Você está na página 1de 4

EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DESEMBARGADOR (A) PRESIDENTE

DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO TOCANTINS

Mandado de Segurança n° ____

Caio Augusto Cézar, já qualificado nos autos do mandado de segurança


em epígrafe, vem respeitosamente à presença de Vossa Excelência, por
intermédio de sua advogada, com base nos artigos 1.027 e seguintes do novo
Código de Processo Civil, e alínea “b” do inciso II do artigo 105 da Constituição
Federal, interpor

RECURSO ORDINÁRIO

Contra a decisão que denegou a ordem no mandado de segurança


impetrado contra Estado do Tocantins, também já qualificado, pelos motivos de
fato e de direito que passa a expor.

Pugna-se pelo recebimento do presente recurso ordinário e, após a


tramitação de praxe (intimação do Recorrido para apresentar as contrarrazões,
conforme o § 2º do artigo 1.027), o seu encaminhamento para o Superior
Tribunal de Justiça (STJ), a fim de que seja reformada a decisão que negou a
segurança do presente.

Termos em que pede deferimento.

Cidade (UF), data.

______________________

Advogado

OAB/UF XXXX
RAZÕES DO RECURSO ORDINÁRIO

EGRÉGIO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA,

COLENDA TURMA

EMINENTES MINISTROS,

O acórdão recorrido julgou como improcedentes os pedidos formulados


pelo Recorrente. Todavia, a decisão merece ser reformada, pelas razões
expostas neste recurso.

1 - DA ADMISSIBILIDADE

O presente recurso é próprio, tempestivo, as partes são legítimas e


estão devidamente representadas, portanto, preenchido os pressupostos de
admissibilidade.

2- SÍNTESE DOS FATOS

Certo dia Caio foi diagnosticado com “diabetes tipo 1”. Como Caio não
tem condições financeiras de arcar com a aquisição de medicamentos, ele se
dirigiu à farmácia mantida pelo Estado do Tocantins e solicitou os
medicamentos requisitados por seu médico. Após procedimento administrativo
interno, a farmácia do Estado informou que não forneceria aqueles
medicamentos por dois motivos: 1) O Estado fornece outros medicamentos
compatíveis com aquele; 2) O Estado não tem recursos financeiros para
adquirir aqueles medicamentos em específico.

O médico de Caio insistiu no sentido de que o tratamento somente


surtiria efeito com aqueles medicamentos indicados. Nesse sentido, ante a
negativa do Secretário de Saúde do Estado do Tocantins, Caio impetrou
mandado de segurança individual no tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO),
com base no art. 6º da CF/88, pleiteando que o Estado arque com a aquisição
dos medicamentos prescritos pelo seu médico.

Após o devido processo legal, o Pleno do TJTO proferiu acórdão no


sentido de denegar a segurança fundamentando, em síntese, o princípio da
reserva do possível e os poucos recursos disponíveis pelo Estado, sobretudo
não se justificando um gasto individual prevalecendo sobre os interesses da
coletividade.
Desta forma, tendo em vista a manifesta ilegalidade da autoridade
coatora, pugna-se pela reforma da decisão que denegou a segurança do
mandado impetrado pelo Recorrente.

3 - FUNDAMENTOS JURÍDICOS

Conforme relatado, o Recorrente possui direito líquido e certo ao


requerer que o Estado do Tocantins arque com a aquisição dos medicamentos
prescritos pelo seu médico.
Sendo assim, a referida decisão é contraria ao artigo 196 da
Constituição Federal que o qual dispõe que a saúde é um direito de todos e
dever do Estado. Então, é obrigação do Estado (União, Estados, DF e
Municípios) proporcionar às pessoas hipossuficientes o tratamento médico
adequado e necessário para a cura de suas doenças. Visto que, essa norma é
definidora de um direito fundamental e tem aplicação imediata, pois a saúde é
um direito constitucionalmente assegurado às pessoas, dado que é inerente a
vida, e o direito à vida é também um direito fundamental e de aplicabilidade
imediata, nos termos do artigo 1º e 5º da CF/88, então independentemente do
medicamento ser fornecido ou não pelo SUS, é dever do Estado amparar o
cidadão hipossuficiente.

Nesse sentido, tendo em vista que os motivos dispostos à cima o


Recorrente requer a reforma da decisão recorrida é medida que se impõe.

4 – DO PEDIDO

Em razão do exposto, requer-se seja conhecido e provido o presente


recurso ordinário, reformando a decisão que denegou a segurança do
mandado impetrado, ou seja, concedendo o direito ao Requerente a obter os
medicamentos necessários, de forma que o Estado arque com as despesas.

Cidade (UF), data.

______________________

Advogado

OAB/UF XXXX