Você está na página 1de 113

Aminoácidos, Peptídeos e Proteínas

Gerenciada (2º Período)

Professora MSc. Telma Lélia Gonçalves Schultz de Carvalho

Santarém
2019
Características químicas dos
aminoácidos
Aminoácidos
• Aminoácidos: são compostos orgânicos de função mista que
fazem parte da constituição de peptídeos, proteínas,
hormônios e neurotransmissores.
• São compostos quaternários de carbono (C), hidrogênio (H),
oxigênio (O) e nitrogênio (N).
Grupo Ácido
Carboxílico

Grupo
Amino
Aminoácidos
Aminoácidos
▪ 300 diferentes aminoácidos natureza (apenas 20 constituintes de
proteínas em mamíferos. (Nota: Esses são os únicos aminoácidos
codificados pelo DNA, o material genético da célula.

▪ Existem 20 aminoácidos que constituem as proteínas dos seres vivos.


▪ Os aminoácidos podem ser classificados em dois grupos:

o Aminoácidos Essenciais
• Não são produzidos pelo homem, e devem por isso, serem ingeridos
na alimentação.

o Aminoácidos Naturais
• São produzidos pelo organismo humano

▪ Obs.: O tradicional arroz com feijão (mistura de um cereal com leguminosa)


contém os 8 aminoácidos essenciais
▪ Pouco valor biológico.
▪ Proteínas animais: alto valor biológico.
Abreviaturas e símbolos para os aminoácidos de
ocorrência mais frequente
As proteínas são formadas por aminoácidos. Existem 20 tipos de aminoácidos
diferentes
• O nome de cada aminoácido possui uma abreviatura associada de três letras e
um símbolo de uma letra
IMPORTÂNCIA BIOLÓGICA DOS AMINOÁCIDOS
Essenciais Funções no organismo Fontes
Triptofano Síntese de serotonina e melatonina Carne, peixes, ovos, laticínios,
castanhas, banana verde.
Lisina Transportadora de Ca2+; faz parte da Carne, peixes, ovos, laticínios,
molécula de colágeno, anticorpos, nozes, chocolate.
hormônios e enzimas.
Metionina Principal fonte de enxofre para o Carne, peixes, ovos (clara).
organismo. Construção de cabelos, unhas.
Redutor de colesterol.
Fenilalanina Convertido em tirosina (noradrenalina, Carne, peixes, ovos, laticínios.
dopamina e adrenalina).
Treonina Formação do tecido conjuntivo Carne, peixes, ovos, laticínios,
castanhas, leguminosas.

Valina Formação das fibras musculares Ovo, peixe, carne, leite ;Feijão,
ervilhas; Castanhas.
Leucina e Formação das fibras musculares e Ovos, laticínios, nozes, grãos.
isoleucina neurotransmissores
IMPORTÂNCIA BIOLÓGICA DOS AMINOÁCIDOS
Não Essenciais Funções no organismo
Tirosina Formado a partir da fenilalanina (melanina, noradrenalina, dopamina e
adrenalina). Tiroxina (tireoide)
Glicina Faz parte da massa muscular. Transporte de O2.

Cisteína Antioxidante. Síntese de queratina (pele, cabelos e unhas).

Cistina Antioxidante. Síntese de queratina (pele, cabelos e unhas).

Histidina Formação da hemoglobina, histamina, HCl e pepsina.

Prolina Formação de colágeno e de massa muscular.

Alanina Formação das fibras musculares e neurotransmissores, anticorpos.

Glutamato (ácido glutâmico) Convertido em glutamato (excitatório) e GABA (inibitório) (SNC).

Aspartato Auxilio na eliminação de amônia. Aumenta o consumo de lipídeos.


Diminui a fadiga.
Glutamina Diminui a fadiga muscular. Presente nos músculos. Atletas (importante).
IMPORTÂNCIA BIOLÓGICA DOS AMINOÁCIDOS
BCAA

Dentre os aminoácidos essenciais, temos 3 deles que


são os chamados BCAA's (Aminoácidos de cadeia
Ramificada):
•L-Valina
•L-Leucina
•L-Isoleucina

BCAA : "Branch Chain Amino Acids" que significa


"aminoácidos de cadeia ramificada". Eles estão entre
os suplementos mais importantes para qualquer
programa nutricional esportivo.
Os BCAA's constituem até 35% da massa muscular
corporal e são indispensáveis para a manutenção e o
crescimento dos músculos. Além de construir células
e reparar tecidos, eles formam anticorpos, fazem
parte do sistema hormonal e enzimático, formam
RNA e DNA e ainda transportam oxigênio pelo corpo.
Aminoácidos
Aminoácidos
▪ São as partes formadoras das proteínas

R = Radical
Varia nos diferentes
aminoácidos e os
Grupo Grupo Ácido
Amino Carboxílico
caracteriza.
▪ Exemplos

Glicina:
aminoácido mais
simples.

Glicina Alanina
Estrutura geral dos aminoácidos de
ocorrência biológica
Grupamento carboxilato
(ácido carboxílico)

Grupamento amino
Hidrogênio

Exceção:
Grupamento “R”,
ou cadeia lateral

Essa parte é que define as propriedades cada


aminoácido de acordo com suas características
de estrutura, tamanho, caga elétrica , solubilidade
prolina
Estrutura geral dos a-aminoácidos
comuns encontrados em proteínas
Grupo a Grupo a
Grupo amino
amino COO
secundário
carboxílico
COO aC H
+ +
H3N Ca H H 2N CH2

R H2C CH2
Carbono a
Cadeia lateral prolina

Cada aminoácido (exceto a prolina) apresenta um grupo carboxila, um


grupo amino e uma cadeia lateral distinta ("grupo R") ligados ao átomo
de carbono a.
Estrutura geral dos a-aminoácidos comuns
encontrados em proteínas

Comparação entre o grupo imino encontrado na prolina e o grupo


a-amino encontrado em outros aminoácidos, como a alanina.
Propriedades ópticas dos aminoácidos

Carbono
• Os aminoácidos alfa
presentes nas
proteínas são
isômeros L
– A biologia é canhota
• Glicina não
tem isomeria
óptica
• D – bactérias
Os aminoácidos possuem (pelo menos) um carbono quiral

B A B C D

A C
D Centro
quiral

Exceção:
Estéreo isômeros
(enantiomeros)
Ópticamente ativos,
isto é mudam o plano de polarização da luz polarizada
Os aminoácidos utilizados nas proteínas são L-estereoisômeros glicina
Peptídeos e proteínas
INTRODUÇÃO
• Proteínas: moléculas orgânicas mais abundantes e
com maior diversidade de funções nos sistemas
vivos. Praticamente todos os processos vivos
dependem (80% nos animais).
• É a principal forma pela qual a informação genética
se expressa!
Proteínas
• Origem grego (protos) primeira, mais importante
“A palavra proteína que eu proponho vem derivada de
proteos, porque ela parece ser a substância primitiva
ou principal da nutrição animal, as plantas preparam
para os herbívoros que posteriormente a passam para
os carnívoros” (Berzelius, 1838)
PROTEÍNAS (Funções)

Estruturais

Membrana Motoras

Proteínas

DNA e RNA Enzimas

Transporte Anticorpos
PROTEÍNAS (Funções)
Funções das Proteínas

a. Função Estrutural
o As proteínas são as moléculas orgânicas mais abundantes do corpo humano.
o Ex:
✓ Colágeno: Proteína mais abundante da pele, cartilagem e órgãos. Proporciona
resistência e elasticidade a essas estruturas.
✓ Elastina: Proteína elástica presente em órgãos como pulmões, parede
de vasos sanguíneos e ligamentos.

✓ Queratina: Fibras resistentes encontradas nos cabelos, unhas, chifres


e cascos.

b. Função Hormonal

o Vários hormônios são proteínas.


o Ex: Insulina e glucagon (controle da glicemia)

c. Função Respiratória

o Hemoglobina e Mioglobina são pigmentos presente nas hemácias que


transportam oxigênio para que as células possam realizar a respiração
celular.
PROTEÍNAS
Funções das Proteínas

d. Função Contrátil

o Actina e Miosina são proteínas presentes nas células musculares, onde são
responsáveis pelo mecanismo de contração muscular.

e. Função Carreadora

o Existem várias proteínas na membrana plasmática das células,


responsáveis pelo transporte de substâncias para o interior e exterior da
célula.

f. Função Imunológica

o As moléculas de defesa do sistema imune são proteínas denominadas


anticorpos ou imunoglobulinas.

g. Função Catalítica

o As enzimas, moléculas que aceleram reações químicas no interior das


células, são todas proteínas.
PROTEÍNAS
Proteínas (Protídeos).

▪ São macromoléculas orgânicas de alto peso molecular constituídas por


unidades ou monômeros denominados aminoácidos
▪ Os aminoácidos estão ligados entre si por ligações peptídicas.
Ligações peptídicas – reação de condensação entre dois aminoácidos com a
saída de uma molécula de água .
A A A A A A Polipeptídeo

Aminoácido Ligação Proteínas são moléculas formadas por


Peptídica
um ou mais polipeptídios contendo,
geralmente mais de 100 aminoácidos.
A A Dipeptídeo
Toda proteína é um polipeptídio,
mas nem todo polipeptídio é proteína.
A A A Tripeptídeo

A A A A Tetrapeptídeo
2 aminoácidos
livres

Interação para
formação da
ligação peptídica

Formação da
ligação peptídica
com liberação de
H2O
Bioquímica Celular
LIGAÇÕES PEPTÍDICAS

Ligação Peptídica

o Nº de ligações peptídicas = nº de aminoácidos – 1


o Ex: Pentapeptídio: contém 5 aminoácidos, 4 ligações peptídicas 4
águas liberadas.

A A A A A
H2O H2O H2O H2O
Polímeros de Aminoácidos
• Peptídeos (até 10.000 Da)
e proteínas (> 10.000 Da).

• Ligação peptídica:

Amino-terminal C-terminal
Ligação peptídica

2 aa ........................................ Dipeptídeo
3 aa......................................... Tripeptídeo
4 aa ........................................ Tetrapeptídeo
+ 40 aa ................................... Polipeptídeo
Algumas proteínas apresentam outros grupamentos
químicos além de aminoácidos
Lipoproteína (ex.)
Lipoproteína de baixa
densidade LDL

Função:
✓transporte de
lipídeos
Composição:
✓Apoprotéinas
✓Ester de colesterol
✓Colesterol
✓Fosfolipídios
✓Triacilgliceróis
Algumas proteínas apresentam outros grupamentos
químicos além de aminácidos
Glicoproteína (ex.)

Glicoproteínas de superfície
celular

Função:
✓Reconhecimento celular
✓Proteção
✓Hidratação
Estrutura das proteínas
PROTEÍNAS
Estrutura das proteínas
▪ Primária: Linear, aminoácidos mantidos pelas ligações peptídicas
▪ Secundária: Estrutura helicoidal
▪ Terciária: Enovelamento da estrutura helicoidal
▪ Quaternária: Agregação de duas ou mais cadeias polipeptídicas enoveladas

Estrutura Estrutura Estrutura Estrutura


Primária Secundária Terciária Quaternária
Níveis estruturais das proteínas
PROTEÍNAS
PROTEÍNAS/Organização estrutural

Estrutura Secundária
Estrutura Primária

Estrutura Terciária Estrutura Quaternária


Estrutura primária das proteínas

• sequência linear de aminoácidos


• estruturalmente, é o nível mais simples
Estrutura secundária das proteínas
• Mantida por ligações de hidrogênio entre
aminoácidos próximos
• conformação em a- hélice
• conformação b-pregueada
• voltas b
Estruturas das proteínas
α-Hélice
O esqueleto polipetídico é firmamente enrolado em torno de
um eixo imaginário desenhado longitudinalmente no centro
da hélice, e os grupos R dos resíduos de AAs se projetam
para fora do esqueleto helicoidal.
Estruturas das proteínas

Conformações β
O esqueleto da cadeia polipeptídica está estendido em
forma de zigue-zague.

Direções
Opostas
Antiparelelo

Mais comuns
Estruturas das proteínas
Voltas β

Estes são elementos conectores que


ligam estruturas sucessivas de alfa-
hélice e conformações beta.
Colágeno
Fibroína a-hélice
Queratina
b-pregueada torcida firmemente tem 3
a-hélice
resíduos por volta
Estruturas secundárias e propriedades de proteínas fibrosas
Estruturas Características Exemplos de ocorrência

a-Hélice Resistente, estruturas inso- a-Queratina de


lúveis protetoras, de grau cabelos, unhas,
variável de dureza e flexi- penas, cascos etc.
bilidade

Conformação b Macio, filamentos Fibroína da seda


flexíveis

Colágeno tripla Alta força de tensão Colágeno dos


hélice tendões e da matriz
óssea
DISTROFIA MUSCULAR DE
DUCHENNE
Exemplos clínicos
Distúrbios monogênicos

Ex. de Herança Recessiva Ligada ao X


• Distrofia Muscular de Duchene (DMD): Distúrbio
recessivo ligado ao X caracterizado por uma Fraqueza
Muscular Progressiva. O defeito básico é uma
anormalidade do gene estrutural da proteína
distrofina causando níveis nulos ou bastante
reduzidos de distrofina no músculo. Normalmente, a
distrofina é ligada à membrana muscular e ajuda a
manter a integridade da fibra muscular; na ausência ,
a fibra muscular degenera.
Quadro-clínico
Lordose lombar
Manobra de Gowers
• marcha do tipo
anserina
– levantar do chão
peculiar,
– manobra de
Gower,
Tratamento
NÃO HÁ TRATAMENTO CURATIVO !!

Métodos de atenuar a DMD


Prognóstico
• 55 a 90% morrem entre10 e 19 anos,

• A infecção pulmonar e/ou insuficiência


respiratória são as causas mais freqüentes de
óbito, ocorrendo em 75% dos casos.

• óbito não está relacionada com a idade de


início da manifestação da doença, mais sim
com a idade que a criança fica confinada a
cadeira de rodas
Estruturas das proteínas

TERCIÁRIA
É o arranjo tridimensional total de todos os átomos
de uma proteína é chamado de estrutura terciária.

Descreve a associação de 2 ou mais cadeias


polipeptídicas por interações não-covalentes.
Ex: enzimas; mioglobina; anticorpos e toxinas.
Estruturas das proteínas
Estruturas das proteínas
Estrutura quaternária

Segmentos diferentes das cadeias polipeptídicas (ou


de múltiplas cadeias polipeptídicas) se dobram uns
sobre os outros, gerando uma forma mais compacta
do que observada para as proteínas fibrosas.

Enzimas
Proteinas transportadoras
Proteinas motoras
Proteinas reguladoras
Imunoglobinas
Estruturas das proteínas

Estrutura quaternária

Hemoglobina
Estruturas das proteínas

Classificação das proteínas

1. FIBROSAS_ CADEIAS POLIPEPTÍDICAS


ARRANJADAS EM LONGOS FILAMENTOS OU
FOLHAS
2. GLOBULARES_ CADEIAS POLIPEPTÍDICAS
DOBRADAS EM UMA FORMA ESFÉRICA OU
GLOBULAR
Estruturas das proteínas
Estruturas das proteínas

Classificação das proteínas

1. FIBROSAS

Estrutura secundária

Suporte, forma e proteção externa aos vertebrados


Força e flexibilidade
Estruturas das proteínas
Classificação das proteínas

1. FIBROSAS Fibroína da seda

Proteína da seda

Cadeias polipeptídicas_ conformações beta


Estruturas das proteínas
Classificação das proteínas

1. FIBROSAS Alfa-queratinas

Força
Mamíferos (cabelo, pelos, unhas, garras, penas,
chifres, cascos e grande parte da camada mais externa
da pele)
Estruturas das proteínas
Classificação das proteínas

1. FIBROSAS

FIBROMIALGIA

A fibromialgia é uma síndrome (conjunto de sinais e sintomas)


dolorosa não-inflamatória cujos principais indicativos são as
dolores musculares difusas (sente dor por todo o corpo), fadiga,
distúrbio do sono, parestesias, edema subjetivo, distúrbios
cognitivos e dor em pontos específicos quando palpados (esses
pontos são denominados tender-points).
Trigger-points; pontos dolorosos
Estruturas das proteínas
Classificação das proteínas

1. FIBROSAS Elastina

-Proteína do tecido conectivo com


propriedades semelhantes às da
borracha.
-Composição: microfibrilas de elastina e
de glicoproteínas, encontradas nos
pulmões, na parede de grandes artérias
e nos ligamentos elásticos. Elas podem
ser distendidas em várias vezes o seu
comprimento normal, mas retornam ao
formato original quando a força de
tensão é relaxada.
-Patologia: no pulmão a deficiência de
a1-AT pode causar enfisema.
Estruturas das proteínas
Classificação das proteínas

1. FIBROSAS Colágeno

-É a proteína mais abundante no


corpo humano. Uma típica molécula
de colágeno é longa, com uma
estrutura rígida, na qual três cadeias
polipeptídicas (referidas como
"cadeias a") estão torcidas uma em
volta da outra, de forma semelhante
a uma corda de tripla hélice
-Resistência
Tecidos (tendões, cartilagens,
matriz orgânica dos ossos e
córnea dos olhos)
Estruturas das proteínas
Classificação das proteínas

1. FIBROSAS Colágeno

Cadeia
alfa

Três
hélices
Estruturas das proteínas Colágeno

✓ A superfamília das proteínas de


colágeno inclui mais de 20 tipos de
colágeno.
✓ O colágeno mais comum é o tipo I.
✓ Defeitos na síntese das fibras do
colágeno podem resultar em
doenças genéticas envolvendo a
incapacidade do colágeno em
formar fibras (resistência à tensão
comprometida).
✓ Mais de1.000 mutações foram
identificadas em 22 genes que
codificam 12 tipos de colágeno.
Estruturas das proteínas Colágeno

-Osteogênese imperfeita

• Doença conhecida como


síndrome dos ossos frágeis
ou de vidro, é também
constituída por um grupo
heterogêneo de distúrbios
hereditários, caracterizados
por ossos que facilmente
"vergam" e fraturam.
• A maioria dos casos surge a
partir de um defeito no gene
que codifica o colágeno do
tipo I.
Osteogênese imperfeita (Tipos)
Estudo de Caso
Uma criança com fragilidade óssea manifestada por fraturas múltiplas desde infância
precoce associada a coloração azulada de esclera é admitida em um hospital. A
criança foi trazida pela mãe, que relatou o caso ao médico, e disse ter procurado o
Hospital depois que seu filho ter se queixado de forte dor no braço e nas pernas após
ter escorregado no banheiro. Posteriormente à anamnese da criança, o médico
solicitou uma radiografia achando o seguinte resultado abaixo. Qual a doença do
paciente?
Osteogênese imperfeita
Colágeno
Estudo de Caso:
Uma criança de 7 meses caiu enquanto engalinhava, e agora apresenta
inchaço em uma das pernas. Com um mês de idade, a criança teve
fraturas múltiplas, com variados estados de cicatrização (clavícula
direita, úmero direito e rádio direito). Aos 7 meses, a criança teve uma
fratura no fémur arqueado (veja o raio X a seguir).
Os ossos são finos, com uma fina
trabécula e também finos córtices.
Um cuidadoso histórico familiar
excluiu traumas não-acidentais
(maus tratos) como causa das fraturas
ósseas. Provavelmente, a
criança tem um defeito no(a):
A. fibrilina;
B. colágeno tipo I;
C. colágeno tipo III;
D. colágeno tipo IV;
E. elastina.
Estruturas das proteínas
2. GLOBULARES (estrutura e a função de algumas proteínas globulares
clinicamente importantes, as hemeproteínas).

-Hemoglobina e mioglobina: duas hemeproteínas mais abundantes em


humanos, o grupo heme serve para ligar, de forma reversível, o oxigênio.

- Hemeproteínas: são um grupo


especializado de proteínas, as quais
contêm heme como grupo prostético
firmemente ligado.
Estruturas das proteínas
2. HEMEPROTEÍNAS GLOBULARES
Estrutura e função da mioglobina
✓ Presente no coração e no músculo esquelético, funciona tanto como um
reservatório de oxigênio quanto como um carreador de oxigênio, que
aumenta a velocidade de transporte de oxigênio dentro da célula muscular.
✓ Única cadeia polipeptídica, similar a uma
das cadeias polipeptídicas individuais que constituem a molécula da
hemoglobina

Mioglobina

Terciária
Estruturas das proteínas
-Hemoglobina: encontrada exclusivamente nos eritrócitos.
-Função: transportar oxigênio dos pulmões até os capilares dos
tecidos.
Hemoglobina A: principal tipo em adultos, composta por quatro cadeias
polipeptídicas - duas cadeias alfa (a) e duas cadeias beta (b) - mantidas unidas
por meio de ligações não-covalentes

Hemoglobina

Quaternárias
Hemoglobina

-Pode transportar CO2 dos tecidos


até os pulmões e pode carregar
quatro moléculas de O2 dos
pulmões às células dos tecidos do
corpo.
Hemoglobina
Efeito Bohr.

A liberação do oxigênio pela hemoglobina é aumentada quando o pH diminui ou


quando a hemoglobina está na presença de uma pressão parcial de C02
aumentada. Ambos resultam na redução da afinidade da hemoglobina pelo
oxigênio. Essa alteração na ligação do oxigênio é denominada de efeito Bohr.
Por sua vez, o aumento do pH ou uma redução da concentração de C02 resultam
em maior afinidade pelo oxigênio.

Meio básico Meio ácido


Maior afinidade Aumento da
pelo O2 liberação de Hb
Hemoglobina

Efeito Bohr.

•Uma parte considerável do CO2 produzido em nosso organismo reage com H2O
gerando ácido carbônico e bicarbonato em reações reversíveis (as difusões e as reações
reversíveis do CO2 são mostradas no esquema abaixo). Um menor percentual do CO2
pode também circular ligado à hemoglobina HbCO2 (não mostrado no esquema) e
quantidades ainda menores do gás circulam dissolvidas no plasma sanguíneo. Sabe-se
que a taxa de produção de CO2 e a taxa de sua excreção pelo organismo afetam o pH do
sangue e, com isso, a afinidade da hemoglobina pelo O2.
Hemoglobina

Efeito Bohr.

• A excreção de CO2 pelos alvéolos contribui para a


alcalinização do sangue dos capilares pulmonares
aumentando a afinidade da hemoglobina pelo O2.
•A liberação do oxigênio pela hemoglobina é aumentada
quando o pH diminui ou quando a hemoglobina está na
presença de uma pressão parcial de C02 aumentada.
•Parte do CO2 produzido pelo organismo pode ser
excretada no intestino delgado na forma de bicarbonato,
fundamental para a alcalinização do quimo.
Hemoglobina

Outras hemoglobinas

• Hemoglobina fetal (HbF) - encontrada no feto e no recém-nascido,


perfazendo cerca de 60% da hemoglobina últimos meses da vida fetal.

Hemoglobinas humanas
normais de adultos.
HEMOGLOBINOPATIAS
• Anemia falciforme (doença da hemoglobina S)
É uma doença genética do sangue
causada pela alteração de um único
nucleotídeo (mutação pontual) no gene da
cadeia de b-globina.
A presença da doença não se manifesta
no bebê, até que uma quantidade
suficiente de HbF seja substituída pela
HbS, quando os eritrócitos começam a
assumir a morfologia falciforme.
HEMOGLOBINOPATIAS
• Anemia falciforme (doença da hemoglobina S)
•A AF é uma doença genética autossômica recessiva, caracterizada pela presença de hemácias
em forma de foice e deficiência no transporte de gases. O alelo responsável por essa condição é
o HbS, que codifica a forma S da globina. Sabe-se que os indivíduos heterozigotos para a HbS
não têm os sintomas da anemia falciforme, mas os homozigotos sim. Algumas regiões da África
apresentam alta prevalência de malária e acredita-se que essa condição tenha influenciado a
frequência do alelo HbS nessas áreas.
•Indivíduos com AF não desenvolvem malária.
Anemia falciforme (doença da
hemoglobina S)
• Anemia falciforme (doença da hemoglobina S)

Substituição de aminoácidos na HbS


A anemia falciforme
• Caracteriza-se por episódios dolorosos (crises) que ocorrem
durante toda a vida, por uma anemia hemolítica crônica e
pelo aumento da suscetibilidade a infecções, que começam
em geral no início da infância.
• Outros sintomas: síndrome aguda do peito, acidentes
vasculares cerebrais e disfunção esplênica e renal.
• Vida média de um eritrócito: homozigótico HbS (20 dias),
Eritrócito normal (120 dias).
• A gravidade da doença é aumentada por qualquer variável
que aumente a proporção de HbS no estado desoxigenado
(isto é, que reduza a afinidade da HbS pelo oxigênio).
A anemia falciforme
De acordo com algumas teorias vigentes, por que indivíduos com anemia
falciforme (HbS) têm resistência à malária?

Os indivíduos HbS se tornam mais resistentes a doença, e dessa forma são


selecionados. A resistência à malária se deve a forma de foice da hemácia,
impedindo que merozoíto do Plasmodium invada as hemácias, em seu ciclo vital
no ser humano. Além do mais, a vida curta das hemácias falciformes pode
impedir que, em muitos casos, o ciclo do parasita se complete, conduzindo a
uma redução considerável de parasitemia. Elas produzem quadros de anemia
crônica nesses indivíduos, pois suas hemácias são frágeis e facilmente
hemolisadas, tendo uma vida média relativamente curta.
A anemia falciforme

Joishy SK, Hassan K, Lopes M et al. Clinical, genetic and


fertility studies of Indian with s-globin gene and the influence
of Hb S on Plasmodium falciparum malaria infection.
Transactions of the Royal Society of Tropical Medicine and
Hygiene 1988; 82:515-9 – Adaptado).
Talassemia
• As talassemias são doenças hemolíticas hereditárias,
nas quais ocorre um desequilíbrio na síntese das
cadeias de globina.

• Cada talassemia pode ser classificada como um


distúrbio em que não são produzidas cadeias de
globinas (talassemia a ou b).

• Testes de laboratório mostram uma anemia


microcítica e níveis elevados de ferro nos tecidos.
Talassemia
• A doença é particularmente prevalente entre os povos do
Mediterrâneo, e essa associação geográfica foi responsável
pela sua nomeação: thálassa é a palavra grega para "mar";
haema é a palavra grega para o sangue. Na Europa, a maior
concentração da doença é encontrada na Grécia e em partes
da Itália.

• Os casos leves não precisam de tratamento. Já os casos graves


podem necessitar de transfusões de sangue ou de um
transplante de células tronco de um doador.
Talassemia
Metemoglobinemias
• A metemoglobinemia pode ser congênita ou
induzida onde é produzido hemoglobina anormal
(hemoglobina M).
• A hemoglobina M é o termo aplicado a um grupo de
hemoglobinas anormais, nas quais a substituição de
um único aminoácido.
• A metemoglobina é uma Hb anormal na qual o ferro
da Hb não oxigenada está em estado férrico (Fe³+) e
não em estado ferroso (Fe²+). Com o ferro oxidado, a
Hb é incapaz de transportar O2 ou CO2.
Metemoglobinemias
• Causa: ação de certas drogas, como os nitratos, ou por
produtos endógenos, como intermediários reativos do
oxigênio (Dapsona, primaquina, cloro, pesticidas, etc).

• Problemas genéticos: certas mutações nas cadeias de


globinas a ou b promovem a formação de metemoglobina
(Hb M).
Metemoglobinemias
• As metemoglobinemias são caracterizadas por "cianose
chocolate" (uma coloração marrom-azulada da pele e das
membranas de mucosas) e sangue cor de chocolate, como
resultado da coloração escura da metemoglobina.

• Os sintomas estão relacionados com hipoxia tecidual, e


incluem ansiedade, dor de cabeça e dispneia. Em casos raros,
podem ocorrer coma e morte. O tratamento usa azul de
metileno.
Metemoglobinemias
Estudo dirigido
As proteínas podem ser classificadas em fibrosas
e globulares de acordo com sua estrutura.
Constituem exemplos de proteína globular e
proteína fibrosa, respectivamente:

• A. Hemoglobina e albumina.
• B. Hemoglobina e clorofila.
• C. Hemoglobina e queratina.
• D. Celulose e fibrina.
Estudo dirigido
• Uma paciente foi levada a uma clínica pediátrica pelos seus pais porque
eles estavam preocupados pela tonalidade azulada da pele. O médico
suspeitou que a criança tinha uma forma congênita de
metemoglobinemia.

• É provável que a menina tenha qual das seguintes variantes anormais de


hemoglobina?

• Hemoglobina A
• Hemoglobina C
• Hemoglobina F
• Hemoglobina M
• Hemoglobina S
Estudo dirigido
• Um menina reclamou que seu rosto e suas extremidades apresentavam
"coloração azulada". O sangue retirado para análise apresentou coloração
chocolate.
• Qual dos diagnósticos a seguir seria o mais provável?

• A. Anemia falciforme
• B. Carboxiemoglobinemia
• C. Metemoglobinemia
• D. Talassemia
• E. Doença da hemoglobina F
Estudo dirigido
• Uma mulher de 30 anos apresentou redução progressiva da respiração. Ela
negou ser fumante. O histórico familiar revelou que sua irmã sofreu de
uma doença pulmonar não explicada. Qual das seguintes etiologias
poderia justificar os sintomas pulmonares da paciente?

• A. Deficiência de sacarase.
• B. Deficiência de alfa 1-antitripsina.
• C. Deficiência de vitamina C na dieta.
• D. Diminuição da lactase.
• E. Aumento da atividade da colagenase.
Estudo dirigido
• Um homem de 75 anos de idade, que mora sozinho em uma casa pobre e
mal ventilada sem aquecimento central, usa um aquecedor de querosene
portátil sem exaustão para esquentar a casa durante os meses de inverno.
Uma manhã, um vizinho encontra o homem enfraquecido. Ao exame
físico, ele parece cianótico. A oximetria de pulso mostra baixa saturação
de oxigênio.
• A exposição a qual das seguintes substâncias mais provavelmente
produziu a doença nesse homem?
• • (A) Nitrogênio
• • (B) Monóxido de carbono
• (C) Óxido nitroso
• • (D) Oxigênio
• • (E) Ozônio

Estudo dirigido
• Um ator infantil de 7 anos que foi levado ao pediatra por seus pais, depois
que eles perceberam que o menino se sentia muito cansado. Eles também
observaram que seu abdome parecia estar dilatado. Exame revela um
aumento do baço. Além disso, ele tem tomado vitaminas e suplementos
de ferro ao longo dos últimos meses. Testes de laboratório mostram uma
anemia microcítica e níveis elevados de ferro nos tecidos. Qual das
seguintes condições é a mais consistente com os achados neste paciente?
• Anemia aplástica
• Anemia de ferropriva
• Anemia perniciosa
• Talassemia
• Diabetes

Estrutura das proteínas
• A conformação de uma proteína é fundamental para a
função que ela exerce
• Perda da conformação ou da estrutura tridimensional da
proteína = perda da função e das características naturais da
molécula
Dobramento proteico
Configuração Nativa

-As interações entre as cadeias


laterais dos aminoácidos determinam
como uma cadeia polipeptídica longa
se dobra para formar a conformação
tridimensional de proteínas funcionais.

-O dobramento proteico, que ocorre


dentro da célula em segundos.

-Com um dobramento peptídico, as


cadeias laterais dos aminoácidos são
atraídas ou repelidas de acordo com
suas propriedades químicas.
PROTEÍNAS
Configuração nativa X Desnaturação Protéica
▪ Se dá pela modificação da forma tridimensional da proteína.
▪ A proteína modificada não exerce sua função.

Fatores:
▪ Temperaturas elevadas (febre alta).
▪ Mudanças de pH (ácido ou base forte).
▪ Detergentes químicos (sabões).
▪ Solventes orgânicos (álcool, éter, clorofórmio, acetona).
▪ Íons ou metais pesados (chumbo e mercúrio).
DOBRAMENTO INADEQUADO DE
PROTEÍNAS
• O dobramento proteico é um processo complexo de ensaio e
erro, que algumas vezes pode resultar em moléculas dobradas
de forma imprópria.
• Doenças associadas ao dobramento inadequado: Doença de
Alzheimer, esclerose lateral amiotrófica e a doença de
Parkinson.
• Depósitos dessas proteínas impróprias estão associados com
algumas doenças, incluindo amiloidoses.
• O acúmulo desses agregados proteicos (amiloides): doenças
neurodegenerativa denominada doença de Alzheimer.
Causada por um peptídeo formado por 40 a 43 resíduos de
aminoácidos, denominado b amiloide (neurotóxicos).
Formação de agregados amilóides

u Uma proteína se desenovela


parcialmente expondo regiões de folha b

v As regiões de várias proteínas semi-


desnaturadas se associam formando um
agregado

w O agregado amilóide aumenta


indefinidamente de tamanho,
incorporando cada vez mais proteínas
semi-desnaturadas

✓Placas amilóides estão presentes no cérebro de portadores de


doenças como o mal Alzheimer e o “mal da vaca louca”
✓As placas amilóides são estruturas ricas em folha beta
Doença do príon
• A proteína do príon (PrP) tem sido fortemente implicada
como o agente causador das encefalopatias espongiformes
transmissíveis (EETs}, incluindo a doença humana de
Creutzfeldt-Jakob, o scrapie em ovelhas e a encefalopatia
espongiforme bovina no gado ("doença da vaca louca“).
• Nas EETs, o agente infeccioso é uma versão alterada da
proteína do príon normal, agindo como uma "matriz" por
fazer a proteína normal assumir uma conformação
patogênica.
ENCEFALOPATIAS ESPONGIFORMES TRANSMISSÍVEIS

• Animais: Scrapie (ovinos)

BSE (bovinos)

FSE (felinos)

• Humanos: CJD / vCJD (Doença de Creutzfeldt - Jakob)

Kuru

IFF (Insônia Familiar Fatal)

SGSS (Gertsmann-Sträussler-Scheinker)
CONTROLE

1. Sacrifício/incineração de suspeitos
2. Proibição do uso de restos para alimentação animal
3. Proibição comércio vísceras p/consumo humano
5. Vigilância: notificação obrigatória.
Estudo de Caso

Um homem de 80 anos de idade apresentava prejuízo das funções


intelectuais e alterações de humor e de comportamento. Sua família relatou
desorientação progressiva e perda de memória durante os últimos seis
meses. Não há história familiar de demência. O paciente foi provisoriamente
diagnosticado como portador de doença de Alzheimer. Qual das seguintes
hipóteses melhor descreve a doença?
A. É causada por proteína infecciosa.
B. Resulta do acúmulo de gorduras desnaturadas que apresentam
conformações aleatórias.
C. Está associada com o acúmulo da proteína precursora priônica.
D. Está associada com o depósito de agregados de peptídeos BETA- amilóides
neurotóxicos.
E. É uma doença produzida por ação do ambiente, não influenciada pela
genética do indivíduo.
Estudo de Caso

Para que as proteínas funcionem adequadamente, elas precisam se dobrar de modo


correto. As proteínas evoluíram de tal maneira que um dobramento — o do estado
nativo — é mais favorável que todos os outros. Numerosas proteínas auxiliam outras
no processo de dobramento, as quais são denominadas chaperonas, A doença
relacionada ao dobramento das proteínas é uma doença que está associada à
conformação anormal de uma proteína. Essa modificação da conformação proteica
ocorre em algumas doenças crônicas relacionadas com a idade, quais são estas
patologias?

a) Doença de Alzheimer, esclerose lateral amiotrófica e a doença de Parkinson.


b) Doença de Alzheimer, doença de Creutzfeldt-Jacob e a Depressão.
c) Doença de Parkinson, Esquizofrenia e Diabetes mellitus.
d) Doença de Creutzfeldt-Jacob, Epilepsia e Hipertensão Arterial.
BIBLIOGRAFIA BÁSICA

✓ CHAMPE, P. C.; HARVEY, R. A.; FERRIER, D. R. Bioquímica


Ilustrada. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.
Para descontrair