Você está na página 1de 3

P1/UC1 – UNIT - AL

– – – –
1) A radiação X é gerada pelo tubo de raios X, que contém um ambiente a vácuo, em seu interior, e dois polos: um negativo, o
cátodo, e o positivo, o ânodo. Sob efeito de corrente elétrica, o cátodo é aquecido e libera elétrons, gerando uma diferença de
potencial entre o cátodo e o ânodo, que provoca a migração de elétrons em direção ao polo positivo, colidindo com este e
produzindo calor e radiação X.

2) São ondas eletromagnéticas de alta frequência, têm capacidade de penetração na matéria orgânica ou de serem absorvidas
e ionizá-las e produzem imagens em superfícies fotossensíveis.

3) Radiografia de tórax. Na radiografia a imagem é obtida através da emissão de radiação ionizante pelo tubo de raio-x, que
atravessa o corpo e atinge o filme, sensibilizando-o. Estes raios ultrapassam as estruturas corporais em diferentes
graduações produzindo imagens com diferentes características, ou seja, raios absorvidos não sensibilizam o filme e marcam-
no com a forma da estrutura corporal que os absorveu, enquanto os raios que ultrapassam o corpo sensibilizando-o tornam a
imagem escura. Isto acontece graças às diferentes densidades radiológicas das estruturas corporais (e materiais não
orgânicos).

4) (V)

(V)

(F) Os raios-x são radiações eletromagnéticas com alto poder de penetração.

(V)

5) Ortostática, decúbito dorsal, decúbito ventral, decúbito lateral (esquerdo ou direito) e perfil.

6) As rotinas de posicionamento, quando requisitadas radiografias de determinadas estruturas do corpo, são importantes para
evitar a superposição de outras estruturas anatômicas, e facilitar a localização de lesões ou corpos estranhos e determinação
de alinhamento de fraturas.

7) Os raios-x podem ultrapassar o corpo ou serem por ele absorvidos e assim ionizá-lo; dependendo do peso atômico das
regiões radiografadas, da capacidade de penetração dos raios e da absorção do corpo, e por fim, as diferentes densidades
radiológicas das matérias, o filme será sensibilizado de diferentes maneiras. Os raios que ultrapassam o corpo e chegam ao
filme sensibilizam-no tornando-o escuro; os raios que são absorvidos tornam a imagem branca, na mesma forma das
estruturas que os absorveram.

8) Por que os tecidos têm diferentes densidades radiológias, variando o grau de absorção e penetração da radiação X, e
sensibilizando o filme de maneiras diferentes (consequentemente tons diferentes). São 5 as densidades radiológicas:

9) A imagens opacas podem ser chamadas de radiopaca, enquanto a imagem branca mais atenuada é chamada de
hipotransparente. As imagens negras são chamadas de hipertransparentes ou radiotransparentes.

Obs: As imagens sempre são mais facilmente denominadas se comparadas umas com as outras, p. ex.: a característica dos
pulmões são de hipertransparência na radiografia, devido à densidade radiológica do ar; enquanto as estruturas ósseas são
hipotransparentes, em relação a eles, devido à densidade radiológica do cálcio.
P1/UC1 – UNIT - AL
10) São indicações para uma radiografia: fraturas ósseas, avaliação do sistema esquelético, avaliação das estruturas
torácicas, avaliação das estruturas abdominais, pélvicas. Contraindicações: gestação.

11) O dano causado pela radiação é cumulativo, ou seja, a lesão é causada por doses repetidas de radiação que se acumulam
nos tecidos. Alguns efeitos são: náuseas, vômitos, desidratação; os efeitos a longo prazo podem ser divididos em genéticos
(quando os órgãos reprodutivos são expostos à radiação) e somáticos (observados nas pessoas irradiada).

12) Os meios de proteção radiológica incluem redução da área radiografada através de colimadores, redução da exposição,
limitação ao número de exames, principalmente crianças; proteção plúmbica para as gônadas, tireóide e cristalino. O objetivo
é evitar efeitos deletérios da radiação.

13) D

14) B

15) A

16) O raio x não é indicado para gestantes como já foi dito acima, os motivos principais são por conta da radiação que pode
afetar o bebê e ele nascer com alguma má formação e também não é um exame indicado para avaliação do feto.

17) D

18) B

19) C

20) B

21) Reforço acústico: ocorre em estruturas com baixa atenuação ou com menor velocidade de propagação do som em relação
aos tecidos moles. Este fenômeno se manifesta como uma faixa mais clara posterior à estrutura líquida, que o forma,
ocorrendo na bexiga, na vesícula biliar, nos vasos sanguíneos, etc.

Sombra acústica: ocorre em tecidos com alta atenuação e/ou índice de reflexão elevado, resultando na redução importante da
amplitude dos ecos transmitidos, impedindo o estudo das estruturas posteriores. Ela aparece como uma imagem escura,
posterior a cálculos biliares, cálculos renais, calcificações, osso.

22) Anecóico: Passagem de eco sem reflexão. / Hiperecóico: Ecos com alta intensidade.

23) Pode sim, pois na USG não há radiação ionizante, logo, não traz riscos ao feto.

24) D

25) D

26) D

27) D

26) D

29) D

30) D

31) D

32) D

33) D

34) Tomografia é um exame que utiliza raio-x para a formação da imagem, já a ressonância magnética cria um campo
magnético que envia ondas de rádio ao corpo e mede a liberação de energia das células com o uso do computador. Além disso,
a ressonância não possui os riscos que a radiação utilizada pelo raio-x da tomografia provoca. Na tomografia, os ossos
aparecem em branco, gases e líquidos em preto. Tecidos são vistos numa graduação de cinza, dependendo de sua atenuação
P1/UC1 – UNIT - AL
aos raios-X, determinadas, entre outras propriedades, por sua densidade. Já na ressonância, o osso aparece preto e a gordura,
branca.