Você está na página 1de 5

ONU: a maioria das vítimas de Gaza não

deram importância aos avisos


ESCRI TO POR C. J ORDÁ | 13 J ULHO 2014
I NTERNACI ONAL - ORI E NTE M ÉDI O

Um informe de uma agência da ONU reconhece que a maior parte dos feridos em Gaza
desatenderam as chamadas de advertência feitas pelas forças israelenses.
Como já ocorreu em outros conflitos anteriores em Gaza, o Exército de Israel avisa os civis de
que se vai bombardear sua casa. Em que pese isso, na recente escalada na Faixa já faleceram
várias dezenas de pessoas, muitos deles civis e, lamentavelmente, também algumas crianças.
A prática dos avisos tenta minimizar o número de vítimas civis em um cenário que é
extremamente complicado para isso, uma vez que a maior parte dos locais utilizados pelos
terroristas para armazenar armas ou lançar foguetes ou mísseis a Israel, são edifícios de uso
civil e residências.
Trata-se de um aspecto dos ataques de Israel que tem pouco eco na mídia, porém até a
agência EFE - cuja cobertura dos acontecimentos não se destaca precisamente por um
enfoque pró-Israel - relatava há alguns dias o caso de uma família que explicava que durante a
noite receberam uma chamada de uma pessoa que falava árabe mal, e que se identificou como
membro dos Serviços de Segurança israelenses. Nesta chamada, se lhes pediu que
abandonasse o edifício porque ele ia ser atacado em cinco minutos. Alguns membros desta
família são suspeitos de fazer parte do Hamas.
A explicação de como pode-se dar um número relativamente elevado de vítimas civis apesar
desta prática, se obtém de um informe do Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos
Humanitários (OCHA, por sua sigla em inglês) publicado neste 9 de julho, e que recolhe dados
sobre a situação humanitária em Gaza desde o início do conflito.
No informe se diz, literalmente, que
“na maioria dos casos antes dos ataques, os residentes foram advertidos de que deviam
abandonar suas residências, tanto através de chamadas telefônicas, como pelo lançamento de
mísseis de advertência”.

O informe, que aponta o falecimento de 35 pessoas, 23 delas civis - um número que se


incrementou desde sua elaboração -, não diz as razões que levam os palestinos a não dar
ouvidos aos avisos, e especular sobre o assunto é complexo. Os motivos poderiam ir desde a
mais brutal inconsciência até as pressões ou ameaças do Hamas, a organização terrorista que
domina a Faixa de Gaza e que não vacila em utilizar seus próprios civis como escudos
humanos.

Tradução: Graça Salgueiro

Dupla covardia: o uso de civis palestinos


para atacar civis em Israel
ESCRI TO POR I SRAEL D EFENSE FORCES (I DF) | 12 J ULHO 2014
I NTERNACI ONAL - ORI ENTE M ÉDI O

O Hamas faz uso das muitas tentativas da IDF de fornecer alerta antecipado utilizando civis
como escudos humanos com o objetivo de impedir ataques.
A guerra urbana é um desafio árduo, pois os terroristas frequentemente estão localizados em
áreas densamente habitadas. Para limitar as baixas civis, as Forças de Defesa de Israel
utilizam ataques cirúrgicos nas posições terroristas.

Durante os três primeiros dias da Operação Protective Edge, as Forças de Defesa de Israel
(IDF) fizeram uso ostensivo de táticas para evitar baixas entre civis na Faixa de Gaza.
Conforme a operação progride, a IDF está coletando mais evidências de que o Hamas utiliza-
se de áreas densamente habitadas na Faixa de Gaza e da população civil para a sua própria
proteção.

Quando o Hamas dispara seus foguetes para Israel, eles sistematicamente exploram os civis
palestinos como escudos humanos para proteger alvos militares em Gaza. O Hamas estoca
explosivos e munições dentro e ao redor de escolas, mesquitas, residências bem como em
outras construções civis.

Estas imagens, obtidas pela Força Aérea Israelense, mostram como o Hamas posiciona suas
plataformas de lançamento de mísseis, paiol de munições e centros de comando em áreas
circundadas por construções civis.
De modo a limitar as baixas entre transeuntes, a IDF utiliza diversas táticas, incluindo
bombardeios de precisão contra esconderijos de armas, túneis, e outros alvos terroristas.

Em 9 de julho as Forças de Defesa de Israel atacaram túneis de terroristas na Faixa de Gaza.


O bombardeio de precisão causou explosões secundárias dentro dos túneis, destruindo os
explosivos estocados no interior e provando assim que esses túneis continham armas
escondidas próximas ao lar de palestinos.

https://www.youtube.com/watch?v=C62A8n--X64
O vídeo a seguir mostra um bombardeio de precisão num sítio terrorista localizado próximo a
uma escola, a qual não sofreu danos.
https://www.youtube.com/watch?v=8s_Bv9wKdw0

Uma das táticas das Forças de Defesa de Israel é atingir construções alvo com bombas
sonoras e não letais, com o objetivo de avisar os civis de que eles estão na vizinhança de um
esconderijo de armamentos ou de algum outro tipo de alvo. Este método é utilizado para
permitir que todos os moradores saiam da área antes que a IDF atinja o local com armamento
real.

Este vídeo mostra como o Hamas explora os esforços das Forças de Defesa de Israel para
evitar baixas entre civis. Em 9 de julho, palestinos fugiram de um alvo ligado ao Hamas depois
que ele foi atingido com um tiro de aviso. Alguns momentos depois, outros moradores correram
para o telhado para atuar como escudos humanos. O avião israelense cancelou o bombardeio
para evitar mortes desnecessárias.

https://www.youtube.com/watch?v=VTArVIHDelg
Apesar desses desafios, a IDF continuará a atuar contra o terrorismo do Hamas como forma de
defender seus cidadãos.

Forças de Defesa de Israel bombardeiam casas em Gaza utilizadas para


ações militares
Quando casas são utilizadas para propósitos militares, elas podem se tornar alvos
militares legítimos segundo a lei internacional.

Em 8 de julho, as Forças de Defesa de Israel (IDF) iniciaram a Operação Protective Edge para
restaurar a segurança da população civil de Israel sofrendo com o disparo constante de
foguetes desde a Faixa de Gaza. Durante a operação, a IDF atingiu um certo número de casas
que são utilizadas com propósitos militares por toda Gaza.

O Hamas conduz suas atividades militares profundamente dentro das áreas residenciais de
Gaza. Ao adotar esta tática, ele explora o desejo e os esforços das Forças de Defesa de Israel
no sentido de evitar que civis palestinos sejam feridos. Em muitos casos, o Hamas utiliza a
residência dos seus próprios comandantes para ações militares, nas quais suas famílias e
outros civis podem estar habitando.

Essas casas podem ser utilizadas para a estocagem de armas, como centros de comando e
controle ou centros de comunicação. O vídeo a seguir de uma missão da IDF fornece
evidências claras que os terroristas palestinos estocam armamentos nas áreas residenciais.
Logo após o bombardeio inicial da IDF sobre o alvo, explosões secundárias imensas revelam
que, de fato, a IDF atingiu um paiol de armamentos localizado próximo à casa de palestinos.

https://www.youtube.com/watch?v=4ayyXgRVWHk

Quando casas são utilizadas para propósitos militares, elas podem se tornar um alvo militar
legítimo segundo a lei internacional. A IDF direciona seus ataques apenas contra alvos
militares legítimos tal como eles são definidos pelas regras relevantes da lei internacional. De
modo a determinar os alvos militares com acurácia, a IDF emprega métodos avançados,
incluindo múltiplos níveis de inteligência, o envio de aviso legal, e um treinamento extensivo
dado aos comandantes operacionais.
Mesmo quando uma residência é considerada um alvo militar segundo a lei internacional, as
Forças de Defesa de Israel fazem grandes esforços para minimizar danos em potencial à
população civil ao redor. Por exemplo, a IDF pode utilizar cobertura visual em tempo real para
se assegurar se há presença de civis no alvo. A IDF também escolhe cuidadosamente o
armamento e a munição que será utilizada e que venha a minimizar qualquer dano a civis. Em
algumas situações a IDF também fornece um alerta antecipado antes de bombardear um alvo.
https://www.youtube.com/watch?v=CMO-_qEpgg0

Muitos dos esforços das Forças de Defesa de Israel neste sentido vão além das suas
obrigações legais e da prática de outras forças militares operando em áreas urbanas.
Lamentavelmente, o Hamas faz uso das muitas tentativas da IDF de fornecer alerta
antecipado utilizando civis como escudos humanos com o objetivo de impedir ataques.

https://www.youtube.com/watch?v=UXZEzbT0H1s

Além disso, quando um comandante da IDF determina que um ataque esteja propenso a
causar danos colaterais que venham a ser excessivos em relação à vantagem militar prevista,
o ataque não é realizado.

Quando organizações terroristas como o Hamas deliberadamente utilizam a casa de civis com
propósito terrorista, torna-se inevitável que alguns civis acabem feridos quando a IDF atuar
contra estes alvos. O Hamas faz uso dessas situações para alegar que as Forças de
Defesa de Israel buscam machucar intencionalmente a população civil de Gaza, no
entanto, falham ao não reconhecer que intencionalmente coloca esses civis palestinos em
grave perigo ao camuflar suas atividades de terror por trás dos civis.

As Forças de Defesa de Israel continuarão conduzindo suas operações em total conformidade


com a lei internacional, inclusive com ataques direcionados apenas a alvos militares
legítimos, e irá continuar com seus esforços para minimizar os ferimentos dos civis palestinos.

Contrastando com este esforço, o Hamas dispara indiscriminadamente contra a população


civil de Israel, e comemora quando civis israelenses são machucados. Tais ações são crimes
de guerra. A IDF continuará a defender seus cidadãos desse tipo de atividades terroristas.

Fonte #1: http://www.idfblog.com/blog/2014/07/11/pinpoint-strikes-targeting-terrorists-avoiding-


civilians/

Fonte #2: http://www.idfblog.com/blog/2014/07/10/idf-strikes-houses-gaza-used-military-


purposes/

Tradutor: Francis Lauer


Enviar comentários para flauer@zoho.com.