Você está na página 1de 34

Módulo 2

Ligações em sólidos; Classificação

EEL7051 – Materiais Elétricos


Prof. Carlos R. Rambo
Ligações químicas em sólidos
O tipo de ligação interatômica geralmente explica a
propriedade do material.

Exemplo: o carbono pode existir na forma de grafite que é


mole, escuro e “gorduroso” e na forma de diamante que é
extremamente duro e brilhante. Essa diferença nas
propriedades é diretamente atribuída ao tipo de ligação
química que é encontrada no grafite e não no diamante.
Estrutura atômica e ligação interatômica
Propriedades dos Materiais sólidos:
1) dependem dos arranjos geométricos dos Átomos
2) dependem das interação entre eles ou moléculas
constituintes.

Em sólidos:
- Os átomos são mantidos por ligações.
Ligações:
-Propiciam resistência;
-Propiciam propriedades elétricas e térmicas aos
materiais.
Compreender as ligações interatômicas é o primeiro passo
em direção à compreensão/explicação das propriedades
dos materiais.
Átomo-composição
Elétrons: carga elétrica = 1,6 x 10-19 C
Prótons e neutrons possuem aproximadamente a mesma
massa:
• 1,67 x 10-27 kg
Elétrons possuem massa muito menor:
• 9,11 x 10-31 kg
Núcleo contendo
prótons - dão o número atômico (Z)
neutrons - dão o número isotópico (N)

Massa Atômica:
A= Z + N
Especificada em termos de u.m.a ou
massa por mol do material: 1mol de
material

Átomo eletricamente neutro:


Nº de eletrons = Nº prótons
Orbitais e níveis de energia
Os elétrons são atraídos pelos prótons
Os elétrons se distribuem em orbitais

– Níveis de energia bem definidos


• Os elétrons não podem assumir níveis intermediários
• Para trocar de nível, os elétrons tem que receber a energia
exata que diferencia dois níveis.
– A energia é função da distância dos elétrons ao núcleo
• Quanto mais perto do núcleo mais ligado o elétron
• Quanto mais longe do núcleo menos ligado
– Se o elétron recebe energia suficiente, ele é arrancado, se torna um
elétron livre e o átomo é ionizado
Classificação das ligações

Ligações Primárias ou Fortes


 Iônica
 Covalente
 Metálica

Ligações Secundárias ou Fracas


 van der Waals

 Dipolo permanente
 Dipolo induzido
Tabela periódica

A posição de um átomo na
determina o tipo de ligação
A eletronegatividade: determina o
tipo de ligação

Baixa eletronegatividade: ligações metálicas


Alta eletronegatividade: ligações covalentes
Ligação Iônica
Formada entre dois átomos que se ionizam
• O Sódio tem apenas um e- na última camada.
Este e- é fracamente ligado porque os outros
10 e- blindam a atração do núcleo.
Na Cl
• O Cloro tem 7 e- na última camada. Se adquirir
mais um e- forma uma configuração mais
estável.

• O Sódio perde um e- e se ioniza, ficando com


carga positiva (cátion).

• O Cloro ganha o e- e também se ioniza, ficando


Negativo (ânion).

• Os íons se ligam devido à atração Coulombiana


entre cargas opostas.
Na+ Cl-
• Note a diferença entre o raio atômico e o raio
iônico.
Ligação Iônica
• Os elétrons de valência são transferidos
entre átomos produzindo íons

• Forma-se com átomos de diferentes


Iônica eletronegatividades (um alta e outro
baixa)

• A ligação iônica não é direcional, a


atração é mútua

• A ligação é forte= 150-300 Kcal/mol (por


isso o PF dos materiais com esse tipo de
ligação é geralmente alto)

• A ligação predominante nos materiais


cerâmicos é iônica
Força e distância de ligações
• A distância entre 2 átomos é
determinada pelo balanço das forças
atrativas e repulsivas.

• Quanto mais próximos os átomos


maior a força atrativa entre eles, mas
maior ainda são as forças repulsivas
devido a sobreposição das camadas
mais internas.

• Quando a soma das forças atrativas e


repulsivas é zero, os átomos estão na
chamada distância de equilíbrio.
Espaçamento Interatômico

a0

Força resultante = 0
Distância de Equilíbrio
Espaçamento Interatômico
0.10 0.10
0.08 a 0.08 Força de atração

0.06 FRe p.  e 0.06 (entre os íons)
0.04 0.04
0.02 0.02
Força

Força
0.00 0.00
-0.02
0 5 10 15 20 25 30 nm 0 5 10 15 20 25 30nm
-0.02

Força de repulsão
-0.04 -0.04
KQ1Q2
-0.06 (entre as nuvens -0.06 FAtr. 
-0.08
eletrônicas) -0.08 a2
-0.10 -0.10
Distância Distância

0.10
0.08
Força resultante
0.06

0.04

0.02
Força

0.00
0 5 10 15 20 25 30nm
-0.02

-0.04

-0.06

-0.08
-0.10
Distância
Força de ligação e rigidez

 A inclinação da curva no ponto de equilíbrio


dá a força necessária para separar os átomos
sem promover a quebra da ligação.

 Os materiais que apresentam uma inclinação


grande são considerados materiais rígidos,.
Ao contrário, materiais que apresentam uma
inclinação mais tênue são bastante flexíveis.

 A rigidez e a flexibilidade também estão


associadas com módulo de elasticidade (E)
que é determinado da inclinação da curva
tensãoxdeformação obtida no ensaio
mecânico de resistência à tração.
Inclinação
fornece
Módulo E
Deformação medida ()
Força e Energia de Ligação
• Algumas vezes é mais conveniente trabalhar
com energia (potencial) do que forças de
ligações.
• Matematicamente, energia (E) e força de
ligações (F) estão relacionadas por : E= F.dr
• A menor energia é o ponto de equilíbrio
Força de
ligação
• Quanto mais profundo o poço de potencial
maior a temperatura de fusão do material
Energia
de ligação • Devido as forcas de repulsão aumentarem
muito mais com a aproximação dos átomos
a curva não é simétrica. Por isso, a maioria
a0 dos materiais tendem a se expandir quando
aquecidos
Direcionalidade e Coordenação
A ligação iônica é não direcional
 A força de ligação é igual em todas as direções.
 Para formar um material 3D é necessário que cada íon de um
tipo esteja cercado de íons do outro tipo

Número de Coordenação (NC)


Número de vizinhos mais próximos
de um dado átomo

Cl-
Na+
Exemplo

Calcule a força de atração entre Na+ e Cl- em


uma molécula de NaCl
KQ1Q2
F 
a2
K= 9 x 109 V.m/C
Q1 = Q2 = 1 x 1.6 x 10-19C
a = RNa+ + RCl- = 0.098nm + 0.181nm = 0.278 nm

F 
KQ1Q2

  
9 x10 9 V.m / C 1.6 x10 19 C 1.6x10 19 C 
a2  
2
0.278x10 9 m

F  2.98x10 9 V .C / m  2.98x10 9 J / m  2.98x10 9 N


Exemplo
Calcule a força de atração em uma molécula de Na2O

 Neste caso temos Na+ (valência 1) e O2- (valência 2)


KZ1qZ2q
F onde Z1 e Z2 são as valências
a2
a = RNa+ + RO2- = 0.098nm + 0.132nm = 0.231 nm

F
9 x10 V .m / C (1)1.6 x10
9 19
 
C (2) 1.6 x1019 C   8.64 x10 9
N
0.231x10 9
m
2
Ligação Covalente
Gerada pelo compartilhamento de elétrons de valência entre
os átomos.

 Ex: Mólecula de Cl2


 Elétrons de valência são os elétrons dos orbitais mais
externos.

Um elétron de cada átomo é compartilhado com o outro, gerando


uma camada completa para ambos.

Cl - Cl
Ligação Covalente

• Os elétrons de valência são compartilhados

• Forma-se com átomos de alta


eletronegatividade

• A ligação covalente é direcional e forma


ângulos bem definidos (apresenta um certo
grau de ligação iônica)

• A ligação covalente é forte = 125-300 Kcal/mol

• Esse tipo de ligação é comum em compostos


orgânicos, por exemplo em materiais
poliméricos e diamante.
Ligação Covalente
A ligação covalente é direcional e forma ângulos
bem definidos

Grande faixa de energias de ligação => pontos de fusão (Pf)


• Energias da ordem de centenas de kJ/mol
• Ex: Carbono na estrutura do diamante Pf=3550°C
• Ex: Bismuto Pf=270°C
Ligação Covalente

DIAMANTE GRAFITE

Ligação forte

Ligação fraca
Ligação Metálica

 Nos metais, existe uma grande quantidade de elétrons


quase livres, os elétrons de condução, que não estão presos a
nenhum átomo em particular.

 Estes elétrons são compartilhados pelos átomos,


formando uma nuvem eletrônica, responsável pela alta
condutividade elétrica e térmica destes materiais.
Ligação Metálica
• Forma-se com átomos de baixa eletronegatividade (apresentam
no máximo 3 elétrons de valência)

• Os elétrons de valência são divididos com todos os átomos (não


estão ligados a nenhum átomo em particular) e assim eles estão
livres para conduzir

• A ligação metálica não é direcional porque os elétrons livres


protegem o átomo carregado positivamente das forças repulsivas
eletrostáticas

• A ligação metálica é geralmente forte (um pouco menos que a


iônica e covalente)= 20-200 Kcal/mol

• Ex: Hg e W
Ligações Secundárias

• É possível obter ligação sem troca ou compartilhamento de


elétrons nas denominada ligações secundárias ou de van der
Waals.

• A ligação é gerada por pequenas assimetrias na


distribuição de cargas do átomos, que criam dipolos.

Um dipolo é um par de cargas opostas que


mantém uma distância entre si.
Dipolo permanente
Dipolo induzido
Dipolos Permanentes e Induzidos

 Dipolo Permanente • Dipolo Induzido


 Gerado pela estrutura da  A separação de cargas é pequena
molécula.  Energias de ligação são muito
pequenas ( 1kJ/mol)
 Energias de ligação
 20 kJ/mol Átomos isolados
de Ar
 Ex: Ligação de +
(os centros das cargas
positivas e negativas
+

Hidrogênio em H2O coincidem)

O Átomos deformados
pela presença do outro
H H

- + - +

Magnitude do dipolo

Os átomos se ligam pela atração entre os dipolos induzidos


Classificação

Porque classificar?
Como classificar?

Classes de materiais sólidos:


• Cerâmicas
• Polímeros
• Metais
• Semicondutores
• Biomateriais
Cerâmicas

A cerâmica, do grego κέραμος — "matéria-prima queimada“


é a atividade ou a arte de produção de artefatos cerâmicos.
Qualquer classe de material sólido inorgânico, não-metálico
(não confundir com termo ametal) que seja submetido a
altas temperaturas (aproximadamente 540°C) na
manufatura. Geralmente uma cerâmica é um óxido metálico,
boreto, carbeto, ou nitreto, ou uma mistura.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ceramica
Polímeros

• Os polímeros são compostos químicos derivados de


hidrocarbonetos de elevada massa molecular resultantes de
uma ou mais reações químicas de polimerização. Ou seja, são
cadeias muito longas com, no mínimo, carbono e hidrogênio.

• São macromoléculas formadas a partir de unidades


estruturais menores (os monômeros). O número de unidades
estruturais repetidas numa macromolécula é chamado grau
de polimerização.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Polimero
Metais
• Um metal (do grego antigo μέταλλον, métalon) é um
elemento, substância ou liga caracterizado por sua boa
condutividade elétrica e térmica.

• Qualquer metal pode ser definido também como um elemento


químico que forma aglomerados de átomos com caráter
metálico.

• Num metal cada átomo exerce apenas uma fraca atração nos
elétrons mais externos, da camada de valência, que podem
então fluir livremente, proporcionando a formação de íons
positivos e o estabelecimento de ligações iônicas com não-
metais.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Metal
Metais
• Os elétrons de valência são também responsáveis pela alta
condutividade dos metais (teoria de bandas).

• Os metais são um dos três grupos dos elementos


distinguidos por suas propriedades de ionização e de ligação,
junto com os metalóides e os não-metais.

• A maioria dos metais é quimicamente estável, com a


exceção notável dos metais alcalinos e alcalino-terrosos,
encontrados nas duas primeiras colunas à esquerda da tabela
periódica
Materiais cerâmicos

Materiais cerâmicos são inorgânicos não-metálicos:


• Cristalinos
• Não-cristalinos (vidros)
• Parcialmente cristalinos (vitrocerâmicos)
• Argamassas (cimento, cal, gesso)
Cerâmica: definição

Materiais cerâmicos são compostos sólidos formados


[Barsoum, 1997]

pela aplicação de calor, algumas vezes calor e


pressão, constituídos por ao menos
• um metal (M) e um não-metal (NM),
• dois não-metais (NM)
Exemplos de combinações

• M(s) + NM(g): MgO, Al2O3, AlN, NaCl, BaTiO3,


YBa2Cu3O7, ZnO...
[Barsoum, 1997]

• M(s) + NM(s): TiC, ZrB2, ZnS...


• NM(s) + NM(g): SiO2, Si3N4 ...
• NM(s) + NM(s): SiC, B4C...
Cerâmica tradicional x avançada
Cerâmica Matérias-primas Estrutura Processamento Propriedades Aplicações
[Barsoum, 1997; Reed, 1995]

Tradicional Naturais, Hetero-gênea, Prensagem, Mecânica, Materiais de


(silicatos) minerais porosa extrusão, estética construção,
industriais torno, produtos
(<98% pureza) colagem; domésticos
queima

Avançada Produtos Homogênea, Prensagem Elétrica, Produtos


(alto de- químicos densa isostática, magnética, funcionais
sempenho, industriais moldagem nuclear, ótica,
alta tecno- (>98% pureza) por injeção, mecânica,
logia, fina, tape casting; térmica,
técnica, enge- sinterizacão, química,
nharia) reaction biológica
bonding