Você está na página 1de 7

Românticos e Tardios

Silviane Bellato, soprano


Laura Aimbiré, Mezzo-soprano
Anderson Brenner, piano

Release

Influenciado pela Revolução Francesa e pelas formas de estado dela


decorrente, o Romantismo se caracteriza pela expressão apaixonada
de sentimentos e emoções, com livre utilização da forma musical. Na
prática, o romantismo se manifesta musicalmente através de todo o
século XIX, e continua ainda nos primeiros anos do século XX.
Giuseppe Verdi foi um dos maiores compositores do Romantismo
Italiano. Já no último período do romantismo, conhecido
como romantismo tardio destaca compositores como Mahler, Strauss,
Chausson entre outros. Nacionalista, Granados foi considerados
compositores românticos por sua inspiração. Traços comuns a todos
esses românticos tão diferentes entre si são a liberdade de modulação e
o cromatismo cada vez mais progressivo numa música que, embora
subjetiva, não deixa de conter as características particulares de cada
um deles.
Programa Sugerido

Richard Strauss (1864-1949)


Befreit Op.39 n°4 – Silviane Bellato
Zueignung – Laura Aimbiré
Felix Mendelssohn (1809-1847)
Maiglöckchen und die Blümelein - Silviane Bellato e Laura Aimbiré
Gustav Mahler (1860 - 1911)
“Des Knaben Wunderhorn”
Wo die Schönen Trompeten Blasen – Silviane Bellato
Urlicht – Laura Aimbiré
Robert Schumann (1810-1856)
Bedeckt Mich mit Blumen Op.138 nº4 - Silviane Bellato e Laura Aimbiré
Johannes Brahms (1833-1897)
Weg der Liebe Op.20
Phänomen Op.61 - Silviane Bellato e Laura Aimbiré

Maurice Ravel (1875-1937)


Jeux D’eau - Anderson Brenner
E. Chausson (1855 - 1899)
Nanny Op.2 nº 1– Laura Aimbiré
Le Charme Op.2 nº 2 – Silviane Bellato

Enrique Granados (1867-1916)


El Majo Discreto – Laura Aimbiré
Fernando J.Obradors (1897-1945)
Coplas de Curro Dulce - Silviane Bellato
Isaac Albeniz L. Godowsky (1860-1909)
Tango em Ré - Anderson Brenner

Giuseppe Verdi (1813-1901)


“Requien”
Recordare - Silviane Bellato e Laura Aimbiré
Currículos

Silviane Bellato, Soprano


Agregando talento artístico ao belíssimo timbre de sua voz de soprano,
teve seu debut no Theatro Municipal de São Paulo cantando as missas Sol
Maior de Franz Schubert e Lord Nelson de Haydn sob regência do Maestro
Samuel Kerr. Logo em seguida se apresentou no Festival Internacional de
Órgão do Mosteiro de São Bento com a Orquestra Sinfônica Municipal.
Novamente no Theatro Municipal de São Paulo cantou Lauda per La
Natività Del Signore de Ottorino Respighi sob regência de Mateus Araújo.
Também cantou nas Vesperais Líricas as óperas Il Campanello, Die
Zauberflöte, Die Lustige Witwe, Iolantha de Tchaykovski e Simon
Boccanegra de Verdi.
Foi vencedora do concurso Internacional de canto “Maria Callas”, São
Paulo, no ano de 1999. Apresentou-se no Theatro São Pedro em São Paulo
e na cidade de Americana sob regência Carlos Fiorini cantando a
Krönungs Messe de Mozart e Concerto em Homenagem a Vincenzo Bellini.
Cantou em Buenos Aires trechos da opera “Norma” de Bellini sob regência de Oscar Galvez. Em
abril de 2003 fez seu debut operístico no Teatro Colon de Buenos Aires, Argentina cantando o
papel de Amélia do Simon Boccanegra de Verdi sob regência de Massimo Biscardi e direção de
Constantino Yuri. Após sua estréia no Teatro Colon Silviane se apresentou no VII Festival de Opera
de Manaus o papel de Nedda do I Pagliacci de Leoncavallo sob regência de Luiz Fernando
Malheiro e direção de Caetano Vilela.

Pelo Mozarteum Argentino cantou o papel de Micaela da Carmen de Bizet no Auditório Juan
Vitoria, San Juan, Argentina, sob regência de Alexey Smirliev e também no Festival de Opera Aldo
Baldim, Florianópolis sob regência de Jefferson Della Rocca. Em abril de 2004 estreou no Theatro
Municipal do Rio de Janeiro com o papel de Pamina de A Flauta Mágica de Mozart sob regência
de Silvio Barbato e direção de Moacir Goes. Em Julho e agosto de 2004 retornou ao Teatro Colon
de Buenos Aires e cantou o papel de Woglinde do O Ouro do Reno de Wagner sob regência de
Charles Dutoit e o papel de Ladislaus na estréia sul americana da ópera Ubu Rex de Penderecki
sob regência de Jaceck Kaspszyk.
Em 2005 se apresentou em diversos recitais em São Paulo e interior promovido pelo Sesc-Sp. Cantou
em Canela-RS um concerto com Arias e duetos das Operas La Bohème e Otello sob regência do
Maestro Manfredo Schmiedt. Retornou ao Theatro Municipal do Rio de Janeiro onde “A Crição” de
Haydn, com regência de André Cardoso. Em março e abril de 2006 retornou ao Theatro Municipal
do Rio de Janeiro onde cantou novamente “A criação” de Haydn e estréia na ópera Idomeneo de
Mozart sob regência de Silvio Barbato. Em dezembro de 2006 cantou a “Nona Sinfonia” de
Beethoven no Theatro da Paz, Belém, sob regência de Mateus Araújo. Em 2007 se apresentou na
programação oficial da Osesp cantando “Chansons Madécasses” de Maurice Ravel, entre outros
recitais no Estado de São Paulo.
Iniciou seus estudos em São Paulo com Carlos Vial e na Escola Municipal de Música de São Paulo
vindo a aperfeiçoar-se com Magda Olivero em Barcelona, Espanha; Fedora Barbiere em São
Paulo; Renata Scotto “Renata Scotto Opera Accademy” em Ischia, Itália; Virginia Zeani, São Paulo
e com o tenor Eduardo Alvares, Rio de Janeiro. Em 2003 formou-se pelo Instituto Superior de Artes
do Teatro Colon de Buenos Aires, Argentina onde foi aluna de Mirtha Garbarini e Reinaldo
Censabella.
Laura Aimbiré, mezzo-soprano

Pós-graduação em ópera pela Royal Northern College of


Music, Inglaterra, com bolsa do Conselho Britânico,
recebendo diversas premiações.
Junto aos corpos artísticos do Teatro Municipal de São
Paulo desde 1995, tem atuado como solista sob a direção
de maestros do porte de Isaac Karabtchevsky, Túlio
Colacioppo, Mário Záccaro, Luiz Fernando Malheiro, Ira
Levin, Mara Campos e Karl Martin ao lado de renomados
nomes do cenário lírico internacional como Renato Bruson, Juan Pons, Sumi Jo,
Eliane Coelho e Roberto Aarônica em trabalhos como Aída, Réquiem de Verdi,
Rigoletto, M. Butterfly, La Forza del Destino e Orfeu de Monteverdi.

Tem atuado também em Oratórios na Europa e nas principais salas de concerto


do Brasil em trabalhos como o Réquiem de Verdi, o Glória de Vivaldi, o Stabat
Mater de Pergolesi, o Oratório de Páscoa e Magníficat de Bach. Participou da
premier nacional da Missa Glagolítica de Janacec e na 2º Sinfonia de Mahler,
ambos sob a regência de Ira Levin no TMSP.

Destacou-se em premiada atuação como Shehèrazade de Ravel com a


Orquestra Filarmônica de Montpelier, na cidade natal do compositor. Com a
Orquestra Filarmônica de Bonn, cantou Floresta Amazônica de Villa-Lobos.
Representou a Inglaterra no festival de Aix-en-Provence como solista do Messias
de Haendel sendo efusivamente elogiada pela crítica como genuína voz de
contralto.
Recebe orientação vocal e de repertório de Helly-Anne Caran.
Anderson Brenner, piano

Natural de Porto Alegre iniciou seus estudos de piano aos sete anos. Residindo em São
Paulo estudou com Ana Maria Nascimento e Daisy De Luca.
Em 1988 começou seu trabalho de acompanhador ao lado da Associação Coral
Adventista de São Paulo, onde teve a oportunidade de apresentar-se internacionalmente
em tournée pelo Japão e Califórnia nos EUA. De 1994 a 1996, trabalhou no Paraná nas
Oficinas de Música de Curitiba, Festival de Cascavel e também como pianista co-
repetidor do Teatro Guaíra, Curitiba na produção da Opera “La Bohème” e do Oratório
“A Criação” de Haydn. Em 1996 foi pianista da Ópera “Madama Butterfly” na Vesperal
Lírica do Teatro Municipal de São Paulo. Neste mesmo ano, através da Sociedade
Brasileira de Ópera, acompanhou as aulas do Maestro Franco Iglesias, que o convidou
aos Estados Unidos para trabalhar junto ao “Center for Opera Performance” no estado
americano do Oregon.

Entre os anos de 2000 e 2007 residiu em New York, EUA, onde teve a oportunidade de
trabalhar com diversos cantores e professores dentre os quais se destacam Anna Moffo,
Licia Albanese e Renata Scotto. Por três anos foi pianista co-repetidor do festival de verão
“Shaker Mountain Opera”. Também participou em diversas companhias de ópera locais
de New York apresentando-se em salas de concerto como a “Carnegie Hall” e “Merkin
Hall” entre outras. Atualmente trabalha como pianista co-repetidor em vários projetos no
Brasil.
Título do Projeto

Românticos e Tardios

Objetivo

Apresentação de obras dos mais importantes compositores do período


“Romantismo tardio” através de uma apresentação com obras de canto
acompanhadas por piano.

Descrição da apresentação

Serão apresentadas Arias e Duetos dos mais famosos compositores do


Romantismo Tardio através das vozes dos cantores líricos Silviane Bellato-
Nogueira, Laura Aimbiré e do pianista Anderson Brenner.

Duração da apresentação: 1 hora

Ficha Técnica/Necessidades para a apresentação

1. Piano
2. Duas estantes de partitura
3. Duas cadeiras
4. Iluminação