Você está na página 1de 2

Copyright © 2001 - 2018 by FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS LTDA. Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização por escrito.

Contagem do IFPUG. Está reproduzido neste documento com permissão do IFPUG.


Cartão de Referência APF e SNAP da FATTO Peça o seu gratuito no site! www.fattocs.com

Este documento contém material que foi extraído do Manual de Práticas de


Reunir a Medir Funções de Dados
documentação Calcular o
disponível tamanho
funcional
Medir Funções de Transação
Tamanho Funcional (CPM)
Determinar Documentar
propósito, escopo, Associar Identificar Tamanho não e reportar
fronteiras e partições RnF às Unidades de Contagem Funcional (APM)
subcategorias SNAP (UCS)
Identificar requisitos
como funcionais, não Determinar a Calcular o Calcular o
funcionais (RnF) complexidade tamanho não tamanho não
ou mistos de cada UCS funcional da UCS funcional

fatto@fattocs.com Brasília: (61) 4063-7484 | São Paulo: (11) 4063-4658 | Vitória: (27) 3026-6304 | Rio de Janeiro: (21) 4063-5311 IMPRESSO
1

Análise de Pontos de Função (APF) Escopo da Contagem Visão do Usuário


Mede o software pela quantificação das tarefas e Conjunto de Requisitos Funcionais do Usuário a ser in- Requisitos Funcionais do Usuário como percebidos pelo
serviços (funcionalidade) que o software fornece ao cluído na contagem de pontos de função. Define um usuário. Descrição formal das necessidades do negócio
usuário com base principalmente no projeto lógico. subconjunto do sistema medido; é determinado pelo do usuário em seu próprio linguajar, sendo compre-
propósito da contagem; identifica quais funções serão endida por ambos, usuário e desenvolvedor. Ela: a) É
Objetivos da APF incluídas na medição funcional de tamanho; e pode uma descrição das funções do negócio; b) Pode ser
a) Medir função implementada no software que o incluir mais de uma aplicação. declaração verbal feita pelo usuário sobre o que seja a
usuário solicita e recebe; e b) Medir funções sua visão; c) É aprovada pelo usuário; d) Pode variar
impactadas pelo desenvolvimento, melhoria e manu-
Tipo de Contagem
em forma física;
tenção independente da tecnologia usada para imple- Projeto de Desenvolvimento: Desenvolve e entrega
mentação. Adicionalmente, o processo deve ser: c) a 1ª versão de uma aplicação de software. Seu tamanho Fronteira
Simples p/ minimizar trabalho adicional da medição; e funcional é medida da função fornecida aos usuários Interface conceitual entre o software em estudo e seus
d) Medida consistente entre projetos e organizações. por ela, como medido pela respectiva contagem. usuários. A fronteira (também denominada fronteira da
Benefícios da APF Projeto de Melhoria: Desenvolve e entrega manuten- aplicação): a) Define o que é externo à aplicação; b)
ção adaptativa. Seu tamanho funcional é a medida das Indica a fronteira entre o software sendo medido e o
- Ferramenta para determinar tamanho de um pacote; funções incluídas, alteradas ou excluídas ao final do usuário; c) Age como uma ‘membrana’ pela qual dados
- Ferramenta para ajudar os usuários a determinar os projeto, como medido pela respectiva contagem. processados pelas transações (EE,SE,CE) passam
benefícios de um pacote para a sua organização; Aplicação: Consiste de um ou mais componentes, entrando e saindo; d) Compreende dados mantidos
- Ferramenta para medir unidades de software para módulos ou subsistemas. Sua medição funcional de pela aplicação (ALI); e) Apoia na identificação de dados
suportar a análise de produtividade e qualidade; tamanho é uma medida da função que uma aplicação referenciados , mas não mantidos dentro da fronteira
- Um veículo para estimar custo e recursos para fornece ao usuário, determinada pela respectiva da aplicação (AIE); f) É dependente da visão externa de
desenvolvimento e manutenção de software; contagem. negócio da aplicação pelo usuário. É independente de
- Fator de normalização para comparação de software. considerações técnicas e/ou de implementação.
Usuário
A fronteira entre aplicações deve ser baseada na
Propósito da Contagem Qualquer pessoa ou coisa que se comunica ou interage
separação de funções como estabelecido pelos
Fornece uma resposta a um problema de negócio. com o software a qualquer momento.
processos de negócio, não considerações técnicas.
Determina o Tipo de Contagem e o Escopo da Reconhecido pelo Usuário Em projetos de melhoria, a fronteira estabelecida no
Contagem. Influencia o posicionamento da Fronteira da Requisitos definidos para processos ou grupos de dados início do projeto deve estar de acordo com aquela já
Aplicação. acordados e entendidos entre usuário e desenvolvedor. estabelecida para a aplicação sendo modificada.
2

Aplicação Arquivo Lógico (ALR) Processo Elementar (PE)


Conjunto coeso de procedimentos automatizados e da- Um grupo lógico de dados permanentes na perspectiva Menor unidade de atividade significativa para o usuário.
dos suportando um objetivo de negócio. Consiste de um do usuário. Ele é um ALI ou um AIE. Deve constituir uma transação completa; ser auto-
ou mais componentes, módulos ou subsistemas, sinôni- contida; e deixar o negócio da aplicação sendo contada
mo para sistema, sistema de informação ou aplicativo. Arquivo Lógico Interno (ALI) em um estado consistente.
Informação de Controle Grupo de dados ou informação de controle logicamente Entrada Externa (EE/EI)
Dados que influenciam um processo elementar, relacionados, reconhecido pelo usuário, mantido dentro PE que processa dados ou informações de controle
especificam o que, quando, ou como os dados devem da fronteira da aplicação. Sua principal intenção é vindos de fora da fronteira da aplicação e cuja intenção é
ser processados (comandos de ação, parâmetros de armazenar dados mantidos por um ou mais processos manter um ou mais ALI e/ou alterar o comportamento
consultas, por exemplo). elementares da aplicação sendo medida. do sistema.
Dado Derivado Arquivo de Interface Externa (AIE) Saída Externa (SE/EO)
Dado criado como resultado de processamento que PE cuja principal intenção é enviar dados ou informações
Grupo de dados ou informação de controle logicamente
envolve passos outros que ou em adição à recuperação de controle para fora da fronteira da aplicação. Sua LP
relacionados, reconhecido pelo usuário, referenciado
direta e validação de informações de funções de dados. deve conter fórmula matemática ou cálculo, e/ou criar
pela aplicação, mas mantido dentro da fronteira de
Lógica de Processamento (LP) dados derivados, e/ou manter um ou mais ALI e/ou
outra aplicação. Sua principal intenção é armazenar alterar o comportamento do sistema.
Requisitos especificamente solicitados pelo usuário dados referenciados por um ou mais processos
para completar um processo elementar. Estes requisitos elementares da aplicação sendo contada. Um AIE Consulta Externa (CE/EQ)
podem incluir ações descritas no Sumário das Lógicas contado para uma aplicação, deve ser um ALI em outra. PE cuja principal intenção é enviar dados ou informações
de Processamento usadas por EE, SE ou CE (página 5). de controle para fora da fronteira da aplicação pela
Tipo de Registro (RLR/RET)
Funções de Conversão simples recuperação de dados de ALI e/ou AIE. Sua LP
Funções construídas e entregues pelo projeto (desen- Subgrupo de tipos de dados, reconhecido pelo usuário e não deve conter fórmula matemática ou cálculo, nem
volvimento ou melhoria) p/ uso na instalação do projeto componente de um ALI ou AIE, podendo ser opcional ou criar dados derivados, nem manter um ou mais ALI, nem
p/ converter dados ou fornecer outros requisitos de obrigatório. alterar o comportamento do sistema.
conversão especificados p/ usuário, como relatórios de Tipo de Dados (DER/DET) Arquivo Referenciado (AR/FTR)
verificação da conversão. Descartadas após o seu uso,
não fazendo parte da aplicação após sua instalação. Campo único, não repetido e reconhecido pelo usuário. ALI lido ou mantido ou AIE lido pela função transacional.
3

Unicidade de Processo Elementar Tipos de Manutenção (ISO/IEC 14764) Tipos de Requisito (ISO/IEC 14143)
a) Quando comparado a um PE já identificado, conte dois pro- Manutenção Corretiva: Modificação reativa de Requisitos Funcionais do Usuário: Subconjunto dos
cessos similares como um único quando se eles requerem os um produto de software executada após a requisitos do usuário; descrevem o que o software deve
mesmos*: - Lógica de processamento; entrega para corrigir os problemas descobertos. A fazer, em termos de tarefas e serviços.
- Tipos de dados; modificação repara o produto de software para Requisitos não Funcionais do Usuário: ISO/IEC
- Arquivos referenciados. satisfazer os requisitos. 14143 não os define. Ela exemplifica, sem pretender
* Pode incluir pequenas variações nos DER ou ALR, assim Manutenção Perfectiva: Modificação de um esgotar como restrições: de Implementação; de
como múltiplas alternativas, variações ou ocorrências nas produto de software após entrega para detectar e Qualidade, Organizacionais; ou Ambientais.
lógicas de processamento. corrigir falhas latentes antes que se materializem. Tipos de Entidades de Dados
b) Não divida um PE com múltiplas formas de lógica de Provê melhorias aos usuários, melhoria na
processamento em múltiplos PE. Dados de Código: Surgem em resposta a requisitos
documentação e registros para melhorar o
não funcionais como: normalização, integridade ou
desempenho, facilidade de manutenção, ou
Consulta Implícita melhoria na entrada. Em geral são dados essencialmente
outros atributos do software. Contrasta com:
Apresenta dados para o usuário precedendo uma transação a estáticos, possuem poucos atributos, tipicamente código
manutenção adaptativa; manutenção corretiva.
ser realizada, não estando claramente explícita nos requisitos e descrição. Estes dados não contribuem para o tamanho
Manutenção Adaptativa: A modificação de um
ou na própria aplicação (opção de menu, barra de ferramenta, funcional, nem as transações que os mantêm.
produto de software, executada após a entrega,
etc.). Normalmente antes da alteração ou exclusão, os dados Dados de Negócio: Dados centrais de negócio ou
para mantê-lo usável em um ambiente
do registro são apresentados ao usuário e, na sequência, o objetos de negócio. Armazenamento e recuperação pela
modificado ou em modificação. Ela provê
usuário efetua a atualização. Pode ser classificada como CE ou área funcional que a aplicação atende é necessário. %
melhorias necessárias para acomodar essas
SE. Não se trata de apresentar uma descrição referente a um significativo das entidades identificadas. São ALI/AIE.
modificações no ambiente em que o software
código durante a execução de uma inclusão ou alteração, mas Dados de Referência: Armazenados para suportar
produto deve operar. Essas mudanças são
sim uma consulta que precede uma atualização. regras de negócio para a manutenção de Dados de
aquelas que devem ser feitas para manter a
Negócio. Pequeno % das entidades identificadas. São
sintonia com o ambiente em mutação.
ALI/AIE.
4

Projeto de Desenvolvimento (DFP)


DFP = (ADD + CFP)
1) Validações
DFP Tamanho do projeto de
desenvolvimento. 2) Cálculos e fórmulas matemáticas
CFP Tamanho das funções de conversão de 3) Conversão em valores equivalentes
dados. 4) Filtro e seleção de dados com base em critérios específicos
Aplicação (AFP)
5) Análise de condições para que se determine quais se aplicam
AFP = ADD 6) Atualização de pelo menos um ALI
AFP Tamanho da aplicação. 7) Referência de pelo menos um ALI ou AIE
Projeto de Melhoria (EFP) 8) Recuperação de dados ou informações de controle
EFP = ADD + CHGA + CFP + DEL 9) Criação de dados derivados
EFP Tamanho do projeto de melhoria. 10) Alteração do comportamento do sistema

Aplicação - Após Melhoria 11) Preparação e apresentação de dados para fora da fronteira
12) CapacidadeAplicação
de aceitar dados ou informação de controle que entra pela fronteira
- 1ª Instalação
AFPA = ( AFPB + ADD + CHGA)
- ( CHGB + DEL ) 13) Ordenação ou organização de um conjunto de dados
(Não é suficiente para caracterizar a unicidade de um PE)
AFPA Tamanho da aplicação depois da
melhoria. .
AFPB Tamanho da aplicação antes da .
melhoria. .
CHGB Tamanho das funções alteradas, antes .
da melhoria.
5

ALI e AIE
DER <20 20-50 >50 Contribuição em Pontos de Função BENCHMARKING REQUISITOS
RLR
O mercado não pode ser Projetos bem sucedidos
1 Baixa Baixa Média Indicativa mais ágil que você começam com requisitos
Tipo Baixa Média Alta
NESMA de alta qualidade
2-5 Baixa Média Alta
>5 Média Alta Alta ALI 07 10 15 35
EE AIE 05 07 10 15

DER
EE 03 04 06
ALR <5 5-15 >15 SOLUÇÕES EM ESTIMATIVAS
SE 04 05 07
<2 Baixa Baixa Média
QUANTIFICAÇÃO GESTÃO DO Crie ferramentas para
CE 03 04 06 reduzir as incertezas e
2 Baixa Média Alta Aplique métricas de DESEMPENHO as perdas do projeto
software em seus
>2 Média Alta Alta
requisitos
funcionais
SE e CE* Escritório de Métricas e e não
Centro de Orçamentação funcionais
DER <6 6-19 >19 PRODUTIVIDADE
ALR sob demanda. Conheça a sua capacidade
<2* Baixa Baixa Média produtiva, melhore e
2-3 Baixa Média Alta GOVERNANÇA DE TI controle seus
Saiba mais sobre nossos orçamentos
Melhore seus processos e
>3 Média Alta Alta serviços de Outsourcing! desenhe indicadores de
* A CE deve referenciar ao menos 1 ALI ou AIE desempenho
6
Objetivos do SNAP Partição Categoria 1. Operações de Dados
Como os dados são processados dentro da UCS para
Medir o tamanho não funcional do software, que o usuário Conjunto de funções dentro da fronteira da aplicação, que
satisfazer os requisitos não-funcionais da aplicação.
solicita e recebe. Medir o desenvolvimento e manutenção de compartilham critérios e valores de avaliação homogêneos.
software baseado nos requisitos não funcionais (RNF). Por Uma partição requer esforço de desenvolvimento, que não 1.1 Validações na Entrada de Dados
exemplo, a tecnologia utilizada na implementação. pode ser refletido pela APF.
Operações realizadas para permitir somente dados
Tipos de Avaliação Categoria autorizados (predefinidos), ou para prevenir a aceitação de
dados não autorizados.
- Projeto de Desenvolvimento (DSP): Avaliação dos RNF Grupo de componentes, processos ou atividades, usados
fornecidos aos usuários pela primeira versão do software, para satisfazer o requisito não funcional. Cada categoria é UCS: O processo elementar.
conforme medidos pela avaliação SNAP de projeto de dividida em subcategorias. Nível de Aninhamento: Número de validações condicionais
desenvolvimento, aplicando o método SNAP. (conjuntos If-Else / While loop / For loop ou quaisquer outros
Subcategoria
- Projeto de Melhoria (ESP): Medida das características blocos de validação) na cadeia de validação mais longa.
Um componente, processo ou uma atividade executada no
não funcionais incluídas, alteradas ou excluídas ao final de Parâmetros de Complexidade:
projeto para satisfazer o requisito não funcional.
um projeto de melhoria, conforme medidas pela avaliação
SNAP de projeto de melhoria. Nota: Um processo não funcional pode ter que executar mais 01. Complexidade de nível de aninhamento (# de níveis de
do que uma subcategoria para satisfazer um RNF. aninhamento na cadeia mais longa de validação).
- Aplicação após o projeto de melhoria (ASPA): Medida das
características não funcionais que a aplicação provê ao 02. Número de DER utilizados para a validação.
Propósito da avaliação
usuário, conforme avaliação SNAP de aplicação. Também
Tipo e razão da avaliação, como: estimar o esforço para Complexidade do nível de aninhamento1
chamada Baseline ou tamanho não funcional instalado.
atender RNF; fornecer o tamanho não funcional entregue por Baixa Média Alta
SNAP e APF uma melhoria. 1-2 3-5 6+
A soma dos PF aos Pontos SNAP (PS) não representa o Fórmulas SP = 2 x #DER2 3 x #DER2 4 x #DER2
tamanho total do produto.
DSP = ADD
Escopo ESP = ADD + CHGA + DEL
Define o conjunto de RNF a serem incluídos na avaliação. ASPA = ASPB + (ADD + CHGA) - (CHGB + DEL)
7

1.2 Operações Lógicas e Matemáticas 1.3 Formatação de Dados


Decisões lógicas extensivas, operações booleanas e 1
Qualquer alteração em uma transação que lida com estrutura
Densidade de ALR formato ou informações administrativas não diretamente
operações matemáticas extensivas aplicadas ao processo.
ALR 0-3 ALR 4-9 ALR 10+ ALR relevantes para a funcionalidade vista pelo usuário.
UCS: O processo elementar.
UCS: O processo elementar.
Parâmetros de Complexidade: Complexidade
Baixa Média Alta Parâmetros de Complexidade:
01. Densidade de ALR do arquivo lógico acessado para Tipo2
realizar o processamento lógico de negócio. 01. Complexidade de transformação.
Lógico 04 x #DER3 06 x #DER3 10 x #DER3
Baixa: Conversões de tipos de dados ou formatação
02. Tipo de processamento lógico.
Matemático 03 x #DER3 04 x #DER3 07 x #DER3 simples, tais como preenchimento de bytes ou
Intenção primária do Processo conversão usando no máximo 2 operadores (Celsius
Tipo2
Elementar p/ Fahrenheit, Single Integer p/ Double Integer).
Como podemos evoluir a
Média: Envolve criptografia/descriptografia, que é uma
Tomar decisão ou validar condição organização?
utilizando dados existentes em um ou característica da aplicação e se aplica a quase todos
Lógico mais arquivos lógicos (internos e/ou Comparando o os processos, sendo provida através de uma interface
externos). Exemplo: Processamento de de biblioteca – API.
resultado dos
exceção.
BASE nossos projetos Alta: Envolve Criptografia/Descriptografia local. Exemplo
de transformação de complexidade alta, possibilitar
DE em relação a
Transformação de dados e/ou uso de BENCHMARKING suporte multi-idioma para uma aplicação usando
outros. Dados de Código.
informações de controle existentes em
um ou mais arquivos lógicos (internos
Matemático Benchmarking!
e/ou externos) utilizados em operação
Complexidade da transformação1
matemática extensiva. Exemplo: Cálculo
complexo de impostos. Conheça nossos Baixa Média Alta
serviços de estudos PS = 2 x #DER2 3 x #DER2 5 x #DER2
Nota: Quando o objetivo principal não for identificado de
maneira clara, selecione "Lógica”. análiticos.
8

1.4 Movimentação de Dados Internos 1.5 Entregar Valor Agregado aos Usuários pela Categoria 2. Projeto de Interface
Processos de movimentações de dados de uma partição para Configuração de Dados Relaciona-se à experiência do usuário final. Esta categoria
avalia o projeto dos processos de IU e os métodos que
outra dentro da fronteira da aplicação com manipulação O valor de negócio único adicional, que é fornecido aos
possibilitam ao usuário interagir com a aplicação.
específica de dados. Manipulação de dados pode incluir usuários pela inclusão, alteração ou exclusão de informações
formatação de dados, operações lógicas/matemáticas ou de dados de referência/dados de código da base de dados 2.1 Interface do Usuário
manutenção de dados de referência. ou do armazenamento de dados, sem a alteração no código
Elementos independentes da interface gráfica do usuário,
UCS: O processo elementar que cruza partições. Caso um do software ou na estrutura da base de dados.
distintos e identificados pelo usuário, incluídos ou
processo elementar cruze mais de uma partição, utilize a UCS: O processo elementar por arquivo lógico. configurados na interface do usuário, que não alteram a
fórmula abaixo para cada partição atravessada. Atributo: Um parâmetro independente, que possui um funcionalidade do sistema, mas afetam suas características
Parâmetros de Complexidade: significado distinto para o negócio e contém um conjunto de não funcionais (tais como usabilidade, facilidade de
valores diferentes. aprendizado, atratividade e acessibilidade).
01. Número de DER transferidos para dentro e para fora da
partição na qual os dados são processados e/ou Registro: Uma linha em um arquivo lógico. UCS: Conjunto de telas como definido pelo processo
mantidos. elementar.
Arquivo Lógico: Grupo de dados ou informações de
02. Número de ALR lido ou atualizado pelo processo controle, logicamente relacionados, reconhecidos pelo Parâmetros de Complexidade:
elementar. usuário. 01. A soma do número de propriedades distintas
Parâmetros de Complexidade: configuradas para cada elemento da IU na UCS.
Nível de complexidade2 01. Número de atributos distintos incluídos / alterados / 02. O número de elementos distintos da IU impactados.
Baixa Média Alta excluídos, envolvidos no processo elementar.
0-3 ALR2 4-9 ALR2 10+ ALR2 Número de Complexidade do Tipo de UI1
02. Número de registros configurados.
Propriedades
PS = 4 x #DER2 6 x #DER2 10 x #DER2 Baixa Média Alta
Nível de complexidade2 Incluídas ou
Configuradas <10 10-15 16+
Medir de maneira desalinhada ao Baixa Média Alta
propósito é mais prejudicial que 1-10 registros2 11-29 registros2 30+ registros2 2 x #elementos de UI
PS = 3x 4x
benéfico. A FATTO sabe te orientar como PS = 6 x #atributos1 8x 12 x distintos2
não cair nessa armadilha.
9

2.2 Métodos de Ajuda


Informação fornecida aos usuários, que explica como o Seu desenvolvimento “’Ágil” está custando caro demais e não entregando o que promete?!
software provê sua funcionalidade ou outra informação de Conheça as soluções da FATTO para monitorar a eficiência dos seus processos.
suporte fornecida aos usuários.
UCS: O objeto de ajuda.
2.3 Múltiplos Métodos de Entrada 2.4 Múltiplos Métodos de Saída
Objeto de Ajuda: Uma parte em particular do software
para a qual o Item de Ajuda é fornecido. A habilidade da aplicação fornecer sua funcionalidade ao A habilidade da aplicação fornecer sua funcionalidade ao
aceitar múltiplos métodos de entrada. aceitar múltiplos métodos de saída.
Item de Ajuda: O menor, único, tópico de informação
identificável pelo usuário que provê informação de suporte UCS: O processo elementar. UCS: O processo elementar.
ou detalhes sobre uma parte em particular do software. Métodos de Entrada: Uma tipo de técnica ou mídia, que é Métodos de Saída: Uma tipo de técnica ou mídia, que é
Parâmetros de Complexidade: usada para entregar dados para dentro da aplicação usada para entregar dados para a partir da aplicação
avaliada, como um leitor de código, fax, PDF, documento de avaliada, como um leitor de código, fax, PDF, documento de
01. A inclusão de imagens de tela no Item de Ajuda. Office, tela, mensagem de voz, SMS, dispositivo móvel, etc. Office, tela, mensagem de voz, SMS, dispositivo móvel, etc.
Parâmetros de Complexidade: Parâmetros de Complexidade:
Sem imagens de tela Com imagens de tela
01. Número de DER na UCS. 01. Número de DER na UCS.
# de Objetos de Ajuda # de Objetos de Ajuda + 2
PS = 02. Número de métodos de entrada adicionais. 02. Número de métodos de saída adicionais.
16 16
Complexidade de Métodos de Entrada1 Complexidade de Métodos de Saída

Baixa Média Alta Baixa Média Alta


A FATTO integra requisitos, métricas e
aceite com a gestão de riscos para 1-4 DER 5-15 DER 16+ DER 1-5 DER 6-19 DER 20+ DER
melhores propostas e gestão de contratos
3 x #Métodos 4 x #Métodos 6 x #Métodos 3 x #Métodos 4 x #Métodos 6 x #Métodos
com o mínimo de sobrecarga em seus PS = de Entrada de Entrada de Entrada PS = de Saída de Saída de Saída
processos. Adicionais2 Adicionais2 Adicionais2 Adicionais2 Adicionais2 Adicionais2
10

Categoria 3: Ambiente Técnico 3.2 Tecnologia de Banco de Dados


Relaciona-se à aspectos do ambiente no qual a aplicação reside. Avalia a tecnologia e as mudanças a dados internos e Características e operações que são incluídas na base de
configuração que não provê funcionalidade incluída ou modificada a partir de uma perspectiva de pontos de função. dados, ou a declarações para obter ou gravar dados de ou
para a base de dados, para entregar requisitos não
3.1 Múltiplas Plataformas funcionais sem afetar a funcionalidade que é fornecida.
Operações que são fornecidas para suportar a habilidade do software funcionar em mais de uma plataforma (software; UCS: O processo elementar.
hardware).
Parâmetros de Complexidade:
UCS: O processo elementar.
01. Complexidade de Arquivo Lógico.
Parâmetros de Complexidade:
02. Número de mudanças relacionados à base de dados.
01. Natureza da(s) plataforma(s). 02. Número de plataformas para operar.
Complexidade de Arquivo Lógico1
Plataformas
1-19 DER 20-50 DER 51+ DER
Categorias 2 3 4+
1 RLR Baixa Baixa Média
1: Plataformas de software, mesma família PS=20 PS=30 PS=40
2-5 RLR Baixa Média Alta
2: Plataformas de software, famílias diferentes PS=40 PS=60 PS=80
6+ RLR Média Alta Alta
3: Plataformas de software, browsers diferentes PS=10 PS=20 PS=30
4: Plataformas de hardware, sistemas embarcados de real time TBD TBD TBD Fator de Complexidade do FTR1
5: Plataformas de hardware, sistemas embarcados não real time TBD TBD TBD Baixa Média Alta
6: Combinação de HW e SW, sistemas embarcados não real time TBD TBD TBD PS = 6 x #Mudanças2 9x 12 x

Participe dos sorteios bimestrais de exemplares dos livros "Análise de Pontos de Função: Medição, Estimativas e Gerenciamento de
Projetos de Software" e "Engenharia de Requisitos: Software Orientado ao Negócio". Entre em contato e iteraja com os autores

11

3.3 Processos em Lote (batch) 4.2 Múltiplas Interfaces de Entrada/Saída


Atendimento via WhatsApp
Tarefas processadas em lotes (batch jobs), que não são Aplicações que requeiram suporte a múltiplas interfaces de
consideradas como requisitos funcionais (eles não se +55(11)95570-5345 entrada e saída (arquivos de usuário com o mesmo formato),
qualificam como uma função de transação), podem ser fatto@fattocs.com devido a um crescente número de usuários e volume de
considerados no SNAP. Esta subcategoria permite a medição dados ao longo de um período de tempo são cobertas nesta
Categoria 4: Arquitetura
de processos em lotes, que são disparados dentro da subcategoria.
fronteira da aplicação, não resultando em qualquer dado Relaciona-se a técnicas de projeto (design) e codificação
A inclusão de interfaces de entrada/saída sem alterar a
atravessando a fronteira. usadas para construir e melhorar a aplicação. Ela avalia as
funcionalidade não é considerada uma alteração funcional.
complexidades do desenvolvimento modular e/ou baseado
UCS: O processo em lote identificado pelo usuário. Dessa forma, tais mudanças não são medidas por PF. Esta
em componentes.
subcategoria deve ser utilizada no dimensionamento de tais
Nota: Quando vários processos em lote são automatizados
4.1 Software Baseado em Componentes alterações em uma aplicação.
(executados sempre como um todo) e apenas o
resultado final é identificável pelo usuário, conte esses Pedaços de software usados dentro da fronteira da aplicação UCS: O processo elementar.
processos em lote como uma UCS individual. avaliada para integrar com software pré-existente ou para Notas: Conte o número de interfaces de entrada e saída
construir componentes no sistema. adicionais. Quando uma interface for utilizada para
Parâmetros de Complexidade:
UCS: O processo elementar. entrada e saída, a conte uma vez como entrada e
01. Número de DET processados em lote.
uma vez como saída.
Parâmetros de Complexidade:
02. Número de FTR tanto lidos como atualizados pelo
Parâmetros de Complexidade:
processo em lote. 01. A indicação de componentes de terceiros ou reuso
interno. 01. Número de DER na UCS.
02. Número de componentes únicos envolvidos no processo 02. Número de interfaces de entrada e saída adicionais.
elementar.
Fator de Complexidade Tipo Cálculo dos Pontos SNAP Nível de Complexidade
Baixa Média Alta Baixa Média Alta
Componentes internos PS= 3 x #Componentes distintos
1-3 ALR 1-9 ALR 10+ ALR 1-5 DER1 6-19 DER1 20+ DER1
PS = 4 x #DER1 6 x #DER1 10 x #DER1 Componentes de 3o PS= 4 x #Componentes distintos PS = 3 x #inter. adicionais2 4x 6x
12