Você está na página 1de 3

20/08/2019 Sombras Elétricas: O Homem Imaginário

mais Criar um blog Login

INÍCIO FILMES DE HOJE FILMES DE ONTEM REFLEXÕES

segunda-feira, fevereiro 05, 2007 Quem sou eu

André Renato
O Homem Imaginário
"A função do crítico não é
trazer numa bandeja de
prata uma verdade que não
existe, mas prolongar o
máximo possível, na inteligência e na
sensibilidade dos que o leem, o
impacto da obra de arte." André Bazin
Visualizar meu perfil completo

Comunique-se

facebook
twitter

Arquivo do blog

► 2017 (1)

► 2014 (7)

► 2013 (4)

► 2012 (5)

► 2011 (37)

Lilian Gish em Way Down East ► 2010 (59)



O pensamento mítico trabalha com um raciocínio analógico. Ele busca as ► 2009 (46)

eternas correspondências entre todas as coisas. Uma visão de mundo com
► 2008 (153)

essa base pode ser encontrada nas sociedades “primitivas”, na cultura
milenar do extremo Oriente, nas crianças de todas as épocas e lugares, assim ▼ 2007 (79)

como em certas psicopatologias e também nos processos mentais do artista ► Dezembro (5)

ao compor sua obra (especialmente o poeta). Naturalmente, esse ► Novembro (2)

pensamento está muito longe do Racionalismo Causal que organiza nossas
► Outubro (6)

vidas na sociedade industrializada.
► Setembro (7)

A natureza do mito, estudada em Antropologia por Joseph Campbell e em ► Agosto (1)



Psicologia por C. G. Jung, corresponde à natureza da magia e do pensamento ► Julho (20)

mágico, estudados por Edgar Morin a propósito de descobrir a natureza mais
► Junho (3)

essencial do Cinema (no livro O cinema ou o homem imaginário).
► Maio (1)

O pensamento mágico é lançado por um movimento de projeções e de ► Abril (5)



identificações. Projetamo-nos (os mais diversos elementos de nossa ► Março (14)

subjetividade) nas coisas, ao mesmo tempo que nos identificamos com elas
▼ Fevereiro (10)

(ou seja, enxergamos nelas elementos que correspondem aos de nossa própria
Reefer Madness
subjetividade). A projeção é um movimento de dentro para fora (do interior
ao exterior), enquanto a identificação é um movimento de fora para dentro Turistas

sombras-eletricas.blogspot.com/2007/02/o-homem-imaginrio_05.html 1/3
20/08/2019 Sombras Elétricas: O Homem Imaginário
(do exterior ao interior). Carros
Miami Vice
A esses movimentos se ligam, numa ampla orquestração dialética, o que
Candeias e Dante
Edgar Morin chama de Antropomorfismo (a humanização das coisas, dar ao
universo características da subjetividade humana) e o que o autor define Poesia e Espiritualidade
como Cosmomorfismo (a coisificação do homem, isto é, enxergar o homem e Rimas
suas questões subjetivas como aspectos particulares de uma natureza que é, O Tao de Tarkovski
na verdade, universal).
O Homem Imaginário

A figura de linguagem conhecida como metáfora (um procedimento estilístico Aula de Cinema
que traduz todo um processo de pensamento e uma visão de mundo) e o seu
► Janeiro (5)

ato de criação são carregados desse movimento duplo de subjetivar a
objetividade (Antropomorfismo) e objetivar a subjetividade ► 2006 (42)

(Cosmomorfismo). Por exemplo, o fogo de que fala Camões (“Amor é fogo
que arde sem se ver”) transforma-se em sentimento amoroso Eletrocutados
(Antropomorfismo) tanto quanto o sentimento amoroso se transforma em
Seguidores (68) Próxima
fogo (Cosmomorfismo).

Transcrevo dois trechos elucidativos de O Cinema Ou O Homem Imaginário:

Homens cosmomórficos e objetos antropomórficos são função uns dos outros, tornando-se
uns símbolos dos outros, segundo a reciprocidade do microcosmo e do macrocosmo. Sobre
um pedaço de gelo à deriva é levada Lílian Gish, a abandonada, no degelo do rio (“Way
Down East”, D. W. Griffith, 1920), “misturando-se intimamente o drama humano com o
drama dos elementos, cuja força cega adquiria aspecto de personagem de tragédia
Seguir
cinematográfica”. Assim se torna a heroína uma coisa à deriva. Assim o degelo se torna
ator.
(...) Esta incessante conversão da alma das coisas nas coisas da alma vem corresponder, por Sites Eletrizantes Blogs Eletrizantes

outro lado, à natureza profunda do filme de ficção, em que os processos subjetivos 1000 frames as flores da
imaginários se concretizam em coisas – acontecimentos, objetos – que os espectadores, por of hitchcock malva
sua vez, reconvertem em subjetividade. (cap. III) 80's movies balaio porreta
rewind 1986
Sartre soube notar que a emoção se pode converter, por si própria, em magia. Não há american blog cinefilia
exaltação, lirismo ou impulso que não tome, ao manifestar-se, uma cor antropo- cinematograp
café: extra
her
cosmomórfica. O lirismo, como nos mostra a poesia, serve-se naturalmente das mesmas forte
cahiers du
vias e linguagem que a magia. A subjetividade extrema realiza-se, bruscamente, em magia canto de
cinema
extrema. Da mesma forma, o cúmulo da visão subjetiva é a alucinação – que a objetiva. artistas
cinefilia
(cap. IV) chip hazard
cinema em
cine ao cubo
cena
O processo de que fala o autor, comum à poesia literária e também ao cinema com
desenredos
cinema, ocorreria mais ou menos da seguinte maneira: o artista deseja cana
escrever
expressar um certo conteúdo subjetivo abstrato: por exemplo, o caráter cinema de rua
cinema
intrépido, irreversível, transformador e novo do movimento revolucionário – cinematorio
film comment
assim como o entusiasmo que ele carrega e desperta; como fazer isso? coisas do
filmes polvo
Através de um mero discurso? Mas aí já não seria arte. A arte envolve sempre mundo minha
filmologia nega
um procedimento estético, ou seja, a objetivação de um conteúdo subjetivo
internet demmentia13
abstrato numa forma concreta que melhor lhe expresse e comunique ao
movie
espectador (ou leitor) o seu significado. Essa forma concreta é própria do diário de um
database
cinéfilo
mito, que encarna e representa os valores a serem transmitidos. O processo revista
doidos por
de transformação do subjetivo-abstrato no objetivo-concreto é o que também cinética
cinema
ocorre na magia. Tomando o exemplo acima citado, a solução encontrada por revista
entre notas e
Pudovkin foi metaforizar os movimentos revolucionários através dos contracampo
planos
movimentos das geleiras que vão derretendo na primavera e correndo, em senses of
epigramas e
blocos, rio abaixo (“A Mãe”, 1926). cinema
epitáfios
spoiler movies fabito's way
O pensamento mágico/mítico/simbólico está na raiz de todas as culturas filmes para
humanas. Em nossa sociedade materialista e racional, ele sobrevive na arte doidos
(ainda bem!). mata hari e
007
Sombreado por André Renato às 18:42 moviola
digital
na cidade
branca
Nenhum comentário: neomitosofia
nuvem preta
Postar um comentário
olhar
panorâmico
sombras-eletricas.blogspot.com/2007/02/o-homem-imaginrio_05.html 2/3
20/08/2019 Sombras Elétricas: O Homem Imaginário
Postagem mais recente Página inicial Postagem mais antiga quadrado dos
loucos
Assinar: Postar comentários (Atom)
rastros de
carmattos
recantana
reports from
the lost
continent of
cinephilia
setaro's blog
staccato
tudo vintage,
ou não
tudo é crítica
vá e veja

Tema Simples. Tecnologia do Blogger.

sombras-eletricas.blogspot.com/2007/02/o-homem-imaginrio_05.html 3/3