Você está na página 1de 2

Discussão iniciada em uma das aulas de vida após a morte

Ponto 1: até o momento do julgamento teremos memória de nossos atos:

- Porque é necessário que todos nós sejamos manifestos diante do tribunal de Cristo,
para que cada um receba o que fez por meio do corpo, segundo o que praticou, o
bem ou o mal. (2 Co 5.10)
- Mas tu, por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? Pois
todos havemos de comparecer ante o tribunal de Deus. (Rm 14.10)
- Eis que cedo venho e está comigo a minha recompensa, para retribuir a cada um
segundo a sua obra. (Ap 22.12)
- Assim, pois, cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus. (Rm 14.12)
- Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que
faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor,
Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos
demônios? e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi
claramemnte: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a
iniquidade. (Mt 7.21-23)
- Quando abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que tinham sido
mortos por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho que deram. E
clamaram com grande voz, dizendo: Até quando, ó Soberano, santo e verdadeiro,
não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?. E foram dadas a
cada um deles compridas vestes brancas e foi-lhes dito que repousassem ainda por
um pouco de tempo, até que se completasse o número de seus conservos, que
haviam de ser mortos, como também eles o foram. (Ap 6.9-11)

Ponto 2 – pontos favoráveis a termos memória após o julgamento, na eternidade

- Mas, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é


mortal se revestir da imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrito:
Tragada foi a morte na vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte,
o teu aguilhão? (1 Co 15.54-55)
- Também vos digo que muitos virão do oriente e do ocidente, e reclinar-se-ão ã mesa
de Abraão, Isaque e Jacó, no reino dos céus (Mt 8.11).
- Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifesto o que havemos de
ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque
assim como é, o veremos. (1 Jo 3.2)
- Como poderemos louvar a Deus pela sua misericórdia para conosco, se não nos
lembrarmos de nada?
- Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para
que não vos entristeçais como os outros que não têm esperança. Porque, se cremos
que Jesus morreu e ressurgiu, assim também aos que dormem, Deus, mediante
Jesus, os tornará a trazer juntamente com ele. (1 Ts 4.13-14)
- Se não tenho memória do passado, sou realmente eu?
- Se não há memória, na verdade estamos acreditando em uma reencarnação, não em
ressurreição.
- Assim também é a ressurreição, é ressuscitado em incorrupção. Semeia-se em
ignomínia, é ressuscitado em glória. Semeia-se em fraqueza, é ressuscitado em
poder. Semeia-se corpo animal, é ressuscitado corpo espiritual. Se há corpo animal,
há também corpo espiritual. (1 Co 15.42-44)
- Congregado ao seu povo: por exemplo Gn 25.8, Gn 35.29.
- Todavia, agora que é morta, por que ainda jejuaria eu? Poderei eu fazê-la voltar? Eu
irei para ela, porém ela não voltará para mim. (2 Sm 12.23).
- Quando eu era menino, pensava como menino; mas, logo que cheguei a ser homem,
acabei com as coisas de menino. Porque agora vemos como por espelho, em
enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então
conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido. (1 Co 13.11-23)

Pontos contrários:
Is 65.17
Tristeza pelos que se perderam