa-mãe e o sistema operacional. A quantidade e a
velocidade da memória devem exceder os mínimos recomendados pelo
aplicativo do CAx.
Estações de Trabalho de Edição de Áudio e Vídeo

Uma estação de trabalho de edição de áudio é usada para gravar música, criar CDs
de música e etiquetas de CD. Uma estação de trabalho de edição de vídeo pode ser
usada para criar comerciais de televisão, programação do horário nobre, filmes para
o cinema ou vídeos caseiros.

Hardware e software específicos são combinados para montar um computador que


realize a edição de áudio e vídeo. O software de áudio em uma estação de trabalho de
edição de áudio, mostrada na figura, é usado para gravar áudio, manipular como o
áudio soa por meio de efeitos especiais e de mixagem e finalizar gravações para
publicação. O software de vídeo é usado para recortar, copiar, combinar e alterar
clips de vídeo. Os efeitos especiais são também adicionados ao vídeo usando
software de vídeo.

Considere o seguinte hardware quando precisar executar software de edição de áudio


e vídeo:

 Placa de áudio específica - Ao gravar música para um computador em um


estúdio, podem ser necessárias várias entradas de microfones e muitas saídas
para equipamentos de efeitos. É necessária uma placa de áudio compatível com
todas essas entradas e saídas. Pesquise diferentes fabricantes de placas de
áudio e compreenda as necessidades de seu cliente para instalar uma placa de
áudio que atenda a todas as necessidades de um estúdio de gravação ou
masterização moderno.

 Placa de vídeo específica - Uma placa de vídeo compatível com altas


resoluções e várias telas é necessária para combinar e editar diferentes
transmissões de vídeo e efeitos especiais em tempo real. Você deve
compreender as necessidades do cliente e pesquisar placas de vídeo para
instalar uma placa que possa tratar os grandes volumes de informações gerados
por câmeras modernas e equipamentos de efeitos.

 Discos rígidos rápidos e grandes - As câmeras de vídeo modernas gravam em


alta resolução em rápidas taxas de quadros. Isso se traduz em um grande
volume de dados. Pequenos discos rígidos ficam cheios muito rapidamente, e
discos rígidos lentos não poderão acompanhar as exigências, mesmo que
percam quadros ocasionalmente. Um disco rígido grande e rápido, como
unidades SDD e SSHD, é recomendado para gravar vídeo avançado sem erros ou
quadros perdidos. Os níveis de RAID como 0 ou 5, onde a distribuição é usada,
podem ajudar a aumentar as velocidades de leitura ou gravação.

 Dois monitores - Ao trabalhar com áudio e vídeo, dois, três ou até mais
monitores podem ser muito úteis para acompanhar tudo que está acontecendo
com as várias trilhas, cenas, equipamentos e softwares. Placas HDMI,
DisplayPort e Thunderbolt são recomendadas, a DVI é aceitável. Se vários
monitores forem requeridos, placas de vídeo específicas serão necessárias ao
montar uma estação de trabalho de áudio ou vídeo.
Estações de Trabalho para Virtualização

É possível que você precise montar um computador para um cliente que use
tecnologias de virtualização. A execução simultânea de dois ou mais sistemas
operacionais em um computador é chamada virtualização. Geralmente, um sistema
operacional é instalado, e o software de virtualização é usado para instalar e
gerenciar instalações adicionais de outros sistemas operacionais. Sistemas
operacionais diferentes de várias empresas de software podem ser usados.

Há outro tipo de virtualização chamada infraestrutura de desktops virtuais (VDI). A


VDI permite que os usuários façam login em um servidor para acessar computadores
virtuais. A entrada do mouse ou do teclado é enviada para o servidor para manipular
o computador virtual. Saídas como som e vídeo são enviadas de volta aos alto-
falantes e à tela do cliente que acessa o computador virtual.

Thin clients de baixa energia usam um servidor que é muito mais poderoso para
realizar cálculos difíceis. Notebooks, smartphones e tablets podem também acessar a
VDI para usar computadores virtuais. Essas são algumas das outras funções da
computação virtual:

 Teste de software ou de atualizações de software em um ambiente que não


prejudique o seu ambiente de sistema operacional atual.

 Use mais de um tipo de sistema operacional em um computador, como Linux


ou Mac OS X.

 Navegue pela Internet sem que software prejudicial danifique sua instalação
principal.

 Execute aplicativos antigos que não são compatíveis com sistemas


operacionais modernos.

A computação virtual exige configurações de hardware mais poderosas porque cada


instalação precisa de seus próprios recursos. Um ou dois ambientes virtuais podem
ser executados em um computador moderno com hardware modesto, mas uma
instalação VDI completa pode exigir hardware rápido e caro para oferecer suporte a
vários usuários em muitos ambientes diferentes.

Veja a seguir parte do hardware necessário para executar computadores virtuais:

 RAM máxima - Você precisa de RAM suficiente para atender aos requisitos de
cada ambiente virtual e do computador host. A instalação padrão que utiliza
somente algumas máquinas virtuais pode exigir apenas 1 GB de RAM para
compatibilidade com um sistema operacional moderno como o Windows 8. Com
vários usuários, que ofereçam suporte para muitos computadores virtuais para
cada usuário, você pode precisar instalar 64 GB de RAM ou mais.

 Núcleos de CPU - Embora uma CPU de um único núcleo possa realizar a


computação virtual, uma CPU com núcleos adicionais aumenta a velocidade e a
capacidade de resposta ao hospedar vários usuários e máquinas virtuais.
Algumas instalações de VDI usam computadores que têm muitas CPUs com
vários núcleos.
PCs para Jogos

Muitas pessoas gostam de jogos de computador. A cada ano, os jogos se tornam mais
avançados e exigem hardware mais poderoso, novos tipos de hardware e recursos
adicionais para assegurar uma experiência de jogo suave e agradável.

Você pode ter um cliente que deseje que você projete e monte um computador usado
para jogar video games. Veja a seguir parte do hardware necessário ao montar um
computador para jogos:

 Processador poderoso - Os jogos exigem que todos os componentes do


computador trabalhem sem interrupções. Um processador poderoso ajuda a
assegurar que todos os dados de software e hardware possam ser tratados
quando necessário. Um processador poderoso pode suportar altas taxas de
quadro, renderização 3D e alto desempenho de áudio. Os processadores de
vários núcleos ajudam a aumentar a capacidade de resposta de hardware e
software.

 Placa de vídeo avançada - Os jogos modernos usam altas resoluções e


detalhes intrincados. Uma placa de vídeo com uma GPU rápida e específica e
grandes volumes de memória rápida de vídeo é necessária para assegurar que
as imagens mostradas no monitor sejam nítidas, de alta qualidade e brilho.
Algumas máquinas para jogos usam várias placas de vídeo para produzir altas
taxas de quadros ou para poder usar vários monitores.

 Placa de som avançada - Video games usam vários canais de som de alta
qualidade para imersão do jogador nos jogos. Uma placa de som de alta
qualidade aumenta a qualidade do som acima da do som integrado em um
computador. Uma placa de som exclusiva também ajuda a aprimorar o
desempenho geral, assumindo parte da demanda do processador. Os jogadores
usam fones de ouvido e microfones específicos para interagir com outros
jogadores on-line.

 Refrigeração avançada - Os componentes avançados muitas vezes produzem


mais calor que os componentes padrão. Um hardware de refrigeração mais
robusto é geralmente necessário para garantir que o computador permaneça
resfriado sob cargas pesadas em jogos avançados. Ventoinhas de maior
tamanho, dissipadores de calor e dispositivos de refrigeração líquida são muitas
vezes usados para manter resfriadas CPUs, GPUs e a RAM.

 Grandes quantidades de RAM rápida - Jogos de computador exigem grandes


quantidades de memória para funcionar. Dados de vídeo, dados de som e todas
as informações necessárias para jogar estão sendo acessadas constantemente.
Quanto mais RAM o computador tiver, menor é a frequência em que o
computador precisa acessar discos de armazenamento para lê-los. A RAM mais
rápida ajuda o processador a manter todos os dados em sincronia, porque os
dados que ele precisa calcular podem ser recuperados quando necessário.

 Armazenamento rápido - Unidades de 7200 RPM e 10000 RPM podem


recuperar dados em uma taxa muito mais rápida que os discos rígidos de 5400
RPM. As unidades de SSD e SSHD são mais caras, mas melhoram drasticamente
o desempenho dos jogos.

 Hardware específico para jogos - Alguns jogos envolvem a comunicação com


outros jogadores. É necessário um microfone para conversar com eles, e alto-
falantes ou fones de ouvido para ouvi-los. Descubra que tipo de jogos o seu
cliente gosta para determinar se um microfone ou um fone de ouvido são
necessários. Alguns jogos podem ser jogados em 3D. Óculos especiais e placas
de vídeo específicas podem ser necessários para usar esse recurso. Alguns
jogos se beneficiam do uso de mais de um monitor. Os simuladores de voo, por
exemplo, podem ser configurados para mostrar imagens do cockpit em dois, três
ou mesmo mais monitores ao mesmo tempo.
PCs Home Theater

A montagem de um computador pessoal home theather (HTPC) exige hardware


específico para fornecer uma experiência de visualização de alta qualidade ao
cliente. Cada equipamento deve conectar e fornecer adequadamente os serviços e
recursos necessários para atender às diferentes exigências de um sistema HTPC.

Um recurso útil de um HTPC é a capacidade de gravar um programa de vídeo para


assistir posteriormente, conhecido como time shifting. Os sistemas HTPC podem ser
projetados para mostrar televisão ao vivo, fazer streaming de filmes e conteúdo da
Internet, mostrar fotos e vídeos de família e até mesmo navegar pela Internet em uma
televisão. Considere o hardware a seguir ao montar um HTPC:

 Gabinetes e fontes de alimentação específicos - Placas-mãe menores podem


ser usadas ao montar um HTPC para que os componentes possam se encaixar
em um gabinete de formato mais compacto. Esse formato pequeno parece um
componente geralmente encontrado em um home theater. Geralmente, um
gabinete de HTPC contém grandes ventoinhas que se movimentam de modo mais
devagar e criam menos ruído do que os encontrados em uma estação de trabalho
comum. Fontes de alimentação que não têm ventoinhas podem ser usadas
(dependendo dos requisitos de energia) para reduzir ainda mais a quantidade de
ruído criado pelo HTPC. Alguns projetos de HTPC contêm componentes
altamente eficientes e não exigem ventoinhas para refrigeração.

 Áudio de som surround - O som surround ajuda a levar o espectador para o


programa de vídeo. Um HTPC pode usar o som surround da placa-mãe quando o
chipset for compatível, ou uma placa de som exclusiva pode ser instalada para
produzir som surround de alta qualidade nos alto-falantes ou em um amplificador
adicional para obter som ainda melhor.

 Saída HDMI - O padrão HDMI permite a transmissão de vídeo de alta definição,


som surround e dados para televisões, receptores de mídia e projetores. O HDMI
também pode controlar as funções de muitos dispositivos que ofereçam suporte
ao controle.

 Sintonizadores de TV e CableCARDs - Um sintonizador precisa ser usado para


o HTPC mostrar sinais de televisão. Um sintonizador de TV converte sinais de
televisão analógicos e digitais em sinais de áudio e vídeo que o computador
pode usar e armazenar. Os CableCARDs podem ser usados para receber sinais de
televisão de uma empresa de TV a cabo. Um CableCARD é necessário para
acesso a canais a cabo premium. Alguns CableCARDs podem receber até seis
canais ao mesmo tempo.

 Disco rígido específico - Discos rígidos, que apresentam baixos níveis de ruído
e consumo de energia reduzido, são comumente conhecidos como unidades de
áudio/vídeo (A/V). Essas unidades são especialmente projetadas para gravação
duradoura e contínua, e vida útil longa.

Em vez de montar um HTPC, alguns clientes podem optar por montar um PC servidor
caseiro. O PC servidor caseiro pode ser inserido em qualquer lugar da casa e ser
acessado de vários dispositivos ao mesmo tempo. O servidor caseiro compartilha
arquivos, fornece compartilhamento de impressora e faz streaming de áudio, vídeo e
fotos para computadores, notebooks, tablets, televisões e outros dispositivos de
mídia pela rede. Um servidor caseiro pode ter um vetor RAID para proteger dados
valiosos de uma falha do disco rígido. Para fazer streaming de dados de vários
dispositivos sem atrasos, instale uma NIC gigabit.
Laboratório – Montar um Sistema Computacional
Especializado

Neste laboratório, você coletará informações sobre como montar um sistema


computacional especializado que oferece suporte a hardware e software que
possibilitam a realização de tarefas que um sistema comum não pode realizar.

Laboratório – Montar um Sistema Computacional Especializado

Capítulo 1: Introdução ao Sistemas dos PCs

Este capítulo apresentou os componentes de um sistema de computador pessoal e


como considerar os componentes de atualização. A maior parte do conteúdo deste
capítulo ajudará você durante todo este curso.

 Tecnologia da Informação compreende o uso de computadores, hardware de


rede e software para processar, armazenar, transmitir e recuperar informações.

 Um sistema de computador pessoal consiste em componentes de hardware e


aplicativos de software.

 O gabinete do computador e a fonte de alimentação devem ser escolhidos com


cuidado para suportar o hardware no gabinete e permitir a inclusão de
componentes.

 Os componentes internos de um computador são selecionados para


funcionalidades e funções específicas. Todos os componentes internos devem
ser compatíveis com a placa-mãe.

 Use o tipo correto de portas e cabos ao conectar dispositivos.

 Os dispositivos de entrada típicos são o teclado, o mouse, a tela sensível ao


toque e as câmeras digitais.

 Os dispositivos de saída típicos incluem monitores, impressoras e alto-


falantes.

 Os gabinetes, as fontes de alimentação, a CPU e o sistema de refrigeração, a


RAM, os discos rígidos e as placas devem ser atualizadas quando os dispositivos
falharem ou não atenderem mais às necessidades do cliente.

Computadores específicos precisam de hardware específicos para suas funções. O


tipo de hardware usado em computadores específicos é determinado pela forma
como um cliente trabalha e o que o cliente deseja realizar.

Você também pode gostar