Você está na página 1de 4

Afetivograma: O Mapa do Humor

O afetivograma ou mapa do humor é um instrumento de avaliação útil no tratamento


de manutenção dos transtornos afetivos. Ele permite que o médico analise as
oscilações de humor de seu paciente ao longo do mês e veja o comportamento do
transtorno a longo prazo.
O afetivograa pode ajudar seu médico na decisão dos ajustes medicamentosos, seja no
aumento ou redução de dosagens, novas associações ou troca de medicamentos.
Para o paciente, o afetivograma permite que ele perceba mais seu humor e o
compreenda melhor. Muitos têm dificuldade em lembrar de como se sentiam há
algumas semanas ou tendem a ter avaliações parciais ou errôneas na vigência do
humor do momento. Quando estão deprimidos, p.ex., a tendência é achar que o mês
todo foi ruim e, quando estão eufóricos, se esquecem da depressão que tiveram há
uma semana atrás. O paciente pode também perceber gradativamente o peso que as
influências do ambiente, causados por problemas no trabalho ou em casa, têm sobre o
humor e como ele se altera reativamente, sendo capaz de refletir sobre mudanças de
atitudes frente ao estresse e como prevení-lo.

Portanto, o afetivograma é útil para ambos, médico e paciente, melhora a adesão ao


tratamento, tem um papel psicoeducacional, informando o paciente sobre seu
transtorno e permitindo que ele se entenda melhor, e serve ao médico como
ferramenta para avaliar o humor ao longo de todo o mês e não somente durante a
consulta.
Existem diferentes versões de afetivogramas, uns mais sucintos, outros mais
detalhados, uns que permitem a avaliação do humor dia a dia, outros que sintetizam o
humor preponderante naquele mês. O afetivograma que apresento é uma adaptação a
partir da minha experiência clínica

Instruções para preenchimento

1) Identifique-se, preencha o mês atual e anote o dia da semana correspondente no


quadrado acima de cada dia do mês.

2) Assinale com um ponto o quadrado correspondente ao seu estado de humor no dia


respectivo. Você pode se guiar pelas características citadas na coluna da esquerda.
Basta uma das características estar presente para você decidir qual estado do humor
deve assinalar. No caso de ter mais de uma característica em quadrados diferentes,
opte por aquela que mais se destaca frente às outras.

3) Você pode assinalar mais de um estado de humor por dia, desde que especifique ser
pela manhã, à tarde ou à noite. As letras M, T e N abaixo da linha dos dias do mês
indicam essa possibilidade. Se optar por assinalar apenas uma vez ao dia, será
considerado que aquele estado de humor esteve vigente pela maior parte do dia.
Nunca assinale dois estados de humor ao mesmo tempo, sempre opte por um.

4) Você pode destacar no verso da folha se houve algum evento que você considera
desencadeador de um estado alterado de humor. Por exemplo, no dia 5 fiquei triste por
ter me desentendido com meu marido ou minha esposa. Seja sucinto e evite
transformar o afetivograma num diário pessoal. Se preferir, anote antes na agenda e
faça um resumo ao final do mês, passando as informações importantes para o mapa.

5) Muitas pacientes atribuem mudanças do humor ao período pré-menstrual. Nesse


caso você deve anotar quando começa e termina o período (TPM).

6) Na consulta, seu médico vai discutir melhor com você os sintomas e ligar os pontos
que você assinalou para, então, ver o comportamento do seu humor ao longo do
tempo.

7) O afetivograma deve ser o mais natural e espontâneo possível. Lembre-se que ele é
uma ferramenta que vai ajudar no seu tratamento. Não se deixe influenciar pelo desejo
de se mostrar melhor do que realmente está e marque os quadrados certos, ainda que
isso mostre que você ainda não está bem. Você vai melhorar ao longo dos meses
subsequentes.
Veja abaixo um exemplo de um afetivograma preenchido e com os pontos interligados.

Euforia/Agitação/Aceleração/Agressividade: qualquer um desses sintomas denota um


humor elevado. Você não precisa ter todos esses sintomas para qualificar o humor dessa
forma. Basta um deles, como abaixo:

1) Euforia – humor muito alegre (além do seu habitual), atitude desinibida, extroversão
excessiva, podendo chegar a ser inadequado em algumas situações sociais.

2) Agitação – você se sente agitado (mais do que inquieto), com muita energia, sente
necessidade de extravasar esse excesso de alguma forma, mas não consegue. Tem pouco
sono por não conseguir relaxar.

3) Aceleração – seus pensamentos estão muito rápidos, voam, você pensa em várias
coisas ao mesmo tempo, não consegue se concentrar direito em nenhuma idéia, pois elas
passam rapidamente. Você fala rápido e alto, às vezes não deixa os outros falarem ou
interrompe muito as pessoas, centralizando a conversa.

4) Agressividade – você fica facilmente agressivo, explosivo, irrita-se com grande


facilidade a ponto de brigar com as pessoas (verbal ou fisicamente).

Irritabilidade/Inquietação/Impaciência: é um estado elevado de humor, porém que


não chega a ser tão elevado quanto o anterior. Basta também uma dessas características
para você marcar o quadrado correspondente.
1) Irritabilidade – você está na maior parte do tempo irritado, qualquer coisa te tira do
sério, você grita ou se desentende facilmente com as pessoas com as quais convive, fala
coisas sem pensar e que podem magoar o outro, mas você não consegue se controlar
totalmente.

2) Inquietação – você fica inquieto, mexe as mãos ou pernas o tempo todo, não consegue
ficar muito tempo parado. Em geral, as pessoas percebem isso como um estado de grande
ansiedade, incapacidade de relaxar, está sempre tenso, mas não chega a ficar
propriamente agressivo com os outros.

3) Impaciência – tolerância zero ou quase-zero, tem a ver com a irritabilidade, mas alguns
pacientes não ficam o tempo todo irritado, mas qualquer coisa que o contrarie ou
desagrade provoca reações de intolerância.

Bom humor/Estabilidade: esse é o estado normal do humor. Você se sente bem, seus
pensamentos estão centrados, com uma velocidade normal, seu comportamento é na
maior parte das vezes tranqüilo, existem poucas queixas. Pequenas variações são
permitidas, mas sem alcançar os patamares para baixo ou para cima.

Tristeza/Fadiga/Cansaço/Desânimo: esse é o primeiro estágio de redução do humor


para o pólo depressivo. Basta uma dessas características pela maior parte do dia para
você assinalar esse quadrado.

1) Tristeza: você se sente triste, sensível, emociona-se com facilidade, chora, sua auto-
estima está baixa, você não acha graça nas coisas.

2) Fadiga/Cansaço: seu corpo e sua mente estão cansados, você não consegue pensar em
nada útil, os pensamentos estão vazios, seu corpo parece que pesa uma tonelada, você se
cansa facilmente, quer logo descansar ou permanecer na cama, lhe falta disposição física
e psíquica para passar o dia.

3) Desânimo: você não tem vontade de fazer nada, nada lhe interessa, passa a maior
parte do tempo desanimado.
Tristeza profunda/Lentidão/Apatia: esse é o estado mais rebaixado do humor, com
sintomas claros de depressão. Basta uma dessas características para assinalar o quadrado
correspondente.

1) Tristeza profunda: é um estado melancólico, não é uma tristeza transitória ou fugaz.


Você se sente profundamente triste, chora muito ou permanece quieto e sozinho, tem
pensamentos negativos, mórbidos, que nem mesmo suporta.

2) Lentidão: você está lento. Os pensamentos são vagarosos, seu raciocínio está devagar,
seus movimentos também estão fracos, lentos, você passa a maior parte do tempo
parado, fala pouco e quase não interage com outros.

3) Apatia: tem a ver com a lentidão. Você está apático, sem energia vital, não consegue se
alimentar, a menos que alguém lhe ofereça algo para comer, não consegue tomar banho,
passa a maior parte do tempo inerte. A apatia tem uma mistura de desânimo, falta
completa de vontade, com uma inibição do comportamento.

A dificuldade maior em sinalizar no mapa o estado do seu humor é quando ocorrem


sintomas de grupos distintos ao mesmo tempo. Um exemplo frequente é quando o
paciente se sente profundamente triste, mas está agitado ou inquieto. Nesse caso, você
deve se decidir pelo sintoma mais proeminente ou que ocorre com mais frequência ao
longo do dia. Outra maneira é optar pelo quadrado onde ocorre a maior parte dos
sintomas listados. P.ex., você se sente profundamente triste, mas está também inquieto e
impaciente. Não tem lentidão e nem apatia. Então, você deve marcar o quadrado
correspondente a Irritabilidade/Inquietação/Impaciência. Algumas vezes o paciente tem
dificuldade para avaliar a importância de um sintoma frente a outro. Você pode pedir ajuda
para um familiar, perguntando-lhe como ele o vê ao longo do dia, antes de se decidir por
qual quadrado optar.
Mande suas dúvidas por e-mail e comece a fazer seu afetivograma. Com o tempo você vai
ver como é fácil e útil.