Você está na página 1de 32

Parâmetros Assistenciais

em Fonoaudiologia

Brasília
2017
Parâmetros Assistenciais em Fonoaudiologia

1. Histórico

O Sistema de Conselhos de Fonoaudiologia recebe, frequentemente,


questionamentos sobre o número de fonoaudiólogos necessários aos
serviços e a quantidade de procedimentos possíveis a serem realizados
no período de trabalho, assim como, de que forma proceder para definir
uma quota diária de atendimentos.
Diante disso, em 2012, foi criado um grupo de trabalho com conse-
lheiros do CFFa e de cada Conselho Regional para estabelecer parâme-
tros assistenciais em Fonoaudiologia. Após a elaboração da minuta, que
recebeu sugestões dos conselheiros federais e regionais, foi à consulta
pública no período de 18 de junho a 18 de julho de 2015 e solicitou-se
o parecer das sociedades científicas da classe. A compilação das suges-
tões, da consulta pública e das contribuições da Academia Brasileira de
Audiologia (ABA), da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (SBFa), da
Associação Brasileira de Motricidade Orofacial (ABRAMO) e do Instituto
Brasileiro de Fluência (IBF), resultou no presente documento, que tem
como objetivo nortear a organização dos serviços de modo a compa-
tibilizar padrões considerados, pela classe fonoaudiológica, como ade-
quados a cada procedimento, respeitando a complexidade que envolve
a intervenção e a estrutura disponível, para assegurar a qualidade do
atendimento.

2. Definições e Critérios

Entende-se por Parâmetros Assistenciais os padrões utilizados para


orientar a quantidade de atendimentos no cuidado e na assistência à
saúde.
Este documento estipula a quantidade adequada de procedimentos
fonoaudiológicos, considerando o número de clientes a serem atendidos
por um período de 6 (seis) horas, ou o tempo necessário para a realiza-
ção de cada procedimento, também considerando este período.
Para o estabelecimento do período de trabalho foi considerada a car-

03
ga horaria semanal de 30 horas. Em caso de períodos de trabalho dife-
rentes, deverá o profissional, por meio de regra de três simples, calcular
o quantitativo de clientes a serem atendidos. Na hipótese de estabelecer
número fracionário de clientes, o profissional deverá arredondar este
número para o menor valor.
Cabe ao fonoaudiólogo, respeitando critérios de risco e as condições
do cliente, definir os casos que exijam a flexibilização dos parâmetros
estabelecidos neste documento, desde que não acarrete prejuízo à qua-
lidade do serviço prestado. Salienta-se que o fonoaudiólogo não deverá
exceder ou reduzir o número de atendimentos para a obtenção de van-
tagens ou para o cumprimento de metas de produtividade desprovidas
de fundamentação técnica e legal, zelando sempre pela qualidade e hu-
manização da assistência prestada.
Na rotina de trabalho o profissional pode realizar diferentes procedi-
mentos em um mesmo período, considerando a qualidade da assistência
prestada e a demanda de cada serviço.
Os Parâmetros Assistenciais em Fonoaudiologia foram estabelecidos
considerando os procedimentos fonoaudiológicos em diferentes âmbi-
tos como ambulatorial, hospitalar e domiciliar. As ações realizadas nes-
tes âmbitos referem-se a procedimentos que podem ser realizados em
diferentes locais como: Unidades Básicas de Saúde (UBS), Estratégia da
Saúde da Família (ESF), Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), Cen-
tro de Atenção Psicossocial (CAPS), Centro Especializado em Reabilitação
(CER), ambulatório, hospital, domicílio, instituições de longa permanên-
cia, instituições educacionais, empresas, entre outros. Vale salientar que
o quantitativo dos procedimentos descrito neste documento contempla,
também, a área de saúde ocupacional, perícia e as atividades voltadas à
promoção da saúde.
Quando necessário, no estabelecimento dos Parâmetros Assistenciais
em Fonoaudiologia, foi considerada a faixa etária (Neonatal, Infantil,
Adulto, Idoso), visto que a duração do procedimento pode ser diferen-
ciada de acordo com a idade do cliente. Destaca-se que, diante da espe-
cificidade de cada caso, novos horários de consultas, exames e demais
ações poderão ser agendados para conclusão do procedimento.

04
Foram considerados, ainda, os seguintes aspectos:

2.1. Leis trabalhistas;

2.2. Peculiaridades do tipo de atendimento e de procedimento (aten-


dimento ambulatorial, hospitalar, domiciliar, saúde escolar, acolhimen-
to, triagem, consulta, exames, avaliação, sessão/terapia, orientação, mo-
nitoramento, grupos educativos e grupos terapêuticos);

2.3. Complexidade do procedimento;

2.4. Dimensionamento de profissionais nas unidades assistenciais;

2.5. Conciliação das necessidades do profissional com as da comuni-


dade para garantir a qualidade do atendimento;

2.6. Tempo de execução das atividades subsidiárias: planejamento


das atividades, registro de atendimento, emissão de pareceres, laudos,
declarações e atestados;

2.7. Tempo dispendido na preparação do cliente para o procedimen-


to e para orientação a pais/familiares/responsáveis e cuidadores;

2.8. Tempo de deslocamento do profissional até o local onde será re-


alizado o procedimento;

2.9. O respeito às normas e aos cuidados de biossegurança;

2.10. A necessidade de cooperação com os serviços de controle de in-


fecção hospitalar na prevenção de infecções cruzadas e na manutenção
da higiene de todos os ambientes de trabalho.

O atendimento, nos serviços público e privado, não pode ser diferen-


ciado, pois todos os cidadãos devem receber o mesmo tipo de assistên-
cia, respeitando a dignidade e os direitos humanos.

05
Este estudo também foi embasado em regulamentações sobre parâ-
metros assistenciais de outras profissões e do Ministério da Saúde, bem
como em bases de dados da literatura nacional e internacional.

Para facilitar a compreensão, os parâmetros estipulados foram dis-


postos em fluxogramas.

3. Objetivos

3.1 Orientar e nortear o fonoaudiólogo na organização de seu traba-


lho, quantificando os procedimentos com base em padrões que garan-
tam a qualidade e a excelência do atendimento;

3.2 Oferecer subsídios aos gestores para o planejamento e monito-


ramento das ações, controle da quantidade e qualidade dos serviços, a
partir das necessidades locais da população;

3.3 Garantir à população qualidade no cuidado e na assistência à


saúde;

3.4 Proporcionar à população subsídios para participação no contro-


le social.

4. Fluxogramas

Os Parâmetros Assistenciais em Fonoaudiologia estão representados


em fluxogramas (anexos) e dispostos da seguinte forma:

4.1 Consulta;
4.2 Avaliação;
4.3 Exames;
4.4 Terapia/Sessão;
4.5 Atividades voltadas à promoção de saúde;
4.6 Implante Coclear.

06
RESOLUÇÃO CFFa nº 488, de 18 de fevereiro de 2016.

“Dispõe sobre aprovação do documento que esti-


pula os Parâmetros Assistenciais em Fonoaudiologia,
e dá outras providências.”

O Conselho Federal de Fonoaudiologia (CFFa), no uso das atribuições que


lhe conferem a Lei nº 6.965/81, o Decreto nº 87.218/82 e o Regimento Interno
do CFFa;
Considerando a Lei nº 6.965, de 9 de dezembro de 1981, que regulamenta
a profissão de fonoaudiólogo;
Considerando a Lei nº 10.741, de 01 de outubro de 2003, que dispõe sobre
o Estatuto do Idoso;
Considerando a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, que dispõe sobre o
Estatuto da Criança e do Adolescente;
Considerando a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que dispõe sobre
as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização
e o funcionamento dos serviços correspondentes;
Considerando a Portaria MS nº 963, de 27 de maio de 2013, que redefine a
Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS);
Considerando a Portaria MS nº 2.809, de 7 de dezembro de 2012, que es-
tabelece a organização dos Cuidados Prolongados para retaguarda à Rede de
Atenção às Urgências e Emergências (RUE) e às demais Redes Temáticas de
Atenção à Saúde, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS);
Considerando a Portaria MS nº 665, de 12 de abril de 2012, que dispõe
sobre os critérios de habilitação dos estabelecimentos hospitalares como Cen-
tro de Atendimento de Urgência aos Clientes com Acidente Vascular Cerebral
(AVC), no âmbito do Sistema Único de Saúde, institui o respectivo incentivo
financeiro e aprova a Linha de Cuidados em AVC;
Considerando a Portaria MS nº 1.459, de 24 de junho de 2011, que institui,
no âmbito do Sistema Único de Saúde, a Rede Cegonha;
Considerando a Portaria MS nº 930, de 10 de maio de 2012, que define as
diretrizes e os objetivos para a organização da atenção integral e humanizada
ao recém-nascido grave ou potencialmente grave e os critérios de classificação
e habilitação de leitos de Unidade Neonatal no âmbito do Sistema Único de
Saúde;

07
Considerando a Portaria MS nº 793, de 24 de abril de 2012, que Institui a
Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência, no âmbito do Sistema Único de
Saúde.
Considerando a Portaria Anvisa nº 453, de 1 de junho de 1998, que aprova o
regulamento técnico que estabelece as diretrizes básicas de proteção radiológi-
ca em radiodiagnóstico médico e odontológico, dispõe sobre o uso dos raios-x
diagnósticos em todo território nacional;
Considerando a RDC Anvisa nº 7, de 24 de fevereiro de 2010, que dispõe
sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia In-
tensiva;
Considerando a Classificação Brasileira de Procedimentos em Fonoaudio-
logia; Considerando a Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos
Médicos;
Considerando a Tabela de Procedimentos, Medicamentos, e Órteses,
Próteses e Materiais Especiais do SUS;
Considerando o Código de Ética da Fonoaudiologia;
Considerando o parecer elaborado pelo Instituto Brasileiro de Fluência (IBF);
Considerando o parecer elaborado pela Associação Brasileira de Audiologia
(ABA); Considerando os pareceres elaborados pela SBFa e pela Abramo;
Considerando a literatura científica sobre atuação e procedimentos fonoau-
diológicos;
Considerando o resultado da consulta pública realizada pelo Conselho Fede-
ral de Fonoaudiologia (CFFa), no período de 18 de junho a 18 de julho de 2015;
Considerando as deliberações das reuniões do Grupo de Trabalho sobre Pa-
râmetros Assistenciais;
Considerando a decisão do Plenário do CFFa durante a 1ª Reunião da 145ª
Sessão Plenária Ordinária, realizada no dia 18 de fevereiro de 2016,

R E S O L V E:

Art. 1º Aprovar o documento que estipula os Parâmetros Assistenciais em


Fonoaudiologia, que consta em anexo a esta resolução.

Art. 2º O fonoaudiólogo não deverá exceder ao número de atendimentos


estipulado no documento para a obtenção de vantagens financeiras ou para o
cumprimento de metas de produtividade desprovidas de fundamentação técnica
e legal, zelando sempre pela qualidade e humanização da assistência prestada.

08
Art. 3º Esta Resolução entre em vigor na data de sua aprovação.

Art. 4º Revoga as disposições em contrário, em especial a Resolução CFFa


nº 419/2012.

Bianca Arruda Manchester de Queiroga


Presidente

Solange Pazini
Diretora Secretária

09
Fluxograma Consulta Parâmetros Assistenciais

Anamnese/ Entrevista, Dimensionamento

Ambulatorial
Triagem, Avaliações, 8 clientes/período
Orientação e
Acolhimento

Seleção, Indicação e Dimensionamento


adaptação de AASI 12 clientes/período

Triagem auditiva Dimensionamento


(Teste da Orelhinha) 18 bebês /período
Orientação
PEATE Automático Dimensionamento
Orientação 12 bebês/período
Neonatal
0 a 28 dias Acolhimento Avalia- Dimensionamento
ção e Orientação Até 8 bebês/período

Protocolo da Avaliação Dimensionamento


de Frênulo de Língua 12 bebês/período
em Bebês
Lactente
29 dias a 23 meses e Acolhimento Avalia-
ção e Orientação Dimensionamento
29 dias Até 8 bebês/período
Infantil
Hospitalar

Acolhimento Avalia-
Consulta

2 anos a 11 anos 11 ção e Orientação Dimensionamento


meses e 29 dias Até 8 clientes/período
Adolescente/ Adulto Acolhimento Avalia-
12 anos a 59a 11m ção e Orientação Dimensionamento
29 dias 8 clientes/período
Idoso Avaliação e
Orientação Dimensionamento
A partir de 60 anos 6 clientes/período

Neonatal Acolhimento Avalia- Dimensionamento


0 a 28 dias ção e Orientação Até 5 bebês/período

Lactente Acolhimento Avalia- Dimensionamento


29 dias a 23 meses e ção e Orientação Até 3 bebês/período
29 dias
Domiciliar

Infantil Acolhimento Avalia- Dimensionamento


2 anos a 11 anos 11 ção e Orientação Até 3 clientes/período
meses e 29 dias

Adolescente/ Adulto Acolhimento Avalia- Dimensionamento


12anos a 59a 11m 29 dias ção e Orientação Até 3 clientes/período

Idoso Avaliação Dimensionamento


A partir de 60 anos e Orientação Até 3 clientes/período

10
Avaliação de Linguagem Parâmetros Assistenciais

Avaliação fonética Dimensionamento


fonológica 45min/cliente

Avaliação sintático Dimensionamento


semântica 45min/cliente
Oral
Avaliação pragmática Dimensionamento
45min/cliente

Avaliação fluência Dimensionamento


45min/cliente

Avaliação lexical Dimensionamento


45min/cliente

Avaliação da Dimensionamento
fonoarticulação 45min/cliente

Avaliação dos aspectos Dimensionamento


cognitivos da linguagem 45min/cliente

Avaliação da Dimensionamento
compreensão 45min/cliente
Avaliação de
Linguagem

Avaliação da organização Dimensionamento


perceptiva auditiva 45min/cliente

Avaliação da Dimensionamento
leitura 45min/cliente

Avaliação do Dimensionamento
Escrita

letramento 45min/cliente

Avaliação da Dimensionamento
escrita 45min/cliente

Avaliação Dimensionamento
psicomotora 45min/cliente
Comunicação
Alternativa

Dimensionamento
45min/cliente
Libras

Dimensionamento
45min/cliente

11
Avaliação de Motricidade Orofacial Parâmetros Assistenciais

• Postura
• Sensibilidade
Dimensionamento
• Mobilidade 60min/cliente
• Tonicidade
• Morfologia
Avaliação Miofun-
cional do Sistema
Estomatognático
Avaliação de
Motricidade
Orofacial

• Respiração
• Mastigação
Dimensionamento
• Deglutição 60 min/cliente

• Sucção
• Fala

12
Voz Parâmetros Assistenciais

Análise Perceptivo
Análise Vocal Auditiva

Análise da Função da Dimensionamento


Produção Vocal 40min/exame

Análise da Dinâmica
Pneumofonoarticu-
latória
Exames Vocais

Parâmetros clínicos Dimensionamento


40 min/exame
Análise Acústica

Parâmetros Dimensionamento
ocupacionais 30 min/exame

Parâmetros Dimensionamento
periciais 60 min/exame

13
Exames I Parâmetros Assistenciais

Análise acústica da voz e da fala Dimensionamento


40 min/exame

Avaliação endoscópica da Dimensionamento


deglutição (FEES) 40 min/exame

Prova de função respiratória com- Dimensionamento


pleta (espirometria) 15 min/exame

Eletroglotografia Dimensionamento
30 min/exame
Exames I

Eletromiografia de superfície Dimensionamento


60 min/exame

Medida de pico de fluxo expiratório Dimensionamento


10 min/exame

Dimensionamento
Videodeglutograma ou Quantitativo 1h20/ exame*não
videofluoroscopia Até 24 horas/ exceder a dose equiva-
semanais lente anual de 150 mSv
para extremidades e 50
mSv para cristalino

Eletrognatografia Dimensionamento
40 min/exame

14
Exames II Parâmetros Assistenciais

Ultrassonografia de Dimensionamento
Língua 30 min/exame

Rinometria Dimensionamento
30 min/exame

Faringometria Dimensionamento
40 min/exame

Algometria Dimensionamento
20 min/exame
Exames II

Rinomanometria Dimensionamento
20 min/exame

Estesiometria Dimensionamento
10 min/exame

Avaliação da Força de Mordida


Dimensionamento
10 min/exame

Avaliação quantitativa de língua, Dimensionamento


lábios e bochechas - IOPI 20 min/exame

15
Exames III Parâmetros Assistenciais

Antroposcopia Dimensionamento
30 min/exame

Avaliação Quantitativa do Olfato Dimensionamento


10 min/exame

Avaliação Quantitativa do Paladar Dimensionamento


10 min/exame

Nasometria Dimensionamento
30 min/exame
Exames III

Avaliação Endoscópica da Função Dimensionamento


Velofaríngea 30 min/exame

Avaliação Goniométrica Dimensionamento


10 min/exame

Medida de Aeração Nasal Dimensionamento


10 min/exame

Antropometria Dimensionamento
30 min/exame

Videofluoroscopia da Dimensionamento
Função Velofaríngea 10 min/exame

16
Exames IV Exames IV Parâmetros Assistenciais

Exame Dimensionamento
Neuropsicomotor 45 min/exame
Evolutivo

17
Exames Audiológicos I Parâmetros Assistenciais
Limiar de Detecção
da Voz - LDV

Logoaudiometria
Limiar de Reconheci- Dimensionamento
mento da Fala - LRF/
01 SRT 10 min/exame

Índice de Reconheci-
mento da Fala - IRF
Audiometria

Tonal Dimensionamento
20 min/exame
Triagem

Dimensionamento
10 min/triagem
Tonal com altas
Audiometria

frequências

Dimensionamento
20 min/triagem
Limiar de Detecção
da Voz - LDV
Audiológicos I

Índice de Reconheci- Dimensionamento


Logoaudiometria 15 min/exame
mento da fala - IRF
Exames

Limiar de Reconheci-
mento da fala - LRF/
SRT
Audiometria
infantil

Avaliação do compor- Dimensionamento


tamento auditivo 30 min/exame

Tonal Limiar Dimensionamento


20 min/exame

Condicionada Dimensionamento
60 min/exame
Tonal
02 Dimensionamento
Triagem
20 min/triagem
Audiometria

Dimensionamento
20 min/exame

Dimensionamento
03 Timpanometria
05 min/exame
Imitânciometria

Pesquisa do Reflexo Dimensionamento


Estapediano 10 min/exame

Pesquisa de Função Dimensionamento


Tubária 05 min/exame

Pesquisa do Dimensionamento
Fenômeno de Túlio 05 min/exame

18
Exames Audiológicos II Parâmetros Assistenciais

Dimensionamento
Weber
05 min/exame

Rinne Dimensionamento
04 05 min/exame

Testes Acumétricos

Schwabach Dimensionamento
05 min/exame

Dimensionamento
Bing
05 min/exame
Audiológicos II
Exames

05

Avaliação do Dimensionamento
Comportamento 30 min/exame
Auditivo

06

Avaliação do Dimensionamento
Processamento 120 min/exame
Auditivo

19
Exames Audiológicos III Parâmetros Assistenciais
07 Dimensionamento
Sisi
10 min/exame

Supraliminares
Tony Decay Test Dimensionamento
Provas 10 min/exame

Reger Dimensionamento
15 min/exame

Metz Dimensionamento
10 min/exame

Fowler Dimensionamento
15 min/exame
08
Emissões Otoacús-
ticas Evocadas

Transientes Dimensionamento
15min/exame

Produto de Dimensionamento
Distorção 15 min/exame

Dimensionamento
Audiológicos III

Com sedação
60 min/exame
09
Automático
Exames

Sem sedação Dimensionamento


60 min/exame

Dimensionamento
Com sedação
PEA

60 min/exame
Curta Latência
(Peate Clique) Dimensionamento
Sem sedação
60 min/exame

Dimensionamento
Com sedação
Curta Latência 120 min/exame
(Peate Frequên-
cia Específica) Dimensionamento
Sem sedação
120 min/exame

Média Latência Dimensionamento


60 min/exame

Longa Latência Dimensionamento


60 min/exame

Dimensionamento
Com sedação
10 120 min/exame
Estado
Estável Dimensionamento
Eletrococleografia

Sem sedação
com eletrodo de

extratimpânico

120 min/exame
conduto /

Dimensionamento
45 min/exame

20
Exames Audiológicos IV Parâmetros Assistenciais

11

Potencial Evocado Dimensionamento


Miogênico Vestibular 60 min/exame
Audiológicos IV

Pesquisa de Nistagmo
Exames

Espontâneo

Pesquisa de Nistagmo
Semi-espontâneo

12
Prova do Rastreio Pendular
Eletronistagmografia Dimensionamento
Vectoeletronistagmografia 1h30 min/exame
Pesquisa do Nistagmo
Optocinético

Prova Rotatória Pendular


Decrescente

Prova Calórica

21
Terapia / Sessão Parâmetros Assistenciais

Terapia/ Sessão Dimensionamento


Individual 8 clientes/período

Dimensionamento
2 a 3 pacientes/grupo/
45 min
Ambulatorial Terapia/ Sessão 4 a 5 pacientes/grupo/
Grupo 60 min
6 a 8 pacientes/grupo/
90 min

Oficina Terapêutica Dimensionamento


(Saúde Mental) Até 5 grupos/período

Neonatal Dimensionamento
0 a 28 dias Até 10 bebês/período

Lactente Dimensionamento
29 dias a 23 meses e 29 dias Até 10 bebês/período

Hospitalar Infantil - 2 anos a 11 anos 11 Dimensionamento


Terapia/Sessão

meses e 29 dias Até 7 clientes/período

Adolescente/Adulto Dimensionamento
12 anos a 59 a 11m 29 dias Até 7 clientes/período

Idoso Dimensionamento
A partir 60 anos Até 6 clientes/período

Neonatal Dimensionamento
0 a 28 dias Até 4 bebês/período

Lactente Dimensionamento
29 dias a 23 meses e 29 dias Até 4 bebês/período

Domiciliar Infantil - 2 anos a 11 anos 11 Dimensionamento


meses e 29 dias Até 4 clientes/período

Adolescente/Adulto Dimensionamento
12 anos a 59a 11m 29 dias Até 5 clientes/período

Idoso Dimensionamento
A partir 60 anos Até 5 clientes/período

22
Atividades voltadas à promoção de saúde Parâmetros Assistenciais

Dimensionamento
Até 4 grupos/período

Atividades voltadas à
promoção de saúde

Dimensionamento
Até 8 clientes/período

23
Implante Coclear Parâmetros Assistenciais

Entrevista com os pais Dimensionamento


20 min/procedimento

Avaliação do processador Dimensionamento


da fala 10 min/procedimento

Avaliação do AASI contra- Dimensionamento


lateral 07 min/procedimento

Realização do molde auricular Dimensionamento


15 min/procedimento

Audiometria em campo livre Dimensionamento


e/ou audiometria com reforço 20 min/procedimento
visual com um dispositivo

Avaliação da percepção Dimensionamento


auditiva da fala 50 min/procedimento

Telemetria de impedância Dimensionamento


10 min/procedimento

Telemetria de respostas Dimensionamento


neurais 40 min/procedimento

Timpanometria e pesquisa do
Implante coclear unila- reflexo estapediano eliciado
Dimensionamento
40 min/procedimento
teral lactente e infantil eletricamente
Pesquisa dos níveis máximos Dimensionamento
e mínimos de estimulação 30 min/procedimento
elétrica e balanceamento
Follow up dos Dimensionamento
mapeamentos 15 min/procedimento

Ativação dos eletrodos Dimensionamento


20 min/procedimento

Potencial evocado auditivo Dimensionamento


cortical 60 min/procedimento

Adaptação e verificação do Dimensionamento


AASI contralateral por meio de 40 min/procedimento
medidas objetivas e subjetivas

Orientação fonoaudiológica Dimensionamento


50 min/procedimento

Orientação familiar Dimensionamento


25 min/procedimento

24
Implante Coclear Bilateral Parâmetros Assistenciais

Entrevista com os pais Dimensionamento


20 min/procedimento

Avaliação do processador Dimensionamento


da fala 15 min/procedimento
Audiometria em campo livre
e/ou audiometria com reforço Dimensionamento
visual com um dispositivo 45 min/procedimento

Avaliação da percepção Dimensionamento


auditiva da fala 100 min/procedimento

Dimensionamento
Telemetria de impedância
12 min/procedimento

Telemetria de respostas Dimensionamento


neurais 60 min/procedimento

Imitanciometria e pesquisa do
Dimensionamento
reflexo estapediano eliciado
Implante coclear bilate- eletricamente
60 min/procedimento

ral lactente e infantil Pesquisa dos níveis máximos Dimensionamento


e mínimos de estimulação 50 min/procedimento
elétrica e balanceamento
Dimensionamento
Follow up dos
30 min/procedimento
mapeamentos
Dimensionamento
Ativação dos eletrodos 40 min/procedimento

Potencial evocado auditivo Dimensionamento


cortical 90 min/procedimento

Orientação fonoaudiológica Dimensionamento


50 min/procedimento

Orientação familiar Dimensionamento


25 min/procedimento

25
Implante Coclear Unilateral Parâmetros Assistenciais

Entrevista com os pais ou Dimensionamento


paciente 20 min/procedimento

Avaliação do processador Dimensionamento


da fala 10 min/procedimento

Avaliação do AASI contra- Dimensionamento


lateral 07 min/procedimento

Realização do molde auricular Dimensionamento


10 min/procedimento

Audiometria em campo livre Dimensionamento


e/ou audiometria com reforço 10 min/procedimento
visual com um dispositivo

Avaliação da percepção Dimensionamento


auditiva da fala 30 min/procedimento

Telemetria de impedância Dimensionamento


05 min/procedimento

Telemetria de respostas Dimensionamento


neurais 30 min/procedimento

Timpanometria e pesquisa do
Implante coclear unila- reflexo estapediano eliciado
Dimensionamento
20 min/procedimento
teral adolescente - eletricamente

adulto - idoso Pesquisa dos níveis máximos Dimensionamento


e mínimos de estimulação 25 min/procedimento
elétrica e balanceamento
Follow up dos Dimensionamento
mapeamentos 10 min/procedimento

Ativação dos eletrodos Dimensionamento


20 min/procedimento

Potencial evocado auditivo Dimensionamento


cortical 45 min/procedimento

Adaptação e verificação do Dimensionamento


AASI contralateral por meio de 25 min/procedimento
medidas objetivas e subjetivas

Orientação fonoaudiológica Dimensionamento


50 min/procedimento

Orientação familiar Dimensionamento


25 min/procedimento

26
Implante Coclear Bilateral Parâmetros Assistenciais

Entrevista com os pais ou Dimensionamento


paciente 20 min/procedimento

Avaliação do processador Dimensionamento


da fala 15 min/procedimento
Audiometria em campo livre
Dimensionamento
e/ou audiometria com refor-
25 min/procedimento
ço visual com um dispositivo

Avaliação da percepção Dimensionamento


auditiva da fala 80 min/procedimento

Telemetria de impedância Dimensionamento


10 min/procedimento

Telemetria de respostas Dimensionamento


neurais 50 min/procedimento

Implante coclear unila- Imitanciometria e pesquisa do


Dimensionamento
reflexo estapediano eliciado
teral adolescente - eletricamente
35 min/procedimento

adulto - idoso Pesquisa dos níveis máximos Dimensionamento


e mínimos de estimulação 40 min/procedimento
elétrica e balanceamento
Dimensionamento
Follow up dos
20 min/procedimento
mapeamentos
Dimensionamento
Ativação dos eletrodos 30 min/procedimento

Potencial evocado auditivo Dimensionamento


cortical 70 min/procedimento

Orientação fonoaudiológica Dimensionamento


50 min/procedimento

Orientação familiar Dimensionamento


25 min/procedimento

27
Referências Bibliográficas

BRASIL, Lei Nº 10741 de 01 de outubro de 2003. Estatuto do Idoso. Disponível


em http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/98301/estatuto-do-idoso-
-lei-10741-03. Acessado em 05/02/2015.
______. Lei Nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Ado-
lescente. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm.
Acessado em 05/02/2015.
______. Lei Nº 8.080 de 19 de setembro de 1990, que dispõe sobre as condi-
ções para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o
funcionamento dos serviços correspondentes. Disponível em http://www.pla-
nalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm. Acessado em 05/02/2015.
______. Lei 7394/85 de 29 de outubro de 1985, que regula o Exercício da
Profissão de Técnico em Radiologia.
BRASIL, Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº 293 de 21 de setem-
bro de 2004, que fixa e estabelece parâmetros para o dimensionamento do
quadro de profissionais de Enfermagem nas unidades assistenciais das institui-
ções de saúde e assemelhados. Disponível em http://www.cofen.gov.br/resoluo-
-cofen-2932004_4329.html. Acessado em 02/08/2014.
BRASIL, Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Resolução Nº
387 de 08 de junho de 2011, que fixa e estabelece os Parâmetros Assisten-
ciais Fisioterapêuticos nas diversas modalidades prestadas pelo
fisioterapeuta. Disponível em http://www.coffito.org.br/site/index.php/
home/resolucoes-coffito/466-resolucao-n-387-2011- fixa-e-estabelece-os-pa-
rametros-assistenciais-fisioterapeuticos-nas-diversas-modalidades- prestadas-
-pelo-fisioterapeuta-e-da-outras-providencias.html. Acessado em 02/08/2014.
BRASIL, Conselho Federal de Fonoaudiologia. Resolução nº 419 de 01 de se-
tembro de 2012, que dispõe sobre os parâmetros referentes ao número de
atendimentos fonoaudiológicos por jornada de trabalho. Dis-
ponível em http://www.fonoaudiologia.org.br/legislacaoPDF/Res%20
419- 2012%20Parametros%20n%20%20atendimentos%20%283%29%20OK.
pdf. Acessado em 02/08/2014.
______. Resolução nº 415 de 12, de maio de 2012, que dispõe sobre o registro de
informações e procedimentos fonoaudiológicos em prontuários.
Disponível em http://www.fonoaudiologia.org.br/legislacaoPDF/Res.%20
CFFa%20n.%20415- 2012%20Prontuarios.pdf. Acessado em 02/08/2014.
______. Resolução nº 246, de 19 de março de 2000, que dispõe sobre
a competência do Fonoaudiólogo, quando no exercício de sua profissão, para
solicitar exames e avaliações complementar. Disponível em http://www.fono-

28
audiologia.org.br/legislacaoPDF/Res%20246- solicitar%20exames.pdf. Acessa-
do em 02/08/2014.
______. Resolução nº 214, de 20 de setembro de 1998, que dispõe sobre
a atuação do fonoaudiólogo como perito em assuntos de
sua competência. Disponível em http://www.fonoaudiologia.org.
br/legislacaoPDF/Res%20214- atua%C3%A7%C3%A3o%20Perito.pdf. Acessado
em 05/02/2015.
______. Parecer COF nº 033, de 14 de agosto de 2009, que dispõe sobre a
competência do fonoaudiólogo para a realização do exame espirometria
(prova de função pulmonar) para fins ocupacionais. Disponível em
http://www.fonoaudiologia.org.br/cffa/wp- content/uploads/2013/07/pare-
cer-COF-CFFa-No-33-de-14-de-agosto-2009.pdf. Acessado em 02/08/2014.
______. Classificação Brasileira de Procedimentos em Fonoaudiologia. 2010.
Disponível em http://www.fonoaudiologia.org.br/publicacoes/cbpfa2ed.pdf.
Acessado em 02/08/2014.
BRASIL, Conselho Federal de Medicina. Classificação Brasileira Hierarquizada
de Procedimentos Médicos. 2012. Disponível em http://www.cremers.org.br/
pdf/cbhpm.pdf. Acessado em 02/08/2014.
BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria nº 963, de 27 de maio de 2013, que rede-
fine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde. Disponível em
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt0963_27_05_2013.
html. Acessado em 05/02/2015.
______. Portaria nº 2.809, de 7 de dezembro de 2012, que estabelece a organi-
zação dos Cuidados Prolongados para retaguarda à Rede de Atenção às Urgên-
cias e Emergências (RUE) e às demais Redes Temáticas de Atenção à Saúde no
âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em http://
bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt2809_07_12_2012.html.
Acessado em 02/08/2014.
______. Portaria 930, de 10 de maio de 2012, que define as diretrizes e os ob-
jetivos para a organização da atenção integral e humanizada ao recém-nascido
grave ou potencialmente grave e os critérios de classificação e habilitação de
leitos de Unidade Neonatal no âmbito do Sistema Único de Saú-
de. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/
gm/2012/prt0930_10_05_2012.html. Acessado em 02/08/2014.
______. Portaria nº 793, de 24 de abril de 2012, que Institui a Rede de Cuidados
à Pessoa com Deficiência no âmbito do Sistema Único de Saúde. Disponível em
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0793_24_04_2012.
html. Acessado em 02/08/2014.
______. Portaria nº 665, de 12 de abril de 2012, que dispõe sobre os critérios

29
de habilitação dos estabelecimentos hospitalares como Centro de Atendimen-
to de Urgência aos Clientes com Acidente Vascular Cerebral (AVC), no âmbito
do Sistema Único de Saúde (SUS), institui o respectivo incentivo financeiro e
aprova a Linha de Cuidados em AVC.
______. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011, que institui no âmbito do
Sistema Único de Saúde a Rede Cegonha. Disponível em http://
bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html.
Acessado em 05/02/2015.
______. Diretrizes de Atenção à Triagem Auditiva Neonatal. Brasília, 2002. Dis-
ponível em http://b. vsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_
triagem_auditiva_neonatal.pdf. Acessado em 02/08/2014.
______. Portaria ANVISA nº 453, de 01 de junho de 1998, que aprova o Regula-
mento Técnico que estabelece as diretrizes básicas de proteção radiológica em
radiodiagnóstico médico e odontológico, dispõe sobre o uso dos raios-x diag-
nósticos em todo território nacional. Disponível em http://www.saude.mg.gov.
br/images/documentos/Portaria_453.pdf. Acessado em 02/08/2014.
______. RDC ANVISA nº 7, de 24 de fevereiro de 2010, que dispõe sobre os
requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensi-
va. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/
res0007_24_02_2010.html. Acessado em 02/08/2014.
BRASIL, Ministério da Saúde, SIGTAP. Tabela de Procedimentos, Medicamentos
e OPM do SUS. Disponível em http://sigtap.datasus.gov.br/tabela-unificada/
app/sec/inicio.jsp. Acessado em 02/08/2014.
MARCHESAN, I.Q. Tratado das Especialidades em Fonoaudiologia, São Paulo:
Guanabara Koogan, 2014.
PEREIRA, L.D. SCHOCHAT, E. Processamento Auditivo - manual de avaliação.
São Paulo: Lovise. 1997.
PERNANBUCO, L.A.; SILVA,H.J.; SOUZA, L.B.R.; MAGALHÃES JR., H.V.;
CAVALCANTI, R.V.A (org.). Atualidades em Motricidade Orofacial.
RAHAL, A.; MOTTA, A.R.; FERNANDES, C. G.; CUNHA, D. A.; MIGLIORUCCI, R.R.;
BERRETIN-FELIX, G. (Org.) Manual de Motricidade Orofacial. 1. ed. São José
dos Campos: Pulso Editorial, 2014. 128p.
TEASELL R, FOLEY N, SALTER K, BHOGAL S, JUTAI J, SPEECHLEY, M. Evidence- ba-
sed review of stroke rehabilitation: executive summary, 12th edition. Topics in
Stroke Rehabilitation, v. 16 n. 6, p. 463-488, 2009.

30
Sistema de Conselhos
de Fonoaudiologia

Brasília
2017

Interesses relacionados