Você está na página 1de 2

20

DI REI TOS DE PROPRIEDADE

omsçamos a aprender sobre propriedade e pertences pessoais ainda nas disputas por brinquedos na tenra infância. Muitas vezes nem se dá atenção a esse conceito, mas não nada inevitável nele. A propriedade privada é fundamental para o capitalismo. Karl Marx (p. 105) observou que a riqueza gerada pelo capitalismo dá às sociedades "uma imensa coleção de mercadorias" que são privadas e podem ser comercializadas para dar lucro. As empresas também são propriedade privada e têm fins lucrativos em um mercado livre. Sem a ídeía de

A proteção da propriedade privada é

importante nos paises capitalistas. Esta casa em Varsóvia, Polônia, é a mais segura construída: vira um cubo de

aço ao toque de um botão.

propriedade privada, não há possibilidade de ganho pessoal - não há nem razão para entrar no mercado. Na verdade, não existe mercado.

Tipos de propriedade

"Propriedade" abrange uma ampla gama de coisas, de bens materiaisa propriedade intelectual (como patentes ou texto escrito). Ela faz parte de áreas que nem os economistas do livre mercado defendem, como a escravidão; em que as pessoas são mercadoria. Do ponto de vista histórico,a

propríedade.materíal se organizou de

três modos.diferentes. Primeiro, tudo pode ser coletivo.e usado por quem desejar, com base na confiança mútua e no costume. Foi assim nas economias tribais e ainda é para os huaoranis da Amazônia. Segundo, a propriedade pode ser mantida e utilizada coletivamente- a essência do sistema comunista. Terceiro, a propriedade pode ser particular, e cada pessoa é livre para fazer com ela o que quiser. Este é o conceito central do capitalismo. Os economistas modernos tendem a justificar a propriedade privada pragmaticamente,com o argumento de que o mercado não pode funcionar sem alguma divisão de recursos. Os primeiros pensadores encaravam a propriedade de uma perspectiva

V ej~ também:

Mercados e moralidade 22-2.3 • Fornecimento de bens eservíços

-púnlicos46 -47 • Economia marxista 100-05

• Definições de economia 171

Ouando a propriedade

é coletiva

ela impede que as pessoas ajam com benevolência

(elas não podem ser generosas se não têm nada para d ar).

ela dá um

incentivo pequeno para

que os indivíduos

.

n egoc iem e inVis tam.

, (linguém a mantém

(todos agem em interesse próprio,

• ressupondo que alguém

· tomará conta dela).

.

.

moral. O filósofo grego Aristóteles afirmou que "a propríedade deve ser privada ". Ressaltou que, quando a propriedade é coletiva, ninguém assume a responsabilidade de mantê-la e melhorá-la. Além disso, as pessoas só podem ser generosas se tíverem algo para dar.

O direito à propriedade

No séc ulo XVII, t oda

moradias na Europa pertenciam de fato aos monarcas. O filósofo inglês John.Locke (1632-1704), porém, defendeu os direitos individuais, dizendo que, como.Deus nos deu o domínio sobre o próprio corpo,

a t e rra e as

também temos domínio sobre as coisas que fazemos. O filósofo alemão Imrnanuel Kant (1724-1804) declarou depois que a propriedade privada é uma expressão legítima do indivíduo. Outro filósofo alemão, no entanto, rejeitou inteiramente a propriedade privada. Karl Marx insistiu que o conceito de propriedade privada nada mais é que um meio pelo qual o capitalista expropria o trabalho do proletário, deixa-o na escravidão e o exclui. O proletariado é, na verdade, apartado do grupo seleto que controla toda a riqueza e poder. •

INICIEMO COMÉRCIO 21

'

Privado -,àté-,ondé?

Em t 0d a s . o : ci e q a d:. E' fnl !:'l de r :ri9- ,

algumas côisai s'~o

Có in p a'ttillí a q as . c Ón,(J. ·. propriedap.er·c!;il~tiva,como, ruas e P§. I !if U § S ,.• Q.u t na s~ c o~ o

';

•;.

·.

-

'

. ca:i ros ,,sã o p r,oprie,da d e privad a .

.

.

'

Os 'tli r- e i t o s d~ pr.oprié tlaçlé , ·o.u

posse

legitima, e:r.n geI,al.

.

~

conferem ao~dono qireit0s

e:x:clusivos 's o or e .dà &o ie é urso,

ip.as nem sempre éra"iS$.ün. Q

d one á:e·u ma casa em um baÍl'ro·

hl s tõii € G>; · p,;r ~ xe mp- l q , ~ ., ã o ,

poéie . demôli

UIBçj, f á l,rjCé( OUu m arranhá.·

,la:

F.)ár.a c o n st :ru:if

"cê,µ, l,lem mesmo a1teJ,are-use

do 'p ré d ío a tu a l . ' G>, :S g 9y e r. · n 0s ·

de ló40s ·ás países mundo

reservam-se ·.o llir.êit0,cl.e ignorar a ,p:ç:0:i;;>,iJ~.c;ta~ epi;iva~a

~

·

··

~.·r- ·

·

,• i

quando achar neee·s'sárl@, i,6r·

.

.

µ:i.0,t iv os qu e v ã o·de,

ne e;ess i sf~:çle tie irú°;r.ae$t i;utu t a

a .q;tJes1i,ões de ~,egura n:ç,a

~ a ció rrâi Me

:sm o n o-s ,EUÁ,

·fetrenlfos~_capl:pa.li~tas,~o

,.

g-ov~mo pqd~_obrig?r·u~

'

. 'gt ópr t §!táii o éj. ' ~ '.l>rir IQ.&,Ç>;.de

.

. ,.,

.

-

.

se,µs:l:iireitós

:.Rorérri'.,

a 1:?1-,ª

en,xe~ â a,ã -P:12n s,titu:i~ã q s 1;1a v i.zà:

o :gÓlpe

iio

a fi-rgia r q,~~ o

próptiet'ãriQ cl~v:á ser

,.

"r é e .Qm :pé n s ~do GÍC:l'r , : f ' o '

'P, r e ç o de , me. I c a Q-.o' -

''

Sem dúvida é melhor a propriedade ser privada, mas o seu uso, comum; e a função especial do legislador é criar nos homens um temperamentobenevolente.

Aristóteles

''