Você está na página 1de 38

Antes de começar,

precisamos reconhecer que…

toda pessoa de toda pessoa


fé tem dúvidas cética tem fé
A dúvida do crente:

“Uma fé sem algumas dúvidas é como


um corpo sem anticorpos” Tim Keller
A fé do cético:
“Aquele que afirma ser cético em relação a um
conjunto específico de crenças é, na verdade, um
verdadeiro crente em outro conjunto de crenças”
Philip E. Johnson

“Se um homem tiver realmente muita


fé, pode dar-se ao luxo de ser cético”
Friedrich Nietzsche
Antes de começar,
precisamos reconhecer que…

toda pessoa de toda pessoa


fé tem dúvidas cética tem fé

a fé precisa a razão
da razão precisa da fé
A fé precisa da razão
Para mim, tendo vivido grande parte da minha vida
como ateu, a última coisa que quero é uma fé
ingênua edificada sobre um tênue fundamento de
devaneios ou faz-de-conta. Preciso de uma fé que
seja coerente com a razão, e não contraditória;
pretendo convicções que sejam fundamentadas na
realidade, e não desligadas dela. Necessito
descobrir de uma vez por todas se a fé cristã pode
resistir a um exame minucioso.
Lee Strobel, O teste da Fé, p. 15
A razão precisa da fé

idade média fé

idade moderna razão

pós-modernidade ???

O fim da modernidade
foi também uma
crítica do racionalismo
A razão precisa da fé

“A ausência de evidências
não é evidência de ausência”
Carl Sagan
A razão precisa da fé
Antes de começar,
precisamos reconhecer que…

toda pessoa de toda pessoa


fé tem dúvidas cética tem fé

a fé precisa a razão
da razão precisa da fé
primeira questão:
A fé cristã é a única
religião verdadeira?
“Fico contente em saber que o Cristianismo
funciona para você, e acho mesmo que Jesus
disse algumas coisas boas. Mas como é possível
alguém hoje em dia acreditar que só existe uma
religião verdadeira? Basta ver todas as pessoas
boas de outras religiões. Por que vocês, cristãos,
têm de ser tão bitolados e intolerantes?"
três posições na questão
das religiões comparadas:

exclusivismo inclusivismo pluralismo


(particularismo)
três posições na questão
das religiões comparadas:

1) A Bíblia é a única revelação escrita


de Deus, verdadeira e inteiramente
revestida de autoridade, de modo
exclusivismo que, quando as afirmações das
(particularismo)
Escrituras forem incompatíveis com
as de outras crenças, estas últimas
deverão ser rejeitadas.
três posições na questão
das religiões comparadas:

2) Jesus Cristo é a única encarnação de Deus,


plenamente Deus e plenamente homem
3) Somente através da pessoa e obra de
exclusivismo Jesus existe a possibilidade de salvação
(particularismo)
4) A graça salvadora de Deus não é
mediada por ensinamentos ou práticas
de outras religiões
três posições na questão
das religiões comparadas:

1) Há um sentido em que Jesus é único,


normativo ou superior a outras figuras
religiosas;
inclusivismo 2) De certa forma, a salvação se torna
possível através de Jesus Cristo;
3) A graça e a salvação divinas, de
algum modo baseadas em Jesus
Cristo, também estão disponíveis
através de outras religiões;
três posições na questão
das religiões comparadas:

Refuta a sugestão de que haja qualquer


coisa de único, normativo ou superior em
Jesus Cristo e na fé cristã. A salvação (ou
pluralismo iluminação ou libertação) está presente a
seu modo em toda religião. Nenhuma delas
pode reivindicar ser normativa e, portanto,
superior às demais. Todas as religiões são,
cada qual a seu modo, respostas
humanas, historicamente complexas
e culturalmente condicionadas, a
uma realidade divina […]
três posições na questão
das religiões comparadas:

Para o pluralista, então, os cristãos podem


afirmar que Jesus é o único e normativo
para eles, mas não podem dizer que seja
pluralismo único ou normativo em sentido objetivo ou
universal. Em outras palavras, Jesus pode
ser o salvador para os cristãos, mas não
necessariamente o único salvador para
todos os povos.
Cada religião conta com a própria filosofia
e há tanto similaridades quanto diferenças
entre as várias tradições. O que importa é
aquilo que é adequado a uma pessoa
em particular […] Todas as religiões
fazem do aperfeiçoamento da humanidade
sua principal preocupação […]
Cada pessoa sente que sua forma
de prática religiosa é a melhor.
Eu mesmo sinto que o budismo
é melhor para mim. Mas isso não
significa que o budismo seja melhor
para todas as outras pessoas.
Dalai Lama
Parlamento das Religiões Mundiais
Chicago, 1993
A força do pluralismo:

A) Globalização

À medida que o número de opções


religiosas aumenta, a autoridade relativa de
qualquer tradição individual parece diminuir.
A Verdade, p.58
A força do pluralismo:

A) Globalização
B) Cultura de Consumo
A força do pluralismo:

A) Globalização
B) Cultura de Consumo
C) Privatização
distinção entre fatos e opiniões
A força do pluralismo:

A) Globalização
B) Cultura de Consumo
C) Privatização
D) Culpa pós-colonialista
A fraqueza do pluralismo:

primeira suposição:
Todas as grandes religiões são igualmente
válidas e ensinam basicamente o mesmo

Isso condiz com a realidade?


Isso faz algum sentido?
E quando as religiões fazem afirmações contraditórias?
A fraqueza do pluralismo:

segunda suposição:
Cada religião enxerga apenas uma parte da
verdade espiritual mas nenhuma delas é capaz
de enxergar a verdade integralmente
Há uma aparência de humildade na afirmação de que a
verdade é muito maior do que a capacidade de qualquer
de nós de apreendê-la, mas quando usada para invalidar
todas as reivindicações de conhecer a verdade, ela é, com
efeito, uma arrogante reivindicação de um conhecimento
superior a todos os outros. Precisamos indagar: “Qual a
perspectiva absoluta a partir da qual você reivindica ser
capaz de relativizar todas as reivindicações absolutas que
essas Escrituras distintas fazem?” Como saber que nenhuma
religião consegue enxergar a verdade integral, a menos que
você mesmo tenha o conhecimento superior, abrangente, da
realidade espiritual que afirma faltar a todas as religiões?
A Fé na Era do Ceticismo, p. 8
A fraqueza do pluralismo:

terceira suposição:
A crença religiosa é fruto de um
condicionamento cultural e histórico e,
portanto, variável de cultura para cultura

Qual a natureza da crença religiosa?


A religião trata de fatos ou de preferências?
Como posso afirmar que toda crença é
relativa sem me contradizer?
Aceitemos a premissa de que se eu tivesse
nascido de pais muçulmanos no Marrocos em
lugar de nascer de pais cristãos em Michigan
minha crença seria bastante diferente. O mesmo,
porém, se aplica ao pluralista… Se o pluralista
tivesse nascido no Marrocos, provavelmente não
seria pluralista. Será que daí se conclui que suas
crenças pluralistas decorrem de um processo
não confiável de produção de crenças?
A relatividade relativiza a si própria.
A Fé na Era do Ceticismo, p. 9
A fraqueza do pluralismo:

quarta suposição:
O que importa na religião é como eu me sinto

E se estivesse em jogo algo mais que os


meus sentimentos?
A fraqueza do pluralismo:

quinta suposição:
É arrogância insistir que sua religião
é a certa e tentar converter os outros

Também não seria arrogante e ofensivo


insistir em afirmar que o meu ponto de vista
sobre as religiões é o verdadeiro?
Exclusivismo é sinônimo de arrogância?
Apesar dos estereótipos populares retratarem o
contrário, não há motivo para supor que os
exclusivistas sejam incapazes de demonstrar
sensibilidade cultural e a devida tolerância com
pessoas de outras tradições religiosas. Além
disso, o exclusivismo não insinua que todas as
crenças das religiões não cristãs sejam falsas ou
que não haja nada de valor nas outras religiões.
A Verdade, p. 53
O que a Bíblia nos diz?

João 14.6
Respondeu Jesus: Eu sou o caminho, a verdade
e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim.

Atos 4.12
Não há salvação em nenhum outro, pois,
debaixo do céu não há nenhum outro nome dado
aos homens pelo qual devamos ser salvos.