Você está na página 1de 75

ABACATE:

Nome Científico: Persea americana Mill.


Partes usadas: Folha, fruto, semente, óleo, botões florais.
Sabor: Doce e frio.

Composição Química:
Tanino, metil-eugenol, abacatina (princípio amargo), dopamina, quercitna, perseitol, proteínas, mucilagens, óleo essencial,
flavonóides, estragol, anetol, possui quantidades variáveis de matéria insaponificável (máx. 2%), hidrocarbonetos, ácidos voláteis,
esteróis (sitosterol, campesterol), aminoácidos, vitaminas (A, B, D, E, G) e lecitina. O abacate é rico em potássio, cálcio, fósforo e
ferro. As sementes contêm abscisina e o fruto apresenta de 20 a 25% de óleo, além de ácidos graxos, hidratos de carbono,
substâncias minerais, proteínas, ácido acético, ácido málico, carboidratos, dopamina, esparagina, metil-eugenol, d-perseitol,
taninos e vitamina E.

Propriedades medicinais gerais:


Adstringente, afrodisíaco, antianêmico, antidiarreico, anti-helmíntico, anti-idade, anti-inflamatório, antirreumático, antioxidante,
antisséptico das vias respiratórias, antissifilítico, antitetânico, antiuricêmico, balsâmico, carminativo, cicatrizante, colagogo,
colerético, depurativo, digestivo, diurético, emenagogo, emoliente, estomáquico, rejuvenescedor, tônico capilar, umectante,
vermífugo, vulnerário, nutritivo, abortifaciente, acaricida, amebicida, analgésico, anorético, antifertilidade, hipotensivo,
antidiabético, antimaculítico, antiproliferante, antiradicular, antiespasmódico, antitumoral, bloqueador do canal de cálcio,
cardioprotetor, quimiopreventivo, contraceptivo, inibidor de COX-2, inibidor de Cistaina-Proteinase, citotóxico, desobstruente,
expectorante, fungicida (casca do fruto), indutor de Glutathione-S-transferace, hematônico, hemostático, hepatoprotetor,
hipercolesterolêmico, hipotriglicerídogênico, hipouricêmico, lactofugo, laxativo, litolítico, inibidor de NO, parasiticida, peitoral,
piscicida, venenoso, proteoglicanogênico, protisticida, pulicida, rodenticida, rubefasciente, espermatogênico, trypanocida,
uterotônico, vaso relaxante.

Indicações para uso interno:


Sistema Digestivo: em distúrbios da digestão como diarreia, indigestão, disenteria, amigdalite, dispepsia, dor de barriga,
eructações, estomatite, flatulência, gases intestinais, na cólica histérica, enterite, gastrite, salmonela, combate os males
produzidos por ingestão excessiva de carnes.
Sistema Urinário e Genital: cistites, elimina ácido úrico, nas infecções da bexiga, sífilis, uremia, uretrites, libera as vias urinárias,
regulariza o fluxo menstrual e estimula a menstruação, amenorreia, dismenorreia, blenorragia, disúria, fertilidade, frigidez,
impotência, leucorreia, metrorragia.
Sistema Hepático: para afecções hepáticas, hepatite, problemas da vesícula biliar, icterícia, na insuficiência hepática.
Sistema Respiratório: bronquite, nas secreções catarrais e para eliminação de mucosidades, na tosse, tuberculose, libera as vias
aéreas, asma, no resfriado, hemoptise.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: anemia, hipertensão (pressão alta), inchaço dos pés, em casos de gota, varizes,
aterosclerose, sangramentos, cardiopatias, reduz o colesterol e os triglicerídeos, beneficia a circulação.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: em casos de indisposição, para estresse e cansaço, nevralgia do trigêmeo, nas
infecções, neuralgia.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: inflamações dos dedos, panarício, no artritismo, reumatismo, artrose, mastite,
osteoporose, espondilose.
Sistema Renal: em infecções dos rins, nefrite.
Outros distúrbios: para cefaleia e dor de cabeça, na febre intermitente, verminoses, mal de Alzheimer, amebíase, cálculos, nos
cânceres de mama, cólon, labial, próstata e pele, na Doença de Chagas, na cólera, na diabete, maculite, malária, obesidade,
oftalmia, nas dores, estimula produção de leite, alivia ronco, elimina vermes, bloqueia a proliferação da AIDS.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: abscessos, ictiose, psoríase, queimaduras, dermatite, micose, púrpura, feridas, rugas, infecção cutânea.
Cabeça: caspa, eczemas do couro cabeludo, queda de cabelo, seborreia.
Cavidade bucal: aftas, rouquidão, em casos de garganta dolorida, cáries, dor de dente.
Músculos, ossos e articulações: edemas, nas contusões, hematoma, inchaço, infecção da ponta do dedo.
Outros distúrbios: em infecções por estafilococos, no câncer de pele, catarata, distensão, hemorroida, leucorreia, picada de cobra,
pielite.

Interações medicamentosas: O extrato das folhas pode diminuir a absorção da glicose.

Toxicidade:
É uma planta segura para alimentação e administração terapêutica nas doses recomendadas. As folhas verdes podem causar
palpitações cardíacas e por isso deve-se fazer uso de folhas secas para infusões. Não havendo disponibilidade de folhas
previamente secas e necessitando-se fazer uso interno do chá, ao invés de infusão, deve-se fazer decocção (ferver pelo menos por
uns 5 minutos), com o vasilhame destampado (para favorecer a evaporação dos componentes tóxicos).

Medicina Chinesa (MTC):


O abacate tonifica o Yin e o sangue (Xue). Elimina umidade das articulações e lubrifica os intestinos. Associada ao elemento Terra.
Tem atuação nos canais dos Pulmões, Rins, Fígado, Intestino Grosso e Baço/Pâncreas.

Modo de usar:
Uso interno:
- infusão: 50 g de folhas secas em 1 litro de água. Tomar 1 xícara 3 a 4 vezes ao dia.
- infusão: 1 colher (sopa) de folhas secas ou flores picadas em 1 litro de água. Tomar 3 xícaras(chá) por dia. Tomar morno;
- brotos, por infusão: indigestão, libera a menstruação;
- caroço raspado: disenteria, depurativo;
- caroço, por infusão: anti-helmíntico;
- infusão das folhas secas: diurético, doenças renais, hepáticas e da bexiga, artritismo, gota e ácido úrico, ativar a excreção biliar,
regularizar o fluxo menstrual, carminativa e antisséptico das vias respiratórias, nevralgias do Trigêmeo, antiinflamatória, digestiva,
doenças renais.
- extrato fluido: 2 a 10 ml por dia;
- extrato seco: 1 g ao dia;
- fruto in natura: obstipação intestinal, diurético, elimina cálculos renais, contra artritismo e contém muitas vitaminas.
- pó do caroço, diluido em água: dor de barriga, varizes.
Uso externo:
- decocção da semente ralada: compressas locais, várias vezes ao dia: antiinflamatória;
- caroço ralado e posto em álcool: fricções (contra reumatismo).

AÇAFRÃO DA TERRA:
Nome científico: Cúrcuma Longa L.
Nome Farmacêutico: Rhizoma curcumae longae
Sabor: picante, amargo e quente.
Partes usadas: Rizomas.

Composição Química:
Ácidos graxos, açúcares, amido, carnona, cineol, curcumina, felandreno, glicose, niacina, óleos essenciais, resinas, riboflavina,
saponina, substância amarga, tiamina, turmerona.

Propriedades:
Antidiarréica, antiescorbútica, antiespasmódica, antimicrobiana, antioxidante, antitóxica, cicatrizante (de feridas), colagoga,
colerética, colerífera, cordial, digestivo, diurética, emenagoga, estomáquica, excitante, hepatoprotetora, hipocolesterolêmica,
hipoglicemiante, laxante, litotríptica, resolutiva.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: distensões abdominais, espasmos, constipação, úlceras estomacais, doença de Crohn, melhoria da flora
intestinal, melhoria da digestão de proteínas como leite, carnes e outros.
Sistema Urinário e Genital: amenorreia, distúrbios da bexiga, dismenorreia, hematúria.
Sistema Hepático: cálculos biliares, problemas do fígado, hepatite, aumento do fluxo da bílis, icterícia.
Sistema Respiratório: distensões peitorais, mucosidades, afecções das vias superiores, asma, bronquite, amidalite, faringite,
sinusite, tosses, alergias respiratórias.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: epistaxe, intensificação da circulação, purificação do sangue, anemia.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: convalescença, crise nervosa.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: reumatalgias.
Sistema Renal: problemas dos rins.
Outros distúrbios: hematêmese, sarampo, irritabilidade, problemas oculares, equilíbrio do metabolismo, inflamações variadas,
edemas, diabetes.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: micoses de pele, acne, feridas, úlceras de decúbito, machucados, eczemas, psoríases, alergias cutâneas, afecções da
pele, pruridos, assaduras, ferimentos em geral.
Músculos, ossos e articulações: artrites.

Contraindicações:
Pode causar fotosensibilidade e erupções cutâneas em algumas pessoas. Evitar em casos de hepatite aguda e icterícia. Em doses
altas pode causar embriaguez, sono e delírio.

Interações medicamentosas:
Evitar uso concomitante com anti-inflamatórios, pois pode aumentar o risco de sangramentos. Potencializa efeito dos
anticoagulantes e pode provocar hemorragias se ingerido em doses elevadas. Pode diminuir a ação de imunossupressores, quando
usados concomitantemente. Pode ser útil em casos de cistos no ovário, em conjunto com Artemísia vulgaris.

Medicina Chinesa (MTC):


Ativa a circulação do Xue, promove circulação do Qi o Fígado, clareia calor no pericárdio e acalma o Shen, elimina vento,
mucosidade e umidade, promove o fluxo do Qi, beneficia a Vesícula Biliar e reduz icterícia, elimina calor do Coração. Utilizada na
obstrução dos orifícios do Coração por fleuma-calor. Cozinhar com vinho para direcionar ação para o fígado e promover o fluxo de
Qi. Torrar os rizomas para diminuir ação refrescante nos casos de estagnação pelo frio. Limpa a umidade-calor do Jiao médio.
Promove a transformação dos alimentos.

Modo de usar:
Tintura, elixir, vinho, xarope.
- tintura a 20%: deixar o rizoma triturado em maceração em 1 parte de álcool e três partes de água, durante três dias. Dosagem de
2-5 ml até 3 vezes ao dia;
- em saladas: 10 a 20 g de rizoma fresco;
- decocção: 3 a 9 g do rizoma por xícara de água: prisão de ventre, antiespasmódico, diurética, digestiva e acelerar a circulação;
- infusão: 1 colher das de café de pó de cúrcuma em 1 xícara das de chá de água quente. Abafar e filtrar. Tomar 2 vezes ao dia.
- infusão das flores: estimulante, sedativo, asma, bronquite;

AGNOACASTO:
Nome Científico: Vitex agnuscastus L.
Partes usadas: Frutos secos, flores.
Sabor: Picante, amargo, doce e adstringente.

Composição Química:
Agnusídeo, 1,8-cineol, alfa e beta-pineno, aucubino, bornil-acetato, casticana, eurostosídeo, isovitexina, limoneno, orientina,
sabineno, viticineno. Composição química das sumidades floridas: flavonoides, casticina, homoorientina, glucosídios iridoídeos,
aucubosídeo, agnosídeo, taninos, princípios amargos. Os frutos produzem óleo essencial (0,5%) rico em cineol e pineno.

Propriedades medicinais gerais:


Antidisentérico, antiestrogênico, anti-inflamatório, antisséptico, calmante, carminativo, diurético, emenagogo, espasmolítico,
estimulante da secreção de LH, expectorante, galactagogo, inibidor da secreção do hormônio FSH (em casos de excesso), inibidor
da secreção de prolactina, sedante, vulnerário, aperitivo.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: dor de estômago, diarreia, espasmos gastrintestinais, gases, hemorroidas.
Sistema Urinário e Genital: amenorreia, dismenorreia, ejaculação involuntária, equilibrar a secreção de hormônios femininos,
diminuir a testosterona nos homens, hematúria, incrementar a produção de progesterona nas mulheres, infertilidade feminina,
regula a menstruação, reduz os impulsos sexuais masculinos, retenção de líquidos, síndrome pré-menstrual, sintomas da
menopausa e da TPM, normaliza sistema reprodutivo, para desequilíbrios hormonais, inibe secreção de FSH, estimula secreção de
LH, hiperplasia benigna da próstata.
Sistema Respiratório: bronquite.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: transtornos de hiperfoliculinemia ou hiperprolactinemia.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: gripe, resfriado.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: espasmo, reumatismo.
Outros distúrbios: acne associada à tensão pré-menstrual, alterações bruscas de humor, cefaleia, diabete, diminuir a irritação,
distonias neurovegetativas (ansiedade, insônia, palpitações, taquicardia, vertigens), doenças fibrocísticas das mamas, erisipela,
inibir a produção de prolactina, regular a produção de prolactina.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: feridas.
Outros distúrbios: utilizada em cataplasma para estimular a circulação em membros enfraquecidos.

Contraindicações:
Deve-se evitar o uso em gestantes, lactantes, mulheres que fazem tratamento hormonal e em casos de déficit metabólicos de FSH.
Pode causar erupções cutâneas moderadas e desarranjo intestinal em menos de 2% das mulheres, durante seu uso. Pode aumentar
o fluxo menstrual e a incidência de cefaleias. Evitar também em condições de Pitta agravado e em casos de câncer com
sensibilidade a estrogênio.

Interações medicamentosas:
Deve-se ter cuidado no uso desta erva em associação a Bromocriptina e outras ervas que afetem a pituitária. Cuidado para uso
concomitante com drogas progestogênicas, HRT e anticoncepcionais. Evitar uso associado a medicamentos com dopamina e
remédio antipsicóticos ou para tratamento de Mal de Parkinson.

Medicina Chinesa (MTC):


Seu nome chinês é Man Jing Zi. É considerada uma erva fria, ácida e amarga que elimina vento-calor e drena umidade. Utilizada
para tratar dores de cabeça, olhos avermelhados doloridos e juntas artríticas. Seus elementos predominantes são Água e Madeira.
Atua no canal do Rim, Fígado, Estômago e Bexiga.

Modo de usar:
USO INTERNO:
- infusão: uma colher de sopa em 200 ml de água fervente. Deixar 15 minutos. Tomar 2 a 4 vezes ao dia: diurético, antidisentérico,
expectorante, hematúria, hemorróidas, diabete, problemas menstruais e de menopausa, lactação deficiente, ejaculação
involuntária, reumatismo, diarréia, gastralgia, amenorréia, bronquite;
USO EXTERNO:
- infusão acima: banho de erisipela;
- compressa em torno do pescoço das folhas frescas moídas, misturadas com gordura, até virar uma pasta: gripe e resfriado.

AGONIADA:
Nome científico: Plumeria lancifolia Müll. Arg.
Nome botânico: Himatanthus lancifolius (Müll. Arg.) Woodson.
Parte utilizada: casca, látex da casca, flores.

Constituintes químicos:
Ácido plumérico, açúcares, agoniadina, fulvoplumerina, iridóides, óleos essenciais (farnesol, citranelol), plumerina; resinas.
Propriedades medicinais:
- casca: emenagoga e purgativa;
- látex da casca: anti-helmínticas, febrífugo;
- flores: lactescentes, galactagogas, antidepressiva, antiasmática, antissifilítica, emenagoga, purgativa, anticonceptiva,
antiespasmódica, anti-helmíntica, desengurgitante (para adenites e gânglios supurados), febrífuga, galactagoga, laxante,
reguladora dos ciclos menstruais, resolutiva, sedativa;
- folhas: antiasmática, antidepressiva, antissifilítica, galactagoga, emenagoga, febrífuga, purgativa.
- toda a planta: antiinflamatório potente (do trato genital feminino); antidepressiva.

Indicações:
- casca: afecções estéricas, asma, clorose, doenças da pele, ingurgitamentos ganglionares, linfatites, regular menstruações, sífilis;
- látex da casca: febres intermitentes;
- flores: aumentar o leite materno, cólicas menstruais e uterinas, inflamações e congestão do útero e ovários, indisposições nas
épocas menstruais, regularizar as menstruações, restaurar as forças dos órgãos genitais debilitados;
- folhas: adenite, amenorréias, asma, atonias gastro-intestinais, bronquite crônica, catarros crônicos, cólicas menstruais, cólicas
uterinas, corrimentos vaginas, crise histérica, depresão, dismenorréias, doença de pele, espasmo, febres intermitentes, gânglios
supurados, gases, inflamações de útero e ovários, ingurgitamentos gangrenares, irregularidades menstruais, menstruações difíceis,
prisão de ventre, restaurar as forças dos órgãos genitais debilitados, vermes;
- toda a planta: depressão, cólicas uterinas, inflamações do útero, cólicas menstruais.

Contraindicações/cuidados:
Uso não indicado durante a gestação e aleitamento materno, nem para crianças. O látex da casca, em doses elevadas, produz
síncope, delíquio e até mesmo a morte.

Modo de usar:
Infusão de 5 g a 20 g de folhas para 1 litro de água fervente, tomar 4 a 5 xícaras por dia, sem adoçantes;
- compressas das folhas cozidas sobre os órgãos genitais debilitados: restaurar as forças (Diz-se, que quem as emprega
frequentemente, corre o risco de se tornar estéril); colocadas sobre os seios das parturientes: galactagogas;
- flores colocadas sobre os seios das parturientes: lactescentes, galactagogas;
- folhas cozidas colocadas sobre os seios das parturientes: galactagogas; sobre os órgãos genitais debilitados: restaurar as forças
dos órgãos;
- extrato fluído de toda a planta: 1 colher das de chá 3 vezes/dia.

AGRIÃO:
Nome Científico: Nasturtium officinale R. Br.
Partes Usadas: toda a planta
Sabor: adstringente, picante, amargo e quente.

Constituintes Químicos:
Ácido ascórbico, ácido pantotênico, alanina, arginina, beta-caroteno, cobre, enxofre, ferro, fosfato, glicina, gluconasturtina,
histidina, iodo, óleo essencial sulfo-azotado amargo e volátil (isosulfocyanato de allyla), potássio, taninos, pró-vitamina A,
vitaminas A, C, B, K.

Propriedades Medicinais:
Antiescorbútico; anti-icterícia; anti-inflamatório; antisséptico (vias aéreas); antitérmico; antitussígeno; béquico; depurativo;
descongestionante; desintoxicante; despigmentador; digestivo; diurético; excitante; expectorante; fluidificante; peitoral;
restaurador; tônico; aperitivo; vermífugo. Uso Tópico: cicatrizante.

Indicações (Uso Interno):


Em abscessos, ácido úrico, amenorreia, anemia, anorexia, para estimular o apetite, fortalecer os cabelos, oxigenar o cérebro, na
colecistite, colelitíase, colite, para normalizar do ritmo cardíaco, nas debilidades em geral, em odontalgias, diabete, dismenorréia,
dispepsia, escrofulose, febres, para desobstruir o fígado, em gengivites, hidropsia, enfermidades dos intestinos, para fortalecer a
memória, na morfeia, para diminuir os efeitos nocivos da nicotina, em problemas de pele, afecções pulmonares, raquitismo,
regular o equilíbrio hídrico corporal, em reumatismos, anuria, uremia, pedras nos rins, aumentar a salivação, no sarampo, sífilis,
para aumentar a transpiração, na varíola, para eliminar vermes intestinais, na estase biliar, como anti-inflamatório das vias
urinárias, no bócio, tuberculose, como revigorador do sangue, afecções catarrais e nas mucosidades, para restaurar o sistema
endócrino, melhorar a nutrição e na clorose.

Indicações (Uso Externo):


Aplicado em abscessos e feridas.

Utilizações na MTC:
Vazio do Xue; vazio do Jing; estagnação do Qi do Fígado e do Qi do Estômago; elimina umidade do BP; elimina fleuma-umidade do
Pulmão; retira umidade-frio da cabeça. Elemento predominante na MTC: Metal; Atuação nos Canais: P, I.G, E, BP.

Contraindicações:
Na gravidez é abortivo; pode provocar irritações na vesícula, estômago e vias urinárias; evitar uso em úlceras estomacais; evitar
uso interno em crianças de menos de 5 anos. Uso prolongado pode causar irritação na bexiga.

Modo de usar:
Xarope, suco ou in natura.
- compressas: manchas, sardas, acnes, descongestionar a pele;
- cremes, loções e compressas: frieiras nos pés, feridas, abscessos;
- cataplasma: cicatrização, eczemas, úlceras escorbúticas, escrofulosas etc.;
- decocção (único caso) de colherada de folhas frescas em uma xícara de água. Ferver, por três minutos, em fogo moderado, filtrar
após dez minutos. Adicionar suco de limão, laranja ou tomate fresco. Beber em duas vezes, durante o dia: bronquite, depurativo,
diurético;
- folhas e talos frescos em saladas: afecções dos brônquios, anemia, bócio, diabetes, digestivo, elimina o excesso de ácido úrico,
escorbuto;
- infusão a frio de uma colher bem cheia de folhas e flores frescas em uma xícara de água. Deixar toda a noite. Espremer bem o
agrião e filtrar. Beber a infusão pela manhã, em jejum;
- infusão, extratos ou tintura: bronquite, febre, escrofulose, raquitismo, hidropisia, icterícia, cistite, colites, problemas do fígado,
anúria, tosses catarrais, tuberculose pulmonar, uremia, bócio;
- loção de 50 g de suco de agrião e 10 g de essência de amêndoas amargas: pele avermelhada devido ao vento ou ao sol;
- mastigar algumas folhas de agrião por dia, para ativar a salivação e reforçar as gengivas.
- suco com mel ou suco de abacaxi: bronquite, tosse, catarros, tuberculose pulmonar, eliminar os efeitos do fumo nos pulmões;
- suco puro, meio copo todos os dias: bronquite crônica;
- suco: esmagar em um pilão uma grande porção de folhas e talo frescos, colocar em um pano limp, torcer e extrair todo o uso.
Filtrar e consumir 40 g por dia: escorbuto, febre persistente, icterícia;
- sopa (caldo verde), junto com outras ervas (tais como rúcula e couve);
- xampus, máscaras, condicionadores: cabelos;
- xarope de 250 gramas de agrião, uma clara de ovo e 350 gramas de açúcar.

ALCACHOFRA:
Nome Científico: Cynara scolymus L.
Nomes botânicos: Cynara cardunculus var. scolymus (L.) FioriL.
Partes usadas: Folhas, brácteas e raiz.
Sabor: Amargo, picante, amornante.

Composição Química:
Cinarina (ácidos 1,5-dicafeilquínico de 0,02 a 0,03%), sais minerais (fósforo, ferro, potássio, cloro, cálcio, enxofre, sódio, magnésio e
silício- 12-15%), ácido clorogênico, ácido caféico, mucilagem, pectina, tanino, ácidos orgânicos: málico, glicérico e glicólico,
glicosídeo A e glicosídeo B, componentes flavônicos glicosilados (cinarosídeo, scolimosídeo, cosmosídeo), cinaropicrina (amargo),
enzimas (cinarase, oxidase, ascorbinase, catalase, peroxidase), vitaminas (pró-vitamina A, B1, B2, C).

Propriedades medicinais gerais:


Antiesclerótico, antitóxico, colagogo, depurativo, digestivo, diurético, hepático, hipotensor, laxante, colerético, febrífugo,
antirreumático, hipoglicemiante, antiuréico, anticolesterogênico, antidiarreico, antialcoólico, antiesclerótico, antibiótico e também
é um carminativo.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: diarreia, dispepsia, emagrecimento, escorbuto, hemorroidas, má-digestão, obesidade, regulariza o
aparelho digestivo e os movimentos peristálticos, sensação de plenitude, perda de apetite e na dor abdominal.
Sistema Urinário e Genital: anúria, diurese, hidropsia, sífilis, uremia, uretrite, proteinúria e também na esterilidade.
Sistema Hepático: afecções hepatobiliares, icterícia, tratamento das vias biliares, hepáticas, intolerância a gorduras, síndrome pós-
hepatite e na inflamação da vesícula biliar.
Sistema Respiratório: pneumonia, tosse e também na asma.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: anemia, clorose, doenças cardíacas, gota, hemofilia, hipertensão, má formação do
sangue, infarto, angina do peito e na presença de ácido úrico.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: na escrofulose.
Sistema Renal: em cálculos renais e no tratamento das vias renais.
Outros distúrbios: em casos de diabete, bócio exoftálmico, convalescença, diabete melito, hipertireoidismo, inflamações internas,
malária, raquitismo, toxemia, náusea, doenças de pele, celulite, psoríase, congestão cerebral e em casos de eczema.

Contraindicações:
Evitar o uso na lactação, pois coagula o leite. Evitar também em casos de fermentação intestinal. Não deve ser usada por pessoas
com cálculos biliares. Evitar ainda durante a gestação.

Medicina Chinesa (MTC):


Erva indicada para deficiência do Xue e estagnação da energia do Fígado. Tonifica o Yang do Baço e auxilia a eliminar umidade.
Tem atuação nos canais do Fígado, Vesícula Biliar e Baço/Pâncreas. Tem predominância do elemento madeira.

Modo de usar:
Decocção; infusão.
- decocção: das folhas 5%, ferver 10-12 minutos. Duas ou três xícaras ao dia (preparar cada dose separadamente, para uso
imediato);
- infusão: folhas picadas (2 colheres de sopa) em 1 litro de água. Tomar 1 xícara (chá) 3 vezes ao dia, após as refeições (preparar
cada dose separadamente, para uso imediato);
- extrato hidroalcóolico: 0,5 a 1 g / dia;
- extrato seco: 100 a 150 mg/dose. Tomar 3 vezes ao dia após as principais refeições;
- tintura: 5 a 25 ml / dia;
- vinho medicinal: macerar 20 g de folhas frescas em um litro de vinho branco, por cinco dias. Filtrar e tomar dois calicezinhos por
dia;
- decocção de 20 g de raízes em um litro de água, por cinco minutos. Depois de morno, filtrar e adoçar o líquido. Tomar três xícaras
por dia;
- suco de alcachofra, misturado ao suco de limão: asma;
- suco de alcachofra, misturado ao suco de cebola: recuperação de hemofílicos;
- cápsulas ou comprimidos: Adultos: 2, 3 vezes ao dia; Crianças: 1 a 3 vezes ao dia.

ALCAÇUZ:
Nome Científico: Glycyrrhiza glabra
Partes usadas: Raiz.
Sabor: Doce, amargo e neutro.

Composição Química:
Ácido glicirretínico, ácido glicirrízico, ácido uralênico, amido, cumarinas, enzimas, glicirrizina, glicosídeos, isoliquiritigenina,
isoliquiritina, licoricona, liquiritigenina, liquiritina, óleo essencial, sacarídeos, saponinas, taninos, triterpenos.

Propriedades medicinais gerais:


Antiespasmódica, antiinflamatória, antimicrobiana, antioxidante, antitóxica, antisséptica, antitumoral, aromática, diurética,
emoliente, expectorante, laxante, refrescante, tônica.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: afecções gástricas, prisão de ventre, acidez, dor abdominal aguda, laringite, remove muco estomacal,
hiperacidez, úlcera do duodeno, alivia inflamações intestinais.
Sistema Urinário e Genital: catarro na bexiga, dificuldade de urinar, menopausa, TPM, regula o ciclo menstrual.
Sistema Hepático: hepatite C, cálculos, transtornos biliares, congestão hepática.
Sistema Respiratório: afecções pulmonares, faringites, bronquite, catarro nos pulmões, rouquidão, dispneia, dor de garganta,
tosse seca, retira muco dos pulmões.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: inibidor dos íons de cálcio, gota, inchaço, reduz gordura do sangue, purificador do
sangue, limpeza das artérias.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: herpes zoster, resfriado, para estresse e exaustão, incrementa o fluido cérebro-espinhal,
nutre o cérebro, estimula produção de cortisol (substituindo a utilização de corticóide), estimula produção de líquido encéfalo-
craniano (líquor).
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: espasmo, relaxante muscular, fibromialgia.
Sistema Renal: cálculos.
Outros distúrbios: harmoniza fórmulas com diversas plantas, conjuntivite, inflamações em geral, tumores, envenenamentos,
eficiente na leucemia, doença de Addison, diabete insipidus, melhora a compleição, o cabelo e a visão, no cancro da mama,
dissolve todo o tipo de muco, melhora a voz, indicado para alergias alimentares.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: abscessos, carbúnculos, eczema, em feridas e furúnculos.
Cabeça e face: conjuntivite, rouquidão.
Cavidade bucal: inflamações da boca, impede desenvolvimento de bactérias e tártaro nos dentes, mau hálito, gengivite.

Contraindicações:
Gestantes (mesmo banhos ou massagem), nutrizes, crianças, pessoas anêmicas, hipertensas, com glaucoma, doenças cardíacas,
que usam contraceptivos ou fazem reposição hormonal.

Efeitos colaterais:
O uso interno provoca retenção de líquidos, Se prolongado pode causar ainda hipertensão, perda de potássio e retenção de sódio,
dores abdominais, dor de cabeça e deficiência respiratória. Segundo a literatura consultada não há efeitos colaterais advindos do
uso externo.

Medicina Chinesa (MTC):


Tonifica o Qi do corpo e, em especial, o Qi do Baço. Umedece os Pulmões e pára a tosse, elimina calor e toxinas (com a raiz crua) e
drena o fogo. Age como harmonizar de fórmulas fitoterápicas e antídoto contra várias substâncias para uso interno e tópico.
Usada em padrões de calor ou frio nos Pulmões, no vazio (deficiência) do sangue e ascende o Yang. Também para vazio
(deficiência) do Qi do Estômago, vazio do Yang do Baço, vazio do Yang do Rim, secura e mucosidades do Pulmão e para casos de
fogo tóxico. Tonifica coração e lubrifica os pulmões. A forma preparada da erva se chama Zhi Gan Cao (e tonifica o Qi) e a forma
crua chama-se Shen Gan Cao (que elimina calor e toxinas). A erva modera a ação fria ou quente das ervas e atua em todos os
canais de energia.

Modo de usar:
- fabricação de:
. Loções para limpeza da pele, tratamento da acne;
. Cremes hidratantes: prevenção de rugas e na melhoria da textura da pele;
. Géis e loções de proteção solar;
. Loções e pomadas: abscessos, feridas e úlceras;
- infusão da raiz: inflamações do ventre e das vias urinárias. Bochechos: inflamações bucais. Compressa: conjuntivite aguda;
- pó da raiz: 100 g de alcaçuz, 20 g de erva doce moída em um pouco de água e misturar. Tomar uma colher de sobremesa à noite:
regulador intestinal;
Para crianças reduzir a quantidade de erva para 1/3;
- compressas (uso externo): decocção 6 colheres de sopa de raiz moída em um litro d'água;
- decocção de 200 g de alcaçuz em um litro de água. Ferver por três minutos. Após meia hora, filtrar: bochechos e gargarejos,
várias vezes ao dia;
- decocção de 20 g de raízes e ramos de alcaçuz, 40 g de eucalipto e 10 g de segurelha um litro de água. Ferver, por dez minutos.
Deixar repousar por meia hora e filtrá-lo: bochechos e gargarejos freqüentes;
- decocção de 15 g de raízes de alcaçuz, 20 g de raízes de genciana, 20 g de raízes de salsaparrilha, 50 g de raízes de bardana, 50 g
de raízes de gramínea, 150 g de raízes de dente-de-leão em três litros de água, por uma hora (em fogo brando). Deixar esfriar e
filtrar. Tomar três xícaras por dia, de manhã (em jejum), à tarde e antes de deitar: depurativo, eczema;
- infusão em água morna de uma colher de café da mistura de: 5 g de raízes de alcaçuz em pó, 5 g de folhas de sene em pó, 3 g de
sementes de funcho em pó. Deixar repousar por alguns minutos. Remisturar e beber à noite, antes de deitar: prisão de ventre;
- vinho medicinal: 120 g de raízes de alcaçuz esmagadas, 60 g de sementes de anis e 60 g de sementes de funcho em um litro de
vinho branco. Deixar em infusão por dez dias. Filtrar e tomar seis colheres ao dia e fazer bochechos: mau hálito, tosse;
- decocção: ferver, por cinco minutos, 100 g de alcaçuz e 100 g de hipérico em um litro de água. Deixar repousar por meia hora e
filtrar. Tomar uma xícara pela manhã, em jejum, e uma após as refeições principais: úlcera duodenal;
- bala de alcaçuz: dissolver 500 g de alcaçuz em meio litro de água, adicionar 250 g de goma arábica, 150 g de açúcar e 50 g de
gengibre. Ferver até a mistura adquirir a consistência de massa ou pasta. Espalhar sobre uma superfície de mármore, untada.
Depois de fria, corta-se a massa e fazer as balas: acalmar tosses e acessos de bronquite;
- raiz, por decocção: tosse, laringites, afonia, afecções das vias respiratórias, peitoral, emoliente, catarros crônicos, dispnéia,
congestão hepática, laxativo, inflamações do ventre e vias urinárias, inflamações da gengiva e da língua, depurativo, eczemas.
- mastigação da raiz: mau hálito, ajudar a parar de fumar;
- cataplasma de raiz seca, reduzida a pó com um pouco de farinha de trigo: aplicar sobre as partes afetadas: erisipela, para
acalmar a dor;

ALECRIM:
Nome Científico: Rosmarinus officinalis L.
Partes usadas: Folhas e óleo essencial.
Sabor: Amargo, picante, amornante, adstringente e aromático.

Composição Química:
A-tujeno, a-felandreno, a-humuleno, a-pineno, a-terpineno, ácido ascórbico, ácido labiático, ácido rosmarínico, ß-caroteno, ß-
pineno, ß-sitosterol, borneol, canfeno, cânfora, cineol, elemol, eugenol, limoneno, lineol, mirceno, pectina, rosmadiol, rosmanol,
rosmaricina, rosmarinol, sabineno, timol, tanino.

Propriedades medicinais gerais:


Colerético, emenagogo, sudorífico, revulsivo, cicatrizante, carminativo, estomacal, antisséptico, antiespasmódico, hepatoprotetor,
diurético, expectorante, antirreumático, anticancerígeno, antimicrobiano, fungicida, cicatrizante, antioxidante, narcótico, béquico,
vasodilatador, excitante, balsâmico, rubefaciente, eupéptico, diaforético, febrífugo, sedativo, antissinais, antianafilático,
antiartrítico, antiedemico, antimutagênico, desintoxicante, anti-inflamatório, contraceptivo, antipirético, antigripal, estimulante,
estomáquico, tônico, vulnerário, hipertensor e hipoglicemiante.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: em cefaleias de origem digestiva, hemorroidas, vertigem resultante de disfunções estomacais, mau
hálito, dispepsia, meteorismo, flatulência, em espasmos digestivos, para digestão lenta, diarreia, estomatite, náuseas, esplenite,
cólicas.
Sistema Urinário e Genital: para aumento da fertilidade feminina, como tônico uterino, clorose, na frigidez, herpes, TPM,
dismenorreia, na retenção de líquidos, poliúria, cólicas, condilomas, leucorreia, no climatério, candidíase e também na impotência.
Sistema Hepático: atua sobre a vesícula, para inchaço do fígado, na ascite de origem hepática e em disquinesias biliares.
Sistema Respiratório: asma, problemas respiratórios, bronquite, pleurodinia, na pneumonia por estreptococos e ainda na tosse
com muco.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: gota, para eliminar colesterol, empregado em doenças do coração, clorose, auxilia na
eliminação do ácido úrico, debilidade cardíaca, para equilibrar a pressão arterial e também para aterosclerose.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: para aumentar a imunidade, para melhorar a memória e as funções mentais, isquemia,
paralisias, escrófulas, mal de Alzheimer, histeria, insônia, demência senil e no esgotamento cerebral.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: para celulite, hidropsia, e ainda na hipotonia.
Sistema Renal: tem atuação benéfica sobre os rins e em casos de nefrose.
Outros distúrbios: erva utilizada para tratamentos de enxaquecas, como tônico geral do organismo, na depressão e no estresse
físico e mental, para dores de dente, convalescença, exaustão, em casos de astenia, combate ao envelhecimento, anorexia, na
alopecia, para sensação de frio na cabeça, câncer de boca, câncer de mama, câncer de baço, câncer de pele e câncer de fígado,
tonturas e na meningite.

Contraindicações:
CUIDADO: TÓXICA, gestantes. Em doses elevadas pode provocar irritações gastrintestinais, nefrite, intoxicação, aborto, irritações
na pele. Não é recomendado para prostáticos e pessoas com diarréia.

Efeitos colaterais: O uso durante a noite pode alterar o sono.

Medicina Chinesa (MTC):


Planta associada ao elemento madeira. O alecrim elimina vento-frio, tonifica o yang e aquece o Baço Pâncreas, corrige a
deficiência (vazio) do sangue (xue), elimina acúmulos de alimentos no estômago e nas vísceras, elimina frio do canal do Fígado,
tonifica o Qi, elimina umidade-frio do Pulmão, remove a estagnação do Qi do Rim, tonifica o yang do Rim, elimina frio no útero,
remove invasão de vento externo e vento frio do Pulmão. Atua nos canais do Baço-Pâncreas, Fígado, Estômago, Pulmão, Rins, Vaso
Concepção e Vaso Governador.

Modo de usar:
- infusão: 1 xícara (das de cafezinho) de folhas secas ou frescas em 1/2 litro d'água. Tomar 1 xícara das de chá em intervalos de 6
horas;
- infusão: 5 a 15 g de folhas em 1 litro de água fervente. Deixar esfriar, coar e tomar 1 xícara de chá três vezes ao dia;
- infusão: 1 colher das de chá de folhas em 1 xícara de água quente. Tomar 2 a 3 xícaras ao dia;
- pó das folhas secas: pulverizadas sobre feridas, como cicatrizante;
- tintura: 50 g de folhas secas em 1 litro de álcool de cereais. Deixar por 5 dias, filtrar e conservar em vasilhame escuro. Tomar
diariamente 40 gotas diluídas em um copo de água, por 10 a 15 dias: hemorróidas;
- tintura: 10 xícaras das de cafezinho de folhas secas em ½ litro de álcool de cereais ou aguardente. Deixar macerar por 5 dias.
Tomar, com um pouco de água, uma colher das de chá 3 vezes ao dia;
- extrato fluído: 1 a 5ml/dia;
- decocção a 2,5%: de 50 a 200ml/dia;
- xarope: em ½ litro de xarope, adicionar o suco de 4 xícaras das de cafezinho, de alecrim. Tomar 1 colher a cada 3 horas;
- banho: ferver 3 xícaras das de chá de folhas em 1 litro de água por 5 minutos. Coar, esfriar e misturar à água da banheira;
- vinho: 50 g de folhas em 1 litro de vinho tinto durante 10 dias. Filtrar e adoçar com mel. Tomar 1 cálice antes das refeições;
- xampus: 5% de extrato glicólico;
- loções capilares, dentifrícios: 3% de extrato glicólico;
- uso externo: infusão a 5%.

ALFAVACA DO MATO:
Nome científico: Hyptis brevipes Poit.
Parte utilizada: folhas, sumidades floridas.

Propriedades medicinais: Antisséptica das vias respiratórias, balsâmica e vermífuga.

Indicações: Febre, vias respiratórias.

Modo de usar: Infusão: 10 g de folhas em ½ litro de água. Tomar 2 a 3 xícaras ao dia.

ALFAZEMA:
Nome científico: Lavandula spicata L.
Nome botânico aceito: Lavandula angustifolia Mill.
Parte utilizada: Flores, Folhas, Haste, Óleo essencial.

Constituintes químicos:
Óleo volátil, flavonóides, tanino, álcoois térmicos, cineol, nerol, cumarina, linalol, geraniol, acetato de linalilo, furfurol, cariofileno,
eucaliptol, cânfora, borneol, acetato de lavandulilo, terpin-4-ol, lavandulol, a-terpineol.

Propriedades medicinais:
Antimicrobiana, antiinflamatória, antisséptica, antianúria (diminuição ou supressão da secreção urinária), antiamenorréia
(ausência de menstruação), antiespamódica (contra dores agudas), colagoga, carminativa (favorece a expulsão de gases
intestinais), cicatrizante, digestiva, diurética, estimulante, expectorante, peitoral (bronquite e gripe), tônico nervoso, sedativa,
sudorífica.

Indicações:
Acalmar os nervos, aumentar produção e eliminação da bile, cãimbras, cistites, digestão, dor de dente (gargarejo com decoção das
flores), dores reumáticas, dores de cabeça, doenças de baço, enxaqueca, espasmo, falta de urina, falta de regras, fraqueza, gota,
hipocondria, inapetência, insolação, inflamações das vias urinárias, resfriados, tosses, vômitos.

Contraindicações/cuidados:
Pessoas propensas à úlceras, não devem exagerar na administração de preparados à base de alfazema. Alguns fitoquímicos da
planta são incompatíveis com sais de ferro e iodo.

Efeitos colaterais: sonolência. Em altas doses pode ser depressiva do sistema nervoso, causando sonolência.

Modo de usar:
Usar sempre com moderação e com acompanhamento médico no uso interno, no uso externo não apresenta restrições.
Infusão: 5 g de flores em 100 ml de água fervente por 10 minutos. Tomar 5 gotas, 3 vezes ao dia, entre refeições.
Macerado: 10 g em 100 ml de azeite, por 4 semanas ou em banho maria por uma hora e deixe macerar no mínimo 7 dias. Tomar 5
gotas como no infuso.
O pó das folhas, quando em combustão, atua como odorizante e desinfetante de ambientes, além de ser insetífugo.
ALHO:
Nome Científico: Allium sativum L.
Nomes botânicos: Allium pekinense Prokhanov.
Partes usadas: Bulbos.
Sabor: Picante e quente.

Composição Química:
Ácido alfa-aminoacrílico, ácido fosfórico livre, ácidos sulfúrico, ajoeno (produzido por condensação da alicina), açúcares (fructose,
glucose), alil, alil-propil, aliína (que se converte em alicina), aliinase, aminoácidos (ácido glutamínico, argenina, ácido aspártico,
leucina, lisina, valina), citral, desoxialiina, dissulfeto de dialila, dissulfeto de dietila, felandreno, galantamina, geraniol, heterosídeos
sulfurados, insulina, inulina, linalol, minerais (manganês, potássio, cálcio, fósforo, magnésio, selênio, sódio, ferro, zinco, cobre),
nicotinamida, óleo essencial, muitos componentes sulfurosos, dentre eles: disolfuro de alil, trisolfuro de alil, tetrasolfuro de alil e
também óxido dialildissulfeto, polissulfeto de dialila, prostaglandinas A, B e F, proteínas, quercetina, sulfetos de vinil, trissulfeto de
alila, vitaminas A, B6, C, ácido fólico, pantotênico, niacina.

Propriedades medicinais gerais:


Digestivo, carminativo, anti-helmíntico, emenagogo, tônico, endócrino, antibacteriano, parasiticida, hipoglicemiante, estimulante,
imunizante, anti-inflamatório, antirreumático, expectorante, antimicrobiano, antisséptico, depurativo, antioxidante,
desintoxicante, hipotensor, anticolesterolêmico, antiadesivo plaquetário, rejuvenescedor, bactericida, amebicida, febrífugo,
vermífugo, anti-infeccioso, antiasmático, antibiótico, antifúngico, antitóxico intestinal, antitrombótico, emoliente, rubefasciente,
sudorífico, vasodilatador, odontálgico, hipolipemiante, desinfetante, metabólico, hepatoprotetor, hipoviscosizante,
anticancerígeno, antiulcerogênico, antivirótico e também, diurético.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: melhora a digestão, combate infecções por Helicobacter pylori, elimina vermes, alivia dores de
hemorroidas, na paralisação do baço, previne disenterias amebianas, prisão de ventre, diarreia, envenenamento por alimentos,
abscessos intestinais, intoxicação alimentar por ingestão de frutos do mar e também é um auxiliar no tratamento ao câncer de
estômago.
Sistema Urinário e Genital: para cistite, hiperuricemia, edemas (inchaço), em enfermidades da bexiga, em cálculos da bexiga,
afecções genito-urinárias, candidíase.
Sistema Hepático: estimula o funcionamento hepático, na paralisação do fígado, paludismo, enfermidades do fígado e no fígado
preguiçoso.
Sistema Respiratório: para afecções das vias aéreas, bronquite, tosse, asma, enfisema, hidropsia, tuberculose, amigdalite,
afecções respiratórias, gangrena pulmonar, sinusite, catarro, rouquidão, abscesso pulmonar e também na faringite.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: evita tromboses, preveni derrames e infartos, regulariza a circulação sanguínea,
combate a aterosclerose, reduz a sobrecarga cardíaca, alivia palpitações, taquicardia, regula pressão arterial, doenças cardíacas,
angina, arteriopatias, no endurecimento de artérias, tromboembolismo, gota, hemoptise, diminui o nível dos triglicerídeos,
hiperlipidemias e em varizes.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: nos resfriados e gripes, infecções em geral, tifo, insônia, afecções nervosas, histeria,
febre, infecções fúngicas, esgotamento, estimulante do sistema imunológico, herpes, hipocondria, infecções bacterianas e em
casos onde existe sensação de medo.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: alivia dores articulares, artrites e ainda no reumatismo.
Sistema Renal: em enfermidades dos rins e na nefrite.
Outros distúrbios: em casos de intoxicação nicotínica, retinopatia, dores de ouvido, surdez, enxaqueca, dores de cabeça,
coqueluche, auxiliar em tratamentos de diabete e também na cólera.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: para impurezas da pele, psoríase, dermatites seborreicas, em cortes produzidos por pregos, acnes, afecções da pele,
verrugas, manchas da pele, picadas de inseto com coceira e dor, tinha, calos, dermatomicoses, impingem, sarna, sardas e ainda em
ferimentos infectados.
Cabeça e face: para caspa e na escabiose.

Contraindicações:
Evitar uso de alho cru em casos de hiperacidez gástrica, gastrites agudas, úlceras ativas, em casos de hemorragia e na
amamentação. Se houverem flutuações na pressão, seu uso deve ser interrompido. Sempre evitar em casos de hipotensão. Evitar
também durante a gestação, em recém-nascidos, pessoas com dermatites, hipertireoidismo, em pré e pós-operatórios (nesse caso,
evitar uso até 10 dias antes de qualquer operação) e na trombocitopenia. O óleo essencial puro por via oral é contraindicado para
gestantes, lactantes, crianças, pacientes com hipersensibilidade e ainda pode provocar náuseas. Consulte sempre um profissional
de saúde, antes de usá-lo, caso você esteja fazendo uso de algum medicamento. Deve ainda ser evitado em pessoas com
ejaculação precoce e espermatorreia.

Efeitos colaterais do Alho:


Em excesso, pode causar problemas digestivos, de estômago, dores de cabeça, dores nos rins, cólicas, vômitos, diarréia, tontura;
problemas de sangramento ou de coagulação sanguínea, irritação intestinal. Por via externa pode produzir dermatite de contato.

Medicina Chinesa (MTC):


Seu nome chinês é Da Suan. O alho é utilizado nos casos de deficiência do yang e em casos de plenitude-frio, pois elimina frio por
sudorificação. Sua ação é antiparasitária e anti-helmíntica e também é utilizado para eliminar toxinas e tratar intoxicações por
ingestão de frutos do mar. Especialmente indicada para infecções causadas para Trichuris trichiura e Enterobius vermicularis.
Elimina também toxinas do calor dos intestinos. Fortalece o baço e trata crise de consumo por enfraquecimento geral do Qi
essencial. Também utilizada para crise de enfraquecimento, emagrecimento e anorexia por deficiência do Qi dos órgãos Zang Fu.
Seu uso local pode ser feito para Tina capsis, eliminando calor e umidade da pele. A erva atua nos canais do baço/pâncreas,
estômago, pulmão e intestino grosso. Esta erva deve ser evitada em casos de deficiência do Yin, com sinais de calor. Seu uso tópico
é desaconselhado, pois pode causar irritação.

Modo de usar:
- ungüentos: misturar a polpa do alho amassado em óleo de oliva. Este ungüento de ser aplicado sobre o local, protegendo-o com
gaze: calos.
- insônia- esmagar um dente de alho em uma xícara de leite quente. Deixar em infusão por 10 minutos e após beber.
- cataplasma: espremer alguns dentes de alho, colocando sobre uma lã quente. Aplicar sobre a região afetada: reumatismo,
tumores. Colocado ao longo da coluna espinhal e em cima do tórax de crianças, é muito útil em pneumonia; colocado em cima da
região da bexiga, tem demonstrado eficácia na descarga de urina quando a retenção é devido à bexiga paralisada; Colocar sobre
verrugas ou calos por 12 noites consecutivas para eliminá-los.
- decocção de alguns dentes de alho amassados em leite açucarado. Deixar ferver por um minuto. Tomar 2 a 3 colheres ao dia:
vermes;
- inflamação na garganta: um dente de alho batido, sumo de limão e uma colher de mel de abelha. Mistura-se e aplica-se na
região interna da garganta;
- óleo e infusão: insônia, hipertensão, tuberculose, resfriados, tosse, bronquite, feridas infecciosas, reduz o colesterol ruim.
- maceração de um ou dois dentes de alho amassado em um copo com água. Tomar um copo três vezes ao dia: gripe, resfriado,
tosse, rouquidão;
- tintura: moer uma xícara (cafezinho) de alho dentro de um recipiente contendo 5 xícara de álcool 92º GL, deixar em maceração
por 10 dias, coar. Tomar 10 gotas em meio copo de água três vezes ao dia, para problemas do aparelho respiratório (gripes, etc.).
Para hipertensão utilizar uma colher de chá da tintura em meio copo de água três vezes ao dia ou comer dois dentes de alho pela
manhã;
- vermífugo: comer três dentes de alho pela manhã em jejum durante sete dias ou em infusão, com leite. Tomar três ou quatro
vezes ao dia.
- amassar um dente de alho em uma colher de sobremesa de azeite de oliva morno. Dores de ouvido: pingar três gotas no ouvido e
tampar com algodão. Bebido combate a prisão de ventre, estimula a secreção dos sucos gástricos e intestinais, favorecendo a
digestão.
- arteriosclerose: comer na alimentação 3 dentes de alho crus picados, 3 vezes por semana, durante 3 meses.
- um dente de alho grande, pica-se e coloca-se no liquidificador com um copo duplo de leite desnatado. Deixar de molho 10
minutos para então bater. Após bater, deixar repousar por alguns minutos e depois colocar no copo e tomar. Fazer isso todos os
dias de preferência em jejum, ou antes, de dormir. Pode-se usar em lugar do leite suco de limão.
- alho assado colocado em dente cariado detém a dor;
- alho cru: 1 a 4 dentes ao dia;
- misturar partes iguais de suco de alho, óleo de amêndoas doces, glicerina. Pingado no conduto auditivo cura vários casos de
surdez;
- maceração de 100 gramas de alho em 400 gramas de álcool. Tomar uma colher de média antes de dormir: problemas
circulatórios;
- sarna: esfregar a parte afetada com alho triturado em azeite de oliva;
- problemas circulatórios: 10 g de tintura, três vezes ao dia;
- tomar 6 gotas ao dia de extrato fluído. Diurético: elimina líquidos corporais, em casos de reumatismo, hidropisia, edemas, e
problemas na bexiga;
- tomar 7 gotas de óleo essencial ao dia: processos infecciosos do aparelho respiratório e digestivo (estimula o fígado, a vesícula e
o pâncreas);
- desinfetante de mordeduras ou picaduras de animais, insetos e afecções da pele: molhar a zona afetada com uma gaze molhada
em tintura de alho (doze noites consecutivas);
Receitas especiais:
A) Xarope expectorante de alho e gengibre:
. Faça uma mistura de 250 ml de gengibre ralado e 250 ml de alho amassado e coloque em um litro de vidro bem limpo,
ocupando aproximadamente metade do espaço;
. Adicione 100 ml de pinga, uísque ou conhaque;
. Complete com mel de abelhas deixando apenas o espaço para a rolha.
. Lacre a rolha com cera, resina ou breu e guarde em um armário escuro por cerca de seis meses.
. Tomar uma colher de sopa duas a três vezes ao dia;
B) Extrato para todos os males relacionados, especialmente para os aparelhos circulatório e respiratório e para
desintoxicação:
. Bater no liquidificador 350 g de alho descascado com 250 ml de aguardente alemã;
. Colocar na geladeira, em um vidro bem tampado, por 12 dias;
. Coar em um tecido fino, espremer bem;
. Colocar em um vidro escuro ou protegido contra a luz com papel alumínio e conservar na geladeira;
. Após mais dois dias, colocar parte em um recipiente conta-gotas de mais ou menos 50 ml (conservar também na geladeira).
. Ao acabar o conteúdo do conta-gotas, higienizá-lo e enchê-lo novamente, repetindo este procedimento até acabar todo o
produto;
. Tomar em gotas três vezes ao dia, na hora do café da manhã, na hora do almoço e na hora do jantar, conforme dosagem
abaixo:
DIA Café da manhã Almoço Jantar
1° dia 1 gota 2 gotas 3 gotas
2° dia 4 gotas 5 gotas 6 gotas
3° dia 7 gotas 8 gotas 9 gotas
4° dia 10 gotas 11 gotas 12 gotas
5° dia 13 gotas 14 gotas 15 gotas
6° dia 16 gotas 17 gotas 18 gotas
7° dia 17 gotas 16 gotas 15 gotas
8° dia 14 gotas 13 gotas 12 gotas
9° dia 11 gotas 10 gotas 9 gotas
10° dia 8 gotas 7 gotas 6 gotas
11° dia 5 gotas 4 gotas 3 gotas
12° dia 2 gotas 1 gota 15 gotas
13° dia em diante 25 gotas 25 gotas 25 gotas

Este tratamento dura aproximadamente 1 ano e não deve ser repetido antes de 5 anos. Não se dispondo da aguardente alemã ou
pessoas com intestino solto, pode usar aguardente comum ou uísque, ficando levemente prejudicada a ação desintoxicante do
intestino.

Notas gerais:
- para eliminar o odor exalado após o consumo de alho, beber o suco diluído de limão, ou então mastigar por algum tempo folhas
de alface, salsa, erva doce ou café em grão torrado.
- no combate a calos e verrugas recomenda-se proteger as zonas circundantes com vaselina.

AMORA BRANCA:
Nome científico: Morus alba L.
Nome farmacêutico: Mori folium, Mori radix, Mori fructus, Mori ramulus.
Partes usadas: folhas, frutos, raiz e casca.
Sabor: amargo doce e refrescante.

Constituintes químicos:
Vitamina A, B¹, B², C e P, manganês, morin, dihydromorin, maclurin, dihidrokaempterol, mullberrin, 2, 4, 4´, t-
tetrahidroxybenzophenone, mulberrochromene, cyclomulberrochromene, anthocianinas, artocapin, flavonoides como rutina,
taninos, mucilagens, peptona, ácidos orgânicos: málico e cítrico, óleos essenciais e gomas.

Propriedades medicinais:
Emoliente, expectorante, laxante, refrescante, antirreumático, anti-hipertensivo, diurético, expectorante, anti-inflamatório,
peitoral, antitussígeno, antipruriginoso, aperiente, hipoglicemiante.

Indicações (Uso interno):


Diabete, inflamação da garganta, dentes e boca, diarreia leve (fruto), diarreia forte (raiz), disenteria (raiz), problemas intestinais
(raiz), remove obstruções do trato intestinal, elimina muco dos pulmões, afecções pulmonares, para inflamações das mucosas do
sistema respiratório, prisão de ventre, glomerulonefrites, febres, cefaleia, amigdalites, secreção espessa amarelada, olhos
vermelhos, dor ocular, visão turva, hematêmese, hemorragias.

Indicações (Uso externo): dermatoses, eczemas, erupções cutâneas, escurece os cabelos (folha),

Utilizações na MTC:
Nome chinês – Sang Ye, Sang Zhi ou Sang Gen Bai Pi. Elimina calor e calor tóxico. Dispersa secura, clareia e hidrata os pulmões.
Para síndromes de invasão de secura e calor que agride o Qi dos pulmões e provoca secura na garganta e sede, tosse seca sem
fleuma (ou pouca fleuma) e catarro ao levantar pela manhã. Síndrome Bi causada por invasão de vento umidade que obstrui os
canais e colaterais.
RAMOS: Elimina calor e umidade no Aquecedor Inferior. Em padrões de umidade-calor obstruindo o Qi do rim, com febre, dor
lombar, urina turva e pouca diurese. Controla o fogo e o vento do fígado. Para padrões de ascensão do fogo do fígado com olhos
avermelhados, irritação, cefaleia pulsátil, epistaxe ou agitação do vento com vertigens e espasmos na parte superior do corpo.
Imunoestimulante. Para reduzir edemas, principalmente nos membros superiores.
FRUTO: tonifica o sangue e acalma a mente. Para insônia, palpitações, memória fraca, tonturas, língua pálida, oligomenorréia ou
amenorreia. Tonifica o Yin e nutre a essência. Umedece as fezes. Em deficiência da essência do Rim, com insônia, emagrecimento,
tonturas, zumbidos, lombalgia crônica e fraqueza nos membros inferiores. Em casos de constipação por deficiência de fluidos ou
sangue, com fezes ressecadas e desconforto nos flancos que melhora com pressão.
CASCA: drena o calor do pulmão e alivia a tosse. Tose por calor do pulmão, com febre ou calor no tórax, dispneia, tosse com
expectoração amarela e saburra amarela na língua. Clareia calor do fígado. Em hiperatividade do Yang do fígado com nervosismo,
insônia, olhos e face avermelhados, cefaleia e gosto amargo na boca. Em hipertensão com sinais de calor. Drena umidade e abre
as passagens de água. Para edemas na parte superior do corpo por bloqueio dos Aquecedores. Para padrões de ataque de
umidade-calor ao exterior, como nas síndromes dos 3 Aquecedores.
FOLHAS: dispersam vento e calor do pulmão. Clareiam o fígado e os olhos. Resfriam o sangue e cessam hemorragia. Efeito
hiperglicêmico. Para deficiência do Yin do Fígado e ataques de vento-calor. Em vômitos de sangue devido ao calor no sangue. Na
secura do pulmão e da boca. Associar com Cálcio de Ostra (ostrea gigas) para tonturas e vertigens devido a ascensão do Yang do
fígado. Associar com Gergelim (sesamun indicum) para tontura e vertigem devido à deficiência do Yin do Fígado e do Rim.Elemento
predominante na MTC: Madeira e Metal. Atuação nos canais: Pulmões, Fígado, Rim, Coração e Baço.

Contraindicações: na diarreia crônica.

Modo de usar:
- cataplasmas: um punhado de folhas, colocar num recipiente com duas colheres de sopa de água. Aquecer até que o líquido
evapore. Pegar as folhas, colocar sobre uma gaze e aplicar morno, deixando sobre a pele até esfriar. Repetir mais duas vezes: para
dermatoses, eczemas e erupções cutâneas.
- frutos "in natura", lavados, de manhã em jejum: inflamações de garganta e da boca.
- suco do fruto "in natura". Fazer bochechos e gargarejos: inflamações de garganta e da boca.
- infusão de 10 g de folhas em 100 ml de água: diabetes.

AMORA NEGRA:
Nome científico: Morus nigra L.
Parte utilizada: folhas, frutos e casca.

Constituintes químicos:
Ácido ascórbico, ácidos graxos, ácido málico, aminoácidos, caroteno, flavonóides, frutose, glicose, sais minerais, tanino e
triterpenos.

Propriedades medicinais:
Adstringente suave, antiinflamatória, antioxidante, antisséptica, calmante, cicatrizante, depurativa, diurética, emoliente,
expectorante, hipoglicêmica, hipotensora, laxante, refrescante, rejuvenescedora, revigorante.

Indicações: dor de dente, eczema, estômago, inflamação bucal (gengivite, amigdalite, boca, garganta), intestino, tosse, vermes.

Modo de usar:
- infusão de 15 g folhas frescas em meio litro de água fervente. Tampar e quando estiver morno coar: diuréticas, ajudam a
combater a hipertensão. Beber durante o dia uma xícara de cafezinho por vez: pressão sanguínea alta.
- infusão de 15 g de folhas secas em um litro de água fervente. Depois de morno, filtrar e beber durante o dia: diurético.
- infusão de 10 g de folhas frescas em 100 ml de água: diabetes.
- decocção de 40 g de casca e/ou raiz em meio litro de água, até que fique reduzido à metade. Depois de morno, filtrar o líquido e
usar em bochechos: dores de dente, problemas digestivo. Bebendo uma xícara, 3 a 4 vezes ao dia, serve para expulsar vermes.
- decocção de 20 g de cascas de amoreira em meio litro de água. Filtrar e adoçar. Tomar uma xícara pequena meia hora antes das
refeições: inapetência.
- Decocção de 15 g de raiz e casca de amoreira, misturadas, em meio litro de água. Ferver. Quando o líquido ficar morno, filtrar e
adoçar com mel. Beber metade pela manhã, em jejum, e o restante à noite, antes de deitar: laxativa.
- suco - espremer as amoras, não totalmente maduras, recolhendo o líquido em uma tigela. Fazer bochechos freqüentes com este
suco diluído em pouca água: inflamação na boca.
- xarope. Esmagar amoras e recolher o suco em um recipiente esmaltado, de vidro ou aço inox, Adicionar o dobro de açúcar e
colocar em fogo brando. Quando adquirir a consistência de xarope, deixar esfriar e guardar em local fresco e escuro. Uso: diluir
duas colherinhas do xarope em um cálice de água morna, empregando-a em gargarejos, para garganta, tosse.
- cataplasma das folhas. Colocar um punhado de folhas fresca, em um recipiente com uma ou duas colheres de água, aquecer até o
líquido evaporar. Colocar as folhas sobre uma gaze e aplicá-las mornas. Quando a compressa esfriar, repetir 2 vezes: dermatoses,
eczema, erupções cutâneas.
- frutos "in natura" ou com creme de leite ou chantilly, no preparo de compotas, doces cristalizados ou em massa, geléias, licores,
sorvetes, tortas, vinhos e xaropes.
- o purê ou suco dos frutos maduros, são usados em cremes para peles sem vitalidade; loções de limpeza e compressas (acnes); em
banhos; loções para escurecer cabelos castanhos.

NOTA: nos últimos anos, muito usada como repositora hormonal natural, para equilibrar as taxas hormonais, especialmente nos
problemas de TPM e menopausa.

ANIS-ESTRELADO:
Nome Científico: Illicium verum Hook. f.
Nomes botânicos: Illicium san-ki Perr.
Partes usadas: Frutos e sementes.
Sabor: Quente e picante.

Composição Química:
Óleo essencial: anetol, trans-anetol, monoterpenos (felandreno, limoneno, alfa-piuneno e linalol), aldeídos e cetonas anísicas,
cineol, estragol e safrol, mucilagens, saponinas, açúcares, ácido orgânico siquímico e ácido orgânico protocatéquico.

Propriedades medicinais gerais:


Carminativo, estomáquico, expectorante, antiespasmódico, calmante, vaso dilatador, antidiarreico, alergênico, analgésico,
antibacterial, eupeptico, broncosecretolítico, estrogênico, fungicida, inseticida, pediculicida, mutagênico, galactagogo, aperiente.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: favorece a digestão, elimina gases, náuseas, eructações, dores abdominais, diarreias com dor abdominal
espástica, fermentação intestinal, cólica estomacal e intestinal, desconforto pós-prandial (após as refeições), azia, halitose,
dispepsia, flatulência, congestão, prisão de ventre, disenteria, enterite, aflição estomacal,
Sistema Urinário e Genital: em doenças da bexiga, cólica uterina, regula a menstruação, retenção de líquidos,
Sistema Hepático: náusea, cólica biliar,
Sistema Respiratório: bronquite, tosse, resfriado, gripe, rico em anetol que combate H1N1, dores de garganta.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: estimulante circulatório, mãos frias, anemia,
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: insônia, anorexia, paralisia,
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: hérnia, lumbago, reumatismo, dores nas costas, artrose,
Sistema Renal: retenção de líquidos,
Outros distúrbios: cansaço, inflamação, previne desmaios, frigidez, enjoo matinal, dores.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: abscessos, micoses, escabiose.
Cabeça e face: pediculose (piolhos).
Cavidade bucal: dor de dente,
Outros distúrbios: dores de garganta.

Contraindicações:
Em doses elevadas ou no uso prolongado, pode ser tóxica. Os óleos essenciais, em dose elevada, podem ser tóxicos, narcóticos,
levar ao delírio, convulsão e ter efeito anestésico. Evitar uso na gravidez, na lactação e no hiperestrogenismo. Pode causar
náuseas, vômitos, convulsões, dermatites de contato, delírio e anestesia. Desaconselhado o uso infantil que pode causar (se
consumido em excesso) choro contínuo, irritabilidade, hipertonia, movimentos oculares atípicos, cianose, agitação e, em alguns
casos, vômitos e recusa em se alimentar. Evitar o uso em casos de azia.

Medicina Chinesa (MTC):


Tem predominância do elemento terra. É utilizado para tratar frio no estômago, deficiência do Yang do Rim e estagnação do Qi do
Fígado. É uma erva que aquece interiormente e elimina o frio. Deve ser evitada em tratamento de deficiência do yin ou calor no
estômago. Seu uso prolongado provoca deficiência do yin. Atua nos canais do Baço/Pâncreas, Estomago e Rins.

Modo de usar:
- Infusão a 1% - dose máxima diária: 150 ml;
- Infusão: uma colher, das de café, de anis estrelado em uma xícara de água fervente. Deixar esfriar e coar. Beber uma ou duas
xícara por dia.
- Tintura - dose máxima diária: 20 ml.

AQUILEIA:
Nome Científico: Achillea millefolium L.
Nome conhecido: atroveran, mil em ramas, novalgina.
Partes usadas: Toda a planta.
Sabor: Amargo, adstringente, frio e neutro.

Composição Química:
Achileína, achilina, ácido aquilêico, ácido caféico, ácido clorogênico, ácido fórmico, ácidos graxos, ácido isovalérico, ácido mirístico,
ácido salicílico, açúcares, alcaloides, aminoácidos, aquineína, azulenos, bataínas, betaína, borneol, pró-camazuleno, canfeno,
cânfora, p-cimeno, cineole, cumarinas, derivados terpênicos e sesquirterpênicos, eugenol, fitosterol, flavonoides (apigenina,
epigenol, luteolina e seus glicosídeos, artemetina, rutina, tuteolol), formaldeído, furfural, glicosídeos amargos, heterosídeos
cianogênicos, inulina, lactonas sesquiterpênicas, limoneno, linalol, milefina, minerais: P e K, mucilagens, óleo essencial (cineol,
proazuleno), a-pineno, ß-pineno, quercetina, quercitrina, resina, sabineno, tanino, a-terpineno, trigonelina, a-tujona, vitamina C.

Propriedades medicinais gerais:


Febrífugo, sudorífico, antitérmico, expectorante, eupeptico, antidiarreico, antirreumático, anti-hipertensivo, antitrombótico,
hemostático, anti-inflamatório, emenagogo, analgésico, cicatrizante, antibiótico, anticelulítico, antidispéptico, antiespasmódico,
anti-helmíntico, antimicrobiano, aperiente, aromático, carminativo, vulnerário, colagogo, colerético, digestivo, diurético,
estimulante, estomáquico, hepático, refrescante, tônico, cicatrizante, anticoagulante, antiartrítico, antipirético, anti-helmíntico,
calmante.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: dores de estômago, febre intestinal intermitente, espasmos gastrointestinais, fissuras anais, flatulências,
hemorroidas, inflamações das mucosas da boca, estômago e intestinos, mucosidade intestinal e estomacal, queimação,
Sistema Urinário e Genital: afecções urinárias, amenorreia, cólicas menstruais, enurese em crianças, espasmos uterinos,
hemorragias uterinas, regularização do ciclo menstrual, prolapso do útero, inflamações dos ovários, prurido vaginal, incontinência
urinária, problemas da próstata.
Sistema Hepático: problemas de vesícula, cirrose, reabilitação de hepatite crônica.
Sistema Respiratório: contusões pulmonares, hemorragias pulmonares, câncer do pulmão.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: estabiliza a circulação sanguínea, depurativa do sangue, gota, epistaxe, trombose
cerebral e coronariana, varizes, para espasmos vasculares, angina pectoris, trombose cerebral e coronária, tonifica as veias
varicosas, melhora as condições gerais da circulação sanguínea.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: debilidade geral, distúrbios nervosos, resfriados.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: osteomielite.
Sistema Renal: cálculo renal, regulariza o funcionamento dos rins.
Outros distúrbios: para abscessos e acnes, adinamia, adstrição, afecções da pele e eczemas, alopecia, cefaleia, desintoxicante do
organismo, escarlatina, insônia, psoríase, transpiração excessiva pelos pés, tumores, vômitos sanguinolentos, catapora, todo tipo
de desordens femininas, depressão e ânimo alterado (melhor efeito em mulheres), doenças oculares com lacrimejamento, dores
agudas nos olhos, atua sobre a medula para formação de sangue, regula o açúcar no sangue.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: inflamações e rachaduras da pele, poros dilatados, queimaduras, sarna, sardas e manchas da pele, abscessos e
acnes, afecções da pele e eczema, como desinfetante em ferimentos externos, tem propriedades que inibem as secreções sebáceas.
Cabeça e face: anticaspa.
Cavidade bucal: dor de dente.
Músculos, ossos e articulações: inflamações das juntas.

Contraindicações:
Evitar uso na gravidez e lactação. Também evitar exposição ao sol com a pele molhada com suco da planta. A erva pode intoxicar
animais domésticos se ingerida. Deve evitar doses altas por períodos prolongados (cerca de 2 meses). A Aquiléia pode provocar
irritação dérmica com coceira e inflamação, podendo formar pequenas vesículas e pode causar inflamação ocular, dores de cabeça
e vertigens. Seu uso durante a gravidez pode provocar sangramentos. Também é contraindicada em indivíduos com
hipersensibilidade conhecida a qualquer membro da família botânica – Asteraceae. Evitar seu uso em epilépticos e no período
menstrual.

Interações medicamentosas:
Faz interação com antiácidos, barbitúricos, anticoagulantes e antiplaquetários, drogas hipotensivas e hipertensivas e inibidores da
bomba de prótons.

Toxicidade:
A tujona, uma toxina conhecida e um ingrediente menor do óleo essencial, estão presentes na erva em concentrações muito baixas
para ser capaz de causar qualquer risco à saúde. Em geral, não é considerada tóxica.

ARNICA:
Nome Científico: Arnica montana.
Partes usadas: Flores (principalmente) e folhas e rizomas.
Sabor: Doce, amarga, picante, neutra e tóxica.

Composição Química:
Arnicina, taninos, ácido caféico, arnidiol, faradiol, lactonas sesquiterpénicas (helenalina, dihidrohelenalina), glucósidos flavónicos
(astragalina, isoquercitina), cumarinas (umbeliferona, escopoletina).

Propriedades medicinais gerais:


Adstringente, analgésico, antiespasmódico, antiflogístico, antisséptico, antitumoral, cicatrizante, estimulante, sudorífico,
vulnerário, abortiva, anti-inflamatório, antirreumática, bequico, odontálgico, analéptico, antiagregante, antibactericida,
antiedêmico, antipirético, canditicida, antineuralgico, cardiotóxico, cardiotônico, cerebrotônico, expectorante, colerético,
dermatitogênico, hipocolesteromiante, imuno-estimulante, diurético, fungicida, nervino, fagocitótico, sedativo, tônico, alergênico,
inibidor de fosfolipase, estimulante do SNC, resolvente e também, uterogênico.

Indicações para uso interno:


USO INTERNO É SEGURO APENAS NA FORMA DE HOMEOPATIA, MANIPULADA POR PROFISSIONAIS HABILITADOS.
Sistema Respiratório: para ozena.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: é um tônico do coração, hipotensão arterial e também para aterosclerose.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: na polineurite, para choque, tônico do sistema nervoso, para paralisias de origem
central e em derrames.
Outros distúrbios: para náusea e também indicado em vários tipos de câncer.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: para contusões em geral, machucados, golpes, quedas, hemorragias externas, hematomas, ferimentos, inflamações,
furúnculos, abscessos, varizes, frieiras, pruridos, equimoses, irritações cutâneas, bolhas, micoses e também para flebite.
Cabeça e face: dá brilho aos cabelos, alopecia, seborreia e ainda na caspa.
Músculos, ossos e articulações: para traumatismos, caibras, espasmos musculares, paralisia, torções e nas dores reumáticas.
Outros distúrbios: nas orquites, febre tifoide, tumores, hemorroidas, retenção de água e nos inchaços.

Contraindicações:
A planta pode ser tóxica em doses acima das recomendações terapêuticas, com sintomas de náuseas, vômitos, dor de estômago,
cólicas abdominais, alteração do ritmo cardíaco, agitação e convulsões. Usar com cuidado em pessoas alérgicas e evitar na
gravidez, lactação, em portadores de úlcera e epiléticos. Pode ser abortiva. Não usar em pele aberta. Uso interno irrita as mucosas
internas e sua ingestão, em alguns casos, pode ser fatal. Pode ainda gerar dermatite de contato. A arnica não deve ser
administrada em crianças menores de 12 anos, sem a orientação de um terapeuta especializado.

Interações medicamentosas: A arnica pode interagir com medicamentos anticoagulantes.

Toxicidade: É uma planta tóxica. Deve ser evitado o uso interno. Tóxica para o sistema nervoso.
Medicina Chinesa (MTC):
Utilizada em distúrbios associados ao excesso de Yang, no elemento Terra. Aumenta o Qi (energia vital) do coração e restaura a
circulação coronária. Utilizada em tratamentos de deficiência de Qi (energia vital) do coração, deficiência de sangue do coração,
deficiência de yang do coração, subida de yang do fígado, deficiência de yin e em casos de fogo tóxico. Atua nos canais do coração
e pericárdio.

Modo de usar:
Tintura, extrato, pó das folhas, raiz.
Dosagens máximas:
- externamente, infusão ou decocção a 10%;
- internamente, infusão ou decocção a 1%, dose máxima diária: 200 ml.
- extrato 0,05 g a 0,5 g, 4 ou 5 vezes por dia, dose máxima diária: 2 ml.
- pó: 0,25 g a 0,5 g por dose, 2 a 4 vezes por dia;
Em quantidades mais elevadas, a arnica pode provocar intoxicações sérias.
Cuidados na preparação de infusão de flores de arnica para uso interno: eles devem ser colocados em uma bolsa de tecido, a qual
deve ser amarrada para não permitir o afundamento, caso contrário a infusão causará irritação da garganta, náusea, e vômitos.
Dê sempre preferência a preparados comerciais e com receituário médico.
- tintura de 20 g de flores trituradas de arnica em 100 ml de álcool 49%. Dose média: 1 ml;
- tintura de 10 g de flores de arnica em 100 ml de álcool 45%. Dose: 2 a 4 ml;
- extrato para furúnculos: misturar 10 ml de extrato de arnica e 20 ml de mel de abelha. Adicionar uma pitada de pó de licopódio
(Licopodium elevatum L.) ou de alteia (Althaea officinalis). Quando a pasta ficar densa aplicar sobre os furúnculos, cobrindo-os com
gaze. Não aplicar se o furúnculo estiver aberto;
- tintura: macerar por 10 dias, 20 g de raízes e folhas secas de arnica, em 100 ml de álcool a 60%. Coar e guardar em um recipiente
de vidro. Usar em compressas para contusões, quedas, distensões, hematomas, dores reumáticas musculares. No momento da
utilização diluir em água, na proporção de 1 ml de tintura para 5 de água;
- tintura: diluir uma a duas colheres de sopa em um copo de água;
- infusão de 2 g de flores de arnica em 150 ml de água fervente adoçada. Deixar esfriar, dividir em três doses e tomar de 8 em 8
horas. Se ingerido em excesso provoca náuseas. Deve ser usado com controle médico: estômago;
- infusão de uma colher de sopa de flores picadas em meio copo de água fervente. Dividir em 3 doses e beber durante o dia:
diaforético, diurético, expectorante;
- infusão para limpeza externa: duas colheres de sopa de flores em um copo de água fervente. Usar frio;
- decocções e infusões: gargarejos, banhos;
- pomada: esquentar 25 g de flores em 30 g de azeite de oliva ou banha de porco em banho-maria. Filtrar em algodão: acne,
furúnculos;
- extrato líquido de rizomas: diluir 1 ml do extrato dos rizomas 1:1, em 600 ml de água morna: contusão e inchaço;
- extrato líquido de rizomas: 5 ml de rizoma triturado em 100 ml de álcool 70%. Mistura 1 ml desta tintura em 30 ml de água:
frieira, contusões e torções;

ARTEMÍSIA:
Nome Científico: Artemisia vulgaris L.
Nomes botânicos: Artemisia verlotorum Lamotte.
Partes usadas: Rizoma e partes aéreas desidratadas.
Sabor: Amargo, picante, amornante.

Composição Química:
Ácido antêmico, ácido fórmico, ácido isobutírico, ácido isovalérico, ácido málico, ácido succínico, ácido tânico, adenina, aldeído
cumínico, aromadendrino, artemisina, artemose, borneol, cadineno, canfeno, cânfora, cimeno, cineol, colina, cumarina,
estigmosterol, estragole, fechona, felandreno, fenol, fernerol, inositol, lamirina, limoneno, linalol, pineno, princípios amargos,
quebrachitol, rutina, sabineno, sacarídeos, santonina, saponinas, sitosterol, taninos, tauremisina, terpineno, terpinoleno, terpineol,
tujonabutiraldeído, tuiona.

Propriedades medicinais gerais:


Fertilizante, hemostático, digestivo, aperiente, antiviral, antianêmico, analgésico, antidiarreico, antiepilético, antiespasmódico,
anti-hidrópico, anti-inflamatório, antimalárico, antimicrobiano, antinevrálgico, antirreumático, antisséptico, calmante,
carminativo, cicatrizante, depurativo, digestivo, emenagogo, estimulante, estomáquico, eupeptico, febrífugo, hepático, inseticida,
repelente, sedativo, tônico, vermífugo, abortivo, aromático, emoliente, broncodilatador.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: tônico estomacal, diarreia, inflamações intestinais, verminoses, lombrigas e oxiúros, flatulência, gastrite,
cólicas abdominais, estimulante digestivo, úlcera, enterite.
Sistema Urinário e Genital: reguladora das funções menstruais, fertilizante, cólicas menstruais, nos sangramentos uterinos,
aquece o útero e pára sangramentos, pacifica o feto, vaginites, estimulante da musculatura lisa uterina, transtornos menstruais
causados por sustos, queimação e ardor ao urinar.
Sistema Hepático: icterícia.
Sistema Respiratório: tem ação broncodilatadora na asma, tosse, tosse convulsiva.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: tônica das funções circulatórias, anemia.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: epilepsia, nervosismo, insônia, coreia, nevralgia, tônico do sistema nervoso, astenia.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: dores reumáticas.
Sistema Renal: enfermidades renais, cólica renal, areia nos rins.
Outros distúrbios: malária, hidropsia.
Indicações para uso externo:
Pele e unhas: escaras.
Cabeça e face: em parasitas do couro cabeludo, fortificante capilar.

Contraindicações:
Deve ser evitada quando há calor no sangue, na deficiência do Yin (erva amornante). Também deve ser evitada na gestação, na
lactação e durante a menstruação. É uma planta tóxica para o gado. Não devem nunca ser utilizadas as folhas frescas. Pode
provocar dermatite de contato em pessoas sensíveis, ainda que a incidência seja rara. Evitar uso infantil e em pessoas com
epilepsia.

Toxicidade: É planta tóxica para o gado. Em seres humanos é considerada abortiva e suprime a lactação em gestantes.

Medicina Chinesa (MTC):


A erva dispersa o frio e alivia dores. Elimina fleuma-frio, tonifica o Qi do BP, na ameaça de abortamento por frio, na obstrução do
Jiao inferior por frio e na infertilidade sem causa aparente, devido síndrome do útero frio. Dispersa fleuma-frio no Pulmão, estimula
o Yang, aquece os órgãos internos e os meridianos. Utilizada em casos onde a língua está frequentemente azulada e com saburra
branca, indicando excesso de frio interno. Aquece o Qi e o Xue no Jiao inferior, de forma mais gentil do que a planta de uso similar
(Cinnamomum zeylanicum – Canela). Na comparação com Zingiber officinalis (Gengibre), ambas as ervas aquecem o Xue e o Qi e
param sangramentos, mas a Artemísia penetra também nos meridianos do Fígado e do Rim e é utilizada em casos de sangramento
durante a gravidez. Apesar de que, em comparação com Foeniculum vulgare (Funcho), perde em penetração no canal do Fígado
(Gan). Seu nome chinês (pinyin) é Ai Ye. Atua nos canais do fígado, baço/pâncreas, Rins e Pulmão. Seu elemento predominante é
madeira.

BABOSA:
Nome Científico: Aloe vera L. ex Webb.
Nomes Farmacêuticos: Herba Aloes.
Partes usadas: Principalmente a seiva das folhas, mas também raiz e flores.
Sabor: Amargo.

Composição Química:
Polissacárido (glucose), prostaglandinas (ácidos gordos cíclicos e oxigenados), outros ácidos gordos (gama-linoleico),
prostaglandinas, enzimas (amilase), antraquinonas (aloína), aminoácidos essenciais (lisina, isoleucina, fenilanina, valina, leucina,
mettionina, triptofano e teonina), aminoácidos não essenciais (ácido aspártico, ácido glutâmico, alanna, prolina, histidina, serina,
glicina, arginina, tirosina), vitaminas (vitaminas A, B1, B5, B6, B12, C, E), sais minerais (cálcio, fósforo, cobre, ferro, magnésio,
manganês, potássio, sódio, titânio, zinco, iodo, enxofre, níquel, boro), barbalodina, aloquinodina, emodina, aloetina, ácido pícrico,
resinas.

Propriedades medicinais gerais:


Emenagogo, purgativo, refrigerante, rejuvenescedor, expectorante, antipirético, abortivo, anti-inflamatório (uso tópico),
umectante (uso tópico), emoliente (uso tópico), demulcente (uso tópico), regenerador (uso tópico), cicatrizante (uso tópico),
antisséptico (uso tópico), resolutivo, adstringente, anestésico, anticancerígeno, anti-hemorrágico, anti-oftálmico, antí-prurítico,
antitóxico, bactericida, cicatrizante, colerético, dilatador capilar, estimulante granulatório, fungicida, hidratante, limpador natural,
proteolítico, virucida, vulnerário, depurativo, tonificante.

Propriedades medicinais de partes específicas da planta:


Raízes – diurético.
Flores – carminativo.
Seiva – vermífugo.

Indicações para uso interno:


Apesar das informações existentes na literatura, desaconselhamos o uso interno da babosa in natura, por falta de comprovação
confiável de uso seguro por via interna.
Sistema Gastrointestinal: obstipação crônica, purificador dos intestinos, colite, constipação, disenteria, inflamação intestinal,
problema digestivo, úlceras pépticas e estomacais.
Sistema Urinário e Genital: amenorreia, fluxo escasso, cólicas, distúrbios nos ovários, cistos, miomas, tonifica e rejuvenesce o
útero,
Sistema Hepático: hepatite, icterícia, hepato-esplenomegalia.
Sistema Respiratório: asma, tuberculose.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: reduz colesterol, anemia, arteriosclerose, hipertensão.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: adenomegalia, esclerose múltipla, gripe.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: reumatismo, bursite, artrite, dor muscular.
Outros distúrbios: regula metabolismo dos lipídios e açucares, diabetes, febres de origem inflamatória, acne, alopecia, aids, cancro
(de pele, digestivo e do cólon), dermatite, doenças dos olhos, dor de cabeça, erupção cutânea, estimulante do crescimento,
inflamação em geral, insônia.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: ferimentos, hidratar a pele, infecção de pele, pé de atleta, queimaduras solares, doenças inflamatórias da pele, acne,
psoríase, eczemas pruriginosos, picadas de insetos, refresca a pele, auxilia tratamento de úlceras nas pernas, queimadura comuns,
parar de roer unhas (pó sobre as unhas), espinhas, cravos, antirrugas, manchas, câncer de pele, herpes facial, dermatites, pele
seca, alergia, removedor de maquilagem, pós-barba, desodorante, pós-depilação, pós-sol, rejuvenescimento.
Cabeça e face: queda de cabelo, seborreia, inflamações nos olhos, cabelos secos, caspa.
Cavidade bucal: lábios rachados.
Indicações para uso externo de partes específicas da planta:
Seiva – caspa, seborreia, escurece e dá brilho aos cabelos.

Contraindicações:
Uso interno para crianças, mulheres grávidas, que amamentam, no período da menstruação (provoca congestionamento dos
órgãos pélvicos), com inflamações uterinas e ovarianas, predisposição ao aborto, também para aqueles que sofrem de
hemorróidas, fissuras anais, cálculos da bexiga, varizes, afecções renais, enterocolites, apendicites, prostatites, cistites, disenterias,
nas nefrites. Ter cautela no uso interno, pois em doses acima do normal podem provocar nefrites. O uso externo deve ser preferido.
O uso externo da polpa ocasionalmente pode ressecar excessivamente a pele, neste caso é também contraindicada para
tratamento de doenças cutâneas.

Efeitos colaterais:
Ocasionalmente dores abdominais, fortes diarréias (que os defensores do uso afirmam ser o “efeito limpeza”) e, em doses
elevadas, pode causar inflamação nos rins. O uso interno prolongado provoca hipocalemia, diminui a sensibilidade do intestino,
necessitando aumento gradativo da dose, ocasionando o surgimento de hemorróidas. Pode causar irritação dérmica e ocular, além
de intoxicação aguda, podendo levar à morte. 8 g do pó pode até levar a morte. Em doses elevadas podem ocorrer desmaios,
hipotensão, hipotermia e nefrite.

Medicina Chinesa (MTC):


Seu nome chinês é Lu Hui. Indicado para estagnação de Qi (energia) dos intestinos, fogo do fígado, estagnação de Qi do útero, de
Qi do estômago e de Qi do fígado. Evitar tomar esta planta isoladamente. Se for consumir, adicione um pouco de gengibre,
tamarindo ou semente de funcho para minimizar os efeitos de cólicas abdominais. Não deve ser usada por longos períodos de
tempo. Seu elemento é o fogo e a planta atua nos canais do Fígado, Baço/Pâncreas e Coração.

Modo de usar da Babosa, Aloe vera:


- folha; seiva e polpa: queimadura, antioftálmica, entorse, contusão, retite, hemorróidas, dor reumática, queda de cabelo.
- resina, polpa, tintura e suco das folhas: antiinflamatória; analgésica; antisséptica; emoliente; adstringente; colerética; vulnerária
e anticancerígena.
Uso interno:
- suco fresco: anti-helmíntico;
- resina (deixa-se as folhas penduradas com a base cortada para baixo por 1 ou 2 dias, esse sumo é seco ao fogo ou ao sol. Quando
bem seco, pode ser transformado em pó): 0,1 a 0,2 g dissolvido em água com açúcar, como laxante;
Uso externo:
- cataplasma 3 vezes ao dia: queimadura;
- supositório: retite, hemorróidas;
- tintura (50 g de folhas descascadas, trituradas com 250 ml de álcool e 250 ml de água. Coar em seguida): usar em compressas e
massagens nas contusões; entorses, dor reumática.

BARBATIMÃO:
Nome científico: Stryphnodendron barbatiman Mart.
Parte utilizada: casca do caule, folhas.

Constituintes químicos:
Taninos condensados, substâncias monoméricas (flavan-3-óis) e proantocianidinas (entre elas 8 tipos de prodelfinidinas e 8
prorobinetinidinas), substâncias tânicas (20 a 30%), taninos (18 a 27%), alcalóides não determinados, amido, matérias resinosas,
mucilaginosas, matéria corante vermelha, ácido tânico, estrifno, açúcar solúvel, flavonóides, flobafenos.

Propriedades medicinais:
Adstringente, anti-hemorrágica, antisséptica, antibacteriana, antiblenorrágica, antidiabética, antidiarréica, antiescorbútica,
antileucorréica, cicatrizante, coagulante sangüíneo, depurativa, diurética, emética, hipotensora, oftálmica, tônica.

Indicações:
Casca: úlceras, feridas, impigens, doenças da pele, afecções da garganta, corrimento vaginal, leucorréia, gonorréia, catarro uretral
e vaginal; colite, diarréia, escorbuto, anemias, hemoptises, hemorragia uterina, gastrite, úlcera gástrica, câncer, afecções
hepáticas, diabetes. Folhas: tônica, hérnia.

Modo de usar:
- Uso externo: cascas reduzidas a pó e aplicadas no local ou decocção de1 colher de sopa da casca em 1 litro de água morna, para
uso sob a forma de banhos, gargarejo, lavagens vaginais e uterinas, úlceras, impingens, etc. Adstringente, tônico, hemostático,
antidiarréico, catarros uretrais e vaginais, leucorréia, feridas, adstringente das gengivas.
- Uso interno: Casca, folha por infusão.
- Decocção: ferver 20 g da casca em 1L de água. Dosagem normal (3 a 5 xícaras /dia).
- Dosagem bem leve (1 xícara /dia), em casos de úlcera do estômago e duodeno.
- Tintura, tomada pela manhã, diluída em um pouco de água, alternando-se com a tintura de carqueja, à noite, para casos de
asma, bronquite asmática. O tratamento poderá se estender até 12 meses no caso de asma crônica.
BOLDO DO CHILE:
Nome Científico: Peumus boldus Molina.
Nomes botânicos: Boldu boldus Lyons, Boldea fragrans Gay, Ruizia fragrans.
Partes usadas: Folhas e óleo essencial.
Sabor: Amargo, picante e refrescante.

Composição Química:
Alcaloides derivados da aporfina (boldina, reticulina, isocoridina, esparteína), mirtenal, 1,8-cineol, p-cimeno, eucaliptol, ascaridol,
flavonoides (pneumosídeo e boldosídeo), 1-metil-4-isopropenil-benzeno, 2-decanona, 2-heptaona, 2-nonanona, 2-octanona, alfa-3-
careno, alfa-fenchol, alfa-hexilcinamaldeído, alfa-methilionona, alfa-pineno, alfa-terpineol, benzaldeído, benzil-benzoato, beta-
pineno, boldoglucina, bornil-acetato, canfeno, cânfora, colina, cumarina, cuminaldeído, eugenol, farnesol, fenchona, gama-
terpineno, isoboldina, isocoridina, óxido-n-isocoridina, isorhamnetina-3-glucosídeo-7-rhamnosídeo, kaempferol-3-glucosídeo-7-
rhamnosídeo, laurolitsina, laurotetanino, limoneno, linalol, metil-eugenol, norisocoridina, p-cimol, rhamnetina-3-arabinosídeo-3′-
rhamnosídeo, sabineno, terpinen-4-ol, terpinolino, 2-tridecanono, 2-undecanono, eta-isometilionono, n-metillaurotetanino,
paquicarpina, resina, reticulina, taninos, sitosterol, sais minerais, ácidos orgânicos, glicídeos e lipídeos.

Propriedades medicinais gerais:


Colagogo, anestésico, anódino, anti-helmíntico, antisséptico, antibacteriano, antifúngico, anti-inflamatório, antimicrobiano,
antioxidante, carminativo, colerético, demulcente, depurativo, desintoxicante, digestivo, diurético, estimulante biliar, estomáquico,
hipnótico, hepatoprotetor, hepatônico, antiespasmódico, citoprotetor, laxante, sedativo, analgésico, antipirético, abortifaciente,
antiagregante, anticolinérgico, antidiabético, anti-histamínico, antimutagênico, antiperoxidante, antiprostaglandino, antiradicular,
antiulcerativo, aperitivo, bloqueador do canal de cálcio, canditicida, carcinogênico, cardiodepressor, coloprotetor, convulsante,
decongestante, fungicida, gastro-estimulante, glutatiogênico, hepatotônico, hepatotóxico, hipouricêmico, miorrelaxante,
narcótico, nervino, NO-inibidor, orexigênico, paralítico, parasiticida, tóxico, secretagogo, sialagogo, uterorelaxante, vasoconstritor,
vasorelaxante, xantina-oxidase inibidor.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: digestão lenta, inapetência, diarreia por má absorção dos alimentos, cólicas, dispepsias, flatulência com
odor fétido, prisão de ventre, meteorismo, transtornos digestivos, anorexia, colite, queimação, enterite, obesidade, dor de
estômago, vermes, fermentações.
Sistema Urinário e Genital: cistite, demulcente urinário brando, auxilia na drenagem do organismo, candidíase, edema, oliguria,
uterite, urogenitose, retenção de líquido.
Sistema Hepático: síndrome pós-hepatite, hepatite crônica, evita formação de cálculos biliares, afecções do fígado e da vesícula,
icterícia, estimula secreções gástricas e biliares, colecistite com dores, esteatose hepática, disquenesia biliar, malária.
Sistema Respiratório: dispneia.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: gota, ácido úrico, aterosclerose.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: resfriados.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: reumatismo, artrose.
Sistema Renal: pedra nos rins, nefrose.
Outros distúrbios: intolerância à gordura, recuperação de doenças crônicas e prolongadas, febre, fraqueza, insônia, inibidor da
síntese das prostaglandinas, cefaleia, envelhecimento, debilidade, diabete, dor de ouvido, enxaqueca, letargia, vertigens.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: micoses.
Músculos, ossos e articulações: contusões.

Contraindicações:
Evitar o uso na gravidez e em casos de hepatites agudas. Em doses excessivas, pode ser tóxico e causar vertigens, náuseas,
agitação, alucinações e convulsões. Seu uso prolongado, em doses elevadas, pode causar hemorragias internas além de
hepatoxicidade, hiperemia da mucosa gastrointestinal, levando a inflamações, distúrbios de coordenação e alterações do sistema
nervoso. Evitar em pessoas com pedras nos rins, obstrução das vias biliares e pessoas com febres intermitentes. Não fazer uso em
pessoas com asma ou pneumonia. Deve-se evitar ingerir a planta in natura.

Interações medicamentosas:
Esta planta pode intensificar os efeitos de depressores do SNC com risco de depressão respiratória. Potencializa o efeito de
diuréticos. Pode causar mudança das taxas sanguíneas de alguns elementos. Não devem ser usados concomitantemente com
álcool, pois pode causar reação dissulfiram-semelhante.

Toxicidade:
A superdosagem é constatada acima de 100mg de extrato seco. É considerado abortivo e pode causar hemorragia interna. Suas
folhas contêm 40% de ascaridole, um componente tóxico e por isso não é recomendado seu uso prolongado.

Medicina Chinesa (MTC):


Para estagnação do Qi do Fígado e do Estômago e em casos de umidade-fleuma-calor. A erva elimina calor. Erva do elemento
madeira, atua nos canais do Fígado, Baço/Pâncreas, Rins e Estômago.

Pets e outros animais:


Com 15g de erva seca mostra-se fatal em cães.

Modo de usar:
O macerado de 2 folhas de boldo em 1 copo de água (por 6 a 10 horas), à noite e pela manhã, durante uma semana acaba com o
cansaço da pele, dando-lhe viço e realce;
Maceração: 5 folhas em um copo d'água, tomar 2 a 3 vezes ao dia (ressaca alcoólica), recomenda-se tomar antes e após ingestão
de bebidas alcoólicas;
Infusão: 5 folhas por litro d'água, tomar pela manhã (para o fígado) ou após as refeições (contra diarréia);
Infusão: 2 gramas de folha em 100 ml de água fervente por 20 minutos. Tomar três vezes ao dia, antes das refeições.
Tintura: (aperiente) colocar 1 colher de folhas picadas em 1 xíc. de álcool neutro 70º GL, deixar macerar por 3 dias, tomar 1 colher
dissolvida em água antes das refeições.
Infusão ou decocção a 5% dose máxima diária: 200 ml;
Extrato fluido, dose máxima diária: 5 ml;
Tintura, dose máxima diária: 25 ml.

CABELO DE MILHO:
Nome Científico: Zea mays L.
Partes usadas: Estigmas.
Sabor: Doce e neutro.

Composição Química:
Zeina, albumina, ácidos málico, tatárico e maizênico, alentoina, hordenina, peroxidade, oxigenase, maltose, proteinas, sais
minerais e vitaminas A, B1, B2, e C, ácido acetilsalicílico, vitamina K.

Propriedades medicinais gerais:


Diurético, depurativo, litagogo, colagogo, hipoglicemiante, anti-hipertensivo, hepático, anti-inflamatório, hipotensor, calmante,
anti-hemorrágico, analgésico, emoliente, hipocolesterolêmico, cardiotônico, gastrosedativo, vulnerário, litolítico,
uterocontractante, colinérgico, antiagregante, anticancerígeno, antidecubitico, antigenotóxico, antimutagênico, antilactagogo,
antiviral, antiperoxidante, afrodisíaco, proliferante, emenagogo, hemostático, inseticida, estomáquico, uricosúrico,
hepatoprotetor, uterotônico, sedativo, potente antioxidante, calmante.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: úlceras, sedativo do trato digestivo, diarreia, disenteria, dispepsia, gastrite, dor de estômago.
Sistema Urinário e Genital: ácido úrico e fosfato, infecção urinária, edemas inflamatórios, cistites, uretrite, desequilíbrios do
aparelho reprodutor, desinfetante das vias urinárias, albuminúria, para desinflamar infecções da bexiga, libera a urina, enurese,
gonorreia, prostatite, retenção de líquidos, incontinência urinária, pus na urina, incontinência noturna, edemas das juntas dos
joelhos e os pés, inchaços, dismenorreia, disúria, hiperuricemia, impotência, infertilidade, leucorreia, vaginite, uretrite, uterite.
Sistema Hepático: icterícia, congestão hepática, para desinflamar infecções da vesícula, colecocistite.
Sistema Respiratório: asma, elimina umidade que provoca catarro.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: estimulante do músculo cardíaco, distúrbios cardíacos, colesterol, gota, aterosclerose,
angina, hiperazotemia.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: convulsões, gripe, ciática.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: osteomielite.
Sistema Renal: cólicas nefríticas, litíase renal (dissolve areias e cálculos renais diminuindo dores), nefrite, para desinflamar
infecções renais.
Outros distúrbios: para febres, diabetes, diminui o inchaço em grávidas, acelera o metabolismo, obesidade, proliferador celular,
ascites, câncer de mama e cólon, fungos, mucosidades, sarampo, psoríase, malária, mal da altitude, síndrome do X (Martin & Bell),
edemas suboculares, abandono de vícios.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: afecções da pele, feridas, ictiose, abscessos, escoriações, dermatose, eczema, psoríase, machucados, verrugas.
Cabeça e face: alopecia, caspa.
Cavidade bucal: periodontite, garganta dolorida.

Contraindicações:
Seu uso pode causar irritação em pessoas com inflamação na bexiga. Pessoas com dificuldade para urinar devido inflamação da
próstata (hipertrofia) devem evitar a erva. Desaconselhado o uso durante a gestação e a lactação.

Medicina Chinesa (MTC):


Erva utilizada para eliminar umidade-fleuma da Bexiga, umidade-fleuma-calor na Vesícula Biliar e para estagnação do Qi do Rim.
Seu elemento predominante é a Terra e a erva atua nos canais da Bexiga, Fígado, Rins e Vesícula Biliar.

Modo de usar: infusão de estigma seco. Tomar 2 a 3 xícaras de chá ao dia.

CACAUEIRO (CACAO):
Nome científico do Theobroma cacao: Theobroma cacao L.
Parte utilizada: sementes, folhas.

Constituintes:
Ácido acético, ácido ascórbico, ácido cítrico, ácido ferúlico, ácido fórmico, ácido isovalérico, ácido oxálico, alcalóides, alcuroma
(óleo essencial), apigenina, arabinose, cafeína, ß-caroteno, campesterol, catequina, catecol, cumarina, dopamina, epicatechina,
esculetina, estigmasterol, ergosterol, flobafeno, glicerina, glicerol, glucose, haematina, isovitexina, kaempferol, linalol, luteolina,
manteiga (triglicerídeos dos ácidos esteáricos, oleíco, palmítico, láurico), matéria celulósica e orgânica, pectina, quercitrina, rutina,
sais minerais, ß-sitosterol, tanino, theobromina (3,7-dimetilxantina), a e ß-theosterol, vitaminas, vitexina.

Propriedades medicinais: antianginoso, antisséptico, emoliente, excitante, tônico, vulnerário.

Indicações:
- sementes: nefrites, bronquites, fraqueza, desânimo;
- folhas: certas dores da angina do peito.

Modo de usar:
Bebidas e alimentos em geral; cosméticos (peles ressecadas), batons (lábios rachados e ressecados), cremes e ungüentos, cremes
para unhas quebradiças e fracas, componente de protetores solares.
Uso interno: suco da polpa das sementes e infusão das folhas: angina, pressão alta (pó de cacau), nervos fracos, prisão de ventre;
Uso externo: pele com bolhas (manteiga de cacau).

CAFÉ:
Nome Científico: Coffea arabica L.
Partes usadas: frutos e sementes em vários estágios.
Sabor: amargo e quente.

Composição Química:
Potássio (K), magnésio (Mg), cálcio (Ca), sódio (Na), ferro (Fe), manganês (Mn), rubídio (Rb), zinco (Zn), Cobre (Cu), estrôncio (Sr),
cromo (Cr), vanádio (V), bário (Ba), níquel (Ni), cobalto (Co), chumbo (Pb), molibdênio (Mo), titânio (Ti) e cádmio (Cd); aminoácidos
como alanina, arginina, asparagina, cisteína, ácido glutâmico, glicina, histidina, isoleucina, lisina,metionina, fenilalanina, prolina,
serina, treonina, tirosina, valina; lipídeos como triglicerídeos e ácidos graxos livres , açúcares como sucrose, glicose, frutose,
arabinose, galactose, maltose e polissacarídeos. Adicionalmente o café também possui uma vitamina do complexo B, a niacina
(vitamina B3, PP ou Pelagra Preventing do inglês) e, em maior quantidade que todos os demais componentes, os ácidos
clorogênicos, na proporção de 7 a 10%, isto é, 3 a 5 vezes mais que a cafeína.

Propriedades medicinais gerais:


Analgésico, anti-hemorrágico, antidiarréico, antiespasmódico, antigripal, antiinflamatório, broncodilatador, cardiotônico,
depurativo, desintoxicante, digestivo, diurético, estimulante, excitante, expectorante, hipoglicemiante, hipotensor, revigorante
intelectual, sudorífero, tônico, vulnerário.

Indicações para uso interno:


Estimula o SNC, os rins, o cérebro, os músculos e o coração; combate sonolência; cansaço; melhora o raciocínio; melhora função
intestinal; constipação; reduz colesterol LDL; reduz glicose no sangue; asma nervosa; distúrbios cardíacos; febres intermitentes;
acelera a respiração; auxilia a digestão de alimentos pesados; utilizado em envenenamento por opiáceos; cólica hepática e
nefrítica; gota; hemicrania; diabetes; elimina sinais de ressaca; indigestão; estimulante cardíaco.

Contraindicações:
Não deve ser consumido por quem tem gastrite, úlcera péptica, insônia, agitação psicomotora, taquicardia e taquiarritmias.

Efeitos colaterais:
As xantinas do café podem causar irritação das mucosas do estômago e das vias urinárias, insônia e palpitações.

Modo de usar:
- 4 gramas de grão cru fervido em um copo de água. Tomar à noite: baixar a glicose.
- chá das folhas: fadiga, cansaço mental, diarréias, cólicas em geral, estimulante digestivo, dilatar os brônquios (bronquite, asma).

CALÊNDULA:
Nome Científico: Calendula officinalis L.
Partes usadas: Folhas, flores, rizomas e talos.
Sabor: Picante, amargo e refrescante.

Composição Química:
Ácidos fenol-carboxílicos, ácidos láurico, palmítico, esteárico, ácido mirístico, ácido oleanóico, ácidos orgânicos, ácido salicílico
(traços), arnidiol, calendina, calenduladiol, cariofileno, carvona, ésteres colesterínicos, cumarinas, ésteres glicosídicos, faradiol,
flavonóides: quircentina, quircentino glicosideo e narcisina, hidrocarboneto, isomentona, matérias corantes, mentona, minerais:
Ca, Si, mucilagem. Seu óleo essencial contém carotenóides (caroteno, calendulina, licopina) flavocromo, mutocromo, aurocromo,
flaroxantina, crisantimaxantina e xantofila, óleo volátil, poliacetilenos, polissacarídeos, princípios amargos (calendina), resina,
saponinas, sesquiterpenos, taninos, taraxasterol, mono, di e triterpenos (arnidiol, faradiol), vitaminas: pró-vitamina B, xantofilas.

Propriedades medicinais gerais:


Antiespasmódico, emenagogo, colagogo, adstringente, analgésico, antiabortivo, antialérgico, antiemético, antisséptico, antiviral,
calmante, cicatrizante, emoliente, excitante, protetor dos raios UVa e UVb., refrescante, regulador da menstruação, resolutivo,
suavizante, sudorífico, tonificante da pele, vasodilatador, vulnerário, antiparasitário, lenitivo, bactericida, antifúngico, diaforético,
anti-hemorrágico, hipotensor, abortifaciente, angiogênico, anti-helmíntico, antiblastocístico, antiedêmico, anti-HIV, antipirético,
antisarcômico, anti-supurativo, antitumoral, afrodisíaco, canditicida, cardiotônico, carminativo, CNS-depressivo, estrogênico, HIV-
RT-inibidor, imuno-estimulante, laxativo, espermicida, uterogênico, antimutagênico, anticancerígeno e calicida.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: é utilizada em abscessos estomacais, gastrite, pólipos, úlcera duodenal e gastrointestinal, vômito,
diarreia, dispepsia, hemorroidas, eczema anal, enterite, flatulência e nas fermentações.
Sistema Urinário e Genital: cólica menstrual e congestão do baixo ventre, dismenorreia, vulvovaginite (tricomoníase e candidíase),
edemas, hematúria, amenorreia, leucorreia crônica, endometrite, condiloma, retenção de líquido e na sífilis.
Sistema Hepático: atua na intolerância a gorduras e em cólicas biliares, icterícia, males do fígado e da vesícula biliar e para
hepatite.
Sistema Respiratório: na tosse, bronquite e também na pneumonia.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: vitaliza o sangue, reduz lipídios, epistaxe, veias varicosas e na aterosclerose.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: afecções nervosas, doença glandular, escorbuto, estimula a granolocitose e fagocitose,
resfriado, inflamações em geral, linfadenoma, gripe, febre, adenopatia, herpes, esclerose, insônia e em casos de nervosismo.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: na artrose.
Sistema Renal: para nefrite.
Outros distúrbios: é um sudorífico para febres em doenças bacterianas, câncer da matriz e do estômago, câncer de cólon, câncer
de mama, câncer do intestino, câncer de pele, câncer de útero, fissuras da mama, psoríase, reduz tumores, ajuda no trabalho de
parto, cólera, mastite, alivia mucosidades, esteatoma, tifo, xeroderma e nas infecções da garganta por estreptococos e infecções
por estafilococos.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: para acnes, eczema seborreico, alergias, assaduras, avermelhamento da pele, brotoejas, calos, clareia manchas,
dermatite por monília e estreptococos, erupções cutâneas e escaras, frieiras, fungos, inflamação da pele, palidez, peles sensíveis,
avermelhadas e delicadas, queimadura leve do sol, rachaduras, regeneração de tecidos danificados, varizes e verrugas, picada de
abelha, bolhas, furúnculos, micoses, flebites, ação antibacteriana e antifúngica para infecções da pele e um cicatrizante tópico
para queimaduras em geral.
Cabeça e face: irritações do couro cabeludo, blefarite, conjuntivite e no entupimento do canal lacrimal.
Cavidade bucal: para aftas, inflamações da mucosa da boca e garganta, sangramento de gengivas e na hipersensibilidade das
mucosas.
Músculos, ossos e articulações: para artrite.
Outros distúrbios: para vulvovaginite (tricomoníase e candidíase), leucorreia crônica e em casos de herpes.
Indicações para uso externo de partes específicas da planta:
Flores – anti-inflamatório local para inflamações cutâneas, dermatite por monília e estreptococos, foliculite, gengivite, impetigo,
gengivorragia, ulcus cruris.
Folhas – ceratolítico para uso local em verrugas e calos e um antirreumático para uso tópico em artrites e tendinites.

Contraindicações:
Deve ser evitado o uso na gravidez e lactação. Pode causar dermatite de contato em pessoas sensíveis. Deve ser evitado uso
concomitante com barbitúricos e sedativos.

Medicina Chinesa (MTC):


Seu nome chinês é Jin Tsan Jiu. A erva elimina calor tóxico, indicada para estagnação do sangue no Útero, para estagnação de
sangue em geral, estagnação do Qi do Útero, estagnação do Qi do Fígado, para dispersar vento-calor externo e deficiência
do Qi do Coração e na deficiência do sangue do Fígado. Atua nos canais de Fígado, Vesícula Biliar, Baço/Pâncreas e Bexiga. Erva
com predominância do elemento terra.

Modo de usar:
- folhas e caules em saladas verdes;
- Pomada e tintura: usar folhas e flores. A tintura é diluída em água na proporção de 1:1 ou 1:2. Usar topicamente 3 a 4 vezes ao
dia;
- Cataplasma: folhas e flores tenras são socadas e empastadas, sobre um pano limpo e aplicadas sobre o ferimento ou acne.
- infusão: 2 colheres das de sopa de flores em ½ litro de água. Toma-se1xícara das de chá antes das refeições principais, iniciando 8
dias antes da menstruação: emenagoga;
- infusão de 2 colheres das de sopa de flores em uma xícara das de chá. Tomar ½ xícara de manhã e ½ xícara à noite: uso geral;
- infusão de ferver 3 colheres (chá) de flores secas em 3 xícaras de água. Deixar descansar por 5 minutos. Tomar 3 vezes ao dia:
desintoxicante;
- infusão: 1 colher das de chá de flores em 1 xícara das de chá de água quente. Abafar por 5 minutos. Tomar ½ xícara de manhã e ½
xícara à noite. Três xícaras ao dia atua como desintoxicante: acne;
- hidroalcoolatura: macerar 1 colher das de sopa de flores em 1 xícara das de chá de álcool 70 graus diluído em 2 xícaras das de
chá de álcool. Aplicar topicamente sobre a pele e umbigo do recém-nascido, para a higienização;
- óleo: macerar 20 g de flores em 250 g de óleo de oliva durante 10 dias, no escuro. Filtrar com pano e espremer. É utilizado para
atenuar as rugas e atua como emoliente;
- suco das folhas: aplicar sobre calos, verrugas e pólipos;
Uso interno:
- flores secas: 1 a 4 g três vezes ao dia.
- infusão: 10 a 15 g de folhas e flores picadas em 1 litro de água fervente. Beber 3 xícaras ao dia.
- decocção: 5 a 15 g de folhas e flores para 1 litro de água. Beber 5 xícaras ao dia.
- tintura em álcool 90%: 0,3 a 1,2 ml, três vezes ao dia.
- extrato mole: 0,3 a 0,5 g ao dia
- extrato fluido em álcool 40%: 0,5 a 1 ml, três vezes ao dia.
Uso externo:
- pomada e tintura: feitas com folhas e flores. Usar sobre as partes afetadas 3 a 4 vezes ao dia. A tintura, diluída com água
destilada ou fervida, pode ser aplicada diretamente em ferimentos diversos, exercendo excelente ação cicatrizante. Utiliza-se de 1
a 2 partes de água para 1 de tintura.
- tintura em compressas: alcoolatura a 10%.
- ungüentos, pomadas para úlceras e varizes: 8 a 15%.
- banhos: 50 g da planta por litro de água.
- cataplasma: flores e folhas tenras, socadas e empastadas, sobre um pano limpo são aplicadas nos ferimentos.
fitocosmético:
- extrato glicólico: cremes e loções para peles, produtos pós-barba e pós-depilação, xampus de tratamento, condicionadores
capilares, sabonetes, produtos após sol e para higiene bucal: 5 a 10%.
- extrato hidroalcoólico em concentrações até 2%.
- óleo: cicatriza feridas, contusões, queimaduras.

CAMOMILA:
Nome Científico: Matricaria chamomilla L.
Partes usadas: Capítulo floral.
Sabor: Doce, amargo e amornante.

Composição Química:
Álcool sesquiterpênico, alfabisabolo, azuleno, furfurale, parafina, sesquiterpenos, tanino.

Propriedades medicinais gerais:


Estomáquico, carminativo, sedativo, digestivo, antiespasmódico, peitoral, febrífugo, antialérgico, vulnerário, anti-inflamatório,
espasmolítico (em muco gástrico e duodenal), imuno-estimulante, bactericida (uso tópico), relaxante, diaforético, adstringente,
analgésico, diurético, antiflogístico, antiálgico, emoliente, descongestionante, antiviral, laxante, expectorante, antiparasitário,
anti-helmíntico, anti-alzhaimer, antidepressivo, antiedêmico, anti-histamínico, antilactagogo, anti-herpético, antioxidante,
antipirético, canditicida, CNS-depressor, antiulcerativo, colagogo, inibidor da cyclooxygenase, cardiodepressor, COX-2 depressor,
demulcente, desodorante, antiagregante, emético, gastroprotetor, radioprotetor, emenagogo, musculotrópico,
hepatoregenerativo, serotoninérgico, tônico, miorrelaxante, nervino, respirodepressor, hipotensivo, hipouremico, inibidor de
lipooxygenase, hipnótico, soporífico, eupeptico, refrescante e também, antirreumático.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: gases, úlceras, síndrome do intestino irritável, gastrite, diarreia, inapetência, azia, vermes intestinais,
colites, cólica abdominal, meteorismo, cólicas intestinais, difteria, epigastrose, queimação, hemorroidas, hiperacidez, úlcera
parapilórica, salmonela, estomatite e também, muco no estômago,
Sistema Urinário e Genital: problemas do útero, dismenorreia, infecções urinárias, retenção de líquidos, doenças do útero e dos
ovários, retenção urinária, amenorreia, menopausa, TPM, cólicas menstruais, cândida, cancro, leucorreia, estimula e ainda
regulariza a menstruação.
Sistema Hepático: problemas de vesícula e icterícia.
Sistema Respiratório: catarro, febre do feno, asma, sinusite, alivia o peito e para tratamento de tuberculose.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: gota, ácido úrico, eritema, pressão alta e para anemia.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: gripe, depressão, ansiedade, agitação, sensação de aborrecimento, esgotamento,
tônico do sistema nervoso, neuralgias, nevralgia, nervosismo, mal de Alzheimer, anorexia, resfriado, convulsões, crupe, febre,
histeria, ciática, neurose além de ser um estimulante da leucocitose.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: depressor das funções musculares, reumatismo, paralisia dos membros e também
lumbago.
Outros distúrbios: dor, enxaqueca, estresse, insônia, cefaleia, mastite, vista cansada, surdez, tumores, náuseas, câncer de mama,
câncer de cólon, câncer de fígado, câncer de boca, câncer de pele, câncer de estômago, enjoo de viagem, mucosidades, náusea,
oligolactia, oftalmia, garganta dolorida, infecções por estafilococos, virose, reidratação oral, vertigem, preveni pesadelos e ainda
dores de garganta.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: calmante da pele (banhos e compressas), eczemas, ulcerações nas pernas, queimaduras na pele, queimadura de sol,
assaduras, eczema seborreico, micose inguinal, prurido, feridas, micoses, dermatose, doenças bacterianas da pele, afecções
cutâneas em geral e também, neurodermatose.
Cabeça e face: terçol, conjuntivite, revigora cabelos claros, acne, dores de ouvido e oftalmia.
Cavidade bucal: dor de dente (bochechos).
Músculos, ossos e articulações: dores musculares, ciática e contusões.
Outros distúrbios: lavagem vaginal, hemorroidas, vulvovaginite, inchaços e também para prurido da vulva.

Contraindicações:
A erva pode causar náuseas e dermatite de contato em pessoas sensíveis. Não usar durante a gravidez e na lactação. Evitar em
casos de úlcera duodenal e gástrica, no refluxo esofágico, colite ulcerosa, colite espasmódica, diverticulite e diverticulose. Doses
excessivas podem causar efeito inverso, causando agitação. Evitar uso em pessoas que estão se submetendo a quimio e
radioterapia ou que apresentem Doença de Crohn ou Mal de Parkinson. Não deve ser utilizada junto com as refeições.

Interações medicamentosas:
Por conta da presença de cumarinas em sua composição, pode interferir em terapia de anticoagulantes. A erva não deve ser
utilizada por quem estiver fazendo uso de warfarina e ciclosporina em quantidades elevadas por conta de seu índice terapêutico
estreito.

Medicina Chinesa (MTC):


Seu nome chinês é Yang Gan Jiu. A erva limpa vento e umidade, corrige deficiência do Baço/Pâncreas, resolve a desarmonia entre o
baço e fígado, elimina a estagnação do Qi do Fígado, do Qi do Estômago e do Qi do Rim, contém a subida do Yang do Fígado, move
a estagnação do Qi do Útero, elimina umidade-mucosidade-calor do Pulmão, vento-calor do Pulmão, umidade-calor do Intestino
Grosso e Intestino Delgado e vento-calor na pele. Faz circular o Qi dos Intestinos. Seu elemento predominante é a Terra. Atua nos
canais do Estômago, Fígado, Bexiga, Pulmões, Baço/Pâncreas, Vaso Governador, Vaso Concepção e Pericárdio.

Pets e outros animais:


Utilizada na veterinária por suas propriedades sedativas e ansiolíticas. Deve ser usada como vapor ou por via oral ajudando na
introdução a novos ambientes ou novos donos aliviam possível estresse. Sua infusão também é indicada para problemas digestivos
de cães e gatos.

Modo de usar:
- extrato titulado e standartizado: 400 mg 4 x dia.
- extrato seco com alta concentração de apigenina: infunsão a 3-10% para cataplasma e banhos; tisana: 3 g em 150 ml de água.

CANELA:
Nome Científico: Cinnamomum zeylanicum Blume
Partes usadas: Casca, folhas e óleo essencial.
Sabor: Doce, picante e amornante.

Composição Química:
Acetato de eugenol, ácido cinâmico, açúcares, aldeído benzênico, aldeído cinâmico, aldeído cumínico, benzonato de benzil, cimeno,
cineol, elegeno, eugenol, felandreno, furol, goma, linalol, metilacetona, mucilagem, oxalato de cálcio, pineno, resina, sacarose,
tanino e vanilina.

Propriedades medicinais gerais:


Adstringente, antiescorbútico, antileucorreico, antirreumático, aperiente, aromático, cardiotônico, carminativo, catamenial,
digestivo, estimulante, galactagogo, hipertensor suave, piolhicida, sedativo, tônico, vasodilatador, antiasmático, hemostático,
emenagogo, insulina-análogo, anti-inflamatório, antioxidante, antidiarreico, diaforético, expectorante, antimicrobiano,
antifúngico, alterativo, demulcente, imuno-estimulante, estomáquico, eupeptico, vitalizador cardíaco, antibiótico, adipogênico,
alergênico, analgésico, anti-helmíntico, antiagregante, antiemético, antileucêmico, antilinfomico, antimicobacterial, antioxidante,
antiprostaglandino, antipirético, antisialagogo, antitubercular, antitussígeno, antiulcerativo, antiviral, afrodisíaco, bactericida,
canditicida, colerético, cordial, COX-2 inibidor, inibidor de ciclooxigenase, citotóxico, depurativo, emenagogo, emoliente,
estrogênico, expectorante, febrífugo, germicida, Gram(+)icida, Gram(-)icida, hepatotônico, inibidor de redução de HMG-CoA ,
hipocolesterolêmico, hipoglicemiante, hipotensor, hipotérmico, hipotrigleceridêmico, hipouricêmico, inseticida, potencializador de
insulina, lactagogo, larvicida, lipolítico, inibidor de lipooxygenase, mutagênico, miorrelaxante, narcótico, nematicida, nervino,
neurotônico, orexigênico, refrigerante, secretagogo, sialagogo, teratogênico, tranquilizante, uterorelaxante, uterotônico,
vibriocida, vulnerário, inibidor de xantina-oxydase, poderoso anti-hemorrágico, antiputrefascente e também, antidisentérico.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: nos distúrbios gastrointestinais, desconforto abdominal, digestão lenta, diarreia, dor de estômago,
gases, úlceras estomacais por estresse, equilíbrio dos triglicerídeos, disenteria, cólicas, age no Baço e no Pâncreas, cólicas
intestinais, intestino irritado, diverticulose e ainda previne problemas estomacais.
Sistema Urinário e Genital: na dismenorreia, indicado para perda de libido e impotência, amenorreia, hemorragia de parto,
metrorragia, espermatorreia, candidíase, cólicas, auxilia a contração do útero no parto, inchaços e em casos de baixa libido.
Sistema Hepático: indicado em problemas hepáticos.
Sistema Respiratório: para asma sem secreção, congestões nasais, bronquite, afecções respiratórias e ainda alivia a congestão.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: nas hemorragias, extremidades frias, hipotensão arterial leve, estimula a circulação,
palpitações, acrocianose, anemia e é um purificador do sangue.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: em casos de anorexia, cansaço, escrófula, gripe, vômitos nervosos, síndrome de fadiga
pós-viral, melancolia, ansiedade e insônia em idosos, neuralgia do trigêmeo, depressão, demência, miastenia gravis, síncopes,
eleva as funções cognitivas e também previne infecções.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: nas dores articulares, tensões musculares, epilepsia, espasmos da musculatura lisa,
tonifica e faz a constrição dos tecidos corpóreos.
Sistema Renal: promove a melhoria do funcionamento dos rins.
Outros distúrbios: para calafrios, choques, dores de cabeça, espasmos, inflamações do rosto, paralisia da língua, queimaduras por
frio, respiração ofegante, enxaqueca, soluços, náusea, sensibilidade ao frio, complicações da Diabete Mellitus, para emoções
fortes, melhora a vitalidade, traz cor ao rosto, é ativo frente a Pseudomonas aeruginosa, Salmonella typhi e paratyphi, Escherichia
coli, Mycobacterium tuberculosis, Candida albicans e Aspergillus spp., estimula a função de outras ervas medicinais no organismo e
também é indicado para congestão dos seios da face.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: para tratamento de tinha.
Cabeça e face: para germes do couro cabeludo.
Cavidade bucal: para ulcerações da gengiva e mucosa da boca e em dor de dente.
Músculos, ossos e articulações: para dores do joelho, dores nas costas, no torcicolo, artrose cervical, lombalgia crônica e em
cãibras nas panturrilhas.
Outros distúrbios: para polineuropatias agudas e na flebite superficial.

Contraindicações:
A canela não deve ser usada na gravidez, na lactação, em pessoas com distúrbios gastrointestinais, neurológicos ou em crianças
menores de seis anos. Doses excessivas podem causar aumento da frequência cardíaca, da mobilidade intestinal, da respiração e
da perspiração, através da estimulação química do vasomotor. Também pode causar dermatite de contato. Chicletes e balas de
canela podem causar lesões na mucosa da boca. A exposição ao óleo de Canela é associada ao risco de câncer. Evitar ainda seu uso
em quadros hemorrágicos, na hemofilia, em casos de alcoolismo, câncer de próstata e em enfermidades febris por calor.

Medicina Chinesa (MTC):


A erva movimenta o Yang e transforma o Qi. Indicada em casos de retenção de água onde estimula o metabolismo e acelera a
transformação dos líquidos em Qi, aliviando edemas e a dificuldade de urinar por deficiência do Yang. Também aquece e abre os
meridianos e dispersa o frio. Ainda indicada em doenças reumáticas, principalmente dos ombros. Fortalece o Yang do Coração,
reforça o Wei Qi, tonifica a deficiência do Qi do Pulmão e Coração, indicada na invasão de vento frio externo, deficiência do Yang
dos Rins, Bexiga e Baço, na presença de umidade-fleuma no Jiao inferior. A canela circula o Qi no tórax, direciona ervas para os
canais e para o exterior, aquece o Jiao inferior, aquece e promove a circulação do Xue, reduz dor e enrijecimento por ação do frio e
fortalece o portão vital (Ming Men). Utilizado também quando a deficiência do Yang do Rim apresenta fraqueza nas pernas,
respiração curta e voz fraca. Esta erva é particularmente utilizada em síndromes onde há adormecimento e formigamento nos
membros, frio e dor nas extremidades. É utilizada como erva principal em fórmula que tratam invasão de vento-frio. Penetra
primariamente no meridiano do coração e secundariamente nos meridianos do pulmão e bexiga. É usada quando há febre,
calafrios intensos sem suor, dor de cabeça, dores generalizadas e respiração curta. O paciente pode apresentar língua com saburra
branca e espessa e pulso superficial. Também utilizada nas síndromes que manifestam febre com suor irregular e aversão ao vento,
nariz obstruído e dor de cabeça. Utilizada em pacientes que não sentem sede e apresentam língua com saburra branca e pulso
superficial, lento e fraco. É basicamente utilizada para tratar umidade-calor e toxinas acumuladas nos intestinos. As manifestações
desta síndrome incluem dor abdominal, tenesmo, dificuldade para defecar, diarreia com muco e sangue em partes iguais e
sensação de queimação ao redor do ânus. Os pacientes apresentam língua vermelha com saburra amarela suja e pulso rápido.
Nesta fórmula, a função do Rou Gui é de prevenir que as ervas amargas e frias possam injuriar o Yang, o que ocorre quando o Qi e
o sangue se encontram enfraquecidos por longos períodos. Tem valor especial por se tratar de uma erva doce, o que a faz mais
lenta e pode tratar síndromes de frio que não podem ser tratadas em tempo curto como impotência, micção frequente,
amenorreia e infertilidade. Também é útil para tratar a síndrome de Yangflutuante, pois é capaz de tonificar o fogo do portão vital
(Ming Men) e guiar o fogo flutuante de volta para baixo na fonte. Alivia dores especialmente quando se encontram no baixo-
ventre, costas e joelhos. Utilizada para tratar frio e dor em juntas e músculos em deficiência do Yang e do Xue com invasão externa
de frio. Sua função nesta fórmula é penetrar no coração e incrementar a função da erva Dan Gui de estimular o Yang e aquecer o
sangue. Também penetra nos pulmões e expulsa o frio e expande o Yang e o Qi em todo o corpo. Gui Zhi também pode ser utilizada
quando o Qi do coração está muito enfraquecido para estimular o sangue e a estagnação de sangue aparece causando palpitações
e inquietude. Tem melhor efeito nesta função se utilizada com um pouco de álcool. Como a erva e o álcool são picantes e
consomem o Qi, devem ser usadas em conjunto com ervas que tonifiquem o Qi e o Xue do Coração e sua dosagem deve ser
pequena. A erva tem atuação nos canais do estômago, baço/pâncreas, pulmões, coração, rins e bexiga. Evitar o uso da canela em
casos de insuficiência do Yin.

Pets e outros animais: A canela é utilizada para afastar morcegos.

Modo de usar:
Condimentar alimentos e bebidas.
- Infusão: 1 a 3 g de canela em uma xícara;
- Tintura; Alcoolatura;
- Vinho: macerar durante 30 dias 30 g de casca em 500 ml de vinho licoroso. Coar e tomar 1 cálice duas vezes ao dia, antes das
refeições (tônico e digestivo);
- Infusão piolhicida: ferver 2 xícaras das de chá de água e derrame sobre 2 cascas de canela em uma vasilha. Abafar por 15
minutos. Lavar a cabeça (com água e sabão), enxaguar com o infusão de canela. Secar o cabelo e passar um pente fino.

CAPIM LIMÃO:
Nome Científico: Cymbopogon citratus (DC) Stapf.
Partes usadas: Folhas, rizoma e raízes frescas ou secas.
Sabor: Picante e amornante.

Composição Química:
Folhas contém aldeídos, cetonas, ácidos, ésteres, sesquiterpenos e terpenos, citrol (mistura dos aldeídos neral e geraniol),
saponinas álcoois (cimeropogonol e cimpogonol), alcalóides, óleos essenciais (com a-oxobisaboleno, borneol, b-cadineno, canfeno,
car-3-eno, cineol, geranial, geraniol, citral), metileugenol, mirceno, cimbopogona, farnesol, fencona, cimbopogenol, cimbopogonol,
isopulegol, acetato de geraniol, hexacosan-1-ol, humuleno, linalol, mentona, nerol, acetato de nerol, a e b-pineno, terpineol,
terpinoleno, ocimeno, iso-orientina, a-canforeno, limoneno, dipenteno, citronelal, ácidos acético, p-cumárico, caféico, citronélico,
gerânico, capróico, flavonoides (luteolina, luteolina-7-O-b-D-glicosídeo, b-sitosterol), aldeídos (isovaleraldeido, decilaldeido).

Propriedades medicinais gerais:


Sudorífico, sedativo, carminativo, antiespasmódico, refrescante, emenagogo, antitérmico, relaxante muscular, ansiolítico,
antiálgico, antibacteriano, anticonvulsivo, antidiarreico, antidisentérico, anti-histérico, antipirético, antirreumático, aperiente,
aromatizante, estomacal, bactericida, béquico, depurativo, digestivo, diurético, lactagogo, estomáquico, expectorante, febrífugo,
fungicida, hepatoprotetor, miorrelaxante, repelente de insetos, vasodilatador, béquico, antiemético, antitússico, antidepressivo,
antimicrobiano, nervino, adstringente e ainda é um inseticida.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: tônico da mucosa gastrointestinal, vômitos, diarreias, gases, cólicas intestinais, dor estomacal, espasmo
intestinal, gastralgia, indigestão, infecção digestiva e também em úlceras.
Sistema Urinário e Genital: cólicas menstruais e na inflamação da bexiga.
Sistema Respiratório: tosses, catarro (inclusive crônico) e em infecções das vias respiratórias.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: na pressão alta.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: nervosismo, histerismo, ansiedade, diminuir atividade motora, resfriado, neuralgia,
estresse, viroses de curta duração com febre, gripe e na diminuição da atividade motora.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: espasmo, lumbago e também no reumatismo.
Sistema Renal: distúrbio renal e nos problemas dos rins em geral.
Outros distúrbios: febres, insônia, aumenta secreção láctea, cefaleia, dor de cabeça e ainda em dor de garganta.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: feridas, eczemas, manchas e sardas, celulite, limpeza de pele e na limpeza de peles oleosas.
Cabeça e face: conjuntivite e limpeza de cabelos.
Cavidade bucal: limpeza dos dentes e gengivas.
Músculos, ossos e articulações: contusões, dor muscular, entorse, tensão muscular, lumbago e também é um tonificante muscular.
Outros distúrbios: estimulante da circulação.

Contraindicações:
Seu uso frequente causa debilidade e pode provocar perturbações cardíacas. Evitar uso em pessoas com pressão baixa, em casos
de dor abdominal de causa desconhecida, úlcera péptica e gastrite. Não deve ser utilizado durante a gravidez, pois a erva estimula
o útero e o sangramento menstrual. Seu óleo essencial deve ser evitado em casos de glaucoma, hiperplasia prostática e em casos
de hipersensibilidade e em irritações da pele. O uso prolongado pode provocar dor nas articulações.

Medicina Chinesa (MTC):


Seu nome chinês é Ning Meng Sian Mao. A erva é indicada para tratar distúrbios do sangue e da urina. O Capim-limão amorna o
Jiao médio, aquece o pulmão, elimina fleuma e direciona o Qi para baixo. Esta erva também é utilizada para tratar frio no
estômago com anorexia, aversão a comidas frias e regurgitação de líquido claro. Também elimina expectoração branca e pode ser
utilizada em casos de febre baixa com calafrios com pouca ou nenhuma sudorese e cefaleia. Seu uso pode agravar sintomas de
calor. Deve ser evitada em casos de expectoração amarela ou dor abdominal por calor no estômago. Atua nos canais dos Pulmões
e Estômago.

Pets e outros animais:


O óleo tem ação irritante sobre a pele de animais. Pode ser utilizado se for adequadamente diluído para combater parasitas e em
problemas intestinais. As folhas constituem-se ótima forragem para elefantes.

Modo de usar:
- infusão do rizoma: clarear os dentes, tônico;
- decocção ou inalação: 10 a 20g/dia de folhas e/ou raízes;
- infusão de 4 xícaras (café) de folhas frescas ou secas picadas em 1 litro de água. Tomar 1 xícara 2 a 3 vezes ao dia;
- infusão de 10 g de folhas secas em ½ litro de água quente. Tomar 3 a 4 xícaras ao dia;
- ungüento: esmagar 1 xícara das de chá de rizomas em 1 colher das de sopa de óleo de coco. Coar e fazer massagens tópicas para
nevralgias e reumatismos.
- infusão de uma colher de sobremesa de rizoma fresco fatiado em uma xícara de água em fervura. Desligue o fogo, coe e deixe
esfriar e faça bochechos, de 2 a 3 vezes ao dia: limpeza dos dentes e gengivas.
- um pedaço de rizoma ralado e 1 col (sopa) de óleo de coco ou oliva. Coe e empregue em massagens, nos locais doloridos:
reumatismo e dores musculares;
- folhas batidas com água no liquidificador, coar e beber: refresco para dar hânimo dos dias de calor.

CARDAMOMO:
Nome Científico: Elettaria cardamomum (L.) Maton.
Nomes Farmacêuticos: Semen cardamomi
Partes usadas: Raízes, sementes secas e óleo essencial.
Sabor: Doce e picante.

Composição Química:
Ácido acético, ácido fórmico, beta-felandreno, borneol, cálcio, carboidratos, cineol, ferro, fósforo, heptano, linalol, limoneno,
mucilagens nitrogenadas, óleo essencial, proteínas, potássio, sabineno, terpinol-acetato, terpinol.

Propriedades medicinais gerais:


Analgésico, antiofídico, antisséptico, aperiente, carminativo, digestivo, diurético, estomáquico, aperitivo, expectorante, laxante,
tônico, sedativo, diaforético, aromático, antinauseante, antitóxico, antiemético, emenagogo, sialagogo, anti-inflamatório,
calmante.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: cólica intestinal, diarreia, dispepsia, gases, vermes, flatulência, eructação, borborigmos, arrotos, acidez,
gastralgia.
Sistema Urinário e Genital: abortos espontâneos, micção dolorosa com sensação de queimação, espermatorreia, enurese.
Sistema Respiratório: asma, bronquite, doenças pulmonares.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: artrite, dor lombar, inchaço, reumatismo.
Outros distúrbios: abortos espontâneos, enjoo matinal, garganta inflamada, pirose, vômitos, febre.

Indicações para uso externo:


Cavidade bucal: limpa o hálito, dor de dente.

Para crianças: Utilizado em problemas digestivos e congestão respiratória.

Contraindicações:
Em doses elevadas, pode provocar vômito. Evitar em pessoas com Pitta agravado, com úlceras ou com sinais gerais de excesso de
calor ou febre.

Interações medicamentosas:
Uso concomitante com a planta Tayuya acentua os efeitos do cardamomo. Associada a Cinnamomum zeylanicum, interrompe
diarreia. Combinado ao Panax ginseng é um poderoso tônico masculino.

Medicina Chinesa (MTC):


Seu nome chinês é Yi Zhi Zi. Tonifica o Qi do Estômago e do Baço. Elimina umidade-fleuma do Jiao Superior e Médio, ativa o fogo
digestivo e elimina fleuma do Pulmão. Atua nos canais do Pulmão, Estômago, Baço/Pâncreas e Bexiga.

CARDO MARIANO:
Nome científico: Silybum marianum (L.) Gaertn.
Parte utilizada: folhas, flores, raízes, frutos.

Constituintes químicos:
Açúcares, silimarina (silibina, silicristina, silidianina), flavonóides (taxifolina, quercetina, kaempferol, apigenina, naringina),
histamina, óleo essencial, óleos fixos (ácido linoléico, ácido oléico, ácido palmítico, esteróis), mucilagem, proteínas, saponinas.

Propriedades medicinais:
Antisséptico, aperiente, anticolesterolêmica, antiinflamatória, antioxidante, colagoga, colerética, depurativa, digestiva, diurética,
estomacal, hepatoprotetora, hipertensora, má digestão, regeneradora, tônico amargo.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: problemas digestivos, náusea, dispepsias, anorexia, cólicas, colite, congestão, constipação, enterite,
dispepsia, gastrite, peritonite, vermes.
Sistema Urinário e Genital: menorragia, TPM, metrorragia, amenorreia, disúria, hematúria, leucorreia, menopausa.
Sistema Hepático: previne e repara danos do Fígado, protege o Fígado contra toxinas, tônico do fígado e da vesícula, tratamento
de cirrose hepática, icterícia, cefaleia de origem hepática, hepatite aguda e crônica, esteatose do fígado, para casos de
envenenamento pelo cogumelo amanita phalloides (comum na Europa), colecocistite, colelitíase, pedras da vesícula, necroses
hepáticas (como as provocadas pelo tetracloreto de carbono, por exemplo), age sobre a membrana das células do fígado e,
provavelmente, outras células do corpo estabilizando e fortalecendo sua estrutura.
Sistema Respiratório: asma, catarro, tosse, pleurasia, bronquite, tuberculose.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: colesterol, epistaxe, aterose, sangramentos, cardiopatias, flebite, úlcera varicosa,
varizes.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: estimulante da imunidade, esclerose múltipla, mialgia, resfriados.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: artrose, síndrome do túnel carpo.
Sistema Renal: infecções renais.
Outros distúrbios: depressão que se manifesta ao cair da noite, inibe a peroxidação dos lipídios e estimulação da biossíntese das
proteínas, danos provocados por medicação e exposição a substâncias tóxicas (envenenamento), alcoolismo, furúnculos, letargia,
para casos de envenenamento pelo cogumelo amanita phalloides (comum na Europa), aumenta a glicogênese e o ácido nucléico
do organismo, acne, malária, alergias, anthrax, cálculos, câncer de bexiga, câncer de mama, câncer de cervix, câncer de cólon,
câncer de pulmão, câncer de nariz, câncer de ovário, câncer de próstata, câncer de pele, câncer de língua, dermatose, neuropatia
diabética, erisipela, síndrome de alcoolismo fetal, fibrose, alergias alimentares, metástase, enxaqueca, esclerose múltipla, mialgia,
pancreatite, praga, picada de cobra, síndrome X, urticária, tônico para o Baço, febres intermitentes, se ingerida oito dias antes,
tem ação preventiva contra enjoos de viagem.
Indicações para uso interno de partes específicas da planta:
Sementes – extrato alcoólico das sementes é usado em tratamento de hemorroidas e é um substituto geral para o hormônio
adrenalina.
Folhas – diabetes (usar folhas jovens, com inflorescências).

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: úlceras nas pernas.

Contraindicações/cuidados:
Em doses excessivas, o chá pode causar queimaduras nas mucosas das vias digestivas, vômitos e diarréias. Não se deve utilizar
quando de problemas renais, úlcera, gastrite e pessoas hipertensas. Não é recomendado o uso por crianças. As sementes só podem
ser utilizadas segundo prescrição médica. Pode acumular muito nitrato nas folhas, podendo então ser tóxica.

Efeitos colaterais:
As sementes não devem ser ingeridas em grandes quantidades. Pode elevar a pressão arterial. Seus efeitos colaterais são: náuseas,
problemas estomacais e diarréias leves em aproximadamente 1% dos usuários.

Modo de usar:
Chá das folhas: ingerida 8 dias antes de uma viagem, evita o enjôo;
Tintura das sementes: moléstias da uretra, do útero e hemorróidas;
Decocção: ferver por 5 minutos, 2 colheres das de sopa de folhas em ½ litro de água. Tomar em pequenos goles. Favorece a
digestão de alimentos ricos em gordura.
Vinho: macerar 20g de folha e 5g de cravo-da-índia em 1 litro de vinho branco, durante 5 dias; Coar e tomar 1 cálice após as
refeições;
Folhas novas são utilizadas como saladas e as raízes e os capítulos podem ser consumidos após cozidos em água;
Decocção de 20 g de aquênios em um litro de água, ferver por 8 minutos, tomar durante o dia;
Ingestão dos frutos moídos;
Mastigação esporádica de frutos inteiros.

CARQUEJA
Nome Científico: Baccharis trimera (Less.) DC.
Partes usadas: Partes aéreas.
Sabor: Amargo e refrescante.

Composição Química:
Segundo a EPAGRI: alfa e beta-pineno, álcoois sesquiterpênicos, ésteres terpênicos, flavonas, flavanonas, saponinas, flavonoides,
fenólicos, lactonas sesquiterpênicas e tricotecenos, alcaloides. Compostos específicos: apigenina, dilactonas A, B e C, diterpeno do
tipo eupatorina, germacreno-D, hispidulina, luteolina, nepetina e quercetina. O óleo essencial contém monoterpenos (nopineno,
carquejol e acetato de carquejilo). Segundo a BIONATUS: flavonoides (apigenina, cirsiliol, cirsimantina, eriodictiol, eupatrina e
genkawanina), sesquiterpenos, diterpenos, lignanos, alfa e beta pineno, canfeno, carquejol, acetato de carquejila, ledol, alcóois
sesquiterpênicos, sesquiterpenos bi e tricíclicos, calameno, elemol, eudesmol, palustrol, nerotidol, hispidulina, campferol,
quercetina e esqualeno.

Propriedades medicinais gerais:


Anti-inflamatório, tônico, colagogo, diurético, sudorífico, antigripal, antibiótico, remineralizante, béquico, antidiabético, amargo,
antianêmico, antiasmático, antidiarreico, antidispéptico, antigripal, anti-hidrópico, antirreumático, anti-Trypanosoma cruzi
(causador da moléstia de Chagas), aperiente, aromático, depurativo, digestivo, emoliente, eupeptico, estomáquico, febrífugo,
hepático, hepatoprotetor, hipocolesterolêmico, hipoglicêmico, laxante, moluscocida (contra Biomplalaria glabrata, hospedeiro
intermediário do Schistosoma mansoni, causador da esquistossomose), tenífugo, vermífugo.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: azia, aftas, anorexia, diarreias, dispepsias, enfermidades gerais do baço e do pâncreas, estomatite,
fraqueza intestinal, intestino solto, má digestão, prisão de ventre, intolerância à gordura, sensação de peso no estômago, afecções
gástricas e intestinais, protege o estômago de várias substâncias que causam úlcera, flatulência, enterite, intoxicação alimentar,
doença diverticular do cólon, para normalizar o fluxo do intestino.
Sistema Urinário e Genital: chagas e doenças venéreas, enfermidades da bexiga, esterilidade feminina, afecções e inflamações das
vias urinárias, Impotência masculina.
Sistema Hepático: desintoxicação do fígado, enfermidades gerais do fígado, dispepsias inespecíficas que aparecem em hepatites
virais, desobstrutor do fígado, icterícia, litíase biliar, colecistite, promove o fluxo sanguíneo no Fígado, reduz a mortalidade e a
incidência de lesões celulares do hepatócito agredido química e biologicamente.
Sistema Respiratório: tonsilite, asma, bronquite asmática, faringite, problemas de garganta.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: anemia, angina, auxilia a redução do colesterol (de 5 a 10%), má-circulação, gota,
purifica o sangue eliminando toxinas e impurezas.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: espasmos, reumatismo.
Sistema Renal: enfermidades gerais dos rins.
Outros distúrbios: afecções febris, astenia, auxiliar em tratamentos de emagrecimento, diabetes, lepra, mal-estar, vermes, rota-
vírus, inibidor da absorção da glicose, reduz a mortalidade e a incidência de lesões celulares do hepatócito agredido química e
biologicamente, atua em cefaleias, para boca amarga, reduz vontade de comer doces, dissolvente e males causados pela emoção
da raiva, reduz obesidade, diabete melitus, hipoglicemia, dispepsias inespecíficas, giardíase, irritabilidade, insônia.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: feridas, ulcerações.

Contraindicações:
Esta erva deve ser evitada na gravidez, na lactação, pois deixa o leite amargo. Em doses excessivas pode baixar a pressão. Em
casos de diarreia crônica, pode gerar interação medicamentosa por interferir na absorção da glicose aumentando o trânsito
intestinal e assim, podendo reduzir a absorção de outros medicamentos. Usar com cuidado em pacientes com insulinoma ou
episódios de hipoglicemia. Seu uso prolongado pode causar disfunções digestivas agredindo a mucosa gástrica. Também deve
evitar o uso da erva fresca. Evitar o uso em casos de problemas graves do fígado e na presença de cálculos biliares, pois pode
provocar vômitos.

Medicina Chinesa (MTC):


A erva movimenta o Qi do fígado, removendo estagnação, tonifica o sangue, removendo impurezas e toxinas. É um tônico para o
estômago e baço e é indicada para aliviar estagnação de alimentos e tonificar o Xue do fígado. Atua nos canais do fígado,
baço/pâncreas e estômago. Seu elemento predominante é a madeira.

Modo de usar:
Infusão, decocção, extrato fluido, tinturas, elixir, vinho, xarope, gargarejo, compressas.
- infusão: 1 xícara (café) em 1/21itro de água. Tomar 1 a 2 xícaras após as refeições e ao deitar;
- infusão ou decocção a 2,5%: 50 a 200 ml ao dia;
- infusão para uso externo: 60 g em 1 litro de água. Aplicar nos locais afetados. Banhos parciais ou completos, ou compressas
localizadas;
- infusão de 10 g de talos em ½ litro de água fervente. Tomar 150ml, três vezes ao dia;
- decocção: ferver por 5 minutos 1 colher das de café de folhas secas ou em pó em 1 xícara das de chá de água. Coar e tomar 2
xícaras das de chá ao dia;
- decocção de 10 g em 1/2 litro de água. Tomar 4 vezes ao dia;
- tintura: 1 colher das de sobremesa de 8 em 8 horas. (5 a 25 ml ao dia).
- extrato fluido: 1 a 5 ml ao dia.
- vinho digestivo: macerar 1 colher das de sopa de hastes em ½ copo de aguardente por 5 dias. Misturar o macerado filtrado a uma
garrafa de vinho branco. Tomar 1 cálice antes das refeições.

CASCARA SAGRADA:
Nome científico: Rhamnus purshiana D.C.
Partes usadas: casca e ramos.
Sabor: amarga e fria.

Constituintes químicos:
Aldemodina-ranol, aloe-emodina, aloínas, barbaloínas, cascarosídeos A, B, C e D, emodina, heterosídeos antraquinônicos.

Propriedades medicinais:
Laxativo; carminativo; colagogo; catártico; diurético; emenagogo; estimulante; estomacal; febrífugo; tônico; purgativo;
adstringente; antibacteriano; antiherpético; antileucêmico; antiséptico; antiespasmódico; antiviral; depurativo; emético; fungicida;
hepatônico; hidragogo; peristáltico; prostaglandinogênica; tóxico;

Indicações (Uso interno):


Aumenta a peristalse e a secreção de líquidos; para prisão de ventre crônica restabelecendo o tônus natural do cólon sem causar
hábito; restabelece o fluxo menstrual; hemorróidas; estimula o peristaltismo intestinal; dispepsias; ingurgitamento do fígado e do
baço; elimina fecalomas; auxilia na digestão de gorduras em doses baixas; dissolve pedras nos rins; perda de apetite; constipação
em idosos; doença diverticular do cólon; estimula todo o sistema digestivo; flatulência; gases; fígado aumentado; problemas de
fígado e vesícula biliar; protetor solar; artrose; câncer; catarros; catapora; cólica; duodenose; desinteria; dispepsia; gastrose;
fungos; gonorréia; dores de cabeça; hepatose; herpes; infecções; icterícia; leucemia; proctosis; reumatismo; ciática; hespes zoster;
retenção de líquídos; vermes; sua ação se concentra no intestino grosso evitando com isso desarranjos no restante do trato
digestivo; pode ser utilizada para adquirir e manter o tônus do intestino grosso; estimulante pancreático.

Indicações (Uso externo): Limpeza de feridas; micoses; machucados; inchaços; contusões.

Utilizações na MTC:
Para secura e calor dos intestinos; fogo da vesícula biliar; estagnação do Qi do Estômago, do Fígado e do Rim. Atuação nos canais:
F, VB, ID e IG. Elemento predominante na MTC: Madeira.

Contraindicações:
Durante a menstruação; na gestação; na lactação; evitar em crianças menores de 12 anos; evitar em casos de obstrução intestinal;
doenças inflamatórias intestinais agudas (enterite, apendicite, colite, doença de Crohn, cólon irritável); paralisação fecal; náuseas;
vômitos; apendicite; dores abdominais de origem desconhecida; hemorróidas. Pode causar perda de potássio em caso de uso
prolongado; em casos raros de uso prolongado pode levar a arritmia cardíaca, nefropatias, edema e aceleração da degeneração
óssea; evitar uso da cáscara sagrada com alcaçuz e outras plantas de efeito laxativo; pode causar anemia. Seu uso deve ser
suspenso assim que surtir o efeito desejado, pois se usada por tempo prolongado pode vir a lesar o Qi (energia vital) da pessoa
tornando-a mais fraca e reduzindo a absorção de medicamentos. Em crianças e idosos a dose deve ser menor para evitar lesar a
energia vital. Erva contraindicada em nefropatias e hemorróidas, dor abdominal de origem desconhecida. Não utilizar casca que
não tenha sido tratada por calor ou com idade de 1 ano. O uso prolongado pode ainda causar albuminúria, hematúria, diminuição
do trânsito do intestino e problemas cardíacos. Doses elevadas podem destruir a flora intestinal. Não deve ser usada diariamente.

Interações medicamentosas: seu uso pode fazer decrescera absorção de algumas drogas. Tem interação com digitálicos.

Toxicidade:
Superdosagem – em doses acima de 8g em pó/dia ou 10g em decocção, causando diarréia, diminuição da pulsação e da
temperatura corporal.
Modo de usar:
1 cápsula ao deitar.
- Infusão ou decocção:
. 25g/litro de água.
. Laxativo: 50 a 100 ml ao dia.
. Purgativo: 200 ml ao dia.
- Deixar ferver ½ litro de água, despejar o equivalente a 1 colher de sopa do chá. Desligar o fogo, abafar, deixar esfriar e coar.
Tomar 1 copo 1 x ao dia.
- Pó da casca: laxativo: 0.25 a 1 gr./dia; purgativo: 3 a 5 gr./dia. Seus efeitos são percebidos de 8 a 12 horas após a ingestão,
conforme a sensibilidade individual.

Observações:
Utilizar doses baixas em hemorróidas. Em casos de necessidade de suplementação de ferro tomar a cáscara sagrada com espaço
mínimo de duas horas das doses de ferro. A cáscara sagrada diminui o efeito da indometacina devendo-se evitar o uso simultâneo.
A planta não deve ser utilizada por mais de uma semana sem pausa. Pode mudar a coloração da urina. Tem utilização terapêutica
similar ao Amieiro-negro. O uso da cáscara sagrada não cria a síndrome de dependência do laxante.

CASTANHA DA ÍNDIA:
Nome científico: Aesculus hippocastanum L.
Nomes botânicos: Hippocastanum vulgare,
Partes usadas: sementes, folhas, ramos e casca.
Sabor: doce, picante e quente.

Constituintes químicos:
Aescina, aesculina, fraxina, saponinas triterpenoídicas (aescina e aescigenina), flavonóides (canferol, quercetina, rutina, astragalin
e quercetrina), heterosídeos cumarínicos (fraxina, escopolina, aesculetina, aesculosídeo e aesculina), óleos fixos (ácidos oléico,
linoléico, palmítico, esteárico, e linolênico), taninos (ácido esculitânico, epicatequina, leucocianidina, leucodelfinina,), fitosteróis,
bases nitrogenadas (guanina, adenina, e adenosina), alcalóides imidazólicos (alantoína), aminoácidos (arginina), ácidos orgânicos
(cítrico, úrico), resina, vitaminas (B, K1, C, caroteno e pró-vitamina D), proteínas e açúcares.

Propriedades medicinais:
Adstringente, antiedêmica, anti-hemorroidal, antiinflamatória, estimulante, hemostática, redutora da permeabilidade capilar,
tônica, vasoconstritora, vasoprotetor.

Indicações (Uso interno):


Trata afecções circulatórias; coceira de varizes; cólicas menstruais; dores venosas; flebite; afecções cutâneas; sensação de peso e
dor nas pernas; TPM; vermífuga; estanca sangramentos crônicos de sangue escuro; febres crônicas e intermitentes; distensão
abdominal por gases; anorexia; malária; fístulas anais; digestão lenta; gases; sangramentos crônicos; febres crônicas; insuficiência
venosa crônica; redutor de edemas; inibe a acidez gástrica e secreções pepsinogênicas; melhora a circulação sangüínea; alivia
dores no epigástrio; isquemias periféricas; congestão venosa; acrocianose; tromboflebite profunda; estimula o apetite; aumenta os
sucos digestivos; fadiga; tosse com expectoração difícil; prisão de ventre; dores de cabeça; fragilidade capilar; artrose; asma; dores
nas costas; câncer; fragilidade capilar; celulite; resfriado; congestão; síndrome do túnel carpo; disenteria; diarréia; dismenorréia;
dispepsia; enterite; gripe; gastroenterite; gastrite; pressão alta; pressão baixa; endurecimento; hepatite; lupus; mastite; dores em
geral; prostatite; reumatismo; trombose; vertigens; edema pós-operatório; úlceras nas pernas; tosse convulsiva (folhas);
menopausa; obesidade; apresenta atividade vitamínica P.

Indicações (Uso externo):


Filtra a radiação UVB; flebites, varizes; dores venosas; edemas; hemorróidas; fístulas anais; acne; machucados; eczema;
hematoma; coceira; torções; queimaduras solares; inchaços; cãibra que forma uma bola nos músculos; contusões; rugas; rosácea;

Utilizações na MTC:
Nome chinês – Sha Lou Zi. Vitaliza o Xue e elimina estagnações. Para estagnação do sangue no útero e estagnação do sangue no
fígado. Promove a circulação do Qi no Jiao médio; para padrões de acúmulo de frio no estômago; regula o nível Shao Yang,
desobstruindo fígado em casos com febre e calafrios alternados, plenitude nos hipocôndrios e gosto amargo na boca; ativa
circulação do Qi os canais LO; tonifica o Yin do Fígado e Coração. Atua nos canais: F, E, I.G e P. Elemento Terra.

Contraindicações:
Evitar na gravidez e lactação, em pessoas com gastrite ou apetite excessivo; não usar em crianças; evitar uso concomitante com
medicamentos à base de ácido acetilsalicílico; evitar combinar com Cavalinha, Efedra e Gervão. Pode causar necrose dérmica,
dermatite de contato e hemólise. Diabéticos e pessoas com intolerância a glucose devem evitar o uso deste fitoterápico.

Interações medicamentosas: faz interação com anticoagulantes de via oral.

Modo de usar:
- decocção das cascas e sementes a 5 %: uso externo. Para lavagens, compressas, aplicar durante 15 minutos sem friccionar:
doenças da pele como dermatites, eczemas e inflamações gerais;
- tintura para uso interno e externo;
- sabonete, é indicado no tratamento de combate à pele oleosa. Pode ser usada como aditivo de protetores solares;
- decocção de 30 a 50 g de casca em 1 litro d'água. Beber 250 a 500 ml ao dia;
- infusão de 30 g de folhas em um litro de água. Beber dois a três copos por dia;
CAVALINHA:
Nome científico: Equisetum arvense L.
Parte utilizada: Raiz e partes aéreas.
Sabor: Amargo, neutro, adstringente, dispersante e fria.

Composição Química:
Silício, taninos, saponinas (equisetonina), flavonóides (isoquercetina, equisetrina e canferol), alcalóides (nicotina, palustrina e
outros), vitamina C e minerais (Ca, Mg, Na, F, Mn, S, P, Cl, K, etc.), ácido acetilsalicílico.

Propriedades medicinais gerais:


Diurético, hemostático, remineralizante, depurativo, sudorífico, anti-inflamatório, analgésico, cicatrizante externo, antibiótico,
sebostático, hipoglicemiante, antiblenorrágico, adstringente, anódino, carminativo, diaforético, antibacteriano, aquarético,
refrescante, emenagogo, hemolítico, imuno-estimulante, leucocitogênico, nefrotônico, tônico, vulnerário.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: úlceras estomacais, inflamação dos intestinos, pólipos do baixo-ventre e do esfíncter, cólica estomacal,
beneficia o estômago, pâncreas e o baço, flatulência, disenteria, gastrite, aerofagia.
Sistema Urinário e Genital: atua no trato urinário e sistema reprodutor masculino, incontinência em crianças, hemorragia uterina,
blenorragia, depurativa das vias urinárias, enurese noturna, prostatismo, orquite, distúrbios geniturinários, beneficia a bexiga,
metrorragia, febre puerperal, hematúria, afecções da próstata, oliguria, urolitíase, hiperuricemia, incontinência urinária noturna,
cistite, disúria, gonorreia, leucorreia branca, prostatite, estrangúria, retenção de líquidos, inflamação uterina, inchaço pré-
menstrual, adenoma da próstata.
Sistema Hepático: cálculos biliares, inflamação do fígado, congestão do fígado, beneficia o fígado, colecistite.
Sistema Respiratório: faringites, afecções dos brônquios e dos pulmões, tuberculose pulmonar, distúrbios respiratórios, afecções
pulmonares, hemoptise.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: hipotensão, ácido úrico, gota, desintoxicação do sangue, hemorragia nasal e
hemorroidal, anemia, hidromiocardia, arteriosclerose, auxilia a coagulação do sangue, epistaxe, hemorragias em geral, doenças do
sangue.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: gripes, herpes, tônico nervoso, estresse, problemas de memória, imunodepressão,
lúpus.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: artrites, artroses, flacidez da pele e dos músculos, osteoporose, osteomielite, elimina
cãibras, esporão do calcanhar, dores intervertebrais e vertebrais, aceleração da recuperação de ossos fraturados, dores nos ossos,
osteoartrose, mau desenvolvimento dos ossos, rupturas, reparação de tecidos, raquitismo, descalcificação dentária.
Sistema Renal: tuberculose renal, cálculos renais (pedra nos rins), bursite, beneficia os rins, nefrose, albuminúria.
Outros distúrbios: remove resíduos do corpo, diabetes, obesidade, edemas, bócio, unhas quebradiças, olhos irritados, exaustão,
afecções do ouvido e da garganta, hidropisia, vômito sanguinolento, úlceras cancerosas, fístulas, hiperidrose dos pés, tumores
malignos, acessos de raiva e manias, suplemento remineralizante, beneficia a tireoide e o apêndice, síndrome de olhos vermelhos,
patologias dos órgãos dos sentidos, inflamação dos dutos lacrimais, pterígio, câncer de ossos, câncer de abdômen, câncer de
mama, câncer de intestino, câncer de rim, câncer de cólon, câncer de lábios, câncer oral, câncer de fígado, câncer de estômago,
câncer de língua, fortalece a dentição, dores de cabeça, combate micobacteria, para intoxicação por hera venenosa, pólipos em
geral, cabelo fraco, infecções por estafilococcus e estreptococcus, corrige e mantém o equilíbrio do cálcio no organismo,

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: feridas necrosadas, prurido e erupções cutâneas, benéfica para a pele, eczemas e acnes, sicose, espinhas, evita
estrias, pé-de-atleta, unhas quebradiças, queimaduras, dermatose, frieiras, machucados, contusões, reparação de tecidos, pele
oleosa, poros dilatados.
Cabeça e face: alopecia, caspa, olhos irritados, conjuntivite (em compressas), afecções do ouvido, olheiras, tônico capilar,
inflamação dos dutos lacrimais.
Cavidade bucal: estomatite ulcerosa, pólipos do palato e da garganta (gargarejos e bochechos), afecções da garganta, aftas.
Músculos, ossos e articulações: inflamação ou supuração da pélvis renal (banho de assento), torções.

Modo de usar:
- infusão: misturar 50 g de folhas de camédrio, 40 g de folhas de alecrim e 10 g de sementes de coentro. Colocar uma colher (de
sopa) dessa mistura numa xícara de água fervente: dispepsia, aerofagia;
- tintura: macerar 5 g de sumidades floridas e folhas de camédrio em 50 g de álcool a 70º, por oito dias, filtrar e guardar o líquido
em um recipiente com conta-gotas. Tomar 20 gotas antes das refeições: inapetência;
- infusão: em um litro de água quente colocar 15 g de folhas e de sumidades florais. Coar e adoçar, tomar quatro calicezinho ao
dia: inapetência, constipação intestinal.
Uso externo: piorréia, gengivite.

CENTELHA ASIÁTICA:
Nome científico: Centella asiatica (L.) Urban.
Parte utilizada: folhas.

Constituintes químicos:
Ácidos: linoléico, palmítico, oléico, lignocérico, esteárico cêntico, centóico, betulínico e isobrâmico; alcalóide: hidrocotilina;
substância amarga: velarina; glicosídeo: asiaticosídeo; vitamina: ácido ascórbico; triterpenos: asiaticosídeo, madecassosídeo,
centelosídeo, brahmosídeo, thankunisídeo, isothankunisídeo; óleos essenciais: cânfora, cineol e n-dodecano; sapogeninas: ácido
asiático, madecássico, centélico, indocentóico, brâmico, thankúnico e isotankúnico; os açúcares: glicose, arabinose, frutose e
ramnose; outros: r-cimol, a-pineno, metanol, óleo alil mostarda e grandes quantidades de trans-b-farneseno, germacreno D e b-
cariofileno.

Propriedades medicinais:
Adelgaçadora, amarga, ampliadora da capacidade de memorização, antibacteriana, anticelulítica, antidepressiva, antidiarréica,
antiinflamatória, antiirritante, antileucorréica, antimicrobiana, antirreumática, antissifilítica, calmante, cicatrizante, depurativa,
desintoxicante, diurética, estimulante da circulação periférica, estimulante do metabolismo das gorduras, estimulante do sistema
linfático, galactógena, hipnótica, hipotérmica, lipolítica, queratolítica, redutora da fragilidade dos vasos, refrescante, regulador de
tecido conjuntivo, tônica, vasodilatadora periférica, vulnerária.

Indicações:
Afecções cutâneas, amenorréia, aparelho circulatório, articulações reumáticas, cãimbras, celulite, circulação de retorno,
constipação, desordens dermatológicas, eczema, furunculose, lúpus, úlcera varicosa, hematoma, rachaduras da pele, varizes,
psoríase, prevenção da formação de quelóides, acelerar a cicatrização pós-cirúrgicas, estimular a produção de colágeno e fibras,
inflamação periférico, feridas, úlcera de pele, lepra, melhorar o aspecto da pele (queimaduras), desordens nervosas, dismenorréia,
disúria, doenças do aparelho urinário e genital femininos, doenças vasculares periféricas, doenças venéreas, epistaxe, escrófulas,
formigamento, gordura localizada, hematêmese, hemorróidas, icterícia, malária, pernas pesadas e doloridas, sarampo, senilidade.

Contraindicações/cuidados:
Proibido para grávidas e lactantes, pessoas com insuficiência renal ou hepática, pessoas com gastrite e úlcera.

Efeitos colaterais:
Pode produzir foto-sensibilidade, irritação gástrica, aumento do colesterol, efeito sedante. Em excesso pode causar náuseas.

Modo de usar:
- folhas em saladas e como tempero (especialmente no sudeste da Ásia);
- cremes para o tratamento de acne e de rugas, prevenindo o envelhecimento precoce;
- compressas frias: inflamação nos olhos;
- loções e cremes: celulite;
- óleos de massagem corporal: estimular a circulação e promover a drenagem linfática;
- decocção ou infusão de 20 a 30 g por litro de água. Tomar durante o dia;
- banho: amassar em um pilão dois punhados da planta picada e por em infusão em ½ litro de água fervente. Abafar por 10
minutos. Tomar um banho morno e em seguida friccionar energicamente a loção com um pano sobre a área afetada. Esperar 15 a
20 minutos e tomar um novo banho;
- pó: tomar 0,5 g a 1 g/dia, após as refeições;
- Cataplasma: contusões, fraturas, torceduras e furúnculos;
- extrato seco: 0,05 a 0,20 g por dia;
- extrato fluído: 0,25 a 1 ml por dia;
- gel, creme e loçção suavizante: extrato glicólico 2-5%;
- creme reparador e restaurador: extrato glicólico 3-6%;
- creme após sol: extrato glicólico 1-5%.

CHANANA:
Nome científico: Turnera ulmifolia L.
Parte utilizada: folha; raiz.

Constituintes químicos:
Ácido tânico, cafeína, damianina, óleo essencial, pepsina, princípios amargos, resina, tanino.

Propriedades medicinais:
Adstringente, albuminúrica, antidispepsia, balsâmica, emenagoga, emoliente, estimulante dos órgãos sexuais, estomáquico,
expectorante, purgativa, tônica, tônico geral, tônico nervoso.

Indicações:
Albuminúria, bronquite, diabete, digestão, disenteria, dismenorréia (dor menstrual), dispepsia, dor de dente, dor em geral, dor nas
costas, febre, gripe, hemorragia, incontinência urinária, leucorréia, lumbago (dor na região lombar), má digestão, metrorragia
(sangramento do útero), puerpério (período pós-parto), reumatismo, tônico, tórax, vertigem, vesícula.

Modo de usar:
- infusão das folhas: emoliente, adstringente, diabete, albuminúria, tônico geral, má digestão, dispepsia, leucorréia.
- decocção das raízes: expectorante, incontinência urinária.

CHAPÉU DE COURO:
Nome Científico: Echinodorus macrophyllus Mich
Partes usadas: Folhas, suco do caule e rizoma.
Sabor: Amargo e refrescante.

Composição Química:
Alcaloides, flavonoides, iodo, holosídeos, heterosídeos cardiotônicos, resinas, sais minerais, saponina, tanino, triterpenos.
Propriedades medicinais gerais:
Diurético, depurativo, antirreumático, anti-inflamatório, laxativo, hepático, colagogo, adstringente, tônico, antiartrítico,
antissifilítico, energético, hipotensor, antinevrálgico, antilítico, antinefrítico, emoliente, anti-helmíntico, uricosúrico.

Propriedades medicinais de partes específicas da planta:


Suco do caule – antiofídico.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: afecções do estômago, úlceras,
Sistema Urinário e Genital: inflamação da bexiga, sífilis, doenças das vias urinárias, prisão de ventre, cistite, retenção urinária,
uremia, anúria, prostatite, albuminúria.
Sistema Hepático: cálculos da vesícula biliar, insuficiência hepática, afecções do fígado, problemas da vesícula, vitiligo, esteatose
hepática.
Sistema Respiratório: infecções das vias respiratórias, inflamações da garganta.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: ácido úrico, gota, limpa impurezas do sangue, pressão alta, aterosclerose, mau
colesterol, hipercolesterolemia, doença ateromatosa, doença aterosclerótica, demência aterosclerótica.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: nevralgia, gripe.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: artrite, reumatismo, dores nas juntas, lumbago, lombalgia crônica, dores nas costas.
Sistema Renal: cálculos renais, doenças renais, nefrite, pielonefrite, insuficiência renal.
Outros distúrbios: hidropsia, bócio, edemas, erupções cutâneas, para convalescença e debilidade orgânica, hidrofobia, picada de
cobra, síndrome de Cushing, lipodistrofia, dores de cabeça, elimina lombrigas (ascaris).
Indicações para uso interno de partes específicas da planta:
Folhas – artrite aguda
Rizomas – hérnia
Suco do Caule – dores de barriga

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: manchas da pele, moléstias da pele, sarna.
Outros distúrbios: prostatite (banho de assento).
Indicações para uso externo de partes específicas da planta:
Raízes – dermatoses, furúnculos, hérnia, reumatismo, hepatite crônica (cataplasma na região do fígado),
Folhas – erupções cutâneas, úlceras varicosas, dores reumáticas, eczemas, erisipela.
Suco do caule – picadas de cobra.

Medicina Chinesa (MTC):


A erva purifica o sangue (xue) e também é indicada em casos de invasão de vento-umidade nas articulações. Tonifica o Xue do
Fígado e o Yang dos Rins e da Bexiga. Atua nos canais do fígado, bexiga e rins. Seu elemento predominante é a água.

Modo de usar:
- infusão ou decocção de 20 g de folhas verdes por litro de água. Tomar 3 a 4 xícaras ao dia: uso geral. Pode ser usado também
para aplicação externa em compressas e lavagens;
- Cataplasma: rizoma seco e triturado. Aplicação tópica: hérnias;

CIDREIRA:
Nome científico: Hedyosmum brasiliense Miq.
Parte utilizada: amentilhos e folhas.

Constituintes químicos:
Ácido fumárico, sesquiterpeno lactona HB-15 e HB-8, b-sitoesterol glicosídeo.

Propriedades medicinais:
Antirreumática, analética, febrífuga, antidiarréica, antidisentérica, tônica, afrodisíaca, antibacteriana, analgésica.

Indicações:
Cefalalgias, doenças do ovário, frieiras, afecções estomacais, doenças pulmonares e urinárias, feridas, fraqueza, dor.

Modo de usar:
Disentérica, fraqueza: vinho. Dor: extrato alcóolico.

COENTRO:
Nome científico: Coriandrum sativum L.
Nomes botânicos: Selinum coriandrum Krause.
Partes usadas: folhas como condimentos, frutos para fins medicinais e aromáticos, raízes como hortaliça.
Sabor: doce e picante.

Constituintes químicos:
Óleo volátil coriandrol, anethole, camphor, limonene, geraniul, borneol, flavonoides rutin, quercetin, epigenin, coumarins psoralen,
angelicin, umbeliferone, acidos fenólicos, coriandrol, terpinol, borneol, terpineno, pineno, d-linalol, geraniol, cimeno, limoneno,
ácido acético, ácido oxálico, geranioleno, taninos, acetona.
Propriedades medicinais:
Diurético, estomacal, tônico, anti-inflamatório, carminativo, aintialergênico, alterativo, diaforético, antiespasmódico,
expectorante, vermífugo, febrífugo, estimulantes, estomáquicos, desinfetantes, depurativo intestinal, tônicos gastrointestinais,
sudoríficos, anti-histéricos, antiespasmódicos, excitantes, antissépticos, descongestionantes do fígado, antipútrido,
antimutagênico, anticéptico, contraceptivo, diurético, afrodisíaco, hipoglicêmico, larvicida, lipolítico, tônico.

Indicações (Uso interno):


Ansiedade, apetite excessivo, atonia gastrintestinal, cólica abdominal, debilidade estomacal, espasmo, gases, inflamação,
nervosismo, histerismo, cefaleias, alivia mal estar do estomago, resfria a sensação de queimação pelo corpo, renite, facilita a
excreção de metais pesados inclusive arsênio e mercúrio, acidez estomacal, estomago dilatado, picadas de cobra (pó), dores
histéricas, ameba, anorexia, bactéria, câncer de abdome, câncer de colón, câncer de fígado, câncer de útero, condiloma, diarreia,
disenteria, enterose, erisipela, pressão alta, hérnia, hemorroida, dor de cabeça, hiperglicemia, insônia, intoxicação, micose, lepra,
náusea, nervosismo, nevralgia, reumatismo, vômito, queimação da uretra, dor de garganta, alergia, febre do feno, cistite.

Indicações (Uso externo):


Abscesso, ferida, tumor, alergia, urticária.

Doses e Formulações:
Decocção: 15 a 20g/dia.
Infusão: 3 a 5g do fruto maduro por xícara de chá de água fervente ou infusão de 200 gramas de frutos da planta em 1 litro de
água. Tomar de três a quatro vezes ao dia, após as refeições.
Calor do sistema urinário, cistites, disuria e urina embaçada – infusão fria das sementes. Pode ser usada também topicamente.
Alergias, febre do feno e rashes cutâneos – uma colher de chá de suco fresco da planta três vezes ao dia internamente.
Coceira e inflamações – uma colher de chá de suco fresco da planta três vezes ao dia externamente, diretamente nas áreas
afetadas.
Tomar quatro xícaras pequenas ao dia.

CRAVO-DA-ÍNDIA:
Nome Científico: Caryophyllus aromaticus L.
Partes usadas: Botões florais secos e óleo essencial.
Sabor: Picante, amornante e aromático.

Composição Química:
Cariofilina (princípio amargo), tanino, amido, oxalato de cálcio, matérias mucilaginosas e resinosas e óleo essencial constituído por
uma mistura de eugenol, furforol, vanilina.

Propriedades medicinais gerais:


Digestivo, estomáquico, repelente, sudorífico, aperiente, carminativo, aromático, rubefasciente, tônico, estimulante geral,
circulatório, antibacteriano, antifúngico, antinevrálgico, antioxidante, antiparasitário, antiviral, hepatoprotetor, expectorante,
antifúngico, antiespasmódico, diurético, antineuralgico, cicatrizante, parasiticida.
Propriedades medicinais de partes específicas da planta:
Flores – antiemético, afrodisíaco, antidiarreico.
Óleo essencial – antisséptico, analgésico, vermífugo.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: dispepsias, náuseas(inclusive durante a gravidez), vômitos, cólicas e espasmos gastrointestinais, vermes,
tônico estomacal, diarreia, dor de estômago, fermentações, flatulência, aumenta a eficiência das enzimas digestivas, falta de
apetite, perturbações gástricas, infecção intestinal por cândida albicans, úlcera, distensão abdominal.
Sistema Urinário e Genital: tônico do sistema reprodutor masculino, candidíase, ejaculação precoce, emissão vaginal.
Sistema Respiratório: bronquites, asmas, resfriados, tosses, gripes, faringites, laringites, amidalites, tônico pulmonar, estimulante
respiratório.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: estimulante da pressão sanguínea, estimula a circulação, anemia, aumenta circulação
do sangue nas mucosas, extremidades frias.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: descongestionante dos vasos linfáticos, estimulante do sistema imunológico, falta de
memória.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: relaxante da musculatura lisa visceral.
Outros distúrbios: soluços, astenia (falta de energia), dá sensação de conforto, depressão.
Indicações para uso interno de partes específicas da planta:
Flores – vômitos por frio no estômago, borborigmos, anorexia, digestão difícil, impotência, baixa libido, auxilia na digestão de
alimentos pesados quando adicionada à comida.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: contusões, micoses de unha, acnes, feridas.
Cabeça e face: tratamento capilar em cabelos castanhos.
Cavidade bucal: higieniza a boca, inflamação das mucosas da boca, mau hálito,
Músculos, ossos e articulações: entorses, dores musculares e articulares, cãibras nas panturrilhas.
Outros distúrbios: leucorreia, candidíase.

Contraindicações:
Evitar o uso na hipertensão arterial e em casos de inflamações aguda. O óleo essencial não é indicado para massagens, pois sua
ação irrita a membrana mucosa e dermal. Evitar o uso na gravidez, pois pode causar contrações uterinas. Também evitar em casos
de alcoolismo, hemofilia, câncer de próstata, em problemas nos rins e do fígado e quando estiver fazendo uso de anticoagulantes.
A utilização contínua desta planta pode levar ao vazio de Yin ou condição de plenitude calor. Como é um fitoterápico muito
poderoso, deve ser usado com cuidado.

Medicina Chinesa (MTC):


O cravo-da-índia aquece o interior, expele o frio, elimina o frio no Aquecedor Médio, equilibra a deficiência do yang do Rim e
elimina o frio no estômago. Erva quente e estimulante, deve ser usada em fórmulas que visam tonificar o organismo. Atua nos
canais do Pulmão e Estômago. Seu elemento predominante é o fogo.

Modo de usar:
- infusão dos botões florais secos: uma xícara das de chá 2 vezes/dia;
- óleo acalma dor de dente;

DAMIANA:
Nome científico: Turnera aphrodisiaca Ward and Vasey.
Parte utilizada: folhas.

Constituintes químicos:
1,8-cineol, albuminoides, alfa-copaeno, alcalóides, alfa e beta-pinenos, arbutin, barterin, beta-sitosterol, calameneno, clorofila,
damianina (princípio amargo); delta-cadineno, gama-cadineno, goma, gonzalitosin-i, hexacosanol-1, heterosídeos hidroquinônicos
(arbutosídeo), heterosídeos cianogênicos, latex, luteolin, óleo essencial, p-cimeno, proteínas, quinovopyranosídeos, resina,
sesquiterpenos (alfa-copaeno, calameneno), taninos, tetraphyllin b, timol, triacontane, trimethoxyflavones.

Propriedades medicinais:
Adstringente, afrodisíaco, amargo, antiespasmódico, antidepressor, antisséptico urinário, aperiente, digestivo, diurético,
emenagoga, emoliente, estimulante do SNC, estomáquico, expectorante, hipoglicêmico, laxante, purgativo, tônico geral, tônico
nervoso.

Indicações:
Albuminúria, alcolismo, anorexia, asma, astenia (fraqueza), bronquite, catarro renal e cístico, cistite, convalescência, constipação
intestinal, debilidade, desordem respiratória, depressão, diabete, diarréia, dispepsia, disenteria, dismenorreia, doenças dos rins e
bexiga, doenças venérias, dor de cabeça, dor de estômago, eczema (de menstruação insuficiente), enurese (incontinência urinária),
espermatorréia, impotência sexual (e frigidez feminina), infecção, intestino, leucorréia, malária, nervos, paralisia, problemas de
visão, rins, renite, reumatismo, sífilis, úlceras pépticas, uretrite, vesícula.

Contraindicações/cuidados:
Gravidez, lactação, hipoglicemia. Não associar a outras drogas estimulantes (café, chá, guaraná, cola, ginseng, etc). Usar em
períodos curtos e descontínuos. Pode causar ansiedade, insônia, taquicardia, síndrome de intestino irritável. Em doses elevadas é
purgante.

Modo de usar:
- infusão: uma colher de sobremesa por copo de água. Uma a três vezes ao dia;
- infusão de 1 colher de sopa de folhas secas, esfareladas em 1 litro de água fervente. 3 xícaras de chá morno ao dia;
- extrato líquido: 2 a 4 ml duas vezes por dia;
- pó: 3 a 4 gramas de folhas em um copo de água 2 a 3 vezes ao dia;

DENTE DE LEÃO:
Nome Científico: Taraxacum officinale Weber ex F.H. Wigg.
Partes usadas: Raiz e folhas.
Sabor: Amargo, doce e frio.

Composição Química:
Ácido caféico, ácido cítrico, ácido dioxinâmico, ácido p-oxifenilacético, ácido tartárico, ácidos graxos, alcaloides, amerina,
aminoácidos, apigenina, carboidratos, carotenoides, cobalto, cobre, colina, compostos nitrogenados, estigmasterol, ferro,
fitosterol, flavonóides, fósforo, frutose, glicosídeo (taraxacosídeo), inulina, lactucopicrina, látex, levulina, luteolina, magnésio,
matéria graxa, mucilagem, níquel, óleo essencial, pectina, potássio, provitamina A, resina, sais de cálcio, saponinas, silicatos,
sitosterol, soda, sódio, stigmasterol, taninos, taraxacina, taraxacosídeos, taraxasterol, taraxerol, vitaminas: A, B1, C, PP, D;
xantofilas.

Propriedades medicinais gerais:


Anti-inflamatório, antitérmico, antibacteriano, antitóxico, antiviral, colagogo, estomáquico, antidispéptico, laxativo, galactagogo,
anti-infeccioso, resolutivo, aperitivo, digestivo, depurativo, hepatoprotetor, refrescante, desintoxicante, colerético, aquarético,
sudorífico, estomáquico, tônico, alergênico, inibidor de alpha-glucosidase, alterativo, antídoto, antiedêmico, antioxidante,
antirreumático, antisséptico, antiespasmódico, antitumoral, aperiente, adstringente, bifidogênico, canditicida, carminativo,
inibidor de COX-2, citotóxico, demulcente, desobstruente, diaforético, hepatotônico, hipoglicemiante, indutor de IL-1alpha, imuno-
estimulante, inibidor INOS, insulinogênico, intoxicante, lactagogo, litolítico, orexigênico, pancreaprotetor, fototóxico, prébiótico,
salurético, secretagogo, sialagogo, estimulante, indutor de TNF-alpha, nutritivo, antifúngico, aperitivo.
Indicações para uso interno:
Sistema Gastrointestinal: diarreias agudas, acidez gástrica e úlcera péptica, irregularidades do ritmo intestinal, úlceras,
intoxicação alimentar, hemorroidas, pancreatite, melhora a assimilação dos alimentos, sua ação elimina sobras de comida no
estômago, purifica o baço, pâncreas, aumenta a secreção dos sucos digestivos, azia, cólicas, congestão, disenteria, flatulência,
gastrite, pancreatite, escorbuto, esplenite, dor de estômago, alivia fermentações.
Sistema Urinário e Genital: para infecção urinária, endometriose, TPM, purifica a bexiga, candidíase, cálculos na bexiga, cistite,
edemas, dismenorreia, gonorreia, oliguria, uretrite, urolitíase, uterite, doenças venéreas.
Sistema Hepático: drenador hepático, hepatite aguda, febre com icterícia, aumenta produção de bile, facilita o esvaziamento da
vesícula biliar, purifica a vesícula biliar, disquinesias biliares, colelitíase, cirrose, cálculos biliares, hepatite B, insuficiência hepática.
Sistema Respiratório: para febres por faringite ou amigdalite, pneumonia, tosse, bronquite, catarro, tuberculose, dispneia.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: anemia, acidose, aterosclerose, gota, problemas cardíacos, reduz colesterol em
reações causadas por emoções intensas.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: resfriados, glândulas linfáticas inchadas, tonifica todo o organismo, fortificante dos
nervos, nervosismo, Mal de Alzheimer, anorexia, herpes, neurose, esclerose, escrófula.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: inflamação crônica da pelve, nutre os ossos e afasta osteoporose, melhora o
movimento articular, reumatismo, ossos fracos ou fraturados, dores nas costas.
Sistema Renal: purifica os rins, cálculos renais.
Outros distúrbios: para mordida de cobra, anti-inflamatório em doenças bacterianas, apendicite, problemas das mamas (câncer,
mastite e tumores, cistos), rico em sais minerais, celulite, obesidade, malária, diabetes, doenças da pele, câncer de lábio,
escarlatina, dores internas em geral, insônia, adenoma, maleita, alcoolismo, desnutrição, câncer de bexiga, câncer de intestino,
câncer de fígado, câncer de baço, calafrios, dores de cabeça, impetigo, endurecimentos, mucosidades, vertigens, vômitos,
rejuvenescimento, olhos vermelhos, pielose.
Indicações para uso interno de partes específicas da planta:
Raízes: depurativo do sangue, desintoxicação do fígado.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: eczema, carbúnculo, abscessos, acne, para infecções cutâneas como furunculoses e erisipela, picada de insetos,
doenças da pele, cânceres externos, verrugas, ferimentos, bolhas, ulcerações, dermatose, coceira, manchas hepáticas, psoríase,
contusões.
Cabeça e face: conjuntivite, olhos doloridos.
Cavidade bucal: cáries, dor de dente, inflamações da gengiva, boca e garganta, problemas dentários.
Músculos, ossos e articulações: inchaços.
Outros distúrbios: candidíase, picada de cobra.
Indicações para uso externo de partes específicas da planta:
Seiva do caule: sardas e manchas da pele.

Contraindicações:
Não usar na gravidez. Evitar seu uso em casos de náusea, vômito, nas diarreias crônicas, na esofagite e em obstruções do duto
biliar. A erva pode causar reações alérgicas em pessoas sensíveis. Em doses elevadas, pode ser tóxica causando diarreia, náuseas,
vômitos e azia intensa. Usar cuidadosamente em pessoas com vazio do Qi do Estômago e do BP. Evitar uso em pessoas com
problemas renais.

Interações medicamentosas:
Pode fazer interação com drogas antidiabéticas, antiácidos, bloqueadores de H2, lítio, diuréticos pobres em potássio e inibidores
da bomba de prótons.

Medicina Chinesa (MTC):


Seu nome chinês é Pugongying. Erva recomendada para tratamento de condições de invasão de vento-calor no Fígado, eliminar
calor tóxico, eliminar fleuma-umidade-calor, para estagnação do Qi do Fígado, eliminar fogo da Vesícula Biliar, no vazio do yin do
Fígado, drenar calor do Estômago, em sintomas de calor-umidade do Jiao médio, para reduzir abscessos e dissipar nódulos. Resolve
umidade. Esta é uma erva acumuladora de fluidos que deve ser usada sempre em associação a um diurético. Para tratar furúnculos
e carbúnculos utilizar associado à Viola odorata (Zihuadiding). Para icterícia do tipo umidade-calor usar em conjunto com
Artemísia capilaris (Yinchenhao). O Dente de Leão descende o calor e pode ser usado em condições de calor por estagnação de
alimentos e para remover calor do sangue (Xue). Tem atuação nos canais do Fígado, Vesícula Biliar, Rins, Bexiga, Baço/Pâncreas,
Estômago e Pulmões.

Modo de usar:
Infusão, decocção, vinho.
Folhas:
- secas: 4 a 10 g três vezes ao dia ou por infusão.
- infusão: 10 g de folhas por litro de água, como tônico e depurativo, 3 xícaras de chá por dia.
- sumo das folhas: cálculos renais e fígado.
Uso externo: vitiligo.
- folhas novas são usadas em saladas; as folhas velhas, refogadas e comidas como verdura;
Rizomas:
- deixar macerar por 1 dia 1 colher das de chá de raízes secas em 1 xícara das de chá de água. Tomar ½ xícara antes das refeições:
desintoxicante hepático e depurativo;
- 2 a 3 colheres de chá das raízes secas em 250 ml de água. Ferver 10 a 15 minutos. Tomar 3 vezes ao dia.
- 1 colher de chá de raízes secas em ½ copo de vinho tinto seco. Deixar macerar 10 dias. Tomar 1 cálice antes das refeições:
aperiente;
- raiz pulverizada: 1 g por dose, 4 g por dia.
- extrato fluido: 30 gotas, 3 a 4 vezes ao dia.
- macerar 1 colher-de-chá de raízes picadas em uma xícara de água, durante uma noite. Ferver no dia seguinte por cerca de 1
minuto. Tampar e deixar esfriar. Coar e tomar meia xícara em jejum e a outra metade após o café da manhã do mesmo dia:
depurativo e desintoxicante;
- tintura (1:5): 5 a 10 ml em 25% etanol, 3 vezes ao dia.
Raízes e folhas:
- 2 colheres-de-sopa de raízes e folhas picadas, em 1 litro de água. Ferver por 3 minutos, tampar até esfriar. Coar, tomar durante o
dia, dividido em várias doses: diurética.
- tintura mãe: 50 gotas, 3 vezes ao dia.
Raízes, flores e folhas novas podem ser consumidas cruas em saladas como estimulante da digestão.
Planta toda seca pulverizada: 1 g por dose, 3 a 4 vezes ao dia.

ERVA BALEEIRA:
Nome Científico: Cordia verbenacea DC.
Partes usadas: Casca e folhas.
Sabor: Amargo e adstringente.

Composição Química:
Pigmentos flavonoides, salicicatos, salicicato de metila, óleo essencial, açucares, naftoquinonas, artemetina, alantoína, artemina,
cordialina A e B, cordiaquinonas, J e K, 5-6-didroxi-3-3-4-6-7-flavona, entametoxi e pentametoxi.

Propriedades medicinais gerais:


Analgésico, anti-inflamatório, anti-hemorrágico, diurético, laxante, fungicida, cicatrizante, anti-infeccioso, tônico, febrífugo,
antimalárico, antiparasitário, eupéptico, bactericida e antiulcerativo.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: é um tônico protetor do sistema digestivo.
Sistema Urinário e Genital: na prostatite.
Sistema Respiratório: na hidropsia.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: para gota.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: para doenças reumáticas, artrite, artralgias, artrite reumatoide, lumbago, em dores
ciáticas, em contusões de toda ordem, dores musculares e da coluna vertebral e na mialgia.
Outros distúrbios: alivia febres.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: em feridas.
Cavidade bucal: para inflamações bucais.
Músculos, ossos e articulações: nas dores musculares e da coluna vertebral e em contusões.
Outros distúrbios: previne o aparecimento de ulcerações.

Contraindicações: Seu uso não é recomendado na gestação e lactação. Uso contínuo máximo de 4 semanas.

Medicina Chinesa (MTC): Erva utilizada para tratamento para síndromes BI. Atua no canal do Fígado e Estômago.

Pets e outros animais: A erva combate ectoparasitas em animais.

ERVA-CIDREIRA:
Nome científico: Melissa officinalis L.
Parte utilizada: parte aérea, óleo essencial.

Constituintes químicos:
Ácidos caféico, ácidos rosmarínico, ácido clorogênico, ácidos triterpênicos: ursólico e oleânico; óleo essencial (citral, citronelal,
citronelol, pineno, limoneno, linalol e geraniol), glicosídeos flavônicos, resinas, sesquiterpenos (cariofileno e outros), succínico,
tanino.

Propriedades medicinais:
Adstringente, analgésica, antialérgica, antidispéptica, antiespasmódica, antiinflamatória, antimicrobiana, antinevrálgica,
antisséptica, antiviral em diarréias (extrato cru), aromática, calmante, carminativa, cicatrizante, colagoga, colerética, cordial,
digestiva, diurética, emenagoga, estimulante, estimulante cutâneo, estomáquica, eupéptica, hipotensora, relaxante, revigorante
da pele, sedativa, sudorífera, tônica, tônico amargo.

Indicações:
Afecções gástricas, ansiedade, arrotos, artralgia, cãibras intestinais, catarros crônicos, caxumba, cefalalgias, celulite, circulação,
cólica, crise nervosa, debilidade geral, depressão, desmaio, diarréia de sangue, dor de cabeça, dores nos olhos, dores espasmódicas
das vias digestivas, enjôo, entupimento das mamas, enxaquecas, epilepsia, erupções, espasmo, fadiga, fastio, feridas, fígado,
flatulência, gases, gastralgia, hipocondria, hipertensão, histerismo, icterícia, inflamações dos olhos, insônia, irregularidades
menstruais, má circulação sangüínea, melancolia, nervosismo, nevralgia (facial, dentária), odontalgias, palpitação, paralisia, pele
(limpar e cicatrizar acne, revigorante, oleosidade), perfumaria, pericardite, picada de inseto, problemas digestivos, problemas
nervosos, problemas hepáticos e biliares, resfriado, taquicardia, tenesmo, tosse, vertigem, vesícula.
Contraindicações/cuidados:
Pessoas com hipersensibilidade à planta. Diminuição da pulsação e entorpecimento como efeito colateral.

Modo de usar:
- infusão de 25 a 50 g de folhas verdes em um litro de água. Tomar 3 a 4 xícaras ao dia;
- infusão de 1 xícara das de cafezinho de folhas verdes picadas para ½ litro de água. Tomar 1 xícara das de chá 4 vezes ao dia;
- infusão de 2 a 4 g de folhas secas três vezes ao dia;
- infusão de 3 colheres (chá) de folhas secas em 1 xícara de água (sedante);
- folhas frescas: aplicar sobre os olhos, para inflamações;
- lavagens intestinais: infusão (tenesmo e diarréia de sangue);
- bochechos: dores de dente;
- suco: mistura-se um pouco de sal às folhas contusas (caxumba);
- cataplasma:
. Das folhas frescas contusas, aplicar sobre o ventre, para dores de estômago, fígado e intestino; para picadas de insetos e
entupimento das mamas;
. Decocção das folhas a 3% - ação calmante em dores;
- extrato fluido em álcool 45%: 2 a 4 ml três vezes ao dia;
- tintura 1:5 em álcool 45% 2 a 6 ml três vezes ao dia;
- tintura mãe: 40 a 50 gotas, três vezes ao dia;
- alcoolato: 2 a 5 g ao dia;
- extrato alcoólico: 1,5 a 2,0 g ao dia;
- macerado: 3 a 5 g de erva em 100 ml de vinho branco por 5 dias. Tomar um cálice pequeno 2 ou 3 vezes ao dia: baixar febre de
gripe;
- licor caseiro: 2 mãos cheias de folha de melissa amassadas, 1 litro de vodka, 3/4 xícara de mel, casca ralada de um limão. Agite
bem e deixe descansar uma semana. Coe, engarrafe e espere três semanas antes de usar;
- aromatizante em saladas de hortaliças e frutas, omelete, molhos, carnes, etc.

ERVA DOCE:
Nome Científico: Pimpinella anisum L.
Nomes botânicos: Anisum vulgare Gaertn.
Partes usadas: Sementes, folhas novas e óleo essencial.
Sabor: Doce, picante e refrescante.

Composição Química: Anetol, óleo essencial.

Propriedades medicinais gerais:


Diurético, colerético, expectorante (associado com mel), carminativo, mucolítico, diaforético, antiespasmódico e antisséptico (em
doses elevadas), aromático, digestivo, galactagogo, fungicida, vermífugo e estimulante.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: tratamentos de má digestão, flatulência, cólicas abdominais e intestinais, diarreia, afecções digestivas,
dispepsia nervosa, vômitos, halitose, acidez estomacal, cólicas e espasmos.
Sistema Urinário e Genital: aumenta o fluxo menstrual.
Sistema Hepático: icterícia, insuficiência hepática.
Sistema Respiratório: tosses catarrais, asma catarral, bronquite (inclusive crônica), fluidifica secreção pulmonar.
Sistema Renal: males dos rins, aumenta a quantidade de urina.
Outros distúrbios: agalactia, dores de cabeça, estimula a produção de leite materno, lesões actínicas, vômitos e enjoos na gravidez
e soluço.

Contraindicações:
Evitar na gestação. Em doses elevadas, provoca intoxicação acompanhada de tremores e o uso crônico provoca convulsão e
confusão mental. Evitar em pessoas com problemas gastrointestinais. Seu uso pode causar alucinações. Em pessoas pré-dispostas,
pode causar alergia, mesmo em doses normais. O anetol, presente na planta, pode causar sensibilização ou irritação da pele.
Dentifrícios contendo óleo de anis podem causar sensibilidade, quelite e estomatite.

Interações medicamentosas:
A atividade estrogênica do anetol e seus dímeros podem alterar terapia hormonal (como no caso dos contraceptivos).

Toxicidade: Considerada planta segura nas dosagens recomendadas. A superdosagem pode causar alucinações e excitação.

Medicina Chinesa (MTC):


A Erva Doce estimula a produção de fluidos corpóreos (Jie), equilibra o vazio do yin do Pulmão, tonifica o Estômago e o Yang do
Baço/Pâncreas. Equilibra o vazio do Qi do Fígado, tonifica yang do Rim, elimina vento-frio do pulmão e elimina fleuma-umidade.
Atua nos canais do Fígado, Rins, Baço/Pâncreas, Estômago e Pulmões. Seu elemento predominante é Terra.

Pets e outros animais:


Nos cães: aumentar a produção de leite: 20g de sementes de erva-doce (anis) em pó, 20 g de sementes de funcho em pó, 40g de
açúcar. Misturar bem os ingredientes e administrar diariamente uma pitada 3 a 4 vezes ao dia.
Para as vacas: para aumentar a produção de leite, enriquecer a beberagem com 50g de sementes de erva-doce em pó, 50g de
sementes de funcho em pó, 40g de bagas de zimbro. Misturar os ingredientes entre si e colocar no cocho como uma beberagem
comum. Esta dose é suficiente para dois dias.

Modo de usar: 0,3 gs de extratos a 70-90%, por dose.

ERVA MATE:
Nome científico: Ilex paraguariensis A. St.-Hil.
Partes usadas: folhas e ramos.
Sabor: amargo.

Constituintes químicos: cafeína, teofilina, teobromina, ácidos fólicos, taninos, minerais e vitaminas A, B1, B2, C e E.

Propriedades medicinais:
Digestivo, diurético, estimulante, excitante, laxante, sudorífero, tonificante, hipoglicemiante, antioxidante, afrodisíaco.

Indicações (Uso interno):


Gripe, resfriado, febre, inflamação, neurastenia, depressão nervosa, constipação, ulcera, reumatismo, pâncreas, dores de cabeça,
elimina congestão cerebral pelo calor, evita desmaios, anemia, antraz, arritmia, artrose, astenia, asma, cálculos renais, câncer,
insuficiência cardíaca, diabete, dispepsia, disúria, edema, fadiga, pressão alta, infecções, isquemia, neuralgia, obesidade, oliguria,
dores, reumatismo, escorbuto, espasmos, retenção de líquidos, colesterol, sacia a fome, melhora a digestão, purifica a pele,
beneficia o sistema cardiorrespiratório, repara o DNA, auxilia perda de peso, neutralizador da ação de radicais livres, alivia mau
hálito, constipação intestinal, labirintite, prevenção ao Mal de Parkinson,

Indicações (Uso externo): hemorroidas, feridas.

Contraindicações:
O mate não se deve usar de forma continuada, nem sequer como medicamento, pois o seu conteúdo em cafeína cria dependência
e tolerância, como acontece com qualquer outra droga que vicie. Pode levar a insônia. Deve ser evitada na gestação. Deve ser
evitada por pessoas com ansiedade, pressão alta e problemas cardíacos. Pode causar dores de cabeça e náuseas em algumas
pessoas.

Doses: Chá – 20-40g de folhas por litro de água. Não se deve ingerir mais de 3 xícaras por dia.

ESPINHEIRA SANTA:
Nome Científico: Maytenus ilicifolia (Schrad.) Planch.
Partes usadas: Folhas, casca, fruto e raiz.
Sabor: Doce, amargo e neutro.

Composição Química:
Ácidos tânico, clorogênico, maytenóico, salasperônico, salicílico, d-amirina, taninos (4′-metil epigalocatequina e seu epímero 4′-
metil-ent-galocatequina), ansamacrólidos tipo maitanosídeos, glucosídeos, triterpenos quinóides e dímeros (maitensina,
maitomprina, maitambutina, atropcangorosina A, pristimerina, isopristemerina III, tingenona, isotingenona III, congoaronina,
congorosina A e B, friedooleanan-5-en-3, b-29-diol D, friedooleanan-29-ol-3-ona D, ilicifolina, maitenina maitanbutina,
maitolidina), diterpenos (dispermol, maitenoquinona), lactonas (maitanprina, maitansina), cafeína, polifenóis flavonóides
(quercetínico e kaempferólico), substâncias nitrogenadas, carotenóides, óleo essencial, mucilagens, açúcares livres, sais minerais
(ferro, enxofre, sódio, cálcio) e resinas, triterpernos friedelina, friedelanol, lupeol, lupenona, simiarenol, beta-amirina, beta-
sitosterol, estigmasterol, campesterol, ergosterol, brassicasterol, a-tocofenol, esqualeno, ácido hexadecanóico, terpenóides
(maitesina), maiteno, leucoantocianinas, proantocianinas. As sementes contêm 10 a 12% de óleo fixo. O conteúdo de taninos pode
chegar a 4,6%.

Propriedades medicinais gerais:


Colagogo, diurético, antiasmático, eupéptico, laxativo, adstringente, antiácido, analgésico, antiespasmódico, antidispéptico, anti-
inflamatório, antisséptico, antitumoral, aperiente, balsâmico, carminativo, cicatrizante, contraceptivo, desinfetante, digestivo,
emenagogo, febrífugo, estomáquico, sialagogo, tônico, vulnerário, anticancerígeno, antitóxico, hepático, antiulcerogênico.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: elimina gases, gastrite crônica, fermentações gastrointestinais, azia, vômitos, irritações e atonia
gástrica, gastralgias, anticancerígena em tumores do tubo digestivo em especial estômago e esôfago, para dor estomacal e
visceral, distensão abdominal, esofagite de refluxo, hérnia de hiato, adenocarcinoma gástrico, dispepsias inespecíficas, esofagite,
tumores malignos no aparelho digestivo, evita ressecamento das fezes, diminui acidez estomacal, provoca aumento do pH do
conteúdo gástrico e também paralisa fermentação do tubo gastrointestinal.
Sistema Urinário e Genital: estimula fertilidade, sífilis e na hiperprolactinemia.
Sistema Hepático: males hepáticos e hepatite.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: depurativo do sangue.
Sistema Renal: nos males renais.
Outros distúrbios: em fraqueza, o uso frequente ajuda no combate ao alcoolismo e alivia casos de intoxicação alcoólica e ainda em
casos de dipsomania.
Indicações para uso externo:
Pele e unhas: doenças de pele em geral, feridas e infecções.

Contraindicações:
Seu uso prolongado pode causar redução de leite em lactantes. Não usar em crianças e suspender imediatamente em casos de
hipersensibilidade. Pode provocar contrações uterinas. Evitar uso na gestação.

Toxicidade:
O extrato aquoso é abortifaciente em ratas grávidas (100mg/k g i.p.) e citotóxica em células Leuk-P 388, CA9kb e V79. A
administração por via oral de infusão e liofilizados de folhas, não mostrou qualquer efeito tóxico em doses de até 1.600 vezes
superiores àquelas recomendadas. Somente na administração intraperitoneal, observaram-se algum efeito sobre o SNC, como um
estado depressivo geral (Oliveira M, 1991). Porém, a maitenina provocou alguns quadros de dermatites localizadas quando
administrada via intradermica (Ferreira de Santana C., 1971). Foram observados casos de hipersensibilidade em um grupo reduzido
de pessoas.

Medicina Chinesa (MTC):


Indicada para deficiência do Yin do Estômago e do Fígado, para fleuma-umidade-calor e calor tóxico no Estômago. Elimina invasão
de vento-calor e de vento-frio. Regula o Qi e estimula a digestão. Erva substituta da fórmula magistral chinesa: Jian Pi Wan. Atua
nos canais do Estômago e Baço/Pâncreas.

Modo de usar da Espinheira Santa:


- A infusão das folhas, o chá das cascas e raízes (preparado por decocção) e os extratos, tinturas e cápsulas são indicados para o
tratamento de úlceras, indigestão, gastrite crônica, dispepsia, constipação intestinal, eczemas, falta de apetite, astenia, asma,
flatulência, anemia, insuficiência hepática, doenças dos rins e bexiga, feridas e furúnculos;
- Infusão: 2 colheres das de sopa de folhas secas picadas ou 12 folhas frescas grandes em 1 litro de água. Tomar antes das
principais refeições;
- Decocção: 30 g de folhas picadas em ½ litro de água. Ferver e, após esfriar, tomar 3 xícaras ao dia (úlcera interna);
- Compressas: ferver 10 folhas em ½ litro de água. Esfriar e aplicar topicamente em feridas;
- Tintura: 2 colheres das de sopa a cada 8 horas;
- Infusão: 20 g para 1000 ml de água. Tomar 3 a 4 xícaras ao dia;
- Pó: 400 mg de pó, 1 a 2 vezes ao dia;

EUCALIPTO:
Nome Científico: Eucalyptus ssp.
Partes usadas: Folhas, flores e óleo essencial.
Sabor: Picante, amargo e amornante.

Composição Química:
Ácido butírico, ácido gálico, ácido hidrociânico, ácido isobutírico, ácido isovalérico, ácido quínico, ácido tânico, álcool cumínico,
borneol, benzaldeído, butiraldeído, carvone, cimeno, cineol, citral, ellagitaninos, eucaliptol, geraniol, isopreno, isovaleraldeído,
felandreno, flavonóides, limoneno, linalol, pineno, quercitrina, rutina, saponina, triterpenos e valeraldeído.

Propriedades medicinais gerais:


Antigripal, diurético, anti-inflamatório, antisséptico, vulnerário, febrífugo, expectorante, adstringente, anti-helmíntico, balsâmico,
hipoglicemiante, estomáquico, sedativo, tônico, bactericida, antiviral, repelente, estimulante, desinfetante, antimalárico,
antifúngico, antipirético, aromático, antiespasmódico, antirreumático, antioxidante, vermífugo, calmante, refrescante,
desodorante, broncodilatador e também é um sudorífico, purgativo.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: disenteria, afecções bucais e estomacais e também, vermes intestinais.
Sistema Urinário e Genital: cistite e infecção urinária.
Sistema Respiratório: pára corizas, inflamação na garganta, bronquite, rinite, asma, tuberculose, sinusite, fluidifica secreção
respiratória, pneumonia, bronquite e ainda, difteria.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: gota, problemas de circulação e também estimula fluxo sanguíneo local.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: ciática, nevralgia, resfriado, gripe, e na neuralgia.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: para tratamento de reumatismo.
Sistema Renal: na nefrite.
Outros distúrbios: equilibra energias, usado em saunas para purificar o ar, analgésico para cefaleia, febre, tem ação antibacterial
sobre Staphylococcus aureus, Shigella dysenteriae, Haemophilus influenzae, enterobacteria, Escherichia coli, Pseudomonas
aeruginosa, Candida albicans, Klebsiella pneumoniae, Salmonella spp., Helicobacter pylori, seu agradável aroma tem efeito
positivo sobre o sistema límbico, enxaqueca crônica, dor de cabeça congestiva, malária e ainda no tétano.
Indicações para uso interno de partes específicas da planta:
Flores – leucorreia (flores brancas).

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: chagas, herpes simples, queimaduras, acne e também em bolhas.
Cabeça e face: na ozena e na foliculite.
Cavidade bucal: em herpes labial.
Músculos, ossos e articulações: dores musculares e articulares.
Indicações para uso externo de partes específicas da planta:
Folhas: mau-hálito e garganta inflamada (gargarejo).
Óleo essencial: picada de insetos e como repelente de insetos.

Contraindicações:
O eucalipto deve ser evitado na gravidez e na lactação; em pessoas com sensibilidade ao eugenol; em portadores de doenças
inflamatórias do trato gastrointestinal e/ou dos dutos biliares ou doenças hepáticas graves. O uso no rosto ou nariz de crianças
pode causar reação alérgica e mesmo espasmos na laringe. Em preparações concentradas, pode causar náuseas, vômitos,
queimação epigástrica e diarreia. Mais raramente pode ocorrer dermatite de contato, rash micropapilar, eritema e prurido.
Não se deve nunca ingerir o óleo essencial puro. Em doses elevadas, a essência pode provocar gastroenterite e hematúria. Não
aplicar preparados de eucalipto na face, principalmente na região do nariz.

Interações medicamentosas: Seu uso pode potencializar efeitos de medicamentos antidiabéticos.

Toxicidade:
O vapor do eucalipto pode transmitir o fungo Aspergillus. O óleo essencial pode ser fatal se ingerido. Superdosagem ou
hipersensibilidade pode causar náusea, vômitos e diarreia.

Medicina Chinesa (MTC):


O eucalipto elimina fleuma-umidade-calor do pulmão, corrige vazio do yin do pulmão, utilizado em ataque de vento-calor, elimina
fleuma-umidade da bexiga. Elimina a estase do sangue e a estase do Qi e do frio. Elimina fleuma-umidade-calor no Jiao superior.
Atua nos canais do Intestino Grosso, Bexiga, Pulmões, Coração, Baço/Pâncreas e Estômago. Erva associada ao elemento Metal.

FO-TI:
Nome científico: Fallopia multiflora (Thunb.) Czerep.
Parte utilizada: raízes.

Constituintes químicos:
Ácido crisofânico, amido, antraquinonas, betacaroteno, crisofanol, d-catequina, d-epicatequina, emodina, lecitina, rapontina,
reína, riboflavina, tiamina, vitamina C.

Propriedades medicinais:
Antiinflamatória, antioxidante, cardiotônica, energizante, estimulante, fortalecedora, hipocolesterolêmica, hipotensora, laxante,
rejuvenescedora, revigorante, tônica.

Indicações:
Rejuvenescimento, fertilidade, constipação, fortalecer e desinflamar lesões nos joelhos, tendões e ligamentos de ossos, aumenta a
resistência dos músculos, ativar funções cardiovasculares, colesterol, pressão sanguínea.

Contraindicações/cuidados:
Pode causar brotoejas (erupção cutânea com vesículas e acompanhadas de prurido) em pessoas sensíveis.

Efeitos colaterais: a raiz pode causar diarréia, e o uso excessivo, o enfraquecimento dos membros.

FUCUS:
Nome científico: Fucus vesiculosus L.
Parte utilizada: talos secos.

Constituintes químicos: ácido algínico, polissacarídeos, polifenol, bromo, iodo, potássio, sódio, vitaminas, minerais, aminoácidos.

Propriedades medicinais: laxativo, antiácido.

Indicações: bócio, escrófula, obesidade, soltar o intestino.

Contraindicações/cuidados: não usar na gravidez e no aleitamento. Não associar a aspirina, tosse e frio.

Modo de usar: extrato seco: 1-1,5 g/dia.

FUNCHO:
Nome Científico: Foeniculum vulgare Mill.
Partes usadas: Frutos, raízes cilíndricas axiais, sementes, folhas verdes e a cepa carnuda.
Sabor: Doce, picante e amornante.

Composição Química:
O fruto contém óleo essencial, anetol (60% do óleo), estragol, felandreno, funchona, açúcar, sais minerais, mucilagem, aleurona,
fencone, fineno, anetoleno, landreno, pineno, dipenteno, fenono, andreno, ácidos málico, fosfórico, sucínico e tânico, foeniculina,
metil-chavicol, d-limoneno, vitaminas A, B e C. A raiz contém ácido málico, óleo essencial, matérias resinosas e pécticas. O teor de
óleo essencial do fruto varia de 2,0 a 6,0%, contendo cerca de 50 a 60% de anetol.
Propriedades medicinais gerais:
Aromático, emenagogo, estimulante, expectorante, galactagogo, purificante, rubefasciente, tônico, digestivo, laxativo,
antiespasmódico, antitússivo, resolutivo, antiemético, antidiarreico, antidispéptico, estomáquico, oftálmico, hepatoprotetor,
hipotensor, vermicida, antídoto.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: azia, cólica por gases, diarreia, dispepsia, problemas do estômago, elimina gases, vômito, má digestão,
laxante suave, borborigmos, náusea, diarreia fétida, aerofagia, elimina parasitas intestinais.
Sistema Urinário e Genital: cólica menstrual, dismenorreia, distúrbio urinário, menstruação irregular, dores na bexiga, cistite,
dificuldade em urinar, micção com urina amarela escura e com queimação, micção com urina turva, incontinência, amenorreia,
harmoniza a micção, tônico uterino.
Sistema Hepático: problemas do fígado.
Sistema Respiratório: bronquite, tosse.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: gripe.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: cãibra, dor muscular e reumática, espasmo, hérnias inguinais, dores lombares, relaxa a
musculatura do baixo ventre,
Sistema Renal: males dos rins, dissolução de cálculos renais.
Outros distúrbios: conjuntivite, inflamação, problemas oculares, indicada para aliviar efeitos colaterais da quimio ou radioterapia,
antídoto para envenenamento por cogumelos e outras ervas tóxicas.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: impigem.
Cabeça e face: cansaço oftálmico, olhos inflamados.
Cavidade bucal: rouquidão.

Contraindicações:
Não devemos usar o funcho na gravidez e pessoas asmáticas com forte tendência alérgica. O óleo essencial pode causar
convulsões e não deve ser usado em menores de 5 anos. Evitar a erva também em situações de vazio de yang ou plenitude. É
sedativa para crianças pequenas.

Interações medicamentosas:
Existe uma preocupação teórica de que a ciprofloxacin é eliminado do corpo, no dobro da quantidade habitual, quando é
administrado o funcho. Em ratos, foi observada a diminuição das concentrações plasmáticas da quinolona.

Toxicidade:
O uso de mais de 20g/litro pode ser convulsionante. O óleo essencial, em doses elevadas, pode causar alucinações, convulsões
tremores.

Medicina Chinesa (MTC):


Seu nome chinês é Xiao Hui Xiang. Harmoniza o funcionamento do Estômago. Aquece os Rins e move o Qi do Fígado. Expele o frio e
é indicado para vômitos por frio no Estômago. Expele frio do canal do Fígado. Remove fleuma-umidade-calor do Pulmão e tonifica
o Yin do Pulmão. Elimina vento-calor externo. Remove umidade-fleuma-calor da Bexiga. Erva presente na fórmula Hui Xiang San,
um pó que trata apendicite com dor no baixo ventre e nos genitais. Também presente na fórmula San Ceng Hui Xiang Wan (Three
Layers Fennel Pills) que trata hérnia por sintomas de frio, que inclui dor em volta do umbigo e abdômen, aumento dos testículos
com inchaço, distensão e afundamento do escroto que afeta o caminhar ou os testículos ficam frios e duros como pedras e,
gradualmente, vão aumentando de tamanho (uso local). Seu elemento predominante é a Terra. Atua nos canais do Estômago,
Vaso Governador, Vaso Concepção, Bexiga, Baço/Pâncreas, Fígado, Rins e Pulmões.

Pets e outros animais:


Em cães: para aumentar a secreção láctea das cadelas preparar 20g de sementes de anis em pó, 20g de sementes de funcho em pó
e 40g de açúcar. Misturar os ingredientes e administrar a mistura em ½ colher de chá por vez, 3X ao dia.

GARCÍNEA CAMBOJA:
Nome científico: Garcinia cambogia Desr.
Parte utilizada: cascas secas dos frutos, fruto.

Constituintes químicos: ácido (-)-hidroxicítrico, fenol, ácido acético, ácido garcinólico, cálcio, carbohidratos, traços de pectina.

Propriedades medicinais:
Hepática, hipocolesterolêmica, lipolítica. Reduz a absorção de colesterol e triglicerídeos. Aumentar a sensação de saciedade
(diminuir a fome).

Indicações: obesidade, inibição de apetite, colesterol, triglicerídeos, lipídios polares, uremia, problemas no fígado devido malária.

Contraindicações/cuidados: gestantes nutrizes e crianças. Em doses altas podem causar diarréia, cólica, náusea, vômito.

Modo de usar:
500 mg até 3 vezes ao dia (uma hora antes das refeições principais).
- extrato da casca do fruto: obesidade, inibição de apetite, colesterol, triglicerídeo, lipídios polares.
- fruto: uremia, fígado.
Nota:
A Garcinia acelera a queima de calorias (processo termogênese) e previne o acúmulo de gordura no sangue (principalmente
triglicérides). Usar uma hora antes das refeições sob prescrição médica.

GENCIANA:
Nome científico: Gentiana lutea L.
Parte utilizada: folhas, raízes.

Constituintes químicos: açúcares, glicosídeo (genciopicrina), amarogencianina, fenóis, alcalóides, xantonas, pectina.

Propriedades medicinais:
Antidiabética; antiemética; antiinflamatória; antimicrobiana; aperiente; colagoga; venérea; digestiva; emenagoga; laxante;
sialagoga; vermífuga; febrifuga; leucocitógeno; anti-histamínico; anti-hipersensitivo; anti-pirético; anti-reumático; sialogoga;
colerética; secretagoga;

Indicações (Uso interno):


Estimulante da circulação sangüínea; tônica estomacal, do fígado e vesícula; tônico geral; alergias; amenorréia; anemia; anorexia;
artrite; azia; litíase biliar; convalescência; debilidade muscular; diabetes; diarréia; dor reumática; escrofulose; esgotamento; febre;
flatulência; astenia; gastrite; gota; hiperglicemia; histeria; icterícia; indigestão crônica; náusea; problemas digestivos; resfriado;
vermes intestinais; desperta alegria; insuficiência hepática; colerética; depurativa; disenteria; estimulante do suco gástrico;
hipertensão; olhos vermelhos; garganta inflamada; otites; surdez repentina; em dores; edemas dos genitais; prurido vaginal;
cefaléia; espasmos; convulsões; hepatite; abscesso; gânglios fistulados; escorbuto; hipotireoidismo; rinite atrófica; depressão;
dismenorréia; síndrome de Meniere; herpes genital; obesidade; paludismo; varizes; edema genital; sinusite crônica e aguda; falta
de apetite; constipação; dispepsias,

Indicações (Uso externo): condicionante para cabelos; psoríase; caspa;

Contraindicações/cuidados:
Na gravidez e lactação; em casos de úlceras gastrointestinais; síndrome de Zollinger-Ellison; pessoas nervosas; doses elevadas
podem causar dores de cabeça, dispepsia, náusea e vômito; em pacientes com histórico de hiperacidez ou pressão alta deve ser
evitada. Evitar em pessoas com diarréia. O uso prolongado desta planta pode lesar o baço-pâncreas.

Interações medicamentosas: interage com drogas antiácidas, inibidores da bomba de prótons e antagonistas de H2.

Utilizações na MTC:
Nome chinês – Jue Chuang. Utilizada em síndromes de fleuma-umidade e fleuma-umidade-calor do Fígado; em fogo do Fígado;
elevação do yang do Fígado; em vento-calor do Fígado; elimina calor do Jiao médio e inferior; tonifica o sangue; vazio do yang do
Rim; vazio do sangue do Fígado. Planta constituinte da fórmula chinesa LONG DAN XIE GAN WAN – Lung Tan Xie Gan Pills (Decocto
de Gentiana) que tem por ação drenar Fogo Interno de Fígado (Gan) e Vesícula Biliar (Dan) e regular o Calor e Umidade dos 3
Aquecedores (Sanjiao). Esta fórmula é indicada quando a língua estiver vermelha, com os lados mais vermelhos e revestimento
amarelo e seco. Atuação nos canais: B, E, BP, F e VB. Elemento predominante na MTC: Madeira.

Modo de usar:
- extrato ou decocção ou infusão das folhas e raízes: problemas digestivos, vermes intestinais, febre, dor reumática, gota, alergia,
amenorréia, anemia, anorexia, indigestão crônica, circulação, resfriado, diabete, diarréia, esgotamento, flatulência, cálculo biliar,
gastrite, azia, hiperglicemia, histeria, icterícia, náusea, escrofulose, vômito. Tomar meia hora antes das refeições. No caso de pó
das raízes ou folhas tomar 1 g por dose.
- decocção de 1 a 2g de raiz seca de genciana. Deixar ferver por 5 a 6 minutos. Desligar o fogo, tapar e deixar esfriar. Tomar meia
hora antes das refeições. Pode adoçar com mel.

GENGIBRE:
Nome Científico: Zingiber officinale [Willd.] Roscoe.
Partes usadas: Rizomas e óleo essencial.
Sabor: Picante e quente.

Composição Química:
Ácido ascórbico, ácido aspártico, ácido glutâmico, ácido piperólico, amido 40-60%, arginina, asparagina, carboidratos, óleo volátil
(1 a 3%) (1,8-cineol, acetado de geranila, acetados de zingiberol, b-bisaboleno, beta-felandreno, borneol, canfeno, caprilatos de
zingiberol, chugaóis, citral, d-canfeno, falandreno, farsenol, fenilalanina, geraniol, glicina, gingediol, gingeróis, gingerona, linalol,
sulforafane, zingerona, zingiberol, zingibereno), proteínas 10%, gorduras 10%, princípios amargos, sais minerais, resinas,
saponinas.

Propriedades medicinais gerais:


Afrodisíaco, antiálgico, antiasmático, anticancerígeno, antibiótico, antinevrálgico, antidepressivo, antidiarreico, antiemético,
antigripal, anti-hemorrágico, anti-inflamatório, antimicrobiano, antioxidante, antirreumático (uso externo), antisséptico,
antitrombótico, antiulcerogênico, aperiente, aromático, bactericida, rubefasciente, carminativo, colagogo, conservante, digestivo,
estomáquico, eupeptico, excitante, expectorante, hepatoprotetor, hipocolesterologênico, lipolítico, odontálgico, revulsivo,
sialagogo, tônico, vitaminizante, cardiotônico, nervino, imuno-estimulante, sudorífico, hipertensor, antitóxico, tônico,
antitrombótico, antidepressivo, béquico, antiescorbútico, analgésico, diaforético, febrífugo, desinfetante, cefálico, antitérmico,
fototóxico e também é um excitante.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: na aerofagia, cólicas do estômago e intestino, dispepsia atônita, flatulência, halitose, meteorismo, reduz
triglicerídeos, para diarreia bacilar (erva fresca), elimina gordura, aumenta o tônus da musculatura intestinal e o peristaltismo,
estimula a salivação, diarreia crônica, intoxicações (principalmente por frutos do mar), estimulante geral do sistema
gastrointestinal, inapetência e em casos de digestão pesada.
Sistema Urinário e Genital: para impotência sexual, menorragia e também nos casos de aborto espontâneo.
Sistema Hepático: nas afecções do fígado.
Sistema Respiratório: na asma brônquica, broncorreia pulmonar, catarros crônicos, rouquidão, tosse, congestão nasal, bronquite
crônica, tosse com muco branco e abundante e também para fortalecimento do sistema respiratório.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: em casos de pés e mãos frios, gota, saturnismo e ainda é um estimulante da
circulação periférica.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: em casos de anorexia, ciatalgia, paralisia, resfriado, pequeno mal epilético, gripes de
repetição, miastenia gravis, e também age como estimulante cerebral.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: nas dores musculares, edemas artríticos e reumáticos, em traumatismos e nas dores da
coluna.
Sistema Renal: na insuficiência renal.
Outros distúrbios: para tonsilite, beribéri, cólera morbus, enjoo e cinetose (erva fresca), enxaqueca, ressaca, eleva glicose, nas
reações idiossincráticas como sensibilidade a medicamentos, na sensibilidade ao frio, reações idiossincráticas a drogas, dor de
garganta, dor de cabeça, dores pelo corpo e ainda em casos de enjôo matinal gestacional.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: em feridas, impurezas da pele, frieiras em queimaduras.
Músculos, ossos e articulações: na cervicalgia e na lombalgia.
Outros distúrbios: age como inseticida e também utilizado em casos de orquite.

Contraindicações:
Evitar seu uso na gravidez e na lactação, em pessoas com úlceras e em casos de sudorese excessiva. Se a erva for utilizada seca,
deve ser evitado o uso em hipertensos, em diarreias agudas, na presença de catarro amarelo. Usar com atenção na litíase biliar.
Em doses elevadas, pode provocar gastrite. Também pode causar sangramentos, doenças inflamatórias da pele, úlceras e febre
alta, em alguns casos.

Medicina Chinesa (MTC):


Seus nomes chineses são: Gan jian (seco) e Shen jiang (fresco). Quando utilizada a raiz (rizoma) fresca, sua ação aquece e liberta ao
exterior e é recomendado para invasão de frio externo, frio no Estômago, frio no Pulmão, umidade-frio no Pulmão e também para
harmonizar uso conjunto com outras ervas e por sua desintoxicante. O uso da raiz seca sua indicação é para casos de frio interno,
vazio do yang do Baço, frio do Estômago, vazio do yang, fleuma-umidade do Pulmão, frio do Pulmão e para direcionar o Qi para
baixo e regular o Wei Qi. Sua atuação se dá nos canais do Estômago, Baço/Pâncreas e Pulmões. Evitar seu uso em casos de calor
do pulmão, calor do estômago com vômito. A erva seca deve ser evitada em casos de deficiência do yin do rim e em vômitos por
calor no estômago.

Pets e outros animais: Utilizado na ração de aves, pois estimula à postura de ovos.

Modo de usar:
- diarréia; 3 a 9g/dia;
- decocção de 50 g de rizoma em 1 litro de água ou 1 colher das de chá em 1 xícara das de chá de água. Tomar 1 xícara 3 vezes ao
dia, adoçada com mel (tosse, asma, bronquite e cólicas);
- cataplasma do rizoma moído ou ralado em um pedaço. Aplicar sobre o local afetado (reumatismo e traumatismos na coluna
vertebral e articulações; nevralgias e hemorróidas).
- pó: para vômitos.
- rizoma fresco: mascar um pedaço (rouquidão, náuseas, dores estomacais e ânsia de vômito).
- tintura de 100 g do rizoma moído em 0,5 L de álcool. Fazer fricções tópicas (reumatismo).
- xarope do rizoma ralado misturado com mel;
- suco de um rizoma moído. Coar a aplicar topicamente em ferimentos e cortes;

GERGELIM:
Nome científico: Sesamum indicum L.
Partes usadas: sementes, folhas e óleo.
Sabor: doce e neutro.

Constituintes químicos:
Ácidos graxos, ácidos linoléicos, ácidos oléicos, carboidratos, colina, estearina, fitina, fitosterina, fitosteróis, glicerol, globulina,
lecitina, lignanas, miristina, oleína, palmitina, proteínas, resina, sais minerais, sesamol, sesamolina, sesamina, sesamindicina,
vitamina E, B1, BZ e C.

Propriedades medicinais:
Tônico; antianêmico; laxativo (sementes); anti-reumático; cosmético; analgésico; adstringente; antidiabético; bactericida; diurético
(sementes); estimulante; galactagogo; hipoglicêmico; relaxante; resolutivo; repelente; afrodisíaco; calmante; antioxidante;
demulcente e emoliente (sementes); hidratante; antiartrítico;

Indicações (Uso interno):


Artralgias; otites; envelhecimento precoce; para cólica abdominal; prisão de ventre; ativa o funcionamento dos rins e estômago;
(O.E); taquicardia; amenorréia e dismenorréia (em pó); tem efeito imunomodulador; leucopenia; pancitopenia; hipotensão arterial;
polimiosite; catarata; todos os tipos de esclerose; insuficiência renal; anemia; emagrecimento; pele seca; regulador das fezes;
tônico do sangue e do organismo como um todo; hidropsia; cólica intestinal; palpitações; insônia; ansiedade precordial;
excitabilidade nervosa; histeria; úlcera; epilepsia; nevralgia facial; alienação mental; isquialgia; afecções gerais dos nervos;

Indicações (Uso externo):


O óleo essencial é utilizado para entorses; ulcerações; reumatismo; queimaduras; escaldaduras; para peles secas e relaxamento da
musculatura dolorida por atividade física; limpeza de pele e rosto; chagas; nevralgia facial; manchas na pele; empingem;

Utilizações na MTC:
Nutre a essência; tonifica o Yin do Rim e do Fígado; nutre o sangue e elimina vento; umedece e lubrifica os intestinos; nutre os
tendões. Atuação nos canais: R e F. Elemento predominante na MTC: Terra.

Contraindicações: em casos de diarréia. Doses muito elevadas podem causar aborto, aumento de peso.

Modo de usar:
- chá das folhas: adstringente para diarréia;
- óleo das sementes: laxante brando, dores de ouvido, queimaduras, em clister, cólicas abdominais, galactagogo, reumatismo,
diabetes, taquicardia, emplasto em queimaduras;
- fabricação de cremes: tratamento de problemas de pele, inflamações e úlceras, ingrediente de produtos de proteção solar, óleo
carreador de cosméticos em geral.

GERVÃO:
Nome Científico: Stachytarpheta cayennensis (Rich.) Vahl.
Partes usadas: Toda a planta.
Sabor: Picante, amargo e amornante.

Composição Química:
Verbascosídeo, ácidos clorogênico, γ-aminobutírico, cafêico e ursólico, dopamina, N-dotriacontano, hentriacontano, ipolamida, N-
nonacosano, N-pentriacontano, α-espinasterol, tafetalina, fridelina, hispidulina, escutelareína, estarquitafina, citral, geraniol,
verbenalina, dextrina e ácido salicílico.

Propriedades medicinais gerais:


Diurético, tônico, cicatrizante, estimulante, inseticida, sudorífico, analgésico, anti-inflamatório geral de uso interno e externo,
modulador, colagogo, vasodilatador, anti-histamínico, antitussígeno, antiespasmódico, antiácido, vermífugo, larvicida,
emenagogo, diaforético, galactagogo, vulnerário, hepatoprotetor, gastroprotetor, antiulcerativo, inibidor da secreção gástrica,
antipirético, sedante, antilítico, anti-hipertensivo, antibacteriano, detersivo, anticatarral, antidiarreico, antiemético, anti-
hemorroidário, depurativo, febrífugo, hipoglicêmico, laxativo, panaceia, purgativo, sudorífico, fungicida e béquico.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: nas afecções gástricas, hemorroidas, diarreia, vômito, elimina vermes intestinais e parasitoses externas
e internas, refluxo gastresofágico, úlceras, constipação, digestão lenta, fraqueza estomacal, azia, acidez, desinteria, na dor de
estômago, indutor da motilidade intestinal, queimação e para inchaço do baço.
Sistema Urinário e Genital: na disúria.
Sistema Hepático: para afecções do fígado, hepatite (inclusive crônica), age no fígado, icterícia, colecistite, malária e na
insuficiência hepática.
Sistema Respiratório: na tosse, rouquidão, bronquite, na presença de catarro, afecções respiratórias e na asma.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: nas cardiopatias.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: para gripe, febre, afecções alérgicas e em distúrbios nervosos.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: para artrite.
Sistema Renal: age no equilíbrio do rim, ajuda a eliminar cálculos e também na pielite.
Outros distúrbios: na amebíase, debilidade orgânica, tumores, náusea, diabete, vitiligo, pirexia, dores de cabeça, no tifo e na febre
amarela.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: para contusões, machucaduras, furúnculos, feridas, ulcerações e em eczemas.
Cabeça e face: nas oftalmias.
Outros distúrbios: na erisipela.

Contraindicações:
Evitar o uso desta erva na gestação, em casos de hipotensão arterial e em pessoas com histórico de alergia a aspirina. Por conter
ácido salicílico, potencializa o efeito da aspirina e assemelhados a base de ácido salicílico, além de outros medicamentos cardíacos
e para pressão arterial.
Interações medicamentosas:
Evitar interação desta erva com Aesculum hippocastanum (Castanha da Índia). O gervão pode apresentar salicilatos, que podem
potencializar a ação da aspirina e outros medicamentos cardíacos ou para pressão arterial.

Medicina Chinesa (MTC):


Esta erva tonifica o Yin do Estômago, elimina umidade-calor do Jiao Médio e Superior, tonifica o Yin do Fígado, elimina calor do
Pulmão, tonifica o Qi do Baço e também tonifica o Yin do Pulmão. Atua nos canais do Fígado, Baço/Pâncreas, Pulmões e Estômago.

Modo de usar: Infusão.

GINSENG:
Nome Científico: Panax ginseng C.A. Mey.
Partes usadas: Raiz.
Sabor: Doce, amargo, amornante.

Composição Química:
Ácido fólico, ácido glicurônico, ácidos graxos, ácido nicotínico, ácido olcânico, ácido panacênico, amido, aminoácidos, arabinose,
citral, enzimas: amilase e colina, esteroides, frutose, glicose, ginsenina, glicosídeos (ginosídeos), ginsenosídeo, glicose, goma,
limoneno, maltose, mucilagem, panaceno, panaquilona, panaxatriol, panaxina, panaxinol, panaxodiol, panaxol, panose,
poliacetilenos, ramnose, riboflavina, sacarose, sais minerais: ferro, cobalto, cobre, cálcio, magnésio e manganês, saponina,
sesquiterpenos, terpineol e tiamina, vitaminas B, B2, B12 e C.

Propriedades medicinais gerais:


Tônico, antidiarreico, sedativo leve, antiestresse, antirradicais livres, adaptogênico, antidepressivo, cardiotônico,
anticonvulsionante, afrodisíaco, antioxidante, bioestimulante, depurativo, diurético, fortificante, hemostático, hipocolesterolêmico,
hipertensor, revitalizante, indutor da liberação de estamina, hipoglicemiante, adaptógeno, estimulante do SNC, imuno-
estimulante, adrenérgico, alterativo, analgésico, rejuvenescedor, antiagregante, antialcoólico, antiarrítmico, anticancerígeno,
anticolinérgico, anti-inflamatório, anti AVC, antidiurético, antimitogênico, antiprolactina, antiprostático, antipsicótico,
antirradiação, antisséptico, antitumoral, antiulcerogênico, antirrugas, amargo, carminativo, estimulante da caspase,
quimiopreventivo, sedativo do SNC, corticotrofinogênico, citotóxico, demulcente, eleva colesterol HDL, emético, energizante,
estrogênico, etanolítico, expectorante, gonadotrópico, hematopoiético, hepatoprotetor, hepatotônico, hiperglicêmico,
hipertensivo, hipoglicêmico, hipotrigleceridêmico, interferonigêncio, memorigênico, mitogênico, nervino, neurotônico, nicotínico,
NKC-gênico, NO-gênico, osteoprotetor, fagocitogênico, inotrópico positivo, radioprotetivo, secretagogo, serotonilítico, sialagogo,
espermatogênico, estomáquico, testosteronigênico, timoléptico, tranquilizante, vasodilatador, tônico vascular, estimulante do RNA
e DNA, antineoplásico, pulmonário, imunomodulador.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: prolapso do reto, digestão lenta, diarreia, disenteria, colite, enterite, gases, esplenite, digestão lenta e
também na inapetência.
Sistema Urinário e Genital: menopausa, afecções da próstata, prolapso do útero, impotência, infertilidade masculina (necessário 3
meses de uso), problemas de ereção, dismenorreia, poliúria, pós-menopausa, espermatorreia, retenção urinária, disfunção erétil e
também na ejaculação precoce.
Sistema Hepático: nas afecções do fígado, hepatite, malária, estimula todas as funções do fígado e preveni danos nas células
hepáticas.
Sistema Respiratório: em insuficiência respiratória, dispneia e ainda nos casos de bronquite crônica.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: anemia, hemorragias, estimula formação de sangue, palpitações, regula o colesterol,
previne aterosclerose, cardiomegalia, pancitopenia, prevenção de infartos e isquemia miocardial e promove a redução do risco de
ataque cardíaco.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: síndrome de fadiga crônica, estresse, aumento da imunidade, estimulante do sistema
nervoso central, AIDS, nervosismo, depressão, gripe, resfriado, infecções, astenia, neurose obsessiva, demência senil,
imunodepressão, leucopenia, degeneração mental, demência senil, choque, neurastenia, estimula as glândulas adrenais e o eixo
adrenal-hipotálamo-pituitária e também apresenta ação antipsicótica.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: reumatismo, insuficiência istmo-cervical, hipotonia muscular, distrofias musculares,
epilepsia e também em inchaços.
Sistema Renal: para nefrose.
Outros distúrbios: nas convalescenças, aumento da capacidade aeróbica, aumento da libido, diabete tipo 2, incremento da
memória e da vitalidade, potencializa efeito da insulina, hipotireoidismo, insônia, cefaleia, câncer do pulmão, câncer de mama,
câncer de estômago, cansaço, bócio, pan-hipopituitarismo, carências alimentares, constituição física débil, recuperação física
lenta, progéria, constituição débil infantil, sensibilidade ao frio, reforça a energia vital, retarda o envelhecimento,
rejuvenescimento, tem a habilidade de incrementar a síntese mitocondrial de ATP, para pacientes de quimioterapia, epistaxe,
ressaca, sensação de medo, hipotermia, síndrome de Shehann, doenças virais, vômitos, estimulante da fagocitose, regeneração de
deformidades da córnea, desintoxica o organismo de matais pesados, poluição do ar e radiação, equilibra a função da tireoide,
auxilia no controle da diabete, para degeneração macular e em casos de pan-hipopituitarismo.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: nas doenças de pele e em feridas.
Outros distúrbios: em inflamações da garganta.

Contraindicações:
Não deve ser tomado por mais de 6 semanas consecutivas. Doses elevadas causam cefaleia, palpitação, insônia, aumento da
pressão arterial e taquicardias. Não deve ser usado se estiver fazendo uso de anticoagulantes. Evitar na menopausa e em casos de
sangramento vaginal. O uso em longo prazo pode causar anormalidades menstruais e seios doloridos em algumas mulheres. Não é
recomendado para mulheres grávidas ou amamentando, nem em pessoas com asma, enfisema, infecções agudas e ansiedade.
Pode potencializar a ação da glândula pituitária e do hipotálamo, causando reações alérgicas.

Interações medicamentosas:
Quando em uso, deve-se eliminar consumo de cafeína em todas suas formas (café, chás, refrigerantes, nabo, etc.). Em combinação
com bupleurum, raiz de peônia, raiz de pinellia, casca de cássia, raiz de gengibre, jujube fruit, raiz de solidéu asiático e raiz de
licopódio, trata epilepsia. Deve ser usado com cuidado por pessoas que estejam fazendo uso de anticoagulantes, pois pode reduzir
o efeito da warfarina. O ginseng pode misturar-se com centela (Centella asiatica), para equilibrar o corpo e a mente. Para
concentração e clareza mental, o ginseng pode ser misturado com guaraná. Recomendado uso em associação com Gingko biloba
para melhoria da memória.

Medicina Chinesa (MTC):


Seu nome chinês é Ren Shen. A erva tonifica o Qi e recupera o Yang devastado, no vazio do Qi do Pulmão, vazio do Qi do Rim, vazio
do Qi do Baço, vazio do qi do Coração, no vazio do Xue, promove a secreção de fluidos, estabiliza o Wei Qi, tonifica o Xue, alivia a
sede e acalma o Shen. Evitar seu uso na hiperatividade do Yang do Fígado ou ascensão do fogo do fígado, em casos de fleuma-
calor ou excesso de calor, em casos de vazio do Yin do Rim e em casos de insuficiência do Qi crônica. Atua nos canais dos Rins,
Coração, Baço/Pâncreas e Pulmão. Considerada uma planta yin, com predominância do elemento água.

Pets e outros animais: O uso em animais tem propriedades antifadiga.

Modo de usar:
- se standardizado a 10 a 15% de ginsennosídeos: 80-100 mg, 2 a 3 vezes ao dia;
- decocção: 2,5 g em 100 ml de água;
- pó: 5 a 10 g/dia.
- decocção da planta toda ou 3 folhas em 3 copos de água, ferver de 10 a 15 minutos e tomar 3 copos do chá por dia.
- decocção da raiz seca ou pó das raízes secas 1-4 gramas por dia;
- tintura: 2-3 ml três vezes por dia;
Nota:
- usar durante duas a três semanas, parar duas semanas antes de usar novamente.
- a raiz é usada, preferentemente de plantas com mais de seis anos.

GUAÇATONGA:
Nome Científico: Casearia sylvestris Sw.
Partes usadas: Folhas, casca raiz e óleo essencial das sementes.
Sabor: Doce, amargo e refrescante.

Composição Química:
Antocianosídeos, casearina A-F, flavonas, diterpenos, óleos essenciais, resinas, saponinas, taninos. Folhas: diterpenos (casearia
clerodeno I a VI e casearina A a R), óleo essencial (2,5% com alto teor de terpenos e ácido capróico, saponinas, alcalóides,
flavonóides, tanino, resina, antocianosídeo, b e D-elemeno, a-copaeno, b-cariofileno, a-humuleno, germacreno-D, biciclo-
germacreno, D e d-cadineno e espatulenol).

Propriedades medicinais gerais:


Afrodisíaco, antiartrítico, antidiarreico, antiespasmódico, anti-hemorrágico, anti-herpético, antimicrobiano, antiobesico,
abortifaciente, analgésico, antiácido, antimiotóxico, anti-inflamatório, antiofídico, antisarcômico, antitumoral, antiulcerativo,
antídoto, bactericida, cicatrizante, antipirético, antirreumático, antisséptico, antissifilítico, antiulcerogênico, calmante,
cardiotônico, febrífugo, gastroprotetor, hemostático, Inibidor da Fosfolipase-A2, depurativo, diaforético, diurético, eupeptico,
fungicida, hemostático, imuno-estimulante, tônico, vulnerário, laxativo, antiedematoso, resolutivo, anti-helmíntico,
anticancerígeno, calmante, desintoxicante, anestésico tópico e antiviral.
Propriedades medicinais de partes específicas da planta:
Folhas: antiofídico (infusão).
Seiva: antiofídico (infusão).
Óleo essencial: vermífugo.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: afecções gástricas, gastrites, úlceras pépticas, gastralgia, halitose, aftas e na diarreia.
Sistema Urinário e Genital: condilomas, infecções urinárias, cistites, irritações da bexiga e edemas, sífilis, inchaço das pernas, nas
afecções da bexiga, na impotência e também no herpes genital.
Sistema Hepático: nas afecções do fígado.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: é um estimulante da circulação, para sangramentos, reduz a pressão alta e ainda
reduz colesterol.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: no herpes labial e genital, febres perniciosas e inflamatórias, tem forte ação contra a
bactéria Helicobacter pilori, trata alergias, escrófula e alivia paralisia.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: artralgias, hematomas, espasmos e para dores no peito e no corpo.
Sistema Renal: nas afecções dos rins.
Outros distúrbios: combate Doença de Chagas, hidropsia, na AIDS, no câncer do cólon, câncer de pulmão, câncer de ovário, lepra,
viroses e ainda apresenta ainda atividade antibacteriana contra Bacillus subtilis.
Indicações para uso externo:
Pele e unhas: anestesiante em lesões de pele e mucosas, afecções da pele, prurido, em cortes e sangramentos, picadas de insetos,
coceiras, úlceras dérmicas, eczemas e na sarna.
Cavidade bucal: para lesões na boca e gengivite.
Outros distúrbios: em lesões necróticas com úlceras varicosas, mordida de cobra e no cancro sifilítico.
Indicações para uso externo de partes específicas da planta:
Folhas – herpes (uso tópico da infusão com algodão embebido).

Contraindicações:
Evitar seu uso na gravidez, pois a erva é abortiva. Evitar também durante a lactação. Se administrada por tempo prolongado, pode
diminuir a assimilação da vitamina K no organismo e provocar diarreia.

Medicina Chinesa (MTC):


Erva indicada para casos de deficiência do Yin do Estômago e do Fígado, para umidade-calor e calor tóxico no Estômago e na
invasão de vento-calor externo. A erva também expulsa invasão de vento-frio.

Modo de usar:
- suco ou decocção das folhas. Uso interno e externo.
- infusão ou decocção a 5%, 50 a 200 ml/dia;
- infusão de 10 g de folhas frescas ou secas em 200 ml de água quente. Esfriar e aplicar com algodão sobre o ferimentos. Tomar 2
xícaras por dia da infusão para úlceras e problemas digestivos.
- compressa: ferver durante 10 minutos 30 g de folhas de guaçatonga com 10 g de folhas de confrei em 1 litro de água. Coar e
aplicar compressas sobre eczemas;
- extrato fluido: 2 a 10 ml/dia;
- tintura: 10 a 50 ml/dia;
- elixir, xarope e vinho: 20 a 100 ml/dia;
- alcolatura: macerar por 5 dias 20 g de folhas em ½ copo de álcool neutro. Coar e aplicar topicamente (picada de insetos). O
preparado deve ser mantido em locais frescos e em frasco escuro;
- uso interno: extrato seco 57,5 mg/kg. Decocção de 2 colheres de sopa em 1 a 2 xícaras de água 2 vezes o dia;
- xarope: 10 a 40 ml/dia;
- uso externo: tintura aplicar no local da picada. Decocção a 5% para eczemas;
- óleo da planta: vermes.

GUACO:
Nome Científico: Mikania glomerata Spreng.
Partes usadas: Folhas (preferencialmente as mais jovens), planta florida fresca ou seca.
Sabor: Picante e amargo.

Composição Química:
Óleo essencial rico em resinas, taninos, saponinas, guacosídio, diterpenos e sesquiterpenos (cineol, borneol e eugenol), substância
amarga (guacina, cumarinas, guacosídeo), ácido caurenóico, ácido isobutiriloxi caurenóico, heterósida, ácido
cinamoilgrandiflórico, ácido entkaur-16-eno-19-óico, ácido namoilgrandiflórico, ácido estigmast-22-en-3-ol, estigmasterol,
flavonoides, esteróis.

Propriedades medicinais gerais:


Antiasmático, antiespasmódico, antigripal, anti-inflamatório, antimicrobiano, antinevrálgico, antiofídico, antirreumático,
antisséptico (das vias respiratórias), antitussígeno, aromático, béquico, bronco dilatador, calmante, cicatrizante, conservante,
depurativo, emoliente, estimulante, estomáquico, expectorante, febrífugo, hepatoprotetor, , peitoral, sedativo, sudorífero, tônico,
diurético, febrífugo, emoliente, mucolítico, descongestionante, antitóxico, antialérgico, antitérmico, abortifaciente, antiaderente,
anti-histamínico, antimalárica, antissifilítico, antiulcerativo, canditicida, diaforético, inibidor da Metaloprotease, orexigênico,
protisticida, inibidor da serineprotease, estomáquico, vermífugo, emenagogo, laxativo, hipotensivo, emético, hepatoprotetor,
adaptogênico.
Propriedades medicinais de partes específicas da planta:
Folhas: hipotensor (folhas frescas).

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: inflamações intestinais, úlceras, cólica, constipação, diarreia, enterite, gastrite, para dor de estômago,
estomatite e para eliminação de vermes.
Sistema Urinário e Genital: na albuminúria, sífilis, na candidíase, dismenorreia, disúria e na oliguria.
Sistema Hepático: malária e hepatite.
Sistema Respiratório: para afecções do trato respiratório, asma, bronquite, coqueluche, tosses rebeldes, tosse com muco, sinusite,
afecções pulmonares, rouquidão, nas afecções respiratórias em geral, alergias respiratórias, faringite e para a pleurasia.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: elimina ácido úrico, gota e na pressão alta.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: para ansiedade, febre, hemiplegia (paralisia de um lado do corpo), insônia, nevralgia,
resfriado febril, gripe, resfriado e histeria.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: artrite, reumatismo, artralgias e reumatismo.
Sistema Renal:
Outros distúrbios: inflamação de garganta, alergias em geral, para auxiliar tratamento de câncer, cólera, hidrofobia, nas
infecções, laringite, garganta dolorida, nos espasmos, tétano, tonsilite, triconoma, tripanossoma e no tratamento de tumores.
Indicações para uso externo:
Pele e unhas: para dermatites, eczema pruriginoso, manchas de pele, micoses, picada de insetos, nos pruridos, feridas, cortes,
contusões e nas coceiras.
Cabeça e face: para caspa.
Cavidade bucal: para rouquidão e periodontite.
Músculos, ossos e articulações: em edemas.
Outros distúrbios: picada de cobra e mordida de cachorro.

Contraindicações:
Devido à presença de cumarinas, o guaco é contraindicado para pessoas com hepatopatias, trombocitopenia e coagulopatias.
Contraindicado também para pessoas que usam anticoagulantes ou heparina, pois aumenta o risco de sangramento. Não é
indicado para menores de um ano de idade e mulheres durante a menstruação. O uso excessivo pode causar taquicardia, vômitos e
diarreia. Podem ocorrer acidentes hemorrágicos, quando usado por tempo prolongado. Evitar uso em crianças menores de 12
anos.

Interações medicamentosas: Por ser rico em cumarinas, interfere na coagulação sanguínea. Antagoniza com a vitamina K.

Modo de usar:
Infusão, decocção, extrato fluido, tintura, elixir, vinho, xarope.
Uso interno:
- extrato fluido: 1 a 4 ml / dia.
- tintura: 50 a 20 ml / dia (2 a 4 colheres de chá ao dia);
- infusão ou decocção a 2%: tomar 50 a 200 ml/dia;
- infusão: 2 xícaras de cafezinho de folhas frescas em ½ l d'água 1 xícara de chá 4 vezes ao dia (reumatismo e problemas das vias
respiratórias).
- xarope: 10 a 40 ml / dia;
- xarope: 4 xícaras das de cafezinho de sumo de folhas frescas em ½ litro de xarope: tosses em geral. Tomar 1 colher das de sopa a
cada 4 ou 6 horas;
- xarope: ferver 6 folhas picadas em um litro de água, coar, misturar o suco de um limão, 3 colheres de sopa de mel: tosse e
bronquite. Tomar um cálice 4 vezes ao dia.
- xarope: decocção de 15 a 20 folhas de guaco, duas colheres de sopa de poejo ou broto de assa-peixe e uma colher de chá de
gengibre ralada, em 100 ml de água. Cobrir e deixar esfriar. Adoçar com 150 a 200 g de açúcar ou rapadura e dissolver: crise de
tosse, asma e bronquite. Tomar 1 a 2 colheres das de sopa 2 a 3 vezes ao dia. Para as crianças, reduzir a dose à metade;
- suco: 2 folhas frescas batidas com água (1 copo) em liquidificador;
- Elixir: de 20 a 80 ml de chá, tomar 1 vez ao dia;
Uso externo:
- infusão ou decocção a 5%: aplicar várias vezes ao dia;
- suco da planta: fazer fricções sobre a parte dolorida;
- reumatismo: fazer fricções sobre áreas doloridas.

GUARANÁ:
Nome Científico: Paulinia cupana H.B.K var. sorbilis Ducke.
Nomes botânicos: Paullinia crysan, Paullinia sorbilis Mart.
Partes usadas: Sementes tostadas, convertidas em pó.
Sabor: Doce, amargo, amornante e adstringente.

Composição Química:
Alcaloides (teobromina (flor, folha e caule), teofilina e guaranina), ácido cafeotônico, ácido málico, amido, adenina, ácido tânico,
cafeína, catequina, colina, dextrina, guaranatina, glicose, hipoxantina, mucilagem, óleo fixo, pectina, pigmento vermelho,
reponina, resina, saponina, tanino, teofilina, timbonina, xantina.

Propriedades medicinais gerais:


Afrodisíaco, tônico, eupeptico, adstringente, antidiarreico, antidisentérico, anti-hemorrágico, antidispéptico, fortificante, diurético,
estimulante, tônico cardíaco, estomacal, antiespasmódico, antiflatulento, aperiente, antifebril, diaforético, antinevrálgico,
excitante, antiesclerótico, analgésico, desinfetante, revigorante, sudorífico, antitérmico, vasodilatador, adaptógeno, anorético,
antiamnésico, antiagregante, antioxidante, antiplaquetário, anticoagulante, antiradicular, antiulcerativo, bactericida, catabólico,
amargo, catecholaminogênico, cianogênico, bronco relaxante, cerebrotônico, citotóxico, digestivo, CNS-estimulante, cAMP-gênio,
gastroprotetor, febrífugo, hipertensivo, memorigênico, mutagênico, genotóxico, miorrelaxante, inibidor-hyaluronidase, piscicida,
laxativo, narcótico, cronotrópico positivo, resorptivo, sedativo, termogênico, trombolítico, nervino, narcótico, refrigerante, protetor
solar, restaurador energético, amargo, estimulante purinérgico, estimulante adrenal.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: prisão de ventre, fermentação vesicosa, desinfetante intestinal, regulador intestinal, distúrbios gástricos,
gases, colite, diarreia, gastrite, úlceras, enterite, plenitude estomacal após as refeições.
Sistema Urinário e Genital: impotência sexual, blenorragia, cólica, leucorreia, oliguria, vaginite, diminuição da libido.
Sistema Hepático: malária, cirrose.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: aterosclerose, excita os movimentos do coração e das artérias, hemorragia,
embolismo, hipotensão, trombose, estimula aumento do HDL (bom colesterol).
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: nervosismo, anorexia, em casos de estresse associados à ansiedade e depressão,
infecções, fadiga motora e psíquica, prevenção da esclerose, amnésia, astenia, encefalite, neuralgia, neurastenia, senilidade,
drenagem linfática, eleva a concentração.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: mialgia, atonia, lumbago, dor, reumatismo.
Sistema Renal: insuficiência renal.
Outros distúrbios: cefaleia, enxaqueca, retardador da fadiga, dificuldade de raciocínio, hemicrania, febre, prevenção de insolação,
câncer de mama, celulite, ressaca, mastite, obesidade, sede, estimula a atividade adrenal sem produzir adrenalina, eleva os níveis
de estamina, para reverter sinais de envelhecimento.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: dermatite.
Músculos, ossos e articulações: dores musculares.

Contraindicações:
Evitar o uso em crianças, gestantes, lactantes, cardíacos e hipertensos. Não tomar à noite, pois pode tirar o sono. Pessoas com
ansiedade, arritmia, gastrite, hipertireoidismo, síndrome do intestino irritável, síndrome do pânico, distúrbios psíquicos e
taquicardia também devem evitar uso. Seu uso prolongado pode causar decréscimo da fertilidade, doença cardíaca e várias formas
de câncer.

Interações medicamentosas:
Devido à teobromina, teofilina e guaranina (análogas à cafeína), pode causar dependência física e psicológica. Essas substâncias
agem nos receptores do sistema nervoso central (SNC) como as anfetaminas e a cocaína, entretanto, seus efeitos são bem mais
fracos. Usado em longo prazo ou em doses excessivas, pode causar insônia. Evitar consumo concomitante com café, chá verde e
noz de cola, pois pode causar insônia, tremores, ansiedade, palpitações, vontade de urinar frequente e hiperatividade. Muitas
preparações que contem a erva Ma Huang (Efedra), também contém ervas estimulantes como o guaraná por conterem cafeína.
Também por seus teores de cafeína, a erva interage sinergicamente com drogas como Teofilina e Teobromina.

Medicina Chinesa (MTC):


Esta erva estimula o yang. É utilizada para casos de deficiência do yang do Rim, Coração, Intestino Delgado e Baço/Pâncreas. Atua
nos canais do Coração, Intestino Delgado, Baço/Pâncreas e Rins.

Pets e outros animais:


Por seu teor de cafeína, não é recomendada administração em cavalos, cães e gatos. Sua ingestão pode até mesmo ser fatal, em
algumas dosagens.

Modo de usar:
- pó das sementes de Guaraná: 2 gramas por dia. Tomar na parte da manhã;
- pó das sementes torradas de Guaraná: fadiga motora e psíquica e estimulante. Estimulante do sistema nervoso, diurético,
fraqueza geral, esgotamento, astenia, arteriosclerose, enxaquecas, nevralgias, dispepsia, dores de cabeça, fastio, cólicas, diarréias,
desinfetante intestinal. Tônico nervino, cardíaco, renovador da flora intestinal, tônico cerebral, tônico circulatório, preventivo da
esclerose, remédio soberano da enxaqueca, afrodisíaco suave, prevenir insolações.
- uso externo: cicatrizante.

GUINÉ:
Nome científico: Petiveria alliacea L.

Propriedades medicinais:
Abortiva, analgésica (hipnótica, anestésica), antiespasmódica (espasmolítica), anti-reumática, bactericida, diurética, fungicida,
imunoestimulante.

Indicações:
Afugentar mosquitos; combater vírus, fungos e bactérias; dor, dor de cabeça, dor de dente, dor muscular, inchaço, inflamação,
inflamação na boca, gengivite, dor reumática, paralisia nervosa, hidropsia, nevralgias, paralisia dos membros, reumatismo.

Efeitos colaterais: Provoca insônia, alucinações, abala o sistema nervoso, uso contínuo determina apatia, imbecilidade, morte.

HIBISCO:
Nome Científico: Hibiscus rosa-sinensis L.
Partes usadas: Flores secas.
Sabor: Doce e adstringente.

Composição Química:
Proteína, tiamina, riboflavina, niacina, cyandidin-3-sophoroside, quercetin, kaempferol, betulinic, ácido, hexyl stearate,
tetratriacontanol, nonacosane, stigmasta-3, 7-dione, beta-sitosterol, anthocyanin, cyanidin glucoside, gossypetin.

Propriedades medicinais gerais:


Laxante, antioxidante, anafrodisíaco, adstringente, oftálmico, analgésico, antiestrogênico, anti-inflamatório, depressor do SNC,
contraceptiva, diaforético, embriotóxico, emoliente, hipotensivo, antiespasmódico, alterativo, emenagogo, refrigerante,
hemostático, demulcente.
Indicações para uso interno:
Sistema Gastrointestinal: náusea, dor de estômago, cólicas intestinais.
Sistema Urinário e Genital: sangramento menstrual excessivo, dismenorreia, metrorragia, aborto espontâneo, menorreia, dor
para urinar, cistite, doenças venéreas.
Sistema Respiratório: asma, tosse, catarro,
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: pressão alta, toxinas no sangue.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: resfriado, sedativo do sistema nervoso, febre, gripe, inchaço.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: hérnia.
Sistema Renal: cólicas renais.
Outros distúrbios: insônia, inflamações da garganta e dos olhos, câncer, conjuntivite, dor de cabeça, rouquidão, inflamação,
caxumba, tumor.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: dermatose, melhora a aparência da pele, feridas.
Cabeça e face: faz o cabelo crescer, oftalmias.
Outros distúrbios: usado como cataplasma sobre tumores de células cancerosas e na caxumba.

Contraindicações:
Evitar na gravidez e em pessoas com Pitta agravado ou com fortes calafrios. Em algumas pessoas a planta pode causar dermatite
de contato.

Medicina Chinesa (MTC):


Seus nomes chineses são Zu Jin, Chuan Jin Pi. Erva utilizada para regular o sangue (xue) e tonifica o yin do fígado. Atua nos canais
do pulmão, fígado e bexiga.

HORTELÃ-PIMENTA:
Nome Científico: Mentha sp.
Partes usadas: Partes aéreas e óleo essencial.
Sabor: Picante, aromático, amargo e refrescante.

Composição Química:
Piperitone, Alfa – mentona (8 – 10%), Mento – furano (1 – 2%), Metilacelato, Pulegona, Cineol (6 – 8%), Limoneno, Jasmone,
Princípio amargo, Vitaminas C e D, Nicotinamida – traços, Cetonas, Taninos, sesquirterpenos: cariofileno, bisabolol, flavonóides:
mentosie isoroifilina, leiteolina, óleo essencial 0,7 a 3% que contém mentol (40 – 60%), Ácidos: p-cumarínico, ferrúlico, caféico,
clorogênico, rosmarínico e outros constituintes incluindo carotenóides, colina, betaína e minerais.

Propriedades medicinais gerais:


Sudorífico, antigripal, depurativo, anti-inflamatório, carminativo, eupeptico, colagogo, antiespasmódico, vermífugo, peitoral,
expectorante, febrífugo, vasoconstritor, afrodisíaco, analgésico, antisséptico, cardiotônico, galactagogo, sedativo, ansiolítico,
amebicida, giardicida, tricomonicida, digestivo, estimulante, tônico, antirreumático, antiulcerogênico, bactericida, diurético,
estomáquico, antiemético, nervino, broncodilatador, antifúngico, anestésico, saporífero, colerético, odontálgico,
descongestionante, antiviral (na presença do vírus da Hepatite A), cefálico, antitérmico, hepático,

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: cólicas intestinais, tônico e estimulante do aparelho digestivo, vermicida para giardíase e amebíase,
diarreia, mau hálito, hemorroidas, laxante suave, azia, doença de Crohn, promove sedação do estômago, fortalece os intestinos,
diarreia sanguinolenta, atonia digestiva, vômito, intoxicações intestinais, para dores no baixo ventre, atonia das vias digestivas,
gastrite, enterite, elimina gases, alivia cólicas.
Sistema Urinário e Genital: frigidez, impotência, cólica uterina, dismenorreia, tricomoníase urogenital, amenorreia.
Sistema Hepático: intolerância à gordura e boca amarga, reduz a congestão hepática, Icterícia, colecistite.
Sistema Respiratório: sinusite, usado em tosse com expectoração amarela, asma, elimina mucosidades, escarro sanguinolento.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: palpitação.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: neuralgias, resfriados, tônico do sistema nervoso e dos centros vitais, vertigens, estados
de choque, estafa e cansaço mental, exaustão, herpes, tremedeiras, vômito de origem nervosa, agitação nervosa, neuralgia por
frio, timpanite de origem nervosa, tremores, dispepsia nervosa, mialgias, dor ciática.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: reumatismo.
Outros distúrbios: na esfera emocional é indicado para pessoas tímidas e sensíveis, relaxante da musculatura lisa, depressão ao
cair da noite, distúrbios metabólicos, doenças exantemáticas, dores de cabeça e enxaquecas, inflamação dos olhos e da garganta,
tonsilite, sarampo, soluços, catapora, auxiliar para tratar obesidade, limpa e fortalece o corpo, odontalgias, enjoos matinais.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: sarna, para enrijecimento da pele, picadas de inseto.
Cabeça e face: clareador do cabelo, excelente pós-barba.
Cavidade bucal: dor de dente.
Músculos, ossos e articulações: dores musculares e articulares, cãibras, analgésico muscular.
Outros distúrbios: combate excesso de pelos em mulheres, efeito anestésico local, repele insetos, celulite, estimulação da
circulação periférica, gorduras localizadas.

Contraindicações:
Evitar seu uso durante a gestação e lactação. Não deve ser usado em crianças pequenas. Seu uso prolongado, e em doses elevadas
ou mesmo a ingestão antes de dormir, pode resultar em insônia. Também evitar uso se estiver tomando remédios homeopáticos,
em pessoas epilépticas e com histórico de cardiopatia.

Medicina Chinesa (MTC):


A erva promove sudação e dispersa vento-frio e vento-calor externo. Indicada para vento-frio no pulmão, fleuma-umidade no
Pulmão e Baço, para rebelião do Qi do Estômago, estagnação do Qi do Fígado, dos Intestinos e do Útero. Também para ascensão
do yangdo Fígado, deficiência do Jing do Rim, regula o Qi, remove estagnação do Xue e clareia calor da cabeça. Planta não
recomendada para pessoas com deficiência do yin do Pulmão, na deficiência do Pulmão e do Baço/Pâncreas por ataque de frio.
Evitar uso se houver deficiência do Wei Qi com sudorese excessiva ou noturna, no excesso de fogo do Fígado com cefaleia, olhos
vermelhos e agitação psicomotora. Tem atuação nos canais do fígado, estômago, baço/pâncreas e pulmão. Seu elemento
predominante é a madeira.

IPÊ ROXO:
Nome científico: Tabebuia impetiginosa (Mart. ex DC.) Standl.
Parte utilizada: casca, folhas.

Constituintes químicos:
Ácido tânico, ácido lapáchico, antraquinonas, carboidratos, desoxilapachol, flavonóides, fibras, gorduras, lapachol, naftoquinonas,
proteínas, sais minerais, sais alcalinos, saponinas, vitaminas.

Propriedades medicinais:
Adstringente, analgésico, antiblenorrágica, antimicrobiana (gram +), antiinflamatória, antiinfecciosa, antitumoral, antinevrálgica,
antissifilítica, antibactericida, antifungo, depurativa, diurético.

Indicações:
Alergia, anemia, diabete, diarréia, câncer, candidiasis, catarro da uretra, colite, coceira, ovário, estimulante do sistema
imunológico (prevenção de leucemia, diabete, câncer), feridas, fígado, fungo, garganta, inflamacão artrítica, leucemia, lupus, mal
de Parkson, malária, osteomielite, problemas respiratórios, psoríase, queimaduras, úlcera, útero.

Contraindicações/cuidados:
Gravidez, período de lactação. Altas doses causam náuseas, vômitos, diarréia, efeito anticoagulativo do sangue; abortivo; não foi
evidenciada toxicidez hepática ou renal.

Modo de usar: Decocção a 3%. Ferver 5 min. e deixar mais 15 minutos. Beber até 3 vezes por dia.

LARANJA AMARGA:
Nome científico: Citrus aurantium L.
Partes usadas: fruto verde, folhas e O.E
Sabor: ácido, amargo e refrescante.

Constituintes químicos:
Acetato de linalina, acetado de geraniol, acetado de geranilo, ácido ascórbico (vitamina C), ácido cítrico, ácidos graxos, alcanos,
borneol, bioflavonóides, carboidratos, caroteno, cirantina, citral, derivados cumáricos, escopuletina, fitosteróis, geraniol,
hesperidina, limoneno, linalol, lipídios, metil-anthranilato, naringina, nobeletina, nerol, pectinas, pineno, proteínas, roifolina,
rutinose, sais (potássio, cálcio, sódio, fósforo, magnésio, enxofre, cloro, ferro, silício), saponina, sinefrina, substâncias amargas,
tangeritina e as aminas: synefrina, N-metiltyramina, hordenina, octopamina e tyramina, vitamina A (retinol), vitamina B (tiamina),
vitamina B2 (riboflavina), niacina.

Propriedades medicinais:
Tônica; carminativa; aperitiva; hipertensora; expectorante; laxativa; cardiotônica; anti-histamínica; sedativa (O.E); tranqüilizante;
antiinflamatória; antibacteriana; fungicida; hipocolesterolêmica; colagoga; antiespasmódica; anticancerígena; emoliente;
eupéptica; anticonvulsiva; alcalinizante; antiartrítica; antidepressiva; antiescorbútica; antisséptica; antiulcerogênica; diurética;
depurativa; sudorífica; febrífuga; vermífuga; vitaminizante desidratante; rejuvenescedora; relaxante; desintoxicante;

Indicações (Uso interno):


Cólicas e distensão abdominal; náuseas; vômitos; tensão nervosa; insônia; ansiedade; menstruação dolorosa; asma; tuberculose
pulmonar; afecções cutâneas; infecções orais; parasitas intestinais; prurido vaginal; tumores; ácido úrico; cólera; distúrbios
metabólicos; diurese; dores de cabeça; doenças das vias aéreas; estomatite; escrofulose; pneumonia; estresse; nevralgia;
taquicardia; retira muco do tórax e do diafragma; estimulante vascular; perda de apetite; flatulência; digestões dolorosas;
suplemento de sinefrina; acidez estomacal; promove o rejuvenescimento; obesidade;

Indicações (Uso externo):


Utiliza-se o óleo essencial diluído externamente para tratar problemas de pele como acne, eczema, seborréia, herpes e psoríase;
cabelos secos; ressecamento das mãos e pés; dores musculares;

Utilizações na MTC:
Estagnação do Qi do Fígado; desarmonia entre Fígado e Baço; Estagnação do Qi do Rim e do Útero; promove o fluxo do Qi e alivia
estagnação nas vísceras e estagnação de alimentos; promove fluxo do Qi no tórax e resolve fleuma; descende o Qi túrbido; tonifica
o BP e trata afundamento. Reguladora do Qi. Impede que ervas tonificantes e gordurosas causem náuseas. Atuação nos canais:
I.G, BP, E, F e P. Elemento predominante na MTC: Madeira.

Contraindicações:
Em casos de diarréia aguda ou intensa. Usar com cuidado na gravidez e preferencialmente evitar. Evitar em pessoas com
deficiência do Qi do Baço ou com o Qi enfraquecido. Deficiência do Yin e em padrões de calor no Xue. Vários artigos indicam que o
uso do extrato de C. aurantium acarretou o desenvolvimento de problemas cardíacos. Houve relato de caso de isquemia após
ingestão de extrato de cápsulas da erva (não se sabe em que dosagem e nem por quanto tempo).

Interações medicamentosas:
Pode interagir com várias drogas, pois inibe a enzima CYP3A4 e o processo de eliminação intestinal (pelo g-glicoproteína) no
intestino delgado.

Modo de usar:
- óleo: fabricação de cremes (para rugas e rejuvenescimento da pele), banhos aromáticos e massagens (acalmar e relaxar a
musculatura), fabricação de colônias, perfumes, xampus e condicionadores para cabelos secos.
- óleo essencial, feito do fruto e folhas: estimulante mental e emocional, regulador de apetite, laxante e calmante;
- decocção das folhas: depressão, estresse, tensão, infecções orais, espasmos abdominais, vermes intestinais, escorbuto,
reumatismo, febre, medo, crises emocionais e cistite;
- sumo do fruto: prisão de ventre, úlceras, artrite e como digestivo;
- infusão ou decocção de 2 colheres das de sopa de folhas ou flores picadas, em 1 litro de água fervente. Tomar 1 xícara, 3 vezes ao
dia;
- maceração de botões florais, por 3 a 4 horas: calmante suave, insônia;
- suco das frutas: albuminúria de mulheres grávidas.

LIMÃO SICILIANO:
Nome científico: Citrus limon (L.) Burm. f.
Partes usadas: fruto, casca e O.E.
Sabor: picante, ácido, amornante e amargo.

Constituintes químicos:
Felandrina, hidrocarbonetos terpênicos, limonina, óleo essencial ((limoneno), ácidos orgânicos (cítrico e málico), bioflavonóides
(hespiridina), pectinas, vitamina A (retinol), vitamina B1 (tiamina), vitamina B2 (riboflavina), niacina), sais minerais (potássio,
fósforo, ferro, cálcio, sódio, magnésio, enxofre, cloro), vitamina C (ácido ascórbico).

Propriedades medicinais:
Antiescorbútico; antirreumático; analgésico, adstringente; carminativo; lipolítico; expectorante; uricosúrica; laxativo; febrífugo;
tônico; estomáquico; hipotensor; anti-histamínico; antiespasmódico; antiinflamatório; alcalinizante; antianêmico; antibiótico;
antidepressivo; antiemético; antisséptico; antitérmico; aperiente; bactericida; depurativo; diaforético; sedativo; vermífugo;
vitaminizante; imunoestimulante; desintoxicante; depurativo; sudorífico;

Indicações (Uso interno):


Asma; enfisema, bronquite crônica; infecções pulmonares; tuberculose pulmonar e óssea; afecções cardiovasculares; auxilia
tratamento de mononucleose; leucocitoses; blenorragias; sífilis; paludismo e febres; afecções gástricas; úlceras estomacais e
duodenais; piorréia; insuficiência hepática e pancreática; icterícia; congestão hepática; disenteria; diarréias; hemorróidas; colites;
meteorismo; glossites; aftas; sifilídes bucais; fortalece a visão; antídoto para ingestão de alcalinos (soda cáustica); glaucoma;
hipertensão ocular; astenia; hemorragias; desmineralizações; obesidade; disfunções metabólicas; afecções do sistema nervoso;
previne trombose, embolias e infarto; esclerose; arteriosclerose; descalcificações; linfatismo; ascite; retenção urinária; cefaléias;
febre do feno; sinusite; angina; otite; unhas quebradiças; queda de cabelo; gota; acidez na boca e estômago; adenite; afonia;
albuminúria; alcoolismo; amenorréia; amigdalite; ancilose; angina do peito; aneurisma; apendicite; apoplexia; asfixia por gás
carbônico; beribéri; cãibras; cirrose; congestão cerebral; dilatação do estômago; envenenamentos; enxaqueca; assístolia; coriza;
epistaxe; espermatorréia; infertilidade; impotência; lepra; nefrites; orquite; prostatite; tifo; zumbidos; tumores; abalo nervoso;
preventivo de constipações, gripes, problemas digestivos e circulatórios,

Indicações (Uso externo):


Varizes; flebites; afecções da pele; feridas; picadas de insetos; blefarite; terçol; herpes; verrugas; seborréia facial; tônico facial;
acne; caspa; sarna; conjuntivites; inflamações das mucosas bucais; cabelos oleosos; eliminar resíduos dos cabelos; dermatite;
feridas; manchas e sardas; verrugas; frieiras;

Utilizações na MTC:
Calor tóxico; fogo do coração e do estômago; umidade-fleuma-frio; estagnação do Xue; vazio do Xue; estagnação do Qi do Fígado
e do Estômago; vazio do Qi do Coração; elimina calor e reduz infecções; na estagnação do Qi no tórax; drena edema e transforma
fleuma; harmoniza estômago e fortalece o BP; regula o fluxo do Qi do Fígado. Atuação nos canais: F, E, IG, C, T.A. Elemento
predominante na MTC: Madeira.

Contraindicações:
Evitar em úlcera péptica; evitar uso de óleo essencial em diabete mellitus e hipotensão; óleo essencial é fotossensibilizador e pode
causar manchas na pele; na deficiência do Qi com sinais de calor.

Modo de usar:
- 2 gotas de limão e 1 colher (sobremesa) de óleo de amêndoas e 2 colheres (sopa) de açúcar: esfoliante natural para as mãos e os
joelhos (os terpenos do limão ajudam a clarear as manchas e os cristais pentaédricos do açúcar removem células mortas;
- suco do limão misturado a açúcar e água em ceras de depilação caseiras;
- óleo essencial de limão na aromaterapia estética: prevenir varizes e a eliminar acne de peles oleosas;
- óleo essencial na perfumaria: para cabelos oleosos e claros (limpar, remover a oleosidade e eliminar resíduos de géis, mousses,
aerosóis e laquês). Pode ser misturado a um xampu neutro e aplicado uma vez por semana nos fios.
- óleo essencial: formulação industrial de xampus, sabonetes, produtos de higiente bucal, cremes e óleos;
- óleo essencial de limão na aromaterapia: anemia, astenia, arteriosclerose, congestão hepática, dispepsia, doenças infecciosas,
doenças da pele, falta de apetite, flatulência, hipertensão, hiperviscosidade do sangue e reumatismo;
- xarope ou extrato fluido de limão: expectorante, fluidificante, combater secreção catarral; xarope caseiro com mel, tem a mesma
aplicação;
- suco de limão em gargarejos: inflamações na boca e na garganta;
- suco de limão decocção: malária;
- decocção de 1 limão cortado e rodelas bem fervido, 1 xícara 3 a 4 vezes ao dia;

MACELA:
Nome Científico: Achyrocline satureioides (Lam.) DC.
Partes usadas: Partes aéreas e sumidades florais.
Sabor: Amargo e neutro.

Composição Química:
Óleo essencial (1-8-cineol, cariofileno, óxido de cariofileno, d-cadineno, cariatina, germacreno-D e a-pineno); flavonoides
(isonafaliina, quercitina, galangina-3-metiléter, galangina, isognafalina, luteolina, quercetagetina, tamarixetina, tamarixetina 7-
glucosídeo, quercetina 3,7-dimetileter, isognafaliina, quercitina-3-metiléter 7-diglicosídeo (54), alnustina, 5,7,8-trimetoxiflavona, 7-
hidroxi-3,5,8-trimetoxiflavona, 3,5,7,8-tetrametoxiflavona, kawapirona); ácidos polifenólicos e ésteres (ácido clorogênico e
isoclorogênico, protocatequilcalerianina, ácido caféico, cafeoilcalerianina); fenilpironas (italidipirona e 23-metil-6-0-desmetil
auricepirona); sesquiterpenos, derivados da fenilpirona e morina, compostos acetilênicos, luteolina, ésteres de coleriantina,
monoterpenos, canfeno, mirceno, a-terpineno, borneol, a-himachaleno; saponinas, substâncias amargas (lactonas), taninos.

Propriedades medicinais gerais:


Adstringente, amargo, anódino, antiálgico, antiasmático, antibactericida, antidiabético, antidiarreico, antiedematogênico externa
e interna, antiepilético, antiespasmódico, antiflogístico, anti-helmíntico, anti-herpético, anti-infeccioso, anti-inflamatório,
antisséptico, antiviral, antitumoral, aperiente, bactericida, carminativo, calmante digestivo, colagogo, colinolítico, miorrelaxante,
digestivo, estomáquico, emenagogo, estomáquico, eupeptico, febrífugo, hipocolesterolêmico, imuno-estimulante, protetor solar,
sedativo, sudorífero, tônico, antialérgico, excitante, antimicrobiana, genotóxica, moluscocida, anti-helmíntico, antihiperglicêmico,
antioxidante, antiradicular, antitússivo, citoprotetor, cardíaco, expectorante, hepatoprotetor, hipocolesterolêmico, afrodisíaco,
imunossupressor, inseticida, mutagênico, fagocitótico, vaso relaxante, vermífugo, peitoral, estomático.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: azia, cólicas intestinais, diarreia, disenteria, disfunções gástricas e digestivas, dor de estômago,
espasmos, gastrite, inapetência, má digestão, perturbações gástricas, regurgitações, gases, anorexia, colite, dispepsia, enterite,
colesterol elevado, hiperglicemia, salmonela, vermes.
Sistema Urinário e Genital: desordens menstruais, impotência.
Sistema Hepático: cálculo biliar, colecistite, hepatite.
Sistema Respiratório: rinite crônica, alergias respiratórias, asma, bronquite, tosse.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: epilepsias, nervosismo, resfriado, ansiedade, gripe, convulsões, herpes, neuralgia,
neurose, virose, A.V.C.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: contrações musculares bruscas, reumatismo, dores musculares, torcicolo, mialgia.
Sistema Renal: retenção de líquidos.
Outros distúrbios: cefalalgias, diabetes, dor de cabeça, febre, inflamação, insônia, câncer do fígado, infecções, náusea, dores,
combate ao estafilococo, tumores, combate o Tripanossoma cruzi (Doença de Chagas), neutralização do HIV.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: lavar feridas e úlceras, protetor solar, tônico para pele.
Cabeça e face: estimulante da circulação capilar, queda de cabelos, tônico para cabelos delicados, clarear cabelos.
Cavidade bucal: feridas da mucosa bucal (bochechos).
Músculos, ossos e articulações: contusões, dores musculares.
Outros distúrbios: suores fétidos nos pés.

Medicina Chinesa (MTC):


A macela elimina vento-frio, trata síndrome Bi, estimula o Wei Qi, elimina fogo tóxico do organismo e atua regulando o Jiao médio.
Tem ação nos canais do Fígado, Estômago, Vesícula Biliar, Baço/Pâncreas e Pulmões.

Modo de usar:
- infusão de 5 a 10 g em 100 ml de água fervente por 15 minutos. Filtrar e tomar 3 xícaras ao dia;
- maceração de 10 g em 100 ml de vinho branco por 5 dias. Filtar e tomar um cálice pequeno 3 vezes ao dia;
- tintura: 20 g em 100 ml de azeite, esquenta em banho-maria por 2 horas no fogo baixo. Filtar e usar para massagem: dores de
ouvido, nevralgias, limpeza de crostas de recém-nascidos. Para reumatismo, acrescentar 10 g de cânfora: massagear as juntas
doloridas;
- decocção por 10 minutos, de 30 g de camomila em 1/4 de xícara de azeite de oliva. Deixe esfriar, filtrar em gaze, esprema e
aplique: queimaduras solares.

MALVA:
Nome Científico: Malva sylvestris L.
Partes usadas: Raízes, flores e folhas (sem pecíolo).
Sabor: Doce e refrescante.

Composição Química: Ácidos graxos insaturados, ácido malválico e estercúlico.

Propriedades medicinais gerais:


Diurético, depurativo, laxativo, anti-inflamatório, expectorante, antitussivo, calmante, demulcente, adstringente, emoliente,
mucilaginoso, hidratante, suavizante, béquico, oftálmico, odontálgico, estimulante da fagocitose, analgésico, antioxidante,
antiperoxidante, antisséptico, antiespermatogênico, antiulcerativo, quelante de ferro, refrigerante, diaforético, sudorífico,
uterotônico e peitoral.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: na prisão de ventre com fezes ressecadas, gastrites, enterite, duodenite, colite, esplenite, dor de
estômago, úlceras e nas hemorroidas.
Sistema Urinário e Genital: em infecção urinária, disúria, polaciúria, hematúria, cólicas menstruais, vaginite, doenças venéreas,
cistite e libera edemas (inchaços) ao promover a micção.
Sistema Hepático: para colecistite.
Sistema Respiratório: na tosse com (ou sem) catarro amarelo, enfisema, tuberculose, asma e também em bronquite.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: em casos de gota, anemia, angina.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: para epilepsia, resfriado e gripes.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: para artrite, dores nas costas.
Sistema Renal: na litíase renal (cálculos).
Outros distúrbios: para obesidade, inflamações, mastite, lactação insuficiente (oligogalactia), câncer de mama, câncer de pescoço,
câncer de pênis, câncer de estômago, câncer de útero, na dor de ouvido e na tonsilite.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: é um calmante da pele em acnes, furúnculos e erupções da pele, dermatoses e picadas de insetos, feridas, aftas e
promove a hidratação suave da pele.
Cabeça e face: para irritação dos olhos e blefarite.
Cavidade bucal: para problemas de laringe e faringe (bochechos com infusão), para inflamações da boca e garganta, tonsilite e
também para limpeza bucal.
Músculos, ossos e articulações: na artrite.
Outros distúrbios: nas hemorroidas, inflamação das mucosas e em inflamações.

Contraindicações:
Evitar o uso em pessoas com diarreia crônica. Em doses elevadas pode causar diarreia e desconforto abdominal.

Toxicidade: A planta tem propensão a acumular nitratos, em níveis tóxicos.

Medicina Chinesa (MTC):


A erva clareia calor-umidade do Pulmão, tonifica o Yang e o Qi do Baço, elimina umidade-calor da bexiga, promove a umidificação
do intestino e remove calor por deficiência de fluidos e tonifica o Qi do Pulmão. Auxilia na recuperação do Jie, elimina invasão de
vento-calor e também elimina umidade. Umedece os intestinos e estimula o peristaltismo. Favorece a lactação e as glândulas
mamárias. Atua nos canais do Estômago, Bexiga, Baço/Pâncreas, Pulmão e Intestino Grosso. Seu elemento predominante é a
Terra.

MANJERICÃO:
Nome Científico: Ocimum basilicum Linn.
Partes usadas: Toda planta (folhas, caule, inflorescência e raízes). Da variedade latifolium, utilizam-se as folhas e raízes. Na
variedade americanum, utilizam-se as folhas e flores. Na variedade anisatum, utiliza-se o sumo ou xarope. Esta variedade não deve
ser fervida
Sabor: Picante, doce, amargo e quente.

Composição Química:
Constituído de 1-8-cineole, linalol, β-cariofilen, metilchavicol, eugenol, metil-eugenol, canfeno, mirceno, alfa e gama-terpineno,
cimeno, fenchona, cânfora, alfa-terpineol, borneol, citral, citronelol, geraniol, metil-cinamato, taninos, estragol, saponina, timol,
limoneno, cineol, cinamato de metila, alfa e beta-pineno, ácido cafeico e derivados, flavonoides, metil-chavicol, taninos, pineno,
ácido linoleico, cimoleno, xantomicrol, aesculetin, p-coumaric, eriodictiol, 7-glucoside, vicenin-2, estragole, monoterpenos.
Constituintes encontrados nas raízes: encontrados na raiz: Ocimene, α-pinene, 1,8-cineole, eucalyptole, linalool, geraniol,
limonene, ∆3, -carene, methyl chavicol, eugenole, eugenol methyl ether, anethole, methyl cinnamate, 3-hexen-l-ol, 3-octanone,
furfural, planteose, methyl eugenol. As folhas são ricas em vitamina A e C, além de conterem vitamina B, são também uma fonte
de cálcio, fósforo e ferro, betacaroteno.

Propriedades medicinais gerais:


Antibacteriano, antisséptico (uso tópico), antiespasmódico, diaforético, nervino, alterativo, antipirético, carminativo, galactagogo,
relaxante muscular, antimicótico, tonificante, emenagogo, contra indigestão, antiemético, tônico, béquico, estomáquica,
estomática, excitante, cicatrizante, analgésica, antidisentérico, diaforético, lactógeno, antirreumático, antiplaca, repelente,
antimicrobiano, antioxidante, estimulante, cefálico, estupefaciente (em doses elevadas).

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: para espasmos estomacais, para eliminar gases digestivos, em cólicas intestinais, estomatites, infecção
intestinal, problemas digestivos (inclusive de origem nervosa), afecções digestivas e gastrointestinais, estomatite, gengivite, afta,
cólica abdominal, catarro Intestinal, dispepsia nervosa, halitose, parasitoses intestinais, meteorismo, dispepsias hipo e
hipersecretatoras,
Sistema Urinário e Genital: oliguria, disúria, alivia sintomas de tensão pré-menstrual, utilizado no tratamento de hematúria,
Sistema Hepático: por ser rico em cobre tem ação que beneficia o fígado.
Sistema Respiratório: afecções respiratórias, bronquites, asma, congestão nasal, infecções peitorais, sinusite, tosses, faringite,
dispneia, tosse irritativa.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: por ser rico em ferro tem ação que beneficia o sangue, melhora o colesterol, previne
doenças cardiovasculares, melhora a formação da hemoglobina, hipotensão arterial, para plenitude pós-prandial.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: dispepsia nervosa, estafa mental, intelectual ou nervosa, tonifica o sistema nervoso
central e o córtex da suprarrenal (cortisol), para agitação, em gripes, vertigens, desmaios, debilidade nervosa, aumenta a
disposição física e estimula o sistema imunológico, por ser rico em vitamina B6 melhora o funcionamento do sistema nervoso,
combate a depressão nervosa, previne o Mal de Alzheimer, esgotamento nervoso, histeria, epilepsia e paralisia.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: para induzir ao sono dificultado por tensão muscular, para tratar dores reumáticas, por
ser rico em cálcio fortalece os ossos, previne osteoporose, melhora quadros de artrite, dores musculares, inflamações
osteoarticulares.
Sistema Renal: afecções renais, inflamação e congestão renal.
Outros distúrbios: enxaquecas, clareia a mente, alivia dores de cabeça (cefaleias), para fortalecer a concentração, confere força e
clareza a mente, como repelente para insetos, age como rejuvenescedor e promove brilho da epiderme, amigdalite, câncer de
cólon, por ser rico em zinco equilibra os oligoelementos do corpo, melhora o paladar, a visão e o olfato, por ser rico em vitamina A
melhora a visão diurna e noturna, previne doenças de pele e envelhecimento precoce, por ser rico em vitamina B3 melhora a
absorção de nutrientes, protege o corpo contra radicais livres, por ser rico em vitamina E tem ação antioxidante e cicatrizante,
reduz infecções, é um antídoto para mordeduras de animais e é repelente de insetos, indicada em tratamentos de alcoolismo,
câncer de fígado, câncer de baço, protege membranas mucosas, excelente no tratamento a coqueluche, fadiga, insônia.
Indicações para uso interno de partes específicas da planta:
Folhas – afecções de garganta (mascar as folhas).

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: feridas purulentas, combate micoses por Aspergilus e Tricodermus, combate a bactéria Staphilococcus, em
compressa é utilizado para acalmar os bicos dos seios das lactantes, pode ser usado em feridas ulcerosas, acnes, picada de insetos.
Cabeça e face: otites.

Contraindicações:
O óleo essencial deve ser empregado em alta diluição e pode ser irritante para a pele sensível e é contraindicado na gravidez e na
lactação e também para pessoas com emoções raivosas. Em excesso, pode causar superestimulação, efeito narcótico ou torpor.
Evitar uso na gravidez, em pessoas alérgicas, para crianças menores que seis anos ou pacientes com gastrite, úlceras
gastroduodenais, síndrome do cólon irritável, colite ulcerosa, doença de Crohn, hepatopatias, epilepsia, doença de Parkinson e
outras doenças neurológicas.

Interações medicamentosas:
A erva pode intensificar ação de anti-hipertensivos. Pode reduzir a taxa de glicose em pacientes em uso de insulina e
antidiabéticos. Necessário monitorar a glicemia.

Toxicidade:
Em doses elevadas, o óleo essencial no uso interno, pode provocar efeitos narcóticos, palpitações, sudorese intensa, hipoglicemia
severa, confusão, tontura, cefaleia. O óleo essencial também é irritante para as mucosas. Caso ocorram estes sintomas, será
necessário tratamento clínico. Desaconselhado uso prolongado da erva para crianças.

Medicina Chinesa (MTC):


A erva é expectorante e elimina a umidade e as mucosidades. Deve ser usada para deficiência do yang do rim, estagnação do Qi
dos intestinos, no frio no útero e na deficiência do yang.

Modo de usar:
- infusão de 2 colheres de sopa de folhas e/ou sumidades floridas picadas em 1 L de água fervente. Tomar 3 xícaras do chá morno
por dia;
- Uso externo: Infusão morna, usado em bochechos: aftas, estomatite, males da boca; em gargarejos: amidalite, faringite,
laringite, etc.;
- Cataplasma: folhas amassadas sobre a ferida;
- Chá das folhas ou sementes em maceração: compressas sobre o bico dos seios rachados durante a lactação;
- decocção das raízes: estagnar o sangue.
- Tintura: macerar 20g de folhas frescas em 80 ml de álcool de cereais por uma semana. Usar 30 gotas em 1 copo de água 2 ou 3
vezes ao dia.
- Infusão de 10g de folhas em ½ litro de água fervente. Deixar 6 horas em repouso, coar e tomar 1 copo 3 vezes ao dia.
- Infusão de 10 a 15g de folhas e/ou flores em 1 litro de água. Tomar 4 a 5 xícaras ao dia.
- Decocção de 10 a 15g de folhas em 1 litro de água. Fazer bochechos ou gargarejos para afecções bucofaringeanas.

MANJERONA:
Nome científico: Origanum majorana L.
Nomes botânicos: Majorana hortensis Moench,
Partes usadas: óleo essencial, folhas e flores.
Sabor: amargo, picante, doce, adstringente e neutro.

Constituintes químicos:
Sabineno (5,17 a 7,51%), mirceno (1,10 a 1,93%), α-terpineno (0,19 a 8,86%), γ-terpineno (14,58 a 21,40%), linalol
(3,16 a 10,62%) e 4-terpineol (28,83 a 38,14%). A planta fresca contém 0,15 a 0,20%
de óleos essenciais e as sumidades floridas cerca de 0,35%. O teor de óleo essencial varia de 0,2 a 0,55, na base seca. O
conteúdo médio de cis-sabinenohidrato é de 36,2%.

Propriedades medicinais:
Afrodisíaco, digestivo, expectorante, hidratante da pele, revigorante capilar, antiespasmódico, sedativo, hipotensor, diurético,
peitoral, antiviral, descongestionante, mucolítico, aperiente, emenagogo, tônico, sudorífico, analgésico, aromática, condimentar,
antibacteriano, estimulante, antifúngico, antimicrobiano, carminativo, adstringente, narcótico (em doses elevadas), antioxidante,
cefálico, nervino, rubefasciente, vulnerário.

Indicações (Uso interno):


Asma, bronquite, contusão, debilidade dos nervos, dilatação do estômago, espasmo, histerismo, afecções intestinais, cólicas
intestinais, resfriado, tosse, ansiedade, insônia, elimina muco e catarro, sinusite, cólica menstrual, úlcera estomacal, dores de
cabeça, astenia, distúrbios do sistema nervoso, remove sílica dos intestinos, alivia o excesso de libido, flatulência, dores menstruais,
tenesmo da bexiga, problemas ginecológicos em geral, dismenorreia, amenorreia, infertilidade, tensão nervosa, tremores internos,
tonturas, zumbidos, menopausa, enxaquecas, paralisia facial, convulsões, histeria, infecções da garganta, infecções nos brônquios,
cândida, gastroenterite, infecções orais por fungos (gargarejos), neuralgia, estresse, angústia, depressão, purificadora dos rins,
asma brônquica,

Indicações (Uso externo):


Dor reumática, torcicolo, artroses, poliartrites, reumatismos articulares, tiques nervosos, movimentos incontroláveis, usado para
contusões, feridas e tumores (cataplasmas), escurece e fortalece os cabelos, queimaduras, fraqueza muscular, cãibras, coceiras
leves, micoses e frieiras, estiramentos, entorse, varizes,

Utilizações na MTC:
Move o qi (energia) do útero, para estagnação do qi (energia) do útero, vazio do qi do útero, estagnação do qi do rim, ascensão do
yang do fígado, estagnação do qi do pulmão, vento interno, estagnação por umidade, mucosidades e vento, fogo do rim, umidade-
muco do baço/pâncreas, umidade-frio e muco do rim e vazio da essência (jing). Eleva o yang do elemento madeira. Elemento
predominante na MTC: Madeira. Atua nos canais do fígado, coração, pulmão, baço pâncreas e bexiga.

Contraindicações:
Altas doses por longos períodos não são recomendadas para pessoas com hipertensão arterial. Seu consumo é contraindicado para
diabéticos. Esta planta não deve ser usada durante a gravidez, pois é um estimulante uterino. Não deve ser feito uso interno do
óleo essencial. O óleo essencial pode ainda causar irritações cutâneas em algumas pessoas.

MARAPUAMA:
Nome científico: Ptychopetalum uncinatum Anselmino

Constituintes químicos: ácidos: araquídico e behenico lignocerico; beta-sitosterol e campesterol; óleo essencial.

Propriedades medicinais: afrodisíaco, antidesintérico, antirreumático, antiestress, tônico.

Indicações:
Astenias cardíacas e gastrointestinais, beribéri, depressão, fraqueza, gripe, parasitas, impotência sexual, paralisias parciais, queda
de cabelo, reumatismo crônico.

Modo de usar: decocção em fricções: parasitas e beribéri.

MELALEUCA:
Nome científico: Melaleuca alternifolia Cheel.
Partes usadas: óleo essencial, folhas e ramos.
Sabor: picante.

Constituintes químicos:
Folha: 1,4-cineol 0,001 ppm; 1,8-cineol 260 – 16.000 ppm; alfa-terpineol 180-902 ppm; Alil-hexanoato 0,001 ppm;
ALLOAROMADENDRENE 45-112 ppm; ALPHA-BULNESENE 36 ppm; ALPHA-CADININE 143-358 ppm; ALPHA-copaeno 10 – 25 ppm;
ALPHA-CUBEBENE 4 – 11 ppm; ALPHA-felandreno 10 – 50 ppm; ALPHA-GURJUNENE 23-58 ppm; ALPHA-MUUROLENE 0,001-30
ppm; ALPHA-P-dimetilestireno 7-18 ppm; ALPHA-terpineno 190 – 4375 ppm; ALPHA-terpinoleno 364 ppm; ALPHA-THUJENE 76
ppm; Aromadendreno 235-675 ppm; BETA-elemeno 0,001 ppm; BETA-felandreno 75 ppm; BETA-pineno 59-950 ppm; CALAMENENE
10 – 25 ppm; CAMPHOR 0,001 ppm; Canfeno 0,001 ppm; Cariofileno,001-154 ppm; CYMENENE 12 ppm; EO 10.000 – 25.000 ppm;
GAMMA-terpineno 1.154 – 3.000 ppm; HEXANOL 0,001 ppm;Humuleno 0,001-12 ppm; LIMONENE 100-250 ppm; linalol 10 – 25
ppm; MENTHATRIENES 0,001 ppm; Mirceno 52-130 ppm; Nerol 0,001 ppm; P-cimeno 300 – 2855 ppm; P-Cymen -8- OL 13-32 ppm;
-pineno 200-700 ppm; Piperitol 7-18 ppm; PIPERITONE 8-20 ppm; Sabineno 12-30 ppm; terpinen -1- OL 40-100 ppm; terpinen -4-ol
2941 – 11.225 ppm; Terpinoleno 236 – 6125 ppm; VIRIDIFLORENE 103-257 ppm.

Propriedades medicinais:
Antisséptico, antibiótico, bactericida, fungicida, antivirótico, repelente, expectorante, inseticida, estimulante, sudorífico, anti-
infeccioso, imuno-estimulante, cicatrizante, vulnerário, parasiticida.

Indicações (Uso interno): não recomendado uso interno.

Indicações (Uso externo):


Infecção e problemas de pele em geral, acne, dermatite, eczema, psoríase, gripe, HIV, candidíase, herpes, tinha, queimadura,
cortes, prurido, coceira, furúnculo, ferida inflamada, mordida, afta, odor dos pés, regiões necrosadas e infectadas, usado para
evitar a proliferação de infecções, reumatismo, sífilis, infecções por fungos que afetem os cabelos, unhas e a pele, infecções do
ouvido, infecções vaginais, eleva a imunidade, micoses, catarro e gripes (cataplasma das folhas), picadas de insetos, repelente de
insetos, alivia a tensão do diafragma (massagem com óleo essencial diluído), bolhas, artrite, constipação, febre, cólicas, pele
oleosa, caspa, piolho, sinusite, asma, bronquite e tosse podem ser tratadas através de inalação do vapor, infecções urinárias e
cistite, catapora, parasitas intestinais,

Contraindicações:
Pode causar eczemas alérgicos em algumas pessoas sensíveis aos seus constituintes químicos. Devido ao potencial de depressão do
sistema nervoso central associada a ingestão de óleo de melaleuca, os pacientes devem ser observados de perto para a
possibilidade de evidências de insuficiência respiratória durante as primeiras horas após a ingestão.

MELISSA:
Nome Científico: Melissa officinalis L.
Nomes botânicos: Melissa bicornis Klok.
Partes usadas: Partes aéreas e óleo essencial.
Sabor: Doce, adstringente, amargo e refrescante.

Composição Química:
Ácidos caféico, ácidos rosmarínico, ácido clorogênico, ácidos triterpênicos: ursólico e oleânico, óleo essencial (citral, citronelal,
citronelol, pineno, limoneno, linalol e geraniol), glicosídeos flavônicos, resinas, sesquiterpenos (cariofileno e outros), succínico,
tanino. Seu óleo essencial representa 0,02-0,37%, A erva é composta por mais de 40% demonoterpenos e mais de 35% de
sesquiterpenos.

Propriedades medicinais gerais:


Antiespasmódico, calmante suave, carminativo, antinevrálgico, emenagogo, sudorífico, estomáquico, colerético, adstringente,
analgésico, antialérgico, antidispéptico, antimicrobiano, antisséptico, cicatrizante, cordial, digestivo, diurético, estimulante,
hipotensor, relaxante, sedativo, tônico, anti-hemorrágico, vermífugo, antigripal, antitussígeno, relaxante, hipotensor,
antidepressivo, aromático, antioxidante, expectorante, antitumoral, antibacteriano, analgésico, anti-herpético, anti-histamínico,
anti-hormonal, antimutagênico, antipirético, cardiotônico, cerebrotônico, colinérgico, diaforético, fungicida, hipnótico,
miorrelaxante, nervino, estimulante, tranquilizante, uterotônico, antiulcerativo, tônico, anti-gonodotrópico, balsâmico, anti-HIV,
ansiolítico, candiditicida, indutor de carpase-3, depressor do Sistema Nervoso Central (SNC), ileorelaxante, lactagogo, orexigênico,
inibidor de RT, esternutatório, sudorífico.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: para afecções gástricas, arrotos, cãibras intestinais, diarreia sanguinolenta, tenesmo, inapetência,
elimina parasitas intestinais, para síndrome do cólon irritável, na constipação, atonia estomacal, é um excitante gástrico que
promove a digestão, cólicas abdominais, meteorismo, anorexia, espasmos gástricos, colite crônica, combate a bactéria H. pylori,
fermentações.
Sistema Urinário e Genital: para infertilidade, fortificante do útero, beneficia o sistema reprodutivo feminino, para irregularidade
menstrual, dores menstruais, cólicas, cistite, dismenorreia, candidíase.
Sistema Hepático: em problemas hepáticos e biliares, icterícia, estimula produção da bile, disquinesias biliares, hepatite.
Sistema Respiratório: catarros crônicos, tosse, na tosse com muco, asma, bronquite, hiperventilação.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: ativa circulação, pericardite, interrompe hemorragias, boa erva para o coração e
circulação sanguínea, palpitações, nas afecções cardíacas, aterosclerose, angina, furúnculos.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: ansiedade, para crises nervosas, depressão, acalma sintomas de epilepsia, nervosismo,
nevralgia facial e dentária, no resfriado, no histerismo, utilizada no tratamento do Mal de Alzheimer, fortificante dos nervos e do
cérebro, neuralgia intercostal, distúrbios do sistema nervoso autônomo, nevralgias em geral, convulsões, apoplexia, neurastenia,
demência, estimulante da memória, arritmia, herpes zoster.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: artralgias, paralisia, espasmos musculares, reumatismo, doenças articulares, dores nas
costas.
Outros distúrbios: caxumba, cefalalgia, celulite, debilidade geral, desmaio, dores nos olhos, enjoo, entupimento das mamas,
preveni enxaquecas, fadiga, melancolia, nas odontalgias, vertigem, insônia, utilizada em banhos para revigorar, hipocondria,
hipertireoidismo, reduz febre, auxilia no trabalho de parto, reduz tumores, melhora a visão, para Síndrome de Déficit de Atenção,
na hiperatividade, psicose maníaco-depressiva, para suavizar a psique, hipocondria, no vômito durante a gravidez, para ruído nos
ouvidos, vertigem por excesso de trabalho, combate infecções virais, alergias em geral, câncer de fígado, câncer da gengiva, câncer
de estômago, câncer do baço, câncer da garganta, dor de ouvido, infecções e inflamações em geral, inquietação, na psicose
maníaco-depressiva, mudanças hormonais, melhora o desempenho cognitivo, varicela (catapora).

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: para erupções, chagas, feridas, estimulante cutâneo, herpes, fungos da pele, combate o mixovírus do grupo 2,
dermatite, pele ressecada, psoríase.
Cabeça e face: alopecia, cabelo grisalho.
Cavidade bucal: herpes labial, mau hálito, gengivite.
Músculos, ossos e articulações: alivia contusões e edemas.

Contraindicações:
Pessoas com hipersensibilidade aos componentes da planta ou com hipotensão. Deve ser evitada por gestantes com sensibilidade
aos seus componentes. A erva também pode causar diminuição da pulsação e entorpecimento. Também deve ser evitada em casos
de hipotireoidismo. Pessoas com glaucoma devem evitar o uso do óleo essencial que pode fazer subir a pressão interna do olho.
Também deve ser evitada por pessoas com doença de Graves, ainda que várias publicações indiquem a erva precisamente para o
tratamento desta doença.

Interações medicamentosas: Esta erva faz interação com drogas sedativas, barbitúricos e hormônios para a tireoide.

Medicina Chinesa (MTC):


Planta de característica yang, associada ao elemento Terra. Considerada uma erva de característica doce. Promove a circulação
do Qi do coração e regula sua circulação. Também indicada para elevação do yang do fígado, deficiência do yin do coração,
estagnação do Qi do rim, estagnação do Qi do estômago, estagnação do Qi do útero, para casos de fogo do coração, para invasão
de vento-calor externo, no vazio do Jing do Rim, para deficiência do Qi do baço/pâncreas e deficiência do sangue do coração. Atua
nos canais do coração, pericárdio, triplo aquecedor, pulmão, fígado, rim, bexiga, vaso governador e vaso concepção.

MORINGA:
Nome Científico: Moringa oleifera Lam.
Partes usadas: Todas as partes da planta. Flores, raízes, folhas, casca, vagens e sementes.
Sabor: Picante e amargo.

Composição Química:
As sementes contêm cerca de 30% de óleo com alto teor de oleína, uma mistura de polissacarídeos complexos e duas substâncias
antibióticas, a pterigospermina e o ramnosiloxibenzilisotiocianato. Nas cascas do caule, encontra-se alcaloide, resinas, mucilagem.
Contém ácido margarico, benico, moringuico.

Propriedades medicinais gerais:


Antibiótico, cicatrizante, abortífero, antiedêmico, antisséptico, antiespasmódico, antitumoral, aperitivo, antiviral, afrodisíaco,
cardiodepressor, carminativo, colerético, depurativo, embólico, emético, emenagogo, estrogênico, expectorante, hipotensivo,
imuno-estimulante, imunossupressor, litolítico, mutagênico, piscicida, protisticida, sedativo, espasmogênico, estomáquico,
uterotônico, vasoconstritor, vesicante, vibriocida, antidiarreico, antimicrobiano, antidiabético, lactagogo, contraceptivo,
antioxidante, rubefasciente (em uso externo), febrífugo.
Propriedades medicinais de partes específicas da planta:
Raízes – analgésico, anti-inflamatório, cardiotônico e antiepilético (suco), antiparalítico, antifertilidade, laxativo, antiviral.
Casca – analgésico, antibacteriano, fungistático, antifertilidade, hipoglicemiante, anti-inflamatório, antiviral.
Flores – colagogo, diurético, estimulante, vermífugo, hipoglicemiante (no vapor).
Vagens – antipirético anti-helmíntico.
Sementes – vermífugo aglutinante.
Frutos – antiparalítico.
Folhas – alimentício.

Indicações para uso interno:


Sistema Digestivo: acalma biliosidades, queimação, cólica, constipação, disenteria, dispepsia, enterite, combate a
bactéria Escherichia coli, gastrite, infecção por salmonela, shigelose (infecção pelo vírus Shigella), esplenomegalia, esplenite,
úlceras estomacais e intestinais, dores de estômago, espasmos intestinais.
Sistema Urinário e Genital: dismenorreia, disúria, hematúria, infertilidade, sífilis, retenção de líquidos, renova as células epiteliais
dos órgãos sexuais.
Sistema Hepático: cálculo biliar, hepatite, malária, hepatomegalia.
Sistema Respiratório: asma, elimina catarro, resfriado, tosse, faringite, pneumonia, renite, inflamação na garganta, tuberculose,
bronquite.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: cardiopatias, erisipela, pressão alta, pressão baixa, tétano, anemia.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: adenopatia, febre, resfriado, convulsão, edemas, epilepsia, alucinação, histeria,
imunodepressão, insônia, loucura, debilidade nervosa, neuralgia, sofrimento, paralisia, escrófula, sincope, vertigem, renova as
células epiteliais do cérebro, desordens da tireoide.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: artrose, câimbra, hidropisia, ajuda a consolidar fraturas, lumbago, reumatismo,
espasmos, artrite, dores nas juntas.
Sistema Renal: cálculo renal, nefrose, retenção de líquidos.
Outros distúrbios: combate amebas, alopecia, elimina bactérias. No câncer de abdômen, câncer de colón, câncer de fígado, câncer
naso-faríngeo e câncer de baço. Na dor de ouvido, combate fungos, dor de cabeça, soluços, infecção, lepra, leucemia, elimina
larvas e vermes, oftalmia, Scirrhous carcinoma, inflamações em geral, infecção por bactérias Staphylococcus e Streptococcus,
tumores, atua no tratamento de diversos tipos de vírus, febre amarela, combate os efeitos debilitadores do HIV, tratamento de
obesidade, combate vírus Epstein-Barr, na fadiga crônica, para inflamações das mucosas em lactantes.
Indicações para uso interno de partes específicas da planta:
Raízes: cólera, gota (raiz desidratada).
Vagens: diabete (fritar as vagens).
Casca: gota (casca desidratada).
Folhas: desordens do movimento gastrointestinal.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: pé de atleta.
Cabeça: caspa.
Cavidade bucal e garganta: gengivite, rouquidão, dor de dente.
Indicações para uso externo de partes específicas da planta:
Folhas, sementes, raízes e casca: dermatose, micose, verrugas, feridas, sarna, picada de cobra, abscessos, hemorroidas e fístulas
anais.

Contraindicações:
A planta é contraindicada durante a gestação. Doses elevadas do suco das folhas podem induzir ao vômito. As folhas da Moringa
não são recomendadas para quem tem problemas na tireoide ou qualquer outro causado pela ingestão de iodo, sem autorização e
companhamento médico. O consumo da planta pode causar náusea, diarreia e queimação. Em caso de náusea, diminuir as
dosagens. Algumas pessoas podem sentir desconforto estomacal com queimação, ao tomar a erva com água. As folhas podem
diminuir a viscosidade do sangue. Deve ser consumida com cuidado por pessoas que utilizam medicamentos para tornar o sangue
mais fino. As raízes são consideradas abortivas.

Toxicidade: O consumo de 15g de casca de raiz tem efeito abortivo.

MULUNGU:
Nome Científico: Erythrina mulungu Mart. ex Benth.
Partes usadas: Casca, folhas e inflorescências.
Sabor: Picante, amargo e refrescante.

Composição Química: Erisopina, erisodina, eritramina, eritrina, eritrocoraloidina, eritratina, esteroides, glucosídeos, hipaforina.

Propriedades medicinais gerais:


Analgésico, sedativo, diurético, hipnótico, resolutivo, expectorante, antitussígeno, antirreumático, antiasmático, calmante,
hepatoprotetor, hipotensivo, narcótico, tranquilizante, antioxidante, bactericida, anticonvulsivo, galactagogo, cardiodepressor,
antifúngica, hipoglicemiante, hepático, emoliente, peitoral, odontálgico, antiarrítmico, antidepressivo, antiedêmico, antinicotínico,
antisséptico, antiespasmódico, carminativo, depressor do SNC, lactagogo, nervino, anti-helmíntico, antissifilítico, laxativo,
antitérmico, antinociceptivo, anticonvulsivante, ansiolítico.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: inflamação do baço, nas dores de estômago, trata hemorroidas, combate a verminoses, diarreia, gases,
gastrite, hemorroidas, esplenite.
Sistema Urinário e Genital: cistite, disúria, menopausa, oliguria.
Sistema Hepático: inflamação do fígado, para hepatite.
Sistema Respiratório: na bronquite asmática, tosse nervosa, catarro.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: palpitação, regula o batimento cardíaco, arritmia, pressão alta.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: alivia agitação, em crises nervosas, trata histeria, insônia, neurose, distúrbios nervosos
variados, ansiedade, para a neuralgia do nervo trigêmeo e outras neuralgias, bloqueador dos estímulos da dor, epilepsia, em
traumas e choque, na neurastenia, convulsões, mialgias.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: na dor reumática, em dores musculares, é um regenerador de tecidos, espasmos
musculares, artrite, em hérnias.
Outros distúrbios: coqueluche, cefaleia por estresse, febres intermitentes, epilepsia, para auxílio da retirada de nicotina ou outras
drogas, câncer do estômago, depressão, edemas, febre, dor de cabeça, infecções e inflamações, malária, dor de garganta,
tratamento de staphylococus, estresse, enxaqueca.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: lesões cutâneas, picadas de lacraia e escorpião, feridas.
Cavidade bucal: na dor de garganta, nos abscessos da gengiva, nas odontalgias, nas afecções bucais e na cárie dentária em
bochechos.

Contraindicações:
Não utilizar esta erva com pessoas que apresentem hipersensibilidade aos componentes químicos da planta. Evitar também em
pessoas com hipotensão arterial e sonolência, pois pode ocorrer acentuação destes sintomas. Não utilizar nos 3 primeiros meses de
gravidez e em pessoas com deficiência cardíaca ou portadores de arritmia no coração ou com quadro de anemia.

Interações medicamentosas:
Os extratos da planta podem potencializar os efeitos dos sedativos, hipnóticos, álcool, anti-histamínicos e dos analgésicos
derivados de morfina. Panizza e colaboradores (2012) também relatam a necessidade de monitorar o uso concomitante do decocto
das cascas de E. mulungu com psicotrópicos, anti-histamínicos, betabloqueadores e hipoglicemiantes.

Toxicidade: As sementes do mulungu são tóxicas. Evitar o uso.

Medicina Chinesa (MTC):


Tabellae Suan Zao Ren Tang, usado em tratamentos de neurastenia, insônia, palpitações de origem neurológica e agitações. Possui
ação sedativa e demulcente. Sua ação combate calor, alivia congestão e fortalece o coração. Acalma distúrbios do Shen e trata
invasão de vento-calor e vento-frio. Nome chinês: San Hu Ci Tong.

NOZ MOSCADA:
Nome Científico: Myristica fragans Houtt.
Partes usadas: Semente e a casca ou camada que envolve a semente chamada de Mace.
Sabor: Picante, amargo, aromático, adstringente e amornante.

Composição Química:
Borneol, Canfeno, Cimol, Dipenteno, Eugenol, Geraniol, Linalol, Pineno, Sapol, Terpineol, Safrol.

Propriedades medicinais gerais:


Carminativo, digestivo, nervino, sedativo suave, tônico, afrodisíaco, estimulante, estimula circulação, adstringente, antidiarreico,
hepático, analgésico, antiemético, psicotrópico, expectorante, anti-helmíntico, abortivo, alergênico, analgésico, antibacteriano,
anticancerígeno, antiedematoso, anti-inflamatório, antioxidante, antiperistáltico, antisséptico, antitumoral, fungicida,
alucinógeno, hepatotóxico, herbicida, hipocolesterolêmico, larvicida, narcótico, venenoso, psicotrópico, sedativo, soporífico e
depressor do sistema nervoso central.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: em distúrbios digestivos, flatulência, dores e distensões abdominais, diarreias, disenterias, má absorção
intestinal, doença de Crohn, dores de origem visceral, anorexia, náuseas, vômitos, dispepsias, síndrome do cólon irritável, melhoria
da absorção do intestino delgado, eliminar gases, na falta de apetite, cólicas, dispepsia, azia, hemorroida, dor de estomago,
estomatose e na xerostomia.
Sistema Urinário e Genital: na impotência sexual, ejaculação precoce, incontinência urinária, ativa fertilidade masculina, na
disfunção erétil, para urinação excessiva, em doenças da próstata, na infertilidade feminina com menstruação dolorosa,
dismenorreia, cólicas, cistite, leucorreia, endometriose, menopausa e em casos de TPM.
Sistema Hepático: na hepatite.
Sistema Respiratório: para eliminação de muco pulmonar, asma, pneumonia e tuberculose.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: para dores de angina, para baixar o colesterol elevado, hipercalcemia e como
normalizador da pressão arterial.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: para distúrbios do sistema nervoso, insônia, tensões, depressão, ansiedade, nervosismo
crônico, mente agitada com falta de concentração, sono interrompido, histeria, gripes, hipocondria, em casos de infecção,
insanidade, em paralisias, para alívio de sofrimento, Mal de Parkinson, tônico neural e neuralgia.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: na fibromialgia e artrite, para relaxar os músculos, artrose, cãibra, reumatismo, dor
ciática, osteoartrite e osteoporose.
Sistema Renal: para nefrite.
Outros distúrbios: para cefaleias, câncer de gengiva, câncer de articulação, câncer de fígado, câncer de boca, câncer de baço,
cólera, febre, em problemas com fungos, esplenite e em tumores.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: no tratamento de micoses, em escaras e eczemas.
Cabeça e face: para oftalmia.
Cavidade bucal: na dor de dente.
Músculos, ossos e articulações: para torções e inchaços.

Contraindicações:
Não foram encontrados efeitos colaterais em dosagens terapêuticas. Desaconselhado o uso durante a gravidez. Tem efeito
depressor sobre o SNC se utilizada em doses elevadas.

Toxicidade:
Em doses elevadas, pode ser tóxico, podendo levar ao aborto. Os principais ingredientes do óleo essencial são terpenos e também
as substancias myristicina e elemicina, ambas farmalogicamente inativas, porém no corpo humano, elas são transformadas (em
parte) em derivados de anfetamina, os quais tem ação alucinógena. Nunca administrar doses a partir de 5g, pois acima dessa
dosagem a noz moscada tem efeito semelhante ao da tropina que pode causar alucinações, dores de cabeça, taquicardia,
tonturas, confusão mental, falta de coordenação, pânico, dor de estomago, visão embaralhada, coma, tremores, alucinações de
perda de membros, medo terrível de morte eminente e sonolência. Também pode apresentar sintomas de perda da noção de
tempo e espaço, sensação de estar flutuando e boca seca. A overdose pode causar morte. O efeito alucinógeno aparece
aproximadamente após 2 horas da ingestão e pode durar de 12 a 14 horas. Planta notoriamente suscetível a aflatoxinas
carcinogênicas. Importante assegurar-se da procedência do produto.

Medicina Chinesa (MTC):


Esta erva amorna o Jiao Médio e movimenta o Chi. Utilizada em deficiências do Yin e do Yang e é indicada para interromper
diarreia por frio, quando em associação com fruto da Chebula (Hezi), Atractylodes Blanco (Baizhu) e raiz de ginseng de Shangtang
(Dangshen). Seu nome chinês é Roudoukou e é utilizada com raiz de costo (Muxiang), gengibre fresco (Shengjiang) e tubérculo de
pinelia (Banxia) para casos de paralisação do Chi, causado pela deficiência e frio do baço e do estômago, que se manifesta com dor
epigástrica e abdominal, vômitos e náuseas. Atua nos canais do Intestino Grosso, Estômago e Baço/Pâncreas. Esta erva é
contraindicada nos casos de disenteria e de diarreia do tipo umidade-calor.

ORA-PRO-NOBIS:
Nome Científico: Pereskia aculeata Mill.
Partes usadas: Folhas e frutos.
Sabor: Doce e neutro.

Composição Química:
Proteína, vitamina C (cada 100 gramas de folhas frescas há 185mg, equivalente a 4 laranjas), retinol, ácido fólico, cálcio,
magnésio, manganês, potássio, ferro e zinco. Lisina (nas folhas, um aminoácido que falta na proteína do milho e é essencial para o
crescimento ósseo). Mucilagem (rica em arabinogalactana, um biopolímero com fama de lubrificar e proteger a mucosa do
estômago), arabinose, galactose, ramnose e ácido galacturônico e também heteropolissacarídeos, arabinofuranose,
arabinopiranose, galactopiranose, ácido galactopiranosilurônico, ramnopiranose e glucopiranose.

Propriedades medicinais gerais:


Nutritivo, fortificante, depurativo, anti-inflamatório, cicatrizante, regenerativo, vitaminizante. Fruto: antissifilítico e expectorante.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: úlceras, tumores intestinais.
Sistema Urinário e Genital: cistite, sífilis.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: anemia, prevenção de varizes, reduz o colesterol ruim.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: fortalece ossos e dentes.
Outros distúrbios: desnutrição, convalescência, beneficia a pele, fortalece a visão (retinol), câncer do cólon, diabete.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: queimaduras, problemas de pele, furúnculos.
Cabeça e face: tônico capilar.
Outros distúrbios: hemorroidas.

ORÉGANO:
Nome científico: Origanum vulgare L.
Nome farmacêutico: Herba Origani vulgar.
Partes usadas: folhas e sumidades floridas.
Sabor: picante, amargo e quente.

Constituintes químicos:
Sabineno (3,13 a 9,55%), cis-β-ocimeno (0,17 a 9,07%), p-cimeno (0,52 a 29,76%), cariofileno (15,25 a 28,24%), timol (0,27
a17,35%), carvacrol, terpineol, flavonoides, ácido ursólico.

Propriedades medicinais:
Anticaspa, antisséptico, diurético, emenagogo, esternutatório, expectorante, sedativo, estomáquico, nervino, béquico, antitússico,
sudorífico, carminativo, aperitivo, diaforético, excitante, vulnerário, antiespasmódico, parasiticida, tônico, antirreumático,
emoliente (flores), aromática, condimentar, colerético, analgésico, cicatrizante, desodorante (banhos), antioxidante.

Indicações (Uso interno):


Tônico circulatório, estimulante gástrico e biliar, cólicas, espasmo da musculatura lisa, acalma dores estomacais, facilita a digestão
após ingerir alimentos pesados, elimina gases, elimina catarro, para bronquite (banhos e inalação), dor de cabeça de origem
nervosa, gripes, resfriados, febres, baixar a menstruação, alivio do desconforto das cólicas menstruais, dispepsias, meteorismo,
inapetência, asma, enfisema, tosse convulsiva, sarampo, alivio da fadiga, amenorreia, irritação da garganta, laringite, tosse seca,
aerofagia, epilepsia, nevralgia, traqueíte, giardíase.

Indicações (Uso externo):


Inflamações e dores reumáticas (compressas), gengivite, dor de dente (bochechos), hematomas, torções, otite, feridas, micoses,
rouquidão (gargarejos), dores musculares, torcicolos e lumbago (cataplasmas e fricções).

Utilizações na MTC:
Faz circular o qi (energia vital) do pulmão e abre o peito. Utilizado em casos de umidade ou mucosidade do pulmão, vento frio do
pulmão, Umidade e mucosidade do baço pâncreas e frio no útero. Elemento predominante na MTC: Madeira. Atua nos canais do
Pulmão, Fígado e Baço/Pâncreas, Rins, Bexiga e Vesícula Biliar.

Uso Veterinário:
O uso tópico do óleo de orégano também é indicado para animais com tumores e doenças corrosivas da pele como ulcerações.
PASSIFLORA:
Nome Científico: Passiflora incarnata L.
Nome conhecido: maracujá
Partes usadas: Folhas, frutos, flores e sementes.
Sabor: Doce, ácido, refrescante e adstringente (fruto), amargo (folhas).

Composição Química:
Flavonoides, pectina, benzoflavona (em maior quantidade nas folhas), passiflorina (sedativo natural), calmofilase, maracugina.

Propriedades medicinais gerais:


Anticonceptivo, refrescante, antiasmático, anódino, hipotensor.
Propriedades medicinais de partes específicas da planta:
Flores – sedativo, antiespasmódico, tonificante.
Sementes – cruas e secas, tem ação anti-helmíntica.
Folhas – calmante, sedativo, analgésico, antiespasmódico, broncodilatador, antiarrítmico, hipnótico, sonífera, tonificante,
narcótico.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: cólicas abdominais, diarreia, úlcera, disenteria.
Sistema Urinário e Genital: cólicas menstruais, acalma espasmos uterinos, menopausa, dismenorreia, dores metrorragicas.
Sistema Respiratório: na asma, limpa catarro.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: em palpitações e taquicardias, pressão alta, age sobre as artérias do coração,
arritmias cardíacas.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: para nervosismo, insônia, nevralgias, neurastenia, tosse de origem nervosa, histeria,
ansiedade, promove relaxamento, irritação, angústia, alivia dores de ciática (nervo ciático), disfunções nervosas em idosos, tônico
para os nervos, neurose obsessiva, psicose, suavizar a psique, Mal de Parkinson.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: dores articulares, espasmos musculares.
Outros distúrbios: cefaleias, cefaleias de origem nervosa, cefaleias de grande intensidade, alcoolismo crônico, coqueluche,
convulsão infantil, delirium tremens, erisipela, tétano, enxaqueca, inquietação, estresse, acalma a mente, erva utilizada em
problemas gerais de pele.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: feridas e machucados.

Para crianças:
Recomendada para sintomas de hiperatividade e falta de concentração. Como tranquilizante e sedativo. Também utilizada em
crianças com problemas de contrações musculares e irritabilidade. Atentar as doses recomendadas para a faixa etária.

Contraindicações:
Evitar o uso em pessoas que tem pressão baixa. Pode ser ligeiramente tóxica e se tomada por longos períodos pode causar vômitos
e náuseas. Proibida durante a gravidez. Não ingerir álcool se fizer uso desta erva.

Interações medicamentosas:
Pode potencializar o efeito de sedativos, hipnóticos, álcool, anti-histamínico e os efeitos de analgésicos derivados da morfina
(opióides).

Toxicidade: A dosagem tóxica é de 465mg/kg.

Medicina Chinesa (MTC):


A erva alivia plenitude do Yang, indicada para deficiência do yin do Coração e estagnação do Qi do Rim. A passiflora elimina vento
do fígado, acalma a mente e alivia ansiedade. Atua nos canais do Coração e Fígado.

PFAFFIA:
Nome científico: Pfaffia iresinoides (Kunth.) Sprengel.
Parte utilizada: raiz.
Sabor: doce, amargo, amornante.

Constituintes químicos:
Alantoina, beta-ecdisterona, beta-sistosterol, daucosterol, germânio, ferro, magnésio, nortriterpenoides, ácido pantoténico, ácido
pfaffico, pfaffosídeos A-F, polipodina B, saponinas, sílica, stigmasterol, stigmasterol-3-o-beta-d-glucosido, vitamina A, B1, B2, E, K e
zinco.

Propriedades medicinais:
Tônica; estimulante; cicatrizante; imunoestimulante; antidiabética; adaptogênica; antiinflamatória; leucocitogênico; anti-
hipertensivo; tranqüilizante; hipoglicemiante; energético; rejuvenescedor; antialérgica; cardiotônica; carminativa; nervina;
antioxidante; estrogênica; cicatrizante;

Indicações (Uso interno):


Para fadiga e depressão; situações de estresse; dores em geral; anorexia e digestão lenta; estimulante sexual; preveni leucemia;
promove crescimento da massa muscular; regulador hormonal na TPM e menopausa; impotência; frigidez; diminuição da libido,
anemia falciforme; esteroidal; protetor celular; oxigenador celular; arteriosclerose; artrites; mal de Parkinson; reumatismo;
tremores; úlceras e tumores; drenagem linfática; constituição física débil; recuperação física lenta; hipotonia muscular; demência
senil; síndrome de fadiga crônica; distrofias musculares; reforço da energia vital; oxigenação celular; equilibra o açúcar no sangue;
fortalecimento da memória; utilizado para diminuir os efeitos secundários de contraceptivos; combate colesterol; neutraliza
toxinas; anemia; astenia; potencializador da insulina; melhoria da função cerebral;

Indicações (Uso externo): não há relatos

Utilizações na MTC:
Tonifica o Wei Qi; tonifica o Qi do Rim, tonifica o Zhong Qi. Tonifica o Pulmão e do BP. Elemento predominante na MTC: Terra e
Madeira. Atuação nos canais: P, R e BP.

Contraindicações:
Em mulheres que tenha câncer estrogênio-positivo; erva pode causar reações alérgicas asmáticas se houver inalação do pó. A
ingestão de grandes quantidades de saponinas de plantas em geral tem revelado a possibilidade de causar ligeiros distúrbios
gástricos como náuseas ou cãibras intestinais. Nesse caso é aconselhado simplesmente reduzir a dosagem.

Interações medicamentosas:
Certos esteróis contidos na raiz podem ter propriedades ou atividades ligadas a um acréscimo na produção de estrogênio (não
provado clinicamente), já que essa planta é utilizada tradicionalmente para regular a menstruação, tratar a menopausa e outros
problemas hormonais. É, portanto aconselhado às mulheres que sofram de distúrbios de excesso de estrogênio evitar a utilização
desta planta. Não é recomendada a combinação da pfaffia com medicamentos que contenham sais de ferro.

Doses: de 3 a 8g em pó/dia; de 5 a 20g em decocção ao dia.

PICÃO PRETO:
Nome Científico: Bidens pilosa L.
Partes usadas: Toda planta.
Sabor: Amargo e refrescante.

Composição Química:
Acetilenos, ácido-p-cumárico, ácido linólico, ácido linoléico, ácido nicotínico, ácidos orgânicos, ácido salicílico, ácido tânico, aminas,
beta-amirina, bioflavonoides, chalconas, cálcio, candineno, esculetina, esteróis, a-felandreno, fenilacetileno (1-fenil-1,3-diin-5-en-
7-ol-acetato), fenilheptatriina, flavonoides, fitosterina-B, fitosteróis, fósforo, friedelina, friedelan-3-beta-ol, glicosídeos de aurona,
glicosídeos (flavona matoxilado, quercetin-3,3′-dimetoxi-7-0-a-L-ramnopiranosil-(1®6)-b-D-glucopiranose, quercetin-3,3′-dimetoxi-
7-0-b-D-glucopiranose); beta-D-glucopiranosiloxi-3-hidroxi-6(E)-tetradeceno-8, 10, 12-triino; hidrocarbonetos, limoneno, lupeol,
mucilagem, okanina-3-glicosídeo, óleo essencial, a-pineno, policatilenos, poliacetilenos, quercetina, sais de potássio, sílica, beta-
sitosterol, taninos, timol, tridecapentin-1-eno; trideca-2, 12-dieno-4, 6, 8, 10-tetraina-1-ol, trideca-3, 11-dieno-5, 7, 9-triina-1, 2-
diol, trideca-5-eno-7, 9, 11-trieno-3-ol; triterpenos, xantofilina.

Propriedades medicinais gerais:


Adstringente, amargo, antiartrítico, antibacteriano, antibiótico, antiblenorrágico, antidisentérico, antiedêmico, antiemético,
antiescorbútico, antiespasmódico, anti-hemorroidário, anti-inflamatório, antileucorreico, antimalárico, antimicrobiano,
antipirético, antirreumático, antisséptico, aperitivo, carminativo, catártico, cercaricida, cicatrizante, depurativo, diurético,
emenagogo, emoliente, estimulante, expectorante, galactagogo, hemostático, hepatoprotetor, hipoglicemiante drástico,
hipotensivo, hipotensor, mucilaginoso, sedativo, sialagogo, tranquilizante, vermífugo, vulnerário, anti-fermentativo, antioxidante,
antiulcerativo, antitumoral, antiviral. Raíz: odontálgico. Flor: antidiarreico.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: disenteria, gastroenterite, hemorroida, inapetência, indigestão, infecção do estômago, intoxicação
alimentar, problemas do estômago, úlceras gastroduodenais, vermes, controle da acidez estomacal.
Sistema Urinário e Genital: blenorragia, dismenorreia, distúrbios da menstruação, edemas, infecção urinária e vaginal, leucorreia.
Sistema Hepático: desobstruente do fígado, distúrbios hepáticos, hepatite, icterícia, hepatite alcoólica.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: tônico do sangue, angina, colesterol, hemorragia pós-parto, hipertensão, leucemia.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: ingurgitamento das glândulas mamárias, febre, resfriados.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: dores osteoarticulares.
Sistema Renal: infecção dos rins.
Outros distúrbios: aftas, amigdalite, abscessos, ativa o pâncreas na distribuição de insulina, cefaleia, cólicas, cólica infantil,
conjuntivite, diabete, para perda de peso, envenenamento, dores de cabeça, dor de dente, escorbuto, fadiga, faringite, inflamações
da boca e da garganta, irritação interna, laringite, odontalgias, oftalgias, otorrinalgias, problemas no pâncreas, tumores.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: afecção cutânea, cicatrização, feridas, irritações da pele, micose e em problemas de pele.
Indicações para uso externo de partes específicas da planta:
Folhas – aftas (mascar as folhas).

Contraindicações:
A erva apresenta pequena quantidade de cafeína e deve ser evitada por pessoas alérgicas ou sensíveis a essa substância. Evitar seu
uso durante a gravidez. Pacientes com problemas cardíacos podem ter reações bruscas de pressão, até que seja ajustada a dose de
forma individual.
Interações medicamentosas:
A presença de cumarinas em sua composição diminui o efeito de medicamentos como Walfarin. Hipoglicêmicos ou diabéticos só
devem fazer uso da planta com prescrição profissional qualificada e realizar acompanhamento dos níveis de glicose.

Toxicidade:
A erva é atóxica para seres humanos, porém é altamente tóxica para alguns insetos e larvas (Martinez, apud 179). Os
poliacetilenos existentes na planta, especialmente o fenilheptatriino – o composto mais fotoativo – são fototóxicos para as
bactérias, fungos e fibroblastos humanos em presença de luz solar, luzes artificiais ultravioletas e fluorescentes branca. No
entanto, o uso em grandes quantidades pode apresentar efeitos colaterais.

Medicina Chinesa (MTC):


Erva que elimina calor e umidade do Fígado e Vesícula Biliar. Favorece o fortalecimento do Fígado e move a estagnação do sangue
(Xue) do fígado. Seu elemento predominante é a madeira e a erva atua nos canais do fígado, baço/pâncreas, estômago, vesícula
biliar e bexiga.

Modo de usar:
Infusão de uma colher das de sopa (5g) da erva em ½ litro de água fervente. Tomar 2 a 3 xícaras ao dia: hepatite, icterícia, diabete,
verminose;
- infusão de uma xícara das de cafezinho da planta picada em ½ litro de água. Tomar 1 xícara das de chá a cada 4 horas;
gargarejo: amigdalite e faringite; compressas (pode-se usar o suco da planta, ao invés da infusão): feridas, úlceras, hemorróidas,
assaduras e picadas de insetos;
- decocção (para uso externo) de 10 colheres das de chá de folhas em 1 litro de água: abluções, compressas tópicas ou gargarejos;
- Compressas em feridas e úlceras;
- banho: utilizar a decocção acima, 2 vezes ao dia: vulnerário e antisséptico;

PIMENTA PRETA:
Nome científico: Piper nigrum L.
Partes usadas: frutos.
Sabor: picante e quente.

Constituintes químicos:
Cálcio, fósforo, eugenol, miristicina, ferro, monoterpenos (sabineno, pineno), beta-pineno, mirceno, limoneno, delta-3-careno,
sesquiterpenos (beta-cariofileno, humuleno, beta-bisabolono, cetona e óxido cariofileno), piperina, piperidina (azinano), safrol,
vitaminas A, B, C.

Propriedades medicinais:
Estimulante; expectorante; carminativo; anti-helmíntico; vasodilatador; analgésico; tonificante; digestivo; antidiarréico;
anticonvulsionante; antitumoral; antiparasitária; antifúngica; renal; antidiabético; desintoxicante; antibacteriano; diaforético;
febrífugo; aperiente; estomáquico;

Indicações (Uso interno):


Indigestão crônica; elimina o acúmulo de toxinas no cólon; obesidade; sinusite (rapé); congestão dos seios da face; febres
intermitentes; gripe; resfriado; frio nas extremidades do corpo; estimulante da vitalidade, estimulante das suprarrenais; pequeno
mal epilético; diarréia crônica; náusea; dores viscerais; digestão lenta; tumores abdominais; verminose; malária; glomerulonefrite
crônica; diabete; anemia; elimina toxinas do sangue; elimina toxinas da cabeça; alivia cólica; rejuvenescedor do sistema
respiratório; estimula à micro-circulação; asma; bronquite; gripe; resfriado; pneumonia; dor de garganta; estimula a produção de
sucos gástricos; ativação do metabolismo em geral; flatulência; prisão de ventre; alivia problemas circulatórios; distensão
abdominal; tosses; vômitos; dores;

Indicações (Uso externo): micose; artrite reumatóide; dores; tosses; calafrios; perturbações digestivas;

Utilizações na MTC:
Aquece o interior e expele frio; utilizado para eliminar frio no estômago e frio no aquecedor médio. Elemento predominante na
MTC: Fogo.

Contraindicações:
Em pessoas com afecções do trato digestivo; gastrite; úlceras digestivas; inflamações do trato intestinal e no sistema renal; cistite;
em distúrbios por excesso de calor; hiperacidez; secura relacionada com agravamento de Pitta; em pessoas com hemorróidas; o
óleo essencial não deve ser ingerido; deve ser evitada em casos de vazio do yin e na presença de calor;

Indicações pediátricas: não recomendado.

Doses/ Formulações:
De 100 a 500 mg em pó misturado no leite ou água de 2 a 3X/dia; 1 colher de chá em 1 litro de água em infusão ou decocção de 2
a 3X/dia; também pode ser usada de 1 a 4g em decocção.
SINUSITE – infusão de uma gota de óleo de pimenta preta aspirada nas narinas libera a obstrução nasal por muco.
EXCESSO DE MUCO – misturar com mel e ingerir uma colher de sobremesa ou sopa.
PITANGA:
Nome científico: Eugenia uniflora L.
Parte utilizada: folhas, frutos.

Constituintes químicos: lipídeos, cálcio, ferro, fósforo, glicídeos, niacina, pitanguina, proteínas, vitaminaA, vitamina B2, vitaminaC.

Propriedades medicinais: adstringente, analgésica, depurativa, digestiva, estimulante, refrescante, refrigerante, vermífuga.

Indicações:
Afecções do fígado, bronquite, cólica menstrual, diabete, diarréia, diarréia infantil, disenteria, febres intermitentes, gota,
hipertensão, infecções da garganta, limpar e descongestionar a pele do rosto, queda e oleosidade dos cabelos, reumatismo.

Modo de usar:
- chá das folhas:
. Ingerido e banhos: afecções do fígado, bronquite, cólica menstrual, diarréia, febres intermitentes, gota, hipertensão, reumatismo,
limpar e descongestionar a pele do rosto, queda e oleosidade dos cabelos.
. Em gargarejos: infecções da garganta.
. Em jejum e durante o dia, ajuda no emagrecimento.
- frutos após as refeições: digestivo.

POEJO:
Nome científico: Mentha pulegium L.
Partes usadas: toda a planta.
Sabor: picante, amarga, fresca.

Constituintes químicos:
Pulegona, mentona-piperitona, borneol, carvona, acetato de metila, flavonóides, fenol, tanino, mentol, carvacrol, óleo essencial
de poleganona (94%), cineol, dipenteno, piperitenona, timol e eugenol.

Propriedades medicinais:
Amebicida, aperiente, digestivo, estimulante, tônico estomacal, sudorífero, expectorante, antitússivo, diaforético, circulatório,
repelente, emenagogo, tônico uterino, cicatrizante, antisséptico, sedativo, carminativo, estomáquico, antiespasmódico, analgésico,
eupeptico, balsâmico, antigripal, vermífugo, anti-hidrópico, béquico, antidiarreico, giardicida, trichomonicida, colagogo,
antiparasitário, estimulante,

Indicações (Uso interno):


Acidez, ardor do estômago, arroto, bronquite, catarro, cólica estomacal e intestinal, debilidade geral, debilidade do sistema
nervoso, diarreia, distúrbio gastrointestinal, dor de cabeça, enjoo, gases, gripe, hidropisia, histeria, insônia, palpitação do coração,
reumatismo, rouquidão, tontura, transtorno menstrual, tosse, vermes, zumbido nos ouvidos, regular fluxo menstrual e aliviar
espasmos (folhas), infecções pulmonares, baixa a febre provocando sudorese, estimula a circulação, dismenorreia, neuralgias,
resfriado, tosses, acidez estomacal, fermentações, coqueluche, digestão lenta, inflamações crônicas, doenças do trato respiratório,
dores de cabeça de origem digestiva, eleva a secreção de suco gástrico, pés frios (extremidades frias).

Indicações (Uso externo): Picadas de insetos, alivia manchas de contusões, ativa circulação, eliminar pulgas.

Utilizações na MTC:
Os antigos chineses já se valiam de suas propriedades calmantes e antiespasmódicas. A erva é utilizada para tratar invasão de
vento frio externo, vento calor externo, vento frio no pulmão, umidade mucosidades frio no pulmão, umidade mucosidades do baço
pâncreas, inversão do qi (energia vital) do estômago (quando a energia do estômago sobe, em vez de descer pelo seu meridiano,
causa vômitos, tonturas), estagnação do qi (energia vital) do fígado, estagnação do qi (energia vital) dos intestinos, estagnação do
qi (energia vital) do útero, subida de yang do fígado e vazio de jing do rim. Elemento predominante na MTC: Metal. Atuação nos
canais: Pulmão, Baço/Pâncreas e Fígado.

Contraindicações:
Evitar na gravidez, pois pode provocar aborto. Não deve ser utilizada por lactentes e crianças, pois pode causar dispneia e asfixia.
Pessoas com epilepsia devem fazer uso controlado e apenas com recomendação profissional e nunca mais do que uma vez por
semana. Uso prolongado pode causar danos aos rins e pulmões. Pessoas com doenças nos rins, pulmões fígado ou sistema nervoso
devem evitar seu uso. Pessoas que sofrem de alcoolismo também devem usar a erva com muita atenção. Também é
contraindicado em casos de úlcera gastroduodenal.

Interações medicamentosas:
A erva faz interação com paracetamol, drogas metabolizadas pela enzima cytocromo P450, drogas hipoglicêmicas orais, drogas
hepatoxicas e anti-histamínicos. Utilizada em combinação com Artemisia (Artemisia vulgaris) para obstruções menstruais.

PORANGABA:
Nome científico: Cordia salicifolia Cham.
Parte utilizada: folhas secas, casca do fruto, cascas do tronco.

Constituintes químicos: alantoína, cafeína, potássio, taninos, princípios amargos, óleos essenciais.
Propriedades medicinais:
Antiviral, antitussígena, béquica, cardiotônica, cicatrizante, diurética (forte, sem soltar o intestino), energética, estimulante da
circulação, estimulante, estomáquica, febrífuga, refrigerante, supressor do apetite, tônica.

Indicações:
Celulite, depósito de gorduras nas artérias (prevenir), diarréia, edemas, emagrecer abdômen, estimular a circulação, gastrite,
inchaço das pernas, obesidade, pernas inchadas, reumatismo, reduzir o apetite, tosse, úlcera, vírus da herpes tipo 1.

Contraindicações/cuidados:
Em experiência em camundongos, a DL50 de extrato por via oral foi maior que 2000 mg/Kg, a DL50 por via i.p. foi
aproximadamente 920 mg/K g e a administração oral diária do extrato nas doses de 20, 100, 200 e 400 mg/k g por um período de
90 dias não causou nenhum problema determinado.

Efeitos colaterais: pode causar irritação em estômagos de pessoas sensíveis.

Modo de usar:
30 minutos antes das refeições principais.
- 500 mgl do extrato seco, 2 a 4 vezes ao dia;
- chá das folhas.

QUEBRA-PEDRA:
Nome Científico: Phyllanthus niruri L.
Partes usadas: Toda a planta.
Sabor: Amargo e refrescante.

Composição Química:
Ácido elárgico, ácidos graxos, ácido repandusínico, ácido salicílico, alcalóides (norsecurina, 4-metoxi-norsecurina, entnorsecurinina,
nirurina, flantine, filocrisina), alcalóides pirrozilidínicos (norsecurinina, 4-metoxi-norsecurinina, nor-ent securinina), alcalóides
indolizidínicos (nirunina filantina, filocrisina), alcanos (triacontan-1-al, triacontan-1-ol), benzenóides (salicilato de metila,
filesterina), breviflonina-ácido carboxílico, esteróides (24-isopropil-colesterol, estradiol, estigmasterol, b-sitosterol),
dibenzilbutirolactona, cineol, cimol, flavonóides (quercitrina, quercetina, rutina, astragalina, isoquercitrina, kaempferol-4-0-a-L-
ramnosídeo, nirurim, ninurinetim, fisetina-41-0-b-D-glucosídeo, eriodictiol-7-a-L-ramnosídeo), filantol, filalvina, filantidina,
furosina, gelato de metila, gelato de etila, geranina, galato de etila, glochidona, geraniina, glicosídeos, hiporilantina, hirtetralina,
lignanos (lintetralina, nirurina, nirurinetina, filnirurina, isolintetralina, hipofilantina, kinokinina, nitrantina, nitretalina, filantina,
isolariciresinoltrimetil éter, nirantina, seco-4-hidroxilintetralina, hidroxinirantina, nirfilina, nirtetralina, filtetralina, filtetrina e
hidroxilignanos), linalol, lipídeos (ácido ricinoléico, dotriancontanóico, linoléico e linolênico), mucilagens, niruside, securimina, sais
minerais, saponinas, taninos, terpenos (cimeno, limoneno), triterpenos (lupeol-acetato e lupeol), vitamina C, xantoxilina. Suas
ementes apresentam ácido linoléico, ácido linolênico, ácido ricinoléico. Suas folhas contêm compostos fenólicos (3,5%), vitamina C
(0,4%), ligninas, triterpenóides. Suas partes aéreas têm flavonoides, quercitrina, quercetina, rutina, astragalina, nirurina, fisetina-4-
0 glicosídeo, triacontanal, triacontanol e hipofilantina, filantina, filalvina, cineol, cimol, linalol, salicilato de metila, securimina,
filantidina, ácido salicílico. Suas raízes contêm 90 derivados flavônicos, triterpenóides e esteróide estradiol.

Propriedades medicinais gerais:


Adstringente, analgésico, antiespasmódico, antiblenorrágico, antisséptico, anti-hipertensor, anti-hipercolesterolêmico, anti-
hepatite-B, anti-hepatotóxico, anti-hidrópico, antilítico, anti-infeccioso das vias urinárias, antinefrítico, anti-icterícia, antidiabético,
antitumoral, anticancerígeno, antivirótico, aperiente, citostático, desobstruente, diurético, estomáquico, febrífugo, hepatoprotetor,
litogênico, purgativo, relaxante, sedante, sudorífico, tônico, vermífugo, desobstruente renal, colagogo, emético, colerético,
uricosúrico, antipirético, bactericida e hipoglicemiante.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: para disenteria, azia, prisão de ventre e dispepsias.
Sistema Urinário e Genital: para moléstias da bexiga, retenção urinária, albuminúria, amenorreia, cistite, edemas, eliminação de
urólitos e também um redutor de espasmos uterinos.
Sistema Hepático: elimina catarro vesical, icterícia, febre palustre (malária) e na hepatite B.
Sistema Respiratório: para infecções pulmonares, bronquite, asma, tosse e na faringite.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: para reumatismo gotoso, redutora de espasmos dos vasos e nos dutos.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: na anorexia.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: para dores articulares.
Sistema Renal: para cólica renal, insuficiência renal, ativa os glomérulos, pielites e na litíase renal (pedra nos rins).
Outros distúrbios: tem ação inibidora ACE, inibidora da transcriptase reversa do HIV, eleva a eliminação do ácido úrico pela urina,
prostatite, afecções da pele, da boca e da garganta, diabete mellitus com polineuropatia e ainda elimina estafilococos.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: para feridas e verrugas.
Músculos, ossos e articulações: nas contusões e atua como relaxante muscular.
Outros distúrbios: para gangrenas e como inseticida de piolhos e pulgas.

Contraindicações:
Dosagem elevadas provocam efeito purgativo. A planta não deve ser usada por gestantes, lactantes e crianças. Evitar em pessoas
com sensibilidade a plantas do gênero Phyllanthus. Em doses elevadas, pode ser tóxica e o uso por mais de 21 dias consecutivos ou
em altas doses, pode provocar desmineralização do organismo.

Toxicidade:
Devido ao potencial tóxico dos alcaloides, deve-se manter as dosagens recomendadas para uma administração segura. É
conveniente, no uso prolongado, interromper o uso do chá por uma semana, a cada 3 semanas.

Medicina Chinesa (MTC):


Esta erva elimina calor no Jiao inferior, estimula o Yin e o Yang do Rim, promove a desobstrução dos canais energéticos, remove
umidade-calor dos Rins, harmoniza o Qi da Bexiga, tonifica o Yin do Fígado. Atua nos canais do Fígado, Bexiga, Estômago e Rins.

Modo de usar:
Decocção: ferver durante 10 minutos 10 g (planta seca) em 1 litro de água. Tomar 2 a 3 xícaras ao dia.
- Para a eliminação do cálculo renal, tomar o chá a vontade durante o dia, durante 3 semanas. Parar 7 dias e então, se necessário,
repetir.
- Distúrbios renais: 30g/litro (planta fresca). Tomar 3 xícaras ao dia.
- Câncer: 40g/litro. Tomar 3 xícaras ao dia.
- Diabetes: 75g/litro. Tomar 2 xícaras ao dia.
- Diurese: 35g/litro. Tomar 3 xícaras ao dia
- Extrato fluido: 1 a 4 ml ao dia.
- Tintura: 5 a 20 ml ao dia.
- Pó: 0,5 a 2 g ao dia.

RÚCULA:
Nome científico: Eruca sativa Mill.
Parte utilizada: folhas

Constituintes químicos: cálcio, compostos sulfurados, enxofre, ferro, fibras (3,5% em peso), fósforo, potássio, vitaminas A e C.

Propriedades medicinais:
Antianêmica, antiasmática, antiescorbútica, antitussígena, aperiente, carminativa, depurativa, digestiva, emética, pulmonar.

Indicações:
Escorbuto, doenças pulmonares, asma, tosse, falta de apetite, gases intestinais, desintoxicação do organismo (com agrião),
funcionamento intestinal, anemia.

Contraindicações/cuidados: em excesso pode induzir ao vômito.

SALSA:
Nome Científico: Petroselinum crispum (Mill.)
Partes usadas: Raiz, sementes, caule e folhas.
Sabor: Amarga, picante e neutra.

Composição Química:
Alcaloide, apiol, vitamina A, vitamina C, vitamina K, cálcio Bergapten, fósforo, manganésio, proteínas e flavonoides, miristicina.
Folha e raiz: 1,7 apiole, miristicina, furanocoumarina (psoralens), flavone glycosideos (apiin, apigenin), caroteno, vitamina B1,
vitamina B2, vitamina C, and vitamina K. Semente: 1 óleo volatil apiole, miristicina, furanocoumarinas (psoralens). As folhas e
raízes contêm furanocumarinas – psoraleno, 5 e 8 -metoxi psoraleno , imperatorin , oxypeucedanin , iso- pimpinelin, flavonóides –
apiin , luteolina , apigenina – 7- glicosídeo , luteolina -7 – glicosídeo entre outros, flavonoides, apigenina, ferro, cálcio, manganês,
taninos, esteróis, triterpenos, imperatorin.

Propriedades medicinais gerais:


Antirrugas, aquarético, diurético; estimulante gástrico, abortivo, alergênico, antibacteriano, antialitoso, antiasmático, anti-
inflamatório, antilactogogo, antiflatulante, antioxidante, antipirético, antirreumático, antisséptico, antiespasmódico, aperiente,
afrodisíaco, carminativo, COX-2- inibidor, digestivo, diurético, emenagogo, estrogênico expectorante, fungicida, alucinógeno,
hepatotônico, hipotensivo, lactagogo, lipolítico, parasiticida, pediculicida, sedativo, tônico, tônico urinário, uterocontrator,
uterotônico.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: para congestão, constipação, disenteria, dispepsia, enterite, gastrite, halitose, dor de estomago.
Sistema Urinário e Genital: para casos de amenorreia, dismenorreia, inchaço, retenção de líquido, promove a menstruação,
beneficia a próstata (prostatite), menorreia, anúria, pedra (cálculo) na bexiga, cólica, cistite, disúria, gonorreia, hiperuricemia,
impotência, estrangúria, uretrite, uterite, para dor ao urinar, para excesso de líquido nos tecidos.
Sistema Hepático: na icterícia, cálculos biliares, hepatite, malária.
Sistema Respiratório: para asma, tosse, bronquite, elimina catarro, hidropisia.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: regula a circulação sanguínea, sangramentos, cardiopatia, pressão alta.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: para problemas nervosos, reduz infecções, adenopatia, Mal de Alzheimer, combate
bactérias, resfriado, febre, fungos, nervosismo, sofrimento, escarlatina, escrófula e para problemas do nervo ciático.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: em espasmos, artrose, dor nas costas, câimbra, mialgia, reumatismo, previne
osteoporose.
Sistema Renal: para problemas renais, elimina toxinas, nefrose, prevenção e tratamento de pedra no rim (cálculo renal).
Outros distúrbios: no câncer, em especial no câncer de bexiga, câncer de mama, câncer de olhos, câncer de glândula, câncer de
rim, câncer de fígado, câncer de tendão, câncer de baço, câncer de estômago, câncer de garganta, câncer de útero, câncer de
úvula, náuseas, parto, dor de ouvido, endurecimentos, inflamações, insônia, mastite, esplenite, dor de dente, tumores, rico em
apiole, um constituinte do óleo volátil que é declaradamente antipirético (baixa a temperatura corporal), inchaço das mamas e
glândulas.
Indicações para uso interno de partes específicas da planta:
Raízes – doenças do fígado e da vesícula biliar.
Sementes – para hipertensão, tem efeito laxativo, inibindo a bomba de sódio e potássio e estimulando NaKCl2 transportador,
também estimulam a regeneração hepática.
Folhas – para infecções da bexiga.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: em condilomas, dermatose, exantema, panarício, feridas, fungos, micose, verrugas e para eliminar parasitas da pele.
Cabeça e face: alopecia e pediculose (piolhos).
Músculos, ossos e articulações: nas contusões.
Outros distúrbios: para inchaço.

Contraindicações:
É proibido uso medicinal durante a gravidez e na amamentação e também em casos de nefrose. A sua ingestão excessiva também
pode ser abortiva, irritante, e fototóxico, além de causar hepatite. Durante a gestação e na amamentação deve ser evitado,
inclusive, o consumo de forma culinária. Outro componente, a myristicina, pode causar surdez, diminuição no pulso, vertigem,
hipotensão, paralisia, seguida por degeneração gordurosa do rim e fígado. A myristicina pode cruzar a placenta causando
taquicardia fetal. A ingestão de 10g de apiole (equivalente a 200 g de salsa in natura) pode causar anemia aguda hemolítica,
disfunção hepática, nefrose e trombocitopenia púrpura. A semente de salsa e o óleo essencial são muitas vezes usados para induzir
aborto. Seu uso pode danificar o epitélio renal e pode causar arritmias cardíacas em preparações que utilizam as sementes.
Grandes doses de apiole podem também levar a esteatose hepática, emagrecimento e uma extensa hemorragia da mucosa, além
de infiltração hemorrágica inflamatória do trato gastrintestinal, hemoglobinúria, methaeglobinuria e anúria. Dessa forma, o uso
terapêutico não pode ser endossado. O fruto também não é permitido para uso terapêutico. Evitar em casos onde ocorram
inflamações dos rins.

Interações medicamentosas:
Partes da erva apresentam interação medicamentosa com as seguintes drogas:
Folha e raiz: medicamentos anticoagulantes e antiplaquetários como aspirina e também com diuréticos e inibidores de
monoamina oxidase.
Sementes: interage com diuréticos e com inibidores de monoamina oxidase.

Medicina Chinesa (MTC):


A raiz aumenta o Qi (energia vital) digestivo e promove a absorção. Indicada para casos de deficiência de Qi (energia vital) do
estômago, deficiência de Qi (energia vital) do baço pâncreas, estagnação do Qi (energia vital) do fígado, estagnação do Qi (energia
vital) do estômago, deficiência de yin do fígado, deficiência de sangue, deficiência de sangue do útero, estagnação do Qi (energia
vital) do rim. É uma erva considerada de natureza morna e temperamento pungente, salgada e amarga. A semente de salsa tem a
particularidade de aumentar a energia do aquecedor inferior (Jiao). Faz circular o Qi (energia vital) da bexiga e harmoniza a
diurese. Deve ser utilizada para estagnação do Qi (energia vital) dos intestinos, estagnação do Qi (energia vital) do útero,
estagnação do Qi (energia vital) do rim. A semente também atua nos canais do baço/pâncreas, fígado, vaso de concepção e vaso
governador. As folhas da salsa atuam nos canais da bexiga e estômago.

SALSAPARRILHA:
Nome Científico: Smilax ssp.
Partes usadas: Raízes (rizomas).
Sabor: Doce, amargo e neutro.

Composição Química:
Glicídeos, esteroides, colina, saponosídeos, tanino, sais minerais, amido, resina acre, essência, sitosterol,
estigmasterol. Ocasionalmente são encontrados flavonoides. Recentemente tem sido descrita a existência de derivados do ácido
glutâmico, colina e acetilcolina. Em geral, contém três saponinas: salsaponina, perilina e esmilasaponina, além disso, féculas e
uma essência.

Propriedades medicinais gerais:


Depurativo, diurético, estimulante, sudorífero, tônico do sangue, tonificante da pele, diaforético, refrescante, antirreumático,
antissifilítica, antibacteriana, antitóxica, antigotosa, digestiva, expectorante, antileprosa, antiartrítica, antimicótico, laxante suave,
alterativo, anabólico, anti-inflamatório, antisséptico, cardiosedativo, emético, fungicida, hepatoprotetor, imunomodulador,
memorigênico, orexigênico, hipoglicemiante, anti-infeccioso, rejuvenescedor, adaptógeno e antiespasmódico.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: nas dispepsias, flatulência, cólicas, constipação, disenteria, falta de apetite, fezes moles, digestão
pesada e distensão abdominal.
Sistema Urinário e Genital: na cistite, doenças venéreas, sífilis e sífilis terciária, uremia, menopausa, menstruação irregular,
infecções urinárias, impotência, edemas, hematúria, leucorreia, uretrite, retenção de líquidos, para pessoas com constante
urgência em urinar, TPM e para eliminar umidade da urina (urina turva).
Sistema Hepático: para pedras na vesícula e na hepatite.
Sistema Respiratório: para asma, catarro, tuberculose e em casos de tosse.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: na presença de ácido úrico, arteriosclerose, colesterol, gota, má circulação com pés
frios, cardiopatias, pressão alta e também, anemia.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: para gripe, resfriado, herpes, febres, equilíbrio glandular, linfadenopatia, Mal de
Alzheimer, debilidade física, infecções, lúpus, incrementa a memória, para pessoas com depressão e ansiedade que se queixam do
seu estado mental e de dor emocional, epilepsia, insanidade, escrófula e nas doenças nervosas crônicas.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: para artrite, reumatismo, artralgias, síndrome de Reiter e nas dores musculares.
Sistema Renal: para nefrite, pedras nos rins e ainda em inflamações renais.
Outros distúrbios: no câncer de mama, psoríase, leptospirose, anorexia, câncer em geral, dores de cabeça e enxaqueca, esplenite,
fadiga, sede frequente, nas intoxicações por mercúrio e também dissolve massas patológicas.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: para problemas de pele, furúnculos, lesões cutâneas, exantemas, abscessos, eczemas, queimaduras, dermatite,
coceiras, rosáceas, sarna, verrugas, sinais, psoríase e acne.
Cabeça e face: para escurecer o cabelo e atua como colírio.
Cavidade bucal: em dor de garganta (gargarejos).
Músculos, ossos e articulações: em contusões e dores articulares.

Contraindicações: Seu uso é contraindicado para crianças e gestantes.

Interações medicamentosas:
A erva tem potencial interação com drogas hipnóticas, com glicosídeos cardíacos e bismuto. Tem boa sinergia com Bardana
(Arctium lappa) em sua função de purificador do sangue.

Toxicidade:
Em doses excessivas, pode causar irritação no tubo digestivo e diarreia. É considerada erva irritante para as mucosas. Porém, a
salsaparrilha é considerada segura nas dosagens recomendadas.

Medicina Chinesa (MTC):


Seu nome chinês é Tu Fu Ling. A salsaparrilha estimula a circulação sanguínea e dispersa vento, umidade e frio. Elimina umidade-
mucosidades-frio e é indicada nas invasões de vento-frio externo, na estagnação do qi (energia) do rim, no vazio de qi (energia) do
estômago, no vazio do sangue, no vazio de yang do rim. Também dispersa calor-umidade (anti-infeccioso). Deve ser evitada em
pessoas com deficiência do Yin do Rim e do Fígado. A erva atua nos canais do Fígado, Baço/Pâncreas, Bexiga e Estômago.

SALVIA:
Nome Científico: Salvia officinalis L.
Partes usadas: Folhas, sumidades recém-floridas e óleo essencial.
Sabor: Amargo, picante, adstringente e refrescante.

Composição Química:
Princípio amargo (picrosalvina), tanino (2 a 8%), mucilagens, resinas (5 a 6%). Óleo essencial: 1,8-cineol, cânfora, borneol, a-tujona
e outros terpenos, ácido ursólico, taninos, flavonoides, saponina, esteróis, ácido rosmarínico, cariofileno, a-humuleno, a e b-pineno.

Propriedades medicinais gerais:


Digestivo, carminativo, antissudorífico, antisséptico bucal, resolutivo, sedativo, anti-inflamatório, colagogo, antiespasmódico,
anticaspa, antiperspirante, antioxidante, antirreumático, balsâmica, cicatrizante das mucosas, desodorante, diaforético,
emenagogo, eupeptico, germicida, hipoglicemiante, tônico, estimulante, antidiarreico, antialérgico.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: diarreia, estomatite, problemas gastrointestinais, vômito, glossite, inflamações intestinais, gases, má
digestão, afecções digestivas.
Sistema Urinário e Genital: TPM, menopausa, melhora o trabalho de parto, melhora o nível hormonal feminino, dores ovarianas,
impotência sexual, albuminúria, elimina excesso de ácido úrico, dismenorreia.
Sistema Hepático: icterícia, colecistite.
Sistema Respiratório: catarro, bronquite, tosse, rinites, sinusites, asma, amigdalite, tuberculose.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: protetora do coração, angina.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: eleva imunidade, resfriado, tremores, vertigem, psicoses, diminuição da memória,
ansiedade, Mal de Parkinson, amnésia senil, atenua déficit funcional cerebral em idosos, previne apoplexia, doenças da medula e
das glândulas, tremores e paralisias dos membros, herpes, tonificante do sistema nervoso.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: reumatismo, descalcificação óssea, artroses em geral.
Outros distúrbios: diabete, enxaqueca, depressão, hipoestrogenismo, reduz o crescimento de placas bacterianas, insônia, alivia o
sentimento de luto, sudorese noturna, fogachos, psoríase, suor excessivo, cefaleia, ajuda a reduzir a dose de medicamento na
diabete (com supervisão médica), na forma de chá ajuda a secar o leite nas mamães que não podem amamentar.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: fecha poros dilatados, auxiliar no tratamento de rugas, picadas de insetos.
Cabeça e face: redução da oleosidade do cabelo, caspa, inflamações do couro cabeludo.
Cavidade bucal: piorreia, aftas, gengivite.

Contraindicações:
Esta erva deve evitada na gravidez, na lactação, em portadores de epilepsia. Seu uso pode causar olhos e boca seca. Evitar uso em
pessoas que estejam tomando medicamento para o coração, pessoas com irritabilidade acentuada, pessoas com grande
excitabilidade nervosa. Em doses elevadas, pode ser tóxica e causar agitação, alucinação e convulsões. O uso crônico pode causar
danos cerebrais. Não deve ser usada em pessoas com insuficiência renal. Pode causar súbita elevação da pressão arterial.

Medicina Chinesa (MTC):


A sálvia elimina fleuma-umidade do Baço e umidade e mucosidades do Jiao inferior. Indicada para deficiência do Qi, deficiência do
Jing do Rim, deficiência do sangue do Útero, estagnação do Qi dos Intestinos, do Rim e do Útero, remove vento do Fígado, vazio do
Yin do Rim com descalcificação óssea, fortalece o Qi do Pulmão, harmoniza o Shen e o Coração e tonifica o sangue. Erva que
metaboliza as umidades, mucosidades e elimina estagnações. Atua nos canais do estômago, fígado, baço/pâncreas, pulmões, rins,
bexiga, coração, vaso concepção e vaso governador. Seu elemento predominante é o metal.

Modo de usar:
Decocção, banho, infusão, tintura.
Uso interno:
. Infusão de 1 a 1,5g de folhas em xícaras de água fervente. Beber após as refeições.
. Pó: 1 a 4 g três vezes ao dia ou por infusão.
. Tintura: 40 a 50 gotas, 2 horas antes de dormir ou a cada 8 horas.
. Extrato fluido em álcool 45%: 1 colher de café antes de dormir.
Uso externo:
. Infusão de 15 a 30 g de folhas em 1 litro de água fervente. Banhos, enxagues ou gargarejos, 3 a 4 vezes ao dia.
. Extrato glicólico de 5 a 10 %: desodorante antiperspirante.

SETE SANGRIAS:
Nome Científico: Cuphea carthagenensis (Jacq.) J.F. Macbr.VV
Partes usadas: Toda a planta.

Composição Química:
Glicosídeos, ácido betulínico, flavonoide, mucilagem e óleos essenciais.

Propriedades medicinais gerais:


Adstringente, antidiarreico, anti-hipertensivo, antiobésico, antirreumático, antissifilítico, balsâmico, cardiotônico, depurativa do
sangue, digestivo, diurético, diaforético, emenagogo, febrífugo, hipocolesterolêmico, hipotensor, sedativo, sudorífero e tônico.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: para diarreia, limpeza dos intestinos e nos males estomacais.
Sistema Urinário e Genital: nas afecções venéreas, manifestação sifilítica secundária, sífilis, auxilia na menstruação e ainda
elimina ácido úrico.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: na arteriosclerose, colesterol, hipertensão arterial, palpitações cardíacas, fortalece o
coração e para tosse de cardíacos.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: no reumatismo.
Sistema Renal: para limpeza dos rins.
Outros distúrbios: combate bactérias gram-positivas, febre comum e febre intermitente, inchaço das pernas, inflamação das
mucosas e na psoríase.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: feridas, furúnculos, afecções da pele, eczema, inflamação das mucosas, úlceras na pele e na psoríase.

Contraindicações: Doses elevadas podem causar diarreia. É contraindicado o uso infantil.

Medicina Chinesa (MTC): Esta erva equilibra o xue, tonifica o yang do Rim e também equilibra o qi do coração.

Modo de usar: Decocção ou infusão de 1 a 2 colheres de chá da planta em 1 xícara das de chá de água. Tomar 4 a 5 xícaras ao dia.

TANSAGEM:
Nome Científico: Plantago major L.
Nomes Farmacêuticos: Folium Plantaginis.
Partes usadas: Planta inteira: folhas, sementes, espiga floral, raiz.
Sabor: Doce, suave e refrescante.

Composição Química:
Ácido ascórbico, ácido benzóico, ácidos carboxílicos fenólicos, ácido cítrico, ácido hidroxicinâmico, ácidos orgânicos (ácido
clorogênico, ácido ursólico, ácido silícico), alcaloides (plantagonina, indicaína), alantoína, apigenina, arabinogalactano, aucubina,
b-sitosterol, catalpol, colina, cumarina, enzimas (emulsina e invertina), esculotina, escutelareína, fitoquinona, flavonóides
(baicaleína, apigenina, hispidulina, luteolina, nepetina, escutelareína, ácido sinárgico, plantajosídeo), heterosídeos (0,37%)
aucubigenina, loliólido, lignanos 3,5-dihidroxicinamato de metila, ácidos cumárico, ferúlico e cafêico, plantamajosídeo,
plantamosídeo, verbascosídeo e siringina, glucomanano, histamina, indicaina, p-hidroxibenzóico, loliólido, luteolina, metilcatalpol,
monoterpenos (asperulosídeo, aucubina, glicosídeos de aucubina, melitosídeo e geniposídeo), mucilagens, mucopolissacarídeos,
oleanólico, óleo essencial (0,2%), pectina, plantagonina, polifenóis, resina, rhamnogalacturonano, sais de potássio (0,5%), salicílico,
saponinas, taninos (5,7%), triterpenos (b e g-amirina, amirina e catapol), vitaminas A, C e K. As sementes contêm: antraquinonas,
galactose, glicose, xilose, arabinose, rhamnose, ácidos galacturônicos, planteose, plantabiose, sacarose, frutose, óleos voláteis e
fixos, tanino, pectina, sais minerais, enxofre, citrato de potássio.

Propriedades medicinais gerais:


Adstringente, analgésico, anti-hemorrágico, anti-inflamatório, antimicrobiano, antipirético, antirreumático, antiulcerogênico,
béquico, anti-hemorroidário, antitabagismo, bactericida, cicatrizante, depurativo, descongestionante, digestivo, emenagogo,
emoliente, expectorante, hemostático, oftálmico, resolutivo, sedativo, tônico, vulnerário, alterativo, afrodisíaco, peitoral,
antitussígeno, balsâmico, antioxidante, espasmolítico, hipoglicemiante, hipolipemiante, anti-Alzheimer, antiartrítico,
antiesclerótico, antidiarreico, antiedêmico, antitumoral, aperiente, broncodilatador, canditicida, colírio, inibidor de COX-2,
demulcente, desobstruente, fungicida, hepatoprotetor, hipocolesterolêmico, hipotrigleceridêmico, hipouricêmico, imuno-
estimulante, lactagogo, lipolítico, orexigênico, panaceia, tônico, uricosúrico, uterotônico, vermífugo.
Propriedades medicinais de partes específicas da planta:
Sementes – laxativo suave.
Folhas – antidiarreico, diurético (quanto mais largas as folhas, melhor o efeito).

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: azia, cólica infantil, diarreia, disenteria, estomatite, febres intestinais, gastrite, inflamações
gastrointestinais, obstipação, úlcera gástrica e intestinal, neutraliza os ácidos estomacais, diarreia bacilar, putrefações intestinais,
distensão abdominal por gases, aerocolia, colite, enterite, esplenite.
Sistema Urinário e Genital: cistite, disúria, hematúria, litíase urinária, prostatite, uretrite crônica, promove a micção, disúria,
candidíase, dismenorreia, enurese.
Sistema Hepático: afecções hepáticas, icterícia, colecistite, hepatite.
Sistema Respiratório: bronquite, catarro pulmonar, faringite, Inflamações das vias respiratórias, sinusite, tosses,
traqueobronquite, tuberculose pulmonar, rinite, tosse com expectoração amarela e com raios de sangue e pus, fluidifica e facilita a
eliminação de secreções das vias áreas, dispneia, pneumonia.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: ácido úrico, anemia, angina, epistaxe, gota, flebite, hemoptise, psoríase, varizes,
saturnismo, estanca hemorragias, aterosclerose, hipertensão arterial (pressão alta), colesterol elevado, inchaços.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: resfriado, síndrome de Cushing, neuralgia facial, adenopatia, epilepsia, herpes,
imunodepressão, neuroblastoma.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: artrose, reumatismo.
Sistema Renal: distúrbios renais, nefrite, pielonefrite, cálculo renal (pedra nos rins).
Outros distúrbios: apendicite, amigdalite, câncer no ânus, câncer de mama, câncer de cólon, câncer do olho, câncer do pé, câncer
da gengiva, câncer de fígado, câncer de boca, câncer do nariz, câncer da parótida, câncer do reto, câncer do estômago, câncer do
testículo, câncer de garganta, câncer de útero, debilidade, edema necrótico, enxaquecas, espinhas, impurezas da pele, irritação nos
olhos, inflamações dérmicas, parotidite, paludismo, tumores, odontalgia, obesidade, tem ação na região peitoral e ocular, malária,
otite média, hiperlipemia, leucemia, carbúnculo, dores no peito, cólera, hidropisia, dor de ouvido, febre, infecções e inflamações em
geral, oftalmia, parasitose.
Indicações para uso interno de partes específicas da planta:
Sementes – doença diverticular do cólon e constipação intestinal (psyllium).

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: cravos, espinhas, fissura no bico do seio, furunculose, inflamações dérmicas, irritação da pele por exposição ao sol,
pele seca, abscessos, alergias, prurido cutâneo, bolhas, micose.
Cabeça, olhos e face: conjuntivite, irritação nos olhos, terçol, blefarite, fragilidade capilar, caspa.
Cavidade bucal: aftas, higiene bucal, inflamação das mucosas, fortalecimento da gengiva, glossite.
Outros distúrbios: hemorroidas (banhos de assento).
Indicações para uso externo de partes específicas da planta:
Folhas: picada de cobra (cataplasma), úlceras varicosas, feridas, queimaduras, esfregar a pele nas áreas afetadas por picadas de
insetos (aranhas, abelhas, vespas, lacraias).
Suco: lesões, feridas.

Para crianças:
Em afecções respiratórias, amigdalite, faringite, traqueíte, tosse, catarro, bronquite, inflamações, otites, parotidite, gengivite,
estomatite, febres intermitentes, diarreias, afecções da pele, dermatoses, picadas de inseto, anemia, debilidade, constipação
intestinal, alivia toxinas de picada de cobra (cataplasma das folhas).

Contraindicações:
Evitar seu uso nos casos de exaustão por excesso de trabalho. Usar com cuidado em deficiência do Yang, pois pode causar seu
agravamento. Também deve-se usar com cuidado em casos onde o Qi do Rim está enfraquecido com sintomas de polaciúria e
espermatorreia. Evitar em casos de constipação com fezes ressecadas. Não deve ser utilizada na gravidez. A erva pode, em alguns
casos, causar arritmia e parada cardíaca, reações alérgicas e irritações.

Toxicidade:
Seu pólen é propagador da polinose (alergia). Há casos de choque anafilático causada pelo uso de suas sementes. Considerada sem
toxicidade nas doses recomendadas.
Medicina Chinesa (MTC):
A planta elimina calor-tóxico, elimina vento-calor, umidade-fleuma-calor, umidade-fleuma-calor da bexiga, calor do Xue, vazio do
Qi do Rim, umidade-fleuma-calor do Pulmão, calor do Pulmão, vazio do Qi o Fígado. Suas sementes drenam calor do canal do
Fígado. Também drena umidade e clareia o calor. Indicada para olhos vermelhos e secos por deficiência do Yin do Rim e do Fígado,
além de dissolver a fleuma e parar a tosse. É uma erva yang do elemento Madeira que atua nos canais do fígado, rins, bexiga,
pulmões, intestino grosso e intestino delgado.

Modo de usar:
- decocção de 15 a 20g/dia (folhas) ou 9 a 15g/dia (sementes). Uso geral.
- decocção para gargarejo e emplaustros para tratamento de úlceras, hemorróidas e ferimentos: ferver 60 g de folhas e/ou raízes
em 1 litro de água. Fazer gargarejos para afecções bucofaringeanas.
- infusão das sementes: adicionar 1 colher das de sopa de sementes em 1 copo de água fervente. Deixar 1 noite em maceração e
tomar no dia seguinte, em jejum, como laxante suave.
- infusão das folhas: uma xícara das de cafezinho de folhas frescas picadas em ½ litro de água. Tomar 1 xícara de chá a cada 6
horas para o tratamento de infecções bucofaringeanas e 1xícara a cada 8 horas para problemas gastrintestinais. 30 g de folhas
para 1 litro de água. Tomar 3 a 4 xícaras ao dia.
- tintura: 1 colher sopa, 4 vezes ao dia. Tintura mãe: 30 gotas, 3 vezes ao dia.
- cataplasma: colocar as folhas frescas amassadas sobre feridas (cicatrizante).

TOMILHO:
Nome Científico: Thymus vulgaris L.
Nomes botânicos: Thymus serpyllum.
Partes usadas: Sementes, flores, folhas, óleo essencial.
Sabor: Picante, amarga, adstringente e quente.

Composição Química:
Acetato de bornila, álcool borneol, borneol, carvacrol, cimeno, cineol, citral, esterpineol, fenol, fitosteróis, flavonóides,
galactosídeo, geraniol, glicosídeos, hidrocarbonetos, limoneno, linalol, mentol, metnona, pectina, pineno, princípios amargos,
resina, sais minerais, saposídeos, taninos, terpineno, timol, triterpenos, vitaminas B1 e C.

Propriedades medicinais gerais:


Antidiarreico, antiespasmódico, antigripal, anti-helmíntico, antileucorreico, antimicrobiano, antioxidante, antirreumático,
antisséptico, antivirótico, aperiente, aromático, béquico, bronco espasmódico, carminativo, cicatrizante, colerético, desinfetante,
desodorante, desodorizante, digestivo, diurético, emenagogo, estimulante, estomáquico, excitante das funções circulatórias e
cerebrais, expectorante, hemolítico, preservativo de alimentos, refrescante, retardante da senilidade, revulsivo, sudorífico, tônico,
antitussígeno, sedativo (em crises de coqueluche), antitússico, anti-helmíntico, rubefaciente, curativo, balsâmico, cardíaco,
cefálico, cicatrizante, hipertensivo, nervino, estimulante da leucocitose, citofilático, animador e antifúngico.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: atonia do tubo digestivo, azia, diarréia, gases intestinais, má digestão, mau hálito, meteorismo,
parasitoses, verminose (inclusive a oxiuríase), síndrome do intestino irritável e dispepsia.
Sistema Urinário e Genital: amenorreia, cólicas e corrimento vaginal.
Sistema Respiratório: bronquite crônica, catarro nas vias respiratórias, catarros crônicos, desobstrução das vias aéreas, problemas
respiratórios, sinusite, tosse, tosse convulsa e severa, asma, e também, febre do feno.
Sistema Cardíaco; Sanguíneo e Circulatório: anemia, angina, clorose (anemia microcitica, própria das moças na puberdade e
adolescência), gota e na má circulação periférica.
Sistema Imunológico; Nervoso e Linfático: astenia, depressão nervosa, excitar as funções circulatórias e cerebrais, fastio, gripes,
nervosismo, resfriado e ainda libera acúmulos de toxinas.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: lumbago e reumatismo (juntas doloridas),
Outros distúrbios: afecções da garganta, chagas, convalescença, coqueluche, debilidade infantil, halitose, infecções gerais,
inflamações da boca e garganta e afonia.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: úlcera dérmica, desodorante corporal, clareia manchas de acne, assepsia da pele, queimaduras, feridas, sarna,
espinhas, cravos, aftas, dermatites, picada de inseto, micoses.
Cabeça e face: tônico capilar, fortalece a raiz, diminui a queda, combate fungos dos cabelos, piolhos.
Cavidade bucal: aftas.
Músculos, ossos e articulações: espasmos musculares.
Outros distúrbios: amigdalite, combate envelhecimento, leucorreia.

Contraindicações:
Evite uso em casos de enterocolite, insuficiência cardíaca e gestação, na menstruação, lactação, em crianças menores que seis
anos, em pacientes com gastrite, úlcera gastroduodenal, síndrome de intestino irritável, colite ulcerosa, enfermidade de Crohn,
hepatopatia, epilepsia, Parkinson ou outras enfermidades neurológicas. Em pessoas com alergias respiratórias ou
hipersensibilidade a qualquer óleo essencial. A essência pode causar reações alérgicas. Doses elevadas podem causar convulsões,
toxicidade hepática, albuminúria e hematúria. A utilização prolongada pode provocar tireotoxicosis. O óleo essencial, por via
interna, deve ser evitado. A erva não deve ser utilizada em casos de hipertireoidismo. Para crianças: Em casos de debilidade infantil
(use com moderação).

Medicina Chinesa (MTC):


O tomilho é uma erva indicada para eliminar umidade e mucosidade por frio do pulmão, eliminar calor do pulmão, para deficiência
do yang do rim, em casos de invasão de vento frio externo, vento frio do pulmão, umidade e mucosidade no baço/pâncreas,
umidade e mucosidade por frio no aquecedor inferior, frio no útero, deficiência do qi (energia vital), deficiência do qi do pulmão.
Esta erva atua nos canais do estômago e pulmões.

Modo de usar:
Decocção:
- 1 colher das de chá de sementes para cada xícara de água. Ferver 15 min. Tomar 3 a 4 xícaras por dia;
- 2 colheres (sopa) de raízes, talos e caule, por 15 minutos. Tomar 1 xícara das de chá 2 a 3 vezes aos dia;
- banho com decócção de 100 g de tomilho em 2 litros de água: reumatismo e gota (em fricções), para crianças raquíticas e
debilitadas e pessoas nervosas.
Infusão:
. Uso interno:
- 10 g de folhas e flores por litro de água, deixe abafado por 10 minutos e coe. Tomar 1 xícara das de chá 2 a 3 vezes aos dia; no
caso de tosse violenta, gripe forte ou garganta inflamada, infusão adoçada com mel.
- uma colher de sopa de folhas e flores. Pode-se adoçar com mel, açúcar mascavo ou estévia. Beber uma xícara, ainda morno, de 2
a 3 vezes ao dia;
- lombrigas, oxiúros e outros vermes: 3 a 5 g da erva em 100 ml de água fervente por 10 minutos; depois tomar um laxante.
. Uso externo:
- 50g/litro de água: cataplasma (escaras de decúbito; reumatismo), 2 vezes ao dia deixando agir por 10 min.
- no caso de debilidade infantil:
- cosmética: em loções refrescantes e tônicos de limpeza, age como estimulante e suavemente antisséptico.
- vinagre é um bom rinse escurescedor para cabelos, e também utilizado para combater piolhos;
- sachês com sálvia e alecrim, para perfumar roupas e afastar insetos;
- desinfetante doméstico com arruda, citronela, manjericão e losna;
- inalação: estimula a inteligência;
- loções para feridas difíceis de curar e para anginas, clarear manchas de acnes e infecções cutâneas;
- no couro cabeludo o chá (por cerca de 15 minutos): queda de cabelos;

TUIA:
Nome científico: Thuja occidentalis L.
Parte utilizada: ramos.

Constituintes químicos:
Alfa-pineno, borneol, fenchona, flavanóides (glicosídeos de kenferol e quercetol), óleo essencial (com 60% de tuyona), taninos.

Propriedades medicinais:
Adstringente, anti-helmíntica, anti-hemorroidal, anti-reumática, antiasmática, antiverrugosa, emenagoga, expectorante.

Indicações:
- externamente: hemorróidas, verrugas;
- internamente: transtornos menstruais, catarros bronquiais, enfisema, asma, vermes intestinais;
- na homeopatia: doenças de pele, como psoríase, reumatismo, hiperplasia benigna da próstata.

Contraindicações/cuidados: gestação. A tuyona é um neurotóxico potente.

Efeitos colaterais:
Em doses elevadas pode causar: aborto, vômito, diarréia, hemorragias, crises epileptiformes e tetaniformes, transtornos psíquicos
e sensoriaies, hipotensão.

UVA:
Nome científico: Vitis sp.
Parte utilizada: frutos, óleo das sementes.

Constituintes químicos:
Ácido acético, ácido ascórbico, ácido aspártico, ácido betulínico, ácido caféico, ácido clorogênico, ácido ferúlico, ácido fumárico,
açúcares, catecol, cumarina, fenóis, flavonóides, geraniol, kaempferol, limoneno, linalol, malvidina, pectina, pigmentos
antociânicos, pró-vitamina A, quercetina, quercitrina, resveratrol, taraxerol, alfa-tocoferol, alfa-viniferina, vitaminas C e do
complexo B, potássio, cálcio, enxofre, ferro, fósforo, fibras; Sementes: óleo (ácidos oléico, linoléico); Folhas: tanino, quercitina,
amido, inositol, açúcares, tartarato ácido de cálcio, ácido tartárico livre, ácido protocatequínico, ácido succínico, caroteno,
etc.; Seiva (na primavera): glicose, levulose, sacarose, tartarato ácido de potássio, ácido tartárico livre, ácido oxálico, malato
potássico, ácido succínico, ácido málico, etc.

Propriedades medicinais:
Adstringente, afrodisíaca, antialérgica, antiescorbútica, antiidade, antiinflamatória, antioxidante, aperitiva, calmante, depurativa,
desintoxicante, diurética, emoliente, estimulante, expectorante, laxante (casca do bago), nutritiva, queratolítica, peitoral,
reconstituinte ímpar, refrescante, suavizante, tônica, tônica para o sistema nervoso, umectante.

Indicações:
Anemia, atonia intestinal, bronquite crônica, câncer, catarros, circulação, convalescença, diabetes, diarréia crônica, disenterias,
dispepsias, disfunções intestinais, drenar as vias biliares, esgotamento orgânico (esportistas), estômago, fermentações intestinais,
fígado, flatulência, funções cardiovasculares, hemorragia passiva, inflamação nos olhos, intestino, menopausa, moléstias do
fígado, moléstias pulmonares, nefrite, obesidade, problemas digestivos, purificador do sangue, respiração, síndrome pletórica,
tuberculose, vômito de sangue.

Contraindicações/cuidados:
Não são recomendadas aos diabéticos e aos que fazem regimes de emagrecimento. Só existe uma variedade híbrida (NOAH) dos
Estados Unidos e Iugoslávia que apresentam um isómero ótico do ácido tartárico, na folha, que é tóxico para o gado. Aumenta do
açúcar no sangue.

Modo de usar:
- máscaras faciais para peles cansadas;
- cremes: hidratantes, para tratamento de rugas; para amaciar mãos e pés;
- óleo: amaciar mãos, massagens para peles oleosas, prevenir estrias em gestantes, banhos relaxantes, nutrir a pele; base (de
essências aromaterápicas, cosméticos, loções);

VALERIANA:
Nome Científico: Valeriana officinalis L.
Partes usadas: Rizoma e raiz.
Sabor: Amargo, picante, doce e amornante.

Composição Química:
Óleo essencial (0,5 a 1,5%); hidrocarbonetos monoterpênicos e sesquirterpênicos (-pineno, fencheno, – bisabolol); ácidos
valeriânicos, propiônico, málico, tânico, acético, fórmico; ésteres terpênicos: isovalerianato de borneol; cetonas terpênicas:
valeranona; alcalóides (0,1%): valerina; valepotriatos (0,5 a 2%); taninos e matérias resinosas; álcoois terpênicos.

Propriedades medicinais gerais:


Anticonvulsivo, antidepressivo, antiepilético, anti-histérico, anti-inflamatório, antineoplásico, antineuralgico, antipirético,
antiprotozoário, antitumoral, aromático, calmante, carminativo, diurético, estimulante, emenagogo, espasmolítico, hipnótico,
hipotensivo, narcótica (leve), relaxante, sedativo, sonífero, tônico, vasodilatador, vermífugo (leve), vulnerário, antirreumático,
antiestagnante, nervino, antiespasmódico, anódino, imuno-estimulante.

Indicações para uso interno:


Sistema Gastrointestinal: cólicas abdominais, falta de apetite, gastralgia nervosa, obstipação.
Sistema Urinário e Genital: distúrbios da menopausa.
Sistema Respiratório: asma.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: debilidade cardíaca, neurose cardíaca, problemas circulatórios, palpitação, nevrose
cardíaca.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: afecções nervosas, angústia, ansiedade, cansaço intelectual, convulsão, depressão
nervosa, distúrbio nervoso, estresse, gripe, hiperexcitabilidade, hipocondria, histeria, insônia, nervosismo, afasia e distúrbios
neurológicos afetando a linguagem, edemas cerebrais, mania, epilepsia, herpes zoster, distúrbios do sistema nervoso autônomo,
psicose, estresse emocional, coréia de Huntington, coréia de Sideham, hemibalismo, atetose, ataxia cerebelar, doença de
Parkinson, tiques nervosos, neurose obsessiva, psicoastenia.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: dor reumática, espasmos, reumatismo.
Outros distúrbios: obesidade, tumores, antídoto para alimentos e ervas tóxicas, melhora a qualidade do sono sem viciar, febres.

Indicações para uso externo:


Pele e unhas: chagas, celulite, contusão, feridas, dermatose pruriginosa, eczemas.
Músculos, ossos e articulações: dor reumática.

Contraindicações:
Evitar na gestação. Seu uso prolongado pode resultar em agitação, cefaleia, dispepsias, vertigem, alteração na visão e audição,
excitação mental, delírio, reações alérgicas cutâneas, alucinações, torpor, convulsões, morte por parada respiratória. Seu uso
excessivo pode ainda levar ao “valerianismo” que é um estado emocional instável. Nestes casos, a urina pode adquirir um cheiro
fétido de valeriana. Deve ser evitada em casos de insônia por vazio do Yin com ascensão do Yang.
Usar cuidadosamente em casos de Síndrome Bi com calor, por que a erva é amornante.

Interações medicamentosas: Não administrar esta planta junto com soníferos.

Toxicidade:
Não se deve exceder a dose recomendada. Erva com nível de toxidade considerável. Usar com moderação. Os valepotriatos são
considerados agentes mutagênicos, porém sua biodisponibilidade pobre torna-os uma fonte improvável de toxicidade em
pacientes. Os ratos toleraram doses de valeriana maiores que 1g/kg, pela via oral e intraperitoneal, mostrando ataxia,
relaxamento muscular e hipotermia.

Medicina Chinesa (MTC):


Erva indicada para vazio (deficiência) do Yang do Coração, vazio do Qi do Coração, vazio do Qi do Baço, vazio do Xue do Coração,
subida do Yang do Fígado, estagnação do Qi do Rim, estagnação do Qi do Útero, vazio do Yin do Rim, vazio do Yin do Coração,
estagnação do Qi do Estômago, estagnação do Qi do Fígado, vento interno que agita o Fígado, elimina vento e umidade dos
canais, em padrões de síndrome BI, promove a circulação do Qi e do Xue nos canais em uso local. Seu elemento predominante é a
Terra e a erva tem atuação nos canais do coração, pericárdio, pulmão, fígado e baço/pâncreas.

Pets e outros animais:


Nos cães é utilizada para tratamento de taquicardia. Para tanto, colocar em infusão 6g de rizomas de valeriana em 150g de água.
A seguir, adoçar com pouco açúcar e administrar a poção ao animal na dose de uma colherada a cada duas horas.

ZIMBRO:
Nome científico: Juniperus communis L.
Parte utilizada: frutos (bagos) maduros, óleo essencial.

Constituintes químicos:
Ácidos voláteis, açúcares, álcool termênico, borneol, canfeno, flavonóides, geraniol, leucoantocianidinas, limoneno, óleo essencial,
pectina, pineno, podofilotoxina, resina, sabineno, sesquiterpenos, taninos, terpineol.

Propriedades medicinais:
Adstringente, anti-histérico, antimicrobiana, antisséptica, antitóxica, aromática, calmante, carminativa, digestiva, diurética,
estomáquica, refrescante, sudorífero, tônica, urinária.

Indicações:
Asma, acidez, bronquite, ciática, doenças dispépticas, digestão, doenças da pele, febres, hidropisia, mau hálito, psoríase,
reumatismo, vias urinárias.

Contraindicações/cuidados:
A essência é muito tóxica devendo ser utilizada a própria baga em forma de tempero, infusão ou tintura em doses moderadas. Não
deve ser usado por pessoas com nefrite (inflamação nos néfrons renais).

Modo de usar:
- bagas infusão ou tintura: diurético, moléstias renais, amenorréia, asma.
- madeira e bagas em infusão, decocção: asma, bronquite, acidez, má digestão, hidropisia, diurético, mau hálito, reumatismo,
febres, doenças da pele.
- madeira e bagas em alcoolato: reumatismo.
- óleo: asma, bronquite, acidez, má digestão, hidropisia, diurético.
- frutos em compressa: psoríase, antisséptico, dor ciática.