Você está na página 1de 8

Realimentação negativa em ampliadores

1- Introdução

A necessidade de amplificadores com ganho estável em unidades repetidoras em linhas


telefônicas levou o Eng. Harold Black à criação da técnica denominada realimentação negativa
em 1928. A técnica consiste em combinar parte do sinal da saída do amplificador ao sinal
aplicado a sua entrada, gerando, assim, um sinal de erro, vide figura 1.1. Os resultados mais
significativos da realimentação negativa são a redução da tolerância no valor do ganho, a redução
da distorção, a redução da impedância de saída e o aumento da impedância de entrada.

Existem quatro tipos de topologias; vamos nos concentrar na topologia que utiliza um
amplificador de tensão, a amostra do sinal é tomada em paralelo com a saída e a realimentação é
introduzida em série com o sinal de entrada.

+ Vx A A Vx
Vi Σ Vo
-

B Vo B

Figura 1.1. Diagrama de blocos de um ampliador com realimentação negativa.

2- Efeitos da realimentação negativa

2.1 Ganho de tensão

No circuito da figura 1.1 o ampliador com ganho de tensão A recebe na sua entrada o sinal Vi
subtraído de uma amostra do sinal de saída, BVo. O fator de realimentação B determina a fração
do sinal amostrado na saída Vo. O ganho do amplificador realimentado, Af, é
V AVx A(Vi − BVo ) ABVo A
Af = o = = = A− = A − ABA f = (2.1)
Vi Vi Vi Vi 1 + AB

Com base na equação (2.1), podemos verificar a redução da dependência do ganho A no conjunto
realimentado, conforme aumentamos o ganho A. Na tabela 2.1 é apresentado o valor do ganho do
Af para diferentes valores de A, considerando B constante. Desta expressão deduzimos, também,
que, conforme o valor do ganho A do ampliador aumenta o ganho Af tende para B-1.

A figura 2.1 ilustra a implementação de um circuito realimentado utilizando um amplificador


operacional. O sinal é aplicado à entrada não inversora e a amostra do sinal de saída é ligada a
entrada inversora via um divisor resistivo. O fator de realimentação B, neste caso, é
R1
B= (2.2)
R1 + R2

Roberto d'Amore - Lab. EEA-46 Realimentação negativa em ampliadores - revisão 2.2 1


deste modo, de (2.1) temos que o ganho do circuito realimentado é igual a
A
Af = (2.3)
R1
1+ A
R1 + R2
Como o ganho A de um amplificador operacional é muito elevado, 1 << AB, podemos reescrever
(2.3) na forma
R + R2
Af = 1 (2.4)
R1
que é a conhecida expressão do ganho para um amplificador operacional ligado na configuração
não inversora.

Tabela 2.1. Dependência do ganho A em um ampliador com realimentação - exemplo.


A B B-1 Af
1.000 0.01 100 90,9
10.000 0.01 100 99,0
100.000 0.01 100 99,9

Vi
Vo
R2
R1

Figura 2.1. Exemplo de um circuito com realimentação negativa.

2.2 Resistência de saída

O diagrama de blocos da figura 2.2 é similar ao diagrama da figura 1.1. Foi introduzida uma
resistência Ro na saída do amplificador com ganho A. Vamos assumir que a corrente drenada pela
amostragem do sinal não cause interferências significativas na saída do amplificador e a entrada
do amplificador não altere o sinal amostrado.

+ A Vx Ro It
Vx
A
Vi -
Vo
Vt
Rof
R2
B Vo R1 B

Figura 2.2. Determinação da resistência de saída de um amplificador com realimentação.

Para a determinação da resistência de saída do amplificador com realimentação, Rof, devemos


impor Vi=0 e aplicarmos uma fonte de tensão com valor Vt. A resistência de saída é dada por
V
Rof = t (2.5)
It

Roberto d'Amore - Lab. EEA-46 Realimentação negativa em ampliadores - revisão 2.2 2


A corrente It é igual a
Vt − AVx Vt − A(Vi − BVo ) Vt − A(0 − BVt ) Vt + ABVt
It = = = = (2.6)
Ro Ro Ro Ro
substituindo (2.6) em (2.5) temos
Ro Ro
Rof = Vt = (2.7)
Vt + ABVt 1 + AB
resultando numa queda de (1+AB) vezes na resistência de saída do amplificador realimentado.

O efeito da queda na resistência de saída pode ser interpretando considerando que Vx mede o erro
entre o sinal na entrada, Vi, e a amostra do sinal na saída, BVo. A resistência Ro na saída gera uma
queda de tensão entre a saída do amplificador e o ponto Vo. Como o sinal de erro é amostrado no
ponto Vo, a queda de tensão sobre Ro eleva o sinal de erro Vx. Devido ao ganho do amplificador o
sinal de erro é amplificado de modo a compensar a queda de tensão sobre Ro. Quanto maior for o
ganho A, menor será o erro.

2.3 Resistência de entrada

No circuito da figura 2.3 foi introduzida a resistência de entrada Ri no amplificador. A resistência


de entrada do conjunto realimentado é
V V + BVo Vx + BAVx
Rif = i = x = = (1 + AB) Ri (2.8)
Ii Vx Ri Vx Ri
resultando num aumento de (1+AB) vezes na resistência de entrada do amplificador
realimentado.

Ii
+ A Vx
Vx
Ri A
-
Vo
Vi
Rif
R2
B Vo R1 B

Figura 2.3. Resistência de entrada de um amplificador com realimentação negativa.

O aumento da resistência na entrada do circuito realimentado pode ser interpretado considerando


a presença do sinal BVo. Supondo uma elevação do sinal Vi, devido à realimentação do sinal, o
sinal BVo deve sofrer, também, um aumento. Deste modo, o aumento da tensão Vi não resulta
num igual aumento da tensão Vx. Como a corrente na entrada é função da tensão Vx, o aumento
da tensão BVo contribui para um menor aumento da corrente Ii, elevando, assim, a resistência
vista na entrada do conjunto realimentado.

2.4. Redução da distorção

A redução da distorção pode ser prevista pela expressão (2.1), se considerarmos a não linearidade
de um amplificador como uma variação no seu ganho. Quanto maior for o valor de A, menor será

Roberto d'Amore - Lab. EEA-46 Realimentação negativa em ampliadores - revisão 2.2 3


a influência deste valor no ganho do amplificador realimentado, Af, resultando que o valor do
ganho será definido pelo fator de realimentação B.

Deve-se notar que a linearidade é restrita entre o sinal Vo e o sinal Vi. As formas de onda nos
demais pontos do circuito serão, certamente, distorcidas.

3. Preparação

3.1- O circuito da figura 3.1 será utilizado na parte prática para construção de um bloco
amplificador com ganho determinado. Considere o amplificador operacional utilizado com ganho
muito elevado (Vp ≈Vn). Determine a tensão de saída Vo em função dos sinais Vp e Vn .

Vp1
+
Vn1

Vp Vo= f(Vp-Vn)
Rx1 Rx2
Vn

Figura 3.1. Bloco amplificador

3.2- Confira se a expressão obtida no item anterior está correta. Para Vn=0 o circuito se
R + RX 2
transforma na configuração não inversora com Vo = V p X 1 , e para Vp =0 o circuito se
RX 1
R
transforma na configuração inversora com Vo = −Vn X 2 .
RX 1

3.3- Para os circuitos da figura 3.2, esboce a forma de onda nos pontos Vx e Vo para os dois casos.
A tensão aplicada na entrada Vi é uma onda senoidal com amplitude de 3Vpp e nível DC igual a
zero. Considere a queda de tensão sobre o diodo de 0.6V (conforme gráfico na figura) e o
amplificador com ganho muito elevado. A análise do caso b pode ser facilitada lembrando-se que
o sinal presente na entrada V- deve seguir o sinal no ponto V+. Para que isto ocorra, a saída Vx do
amplificador operacional deve gerar uma tensão que compense a queda de tensão sobre um ou
mais diodos.

caso a caso b
V+ V+
+
Vx +
Vx
V- V-
Vi - Vi -

Vo Vo
R2 i R2 i
R1 R1
R1=R2 R1=R2
v v
0.6 0.6

Figura 3.2. Amplificador operacional com um estágio não linear ligado a saída..

3.4- Considerando o caso b da figura 3.2, qual o nível máximo de tensão que pode ser aplicado a
entrada Vi sem que ocorra distorção no sinal da saída Vo. Considere que a excursão do sinal na
saída do operacional é limitada a +10V e -10V.

Roberto d'Amore - Lab. EEA-46 Realimentação negativa em ampliadores - revisão 2.2 4


3.5- Para o circuito da figura 3.3 calcule o ganho do conjunto Vbo = ApVbp − AnVbn . Considere o
ganho dos amplificadores muito elevado. Sugestão: observe que o amplificador X2 está ligado na
configuração de ganho unitário e compare o esquema com o circuito da figura 3.1.

3.6- Com base na relação obtida no item 3.5, seria razoável, para os valores adotados considerar
Ab ≈ Ap ≈ An, e simplificar a expressão para Vbo ≈ Ab (Vbp − Vbn ) ?

Vp1
+
Vn1 X1
Vbp -
Rb2
220k
Vbo

Rb1
Vp2 2,2k
+
Vbn Vn2 X2
-

Figura 3.3. Bloco amplificador.

3.7- Supondo que o bloco da figura 3.4 contenha um circuito conforme o esquema da figura 3.3,
determine o ganho Af desta montagem para Ab=100.

Vbp
Vbo Vo
Vi Af=
Vbn R2 Vi
Vo
R1 4,7k
47k

Vbo=Ab(Vbp-Vbn)

Figura 3.4. Circuito empregando o bloco amplificador.

3.8- No circuito da figura 3.5, o bloco amplificador com ganho Ab=100 teve a sua resistência de
saída alterada de um valor muito baixo para o valor Ro. Determine a resistência de saída do
conjunto realimentado, Rof.

Vbp
Vbo Ro 1k
Vi
Vbn R2
Vo
R1 4,7k
47k

Rof
Vbo=Ab(Vbp-Vbn)

Figura 3.5. Aumento da resistência de saída do bloco amplificador.

3.9- No circuito da figura 3.6, o bloco amplificador com ganho Ab=100 teve a sua resistência de
entrada alterada de um valor muito elevado para o valor Ri. Determine a resistência de entrado do
conjunto realimentado, Rif.

Roberto d'Amore - Lab. EEA-46 Realimentação negativa em ampliadores - revisão 2.2 5


Vbp

Ri Vbo
Vi
39k
Vbn R2
Vo
R1 4,7k
47k
Rif
Vbo=Ab(Vbp-Vbn)

Figura 3.6. Redução da resistência de entrada do bloco amplificador.

4. Parte prática

4.1- Monte o circuito da figura 4.1, vide sugestão ao lado do esquema e não esqueça dos
capacitores de desacoplamento. Os diodos conectados na saída do amplificador operacional
introduzem uma forte não linearidade, que deve ser reduzida devido ao elo de realimentação.
Aplique na entra Vi um sinal de 0,1Vpp, nível DC igual a zero, com uma freqüência na faixa de
100Hz. Analise o circuito e confronte os resultados obtidos com os esperados. Apresente no
relatório o esboço das formas de onda nos pontos Vx e Vo evidenciando as tensões de interesse.

4.2- Ainda no circuito da figura 4.1, aumente a freqüência do sinal Vi para 10kHz e observe o
sinal Vo no momento em que ocorre o cruzamento por zero. Observe uma pequena distorção no
sinal; procure explicar o seu motivo. Sugestão: considere o salto na tensão no ponto Vx e as
limitações do amplificador operacional (vide dados do fabricante em anexo).

4.3- Monte o bloco amplificador da figura 4.2, vide sugestão apresentada ao lado de esquema.
Não esqueça dos capacitores de desacoplamento.

4.4. Teste o bloco amplificador montado conforme o esquema da figura 4.3 para os valores
apresentados na tabela 4.1. Observe a influência da redução do ganho do bloco amplificador, Ab,
no ganho do circuito realimentado, Af.

+12V
+12V D2 D$
D2 D3 D4 D3 Vo
+12V 3 7
+
6 Vx
C1 X1
2
0,1µ Vi -
4 D1
D1 8 7 6 5
-12V X1 R2
Vo 1 2 3 4
47k R2
R1
C2 4,7k
Vi
0,1µ R1
-12V
0V
X1=uA741 D1= D2= D3= D4= 1N4148 -12V

Figura 4.1. Amplificador operacional com um estágio não linear na saída.

Roberto d'Amore - Lab. EEA-46 Realimentação negativa em ampliadores - revisão 2.2 6


+12V +12V +12V
3 7
+
C1 6
2
X1 Rb1
0,1µ Vbp - Rb2 Rb2
4 Vbo
220k
-12V Vbo 8 7 6 5 8 7 6 5
X1 Vbp Vbn
X2
1 2 3 4 1 2 3 4
+12V Rb1
3 7 2,2k
C2 +
6
0,1µ Vbn 2
X2
-
4
X1=X2= uA741 0V
-12V -12V -12V

Figura 4.2. Montagem do bloco amplificador com ganho determinado.

Vbp
Vbo Vo
Vi Af=
Vbn R2 Vi
Vo
R1 4,7k
47k

Vbo=Ab(Vbp-Vbn)

Figura 4.3. Verificação da influência do ganho do amplificador para um circuito realimentado.

Tabela 4.1. Dados colhidos - circuito realimentado.


Rb1 Rb2 Ab ≈ R1 R2 Af Vi Vo Af
calculado medido
2,2k 220k 4,7k 47k 0,2Vpp
10k 220k 4,7k 47k 0,2Vpp

4.4. Mantendo o bloco amplificador montado, altere o circuito conforme o esquema da figura 4.4
para medir a redução na resistência de saída de um amplificador realimentado. A resistência Ro
ligada na saída do bloco amplificador eleva a sua resistência de saída. Para efetuar as medidas
coloque na saída Vo uma carga com valor próximo de Rof calculado e verifique se a tensão na
saída é reduzida pela metade. Teste o circuito para os valores da tabela 4.2.

Vbp
Vbo Ro
Vi
Vbn R2
Vo Rl Rof
R1 4,7k
47k

Rof
Rb1= 2,2k Rb2= 220k

Figura 4.4. Verificação da redução da resistência de saída de um amplificador realimentado.

Roberto d'Amore - Lab. EEA-46 Realimentação negativa em ampliadores - revisão 2.2 7


Tabela 4.2. Dados levantados - redução da resistência de saída.
R1 R2 Ro Rof Vi Vo Vo Rl Rof
calculado sem carga Rl ≈ Rof medido
4,7k 47k 470 0,2Vpp
4,7k 47k 1k 0,2Vpp
4,7k 47k 10k 0,2Vpp
4,7k 47k * 470k 0,2Vpp
* Verifique o valor de Vo em aberto, com cuidado. Deixe a análise desta medida para o final do relatório.

4.5. Mantendo o bloco amplificador montado, altere o circuito conforme o esquema da figura 4.5
para medir o aumento na resistência de entrada de um amplificador realimentado. A resistência
Ri ligada na entrada do bloco amplificador reduz a sua resistência de entrada. Para efetuar as
medidas coloque entre a fonte de sinal e a entrada Vbp uma resistência Rs com valor próximo de
Rif calculado. Compare a tensão de saída Vo sem a resistência Rs e com a resistência Rs conectada
no circuito. Para Rs = Rif forma-se um divisor resistivo na entrada que reduz o sinal a metade.
Teste o circuito para os valores da tabela 4.3.
Rs Rif Vbp
Vbo
Vi Ri
Vbn R2
Vo
R1 4,7k
47k
Rif

Rb1= 2,2k Rb2= 220k

Figura 4.5. Verificação do aumento da resistência de entrada de um amplificador realimentado.

Tabela 4.3. Dados levantados - aumento da resistência de entrada.


R1 R2 Ri Rif Vi Vo Vo Rs Rif
calculado Rs = 0 Rs ≈ Rif medido
4,7k 47k 100k 0,2Vpp
4,7k 47k 10k 0,2Vpp
4,7k 47k * 1k 0,2Vpp
* Verifique o valor de Vo em aberto, com cuidado. Deixe a análise desta medida para o final do relatório.

Roberto d'Amore - Lab. EEA-46 Realimentação negativa em ampliadores - revisão 2.2 8

Você também pode gostar