Você está na página 1de 29

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA

ADMINISTRAÇÃO COM LINHA DE FORMAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR

Alisson Silva
Fernanda Souza
Helder Rodrigues
Isabelle Caldeira
Kelen Duarte
Milton Oliveira

TRABALHO INTERDICIPLINAR III

BELO HORIZONTE
2

2010
CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA
ADMINISTRAÇÃO COM LINHA DE FORMAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR

Alisson Silva
Fernanda Souza
Helder Rodrigues
Isabelle Caldeira
Kelen Duarte
Milton Oliveira

TRABALHO INTERDICIPLINAR III

Trabalho apresentado como requisito de


avaliação do curso de Administração com
Linha de Formação em Comércio Exterior do
Centro Universitário UNA visando à
aprovação nas disciplinas: Trabalho
Interdisciplinar III, Direito Empresarial,
Matemática Financeira, Contabilidade
Gerencial e Gestão de Processos.

Professores: Mônica Lucchesi Batista, Carlos


Oliveira, Caésio de Souza, Alexandre Bossi e
Simone Dufloth.

BELO HORIZONTE
3

2010
RESUMO

O tema central deste trabalho é a Governança Corporativa, sistema de gestão que tem
com principal objetivo garantir segurança aos investidores de empresas que negociem suas
ações em bolsas de valores. Para tanto a empresa TAM S.A. foi eleita como objeto de estudo.
A referida companhia tem elevado padrão de gestão, além do mais possui ações
negociadas nas bolsas de São Paulo e de Nova Iorque, assim a transparência exigida de seus
gestores para com os acionistas e investidores é monumental.
Tal fato se faz nítido pela publicação periódica dos relatórios financeiros, ou seja, pela
transparência das informações prestadas, além do que a empresa, para consolidar essa visão,
possui auditória externa e políticas que incentivam os investidores.
A situação econômica do país não foi desconsiderada, assim a avaliação buscou
alcançar o mais amplo cenário de forma imparcial e lógica.

Palavras-chave: Governança Corporativa; Análise de balanço; Sociedades Anônimas;


Economia.
4

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO................................................................................................................
....07
2 OBJETIVO DO
TRABALHO..............................................................................................08
3 METODOLOGIA.............................................................................................................
....08
4 CENÁRIO ECONÔMICO DO SETOR AÉREO
BRASILEIRO........................................08
5 FUNDAMENTO
TÉORICO................................................................................................12

5.1 Análise Financeira de Balanços....................................................................12

5.2 Caracterização empresarial...........................................................................13

5.3 Governança Corporativa.............................................................................16


6 ANÁLISE
EMPRESARIAL.................................................................................................18
6.1 Análise de Balanços......................................................................................18
6.1.1 Análise Vertical e Horizontal.......................................................18
6.1.2 Análise de Indicadores..................................................................20
6.2 Caracterização Empresarial...........................................................................21

6.3 Governança Corporativa.............................................................................23


7 CONSIDERAÇÕES
FINAIS................................................................................................25
8 REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO...................................................................................26
5

LISTA DE TABELAS

Tabela 01 – Produto Interno Bruto-PIB....................................................................................09


Tabela 02 – Taxa de Inflação anual..........................................................................................10
Tabela 03 – Evolução Cambial-Dólar VS Real-Cotação Anual...............................................10
Tabela 04 – Análise Vertical e Horizontal da TAM S/A.....................................................19-20
Tabela 05 – Análise de Indicadores TAM S/A.........................................................................21
Tabela 06 – Cotação da Ação Preferencial (R$).......................................................................23
Tabela 07 – Cotação da Ação Ordinária (R$)...........................................................................23
6

LISTA DE FIGURAS

Gráfico 01 – Lucro/ Prejuízo (milhões) ...................................................................................11


Imagem 01 – Organograma de estrutura acionária TAM S.A..................................................22
7

1 INTRODUÇÃO
No mercado de capital aberto, onde as empresas têm suas ações negociadas em bolsas
de valores, a transparência das informações e a confiabilidade são fatores fundamentais para
os investidores. Além do mais, é basal também a necessidade de garantir a mais perfeita
administração empresarial a fim de atingir os melhores resultados.
Nessa ótica surgiu a Governança Corporativa para mostrar aos investidores o grau de
comprometimento das empresas e se é viável o investimento nelas. Em uma visão mais ampla
a Governança Corporativa busca agregar valor a empresa pelo mercado criando valor para os
acionistas.
Neste contexto a TAM S.A., maior companhia aérea do Brasil, inseri-se atendendo as
exigências do mercado, comprometendo-se com as melhores práticas da Governança
Corporativa pertencendo ao Nível 2 da BOVESPA1. (WWW.TAM.COM.BR)
A companhia surgiu nos idos de 1970 com a aquisição, pelo comandante Rolim
Amaro, de parte das ações da “Táxi Aéreo Marília”, criada anos antes. O nome TAM surgiu
alguns anos depois. (WWW.TAM.COM.BR)
Os anos que se seguiram marcaram a solidificação da empresa que, na década de 1980,
alcançou a marca de um milhão de passageiros transportados. Os anos de 1990 trouxeram
inovações. A TAM criou o primeiro Programa de Fidelidade do país e lançou moderno
sistema de bilhetes eletrônicos. Ainda nessa década ela expande sua área de atuação a todo o
território nacional. (WWW.TAM.COM.BR)
A década de 2000 se inicia com a trágica morte do comandante Rolim em um acidente
de helicóptero em meados de 2001 mesmo ano no qual aconteceram os atentados terroristas
nos Estados Unidos em, 11 Setembro, o que deu início a uma grave retração no setor aéreo
mundial, contudo, mesmo em cenário tão desfavorável, a TAM cresceu no período
registrando lucro e aumento no número de passageiros. (WWW.TAM.COM.BR)
8

Os anos que se seguiram consolidaram a liderança de mercado nacional e de vôos para


o exterior da corporação e, em 2008, passou a TAM integrar a Stat Alliance – maior aliança
mundial de companhias áreas. A efetiva inserção no grupo se fez no ano seguinte, assim a
TAM S.A. ganhou acesso a 1.077 aeroportos localizados em 175 países ao redor do mundo.
(WWW.TAM.COM.BR)
____________________________
1 - Os níveis de Governança Coorporativa da BOVESPA indicam o grau de comprometimento da empresa com
o referido sistema de gestão.
A empresa tem inegável relevância no setor aéreo brasileiro e, consequentemente, na
economia, além do mais é exemplo de transparência e comprometimento empresarial, em
outras palavras, exerce com competência as diretrizes da Governança Corporativa, assim
sendo torna-se o objeto do presente estudo.

2 OBJETIVO DO TRABALHO
O presente estudo tem com principal objetivo analisar a empresa TAM S.A. que atua
no setor de transporte aéreo, sendo líder neste mercado. O diagnóstico se dará sob a ótica da
Governança Corporativa, considerando também variáveis contábeis, econômicas e de gestão.

3 METODOLOGIA
O presente estudo deu-se através de pesquisa básica, qualitativa e exploratória por
meio de estudo de caso. O objeto de estudo é a companhia TAM S.A. da qual foram
analisados dados econômicos e financeiros.
Buscando a perfeita contextualização foram avaliados também dados e informações
referentes à economia brasileira. Os dados foram pesquisados e minuciosamente estudos a fim
de gerar uma explicação lógica e coerente, de acordo com a revisão bibliográfica apresentada.
O referencial teórico foi elaborado visando elucidar os pontos mais relevantes para a
correta interpretação dos dados auferidos, principalmente, em web sites. As análises deram-se
através da comparação com padrões e interpretação do ambiente empresarial.
Por fim, para chegar à conclusão foi feita a síntese teórica a qual foi comparada com a
realidade da empresa objeto.

4 CENÁRIO ECONÔMICO DO SETOR AÉREO BRASILEIRO


Na atual conjuntura as economias mundiais se encontram interligadas de forma tão
profunda que quaisquer alterações em um indicador econômico podem influenciar vários
outros e, como consequência, afetam, potencialmente, as economias nacionais.
9

Diversos são esses indicadores que possuem influência na economia, dentre eles pode-
se mencionar o Produto Interno Bruto (PIB), a Taxa de Inflação e a Taxa de Câmbio.
Segundo Sousa (2008), o Produto Interno Bruto corresponde à soma de todos os bens
e serviços produzidos em um período (mês, semestre, ano) em uma região (país, estado,
cidade, continente) expresso em valores monetários.
Nos anos de 2001 a 2009 o PIB brasileiro apresentou uma taxa de crescimento médio
de 3,2% ao ano. Nos anos mais recentes, 2005 a 2009, o crescimento se mostrou igual ou
superior à média da década, com exceção ao último ano do período que revelou percentual
negativo, como reflexo da crise econômica.
PRODUTO INTERNO BRUTO - PIB

Per capita
Variação
Período Em milhões de R$
percentual real Variação
Em R$
percentual real
2005 2 715 600,18 3,2 14 808,34 1,9
2006 2 823 436,84 4,0 15 215,42 2,7
2007 2 995 028,34 6,1 15 961,42 4,9
2008 3 148 854,04 5,1 16 606,76 4,0
2009 3 143 014,70 -0,2 16 414,27 -1,2
Tabela 01 – Produto Interno Bruto-PIB Fonte: IBGE

O setor de transporte tem impacto significativo na formação do PIB. Nos últimos anos,
o crescimento da aviação doméstica superou este indicador no âmbito nacional, segundo
dados da Agência Nacional Aviação Civil (ANAC) e do Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatísticas (IBGE). Uma importante subdivisão deste setor é a aviação doméstica.
O setor aéreo é um grande estimulador da economia como um todo, pois, gera
emprego e renda a população. Foi responsável por, aproximadamente, 0,34% do PIB do
Brasil e por 11,84% do PIB do turismo no ano de 2006 de acordo com estimativas do Núcleo
de Economia do Turismo do Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília
(CET-UNB).
Ainda analisando alguns dos mais importantes indicadores econômicos, pode-se dizer
de modo geral que a inflação é utilizada para designar aumento de preço, possuindo efeitos
internos e externos.
 Do ponto de vista externo, a inflação traduz-se por uma desvalorização
da moeda;
 Do ponto de vista interno, a inflação traduz-se pelo aumento do
volume de dinheiro e dos preços.
10

De acordo com o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) as taxas de inflação


brasileiras foram de 1,2%, no ano de 2005 chegando a 9,80% em 2008 e caindo para 1,7% em
2009, com média no período de quase 5% ao ano (ver tabela 02).
É possível notar que até o final de 2008 a inflação se mantinha em crescimento
constante, atingindo os valores mais altos neste ano, entretanto a crise que atingiu o mercado
internacional no fim de 2008 ocasionou a queda no consumo levando à diminuição percentual
apresentada.
TAXA DE INFLAÇÃO ANUAL
IGP-M
2005 1,20%
2006 3,80%
2007 7,70%
2008 9,80%
2009 1,70%
Tabela 02 – Taxa de Inflação anual Fonte: Banco Central Elaborado pelos autores do trabalho

Já o indicador econômico denominado ‘taxa de câmbio’ pode ser caracterizado de


duas formas. A Taxa de Câmbio Nominal é, basicamente, a relação de quanto um indivíduo
precisa ter em valor de moeda nacional para adquirir uma unidade monetária estrangeira.
A Taxa de Câmbio Real contêm a mesma relação apresentada na taxa de câmbio
nominal além de levar em consideração também a inflação dos países cuja taxa cambial esta
sendo analisada.
Observando a taxa de câmbio nominal, nota-se uma crescente valorização do real
frente ao dólar no período de 2005 a 2007. Todavia a crise econômica acarretou uma
valorização momentânea do dólar (ver gráfico 01 e tabela 03) que voltou a se desvalorizar
após o ápice da crise.
EVOLUÇÃO CAMBIAL - DÓLAR VS REAL - COTAÇÃO ANUAL
2004 2005 2006 2007 2008 2009
USD 2,6536 2,3399 2,1372 1,7705 2,3362 1,7404
Variação Pontual Anual -11,82% -8,66% -17,16% 31,95% -25,50%
Média Cambial 2,9249 2,4433 2,1763 1,9475 1,8367 1,9927
Variação (Ano Base 2004) -11,82% 19,46% -33,28% -11,96% -34,41%
Tabela 03-Evolução Cambial-Dólar VS Real-Cotação Anual Fonte: BACEN Elaborado pelos autores do trabalho

Existem várias teorias para explicar a valorização do real em relação ao dólar nesses
últimos cinco anos. Segundo Souza e Silva (2008), em sua dissertação de mestrado, o fator
que elucida e sintetiza melhor uma conjuntura favorável a esse cenário é o Prêmio Risco,
conhecido também como Risco Brasil, variável esta que corresponde à capacidade que o país
possui para honrar os seus compromissos.
11

O Risco Brasil surge da análise de vários fatores, como o PIB, Balança Comercial,
relação divida pública/PIB, cenário econômico internacional, entre outros. Todos estes
indicadores têm se apresentado favoráveis ao Brasil, aumentando a confiança de se investir no
país o que implica na entrada de divisas, ocasionando aumento da demanda pela moeda
nacional e consequentemente sua valorização.
Em análise macroeconômica percebe-se que o setor aéreo possui grande relevância
para a formação do PIB brasileiro, como apresentado anteriormente, visto que o país é o
quinto maior mercado doméstico para a aviação mundial. Essa magnitude também mostra
seus reflexos na geração de renda para o país, criando inúmeros postos de trabalho e
alimentando toda uma cadeia produtiva. (Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias)
Através do estudo do Núcleo de Economia do Turismo do Centro de Excelência em
Turismo da Universidade de Brasília concluiu-se que o setor aéreo tende a ser um bom
estimulador da produção da economia como um todo, assim como gerador de renda e
emprego. Isso porque ao aumentar sua própria produção, ele amplia os empregos gerados no
setor, assim como a renda. São os efeitos diretos. Mas ao demandar insumos para satisfazer a
esse aumento de produção, o setor aéreo estimula também a produção de outros setores, assim
como a geração de emprego e renda neles. Esses são os efeitos indiretos. Essa nova renda,
gerada pelos efeitos diretos e indiretos, vai ser transformada em demanda e gastos a serem
realizados em outros setores e também nestes a produção, o emprego e a renda aumentam.
Estes são os efeitos induzidos.
Neste panorama a TAM S.A. se apresenta com empresa dominante da aviação
doméstica. Segundo a ANAC, a empresa possui 50,3% de participação de mercado nacional,
além de ser responsável por 75,2% das viagens Brasil/exterior, no ano de 2008.
De 2005 a 2007 a companhia apresentou lucro crescente em suas operações, contudo a
crise econômica que teve início em 2007, que estourou mundialmente em 2008 chegando ao
Brasil no fim desde ano, mancou negativamente o desempenho da TAM.
O ano de 2009 foi de recuperação, o Brasil conseguiu superar a crise mundial, graças
ao forte mercado interno. A TAM apostou na tendência de maior consumo das classes C e D,
com isso elevou o faturamento e implementou política de redução dos custos. Tal gestão
resultou no lucro líquido de R$ 1.342,5 milhões, o mais elevado dos anos em estudo. (ver
gráfico 02)
12

Lucro/Prejuízo (milhões)
1500,00
1342,50
1000,00
556,00
500,00 187,00 520,74
0,00
-500,00 2005 2006 2007 2008 2009

-1000,00
-1500,00 -1509,70
-2000,00

Gráfico 01 – Lucro/ Prejuízo (milhões) Fonte: BOVESPA Elaborado pelos autores do


trabalho

5 FUNDAMENTO TÉORICO

5.1 Análise Financeira de Balanços

Descartes, tido com pai do racionalismo, desenvolveu métodos para análises


considerando que o objeto de estudo pode ser decomposto em partes menores a fim de
viabilizar o diagnóstico. Tal princípio aplicado à contabilidade fez surgir às contas contábeis.
As que representam partes menores de um objeto contábil foram chamadas de "contas
analíticas". Enquanto as contas maiores e que agrupam os saldos de contas analíticas,
denominaram-se "contas sintéticas" estas são importantes para a estrutura das Demonstrações
Financeiras. (WWW.MUNDODOSFILOSOFOS.COM.BR)
Segundo Matarazzo (2003) o estudo dos dados contidos nas Demostrações Financeira,
a fim de transformá-los em informações relevantes é derradeiro objetivo da análise de
balanços. Essas demonstrações financeiras oferecem uma série de dados sobre a empresa, a
interpretação destes gera subsídios fundamentais para que os administradores escolham as
estratégias corretas para o negócio.
Ainda segundo o autor, todas as demonstrações podem ser analisadas, entre as
fundamentais destacam-se: Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício,
Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos, Demonstração de Lucros ou Prejuízos
Acumulados, Demonstração do Fluxo de Caixa e Demonstração do Valor Adicionado.
O Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado do Exercício são
demonstrações mais importantes nesse estudo, sendo a primeira observada em aspecto
financeiro, e a segunda traduz a situação econômica. Lembrando apenas que, de acordo com
Matarazzo (2003), situação econômica se refere a lucro e situação financeira alude à
capacidade de liquidez.
13

Há diversos métodos de análise contábil. Para este estudo serão relembrados: a análise
horizontal; vertical e a análise por índices. A primeira técnica, análise horizontal, utiliza a
comparação de dados com um ano padrão, normalmente expressa em percentual, logo mostra
a evolução da empresa em linha cronológica. Este indicador é fundamental para o estudo de
tendências dentro da série histórica. (Matarazzo, 2003)
A Análise Vertical também é um percentual que indica o peso de cada conta contábil
com relação ao total de uma conta maior (por exemplo, Caixa em relação ao Ativo Circulante
ou em relação ao Ativo Total), sendo assim é um indicador de estrutura que também pode
mostrar tendências quando estudado em anos consecutivos. (Matarazzo, 2003)
A última, análise por índices, é a demonstração por quocientes, sendo os mais
relevantes neste estudo os de liquidez, endividamento, estrutura e de rentabilidade da
empresa. Para Matarazzo (2003)
Índice é uma relação entre contas ou grupos de contas das Demonstrações
Financeiras, que visa evidenciar determinado aspecto da situação econômica ou
financeira de uma empresa... Fornecendo uma visão ampla da situação econômica
ou financeira da empresa.

De acordo com Ching (2007), os índices de endividamento apresentam a relação entre


o patrimônio líquido da empresa e o capital de terceiros, revelando se as dívidas se
concentram em curto ou longo prazo.
O quociente de liquidez corrente corresponde à capacidade da empresa de pagar suas
dívidas até o prazo de exercício seguinte, Ching (2007). Quando analisado de forma isolada, o
índice de liquidez maior que um é considerado um ótimo indicador. Entretanto, é importante
ressaltar que a análise deve ser feita levando em conta outros fatores, como o objeto da
organização.
A disponibilidade que a empresa possui, no ato, para quitar seus débitos no período de
curto prazo é a chamada liquidez imediata, ainda segundo Ching (2007). No geral, quanto
maior for o indicador deste índice, melhor será para a empresa que poderá quitar suas dívidas
dentro do prazo estipulado. Contudo, é preciso atentar aos outros índices, pois eles podem
revelar “uma administração mais rígida e eficiente” Ching (2007).
“A capacidade da empresa em pagar suas dívidas em longo prazo refere-se à liquidez
geral”, (Ching, 2007). A liquidez geral necessita de uma avaliação mais detalhada, uma vez
que evidencia os valores tanto do passivo, quanto do ativo, independente de sua igualdade.
Vale lembrar que seu estudo deve ser desenvolvido juntamente com a liquidez corrente.
Além dos índices de endividamento, também é possível auferir os índices de
rentabilidade de uma empresa, que revelam o sucesso do seu capital investido. Podem ser
14

vários os tipos de lucros para avaliar o desempenho da empresa, com base tanto no ativo total,
quanto no operacional (Ching, 2007).
No índice de estrutura há uma visão mais ampla para o direcionamento na tomada de
decisão no que se tange a situação financeira empresarial. Sua interpretação deve ser feita
com muita cautela, visto que a partir dela serão alocados os recursos disponíveis.

5.2 Caracterização empresarial


A Lei das Sociedades Anônimas está em vigor há mais de 25 anos, ela tem
participação importante na transparência das relações no mercado de capitais. No Brasil, a
Sociedade Anônima aparece disciplinada, de maneira sistematizada e genérica, no Código
Comercial Brasileiro de 1850.
Em todo o âmbito internacional a Sociedade Anônima passou por três fases
sistematizadas: sistema de monopólio e privilégio do Estado; sistema de concessão ou
autorização pelo Estado e o sistema de liberdade de constituição, com ressalvas. Inaugurado,
no Brasil, pelo Código Comercial de 1850, na esteira do Código Comercial francês de 1807.
Segundo Coelho (2007), a sociedade anônima é uma sociedade de capital e está sujeita
às s regras da Lei das Sociedades por ações (LSA) Lei n° 6.404 de 1976. O Código Civil de
2002 é aplicável somente nas omissões desta lei (art. 1089).
Segundo o mesmo autor, os títulos representativos da participação societária,
denominados ‘ações’, são livremente negociáveis por isso nenhum acionista pode impedir o
ingresso de quem quer que seja no quadro societário.
Conforme Requião (2005) a Lei das Sociedades Anônimas estabelece o princípio de
que qualquer que seja o objeto da companhia ela é mercantil e se rege pelas leis e usos do
comércio.
Coelho (2007) diz que o capital social deste tipo de sociedade é fracionado em
unidades representadas por ações e que os sócios ou acionistas respondem pelas obrigações
sociais até o limite que falta para a total integralização do capital social respondendo
solidariamente no caso de não integralização por parte de qualquer sócio.
Ainda segundo o autor, as ações de uma S/A têm valores diferentes, de acordo com os
objetivos da avaliação. Elas podem ter:
a) Valor nominal: valor resultante da divisão do capital social pelo número de ações;
quando existente, é previsto nos estatutos.
15

b) Valor patrimonial: valor resultante da divisão do patrimônio líquido pelo número


de ações em que se divide o capital social. Pode-se conhecê-lo pelas demonstrações contábeis
que a S/A é obrigada a levantar ao término do exercício social.
c) Valor de negociação: é o preço que o titular da ação consegue obter na sua alienação.
d) Valor econômico: calculado por avaliadores de ativos, através de técnicas específicas
(ex. fluxo de caixa descontado), e representa o montante que é racional pagar por uma ação,
tendo em vista as perspectivas de rentabilidade da companhia emissora.
e) Preço de emissão: preço pago por quem subscreve a ação, à vista ou parceladamente.
Destina-se a mensurar a contribuição que o acionista dá ao capital social, ou eventualmente
para a reserva de capital da companhia, bem como o limite de sua responsabilidade
subsidiária.
• Ações quanto à natureza dos seus direitos
a) Ações Ordinárias ou Comuns: São as que conferem os direitos comuns de sócio sem
restrições ou privilégios, em que normalmente se divide o capital social.
b) Ações Preferenciais: São aquelas que dão aos seus titulares algum privilégio ou
preferência, como a prioridade da distribuição dos dividendos no mínimo superior a 10% do
que foi atribuído às ordinárias, etc. Mas é privada de alguns direitos tais como o voto.
c) Ações de Fruição: Ao invés de distribuir dividendos, resolve amortizar um lote de
ações, geralmente por sorteio, pagando o valor nominal a seus titulares. Em seguida se
permite que aqueles antigos titulares adquiram outras ações em substituição, as de gozo ou
fruição. Não representam o capital da empresa, e terão apenas os direitos que forem fixados
nos estatutos ou nas assembléias.
• Classificação das Ações quanto à Forma:
a) Ações Nominativas: São aquelas em que se declara o nome de seu proprietário.
b) Ações Escriturais: São aquelas em que não há emissão de certificado.
Coelho (2007) classifica as S/A com possuidora de capital aberto ou fechado,
conforme tenham, admitidos à negociação na Bolsa ou no mercado de balcão, os valores
mobiliários de sua emissão.
Para que a companhia tenha seus valores mobiliários admitidos à negociação na Bolsa
ou no mercado de balcão, necessita obter autorização do governo federal, cujo órgão
autorizador é uma autarquia denominada Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Essa
autarquia, juntamente com o Banco Central (BC) exerce a supervisão e o controle do mercado
de capitais, de acordo com diretrizes traçadas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).
16

• Da Administração
Conforme Requião (2005), o funcionamento da sociedade anônima requer
organização. O problema da administração social nas sociedades anônimas é de caráter
complexo, impondo distribuição de poderes. A esses centros de poderes da administração da
sociedade anônima dá-se, doutrinariamente, a designação de órgãos sociais, aos quais
compete produzir a vontade social.
De acordo com Bulgarelli (1984), o direito positivo brasileiro adota a teoria
organicista para explicar as naturezas desses núcleos de poderes sociais, e disciplinar, de
forma democrática, a organização da sociedade, distribuindo poderes em três categorias:
poder deliberador e legislativo, delegado à Assembléia Geral; poder executivo ou
administrativo, bipartido pela Diretoria e Conselho de Administração e o poder fiscalizador e
de controle, adstrito ao Conselho de Fiscalização.
• Órgãos Administrativos
A Lei 6.404/76 permite que as sociedades anônimas possuam dois órgãos
administrativos: o Conselho de Administração e a Diretoria, conforme MARTINS (1978). Tal
sistema visa à necessidade de um melhor ordenamento na administração das companhias, em
que se constata uma separação entre o controle e o poder de gestão da sociedade. Procurou,
portanto, a lei brasileira, dotar as sociedades anônimas de órgãos capazes de atender às
necessidades de grandes companhias, facultando-se que a administração se subdivida em
Conselho de Administração e Diretoria.
De acordo com o art. 138 da mesma lei, a administração da companhia competirá ao
conselho de administração e à diretoria, ou exclusivamente à diretoria, de acordo com a
disposição estatutária, salvo para as sociedades de capital autorizado e as abertas, nas quais a
existência dos dois órgãos é obrigatória.
Em atenção ao caput do art. 161 da Lei das S/A, o conselho fiscal será um órgão
obrigatório dentro da sociedade anônima, todavia, seu funcionamento dependerá do que for
previsto no seu estatuto social, se permanente ou presente apenas nos exercícios sociais em
que for instalado por pedido dos acionistas.

5.3 Governança Coorporativa


A Governança Corporativa vem ocupando crescente destaque nas discussões sobre
alta gerencia no mundo, principalmente a partir do final dos anos oitenta, com o aumento do
ativismo dos investidores institucionais e com a exigência, cada vez maior, de mecanismos
para assegurar que administradores e controladores atuem sempre de acordo com o interesse
17

de todos os acionistas. Recentemente, a crise financeira global reforçou ainda mais a


necessidade de empresas e instituições financeiras adotarem as chamadas boas práticas de
governança.

Em sua essência, a Governança Corporativa tem como principal objetivo garantir a


confiabilidade em uma determinada empresa para os seus acionistas. Suas principais
características: a participação, o estado de direito, a transparência, a responsabilidade, a
orientação por consenso, a igualdade e inclusividade, a efetividade e eficiência além da
prestação de conta (accountabiliy). Criando assim um conjunto eficiente de mecanismos,
tanto de incentivos quanto de monitoramento a fim de assegurar que o comportamento dos
executivos esteja sempre alinhado com o interesse dos acionistas (PERIARD, 2009).

Para PERIARD (2009), a Governança Corporativa contribui para um desenvolvimento


econômico sustentável, proporcionando melhorias no desempenho das empresas e gerando
oportunidades maiores de acesso a fontes externas de capital. Por isso, é de extrema
importância ter uma equipe de conselheiros qualificados e sistemas de Governança
Corporativa de qualidade. Evitando-se assim diversos fracassos empresariais decorrentes de
abusos de poder, do acionista controlador sobre minoritários, da diretoria sobre o acionista ou
dos administradores sobre terceiros; de erros estratégicos quando concentrado muito poder
nas mãos de um executivo principal; e, também, evitam-se as fraudes, o uso de informação
privilegiada em benefício próprio ou que ocorra uma atuação em conflito de interesses por
parte dos executivos.

De acordo com o IBGC (2010), a comunidade internacional prioriza a Governança


Corporativa, relacionando-a a um bom ambiente institucional e à política macroeconômica de
boa qualidade. O G8, grupo das nações mais ricas do mundo, por exemplo, considera a
Governança Corporativa um pilar da arquitetura econômica global. (IBGC, 2010).

No Brasil as empresas com melhores práticas de governança corporativa recebem


selos diferenciais na Bovespa. São os níveis 1, 2 e Novo Mercado; do menos para o mais
avançado. As empresas que não fazem parte dessas três listagens pertencem ao mercado
tradicional. Para PAVON (2010), o intuito da criação dos níveis é mostrar ao investidor quais
as empresas que possuem as melhores práticas de governança corporativa e ajudá-lo na
escolha por uma ou outra empresa.
18

Este instrumento foi instituído no final de 2000 pela BOVESPA. Também segundo
PAVON (2010), as empresas começam preenchendo os requisitos aos poucos e, com o tempo,
mudam de nível.

Essas práticas deixam mais transparente a relação com os investidores e evitam, o que
era muito comum no passado: as empresas fecharem o capital do dia para a noite, os papéis
sofrerem forte desvalorização e o investidor perder dinheiro.

A companhia aberta listada no Nível 1 tem como obrigações adicionais à legislação a


melhoria nas informações prestadas, adicionando às Informações Trimestrais (ITRs),
Melhoria nas informações relativas a cada exercício social, adicionando às Demonstrações
Financeiras Padronizadas (DFPs), Melhoria nas informações prestadas, adicionando às
Informações Anuais (IANs), Divulgação dos termos dos contratos firmados entre a
companhia e partes relacionadas, dentre outras (IBGC, 2010).

A companhia listada no nível 2 tem que cumprir as regras aplicáveis ao Nível 1 e


também um conjunto mais amplo de práticas de governança relativas aos direitos societários
dos acionistas minoritários. Por exemplo, Conselho de Administração com mínimo de 5
(cinco) membros e mandato unificado de até 2 (dois) anos, permitida a reeleição. No mínimo,
20% (vinte por cento) dos membros deverão ser conselheiros independentes, dentre outras.
(IBGC, 2010)

O Novo Mercado é o nível mais avançado de práticas de governança e exige que todas
as empresas listadas tenham somente Ações Ordinárias, além de realizar reuniões públicas
com analistas e investidores, ao menos uma vez por ano; divulgar as demonstrações
financeiras de acordo com padrões internacionais IFRS ou US GAAP; adesão à Câmara de
Arbitragem do Mercado para resolução de conflitos societários e outras. A principal diferença
do Nível 2 para o Novo Mercado é justamente a possibilidade das Companhias do Nível 2 em
ter ações preferenciais na sua estrutura de capital das companhias (IBGC, 2010).

6 ANÁLISE EMPRESARIAL

6.1 Análise de Balanços


Com base no fundamento teórico inserido neste trabalho, será apresentada a análise
dos balanços da TAM S/A durante o período 2004 a 2009, ressaltando que a contabilidade
apurada no período 2004/2007 difere da contabilidade que apurou os resultados do período
19

2008/2009, pois nos dois últimos anos mencionados a empresa passou a utilizar o sistema
internacional de contabilidade (International Financial Reporting Standards).
Nas análises que se seguem, faz-se necessário ressalvar, que os valores utilizados para
os cálculos são nominais, não sendo, por isso, considerados os valores das taxas de inflação
de um período ao outro.

6.1.1 Análise Vertical e Horizontal


Com relação aos Ativos da empresa, pode-se destacar que no período 2004/2007 o
grupo de contas de maior peso ou representatividade foi o Ativo Circulante que oscilou entre
52% e 77% como pode ser visto na ‘Tabela 04’, contudo, deve-se esclarecer que no período
2008/2009 a representatividade do Ativo Circulante não chegou a 30%. A conta ‘Aplicações
Financeiras’ foi a de maior importância desse grupo durante os cinco anos estudados. O
Realizável à Longo Prazo manteve seu valor quantitativo crescente exceto no período
2008/2009, contudo sua maior representatividade foi de apenas 15% do ativo em 2004 e a
menor foi de 7% no ano de 2009. No que se refere ao Ativo Permanente vale observar que em
2007 o mesmo representava apenas 12% do Ativo Total, mas em 2008 e 2009 o seu peso
passou a ser mais de 60% do Ativo Total devido a seu aumento de 800 milhões de reais em
2007 para mais de 8 bilhões de reais nos dois anos subsequentes.
De forma geral, pode-se afirmar que houve um grande aumento do Ativo Permanente
ao longo dos anos estudados, uma estabilização do peso do Realizável à Longo Prazo e uma
diminuição do peso do Ativo Circulante mesmo mantendo-se crescente, além de um aumento
constante do ativo total exceto em 2009.
No que tange o Passivo da empresa, pode-se mencionar a crescente elevação do
Passivo Circulante durante o período 2004/2007 e a queda de 4% no período 2008/2009, o
que implica afirmar que houve um aperto nas contas de curto prazo no período de crise
mundial. O peso dessa conta passou de 49% em 2004 para 29% em 2009. No que se refere ao
Exigível à Longo Prazo, é possível afirmar que houve uma estabilidade de sua
representatividade no período 2004/2007, contudo, no período 2008/2009 esse grupo de
contas chegou a pesar mais de 60% do Passivo Total. Vale ressaltar que esse grupo de contas
obteve crescimento durante todo o período estudado exceto em 2009.
Podemos atribuir esse crescimento do Exigível à Longo Prazo ao aumento do Ativo
Permanente que é composto basicamente por aviões que, em geral, possuem alto valor
agregado e são comprados com financiamento em longo prazo. O Patrimônio Líquido ou
Capital Próprio mostra oscilações em sua representatividade em relação ao total do Passivo
20

durante o período 2004/2009, pois chega a pesar 9% em 2004, 28% em 2006 e apenas 4% em
2008. A linha de evolução apresenta-se em constante crescimento, contudo, se for analisado o
período 2007/2008 será visto que houve uma significativa redução de seu montante.
Em resumo, vê-se no Passivo da empresa durante o período 2004/2009 uma redução
do peso das contas de curto prazo e um aumento do peso das contas de longo prazo além de
um aumento do Capital Próprio e de seu peso em relação ao primeiro ano estudado.

ANÁLISE VERTICAL E HORIZONTAL DA TAM S/A

ATIVO

2004 AV 2005 AV AH 2006 AV AH 2007 AV AH 2008** AV 2009** AV AH

1.143
Circulante * 52% 2.182 66% 90% 3.863 75% 77% 5.029 77% 30% 3.729 28% 3.771 29% 1%
Realizável
à Longo
Prazo 335 15% 353 11% 5% 513 10% 45% 710 11% 38% 1.379 10% 991 7% -28%

Permanente 724 33% 775 23% 7% 792 15% 2% 803 12% 21% 8.197 62% 8.376 64% 2%

Total 2.203 100% 3.311 100% 50% 5.168 100% 56% 6.542 100% 27% 13.305 100% 13.137 100% -1%

PASSIVO

2008* 2009*
2004 AV 2005 AV AH 2006 AV AH 2007 AV AH * AV * AV AH

1.39 2.03 2.75


Circulante 1.082 49% 3 42% 29% 6 39% 46% 2 42% 35% 4.030 30% 3.856 29% -4%
Exigível à
Longo 1.15 1.68 2.29
Prazo 930 42% 7 35% 24% 9 33% 46% 9 35% 36% 8.737 66% 7.647 58% -13%

Patrimônio 1.44 1.49


Líquido 191 9% 760 23% 298% 3 28% 90% 1 23% 3% 537 4% 1.634 13% 204%

3.31 5.16 6.54


Total 2.203 100% 1 100% 50% 8 100% 56% 2 100% 27% 13.305 100% 13.137 100% -1%
* Valores expressos em milhões de Reais
**Contabilidade apurada de acordo com as normas do International Financial Reporting Standards (IFRS)
Tabela 04 – Análise Vertical e Horizontal da TAM S/A FONTE: TAM S.A. Elaborado pelos autores do trabalho.

6.1.2 Análise de Indicadores


Por meio dos estudos e da comparação, pode-se constatar que os índices de Liquidez
são razoáveis, visto que a liquidez corrente manteve-se acima ou quase 1,0 durante o período
estudado, a liquidez seca indica não dependência de estoques, característica comum em
empresas do setor de serviços. A liquidez geral caiu, principalmente pelo aumento do Exigível
à Longo Prazo, mas isso não gera preocupação no primeiro momento e a liquidez imediata
também caiu no período de crise, entretanto, retomou o crescimento no último período
analisado - 2008/2009, como mostra a Tabela 05.
21

No que tange os índices de Endividamento, é correto afirmar que a situação não é


confortável, pois se vê que o ativo da empresa é quase todo bancado por capital de terceiros,
entretanto, existe uma evolução positiva, pois a quantidade do endividamento sofreu quedas
ao longo dos anos analisados. Tudo isso implica afirmar que houve um aumento de capital
próprio que é constatado pelo balanço de 2008 que apresenta um patrimônio líquido de 537
milhões de reais enquanto que em 2009 o patrimônio líquido sobe para 1,634 bilhões de reais.
Outro ponto positivo é a qualidade desse endividamento. Em 2009 vê-se que para 3 reais que
a empresa deve para terceiros apenas 1 real é dívida de curto prazo.
Com relação ao índice de estrutura, é visto que no período 2004/2007 há quedas
contínuas de imobilização do ativo, porém no período 2008/2009 essa imobilização
representou mais de 60% de todo o ativo e isto se deve principalmente a renovação da frota de
aviões. Outro dado importante relacionado à estrutura é que a imobilização do capital próprio
atinge 511% em 2009, ou seja, o ativo permanente é mais de cinco vezes o capital próprio da
empresa nesse ano.
O índice de rentabilidade, necessário para análise da situação econômica da empresa
apresentou alguns dados relevantes para a avaliação. A taxa de retorno de investimento, por
exemplo, vinha decrescendo de 2005 até 2008 quando houve prejuízo, contudo, no ano de
2009 o resultado desse retorno atingiu o expressivo valor 10%, ou seja, o tempo médio de
retorno (Payback) baseado nesse exercício seria de 10 anos. A margem líquida que estava
oscilando entre 2% a 8% durante o período 2004/2007, e depois do ano de prejuízo (2008),
apresentou-se satisfatória em 2009 atingindo a taxa de 14% mostrando que a empresa adotou
políticas eficazes de redução de custos que fizeram com que a margem de lucros em relação à
receita líquida de vendas aumentasse. Pelo lado negativo nota-se pela análise que em todos os
anos do período o giro do ativo decresceu, de 205% em 2004 para 75% em 2009.

ANÁLISE DE INDICADORES DA TAM S/A

Indicadores / Ano 2004 2005 ∆% 2006 ∆% 2007 ∆% 2008* 2009* ∆%

Liquidez Corrente 1,06 1,57 +48 1,9 +22 1,83 -4 0,92 0,98 +6

Liquidez Geral 0,74 0,99 +35 1,18 +18 1,14 -3 0,40 0,41 +4

Liquidez Seca 0,97 1,49 +54 1,84 +24 1,77 -4 0,87 0,93 +7

Liquidez Imediata 0,27 0,71 +161 1,20 +69 0,94 -21 0,17 0,28 +68
Endividamento do Ativo
91% 77% -15 72% -6 77% +7 96% 88% -9
(Quantidade)
Endividamento de Curto
54% 55% +2 55% -0,2 55% -0,4 32% 34% +6
Prazo (Qualidade)
22

Endividamento (Garantia do
10% 30% +216 39% +30 30% -24 4% 14% +239
Capital de Terceiros)
Imobilização do Ativo 33% 23% -29 15% -35 12% -20 62% 64% +4
Imobilização do Capital
380% 102% -73 55% -46 54% -2 514% 511% -66
Próprio
Retorno do Ativo (Taxa de
16% 6% -63 12% +107 2% -84 - 10% -
Retorno de Investimento)
Retorno do Patrimônio
179% 25% -86 42% +72 9% -80 - 82% -
Líquido
Margem Líquida 8% 3% -57 8% +152 2% -81 - 14% -
Giro do Ativo 205% 171% -17 142% -17 125% -12 80% 75% -5
Tempo Médio de Retorno
6,5 17,5 +172 8,5 -52 52,6 +521 - 9,8 -
(Payback) em anos
*Contabilidade apurada de acordo com as normas do International Financial Reporting Standards (IFRS)
Tabela 05 – Análise de Indicadores TAM S/A FONTE: TAM S.A. Elaborado pelos autores do trabalho

6.2 Caracterização Empresarial

A TAM S.A. é uma sociedade holding, de capital aberto, constituída em 1997 (com a
denominação de CIT – Companhia de Investimentos em Transportes) com o objetivo
específico de participar, administrar e concentrar as suas participações em empresas de
transporte aéreo.
Conforme o Estatuto Social da companhia e a Lei das Sociedades por Ações, a
sociedade é administrada por um Conselho de Administração formado por oito membros, e
por uma Diretoria composta por quatro membros, podendo ser formada por no mínimo quatro
e, no máximo oito membros, acionistas ou não, que devem ser residentes no Brasil. A
companhia possuí Conselho Fiscal previsto em seu estatuto, contudo, atualmente ele não é
operante, esse função foi delega a uma auditória externa.
O Conselho de Administração é responsável pelo fornecimento das diretrizes
estratégicas gerais à administração, pelo estabelecimento das políticas comerciais gerais e
pela eleição da Diretoria e supervisão de sua administração. O Conselho de Administração
reúne-se mensalmente ou sempre que solicitado pelo Presidente, Vice-Presidente ou quaisquer
dois membros do Conselho de Administração. Os membros do Conselho de Administração
são eleitos para um período de um ano, admitindo-se a reeleição. O Estatuto Social da TAM
não prevê idade limite para aposentadoria obrigatória dos conselheiros.
Os diretores são responsáveis pela administração diária e representação da Companhia
e exercem as responsabilidades individuais prescritas pelo Estatuto Social e pelo Conselho de
Administração da TAM S.A. Os diretores são eleitos pelo Conselho de Administração para
23

mandatos de três anos, permitindo-se a reeleição. Qualquer diretor poderá ser destituído pelo
Conselho de Administração antes do término do seu mandato.
Atualmente a TAM possui 150.585.147 ações, divididas em 50.195.049 ações
ordinárias e 100.390.098 ações preferenciais. O principal acionista da TAM é a TEP* (TAM
Empreendimentos e Participações S.A.), que detêm 46,25% do capital social e do outro lado
temos 53,75% de free float. Todos os acionistas dentro de uma mesma espécie têm os
mesmos direitos de voto. As ações preferenciais da TAM são negociadas no segmento do
Nível 2 da BOVESPA sob o código “TAMM4”. As ações preferenciais da Companhia
também estão listadas na NYSE, sob a forma de ADRs, sob o símbolo “TAM”. O
organograma abaixo apresenta de forma resumida a estrutura acionária da TAM.

*A empresa TAM Empreendimentos e Participações S.A. (TEP) pertence à família Amaro.

Imagem 01 – Organograma de estrutura acionária TAM S.A. Fonte: TAM S.A

Cotações mínimas, médias e máximas de cada ano, nos últimos 3 (três) anos.
Cotação da Ação Preferencial (1) (R$)
Exercício Mínimo Média (2) Máximo
2007 39,64 54,42 68,71
2008 13,7 31,42 42
2009 12,7 21,89 39,2
Tabela 06 – Cotação da Ação Preferencial (R$) Fonte: TAM S.A.

Cotação da Ação Ordinária (R$)


Exercício Mínimo Média (2) Máximo
2007 49,9 60,88 65,91
2008 14,37 41,72 52,16
2009 13,28 22,31 33,95
Tabela 07 – Cotação da Ação Ordinária (R$) Fonte: TAM S.A.

(1) Essas cifras não foram ajustadas para refletir o desdobramento acordado em 16 de maio de 2005 em
conformidade com o qual os titulares de nossas ações existentes receberam duas ações da mesma espécie e
classe para cada ação detida.
(2) Calculado como a média dos preços de fechamento do período.

6.3 Governança Corporativa


24

“As ações preferenciais da TAM (‘TAMM4’) estão listadas no Nível 2 de


governança corporativa da Bovespa”, segundo informações disponibilizadas no site da
empresa. Com essa decisão, a companhia TAM levou diversos benefícios aos seus
investidores.
A administração da TAM é dirigida por um Conselho Administrativo, que provê as
estratégias de forma geral para sua gestão. Composto por oito membros e uma diretoria, o
Conselho de Administração realiza uma reunião sempre que solicitado por um destes oito
membros. É importante destacar que os Diretores Executivos são eleitos e fiscalizados por
este conselho.
De acordo com o site da TAM, o Código de Ética tem como finalidade ajudar os
colaboradores a realizar os negócios de maneira correta perante a sociedade e o meio
ambiente. É claro que nem todas as questões estarão dispostas neste código, mas aquelas não
expostas deverão ser resolvidas por meio de senso comum, com base na essência do código.
Um dos compromissos assumidos por esta organização foi de preservar o meio
ambiente, através da redução de resíduos por ela criados. A TAM também se preocupa em
fazer investimentos em projetos filantrópicos, de forma a ajudar a conduzir a sociedade de
forma ética e legal. Campanhas de arrecadação são feitas desde 2005, para investir em
crianças que necessitem de apoio para seu crescimento e formação. Em 2007, começou estudo
visando à doação de passagens para pessoas que carentes que precisem de tratamento médico
em outra cidade ou até mesmo país.
A TAM ampara a Fundação SOS Mata Atlântica - uma organização não-
governamental, privada sem vínculos partidários ou religiosos e sem fins lucrativos que
objetiva promover a conservação da diversidade biológica e cultural do Bioma Mata Atlântica
e ecossistemas sob sua influência, segundo o site da própria organização.
Em parceria com o CIEE (Centro de Integração Empresa Escola), a TAM
implementou no ano de 2007 um programa direcionado à capacitação de pessoas com
deficiência, chamado: “Nas Asas da Inclusão”. “O curso possibilitará o desenvolvimento das
competências básicas para o trabalho e o treinamento técnico necessário ao ingresso no
mercado de trabalho”, explica a gerente de Desenvolvimento Social e Gestão da Cultura da
companhia, Dalva Hobeika.
Inserida no contexto internacional, a TAM se destaca das demais companhias aéreas
pelo fato de se relacionar com estrangeiros de forma transparente, respeitando os
regulamentos acordados e definindo com clareza a responsabilidade de cada parte em uma
transação comercial, como pode ser visualizado em seu website.
25

A empresa estabelece uma política de prevenção a crimes, com ênfase em lavagem de


dinheiro, com algumas instruções de como proceder para evitar tais ocorrências e situações de
risco em geral que prejudiquem a saúde financeira e econômica da empresa.
Grande parte da receita da TAM deriva de órgãos públicos, uma vez que cumpre os
altos elevados padrões exigidos pelos seus representantes. Além disso, ela segue as leis da
livre concorrência, não estabelecendo vinculo comercial com negociadores que podem vir a
ferir esta lei.
Sua Controladoria é composta de elementos fundamentais para garantir a integridade e
veracidade das informações relativas à sua contabilidade, utilizando-se de artifícios da
economia brasileira para auxiliar na tomada de decisão sobre o mercado, segundo o site da
companhia.
Todas as negociações da TAM são tratadas com cautela, visando preservação de
informações relevantes que possam ser acessadas por usuários não permitidos,
comprometendo seu sigilo e gerando risco para os negócios da empresa. Outro fator de suma
importância, é que a TAM protege sua propriedade intelectual e respeita estes mesmos dados
oriundos de terceiros.
A TAM possui consciência do seu papel e responsabilidade perante a sociedade, como
influenciadora de seus parceiros. Dessa forma, ela trata seus colaboradores com excelência no
serviço prestado, sem, no entanto, abusar do meio ambiente para alcançar seus objetivos
organizacionais. Esse é o motivo pela qual ela vem crescendo nos últimos anos e se
destacando das suas concorrentes inseridas no atual mercado competitivo.

7 CONSIDERAÇÕES FINAIS
O presente estudo buscou avaliar a empresa TAM S.A. sob a ótica da Governança
Corporativa, por meio da análise das demonstrações financeira. Além destes foram
considerados também indicadores da economia brasileira e fatores ligados à gestão.
A Companhia TAM é uma sociedade anônima de capital aberto que possui suas ações
negociadas nas Bolsas de Valores de São Paulo e Nova Iorque. Para se enquadrar nesse perfil
e agregar valor aos títulos negociados a empresa busca atender as exigências desse mercado,
tais como a transparência e o comprometimento com as informações prestadas.
A implantação do sistema de gestão Governança Coorporativa assegura os sócios-
proprietários a clareza e veracidade das informações apresentadas, além da efetiva
monitoração da diretoria e fornece mais segurança aos investidores.
26

Sendo assim, mesmo que a Lei das Sociedades Anônimas determine que a publicação
das Demonstrações Financeiras seja feita uma vez a cada exercício financeiro (normalmente
uma vez ao ano), a TAM o faz a cada trimestre, a contabilidade é auferida de acordo com o
padrão internacional IFRS, as ações preferenciais tem direito a voto em algumas matérias
(incorporação, transformação, fusão e outros) e os conflitos societários são resolvidos através
da Câmara de Arbitragem do Mercado conforme exigido para se manter no Nível 2 de
Governança da BOVESPA.
Com base nos demonstrativos contábeis e dos indicadores analisados, nota-se que a
TAM S.A. possui situação financeira confortável tendo em vista que uma parcela significativa
de seus dividas dizem respeito a financiamentos de longo prazo, referentes ao financiamento
de aviões que renovaram a tropa. Mostra-se evidente também que, apesar das crises vividas,
as perceptivas da empresa são de melhoria.

A situação econômica apresentou oscilação significativa nos anos em estudo. Em 2005


a empresa apresentou lucro líquido de, aproximadamente, R$ 187 milhões de reais. No ano
seguinte, 2006, essa cifra subiu para R$ 556,00 milhões principalmente devido ao aumento da
receita proveniente da prestação de serviços. O período de 2007 trouxe uma pequena queda na
margem de lucro, pois, embora tenha havido crescimento da receita líquida em 11% os custos
e despesas operacionais aumentaram 24,3%.
A crise mundial mostrou seus reflexos de forma intensa no resultado do exercício de
2008, visto que a companhia apurou prejuízo de R$1.509,70 milhões de reais. Sobretudo
graças ao aumento dos custos dos serviços prestados que quase alcançou 28%, principalmente
devido à ampliação dos preços dos combustíveis, pelo crescimento das despesas financeiras/
operacionais e pela depreciação do Real em 31,95%.
O ano de 2009 foi de recuperação para a TAM. Neste período, aferiu-se lucro líquido
de R$ 1.342,50 milhões, para isso contribuíram fatores como: a valorização do Real e a
diminuição dos preços dos combustíveis. É interessante mencionar que essa variação cambial
teve maior impacto no Passivo da empresa, considerando que os financiamentos e parte
considerável das obrigações da empresa são adquiridos em dólar.
O mercado oferece muitas incertezas, pois ainda há reflexos da crise de 2008 em
alguns países, ainda assim as perspectivas da TAM são de crescimento, tendo em vista seu
ingresso na Star Alliance, maior aliança de empresas aéreas do mundo o que lhe dá acesso a
mais de 1.000 aeroportos, em 175 países, ao redor do mundo.
27

Através da análise histórica da companhia e do cenário econômico apresentado, pode-


se notar que a TAM revela um perfeito reflexo da economia brasileira, apresentando
crescimento constante conforme o mercado nacional se mantém em acessão, dá mesma forma
entrando em recessão junto à economia brasileira; o que evidencia a importância da empresa
para o setor e para a economia nacional com um todo.
O diagnostico alcançado com a presente pesquisa é de que a TAM S.A. e uma
companhia que atende as expectativas dos acionistas. Além do mais representa o grupo de
empresas que busca melhorias constantes e oferece retorno razoável ao que nela é investido.
Assim sendo é exemplo das melhores práticas de Governança Corporativa e de gestão
eficiente e eficaz.

8 REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO
ALMEIDA, Tecgº João Damásio Barbosa. Governança Corporativa. A governança
corporativa no Brasil e no mundo e sua importância. Disponível em:
<http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/governanca-corporativa/44590/>
Acesso em: 24/09/10.

ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil. Disponível em: <http://www.anac.gov.br/>


Acesso em: 01/09/2010

BLOOMBERG. Disponível em: < http://www.bloomberg.com/>. Acesso em 04/09/2010

BM&FBOVESPA. Governança Corporativa. Disponível em:


<http://www.bmfbovespa.com.br/cias-listadas/consultas/governanca-corporativa/governanca-
corporativa.aspx?idioma=pt-br> Acesso em: 26/09/2010.

BOVESPA. Disponível em: < http://www.bmfbovespa.com.br/cias-listadas/empresas-


listadas/ResumoInformacoesRelevantes.aspx?codigoCvm=16390&idioma=pt-br>. Acesso em
07/09/2010.

BRASIL, Banco Central. Disponível em < http://www.bcb.gov.br/>. Acesso em 05/09/2010

BULGARELLI, Waldírio Manual das Sociedades Anônimas. São Paulo: Atlas, 1984.
28

CASHPREVIEW: Controle de fluxo de caixa, contas a pagar e a receber. Disponível em:


<http://www.fluxo-de-caixa.com/fluxo_de_caixa/contabilidade.htm>. Acesso em:
23/09/2010.

CAVALCANTE, Fabio. Governança corporativa: diferencial para sucesso. Disponível


em:
<http://imasters.uol.com.br/artigo/3915/governanca/governanca_corporativa_diferencial_para
_sucesso/> Acesso em: 23/09/10.

CETIP. Disponível em: < http://www.cetip.com.br/home.asp>. Acesso em 04/09/2010.

COELHO, Fábio Ulhoa. Manual de Direito Comercial. São Paulo: Saraiva, 1995.

Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas. Disponível em:


<http://www.eps.ufsc.br/disserta98/borinelli/cap4a.html/>. Acesso em: 23/09/2010.

ESTADO DE S. PAULO. PIB do Brasil fecha 2009 com retração de 0,2%, a primeira
queda anual em 17 anos. Disponível em:
<http://economia.estadao.com.br/noticias/not_8580.htm>. Acesso em: 01/09/2010

FGV - Fundação Getúlio Vargas. Disponível em: < http://portal.fgv.br/>. Acesso em


04/09/2010

IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Disponível em:


<http://www.ibgc.org.br/Secao.aspx?CodSecao=18> Acesso em: 26/09/10.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Disponível em:


http://www.ibge.gov.br/home/>. Acesso em: 01/09/2010

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Análise de Balanços. 7 ed. São Paulo, Atlas, 1998
29

JORNAL DO TURISMO. TAM atinge receita de R$ 2,7 bilhões no 1º trimestre.


Disponível em: <http://www.jornaldeturismo.com.br/noticias/aviacao/33056-tam-atinge-
receita-de-r-27-bilhoes-no-1o-trimestre-e-demanda-cresce-133.html>. Acesso em 01/09/10

MARQUESRMBIO. Resumo Níveis de Governança BOVESPA. You Tube, Janeiro 2008,


vídeo on-line (9 min e 43 seg). Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?
v=ymOCKfeypTQ&feature=related> Acesso em: 24/09/10.

MATARAZZO, Dante C. Análise financeira de balanços: abordagem básica e gerencial. 6ª


edição. São Paulo: Atlas, 2003.

MARTINS, Fran. Comentários à Lei das S.A. Rio de Janeiro: Forense, 1978.

MUNDOS DOS FILÓSOFOS – Descartes. Disponível em: <


http://www.mundodosfilosofos.com.br/descartes.htm>. Acesso em 22/09/2010.

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS AEROVIÁRIAS. O setor aéreo na economia


brasileira: importância econômica e perspectivas ante a abertura do setor às empresas
estrangeiras. Disponível em <http://www.snea.com.br/estudos/CET%20-%20SNEA%20-
%20Trabalho%202009.pdf >. Acesso em: 02/09/10

PAVON, Paula. Os níveis da Bolsa: 1, 2 e Novo Mercado. <


http://blogs.estadao.com.br/descomplicador/2010/04/07/os-niveis-da-bolsa-1-2-e-novo-
mercado/> Acesso em: 26/09/10.

PERIARD, Gustavo. O que é Governança Corporativa. O que é e como funciona a


Governança corporativa. Disponível em: <http://www.sobreadministracao.com/o-que-e-quais-
sao-os-beneficios-objetivos-e-vantagens-da-governanca-corporativa/> Acesso em: 23/09/10.

REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. São Paulo: Saraiva, 2005

TAM. Disponível em: <http://www.tam.com.br/>. Acesso em: 01/09/2010