Você está na página 1de 91

SOLUÇÕES

FARMACÊUTICAS

Profa. MSc. Bethânia Ribeiro de Almeida

Farmacêutica Industrial;
SOLUÇÃO

Sistema monofásico, homogêneo, com dois


ou mais componentes.

SOLUTO = componente que se encontra


disperso no solvente, na forma
molecular ou iônica

SOLVENTE = fase na qual ocorre a


dispersão.
SOLUÇÃO

NOME DA DISPERSÃO TAMANHO MÉDIO DAS


PARTÍCULAS

Solução verdadeira 0 – 1nm

Solução coloidal 1 – 100nm

Suspensão 100nm
SOLUÇÃO

Propriedades coligativas:
 Pressão osmótica;

 Abaixamento crioscópico;

 Elevação do ponto de ebulição;

 Abaixamento da pressão de vapor.


SOLUÇÃO

VANTAGENS DESVANTAGENS

• Facilmente deglutidos; • Transporte e estocagem;

• Menor estabilidade;
• Imediata disponibilidade para
absorção; • Maior susceptibilidade ao
desenvolvimentos de
• Administração de fármacos microorganismos;
irritantes para a mucosa gástrica.
• Imprecisão da dose;

• Não disfarça sabor desagradável.


SOLUÇÃO

Escolha do solvente: “Semelhante atrai semelhante”

Exemplos:
 Cloreto de etila (polar com baixa solubilidade
em água) e Etanol (polar com > solubilidade em
água).
SOLUÇÃO

 Compostos orgânicos que contêm grupos polares


capazes de formar ligações H com a água(OH, CHO, COH,
CH2OH, COOH, NO2, CO, NH2 e SO3H) são solúveis nesta,
sempre que seu P.M. não for muito elevado;

Introdução de átomos de halogênios tende, em geral, ⇓ a


solubilidade por ⇑ do PM sem ⇑ correspondente de
polaridade;
SOLUÇÃO

Posições relativas de substituintes: m-


dihidrobenzeno > o-dihidrobenzeno > p-
dihidrobenzeno;

A forma cis de um isômero é mais solúvel que a


forma trans

O Solvente ideal para solubilizar um fármaco nem sempre pode


ser utilizado em uma preparação farmacêutica, visto que este
deve ser desprovido de toxicidade, não irritar mucosas, ser
inerte e compatível com a formulação.
SOLUÇÃO

Fatores Influenciáveis:
 Tamanho das partículas;
 Agitação
 Ph
 Temperatura
 Polimorfismo
SOLUÇÃO
SOLUÇÃO

AQUOSAS

NÃO -
AQUOSAS
SOLUÇÕES AQUOSAS

Água:
 Fisiologicamente compatível;
 Não tóxica;
 Constante dielétrica elevada

POTÁVEL ESTÉRIL

PURIFICADA
SOLUÇÕES AQUOSAS

MELHORAMENTO:

 Co-solventes
 Controle do pH
 Complexação
 Tamanho das partículas
 Modificações Químicas
SOLUÇÕES AQUOSAS
Co - solventes: são solventes usados em combinação com
o solvente principal da solução para aumentar a
solubilidade de um fármaco (eletrólito fraco ou substância
apolar).

*Exemplo: fenobarbital

Solubilidade em água = 1,2g/L

Solubilidade em etanol = 13g/L

10% Etanol + 90% H2O:


1,2 x 0,9 = 1,08g

13 x 0,1 = 1,30g

=> 2,38g fenobarbital/L


SOLUÇÕES AQUOSAS

Controle do pH: monitoramento do pH em diferentes fases


da manipulação.

*BOH ⇌ B+ + OH- = Base fraca: ↓pH: ↑solubilidade

*HA ⇌ H+ + A- = Ácido fraco: ↑pH: ↑solubilidade

pH final deve proporcionar máxima


estabilidade, solubilidade e biodisponibilidade
do fármaco.
SOLUÇÕES AQUOSAS

Solubilização: refere-se a adição de tensoativos (micelas).


SOLUÇÕES AQUOSAS

Complexação: complexo facilmente reversível para que o


fármaco livre seja liberado durante e após o contato com os
fluidos biológicos.
SOLUÇÕES AQUOSAS

Tamanho das partículas: refere-se a área superficial.

*↓Tamanho: ↑Área superficial : ↑Solubilidade


SOLUÇÕES AQUOSAS

Modificação Química: síntese de sais hidrossolúveis


(Modificação da toxicidade e farmacologia).
SOLUÇÕES AQUOSAS

Outros influentes: ⇑ T > Dissolução.

* Calor = melhoria da velocidade de dissolução,


mas temperaturas elevadas podem degradar o
fármaco e volatilizar outros.
SOLUÇÕES NÃO AQUOSAS

 Impossibilidade de assegurar a dissolução


completa dos componentes da solução em sistema
aquoso ou quando o fármaco não é estável no
mesmo;
 Aplicação: Sistemas de liberação prolongada I.M.
– injeções oleosas;

ÓLEOS FIXOS DE
ORIGEM VEGETAL POLIÓIS

ALCOÓIS

ÉTER ETÍLICO OUTROS


SOLUÇÕES NÃO AQUOSAS

ÓLEOS FIXOS DE ORIGEM VEGETAL

* Óleos não voláteis: constituídos especialmente


de ácidos graxos de glicerol. Ex. óleo de
amêndoas, soja, algodão, azeite, milho,...

* Óleos minerais – somente uso externo.


SOLUÇÕES NÃO AQUOSAS

ALCOÓIS

*Principalmente para uso externo;


* Solubilizantes;
* Anti-séptico;
* ↑ Evaporação do produto na pele;
* Uso oral e parenteral – peq. quantidades, especialmente
como co-solvente (≤ 2% pois é tóxico).
Ex. etanol
SOLUÇÕES NÃO AQUOSAS

POLIÓIS

* Aplicação: uso interno e externo;

 Polietilenoglicóis (PEGs): uso externo (tópico) e


parenteral.

 Dietilenoglicol, etilenoglicol e seus monoetil ésteres:


somente para uso veterinário.
SOLUÇÕES NÃO AQUOSAS

ÉTER ETÍLICO

* Extração de matéria-prima in natura.

* Aplicação: uso externo.


SOLUÇÕES NÃO AQUOSAS

OUTROS

* Miristato e palmitato de isopropila:


 Aplicação: uso externo, principalmente em
cosméticos;

 Apresenta baixa viscosidade, menos


gorduroso.
SOLUÇÕES NÃO AQUOSAS

OUTROS

* Dimetilformamida e dimetilacetamida
 Aplicação: uso veterinário

* Xileno
 Aplicação: formulações auriculares.
SOLUÇÕES - ADJUVANTES

 Solução + compatível c/ meio fisiológico que


será aplicada;
 Promover a dissolução em água de um fármaco
que é muito pouco solúvel ou insolúvel neste
solvente;
 Retardar ou impedir hidrólise ou oxidação;
 Evitar o desenvolvimento de microorganismos;
 Melhorar as características organolépticas
(aceitabilidade do medicamento).
SOLUÇÕES - ADJUVANTES

 Sistemas tamponantes;
 Agentes modificadores de densidade;
 Conservantes (antimicrobianos);
 Agentes redutores e antioxidantes;
 Edulcorantes;
 Aromatizantes;
 Corantes
SOLUÇÕES - ADJUVANTES

SISTEMAS TAMPONANTES

* Dissolvidos em um solvente => resistem à variação de pH


com a adição de ácido ou base.

Fatores: pH final da preparação e capacidade


tamponante requerida, compatibilidade com o fármaco e
outros componentes da formulação, compatibilidade com a via
de administração.

Ex. Carbonatos, citratos, gluconatos, lactatos, fosfatos,


acetatos, tartaratos, boratos (somente uso externo), p. ex.
SOLUÇÕES - ADJUVANTES

AGENTES MODIFICADORES DE DENSIDADE

* Substâncias que aumentam o tempo de


permanência da solução aquosa de uso tópico
(pele ou olhos).

* Aumentam a viscosidade de soluções.

Ex. Povidona, HEC, carbômeros.


SOLUÇÕES - ADJUVANTES

CONSERVANTES

* Não adsorver na embalagem;

* Não ser incompatível com o pH da preparação e


demais componentes;

* Ser adequados para a via de administração em


questão.

Ex. mercuriais, fenólicos ou sais de amônio


quaternários.
SOLUÇÕES - ADJUVANTES

AGENTES REDUTORES E ANTIOXIDANTES

* Veículos aquosos:
- pH ácido: metabissulfito
- pH neutro: bissulfito
- pH básico: sulfitos

* Veículos oleosos:
- BHT
- BHA
- Tocoferol
- auxiliares (quelantes): EDTA, ác. Cítrico
SOLUÇÕES - ADJUVANTES

EDULCORANTES

Edulcorantes naturais:
* Sacarose: principal; Incolor; alta solubilidade em água;
estável na faixa de pH 4-8; mascarar sabores salgado e
amargo; efeito suavizante.

CARIOGÊNICA
CALÓRICA
SACAROSE = dissacarídeo glicose + frutose

* Poliálcoois: sorbitol, manitol, glicerol.


SOLUÇÕES - ADJUVANTES

EDULCORANTES

Edulcorantes artificiais:

* Alto poder adoçante (100 – 1000 x).

Ex. sais sódico e cálcico da sacarina, ciclamatos,


aspartame.
AMARGO OU
METÁLICO
SOLUÇÕES - ADJUVANTES

AROMATIZANTES

* Usados em conjunto com edulcorantes;


* Muito usados em formulações pediátricas;
* Auxiliam na identificação do produto.

Obtenção:

- Fontes naturais (suco de frutas, óleos aromatizados).

- Sintéticos (mais baratos, estáveis e disponíveis).


SOLUÇÕES - ADJUVANTES

AROMATIZANTES

* A escolha deve ser compatível com a cor do


produto e possuir a capacidade de mascarar
sabores amargo, salgado, doce e azedo.
SOLUÇÕES - ADJUVANTES

CORANTES

* Utilizados principalmente para soluções de uso oral e uso


externo;
* Normalmente associado a um aroma;
* Facilitam a identificação.

Tipos:
- Naturais (mais aceitos): carotenóides, clorofilas,
antocianinas, riboflavinas,...
- Sintéticos (cores mais vivas e estáveis): tartrazina.
Verificar se o corante não é afetado pelo pH da preparação
ou por radiação U.V. ou ainda pela adição de agentes
oxidantes/redutores.
SOLUÇÕES – TÉCNICA GERAL

1- Calcular a quantidade de P.A (soluto);

2- Pesar ou medir o P.A.;

3- Escolher o(s) melhor(es) solvente (s) p/ solubilizar


o P.A (verificar incompatibilidade fármaco / solvente)

4- Verifique a necessidade de adjuvantes


farmacotécnicos;

5- Definir ordem de adição dos componentes;


SOLUÇÕES – TÉCNICA GERAL

6- Escolher técnicas e operações farmacêuticas


(dispersão, solubilização, aquecimento, agitação
mecânica, etc);

7- Filtrar a solução (observar retenção de soluto no


filtro);

8- Verificar e corrigir características organolépticas e


pH;

9- Embalar e identificar a solução preparada.


SOLUÇÕES – FORMAS

* Cutânea:

- Loções: aplicação sobre a pele sem fricção;

- Linimentos: aplicados sobre a pele com fricção, contendo


substâncias oleosas em solução alcoólica.
SOLUÇÕES – FORMAS

* Cutânea:

- Vernizes: líquidos de aplicação na pele com pincel, contendo


álcool ou éter, os quais evaporam rápido deixando os ativos
sobre a pele.

- Colódios: parecido c/ vernizes, após evaporar o solvente


formam um filme plástico sobre a pele proporcionando maior
contato do fármaco com cortes ou imperfeições.
SOLUÇÕES – FORMAS

* Auriculares:

- Aplicação no canal auditivo interno;


- Composição: soluções de fármacos + água +
glicerina + PG ou misturas água/álcool;
- Uso local;
- Formas: gotas, sprays ou soluções de limpeza;
- Antibióticos; Anti-sépticos; Soluções de limpeza;
Emolientes de cera.
SOLUÇÕES – FORMAS

* Nasais:

- Soluções de pequeno volume em veículo aquoso


para administração nasal;

- Apresentar pH próximo à 6,8 e ser isotônica;

- Antibióticos, antiinflamatórios e descongestionantes.


SOLUÇÕES – FORMAS

* Oftálmicas:

- Líquidos estéreis de pequeno volume;

- Indicados para instilação no globo ocular ou dentro


do saco conjuntival;

- Efeito local.
SOLUÇÕES – FORMAS

* Soluções para irrigação:

- Soluções aquosas estéreis de grande volume;

- Limpeza de ferimentos e cavidades corporais;

- Ser isotônicas.
SOLUÇÕES – FORMAS

* Colutórios:

- Soluções aquosas usadas para prevenir e tratar


infecções bucais e de garganta;

- Anti-sépticos, analgésicos e/ou adstringentes.


SOLUÇÕES – FORMAS

* Parenterais:

- Soluções estéreis para injeção ou infusão no corpo.

* Preparações Retais:

- Soluções aquosas ou oleosas para administração


retal destinado à limpeza, diagnóstico ou
tratamentos.
SOLUÇÕES – FORMAS

* Produtos intermediários:

- Espíritos: soluções alcoólicas de substâncias


voláteis, usados principalmente como agentes
aromatizantes.

- Águas aromáticas: soluções aquosas de sustâncias


voláteis com propriedades aromatizantes.
SOLUÇÕES – FORMAS

Líquidos Orais:

* Xaropes: Sacaróleos (sacarose + água) =>


preparações farmacêuticas líquidas cujo veículo é
a água purificada contendo elevada concentração
de açúcares, os quais lhe conferem propriedades
edulcorantes e conservantes.

- Substituição da sacarose: glicose, frutose, polióis ou


substâncias não-glicogênicas.
SOLUÇÕES – FORMAS

Líquidos Orais:

* Elixires: Soluções aquosas medicamentosas edulcoradas


com açúcares, sacarina ou glicóis. Apresentam-se claros,
adocicados e flavorizados.
- Fármacos insolúveis em água e solúveis em misturas
hidroalcoólicas;
- Menos doce, menos efetivo no mascaramento do sabor e
apresenta menor viscosidade quando comparado aos
xaropes;
- Alta graduação alcoólica – 15-50%.
SOLUÇÕES – FORMAS

Líquidos Orais:

* Melitos:

- Preparações líquidas que apresentam consistência


xaropes devido à grande quantidade de mel que
contêm (dissolvido num veículo aquoso).
SOLUÇÕES – ESTABILIDADE

* Química:
- Integridade e potência dos ativos devem ser
mantidas.

* Física:
- Limpidez;
- Exame visual ou densidade óptica;
- Cor;
- Visual ou espectrofotômetro;
- Odor, sabor;
- Propriedades reológicas – reômetros ou
viscosímetros.
SOLUÇÕES – ACONDICIONAMENTO

lacre pilfer- child-proof


lacre metálico
metálico pilfer-proof
proof child-proof
SOLUÇÕES – ACONDICIONAMENTO
SOLUÇÕES

XAROPES
SACARÓLEOS OU XAROPES
São preparações farmacêuticas aquosas, límpidas, que
contém açúcar, como a sacarose, em concentração próxima
a saturação.

VANTAGENS DESVANTAGENS

• Confere valor energético; • Não pode ser utilizado por


diabéticos
• Desempenha função
edulcorante e conservante • Aporte calórico
(Desidratação de moos =
plasmólise) • Cariogênico

• Elevada viscosidade,
impedindo turvações ou
precipitações.
SACARÓLEOS OU XAROPES

SIMPLES

COMPOSTO
XAROPES SIMPLES

AÇUCAR + H2O

Incolor
Límpido
Densidade = 1,33
XAROPES COMPOSTOS OU MEDICAMENTOSOS

XAROPE SIMPLES = VEÍCULO

XAROPE SIMPLES + PA + ADJUVANTES


XAROPES COMPOSTOS OU MEDICAMENTOSOS

Adjuvantes:
Conservantes (benzoato de Na,
parabenos)
Flavorizantes
Corantes
Solubilizantes
Espessantes
Estabilizantes
XAROPES SIMPLES

Principal componente: Sacarose

Sacarose = dissacarídeo = glicose + frutose


XAROPES SIMPLES

SOLUBILIDADE

Água OR (isenta Ca2+ e Co2):

Frio: 1 g  0,5mL

Quente: 1 g  0,2mL
XAROPES SIMPLES
A QUENTE

Aquecimento
800C

H2 O
AÇUCAR
PURIFICADA

Subst.
termoestáveis
Termolábeis,
Voláteis e ESFRIAR AJUSTAR VOL.
Flavorizantes. H2 O
XAROPES SIMPLES
Sacarose...........................................850g
Água destilada.............qsp.............1000ml

Técnica: Aquecer (~ 80°C) até solubilizar o açúcar e


imediatamente suspender o aquecimento para evitar a inversão
da sacarose.

Agitação constante:
 Uso de agitadores mecânicos

Aquecimento:
 Em demasia - hidrólise da sacarose, com precipitação de
açúcar invertido e perda de água pela evaporação

 Na indústria - aquecimento por vapor d'água


XAROPES SIMPLES

CLARIFICAÇÃO

 Filtração: filtro de papel de poro largo.

 Emprego de adsorventes: carvão ativado (descorar),


talco, carbonato de Mg (tinturas resinosas ou
balsâmicas).
VANTAGENS DESVANTAGENS

• Dissolução rápida do açucar; • Não indicado para substs.


Voláteis;
• Esterilização;
• Xaropes amarelados
• Eliminação do CO2 (hidrólise (caramelização);
sacarose);

• T⇑ = hidrólise sacarose –
• Elevada viscosidade, impedindo inversão açucares – alteração
turvações ou precipitações.
sabor e cor (caramelização)
c/ risco contaminação.

• Evitar; Adição de conservantes.


XAROPES SIMPLES

A FRIO

SACAROSE ADJUVANTES

DISSOLUÇÃO
H2 0

AGITAÇÃO
VIGOROSA
XAROPES SIMPLES

A FRIO

VANTAGENS DESVANTAGENS

• Evita a inversão • Não destrói os


sacarose; microorganismos;
• Maior • Menos corado;
estabilidade. • Mais demorado.

Sacarose aquecida em solução aquosa = hidrólise parcial +


precipitação do açúcar invertido.
SACAROSE EM SOLUÇÃO MEDICAMENTOSA
PERCOLAÇÃO

PERCOLAÇÃO

 Dissolução a frio;
Açucar dissolvido na água lentamente;
Escoamento do xarope = pasta de papel;
Densímetro (correção proporção);
Envase = torneira.
ADITIVAÇÃO DE XAROPES

INCORPORAÇÃO DO ATIVO:

Momento do preparo;

Xarope pronto (sólidos, líquidos e associações).


ALTERAÇÕES DE XAROPES

Fatores interferentes:

 Agentes atmosféricos (oxigênio e anidrido


carbônico);

 Aquecimento (facilita hidrólise e a


caramelização da sacarose, e alteração do
fármaco);

Açúcar invertido = 1 mol glicose + 1 mol frutose


ALTERAÇÕES DE XAROPES

Fatores interferentes:

Exposição à luz (alteração dos fármacos,


catálise);

 Interações dos componentes do xarope


(reação entre os fármacos, adjuvantes e
sacarose);

 Proliferação microbiana (adição de


conservantes: metil e propilparabenos)
CONTROLE DE QUALIDADE
• Características organolépticas: líquido límpido,
viscoso e de sabor agradável

• Características químicas: teor de sacarose, açúcar


invertido e dosagem do princípio ativo.

• Características físicas:
Viscosidade: 190cP - 20°C (Brookfield ou Copo Ford)
CONTROLE DE QUALIDADE

Polarimetria

100ºS => [α]D 20º (34,620 ± 0,002 a 20ºC)


λ = 589,2 nm

Densidade (Densímetros ou picnômetros)

1,30 - 1,33, a 25°C

Excesso de água (d < 1,30): Contaminação por


microorganismos;
Excesso de açúcar (d > 1,33): Cristalização.
ACONDICIONAMENTO E OUTRAS UTILIDADES

• Frascos de vidro ou plástico;

• Tampas de material plástico;


camada isolante
1ª Fase camada elástica
camada alisante

adição de
DRAGEAMENTO 2ª Fase xarope simples

3ª Fase polimento
OBSERVAÇÕES

 Xaropes vitaminados => Acrescentar sobitol


(ações oxidativas)

 Diabéticos => Sacarina e goma ou


propilenoglicol;

 Se necessário acrescentar um tensoativo,


polissorbato 80 => Não usar o metilparabeno.
OBSERVAÇÕES

METILPARABENO (Nipagim®)
Éster metílico do ácido 4-hidroxibenzóico

 Pó cristalino, branco ou incolor;


 Pouco solúvel em H2O;
 Facilmente solúvel em acetona, etanol e éter etílico;
 Conservação de substâncias aquosas;
 Faixa de fusão: 125 °C a 128 °C.
OBSERVAÇÕES

PROPILPARABENO (Nipazol®)
Éster propílico do ácido para-hidrobenzóico

 Pó branco cristalino;
 Muito pouco solúvel em água, facilmente solúvel em
metanol, etanol e éter etílico.
 Conservação de substâncias oleosas;
 Faixa de fusão: 96 °C a 99 °C.
MELITOS

São preparações líquidas apresentando uma consistência


xaroposa, que é devida à grande percentagem de mel que
contêm, o qual se encontra dissolvido num veículo aquoso.

Técnica:
Dissolução mel + H2O (melito simples) ou
solução aquosa.
 Clarificação.
 Densidade: 1,32 a 15°C
ELIXIRES (ALCOÓLEOS AÇUCARADOS)

São soluções hidro-alcoólicas transparentes e


edulcoradas ( geralmente com açúcar) podendo ser
flavorizadas para melhorar a palatabilidade.
ELIXIRES (ALCOÓLEOS AÇUCARADOS)

Características:
 Menos doce e viscoso que Xarope;

Contém 10 a 12% de álcool c/ teor de 15 a 50 °


GL + 20 % água + 20 % de açucar;

 Solventes simples ou compostos (glicerina,


sorbitol, propilenoglicol, polietilenoglicol 400);
ELIXIRES (ALCOÓLEOS AÇUCARADOS)

Características:

 Claros, adocicados e aromatizados;

 Autoconservantes.
ELIXIRES (ALCOÓLEOS AÇUCARADOS)

Técnica:
PA pouco solúvel em H2O e solúvel em álcool.

Completar o volume com solvente ou


adjuvantes.
ELIXIRES (ALCOÓLEOS AÇUCARADOS)

VANTAGENS DESVANTAGENS

• Dissolução de ativos tanto • Poder de mascaramento do


hidrossolúveis qt solúveis em sabor em relação ao xarope é
álcool; inferior;

• Dissolução é facilitada em • Não são indicados a crianças ou


relação a solubilização qd adultos sensíveis ao álcool
comparado ao xarope; (informar ao paciente);

• Dependendo do teor alcoólico de • Restrição na legislação sobre o


sua fórmula pode se tornar uso de etanol em várias
autoconservante. preparações líquidas.
ELIXIRES (ALCOÓLEOS AÇUCARADOS)

Resolução RE nº 543, de 19/04/2001

Determinar a imediata proibição da presença do


etanol na composição de produtos estimulantes de apetite e
crescimento, fortificantes, tônicos, complementos de ferro e
fósforo.
ELIXIRES (ALCOÓLEOS AÇUCARADOS)

Resolução RE nº 1, de 25/01/2002
=> Proibe a presença de etanol em todos as substâncias
fortificantes, estimulantes de apetite e crescimento, e
complementos de ferro conforme disposto na Resolução RE
n° 543/01.

=> Determinar que as substâncias polivitamínicas


destinados à crianças com idade inferior a 12 anos ou de
uso pediátrico, apresentem uma cc máxima de etanol < que
0,5 % em suas formulações.

Rótulos: "Contém 0,x % de etanol".


(ANVISA )
ELIXIRES (ALCOÓLEOS AÇUCARADOS)

Resolução RE nº 1, de 25 /01/2002
=> Substâncias polivitamínicas destinados ao uso adulto
apresentem uma cc de etanol < 2,0% em suas
formulações.

Rótulos, bulas, impressos em etiquetas e prospectos:


"Produto de uso exclusivo em adultos. O uso em
crianças representa risco à saúde"

(ANVISA)
ELIXIRES (ALCOÓLEOS AÇUCARADOS)
Até a próxima aula!

Você também pode gostar