Você está na página 1de 28

REDAÇÃO OFICIAL

TEXTO-BASE

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS


SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA
SUBSECRETARIA DE INTELIGÊNCIA E ATUAÇÃO INTEGRADA
SUPERINTENDÊNCIA EDUCACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA
DIRETORIA PEDAGÓGICA
1

Governador do Estado de Minas Gerais


Romeu Zema Neto

Secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública de Minas Gerais


Mario Lucio Alves de Araujo

Subsecretário de Inteligência e Atuação Integrada


Etevaldo Luiz Caçadini de Vargas

Superintendência Educacional de Segurança Pública


Roberta Corrêa Lima Ignácio da Silva

Diretoria Pedagógica
Lilian Regina Gomes Lemos Guerra

Elaboração
Fernando Rodrigues de Oliveira1

Belo Horizonte, MG
2019

1
Especialista em Educação. Graduado em Pedagogia e Graduando em Letras/Libras. Como
servidor da Escola Integrada de Segurança Pública, atua na coordenação do Núcleo de Ensino a
Distância e dos Cursos da Secretaria Nacional de Segurança Pública - SENASP.
2

Caro Cursista, seja bem-vind@ à Disciplina de Redação Oficial!

Os objetivos da disciplina são:

Compreender a importância de se produzir documentos oficiais de forma


padronizada e identificar-se como decisor linguístico e reconhecer suas
implicações enquanto produtor de textos técnicos.

Ela está dividida em duas Unidades, a saber:

Unidade I - Linguagem

 Definição e características da Redação Oficial.


 Adequação do texto ao contexto.

Unidade II - Formatação e Estruturação de Documentos

 Normas da Redação Técnica.


 Modelos e formatação de documentos.
 Pronomes de tratamento e sua concordância.
 Identificação de signatários e fechos para comunicações

Unidade I - Linguagem

Antes de apresentarmos a definição de Redação Oficial e suas


características vamos pensar um pouco sobre língua e linguagem.

A propósito, você sabia que no Brasil há duas línguas oficiais? É isso


mesmo, temos a Língua Portuguesa e a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS.

Sarmento (2005) define língua da seguinte maneira:

A língua é um instrumento de comunicação, ou seja, é um


sistema de sinais vocais e, muitas vezes, gráficos, pertencentes
a uma comunidade ou a um grupo social. A língua, portanto,
pode sofrer modificações apenas pela ação da comunidade e
não de um único indivíduo. (SARMENTO, 2005, p. 12)
3

A linguagem é fundamental para a comunicação entre os seres, sendo


esta o sistema através do qual o ser humano comunica suas ideias e
sentimentos, seja através da fala, da escrita, ou de outros signos convencionais
ou não, por exemplo, as pinturas rupestres.

Goldstein apud Benjamin (1992), diz que:

A partir do momento em que o homem usa a linguagem para


estabelecer uma relação viva com ele próprio ou com os seus
semelhantes, a linguagem já não é um instrumento, não é um
meio; é uma manifestação, uma revelação da nossa essência
mais íntima e do laço psicológico que nos liga a nós próprios e
aos nossos semelhantes (Goldstein apud Benjamin, 1992, p.
229).

A linguagem cumpre um papel social, ou seja, vivemos em meio a uma


sociedade na qual compartilhamos nossas experiências, aprendemos e
ensinamos, convivemos com pessoas de culturas diferentes, entre outros
fatores. Tudo isso ocorre por meio da comunicação e sempre quando nos
comunicamos com alguém temos um objetivo e uma finalidade.

A comunicação se dá através da linguagem verbal e não verbal. Conforme


Cereja (2004, p.230):

A linguagem é todo sistema formado por símbolos que


permite a comunicação entre os indivíduos”; a linguagem
verbal é aquela que tem por unidade a palavra, as linguagens
não verbais, têm outros tipos de unidade, como o gesto, os
movimentos, a imagem, a nota musical.

Utilizando-se de uma linguagem interativa, nessa Unidade falaremos


sobre textos produzidos de forma sistemática, seguindo normas específicas,
conforme preconizado no Manual de Redação Oficial do Governo do Estado de
Minas Gerais.

Acesse o link a seguir e saiba um pouco mais sobre linguagem.


4

https://youtu.be/Pu8D18RhUcs

Definição e características da redação oficial

A redação oficial é a forma pela qual o poder público redige atos


normativos e comunicações e estas devem seguir princípios específicos. Sendo
assim, para informar com a máxima clareza e objetividade, a redação oficial deve
apresentar algumas características. Vejamos a seguir sobre cada uma delas:

Impessoalidade

Este princípio refere-se aos textos oficiais que tratam de assuntos


correspondentes à Administração Pública.
5

Segundo o Manual de Redação Oficial de Minas Gerais (2012, p. 9):

Todo o processo envolvido na comunicação oficial do Estado


(quem comunica, o que se comunica e quem recebe a
informação) é uma manifestação da Administração Pública
dirigida à coletividade, ou seja, assunto de caráter público.
Por isso, é essencial a ausência de impressões individuais do
emissor da informação. Não cabe no texto oficial tom pessoal ou
particular. Um texto impessoal evita a manifestação de opiniões
sobre o assunto tratado.

Clareza

O texto claro é aquele que possibilita ao leitor a imediata compreensão


sobre o conteúdo da informação transmitida. Isso também possibilita a
transparência dos atos administrativos e atende ao princípio da publicidade.

O Manual de Redação Oficial de Minas Gerais (2012), coloca que, para


se obter clareza no texto, é necessária a presença de várias outras
características como concisão, objetividade, ideias ordenadas, correção,
aplicação da norma culta, coesão e coerência.

Concisão

É a transmissão de informações com um mínimo de palavras, onde a


objetividade e o foco na intenção textual são marcas registradas. Na concisão
deve-se evitar os textos prolixos, que podem dispersar o leitor e dificultar a
compreensão.

Uma frase do jornalista e editor húngaro (1847-1911), Joseph Pulitzer


corrobora com a ideia citada, diz: “Seja breve para que eles leiam; claro para que
eles gostem; original para que eles não esqueçam e, acima de tudo, preciso,
para que sejam guiados por sua luz”.

Formalidade

A linguagem utilizada é o ponto chave para esse princípio, o qual obedece


à formalidade da língua escrita e o respeito à hierarquia das autoridades.
6

Observamos isso na utilização dos pronomes de tratamento e nos fechos


dos textos, além deles ressaltarem a polidez e a civilidade com relação aos
assuntos tratados.

Padronização

Conforme está escrito no Manual de Redação Oficial de Minas Gerais,


(2012): Os documentos oficiais obedecem a normas de padronização, regras de
forma, tanto na sua elaboração textual quanto visual.

Essa padronização facilita a consulta, a leitura e o acesso à informação e


reflete o alinhamento e integração entre órgãos e entidades que compõem a
Administração Pública.

Conforme Cipro Neto; Infante (2008, p.14, 15), a gramática normativa


estabelece a norma culta, ou seja, o padrão linguístico que socialmente é
considerado modelar e é adotado para ensino nas escolas e para a redação dos
documentos oficiais. [...]

Correção

Corresponde ao respeito às normas, princípios e regras gramaticais e


ortográficas da Língua Portuguesa

Adequação do texto ao contexto

Essa adequação textual cabe ao redator através de sua sensibilidade e


conhecimento para produzir o texto considerando o contexto em que o assunto
será tratado.

Segundo o Manual de Redação Oficial de Minas Gerais (2012, p. 10):

De acordo com fatores concretos, de ordem técnica, política ou


administrativa, o redator preparará o texto e adequará a sua
linguagem (a estrutura, a sintaxe, o vocabulário, o grau de
formalidade), considerando especificamente a finalidade do
documento e o seu destinatário.
7

Mediante tal visão, pode-se, por exemplo, definir o tratamento


utilizado, o tipo de linguagem e o grau de formalidade necessário
em respeito à hierarquia existente entre o emissor e o receptor
da mensagem.

Dicas para a estruturação de textos

Para facilitar o processo da escrita o Manual apresenta alguns passos que


lhe auxiliarão na estruturação, lógica e coerência dos textos.

Conforme descrito no Manual de Redação Oficial do Governo do Estado


de Minas Gerais (2012) a ideia principal do texto deve ser apresentada no início
do texto, utilizando-se, preferencialmente, a ordem direta na construção das
frases (sujeito, verbo e complemento).

Veja no exemplo a seguir como a inversão dos termos, em exagero, pode


comprometer a compreensão e gerar ambiguidade:

É recomendado que se tome cuidado com a pontuação e o uso de


metáforas nos textos. A mudança do local de uma vírgula pode alterar
completamente o sentido da frase. Observe nas frases a seguir que os dizeres
são os mesmos, entretanto, na primeira há a ideia de perder, já na segunda, de
ganhar.
8

Outra questão importante é o uso de metáforas, analogias e outras figuras


de estilo. Esses não devem ser usados nos textos oficiais, porém em não
literários são muito utilizados.

Agora observe na imagem a seguir e veja qual figura de linguagem você


identifica:

Fonte: <tirasdidaticas.wordpress.com>. Acesso em 7 de maio de 2019.

Deve-se evitar períodos muito longos, pois o leitor poderá se perder em


meio à prolixidade.

Leia o texto a seguir e veja como está prolixo:

Fonte: <https://slideplayer.com.br/slide/3225585/>. Acesso em 07 de maio de 2019.


9

Tenha cuidado com o excesso de adjetivos e expressões que dificultam a


compreensão do leitor, conforme o Manual de Redação Oficial de Minas Gerais,
(2012, p.12):

Evite o uso de palavras e expressões que dificultam a


compreensão do leitor. Estrangeirismos, termos técnicos,
arcaísmos, jargões e regionalismos vocabulares que são de
compreensão limitada, restrita a apenas um grupo de pessoas,
dentro do possível devem ser substituídos por expressões
equivalentes. Dê preferência ao vocabulário de entendimento
geral.

Você deve utilizar elementos de coesão que estabelecem uma relação


lógica entre as frases e parágrafos para manter a coerência. Ex.: mas,
entretanto, porém, conforme, etc.

Para melhor a concisão, conforme o Manual de Redação Oficial de Minas


Gerais, (2012, p.12), deve-se eliminar do texto:

O uso excessivo dos pronomes indefinidos “um” e “uma”; o uso


abusivo da palavra “que” (corrige-se fazendo a substituição com
orações reduzidas ou períodos simples); os pormenores
desnecessários e informações supérfluas, evitando a
redundância.
10

Evite as locuções verbais e elimine palavras ou expressões


desnecessárias, como por exemplo: venho solicitar = solicito; havia
proporcionado = proporcionou; venho por meio desta registrar = registro; ato de
natureza administrativa = ato administrativo e etc.

Cuidado com o uso dos pronomes possessivos “seu” e “sua”. Se não


forem muito bem colocados na estrutura do texto, geram ambiguidade, conforme
exemplo da frase a seguir:

“Fernando ensinou Débora a usar o seu computador para escrever textos


oficiais”.

Pergunta: Computador de quem? Do Fernando, da Débora ou “de você”?

Dica: Sempre que necessitar consulte um dicionário.

Separamos duas excelentes fontes de consulta para você, acesse


os links abaixo e confira:

http://www.academia.org.br/nossa-lingua/busca-no-vocabulario

https://dicionario.priberam.org
11

UNIDADE II - FORMATAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE DOCUMENTOS

Caro Cursista, você já sabe que um dos objetivos do Manual de Redação


Oficial é a adoção de um padrão de apresentação dos documentos oficiais. Pois
bem, vejamos algumas normas...

Normas da Redação Técnica

Devemos ficar atentos quanto à diagramação utilizada em documentos


produzidos em editores de textos externos, pois os produzidos no Sistema
Eletrônico de Informações – SEI* devem seguir as mesmas formatações.

*Para saber mais, consulte o processo SEI/SESP número:


1690.01.0000002/2017-87.

Conforme preconizado no Manual de Redação Oficial de Minas Gerais


(2012, p. 25), os modelos da correspondência oficial (Ofício; Ofício circular;
Memorando e Memorando circular) seguem um padrão, denominado Padrão
Ofício, que apresenta forma similar, diferenciando-se pela finalidade.

Veja a seguir as regras de diagramação preconizadas no Manual de


redação Oficial de MG (2012, p. 25):

Papel branco ou reciclado, tamanho A4 (29,7 cm x 21 cm);


Cabeçalho: brasão oficial do Governo do Estado de Minas
Gerais, acompanhado do nome da Secretaria ou instituição
(órgão/entidade); Alinhamento do corpo do texto: justificado;
Texto: fonte Calibri, tamanho 13, cor preta; Espaçamento entre
as linhas: 1; Espaçamento entre os parágrafos: 1 linha em
branco; Margem superior: 4 cm; Margem inferior: 2 cm;
Margem direita: 2 cm; Margem esquerda: 3 cm; Recuo do
parágrafo (tabulação): 2 cm da margem esquerda.

Já aprendemos que nos textos oficiais, devido ao caráter impessoal e à


finalidade de informar com o máximo de clareza e objetividade, devemos usar o
padrão culto da língua.

Conforme preconizado no Manual de Redação Oficial de Minas Gerais


(2012, p. 28) é importante ressaltar que:
12

A obrigatoriedade do uso do padrão culto na redação oficial


decorre do fato de que ele está acima das diferenças lexicais,
morfológicas ou sintáticas regionais, dos modismos
vocabulares, das idiossincrasias linguísticas, permitindo, por
essa razão, que se atinja a pretendida compreensão por todos
os cidadãos.

Modelos e formatação de documentos

Veja a seguir sobre a produção, formatação e diagramação de alguns


tipos de documentos utilizados pelo Poder Executivo. Veremos que cada
expediente possui sua característica.

Fonte: https://www.rcout.com.br/digitalizacao-documentos. Acesso em 15 de maio de 2019.

O que é Ofício?

Segundo o Manual de Redação Oficial de Minas Gerais (2012, p. 29) o


Ofício é definido como:

Correspondência oficial expedida por qualquer autoridade


pública ou chefia, nos limites de sua competência e hierarquia.
Tem como finalidade o trato de assuntos oficiais da
Administração Pública e é destinada às demais autoridades de
outras instituições, sejam elas públicas ou privadas, e aos
particulares.

O Ofício deve possuir o “timbre”, “tipo, sigla do órgão que o expede”,


“número do expediente e ano”; “local e data em que foi expedido”; “assunto”;
“vocativo”; “texto de encaminhamento ou não”; “fecho”; “assinatura e
destinatário”.

O que é Ofício Circular?

É um documento que possui as mesmas características do Ofício,


entretanto, o Circular é endereçado a mais de um destinatário.
13

Como seu conteúdo será encaminhado a vários destinatários, o número


de controle será único, no entanto, cada via receberá o vocativo e o
endereçamento do destinatário específico.

Fonte: https://www.rcout.com.br/digitalizacao-documentos Acesso em 15 de maio de 2019.


14

Vejamos um modelo de Ofício:


15

Vejamos um modelo de Ofício Circular:


16

O que é Memorando?

O Manual de Redação Oficial de Minas Gerais (2012, p. 42) define


Memorando como sendo:

Uma modalidade de comunicação entre unidades


administrativas de um mesmo órgão, que podem estar
hierarquicamente no mesmo nível ou em níveis diferentes. Trata-
se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemente
interna.

Por se tratar de um documento administrativo interno, pressupõe-se


agilidade na tramitação, seja via Sistema Eletrônico de Informações (SEI) ou
manual.

Como já vimos anteriormente, o SEI veio para otimizar, organizar e agilizar


a tramitação de todos os documentos oficiais.

Quanto à forma e estrutura, o Memorando segue o modelo padrão do


Ofício. As diferenças são notadas logo após a “data”, nos campos: ”Para” e o
“Assunto”, ambos em negrito e alinhadas à esquerda.

O que é Memorando Circular?

O conteúdo do texto e o número de controle são os mesmos. É


endereçado a vários destinatários, sendo estes listados após o campo “Para”.

Fonte: https://bbel.uol.com.br/organizacao/como-organizar-documentos-contas-e-
comprovantes/. Acesso em 15 de maio de 2019.
17

Vejamos um modelo de Memorando:


18

Vejamos um modelo de Memorando Circular:


19

E-mail ou Correio Eletrônico

Você possui uma conta de e-mail pessoal ou institucional, certo?

Pois é, nos dias atuais é quase uma necessidade, não é mesmo?

Esse meio de comunicação é muito utilizado atualmente. Devido à


celeridade e eficiência, transformou-se em uma ferramenta de extrema
relevância para transmissão de mensagens de textos, fotos, vídeos e
documentos.

Os textos escritos no corpo do e-mail não possuem uma forma


“engessada”, entretanto, deve-se utilizar uma linguagem compatível com o grau
de formalidade a que a comunicação exige, levando-se em conta o destinatário
da mensagem e o assunto a ser tratado.

Obs.: Sempre que possível utilizar o recurso de confirmação de leitura.

Relatório

Em algumas funções, sobretudo da área da Segurança Pública, há a


recorrente necessidade de se produzir relatórios, não é mesmo? Pois é! Vejamos
algumas orientações.

Segundo o Manual de Redação Oficial de Minas Gerais (2012) a finalidade


desse documento é relatar/narrar de forma escrita sobre os atos e ou fatos que
ocorreram em uma repartição/setor/unidade etc., com o objetivo de informar ou
orientar para uma determinada ação.

A estrutura do relatório é formada por título, vocativo, texto (introdução,


análise e conclusão), fecho, local e data e assinaturas, conforme modelo
apresentado a seguir:
20

Vejamos um modelo de Relatório:


21

Ata

Conforme preconizado no Manual de Redação Oficial de Minas Gerais


(2012) a Ata é um documento de valor jurídico no qual são registrados, de forma
objetiva e metódica, os acontecimentos e as decisões que ocorreram em uma
reunião, sessão, assembleia, etc. Os fatos ocorridos devem ser descritos com a
máxima fidelidade e não podem ser modificados após a assinatura.

Há outras particularidades quanto à redação da Ata. O texto, sem rasuras


e sem abreviaturas, não deve haver parágrafos ou alíneas, tudo é escrito sem
espaços em branco, impossibilitando a inserção de novas informações nas
entrelinhas.

Quando houver algum erro na escrita, o Manual de Redação Oficial


de Minas Gerais (2012) indica que seja usado a palavra “digo”,
depois da qual se escreve a palavra ou a expressão correta.

Usa-se ainda o termo “em tempo”, ao se verificar erro ou omissão após


a redação. Este é colocado após o escrito, seguindo-se a emenda ou o
acréscimo.

Observe os exemplos a seguir:

a) Aos vinte e sete dias do mês de maio, digo, do mês de março de dois mil e
dezenove, ...

b) Em tempo: na linha onde se lê veículo, leia-se vínculo.

Fonte: <https://www.siteware.com.br/reunioes/como-liderar-uma-reuniao/. Acesso em: 14 de maio de 2019.


22

Vejamos um modelo de Ata:


23

Pronomes de tratamento e sua concordância

Antes de falarmos sobre os pronomes de tratamento em comunicações oficiais,


destacamos que os utilizados nesse texto estão em conformidade com as
normas contidas no Manual de Redação Oficial de Minas Gerais (2012).

Dizemos isso porque existem outros Manuais, inclusive cito o Manual de


Redação Oficial da Presidência da República, que serviu de referência para a
construção do Manual em Minas Gerais.

Destacamos também sobre as recentes alterações na forma de tratamento em


comunicações oficiais no âmbito Federal. Estas foram realizadas através do
Decreto nº 9.758, de 11 de abril de 2019 - que dispõe sobre a forma de
tratamento e de endereçamento nas comunicações com agentes públicos da
administração pública federal.

Para saber mais sobre essas alterações, acesse:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/D9758.htm

Pois bem, veremos agora sobre o emprego de alguns pronomes de tratamento


bastante utilizados em textos oficiais, bem como sobre abreviatura e vocativo.

Já sabemos que a determinação do pronome de tratamento se dá em razão do


cargo do destinatário.

São vários os tratamentos empregados às autoridades nos textos oficiais.


Separamos alguns para apresentarmos a você.

Emprega-se o pronome de tratamento “Vossa Excelência”, a abreviatura


“V.Exa.” e o Vocativo “Senhor(a)”, às autoridades listadas a seguir, conforme o
Manual de Redação Oficial de MG (2012, p. 63):

Prefeitos Municipais, Secretários de Estado, Comandante Geral


do Corpo de Bombeiros Militar e Comandante Geral da Polícia
Militar;
Ministros, Desembargadores, Juízes, Auditores da Justiça Militar
e Membros do Ministério Público (Promotores e Procuradores);
24

Membros do Congresso Nacional (Senadores e Deputados


Federais), Deputados Estaduais, Presidente de Assembleias
Legislativas e Presidente de Câmaras Municipais.

Obs.: Estão abolidos os tratamentos Digníssimo (DD) e Ilustríssimo


(ILMO.).

“Doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico para


pessoas que concluíram curso universitário de doutorado. Entretanto,
é costume designar por doutor os bacharéis em Direito e em Medicina”.
(Manual de Redação Oficial de MG, 2012).

Para enriquecer nosso aprendizado, separamos um vídeo para você.


Assista-o e preste atenção nas dicas recomendadas:

https://www.youtube.com/watch?v=BEuQ4aDnlFA

Concordância com os pronomes de tratamento

Como fica a concordância?

Segundo o Manual de Redação de MG (2012, p. 66), os pronomes de


tratamento concordam na terceira pessoa:

Com o substantivo que integra a locução.


Os possessivos referidos a pronomes de tratamento são sempre
os da terceira pessoa.
Quando a palavra é dirigida à pessoa com quem se fala, usa-se:
Vossa Excelência, Vossa Senhoria.
Quando a ela se faz referência: Sua Excelência, Sua Senhoria.
Quanto ao adjetivo, a concordância é feita com o sexo da pessoa
a que se refere, e não com o substantivo que compõe a locução.
25

Vejamos alguns exemplos que ilustram o que foi citado anteriormente:

Pronome concordando na terceira pessoa: “Vossa Senhoria nomeará o


substituto” (e não “nomearás”).

Pronome possessivo referindo-se a pronome de tratamento: “Vossa


Senhoria encaminhará sua solicitação” (e não “vossa solicitação”).

Conforme o Manual de Redação de MG (2012) quando a palavra é dirigida


à pessoa com quem se fala, usa-se: “Vossa Excelência ou “Vossa Senhoria.
Quando a ela se faz referência: Sua Excelência ou Sua Senhoria.

A concordância com o adjetivo é feita conforme o sexo da pessoa a que


se refere, e não com o substantivo que compõe a locução, de acordo com o
exemplo a seguir: “Vossa Excelência está cansado” (se for homem). “Vossa
Excelência está cansada” (se for mulher).

Identificação de signatários e fechos para comunicações

Conforme o Manual de Redação de MG (2012) todas as comunicações


oficiais devem trazer o nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do
local de sua assinatura, exceto as comunicações assinadas pelo Presidente da
República.

Diretor de Atendimento

Fechos para comunicações

Conforme o Manual de Redação de MG (2012), empregam-se apenas


dois tipos de fechos: Respeitosamente para autoridades superiores, inclusive o
26

Presidente da República; E Atenciosamente para autoridades de mesma


hierarquia ou de hierarquia inferior.

Expediente assinado por mais de uma pessoa

A ordem de assinaturas segue a hierarquia dos cargos. Assina primeiro (de cima
para baixo) o ocupante do cargo de nível hierárquico mais baixo, e segue essa
lógica para as demais assinaturas, sejam duas ou mais.

No caso de signatários de mesma hierarquia, as assinaturas devem vir lado a


lado, conforme a seguir.

Diretor de Segurança Diretor de Atendimento

Caro Cursista, finalizamos essa disciplina.

Realize os exercícios avaliativos com bastante atenção e reveja os textos


quantas vezes for necessário.

Bons estudos!
27

Referências:

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Busca do vocabulário. Disponível em


<http://www.academia.org.br/nossa-lingua/busca-no-vocabulario>. Acesso em
13 de mai. de 2019.

BENJAMIN, W. Sobre a linguagem em geral e sobre a linguagem Humana.


Tradução de Maria Luz Moita. In: ______. Sobre arte, técnica, linguagem e
política. Lisboa: Ed. Relógio d’Água, 1992.

CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Tereza Cochar. Português:


linguagens/literatura, gramática e redação. 2.ed. São Paulo: Atual. 2004.

CIPRO NETO, P.; INFANTE, U. Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo:


Spicione, 2008.

MINAS GERAIS. Manual de Redação Oficial do Governo de Minas Gerais.


Belo Horizonte: 2012. Disponível em: <https://bit.ly/2PaPt4l>. Acesso em 15
abr. de 2019.

SARMENTO, L. L. Gramática em textos. 2.ed. São Paulo: Moderna, 2005.

SEI. Sistema Eletrônico de Informações. > Acesso em 12 de set. de 2017>


http://www.fazenda.gov.br/sei.